Você está na página 1de 31

GAAL

Gilmar de Sousa Ferreira

MAT002
Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

FACET-DME

Diamantina, 21 de setembro de 2018

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Escalonamento de Matrizes

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Escalonamento de Matrizes

Dada uma matriz A ∈ Matm×n , a primeira entrada não nula de cada


linha não nula de A é chamada de pivô daquela linha

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Escalonamento de Matrizes

Dada uma matriz A ∈ Matm×n , a primeira entrada não nula de cada


linha não nula de A é chamada de pivô daquela linha. Diz-se que A
tem a forma escalonada se suas entradas satisfazerem as seguintes
condições:
[R1] Todas as linhas nulas ocorrem abaixo das linhas não nulas;
[R2] O pivô de cada linha não nula ocorre numa coluna à direita
daquela que contém o pivô da linha anterior, quando houver

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Escalonamento de Matrizes

Dada uma matriz A ∈ Matm×n , a primeira entrada não nula de cada


linha não nula de A é chamada de pivô daquela linha. Diz-se que A
tem a forma escalonada se suas entradas satisfazerem as seguintes
condições:
[R1] Todas as linhas nulas ocorrem abaixo das linhas não nulas;
[R2] O pivô de cada linha não nula ocorre numa coluna à direita
daquela que contém o pivô da linha anterior, quando houver.
Diz-se que uma matriz tem a forma essencialmente escalonada se ela
tem a forma escalonada e satisfaz
R3 Se uma coluna contém um pivô, então todas suas outras
entradas são iguais a zero

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Escalonamento de Matrizes

Dada uma matriz A ∈ Matm×n , a primeira entrada não nula de cada


linha não nula de A é chamada de pivô daquela linha. Diz-se que A
tem a forma escalonada se suas entradas satisfazerem as seguintes
condições:
[R1] Todas as linhas nulas ocorrem abaixo das linhas não nulas;
[R2] O pivô de cada linha não nula ocorre numa coluna à direita
daquela que contém o pivô da linha anterior, quando houver.
Diz-se que uma matriz tem a forma essencialmente escalonada se ela
tem a forma escalonada e satisfaz
R3 Se uma coluna contém um pivô, então todas suas outras
entradas são iguais a zero.
Diz-se que uma matriz tem a forma escalonada reduzida se ela tem a
forma essencialmente escalonada e satisfaz
[R4] O pivô de cada linha não nula é igual à 1.

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Exemplo

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Exemplo

Exemplo
 
0 1 3 4  
 0 0 1 3 4
0 0 1 

Considere as matrizes A =  , B =  1 0 2 4 ,
 0 0 0 0 
0 0 0 0
0 0 0 1
 
1 0 0    
3 0 0 1 3 0
C= 0 0 0 , D = , E = e
0 1 0 0 1 0
0 1 0
 
1 0 2 3 0 3
F = 0 1 1 2 0 5 .
0 0 0 0 1 5

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 1

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 1
Fixe A ∈ Matm×n , 1 ≤ i 6= p ≤ m e λ, µ ∈ R com µ 6= 0

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 1
Fixe A ∈ Matm×n , 1 ≤ i 6= p ≤ m e λ, µ ∈ R com µ 6= 0. A operação
do tipo 1consiste em substituir Li (A) por µLi (A) + λLp (A)

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 1
Fixe A ∈ Matm×n , 1 ≤ i 6= p ≤ m e λ, µ ∈ R com µ 6= 0. A operação
do tipo 1consiste em substituir Li (A) por µLi (A) + λLp (A).
Exemplo
 
1 2 3 4
Considere a matriz A = 5 6 7 8 
9 10 11 12

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 1
Fixe A ∈ Matm×n , 1 ≤ i 6= p ≤ m e λ, µ ∈ R com µ 6= 0. A operação
do tipo 1consiste em substituir Li (A) por µLi (A) + λLp (A).
Exemplo
 
1 2 3 4
Considere a matriz A = 5 6 7 8 .
9 10 11 12

A matriz do tipo 1 é denida por


i,p m×m m×m
Im (µ, λ) = Im + (µ − 1)Ep×p + λEi×p

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 1
Fixe A ∈ Matm×n , 1 ≤ i 6= p ≤ m e λ, µ ∈ R com µ 6= 0. A operação
do tipo 1consiste em substituir Li (A) por µLi (A) + λLp (A).
Exemplo
 
1 2 3 4
Considere a matriz A = 5 6 7 8 .
9 10 11 12

A matriz do tipo 1 é denida por


i,p m×m m×m
Im (µ, λ) = Im + (µ − 1)Ep×p + λEi×p .

Teorema
i,p
Se A0 é obtida de A pela operação do tipo 1, então A0 = I m (µ, λ)A

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 1
Fixe A ∈ Matm×n , 1 ≤ i 6= p ≤ m e λ, µ ∈ R com µ 6= 0. A operação
do tipo 1consiste em substituir Li (A) por µLi (A) + λLp (A).
Exemplo
 
1 2 3 4
Considere a matriz A = 5 6 7 8 .
9 10 11 12

A matriz do tipo 1 é denida por


i,p m×m m×m
Im (µ, λ) = Im + (µ − 1)Ep×p + λEi×p .

Teorema
i,p
Se A0 é obtida de A pela operação do tipo 1, então A0 = I m (µ, λ)A.

Exemplo
Considere A do exemplo anterior.
Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3
Operação do tipo 2

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 2
Fixe A ∈ Matm×n e 1 ≤ i, p ≤ m. A operação do tipo 2 consiste em
inverter Li (A) com Lp (A)

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 2
Fixe A ∈ Matm×n e 1 ≤ i, p ≤ m. A operação do tipo 2 consiste em
inverter Li (A) com Lp (A).
Exemplo
 
1 2 3 4
Considere a matriz A = 5 6 7 8 
9 10 11 12

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 2
Fixe A ∈ Matm×n e 1 ≤ i, p ≤ m. A operação do tipo 2 consiste em
inverter Li (A) com Lp (A).
Exemplo
 
1 2 3 4
Considere a matriz A = 5 6 7 8 .
9 10 11 12

A matriz do tipo 2 é denida por


i,p m×m m×m m×m m×m
 
Im = Im + Ei×p − Ei×i + Ep×i − Ep×p

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 2
Fixe A ∈ Matm×n e 1 ≤ i, p ≤ m. A operação do tipo 2 consiste em
inverter Li (A) com Lp (A).
Exemplo
 
1 2 3 4
Considere a matriz A = 5 6 7 8 .
9 10 11 12

A matriz do tipo 2 é denida por


i,p m×m m×m m×m m×m
 
Im = Im + Ei×p − Ei×i + Ep×i − Ep×p .

Teorema
i,p
Se A0 é obtida de A pela operação do tipo 2, então A0 = I m A

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operação do tipo 2
Fixe A ∈ Matm×n e 1 ≤ i, p ≤ m. A operação do tipo 2 consiste em
inverter Li (A) com Lp (A).
Exemplo
 
1 2 3 4
Considere a matriz A = 5 6 7 8 .
9 10 11 12

A matriz do tipo 2 é denida por


i,p m×m m×m m×m m×m
 
Im = Im + Ei×p − Ei×i + Ep×i − Ep×p .

Teorema
i,p
Se A0 é obtida de A pela operação do tipo 2, então A0 = I m A.

Exemplo
Considere A do exemplo anterior.
Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3
Operações e matrizes elementares

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operações e matrizes elementares

Quando µ = 1 na operação do tipo 1, temos a operação elementar

que substitui uma linha por ela mesma somada a um múltiplo de

outra

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operações e matrizes elementares

Quando µ = 1 na operação do tipo 1, temos a operação elementar

que substitui uma linha por ela mesma somada a um múltiplo de

outra . A matriz elementar associada é

i,p i,p
Im (λ) = Im (1, λ)

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operações e matrizes elementares

Quando µ = 1 na operação do tipo 1, temos a operação elementar

que substitui uma linha por ela mesma somada a um múltiplo de

outra . A matriz elementar associada é

i,p i,p
Im (λ) = Im (1, λ).

Quando λ = 0 na operação do tipo 1, temos a operação elementar

que substitui uma linha por um múltiplo não nulo dela mesma

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operações e matrizes elementares

Quando µ = 1 na operação do tipo 1, temos a operação elementar

que substitui uma linha por ela mesma somada a um múltiplo de

outra . A matriz elementar associada é

i,p i,p
Im (λ) = Im (1, λ).

Quando λ = 0 na operação do tipo 1, temos a operação elementar

que substitui uma linha por um múltiplo não nulo dela mesma .A
matriz elementar associada é

i,p i,p
Im (µ) = Im (µ, 0)

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Operações e matrizes elementares

Quando µ = 1 na operação do tipo 1, temos a operação elementar

que substitui uma linha por ela mesma somada a um múltiplo de

outra . A matriz elementar associada é

i,p i,p
Im (λ) = Im (1, λ).

Quando λ = 0 na operação do tipo 1, temos a operação elementar

que substitui uma linha por um múltiplo não nulo dela mesma .A
matriz elementar associada é

i,p i,p
Im (µ) = Im (µ, 0).

A operação do tipo 2 também é chamada de a operação elementar

que inverte duas linhas.

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Escalonamento de matrizes

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Escalonamento de matrizes

Duas matrizes A, B ∈ Matm×n são equivalentes se existem matrizes


elementares
E1 , . . . , Er ∈ Matm×m
tais que
B = Er · · · E1 A

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Escalonamento de matrizes

Duas matrizes A, B ∈ Matm×n são equivalentes se existem matrizes


elementares
E1 , . . . , Er ∈ Matm×m
tais que
B = Er · · · E1 A.

Teorema
Dada A ∈ Matm×n , existe uma única R ∈ Matm×n equivalente à A
que tem a forma escalonada reduzida

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3


Escalonamento de matrizes

Duas matrizes A, B ∈ Matm×n são equivalentes se existem matrizes


elementares
E1 , . . . , Er ∈ Matm×m
tais que
B = Er · · · E1 A.

Teorema
Dada A ∈ Matm×n , existe uma única R ∈ Matm×n equivalente à A
que tem a forma escalonada reduzida.

No teorema acima R é denominada a forma escalonada reduzida de


A. O posto de A é o número de pivôs de R.

Gilmar de Sousa Ferreira Aula 3