Você está na página 1de 1

ESCOLA PROFISSIONAL DA REGIÃO ALENTEJO

Ficha de Trabalho Nº 2
Gestão e Organização dos Serviços e Cuidados de Saúde
UFCD 6557 – A Rede Nacional de Cuidados de Saúde – 50 horas
Classificação
Formando: ___________________________________
Nº MEC:______________ Data:_____/_____/_______
Enc. de Educação: ____________________________
 , valores
Ano: _____ Curso: _____________________________ Formador:
EPRAL - Pólo de Évora
Ano Letivo: ____/____ Formador: João Carlos Calado ___________________
ATENÇÃO: Leia, atentamente, cada questão e responda de forma clara e objetiva.
A migração internacional é considerada um dos maiores desafios da Saúde Pública a nível mundial. Atualmente
há uma reconhecida necessidade de compreensão da movimentação da população e do seu impacto na saúde, quer
para os países de acolhimento, trânsito e origem, quer para as populações, migrantes e autóctones. Neste contexto, é
fundamental um melhor conhecimento dos determinantes de saúde e do estado de saúde dos indivíduos e comunidades
imigrantes. A crescente imigração, a que muitos países estão sujeitos, torna necessário refletir sobre políticas e
estratégias de saúde integradoras e sustentadas, que produzam efeitos reais na redução de riscos e vulnerabilidades e
permitam obter ganhos efetivos em saúde.
[…]
Na história da humanidade sempre existiram deslocações de pessoas ou grupos dentro dos países e para fora
destes. No entanto, as necessidades e as motivações deste fenómeno têm sofrido alterações associadas às rápidas
mudanças ambientais, demográficas, socioecónomicas e políticas (Levitt e Jaworsky, 2007). A migração pode ser
motivada por vários fatores, entre outros, fatores ambientais (e.g., catástrofes naturais), económicos (e.g., pobreza,
diferença de recursos entre os vários países, aspirações a melhores condições de vida, globalização da economia),
políticos e religiosos (e.g., guerras, conflitos). O estado de saúde dos indivíduos e a procura de cuidados de saúde é por
vezes também uma causa de mobilidade (WHO, 2003a).
In http://www.uc.pt/fluc/gigs/GeoHealthS/doc_apoio/migracoes_e_saude.pdf, consultado a 29.09.2016

1- A conferência de Alma-Ata foi muito importante para a evolução dos cuidados de saúde.
1.1- Em que se baseou a conferência de Alma-Ata?
1.2- Quais foram os benéficos dessa conferência?
2- Enumere seis razões que levam os migrantes a não recorrer ao SNS.
3- A condição de migrante acarreta vulnerabilidades específicas.
Indique três dessas vulnerabilidades.
4- Considere as afirmações seguintes e classifique com V as afirmações verdadeiras e com F as falsas.
(A) Os migrantes pode sofrer estigmatização e discriminação por parte de alguns profissionais de saúde.
(B) Os migrantes sofrem dificuldades linguísticas quando recorrem aos serviços de saúde.
(C) Os migrantes brasileiros recorrem menos ao SNS porque procuram o setor privado.
(D) Os migrantes africanos são mais crentes em mesinhas, daí recorrem pouco ao SNS.
(E) O género pode ter influência no acesso aos cuidados de saúde.
(F) Atualmente não existem mitos em saúde.
(G) A diversidade cultural pode ser um impedimento no acesso aos cuidados de saúde.
(H) O Serviço Nacional de Saúde e o Sistema Nacional de Saúde são distintos.

5- “Humanizar é preservar a dignidade do ser humano.”


Comente a afirmação anterior.
Bom Trabalho!... 
Cotações:
1.1- 1.2- 2- 3- 4- 5- Total:
30 30 30 30 40 40 200