Você está na página 1de 21

Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 1

MICROSCOPIO DE LUZ:

1000 a 1500 x Até 5000 x


Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 2

MICROSCOPIO DE LUZ :

Partes do Microscópio de Luz:


Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 3

MICROSCOPIO DE LUZ:

• Bacterioscopia ao Microscópio de Luz:

Preparação “a fresco” Preparação “coradas”

Diâmetro da célula bacteriana: 1 a 2 micrômetros

1 micrômetro = 1 m = 10-6 m

Bactéria 1-2 m = 1-2 x 10-6 m Microscópio Luz 1000 x (103)

Bactéria = 10-3 m = 1 a 2 mm
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 4

MICROSCOPIO DE LUZ:

Aumento de 1000 x no Microscópio de Luz:

 Objetiva de Imersão:

Ar
Água
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 5

MICROSCOPIA ELETRÔNICA:

Microscópio Eletrônico
de Transmissão

 Descoberto em 1932

 ME Transmissão (MET):  1.000.000 x

 ME Varredura (MEV):  10.000 x


Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 6

MICROSCOPIA ELETRÔNICA:

ME Transmissão ME Varredura
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 7

MICROSCOPIA ELETRÔNICA:
Microvilosidade
Microscópio Eletrônico Transmissão
Bactéria
 Estudo da ultraestrutura celular;

Envoltórios

Microeletronografia

Bactéria Enterócito

Microeletronografia Vermelho:
Colorizada DNA Genômico
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 8

MICROSCOPIA ELETRÔNICA:

Microscópio Eletrônico Varredura

 Estudo da morfologia da célula;


Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 9

MICROSCOPIA ELETRÔNICA:

Microscópio Eletrônico Varredura


Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 10

Os Métodos de Coloração Facilitam a Visualização


dos Microrganismos ao Microscópio Óptico

Preparação Preparação
“a fresco” “corada”

Caracterização da Morfologia da Bactéria


Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 11

MÉTODOS DE COLORAÇÃO DIFERENCIAIS:

Morfologia
Método de Identificação
Coloração Diferencial Reação Tintorial

Método de Coloração de Gram:


Agrupados
Reação
Coco Predominantemente Staphylococcus
Positiva
em Cachos de Uvas

Bacillus
Reação
Bastonete Esporulado
Positiva Clostridium

Método de Coloração de Ziehl-Neelsen: :

Reação Micobactérias (Gênero M. leprae


Bastonete
Positiva Mycobacterium) M. tuberculosis
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 12

MÉTODO DE COLORAÇÃO DE GRAM:


Solução
Solução de
Solução de Álcool Safranina
Solução de Iôdo Etílico ou
de Cristal de Gram 95% ou Fucsina
Violeta (Lugol) Acetona Diluída
1 minuto 1 minuto “o suficiente” 30 seg

Corante Mordente Descorante Corante

Interpretação Reação Positiva = Roxo


do Resultado:
Reação Negativa = Rosa
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 13

MÉTODO DE COLORAÇÃO DE GRAM:

Hipóteses que Explicam a Diferenciação das Bactérias:

 Espessura da Camada de Peptidioglicano:

ParedeCelular

Membrana Celular
Gram Positiva Gram Negativa

 Desorganização da Membrana Externa das Bactérias Gram Negativas


pelo Diferenciador (Solvente Orgânico):

 Presença de Ácidos Teicóicos nas Bactérias Gram Positivas ;


Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 14

MÉTODO DE COLORAÇÃO DE GRAM:

Cocos Gram positivo Cocos Gram positivo Cocos Gram positivo


agrupados em agrupados em agrupados em
cachos de uva cadeias tétrades
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 15

MÉTODO DE COLORAÇÃO DE GRAM:

Cocos Gram positivo Bastonetes Gram Bastonetes Gram


agrupados 2 a 2 positivo não positivo esporulados
(diplococos) esporulados
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 16

MÉTODO DE COLORAÇÃO DE GRAM:

Bastonetes Gram Cocos Gram Bastonetes


lábeis não negativo agrupados (cocobacilos) Gram
esporulados 2 a 2 (diplococos) negativo
intra e extra-
celulares
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 17

MÉTODO DE COLORAÇÃO DE ZIEHL-NEELSEN:

Solução de Fucsina
de Ziehl-Neelsen,
fenicada, Solução Solução de
concentrada à Álcool Azul de
quente por 5 min Ácida Metileno

Corante Descorante Corante

BAAR= Bacilo Álcool-


Interpretação Reação Positiva = Vermelha
Ácido Resistente
do Resultado:
Reação Negativa = Azul
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 18

MÉTODO DE COLORAÇÃO DE ZIEHL-NEELSEN:

Hipóteses que Explicam a Diferenciação das Bactérias:

 Composição da Parede Celular das Micobactérias:

Polipeptídios
(Ex.: tuberculina) Lipídios Livres (Ex.: fator D-arabinose e D-galactose
corda, ceras, micosídios )
Ácidos Micólicos

Camada Micolato
Arabinogalactano

Camada de
Peptidioglicano

Citoplasma Membrana
Citoplasmática

Ácido D-glutâmico - Ac. m-diaminopimélico e L-alanina


Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 19

MÉTODO DE COLORAÇÃO DE ZIEHL-NEELSEN:

Tuberculose Hanseníase

Globia
Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 20

Tuberculose Doença
Doença em foco: Tuberculose
Renal
M. tuberculosis Tuberculose
Infecção
Disseminação

Cura

Tuberculose
Doença

Transmissão por Via Aérea Óssea


Tuberculose Doença

Vacina BCG

Teste do PPD da Tuberculina


Microscopia e Método de Coloração Bacteriana 21

Doença em foco: Hanseníase


M. leprae Alteração da Sensibilidade:
Térmica  Táctil  Dolorosa

Forma de Transmissão
Formas Clínicas
Multibacilar Sadio
Indeterminada Dimorfa
Secreções do Trato
Tuberculóide Virchowiana
Respiratório Superior
Teste da
Lepromina
ou Mitsuda