Você está na página 1de 36

Modelos de estudo do

desenvolvimento embrionário
dos vertebrados
Anfíbios
Docente: José Sumbana

1 Maputo, aos 11 de Outubro de 2016


Sumário
 Características gerais

 Particularidades da fertilização

 Particularidades das fases do


desenvolvimento embrionário da Rã

2
Objectivos
Geral
Descrever as fases de desenvolvimento embrionário
dos Anfíbios, tomando como modelo a Rã.

Específicos
 Caracterizar o processo de fertilização da Rã.

 Identificar as diferentes fases do desenvolvimento


embrionário da Rã.

 Mencionar as particularidades existentes nas


diferentes fases do desenvolvimento embrionário
da Rã.
3
Características gerais dos Anfíbios (I)

 São vertebrados gnatostómios, deuterostómios,


tetrápodes, pecilotérmicos.

 A pele é nua, sem escamas e anexos.

 Desenvolvimento indirecto.

 Adaptados para viverem fora da água na fase


adulta.

4
Características gerais dos Anfíbios (II)
 A circulação é fechada e o coração tem três
cavidades: duas aurículas e um ventrículo.

 Na boca possuem pequenos dentículos para


defesa e alimentação; a língua é muito
desenvolvida.

 Possuem a reprodução sexuada.

Dependem na sua maioria da água para a


reprodução.
5
Características gerais dos Anfíbios (IV)

A sua distribuição é restrita a


ambientes muitos húmidos, próximos à
água devido a sua pele que é nua.

6
Particularidades de reprodução
(RÃ)

7
Características do óvulo
 Pólo animal- cinzento (melanina no cortex), menor
quantidade de vitelo.

 Pólo vegetal- branco, com maior quantidade de vitelo.

 O óvulo pronto a ser fertilizado é haplóide e encontra-


se na metafase da meiose II.
 Apresenta um tamanho de 1 a
Polo
animal
3mm.

 Contém envelope vitelino e


camada gelatinosa.
 Os óvulos permanecem em
ambiente aquático até a fertilização
8 Polo vegetal e nascimento dos girinos.
Particularidades da fertilização (I)
 É externa na maioria dos Anfíbios e interna em
Salamandras e nas Cobras-cegas.

 A fêmea deposita os ovócitos secundários para serem


fertilizados, sendo haplóides e se encontram na metáfase II
da meiose.

 A fertilização desencadeia o final da meiose e provoca uma


rotação do citoplasma cortical de cerca de 30º relativamente
aos pólos.

 E os eixos anteroposterior e dorsoventral são especificados.

 Anfimixia: no interior do ovo o pro-núcleo masculino deixa


9 um rastro do pigmento (rastro espermático)
Particularidades da fertilização (II)
 Rotação de equilíbrio: o pólo animal por ser mais leve
ficará voltado para cima enquanto o vegetal ficará baixo.

 Ovos e larvas aquáticos.


10
Particularidades da fertilização (III)

 O lado onde o espermatozoide entra será a


superfície ventral do embrião.

 À 180º da entrada do espermatozoide, forma-se


o crescente cinzento, inicia a gastrulação e será
a futura região dorsal.

11
Particularidades da fertilização (IV)
Rotação de simetria

12
Particularidades da fertilização (V)

Pigmento

13
Particularidades da Clivagem
(Rã)

14
Clivagem
 Os ovos são heterolécitos/mesolécitos levando a
segmentação do tipo holoblástica e desigual.

 As células do pólo animal, com menos vitelo,


dividem-se mais rapidamente que as células do pólo
vegetativo, originando blastómeros de dimensões
diferentes.

 Os superiores, junto ao pólo animal, são mais


pequenos – micrómeros – e os inferiores são
maiores – macrómeros.
15
Clivagens

16
Blástula
 Nesta fase o ciclo celular é lento.

 A blástula possui uma cavidade de segmentação

excêntrica (rica em fluido), mais próxima do pólo


animal.

17
Movimentos morfogéneticos no
desenvolvimento embrionário da Rã
Epibolia Invaginação

Intercalação Involução

18
Gástrula (I)
 Este processo foi descoberto por Hans Spermann.

 Ocorre por epibolia e intercalação: os micrómeros


dividem-se mais rapidamente e cobrem os
macrómeros que ficam mais internos.

 É por invaginação ou embolia: algumas zonas


celulares superficiais migram para o interior da
blastocele ao nível do sulco circular, formando o
blastóporo no limite inferior do crescente cinzento.

 Inicia no lado dorsal do embrião imediatamente


Hans Spermann
abaixo do equador da blástula quando um conjunto
de células endodérmicas marginais penetra no
interior do embrião.

19
Gástrula (III)
 Através do blastóporo migram as células que irão
originar a endoderme e a mesoderme.

 Durante a migração celular a blastocele e deslocada


para o lado oposto ao lábio dorsal do blastóporo.

 A gastrulação termina com a estabilização das zonas


celulares (3 camadas germinativas).

20
Início da gastrulação (Invaginação e
Involução) (IV)

21
Gástrula (V)

22
Neurulação (I)
 Há indução promovida pela notocorda da ectoderme para
a formação da placa neural.
 A mesoderme dorsal diferencia-se em notocorda e
somitos.
 Fechamento da placa neural em tubo neural (neurulação).

23
Destino dos folhetos embrionários
Ectoderme Mesoderme Endoderme

Camada de Músculos, o O revestimento


revestimento sistema interno do tubo
externo e o esquelético, a digestivo e suas
sistema nervoso derme, o sistema glândulas
cardiovascular e anexas, além do
o sistema sistema
urogenital. respiratório

24
Neurulação (II)
 Corresponde à formação do tubo neural a partir da
invaginação da placa neural.

 Durante a neurulação o embrião alonga.

 Sob a placa neural, o cordoblasto dá origem a notocorda.

 A corda dorsal é reabsorvida e formam-se as vértebras da


coluna vertebral do adulto.
25
Neurulação (III)
 O mesoblasto origina a mesoderme e posteriormente a
endoderme.

 A região dorsal da mesoderme lateral a notocorda


separa-se numa série longitudinal de blocos, os somitos.

 A zona inferior aos somitos diferencia-se em duas


lâminas que delimitam o celoma:
- o folheto visceral, em contacto com a endoderme e
- o folheto parietal que contacta com a ectoderme.

26
Metamorfoses e mecanismos de regulação
As mudanças morfológicas e fisiológicas são induzidas pela
tiróide.
Girino Adulto
Nado ondulatório com cauda Salto (patas)

Brânquias Pulmão e Cutánea


Detritívoros e herbívoros, boca Carnívoros, boca grande,
pequena, intestino longo língua grande, intestino curto

Sem pálpebras, linha lateral Pálpebras, membrana


timpânica

27
Resumo do ciclo de vida dos Anfíbios
?

28
Consolidação (I)
1. Que estrutura cada figura abaixo representa.
2. Quais são as particularidades de cada estrutura ou fase
de desenvolvimento embrionário da Rã.

A B

29
C Consolidação (II)

E F

30
Consolidação (III)

G H

31
Consolidação (IV)

I J

32
Consolidação (V)
K L

33
Consolidação

34
TPC

1. Descreve o processo de formação dos gâmetas dos


Anfíbios.

2. Qual é a duração de cada uma das fases do


desenvolvimento embrionário da Rã.

3. Quais seriam as consequências de não formação do


crescente cinzento após a fertilização do óvulo da Rã.

35
Fim

Fim
36