Você está na página 1de 11

Angola, um aliado fiel da Rússia que

pode ajudar a estreitar laços com


África
© Sputnik / Vladimir Astapkovich
ORIENTE MÉDIO E ÁFRICA
16:30 23.07.2018(atualizado 13:26 24.07.2018)URL curta
13231

As relações entre a Rússia e Angola têm uma longa história que começou ainda
na época da URSS. Passadas algumas décadas, esta cooperação está se alargando
e revitalizando.

Vladimir Tararov, embaixador da Federação da Rússia na República de Angola, comenta em


entrevista à Sputnik Brasil as relações russo-angolanas em várias áreas e fala da perspectiva do
desenvolvimento desta cooperação bilateral.

A parceria que nunca acabou


Nos fóruns internacionais, organizados inclusive pela Rússia, são cada vez mais frequentes
as discussões sobre o assim chamado "grande retorno da Rússia a África". Para o embaixador, a
atual situação no mundo, em que está acontecendo uma redistribuição dos polos de influência,
faz com que cada país procure aliados.

© AP PHOTO / JONATHAN ERNS


EUA veem África como 'importante mercado futuro' e querem ampliar presença na região
Para a Rússia um destes aliados é a África, que ao longo dos anos foi e continua sendo um
parceiro antigo e grato pela ajuda que a Rússia prestou na época das lutas pela libertação do jugo
colonial.
"Nós não apenas ajudávamos na luta armada, não apenas fornecíamos
armamentos, mas quando eles conseguiram a libertação nacional e
liberdade, nós ajudávamos a construir os próprios Estados, pois não
havia estruturas de Estado nestes países", lembrou o embaixador,
acrescentando que os consultores soviéticos estiveram sempre ao lado do
presidente, do premiê e dos ministros e ajudaram na formação das
estruturas estatais e na definição do conceito e da política do Estado.

Este trabalho, que primeiro foi feito pela União Soviética, e posteriormente pela Rússia, de ajuda
aos países africanos torna estes países nos aliados mais fiéis e confiáveis, ressaltou Vladimir
Tararov. E com a situação complicada em que o mundo se encontra hoje, a Rússia presta atenção
justamente à África.

Mas não se trata de uma cooperação reiniciada, pois o processo de parceria nunca acabou, ele
poderia, sim, às vezes ter abrandado, mas só apenas devido ao fato de ter havido menos
confrontação no mundo e os países africanos não terem que buscar meios de defesa contra vários
tipos de ameaça.

Relações mutuamente vantajosas


Já agora, com uma estrutura estatal e econômica já formada e com um número reduzido de
conflitos e atritos nestes próprios países, se pode falar não sobre necessidade de ajuda, mas sobre
cooperação mutuamente vantajosa entre a Rússia e estes países a todos os níveis: político,
econômico, social, cultural e humanitário.
CC0 / PIXABAY
Rússia pode desempenhar papel-chave na manutenção da paz na África

A cooperação mutuamente vantajosa terá grande importância para a Rússia, "pois sem um
Estado russo forte não podemos ter influência no mundo e não podemos unir em torno de nós os
nossos aliados, que devem compreender que a Rússia pode defendê-los em caso de ameaça
contra estes países", sublinhou o embaixador russo.
Segundo ele, Angola tem importância e prestígio regionais muito elevados em organizações
como a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla em inglês) e a
União Africana, e assim isso pode virar para a Rússia uma espécie de degrau para alargar a
cooperação a outros países no sul da África.

"Eles precisam de proteção e entendem que, durante a construção de um


mundo multipolar, eles terão que buscar garantias de países mais fortes,
para que as relações internacionais desequilibradas encontrem um
equilíbrio que possa garantir uma ordem mundial justa", disse.

No que diz respeito ao desenvolvimento dos laços econômicos e intercâmbio de experiência,


Vladimir Tararov mencionou que a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral está
criando uma zona de comércio livre e que a Rússia, que já teve essa experiência com a criação
da Comunidade Econômica Eurasiática, poderia compartilhá-la e mostrar como é que isso pode
ser realizado.
CC0 / PIXABAY
África é o 'caminho para a liderança mundial da China'

Lembrando o domínio do dólar na economia mundial, o embaixador ressaltou que os EUA, que
controlam todos os fluxos desta moeda, em qualquer momento podem fazer desmoronar
qualquer economia e que a cooperação da Rússia com os países africanos através do rublo pode
resguardar a economia destes países.
Aliado atraente em termos de segurança
A Copa do Mundo mostrou a todos quanto os russos são abertos, quanto são amáveis e,
sobretudo, quanto são seguros, destacou o embaixador, lembrando o maior evento esportivo que
teve lugar na Rússia há alguns dias.
"O mais importante que devemos sublinhar: a Rússia atrai [os angolanos]
do ponto de vista da segurança, porque a Rússia nunca teve guerras
coloniais, nunca demonstrou agressão contra qualquer país e, uma vez
estabelecida a cooperação, ela nunca usou suas alavancas econômicas
para mudar o regime político em qualquer país", explicou Vladimir
Tararov à Sputnik Brasil.
© SPUTNIK / MIKHAIL VOSKRESENSKY
Armamentos mais recentes que entrarão em serviço das Forças Armadas russas em 2018
9

Segundo continuou o embaixador, tal cooperação atrai os angolanos, pois ela representa o padrão
das relações de base bi- e multilateral, que muitos países gostariam de ver, países que ainda não
conseguem mostrar a sua força no mundo, se defender plenamente e deixar de se curvar sob
pressão de países mais poderosos.
A cooperação militar e no ramo da segurança era tradicionalmente a mais desenvolvida, e
continua sendo assim. Ela se realizava através do envio de armamentos e especialistas militares
que ajudavam os angolanos. Atualmente, de acordo com o embaixador, está sendo realizada uma
importante cooperação para o desenvolvimento das Forças Armadas.

"Estamos observando uma aspiração dos angolanos de seguir o exemplo


das nossas Forças Armadas, pois estas se deram a conhecer de forma
positiva, demonstraram sua eficácia, em primeiro lugar na Síria. Estamos
apoiando este rumo e tentamos desenvolver ainda mais as nossas relações
na área militar", disse.

O embaixador adicionou que hoje em dia em Angola está presente um grupo de consultores
militares e que o principal deles é um general que consulta o Comandante Supremo de Angola, o
presidente João Lourenço. Recentemente, pela parte russa foram propostas alterações aos
regulamentos militares, inclusive ao sistema de condecorações local, que estava pouco
desenvolvido.

Outros assuntos de segurança


Conforme o embaixador, um grande trabalho está sendo realizado na área do fornecimento de
armamentos, o que não é um processo fácil dada a interferência dos países ocidentais,
primeiramente dos EUA, que pretendem redistribuir os mercados de armamentos e obstaculizar
essa cooperação através das sanções.

"Apesar de todas essas dificuldades, os angolanos ainda assim acreditam que a Rússia, neste
caso, é o país menos perigoso para eles em termos de dominação e influência na política interna.
Repito, é uma confiança que parte do fato de a Rússia nunca ter sido agressiva", frisou.

© SPUTNIK / RAMIL SITDIKOV


'Não há tempo para temer': como aviação russa enfrenta 'guerra de túneis' na Síria

Quanto a outros assuntos de segurança, para a Rússia é importante, ressaltou Vladimir Tararov,
que considera Angola um país com grande prestígio na região, que a criação de uma cooperação
completamente diferente e atraente para os outros países na área militar pode ajudar a Rússia a
atrair países vizinhos, na base não apenas da cooperação bilateral, mas também da regional.
Como exemplo, embaixador falou de um experimento que está sendo realizado agora. Através da
cooperação entre serviços fronteiriços, foi criada a guarda das fronteiras com equipamentos de
alta tecnologia. Os angolanos ficaram surpreendidos com o que resultou, mas outros países agora
também estão interessados em visitar e ver o resultado deste esforço.

"Não se trata de uma simples transferência de experiência, mas de uma


perspectiva de cooperação com a Rússia na mesma área. Acredito que
aqui temos boas perspectivas, acho que seguiremos este caminho e
ultrapassaremos quaisquer dificuldades que apareçam", resumiu.

Angola e o BRICS
Os países do grupo BRICS vêm apelando à criação do assim chamado BRICS+, para ampliar o
bloco com o objetivo de aumentar sua influência e atratividade.

"O formato BRICS+ está sendo considerado de forma ativa. Do evento [X


Cúpula do BRICS] participarão outros países da África, inclusive Angola […]
As autoridades angolanas, levando em consideração a importância desta
organização, elas entendem a vantagem e claro que põem a questão sobre
a sua adesão à organização", frisou o embaixador da Rússia em Angola.

© SPUTNIK / GRIGORY SYSOEV


China declara que BRICS reforçará cooperação frente ao conflito comercial com EUA

Atualmente, continuou, está sendo realizada uma busca de formas de cooperação e interação fora
do quadro do BRICS, e na cúpula em Joanesburgo estas formas serão discutidas. Para além
disso, está sendo preparado o encontro nas margens do evento entre o presidente russo Vladimir
Putin e seu homólogo angolano João Lourenço.
Esta reunião pode dar um impulso ao desenvolvimento bilateral entre os dois países. O encontro,
que pode virar o primeiro antes da visita oficial do presidente angolano à Rússia, dará certos
vetores na interação entre ambos os países, e esse vetores podem indicar a trajetória de um
trabalho conjunto rápido e eficaz, acredita Vladimir Tararov.

27 de maio em Angola apanhou


Moscovo de surpresa
 27 DE MAIO DE 1977 E NITO ALVES - O TABU DA HISTÓRIA DE ANGOLA
o O testemunho necessário das vítimas do 27 de maio
o Falta saber a verdade sobre o 27 de maio de 1977 em Angola
o 27 de maio: "O Governo quer que as pessoas fiquem reféns do medo"
o 27 de maio, as verdades que nunca mais chegam
o 27 de maio de 1977 em Angola: "Supressão de Agostinho Neto tinha
antecedentes", diz William Tonet
o William Tonet: "Os crimes nunca prescreverão"
o Samakuva: "Reconciliação com as vítimas do 27 de maio não foi
conseguida"
o 1ª parte da entrevista com Dalila Mateus: "Ainda hoje tenho pesadelos com
este horror"
o 2ª parte da entrevista com Dalila Mateus: "O MPLA sempre tratou os
dissidentes da pior forma"
o "A lista dos responsáveis pela repressão não tem fim" - Presidente da
Fundação 27 de Maio luta contra esquecimento da violência
o A outra face de Lúcio Lara: o 27 de maio
o "Só pode haver reconciliação, se os que participaram nos massacres são
responsabilizados", defende vítima do 27 de maio de Angola
o "Prendia-se e matava-se e depois nem se explicava", diz o juiz Rui Rangel
sobre o 27 de maio em Angola
o Nito Alves: ontem e hoje
o "Não houve nenhuma Comissão das Lágrimas em Angola", diz Pepetela
o "Os camaradas eram os nossos principais carrascos", acusa sobrevivente
do 27 de Maio de Angola
o Realizador sofre para contar história "ofuscada" do 27 de maio de 1977
o Membros da polícia política de Angola também foram vítimas do 27 de maio
o Mulheres destacaram-se na luta armada em Angola
o 27 de maio de 1977 tematizado em Berlim
o 27 de maio em Angola apanhou Moscovo de surpresa

O autor do novo livro "'Golpe Nito Alves' e Outros Momentos da História de


Angola Vistos do Kremlin" diz ter novas informações sobre os meandros do
alegado golpe de Estado contra Agostinho Neto e o que se passou depois.
Jornalista e historiador José Milhazes
José Milhazes é o autor do novo livro "'Golpe Nito Alves' e Outros Momentos da História de
Angola Vistos do Kremlin". A publicação, de 219 páginas, foi apresentada esta quarta-feira
(15.05.) na livraria Alêtheia, em Lisboa.

Capa do novo livro de José Milhazes


No livro, o jornalista e historiador português, a viver há mais de 30 anos na Rússia, recorre
a documentos inéditos tornados públicos pelos arquivos soviéticos. Milhazes faz novas
revelações sobre os momentos mais importantes da história de Angola no pós-25 de Abril de
1974 e aborda ainda como a ex-União Soviética os acompanhou e neles interveio.
Um destes momentos, marcantes na história recente daquele país africano, é o chamado
“golpe” de Nito Alves, ocorrido em Angola a 27 de maio de 1977.
"O 'golpe' é apenas um dos capítulos do livro", explica José Milhazes. "Há numerosas
revelações, não só em relação ao complexo problema que foi o 27 de maio, mas também
noutras áreas. O livro tem, por exemplo, um capítulo dedicado às relações entre Agostinho
Neto e os dirigentes soviéticos, que nem sempre foram pacíficas. E muitas das vezes foram
até bastante complicadas, porque os soviéticos nem sempre confiavam nos líderes
africanos."
27 de maio foi surpresa para soviéticos
José Milhazes explica no prefácio que tentou perceber como, em pouco mais de um ano,
Nito Alves, então ministro do Interior, passou de representante do Movimento Popular de
Libertação de Angola (MPLA) no XXV congresso do Partido Comunista soviético a
“fraccionista” e “agente do imperialismo" em maio de 1977.
O autor não obriga o leitor a chegar à sua conclusão, mas diz que "há uma coisa que parece
ser evidente e que fica provado neste livro. Os soviéticos não estavam à espera do 'golpe' de
Nito Alves."

Segundo José Milhazes, Agostinho Neto poderá ter provocado golpe como pretexto para silenciar a
oposição
"Golpe" como pretexto?
No título do livro, José Milhazes escreve "golpe" entre aspas porque, provavelmente, este
não se tratou de um golpe, diz. Esta poderá ter sido "uma ação provocada por Agostinho
Neto, Lúcio Lara e outros dirigentes do MPLA para terem um motivo para lançarem um
purga dentro do próprio partido e acabar de uma vez por todas com a oposição."
Neste que é considerado um dos episódios mais negros da história angolana ainda envolto
em grande mistério, são citados por exemplo os nomes de Sita Valles e José Van-Dúnem,
que viriam a ser fuzilados entre os milhares de vítimas.
"Por que razão é que José Eduardo dos Santos escapou?"
Ao longo do livro, José Milhazes dedica também um capítulo à presença de militares e
conselheiros soviéticos em Angola, às dificuldades que encontraram no terreno e ao
reconhecimento de que conheciam muito mal África e Angola em particular.
José Milhazes faz também referência a memórias de militares e de agentes dos serviços
secretos soviéticos e realça a visão do Kremlin sobre o processo de conversações de paz. "Os
soviéticos tinham muito receio que a qualquer momento a direção angolana mudasse de
posição ideológica, como depois até acabou por acontecer", conta.

Ouvir o áudio04:27
27 de maio em Angola apanhou Moscovo de surpresa
Ainda sobre o 27 de maio de 1977, o historiador admite que o atual Presidente angolano,
José Eduardo dos Santos, não estava alheio aos acontecimentos daquele período.
"Naquela altura, ele já ocupava cargos importantes", lembra Milhazes. A pesquisa do autor
também levantou questões: "Os próprios soviéticos constatam que houve uma perseguição
muito forte a militantes do MPLA que estudaram na União Soviética, de que Agostinho Neto
tinha uma desconfiança muito grande. E não se sabe bem por que razão José Eduardo dos
Santos escapou à purga. Esse é um dos episódios que seria interessante aprofundar no
futuro."
O livro não responde em definitivo a todas as interrogações à volta do 27 de maio. Daí que
José Milhazes deseja que estes escritos possam chegar a Angola e sejam úteis aos
historiadores e angolanos interessados em aprofundar o estudo sobre estes acontecimentos.
"Acho que este tipo de livros deve contribuir inclusivamente para que a história de Angola
seja mais clara. Isso também permitirá um melhoramento das relações entre Angola e
Portugal, por exemplo."