Você está na página 1de 2

Franz Joseph Haydn

Joseph Haydn nasceu a 31 de março de 1732, em Rohrau e


faleceu a 31 de maio de 1809, em Viena.
Estudou cravo e violino e integrou o coro de meninos da
Catedral de Santo Estêvão de Viena.
Aprendeu os principais fundamentos da composição com o
compositor italiano Niccolò Porpora, por volta dos 17 anos e
escreveu o seu primeiro quarteto de cordas.
Em 1759, foi nomeado diretor musical da câmara do conde
Karl von Morzin, da Boémia e escreveu as suas primeiras sinfonias.
Posteriormente foi contratado, pelo príncipe Paul Anton Esterházy e
exerceu as funções de mestre de capela, a partir de 1766.
Por volta de 1781 Haydn iniciou uma sólida amizade com
Mozart e parou de compor óperas e concertos. Mozart, em
contrapartida, escreveu seis quartetos dedicados a Haydn.
Em 1790, foi para Inglaterra reger as suas novas sinfonias com uma grande orquestra. A
viagem rendeu-lhe grandes obras, como as “Sinfonias Salomon” ou “Sinfonias de Londres”.
Mais tarde, voltou a Viena e dedicou-se a compor obras religiosas para coro e orquestra.
Ao longo de cerca de meio século a trabalhar pela música, compôs cerca de 750 trabalhos e
arranjou aproximadamente 330 canções, de onde se destacam mais de 100 sinfonias, além de 83
quartetos de cordas e dezenas de criações em diversos géneros instrumentais e vocais, sacros e
profanos.
Foi, sem dúvida, o compositor mais importante de quartetos de cordas no Classicismo, bem
como de sinfonias, estabelecendo os moldes formais deste género para as gerações futuras e
definindo um novo equilíbrio de forças entre os quatro instrumentos que constituem o quarteto de
cordas: dois violinos, viola de arco e violoncelo. Anteriormente, no género similar a que se chamava
divertimento, o violino tocava as melodias principais e os restantes instrumentos limitavam‐se a ter
um papel de acompanhamento harmónico. Após Haydn, o novo equilíbrio entre os instrumentos
estabeleceu um princípio dialogante que viria a caraterizar este género até aos nossos dias.

Obras mais relevantes


Entre as sinfonias que se destacam estão a Sinfonia n.º 48 em dó maior - Maria Teresa
(1772), Sinfonia n.º 63 em dó maior - Roxolane (1777), Sinfonia n.º 69 em dó maior - Laudon (1778),
Sinfonia n.º 73 em ré maior - A caça (1781), Sinfonia n.º 82 em dó maior - O urso (1786), Sinfonia
n.º 83 em sol menor - A galinha (1785), Sinfonia n.º 85 em si bemol maior - A rainha (1786) e
Sinfonia n.º 92 em sol maior - Oxford (1788).
Das 12 grandes sinfonias londrinas, destacam-se a Sinfonia n.º 100 em sol maior - Militar
(1794), Sinfonia n.º 101 em ré maior - O relógio (1794), Sinfonia n.º 103 em mi bemol maior - O
rufar dos tambores (1795) e Sinfonia n.º 104 em ré menor - Londres (1795).
Dos seus 83 quartetos, destacam-se o Quarteto n.º 1 em dó maior Op. 74 (1793), o Quarteto
n.º 3 em sol menor Op. 74 - O cavaleiro (1793), o Quarteto n.º 2 em ré menor Op. 76 - Quarteto das
quintas, o Quarteto n.º 3 em dó maior Op. 76 - Imperador (1798) cujo segundo movimento foi
adotado como hino nacional da Alemanha, em 1922, o Quarteto n.º 4 em si bemol maior Op. 76 -
Aurora (1798), o Quarteto n.º 5 em ré maior Op. 76 - Quarteto do largo (1798) e enfim o Quarteto
n.º 2 em fá maior Op. 77.
Outras obras que vale a pena citar são: a Sonata para piano n.º 49 em mi bemol maior
(1790), o Trio para piano n.º 1 em si bemol maior - O cigano e A Missa em dó menor - Em época de
guerra (1796).
Arcangelo Corelli
Arcangelo Corelli nasceu em Fusignano a 17 de fevereiro de
1653.
Em 1666 mudou-se para Bolonha, cidade na qual estudou
violino com os mestres Giovanni Benvenuti e Leonardo Brugnoli,
despertando grande interesse devido às suas aptidões e talento.
Em 1685, apareceu em Roma entre os violinistas da igreja de
San Luigi dei Francesi, provavelmente ao serviço do cardeal
Ottoboni. Nessa época publicou as suas primeiras obras: sonatas
para 2 violinos e um baixo, com acompanhamento de órgão.
Pelas suas qualidades como homem e músico, desfrutou de
estima e admiração dos seus contemporâneos, sendo de notar a
amizade que lhe dedicou a rainha Cristina da Suécia. Em pouco
tempo Corelli alcançou uma sólida reputação junto dos altos
círculos de Roma. Ao mesmo tempo, aperfeiçoou a sua técnica em
composição.
Enquanto professor de violino teve como alunos Francesco Geminiani e Antonio Vivaldi.
Morreu, a 8 de janeiro de 1713, sendo sepultado no Panteão de Roma, perto de Rafael.
As suas obras para violino e cravo, foram, durante o século XVIII, usadas para fins didáticos,
enquanto hoje se lhes reconhece grande valor estético. Considerado fundador da escola clássica do
violino, Corelli, com a sua produção de concertos, sonatas a solo e sonatas em trio, exerceu uma
enorme influência não só no seu país como na Europa, em especial nos compositores alemães, Bach
e Händel.
Foi Corelli que emancipou o violino das funções de mero acompanhador, completando o
processo de dignificação do instrumento iniciado com a genialidade artesanal dos Stradivarius,
Guarnieri, Amati.
O modelo usado por Corelli para os seus concertos é o da sonata, forma que no Barroco
correspondia a uma peça para pequeno conjunto de instrumentos com baixo contínuo e que tinha
duas variantes: a sonata da chiesa, em geral com quatro andamentos, alternando os tempos lento-
rápido-lento-rápido; e a sonata da camera. No que respeita à instrumentação, o concerto grosso de
Corelli era, em geral, um alargamento da textura da sonata em trio: os dois violinos e o baixo
contínuo (violoncelo e cravo) encarregavam-se das secções para os solistas, e eram dobrados pela
orquestra nas secções de tutti.

Obras mais relevantes


Corelli produziu seis coletâneas de música instrumental, todas elas dedicadas aos
instrumentos de arco. As quatro primeiras dedicadas aos trios, a quinta é o famoso livro de sonatas
para violino solo e baixo; e a sexta obra, os doze Concertos Grossos.
Entre suas obras mais notáveis estão o Concerto Grosso Op.6 N.8 – “fatto per la notte di
Natale”, Concerto Grosso Op.6 N.10 e Sonate per Violino e Violone o Cimbalo Op.5 N.12.

Bibliografia:
http://www.casadamusica.com/pt/artistas-e-obras/compositores/h/haydn-franz-joseph/#tab=0
http://musicaclassica.folha.com.br/cds/15/biografia.html
http://musicaclassica.folha.com.br/cds/15/obras.html
http://www.casadamusica.com/pt/artistas-e-obras/compositores/c/corelli-arcangelo/#tab=0
http://classicos.mus.br/bio/corelli.htm
http://www.renatacortezsica.com.br/compositores/corelli.htm