Você está na página 1de 5

ADRENALINA

A adrenalina é um hormônio liberado pelas glândulas que ficam sobre os rins (glândulas suprarrenais). A presença no organismo se dá através de um sinal liberado em resposta ao grande estresse físico ou mental, situações de forte emoção como, por exemplo: descida em montanha russa, salto de paraquedas, esportes radicais em geral.

A adrenalina atua como um neurotransmissor que tem efeito sobre o sistema nervoso simpático, preparando o organismo para um grande esforço físico. Os sintomas característicos da liberação de adrenalina são: suor, vasoconstrição, aumento dos batimentos cardíacos, dilatação das pupilas e brônquios (aumenta a visão e deixa a respiração ofegante), eleva o nível de açúcar no sangue, entre outros.

A adrenalina

pode

ocasionar

a

morte?

O aumento dos batimentos

cardíacos faz com que o sangue seja

bombeado mais rapidamente, esse efeito só ocorre por que os vasos se contraem ficando mais finos (vasoconstrição), acelerando a circulação sanguínea. O problema é que, se alguma artéria que leva sangue ao coração estiver um pouco entupida, o estreitamento agravará o quadro:

o sangue não circula e então ocorre a morte de um conjunto de células por falta de oxigênio, mais conhecido como infarto.

Como se vê, a Adrenalina recebe duas classificações: hormônio e neurotransmissor, mas se tratando das classes orgânicas, ela se caracteriza como Amina (presença de NH 2 ).

ADRENALINA A adrenalina é um hormônio liberado pelas glândulas que ficam sobre os rins (glândulas suprarrenais).esportes radicais em geral. A adrenalina atua como um neurotransmissor que tem efeito sobre o sistema nervoso simpático, preparando o organismo para um grande esforço físico. Os sintomas característicos da liberação de adrenalina são: suor, vasoconstrição, aumento dos batimentos cardíacos, dilatação das pupilas e brônquios (aumenta a visão e deixa a respiração ofegante), eleva o nível de açúcar no sangue, entre outros. A adrenalina pode ocasionar a morte? O aumento dos batimentos cardíacos faz com que o sangue seja bombeado mais rapidamente, esse efeito só ocorre por que os vasos se contraem ficando mais finos (vasoconstrição), acelerando a circulação sanguínea. O problema é que, se alguma artéria que leva sangue ao coração estiver um pouco entupida, o estreitamento agravará o quadro: o sangue não circula e então ocorre a morte de um conjunto de células por falta de oxigênio, mais conhecido como infarto. Como se vê, a Adrenalina recebe duas classificações: hormônio e neurotransmissor, mas se tratando das classes orgânicas, ela se caracteriza como Amina (presença de NH ). Adrenalina Fique sabendo agora a origem da palavra Adrenalina! O neurotransmissor foi nomeado como "adrenalina" pelo cientista que conseguiu isolá-lo pela primeira vez, o bioquímico japonês Jokichi Takamine . Ele se inspirou na localização do hormônio no organismo: ad- (prefixo que indica proximidade), renalis (relativo aos rins) e o sufixo -ina , (referente a classe pertencente, às aminas). " id="pdf-obj-0-32" src="pdf-obj-0-32.jpg">

Adrenalina

Fique sabendo

agora

a

origem

da

palavra

Adrenalina!

O neurotransmissor foi nomeado como "adrenalina" pelo cientista que conseguiu isolá-lo pela primeira vez, o bioquímico japonês Jokichi Takamine. Ele se inspirou na localização do hormônio no organismo: ad- (prefixo que indica proximidade), renalis (relativo aos rins) e o sufixo -ina, (referente a classe pertencente, às aminas).

A adrenalina ou epinefrina é uma hormona, derivado da modificação de um aminoácido aromático (tirosina), secretado pelas glândulas supra- renais, assim chamadas por estarem acima dos rins. Em momentos de "stress", as supra-renais secretam quantidades abundantes deste hormônio que prepara o organismo para grandes esforços físicos, estimula o coração, eleva a tensão arterial, relaxa certos músculos e contrai outros.

Quando lançada na corrente sanguínea, devido a quaisquer condições do meio ambiente que ameacem a integridade física do corpo (fisicamente ou psicologicamente, stress), a adrenalina aumenta a frequência dos batimentos cardíacos (cronotrópica positiva) e o volume de sangue por batimento cardíaco, eleva o nível de açúcar no sangue (hiperglicemiante), minimiza o fluxo sanguíneo nos vasos e no sistema intestinal enquanto maximiza o tal fluxo para os músculos voluntários nas pernas e nos braços e "queima" gordura contida nas células adiposas. Isto faz com que o corpo esteja preparado para uma reação, como reagir agressivamente ou fugir, por exemplo. É utilizada também pela medicina em ressuscitações no caso de parada cardíaca ou para aumentar a duração de anestésicos locais devido ao seu efeito vasoconstrictor.

Afeta tanto os receptores beta¹-adrenérgico (cardíaco) e beta²- adrenérgico (pulmonar). Possui propriedades alfa- adrenérgicas que resultam em vasoconstrição.

A adrenalina também tem como efeitos terapêuticos a broncodilatação, o controle da frequência cardíaca e da pressão arterial.

Origem do nome

A palavra "adrenalina" foi criada pelo cientista que conseguiu isolar este hormônio pela primeira vez, o bioquímico japonês Elissandro Jokichi Takamine, que formou o nome em questão tomando o nome dos rins, sobre o qual se situam as glândulas secretoras, como já mencionado. Utilizou então ad- (prefixo que indica proximidade), renalis (relativo aos rins) e o sufixo -ina, que se aplica a algumas substâncias químicas(as aminas).

Nota: Não confundir com efedrina.

Quando levamos um susto ou praticamos um esporte radical, milhares de estruturas iguais a esta são liberadas em nossa corrente sanguínea. O nosso organismo, então, fica "turbinado", pronto para enfrentar a situação de perigo ou alerta. A adrenalina é um estimulante natural.

A adrenalina

é

um

hormônio

e

um

neurotransmissor.

A adrenalina é sintetizada na medula adrenal (sobre o rim). Um sinal, que pode ser induzido através de um baixo nível de glicose, aciona o mecanismo de liberação de adrenalina no sangue. Duas enzimas são responsáveis pela rápida e eficaz degradação da adrenalina: a Catecolamina-O-metiltransferase (COMT) e a Monoaminoxidase (MAO).

Um

Hormônio:

A adrenalina tem o efeito oposto da insulina: é liberada quando o nível

de glicose está baixo. Sua presença na corrente sanguínea aciona mecanismos de mobilização de triacilglicerídeos (gorduras) para produção de açúcar. O aumento da taxa de glicose no sangue permite a fermentação da glicose nos músculos. A adrenalina também inibe a liberação de insulina.

Um

Neurotransmissor:

A adrenalina atua, também, como um neurotransmissor, e tem efeito

sobre o sistema nervoso simpático: coração, pulmões, vasos sanguíneos, órgãos genitais, etc. Este neurotransmissor é liberado em resposta ao

stress físico ou mental, e liga-se a um grupo especial de proteínas - os receptores adrenérgicos. Seus principais efeitos são: aumento

dos batimentos

cardíacos, dilatação dos brônquios e pupilas,

vasoconstricção, suor. entre outros.

Quando um animal é ameaçado, as opções são, geralmente, ficar e lutar, ou correr o mais rápido possível. Ambas as respostas irão requerer uma quantidade extra de oxigênio e açúcar no sangue e nos músculos. A liberação de adrenalina, então, é acionada, aumentando a velocidade de batimentos cardíacos, metabolização, e respiração. A adrenalina está presente em muitas formulações farmacêuticas intravenosas, principalmente no tratamento da asma, hemorragias internas, entre Adrenalina ...

->no Infarto:

Quando uma pessoa sofre uma emoção forte as glândulas adrenais (localizadas na parte superior dos rins) liberam adrenalina. Ela entra na corrente sangüínea e no coração provocando aumento dos batimento scardíacos; com isso mais sangue é bombeado para os músculos. A adrenalina estimula, ainda, uma contração dos vasos sangüíneos, que serve para "empurrar"o sangue e melhorar a irrigação em centros vitais como o cérebro. O aumento da intensidade do trabalho cardíaco e o estreitamento dos vasos podem ocasionar um infarto (morte de tecidos por falta de oxigenação), se já houver alguma artéria coronariana (as que levam sangue para o coração) semi-obstruída. Outra possibilidade é que a contração de uma artéria que já tenha

certo entupimento resulte em um bloqueio total, também causando o infarto.

->no orgasmo:

Para atingir o orgasmo, o sistema nervoso envia ordens ao coração para que os batimentos cardíacos se acelerem. A adrenalina, despejada pelas glândulas adrenais, é jogada no sangue e dilata as artérias, aumentando o fluxo sanguíneo nos músculos envolvidos nas atividades sexuais. Para uma melhor oxigenação do sangue, os pulmões aumentam o seu trabalho, e a respiração se torna curta e rápida. O suor aumenta, provavelmente para dissipar o calor acumulado do corpo. outros.

"Parentes" da Adrenalina

certo entupimento resulte em um bloqueio total, também causando o infarto. ->no orgasmo: Para atingir o

Noradrenalina é uma molécula sintetizada no cérebro e no sistema límbico, e envolve apenas uma pequena mudança na estrutura da adrenalina. Esta molécula, entretanto, tem um propósito diferente: é um dos neurotransmissores, e está relacionado com o raciocínio e emoções. Uma de suas funções, no corpo, é manter a tonicidade muscular nos vasos sanguíneos, controlando, então, a pressão sanguínea. Pessoas que sofrem de hipertensão são tratadas, geralmente, com reserpina, uma droga que reduz a quantidade de noradrenalina nos terminais dos nervos e neurônios.

certo entupimento resulte em um bloqueio total, também causando o infarto. ->no orgasmo: Para atingir o

Salbutamol também é uma molécula semelhante à adrenalina. É usada para relaxar os brônquios em casos de asma; é a droga que está presente em alguns dos inaladores portáteis. Seu nome comercial é Ventolin.

certo entupimento resulte em um bloqueio total, também causando o infarto. ->no orgasmo: Para atingir o

Anfetaminas são químicos sintéticos com uma estrutura química semelhante a da anfetamina. Estes compostos, portanto, podem provocar respostas biológicas semelhantes, atuando como estimulantes, e criando um grande estado de alerta e euforia. O modelo para estes compostos químicos é a anfetamina, que difere da noradrenalina pela ausência dos grupos -OH e adição de um grupo metila à cadeia alquílica.

Uma outra molécula com estrutura química semelhante é a 3,4-metilenodioximetilanfetamina (MDMA) , ou Ecstasy ; esta

Uma outra molécula com estrutura química semelhante é a 3,4-metilenodioximetilanfetamina (MDMA), ou Ecstasy; esta droga recentemente se tornou notória devido ao uso como estimulante eufórico nas raves. Seus efeitos estimulantes permitem o usuário ficar dançando por períodos muito grandes, além de provocar um estado de euforia e bem estar. Devido ao aumento excessivo do metabolismo, o usuário corre o risco de desidratação. O uso prolongado leva a vários problemas de saúde, inclusive morte.