Você está na página 1de 12

O USO DE MÍDIAS E FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEM COMO AUXILIAR NA

CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO DE
ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

EL USO DE MEDIOS DE COMUNICACIÓN Y HERRAMIENTAS DE APRENDIZAJE


COMO SOPORTE EN LA CONSTRUCCIÓN DE CONOCIMIENTO DE ALUMNOS CON
DEFICIENCIA VISUAL

THE USE OF MEDIA AND LEARNING TOOLS AS AUXILIARIES IN THE KNOWLEDGE


CONSTRUCTION OF
VISUAL DEFICIENT STUDENTS

Quelen Silveira Coden. Aluna de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná e


Professora da Rede Estadual do Ensino do Paraná - Brasil.

Nilson Marcos Dias Garcia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná -Universidade Federal do
Paraná-Brasil

Resumo

Relata pesquisa que analisa e discute diferentes metodologias, recursos e ferramentas que docentes da
rede pública de Ensino de Curitiba utilizam para que alunos com deficiência visual tenham pleno
acesso aos conteúdos das disciplinas. Seus objetivos compreendem investigar como os professores
procedem para preparar as atividades, mediar o trabalho com os alunos atendidos, avaliar a apropriação
do conhecimento e de que forma as mídias e ferramentas de aprendizagem auxiliam os alunos com
deficiência visual e os professores das escolas de origem dos estudantes atendidos. Desenvolvida numa
Sala de Recursos Multifuncional organizada especialmente para o atendimento de alunos com
deficiência visual, apoia-se teoricamente em estudos relativos ao direito à diferença, à heterogeneidade
e à diversidade; ao uso de mídias e tecnologias e na utilização de livros didáticos do PNLD em formato
Mecdaisy, impressos em braille e materiais pedagógicos construídos na Sala de Recursos. Tem-se
percebido que o uso de ferramentas e mídias adequadas aumentam as possibilidades de aprendizagem
dos alunos na medida em que permitem simular aspectos da realidade, interação à distância e
sistematização das informações.

Palavras chave: Deficiência visual, Livros Didáticos, Mecdaisy, Formação continuada.

Extended Abstract
This research investigated different methodologies, resources and tools that teachers use in order to
assist students with visual deficiencies to have complete access to the contents developed on the
subjects of regular education. This concern is justified and supported by the Brazilian legislation, which
states that “every person with a deficiency have the right of equality of opportunity as everybody else
and shall not suffer any kind of discrimination”, but also due to the existence, in Brazil, of a national

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

398
textbook evaluation and distribution program for all public Elementary and High School students. This
work had as objectives to investigate how teacher proceed to prepare activities and conduct the work
with blind students; evaluate the knowledge appropriation, in a Multifunctional Resources Room, and
in which way the medias and learning tools assist visual deficient students and teachers from their
respective schools. As research procedures, it was analyzed the collaborative work between students
with visual deficiency and teachers, which was performed in the Multifunctional Resources Room of
the “Escola Estadual D. Pedro II” school, in Curitiba, Paraná, Brazil and the use of tools that the rooms
were equipped with: textbooks, medias, materials built on the Resources Room and assistive
technologies. Researches like this have proved to be important because, in order to promote the
inclusion of blind students on the school’s environment, it is necessary to face the excluding barriers
that can be seen daily. Carvalho (2010) suggests that this inclusion is possible by “intervening in the
educational system, expanding, diversifying its offers, improving its culture and pedagogical practice,
and mainly, articulating it with all the public policies” (p.63), which have proved to be a challenge. To
confront this challenge, in 2008, the MEC (Educational Ministry of Brazil) initiated the setup of
Multifunctional Resources Rooms across the country, “equipped environments, furniture, and didactic
and pedagogical materials to offer a specialized educational attendance”, being, therefore, the physical
space where it will be offered the Specialized Educational Attendance. (Siluk, 2012, 44). This service
should always count on diverse people acting (school’s management professionals, employees, regular
educational teachers, Resources Room’s teacher, invited teachers, blind students and seeing students)
and the exchange of information among peers, attendance to the specific needs of students, construction
and/or adaptation of materials from the continuous formation to the teachers. The activities presented
and discussed refers to the work performed with blind students that are attending to High School and
one student that is coursing System Analysis undergraduate and attend to the Multifunctional
Resources Room of the Dom Pedro II state school, on different periods of regular classes. They are
making possible the development of researches that are allowing the identification of materials,
procedures and strategies that are helping blind students to better follow the development of their
classes on regular school. In this work it will be presented a few of these activities and its theoretical
foundation. The students have weekly lessons of Multiplan, resource “constituted by one operational
rectangular board (with holes regularly distributed), in which it is possible to dock pins, fix elastics,
stems of circular body for geometric solids, stems for calculation of trigonometric functions, operation
basis, bars for statistics graphics, circular disc that shows in its surroundings a sequence of circular

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

399
holes, in which it is possible to combine two or more pieces that belong to a certain mathematical
operation that is desired to be learned and to understand through seeing and touching”
(http://mutiplano.com.br). In it, blind students work on mathematical concepts, construction of
geometric figures and graphics, allowing them to understand and solve exercises. This activity is
prioritized for students, but it is also opened for teachers that want to participate. The student come to
know this assistive technology in the Resources Room and is able to use it during lessons, expanding
his/her access to knowledge. The computer has also assisted the accessibility of blind students due to
the tools of hearing interface, such as NDVA, JAWS, VIRTUAL VISION, ORCA and Dosvox”
(Carvalho, 2015, 22). The student attended on the Resources Room use mostly the NDVA (screen
reader) and Dosvox, which are both free software. On the scope of the National Program of Textbooks
- PNLD, in 2010 the Brazilian Educational Ministry adopted mechanisms to assure the accessibility to
the didactic materials and developed, as a partnership with the Nucleus of Electronical Computing of
the Federal University of Rio de Janeiro, the Mecdaisy, a software that enables the generation of
spoken digital books and its reproduction in audio, taped or synthetized. Therefore, from 2013, visual
deficient students have received and are still receiving the textbooks in digital Mecdaisy format.
However, the Mecdaisy formatted textbooks present potentialities as well as some holes. It facilitates
the access to information because it brings descriptions of all images, but it hinders the learning
process, mainly on subjects that contain mathematical expressions or formulas, because they read
characters with ASCII code, not recognizing symbols and making the reading incomprehensible in
these situations. Regarding the attendance of students with visual deficiency, the teacher’s role is
fundamental in regular lessons, as well as in the Resources Room, because he/she is capable of
verifying the best choice of material for a blind student to have access to all the information. The use of
the WhatsApp app is also allowed for students to have a greater access to materials in less time, also
the information is given to the subject’s teacher, making it possible for the student to receive feedback
of the knowledge built in real time. It is noticed that the use of appropriate tools and media are
increasing the student’s possibilities of learning, seeing or not seeing, once it allows them to simulate
real life aspects, distant interaction and information systematization. However, the role of the teacher in
the teaching-learning process cannot be neglected, in any situation. In the case of visual deficient
students, however, this role is fundamental. Acting together with the Resources Room’s teacher, the not
seeing student’s inclusion possibilities are increased. The school and the teachers that have students
with a deficiency inside regular classes have the chance to review his/her teaching methodology and

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

400
pedagogical practice. This inclusion is not restricted to minimizing the physical barriers and provide
materials and tools. Its main challenge is to minimize the attitudinal barriers regarding the differences,
once they clearly exist and do not need to be the main point in discussion, as well as valorizing the
student’s potentialities.

Key words: Visual deficiency, Didactic books, Mecdaisy, Continuing education.

Introdução
A pesquisa investigou diferentes metodologias, recursos e ferramentas que docentes utilizam para que
alunos com deficiência visual tenham pleno acesso aos conteúdos das disciplinas desenvolvidas no
ensino regular. Essa preocupação se justifica e se ampara na Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 - Lei
Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, que postula em seu artigo 40 que “toda pessoa com
deficiência tem direito à igualdade de oportunidades com as demais pessoas e não sofrerá nenhuma
espécie de discriminação”.
Este trabalho teve como objetivos investigar como os professores procedem para preparar as atividades
e conduzir o trabalho com alunos cegos; avaliar a apropriação do conhecimento numa Sala de Recursos
Multifuncional, e de que forma as mídias e ferramentas de aprendizagem auxiliam os alunos com
deficiência visual e os professores das escolas de origem.
Como procedimentos de pesquisa foi analisado o trabalho realizado na Sala de Recursos
Multifuncional da Escola Estadual D. Pedro II, em Curitiba, Paraná, Brasil (trabalho colaborativo entre
professores e aluno com deficiência visual) e ferramentas disponíveis (livro didático, mídias, materiais
construídos na Sala de Recursos, tecnologias assistivas)
O conceito de deficiência e a inclusão de alunos cegos
Conforme a convenção de Guatemala, por meio do Decreto N0 3.956/01, a deficiência é definida como
“uma restrição física, mental ou sensorial, de natureza permanente ou transitória, que limita a
capacidade de exercer uma ou mais atividades essenciais da vida diária, causada ou agravada pelo
ambiente econômico e social” (Brasil, 2001, 01). Ela pode se apresentar de forma congênita, quando a
pessoa nasce com a deficiência, ou adquirida, quando ocorre no decorrer da vida. No caso de
deficiência visual, ela se divide em dois grupos: cegueira e visão subnormal, ou baixa visão.
Para promover a inclusão dos alunos cegos no espaço escolar é necessário enfrentar as barreiras
excludentes que ocorrem no dia a dia. Carvalho (2010) sugere que isso é possível “intervindo no

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

401
sistema educacional, ampliando, diversificando suas ofertas, aprimorando sua cultura e prática
pedagógica, e principalmente, articulando-o com todas as políticas públicas”. (p. 63)
Para fazer frente a esse desafio, em 2008, o MEC, Ministério da Educação do Brasil, iniciou a
implantação das Salas de Recursos Multifuncionais no país, “ambientes dotados de equipamentos,
mobiliários e materiais didáticos e pedagógicos para a oferta do atendimento educacional
especializado”, sendo, portanto, o espaço físico onde será ofertado o atendimento educacional
especializado. (Siluk, 2012, 44)
O trabalho desenvolvido neste espaço envolve diversos atores (profissionais da gestão escolar,
funcionários, professores do ensino regular, professor da Sala de Recursos, professores convidados,
alunos cegos e alunos videntes). Compreende também a troca de informações entre os pares,
atendimento às necessidades específicas dos alunos, construção e/ou adaptação de materiais e formação
continuada aos professores.

A Sala de Recursos Multifuncionais como ambiente auxiliar no aprendizado de alunos cegos


As atividades apresentadas e discutidas referem-se ao trabalho realizado com alunos cegos que estão
frequentando o Ensino Médio e um aluno que está cursando graduação em Análise de Sistemas e que
frequentam a Sala de Recursos Multifuncionais da Escola Estadual Dom Pedro II, em turno contrário
ao de suas aulas regulares. Elas têm possibilitado o desenvolvimento de pesquisas que estão permitindo
identificar materiais, procedimentos e estratégias que têm auxiliado os alunos a acompanharem de
forma mais satisfatória o desenvolvimento das suas aulas na escola regular.

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

402
O uso do multiplano nas atividades de matemática
O registro da imagem 1 é do Curso de Multiplano35,
ministrado pelo professor Rubens Ferronato, uma vez
por semana, para todos alunos matriculados na Sala de
Recursos. Durante esses encontros são trabalhados
conceitos matemáticos, construção de figuras
geométricas e gráficos, possibilitando a compreensão
e resolução de exercícios. Essa atividade é priorizada
para os alunos, mas os professores regentes que Imagem 1: Aula de Multiplano
Fonte: arquivo Sala de Recursos
desejarem podem acompanhar.
Tem-se percebido que o aluno que conhece esta tecnologia assistiva na Sala de Recursos passa a
utilizá-la em sala de aula, ampliando o seu acesso ao conhecimento. Em relação a acessibilidade Diogo
e Silva (2013) afirmam que:
De forma ampla, a acessibilidade leva à inclusão, independente do contexto a que se refere, tecnológico, educacional ou
comunicacional. Basicamente, ser acessível significa que as barreiras entre o usuário e a informação foram eliminadas ou
reduzidas. (Diogo e Silva, 2013, 06)
A Ferramenta Multiplano vem ao encontro dessa perspectiva, pois possibilita autonomia para
realização de atividades de cálculos e corrobora com o que diz Camargo (2012): “é preciso o
investimento no desenvolvimento de materiais que proporcionem condições para que esse discente, de
forma simultânea, registre, observe aquilo que registra e raciocine”. (p. 260)

O computador como auxiliar da acessibilidade


Outro equipamento que auxilia a acessibilidade é o computador. Carvalho (2015) cita-o como um
aliado do aluno cego na transposição das barreiras de acessibilidade. O autor também indica que
“dentre as ferramentas de interface auditiva mais utilizadas atualmente temos o NDVA, o JAWS, o
VIRTUAL VISION, o ORCA e o Dosvox”(Carvalho, 2015, 22)
Os alunos atendidos na Sala de Recursos utilizam mais o NDVA (leitor de tela) e o Dosvox, ambos
softwares livres. Nas imagens a seguir uma aluna está resolvendo uma função de 20 grau no
computador (imagem 2), utilizando a ferramenta edivox, e construindo o gráfico da mesma no


35
O Multiplano “é constituído por um tabuleiro retangular operacional (com furos distribuídos regularmente), nos quais são
encaixados pinos, fixados elásticos, hastes de corpo circular para sólidos geométricos, hastes para cálculo em funções ou
trigonometria, base de operação, barras para gráficos de estatística, disco circular que apresenta em sua periferia uma
sequência de orifícios circulares, onde podem ser combinadas duas ou mais peças pertinentes a uma determinada operação
matemática que se pretenda aprender e compreender por meio da visão e do tato”. http://multiplano.com.br

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

403
multiplano (imagem 3). A combinação dos dois recursos permite que ela desenvolva o raciocínio,
resolva o problema, faça o registro de cálculo e gráfico, executando a tarefa por completo.

Imagem 2: Registro no computador Imagem 3: Gráfico no multiplano


Fonte: Arquivo Sala de Recursos Fonte: Arquivo Sala de Recursos

O Edivox, editor de texto do pacote Dosvox, permite que o aluno digite e escute ao mesmo tempo o
que está escrevendo. Como ferramenta de registro, o computador confere maior agilidade e autonomia.
Os livros em Mecdaisy
Para acompanhar o conteúdo em sala de aula os alunos possuem também os manuais didáticos,
garantidos por meio do Programa Nacional do Livro Didático – PNLD, programa governamental que
visa avaliar, adquirir e distribuir para os alunos e professores das escolas públicas brasileiras livros
didáticos e acervos de obras literárias, obras complementares e dicionários.
No âmbito desse Programa, através do Decreto 7084, de 2010, o Ministério da Educação adotou
mecanismos para garantir a acessibilidade aos materiais didáticos. Em parceria com o Núcleo de
Computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o MEC lançou o Mecdaisy,
programa que possibilita a geração de livros digitais falados e sua reprodução em áudio, gravado ou
sintetizado. Este padrão apresenta facilidade de navegação pelo texto, permitindo a reprodução
sincronizada de trechos selecionados, o recuo e o avanço de parágrafos e a busca de seções ou
capítulos. Possibilita, também, anexar anotações aos arquivos do livro, bem como leitura em caracteres
ampliados. Todo texto é indexado, facilitando, assim, a navegação por meio de índices ou buscas
rápidas. (Brasil,2013, 01). Assim, a partir de 2013 os alunos com deficiência visual passaram a receber
os livros didáticos em formato digital no formato Mecdaisy.
O livro didático no formato Mecdaisy, entretanto, apresenta potencialidades e falhas. Facilita o acesso a
informação por trazer as descrições de todas as imagens mas dificulta, principalmente nas disciplinas

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

404
que podem apresentar expressões matemáticas ou fórmulas, por fazer a leitura de caracteres com
código ASCII36, não reconhecendo simbologias e tornando a leitura incompreensível nestas situações.
O papel do professor como orientador e articulador dos recursos
No atendimento de alunos com deficiência visual, o papel do professor é fundamental, tanto na sala de
aula regular quanto na Sala de Recursos, para assegurar que o aluno tenha acesso a todas as
informações, que, usualmente, opta por utilizar mais de um recurso, sempre seguindo a programação do
Ensino Regular.
Como exemplo dessa situação, relata-se a atividade de uma professora que estava trabalhando
Movimento Uniforme, um assunto de Física, com apoio do livro didático no formato impresso em sua
sala de aula regular. A aluna cega tinha à sua disposição o mesmo em formato digital Mecdaisy. A
imagem 4 refere-se à página do livro didático impresso que demonstra a aplicação de fórmula e
resolução de exercícios. Pelos problemas citados anteriormente em relação às falhas de leitura do
Software Mecdaisy, ao se tratar de cálculos e simbologia matemática optou-se por formatar e fazer a
impressão deste material em braille na própria Sala de Recursos.
A imagem 5, também página do livro didático impresso, refere-se a imagens de situações cotidianas
relacionadas ao mesmo conteúdo de Física. Neste caso a melhor opção foi disponibilizar o material em
Mecdaisy, pois permite mais agilidade na leitura dos textos e as imagens que constam na página são
descritas.

Imagem 4: página do livro didático Imagem 5: página do livro didático


Fonte: Arquivo Sala de Recursos Fonte: Arquivo Sala de Recursos

Em outras situações, onde aparecem gráficos e ilustrações de fenômenos, é relevante apresentar em


formato de maquete para que o aluno possa construir uma imagem mental. É o caso da imagem 6, no


36
ASCII é uma sigla para “American Standard Code for Information Interchange” (Código Padrão Norte-americano para
Intercâmbio de Informações). O ASCII é um código numérico que representa os caracteres, usando uma escala decimal de 0
a 127. Esses números decimais são então convertidos pelo computador para códigos binários e ele processa o comando.
Cada uma das letras que você digitar vai corresponder a um desses códigos. (http://www.tecmundo.com.br/imagem/1518-o-
que-e-codigo-ascii.htm - acesso em outubro de 2016)

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

405
livro didático aparecia imagem de um eletroscópio 37 e toda explicação estava de acordo com o
movimento das lâminas do mesmo. Sem conhecer o objeto ficaria difícil para aluna compreender a
ação.

Imagem 5: aluna utilizando maquete do eletroscópio Imagem 6: maquete do eletroscópio38


Fonte: Arquivo Sala de Recursos Fonte: Arquivo Sala de Recursos

Entretanto, é importante registrar que nem sempre há tempo hábil para trabalhar com diversos materiais
alternativos. Assim, é necessário que os alunos sejam estimulados a irem se habituando às descrições
de imagens, gráficos e fenômenos.

O celular e o WhatsApp como recursos


Também é possível trabalhar utilizando recursos simples como um celular, que já faz parte do cotidiano
das pessoas e redes sociais, estratégia utilizada pelo aluno que está cursando Graduação em Análise de
Sistemas na Universidade Federal do Paraná.
Kaieski; Grings e Fetter (2015) ,com base em outros autores, mostram os benefícios da utilização do
WhatsApp.
Mattar (2014) define o WhatsApp como uma ferramenta de comunicação rápida e promissora a ser utilizada como uma
plataforma de apoio à educação, visto que possibilita o envio de textos, imagens, sons e vídeos e a criação de grupos de
usuários. Já Moran (2015) cita outro aspecto positivo em relação à forma de comunicação proporcionada por esta
ferramenta, que é a utilização de uma linguagem mais familiar, maior espontaneidade e fluência constante de imagens,
ideias e vídeos. (Kaieski; Grings e Fetter, 2015, p. 02)

A disciplina de Estrutura de Dados, para qual foi realizado o trabalho usando o WhatsApp é uma
disciplina específica da área de computação que trabalha com conceitos abstratos de manipulação de


37
O eletroscópio é um aparelho que permite verificar se um corpo está ou não eletrizado. A maquete utilizada reproduz o
eletroscópio que é usualmente utilizado em aulas de Física, composto por uma haste metálica à qual são colocadas duas
lâminas também metálicas que se abrem ou fecham conforme um material eletrizado é aproximado ou colocado em contato
com a haste.
38
Maquete produzida por José Abilio de Souza Penna.

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

406
dados em memória. São utilizadas figuras (seja uma lista, uma pilha, uma árvore de dados) para ajudar
na compreensão do conceito de estrutura de dados.
Quando o aluno não tem acesso a essas figuras dificulta bastante compreender o conceito para poder
programar, por isso é interessante ter materiais concretos que as representem e que de alguma forma
descrevam um conceito abstrato. Em função dessas especificidades, o atendimento ao aluno dessa
disciplina é um pouco mais complexo e iniciou-se com reunião entre o professor da disciplina e a
professora da Sala de Recursos, para que ficassem claros os objetivos básicos dos conteúdos a fim de
não provocar erros conceituais na construção dos materiais, nem nas possibilidades dos recursos
alternativos.
A imagem 7 reproduz o slide disponibilizado para os alunos da disciplina e mostra a simbologia de
uma árvore e sub árvores. A professora da Sala de Recursos fez a adaptação da imagem utilizando cola
relevo em torno das circunferências e em cima das linhas que ligam as mesmas e as informações
escritas foram impressas em braille (conforme imagem 8). Esta adaptação possibilitou ao aluno
conhecer o layout da imagem e compreender a forma como as informações são organizadas em
expressão gráfica.

Imagem 7: Slide da professora Imagem 8: Adaptação relevo e braile


Fonte: Arquivo Sala de Recursos Fonte: Arquivo Sala de Recursos

Trabalhos dessa natureza são bastante minuciosos e demandam tempo tanto dos professores (sala
regular e de Recursos) para fazer as adaptações, quanto do aluno para fazer a leitura em braille e
conhecer a imagem como um todo. Como forma de minimizar este problema a professora passou a
descrever as imagens, mas para ter segurança de que o aluno estava construindo a imagem mental, foi
solicitado que o mesmo representasse as figuras com objetos que tivesse à disposição em sua casa. A
imagem 9 apresenta a descrição de um exercício de árvore binária que foi passado para o aluno via
áudio no aplicativo WhatsApp. A imagem 10 são as informações que ele recebeu por áudio. Com peças

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

407
de futebol de botão e pequenas formas geométricas ele conseguiu organizar as informações em forma
concreta.
Transcrição da fala WhatsApp:
“A raiz no topo é o A. No lado esquerdo se liga
ao B e no lado direito ao F.O B está ligado ao C e
o D está ligado ao C no lado esquerdo e o E está
ligado ao C no lado direito. O F que está ligado a
raiz A está ligado ao H no lado esquerdo, ao G
no centro e ao J no lado direito. O G que está
ligado ao F está ligado ao I no centro. O K está
ligado ao I no centro. O L está ligado ao K no
centro.”
Imagem 10: Figura construída pelo aluno
Imagem 9: Descrição WhatsApp Fonte: Arquivo Sala de Recursos
Fonte: Arquivo Sala de Recursos

A utilização do whatsApp permitiu ao aluno acesso a uma maior quantidade de material em menos
tempo, além das informações serem passadas simultaneamente para a professora regente da disciplina
na graduação, sendo possível o aluno receber feedback do conhecimento construído em tempo real.

Conclusão

Tem-se percebido que o uso de ferramentas e mídias adequadas aumentam as possibilidades de


aprendizagem dos alunos, videntes e não videntes, na medida em que permitem simular aspectos da
realidade, interação à distância e sistematização das informações.
É inegável o papel do professor no processo de ensino-aprendizagem, qualquer que seja a situação. No
caso de alunos com deficiência visual, entretanto, esse papel é fundamental. Atuando em parceria com
o professor da Sala de Recursos, as possibilidades de inclusão dos alunos não videntes se ampliam.
O professor da Sala de Recursos é o profissional responsável por avaliar as dificuldades e
potencialidades de cada aluno, organizar o Plano de Atendimento Individualizado para que ele tenha
acesso às Tecnologias Assistivas e aprenda a utilizar ferramentas que garantam sua autonomia na sala
de aula do ensino regular. Seu olhar é para além da deficiência, pois é necessário compreender as
singularidades de cada indivíduo e junto com ele encontrar a melhor forma de aprendizado.
Por sua vez, a escola e professores que têm alunos com deficiência inseridos no ensino regular tem a
chance de rever sua metodologia de ensino e sua prática pedagógica. A inclusão não se restringe a
minimizar barreiras físicas e disponibilizar materiais e ferramentas. Seu principal desafio é minimizar
as barreiras atitudinais em relação às diferenças, pois elas já são visíveis e não precisam ser o centro da
discussão, assim como valorizar as potencialidades dos alunos.

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

408
Referências
Brasil. (2001) Decreto N0 3.956 de 8 de outubro de 2001. Promulga a Convenção Interamericana para a
Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contras as Pessoas Portadoras de Deficiência.
Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (2010) Decreto N0 7084 de 27 de Janeiro de 2010. Dispõe sobre os programas de material
didático e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União.

_____. (2015) Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência - Lei N0 13.146, de 6 de julho de
2015. Brasília: Diário Oficial da União.

_____. (2013) Nota Técnica N0 58 de 20 de maio de 2013. Orienta para usabilidade do livro didático
digital acessível – Mecdaisy. Brasília: MEC/SECADI/DPEE.

Camargo, E. P. de. (2012) Saberes docentes para a inclusão do aluno com deficiência visual em aulas
de Física. São Paulo: Editora Unesp.

Carvalho, R. E. (2010) Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Mediação.

Carvalho, J.C.Q.(2015).Ensino de Física e deficiência visual: Possibilidades do uso do computador no


desenvolvimento da autonomia de alunos com deficiência visual no processo de inclusão escolar. Tese
de doutorado. Universidade de São Paulo, Brasil.

Diogo, F. Da C. e. S; Silva da, M. B. Propostas de acessibilidade em ambientes digitais: um estudo


teórico. In: 30 Seminário de Informação em Arte – 11 a 13 de novembro de 2013. Em:
http://redarterj.com/wpcontent/uploads/2014/11/PROPOSTAS-DE-ACESSIBILIDADE-EM-
AMBIENTES-DIGITAIS.pdf. Acesso em 10 Jan 2017.

Kaieski, N.; Grings, J. A. e Fetter, S. A. (2015) Um estudo sobre as possibilidades pedagógicas de


utilização do Whatsapp. In: Novas Tecnologias na Educação - V. 13, N0 2, dezembro.

Siluk, A. C. P. (Org). (2012) Formação de professores para o atendimento educacional especializado.


Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria.

Conferencia Regional para América Latina - IARTEM 2016


Balance y análisis de la investigación sobre el libro de texto escolar y los medios digitales

409