Você está na página 1de 11

FACULDADE PITÁGORAS- UNIDADE DIVINÓPOLIS

ÁGATA CRISTIE DA SILVA

JOÃO CARLOS HONORATO SILVA

NAYARA LEMOS RESENDE

PEDRO RODOLFO GONÇALVES DE SOUSA

TAYNARA TEIXEIRA COUTO

SAÚDE MENTAL, ATENÇÃO PRIMÁRIA E SAÚDE DA FAMÍLIA

DIVINÓPOLIS

2018
ÁGATA CRISTIE DA SILVA

JOÃO CARLOS HONORATO SILVA

NAYARA LEMOS RESENDE

PEDRO RODOLFO GONÇALVES DE SOUSA

TAYNARA TEIXEIRA COUTO

SAÚDE MENTAL, ATENÇÃO PRIMÁRIA E SAÚDE DA FAMÍLIA

Trabalho acadêmico apresentado ao curso de


Psicologia, da Faculdade Pitágoras- Unidade
Divinópolis, como requisito oficial para obtenção
de créditos na matéria de Dependência Química,
ministrada pela professora Rhaisa Gontijo.

DIVINÓPOLIS

2018
SAÚDE MENTAL. ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E INTEGRALIDADE

O modelo de atenção em saúde mental tem como objetivo a ampliação e a


qualificação do cuidado às pessoas com transtornos mentais e sofrimento psíquico nos
serviços comunitários, com base no território.

Nesse novo modelo a atenção hospitalar deixou de ser o centro e se tornou


complementar. Com essa mudança o cuidado muda seu significado, ele vem mais para
um âmbito mais familiar social e cultural do paciente.

Nesse contexto, o novo modelo de saúde apresenta um pensamento sobre um


processo onde a subjetividade na produção de saúde se torna produção de sujeitos. Tem-
se o pensamento de que os saberes e práticas devem se articular a construção de um
processo onde a subjetividade é valorizada, onde os serviços de saúde se tornam mais
acolhedores possibilitando a criação de vínculos.

A rede de saúde mental, segundo essa perspectiva deve ser composta por
diversas ações e serviços de saúde mental, dentre eles dispõe a atenção primária á
saúde- APS (Equipes de saúde da Família, NASF, consultório na rua, CAPS,
residências terapêuticas, ambulatórios, unidades de acolhimento, dentre outros.

Há alguns princípios que norteiam a atuação, atenção e atendimento à saúde


mental como: acessibilidade aos serviços de saúde cuidados integrais, orientação
comunitária e família, continuidade do cuidado e a organização da rede deve se articular
para a produção de cuidados em saúde mental no território.

Urgente se faz incluir a atenção primaria a saúde mental, para dar suporte as
equipes que trabalham no atendimento as pessoas que estão passando por sofrimento.
Importante destacar que o ministério da saúde criou em 2008 o NASF (núcleos de apoio
à saúde da família) para ampliar, qualificar e aumentar a resolubilidade do trabalho da
Estratégia Saúde da Família, principalmente em casos de saúde mental e psiquiatria.

O objetivo da NASF é trabalhar de maneira integrada e apoiando os


profissionais, não somente das equipes de saúde da família, mas também das equipes de
atenção primária para as populações específicas (consultórios de rua, equipes ribeirinhas
e fluviais), configurando em equipes e compartilhando práticas e saberes. O NASF leva
conhecimentos e qualificações em saúde mental aos trabalhadores das equipes de saúde
da família, através de: Escolas Técnicas de SUS- ETSUS, Telessaúde, Equipe de
matriciamento, ofertas de cursos de aperfeiçoamento e especialização em saúde mental,
etc.

O profissional entrevistado foi Sebastião da Silva Oliveira de 25 anos, ele atua


no NASF como fisioterapeuta e terapeuta ocupacional, formado pela UIT(Universidade
de Itaúna), no ano de 2016. Ele atualmente trabalha apenas em um PSF contratado pela
prefeitura. Quando questionado se conhecia o programa SUPERA ele relatou não ter
conhecimento, apontando assim um déficit em cursos de saúde com relação ao manejo
de pacientes que fazem uso de álcool ou outras drogas.

O entrevistado quando fala de sua situação, relata que trata-se de um serviço


muito procurado por toda a população da cidade, uma vez que o serviço é oferecido pelo
SUS, tornando a cobrança por produções gigantescas. Como já mencionado
anteriormente, o objetivo do NASF é ampliar e melhorar os serviços oferecidos à
população, o que muitas vezes aumenta o fluxo de atendimentos.

O entrevistado relatou que a maioria das pessoas que chegam até ele para serem
atendidas são pessoas com limitações funcionais, limitações de amplitude de
movimentos, pessoas com restrições a participações sociais e principalmente pessoas
com lesões crônicas e agudas. Então questionamos se em algum momento de sua
experiência profissional ele já havia atendido algum caso de algum paciente que chegou
lesionado por causa de acidente e que mais tarde foi descoberto que o acidente estava
relacionado com o uso de álcool ou outras drogas, mas ele respondeu que não havia
atendido casos assim.

No tratamento de seus pacientes sua principal ferramenta utilizada são as mãos e


seus conhecimentos. Uma vez que com essas ferramentas eleconsegue mudar linhas de
pensamentos e raciocínios transformando barreiras em facilitadoras. Durante a
entrevista o entrevistado relatou não usar os instrumentos de triagem para a detecção do
uso/abuso de drogas e nem faz uso da entrevista Breve ou Motivacional, o que mostra
que na saúde há uma distinção e setorização do cuidado, onde cada área faz apenas o
que compete a sua área de atuação, o que faz sobrecarregar o trabalho do psicólogo no
serviço de saúde público. Essa situação poderia ser mudada, pois o entrevistado mesmo
disse que há possibilidade não só de trabalhar o físico, mas também mudar ideias e
percepções, uma vez que ali não há somente relação fisioterapeuta-paciente, há também
uma troca de subjetividade e experiências.

A Atenção primária da saúde usa de uma ferramenta chamada apoio matricial


que é um arranjo técnico-assistencial que visa à ampliação da clínica das equipes de
saúde da família. Essa estratégia barra a lógica do encaminhamento indiscriminado para
uma lógica de responsabilização entre as equipes de saúde da família e saúde mental,
isso uni os profissionais e aumenta a possibilidade de resolução de casos.

O apoio matricial é organizado em encontros periódicos e regulares ou pode ser


acionado em casos urgentes quando não se pode esperar até o dia combinado. Nesses
encontros tenta-se encontrar e desenvolver ações conjuntas através de discussões de
casos clínicos e atendimento conjunto. O entrevistado relatou que em sua unidade de
trabalho há regularmente esses encontros multiprofissionais, mas ele não participa.

O entrevistado relatou que há em seu local de trabalho vários programas de


capacitação e qualificação em saúde mental como: Escolas Técnicas do SUS- ETSUS,
Telessaúde, Equipes de matriciamento formadas a partir dos recursos humanos
disponíveis, matriciamento a partir do CAPS, do NASF e dos ambulatórios gerais,
ofertas de cursos de aperfeiçoamento e especialização em saúde mental, programa de
educação pelo trabalho- PET saúde/saúde mental, etc. Mas ele diz nunca ter participado
de alguns desses programas em sua unidade.

Há uma hierarquia quanto a prioridades nos atendimentos na atenção primária


como: cárcere privado, abuso ou negligência familiar, suspeita de maus-tratos, abuso
sexual de crianças e adolescentes, violência doméstica, violência entre vizinhos,
situações de extremo isolamento social, negligência a idosos, crises psicóticas,
tentativas de suicídios. de situação necessita de intervenção urgente e escuta
qualificada. Casos de violência, racismo, homofobia e a desigualdade das mulheres são
assuntos recorrentes e que causam sofrimento psíquico.

Muitos usuários apresentam comorbidades e vários problemas ao mesmo tempo


(problemas psicológicos, físicos e sociais). Há também na atenção primária políticas
para álcool e outras drogas como CAPS-AD, leitos para internação em hospitais gerais
para desintoxicação, estratégias de redução de danos, consultórios nas ruas, unidades de
acolhimento, etc).
Os municípios que não possuem CAPS-AD podem se apoiar a atenção à saúde
da família para a atenção em saúde mental.

CONCEITOS EM ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E SAÚDE DA FAMÍLIA

 Princípios e valores que orientam o desenvolvimento da Atenção Básico


 Possibilitar o acesso universal e continuo as ações e serviços da saúde.
 Delimitar e conhecer o território de atuação, mapeando e organizando a comunidade
com em suas limitações e diferenças, identificar os grupos e as famílias.
 Definir e registrar a população e definir quais equipes terão responsabilidade
sanitária nesses locais.
 Fazer que a população tivesse fácil acesso ao serviço de saúde, essa organização
dependera de cada comunidade e suas necessidades, estando a definir horários dias
de atendimento, instalação e organização do serviço para a demanda da
comunidade.
 Importante estabelecer o vinculo dos profissionais e dos usuários das famílias,
baseando na ética respeito confiança, isso se dará por ambas as partes envolvidas.
 A equipe se torna responsável pelo planejamento, execução das ações propostas
para a comunidade.
 Nãopode haver nenhum tipo de discriminação sendo todos os usuários sendo
tratados iguais, considerando também a subjetividade de cada indivíduo.
 Identificar os riscos e vulnerabilidadede cada individuo dar a atenção necessária aos
mais debilitados com doenças graves ou ate risco de morte, e dando também
atenção aos outros indivíduos.
 Atenção básica também deve ouvir estabelecer dialogo com a população pra
entender sua real necessidade, valorizando e fortalecendo o vinculo com a
população e conscientizando o quão importante é essa comunidade unida com a
saúde básica de sua cidade,
 A formação se faz por uma equipe multidisciplinar composta por no mínimo:
 Um médico generalista ou médico especialista em Saúde da Família, ou
médico de família e comunidade.
 Um enfermeiro generalista ou especialista em Saúde da Família;
 Um técnico ou auxiliar de enfermagem;
 Agentes Comunitários de Saúde.
 Cirurgião-dentista generalista ou especialista em Saúde da Família;
 Auxiliar e/ou técnico em Saúde Bucal.

ENTREVISTA COM O PROFISSIONAL DE SAÚDE DO PSF

Identificar a área de atuação e formação acadêmica do profissional de saúde


entrevistado.

“Área de atuação NASF, fisioterapeuta e terapeuta ocupacional, formado pela UIT,


ano 2016.”

Trabalha em outra instituição / cargo? Se sim, qual?

“Não”

Conhece o SUPERA? Se sim, foi útil em sua atuação profissional? Como?

“Não”

Como é a realidade do seu serviço de saúde?

“Trata-se de um serviço muito procurado por toda a população da cidade, uma vez que
o serviço é oferecido pelo SUS tornando a cobrança por produções gigantescas.”

Quais são as características das pessoas que chegam ao serviço?

“Pessoas com limitações funcionais, limitações de amplitude de movimentos, pessoas


com restrições a participações sociais e principalmente pessoas com lesões crônicas e
agudas.”

Que ferramentas você utiliza no trabalho com essas pessoas?

“A principal ferramenta utilizada são minhas mãos, os meus conhecimentos. Uma vez
que com essas ferramentas eu consigo mudar linhas de pensamentos e raciocínios
transformando barreiras em facilitadoras.”
Conhece / aplica os instrumentos de triagem para detecção do uso/abuso de drogas?

“Não”

Pratica os princípios da Intervenção Breve e/ou Entrevista Motivacional?

“Não”

Gostaria de adicionar informações sobre como se dá sua atuação na intervenção com


usuários de álcool e drogas?

“Não, porque não tenho pacientes usuários de álcool e drogas.”

RESULTADOS E DISCUSSÕES SOBRE E ENTREVISTA

Apesar da busca pela universalidade da assistência e ampliação aos serviços de


saúde, fica nítido a partir da entrevista que a implementação da atenção básica não
cobre todos os profissionais. Elucidamos que, segundo o Ministério da Saúde, o PSF
deve ser capaz de amparar 85% das necessidades de saúde da população cadastradas,
número altíssimo para que poucos profissionais sejam capazes de realizá-la.

Dentre os problemas de saúde que emergem da população, fica subentendido


que as questões psicossociais são destinadas apenas aos psicólogos e no mais distante
aos psiquiatras. Essa demanda psicossocial manifesta a insuficiência de varias partes das
equipes de apoio da saúde na atenção básica.

Não obsta, pelo contrario, as equipes de enfermagem acabam incorporando a


uma grande parte dessas necessidades, não ancorando-se apenas no aspecto biológico
dos problemas de saúde. Se por um lado vemos as equipes de enfermagem prestando
estas assistências, ainda temos o modelo biológico predominante para muitos
profissionais, como no caso principalmente do médico ou como vimos em nossa
entrevista com o fisioterapeuta.

A proposta de apoio matriarcal vem atuar nesse sentido para apoiar as equipes
do PSF, possibilitando ações mais satisfatórias na atenção básica da saúde mental. A
dificuldade principal neste apoio é a aplicação desta conceituação já que a formação de
muitos profissionais esta pautada em outro modelo, e quando o profissional identifica
questões de saúde mental ou atenções básicas, muitas vezes pode não saber o que fazer
e para onde encaminhar, sobrecarregando outros serviços.

Sobre participação da equipe na atenção básica, podem ser realizadas ações de


muitas maneiras como detectar queixas pertencentes ao sofrimento do sujeito,
possibilitar a escuta indicada sobre o problema, identificar através das queixas as
possíveis formas de intervir, facilitar a compreensão do sujeito na busca de ajuda e
maior facilidade no encaminhamento.

Apesar dos esforços para a atenção básica como elucidado nos parágrafos acima,
essa não é uma realidade tão freqüente. Cabe destacar que na entrevista com o
fisioterapeuta, ao perguntar se conhecia o material do SUPERA, cujo apresenta
conhecimentos sobre os serviços e ações da rede, quais são as diretrizes e a prioridade
da saúde mental na Atenção Básica, bem como a atuação articulada das estratégias de
saúde da Família e saúde mental, acabara sendo inexplorado pelo profissional.

O material do supera trás sete módulos, cada um contendo um tópico especifico


mais voltado ao uso de substancias psicoativas, efeitos, uso e diagnostico, intervenções,
redes para cuidado, modalidades de tratamento e encaminhamento, e por fim a
reeducação de danos. Este material pode ser usado por qualquer profissional da área da
saúde e trás benefícios diretamente na atenção e prevenção do uso de drogas.

Como visto na entrevista com o fisioterapeuta o uso de drogas os pacientes com


os quais lida não trazem problemas referentes as drogas, o seu trabalho é voltado para a
parte fisiológica atuando no tratamento e prevenção de doenças e lesões, decorrentes de
fraturas ou má-formação ou vícios de postura, e neste caso nunca teve interação. No
entanto como parte da equipe, caso perceba em seus pacientes problemas relacionados
ao uso de drogas, este pode estar atuando na educação para a prevenção ao uso e as
conseqüências.

O material elucida uma forma mais aberta sobre a discussão das drogas,
possibilitando ganhos em saúde mental, já que todo trabalho preventivo significa
ganhos para o sistema de saúde, além de esses profissionais estarem envolvidos
contribuindo para maior ampliação da propagação dessas ações possibilitando a redução
ou ate prevenindo o uso. Ramalho (2011) afirma que:

A abordagem do problema do abuso de drogas na APS é fundamental para o


sucesso de intervenções voltadas a essa problemática, pois as ações nessa
área abrangem a prevenção, o diagnostico precoce, o cuidado aos agravos e
encaminhamentos para outros serviços. (apud LIMA DE PAULA & COL
2014, p.2)

Segundo Vargas, Oliveira, & Luiz, (2010) citado por Lima de Paula e col (2014) A
identificação e prevenção poderiam impedir que os usuários que ainda não tenham
grandes problemas com o abuso de drogas evoluam para uma situação mais crítica

Ademias, dentro das diversas áreas de atuação específica de cada profissional


que compõem a equipe de saúde, muitos já estabeleceram vínculos com facilidade entre
os pacientes ou com seus familiares, ação que favorece muito a escuta e o acolhimento
das demandas dentro dos serviços de saúde. Com isso fica a sugestão sobre a atuação de
outros profissionais da área de saúde para a atenção aos usuários de drogas, tanto para
reduzir os estigmas dos profissionais quando ao uso e também uma forma de cuidado
mais integral por parte de todos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PAULA, Milena Lima de et al . Assistência ao usuário de drogas na atenção primária à


saúde. Psicol. estud., Maringá , v. 19, n. 2, p. 223-233, June 2014 . Available from
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
73722014000200006&lng=en&nrm=iso>. access
on 07 Nov. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1413-737222025006.

BRSIL, BRASIL. material didático do Curso SUPERA 12ª turma. (2017). Disponível em
https://www.supera.org.br/@/material/mtd/pdf/SUP/SUP_Mod5.pdf. Acesso 07 Nov. 2018