Você está na página 1de 9

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

ESCOLA DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES


CURSO DE FILOSOFIA

LUIZ FELIPE PEREIRA

CONFISSÕES: SANTO AGOSTINHO

CURITIBA
2016
LUIZ FELIPE PEREIRA

CONFISSÕES: SANTO AGOSTINHO

Projeto de Pesquisa apresentado à


disciplina História da filosofia Medieval
do Curso de Graduação em Filosofia da
Pontifícia Universidade Católica do
Paraná.

Orientador: Prof. Dr. Bortolo Valle

CURITIBA
2016
Breve biografia de Santo Agostinho.

Santo Agostinho nasceu em 354 em Tagaste, hoje em dia se refere ao território da


Argélia norte da África, Agostinho era filho de Patrício um senhor Pagão e Mônica
uma Cristã, Agostinho teve um filho se chamado Adeodato que faleceu ainda na
adolescência.
Santo Agostinho estudou gramática em Madaura e retórica em Cartago, teve uma
vida entregue ao pecado antes de se converter ao cristianismo, ele seguiu por um
tempo o maniqueísmo uma religião que considera o bem e o mal como forças duplas
regendo universo e também participou das academias ceticistas.
Durante um tempo em sua vida ele ensinou gramática e retórica na África em Roma
e Milão, onde foi influência da filosofia neoplatônica e pelos sermões de Ambrósio.
No ano de 386 Santo Agostinho viveu uma crise espiritual e se converteu ao
cristianismo, com 32 anos de idade Santo Agostinho foi batizado por
Ambrósio. Após esse episódio Santo Agostinho abandonou a sua carreira vendeu
suas propriedades que herdou de seus pais e fundou uma comunidade monástica
onde se dedicou a escrever obras cristãs com punho altamente filosóficos.
Santo Agostinho fez parte da igreja se tornando Vigário em 391 e Bispo de Hipona
em 395 no norte da África onde manteve o posto pelo resto da vida, Santo Agostinho
morreu em 430 com 75 anos de idade quando a cidade foi sitiada e saqueada por
vândalos.

Obra Chaves de Santo Agostinho

Santo Agostinho foi um forte nome durante a idade média sendo ele um grande
influenciador da patrística, a filosofia dos padres onde tal movimento tinha por ideais
se o pôr às heresias e ao paganismo que colocava em risco a instituição religiosa.
No decorrer de sua vida ele escreveu muitos livros tais obras com grande valor
moral e religioso, dentre suas principais obras podemos destacar: A Cidade de
Deus, De magistro, Doctrina Christiana, De trinitate, Contra os Acadêmicos,
Solilóquios, Do livre-Arbítrio, Espírito e Letra e as Retratações.

Confissões

Dentre todas essas obras o livro confissões se destaca como uma das principais
obras de Agostinho, nela é possível observar as características filosóficas de Santo
Agostinho. Tal livro ainda chama atenção de muitos públicos, não só de estudantes
mais também de historiadores, filósofos e psicólogos.
Em relação a datas podemos descrever que o livro confissões pode ter sido escrito
durante os anos 397 e 401, muitos se perguntam qual a finalidade de Santo
Agostinho ter escrito confissões, pode se dizer que sua finalidade original era
descrever a conversão do maniqueísmo ao cristianismo católico, mas vários outros
fatores puderam instigar e convencer Santo Agostinho a escrever suas confissões.
O livro Confissões trata-se de uma obra autobiográfica escrita em forma literária de
diálogos, em sua obra Agostinho nos mostra o seu processo de conversão além de
angústias e problemas enfrentados por ele. Em Confissões fica nítido que Agostinho
possuí um profundo conhecimento bíblico pois no decorrer do livro é possível
observar que ele utiliza de muitas figuras de linguagem, assim faz com que o leitor
tenha dificuldade em entender certas metáforas.
Muito se tem buscado o que é Santo Agostinho quer nos dizer com o título da
obra, pois confissões nos leva há muitos significados tais como: confissões como
testemunho, Confissões de fé e de louvor. É possível que no decorrer da obra
vejamos por todos os lados os sentidos que Santo Agostinho quer nos revelar com
as confissões.
O livro confissões de Santo Agostinho é composto por treze livros, onde o conjunto desses
13 livros podem ser divididos em duas formas: a primeira seria dividir o livro em duas partes
a qual os livros 1 ao 18 descrevem a vida de Agostinho antes da conversão e os livros 9 al
13 nos descrevem a vida de Agostinho após sua conversão.
Se formos analisar mais a fundo a obra e ver como é feita a divisão e a temática, veremos
que o livro pode ser dividido não só em duas partes, mas que pode ser em três partes:
Os livros uma 1 ao 9 descrevem a vida passada de Agostinho a vida de falsos caminhos e
pecados, o livro 10 nos dar referência a vida atual de Agostinho quando já passou pelo
maniqueísmo e ouviu os sermões de Ambrósio e já foi convertido ao cristianismo, Por último
não menos importante ficam os livros 11 ao 13 que se tratam dos comentários de Agostinho
acerca do livro de Gênesis livro 1 Versículos 1 ao 31, uma menção a criação onde faz uma
fiel retração do que está na Bíblia .
O livro confissões dependendo da editora pode nos dar muitos títulos diferentes para cada
um dos sub-livros da obra, mas podemos fazer a seguinte análise dos pontos e assuntos
tratados:

I: Infância

II: Os Pecados da Adolescência

III: Os estudos

IV: O Professor

V: Em Roma e Milão

VI: Entre Amigos

VII: A caminho de Deus

VIII: A conversão

IX: O Batismo

X: O Encontro com Deus

XI: A Análise do Tempo

XII: A Criação

XIII: A Paz
Pequena Análise dos Livros da Obra

Livros I II e III

Nestes livros Agostinho se atém a falar sobre sua infância sua vida como um menino e
posteriormente como adolescente. Em ambos os livros Agostinho sempre é visto como um
homem cheio de Pecados.
O primeiro livro possui 22 capítulos. E nesse é possível ver que Agostinho na fala de sua
primeira e segunda infância, neste livro Fica bem relatado os pecados que cometeu nessa
época como desejos, inveja e vaidade. Fala também quando esteve doente e quase foi
batizado.
No segundo o livro que é composto por dez capítulos, eles descrevem Agostinho aos seus
16 anos, neste livro também nos é mostrado como o pai de Agostinho se relacionava com
religiosidades sendo completamente oposto à sua mulher Mônica, uma senhora religiosa
que transmite a palavra e os ensinamentos de Deus. No decorrer do livro podemos ver as
dificuldades de um jovem adolescente e as transformações que ocorrem nessa fase além
da relação do livre arbítrio, além de Agostinho começar a mostrar a vontade de ser
perdoado e encontrar sua paz interior.
Tem seu terceiro livro formado por 12 capítulos nos deparamos com a descrição de
Agostinho sobre seus amores, além de mostrar como as artes mexem com o interior das
pessoas. Relata sua vaidade por ser o primeiro aluno em retórica e mostra sua relação com
seus amigos que não lhe agrada o mundo. É possível observar quando ele teve um contato
com o livro de Cícero “ HORTENSIUS”, além de sua passagem pelo maniqueísmo em seu
final vemos quando eu fala que sua mãe seria uma porta-voz dele com Deus.

Livros IV V e VI

Composto por 16 capítulos o livro quarto de Agostinho basicamente fala das vaidades de
sua vida como professor, também relata previamente momentos que teve junto de uma
mulher e quando fez a mudança de Tagaste para Catálogo e seu retorno aos prazeres
carnais. Neste livro Agostinho volta a falar sobre o maniqueísmo, mas de uma forma em
que quer se livrar dela.
O livro V É composto por 14 capítulos e no decorrer deste livro vemos Agostinho já maduro
com 29 anos neste livro é mostrado a decepção que Agostinho teve a se encontrar com
Bispo maniqueu “Fausto”, onde logo após o encontro decidiu se desligar do maniqueísmo.
Narra também sua estadia em Roma e Milão e descreve como passou a ver com os outros
olhos Ambrósio pessoa que fez com que interpretasse de outro modo as sagradas
escrituras.
Já o livro VI É composto por 16 capítulos assim como o IV nele é mostrado sua relação com
seus amigos principalmente com Alípio seu ex aluno e Nebrídio, onde é narrado as viagens
que fizeram juntos. Agostinho nesse livro fala de sua prisão injusta e também no casamento
feito por intermédio da sua mãe também comenta previamente sobre Adeodato seu único
filho e dos debates feitos sobre o mal com seus amigos

Livros VII VIII e IX

O livro VII É composto por 21 Capítulo de início nos é mostrado como foi a transição da
Juventude para maturidade. Nesse livro também temos as dúvidas de Agostinho sobre a
origem do Mal onde chega à conclusão de que o mal não é uma substância e que tudo é
criado por Deus.
No livro VIII Tenho um total de 12 capítulos basicamente nos é mostrado como Agostinho
mesmo com conflitos e ainda com dificuldades em renunciar os prazeres da carne busca
uma nova vida espiritual. Agostinho tem um encontro com Ponticiano um cristão praticante,
um encontra onde ele serviu para refletir sobre si mesmo.
O livro IX é dividido em três capítulos Agostinho reconhece a misericórdia e o poder de
Deus, e agradece por ter tirado do abismo e dos prazeres da Carne. Agostinho relata como
criou sua comunidade que se ocupava com atividades literárias e meditações no decorrer
do livro também podemos ver como Adeodato e Agostinho e Alípio são batizados pelo Bispo
Ambrósio. Agostinho comenta as virtudes de sua mãe e sobre sua respectiva morte,
Agostinho fala que antes de sua mãe faleceu pressentiu isso e por sofrer com as
recordações dela põe-se a rezar para seu pai e sua mãe a fim de amenizar tal sofrimento.

Livros X XI XII e XII

O livro X É composto por 43 capítulos Agostinho coloca-se a falar sobre a virtude da Alma
agora já estando com vestido e sem dúvida sobre sua fé fala sobre seu passado e como
aprendeu com ele fala sobre felicidade e que ela só pode ser encontrada quando
encontrarmos a verdade que seria Deus. É nesse livro que Agostinho reconhece Jesus
Cristo como único mediador entre Deus e os homens.
Quando Agostinho fala sobre temas nos encontramos no livro XI, que possui 27 capítulos
e vai até o fim da obra nesse livro nos encontramos com o novo Agostinho por já têm suas
próprias convicções sobre que acreditar e da grandiosidade de Deus faz um comentário
sobre o princípio e a criação de tudo se atenda o livro de Gênesis quando nós fala sobre
tempo Agostinho utiliza das visões psicológicas não das antológicas pois ele mostra o
tempo como aprendemos e não como ele é em si. Agostinho descreve o tempo em três
divisões:
O tempo futuro (longo), o tempo passado (breve) e o tempo presente intermediação entre
o passado e o futuro. Para Agostinho Deus não fazia nada antes da criação pois o tempo
só surgiu junto com a criação o tempo não é movimento dos corpos nem dos dados, mas
uma extensão da alma.
No Livro XII, temos 32 capítulos Agostinho fala da criação usando livros de Gênesis como
referência disse que a Terra era sem forma e vazia, também faz reflexões sobre a razão a
verdade e a inteligência.
Em seu último livro intitulado de Paz e refere-se ao livro XIII que possui 38 capítulos
Agostinho comenta sobre a interação humana sobre a criação do mundo e como as
pessoas buscar em Deus seu repouso. Também nós encontramos este último livro
interpretações de Agostinho sobre as escrituras sagradas, teologia e filosofia finalizando
assim a obra confissões.
Conclusões.

A obra confissões de agostinho é um espetáculo do início ao fim, durante muito


tempo tive um certo preconceito em relação a suas obras, claro tal preconceito era
apenas coisas da minha cabeça, pois em nenhum momento deixei de acreditar que
Agostinho foi um grande marco para filosofia e em outras áreas.
Neste livro podemos observar sua relação com as filosofias de Platão,
principalmente quando ele fala sobre a alma.
Agostinho nos leva a percorrer seus caminhos com uma linguagem um pouco difícil,
mas que precisa apenas um pouco de interpretação, buscando assim do leitor que
vá além do livro, buscando resposta em outros locais.
Neste livro vemos apenas Agostinho consigo mesmo, diante de Deus, a falar sobre
suas inquietações e dúvidas por qual passou diante de sua trajetória.
Referências

 AGOSTINHO Santo, Bispo de Hipona. Confissões. 250 p.


 SANTOS, J. Oliveira; PINA, Ambrósio de. (Trad.) Santo Agostinho:
Confissões. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Ed. Nova cultural,1999.
 Strefling, Sérgio Ricardo. A Atualidades das confissões de Santo
Agostinho nº 156, p 259-272. Junho de 2007

Você também pode gostar