Você está na página 1de 73

INFRA ESTRUTURA

URBANA
ILUMINAÇÃO PÚBLICA
iluminação | conceito

– Luminotécnica (ou também Luminotecnia) é o


estudo da aplicação de iluminação artificial tanto
em espaços interiores como exteriores.
– Iluminação pública é o nome dado ao sistema de
iluminação noturna das cidades.
iluminação | história

– Chama do fogo: única fonte de iluminação à


disposição da humanidade durante milênios.
iluminação | história
• Primeira Lâmpada de azeite animal: transportar a
luz com segurança.
• Na Roma antiga: iluminação pública inexistente,
somente para eventos extraordinários.
• Idade Média: cidade era escura, mas a arquitetura
mostrava sinais de diálogo com a iluminação
natural, reforçando valores emblemáticos da
época.
iluminação | história

Traceira de suporte para a rosácea de vidro: filtro de luz.


iluminação | história
• A iluminação pública foi praticamente inexistente
até meados do século XVII.
• As lâmpadas de azeite perduraram por muitos
séculos, sendo aperfeiçoadas ao longo do tempo.
• Revolução Industrial, 1780: pressão econômica e
social por demanda de iluminação mais barata e
de melhor qualidade.
iluminação | história
• A primeira cidade
iluminada
artificialmente foi
Amsterdam, 1669,
com o uso do farol
de azeite. Era
necessário um
faroleiro para cada
vinte lâmpadas, a
fim de garantir seu
funcionamento.
iluminação | história
• O gás de carvão substitui a iluminação a óleo em
função dos custos de manutenção e combustível,
a partir de 1810.
• O fornecimento regular de energia elétrica, a
partir de 1882, representou “a maior revolução
ambiental da história humana desde a
domesticação do fogo”, segundo Baham (1975).
iluminação | história
• No Brasil a lâmpada de azeite permaneceu em uso até o
século XIX.
• A iluminação de ruas, antes de se tornar responsabilidade
pública, era feita pelos vizinhos, que rateavam as
despesas.
• 1850: expansão infra-estrutura urbana: serviços
terceirizados ao setor privado
(iluminação, esgoto, transportes).
• 1854: Visconde de Mauá implanta
o sistema de iluminação a gás do
Rio de Janeiro, com dinheiro próprio.
iluminação | história
• 1879: chega a iluminação elétrica. Primeiro em
algumas lâmpadas, depois em todo o sistema
público suprido por uma usina termoelétrica.
• Campos, Porto Alegre, Juiz de Fora, Belém,
Curitiba, Maceió: todas se anteciparam a Rio
(1904) e São Paulo (1905) na iluminação elétrica
de suas ruas.
iluminação | atualmente
• A iluminação pública é essencial para a qualidade de vida
nos centros urbanos, atuando como instrumento de
cidadania, permitindo aos habitantes desfrutar
plenamente do espaço público no período noturno.
• Diretamente ligada à segurança pública no tráfego, a
iluminação previne a criminalidade, embeleza as áreas
urbanas, destaca e valoriza monumentos, prédios e
paisagens, facilita a hierarquia viária, orienta percursos e
aproveita melhor as áreas de lazer.
iluminação | atualmente
• Uma iluminação urbana eficiente:
> chega aonde se necessita;
> desempenha a sua função específica;
> gera conforto e segurança para o cidadão;
> contribui para a beleza dos lugares e objetos;
> tem impacto ambiental controlado;
> não gera desperdício de energia;
> é viável economicamente;
> utiliza tecnologia e produtos locais.
iluminação | atualmente

Louvre, Paris.
iluminação | cena urbana
• Recintos urbanos: piso e parede (arquitetura sem
teto).
• Variável regional: a quantidade e disponibilidade
regional de luz natural é determinada
principalmente pela latitude e o tipo de céu
dominante.
• Contribuem para a iluminação natural do recinto
urbano, além da variável regional, a arquitetura e
a vegetação.
iluminação | cena urbana
> Elementos que interferem na cena urbana:
- uso do solo;
- materiais;
- equipamentos;
- vegetação, entre outros.

Todos os elementos urbanos, construídos ou não, intervém na


distribuição de luz do ambiente da cidade. As superfícies e os
materiais constituem qualidades óticas que podem contribuir ou
coibir a iluminação natural do ambiente.
iluminação | cena urbana
iluminação | cena urbana

Brasília: espaço aberto.


iluminação | cena urbana

Piazza San Marco, Veneza.


iluminação | desenho
iluminação | cena urbana
iluminação | necessidades
• NECESSIDADES:
> seguridade viária;
> seguridade citadina;
> orientação visual;
> promoção turística ou comercial;
> identidade, ambientação e recreação.
iluminação | impactos

• Impacto ambiental: geração de CO2, poluição


luminosa e geração de resíduos (mercúrio).
• Pensar em luminárias eficientes, com
durabilidade prolongada e tempo de operação
estritamente necessário.
iluminação | lâmpadas
VAPOR DE SÓDIO:
• primeira opção para iluminação de vias públicas,
rodovias, trevos, vias secundárias, etc.
• Boa resistência a choques e intempéries, alta
eficiência luminosa e vida média muito longa.
iluminação | lâmpadas
VAPOR DE MERCÚRIO:
• Recomendada para praças e pequenas redes de
iluminação.
• Boa resistência a choques e intempéries, boa
eficiência luminosa e vida média longa.
iluminação | lâmpadas
INCANDESCENTE:
• Recomendada para áreas preservadas pelo
patrimônio histórico, em função da sua ótima
reprodução de cores.
• Baixa resistência a choques e intempéries, baixa
eficiência luminosa e vida média curta.
iluminação | lâmpadas
HALÓGENA:
• Recomendada para iluminação de fachadas, grutas
e monumentos, desde que o objeto a ser
iluminado esteja a uma distância de, no máximo,
10 metros da fonte de luz.
• Baixa resistência a choques e intempéries,
eficiência luminosa maior que a incandescente,
vida média pequena. Reproduz bem as cores
vermelho, laranja e amarelo.
iluminação | lâmpadas
MULTIVAPOR METÁLICO:
• Melhor fonte de luz branca até a presente data.
Recomendada campos de futebol, área de desfiles,
monumentos, áreas verdes. Sempre que se desejar
alto rendimento de cor e alto nível de
iluminamento.
• Excelente reprodução de cores, vida média longa e
eficiência luminosa razoável.
iluminação | lâmpadas
iluminação | luminárias
PADRÃO CEMIG:
iluminação | luminárias
PADRÃO CEMIG:
iluminação | luminárias
PADRÃO CEMIG:
iluminação | luminárias
PADRÃO CEMIG:
iluminação | luminárias
TIPO DE LUMINÁRIA X LÂMPADA:
iluminação | braços
PADRÃO CEMIG:
Braço Curto:

Para luminárias
estampadas, com ou sem
tela de proteção.
iluminação | braços
PADRÃO CEMIG:
Braço Médio: luminária estampada fechada;
Braço Pesado: luminária tipo pétala, em áreas arborizadas.
iluminação | braços
PADRÃO CEMIG:
Braço Longo:
Para luminárias
estampadas fechadas
e áreas intensamente
arborizadas. Não é
recomendado para
vias com largura
inferior a 10 metros.
iluminação | desenho
VIAS DE TRÂNSITO:
• Precauções fundamentais: evitar o deslumbramento (brilho
nocivo) e o desperdício de luz em planos superiores à
luminária.
• A lâmpada deve ser econômica (com sistema de
desligamento automático) e com controle de luminosidade
(cutoff) adequado para o tipo de via que irá receber a
iluminação.
• Lâmpadas eficientes (sódio) são recomendadas apesar da
pobre reprodução de cores.
iluminação | desenho
iluminação | desenho
iluminação | desenho
iluminação | desenho
iluminação | desenho
iluminação | desenho
iluminação | desenho
• Para locação dos
postes, levar em
conta, além do
cálculo fotométrico
(muito específico):

Relação L x H x e
iluminação | desenho
• O desenho da luminária deve levar em
consideração o conjunto do mobiliário
circundante, o tipo de via e interferências que ela
causa na paisagem, a fim de evitar discrepâncias e
colaborar para uma boa imagem da cidade.
iluminação | desenho
iluminação | desenho
iluminação | desenho
VIAS ARBORIZADAS:
• Vias sem posteação
bilateral;
• 6 ≤ L ≤ 12 m
iluminação | desenho
VIAS ARBORIZADAS:
• Vias com posteação bilateral, alternada ou não.
iluminação | desenho
VIAS ARBORIZADAS:
• Vias importantes, com
ou sem canteiro
central.
iluminação | desenho
VIAS ARBORIZADAS:
• Iluminação complementar
iluminação | desenho
iluminação | desenho
ÁREAS NOVAS:
• Rede elétrica, iluminação pública, árvores de
pequeno porte:
calçadas norte e oeste.
• Plantio de árvores de grande porte e
iluminação de segundo nível:
calçadas sul e leste.
iluminação | desenho
Zona Residencial
• seguridade pessoal
(4m – distância mínima de reconhecimento);
• visibilidade de obstáculos e veículos;
• orientação visual de números e nomes;
• desconforto pelo excesso de brilho;
• atmosfera atrativa e de aparência natural;
iluminação | desenho
Zona Residencial
• qualidade estética e escala adequada do sistema
de iluminação;
• Altura da luminária não seja maior do que 1/2 do
gabarito da edificação mais próxima.
iluminação | desenho

Lyon, França.
iluminação | desenho
ZONAS COMERCIAIS
• atratividade para o incentivo do convívio social;
• ordem visual depende do conjunto de efeitos
luminosos, como placas, letreiros particulares, etc;
• reprodução de cor é importante: luz branca.
iluminação | desenho
ZONAS COMERCIAIS
• uso misto (comercial e viário): iluminação mista
(branca e amarelada – sódio);
• disposição mais livre da iluminação, pois já conta
com a claridade do entorno;
iluminação | desenho
iluminação | desenho

Passeio do Porto, Barcelona.


iluminação | desenho
ZONAS TURÍSTICAS
• pedestres e monumentos históricos.

ZONAS INDUSTRIAIS
• Segurança;
• manobra de veículos de carga;
iluminação | desenho
iluminação | desenho

Fontana di Trevi, Roma.


iluminação | desenho

Fontana di Trevi, Roma.


iluminação | desenho
PARQUES
• árvores, jardins esculturas, lagos, etc.
• critério para seleção do que se deseja iluminar
• composição luminosa que leve em conta:
> localização do observador;
> modelado da aparência: plana, natural ou dramática;
> cor da luz;
> seleção e localização dos sistemas de iluminação;
> manutenção, vandalismo, etc.
iluminação | desenho
iluminação | desenho

Plaza Real, Barcelona.


iluminação | desenho
iluminação | desenho
EDIFÍCIOS:
• Aspectos básicos:
> características arquitetônicas;
> pontos e distâncias de observação;
> claridade do entorno;
> função do edifício.
iluminação | desenho
EDIFÍCIOS:
“Os pontos de observação permitirão selecionar as
vistas principais e a orientação dos feixes
luminosos, evitando que sejam coincidentes com os
eixos preferenciais da visão, pois produzirão uma
aparência plana ao ocultar sombras que modelem
a forma do edifício”. (p. 132.)
iluminação | desenho

CCBB e Candelária, Rio de Janeiro.


iluminação | desenho

CCBB e Candelária, Rio de Janeiro.


iluminação | desenho

CCBB e Candelária, Rio de Janeiro.