Você está na página 1de 2

O objeto desse estudo de caso foi referente ao filme “Como estrelas na

Terra”, um filme indiano, lançado em 2007, com duração de 02 horas e 43


minutos. O filme retrata a história de um menino de 09 anos chamado Ishaan,
um menino pertencente a uma família tradicional e financeiramente estável, onde
enfatiza uma temática pedagógica evidenciando a sua dificuldade escolar, uma
análise sutil sobre o ensino/aprendizagem que destaca as dificuldades que
muitos alunos encontram em sala de aula.
Ishaan possuía dislexia, e por mais que tentasse entender o conteúdo
ensinado na escola e em casa por sua mãe não conseguia aprender e era
sempre rotulado de maneira negativa, além de ser frequentemente comparado
com o irmão mais velho.
Mediante as suas dificuldades e a falta de entendimento acerca do
transtorno do Ishaan, o mesmo sofria com os rótulos e etiquetas que havia
recebido por não atender ao padrão imposto pela sociedade, frequentemente
tachado como desinteressado, burro, preguiçoso, desobediente, que não levava
seus estudos a sério e, como consequência disso, era exposto perante a classe
e punido com castigos, porém nada disso era relevante para tratar o transtorno
que todos os professores até então desconheciam.
A escola convoca os pais de Ishaan para uma reunião ao observar que o
menino não conseguia aprender e que iria repetir o ano outra vez, mediante a
reunião, seu pai resolve transferi-lo para um internato.
No entanto as dificuldades do ensino/aprendizagem continuaram as
mesmas, mas agora com um agravante: à distância da família em especial sua
mãe (sua principal fonte de afeto), fizeram com que o menino se isolasse dos
demais, demonstrando um comportamento preocupante.
Um professor substituto da disciplina de artes percebe as circunstâncias
dos fatos e intervém na situação, devolvendo ao menino a vontade de viver.
O filme destaca os problemas e as potencialidades presentes no âmbito
escolar, pois o próprio Ishaan relata que as letras dançam em sua frente, fazendo
com que ele não consiga acompanhar as aulas e nem focar sua atenção.
Evidencia-se também a inaptidão dos professores em observar que algo
de errado existia quando Ishaan mencionava que as letras “dançavam”, tinham
como objetivo seguir as metodologias de ensino irrefletidamente, apenas com o
objetivo de passar o conteúdo imposto no plano de ensino.
O filme mostra claramente o contexto acima descrito, pois Ishaan era
humilhado e hostilizado pelos professores, colegas, vizinhos, enfim por toda a
comunidade, e em casa seu pai acredita apenas na hipótese de falta de disciplina
e trata o filho de forma rude e com falta de sensibilidade, onde confirma tais
atitudes quando faz o menino acreditar que está indo embora de casa, devido
aos comportamentos dele, fazendo a criança chorar.
No filme, é retratado que Ishaan estava deprimido, tinha se isolado dos
demais, sua autoestima estava baixa, ele havia perdido a confiança em si.
Situação essa que só mudou com a vinda do professor substituto de Artes, que
percebeu que o menino era uma criança dislexia pois o próprio professor também
era, reconhecendo tais atitudes e passou a dar maior atenção a ele, se
preocupando com os comportamentos apresentados pelo menino.
Para isso, o professor utilizou métodos diferentes do utilizado pelos pais
e outros professores do Ishaan. Ele fez uma intervenção psicopedagogia,
utilizando atividades lúdicas para melhor facilitar e elucidar a compreensão do
menino.
Podemos perceber essa definição sobre o que é dislexia na cena onde o
professor explana a dificuldade do menino em reconhecer as letras, onde Ishaan
troca algumas letras similares, porém de fonética diferente, o que dificulta a sua
leitura, pois para ler, é necessário saber o significado das palavras, ele também
apresenta dificuldades de lateralidade e esquema corporal, manifestada pela
dificuldade em situar as diversas partes do corpo, notável no filme na parte em
que apresenta dificuldades em se vestir, abotoar a camisa, dificuldades na
coordenação mecânica porque não consegue relacionar o tamanho a velocidade
e distância, e quando consegue já é tarde, como por exemplo não conseguir
pegar a bola arremessada pelo irmão, e em outra cena onde joga a bola para
longe de onde desejava, indo parar a bola atrás de um muro.
Mediante o auxílio do professor, o menino conseguiu superar grande parte
das suas dificuldades acerca do transtorno, aprendeu a ler e escrever e voltou a
pintar, até ganhou uma competição artística da escola, tornando sua obra de arte
capa do próximo ano na escola, com o apoio do professor ele adquiriu prazer em
fazer atividades que antes o deixavam entediado.
Percebe-se que Ishaan também adquire autonomia para realizar tarefas
que até então não conseguia, tais como amarrar o sapato, abotoar os botões da
roupa, se pentear.
Em determinado momento do filme, enquanto conversa com uma colega
o professor afirma que, toda criança é especial, como o título já diz “Como
Estrelas na Terra”, preciosidades que apenas precisam ser lapidadas para
mostrar seu brilho e valor.
O filme, deixa uma mensagem bem clara e exposta de que, é possível se
trabalhar a diversidade e inclusão na sala de aula, e manifesta através do
personagem que apesar de ser diferente dos demais, não é menos incapaz por
isso.
Conclui-se que o enredo do filme é focado em problemas intelectuais de
Ishaan, o que se evidencia na vinheta introdutória. No formato de um vídeo
game, letras e números surgiam de forma aleatória e acelerada numa lousa,
enquanto duas professoras liam com satisfação as notas dos alunos aprovados.
Porém, quando mencionavam o nome de Ishaan a reprovação era
nitidamente expressada em suas fisionomias e na tarja Fail!Fail!Fail!, acabando
com o jogo, ilustrando e enfatizando de maneira sutil que todo o ser humano é
diferente, mesmo sem possuir alguma condição limitadora aos olhos da
sociedade, já que, cada pessoa dispõem de singularidades moldadas por
inúmeros fatores internos e externos. Por outro lado, o que é considerado
diferente no âmbito social se traduz num componente negativo para quem
precisa enfrentar o desconhecido e o preconceito diante do que está constituído
e moldado pela sociedade.