Você está na página 1de 12

1

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA


CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS
DEPARTAMENTO DE AGROECOLOGIA E AGROPECUÁRIA
MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares

MÁQUINAS DE PREPARO PERIÓDICO DO SOLO: ARADO

1. ARAÇÃO  Picar, misturar e incorporar a matéria orgânica;


Finalidades  Destruição de organismos nocivos;
 Controlar ervas daninhas e,
 Circulação de ar no solo e aceleração das  Enterrar e incorporar adubos verdes,
atividades biológicas; fertilizantes e corretivos.
 Melhor penetração, movimentação e retenção
de água;
2. TIPOS DE ARADO Discos recortados
a) Quanto à peça ativa ou de corte Aiveca (II)
Discos lisos (I)

I-

II -
b) Quanto à tração do implemento
Tração animal
Tração motorizada: acoplado, semi-acoplado, arrasto
c) Quanto à posição de tombamento
MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares
2

Fixos
Reversíveis

3. ARADOS DE DISCOS X ARADOS DE  O arado de disco exige menos em regulagem e


AIVECA pode render bem mesmo quando os discos
Os de discos têm as seguintes vantagens sobre os estiverem rombudos.
de aiveca:
 Arar terrenos secos, duros e barrentos, onde a 4. SISTEMAS DE ARAÇÃO
aiveca trabalha mal;  Aração em talhões – terrenos até 3% de
 Trabalham bem sobre terrenos com restos de declividade
cultura, vegetação rasteira e até em áreas recém  Aração em terrenos terraceados – com arado
desbravadas; reversível ou fixo
 Em solos com pedras, tocos ou raízes, os discos,  Aração em contorno – terrenos com declividade
quando não lhes corta ou arranca, rolam por cima e maior que 3%
vão em frente; 4.1 PONTO DE UMIDADE E
 Os discos compactam menos o solo que a PROFUNDIDADE DE ARAÇÃO
aiveca;  A umidade deve ser testada na profundidade que
será arada.
5. TIPOS DE ARADOS
5.1 Arado de disco fixo
5.1.1 Especificações técnicas

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares


3

08 - Limpador
09 - Disco Liso
10 - Roda Guia

6. COMPONENTES DO ARADO
A barra de tração é utilizada para operar
implementos de arrasto (grades de arrasto,
plantadeiras/semeadeiras de grande porte, etc.).
É importante salientar fque o engate da barra de
tração, deve estar numas altura adequada, de
modo que o cabeçalho esteja bem paralelo ao
solo e na mesma linha de tração do trator.
01 - Chassi
02 - Torre de Engate
03 - Eixo Manivela
04 - Pinos de Engate
05 - Descanso
06 - Cubo
07 - Pedestal

7. MONTAGEM DO ARADO A montagem pode ser iniciada basicamente de duas


maneiras:
7.1 Montagem do Chassi
- Apoiando o chassi sobre dois cavaletes de um
Para montar o arado escolha um local plano e livre
metro de altura, ou
de sujeiras.
- Acoplando o chassi aos três pontos do trator a
Separe as peças em grupos e confira as quantidades
uma altura próxima de um metro.
com a lista de controle.

A seguir a montagem é idêntica para ambas as - O pedestal (D) que sai de fábrica acoplado com o
maneiras indicadas. suporte da roda guia (E), será fixado nos últimos
- Fixe os pedestais (A), no chassi, através dos furos do chassi.
parafusos (B) e (C). Ver regulagem dos furos dos
pedestais na página 18.

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares


4

- Coloque agora os discos (A) nos cubos, usando os parafusos (B) com arruelas e porcas.
- Os limpadores dos discos (C) são montados nos prolongamentos dos pedestais através dos parafusos (D).
- Coloque também o descanso (E) com a cupilha (F).

7.2 Montagem do Conjunto da Roda Guia - Coloque o conjunto do varão com molas
conforme a sequência ilustrada na mesma figura.
- Fixe o garfo (A) no suporte da roda guia (B), Importante: A RODA GUIA É MONTADA
usando o pino (C). SEMPRE DO LADO DIREITO.
- Fixe a roda guia (D) no garfo (A) e trave com
parafuso (E).

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares


5

8. PREPARAÇÃO PARA O TRABALHO c) Se as rodas traseiras patinam durante o serviço,


perde-se parte da força, e os pneus se desgastam
8.1 Preparo do Trator
mais ainda.
O trator ao receber o arado forma um conjunto
d) Siga atentamente as instruções do manual do
único para realizar o serviço, portanto não deve ser
trator e do arado, para o bom desempenho dos
utilizado sem as recomendações que seguem:
mesmos.
a) Verifique inicialmente as condições gerais para o
e) Observe atentamente as instruções de lado
uso do trator, principalmente quanto ao bom
direito e esquerdo considerando sempre o arado
funcionamento do sistema hidráulico.
sendo visto por trás.
b) As bitolas das rodas dianteiras e traseiras devem
ser iguais.
8.2 Engate ao Trator
Escolher um local plano. 1º) Engate o braço inferior esquerdo. 2º) Engate o
braço do terceiro ponto do trator. 3º) Engate agora
Ir em marcha-a-ré ao encontro do arado. Ao se
o braço inferior direito. 4º) Alinhe a torre do arado
aproximar utilize a alavanca de controle de posição
com o terceiro ponto do trator verificando se as
do hidráulico, deixando o braço inferior esquerdo
distâncias dos braços inferiores do hidráulico são
no nível do pino de engate.
iguais em relação aos pneus, devendo os braços
estarem nivelados entre si.

9. REGULAGENS E OPERAÇÕES
9.1 Nivelamento do Arado
Em local plano faça o nivelamento no sentido da deixando a torre do arado na vertical (medidas H
largura e do comprimento. iguais).
Na largura o nivelamento é feito pela manivela No comprimento é feito através do braço superior
niveladora do braço inferior direito do hidráulico, do hidráulico, devendo-se deixar o primeiro disco
20 a 30 mm mais alto que os demais.

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares


6

Furos da Torre do Arado.


No engate da torre do arado existem três furos que
são utilizados em diferentes tipos de solo.
1 - Para tratores de categoria I. 2 - Para solos
médios e pesados. 3 - Para solos leves.

9.2 Eixo Manivela


O eixo manivela permite alterar a largura de corte
do arado em função tipo de solo:
I - Menor Largura: Solos duros e resistentes.
II - Largura Média: Solos normais.
III - Maior Largura: Solos leves e soltos.

9.3 Roda Guia


Responsável pelo alinhamento do conjunto trator- 9.3.1 Pressão da Mola
arado estabilizando a traseira do implemento e
Em solos leves e soltos, trabalhar com maior
evitando desvios laterais.
pressão nas molas para suportar parte do peso do
Sua posição correta é caminhar no fundo do sulco arado. Caso contrário ele penetra demais. Em solos
com leve inclinação contra a parede. Possui duas duros, reduzir a pressão da mola, transferindo o
regulagens importantes: pressão da mola e ângulo peso aos discos, aumentando a penetração.
de corte.

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares


7

9.4 Ângulo da Roda Guia

As marcas do garfo da roda guia, devem ser


utilizados em concordância com as regulagens do
eixo manivela, ou seja: 1 e I, 2 e II, 3 e III.
Esta mudança de posição da roda guia é usada para
a operação do arado em diferentes condições de
solo:
1 - Para solos duros com maior ângulo de
inclinação.
2 - É a média de inclinação.
3 - Para solos leves com menor ângulo de
inclinação.

9.5 Ângulos de Corte dos Discos E - Maior velocidade, aconselhável para terrenos
com vegetação volumosa, como palhada de milho,
9.5.1 Vertical
trigo, arroz, etc...
A regulagem do ângulo vertical é obtida através
dos três furos do cubo do disco:
A - Furo inferior, os discos ficam mais inclinados,
usado para solos de fácil penetração.
B - Furo intermediário para solos em condições
normais de trabalho.
C - Furo superior para solos duros de difícil
penetração.
Os discos trabalham mais em pé.
9.5.2 Horizontal
É ajustado pelos furos (D) e (E) existentes nos
pedestais, e atuam sobre a rotação ou velocidade
dos discos, sendo:
D - Velocidade normal dos discos.

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares


8

9.5 Limpadores
Os limpadores além de efetuar a limpeza dos
discos, auxiliam na correta inversão da leiva.
Deve-se posicionar todos os limpadores a uma
mesma altura, ficando um pouco acima do meio
dos discos e com 5 a 10 milímetros de distância dos
mesmos.

10. COMPONENTES DO ARADO REVERSÍVEL


10.1 Arado Reversível
01 - Chassi
02 - Alavanca de Reversão
03 - Pedestal
04 - Cubo
05 -Disco
06 – Limpador
07 - Regulagem do Ângulo Horizontal
(Velocidade)
08 - Roda Guia
09 - Descanso

10.1 Arado Reversível com Pistão de Reversão


01 - Chassi
02 - Pistão de Reversão
03 - Pedestal
04 – Cubo
05 –Disco
06 - Limpador
07 -Regulagem do Ângulo Horizontal (Velocidade)
08 - Roda Guia
09 - Descanso

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares


9

10.2 MONTAGEM
10.2.1 Montagem Geral
- Em local plano, apoe o chassi sobre dois cavaletes
com aproximadamente 01 metro de altura ou acople
o chassi aos 3 pontos do trator, levantando-o a um
01 m.
- Acople os discos (A) nos cubos (B), com os
parafusos (C), arruelas de pressão e porcas.
- Acople também a alavanca de reversão (D), com a
mola (E) e varão (F).

10.2.2 Montagem do Cilindro para AR-PR


Faça a montagem do cilindro e das mangueiras da
seguinte maneira:
- Prenda o cilindro (A), com os pinos (B) e
contrapinos.
- Acople as mangueiras (C), no cilindro (A) acople
também os fixadores (D) no chassi e prenda-os
usando parafuso e arruela de pressão. Nota: - Os
terminais do cilindro devem permanecer voltados
para cima.
- Use sempre "veda rosca" para acoplar os "machos"
dos engates rápidos nas mangueiras.

11. Operações com o Arado Para as correções utilize a manivela niveladora e o


braço superior do hidráulico, deixando o chassi e o
Os fatores que mais influenciam no trabalho são:
eixo manivela paralelos ao solo.
- O nivelamento do arado.
Considera-se de 4 a 5 Km/h o ideal para aração,
- A marcha utilizada, que é relativa a velocidade de mas deve-se observar as leivas, que podem ser
trabalho. atiradas longe ou cairem antes de inverter
- A profundidade da aração. totalmente.

- Posicionamento do trator em relação ao sulco A profundidade é controlada pelo sistema


anterior. hidráulico de três pontos, porém pode variar com as
diferentes regulagens do arado e o tipo de solo que
O nivelamento no sentido da largura e do esteja trabalhando.
comprimento deve ser corrigido quando as rodas
direita do trator começam a caminhar dentro do Para o posicionamento do trator basta caminhar
sulco da passada anterior. com a roda dianteira direita sempre no meio do

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares


10

sulco deixado pela passada anterior, não devendo muito próximo a terra arada.
caminhar encostado na parede do sulco e nem

O terreno pode também ser dividido em faixas, ou seja, faz-se a Aração por partes:

Este sistema de aração em faixas é muito utilizado


em áreas terraceadas, onde o espaço entre duas
curvas de nível são trabalhados separadamente:
Importante: EM CADA ARAÇÃO MUDAR A
MANEIRA DE TRABALHAR O SOLO, OU
SEJA, SE ARAR DE FORA PARA DENTRO, NO
PRÓXIMO PLANTIO FAÇA O CONTRÁRIO.
ASSIM EVITA-SE IRREGULARIDADES NA
SUPERFÍCIE.

11.1 Problemas Comumente Encontrados e - Colocar o eixo manivela na posição I, diminuindo


Soluções indicadas. a largura de corte.
a) O arado tem dificuldade para penetrar: - Diminuir a pressão da mola da roda guia.
- Colocar os discos para trabalhar mais em pé.
MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares
11

- Usar furo superior da torre do arado e do trator - Ajuste os limpadores para ficarem mais altos, ou
para engate do 3º ponto. retire-os caso seja conveniente.
- Menor velocidade na aração também facilita a e) O primeiro disco corta menos que os demais: (A
penetração dos discos. direção tende a puxar para o lado esquerdo).
b) Tendência a sair do sulco: - Verifique se as bitolas do trator estão
nas medidas recomendadas.
- Ajuste o ângulo da roda guia em relação ao eixo
manivela ou próximo a este, conforme obtenha a - Posicione a roda dianteira mais perto da parede do
melhor linha de tração. sulco, sem encostá-la.
- Aumente um pouco a pressão na mola da roda - Confira o nivelamento do arado, e utilize o braço
guia. do terceiro ponto e o braço inferior direito para
eventuais correções.
- O primeiro disco deve estar penetrando além dos
demais. Dê maior comprimento ao braço do - Observe o ângulo da roda guia.
terceiro ponto.
f) O primeiro disco corta mais que os restantes: (A
- Verifique se o arado está centralizado com o direção do trator tende a puxar para a direita).
trator.
- Verifique as dimensões das bitolas recomendadas.
c) A leiva de terra é atirada muito longe:
- Posicione a roda dianteira mais longe da parede
- Diminua a velocidade do trator. do sulco.
d) Embuchamento da vegetação entre os discos: - Verifique se o arado está nivelado corretamente.
- O ângulo horizontal deve ser ajustado para a - Observe o ângulo da roda guia.
posição 2.

12. MANUTENÇÃO Lubrificação a cada 50 horas de serviço.


12.1 Lubrificação - Cubos dos discos.
Uma forma de prolongar a vida útil do arado é - Cubo da roda guia.
executar uma correta lubrificação:
Certifique-se da qualidade do lubrificante
(eficiência e pureza), evitando o uso de produtos
contaminados por água, terra, etc...
- Retire a coroa de graxa velha em torno das
articulações.
- Limpe a graxeira com um pano antes de introduzir
o lubrificante.
- Introduza uma quantidade suficiente de graxa
nova.
- Utilize graxa de média consistência.
Lubrificação a cada 10 horas de serviço:
- Eixo de articulação da roda guia.
Importante: APÓS O TRABALHO COM O ARADO, LAVE-O E VERIFIQUE SE HÁ PEÇAS
DANIFICADAS, SE HOUVER, SUBSTITUA POR ORIGINAIS TATU. SE NECESSÁRIO RETOQUE
A PINTURA. PROTEJA OS DISCOS COM GRAXA FINA OU ÓLEO, EVITANDO ASSIM A
FERRUGEM E OUTROS DANOS.

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares


12

12.2 OPCIONAL
Roda de Profundidade
O arado fixo permite com facilidade a instalação do
conjunto da roda de profundidade; usada para
manter uma penetração uniforme e sustentar o
arado, principalmente quando o hidráulico do trator
não possuir controle automático de ondulação ou
quando simplesmente se desejar um melhor
acompanhamento das variações da superfície.

12.3 Montagem da Roda de Profundidade

- Fixe a roda de profundidade (A) no chassi (B),


através do parafuso (C), arruela de pressão e porca.
- Encaixe a manivela com rosca (D) no orifício
superior do braço da roda guia no chassi.
- Fixe os suportes da roda de profundidade (E) no
braço da roda e no chassi através dos parafusos (F),
arruelas de pressão e porcas.

A lubrificação da roda de profundidade deve


ser feita no mesmo período e de maneira
idêntica ao indicado para os cubos dos discos e
o cubo da roda guia.

13. LITERATURA CONSULTADA


GALETI, P.A. Mecanização agrícola: preparo do solo. Campinas: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola,
1981.
MAZUCHOWSKI, J.Z. DERPSCH, R. Guia de preparo do solo para culturas anuais mecanizadas. Curitiba:
Acarpa, 1984.
PICCIM. Manual do usuário.Subsolador. 24p. 2007.
SILVEIRA, G.M. O preparo do solo: implementos corretos. Rio de Janeiro: Globo, 1989.

MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA E MEIO AMBIENTE - Prof. Cláudio Silva Soares