Você está na página 1de 13

A Arte da Mesopotâmia

Arquitectura e escultura

Teresa Bandeira Duarte

A Mesopotâmia

1
Povos
Os Sumérios . Desenvolvimento de complexos sistemas de
controle da água dos rios (canais de irrigação,
barragens e diques).
. Desenvolvimento da escrita cuneiforme, por
volta de 4000 a.C. (utilização de placas de
barro que eram cunhadas com os caracteres).
. Excelentes arquitectos e construtores,
desenvolveram os Zigurates (a forma mais
típica da arquitectura mesopotâmica)
. Construíram várias cidades importantes como,
por exemplo: Ur, Nipur, Lagash e Eridu.

Escrita cuneiforme
– gravada em placas de argila (porque a madeira e a
pedra eram raras), com caracteres/estiletes em forma
de cunha

2
O zigurate

. Formato piramidal (elevação = aproximação à divindade).


. Sucessão de terraços cujo topo inclui um pequeno templo.
. Cada andar era decorado com cor diferente, usando um
revestimento em mosaico ou estuque.
. Locais de armazenagem de produtos agrícolas e também de
construção de templos religiosos.

Povos
Os Acádios Império de Sargão:
. Preservou a cultura e economia sumérias;

Império Babilónico:
a) Reinado de Hamurabi (grande legislador e responsável pelo
1º Código de Leis de História, o Código de Hamurabi)
b) Reinado de Nabucodonosor (Jardins suspensos da Babilónia
e a Torre de Babel)
. Continuidade da economia e da cultura sumérias;
. Desenvolvimento de um rico e preciso calendário (para conhecer
mais sobre as cheias do rio Eufrates e também obter
melhores condições para o desenvolvimento da agricultura);
. Desenvolvimento da astronomia;

3
Porta de Ishtar (Babilónia, c. 575 a.c.)
Reinado de Nabucodonosor II

4
Construção de um Palácio na Babilónia

Jardins suspensos da Babilónia


(reconstituição conjectural)

Reinado de Nabucodonosor

5
Torre de Babel
Pintura de Pieter Brueghel (1563)

Assírios . Organização e desenvolvimento de uma cultura


militar (encaravam a guerra como uma das
principais formas de conquistar poder e
desenvolver a sociedade, sendo extremamente
cruéis com os povos inimigos que conquistavam).

Mapa do Império Assírio

6
Persas

Mapa do Império Persa

A Escultura:

A) Escultura de vulto

7
Escultura de vulto: Os Orantes

Orante Orante (Príncipe Gudeia,


(c. 2900-2550 a.c., alabastro) governador de Lagash)

Escultura de vulto: Os Orantes


. Olhos arredondados;
. Feições não personalizadas;
. Sobrancelhas bem marcadas (unidas sobre o
nariz);
. Barbas, cabelos, gorros/turbantes
pormenorizados;
. Vestes cuidadas.

8
Deuses ou figuras mitológicas

Deusa Inanna (c. 3500 - 3000 a.c.)


Museu do Iraque, Bagdad

Deusa Ishtar

Bustos de reis e altos funcionários

Cabeça de Governador Acadiano


(c. 2300–2000 a.c.) Cobre; 34,3 cm altura Orante representando o Príncipe Gudeia,
(governador de Lagash)

9
B) Escultura em relevo

Relevo no Palácio Assurbanipal, Assíria

10
Estelas
Blocos de pedra narrando factos históricos
(destacando a cena mais importante)

. Decoração em relevo;

. Função narrativa;

. Sintetização da mensagem
(destaque para uma cena, a mais
importante e simbólica)

Estela de Naram-Sin, Acádia, c.2500 a.c.


(Museu do Louvre)

Obeliscos

. Função narrativa;

. Cenas sequenciadas, dispostas em


faixas sobrepostas e separadas por
inscrições cuneiformes

Obelisco Negro de Salmanassar III,


Rei de Nimrud (Séc. IX a.c.)

11
Marcos territoriais
. Estelas/lajes utilitárias;
. Função de marcos para as
possessões territoriais;
. Relevos com referências aos
deuses ou ao monarca;
. Inscrições cuneiformes
descrevendo a propriedade e
identificando o seu dono.

Estela de Melishipak, séculos XIII-XII a.c.


(Museu do Louvre, 90 cm altura)

Placas perfuradas

Placa de Ur-Nina
Suméria, c.2500 a.c.

12
13