Você está na página 1de 170

PROF. MARCOS FÁBIO PORTO DE AGUIAR, D.

Sc
PROGRAMA DO MÓDULO

•Introdução; •Compressibilidade e Adensamento;


•Origem dos Solos e Tamanho dos •Resistência ao Cisalhamento do Solo;
Grãos; Empuxo de Terra;
•Empuxo
•Índices Físicos e Plasticidade; •Estabilidade de Taludes;
•Classificação dos Solos; •Exploração do Subsolo;
•Compactação; •Ensaios de Laboratório;
•Permeabilidade e Percolação; •Ensaios para Controle.
•Tensões no Solo;

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Objetivo:
Reconhecimento das camadas do subsolo:
 Disposição;
 Natureza;
 Espessura;
 Características relativas ao problema em questão.

Melhor planejamento e execução da obra no que tange


aspectos técnicos e econômicos.
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Pisa, ano...
„bem...Pensando melhor, acho que poderemos
dispensar as investigações no subsolo”
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Definição das investigações :

Profundidade; Devem ser observadas as


Locação; normas técnicas referentes
Número de verificações. ao tipo e fase de projeto.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Métodos:

 Métodos diretos
 Métodos semidiretos
 Métodos indiretos

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Métodos diretos:

Consiste em qualquer conjunto de operações


destinadas a observar diretamente o solo ou
obter amostras ao longo de uma perfuração.
Podem ser manuais e mecânicos.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Métodos diretos:
 Manuais:
• Poços
• Trincheiras
• Trados
 Mecânicos:
• Sondagens à percussão com circulação
de água
• Sondagens rotativas
• Sondagens mistas
• Sondagens especiais com extração de
amostras indeformadas
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Métodos Semidiretos:

► São os processos que fornecem informações sobre as


características do terreno, sem, contudo
possibilitarem a coleta de amostras ou informações
sobre a natureza do solo, a não ser por correlações.

► Em algumas situações a operação de amostragem em


determinados solos é muito difícil, como por exemplo,
em areias puras ou submersas e argilas sensíveis de
consistência muito mole.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Métodos semidiretos:
• Ensaio de palheta
• Ensaios estáticos
• Ensaio pressiométrico
• Ensaios de bombeamento
• Ensaios de perda d´água

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO
Métodos Indiretos:

• São aqueles que a determinação das propriedades das


camadas do subsolo é feita indiretamente pela medida, seja
da sua resistividade elétrica ou da velocidade de
propagação de ondas elásticas.

• Os índices medidos mantêm correlações com a natureza


geológica dos diversos horizontes, podendo-se ainda
conhecer as suas respectivas profundidades e espessuras.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Métodos indiretos:
• Refração sísmica
• Resistividade elétrica

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Amostra:

Conjunto de elementos extraídos de um conjunto


maior.

Conjunto de indivíduos retirados de uma


população.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Exploração do Subsolo

Amostra

Não representativa
Representativa
• Deformada ou amolgada
• Indeformada (semideformada ou não
perturbadas)

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
PROGRAMA DO MÓDULO

•Introdução; •Compressibilidade e Adensamento;


•Origem dos Solos e Tamanho dos •Resistência ao Cisalhamento do Solo;
Grãos; Empuxo de Terra;
•Empuxo
•Índices Físicos e Plasticidade; •Estabilidade de Taludes;
•Classificação dos Solos; •Exploração do Subsolo;
•Compactação; •Ensaios de Laboratório;
•Permeabilidade e Percolação; •Ensaios para Controle.
•Tensões no Solo;

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Umidade

Densidade Real do Grão


Ensaios de Caracterização
Peso Específico Aparente

Granulometria

Limites de Consistência

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Cisalhamento direto
Triaxial
Ensaio especiais
Adensamento

Permeabilidade de Carga
Constante
Permeabilidade de Carga
Variável

Ensaios para obras de terra Ensaios de Compactação

Índice de Suporte Califórnia

Ensaio triaxial de carga repetida


Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaios de Caracterização

Ensaios de Umidade
caracterização
Densidade real do grão

Peso específico aparente


Granulometria
Limites de consistência

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaios de Caracterização
Preparação de Amostras

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 041/94,


Solo - Preparação de Amostras para Ensaios de Caracterização, 1994.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-6457:1986, Amostras


de solo-Preparação para ensaios de compactação e ensaios de
caracterização, 1986.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaios de Caracterização
Preparação de Amostras - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaios de Caracterização
Preparação de Amostras

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Teor de Umidade

Pw
w(%)= .100
Ps

Teor de umidade Estufa

Alcool

Prof. Dr. Marcos Porto “Speed”


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Teor de Umidade
Alcool

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 088/94, Solo-


Determinação do Teor de Umidade pelo Método Expedito do Alcool, 1994.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Teor de Umidade
Alcool - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Teor de Umidade
Alcool - Ensaio
Amostra: Cerca de 50g do solo a ser ensaiado, passando na peneira de 2,0
mm.
a) Pesa-se a cápsula e suporte;
b) Deposita-se na cápsula a amostra, tendo-se o cuidado de a espalhar em toda
superfície;
c) Determina-se o peso da cápsula com a amostra úmida, inclusive o suporte;
d) Despeja-se quantidade adequada de álcool etílico na amostra, removendo-a com
a espátula e inflamando a seguir o álcool; repete-se a operação três vezes;
e) Pesa-se a cápsula com o solo seco e o suporte.

Pw
w(%)= .100
Ps
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Teor de Umidade
“Speed”

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 052/94, Solos


e Agregados Miudos-Determinação da Umidade com emprego do “Speedy”,
1994.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Teor de Umidade
“Speed” - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Teor de Umidade
“Speed” - Ensaio
Peso da amostra em função da umidade admitida
Umidade estimada , % Peso da amostra , g
5 20
10 10
20 5
30 ou mais 3

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Teor de Umidade
“Speed” - Ensaio

CaC2 + 2 H 2O → Ca (OH ) 2 + C2 H 2

Carbureto de cácio ⇒ Gás acetileno

Leitura no manômetro (kPa ou kg/cm²) Umidade (%)


Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Teor de Umidade
Estufa

DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 213/94, Solo-


Determinação do Teor de Umidade, 1994.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Teor de Umidade
Estufa - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Teor de Umidade
Estufa - Ensaio
Massas mínimas das amostras de material úmido, em função do
Pw
tamanho máximo das partículas
Tamanho máximo das Massa mínima da amostra
w(%)= .100
partículas mm ( peneira) úmida (g) Ps
0,42 ( nº40 ) 10
4,8 ( nº4 ) 100
12,5 300
25,0 500 M bh − M bs
w(%)= .100
M bs − M cap
50,0 1000

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Densidade Real do Grão

DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 084/95,


Agregado Miúdo-Determinação da Densidade Real, 1995.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Densidade Real do Grão

γs
δ=
γw

Densidade real do grão Picnômetro


Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Densidade Real do Grão - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Densidade Real do Grão - Ensaio

Amostra ~ 10g

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Densidade Real do Grão - Ensaio

Pw
γw = Se Vs = Vw Pw = Vsγ w
Vw
γs Ps γs Ps Ps
δ= = δ= = =
γ w Vsγ w γ w Vsγ w Pwdeslocada

P2 − P1
δ=
( P4 − P1 ) − ( P3 − P2 )
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Peso Específico Aparente Natural

P
γ=
V

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Peso Específico Aparente Natural

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-9813:1987, Solo-


Determinação da Massa Específica Aparente “in situ” com Emprego de
Cilindro de Cravação, 1987.

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 092/94,


Solos-Determinação da Massa Específica Aparente “in situ” com Emprego
do Frasco de Areia, 1994.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-7185:1988, Solo-


Determinação da Massa Específica Aparente “in situ” com Emprego do
Frasco de Areia, 1988.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Granulometria

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 051/94, Solos-


Análise Granulométrica, 1994.

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 080/94, Solos-


Análise Granulométrica por Peneiramento, 1994.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-7181:1988, Solo-Análise


Granulométrica, 1988.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Granulometria

Curva granulométrica
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Granulometria por Peneiramento - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Granulometria por Peneiramento - Ensaio

1) Verte-se a amostra com a água de lavagem através das peneiras de 2,0 mm e de


0,075 mm,

2) As frações da amostra retidas nas peneiras de 2,0 mm e de 0,075mm, após


lavadas, com água corrente, serão transferidas para a cápsula de porcelana de 500
ml, e secas em estufa a 1050 C-1100 C até constância de peso.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Granulometria por Peneiramento - Ensaio

3) Realiza-se o peneiramento do material seco contido nas cápsulas de porcelana,


na série desejada de peneiras.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Granulometria por Peneiramento - Ensaio

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Limites de Consistência (Atterberg)

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Limite de Liquidez

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 122/94,


Solos-Determinação do Limite de Liquidez-Método de Referência e Método
Expedito, 1994.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-6459:1984, Solo-


Determinação do Limite de Liquidez, 1984.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Limite de Liquidez - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Limite de Liquidez - Ensaio

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Limite de Liquidez - Ensaio

Determinação do LL

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Limite de Plasticidade

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 082/94,


Solos-Determinação do Limite de Plasticidade, 1994.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-7180:1988, Solo-


Determinação do Limite de Plasticidade, 1988.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Limite de Plasticidade - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Limite de Plasticidade - Ensaio

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Limite de Plasticidade - Ensaio

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Fatores de Contração

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 087/94,


Solos-Determinação dos Fatores de Contração, 1994.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-7183:1982,


Determinação do Limite e Relação de Contração de Solos, 1982.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Fatores de Contração

a) Limite de Contração - LC;

b) Razão de contração de solos.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Fatores de Contração - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Fatores de Contração - Ensaio

1) Determina-se o volume da cápsula de contração, enchendo-a com


mercúrio e medindo o volume na proveta graduada de 25 cm3.
2) Coloca-se a amostra na cápsula de porcelana e mistura-se
cuidadosamente com água suficiente para saturar o solo, até obter-se
uma massa fluida.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Fatores de Contração - Ensaio

3) Lubrificam-se as paredes da cápsula de contração com vaselina ou óleo


apropriado, de modo a impedir a aderência do solo. Coloca-se no centro
da cápsula de contração aproximadamente 1/3 do volume de solo
necessário para enche-la, batendo-a, em seguida, de encontro a uma
superfície firme, repetindo-se o procedimento por mais duas vezes de
modo a encher completamente a cápsula de contração.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Fatores de Contração - Ensaio

4) Deixa-se o solo secar ao ar até que mude de cor, secando-o depois em


estufa a 1050 C - 1100 C, até constância de peso.
5) Determina-se, com aproximação de 0,1 g, o peso do solo seco contido na
cápsula de contração.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Fatores de Contração - Ensaio

6) Determina-se o volume da pastilha seca como se segue:

a) Na cápsula de porcelana,coloca-se a cuba de vidro, cheia de


mercúrio, removendo-se o excesso por pressão da placa de vidro;
b) Retira-se a pastilha da cápsula de contração, colocando-a cuidadosamente
sobre o mercúrio, na cuba; faz-se pressão com a placa de vidro, de modo que
os três pinos obriguem a pastilha a mergulhar inteiramente no mercúrio,
medindo-se na proveta de 25 cm3, o volume de mercúrio deslocado pela
pastilha, volume de solo seco.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Fatores de Contração - Ensaio

- Limite de Contração:
 VS 1 
LC =  −  x100
 PS δ 

- Razão de contração:
PS
RC =
VS

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaios Especiais
Cisalhamento direto
Triaxial
Ensaio especiais
Adensamento

Permeabilidade de Carga
Constante
Permeabilidade de Carga
Variável

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaios Especiais:
Cisalhamento Direto

Determina os parâmetros de resistência do solo:


ângulo de atrito interno (φ) e coesão (c).

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Cisalhamento Direto

 ASTM, American Society for Testing and Materials, D3080 – 04, Standard Test
Method for Direct Shear Test of Soils Under Consolidated Drained Conditions,
2004.

 ASTM, American Society for Testing and Materials, D6528 – 07, Standard Test
Method for Consolidated Undrained Direct Simple Shear Testing of Cohesive
Soils, 2007.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Cisalhamento Direto

• Resistência ao cisalhamento (de um solo) : A máxima


resistência ao cisalhamento que um solo pode oferecer
sob determinadas condições de tensão efetiva e drenagem
(usada muitas vezes como sinônimo de resistência de
pico);

• Resistência residual: A resistência ao cisalhamento que


um corpo pode manter quando sujeito a deslocamentos
excessivos após a resistência de pico ter sido mobilizada.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Cisalhamento Direto

Tensão normal de compressão


P

A1

Tensão de compressão σ= P/A1


Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Cisalhamento Direto

Tensão cisalhante com a representação sobre uma superfície


A3

z F
F
τ
z F
F τ

Tensão cisalhante: τ = F/A3

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Cisalhamento Direto

Definição de Ruptura
• Ruptura – o ponto em que contínuas deformações cisalhantes são obtidas
sob tensões cisalhantes constantes ou com diminuição;

• Lei de Coulomb – a relação entre a tensão cisalhante τr e a tensão normal


σ no plano de ruptura, expressa por:
τr = c +σ tgφ

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Cisalhamento Direto
Relação entre a tensão cisalhante e deslocamento no ensaio de
cisalhamento direto
τ

τf

xf deslocamento
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Cisalhamento Direto

Lei de Coulomb

τ
τf1

1
τf2
τf3
2

xf deslocamento Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Cisalhamento Direto

Lei de Coulomb (envoltória)

c
σn

τf= c + σn tgφ
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Cisalhamento Direto - Materiais

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Cisalhamento Direto - Ensaio

• Posicionar a caixa porta amostra bipartida na prensa de


cisalhamento para o início do ensaio;

• Zerar os transdutores de deslocamento vertical e horizontal;

• Aplicar o carregamento normal;

• Iniciar a aplicação da tensão horizontal de cisalhamento;

• Efetuam-se as leituras necessárias para o traçado dos


gráficos em intervalos de tempo regulares e apropriados à
velocidade de cisalhamento da amostra.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Cisalhamento Direto - Ensaio

τ
τf1 τ
τf2 1 φ
τf3
2
3
c
xf deslocamento σn

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaios Especiais:
Triaxial estático

Determina os parâmetros de resistência do solo:


ângulo de atrito interno (φ) e coesão (c) através da
obtenção de diferentes círculos de Mohr.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio Triaxial Estático

ASTM, American Society for Testing and Materials, D4767 - 11, Standard Test Method
for Consolidated Undrained Triaxial Compression Test for Cohesive Soils, 2011;

ASTM, American Society for Testing and Materials, D7181 - 11, Method for
Consolidated Drained Triaxial Compression Test for Soils, 2011;

ASTM, American Society for Testing and Materials, D2850 - 03, Standard Test Method
for Unconsolidated Undrained Triaxial Compression Test onCohesive Soils, 2007.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio Triaxial Estático

 O ensaio clássico consiste em fazer crescer a tensão-desvio (σd =


σ1 - σ3) até a ruptura do corpo de prova, mantendo-se constante a
pressão hidrostática σ3;

 A aplicação do acréscimo de tensão axial, σ1 - σ3, se faz a uma


velocidade de deformação constante. Traça-se a curva (σ1 - σ3) x
(ε), deformação específica, onde se pode identificar um valor
máximo da ordenada. Este valor, somado a σ3, fornece a tensão
principal σ1 aplicada ao corpo-de-prova no momento da ruptura.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio Triaxial Estático

σd

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaios Especiais:
Adensamento

Adensamento do solo é a diminuição do índice de vazios


com o tempo, devido à saída de água do seu interior.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-IE 005/94, Solos-


Adensamento, 1994;

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-12007:1990, Solo-Ensaio


de Adensamento Unidimensional, 1990.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaios Especiais:
Adensamento

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Conhecidos, para uma camada de solo:


– A altura original;
– O índice de vazios;
– A variação do índice de vazios resultante da
apliacação da carga.
• Pode-se:
– PREVER O RECALQUE NA CAMADA.
• Resultados de ensaios de laboratório  Estimativas
de recalques no campo.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Condição simulada no ensaio:


Carga

Camada drenante
Camada de argila saturada
2Hd

Camada drenante

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Esquema do dispositivo do ensaio:


Extensômetro
Carga P
NA

Anel
Pedra metálico
porosa Amostra de solo

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Adensamento

• Ensaio:
– Amostra de solo é colocada num anel metálico, com pedras porosas
no topo e na extremidade;

– A carga P é aplicada por um braço de alavanca;

– A compressão da amostra é medida por um extensômetro;

– Normalmente , cada carga é mantida por 24h (excepcionalmente


48h);

– A pressão inicial aplicada à amostra dependerá do projeto.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Adensamento

• Determinação antes do ensaio:

– Peso da amostra – P ou Ph;


– Teor de umidade – w ou h;
– Seção da amostra – A;
– Volume da amostra – V;
– Altura da amostra – H0;
– Densidade real dos grãos de solo – Gs ou δ.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Adensamento

• Determinação entes do
ensaio:

Ps =
Ph
Hs =
PS γs
δ . A.γ w
e = −1
(1 + h) γd

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Determinação durante o ensaio:

– Leitura inicial do extensômetro, antes da aplicação da


carga - li;
– Leituras do extensômetro com tempo - ln;
– Leitura final do extensômetro com as deformações já
estabilizadas;

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Cálculo após o ensaio


(para cada estágio de pressão):

∆H = li − l f H = H 0 − ∆H

H
e= −1
HS

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Apresentação dos resultados:

1. Curva tempo x recalque:

Traçada para cada estágio de carga, tem como eixo horizontal os


tempos (escala logarítimica) e na vertical as deformações (escala
decimal).

2. Curva pressão x índice de vazios:

Relaciona a pressão aplicada em cada estágio de carga, no eixo


horizontal em escala logarítmica, com o índice de vazios da amostra no
final do correspondente estágio, no eixo vertical em escala decimal.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Curva tempo x recalque:

1775
Leitura (mm)

1800

1825
1/4 1/2 1 2 5 10 20 50 100 200 500 1000
Tempo (minutos) - log

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Curva pressão x índice de vazios:


1,0

0,9

0,8
Índice de vazios

0,7

0,6

0,5

0,4
0,10 1,0 10,0
Pressão (kN/m²) - log
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Análise dos resultados:


– Parâmetros obtidos:
• Pressão de preadensamento (σ σ’a);
• Coeficiente de compressibilidade (mv);
• Índice de Compressão (Cc);
• Índice de Recompressão (Cr);
• Coeficiente de adensamento (Cv).

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Análise dos resultados:


– Parâmetros obtidos:
• Pressão de preadensamento (σ σ’a);
• Coeficiente de compressibilidade (mv);
• Índice de Compressão (Cc);
• Índice de Recompressão (Cr);
• Coeficiente de adensamento (Cv).

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Pressão de préadensamento:

Na sua história geológica, um solo é submetido a


pressões de adensamento.

A pressão máxima de adensamento poderá ser


igual ou inferior à pressão correspondente ao
peso das camadas atualmente existentes, acima
de uma profundidade considerada.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Pressão de préadensamento:

Argilas normalmente Aquelas em que a atual pressão geostática


adensadas efetiva é a máxima à qual o solo já esteve
submetido, no passado.

Argilas preadensadas Aquelas em que a atual pressão geostática


efetiva é menor do que alguma já
experimentada pelo solo no passado.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Pressão de préadensamento:

Máxima pressão efetiva a que a argila esteve submetida,


nas suas condições naturais.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Curva Pressão x Índice de vazios:

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Determinação da Pressão de préadensamento:


– Método de Casagrande (1936):

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Determinação da Pressão de préadensamento:

– Método de Pacheco Silva:


- Prolonga-se a reta virgem até a horizontal
correspondente ao índice de vazios inicial
da amostra;
- Do ponto de interseção, traça-se uma
vertical até a curva de adensamento;
- A partir da interseção da vertical com a
curva de adensamento, traça-se uma
horizontal;
- A abscissa do ponto de interseção da
horizontal com o prolongamento da reta
virgem, é a tensão de préadensamento.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Razão de sobreadensamento ou “overconsolidation


ratio” (RSA ou OCR):
Relação entre a tensão de préadensamento e a tensão efetiva
atual.
σ ´vm
OCR =
σ 'v
OCR > 1 Solo préadensado:
σ’v<σ’vm Deformações pequenas e reversíveis
Comportamento elástico

OCR = 1 Solo normalmente adensado:


σ’v≥σ’vm Deformações grandes e irreversíveis
Comportamento plástico
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Análise dos resultados:


– Parâmetros obtidos:
• Pressão de preadensamento (σ σ’a);
• Coeficiente de compressibilidade (mv);
• Índice de Compressão (Cc);
• Índice de Recompressão (Cr);
• Coeficiente de adensamento (Cv).

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Coeficiente de compressibilidade (mv);


e

e0
∆e
e1
σ’
σ’
σ’0 σ’1

- Variação de volume que uma camada de argila sofre, por adensamento, dividido
pelo seu volume e pela pressão efetiva que provocou essa variação;

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

 Coeficiente de compressibilidade (mv);

∆e
e

mv =
∆σ ' ∆V
mv =
e0
∆e =
∆H ∆V
=
V .∆σ '
∆e
e1
H V
σ’
σ’
σ’0 σ’1

∆e 1
- Como: ∆H ∆V
= =
∆e
mv = .
H V 1 + e0
∆σ ' 1 + e0

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Análise dos resultados:


– Parâmetros obtidos:
• Pressão de preadensamento (s’a);
• Coeficiente de compressibilidade (mv);
• Índice de Compressão (Cc);
• Índice de Recompressão (Cr);
• Coeficiente de adensamento (Cv).

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

 Índice de compressão (CC);

- É a inclinação do trecho linear da curva e x σ’ e é adimensional.


Índice de Vazios e

e1 − e2
e1

CC =
∆e
log σ '2 − log σ '1
e2
∆logσ’
σ’1 σ’2
σ’ (log)

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

 Índice de compressão (CC);

- Conhecido CC - Determina-se o índice de vazios, após uma


variação de tensão efetiva.

σ2 
e2 = e1 − CC . log 
 σ1 

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Análise dos resultados:


– Parâmetros obtidos:
• Pressão de preadensamento (s’a);
• Coeficiente de compressibilidade (mv);
• Índice de Compressão (Cc);
• Índice de Recompressão (Cr);
• Coeficiente de adensamento (Cv).

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

 Índice de recompressão (Cr);


- É a inclinação do trecho linear da curva e x σ’ e é adimensional.
ei − evm
Cr = ⇒ ∆e = Cr .(logσ 'vm − log σ 'i )
log σ 'vm − log σ 'i
- Recalque:

∆H ∆e ∆e
= ⇒ ∆H = ρ = .H
H 1 + e0 1 + e0

Cr .(log σ 'vm − log σ 'i )


ρ= .H
1 + e0
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento
- Quando o solo se encontra com tensão efetiva abaixo da pressão de
préadensamento (ponto A), um carregamento pode elevá-la:

1. Até um valor abaixo da tensão de préadensamento (ponto B);


2. Até um valor acima da tensão de préadensamento (ponto C).
- Recalque ρ:
Caso 1:
H σ´ 
ρ= .Cr log 2 
1 + e1  σ ´1  H  σ '2 
ρ= .Cr . log 
1 + e1  σ '1 

Caso 2:

H   σ 'vm   σ ' f 
ρ= 
.Cr . log 
 + CC . log 
1 + e1   σ 'i   σ 'vm 
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

• Análise dos resultados:


– Parâmetros obtidos:
• Pressão de preadensamento (s’a);
• Coeficiente de compressibilidade (mv);
• Índice de Compressão (Cc);
• Índice de Recompressão (Cr);
• Coeficiente de adensamento (Cv).

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

 Coeficiente de adensamento (Cv):


- Parâmetro que retrata a velocidade do adensamento.

- Métodos de obtenção a partir do ensaio de adensamento:

i. Método do logarítmo do tempo (Casagrande);


ii. Método da raiz quadrada do tempo (Taylor).

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Amostragem

Retirada de bloco
indeformado

Colocação do bloco
em caixotes

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Amostragem

Retirada de tubo com


amostra do solo

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Amostragem

Colocação da amostra
no anel de adensamento
(retirada do bloco indeformado)

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Amostragem com
tubo Shelby

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Amostra retirada do tubo

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Dimensões do anel biselado

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Corpo de prova de amostra indeformada

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Talhagem da amostra

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Procedimento de arrasamento

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento
Fase de acabamento

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Montagem do c.p. na célula

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Ajuste da prensa

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Talhagem de amostra compactada

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Célula a ser usada no ensaio de adensamento

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Colocação do anel com o corpo de prova na célula

1 2 3

4 5 6

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Visualização da prensa,
antes da colocação da
célula

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Colocação da célula na prensa

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Ajuste da célula na prensa

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Aplicação de carga e
acompanhamento das leituras

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Saturação do corpo de prova pela


inundação da célula

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Aplicação de estágio de
carga com o c.p. saturado

Peso a ser acrescido


Peso existente

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Adensamento

Visualização do extensômetro que


mede a deformação do c.p.
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Permeabilidade de Carga Constante

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-13292:1995,


Determinação do Coeficiente de Permeabilidade de Solos Granulares à
Carga Constante, 1995.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Permeabilidade de Carga Constante

Permeâmetro de Carga Constante

Q h
v = ki v = i=
A L

v QL
k = ⇒k =
i Ah
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Permeabilidade de Carga Constante

Procedimentos:

1. Mede-se o volume de água coletado num tempo t;


2. Calcula-se a vazão, Q=v/t;
3. Aplica-se a equação:

QL
k=
Ah

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Permeabilidade de Carga Constante

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-14545:2000,


Determinação do Coeficiente de Permeabilidade de Solos Argilosos à Carga
Variável, 2000.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Permeabilidade de Carga Constante

Permeâmetro de Carga Variável


dh
Velocidade de queda do nível v=−
dt
q
Vazão no tubo vtubo = ⇒ q = avtubo
a
Equação da Continuidade:
Vazão de entrada=vazão de saída

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Permeabilidade de Carga Constante

Equação da Continuidade:
Vazão de entrada=vazão de saída avtubo = Avsaída
kh
Lei de Darcy: v= (no CP de solo)
L
Equação da Continuidade:
dh
Vazão de entrada (tubo) q = −a
dt
hk
Vazão no CP (solo) Q=A
L
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Permeabilidade de Carga Constante

dh hk dh kA
−a = A − = dt
dt L h aL
h2 t2
dh kA
∫h − h = ∫t aL dt
1 1

kA
− (ln h2 − ln h1 ) = (t 2 − t1 )
aL
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Permeabilidade de Carga Constante

kA
ln h1 − ln h2 = (t 2 − t1 )
aL
 h1  kA
ln  = (t 2 − t1 )
 h2  aL

aL  h1 
k= ln 
A(t 2 − t1 )  h2 
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@unifor.br
Ensaios de Laboratório

Ensaios para Obras de Terra

Ensaios para obras de terra Ensaios de Compactação

Índice de Suporte Califórnia

Ensaio triaxial de carga repetida

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório
Ensaio de Compactação

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 129/94,


Solos-Compactação Utilizando Amostras Não Trabalhadas, 1994.

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 162/94,


Solos-Ensaio de Compactação Utilizando Amostras Trabalhadas, 1994.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-7182:1986, Solo-


Ensaio de Compactação, 1986.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Compactação

 Compactação;
 Energia Normal;
 Energia Intermediária;
 Energia Modificada.

E: Energia específica;
PLnN
E= P: Peso do soquete;
L: Altura de queda do soquete;
V
n: Número de camadas;
N: Número de golpes por camada;
V: Volume do cilindro.
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Compactação

Curva de compactação
Execução do ensaio
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Índice de Suporte Califórnia

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 049/94,


Solos-Determinação do Índice de Suporte Califórnia Utilizando Amostras Não
Trabalhadas, 1994.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-9895:1987, Solos-


Índice de Suporte Califórnia-Método de Ensaio, 1987.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio ISC

Obtenção dos
parâmetros de
moldagem do CP Características
Determinação do
expansivas
ISC
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

 Ensaio de Cargas Repetidas:

 O Ensaio Triaxial de carga repetida foi introduzido


por Seed (1950) na Universidade da Califórnia;

 Instalado na COPPE/UFRJ em 1977.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

 Ensaio de Cargas Repetidas:

Premissa do ensaio:

σ3 - Constante;
σ1 – Variável;
σd = σ1-σ3

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Carga Repetida (Módulo de Resiliência-MR)


Equipamento triaxial de cargas repetidas (BERNUCCI te al., 2007):

CILINDRO DE CÉLULA DE CARGA


PRESSÃO
φ
AR COMPRIMIDO

h
CÉLULA TRIAXIAL

φ h
15 30
CORPO--DE-
CORPO DE-PROVA 10 20
7.5 15
LVDT 5 10
Registro dos
deslocamentos Medidas em cm
Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Carga Repetida (Módulo de Resiliência-MR)

Célula triaxial

Corpo-de-prova

Equipamento triaxial de cargas repetidas (BERNUCCI te al., 2007)


Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Ensaio de Carga Repetida (Módulo de Resiliência-MR)

Resumo do Ensaio
 Uma tensão axial repetida de magnitude pré-fixada é aplicada na forma
senoidal por 0,1 segundos e removida por 0,9 segundos a um corpo de prova,
resultando em ciclos de 1 s.

 Durante o ensaio, o corpo de prova é submetido a pares de tensão axial cíclica


dinâmica (σ1) e a tensão confinante estática (σ3).

 Os deslocamentos axiais resilientes (recuperáveis) do corpo-de-prova são


medidos e empregados para calcular o módulo de resiliência.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios de Laboratório

Módulo de Resiliência (MR):

MR = σd / εr
Sendo: σ1: tensão principal maior ou axial (kN/m2)
σ3: tensão principal menor ou de confinamento (kN/m2)
σd: tensão-desvio (kN/m2)
εr: deformação resiliente ou recuperável (εr=δr / L) (mm/mm) Prof. Dr. Marcos Porto
marcosporto@inbec.com.br
PROGRAMA DO MÓDULO

•Introdução; •Compressibilidade e Adensamento;


•Origem dos Solos e Tamanho dos •Resistência ao Cisalhamento do Solo;
Grãos; Empuxo de Terra;
•Empuxo
•Índices Físicos e Plasticidade; •Estabilidade de Taludes;
•Classificação dos Solos; •Exploração do Subsolo;
•Compactação; •Ensaios de Laboratório;
•Permeabilidade e Percolação; •Ensaios para Controle.
•Tensões no Solo;

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

Ensaios para Controle

Ensaios para controle Frasco de areia

“Speedy”

Viga Benkelman

“Dynamic Cone Penetrometer”

Provas de Carga

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

Massa Específica Aparente “in situ” com o Frasco de Areia

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 092/94,


Solos-Determinação da Massa Específica Aparente “in situ” com Emprego do
Frasco de Areia, 1994.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-7185:1988, Solo-


Determinação da Massa Específica Aparente “in situ” com Emprego do Frasco
de Areia, 1988.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

• Frasco de areia

O frasco de areia determina o peso específico aparente seco


da camada compactada através da utilização de uma areia
“calibrada”.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

Viga Benkelman

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 024/94,


Determinação das Deflexões pela Viga Benkelman, 1994.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

• Viga Benkelman

Consiste de um equipamento muito simples que necessita


de um caminhão com eixo traseiro simples de roda dupla
carregado com 8,2t, para aplicar a carga sob a qual será
medida a deformação elástica.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle
Ensaios Para Controle:

“Falling Weight Deflectometer” (FWD) – Deflectômetro de


Impacto

 DNER, Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, DNER-ME 273/96,


Determinação de Deflexões Utilizando o Deflectômetro de Impacto tipo “Falling
Weight Deflectometer” (FWD), 1996.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

• “Falling Weight Deflectometer” (FWD) – Deflectômetro de


Impacto.

Considera o impacto por queda de um peso suspenso a


certa altura, sobre amortecedores que comunicam o choque
a uma placa metálica apoiada sobre o pavimento no ponto
de leitura da deflexão máxima.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

• Dynamic Cone Penetrometer (DCP)

Equipamento utilizado para aferir a resistência à penetração


de um determinado solo atrvés da percussão de um peso
em uma haste com um cone na extremidade. Os resultamos
em mm/golpe são correlacionados com valores de CBR

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

Prova de Carga Estática

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-12131:2006, Estacas -


Prova de carga estática - Método de ensaio, 2006.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

• Prova de Carga Estática

Na prova de carga estática, o elemento da fundação é solicitado


por um ou mais macacos hidráulicos, empregando-se um
sistema de reação estável. Para tanto, é comum o uso de vigas
metálicas e ancoragens embutidas no terreno.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

Prova de Carga Dinâmica

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR-13208:2007, Estacas - Ensaios de


carregamento dinâmico, 2007.

Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
Ensaios para Controle

• Prova de Carga Dinâmica


O ensaio consiste na instrumentação do fuste da estaca com transdutores e
acelerômetros, que permitem monitorar a propagação das ondas
decorrentes do golpe de um martelo (bate-estacas). As informações que os
sensores fornecem (também chamadas de sinais) são condicionadas e
processadas por um equipamento específico ; o Pile Driving Analyzer (PDA).

Durante a cravação de uma estaca, pode-se obter:

- força máxima do impacto

- energia do golpe (eficiência do sistema de cravação)

- tensões máximas

- danos estruturais e sua localização Prof. Dr. Marcos Porto


marcosporto@inbec.com.br
PROF. MARCOS FÁBIO PORTO DE AGUIAR, D. Sc

marcosporto@inbec.com.br

Você também pode gostar