Você está na página 1de 1

Encontro

 de  Ensino  de  Ciências  por  Investigação  –  EnECI  2017  


15  a  17  de  maio  de  2017  
 

A  ABORDAGEM  INVESTIGATIVA  NO  ENSINO  SOBRE  O  REINO  FUNGI    


1 1 1
Nicole  Cristina  Machado  Borges ,  Eleusa  Maria  Bernardes ,  Andréia  Rodrigues  da  Costa ,  Laíssa  dos  Santos  
1 1 1  
Cruvinel ,  Anna  Júlia  Silva ,  Viviane  Rodrigues  Alves  de  Moraes
Instituto  de  Biologia  da  Universidade  Federal  de  Uberlândia  (INBIO/UFU),  nicolecristinam@gmail.com;  
eleusaudi@gmail.com; andreiajhs@yahoo.com.br; laa-issa@hotmail.com; annajsilva95@gmail.com;
vrdmoraes@gmail.com

 
É  recorrente  a  queixa  de  professores  de  Biologia  sobre  o  desinteresse  que  nossos  jovens  demonstram  pelos  espaços  
escolares  e  pelos  conteúdos  biológicos.  Em  nosso  mundo  dinâmico  e  permeado  pela  disponibilidade  instantânea  de  
informações   e   imagens   em   variadas   mídias,   precisamos   reconhecer   que   a   escola   com   seu   formato   atual   torna-­‐se  
pouco   atraente   para   nossos   alunos.   Portanto,   é   necessário   repensar   como   se   dão   os   processos   de  
ensino/aprendizagem   neste   contexto,   pois,   segundo   Carvalho   (2004)   estes   dois   conceitos   estão   profundamente  
imbricados,  não  sendo  mais  possível  ao  professor  adotar  uma  atitude  ingênua  sobre  como  se  ensina,  pensando  que  
basta   conhecer   um   pouco   o   conteúdo   e   ter   jogo   de   cintura   para   mantermos   os   alunos   nos   olhando   e   supondo   que  
enquanto  prestam  atenção  eles  estejam  aprendendo  (p.1).  Para  romper  com  este  cenário,  o  ensino  por  investigação  
surge   como   uma   abordagem   didática   suportada   por   um   corpo   sólido   de   pesquisas,   capaz   de   reunir   variadas  
estratégias   capazes   de   oportunizar   a   participação   ativa   dos   alunos   (SASSERON,   2008).   Nesse   âmbito,   e   conscientes   de  
que  começamos  uma  investigação  definindo  os  objetivos  dentro  de  um  planejamento,  propomos  uma  sequência  de  
ensino  sobre  o  Reino  Fungi  para  alunos  do  ensino  médio  de  uma  Escola  Estadual  na  cidade  de  Uberlândia/MG,  pois  
sabemos   o   quanto   estes   organismos   são   importantes   para   o   planeta,   e   também   o   quanto   é   necessário   atrair   os  
estudantes   para   a   discussão   sobre   os   mesmos.   Pois,     segundo   Chassot   (2006),   a   educação   científica   é   capaz   de    
promover   a   formação   de   cidadãos   cientificamente   cultos,   capazes   de   participar   de   maneira   ativa   e   responsável   na  
sociedade,   além   de   compreenderem   os   fenômenos   naturais   e   interferirem   em   seu   ambiente,   seja   ele   natural   ou  
tecnológico.   Dessa   forma,   nosso   objetivo   foi   explorar   um   conteúdo,   que   embora   tenha   muita   relevância   ecológica,  
econômica  e  faça  parte  do  cotidiano  de  nossos  alunos,  geralmente  é  tratado  pelos  professores  de  forma  expositiva,  
conceitual   e   descritiva,   enfocando   basicamente   sua   classificação,   e   aspectos   morfológicos   e   reprodutivos.   Nesta  
perspectiva,   as   etapas   foram   uma   sondagem   inicial,   uma   aula   prática   e   uma   roda   de   discussão   final.   Para   coleta   de  
dados   utilizamos   a   observação   direta   e   dois   questionários,   um   no   início   da   atividade   que   tinha   como   finalidade  
explorar  os  conhecimentos  prévios  dos  alunos,  e  um  ao  final  da  atividade  com  o  objetivo  de  explorar  suas  percepções  
a   respeito   da   atividade,   pois   neste   trabalho   investigamos   quais   as   percepções   os   alunos   demonstram   a   respeito   de  
uma   atividade   sobre   o   reino   Fungi   proposta   dentro   da   abordagem   investigativa.   Iniciamos   a   atividade   com   uma  
sondagem   sobre   o   conhecimento   que   os   alunos   traziam,   em   seguida   apresentamos   os   materiais   (tubos   de   ensaio;  
fermento;  açúcar;  sal;  água  quente;  água  fria;  balões)  e  foi  proposto  que  explicassem  como  se  dá  a  fermentação  das  
massas  a  partir  do  levantamento  de  hipóteses  durante  o  experimento.   Os  alunos  manipularam  o  material,  discutiram,  
fizeram   diversas   tentativas   e   anotaram   as   hipóteses   a   medida   que   experimentavam,   e,   ao   final,   todos   conseguiram  
visualizar   que   a   fermentação   produz   gases.   Neste   ponto,   já   tinham   as   perguntas,   então,   com   o   auxílio   do   material  
bibliográfico   disponibilizado   pelo   professor   e   a   discussão   em   grupo   conseguiram   as   explicações   para   as   hipóteses  
levantadas.   Ao   compararmos   os   dados   dos   questionários   aplicados   percebemos   que   os   alunos   aumentaram  
significativamente   seus   conhecimentos   a   respeito   do   Reino   Fungi   em   relação   àqueles   que   apresentaram   no   inicio.  
Com   relação   às   suas   percepções   sobre   a   atividade,   os   alunos   demonstraram   que   a   autonomia   gera   sentimentos   de  
respeito   mútuo   e   autoestima,   pois   conseguiram   discutir   em   grupo   e   chegarem   a   um   resultado,   o   que   implicou  
também   em   motivação   para   aprender,   expressada   nas   respostas   aos   questionários.   Acreditamos   que   o   ensino   por  
investigação   tem   o   potencial   de   promover   o   desenvolvimento   de   diversas   competências,   possibilitando   o   estímulo   do  
raciocínio  científico,  a  autonomia  e  o  desenvolvimento  de  capacidades  de  questionamento  e  reflexão  críticas.  
Palavras-­‐chave:  Ensino  por  investigação,  reino  Fungi,  percepções,  motivação  

Referências  
CARVALHO,  A.  M.  P.  Critérios  estruturantes  para  o  ensino  de  ciências.  In:  CARVALHO,  A.M.  P.  (Org.).  Ensino  de  ciências:  unindo  a  
pesquisa  e  a  prática.  São  Paulo:  Pioneira  Thomson  Learning,  2004.  
CHASSOT,  A.  Alfabetização  científica:  questões  e  desafios  para  a  educação.  4  ed.  Ijuí:  Ed.,  2006.  
SASSERON,   L.   H.;   CARVALHO,   A.   M.   P.   Almejando   a   alfabetização   científica   no   ensino   fundamental:   a   proposição   e   a   procura   de  
indicadores  do  processo.  Investigações  em  Ensino  de  Ciências,  v.  13,  n.  3,  p.  333-­‐352,  2008.