Você está na página 1de 2

ENSAIOS MÊCANICOS

Prof: Tiago Luiz


Alunos: André Bastos e Gustavo Alves

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS


Ensaios Não Destrutivos são utilizados para detectar e avaliar falhas nos materiais.
Geralmente, são caracterizadas por trincas, inclusões de materiais no cordão de solda ou
ainda variações nas propriedades estruturais, que podem levar à perda da resistência e
posteriormente à falha do material.
Os ensaios não destrutivos são usados para inspeção e também para o
monitoramento das condições de operação dos equipamentos. A grande vantagem é o não
descarte do material ou estrutura sob teste.
Podem citar-se algumas vantagens:
a) Permitem praticar a inspecção a 100%;
b) Fornecem resultados relativamente a todo o volume de uma peça;
c) Contribuem para melhorar o projeto de uma peça;
d) Previnem a ocorrência de falhas em serviço;
e) Permitem a detecção e caracterização de defeitos;
f) Permitem fazer a caracterização de materiais;
g) Permitem fazer a sua caracterização metrológica por verificação das dimensões.
A classificação dos ensaios não destrutivos pode ser feita segundo vários critérios,
isto é, em função da sua aplicação, dos princípios físicos e da sua capacidade de detecção.
I. Classificação dos ensaios em função da aplicação
a) Para detecção de defeitos.
b) Para caracterização de materiais.
c) Utilizado para metrologia - fazem a verificação das dimensões.
II. Classificação dos ensaios em função dos princípios físicos
a) Ondas eletromagnéticas;
b) Ondas acústicas;
c) Emissão de radiação;
d) Outros (absorção, capilaridade).
III. Classificação em função da capacidade de detecção
a) Ensaios volumétricos: permitem avaliar todo o volume da peça (Exemplos:
Ensaios por Raio-X, Ultra-Sons e Correntes Induzidas);
b) Ensaios subsuperficiais: permitem avaliar parte da peça (Exemplo: Ensaio por
Magnetoscopia);
c) Ensaios superficiais: permitem avaliar apenas a superfície da peça (Exemplo:
Ensaio por Líquidos penetrantes).

REFERÊNCIAS:
Notas para a disciplina “Tecnologia de Fabrico I” leccionadas pelo Eng. Santos Pais,
Professor Catedrático da Universidade do Minho.