Você está na página 1de 3

Orientação de qualidade

a um clique de distância
Canal no YouTube criado por três médicos atinge milhares de pessoas e busca conscientizar,
esclarecer e ensinar sobre aspectos do dia a dia da Saúde, sem limitação a uma especialidade

LAÍS MATHIAS

A tualmente, os avanços tecnológi-


cos e as redes sociais são grandes
“O objetivo principal que pessoas sobre saúde a partir de informa-
ções com fundamento científico, pas-
aliados em diversos setores e desen- estabelecemos foi o de sadas por pessoas com credibilidade”,
volvem um importante papel para a explica Ortega.
sociedade. A partir dessa percepção e comunicar às pessoas sobre O passo seguinte foi o de encontrar
da vontade de encontrar um formato temas e profissionais habilitados para
que promova um diálogo mais claro, saúde a partir de informações abordá-los. Os assuntos mais frequen-
nasceu o Canal Doutor Ajuda, desen- tes na vivência médica em consultórios
volvido pelo urologista Fabio Ortega, EQOHWPFCOGPVQEKGPVÆæEQ e hospitais são selecionados para virar
pela ortopedista Rodrigo Calil e pela
ginecologista Denise Yanasse.
passadas por pessoas com conteúdo. “A partir disso, procuramos
as pessoas que são referência ou que
A ideia surgiu após uma conversa
em que os três amigos concluíram que
credibilidade” atuam diretamente com o tema e que
podem falar com propriedade, seguin-
existe muita informação de saúde dis- do a experiência particular e, principal-
ponível na internet, revistas, jornais e Fábio Ortega mente, fundamentando-se em estudos
televisão, mas, de uma forma geral, as científicos adequados, pois acreditamos
pessoas continuam pouco esclarecidas na Medicina baseada em evidências”,
sobre seus próprios problemas. Dessa detalha o urologista.
forma, a iniciativa passou a ser elaborada A escolha de quem participará do ví-
e se definiu como uma “ponte” entre o deo pode ser feita de várias formas, po-
YouTube e o Facebook. Para isso, houve rém segue algumas especificações. “Os
uma parceria com uma equipe de pro- médicos podem se voluntariar, mas só
fissionais especialistas em mídias sociais são chamados se seguirem os critérios
e em produções de vídeos. “Após seis previamente esclarecidos, com uma ex-
meses de elaboração e aperfeiçoamento, periência fundamentada pela ciência mé-
chegamos ao final da proposta do Canal dica e baseada em evidências, já que um
Divulgação

Doutor Ajuda, e o objetivo principal dos pilares do canal é a informação fide-


que estabelecemos foi o de comunicar às digna e com qualidade”, destaca Ortega.

| 49 | DOC
EDUCAÇÃO DO PACIENTE
Divulgação

Todavia, a elaboração do projeto Depois desse processo de reconheci-


atravessa diversas etapas antes da publi- mento pelo público, os números que o
cação do vídeo. “Com temas e médicos projeto alcançou são impressionantes.
selecionados, entra em ação a equipe “Nos últimos meses, ultrapassamos a
não médica, composta por roteirista, marca de 100 mil seguidores no You-
diretor de gravação, especialista em Tube e de 80 mil no Facebook. O que
áudio, editor e profissional de mídia temos observado é que o alcance está
social. Eles vão produzir os vídeos até aumentando”, celebra o urologista.
seu aspecto final e os divulgam sema- A conclusão a que se chega é que
nalmente”, explica. ter um espaço de conexão com os pa-
cientes auxilia na tomada de decisão,
Receptividade no esclarecimento de dúvidas e na
desmistificação de informações, por
Após determinar os aspectos teóri- vezes, errôneas. Além disso, esse tipo
cos e técnicos, a grande questão passa de iniciativa aproxima as pessoas, que
a ser o público do canal. Por se tratar podem sempre acompanhar as publi-
de temáticas consideradas comple- cações, colaborando com opiniões,
xas para leigos, o desafio de passar o críticas, sugestões e expondo ques-
conteúdo é ainda mais árduo. Dessa tões pessoais. “Coloca-se o médico
forma, a fidelização e a compreensão na posição de alguém que deseja, de
levam mais tempo, segundo Ortega. alguma forma, ajudar as pessoas em
“A aceitação do público no início foi momentos difíceis. Isso une a classe
lenta, mas sempre crescente, de ma- médica aos pacientes”, analisa Orte-
neira orgânica. Não houve patrocínio ga. Ou seja, é o médico trabalhando
ou vinculação em redes de comunica- a educação do paciente e tornando-se,
ção em massa. O interessante é que, ao mesmo tempo, uma referência de
à medida que o canal foi crescendo, conhecimento para o público leigo.
grande parte dos vídeos mais antigos Entre os colegas de profissão, a res-
também foram sendo mais vistos. posta não foi diferente. O urologista
Muitos deles, com o tempo, tornam- conta que, quando a ideia é interpretada
se referências em seus temas”, relata. da maneira correta, os médicos apoiam
Denise Yanasse, uma das criadoras do canal

Bastidores das gravações dos vídeos em que os médicos orientam os pacientes no Canal Doutor Ajuda

DOC | 50 |
Edi voluptat quas
e passam até a difundir o conteúdo. ressalta. Nesse sentido, o projeto se tor-
“Nos corredores dos hospitais, é comum na um aliado dos profissionais de saú-
ouvirmos comentários positivos sobre de e ajuda a combater o chamado “Dr.
os vídeos de nosso canal. Inclusive, os Google”, que, muitas vezes, leva o pa-
médicos falam que mostram os vídeos ciente a informações equivocadas.
para seus pacientes”, conta. Por isso, o urologista faz um alerta so-
Ainda assim, o criador do canal faz bre os diversos materiais não verificados
questão de frisar que de forma alguma ou referenciados que estão disponíveis
o conteúdo oferecido pode ocupar o lu- na internet. “No Brasil, não existe uma
gar de uma consulta ou do atendimento fiscalização sobre conteúdo na internet.
presencial. “A classe médica gostou da Conteúdos em saúde, sem qualquer
proposta do canal porque entendeu que fundamento científico, como curas mi-
a intenção é orientar os pacientes para lagrosas, tratamentos inovadores e remé-
uma consulta médica melhor e nunca dios alternativos, circulam sem restrição
substituir o profissional da Saúde no alguma em vídeos, textos e anúncios,
processo de diagnóstico e tratamento”, confundindo a todos”, avalia. J Rodrigo Calil, ortopedista

O primeiro vídeo do canal foi


Os três autores se formaram na
sobre as diferenças entre gripes
mesma faculdade, a Faculdade de
e resfriados, publicado em 22 de
Medicina da Universidade de São
junho de 2016 no YouTube e em 30 de
Paulo (FMUSP)
junho no Facebook

Curiosidades
do canal
O canal foi
idealizado
em 2016

A frequência de publicação
é de um vídeo por semana
no YouTube e dois posts
semanais no Facebook
Os assuntos dos vídeos mais vistos até hoje foram:
depressão, o ato de levantar à noite para urinar,
æOQUGOCEQPJCFQTPQRGKVQVQPVWTCFQTPQ
joelho, dor no pé, ansiedade e dores pelo corpo

| 51 | DOC