Você está na página 1de 53

APOSTILA 2016

HISTÓRIA

PROFESSOR: MARCOS
HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 1
Índice

Capitulo 1 .................................................................................................... P.4

Capitulo 2 .................................................................................................... P.10

Capitulo 3 .................................................................................................... P.16

Capitulo 4 .................................................................................................... P.22

Capitulo 5 .................................................................................................... P.28

Capitulo 6 .................................................................................................... P.34

Capitulo 7 .................................................................................................... P.44

Referencias Bibliográficas ............................................................................P.53

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 2


Objetivos Pedagógicos

 Compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e
deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação
e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito;

 Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais,


utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas;

 Desenvolver o conhecimento ajustado de si mesmo e o sentimento de confiança em suas


capacidades afetiva, física, cognitiva, ética, estética, de inter-relação pessoal e de inserção
social, para agir com perseverança na busca de conhecimento e no exercício da cidadania;

 Saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir
conhecimentos;

 Questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolvê-los, utilizando para isso o


pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando
procedimentos e verificando sua adequação.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 3


Capítulo 1

A Revolução Russa

Marcha popular rumo ao palácio em São


Petersburgo no episodio do massacre do domingo
sangrento.

A Federação Russa é o país com maior extensão territorial do planeta: são mais de 17
milhões de quilômetros quadrados divididos entre dois continentes, Ásia e Europa. Esse imenso
território tem quase o dobro do tamanho da segunda maior nação do mundo, o Canadá. Suas
duas principais cidades são Moscou e São Petersburgo, respectivamente atual e antiga capital do
país.
Até 1917, a Rússia viveu sob o czarismo, uma espécie de monarquia absolutista.
Em fevereiro de 1917, a monarquia foi derrubada por uma rebelião popular. Em outubro, uma
revolução socialista colocou no poder o Partido Bolchevique, que instaurou o comunismo. Esse
regime vigorou até 1991. Neste capítulo veremos como tudo isso ocorreu.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 4


Uma potência pouco desenvolvida

A Rússia consolidou-se como Estado no final do século XVI, com Ivan IV, o Terrível, que adotou o título de czar.
Com ele teve inicio o absolutismo e a expansão territorial do país. Essa expansão se prolongou até o final do século
XIX, quando a Rússia se transformou em uma das maiores nações do planeta, com mais de 22 milhões de
quilômetros quadrados. Por volta de 1914, sua população chegava a 174 milhões de pessoas.
Apesar desses números, ate o começo do século XX a economia russa continuava predominantemente rural.
Enquanto a Inglaterra e outros países europeus contavam com sólidos parques industriais e encontravam-se em
plena Segunda Revolução Industrial, a Rússia dispunha de poucos centros fabris. Ali, os operários trabalhavam em
ambientes insalubres, com salários extremamente baixos e enfrentavam jornadas de até catorze horas diárias.
No campo, a situação era ainda pior: 85 por cento da população total do país era constituída por camponeses
pobres. A maioria deles vivia sob o regime feudal de servidão. A abolição do regime servil, em 1861, não contribuiu
para melhorar sua situação, pois eles continuaram a viver sob o jugo dos grandes proprietários rurais.
Politicamente, vigorava no país uma espécie de monarquia absolutista - o czarismo -, que reprimia qualquer
manifestação contraria ao governo. As forças que davam sustentação política ao czar eram formadas pelos donos de
terras (nobreza), pelos militares e pela Igreja ortodoxa.
A repressão e o autoritarismo provocaram o surgimento de grupos clandestinos de oposição, defensores de
mudanças econômicas, sociais e políticas. Entre esses grupos destacavam-se os anarquistas, os narodniks
(populistas) e os socialistas. Tanto os anarquistas quanto um setor dos populistas preconizavam o emprego de
ações terroristas contra membros do governo. Em uma dessas ações, foi morto o czar Alexandre II (1818-1881).

Em busca de reformas

Atrasada em relação à Europa ocidental, a Rússia só começou a se industrializar no final do século XIX. Dois
fatores foram decisivos nesse processo: a ação do governo, que investiu, sobretudo na construção de ferrovias; e a
intervenção do capital estrangeiro, por meio de empréstimos e investimentos diretos. Além desses fatores, a
produção industrial foi favorecida pelo baixo custo da mão de obra, formada por trabalhadores de origem rural,
recém-chegados às grandes cidades.
Outra característica da industrialização russa foi sua concentração em três pontos do território: Moscou, a capital
São Petersburgo e a região do rio Don. Nesses lugares formaram-se grandes unidades industriais - como a usina
siderúrgica Putilov, em São Petersburgo, por exemplo -, que reuniam milhares de operários. Assim, no começo do
século XX a Rússia era um país camponês com algumas ilhas de alta concentração industrial.

O proletariado urbano

O crescimento industrial refletiu no desenvolvimento das cidades: entre a década de 1860 e 1914, a população
urbana passou de 6 milhões para quase 19 milhões de pessoas.
Pressionados pelas péssimas condições de vida e de trabalho, os operários russos começaram a se organizar
em associações. Em 1898, intelectuais e ativistas da classe trabalhadora formaram o Partido Operário

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 5


Socialdemocrata Russo, POSDR, grupo clandestino de orientação marxista. Em 1903 o POSDR se dividiu em duas
tendências. Uma delas era a dos bolcheviques. Liderada por Lenin (pseudônimo de Vladimir Ilitch Ulianov), essa
facção propunha a formação de uma aliança operário-camponesa para lutar pelo poder, como primeiro passo para
se chegar ao socialismo, o que, segundo Lenin, só seria possível por meio de uma revolução.
A outra tendência era a dos mencheviques. Mais moderados do que os bolcheviques, eles argumentavam que
era preciso apoiar a burguesia, pois esta deveria liderar a luta contra o czarismo em uma revolução democrática. Só
então se poderia organizar a classe operária para a revolução socialista.

A revolução de 1905

Em 1905 a Rússia foi derrotada na Guerra Russo-


Japonesa (1904-1905) pela posse da Manchúria e da Coréia. A
derrota contribuiu para aumentar a insatisfação que se tornava
cada vez maior em todo o país.
Em janeiro de 1905, ainda durante o conflito, cerca de 200
mil pessoas, lideradas pelo padre Georg Gapon, saíram às
ruas de São Petersburgo, capital do país, em manifestação
pacífica por uma Assembleia Constituinte e por melhores
condições de vida e de salário. Forças do governo dispararam
contra a multidão, matando cerca de mil pessoas.
Conhecido como domingo sangrento, o massacre Foto de São Petersburgo, Até então
repercutiu em toda a Rússia levando à radicalização dos capital da Rússia, em 1900.
protestos. Greves, saques e manifestações eclodiram por toda
parte. No mar Negro, os marinheiros do encouraçado Potenkim se sublevaram. Em outubro, uma greve geral
paralisou o país.
Nas grandes cidades foram criados sovietes, conselhos formados por representantes dos trabalhadores para
tomar decisões políticas na luta contra o czarismo. O soviete mais importante era o da capital São Petersburgo,
presidido por Lev Davidovich Bronstein, conhecido como Leon Trotski.
Encurralado pela revolução, o czar Nicolau II cedeu a algumas das exigências dos revolucionários. Assim,
legalizou os partidos políticos e concedeu poderes legislativos à Duma, uma espécie de Parlamento. Ao mesmo
tempo, no entanto, reprimiu duramente os sovietes e o movimento grevista. Trotski e outros líderes foram presos.

A Revolução de Fevereiro

O governo russo entrou na Primeira Guerra Mundial (1914-1918) com um exército numeroso (mobilizou cerca de
15 milhões de soldados durante o conflito), mas despreparado: muitas vezes, seus combatentes iam para a frente de
batalha desprovidos de botas e fuzis. Milhares de soldados morreram ou desertaram.
A guerra desorganizou completamente a economia do país: houve fome, desemprego, inflação. No dia 27 de
fevereiro de 1917 (12 de março no calendário ocidental) a população de São Petersburgo e de outras cidades se
revoltou. O czar foi obrigado a abdicar e o poder passou para as mãos de um governo provisório eleito pela Duma e
composto de liberais e mencheviques. Ao mesmo tempo, operários, camponeses, soldados e marinheiros
organizaram sovietes por todo o país.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 6


Os novos governantes aboliram a censura à imprensa, legalizaram os partidos e libertaram os presos políticos.
Os exilados puderam retornar, enquanto o czar e sua família eram presos. Mas o país continuou envolvido na
guerra, e a principal reivindicação dos camponeses - a reforma agrária - não foi atendida.
A Revolução de Outubro

Em abril de 1917, depois de voltar da Suíça, onde se encontrava exilado, Lenin lançou violentos ataques contra
o governo provisório, proclamando os lemas "Paz, pão e terra" e "Todo o poder aos sovietes!". Enquanto isso,
Trotski, que também havia retornado do exterior, era eleito presidente do soviete de Petrogrado (novo nome da
capital, a antiga São Petersburgo), o mais importante da Rússia, e aderia ao Partido Bolchevique.
Com sua política de "Paz, pão e terra", os bolcheviques conquistaram rapidamente a liderança da maioria dos
sovietes e, na noite de 24 para 25 de outubro de 1917 (6 para 7 de novembro no calendário ocidental), derrubaram o
governo provisório por meio de uma insurreição organizada e dirigida por Trotski.

Av. Perspectiva Nevsky, Petrogrado em 1917. Sob


intenso tiroteio, corpos acumulam-se no chão e
trabalhadores procuram abrigo para se salvar.

A Rússia comunista

Com a Revolução de Outubro, a Presidência do país foi entregue a Lenin, que proclamou a formação da
República Soviética Russa. O novo governo estatizou fábricas, estradas de ferro e bancos e confiscou os bens da
Igreja. As grandes propriedades foram expropriadas e distribuídas aos camponeses.
No plano externo, russos e alemães assinaram um acordo de paz em separado, o Tratado de Brest-Litovsky
(1918). Em seguida, porém, o país mergulhou em uma sangrenta guerra civil que colocou em confronto o Exército
Vermelho, organizado e comandado por Trotski, e o Exército Branco, mobilizado pelas antigas classes dominantes
(senhores de terras, grandes empresários, generais do exercito czarista) e apoiado pelas potências ocidentais (veja o
boxe "Guerra civil na Rússia").
Durante a guerra civil, que seria vencida pelo Exercito Vermelho, Lenin adotou medidas de centralização do
poder em torno do Partido Bolchevique, agora chamado de Partido Comunista. Assim, foi implantada uma rígida
disciplina nas fábricas, cujos cargos principais foram ocupados por burocratas do governo; a imprensa passou a ser

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 7


controlada, os partidos políticos foram postos na ilegalidade e a própria liberdade de discussão no interior do Partido
Comunista foi restringida. Muitos opositores do novo regime foram presos. O czar Nicolau II e sua família foram
executados.

Guerra civil na Rússia

Inconformados com a perda de seu patrimônio, os grandes proprietários rurais da Rússia, juntamente
com os capitalistas e os defensores do czar e do antigo governo provisório, uniram suas forças e formaram o
Exército Branco, com o objetivo de expulsar os bolcheviques do poder. Com o fim da Primeira Guerra
Mundial, em 1918, esse exército ganhou o reforço de tropas vindas de vários países, entre os quais
Inglaterra, Estados Unidos, Canadá, Japão e França, cujos governos temiam a propagação do comunismo
pelo mundo.
A guerra civil só terminou em fevereiro de 1921, com a vitória dos bolcheviques, liderados por Trotski.
O custo, no entanto, foi elevado para a República soviética: 13 milhões de pessoas morreram número
superior ao dos que tombaram na Primeira Guerra Mundial.
Com a economia arrasada, em março de 1921 Lenin adotou a Nova Política Econômica - NEP -, plano
de recuperação do país que misturava princípios comunistas com medidas de tipo capitalista. Em dezembro de
1922 o novo Estado passou a se chamar União das Republicas Socialistas Soviéticas - URSS.

Conforme o Partido Comunista, único autorizado a


funcionar, passava a controlar todas as esferas da sociedade, os
sovietes deixaram de ser um espaço para a discussão
democrática e transformaram-se em meros executores das
ordens do Partido (veja no boxe "Sem liberdade não há
socialismo", as críticas da líder comunista polonesa Rosa
Luxemburgo a essa situação).
Em 1922 Lenin sofreu um ataque cardíaco e afastou-se
pouco a pouco do poder, até morrer, em 1924. O secretário-geral
do Partido Comunista, Josef Stalin, passou a disputar com Leon
Trotski a liderança da União Soviética. Os dois tinham opiniões
antagônicas a respeito dos caminhos da revolução,
Para Trotski, a revolução socialista deveria ser difundida O líder revolucionário Russo Vladimir Lenin
para outros países como forma de garantir a sobrevivência do (1870-1924) discursa para uma multidão em 5
de maio de 1920. A direita pode-se ver o
socialismo na União Soviética. Já Stalin acreditava que a segundo no comando, Leon Trotski.
revolução deveria ser consolidada primeira no próprio país (teoria
do Socialismo em um só país). Trotski também criticava a burocratização do Estado, a extinção da vida democrática no
interior dos sovietes e o excesso de poder concentrado nas mãos de Stalin.
Stalin tinha a seu serviço a burocracia do Estado e do Partido. Vencedor da disputa com Trotski passou a
dominar o país com mão de ferro, levando ao extremo as tendências autoritárias já reveladas na época de Lenin.
Seu governo deu grande impulso à industrialização por meio de planos quinquenais. Ao mesmo tempo, estabeleceu
um regime totalitário e passou a eliminar todos os seus adversários, que eram presos ou executados.

Trotski foi expulso da União Soviética em 1929 e obrigado a exilar-se no México, onde morreu assassinado a
mando de Stalin em 1940. Todos os outros líderes da Revolução de Outubro, à exceção de Lenin e de Sverdlov, que

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 8


morreram de morte natural, foram presos e executados em processos sumários.

Sob o governo de Stalin, a União Soviética isolou-se do resto do mundo e se transformou em uma potência
mundial. No entanto, o projeto da formação de uma sociedade igualitária, um dos ideais dos primeiros marxistas, foi
abortado. Em lugar do socialismo, surgiu uma sociedade burocratizada, controlada por uma elite de funcionários
privilegiados - a burocracia soviética -, enquanto a massa da população vivia em condições precárias e se via
excluída dos órgãos de decisão. No topo dessa sociedade estava o Partido Comunista, que controlava integralmente
todos os órgãos do Estado. O chefe desse partido, Stalin, era considerado infalível e seus opositores invariavelmente
reprimidos.

Sem liberdade não há socialismo

Sem eleições gerais, sem liberdade ilimitada de imprensa e de reunião, sem livre enfrentamento de
opiniões, a vida se estiola em qualquer instituição pública, torna-se uma vida aparente na qual a burocracia
subsiste como único elemento ativo.
A vida pública adormece progressivamente, algumas dúzias de chefes, portadores de uma inesgotável
energia e de um idealismo sem limites, dirigem e governam; entre eles, a direção é assegurada, na realidade,
por uma dúzia de espíritos superiores, e a elite do operariado é convocada de tempos em tempos para
reuniões, para aplaudir o discurso do chefe e votar unanimemente as resoluções propostas (...). Trata-se de
uma ditadura, é verdade, não a ditadura do proletariado, mas a ditadura de um punhado de políticos, isto é,
uma ditadura no sentido puramente burguês.
(Rosa Luxemburgo. A Revolução Russa.
In: José Arbex. Revolução em três tempos.
São Paulo: Moderna, 1993. p. 27.)

Atividades Complementares

1. Escreva um texto sobre a Rússia no século XIX do ponto de vista econômico, social e político.

2. Explique em que consistiu o episódio conhecido como domingo sangrento.

3. Que repercussões o domingo sangrento teve na sociedade e no governo russo?

4. Que consequências a participação russa na Primeira Guerra Mundial trouxe àquele país?
5. O que foi a Revolução de Outubro e que corrente política a liderou?

6. Quais as principais mudanças estabelecidas pelos bolcheviques ao chegar ao poder?

7. O que eram os sovietes e qual a sua importância no processo revolucionário russo?

8. Após a morte de Lenin, em 1924, Josef Stalin e Leon Trotski passaram a disputar a liderança da recém -formada
União Soviética. Qual era a opinião de cada um destes políticos a respeito dos rumos que a revolução deveria
tomar? Explique.

9. Escreva um texto sobre as características do poder assumido pelo Partido Comunista russo após a Revolução de
1917.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 9


Capítulo 2

A Primeira Guerra Mundial

Soldados em trincheiras durante a 1º Guerra Mundial

Você já ouviu falar de Slobodan Milosevic (1941-2006)? Trata-se de um ex-presidente da Iugoslávia (1991-
1995), antigo país dos Bálcãs extinto em 2003. Preso depois de ser derrotado nas eleições presidenciais de 2000,
em fevereiro de 2002 ele começou a ser julgado pelo Tribunal Internacional de Haia, na Holanda, por planejar o
extermínio de grupos étnicos que viviam no país e de provocar a morte de 250 mil pessoas. O julgamento foi um
acontecimento histórico: pela primeira vez um ex-chefe de estado foi formalmente acusado por um tribunal
internacional de praticar crimes contra a humanidade.
Marcada desde a Idade Média pela diversidade étnica, cultural e religiosa, a região dos Bálcãs tem sido teatro
de violentas disputas nacionalistas. Como veremos neste capitulo, em 1914 essas tensões foram o estopim de um
conflito que atingiu toda a Europa: a Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 10


A paz armada

A guerra travada entre a França e a Prússia em 1870 foi o último grande conflito verificado na Europa no século
XIX. A partir de então, o continente europeu atravessou um período de quase meio século de relativa paz.
Nesse período, a partilha da Ásia e da África e o acelerado processo de industrialização das nações europeias
estabeleceram um novo equilíbrio de forças na Europa. Inglaterra, França, Alemanha, Rússia, Império Austro-
Húngaro e Itália projetaram-se como as grandes potências do continente, ao passo que o outrora poderoso Império
Turco-Otomano entrava em declínio.
Para garantir o equilíbrio e assegurar-se de que nenhuma nação rival ameaçaria seus domínios, as potências
começaram a modernizar e fortalecer seus exércitos: investiram em armas cada vez mais sofisticadas, adotaram o
serviço militar obrigatório e fortificaram suas fronteiras.
Fortemente armadas, essas nações evitavam guerrear entre si, preferindo resolver suas disputas por meio de
acordos diplomáticos e alianças. Em 1882, por exemplo, os governos da Alemanha, do Império Austro-Húngaro e da
Itália formaram a Tríplice Aliança. Em resposta, em 1907 os governos da Inglaterra, da França e da Rússia criaram a
Tríplice Entente.
Embora evitassem o confronto direto, o clima de tensão entre as potências europeias era muito grande. Na
verdade, vigorava entre elas uma paz tensa e instável. Por isso esse período ficou conhecido como o da paz
armada.

Gastos de guerra

A tecnologia da morte, já em processo de industrialização em meados do


século XIX, avançou notavelmente nos anos 1880, não apenas devido a uma
verdadeira revolução na rapidez e no poder de fogo das armas pequenas e da
artilharia, mas também com a transformação dos navios de guerra por meio de
motores-turbina, de uma blindagem protetora mais eficaz e da capacidade de
carregar muito mais armas. (...)
Uma consequência óbvia foi que os preparativos para a guerra se tornaram
muito mais caros, especialmente porque os Estados competiam uns com os outros
para manter a primeira posição ou ao menos para não cair para a última. Essa
corrida armamentista começou de maneira modesta no final da década de 1880 e
se acelerou no novo século, em particular nos últimos anos antes da guerra de
1914-1918.
Os gastos militares britânicos permaneceram estáveis nos anos 1870 e
1880. Mas passaram de 32 milhões de libras esterlinas em 1887 para 44,1
milhões em 1898-1899, e para mais de 77 milhões em 1913-1914. (...) Em 1885,
a marinha custara ao Estado 11 milhões de libras - em torno da mesma ordem
de grandeza que em 1860. Em 1913- 1914, custou mais de quatro vezes esse
montante. No mesmo período, os gastos navais alemães aumentavam de 90
milhões de marcos por ano em meados da década de 1890 a quase 400
milhões.
(Adaptado de: Eric Hobsbawm. A era dos impérios. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998. p. 424-5)

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 11


Ressentimentos e Rivalidades

O forte nacionalismo dos povos europeus - outra importante


característica do período - acentuava antigos ressentimentos e
instigava a rivalidade entre as nações. Os franceses, por exemplo,
não se conformavam com o fato de terem perdido a Alsácia e a
Lorena para os alemães no fim da Guerra Franco-Prussiana
(1870) e nutriam desejo de vingança.
Os alemães, por sua vez, alimentavam o desejo de ampliar
seu império colonial. Por terem chegado tarde a corrida
imperialista - já que a unificação do país só ocorrera em 1871 -,
eles se sentiam insatisfeitos com o que lhes coubera na partilha
da África e da Ásia. Tão ressentidos quanto eles encontravam-se
os italianos, cujo país também se unificara tardiamente e que
pouco havia obtido na divisão imperialista do mundo. Essa charge de 1885 ilustra o período da "paz
armada": Bismarck (a esquerda, representando a
Nos Bálcãs viviam povos de diversas etnias e culturas, como (Alemanha), Tio Sam (a direita, símbolo dos
gregos, eslavos, sérvios, croatas, turcos, búlgaros, etc. Esses Estados Unidos) e John Bull (no centro,
personificação da Grã-Bretanha) trocam farpas
povos estavam sob o domínio do Império Turco-Otomano desde entre si, vociferam um contra os outros, mas não
tempos remotos. Animados por fortes sentimentos nacionalistas, chegam a travar um verdadeiro combate. 0 titulo
do dialogo é emblemático: mais barulho do que
no século XIX eles passaram a se mobilizar contra o jugo turco- sangue.
otomano. Os primeiros a se emancipar foram os gregos, cuja
independência foi conquistada em 1821; em 1878, contando com o apoio dos russos, que buscavam aumentar sua
influência nos Bálcãs, Sérvia, Montenegro e Romênia também obtiveram a autonomia, enquanto a Bósnia-
Herzegovina era colocada sob a tutela do Império Austro-Húngaro. Em 1908 a Bósnia-Herzegovina foi formalmente
anexada ao Império Austro-Húngaro. A medida reacendeu o nacionalismo dos povos da península. Os sérvios -
interessados no território - foram os principais opositores da anexação.

O estopim do conflito

As rivalidades explodiram no dia 28 de junho de 1914, quando o arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro
do trono do Império Austro-Húngaro, e sua esposa, em visita a cidade de Sarajevo, na Bósnia, foram assassinados
por um estudante bósnio simpatizante da Sérvia. O atentado seria o estopim da Primeira Guerra Mundial.
No dia 28 de julho o governo do Império Austro-Húngaro, contando com o apoio do governo alemão, seu
parceiro na Tríplice Aliança, declarou guerra à Sérvia, acusando suas autoridades de conivência com o assassinato
do arquiduque. Os russos, aliados dos sérvios, colocaram suas tropas de sobreaviso.
Fiéis a sua aliança com o governo do Império Austro-Húngaro, os alemães declararam guerra aos russos e
franceses, que integravam a Tríplice Entente juntamente com os ingleses. No dia 4 de agosto, o governo da Inglaterra
juntou-se a seus parceiros da Entente e entrou no conflito contra austro-húngaros e alemães. Em pouco tempo,
outros povos, como os japoneses, interessados nas possessões alemãs do Pacífico, e os turco-otomanos, adversários
dos russos, também entraram no conflito: os primeiros ao lado da Tríplice Entente; os segundos, em apoio às
potências centrais (isto é, Alemanha e Áustria). O governo italiano, cujo país fazia parte da Tríplice Aliança, preferiu
manter neutralidade até 1915, quando entrou na guerra ao lado da França, Inglaterra e Rússia.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 12


O mundo em guerra

Inicialmente, os lideres europeus acreditavam que a guerra não duraria muito tempo. O conflito, porém, revelou-
se muito mais difícil e demorado do que eles imaginavam: durou quatro anos, envolveu muitas nações e foi de uma
brutalidade sem precedentes.
Todos os avanços tecnológicos da indústria bélica foram utilizados no conflito. Outros equipamentos sofisticados
foram desenvolvidos no próprio curso da guerra. Pela primeira vez na História, utilizaram-se armas químicas,
submarinos e lança-chamas, além de armamentos mais antigos, como morteiros, granadas, canhões e
metralhadoras. Até mesmo aviões foram empregados para bombardear tropas em terra.
As rivalidades entre as nações foram acirradas pelas campanhas publicitárias, muitas delas enganosas, criadas
nos dois lados do front. Cartazes e pôsteres procuravam retratar o inimigo como "selvagem" ou "bárbaro" e estimular
o nacionalismo da população.
Nos primeiros meses, o conflito caracterizou-se pela chamada guerra de movimento: as tropas procuravam se
mobilizar rapidamente em campo aberto, com o propósito de conquistar territórios. A tática, porém, revelou-se
infrutífera: os avanços territoriais eram pequenos e o número de baixas, muito grande.
Diante do equilíbrio de forças, os chefes militares passaram a adotar uma nova tática: a guerra de posições ou de
trincheiras. Nessa forma de combate, utilizada durante quase todo o conflito, eram abertas no terreno valas estreitas,
profundas e de grande extensão, protegidas por rolos de arame farpado - as trincheiras. Ali, os combatentes
mantinham fogo permanente contra o inimigo e se defrontavam com novas adversidades: lama, frio, ratos e doenças.
No período final da guerra, dois fatos cruciais mudaram o rumo dos combates. Um deles foi a entrada dos norte-
americanos no conflito, em abril de 1917, ao lado dos países da Entente, chamados genericamente de aliados. O
outro ocorreu em março de 1918, quando o governo da Rússia decidiu sair da guerra.
Pouco depois da entrada norte-americana, os beligerantes retomaram a guerra de movimento. Dessa vez,
graças principalmente ao grande número de soldados enviados pelo governo dos Estados Unidos, os aliados tiveram
êxito, obrigando seus adversários a recuar. Em 30 de outubro de 1918, o governo turco-otomano se rendeu; pouco

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 13


depois, em 3 de novembro, foi a vez de o governo austro-húngaro firmar sua rendição; no dia 11 de novembro,
finalmente, os alemães também se renderam, reconhecendo a derrota.

Tratados de paz

A Primeira Guerra Mundial chegou ao fim depois de ter provocado a morte, segundo estimativas, de 8 milhões
de pessoas e ter deixado 20 milhões de inválidos e milhões de órfãos, desempregados e desabrigados. Além disso,
milhares de jovens combatentes voltaram para casa com neurose de guerra, distúrbio psíquico que provoca
alucinações e pode levar à loucura.
Terminados os combates, tiveram inicio os acordos diplomáticos para definir o novo mapa europeu e os
termos da paz mundial. O mais conhecido dentre esses acordos foi o Tratado de Versalhes, firmado em junho de 1919.
Considerados em seu conjunto, os acordos de paz alteraram substancialmente a configuração geopolítica da
Europa:
 O Império Austro-Húngaro desintegrou-se, originando três países - Áustria, Hungria e Tchecoslováquia;
 O Império Turco-Otomano também desapareceu, dando origem à Turquia. Seu território foi desmembrado e boa
parte dele passou para o controle de franceses e ingleses.
 A Alemanha foi o país que mais sofreu sanções, Seu governo foi, obrigado a devolver a AIsácia e a Lorena à
França, suas colônias passaram a pertencer aos vencedores e suas forças armadas sofreram importantes
restrições: não poderiam ultrapassar mais de 100 mil homens nem ter armamentos estratégicos, como canhões
e submarinos. Além disso, o governo alemão teve de pagar uma indenização de 132 milhões de marcos.
 Por proposta do presidente norte-americano Woodrow Wilson, em 1920 foi criada a Liga das Nações, associação
de países com sede em Genebra, na Suíça, destinada a garantir a paz e a segurança mundial.

A guerra de 1914-1918 deixou a economia alemã arrasada. Já para os norte-americanos, ela trouxe vantagens
econômicas importantes. Durante o período em que se mantiveram neutros, eles obtiveram lucros enormes com a
venda de armas e
alimentos aos governos
beligerantes. Ao mesmo
tempo, fizeram vultosos
empréstimos aos
governos da França e
da Inglaterra. Dessa
forma, ao terminar o
conflito os Estados
Unidos haviam se
transformado na maior
potencia econômica do
mundo, passando a
ocupar o posto que até
então pertencera à
Inglaterra.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 14


Atividades Complementares

1. O que foi a período da paz armada?

2. Que relação pode ser estabelecida entre o desenvolvimento tecnológico verificado na segunda metade do
século XIX e a Primeira Guerra Mundial?

3. Em que consistiram a guerra de movimento e a guerra de trincheiras?

4. Que países saíram vitoriosos da Primeira Guerra Mundial e que sanções foram impostas às nações
derrotadas?

5. Qual a impacto da Primeira Guerra Mundial na economia dos Estados Unidos?

6. Compare os mapas deste capítulo e descreva as mudanças geopolíticas ocorridas na Europa após a Primeira
Guerra Mundial.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 15


Capítulo 3

Objetivo: Café

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 16


Um raro sabor

Planta nativa da Etiópia, na África, o café chegou à Europa no século XVII e de lá passou para a América.
Consta que, no Brasil, as primeiras sementes e mudas teriam sido trazidas da Guiana Francesa pelo sargento-mor
português Francisco de Melo Palheta, em 1727. Plantado pelo militar na cidade de Belém, no Grão-Pará, meio século
mais tarde o café já fazia parte da lista de produtos de exportação da região amazônica.
Por volta de 1760, já podiam ser encontrados cafeeiros na cidade do Rio de Janeiro, cultivados em hortas e
pomares. De lá, a rubiácea expandiu-se para o litoral fluminense e, depois, para o vale do rio Paraíba do Sul. Ali, ela
se espalhou rapidamente, chegando a cidades como Resende e Vassouras, no Rio de Janeiro, e Areias,
Guaratinguetá e Taubaté, em São Paulo. Mudas e sementes da planta também foram levadas para o Espírito Santo e
o sul de Minas Gerais.

Os barões do café

Nesse processo de expansão, quilômetros e quilômetros da


mata Atlântica foram derrubados para que fazendas de café
pudessem se estabelecer. As terras foram conquistadas à força, e
os índios que ali viviam, dizimados ou expulsos do território. Sorte
parecida tiveram os pequenos posseiros1 que se encontravam na
região com suas lavouras de subsistência.
No início do Segundo Reinado, o café já era nosso principal
artigo de exportação, e o Brasil, o maior exportador mundial do
produto. Essa expansão provocou, além do enriquecimento dos
cafeicultores e da região do vale do Paraíba, um substancial
aumento na arrecadação do governo central.
Nas principais cidades cafeicultoras surgiram teatros, jornais,
associações literárias. Com o enriquecimento, muitos fazendeiros
do Vale do Paraíba foram agraciados com títulos de nobreza pelo
imperador, originando-se daí a expressão barões do café para
designá-los.

1
Posseiros: indivíduos que ocupam terra devoluta (desocupada) e passam a cultivá-la. As terras devolutas são
terras públicas, que em nenhum momento integram o patrimônio particular, ainda que estejam irregularmente em
posse de particulares. O termo devoluta relaciona-se ao conceito de terra devolvida ou a ser devolvida ao Estado.
HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 17
Embora a presença masculina gerenciando essas fazendas fosse
predominante, algumas mulheres também as comandavam. Esse foi o caso de
Maria Joaquina Sampaio de Almeida (1803-1882), que, após a morte do marido,
passou a dirigir a Fazenda Boa Vista, em Bananal, responsável por uma das
maiores produções individuais de café no período: 700 mil cafeeiros (veja o boxe
"Mulheres do Brasil").
Assim como nos engenhos do Nordeste, a riqueza extraída dos cafezais
também era produzida pela mão de obra escrava. Os cativos eram responsáveis
por todo o trabalho no campo: preparavam o terreno, plantavam e colhiam.
Na época da colheita, eles deviam entregar ao administrador da fazenda uma
quantidade específica de grãos. Se não o fizessem, corria o risco de sofrer castigos
físicos; caso ultrapassassem essa quantidade, podiam receber uma pequena
gratificação em dinheiro, que muitos guardavam na esperança de um dia poder
comprar a alforria.
No começo, os escravos também tinham por obrigação conduzir carros de boi com sacas de café até os portos
do Rio de Janeiro e de Santos, de onde elas eram embarcadas para o exterior. A partir de 1850, com a construção
das primeiras ferrovias, esse transporte passou a ser feito por trem.

Mulheres do Brasil
Durante muito tempo, a historiografia brasileira considerou a história do Brasil como resultado quase que
exclusivo da atuação dos homens. Segundo essa visão, as mulheres eram meros coadjuvantes; no máximo,
estavam por trás dos grandes homens do país.
Mais recentemente, diversos historiadores e historiadoras brasileiros, influenciados por estudiosos como
Jacques Lê GofF, Fernand Braudel e Georges Duby, entre outros, passaram a trabalhar com a noção de que
História não é só o resgate dos grandes fatos e o culto aos grandes heróis: pelo estudo das pessoas comuns
também é possível entender o processo de construção da nação brasileira. Assim, o papel da mulher assumiu
nova dimensão.
Esses estudiosos mostraram que, ricas, pobres, escravas, livres, letradas ou analfabetas, as mulheres
estiveram presentes em todos os momentos de nossa história.
Nessa reconstrução historiográfica, eles destacaram a importância das mulheres que lutaram na Guerra do
Paraguai; das que foram às ruas exigir a abolição da escravidão; daquelas que, com seu conhecimento,
transmitido de mãe para filha, indicavam as plantas certas para cada tipo de doença; das negras que, durante
séculos, cuidaram da casa, das crianças, das plantações e roçados dos brancos; das parteiras que trouxeram
ao mundo as crianças de pobres e ricos; das índias, como a Kaingang Vanuire, que exerceu papel fundamental
para acabar com os constantes conflitos entre os índios de sua tribo e os brancos, que invadiram o território
indígena para construir a Estrada de Ferro Noroeste, no início do século XX; e muitas outras.
A historiadora Maria Odila da Silva Dias, em sua obra Cotidiano e poder, mostra como, por meio do trabalho
informal, inúmeras mulheres conseguiram, sozinhas, criar seus filhos em meio à sociedade patriarcal e machista
no Brasil do século XIX.

(Fontes: Mary dei Priore (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997; Míriam Moreira Leite. Mulheres do século XIX.
Disponível em: <www.memorial.org.br/ PAGINAS/cbeal/NISIA/Miriam.htm>. Acesso em:27jul. 2004.)

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 18


Retrato de Eufrásia Teixeira Leite,
obra de autoria do pintor Lawlis Duray
executada em 1887. Amiga do
abolicionista Joaquim Nabuco e filha mais
nova do comerciante de café Joaquim
Teixeira Leite, Eufrásia era herdeira da
Casa da Hera, em Vassouras, na
província do Rio de Janeiro. Na virada do
século XIX para o XX, a Casa da Hera
havia se tornado uma espécie de museu
de época com uma vasta biblioteca e uma
coleção de trajes de origem francesa
considerada das mais importantes do
Brasil.

Escrava colhendo café, em fotografia


de Christiano Júnior feita entre 1864 e
1866. Estima-se que, por essa época, a
cidade do Rio de Janeiro contava com
cerca de 55 mil escravos,
aproximadamente um quarto da
população.

A moderna concepção da História


valoriza a importância das pessoas
anônimas e dos fatos cotidianos na
formação da sociedade. No caso brasileiro,
como ressaltaram Gilberto Freyre, Darci
Ribeiro e outros pensadores, tanto os índios
quanto os negros, além do colonizador
europeu, contribuíram de forma decisiva
para a construção de nossa identidade
nacional e cultural. Na imagem, índias da
região do rio Araguaia, na então província
do Pará, em foto de Paul Ehrenreich, 1894.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 19


As estradas de ferro

A primeira ferrovia brasileira, inaugurada em 30 de abril de 1854, foi obra do empresário Irineu
Evangelista de Souza, futuro barão e visconde de Mauá. Eram cerca de 14 quilômetros de linhas férreas
ligando o Porto Estrela, na baía de Guanabara, a Raiz da Serra, no sopé da serra de Petrópolis, onde a
Corte se refugiava no verão.
A partir de então, diversas companhias ferroviárias foram organizadas, quase todas com o aporte
financeiro dos fazendeiros de café ou de açúcar e capital de procedência inglesa.
Em 1858 foi inaugurada a Estrada Recife - São Francisco, no Nordeste, e o primeiro trecho da Dom
Pedro II (futura Central do Brasil), que ligaria mais tarde o Rio de Janeiro a São Paulo.
Duas das mais importantes vias férreas do período, pelo volume de mercadorias transportadas,
foram a São Paulo Railway (1867), mais conhecida como Santos-Jundiaí, e a Jundiaí-Campinas (1872).
Por elas era escoado o café do Oeste paulista para o porto de Santos. No final do Império (1889), havia
cerca de 10 mil quilômetros de estradas de ferro em todo o Brasil.

(Fontes: Jorge Caldeira. Mauá; empresário do Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1995;
<www.dnit.gov.br/ferrovias/hist_capl.htni>. Acesso em: 28 jul. 2004.)

Rumo ao Oeste paulista

Os fazendeiros do Vale do Paraíba empregavam técnicas agrícolas rudimentares, como a queimada para limpar
o terreno. Além disso, não utilizavam arados nem adubos. Com o tempo, o solo da região empobreceu e, por volta de
1870, a produção declinou. Cafeicultores faliram, fazendas foram abandonadas e as cidades que viviam dos
benefícios do café ficaram à míngua.
Em busca de novas terras, os fazendeiros expandiram as plantações de café em direção ao oeste paulista na
segunda metade do século (veja o mapa). Expulsaram dali os índios Kaingang, derrubaram matas e ocuparam as
terras férteis da região de Campinas, Jundiaí e São Carlos. Em seguida, avançaram para Ribeirão Preto, Bauru e
outras regiões, onde o solo de terra roxa era ideal para o cultivo da planta.
Nesses lugares
surgiu um novo tipo
de cafeicultor, de
mentalidade mais
moderna e
empresarial do que
a dos fazendeiros
do Vale do Paraíba.
Embora utilizassem
mão de obra
escrava, os novos
fazendeiros do café
passaram também a
empregar o trabalho
assalariado de
trabalhadores livres
de origem europeia.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 20


Com os lucros das exportações de café, aprimoraram as técnicas agrícolas. Alguns começaram a diversificar seus
investimentos, aplicando parte do capital em atividades industriais e comerciais.
Apesar disso, não se pode falar da formação, por essa época, de uma mentalidade empresarial voltada para a
industrialização. Casos como o do visconde de Mauá eram manifestações isoladas. Tampouco existia uma política de
governo que priorizasse o crescimento industrial. A indústria crescia, assim, de forma vegetativa e ao sabor da
política tarifária do governo.
Desse modo, em 1872, ano em que foi realizado o primeiro censo no Brasil, 80 por cento das pessoas em
atividade no país se dedicavam ao setor agrícola, 13 por cento ao de serviços e apenas 7 por cento à indústria.

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

1- Descreva a expansão das plantações de café durante o século XIX no Brasil.

2- Qual foi o impacto da expansão do café para as comunidades indígenas e para o meio
ambiente?

3- Qual o perfil dos cafeicultores no decorrer do processo de expansão do café? Compare os


cafeicultores do Vale do Paraíba com os do Oeste paulista.

4- Escreva um texto sobre a construção das primeiras ferrovias no país e como elas estão
relacionadas com a expansão da cultura cafeeira.

5- Em sua opinião, as condições políticas, econômicas e culturais existentes no Brasil na segunda


metade do século XIX estimulavam ou inibiam o desenvolvimento industrial? Explique sua
resposta.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 21


Capítulo 4

A Proclamação da República

Resultado de uma mobilização militar apoiada pelos civis


republicanos, a Proclamação da República foi um movimento do qual
a população praticamente não participou.
A cima, uma versão livre do episódio: Proclamação da República,
óleo sobre tela de Benedito Calixto, executado em 1893.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 22


A opção pela monarquia

Em 1822, ao se tornar independente de Portugal, o Brasil foi o único país da América a optar pela monarquia. As
demais nações do continente, ao se libertarem de suas metrópoles, transformaram- se em repúblicas. A única
exceção a essa regra foi o México, que teve um imperador – Augustín Itúrbide - pelo período aproximado de um ano.
Na verdade, ideias republicanas já vinham sendo discutidas no Brasil desde o século XVIII.
Movimentos como a Inconfidência Mineira (1789), a Conjuração Baiana (1798), a Confederação do Equador
(1824) e a Guerra dos Farrapos (1835) traziam - ainda que de forma isolada - propostas republicanas. O fracasso
dessas rebeliões, contudo, contribuiu para fortalecer a monarquia, primeiro sob o regime colonial, mais tarde sob o
Império. Assim, por muito tempo, o pensamento republicano se restringiu a algumas províncias, ou a pequenos
grupos com escassa penetração política.
A situação começou a mudar a partir da década de 1870, quando diversos fatores políticos, econômicos e
sociais se combinaram para abalar a estrutura na qual se apoiava o governo de dom Pedro II e o próprio Império.

Mudanças econômicas e sociais

A partir da segunda metade do século XIX, o Brasil


passou por transformações socioeconômicas que
mudaram o perfil da sociedade. O trabalho escravo, por
exemplo, começou a ser substituído pelo trabalho livre
e assalariado. Assim, um numero cada vez maior de
imigrantes europeus passou a ocupar o lugar dos
escravos nos cafezais paulistas.
Com o crescimento industrial, que tomou impulso a
partir de 1880, a contratação de mão de obra
assalariada acelerou-se, atraindo trabalhadores
europeus para as principais cidades brasileiras. Em
A partir da segunda metade do século
1881, havia no país cerca de 3 mil trabalhadores
XIX, um número cada vez maior de
industriais; em 1890, esse número havia crescido para imigrantes europeus passou a ocupar o
54 mil, boa parte dos quais eram imigrantes. lugar dos escravos nos cafezais paulistas.
Enquanto isso, o setor de serviços se expandia,
A foto de Marc Ferrez (1843-1923), acima,
registra cena desse processo, ao mostrar
com a crescente entrada de capital inglês. Esse capital
imigrantes colhendo café numa fazenda do
era predominante, por exemplo, nas ferrovias, interior paulista. Muitos eram camponeses
destinadas a escoar o café até os portos de embarque. pobres em seus países de origem, que
A expansão das linhas férreas e da produção industrial
partiam para o Brasil em busca de
melhores condições de vida.
acelerou o processo de urbanização.
Com o crescimento das cidades, aumentou
significativamente o número de pessoas pertencentes às camadas médias urbanas – profissionais liberais, pequenos
e médios comerciantes, funcionários públicos, etc. A vida cultural se intensificou.
Tudo isso levou à formação de uma opinião pública capaz de se mobilizar contra a escravidão e contra o caráter
opressivo da monarquia. Tais mudanças tinham lugar no mesmo momento em que o Brasil atravessava uma grave

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 23


crise econômica. A guerra contra o Paraguai (1864-1870) consumira as divisas do país e a população sofria com o
aumento do custo de vida.
A insatisfação também atingia os fazendeiros do Centro-Sul. Para eles, a composição política do Império não
refletia a realidade brasileira. Alegavam que o Nordeste tinha um grande número de representantes no Senado e no
Ministério, enquanto o Sudeste não contava com uma representação política digna de sua força econômica e social.
Somava-se a isso a insatisfação de muitos cafeicultores, sobretudo os do Vale do Paraíba, com a evolução dos
acontecimentos na direção da extinção do trabalho escravo. Esses partidários da escravidão foram atingidos em seus
interesses pelas sucessivas leis e medidas que abriam caminho para a Abolição, como a do Ventre Livre (1871) e a
dos Sexagenários (1885). Sua insatisfação se transformou em revolta em 1888, com a assinatura da Lei Áurea.
As relações entre a Igreja e o Estado também se desgastaram depois da chamada Questão Religiosa, irrompida
em 1871. Ela iniciou-se quando dom Pedro II ordenou que os bispos de Olinda e Belém reabrissem as irmandades
religiosas fechadas pelos prelados por serem ligadas à Maçonaria.
Os bispos se recusaram a obedecer. Presos e condenados a trabalhos forçados, foram anistiados pelo
imperador em 1875.
Nos quartéis, os militares davam sinais de descontentamento, reivindicando do governo um melhor tratamento
para o Exército, principalmente depois da vitória obtida na Guerra do Paraguai. Os soldos estavam baixos, os oficiais
não eram promovidos por mérito, mas por apadrinhamento, e a verba destinada à corporação era insuficiente.
Para agravar a situação, representantes do governo e oficiais do Exército entraram em rota de colisão no
confronto conhecido como Questão Militar.
Descontentes por não poderem manifestar livremente suas opiniões políticas, entre 1883 e 1887 os militares
demonstraram sua insatisfação por meio de atos de insubordinação e desobediência.

A Campanha Republicana

Em meio a essa maré de insatisfação, em 1870 políticos liberais


radicais, cafeicultores e representantes das camadas médias do Rio
de Janeiro e de São Paulo criaram o Clube Republicano. A nova
organização tinha como porta-voz o jornal carioca A República, dirigido
pelo jornalista Quintino Bocaiúva (1836-1912).
Em seu primeiro número, lançado em 3 de dezembro de 1870, o
jornal estampava o Manifesto Republicano. O documento, cuja autoria
é atribuída ao próprio Bocaiúva, era assinado por 57 personalidades,
entre jornalistas, médicos, professores, engenheiros, advogados,
fazendeiros, negociantes e funcionários públicos. Quintino Bocaiúva, em retrato de
autoria e data desconhecidas.
Apesar de fazer críticas moderadas ao regime monárquico e de Jornalista conceituado, Bocaiúva dirigiu
não abordar a questão da escravidão com o intuito de não desagradar o jornal A República, porta-voz da
insatisfação com o Império dos políticos
aos cafeicultores, o manifesto é considerado o marco inicial da luta liberais radicais, de cafeicultores e das
pela Proclamação da República no Brasil (veja "O Manifesto classes médias brasileiras. Foi um dos
líderes do movimento pela queda da
Republicano"). monarquia.
Nos dois anos seguintes, novos clubes e jornais republicanos

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 24


surgiram pelo país. Mas a Campanha Republicana ganhou mais impulso a partir de 1873, quando grupos políticos
ligados aos cafeicultores paulistas fundaram, na cidade de Itu, em São Paulo, o Partido Republicano Paulista (PRP).

O Manifesto Republicano

(...) A autonomia das províncias é, pois, para nós, mais do que um interesse imposto pela solidariedade
dos direitos e das relações provinciais, é um princípio cardeal e solene que inscrevemos na nossa bandeira.
O regime da federação - baseado na independência recíproca das províncias, elevando-as à categoria de
Estados próprios, unicamente ligados pelo vínculo da mesma nacionalidade e da solidariedade dos grandes
interesses da representação e da defesa exterior - é aquele que adotamos no nosso programa como sendo o
único capaz de manter a comunhão da família brasileira. (...)
Se houver, pois, sinceridade ao proclamar a soberania nacional, cumprirá reconhecer sem reservas que
tudo quanto ainda hoje pretende revestir-se de caráter permanente e hereditário no poder está eivado do vício
da caducidade, e que o elemento monárquico não tem coexistência possível com o elemento democrático.

(In: Lydinéu Gosman. Documentos históricos brasileiros. Rio de Janeiro: Fename, 1976.p.117)

Moderados, radicais e positivistas.

Unidos contra a monarquia, os republicanos divergiam, porém, quanto aos métodos a empregar. Os moderados,
facção ligada aos grandes proprietários rurais, propunham uma passagem para o regime republicano sem o
rompimento integral da ordem vigente. Muitos eram contrários, por exemplo, ao fim da escravidão. Um de seus
líderes era Quintino Bocaiúva.
O grupo radical, ou Silva Jardim, em campanha republicana, persegue o Conde D'Eu pelo
Brasil. Charge publicada na revista Q Mequetrefe, de julho de 1889. Silva
revolucionário, composto de Jardim, partidário radical da causa republicana, defendia o rompimento
representantes das camadas revolucionário com o regime vigente, ou seja, com participação popular.
Chegou mesmo a propor a morte da herdeira do trono, a princesa Isabel, e de
médias urbanas, acreditava que seu m rido e príncipe consorte, o conde D'Eu.
deveria haver no Brasil uma
revolução semelhante à ocorrida
na França, em 1789, com grande
participação popular. Liderados
pelo advogado Silva Jardim
(1860-1891) e pelo médico Lopes
Trovão (1848-1925), alguns de
seus membros defendiam a
morte da herdeira do trono, a
princesa Isabel, e de seu marido
e príncipe consorte, o conde
D'Eu.
Uma terceira facção era
formada pelos militares adeptos
do positivismo - corrente filosófica
criada pelo pensador francês
Augusto Comte (1798-1857) e caracterizada, em linhas gerais, por uma crença inabalável na ciência e na razão. Em

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 25


política, o positivismo defendia a instauração de uma ditadura republicana. No Brasil, um dos principais divulgadores
dessas ideias era o militar Benjamin Constant (1836-1891), que difundia os princípios positivistas entre seus alunos
da Escola Militar.
O fim do Império

No decorrer de 1889, Quintino Bocaiúva, escolhido chefe nacional do movimento republicano, procurou se
aproximar dos militares em busca de apoio na luta contra a monarquia. No dia 11 de novembro, um grupo formado
por Benjamin Constant, Quintino Bocaiúva e pelo jurista Rui Barbosa, entre outros, conseguiu convencer o marechal
Deodoro da Fonseca a apoiar a causa republicana. Até então, Deodoro, que não era positivista, encontrava-se
relutante, em razão da sua amizade com o imperador.
Ao mesmo tempo, os militares republicanos do Rio de Janeiro estabeleceram contatos com líderes civis de São
Paulo, como Campos Sales e Prudente de Moraes, que apoiaram a ideia de um golpe para proclamar a República.
Marcado para o dia 20 de novembro, ele foi antecipado. É que, no dia 14, um major espalhou o boato de que o
governo decretara a prisão de Deodoro da Fonseca e de Benjamin Constant.
Na manhã do dia 15, o marechal Deodoro seguiu à frente de um batalhão em direção ao prédio do Ministério da
Guerra, onde os ministros, chefiados pelo visconde de Ouro Preto, encontravam se reunidos. Sem enfrentar
nenhuma resistência, Deodoro depôs o gabinete e voltou para casa.
Os republicanos ficaram sem saber se o marechal havia derrubado a monarquia ou apenas o ministério. Para
dirimir qualquer dúvida, o jornalista José do Patrocínio e outras lideranças dirigiram-se à Câmara dos Vereadores do
Rio de Janeiro e anunciaram o fim da monarquia no Brasil.
Ao ser informado dos acontecimentos, em seu palácio de Petrópolis, dom Pedro II ainda tentou organizar um
novo ministério, mas acabou desistindo.
Na madrugada de 17 de novembro de 1889, tal como fizera seu pai em 1831, embarcou com a família para
Portugal. Dois anos mais tarde, morreria em Paris, vítima de pneumonia aguda, aos 66 anos. A Proclamação da
República foi um movimento do qual a população praticamente não participou.
Nele estiveram envolvidos alguns militares, intelectuais e políticos. Um dos líderes republicanos, Aristides Lobo,
chegou mesmo a afirmar que o povo assistiu a tudo bestializado, achando que a movimentação das tropas
conduzidas por Deodoro da Fonseca na manhã do dia 15 de novembro fosse simplesmente uma parada militar (veja
abaixo como Machado de Assis retratou a Proclamação da República).

Tabuleta nova

- República está proclamada.


- Já há governo?
- Penso que já; mas diga-me V. Exa.: ouviu alguém acusar-me jamais de atacar o governo?
Ninguém. Entretanto... Uma fatalidade! Venha em meu socorro, Excelentíssimo. Ajude-me a sair deste
embaraço. A tabuleta está pronta, o nome todo pintado. -"Confeitaria do Império", a tinta é viva e bonita. O pintor
teima em que lhe pague o trabalho, para então fazer outro. Eu, se a obra não estivesse acabada, mudava de
título, por mais que me custasse, mas hei de perder o dinheiro que gastei? V. Exa. crê que, se ficar "Império",
venham quebrar-me as vidraças?
- Isso não sei.
- Realmente, não há motivo, é o nome da casa, nome de trinta anos, ninguém a conhece de outro modo.
- Mas pode pôr "Confeitaria da República"...
- Lembrou-me isso, em caminho, mas também me lembrou que, se daqui a um ou dois meses, houver nova
reviravolta, fico no ponto em que estou hoje, e perco outra vez o dinheiro.
(Machado de Assis. Esaú e Jacó. 4. ed. São Paulo: Cultrix, 1966. p. 142

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 26


ATIVIDADES COMPLEMENTARES

1. Que relação pode ser estabelecida entre as mudanças socioeconômicas verificadas no


Brasil a partir da segunda metade do século XIX e o fim da monarquia?

2. Por que os militares estavam descontentes em relação ao governo de Dom Pedro II?

3. Quais eram as principais queixas dos fazendeiros do Centro-Sul do país em relação ao


governo imperial?

4. Descreva o processo de formação do movimento republicano no Brasil e explique por que


ele não assumiu uma forma revolucionária.

5. Elabore um quadro comparando as propostas republicanas defendidas pelos moderados,


pelos revolucionários e pelos militares positivistas.

6. O que Aristides Lobo quis dizer ao afirmar que o povo "assistiu bestializado" à queda da
monarquia?

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 27


Capítulo 5

Revolta Tenentista e a
Revolução de 1930

Os revolucionários no Catete, com Getúlio


Vargas ao centro.

Colonizado principalmente por imigrantes italianos, alemães e portugueses, o Rio Grande do Sul é o maior e
mais populoso estado da região Sul do Brasil.
Além de contar com um grande parque industrial e com um dos maiores rebanhos de gado bovino do país, é um
grande produtor de grãos.
Durante a República Velha as oligarquias gaúchas desempenharam um papel secundário no processo
político, uma vez que o poder se encontrava primordialmente nas mãos das elites paulistas e mineiras.
Entretanto, em 1930, a luta por um espaço maior no cenário político nacional contribuiu para levá-las a
liderar uma revolução que pôs fim ao poder das oligarquias cafeicultoras do Sudeste. Como veremos neste
capítulo, a ascensão do gaúcho Getúlio Vargas à Presidência marca o início de uma nova fase na história do
Brasil.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 28


A República em crise

A partir do final da década de 1910, o pacto entre as elites que dava sustentação ao regime oligárquico
começou a dar sinais de esgotamento. Manifestações de insatisfação e críticas ao modo pelo qual eram conduzidas
a política e a economia agitavam vários setores da sociedade, entre os quais a classe trabalhadora e as camadas
médias urbanas. Esse mal-estar atingia até mesmo representante das oligarquias em diversas regiões.
Mais grave ainda: nos meios militares, a insatisfação também era grande. Já em 1910 uma rebelião de
marinheiros no Rio de Janeiro mostrara que o descontentamento nesses setores poderia levar a enfrentamentos
armados (leia "A Revolta da Chibata").
No Exército vinha crescendo a insatisfação entre jovens oficiais - genericamente chamados de tenentes - contra
o regime oligárquico, Eles pregavam a moralização dos costumes políticos, o fim das oligarquias, a centralização do
poder, a implantação do voto secreto, uma política nacionalista e o fortalecimento da instituição militar. Esses oficiais
julgavam-se a única força capaz de "salvar a pátria', pois acreditavam que o restante da população era "inculta".
O clima de descontentamento espalhava-se pelo país. Insatisfeitos com o controle oligárquico do poder,
diversos grupos sociais davam claros sinais de que desejavam uma renovação na vida nacional. Isso também era
percebido no campo cultural, como mostra o quadro "A Semana de Arte Moderna".

A Revolta da Chibata
Além de receberem comida em quantidade insuficiente, os marujos brasileiros eram também vítimas de
castigos físicos quando desobedeciam as normas internas da corporação. Em novembro de 1910 eles se
rebelaram contra essas punições degradantes.
O estopim da revolta foi a pena de 250 chibatadas imposta ao marujo Marcelino Rodrigues Menezes,
acusado de introduzir no encouraçado Minas Gerais, ancorado na baia de Guanabara, no Rio de Janeiro, duas
garrafas de pinga. Indignados, os marinheiros do navio se rebelaram no dia 22 de novembro de 1910, sob a
liderança de João Cândido. Como um rastilho de pólvora, a revolta se estendeu imediatamente para outras
embarcações de guerra. Senhores dos navios, os amotinados apontaram seus canhões para o palácio do Catete,
sede do governo, exigindo o fim dos castigos físicos e a melhoria da alimentação e das condições de trabalho na
Marinha.
O governo se comprometeu a atender as reivindicações e a conceder anistia aos revoltosos. No entanto,
após deporem as armas, João Cândido e outros líderes da revolta foram presos e julgados. O uso da chibata foi
extinto.

(Fonte: Fernando Granato. O negro da Chibata. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.)

A Semana de Arte Moderna

Em fevereiro de 1922 um grupo de jovens artistas, patrocinados por membros da elite paulistana, promoveu
no Teatro Municipal de São Paulo a Semana de Arte Moderna. Realizado nos dias 13, 15 e 17, o evento reuniu
os escritores Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, o músico Heitor Villa-Lobos, os pintores
Di Cavalcanti e Anita Malfatti e diversos outros artistas.
Influenciados pelo modernismo europeu, eles apresentaram quadros e esculturas, leram obras poéticas e
executaram peças musicais que destoavam por completo daquilo que a plateia e os críticos conservadores
entendiam por arte. A reação do público foi violenta: vaias e objetos arremessados ao palco.
Com toda a sua irreverência, ao investir contra as formas acadêmicas impostas pela arte consagrada, a
Semana de 1922 se tornou um marco na renovação das artes no Brasil, criando novos referenciais para a
produção artística posterior.
Em 1924, Paulo Prado, um dos mecenas do evento, o comparou a uma "Renascença moderna" e afirmou:
"A Semana de Arte foi o primeiro protesto coletivo que se ergueu no Brasil contra esses fantoches do passado. (
... ) Assim iniciou o grupo da Arte Moderna a obra de saneamento intelectual de que tanto precisamos".

(Fonte: Marta Rossetti Batista; Telê Porto Ancona Lopez;


Yone Soares de Lima. Brasil: 1º tempo modernista,
1917-1929 - Documentação. São Paulo: IEB/USP, 1972.)

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 29


A Reação Republicana

Em março de 1922 realizaram-se eleições para a sucessão do presidente da República Epitácio Pessoa (1919-
1922), político paraibano que havia sido eleito com o apoio do Partido Republicano Paulista, PRP, e do Partido
Republicano Mineiro, PRM. Agora, o candidato dos dois partidos era Artur Bernardes, ex-presidente de Minas
Gerais.
Cansados da alternância de mineiros com paulistas no governo central, os partidos republicanos do Rio Grande
do Sul, da Bahia, de Pernambuco e do Rio de Janeiro uniram-se em torno da candidatura do fluminense Nilo
Peçanha. Apoiado pelos militares, esse movimento de oposição ficou conhecido como Reação Republicana.
Extremamente tensa e tumultuada, a campanha eleitoral levou a crise entre as oligarquias para o interior dos
quartéis.
Em maio eclodiu no Recife uma luta armada entre os seguidores de Artur Bernardes e de Nilo Peçanha.
Presidente do Clube Militar, o marechal e ex-presidente da República Hermes da Fonseca apoiou os partidários de
Nilo Peçanha. Em represália, o governo fechou o Clube Militar e decretou a prisão do marechal.

Revoltas tenentistas

No dia 5 de
julho de 1922, três
dias depois de ter
sido decretada a
prisão de Hermes
da Fonseca, 302
jovens militares do
Forte de
Copacabana, no
Rio de Janeiro, se
sublevaram. Para O EPISÓDIO CONHECIDO COMO OS 18 DO F ORTE FOI A PRIMEIRA MANIFESTAÇÃO DE
reprimi-los, o REPERCUSSÃO NACIONAL DO MOVIMENTO TENENTISTA . NA FOTO, DE 5 DE JULHO DE 1922, OS
MILITARES INSURRETOS MARCHAM PELAS RUAS DE COPACABANA EM CLARA AFRONTA AO
governo enviou GOVERNO. O HOMEM DE TERNO E CHAPÉU ERA ENGENHEIRO E SE SOMOU AOS REBELDES
para lá cerca de 3 POUCO ANTES DE A FOTO SER BATIDA . MORREU NOS COMBATES QUE SE SEGUIRAM , ASSIM
COMO A MAIORIA DOS JOVENS OFICIAIS REBELADOS CONTRA AS OLIGARQUIAS NO PODER .
mil soldados, que TAMBÉM NO PRIMEIRO PLANO, O SEGUNDO A PARTIR DA ESQUERDA É O TENENTE S IQUEIRA
cercaram a CAMPOS, QUE SERIA MAIS TARDE MEMBRO DESTACADO DA C OLUNA PRESTES . MORREU EM
1930, ANTES DA REVOLUÇÃO, EM UM DESASTRE AÉREO .
fortaleza.
Numericamente inferiores, a grande maioria dos amotinados se rendeu, mas 28 militares, mesmo sem
condições de enfrentar as tropas legalistas, saíram pelas ruas de Copacabana de armas em punho. No meio do
caminho alguns rebeldes debandaram, sobrando apenas dezoito homens, que ganharam a adesão de um civil.
Nos tiroteios que se seguiram, apenas dois rebeldes sobreviveram: os tenentes Siqueira Campos e Eduardo
Gomes. O acontecimento, conhecido como Os 18 do Forte, marca o início da luta dos tenentes contra as oligarquias
no poder, movimento conhecido como tenentismo.
Dois anos mais tarde, no mesmo dia 5 de julho, eclodiu nova revolta tenentista, dessa vez em São Paulo.
Por três semanas a capital paulista esteve ocupada pelos revoltosos, que ergueram barricadas e trincheiras em

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 30


pontos estratégicos da cidade. Nesse período, São Paulo viveu um clima de guerra, com tiroteios e bombardeio
aéreo praticado pelas forças legalistas.
Depois de 23 dias de combates, os tenentes abandonaram a capital e, com a ajuda dos ferroviários, se
deslocaram em direção ao rio Paraná, no oeste do estado, seguindo depois para Foz do Iguaçu.

A Coluna Miguel Costa-Prestes

Movimentos semelhantes eclodiram em outros estados, como Mato Grosso, Sergipe, Amazonas e Rio Grande
do SuI. Em abril de 1925, na região de Foz do Iguaçu, os rebeldes paulistas, liderados pelo major Miguel Costa,
uniram-se aos gaúchos, comandados pelo capitão Luís Carlos Prestes. Surgiu, assim, a Coluna Miguel Costa-Prestes,
que por mais de dois anos percorreria a pé 25 mil quilômetros pelo interior do Brasil combatendo as forças do
governo e defendendo os ideais tenentistas.
Usando táticas de guerrilha, o grupo - formado inicialmente por cerca de 1 500 pessoas e mais conhecido como
Coluna Prestes - venceu a maior parte dos combates que travou com as forças do governo. Por isso passou a ser
chamado também de Coluna Invicta.
Em fevereiro de 1927 a Coluna Prestes estava reduzida a pouco mais de seiscentas pessoas mal armadas e
esgotadas pela grande marcha. Além disso, não havia recebido o auxílio de novas rebeliões tenentistas, como se
esperava. Seus líderes decidiram, então, se refugiar na Bolívia. Algum tempo depois, Luís Carlos Prestes entraria em
contato com o marxismo, ao qual se converteria em 1930. Em 1934 ele se filiaria ao Partido Comunista do Brasil -
PCB -, tornando-se por muitos anos seu principal dirigente.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 31


A Revolução de 1930

Quando os membros da Coluna Prestes ingressaram na Bolívia, o Brasil já se encontrava sob a Presidência do
paulista Washington Luís (1926-1930). Seu governo, que vinha sendo relativamente tranquilo, sofreu um grande
abalo após a queda da bolsa de Nova York, em outubro de 1929.
O Brasil entrou em uma de suas maiores crises: muitas fábricas faliram, milhares de pessoas foram demitidas.
Boa parte daqueles que mantiveram seus empregos teve os salários reduzidos à metade. O preço da saca do café
despencou de 200 mil-réis para 21 mil-réis em poucos meses, abalando toda a economia nacional. Os cafeicultores
pediram a Washington Luís a concessão de novos financiamentos para que pudessem quitar seus empréstimos no
exterior. O pedido foi negado, deixando os fazendeiros extremamente insatisfeitos.
Não bastassem esses problemas, as eleições presidenciais marcadas para março de 1930 encontravam-se
tumultuadas. De acordo com a política do café com leite, Washington Luís deveria apoiar um mineiro para sucedê-lo,
porém ele rompeu o acordo tácito existente com Minas Gerais e indicou o nome do governador de São Paulo, Júlio
Prestes. Inconformados, os líderes do Partido Republicano Mineiro uniram-se aos partidos Republicano e Libertador
do Rio Grande do SuI, ao Partido Democrático de São Paulo e ao Partido Republicano da Paraíba para formar a
Aliança Liberal. Juntos, lançaram a candidatura do gaúcho Getúlio Vargas - ex-ministro da Fazenda de Washington
Luís - à Presidência da República, e do governador paraibano João Pessoa à vice-presidência.
O programa da Aliança Liberal procurava responder aos anseios das classes médias brasileiras, acenando
também com medidas favoráveis à classe operária. Formada por representantes das elites regionais desvinculadas
do setor cafeeiro, a Aliança defendia medidas de proteção aos trabalhadores e aos aposentados e propunha uma
política de incentivo à produção nacional.
Nas eleições realizadas em março de
1930, Júlio Prestes conquistou cerca de 1
milhão de votos contra 737 mil dados a Getúlio
Vargas. Os líderes da Aliança Liberal
aceitaram o resultado das urnas, mas setores
tenentistas que apoiavam a candidatura de
Getúlio passaram a articular-se com o
propósito de promover um movimento
insurrecional contra as oligarquias no poder.
No dia 26 de julho um fato inesperado
serviu de estopim para o início da Revolução:
Posse de Getúlio Vargas no Palácio do Poder.
em uma confeitaria do Recife era assassinado
João Pessoa, ex-candidato à vice-presidência na chapa da Aliança Liberal. O crime ocorreu por motivos passionais,
mas os integrantes da aliança Liberal responsabilizaram o presidente Washington Luís. O movimento revolucionário
que vinha se articulando ganhou força e a Revolução irrompeu no dia 3 de outubro de 1930.
Iniciado no Rio Grande do Sul e em Minas Gerais, o movimento alastrou-se por outros estados, como Paraíba,
Pernambuco e Paraná. No dia 24 de outubro, os generais Tasso Fragoso, Mena Barreto e Leite de Castro e o
almirante Isaías de Noronha depuseram Washington Luís e constituíram uma Junta Provisória de governo. No dia 3

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 32


de novembro, a Junta Provisória entregou a Presidência a Getúlio Vargas. A República oligárquica chegava ao fim
(leia “O significado da Revolução de 1930”).

O significado da Revolução de 1930

A chegada de Vargas ao poder deu início a uma nova fase da história política brasileira. O
significado da Revolução de 1930 vem sendo objeto de interesse de inúmeros estudiosos, que tem
produzido diferentes interpretações.
Para uns, em 1930 teria ocorrido uma revolução liderada por setores urbano-industriais. Para
outros, o movimento foi conduzido pelos interesses da classe média, por intermédio dos tenentes. Há os
que afirmam que o que ocorreu foi apenas um golpe militar para deter o avanço das camadas populares.
E há os que enfatizam a ação dos grupos oligárquicos dissidentes.
Mais recentemente, considera-se que o movimento não foi resultado da ação de nenhuma classe
ou grupo social em particular, mas a combinação de diferentes interesses de atores políticos insatisfeitos
com a situação vigente. Essa última interpretação, que vê os vitoriosos de 1930 como um grupo
heterogêneo tanto do ponto de vista socioeconômico quanto do ponto de vista político, vem se
consolidando cada vez mais.
Mesmo entendendo que o movimento militar de 1930 não pode ser definido como uma revolução,
no sentido de um movimento que altera profundamente as relações sociais existentes, admite-se que ele
inaugurou uma nova fase na história do país, ao abrir espaço para profundas transformações.
O enfraquecimento da oligarquia cafeeira, o fortalecimento dos setores urbano-industriais, as
pretensões políticas dos estados de segunda grandeza, o descontentamento militar, enfim, todo esse
conjunto de fatores conduziu à articulação de um novo pacto político. Foi nesse contexto que Getúlio
Vargas assumiu o poder, situando-se como uma espécie de árbitro dos conflitos.

(Marieta de Moraes Ferreira; Carlos Eduardo Sarmento. A República brasileira: pactos e rupturas. In: Ângela de Castro
Gomes et al. (Orgs.) A República no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/ CPDOC, 2002.p.262.)

Atividades Complementares

1. A partir do final da década de 1910 o domínio das oligarquias cafeicultoras começou a


entrar em crise. Que fatores contribuíram para isso?

2. O que foi o movimento tenentista e como ele se manifestou ao longo da década de 1920?

3. O que foi a Coluna Prestes?

4. Quais as causas da Revolta da Chibata?

5. Em 1930 a República Velha chegou ao fim. Como isso aconteceu?

6. Elabore um texto sobre a importância da Semana de Arte Moderna para a vida cultural
brasileira.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 33


Capítulo 6

A Era Vargas

A estátua do Cristo Redentor, no morro do Corcovado, na zona suI do Rio de Janeiro, é um


dos cartões-postais brasileiros mais conhecidos no mundo. Com 37,5 metros de altura e 27,6
metros de envergadura, é obra do escultor francês Paul Maximilian Landowski. Sua inauguração
em 1931 teve importante significado político: foi o símbolo da aproximação de Getúlio Vargas com
a Igreja católica. Vargas ascendeu à Presidência da República em 1930 e permaneceu no cargo
até 1945. Esse período pode ser dividido em três grandes momentos: Governo Provisório (1930-
1934), Período Constitucional (1934-1937) e Estado Novo (1937-1945). Como veremos neste
capítulo, ao longo desses quinze anos o país passou por profundas transformações econômicas,
sociais e culturais.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 34


O Governo Provisório (1930 – 1934)

Ao assumir a chefia do Governo Provisório em 1930, Getúlio Vargas aboliu a Constituição de 1891 e, em busca
de apoio político, procurou aproximar-se da Igreja católica e dos militares que o ajudaram a derrubar a República
Velha. Ao mesmo tempo, centralizou e fortaleceu o poder da União, em detrimento da autonomia dos estados. Ao
lado disso, dissolveu o Congresso Nacional, as Assembleias Legislativas estaduais e as Câmaras municipais e
instituiu um regime de emergência.
Com exceção de Olegário Maciel, governador de Minas Gerais, todos os demais governadores (na época
chamados de presidentes) foram depostos e substituídos por interventores escolhidos por Getúlio Vargas. Muitos
desses homens eram egressos do movimento tenentista. Entre estes, o cearense Juarez Távora, veterano da Coluna
Prestes, foi nomeado delegado do Governo Provisório para os estados do Norte e Nordeste. Sua autoridade era
superior à dos interventores das duas regiões, o que lhe valeu o título, posto pela imprensa, de Vice-Rei do Norte.
Em São Paulo, a nomeação do tenentista pernambucano João Alberto Lins de Barros para interventor provocou
descontentamento entre as elites, que passaram a exigir um interventor civil e paulista. Nem mesmo a substituição de
Lins de Barros foi suficiente para acalmar os ânimos de parte da população paulista, que, em 1932, deflagrou a
chamada evolução Constitucionalista, analisada no boxe a seguir.
Apesar de influente nos primeiros tempos do governo Vargas, o tenentismo pouco a pouco perdeu sua força.
Isso se deveu, em parte, as limitações ideológicas do movimento - cuja proposta principal consistia em derrubar as
oligarquias da República Velha e promover algumas poucas reformas. Assim, em meados da década de 1930, o
movimento tenentista se encontrava esgotado. Vários de seus representantes voltaram para os quartéis, outros se
converteram ao marxismo e alguns se aliaram a grupos simpatizantes do fascismo, como veremos mais adiante. Os
que continuaram no governo permaneceram subordinados a Vargas.

A Revolução Constitucionalista

Afastados do centro do poder pela Revolução de 1930, os representantes da elite paulista passaram a fazer
oposição ao governo de Getúlio Vargas. Por meio de comícios, reuniões, manifestações estudantis, defendiam o
fim do Governo Provisório e a reconstitucionalização do país. Ao mesmo tempo, exigiam a deposição do
interventor João Alberto Lins de Barros. Entre novembro de 1930 e março de 1932, quatro pessoas ocuparam o
cargo de interventor em São Paulo.
Em maio de 1932, quatro estudantes foram mortos durante uma manifestação de rua contra a ameaça de
intervenção federal na política interna do Estado. Isso levou os paulistas a organizarem o movimento cívico
MMDC, sigla formada pela iniciais dos nomes das vítimas - Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo.
Parte da população se armou e no dia 9 de julho de 1932 irrompeu a guerra civil, conhecida como
Revolução Constitucionalista. Ela era liderada basicamente por oficiais do Exército que se haviam recusado a
aderir à Revolução de 1930 e, por isso, haviam sido rebaixados.
A prometida adesão dos governos de Minas Gerais e Rio Grande do SuI não aconteceu, e as forças de São
Paulo viram-se sozinhas na luta contra o Exército Federal. As fábricas do estado passaram a produzir
armamentos e a população doou joia e ouro para financiar a revolta.
As tropas revoltosas resistiram por três meses, mas sua inferioridade bélica era muito grande. Assim,
renderam-se em outubro. Vargas impôs termos de paz relativamente amenos e chegou a determinar que o
governo federal assumisse metade da dívida contraída pelos rebeldes.
(Fonte: Thomas Skidmore. Uma historia do Brasil. 4. ed.
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998. p. 156-7.)

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 35


Vargas e a crise do café

Getúlio Vargas sabia que não podia deixar de lado os grandes cafeicultores, já que o café ainda era o principal
produto de exportação do país. Para garantir o apoio dessa elite derrotada pela revolução, o presidente adotou um
conjunto de medidas visando recuperar os preços internacionais do café, que haviam caído vertiginosamente depois
da quebra da Bolsa de Nova York em 1929.
Assim, o governo passou a comprar e queimar os excedentes do produto. Entre 1931 e 1944, ano em que essa
política chegou ao fim, 78,2 milhões de sacas de café foram destruídas, o equivalente a três anos de consumo
mundial.
A legislação trabalhista

O novo governo também direcionou suas atenções para as questões sociais. Com a criação do Ministério da
Educação e Saúde, em novembro de 1930, teve início um programa de reformas na área educacional. Como salienta
o historiador Boris Fausto, a reforma pedagógica tinha por objetivo formar uma elite mais bem preparada
intelectualmente. Dessa forma, as atenções se voltaram principalmente para o ensino secundário e o ensino superior.
O ensino secundário passou a durar sete anos (antes eram seis), divididos em dois ciclos. O primeiro, conhecido
como ginasial, com cinco anos de duração, visava dar ao estudante uma formação humanística; o segundo, de dois
anos, tinha por objetivo preparar o aluno para o ensino superior.
O governo lançou também as bases do sistema universitário brasileiro, voltado para a pesquisa e o ensino. De
acordo com a reforma de 1931, ficou estabelecido que uma universidade se formaria pela união de pelo menos três
faculdades entre os cursos de Direito, Medicina, Engenharia, Educação, Ciências e Letras. Essas mudanças levaram
a criação da Universidade de São Paulo - USP - e da Universidade de Porto Alegre, atual Universidade Federal do
Rio Grande do Sui - UFRGS -, ambas em 1934, e da Universidade do Distrito Federal- UDF -, organizada em 1935
pelo educador Anísio Teixeira no Rio de Janeiro.
Entretanto, a obra pela qual o governo de Getúlio Vargas e mais lembrado e a legislação trabalhista, iniciada
com a criação do Ministério do Trabalho, Industria e Comércio, em novembro de 1930. As leis de proteção ao
trabalhador aprovadas a partir de então regularam o trabalho de mulheres e crianças, estabeleceram jornada máxima
de oito horas de trabalho, criaram o descanso semanal remunerado e garantiram o direito a férias (concedido
anteriormente, em 1923, mas nunca colocado em prática) e a aposentadoria, entre outras novidades. Esse conjunto
de leis foi sistematizado em 1943, com a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT.
Contudo, ao mesmo tempo que atendia a antigas reivindicações dos trabalhadores, o governo pôs em prática
medidas que tinham por objetivo controlar o movimento sindical, mantendo a classe trabalhadora longe da influência
comunista ou anarquista.
Dessa forma, já em 1931 o governo havia implantado a Lei de Sindicalização, que definia os sindicatos como
órgãos consultivos e de colaboração com o poder público. A partir de então, os sindicatos só poderiam funcionar com
autorização ministerial, e suas assembleias deveriam ser acompanhadas por representantes do governo. Anarquistas
e comunistas criticaram essas decisões, consideradas autoritárias, e reagiram a elas por meio de greves e
manifestações. Aos poucos, porém, diversos setores sindicais passaram a acatá-las.
A legislação trabalhista, apresentada como uma dádiva do governo, e a aproximação com os sindicatos faziam
parte de um tipo de política que seria mais tarde caracterizada como populista.* Apresentado como autor magnânimo
das leis trabalhistas, Getúlio era chamado de "pai dos pobres", uma espécie de protetor da classe trabalhadora. De

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 36


acordo com essa visão, tais leis teriam sido um ato de generosidade do governo, e não o resultado de muitos anos
de luta dos trabalhadores.

*Populismo: doutrina e prática política que consiste em defender as camadas menos privilegiadas da
população, explorando suas emoções e simpatias com objetivos políticos. No populismo, o governante mantem o
poder atendendo a reivindicações ora do povo, ora das classes privilegiadas. O populismo brasileiro surgiu com
Getúlio Vargas e os políticos a ele relacionados. Getúlio Vargas manipulava a vontade do povo, da oligarquia
cafeeira e da nascente burguesia industrial, e assim manteve o poder durante quinze anos consecutivos.

A Constituição de 1934

Em meio às mudanças nas áreas educacional e trabalhista, o governo aprovou, em fevereiro de 1932, um novo
Código Eleitoral. Entre as novidades introduzidas estavam a criação de uma Justiça Eleitoral, destinada a coibir as
fraudes eleitorais, e o voto secreto, instituído principalmente para minar a influência dos coronéis sobre os eleitores.
O novo Código reduziu de 21 para 18 a idade mínima do eleitor e garantiu o direito de voto às mulheres, antiga
reivindicação de grupos feministas, que tinham entre suas principais militantes a enfermeira Bertha Lutz (1894-1976).
Também foi criada a figura dos deputados classistas, que deveriam ser eleitos pelos sindicatos de empregados e de
patrões.
Apesar da oposição dos tenentes, que defendiam a manutenção do regime de exceção, e pressionado por
diversos setores da sociedade, juntamente com a divulgação do novo Código Eleitoral, o governo convocou, em
fevereiro de 1932, eleições para maio de 1933, visando a formação de uma Assembleia Constituinte.
Getúlio procurava com isso responder a pressão de setores das elites e das classes médias paulistas, que
reivindicavam a reconstitucionalização do país. A medida, entretanto, não chegou a esvaziar a pressão, pois em julho
de 1932, como vimos, eclodiu em São Paulo uma rebelião que tinha como bandeira a convocação de uma
Assembleia Constituinte.
Realizado o pleito na data estabelecida, entre os 254 constituintes eleitos encontrava-se a médica Carlota
Pereira de Queirós, candidata por São Paulo, primeira deputada do Brasil.
Promulgada em julho de 1934, a nova Constituição incorporou a legislação trabalhista em vigor, acrescentando a
ela a instituição do salário mínimo (que seria criado somente em 1940) e criou o Tribunal do Trabalho. Além disso,
estabeleceu a nacionalização dos recursos do subsolo e a possibilidade de se nacionalizarem empresas
estrangeiras. Pela nova Carta, analfabetos e soldados continuavam proibidos de votar.
Ainda em julho de 1934 os constituintes elegeram Getúlio Vargas para a Presidência da República. Com i sso,
chegava ao fim o Governo Provisório. De acordo com a Constituição, o mandato presidencial se estenderia até 1938,
quando um novo presidente, escolhido por voto livre e direto, deveria assumir o cargo.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 37


O período constitucional (1934-1937)

A promulgação da Constituição e a eleição de Getúlio davam a impressão de que a democracia e a estabilidade


política haviam sido restabelecidas no Brasil. Entretanto, os anos que se seguiram foram marcados por uma forte
polarização política, com o surgimento de dois movimentos antagônicos: a Ação Integralista Brasileira - AIB -, de
direita, e a Aliança Nacional Libertadora - ANL -, de esquerda. Como afirma o historiador Thomas Skidmore, a AIB e
a ANL "constituíam os primeiros movimentos políticos nacionais de aguda orientação ideológica".
A exemplo do que acontecia na Europa, onde a democracia liberal encontrava-se desacreditada e em diversos
países vinham ascendendo ao poder governos totalitários, surgiram defensores da implantação de uma ditadura de
direita no Brasil, semelhante à de Mussolini na Itália.
Os defensores dessas ideias formaram, em 1932, a Ação Integralista Brasileira, liderada pelo escritor paulista
Plínio Salgado. De inspiração fascista, esse movimento reunia em suas fileiras intelectuais, religiosos, alguns ex-
tenentistas e setores das classes médias e da burguesia.
Tendo como lema "Deus, Pátria e Família", o integralismo era um movimento de caráter nacionalista, antiliberal,
anticomunista e contrário ao capitalismo financeiro internacional. Os integralistas defendiam o controle do Estado
sobre a economia e o fim da pluralidade partidária e da democracia representativa.
Por volta de 1936, a AIB contava com mais de 200 mil militantes. Em seus desfiles, eles usavam uniformes
verdes e ostentavam uma braçadeira com a letra grega sigma, escolhida como símbolo do movimento. Sua saudação
era uma palavra de origem indígena, Anauê (algo como "hurra!"), que deveria ser proferida com o braço direito
levantado.
Já a Aliança Nacional Libertadora surgiu em março de 1935, tendo como presidente de honra o líder comunista
Luís Carlos Prestes. O Partido Comunista do Brasil, que existia desde 1922, de fato tinha grande ascendência sobre
a ANL, mas o movimento reunia em suas fileiras grupos populares de variadas tendências: socialistas, liberais, anti-
integralistas, intelectuais independentes, estudantes e ex-tenentistas descontentes com o autoritarismo do governo
Vargas.
Seu programa político era nacionalista e anti-imperialista. Entre suas principais bandeiras estavam a suspensão
do pagamento da dívida externa, a nacionalização de empresas estrangeiras e a reforma agrária. A ANL cresceu
rapidamente, chegando a reunir entre 70 mil e 100 mil filiados, segundo estimativas do historiador Robert Levine.
Quatro meses depois de fundada, foi declarada ilegal pelo presidente Vargas. A partir de então, seus militantes
passaram a agir na clandestinidade.
Em novembro de 1935, setores da ANL ligados ao PCB lideraram, a mando da Internacional Comunista,
insurreições militares nas cidades de Natal, Recife e Rio de Janeiro, com o intuito de tomar o poder e implantar o
comunismo no Brasil.
Mal articulados, os levantes fracassaram e a Intentona Comunista, nome pelo qual ficou conhecido o episódio,
levou o governo a desencadear forte repressão anticomunista. O presidente decretou estado de sítio e determinou a
prisão de mais de 6 mil pessoas - entre as quais um senador e quatro deputados. Entre os detidos encontravam-se
Luís Carlos Prestes (posteriormente condenado a 16 anos de reclusão) e sua mulher, a militante comunista judia
alemã Olga Benário, que, em setembro de 1936, foi deportada, grávida de sete meses, para a Alemanha nazista,
onde morreu, em 1942, em um campo de concentração.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 38


Ao centro Plínio Salgado. Lidar da AIB. Surgida
em um singular momento da História do Brasil, a Ação
Integralista Brasileira aparece no momento em que
novos grupos sociais aparecem no cenário
sociopolítico do país.

Fotos dos passaportes de Carlos Prestes e


Olga Benário. Lideres da ANL. Figuras
centrais da organização comunista no Brasil.

Todo o poder a Vargas!

Em meio a esse clima de tensão e de repressão à esquerda, teve início, em 1937, a campanha eleitoral para a
escolha do sucessor de Getúlio Vargas. O Partido Constitucionalista indicou o nome do governador paulista Armando
de Sales Oliveira, os integralistas lançaram a candidatura de Plínio Salgado, e o escritor e político paraibano José
Américo de Almeida apresentou-se como candidato do governo, embora sem o endosso oficial de Getúlio Vargas.
Na verdade, o presidente articulava, junto as Forças Armadas e aos governadores, sua permanência no poder.
No fim de 1937, Vargas encontrou o pretexto que faltava para dar um golpe de Estado: o alto comando do Exército
lhe revelou ter descoberto um documento contendo detalhes de uma conspiração comunista para a tornada do poder.
Era o Plano Cohen, nome de seu suposto autor.
Elaborado por um oficial integralista, o capitão Olímpio Mourão Filho, que o entregou a cúpula das Forças
Armadas, o plano era falso do começo ao fim. Vargas, porém, o utilizou como se fosse verdadeiro e, no dia 10 de
novembro de 1937, ordenou o fechamento do Congresso por tropas do Exército.
Por meio do rádio, o presidente declarou canceladas as eleições presidenciais e anunciou a instauração do
Estado Novo, definido por ele como "um regime forte, de paz, justiça e trabalho" A seguir, foi outorgada uma nova
Constituição, que logo passaria a ser chamada de Polaca, em alusão a suas semelhanças com a Constituição
polonesa, de inspiração fascista.
As garantias individuais foram suspensas e o direito de reunião abolido. A população ficou proibida de se
organizar, de reivindicar seus direitos e de manifestar livremente suas opiniões. Sem reação popular, começava uma
nova fase do governo getulista: a de uma ditadura centralizada em torno da figura de Getúlio Vargas.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 39


O Estado Novo (1937-1945)

Contando com o apoio dos militares e dos industriais, Vargas passou a governar por meio de decretos-lei. Os
partidos políticos foram extintos, entre eles a Ação Integralista, que apoiara o golpe. Em represália, em 1938 os
integralistas tentaram tomar o poder, mas o golpe fracassou, seus líderes foram presos ou exilados e o movimento se
extinguiu.
A ideologia do Estado Novo enfatizava principalmente a ideia de construção da nação e a nacionalidade
brasileira sob a tutela do Estado. Para ter o controle dos meios de comunicação e formar uma opinião pública
favorável ao governo, foi criado em 1939 o Departamento de Imprensa e Propaganda - DIP. Inspirado no serviço de
comunicação da Alemanha nazista, o DIP contava com agentes encarregados de fazer a censura a jornais, revistas,
livros, rádio e cinema, e elaborar a propaganda oficial do Estado Novo.
O DIP produzia peças publicitárias mostrando o presidente como uma figura paternal, bondosa, severa e
exigente. O órgão elaborava também cines documentários, livros e cartilhas escolares enaltecendo a figura de
Vargas e transmitindo noções de patriotismo e civismo (veja a imagem na próxima pagina).
Para que as mensagens do presidente alcançassem o maior número de pessoas, era utilizado o programa
radiofônico Hora do Brasil, criado em 1934 e hoje com o nome de Voz do Brasil. Em 1940, o governo encampou a
Rádio Nacional, líder de audiência no país, e a transformou em instrumento de apoio ao Estado Novo e de divulgação
dos valores nacionais (veja "A era do rádio no Brasil").
Mais da metade das notícias divulgadas pela imprensa era
produzida pelos agentes do DIP. Nem mesmo as músicas
escapavam do crivo do departamento. Composições que
exaltavam a malandragem tiveram de ser modificadas para
que seus versos valorizassem o trabalho, visto como um valor
social a ser perseguido. As escolas de samba do Rio de
Janeiro, que desde 1933 contavam com a subvenção oficial do
Estado para os seus desfiles, foram obrigadas, a partir de
1937, a apresentar sambas-enredos com temáticas patrióticas
e históricas (sobre os desfiles cariocas veja o boxe da pagina
seguinte).
O DIP também organizava festividades oficiais que
levavam grande número de pessoas às ruas, como a
Nos moldes da propaganda nazista
e stalinista, durante o Estado Novo o
celebração do 12 de Maio, a Semana da Raça e da Pátria, em DIP lançou cartilhas enaltecendo a
setembro, e até o aniversário do presidente, em abril. figura de Vargas. A cultura de massa era
Em meio a esse ambiente de controle e repressão, posta a serviço do Estado e da ideologia
ganhou força a Polícia Especial de Getúlio Vargas.
dominante. Na imagem a capa do livro
sobre a vida de Getulio Vargas.
Comandada por Filinto Müller, ela ficou conhecida por suas
prisões arbitrárias e pela prática de tortura contra os presos.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 40


A era do rádio no Brasil

As primeiras transmissões radiofônicas no país foram realizadas em 1922, durante os festejos do


primeiro centenário da Independência. No ano seguinte começaria a funcionar a primeira emissora
brasileira, a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, dirigida por Henrique Morize e Edgard Roquette Pinto.
Em pouco tempo, as emissoras iriam se popularizar graças aos programas de auditório, radionovelas,
seriados, programas humorísticos e de radiojornalismo. Em 1936 foi fundada a Rádio Nacional, que se
transformou no primeiro fenômeno de comunicação de massa do Brasil, sendo, por mais de duas décadas,
a líder de audiência.
Com a popularização do rádio, diversos artistas se transformaram em ídolos nacionais, como ocorreu
com os cantores Francisco Alves, Orlando Silva, Mário Reis e Carmen Miranda, a "pequena notável", que
se tornaria também um sucesso no cinema norte-americano. O samba se popularizou e músicas de
compositores como Noel Rosa, Lamartine Babo, Almirante, Dorival Caymmi, Ari Barroso, Pixinguinha,
Ataulfo Alves, Assis Valente, Herivelto Martins e outros se tornaram conhecidas em todo o país.

O carnaval carioca

O carnaval do Rio de Janeiro, com seu desfile de escolas de samba, é a festa brasileira mais
conhecida em todo o mundo. Turistas de todos os países vão ao Sambódromo, na avenida Marques de
Sapucaí, acompanhar a passagem de tradicionais escolas, como Mangueira, Portela, Salgueiro e outras.
A ideia de fazer esse desfile nasceu nas redações do jornal Mundo Esportivo, pertencente ao jornalista
Mário Filho, irmão do dramaturgo Nelson Rodrigues. O primeiro desfile, realizado em 1932 na praça Onze,
contou com a presença de dezenove escolas e foi vencido pela Mangueira.
Apesar do sucesso, o evento foi acompanhado primordialmente pelas camadas populares. A elite
preferia divertir-se nos bailes em clubes fechados ou nos desfiles de corsos pelas ruas do Rio de Janeiro.

O Brasil e a industrialização

No plano econômico, o governo do Estado Novo manteve a política nacionalista e estatizante esboçada nos
anos anteriores. Assim, em 1937 suspendeu o pagamento da dívida externa e passou a intervir cada vez mais na
economia. Já em 1933, durante seu primeiro governo, Vargas havia criado o Instituto do Açúcar e do Álcool - IAA - e
o Departamento Nacional do Café- DNC -, destinados a orientar as atividades dos dois setores agrícolas; em 1934,
foi criado o Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM.
Com o Estado Novo, o governo passou a intervir diretamente na produção industrial. Nesse período, teve início a
construção da Companhia Siderúrgica Nacional de Volta Redonda (1941), da Companhia Vale do Rio Doce (1942),
voltada para a mineração, da Fábrica Nacional de Motores (1943) e da Companhia Hidrelétrica do São Francisco
(1945), entre outras.

O Brasil na Segunda Guerra Mundial

A Segunda Guerra Mundial colocou Getúlio diante do dilema de ter de escolher entre os países do Eixo e os
Aliados. Ideologicamente, por ser um regime autoritário, o Estado Novo estava mais próximo dos primeiros. Mas a
proximidade geográfica dos Estados Unidos, cujo governo antes de entrar no conflito era abertamente simpático aos
Aliados, também deveria ser levada em conta. Assim, inicialmente Getúlio manteve uma posição ambígua,
mostrando-se favorável ora as forças do Eixo, ora as das tropas aliadas. Em 1940, o presidente chegou a fazer um
discurso elogiando o sucesso das tropas nazistas na Europa.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 41


Interessado em atrair o Brasil para o campo democrático, o governo norte-americano pôs em prática a chamada
política de boa vizinhança. Essa política se manifestou das mais variadas maneiras: empréstimos, vantagens
comerciais, envio de técnicos, etc.
Em 1941, por exemplo, o desenhista e produtor cinematográfico Walt Disney chegou a escolher a música
"Aquarela do Brasil", de Ari Barroso, para musicar o desenho animado Alô, amigos. A construção da Companhia
Siderúrgica Nacional de Volta Redonda, por sua vez, teve parte de suas obras financiada por meio de um
empréstimo dos Estados Unidos.
A partir de 1941 o presidente Vargas começou a se afastar do Eixo e a aproximar-se dos Aliados, como
desejavam os norte-americanos. O rompimento definitivo com o bloco nazifascista ocorreu em 1942, quando navios
mercantes brasileiros foram afundados por submarinos alemães. Em agosto daquele ano, após gigantescas
manifestações populares e estudantis exigindo que o governo entrasse no conflito ao lado das democracias, Getúlio
declarou guerra aos países do Eixo.
Em julho de 1944, cerca de 25 mil soldados, integrantes da Força Expedicionária Brasileira - FEB -,
desembarcaram na Itália sob o comando do general João Batista Mascarenhas de Morais. Apesar de militarmente
despreparados, os pracinhas da FEB - apelido pelo qual eram chamados os soldados - tiveram importante
participação na tomada de Monte Castelo, em fevereiro de 1945. Também pilotos da Força Aérea Brasileira - FAB -
chegaram a combater no norte da Itália entre 1944 e 1945.

A redemocratização do Brasil

As manifestações estudantis e populares lideradas pela União Nacional dos Estudantes - UNE-, em 1942, a
favor da participação das Forças Armadas brasileiras na guerra contra o nazifascismo deram início a um lento
processo de distensão no clima sufocante do Estado Novo.
Em 1943, durante um congresso da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB -, um grupo de políticos e
intelectuais de Minas Gerais Iançou o Manifesto dos Mineiros, no qual defendia o fim do Estado Novo e a volta da
democracia. A mesma posição a favor da redemocratização do país adotaram os participantes do Primeiro
Congresso Brasileiro de Escritores, no início de 1945.
Poucos meses depois, com a guerra chegando ao fim, Getúlio pôs fim à censura da imprensa, anistiou presos
políticos - entre eles Luís Carlos Prestes - e convocou eleições para uma Assembleia Constituinte.
Surgiram, então, diversos partidos políticos, entre os quais a União Democrática Nacional - UDN -, formada por
setores das classes médias e altas, o Partido Social Democrático - PSD -, composto por antigos coronéis e
interventores nos estados, e o Partido Trabalhista Brasileiro - PTB -, constituído por líderes sindicais ligados ao
Ministério do Trabalho, além do Partido Comunista do Brasil - PCB -, que voltou a ser legalizado.
A campanha política foi para as ruas. Com o aval do presidente, líderes do PTB e de alguns sindicatos, com o
apoio do Partido Comunista, passaram a defender a permanência de Getúlio Vargas na Presidência da Repúbli ca.
Os partidários dessa posição saíam gritando em coro pelas ruas: “Queremos Getúlio!”.
O queremismo, nome pelo qual ficou conhecido esse movimento, não garantiu a permanência de Vargas no
poder. Antes que isso acontecesse, os generais Góis Monteiro e Eurico Gaspar Dutra exigiram sua renuncia. Com o
afastamento de Getúlio, em outubro de 1945, o Estado Novo chegava ao fim.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 42


Enquanto isso...
A primeira Copa do Mundo de futebol

Em 1930, no mesmo ano em que Getúlio Vargas liderou o movimento que pôs fim à República Velha, foi
realizada no Uruguai a primeira Copa do Mundo de futebol. O torneio reuniu seleções de treze países e foi
vencido pela equipe do Uruguai, que derrotou a da Argentina por 4 a 2 na final. Quatro anos depois, a
segunda Copa foi realizada na Itália, cuja seleção venceu o torneio. Em 1938, na França, a equipe italiana
voltou a sagrar-se campeã do mundo.
Suspensa durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a Copa do Mundo voltou a ser disputada em
1950. Realizado no Brasil, o torneio foi vencido pelos uruguaios, que derrotaram a seleção brasileira por 2 a
1 na partida decisiva, disputada no estádio do Maracanã, construído no Rio de Janeiro especialmente para o
evento. A seleção brasileira só iria vencer sua primeira Copa em 1958, na Suécia, quando derrotou na final,
por 5 a 2, o time da casa.

Atividades Complementares

1. Com a Revolução de 1930, a República Velha chegou ao fim. Em que as medidas


adotadas pelo Governo Provisório de Getúlio Vargas se diferenciaram da política até então
vigente no Brasil republicano?

2. O que foi a Revolução Constitucionalista?

3. Explique a polarização ideológica existente entre a Ação Integralista Brasileira e a Aliança


Nacional Libertadora.

4. Quais as principais características da ditadura do Estado Novo?

5. De que maneira a governo do Estado Novo procurou controlar os meios de comunicação


de massa?

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 43


Capítulo 7

A Segunda Guerra Mundial

A mais poderosa arma não nuclear desenvolvida até agora, a Moab, foi testada pela Força Aérea dos
Estados Unidos em 2003, na Flórida. Trata-se de uma bomba que transporta carga explosiva equivalente a
9,4 toneladas de TNT. Um de seus dispositivos permite que, depois de lançada, sua rota seja corrigida por
satélites.
Entretanto, o poder de destruição da Moab não se compara ao das bombas atômicas lançadas em 1945
por aviões norte-americanos sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, que mataram mais de
200 mil pessoas. Como veremos neste capítulo, o emprego de armas nucleares pelas forças armadas dos
Estados Unidos pôs fim à Segunda Guerra Mundial, iniciada em 1939 com a invasão da Polônia por tropas
da Alemanha nazista.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 44


O colapso da democracia

O novo mapa europeu surgido com os tratados que puseram fim à Primeira Guerra Mundial gerou como vimos
um clima de insatisfação em diversas regiões do continente. Isso porque novos países nasceram da fragmentação de
antigas potências e algumas etnias ou grupos populacionais até então unidos foram separados arbitrariamente.
A crise econômica que se abateu sobre a maioria das nações nos anos 1930 foi outro importante gerador de
discórdia. Iniciada após a queda da Bolsa de Nova York, em 1929, ela se alastrou pelo planeta, deixando sem
trabalho um quarto da população mundial.
Em alguns países, muitas pessoas perderam a confiança na democracia liberal, responsabilizando-a pela crise.
Na Alemanha e na Itália, esse colapso dos valores democráticos somou-se a profundos ressentimentos nacionais
provocados pelos termos do Tratado de Versalhes. A combinação desses fatores estimulou a formação de
movimentos totalitários e ultranacionalistas. Em pouco tempo, tanto nesses quanto em outros países, como Polônia,
Grécia, Espanha e Portugal, os governos democráticos foram substituídos por regimes ditatoriais.
Em 1936 os governos da Alemanha e da Itália firmaram o tratado conhecido como Eixo Roma-Berlim. No
mesmo ano, autoridades alemãs e japonesas assinaram o Pacto Antikomintern, acordo pelo qual os dois países se
dispunham a combater o comunismo, cuja ação era orientada pela Internacional Comunista (ou Komintern),
organização com sede em Moscou.

A maior de todas as guerras

A partir dos anos 1930, o desejo de expansão territorial de algumas potências começou a abalar o precário
equilíbrio entre as nações. Em 1931, tropas japonesas ocuparam a Manchú ria, pertencente à China (veja o mapa da
página 53). Quando a Liga das Nações protestou, os japoneses retiraram-se da organização. Isso fragilizou ainda
mais a Liga, que não contava com a participação dos Estados Unidos nem da União Soviética. Aproveitando-se essa
debilidade, em 1937 os japoneses lançaram uma grande ofensiva militar contra a China.
Situação semelhante ocorria na Europa. Em 1936 o exército italiano ocupou a Etiópia; em 1939, invadiu a
Albânia. Hitler, por sua vez, violando o Tratado de Versalhes, ocupou, em 1936, a Renânia, região entre a França e a
Alemanha. Dois anos depois, anexou a Áustria.
A pretexto de evitar uma nova guerra, os governos da França, da Inglaterra e dos Estados Unidos nada fizeram
para impedir o avanço alemão. Assim, em março de 1938, os alemães ocuparam os Sudetos, região da
Tchecoslováquia habitada também por populações de origem germânica (veja o mapa “Expansão alemã entre 1935 e
1939"). Só então os governos da Inglaterra e da França obrigaram Hitler a entrar em negociações, o que foi feito na
Conferência de Munique, em setembro de 1938. A reunião, entretanto, foi dominada pelo Führer, que impôs a
ocupação dos Sudetos como um fato consumado.
Sentindo-se com liberdade para agir, em março de 1939 os alemães ocuparam mais duas regiões da
Tchecoslováquia - Boêmia e Morávia. Em fins de agosto, a Alemanha assinou com a União Soviética um acordo de
não-agressão: O Pacto Ribentropp-Molotov. Poucos dias depois, em 1º de setembro de 1939, os alemães invadiram
a Polônia. Em resposta, os governos da Inglaterra e da França declararam guerra ao governo alemão. Começava a
Segunda Guerra Mundial.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 45


A queda da França e a Batalha da Inglaterra

No primeiro momento, a Alemanha parecia não ter adversário a altura de seu poderio bélico. Utilizando uma
poderosa força aérea - a Luftwaffe - e empregando a estratégia de ataques-surpresa - blitzkrieg* (guerra-relâmpago) -
, em poucos meses as tropas alemãs conquistaram diversos países do continente: Noruega, Dinamarca,
Luxemburgo, Bélgica e Holanda.
Em meados de 1940 os alemães ocuparam a França, que foi dividida em duas partes: o norte, incluindo Paris,
sob controle alemão: e o sul, com capital na cidade de Vichy, governado por franceses pró-nazistas, os chamados
colaboracionistas (veja o boxe "A Resistência").
Com a ocupação da França, a Inglaterra - cujo primeiro-ministro Winston Churchill, do Partido Conservador,
acabara de ascender ao poder - ficou isolada. Na Itália, Mussolini, empolgado com o sucesso nazista, abandonou a
neutralidade e, em junho de 1940, entrou no conflito ao lado dos alemães. No mesmo ano, o Eixo Roma-Berlim
ganhou a adesão do Japão.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 46


Disposto a dominar a Europa, Hitler lançou-se contra a Inglaterra. A partir de agosto de 1940, os alemães
bombardearam de forma sistemática o território britânico. Cerca de 3 mil aeronaves da Luftwaffe lançaram toneladas
de bombas sobre portos e cidades inglesas, principalmente sobre a capital, Londres.
Os ingleses não capitularam. Valendo-se da Real Força Aérea - RAP - e do radar - instrumento de localização
desconhecido dos alemães -, eles conseguiram barrar a ofensiva nazista. Diante disso, Hitler se voltou para outras
regiões, como o Mediterrâneo, os Bálcãs e o norte da África. No início de 1941 ele já havia conquistado a Grécia, a
Iugoslávia e a Albânia, tinha estabelecido governos-satélites na Romênia, na Bulgária e na Hungria e ameaçava o
domínio britânico na região do canal de Suez, no Egito (veja o mapa da página 47).

* Blitzkrieg: tática militar empregada pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial que consistia na
utilização coordenada da infantaria, dos tanques e da aviação para "furar" as linhas inimigas. Quando
encontravam um foco de resistência, os alemães cercavam-no e interrompiam suas comunicações, e o restante
das tropas seguia seu ataque no interior do campo do inimigo. Esses ataques com forças móveis eram rápidos e
surpreendentes, dificultando a tomada de decisões e a transmissão de ordens do inimigo. Essa tática ofensiva
alemã - que ficou conhecida como guerra-relâmpago - conseguiu vencer os exércitos aliados durante a primeira
parte da Segunda Guerra Mundial, sobretudo ate 1942.

A Operação Barbarossa

Em junho de 1941 Hitler rompeu o pacto de não-agressão firmado com Stalin e pôs em prática a operação
Barbarossa: mais de 1 milhão de soldados alemães deram início à invasão da União Soviética. Em setembro, os
alemães estavam às portas de Moscou, capital do país.
Diante da catástrofe iminente, Stalin - que, pouco antes, mandara executar muitos generais do Exército
Vermelho acusados de ligações com dissidentes do regime - mobilizou a população contra os invasores. Em pouco
tempo, milhares de civis passaram a lutar ao lado das tropas regulares.
Outro forte adversário dos nazistas foi o clima. Com a chegada do inverno, as tropas do Eixo tiveram de
enfrentar temperaturas de até 21 graus negativos, para as quais não estavam preparadas. Fustigados pelo frio e pela
resistência do povo soviético, os alemães começaram a afastar-se de Moscou em dezembro de 1941. Era sinal de
que os alemães não eram imbatíveis.

A Resistência

Resistência é o nome pelo qual ficaram conhecidos os grupos civis que lutaram contra os nazifascistas
durante a Segunda Guerra Mundial. Esses grupos surgiram em toda a Europa e eram compostos por democratas,
militantes comunistas e trabalhadores e intelectuais antifascistas.
Na França, o líder da Resistência era o general Charles de Gaulle, que não aceitou a rendição aos nazistas e
exilou-se na Inglaterra. De lá, ele enviava instruções a seus compatriotas por intermédio da rádio BBC de
Londres. Alguns comunistas brasileiros participaram da Resistência Francesa. Um deles foi Apolônio de Carvalho,
que também lutou nas Brigadas Internacionais durante a Guerra Civil Espanhola.
Na própria Alemanha grupos pró-democracia distribuíam pelo correio panfletos contra a guerra e contra a
opressão nazista. Um desses grupos, o Weisse Rose (Rosa Branca), teve importante atuação nas cidades de
Munique e Hamburgo.

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 47


Os Estados Unidos entram na guerra

Até dezembro de 1941, tanto os Estados Unidos quanto o Japão permaneceram à margem do conflito. O
governo norte-americano do presidente Roosevelt, contudo, não escondia sua simpatia em relação aos Aliados,
termo pelo qual era chamado o bloco de países que lutavam contra o nazifascismo.
Já o governo japonês, após a ocupação da França pelos nazistas, em 1940, recebera de Hitler a Indochina,
colônia francesa no Extremo Oriente. Temendo o expansionismo japonês, que punha em risco a segurança de sua
costa oeste, o governo norte-americano impôs sanções comerciais ao Japão e exigiu que as tropas japonesas
saíssem da China, invadida em 1937.
Em resposta, no dia 7 de dezembro de 1941 os japoneses desfecharam um fulminante ataque aéreo contra
Pearl Harbor, base militar norte-americana no Pacífico. O governo dos Estados Unidos declarou, então, guerra ao
Japão e aos outros países do Eixo. Ao mesmo tempo, passou a pressionar o governo de outros países, entre os
quais o brasileiro, para que fizesse o mesmo.

A ofensiva dos aliados

A entrada das tropas norte-americanas e soviéticas no conflito desestabilizou as forças dos países que
formavam o Eixo. Em outubro de 1942, no norte da África, tropas alemãs foram derrotadas por forças anglo-
americanas sob o comando do general Eisenhower, futuro presidente dos Estados Unidos.
Em fevereiro de 1943 os soviéticos conseguiram expulsar os alemães de Stalingrado. Em seguida, deram início
a seu avanço em direção a Berlim. A caminho da Alemanha, libertaram diversos territórios sob poder dos alemães:
Polônia, Romênia, Bulgária, Noruega, Hungria e parte da Tchecoslováquia.
HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 48
Em junho de 1943 os norte-americanos ocuparam a Sicília e outras regiões da Itália. Mussolini foi deposto e se
refugiou no norte do país, onde fundou a efêmera Republica Social Italiana.
Um ano depois, no dia 6 de junho de 1944 - Dia D, conforme o código secreto dos militares -, cerca de 3 milhões
de soldados anglo-americanos, contando com o apoio de 5 mil aviões e 6 400 navios, desembarcaram nas praias da
Normandia no litoral norte da França. No dia 26 de agosto, as tropas aliadas entraram em Paris. A derrocada nazista
era agora uma questão de tempo.
Em abril de 1945 Berlim caiu em mãos soviéticas. Hitler, sua mulher e vários generais nazistas se suicidaram.
Diante da bancarrota alemã, Mussolini tentou fugir para a Suíça, mas no dia 28 de abril foi preso e fuzilado por
combatentes da Resistência italiana. No dia 7 de maio de 1945, o alto comando alemão rendeu-se
incondicionalmente aos Aliados (veja o boxe "Acordos de paz").

O fim da guerra no Pacífico

A rendição dos alemães não significou o fim do conflito. Na Frente do Pacífico, norte-americanos e japoneses
ainda continuavam lutando. Ali, entre dezembro de 1941 (ataque a Pearl Harbor) e maio de 1942,0 Japão havia
conquistado sucessivamente Filipinas, Cingapura, Hong Kong, as Índias Orientais Holandesas (atual Indonésia) e
outras regiões.
Em junho de 1942, contudo, a frota japonesa foi derrotada pela esquadra norte-americana na batalha de
Midway. A partir de então, as forças norte-americanas passaram à ofensiva na Guerra do Pacífico. Para selar sua
vitória, nos dias 6 e 8 de agosto de 1945 aviões norte-americanos lançaram sobre as cidades japonesas de
Hiroshima e Nagasaki a maior e mais letal arma até então desenvolvida: a bomba atômica.
As duas explosões - que tinham também, segundo alguns historiadores, a finalidade de intimidar a União
Soviética, persuadindo-a a não fomentar revoluções em países ocidentais causaram a morte instantânea de mais de
200 mil pessoas e arrasaram as duas cidades. No dia 2 de setembro de 1945, o Japão assinava sua rendição

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 49


incondicional. Veja no boxe "Horror em Hiroshima" trechos de uma reportagem a respeito de como ficou Hiroshima
logo após a explosão da bomba.
A Segunda Guerra Mundial chegava ao fim com números aterradores: 50 milhões de mortos, dos quais 15
milhões de militares e 35 milhões de civis. Somente a União Soviética perdeu 20 milhões de habitantes; cerca de 6
milhões de judeus morreram nos campos de concentração nazistas (veja o boxe "Holocausto").

Acordos de paz
Com a rendição alemã, os líderes dos Estados Unidos, da União Soviética e da Inglaterra - os chamados
Três Grandes - reuniram-se entre julho e agosto de 1945 em Potsdam, nos arredores de Berlim, para discutir os
termos da paz. Muitas das decisões ali tomadas já haviam sido propostas em fevereiro, durante reunião
semelhante realizada em Ialta, na Criméia, às margens do mar Negro.
Pela Conferência de Potsdam ficou acertada a divisão da Alemanha em quatro zonas de influência, sob
controle dos Estados Unidos, França, Inglaterra e União Soviética. Berlim, que ficaria situada na zona soviética,
sofreria o mesmo tipo de divisão em quatro partes.
Decidiu-se ainda que a Alemanha deveria pagar 20 bilhões de dólares de indenização aos países vencedores
e que os líderes nazistas seriam julgados por uma corte internacional, 0 Tribunal de Nuremberg.
Também foi confirmada a criação de uma nova entidade internacional, destinada a preservar a paz e garantir
o entendimento entre os povos: a Organização das Nações Unidas - ONU. Com sede em Nova York, a ONU foi
fundada em 26 de junho de 1945, em substituição à Liga das Nações.

Horror em Hiroshima

Muitos mortos jaziam nos


jardins. Numa bela ponte em forma de
arco [o padre Kleinsorge] passou por
uma mulher nua, que, embora tivesse
o corpo inteiramente queimado e
vermelho, dos pés à cabeça, ainda
estava viva. (...) o padre viu um
uniforme. Julgando tratar-se de um
soldado, aproximou-se, mas, ao
penetrar na vegetação, deparou com
uns vinte homens, todos no mesmo
estado horripilante: o rosto
inteiramente queimado, as órbitas
vazias, as faces marcadas pelo líquido
que escorrera das córneas derretidas.
Deviam estar olhando para cima,
quando a bomba explodiu; talvez
pertencessem à defesa antiaérea.

(Adaptado de: John Hersey. Hiroshima.


São Paulo: Companhia das Letras, 2002. p. 59-60.)

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 50


Holocausto

Quando, em 1º de setembro de 1939, Adolf Hitler invadiu a Polônia, tinha inicio também
uma das mais nefastas experiências humanas de todos os tempos: o holocausto, ou seja, o
extermínio sistemático de judeus.
Nessa época, viviam na Polônia cerca de 3,3 milhões de judeus (10 por cento da
população), Após a invasão, os nazistas passaram a confinar essas pessoas em guetos -
bairros de grandes cidades, policiados e cercados.
Treze guetos e 42 áreas de confinamento foram criados em território polonês entre 1939
e 1941. O gueto de Varsóvia, capital da Polônia, era o maior deles, com quase meio milhão
de pessoas. Nesses lugares, os judeus eram obrigados a usar um distintivo especial de
identificação e submetidos a trabalhos forçados, recebiam alimentação insuficiente e não
tinham condições de manter padrões mínimos de higiene e saúde. Além disso, eram alvo
constante da violência dos soldados nazistas.
No dia 20 de janeiro de 1942, o Departamento de Segurança Alemão decidiu pelo
extermínio em massa dos judeus, que seriam transferidos para campos de concentração e
posteriormente executados em câmaras de gás (a essa política genocida deu-se o nome de
solução final). Ao todo, foram construídos seis campos de extermínio em território polonês:
Auschwitz, Chelmno, Treblinka, Majdanek, Sobibor e Belzec.
Nos campos de Auschwitz e Majdanek, erguia-se um gigantesco complexo fabril
formado por empresas alemãs - indústrias químicas, eletrônicas e de armamentos - que
empregavam os presos como mão-de-obra escrava.
Os prisioneiros alimentavam-se apenas de pão e sopa. Muitos morreram de fome,
doença ou simples exaustão; outros suicidaram-se, atirando-se contra as cercas eletrificadas
que circundavam os campos; outros, ainda, foram transformados em cobaias humanas para
supostas pesquisas científicas dos médicos nazistas. Em Auschwitz, por exemplo, esses
médicos injetavam diversos líquidos em adultos e crianças na tentativa de mudar-lhes a cor
dos olhos. Em geral, tais experimentos provocavam efeitos colaterais como paralisia,
epilepsia, perda da voz, chagas pelo corpo, cegueira, convulsão, levando muitos à morte.
Quando o exército soviético libertou os campos de concentração poloneses, entre 1944
e 1945, foram encontrados milhões de cadáveres e apenas 500 mil sobreviventes.
(Adaptado de: Silvia Szterling: O nazismo: história de um
sobrevivente. 2. ed. São Paulo: Ática, 2003. p. 58-61.)

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 51


O Pós-Guerra

Terminada a guerra, França, Inglaterra, Alemanha, União Soviética e Japão, além de outros países,
encontravam-se em escombros, com cidades destruídas, campos devastados e rodovias e ferrovias inutilizadas. Em
muitos lugares, fome e doenças dizimavam a população. Na África e na Ásia, os povos de diversas regiões
começaram a lutar por sua independência.
Em 1948, os representantes dos países membros da ONU assinaram a Declaração Universal dos Direitos
Humanos, documento que estabeleceu princípios de validade universal para o convívio em sociedade, como o direito
à vida, à liberdade e à igualdade entre todos os seres humanos. Embora sua aceitação não represente
obrigatoriedade legal por parte dos governos, ele serviu de base para dois tratados sobre direitos humanos da ONU,
esses sim de força legal: o Tratado Internacional dos Direitos Civis e Políticos e o Tratado Internacional dos Direitos
Econômicos, Sociais e Culturais.
No novo rearranjo de forças, os Estados Unidos e a União Soviética consolidaram-se como as duas maiores
potências do planeta. Em torno desses centros de poder formaram-se dois blocos antagônicos: o bIoco capitalista,
sob liderança norte-americana, e o bIoco socialista, capitaneado pela União Soviética, o antagonismo entre as duas
superpotências daria origem à Guerra Fria, que se estenderia até a dissolução da União Soviética, em 1991.

Atividades Complementares

1. A Segunda Guerra Mundial foi resultado de diversos fatores. Quais foram eles?

2. Escreva um texto sobre a política expansionista da Alemanha, da Itália e do Japão no


período entre guerras.

3. O que foi a Resistência e que papel teve ela na luta contra o nazifascismo?

4. Escreva um texto sabre a holocausto.

5. Explique de que maneira a entrada dos Estados Unidos e da União Soviética na guerra foi
decisiva para a vitória dos Aliados.

6. Como vimos, o rádio desempenhou importante papel na luta da Resistência francesa


contra o nazismo. No Brasil, o rádio só perde para a televisão como maior veículo de
comunicação de massa. De acordo com a legislação brasileira, para colocar uma emissora
de rádio ou de televisão no ar é necessária obter uma concessão do governo federal. Em
sua opinião, a governo faz essas concessões com base em interesses políticos ou em
critérios técnicos? Qual a impacto disso para a sociedade brasileira? Em sua comunidade
existem emissoras de rádio? A quem elas pertencem?

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 52


Referencias Bibliográficas:

•1100 ANOS de República: um retrato ilustrado da história do Brasil. São Paulo: Nova Cultural, 1989.10 v
• ARAÚJO, Vicente de Paula. A bela época do cinema brasileiro. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1985. Salões,
circos e cinemas de São Paulo. São Paulo: Perspectiva, 1981.
• BATISTA, Marta Rossetti; LOPEZ, Telê Porto Ancona; LIMA, Yone Soares de. Brasil: P tempo modernista -
1917/29. São Paulo: IEB, 1972.
• BERTOLLi FILHO, Cláudio. A República Velha e a Revolução de 30. São Paulo: Ática, 2003.
• BRENER, Jayme. 1929: a crise que mudou o mundo. 3. ed. São Paulo: Ática, 2003.
• CARONE, Edgard. Classes sociais e movimento operário. São Paulo: Ática, 1989.
• CARR, Edward Hallett. Que é História? 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
• CARVALHO, António Fernando de Bulhões; REBELO, Marques. O Rio de Janeiro do bota-abaixo. Rio de
Janeiro: Salamandra, 1997.
• CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo:
Companhia das Letras, 1987.
• CRUZ, Heloísa de Faria. Trabalhadores em serviços: dominação e resistência (São Paulo - 1900/1920). São
Paulo: Marco Zero/MCT-CNPq, 1991.
• DECCA, Maria Auxiliadora Guzzo de. A vida fora das fábricas: cotidiano operário em São Paulo (1920-1934). Rio
de Janeiro: Paz e Terra, 1987. Indústria, trabalho e cotidiano: Brasil - 1889 a 1930. 5. ed. São Paulo: Atual, 1991.
• DICIONÁRIO de história do Brasil. 4. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1976.
• FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp/FDE, 1998.
• FERREIRA, Maria Nazareth. Imprensa operária no Brasil. São Paulo: Ática, 1988.
• GOMES, Angela de Castro; PANDOFH, Dulce Chaves; ALBERTI, Verana (Orgs.). A República no Brasil. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira/CPDOC, 2002.
• GRANATO, Fernando. O negro da chibata - O marinheiro que colocou a República na mira dos canhões. Rio de
Janeiro: Objetiva, 2000.
• MAZZEO, António Carlos. Burguesia e capitalismo no Brasil 2. ed. São Paulo: Ática, 1995.
• MONTEIRO, Hamilton M. Brasil República. São Paulo: Ática, 1986.
• PENNA, Lincoln de Abreu. República brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

LIVROS PARA PESQUISA

Vereda Digital História - História: Das História 3º ano - Das cavernas ao


cavernas ao terceiro milênio terceiro milênio
Autor: Myriam Da Proclamação da República no
Becho Mota, Brasil aos dias atuais
Patrícia Ramos Autor: Myriam
Braick Becho Mota,
Disciplina: História Patrícia Ramos
Indicação de Braick
série: 1º Ano (EM), Disciplina: História
2º Ano (EM), 3º Indicação de
Ano (EM) série: 3º Ano (EM)

HISTÓRIA - 3º ANO – ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2016 53