Você está na página 1de 4

RITMO, EIXO E FREQUÊNCIA

  • INTRODUÇÃO AO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma registra as alterações de potencial elétrico entre dois pontos do corpo. Estes potenciais são gerados a partir da despolarização e repolarização das células cardíacas. Normalmente, a atividade elétrica cardíaca se inicia no nodo sinusal que induz a despolarização dos átrios e dos ventrículos. Esse registro mostra a variação do potencial elétrico no tempo, que gera uma imagem linear, em ondas. Onda P: representa a despolarização atrial. Intervalo PR: retardo do impulso nervoso no nódo atrioventricular Segmento PR: Representa a despolarização atrial e o retardo fisiológico do estímulo ao passar pelo Nó Atrioventricular (AV). QRS: despolarização dos ventrículos. Intervalo QT: o conjunto da despolarização e repolarização dos ventrículos. Segmento ST: Representa o início da repolarização ventricular Onda T: repolarização dos ventrículos.

RITMO, EIXO E FREQUÊNCIA  INTRODUÇÃO AO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma registra as alterações de potencial elétrico
  • RITMO CARDÍACO Para identificar o ritmo: Espera-se encontrar o ritmo sinusal normal, isto é, aquele que se inicia no NSA e manifesta apenas uma onda P por ciclo. Procurar em I, II e aVF Ritmo regular: Distância entre ondas semelhantes é sempre a mesma Ritmo irregular: Distância entre ondas semelhantes não é sempre a mesma Ritmo sinusal: Ritmo fisiológico do coração, que se origina no átrio direito alto Onda P precedendo o QRS Ondas P são necessariamente positivas nas derivações D1, D2 e aVF (A gente tem que olhar isso no papel, para ver se o ritmo é sinusal. Não necessariamente o ritmo sinusal é regular. Ele pode ser irregular, como é o caso da arritmia sinusal, que acontece, principalmente, em crianças e idosos. A onda P normal possui amplitude máxima de 2,5mm e duração inferior a 110 ms. Ausência de Onda P em D1, D2 ou aVf significa que o ritmo não é sinusal. A fibrilação atrial não possui onda P em D1, D2 e aVF e tem, portanto, um ritmo não sinusal A taquicardia supraventricular tem um ritmo ventricular não sinusal com QRS estreito O ritmo é estreito se o estímulo sai de algum lugar acima do feixe de Hiss e é largo se ele sair de qualquer lugar abaixo do feixe de Hiss

RITMO, EIXO E FREQUÊNCIA  INTRODUÇÃO AO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma registra as alterações de potencial elétrico
RITMO, EIXO E FREQUÊNCIA  INTRODUÇÃO AO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma registra as alterações de potencial elétrico
  • EIXO CARDÍACO A atividade elétrica do coração é captada por eletrodos Derivação é a linha que une, eletricamente, os eletrodos A derivação é bipolar quando o potencial é captado por dois eletrodos e unipolar quando é captado por apenas um Estuda-se o coração através de dois planos, o horizontal e o frontal

PLANO HORIZONTAL DERIVAÇÕES PRECORDIAIS:

Corte do coração no sentido AP É determinado através de seis derivações unipolares, as derivações precordiais Posicionadas em V1 V2 V3 V4 V5 V6 Pode-se identificar a direção de um vetor cardíaco para a direita ou para a esquerda e para frente ou para trás V1: 4° espaço intercostal direito na linha para esternal. V2: 4º espaço intercostal esquerdo na linha paraesternal. V3: entre V2 e V4. V4: 5º espaço intercostal esquerdo na linha hemiclavicular. V5: 5º espaço intercostal esquerdo na linha axilar anterior. V6: 5º espaço intercostal esquerdo na linha axilar média.

 EIXO CARDÍACO A atividade elétrica do coração é captada por eletrodos Derivação é a linha
 EIXO CARDÍACO A atividade elétrica do coração é captada por eletrodos Derivação é a linha
 EIXO CARDÍACO A atividade elétrica do coração é captada por eletrodos Derivação é a linha

PLANO FRONTAL DERIVAÇÕES PERIFÉRICAS Corte do coração no sentido vertical É determinado a partir de 6 derivações periféricas Três bipolares (D1 D2 D3) e três unipolares (aVR, aVL, aVF) Neste plano é possível identificar a direção de um vetor cardíaco para a direita ou esquerda e para cima ou para baixo Idealizado por Einthoven Braços direito e esquerda e perna esquerda

VETOR MÉDIO OU EIXO ELÉTRICO Passos para determinar o eixo elétrico (método do quadrante):

Identificar a derivação onde o QRS está isoelétrico ou isodifásico (p. ex., D1). Anotar a derivação com que aquela primeira (D1) faz 90º (no exemplo, aVF). Observar na última derivação (aVF), se a deflexão QRS se apresenta com predomínio de positividade ou negatividade

Se o predomínio for (A) de positividade, significa que o vetor médio está direcionado para o polo positivo dessa derivação (aVF), e se o predomínio for (B) de negatividade significa que o vetor médio está direcionado para o polo negativo dessa derivação (aVF). Então, seria de 0º a +90º ou de 0º a -90º.

    Passos para determinar o eixo elétrico (método matemático) Precisamos usar derivações que
Passos para determinar o eixo elétrico (método matemático)
Precisamos usar derivações que são perpendiculares entre si, ou seja, D1 x aVF, D2 x aVL, D3 x aVR. Apenas uma basta.
Macete para saber quem vai com quem: no alfabeto, a letra F antecede a letra L, que antecede a letra R
F – 1, L – 2, R – 3

Neste ECG, vamos utilizar D1 x aVF

Para realizar esse método, precisamos fazer a resultante do complexo QRS. Para cima é positivo, para baixo é negativo.

Se observarmos neste ECG em questão, ambos os complexos QRS estão apenas positivos.

QRS de D1 tem 8 quadradinhos (positivos)

QRS de aVF tem 3 quadradinhos (positivos)

Agora, vamos para a rosa dos ventos

Na rosa, colocaremos quadrados sobre as partes positivas de D1 e de aVF Fazemos uma marcação correspondente ao número de quadradinhos de cada um encontrado no ECG (8 D1 e 3 aVF)

Fazemos a interseção de ambos e, com isso, encontramos o eixo cardíaco aproximado

    Passos para determinar o eixo elétrico (método matemático) Precisamos usar derivações que
    Passos para determinar o eixo elétrico (método matemático) Precisamos usar derivações que

FREQUÊNCIA CARDÍACA (BPM)

 

Macete: para identificar a frequência, 300 dividido pelo número de quadrados grandes entre duas ondas R ou 1500 dividido

pelo número de quadradinhos. Um quadrado grande é formado por 5 quadradinhos. Frequência normal 50-10 bpm

 FREQUÊNCIA CARDÍACA (BPM)  Macete: para identificar a frequência, 300 dividido pelo número de quadrados