Você está na página 1de 18

Capítulo 20

Design e artesanato no Nordeste:


sustentabilidade e verbos criativos
Lia Monica Rossi

Design: uma palavra exótica para os brasileiros há 60 anos, hoje nomeia


popularmente inúmeras atividades, como maquiagem de rostos e de produtos. Da
mesma forma, para a maioria das empresas e das instituições oficiais, a compreen-
são do termo vagueia pelo mito redentor de que todos os problemas serão resolvi-
dos através de uma nova e sedutora estética. E no caso específico da atuação junto
ao Artesanato, aspectos intrínsecos ou correlatos ao projeto de design, como o
cálculo de custos, modelagem e seriação, ergonomia e segurança no trabalho etc.
não são considerados pelo cliente (e nem sempre pelos próprios designers).
Para esclarecer nossa posição, citamos Redig (1977):

Desenho Industrial (Design) é o equacionamento simultâneo de fato-


res ergonômicos, perceptivos, antropológicos, tecnológicos, econômicos
e ecológicos, no projeto dos elementos e estruturas físicas necessárias à
vida, ao bem-estar, e/ou à cultura do homem (p. 32).

Este conceito com jeito de manifesto pode parecer óbvio para muitos, mas
certamente não é para todos, principalmente para novas gerações de docentes e
estudantes. E o que é mais interessante hoje, com o advento de novos termos, é
constatarmos que Sustentabilidade é desde sempre parte integrante da atividade
do Designer como conceituada acima e como nós a compreendemos:

Sustentabilidade: “condição de permanência em certo nível por determi-


nado tempo”. Para ser sustentável o projeto deve integrar a questão so-
cial, a questão econômica, a questão energética e a questão ambiental.
Isto é, o projeto deve ser socialmente justo, economicamente viável, eco-
logicamente correto e também culturalmente diverso (Wikipedia, 2015).
244 Ecovisões projetuais: pesquisas em design e sustentabilidade no Brasil

Intervenções

Bauhaus, a primeira escola de design (Alemanha, 1918), procurou incorporar


a sabedoria artesanal na passagem para a criação de produtos para a indústria. No
Brasil, ao contrário, o artesanato foi largamente ignorado por um Modernismo
míope adepto do “look industrial” ou uma “estética da máquina” aparentemen-
te industrial, muitas vezes presentes nos protótipos bauhausianos. Como costuma
acontecer entre espíritos colonizados, imita-se o resultado, mas não o espírito gera-
dor. Em oposição a essa corrente dominante no design oficial, tem grande destaque
o trabalho das arquitetas Lina Bo Bardi e Janete Costa no resgate e inserção da arte
popular e de produtos artesanais em importantes exposições, consultorias e proje-
tos arquitetônicos e culturais desde as décadas de 1950 e 1960.
Algumas modalidades artesanais no país são centenárias. Cerâmica, cestaria
e trançado são de tradição indígena. Algumas são técnicas da Antiguidade, dis-
seminadas na Idade Média por e para nobres, aristocratas e eclesiásticos. O tra-
balho em couro remete aos antigos ofícios tradicionais europeus. Rendas foram
trazidas pelos europeus a partir do século XVII, e os bordados transmitidos em
escolas de educadoras religiosas até meados do século XX. Por que então a ênfase
na intervenção oficial a partir de décadas recentes, e por que buscar a contribui-
ção de designers nessas intervenções?
A exemplo do que já aconteceu em outros países, como Espanha, México e
Colômbia, no início da década de 1990 agências governamentais brasileiras per-
ceberam a emergência de “salvar” nosso artesanato da extinção. Para nós, essa
preocupação surge no vértice de duas situações opostas, mas convergentes.
De um lado, a grande redução na antiga e disseminada demanda por artigos
feitos a mão, como os enxovais de casamento e de bebê que mães e avós guar-
davam em baús domésticos, usuais nas casas burguesas até uns 50 anos atrás, as
toalhas de banquete ricamente bordadas, rendadas e engomadas primorosamente
pelas serviçais. Para a maioria de antigos consumidores desses artigos, não há
mais banquetes nem serviçais.
Por outro lado, temos o artesanato que no Brasil ainda é conceituado como
produto mal-acabado, barato e fora de moda. Como saída da crise, significativos
desafios se colocam para os agora envolvidos na mesma causa: promotores, de-
signers e artesãos. Além de melhorar (ou preservar) a geração de renda, o produto
resultante deve atender a mudança nos padrões de consumo das novas gerações, a
concorrência de produtos industriais “com cara de artesanato”, o artesanato im-
portado a preços imbatíveis (feito por artesãos pior remunerados que os nossos) e
muito mais. Nem pequeno, nem fácil, nem curto é esse novo caminho.
Em outras palavras: torna-se fundamental mudar de patamar e de conceito,
revestir-se de novas linguagens mercadológicas, produtivas, logísticas, estilísticas
Design e artesanato no Nordeste: sustentabilidade e verbos criativos 245

e outras para atender novos nichos de consumo, para atingir novo status para
o produto e para o produtor. Esse é o “neoartesanato”, como denominado pe-
los ibéricos (Machado, 1982). Como em outros países, o design veio contribuir
oportunamente nesses aspectos e, simbioticamente, o artesanato lhe ofereceu uma
opção desejável e viável de atuação na geração e/ou adequação de produtos para
novos usuários. Para o designer, uma alternativa de realização profissional face à
descrença por um país industrialista, e a correlata e irrealizada inserção maciça do
design na produção nacional como era sonhada na década de 1960.
Sem dúvida a avassaladora atualização tecnológica conquista hoje cada
vez mais espaços e redes emocionais. Mas, irônica e felizmente, e contrariando
expectativas, parece que a invasão de gadgets e games globalizados também
provoca, em vez de reduzir, a busca por “identidades”, por diferenças nacionais,
locais ou individuais.
Assim, o artesanato vem preencher essa lacuna pelo “único”, pelo “ser dife-
rente” que se abriga em cada alma humana. E em uma sociedade de consumo, o
“diferente e único” pode ser adquirido, mesmo que não tenha sido vivido. Mas
atenção: nada disso interessa ao artesão, que, como qualquer produtor, quer ven-
der muito pelo melhor preço.1 Filosofias à parte, a vida do artesanato não repre-
senta só a sobrevida de uma importantíssima e ancestral atividade cultural, mas
também uma significativa razão econômica para o país e principalmente para a
cadeia produtiva. Estima-se que 8,5 milhões de brasileiros estão envolvidos no
setor artesanal, gerando R$ 50 bilhões por ano (Empresa Brasil de Comunicação,
2013). É nesse contexto que situamos nosso trabalho.

Abordagem e método
Para este artigo foram selecionados 10 estudos de caso dentre muitos de
nossa atuação (Borges, 2011), alguns em parceria com o designer José Marconi
Bezerra de Souza, de 1994 a 2015, em 14 comunidades do Nordeste, em 9 moda-
lidades artesanais: Renda Labirinto, Renda de Bilro, Renda Renascença, Renda
Irlandesa, Batique, Pintura em Seda, Couro caprino, Ponto de Cruz e Rendendê.
Alguns projetos fizeram sucesso, alguns não, e outros não sabemos. A contratação
de consultoria pelas agências governamentais não inclui o acompanhamento da
pós-produção e o fundamental feedback e ajustes de todo o processo.
Temos como método de trabalho inicial conversar com os artesãos, observar
e perguntar muito, coletar dados gerais sobre a história e as origens da modali-
dade no local, o grupo e as relações de produção, o produto, a comercialização,
a saúde e os postos de trabalho etc. Aos poucos nos inteiramos de questões pro-
dutivas, financeiras, administrativas e ergonômicas. Assim como é usual na ma-
nufatura industrializada, péssimas condições de trabalho também são recorrentes
246 Ecovisões projetuais: pesquisas em design e sustentabilidade no Brasil

no artesanato. Warren (1976) relata o uso de banhos de uísque nos olhos usados
pelas bordadeiras inglesas na era vitoriana (século XIX) para anestesiar o cansaço
visual em jornadas de 16 horas. Em Alagoas, flagramos bordadeiras sentadas sob
a fraca lâmpada do poste de luz da rua (em casa não seria mais forte).
Também vamos conhecendo dados pessoais, como funções e habilidades
específicas, aspirações individuais etc. Evidentemente o diálogo não tem a ob-
jetividade descrita aqui, e a confiança e o conhecimento mútuos vão se cons-
truindo paulatinamente, procurando uma linguagem comum. Eventualmente,
já nesse primeiro encontro, são propostas algumas ideias a serem desenvolvi-
das como amostras ou protótipos. Fornecemos o material e remuneramos as
amostras ou protótipos independentemente da qualidade dos resultados. O
tempo investido pelo artesão na confecção de uma nova amostra corresponde
ao tempo que ele utilizaria em um produto do seu repertório, com consumidor
conhecido ou provável. Nos projetos institucionais junto ao Artesanato nunca
há previsão de gastos com protótipos, como é usual na indústria, e como seria
justo com o artesão.
Após posterior análise e reflexão sobre os dados e os produtos, começamos
a elaborar alternativas mais objetivas de solução, de mudança, de melhoria. O
caminho utilizado geralmente é a técnica de Verbos Criativos, Generativos ou
Verbos de Ação (Roukes, 1988). Veremos nos exemplos a seguir que raramente o
resultado é um produto totalmente novo. É usual que sejam pequenas interven-
ções no repertório já produzido pela comunidade, além de eventuais ações extrín-
secas ao design, mas fundamentais, como fornecimento de óculos ou luminárias.
É importante frisar que temos como princípio respeitar as redes de interação
social local (vicinais, familiares) e valorizar o patrimônio estético da comunida-
de que sempre nos serve de inspiração. E, principalmente, que toda proposta de
mudança apresentada aos artesãos é somente uma alternativa (estética, formal,
funcional, mercadológica) ao repertório do grupo. Cabe a eles incorporar ou não
as novas ideias segundo seus próprios critérios.

Verbos criativos
Nos exemplos a seguir mostraremos a aplicação de alguns Verbos Criativos
em nossos trabalhos de consultoria junto ao artesanato. São eles: Adaptar, Frag-
mentar, Combinar, Substituir, Reduzir, Eliminar, Diversificar, e Promover/Valori-
zar, utilizados sozinhos ou combinados.

1. ADAPTAR um bom “desenho original”


Renda Labirinto/Chã dos Pereira, Agreste Paraibano
Pintura em seda/Catolé do Rocha, Sertão Paraibano
Design e artesanato no Nordeste: sustentabilidade e verbos criativos 247

Cliente: PAB/SETRAS PB, 1994 e 1995


Designers: Lia Monica Rossi e José Marconi B. de Souza

O trabalho de adaptação consiste em fazer uma interpretação do tema pro-


posto para a linguagem técnica e expressiva da modalidade artesanal em questão.
Sabemos que os motivos tradicionais para Renda Labirinto datam dos séculos
XVI e XVII na Europa. No final do século XX, bordadeiras de Chã dos Pereira
ainda executavam, em grupo e durante muitos meses, toalhas de banquete far-
tamente preenchidas com intrincadas volutas barrocas.2 Nossa proposta foi no
sentido de inovar, regionalizar e atualizar essa linda modalidade artesanal. A rica
arte rupestre (Almeida, 1979) tão disseminada na Paraíba serviu de inspiração
para novos temas na Renda Labirinto. Posteriormente esses temas também foram
utilizados na Pintura em seda, modalidade solicitada pelas batiqueiras do Sertão
exaustas pelo árduo trabalho do Batique.

Figura 1 Motivos de arte rupestre. Motivos adaptados para Renda Labirinto e para xale com pintura em seda.

2. ADAPTAR componentes tradicionais para novos produtos


Couro caprino/Ribeira de Cabaceiras, Cariri Paraibano
Cliente: SIC/Senai-PB/Arteza, 1998
Designer: Lia Monica Rossi

O Cariri nordestino é conhecido pela extensa criação de caprinos e pro-


dutos derivados do couro curtido tradicionalmente na casca de angico (ta-
nante). Ultimamente, a motorização dos vaqueiros diminuiu a demanda de
produtos para suas tarefas a cavalo, como montaria, selas, arreios e vesti-
mentas. Os novos produtos propostos deveriam aproveitar suas habilidades
248 Ecovisões projetuais: pesquisas em design e sustentabilidade no Brasil

coureiras e atender novos consumidores. Um novo nicho, de poder aquisi-


tivo maior, é representado pelos frequentadores de rodeios e vaquejadas.
Entre outros produtos desenvolvemos a “mochilinha” adaptando o chapéu de
vaqueiro fechando-o com zíper e utilizando um arreio de cavalo (trança de
8 fios) para a alça. No design do novo colete feminino, foram adaptados os
adornos tradicionais de sela em relevo acolchoado e acabamentos em costura
de suvela.3

Figura 2 “Mochilinha” de chapéu de vaqueiro. Adornos da sela tradicional. Novo colete feminino.

3. FRAGMENTAR elementos e COMBINAR com produto tradicional


Couro caprino/Ribeira de Cabaceiras, Cariri Paraibano
Cliente: SIC PB/ SENAI PB/ Arteza, 1998
Designer: José Marconi B. de Souza

Analisando produtos de montaria já fabricados pela comunidade, os compo-


nentes foram fragmentados, separados de seu contexto e categorizados em novos
arranjos. A tradicional sandália nordestina tipo franciscana serviu de base para o
design do novo calçado, combinada àqueles elementos extraídos e fragmentados.
Foram utilizados ambos lados (flor e carnal) do couro caprino curtido localmente
e acrescentados solados de borracha, elásticos, cadarços, rebites, metais, colagem
e demais materiais e técnicas já utilizadas pelos artesãos locais.4
Design e artesanato no Nordeste: sustentabilidade e verbos criativos 249

Figura 3 Componentes de selaria fragmentados. Novos calçados.

4. ELIMINAR desperdício
Couro caprino/Ribeira de Cabaceiras, Cariri Paraibano
Cliente: SIC/Senai-PB/Arteza, 1998
Designer: Lia Monica Rossi

As patas do animal são partes desvalorizadas do couro natural; nos caprinos


elas não atingem a medida padrão do couro que é 1 “pé quadrado” (30 cm x 30 cm
aproximadamente) e então são recortadas para pequenos objetos de menor valor
agregado, como chaveiros. Neste projeto utilizamos patas inteiras aproveitando e
valorizando seu formato natural como tampo de bolsa simples em couro cru.

Figura 4 Pata de caprino como tampo de bolsa.


250 Ecovisões projetuais: pesquisas em design e sustentabilidade no Brasil

5. ELIMINAR processo de estamparia insalubre, ADAPTAR um bom ori-


ginal e ELIMINAR parte dolorosa do processo
Batique/Catolé do Rocha, Sertão Paraibano
Cliente: PAB/Setras-PB, 1994
Designers: Lia Monica Rossi e José Marconi B. de Souza

O Batique, tradicional na Tailândia, chega ao Brasil na década de 1960. Essa


modalidade de estamparia supõe isolamento por cera de partes do desenho que
vão sendo tingidas por cores separadamente. Tradicionalmente a cera depois é
retirada usando contínuas passadas de ferro elétrico sobre camadas de papel jor-
nal. Quando chegamos à comunidade, as artesãs apresentavam dores gástricas,
inflamação das mucosas do nariz e garganta. Por razão de rapidez e economia
de energia, o ferro quente usado para eliminar a cera tinha sido substituído por
mergulhar a peça em uma solução de formol em água fervente.
Contratamos um técnico químico do Senai-PE para examinar o processo e
propor alguma solução. Por ser um catalisador, o acréscimo do formol na água de
tingimento a 100 °C elevava a temperatura a 160 °C, vaporizando-se no ambiente
e invadindo o organismo através das mucosas. A solução proposta pelo técnico
foi colocar o formol com a água a 50/60 °C. Como se vê, um “novo produto” não
era absolutamente a prioridade naquele momento.
Em outra intervenção vimos que a maneira utilizada pelas batiqueiras para
inserir a cor preta no último tingimento supunha a retirada da cera em todo o
contorno do desenho com “meia-tesoura” e dedos enfaixados. Técnica trabalhosa
e perigosa, além de deteriorar progressivamente os detalhes do desenho. Adaptar
um novo e bom original com cuidadosa seleção de cores para os diferentes banhos
de cor permitiu reservar naturalmente para o último tingimento as áreas de preto
e eliminar a penosa tarefa da “meia-tesoura”.

Figura 5 Batiqueira com “meia-tesoura”. Contorno raspado para cor preta. Detalhe de Batique com novo processo de
inserção do preto.
Design e artesanato no Nordeste: sustentabilidade e verbos criativos 251

6. SUBSTITUIR matéria-prima perecível


Renda de Bilro/Caiçara, Curimataú Paraibano
Cliente: PAB/Setras-PB, 1995
Designers: Lia Monica Rossi e José Marconi B. de Souza

Pedaços de papelão de caixas de sapato são tradicionalmente utilizados como


gabaritos (“pique”) dos motivos de Renda de Bilro. No “pique” são afixados os
espinhos de mandacaru ou alfinetes que guiam os bilros sobre a almofada.
Esse papelão é frágil e quebradiço e exige contínua reprodução dos “piques”
em novo papelão, o que resulta em progressiva deformação do desenho. A Renda
resultante é irregular na modulação do motivo, variável na largura e ondulada no
comprimento. Os defeitos prejudicam sua qualidade, seu preço e sua aplicação
no tecido.
A título de experiência, alteramos radicalmente a matéria-prima do “pique”
no processo. Após análise da geometria do motivo, o risco foi reconstruído por
computação gráfica e impresso por serigrafia em lâmina de PVC flexível. O novo
risco fez grande sucesso entre as rendeiras.5

Figura 6 Cartão de “pique” original. Novo cartão em PVC. Nova renda.

7. REDUZIR para otimizar


Renda Irlandesa/Divina Pastora, Leste Sergipano
Cliente: Artesanato Solidário/Artesol, 2002
Designer: Lia Monica Rossi
A Renda Irlandesa da Divina Pastora foi elevada a Patrimônio Material com
selo de Indicação Geográfica em 2008. É das mais valorizadas do país, em parte
devido ao custo do lacê industrial de seda usado como matéria-prima e ao seu
intrincado desenho barroco. O custo e o estilo não favorecem um consumo fácil.
A ideia foi criar produtos menores, rápidos de fazer e menos custosos. Apro-
veitando a proximidade da época natalina, escolhemos montar com as rendeiras
252 Ecovisões projetuais: pesquisas em design e sustentabilidade no Brasil

uma oficina de criatividade onde elas deveriam desenhar adornos para a Árvore.
Reagiram, porque algumas jamais tinham segurado um lápis, mas os resultados
foram surpreendentes, bonitos e criativos.6

Figura 7 Adornos de Natal em Renda Irlandesa.

8. ELIMINAR processo de acabamento


Renda Labirinto/Córrego do Rodrigues, Litoral Leste Cearense
Cliente: Secretaria da Cultura do Ceará/Sebrae-CE, 2003

Organdi é um tecido de fios muito finos tramados muito próximos, o que lhe
confere uma aparência de papel. A Renda Labirinto em organdi é especialmente
trabalhosa e delicada pela dificuldade de desfiar o tecido a ser bordado. As peças
são feitas no bastidor e, como no caso destes panos de bandeja, o tecido vai sendo
deslocado e reafixado no bastidor. Como é tradição no Labirinto, só por ocasião
da venda e na frente do cliente são recortados os excessos de tecido em toda a
volta e por fim separadas as peças. A beleza desta peça com 6 panos de bandeja
aguardando sua separação nos inspirou a criação de um xale simplesmente eli-
minando essa separação. Um trabalho a menos e um lucro a mais, sempre lem-
brando que peças de vestuário são muito mais valorizadas pelo mercado que as
de cama e mesa.
Design e artesanato no Nordeste: sustentabilidade e verbos criativos 253

Figura 8 Xale de panos de bandeja ainda unidos.

9. DIVERSIFICAR para sobressair


Bordado Rendendê/Entremontes, Rio São Francisco, Sertão Alagoano
Cliente: Artesanato Solidário/Artesol, 2000 e 2002
Designer: Lia Monica Rossi

O tradicional Rendendê de Sergipe e Alagoas, vendido aos turistas em merca-


dos e feiras locais e na beira do Rio S. Francisco, geralmente é confeccionado em
algodão rústico chamado “Panamá Pesado”, acrescido de temas em ponto cruz
(como moranguinhos copiados de revistas europeias) e cercado de bico de crochê
branco. A variedade de adornos, acabamentos e cores competem com a geometria
do tema em Rendendê e não valorizam o trabalho manual investido.
Tendo em vista novos mercados no Sudeste do país, com apoio do Arte-
sanato Solidário/Artesol, desenvolvemos novas linhas de produtos de Renden-
dê em linho e cambraia de linho Braspérola7 aplicando somente o Rendendê. A
qualidade do tecido (mais fios na trama por cm) reduziu o tamanho dos pontos,
aumentando sua delicadeza,8 mas triplicou o tempo de confecção. Como intervie-
mos diretamente nos aspectos da produção, o desenvolvimento do novo design
demandou uma ação de treinamento. Realizamos então uma série de oficinas
chamadas “Tempo e Linha” (Cavalcanti, 2003) para exercitar o cálculo de custos
de novas matérias-primas e de mão de obra. É importante frisar que das 60 bor-
dadeiras somente 10% se dispuseram a trabalhar nos novos tecidos, que exigem
maior acuidade visual e precisão técnica. Para novas linhas de produtos em algo-
dão, optamos pelo Panamá Leve (14 fios duplos/cm) acessível a todas.9
254 Ecovisões projetuais: pesquisas em design e sustentabilidade no Brasil

Figura 9 Rendendê em Panamá Pesado (12 fios/cm), linho misto (15 fios/cm) e cambraia de linho (30 fios/cm).

10. PRESERVAR, PROMOVER, VALORIZAR, REVITALIZAR...


Bordado Rendendê/Entremontes, Rio São Francisco, Sertão Alagoano
Projeto da Coleção Samplers para ACASA/São Paulo (s/d prevista)
Designer: Lia Monica Rossi

Rendendê é o nome adaptado de Hardanger, bordado nórdico tradicional


aplicado a vestuário, cama e mesa. A Coleção Samplers, projeto que mantemos
em lenta, mas contínua execução em Entremontes (AL), pretende explicitar em
uma exposição o processo de confecção do bordado Rendendê, a beleza e varie-
dade de seus pontos (Memória de Ofício).

Figura 10 Fases de confecção do ponto aranha do Rendendê em linho Carambeí (rami) pela bordadeira Julienne.

Algumas reflexões
Muito aprendemos como designers e como pessoas trabalhando com arte-
sãos. Vilarejos, coisas, vivências e gentes inesperadas habitam no final de estradas
Design e artesanato no Nordeste: sustentabilidade e verbos criativos 255

de terra esburacadas, boleias de caminhão, viagens pelo rio, caronas em motos de


vaqueiros pelo sertão. Lugares que não estão no mapa, desfazendo nossos muitos
mitos acadêmicos e confirmando que Design raramente é só uma intervenção
estética. Esperamos ter demonstrado aqui que é um conjunto mais complexo de
intrincadas relações.
No processo de revitalização do artesanato no Brasil a partir de década de
1990, muito foi feito, mas muito mais falta fazer e fazer diferente. As instituições,
mesmo que bem-intencionadas, têm dificuldade em compreender alguns aspectos
da intervenção do Design no Artesanato: a abrangência possível e desejável de
suas ações, os limites técnicos e o tempo necessário para uma intervenção mini-
mamente responsável, eficaz e sustentável. Infelizmente os últimos governos não
mostraram algum interesse pelo tema, mas isso não impede ações de novos gru-
pos e pesquisadores.10
Através de relatos neste 5° SBDS, compreendemos de maneira mais clara
profundas diferenças entre modalidades abarcadas no Brasil sob o termo co-
mum de Artesanato. A tradição ceramista, por exemplo, das mais antigas do
mundo, data também no Brasil de milhares de anos anteriores ao descobrimento
europeu. Peculiaridades antropológicas e ecológicas pré-históricas que perdu-
ram nos dias de hoje, um pertencimento com a terra local, obtida e trabalhada
corporalmente, conferem à Cerâmica, e a seu artesão, o caráter único de uma
relação telúrica.11 Algo bem diferente ocorre com o bordado, tradicionalmente
sofisticado. O processo ancestral de plantar o algodão, colher, descaroçar, fiar e
tramar o tecido foi substituído pela produção automatizada. Hoje a bordadeira
utiliza linhas e tecidos industrializados em lugares distantes ou desconhecidos,
em desenhos trazidos por eclesiastas e nobres europeus notadamente no século
XIX. Somam-se a isso significativas diferenças na comercialização dos produtos
dessas duas modalidades.
Além do atual descaso governamental, o segmento artesanal como um todo
vive os problemas de sempre, como por falta de incentivos, gestão, distribuição,
marketing etc.12 No caso específico de rendas e bordados, há ainda problemas
com a matéria-prima, como a descontinuidade na oferta de linhas e tecidos de
fibras naturais, entre outros.13
Por tudo que foi dito, esperamos que sejam efetivadas muitas ações14 como
forma de preservação, valorização e revitalização das habilidades manuais, docu-
mentados e divulgados os produtos antigos e atuais das comunidades. Nós conti-
nuamos trabalhando. Talvez iludidos, certamente apaixonados.
Artesanato: riqueza da cultura brasileira e sobrevivência de muitos brasilei-
ros e brasileiras.
256 Ecovisões projetuais: pesquisas em design e sustentabilidade no Brasil

Referências

Livros
ALMEIDA, R. A Arte Rupestre nos Cariris Velhos. João Pessoa: Ed. Universitária/
UFPB, 1979.

BORGES, A. Design+Artesanato – O caminho brasileiro. São Paulo: Terceiro


Nome, 2011.

CAVALCANTI, C.; MATTOSO, C. (Org.). Da sede ao pote. São Paulo: Comuni-


tas, Gama, 2003.

DILLMONT, T. Encyclopedia of Needlework. Mulhouse: DMC Library, 1886.

GEISEL, L.; LODY, R. (Org.). Artesanato Brasileiro – rendas. Rio de Janeiro:


Funarte, 1981.

GUIMARÃES, D.; CARVALHO, G. Ceará feito a mão. Fortaleza: Terra da Luz, 2000.

MACHADO, S. F. C. Guia de la Artesania de Santa Cruz de Tenerife. Direccion


General de la Pequeña y Mediana Industria/Seccion de Artesania, Cabildo
Insular de Tenerife, 1982.

REDIG, J. Sobre Desenho Industrial. Rio de Janeiro: ESDI, 1977.

ROUKES, N. Design Synectics. Worcester: Davies Publications, 1988.

WARREN, G. A Stitch in Time – Victorian and Edwardian Needlecraft. New


York: Taplinger Publishing Company, 1976.

Artigos
BORGES, A. A intervenção do design no produto de artesanato. In SAMPAIO,
H. (Coord.). Artesanato, Intervenções e Mercados – caminhos possíveis. São
Paulo: Artesanato Solidário, 2007. p. 33.

SOUZA, J. M. B.; ROSSI, L. M. Design e Artesanato do cenário paraibano. In


Anais do Fórum Internacional de Design e Diversidade Cultural, 1994, Flo-
rianópolis, SC. Federação das Indústrias de Santa Catarina. p 16-20.
Design e artesanato no Nordeste: sustentabilidade e verbos criativos 257

______. Design e Artesanato no cenário paraibano. In: Pesquisa e Desenvolvi-


mento em Design, 1994, São Paulo. Anais do P&D Design 1994, Associação
Nacional dos Designers, Rio de Janeiro, 1994, vol 2.

______. Artesanato e Design: uma união desejável. UFPB/Dep. Design Campina


Grande, PB. 1999. Não publicado.

Entrevistas
ROSSI, L.M. Artesanato tradicional no espaço urbano – Rendas e Bordados. 2004.
Artesanato Solidário/Sesc-SP. Entrevista concedida à Documenta Video Brasil.

______. Estudo de caso e entrevista na íntegra. In MESQUITA, A.; AZEREDO, N.


Aproximação entre Designers e Artesãos – impacto social, cultural e econô-
mico. Monografia, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Flu-
minense. Campos dos Goytacases, RJ, 2013. p. 93-103, 124-133. Entrevista
concedida às autoras.

______. Design Popular Brasileiro – Renda: Diversa como o Brasil. In BRASIL.


Almanaque da Cultura Popular, São Paulo, ano 15, n. 174, p. 28. Entrevista
concedida a N. Pesciotta em out. 2013. Andreato Com. e Cultura.

ROSSI, L. M.; SOUZA, J. M. B. O artesão não é o guardião da cultura e identida-


de nacionais. 2012. Entrevista concedida a Daniel Douek. Entrevista conce-
dida a Daniel Douek para A Casa, Museu do Objeto Brasileiro, São Paulo.”

Catálogos
GAMA, M.; FONSECA, M.; MEDEIROS, S. (Org.). Rendeiras e Labirinteiras de
Nisia Floresta (RN). Natal: UFRN; Comunidade Solidária, 2001.

LEITE, R. P. (Coord.). Sítio dos Bordados (SE). Projeto “Artesanato, tecnologia e de-
senvolvimento no Baixo São Francisco”. Aracaju: Artesanato Solidário, 2004.

______. (Coord.). Porto dos Bordados/Porto da Folha (SE). Projeto “Artesanato,


tecnologia e desenvolvimento no Baixo São Francisco”. Aracaju: Artesanato
Solidário, 2004

PAIVA, V. (Coord.). Bordados de Entremontes (AL). Brasília: Artesanato Solidário,


2001.
258 Ecovisões projetuais: pesquisas em design e sustentabilidade no Brasil

ROSSI, L. M.; SOUZA, J. M. B. Design e Artesanato Paraibano – Projeto de Pes-


quisa, Produto e Extensão. João Pessoa, 1994. DDI UFPB/ATECEL UFPB/
Setras-PB. Relatório de pesquisa e criação de produtos para as modalidades
Renda de Labirinto, Tecelagem de Redes e Batique. Não publicado.

______. Design e Artesanato Paraibano – Projeto de Pesquisa, Produto e Exten-


são. João Pessoa, 1995. DDI UFPB/ATECEL UFPB/Setras-PB. Relatório de
pesquisa e criação de produtos para as modalidades técnica mista: Pintura
em seda com Batique, Renda de Bilro e Renda Renascença, Identidade visual
para Artesanato, Motivos rupestres e ecológicos, catálogos de produtos de
Batique, Novo suporte para Renda de Bilro. Não publicado.

ROSSI, L. M.; GUIMARÃES, D. Pesquisa do Artesanato Cearense. Fortaleza,


2003/2004. Sebrae/Secult/CDMAC. Relatórios de pesquisa e criação de
produtos para as modalidades Tecelagem de Rede em Jaguaruana, Tece-
lagem em Carquejo e Mocambo, Renda Labirinto em Aracati, Trançado
de Sisal em Grangeiro, Literatura de Cordel em Juazeiro do Norte. Não
publicado.

Sites
www.art-deco-sertanejo.com

http://www.acasa.org.br/autor/lia-monica-rossi.

Empresa Brasileira de Comunicações, 2013. Disponível em: <http://www.ebc.


com.br/noticias/agencia-brasil/ galeria/ audios/ 2013/12/ artesanato-movi-
menta-mais-de-r-50-bilhoes-na-economia>. Acesso em: 29 set. 15.

Indústria Têxtil e do Vestuário – Textile Industry – Ano VIII 2016. Disponível em:
<http://textileindustry.ning.com/forum/topics>. Acesso em: 5 ago. 2016.

Slideshare, 2014. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/ManuelaAlves1/o-linho


-42449054?next_slideshow=1>. Acesso em: 5 ago. 2016.

Wikipedia, 2015. Disponível em: <pt.wikipedia.org/wiki/sustentabilidade>. Acesso


em: 29 set. 15.
Design e artesanato no Nordeste: sustentabilidade e verbos criativos 259

Outros

ROSSI, L. M. The embroidered house: an illustrated review of needlework in Bri-


tish interiors. In ELLIOT, G.; MATHEWS, D. (Orgs.). Historic Interiors of
London. School of Continuing Education, Summer 2007 presentations. The
University of Reading, UK. Não publicado.

Notas
1 Ver nosso texto “O artesão não é o guardião ...” em Entrevistas.
2 Ao finalizar o produto, o preço obtido pela venda era irrisório. Além disso, as dimensões
e as características técnicas próprias do Labirinto dificultavam muito as tarefas de lavar
e passar toalhas e colchas, que voltavam de São Paulo para serem higienizadas correta-
mente na comunidade (bastidor e sol).
3 Ferramenta para furar o couro que depois é costurado a mão com fina tira do mesmo
material em agulha curva.
4 Os protótipos foram executados somente no tamanho 39-40. Não houve recursos para
desenvolver prototipagem da numeração masculina mais completa (37-38 e 41-42). Anos
depois, somente o número 39-40 era encontrado nas feiras da região...
5 Neste projeto também não houve recursos da instituição para desenvolvermos “piques”
digitais para toda a coleção de motivos da renda.
6 As amostras foram enviadas para a sede da Artesol no DF, e soube neste SBDS que foram
muito disputadas.
7 Empresa falida em 2001.
8 Soubemos aqui no SBDS que nossos guardanapos de Entremontes em puro linho foram adqui-
ridos em sofisticado comércio de São Paulo por Athina Onassis para seu casamento em 2005.
9 Levamos tecidos de algodão mais finos também para as bordadeiras de Poço Redondo
(SE), onde adaptamos aos novos Designs pontos tradicionais daquela comunidade. Hoje,
15 anos depois, esses produtos são vendidos no Aeroporto de Aracaju.
10 Vimos alguns trabalhos acadêmicos nos últimos tempos e a realização de alguns eventos.
É um alento, mesmo sabendo que pouco das escritas e das falas se traduzem em ações.
11 Em oficina com estudantes no Ceará, a proposta de Design foi unicamente projetar em-
balagens eficientes para os objetos cerâmicos de Arte Popular. Nenhuma alteração nos
produtos, tratados quase como objetos rituais.
12 Todo Engenheiro da Produção aprende que transporte só acrescenta custos ao produto.
Os preços dos Correios, por exemplo, oneram demais o artesanato no Brasil e ainda há
alto risco de roubo e extravio de encomendas.
13 Considerado o tecido mais ecológico do mundo, o Brasil não fabrica linho desde a década
de 1990. Atualmente a fibra é importada pelo linifício Leslie. Nos últimos anos fecharam-se
438 empresas têxteis no Brasil, em parte “graças” a acordos comerciais com a China.
260 Ecovisões projetuais: pesquisas em design e sustentabilidade no Brasil

14 Face à escassa bibliografia no gênero, destacamos o trabalho da Funarte na virada de


1970/1980 com a publicação da série “Artesanato Brasileiro”. As ações mais efetivas
são as do Artesanato Solidário/Artesol/Comunitas que registrou suas ações na década
de 2000. Nessa época a CEART/Central de Artesanato do Ceará publicou Memórias
de Ofícios de algumas modalidades do Estado. A curadora Adelia Borges continua a
trabalhar na área, assim como Renato Imbroisi, a promotora Renata Mellão em ACASA
e outros como os que participaram deste SBDS.