Você está na página 1de 175

1

Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura.


Dr. Fernando Augusto, 119

Bairro Santo Amaro. CEP 60543.375.

COMISSÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA


LEI FEDERAL Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996. Dispõe
sobre a arbitragem. Art. 18. O árbitro é juiz de fato e de direito,
e a sentença que proferir não fica sujeita a recurso ou a
homologação pelo Poder Judiciário. D O U de 24.9.1996 -
FORTALEZA – CEARÁ

CÂMARA DE ARBITRAGEM,
MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO.
PRT 3.313.197 REGIMENTO

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
2

https://wwwregimentocjc.blogspot.com

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
3

Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura.

Dr. Fernando Augusto, 119 – Bairro Santo Amaro. CEP 60543.375.

COMISSÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA

LEI FEDERAL Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996. Dispõe sobre a arbitragem. Art. 18. O
árbitro é juiz de fato e de direito, e a sentença que proferir não fica sujeita a recurso ou a
homologação pelo Poder Judiciário. D O U de 24.9.1996 - FORTALEZA – CEARÁ

CÂMARA DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO.

Edital 1/2018, de 28 de setembro de 2018. PRT 1.226.909/2018.

EMENTA: Faz saber que a Comissão de Justiça e Cidadania do INESPEC cadastrar-se-


á como unidade de CÂMARA DE DIREITO ARBITRAL, e na oportunidade inicia a
divulgação da redação proposta para seu Regimento Geral e dá outras
providências.

REPUBLICAÇÃO, por conta de correição textual, com inicio de prazo


de validade a contar da data de 16 de novembro de 2018.

Edital 1/2018, de 28 de setembro de 2018, REPUBLICAÇÃO, por conta de


correição textual, com inicio de prazo de validade a contar da data de 16 de
novembro de 2018. PRT 1.226.909/2018. EMENTA: Faz saber que a Comissão de
Justiça e Cidadania do INESPEC cadastrar-se-á como unidade de CÂMARA DE
DIREITO ARBITRAL, e na oportunidade inicia a divulgação da redação proposta
para seu Regimento Geral e dá outras providências.

O Coordenador da Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino,


Pesquisa, Extensão e Cultura, entidade reconhecida de utilidade pública por Lei Municipal em
Fortaleza;

CONSIDERANDO a necessidade de organização e uniformização de normas e


procedimentos afetos aos serviços de arbitragem, conciliação, mediação e a outros métodos
consensuais de solução de conflitos, a serem prestados, de forma facultativa, pela Comissão de
Justiça e Cidadania enquanto CÂMARA DE ARBITRAGEM;

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
4

CONSIDERANDO as disposições do Código de Processo Civil, da Lei Federal


5número. 13.140, de 26 de junho de 2015, as sugestões, a observância às deliberações,
decisões e orientações do Conselho Nacional de Justiça;

CONSIDERANDO as disposições do Código de Processo Civil, nos seus termos: “(...)


Art. 175. As disposições desta Seção não excluem outras formas de conciliação e mediação
extrajudiciais vinculadas a órgãos institucionais ou realizadas por intermédio de profissionais
independentes, que poderão ser regulamentadas por lei específica”... Cuja seção se firma
nestas considerações nos termos:

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI Nº 13.105, DE 16 DE MARÇO DE 2015.

Código de Processo Civil.


CAPÍTULO III

DOS AUXILIARES DA JUSTIÇA.

Art. 149. São auxiliares da Justiça, além de outros cujas


atribuições sejam determinadas pelas normas de organização
judiciária, o escrivão, o chefe de secretaria, o oficial de justiça, o
perito, o depositário, o administrador, o intérprete, o tradutor, o
mediador, o conciliador judicial, o partidor, o distribuidor, o
contabilista e o regulador de avarias.

Seção V

Dos Conciliadores e Mediadores Judiciais

Art. 165. Os tribunais criarão centros judiciários de solução


consensual de conflitos, responsáveis pela realização de
sessões e audiências de conciliação e mediação e pelo
desenvolvimento de programas destinados a auxiliar, orientar
e estimular a autocomposição.

§ 1o A composição e a organização dos centros serão definidas


pelo respectivo tribunal, observadas as normas do Conselho
Nacional de Justiça.

§ 2o O conciliador, que atuará preferencialmente nos casos em


que não houver vínculo anterior entre as partes, poderá sugerir
soluções para o litígio, sendo vedada a utilização de qualquer
tipo de constrangimento ou intimidação para que as partes
conciliem.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
5

§ 3o O mediador, que atuará preferencialmente nos casos em


que houver vínculo anterior entre as partes, auxiliará aos
interessados a compreender as questões e os interesses em
conflito, de modo que eles possam, pelo restabelecimento da
comunicação, identificar, por si próprios, soluções consensuais
que gerem benefícios mútuos.

Art. 166. A conciliação e a mediação são informadas pelos


princípios da independência, da imparcialidade, da autonomia
da vontade, da confidencialidade, da oralidade, da
informalidade e da decisão informada.

§ 1o A confidencialidade estende-se a todas as informações


produzidas no curso do procedimento, cujo teor não poderá ser
utilizado para fim diverso daquele previsto por expressa
deliberação das partes.

§ 2o Em razão do dever de sigilo, inerente às suas funções, o


conciliador e o mediador, assim como os membros de suas
equipes, não poderão divulgar ou depor acerca de fatos ou
elementos oriundos da conciliação ou da mediação.

§ 3o Admite-se a aplicação de técnicas negociais, com o


objetivo de proporcionar ambiente favorável à
autocomposição.

§ 4o A mediação e a conciliação serão regidas conforme a livre


autonomia dos interessados, inclusive no que diz respeito à
definição das regras procedimentais.

Art. 167. Os conciliadores, os mediadores e as câmaras


privadas de conciliação e mediação serão inscritos em cadastro
nacional e em cadastro de tribunal de justiça ou de tribunal
regional federal, que manterá registro de profissionais
habilitados, com indicação de sua área profissional.

§ 1o Preenchendo o requisito da capacitação mínima, por meio


de curso realizado por entidade credenciada, conforme
parâmetro curricular definido pelo Conselho Nacional de
Justiça em conjunto com o Ministério da Justiça, o conciliador
ou o mediador, com o respectivo certificado, poderá requerer
sua inscrição no cadastro nacional e no cadastro de tribunal de
justiça ou de tribunal regional federal.

§ 2o Efetivado o registro, que poderá ser precedido de concurso


público, o tribunal remeterá ao diretor do foro da comarca,
seção ou subseção judiciária onde atuará o conciliador ou o
mediador os dados necessários para que seu nome passe a
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
6

constar da respectiva lista, a ser observada na distribuição


alternada e aleatória, respeitado o princípio da igualdade
dentro da mesma área de atuação profissional.

§ 3o Do credenciamento das câmaras e do cadastro de


conciliadores e mediadores constarão todos os dados
relevantes para a sua atuação, tais como o número de
processos de que participou, o sucesso ou insucesso da
atividade, a matéria sobre a qual versou a controvérsia, bem
como outros dados que o tribunal julgar relevantes.

§ 4o Os dados colhidos na forma do § 3o serão classificados


sistematicamente pelo tribunal, que os publicará, ao menos
anualmente, para conhecimento da população e para fins
estatísticos e de avaliação da conciliação, da mediação, das
câmaras privadas de conciliação e de mediação, dos
conciliadores e dos mediadores.

§ 5o Os conciliadores e mediadores judiciais cadastrados na


forma do caput, se advogados, estarão impedidos de exercer a
advocacia nos juízos em que desempenhem suas funções.

§ 6o O tribunal poderá optar pela criação de quadro próprio de


conciliadores e mediadores, a ser preenchido por concurso
público de provas e títulos, observadas as disposições deste
Capítulo.

Art. 168. As partes podem escolher, de comum acordo, o


conciliador, o mediador ou a câmara privada de conciliação e
de mediação.

§ 1o O conciliador ou mediador escolhido pelas partes poderá


ou não estar cadastrado no tribunal.

§ 2o Inexistindo acordo quanto à escolha do mediador ou


conciliador, haverá distribuição entre aqueles cadastrados no
registro do tribunal, observada a respectiva formação.

§ 3o Sempre que recomendável, haverá a designação de mais


de um mediador ou conciliador.

Art. 169. Ressalvada a hipótese do art. 167, § 6o, o conciliador


e o mediador receberão pelo seu trabalho remuneração
prevista em tabela fixada pelo tribunal, conforme parâmetros
estabelecidos pelo Conselho Nacional de Justiça.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
7

§ 1o A mediação e a conciliação podem ser realizadas como


trabalho voluntário, observada a legislação pertinente e a
regulamentação do tribunal.

§ 2o Os tribunais determinarão o percentual de audiências não


remuneradas que deverão ser suportadas pelas câmaras
privadas de conciliação e mediação, com o fim de atender aos
processos em que deferida gratuidade da justiça, como
contrapartida de seu credenciamento.

Art. 170. No caso de impedimento, o conciliador ou mediador o


comunicará imediatamente, de preferência por meio
eletrônico, e devolverá os autos ao juiz do processo ou ao
coordenador do centro judiciário de solução de conflitos,
devendo este realizar nova distribuição.

Parágrafo único. Se a causa de impedimento for apurada


quando já iniciado o procedimento, a atividade será
interrompida, lavrando-se ata com relatório do ocorrido e
solicitação de distribuição para novo conciliador ou mediador.

Art. 171. No caso de impossibilidade temporária do exercício


da função, o conciliador ou mediador informará o fato ao
centro, preferencialmente por meio eletrônico, para que,
durante o período em que perdurar a impossibilidade, não haja
novas distribuições

Art. 172. O conciliador e o mediador ficam impedidos, pelo


prazo de 1 (um) ano, contado do término da última audiência
em que atuaram, de assessorar, representar ou patrocinar
qualquer das partes.

Art. 173. Será excluído do cadastro de conciliadores e


mediadores aquele que:

I - agir com dolo ou culpa na condução da conciliação ou da


mediação sob sua responsabilidade ou violar qualquer dos
deveres decorrentes do art. 166, §§ 1o e 2o;

II - atuar em procedimento de mediação ou conciliação, apesar


de impedido ou suspeito.

§ 1o Os casos previstos neste artigo serão apurados em


processo administrativo.

§ 2o O juiz do processo ou o juiz coordenador do centro de


conciliação e mediação, se houver, verificando atuação
inadequada do mediador ou conciliador, poderá afastá-lo de

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
8

suas atividades por até 180 (cento e oitenta) dias, por decisão
fundamentada, informando o fato imediatamente ao tribunal
para instauração do respectivo processo administrativo.

Art. 174. A União, os Estados, o Distrito Federal e os


Municípios criarão câmaras de mediação e conciliação, com
atribuições relacionadas à solução consensual de conflitos no
âmbito administrativo, tais como:

I - dirimir conflitos envolvendo órgãos e entidades da


administração pública;

II - avaliar a admissibilidade dos pedidos de resolução de


conflitos, por meio de conciliação, no âmbito da administração
pública;

III - promover, quando couber, a celebração de termo de


ajustamento de conduta.

Art. 175. As disposições desta Seção não excluem outras


formas de conciliação e mediação extrajudiciais vinculadas a
órgãos institucionais ou realizadas por intermédio de
profissionais independentes, que poderão ser regulamentadas
por lei específica.

Parágrafo único. Os dispositivos desta Seção aplicam-se, no


que couber, às câmaras privadas de conciliação e mediação.

Parágrafo único. Os dispositivos desta Seção aplicam-se, no


que couber, às câmaras privadas de conciliação e mediação.

CONSIDERANDO as disposições da Lei Federal número. 13.140, de 26 de junho de


2015 - Dispõe sobre a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e
sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública; altera a Lei no
9.469, de 10 de julho de 1997, e o Decreto no 70.235, de 6 de março de 1972; e revoga o § 2o
do art. 6o da Lei no 9.469, de 10 de julho de 1997 - , nos seus termos: “(...) Seção II - Dos
Mediadores - Subseção I - Disposições Comuns -Art. 4o O mediador será designado pelo
tribunal ou escolhido pelas partes. § 1o O mediador conduzirá o procedimento de
comunicação entre as partes, buscando o entendimento e o consenso e facilitando a resolução
do conflito. § 2o Aos necessitados será assegurada a gratuidade da mediação. Art. 5o Aplicam-
se ao mediador as mesmas hipóteses legais de impedimento e suspeição do juiz. Parágrafo
único. A pessoa designada para atuar como mediador tem o dever de revelar às partes, antes
da aceitação da função, qualquer fato ou circunstância que possa suscitar dúvida justificada
em relação à sua imparcialidade para mediar o conflito, oportunidade em que poderá ser
recusado por qualquer delas. Art. 6o O mediador fica impedido, pelo prazo de um ano,
contado do término da última audiência em que atuou, de assessorar, representar ou
patrocinar qualquer das partes. Art. 7o O mediador não poderá atuar como árbitro nem
funcionar como testemunha em processos judiciais ou arbitrais pertinentes a conflito em que
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
9

tenha atuado como mediador. Art. 8o O mediador e todos aqueles que o assessoram no
procedimento de mediação, quando no exercício de suas funções ou em razão delas, são
equiparados a servidor público, para os efeitos da legislação penal. Subseção II - Dos
Mediadores Extrajudiciais - Art. 9o Poderá funcionar como mediador extrajudicial qualquer
pessoa capaz que tenha a confiança das partes e seja capacitada para fazer mediação,
independentemente de integrar qualquer tipo de conselho, entidade de classe ou associação,
ou nele inscrever-se. Art. 10. As partes poderão ser assistidas por advogados ou defensores
públicos. Parágrafo único. Comparecendo uma das partes acompanhada de advogado ou
defensor público o mediador suspenderá o procedimento até que todas estejam devidamente
assistidas.

CONSIDERANDO o precedente existente na Comissão de Justiça e Cidadania que


regulou expedientes de mediação sob sua responsabilidade, nos termos:

Terça-feira, 17 de julho de 2018

Edital 6/2018, 11 de julho de 2018. EMENTA: Nos termos do


Edital 5/2018, regula no âmbito da Comissão Institucional para
avaliar a operacionalidade da Fundação José Furtado Leite a
conduta procedimental processual prevista no Art. 22, § 1º da
Lei Federal nº 13.140, DE 26 DE JUNHO DE 2015, nos termos
que seguem. Comissão Institucional para avaliar a
operacionalidade da Fundação José Furtado Leite
https://edital1fundacaojfl2018.blogspot.com.br/

Edital 6/2018, 11 de julho de 2018.

EMENTA: Nos termos do Edital 5/2018, regula no âmbito da


Comissão Institucional para avaliar a operacionalidade da
Fundação José Furtado Leite a conduta procedimental
processual prevista no Art. 22, § 1º da Lei Federal nº 13.140, DE
26 DE JUNHO DE 2015, nos termos que seguem.

O Presidente da Comissão Institucional para avaliar a


operacionalidade da Fundação José Furtado Leite, a Fundação,
pessoa jurídica de direito privado (Lei Federal nº 10.406/2002,
artigos, Art. 40; Art. 44, III – “as fundações”; Art. 45; Art. 47;
Art. 48; Art. 66; Art. 69) inscrita no CADASTRO NACIONAL DE
PESSOA JURÍDICA, número 07.322.431.0001.13, estabelecida
na Comarca de Fortaleza, Estado do Ceará, na Rua Soriano
Albuquerque, 581, Sala 03, Joaquim Távora, CEP 60.130.160,
neste ato representado pelo seu Presidente, CÉSAR AUGUSTO
VENÂNCIO DA SILVA, brasileiro, jornalista inscrito e licenciado
pelo Ministério do Trabalho, Reg. MTB 2881/CE, com endereço
na sede da Fundação, vem pelo presente edital de ciência e
convocação, tornar público que a COMISSÃO faz publicar as
regras processuais que devem regular todos os procedimentos

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
10

que de forma direta ou indireta se vincule aos Editais, 1, 2, 3, 4


e 5, com origem nesta Comissão Institucional, nos termos que
segue no presente edital, adotando de forma supletiva no que
couber os Códigos de Processos Civis e Penais, bem e, Códigos
Penal e Civil.

Considerando todos os termos do Edital 5/2018, com origem


nesta Comissão Interna da Fundação José Furtado Leite.

Considerando o princípio da legalidade em particular as


situações previstas nos seus artigos (Considerando os aspectos
jurídicos: Art. 1.201. É de boa-fé a posse, se o possuidor ignora
o vício, ou o obstáculo que impede a aquisição da coisa.
Parágrafo único. O possuidor com justo título tem por si a
presunção de boa-fé, salvo prova em contrário, ou quando a lei
expressamente não admite esta presunção. Art. 1.202. A posse
de boa-fé só perde este caráter no caso e desde o momento em
que as circunstâncias façam presumir que o possuidor não
ignora que possui indevidamente. Art. 1.203. Salvo prova em
contrário, entende-se manter a posse o mesmo caráter com
que foi adquirida. CAPÍTULO IV - Da Perda da Posse. Art. 1.223.
Perde-se a posse quando cessa, embora contra a vontade do
possuidor, o poder sobre o bem, ao qual se refere o art. 1.196.
Art. 1.224. Só se considera perdida a posse para quem não
presenciou o esbulho, quando, tendo notícia dele, se abstém de
retornar a coisa, ou, tentando recuperá-la, é violentamente
repelido. Art. 1.243. O possuidor pode, para o fim de contar o
tempo exigido pelos artigos antecedentes, acrescentar à sua
posse a dos seus antecessores (art. 1.207), contanto que todas
sejam contínuas, pacíficas e, nos casos do art. 1.242, com justo
título e de boa-fé. Art. 1.244. Estende-se ao possuidor o
disposto quanto ao devedor acerca das causas que obstam,
suspendem ou interrompem a prescrição, as quais também se
aplicam à usucapião. CAPÍTULO IV - Da Perda da Propriedade -
Art. 1.275. Além das causas consideradas neste Código, perde-
se a propriedade: I - por alienação; II - pela renúncia; III - por
abandono; IV - por perecimento da coisa; V - por
desapropriação (Parágrafo único. Nos casos dos incisos I e II, os
efeitos da perda da propriedade imóvel serão subordinados ao
registro do título transmissivo ou do ato renunciativo no
Registro de Imóveis). Art. 1.276. O imóvel urbano que o
proprietário abandonar, com a intenção de não mais o
conservar em seu patrimônio, e que se não encontrar na posse
de outrem, poderá ser arrecadado, como bem vago, e passar,
três anos depois, à propriedade do Município ou à do Distrito
Federal, se achar nas respectivas circunscrições. § 1o O imóvel
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
11

situado na zona rural, abandonado nas mesmas circunstâncias,


poderá ser arrecadado, como bem vago, e passar, três anos
depois, à propriedade da União, onde quer que ele se localize. §
2o Presumir-se-á de modo absoluto a intenção a que se refere
este artigo, quando, cessados os atos de posse, deixar o
proprietário de satisfazer os ônus fiscais).

Considerando que a mediação de conflitos ou prevenção destes


se estabelece entre os princípios de Segurança Nacional, hoje
regulado pelo ordenamento jurídico brasileiro (Lei Federal nº
13.140, DE 26 DE JUNHO DE 2015, que “Dispõe sobre a
mediação entre particulares como meio de solução de
controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito
da administração pública; altera a Lei no 9.469, de 10 de julho
de 1997, e o Decreto no 70.235, de 6 de março de 1972; e
revoga o § 2o do art. 6o da Lei no 9.469, de 10 de julho de
1997”, em particular nos seus artigos: Subseção II - Dos
Mediadores Extrajudiciais: Art. 9o Poderá funcionar como
mediador extrajudicial qualquer pessoa capaz que tenha a
confiança das partes e seja capacitada para fazer mediação,
independentemente de integrar qualquer tipo de conselho,
entidade de classe ou associação, ou nele inscrever-se. Art. 10.
As partes poderão ser assistidas por advogados ou defensores
públicos. Parágrafo único. Comparecendo uma das partes
acompanhada de advogado ou defensor público, o mediador
suspenderá o procedimento, até que todas estejam
devidamente assistidas. Seção III - Do Procedimento de
Mediação - Subseção I - Disposições Comuns - Art. 14. No
início da primeira reunião de mediação, e sempre que julgar
necessário, o mediador deverá alertar as partes acerca das
regras de confidencialidade aplicáveis ao procedimento. Art.
15. A requerimento das partes ou do mediador, e com
anuência daquelas, poderão ser admitidos outros mediadores
para funcionarem no mesmo procedimento, quando isso for
recomendável em razão da natureza e da complexidade do
conflito. Art. 16. Ainda que haja processo arbitral ou judicial
em curso, as partes poderão submeter-se à mediação, hipótese
em que requererão ao juiz ou árbitro a suspensão do processo
por prazo suficiente para a solução consensual do litígio. § 1o
É irrecorrível a decisão que suspende o processo nos termos
requeridos de comum acordo pelas partes. § 2o A suspensão
do processo não obsta a concessão de medidas de urgência
pelo juiz ou pelo árbitro. Art. 17. Considera-se instituída a
mediação na data para a qual for marcada a primeira reunião
de mediação. Parágrafo único. Enquanto transcorrer o

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
12

procedimento de mediação, ficará suspenso o prazo


prescricional. Art. 18. Iniciada a mediação, as reuniões
posteriores com a presença das partes somente poderão ser
marcadas com a sua anuência. Art. 19. No desempenho de
sua função, o mediador poderá reunir-se com as partes, em
conjunto ou separadamente, bem como solicitar das partes as
informações que entender necessárias para facilitar o
entendimento entre aquelas. Art. 20. O procedimento de
mediação será encerrado com a lavratura do seu termo final,
quando for celebrado acordo ou quando não se justificarem
novos esforços para a obtenção de consenso, seja por
declaração do mediador nesse sentido ou por manifestação de
qualquer das partes. Parágrafo único. O termo final de
mediação, na hipótese de celebração de acordo, constitui título
executivo extrajudicial e, quando homologado judicialmente,
título executivo judicial. Subseção II - Da Mediação
Extrajudicial - Art. 21. O convite para iniciar o procedimento de
mediação extrajudicial poderá ser feito por qualquer meio de
comunicação e deverá estipular o escopo proposto para a
negociação, a data e o local da primeira reunião. Parágrafo
único. O convite formulado por uma parte à outra se
considerará rejeitado se não for respondido em até trinta dias
da data de seu recebimento. Art. 22. A previsão contratual de
mediação deverá conter, no mínimo: I - prazo mínimo e
máximo para a realização da primeira reunião de mediação,
contado a partir da data de recebimento do convite; II - local
da primeira reunião de mediação; III - critérios de escolha do
mediador ou equipe de mediação; IV - penalidade em caso de
não comparecimento da parte convidada à primeira reunião de
mediação. § 1o A previsão contratual pode substituir a
especificação dos itens acima enumerados pela indicação de
regulamento, publicado por instituição idônea prestadora de
serviços de mediação, no qual constem critérios claros para a
escolha do mediador e realização da primeira reunião de
mediação. § 2o Não havendo previsão contratual completa,
deverão ser observados os seguintes critérios para a realização
da primeira reunião de mediação: I - prazo mínimo de dez dias
úteis e prazo máximo de três meses, contados a partir do
recebimento do convite; II - local adequado a uma reunião que
possa envolver informações confidenciais; III - lista de cinco
nomes, informações de contato e referências profissionais de
mediadores capacitados; a parte convidada poderá escolher,
expressamente, qualquer um dos cinco mediadores e, caso a
parte convidada não se manifeste, considerar-se-á aceito o
primeiro nome da lista; IV - o não comparecimento da parte

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
13

convidada à primeira reunião de mediação acarretará a


assunção por parte desta de cinquenta por cento das custas e
honorários sucumbências caso venha a ser vencedora em
procedimento arbitral ou judicial posterior, que envolva o
escopo da mediação para a qual foi convidada. § 3o Nos litígios
decorrentes de contratos comerciais ou societários que não
contenham cláusula de mediação, o mediador extrajudicial
somente cobrará por seus serviços caso as partes decidam
assinar o termo inicial de mediação e permanecer,
voluntariamente, no procedimento de mediação. Art. 23. Se,
em previsão contratual de cláusula de mediação, as partes se
comprometerem a não iniciar procedimento arbitral ou
processo judicial durante certo prazo ou até o implemento de
determinada condição, o árbitro ou o juiz suspenderá o curso
da arbitragem ou da ação pelo prazo previamente acordado ou
até o implemento dessa condição. Parágrafo único. O disposto
no caput não se aplica às medidas de urgência em que o acesso
ao Poder Judiciário seja necessário para evitar o perecimento
de direito).

Considerando que os atos privados com repercussão pública


pela natureza dos agentes envolvidos requerem em certas
situações jurídicas, a ampla publicidade dos atos que se
vinculem a Comissão e observando a Lei Federal nº 13.140, DE
26 DE JUNHO DE 2015, que dispõe: Seção IV - Da
Confidencialidade e suas Exceções (Art. 30. Toda e qualquer
informação relativa ao procedimento de mediação será
confidencial em relação a terceiros, não podendo ser revelada
sequer em processo arbitral ou judicial salvo se as partes
expressamente decidirem de forma diversa ou quando sua
divulgação for exigida por lei ou necessária para cumprimento
de acordo obtido pela mediação. § 1o O dever de
confidencialidade aplica-se ao mediador, às partes, a seus
prepostos, advogados, assessores técnicos e a outras pessoas
de sua confiança que tenham, direta ou indiretamente,
participados do procedimento de mediação, alcançando: I -
declaração, opinião, sugestão, promessa ou proposta
formulada por uma parte à outra na busca de entendimento
para o conflito; II - reconhecimento de fato por qualquer das
partes no curso do procedimento de mediação; III -
manifestação de aceitação de proposta de acordo apresentada
pelo mediador; IV - documento preparado unicamente para os
fins do procedimento de mediação. § 2o A prova apresentada
em desacordo com o disposto neste artigo não será admitida
em processo arbitral ou judicial. § 3o Não está abrigada pela

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
14

regra de confidencialidade a informação relativa à ocorrência


de crime de ação pública. § 4o A regra da confidencialidade
não afasta o dever de as pessoas discriminadas no caput
prestarem informações à administração tributária após o
termo final da mediação, aplicando-se aos seus servidores a
obrigação de manterem sigilo das informações compartilhadas
nos termos do art. 198 da Lei no 5.172, de 25 de outubro de
1966 - Código Tributário Nacional. Art. 31. Será confidencial a
informação prestada por uma parte em sessão privada, não
podendo o mediador revelá-la às demais, exceto se
expressamente autorizado), justifica-se o presente edital com
ampla divulgação nas redes sociais.

Considerando que os Procedimentos no âmbito da Comissão


serão através de atos virtuais e físicos(Presidente da Comissão
poderá a pedido das partes impor a instauração do Processo de
Mediação nos termos do artigo: Art. 46. A mediação poderá
ser feita pela internet ou por outro meio de comunicação que
permita a transação à distância, desde que as partes estejam
de acordo. Parágrafo único. É facultado à parte domiciliada no
exterior submeter-se à mediação segundo as regras
estabelecidas nesta Lei - nos termos da Lei Federal nº 13.140,
DE 26 DE JUNHO DE 201501).

Considerando que a Fundação no prazo de 180(cento e oitenta)


deve demandar as soluções institucionais no que concerne a
sua situação institucional, conforme deliberações junto ao
Ministério Público Estadual, nos termos do Edital 4/2018,
expedido na data de quinta-feira, 24 de maio de 2018, bem
como conflitos positivos ou negativos que possam vir a existir
nas cidades de SANTANA DO CARIRI-CEARÁ; ARARIPE-CEARÁ;
POTENGI-CEARÁ; ALTANEIRA - CEARÁ; NOVA OLINDA- CEARÁ;
NOVA RUSSAS - CEARÁ; ITAPAGE-CEARÁ; SANTA QUITÉRIA –
CEARÁ, com fins de apurar “in loco” a real situação imobiliária
da entidade nos respectivos municípios em referência.

Considerando a necessidade da convocação extrajudicial dos


atuais ocupantes regulares ou irregulares de imóveis da
Fundação José Furtado Leite, para tomar ciência que a
Fundação vai ingressar em juízo, com ação judicial, com fins de
retomar suas propriedades.

Considerando a deliberação normativa inserida no Edital 5/2-


18, que determina “Na implementação dos termos e das
diligências previstas neste instrumento, Edital 5/2018, a
Comissão Institucional para avaliar a operacionalidade da

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
15

Fundação José Furtado Leite, será subsidiada pelas regras


definidas no Edital 6/2018, que REGULA no âmbito da
Comissão a conduta procedimental processual prevista no Art.
22, § 1º( A previsão contratual pode substituir a especificação
dos itens acima enumerados pela indicação de regulamento,
publicado por instituição idônea prestadora de serviços de
mediação, no qual constem critérios claros para a escolha do
mediador e realização da primeira reunião de mediação) da Lei
Federal nº 13.140, DE 26 DE JUNHO DE 2015.

Considerando que para cada mediação será instaurado um


expediente visando mediação.

Considerando que as regras do presente edital bem como O


ATO DE INSTAURAÇÃO DE MEDIAÇÃO no âmbito da Comissão
citada neste edital será comunicado ao Ministério Público
Estadual, empós, que as partes tenham anuído para tais fins e
que o relatório final de cada mediação será enviado ao
Ministério Público Estadual.

Resolve,

CAPÍTULO I

INTRODUÇÃO

Artigo 1º. Fica instituído o REGULAMENTO PROCEDIMENTAL da


Comissão Institucional para avaliar a operacionalidade da
Fundação José Furtado Leite, que deve regular a conduta
procedimental processual prevista no Art. 22, § 1º da Lei
Federal nº 13.140, DE 26 DE JUNHO DE 2015.

Artigo 2º. O objetivo deste regulamento é regular conduta dos


agentes envolvidos na previsão editalícia do Edital 5/2018, que
com este baixa.

Artigo 3º. A mediação a que se refere o edital citado no artigo


anterior será conduzida pela COMISSÃO DE JUSTIÇA E
CIDADANIA do Instituto INESPEC nos termos dos acordos
firmados entre as partes, sendo que pelo presente instrumento
as partes a serem envolvidas na mediação consideram desde já
o presente como previsão contratual.

Artigo 4º. O presente regulamento deve ser publicado e passa


a ser referencia idônea para as regras claras das condutas
dentro do processo de mediação, e devem constar critérios
claros para a escolha do mediador e realização da primeira
reunião de mediação.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
16

Artigo 5º. Recomenda-se a todas as partes, instituições e


entidades, governamentais e privadas, que vão atuar com base
neste regulamento (organizadas para o serviço da Mediação),
assim como a todos os Mediadores “ad hoc”, que pautem sua
atuação pelo presente instrumento regulador da Mediação e
posture-se dentro de conduta Ética(Mediadores).

CAPÍTULO II

INÍCIO DO PROCESSO

Art. 6º – Qualquer pessoa jurídica ou física QUE estejam na


situação das diretrizes previstas no Edital 5/2018, é capaz e
podem requerer a Mediação para solução da controvérsia ou
prevenção desta, sendo no caso presente conduzida pelo
Mediador ad hoc.

Art. 7º – A solicitação da Mediação, bem como o convite à


outra parte para dela participar, deverão, preferencialmente,
ser formulados por escrito.

Art. 8º – Quando a outra parte não concordar em participar da


Mediação, a primeira será imediatamente comunicada por
escrito.

Parágrafo Único. Recomenda-se que o período compreendido


entre a procura inicial e a entrevista de Pré-Mediação não
ultrapasse 30 (trinta) dias.

CAPÍTULO III

REPRESENTAÇÃO E ASSESSORAMENTO

Art. 9º – As partes deverão participar do Processo


pessoalmente. Sendo que na impossibilidade comprovada de
fazê-lo, podem se fazer representar por uma outra pessoa com
procuração que outorgue poderes de decisão.

Parágrafo Único. As partes podem se fazer acompanhar por


advogados e outros assessores técnicos e por pessoas de sua
confiança ou escolha, desde que estas presenças sejam
convencionadas entre as partes e consideradas pelo Mediador
úteis e pertinentes ao necessário equilíbrio do processo.

CAPÍTULO IV

PREPARAÇÃO (Pré-Mediação)

Art. 10 – O Processo iniciará com uma entrevista (Pré-


Mediação) que cumprirá os seguintes procedimentos:
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
17

I. As partes deverão descrever a controvérsia e expor as suas


expectativas;

II. As partes serão esclarecidas sobre o processo da Mediação,


seus procedimentos e suas técnicas;

III. As partes deliberarão se adotarão ou não a Mediação como


método de resolução de sua controvérsia;

IV. As partes escolherão o Mediador, nos termos do Capítulo IV,


que poderá ser ou não aquele que estiver coordenando os
trabalhos da entrevista.

Parágrafo Único. Recomenda-se que o período compreendido


entre a entrevista de Pré-Mediação e aquela que propiciará a
negociação de procedimentos e a assinatura do Termo de
Mediação não ultrapasse 15 (quinze) dias.

Art. 11 – Reunidas após a escolha do Mediador, e com a sua


orientação, as partes devem firmar o contrato (Termo de
Mediação) onde fiquem estabelecidos:

I. A agenda de trabalho.

II. Os objetivos da Mediação proposta.

III. As normas e procedimentos, ainda que sujeitos à redefinição


negociada a qualquer momento durante o processo, a saber:

1. – Extensão do sigilo no que diz respeito à instituição, ao


mediador, às partes e demais pessoas que venham a participar
do processo;

2. – Estimativa do seu tempo de duração, freqüência e


duração das reuniões;

3. – Normas relativas às reuniões privadas e conjuntas;

4. – Procedimentos relativos aos documentos aportados à


Mediação e aos apontamentos produzidos pelos mediadores;

IV. As pessoas que as representarão, mediante procuração com


poderes de decisão expressos, ou as acompanharão, se for o
caso.

V. O lugar e o idioma da Mediação, ou, se assim o desejarem,


deixar a critério da instituição ou entidade organizadora do
serviço.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
18

VI. Os custos e forma de pagamento da Mediação, observado o


disposto NESTE REGULAMENTO.

VII. O nome dos mediadores e, se for o caso, da instituição


promotora.

CAPÍTULO V

ESCOLHA DO MEDIADOR

Art. 12 – O Mediador será escolhido livremente pelas partes em


lista de Mediadores oferecida por instituição ou entidade
organizadora do serviço ou, se as partes assim o desejarem,
indicado pela referida instituição ou entidade; ou ainda,
profissional escolhido pelas partes:

I. O(s) mediador (es) escolhido(s) pelas partes não


pertencente(s) à entidade organizadora, estará(ão) sujeito(s) à
aprovação da referida entidade;

II. O(s) mediador (es) eleito(s) pelas partes manifestará(ão) sua


aceitação e firmará(ão) o Termo de Independência relativo à
sua atuação.

Art. 13 – Se, no curso da Mediação, sobrevier algum


impedimento ou impossibilidade de participação do mediador,
haverá a escolha de novo mediador segundo o critério eleito
pelas partes.

Art. 14 – O Mediador único escolhido poderá recomendar a co-


mediação, sempre que julgar benéfica ao propósito da
Mediação.

CAPÍTULO VI

ATUAÇÃO DO MEDIADOR

Art. 15 – As reuniões de Mediação serão realizadas


preferencialmente em conjunto com as partes.

Parágrafo Único: havendo necessidade e concordância das


partes, o Mediador poderá reunir-se separadamente com cada
uma delas, respeitado o disposto no Código de Ética dos
Mediadores quanto à igualdade de oportunidades e quanto ao
sigilo nessa circunstância.

Art. 16 – O Mediador poderá conduzir os procedimentos da


maneira que considerar apropriada, levando em conta as
circunstâncias, o estabelecido na negociação com as partes e a
própria celeridade do processo.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
19

Art. 17 – O Mediador cuidará para que haja equilíbrio de


participação, informação e poder decisório entre as partes.

Art. 18 – Salvo se as partes dispuserem em contrário, ou a lei


impedir, o Mediador pode:

I. Aumentar ou diminuir qualquer prazo.

II. Interrogar o que entender necessário para o bom


desenvolvimento do Processo.

III. Solicitar às partes que deixem à sua disposição tudo o que


precisar para sua própria inspeção ou de qualquer perito, bem
como a apresentação de documento ou classe de documentos
que se encontrem em sua posse, custódia ou poder de
disposição, desde que entenda relevante para sua análise, ou
por qualquer das partes.

IV. Solicitar às partes que procurem toda informação técnica e


legal necessária para a tomada de decisões.

CAPÍTULO VII

IMPEDIMENTOS E SIGILO

Art. 19 – O Mediador fica impedido de atuar ou estar


diretamente envolvido em procedimentos subseqüentes à
Mediação, tais como na Arbitragem ou no Processo Judicial
quando a Mediação obtiver êxito ou não, a menos que as
partes disponham diferentemente.

Art. 20 – As informações da Mediação são confidenciais e


privilegiadas. O Mediador, qualquer das partes, ou outra
pessoa que atue na Mediação, não poderão revelar a terceiros
ou serem chamados ou compelidos, inclusive em posterior
Arbitragem ou Processo Judicial, a revelar fatos, propostas e
quaisquer outras informações obtidas durante a Mediação.

Art. 21 – Os documentos apresentados durante a Mediação


deverão ser devolvidos às partes, após análise. Os demais
deverão ser destruídos ou arquivados conforme o
convencionado.

CAPÍTULO VIII

DOS CUSTOS

Art. 22 – Os custos, assim consideradas as despesas


administrativas e os honorários do Mediador, serão rateados
entre as partes, salvo disposição em contrário. No caso da
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
20

Mediação realizada por instituição ou entidade especializada,


estes custos deverão seguir as respectivas tabelas.

Art. 23 – Os honorários do Mediador deverão ser acordados


previamente e poderão ser estabelecidos por hora trabalhada
ou outro critério definido com as partes. Quando a Mediação
for realizada por meio de instituição ou entidade especializada,
serão adotadas as respectivas tabelas.

CAPÍTULO IX

RESPONSABILIDADE DO MEDIADOR

Art. 24 – O Mediador não pode ser responsabilizado por


qualquer das partes por ato ou omissão relacionada com a
Mediação conduzida de acordo com as normas éticas e regras
com as partes acordadas.

CAPÍTULO X

DO ACORDO

Art. 25 – Os acordos constituídos na mediação podem ser totais


ou parciais.

Caso alguns itens da pauta de mediação não tenham logrado


acordo, o mediador poderá atuar na negociação destinada a
auxiliar as partes a elegerem outros meios extrajudiciais ou
judiciais para a sua resolução.

Art. 26 – Em consonância com o desejo das partes, os acordos


obtidos na mediação podem ser informais ou constituírem-se
títulos executivos extrajudiciais incorporando a assinatura de
duas testemunhas, preferencialmente os advogados das partes
ou outra(s) por elas indicadas.

Art. 27 – Se as partes assim o desejarem, os acordos poderão


ganhar linguagem jurídica para serem homologados
judicialmente. Nestes casos, os mediadores deverão manter-se
disponíveis para auxiliar na manutenção da fidelidade ao texto
original.

CAPÍTULO X

ENCERRAMENTO

Art. 28 – O Processo de Mediação encerra-se:

I. Com a assinatura do termo de acordo pelas partes;

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
21

II. Por uma declaração escrita do Mediador, no sentido de que


não se justifica aplicar mais esforços para buscar a
composição;

III. Por uma declaração conjunta das partes, dirigida ao


Mediador com o efeito de encerrar a Mediação;

IV. Por uma declaração escrita de uma parte para a outra, e


para o Mediador, com o efeito de encerrar a Mediação.

CAPÍTULO XI

DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 29 – É recomendável que as partes passem a inserir


Cláusula de Mediação nos contratos em geral que venham a
firmar, tal como o modelo proposto:

Parágrafo Único. Se uma controvérsia surgir em razão deste


contrato ou posteriores adendos, incluindo, sem limitação, o
seu descumprimento, término, validade ou invalidade, ou
qualquer questão relacionada com o mesmo, às partes
convencionam, desde já, que primeiramente irão buscar uma
solução por meio da Mediação, fundada no princípio da boa fé,
antes de recorrer a outros meios judiciais ou extrajudiciais para
resolução de controvérsias.

Art. 30 – Caberá às partes deliberarem sobre lacunas do


presente regulamento, podendo delegar essa tarefa à
instituição ou entidade especializada a que estiver vinculada a
Mediação, se assim o desejarem.

Art. 31 – Aplicar-se-á no que couber as regras instituídas pela


Lei Federal Nº 13.140, DE 26 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre
a mediação entre particulares como meio de solução de
controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito
da administração pública; altera a Lei no 9.469, de 10 de julho
de 1997, e o Decreto no 70.235, de 6 de março de 1972; e
revoga o § 2o do art. 6o da Lei no 9.469, de 10 de julho de
1997. Art. 1o Esta Lei dispõe sobre a mediação como meio de
solução de controvérsias entre particulares e sobre a
autocomposição de conflitos no âmbito da administração
pública. Parágrafo único. Considera-se mediação a atividade
técnica exercida por terceiro imparcial sem poder decisório,
que, escolhido ou aceito pelas partes, as auxilia e estimula a
identificar ou desenvolver soluções consensuais para a
controvérsia. CAPÍTULO I - DA MEDIAÇÃO - Seção I -
Disposições Gerais - Art. 2o A mediação será orientada pelos
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
22

seguintes princípios: I - imparcialidade do mediador; II -


isonomia entre as partes; III - oralidade; IV - informalidade; V -
autonomia da vontade das partes; VI - busca do consenso; VII -
confidencialidade; VIII - boa-fé. § 1o Na hipótese de existir
previsão contratual de cláusula de mediação, as partes deverão
comparecer à primeira reunião de mediação. § 2o Ninguém
será obrigado a permanecer em procedimento de mediação.
Art. 3o Pode ser objeto de mediação o conflito que verse sobre
direitos disponíveis ou sobre direitos indisponíveis que admitam
transação. § 1o A mediação pode versar sobre todo o conflito
ou parte dele. § 2o O consenso das partes envolvendo direitos
indisponíveis, mas transigíveis, deve ser homologado em juízo,
exigida a oitiva do Ministério Público. Seção III - Do
Procedimento de Mediação - Subseção I - Disposições Comuns -
Art. 14. No início da primeira reunião de mediação, e sempre
que julgar necessário, o mediador deverá alertar as partes
acerca das regras de confidencialidade aplicáveis ao
procedimento. Art. 15. A requerimento das partes ou do
mediador, e com anuência daquelas, poderão ser admitidos
outros mediadores para funcionarem no mesmo procedimento,
quando isso for recomendável em razão da natureza e da
complexidade do conflito. Art. 16. Ainda que haja processo
arbitral ou judicial em curso, as partes poderão submeter-se à
mediação, hipótese em que requererão ao juiz ou árbitro a
suspensão do processo por prazo suficiente para a solução
consensual do litígio. § 1o É irrecorrível a decisão que
suspende o processo nos termos requeridos de comum acordo
pelas partes. § 2o A suspensão do processo não obsta a
concessão de medidas de urgência pelo juiz ou pelo árbitro.
Art. 17. Considera-se instituída a mediação na data para a
qual for marcada a primeira reunião de mediação. Parágrafo
único. Enquanto transcorrer o procedimento de mediação,
ficará suspenso o prazo prescricional. Art. 18. Iniciada a
mediação, as reuniões posteriores com a presença das partes
somente poderão ser marcadas com a sua anuência. Art. 19.
No desempenho de sua função, o mediador poderá reunir-se
com as partes, em conjunto ou separadamente, bem como
solicitar das partes as informações que entender necessárias
para facilitar o entendimento entre aquelas. Art. 20. O
procedimento de mediação será encerrado com a lavratura do
seu termo final, quando for celebrado acordo ou quando não se
justificarem novos esforços para a obtenção de consenso, seja
por declaração do mediador nesse sentido ou por manifestação
de qualquer das partes. Parágrafo único. O termo final de
mediação, na hipótese de celebração de acordo, constitui título

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
23

executivo extrajudicial e, quando homologado judicialmente,


título executivo judicial. Subseção II - Da Mediação
Extrajudicial - Art. 21. O convite para iniciar o procedimento de
mediação extrajudicial poderá ser feito por qualquer meio de
comunicação e deverá estipular o escopo proposto para a
negociação, a data e o local da primeira reunião. Parágrafo
único. O convite formulado por uma parte à outra se
considerará rejeitado se não for respondido em até trinta dias
da data de seu recebimento. Art. 22. A previsão contratual de
mediação deverá conter, no mínimo: I - prazo mínimo e
máximo para a realização da primeira reunião de mediação,
contado a partir da data de recebimento do convite; II - local
da primeira reunião de mediação; III - critérios de escolha do
mediador ou equipe de mediação; IV - penalidade em caso de
não comparecimento da parte convidada à primeira reunião de
mediação. § 1o A previsão contratual pode substituir a
especificação dos itens acima enumerados pela indicação de
regulamento, publicado por instituição idônea prestadora de
serviços de mediação, no qual constem critérios claros para a
escolha do mediador e realização da primeira reunião de
mediação. § 2o Não havendo previsão contratual completa,
deverão ser observados os seguintes critérios para a realização
da primeira reunião de mediação: I - prazo mínimo de dez dias
úteis e prazo máximo de três meses, contados a partir do
recebimento do convite; II - local adequado a uma reunião que
possa envolver informações confidenciais; III - lista de cinco
nomes, informações de contato e referências profissionais de
mediadores capacitados; a parte convidada poderá escolher,
expressamente, qualquer um dos cinco mediadores e, caso a
parte convidada não se manifeste, considerar-se-á aceito o
primeiro nome da lista; IV - o não comparecimento da parte
convidada à primeira reunião de mediação acarretará a
assunção por parte desta de cinquenta por cento das custas e
honorários sucumbenciais caso venha a ser vencedora em
procedimento arbitral ou judicial posterior, que envolva o
escopo da mediação para a qual foi convidada. § 3o Nos litígios
decorrentes de contratos comerciais ou societários que não
contenham cláusula de mediação, o mediador extrajudicial
somente cobrará por seus serviços caso as partes decidam
assinar o termo inicial de mediação e permanecer,
voluntariamente, no procedimento de mediação. Art. 23. Se,
em previsão contratual de cláusula de mediação, as partes se
comprometerem a não iniciar procedimento arbitral ou
processo judicial durante certo prazo ou até o implemento de
determinada condição, o árbitro ou o juiz suspenderá o curso

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
24

da arbitragem ou da ação pelo prazo previamente acordado ou


até o implemento dessa condição. Parágrafo único. O disposto
no caput não se aplica às medidas de urgência em que o acesso
ao Poder Judiciário seja necessário para evitar o perecimento
de direito. Seção IV - Da Confidencialidade e suas Exceções.
Art. 30. Toda e qualquer informação relativa ao procedimento
de mediação será confidencial em relação a terceiros, não
podendo ser revelada sequer em processo arbitral ou judicial
salvo se as partes expressamente decidirem de forma diversa
ou quando sua divulgação for exigida por lei ou necessária para
cumprimento de acordo obtido pela mediação. § 1o O dever de
confidencialidade aplica-se ao mediador, às partes, a seus
prepostos, advogados, assessores técnicos e a outras pessoas
de sua confiança que tenham, direta ou indiretamente,
participados do procedimento de mediação, alcançando: I -
declaração, opinião, sugestão, promessa ou proposta
formulada por uma parte à outra na busca de entendimento
para o conflito; II - reconhecimento de fato por qualquer das
partes no curso do procedimento de mediação; III -
manifestação de aceitação de proposta de acordo apresentada
pelo mediador; IV - documento preparado unicamente para os
fins do procedimento de mediação. § 2o A prova apresentada
em desacordo com o disposto neste artigo não será admitida
em processo arbitral ou judicial. § 3o Não está abrigada pela
regra de confidencialidade a informação relativa à ocorrência
de crime de ação pública. § 4o A regra da confidencialidade
não afasta o dever de as pessoas discriminadas no caput
prestarem informações à administração tributária após o
termo final da mediação, aplicando-se aos seus servidores a
obrigação de manterem sigilo das informações compartilhadas
nos termos do art. 198 da Lei no 5.172, de 25 de outubro de
1966 - Código Tributário Nacional. Art. 31. Será confidencial a
informação prestada por uma parte em sessão privada, não
podendo o mediador revelá-la às demais, exceto se
expressamente autorizado. CAPÍTULO III - DISPOSIÇÕES FINAIS
- Art. 42. Aplica-se esta Lei, no que couber, às outras formas
consensuais de resolução de conflitos, tais como mediações
comunitárias e escolares, e àquelas levadas a efeito nas
serventias extrajudiciais, desde que no âmbito de suas
competências. Art. 46. A mediação poderá ser feita pela
internet ou por outro meio de comunicação que permita a
transação à distância, desde que as partes estejam de acordo.
Parágrafo único. É facultado à parte domiciliada no exterior
submeter-se à mediação segundo as regras estabelecidas nesta
Lei.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
25

Art. 32 – O presente edital de definição de regras será aplicado


durante toda a existência da Comissão de que trata o Edital
4/2015, e das Mediações vinculadas aos objetivos da Comissão
visando preservar o principio da legalidade.

QUADRO RESUMO - Edital 6/2018, 11 de julho de 2018.


EMENTA: Nos termos do Edital 5/2018, regula no âmbito da
Comissão Institucional para avaliar a operacionalidade da
Fundação José Furtado Leite a conduta procedimental
processual prevista no Art. 22, § 1º da Lei Federal nº 13.140, DE
26 DE JUNHO DE 2015, nos termos que seguem.

CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO

Artigo
1º................................................................................................a
Artigo 5º.

CAPÍTULO II - INÍCIO DO PROCESSO

Art. 6º................................................................................................a
Art. 8º.

CAPÍTULO III - REPRESENTAÇÃO E ASSESSORAMENTO

Art. 9º.

CAPÍTULO IV - PREPARAÇÃO (Pré-Mediação)

Art. 10................................................................................................a
Art.11.

CAPÍTULO V - ESCOLHA DO MEDIADOR

Art. 12................................................................................................a
Art. 14

CAPÍTULO VI - ATUAÇÃO DO MEDIADOR

Art. 15................................................................................................a
Art. 18.

CAPÍTULO VII - IMPEDIMENTOS E SIGILO

Art. 19 ................................................................................................a
Art. 21.

CAPÍTULO VIII - DOS CUSTOS

Art. 22................................................................................................a
Art. 23.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
26

CAPÍTULO IX - RESPONSABILIDADE DO MEDIADOR

Art. 24................................................................................................a
Art. 27.

CAPÍTULO X - ENCERRAMENTO

Art. 28.

CAPÍTULO XI - DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 29................................................................................................a
Art. 32.

Para constar, eu CÉSAR AUGUSTO VENÂNCIO DA SILVA, CPF


16554124348 - professor e assessor, indicado para Presidir a
Comissão a que se refere o presente edital, de ordem da
Presidência digitei, e que pelo Presidente vai assinado e pelos
demais vão os cientes. Presidente - Passado em Fortaleza, aos
onze dias do mês julho do ano de dois mil e dezoito. Presidente.
Publicado no sitio: edital1fundacaojfl2018.blogspot.com . Pelo
Presidente Antonio César Evangelista Tavares, brasileiro,
jornalista inscrito e licenciado pelo Ministério do Trabalho, Reg.
MTB 3597/CE vai assinado. CÉSAR AUGUSTO VENÂNCIO DA
SILVA, CPF 16554124348 – Antonio César Evangelista Tavares -
CÉSAR AUGUSTO VENÂNCIO DA SILVA, CPF 16554124349. Pelo
Presidente Antonio César Evangelista Tavares, brasileiro,
jornalista inscrito e licenciado pelo Ministério do Trabalho, Reg.
MTB 3597/CE vai assinado.

CONSIDERANDO que a Comissão de Justiça e Cidadania funciona desde 1º de


janeiro de 2007(...);

CONSIDERANDO a legislação federal pertinente a arbitragem nos termos em que


define “... LEI Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996. Dispõe sobre a arbitragem. Capítulo I -
Disposições Gerais. Art. 1º As pessoas capazes de contratar poderão valer-se da arbitragem
para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis. § 1o A administração
pública direta e indireta poderá utilizar-se da arbitragem para dirimir conflitos relativos a
direitos patrimoniais disponíveis. (Incluído pela Lei nº 13.129, de 2015). § 2o A autoridade ou
o órgão competente da administração pública direta para a celebração de convenção de
arbitragem é a mesma para a realização de acordos ou transações. (Incluído pela Lei nº
13.129, de 2015). Art. 2º A arbitragem poderá ser de direito ou de eqüidade, a critério das
partes. § 1º Poderão as partes escolher, livremente, as regras de direito que serão aplicadas
na arbitragem, desde que não haja violação aos bons costumes e à ordem pública. § 2º
Poderão, também, as partes convencionar que a arbitragem se realize com base nos
princípios gerais de direito, nos usos e costumes e nas regras internacionais de comércio. §
3o A arbitragem que envolva a administração pública será sempre de direito e respeitará o
princípio da publicidade. LEI FEDERAL Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996”;
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
27

CONSIDERANDO (...) “Capítulo III - Dos Árbitros - Art. 13”. Pode ser árbitro
qualquer pessoa capaz e que tenha a confiança das partes. § 1º As partes nomearão um ou
mais árbitros, sempre em número ímpar, podendo nomear, também, os respectivos suplentes.
§ 2º Quando as partes nomearem árbitros em número par, estes estão autorizados, desde
logo, a nomear mais um árbitro. Não havendo acordo, requererão as partes ao órgão do Poder
Judiciário a que tocaria, originariamente, o julgamento da causa à nomeação do árbitro,
aplicável, no que couber, o procedimento previsto no art. 7º desta Lei. § 3º As partes poderão,
de comum acordo, estabelecer o processo de escolha dos árbitros, ou adotar as regras de um
órgão arbitral institucional ou entidade especializada. § 4º Sendo nomeados vários árbitros,
estes, por maioria, elegerão o presidente do tribunal arbitral. Não havendo consenso, será
designado presidente o mais idoso. § 4o As partes, de comum acordo, poderão afastar a
aplicação de dispositivo do regulamento do órgão arbitral institucional ou entidade
especializada que limite a escolha do árbitro único, coárbitro ou presidente do tribunal à
respectiva lista de árbitros, autorizado o controle da escolha pelos órgãos competentes da
instituição, sendo que, nos casos de impasse e arbitragem multiparte, deverá ser observado o
que dispuser o regulamento aplicável. (Redação dada pela Lei nº 13.129, de 2015) § 5º O
árbitro ou o presidente do tribunal designará, se julgar conveniente, um secretário, que
poderá ser um dos árbitros. § 6º No desempenho de sua função, o árbitro deverá proceder
com imparcialidade, independência, competência, diligência e discrição. § 7º Poderá o árbitro
ou o tribunal arbitral determinar às partes o adiantamento de verbas para despesas e
diligências que julgar necessárias. Art. 14. Estão impedidos de funcionar como árbitros as
pessoas que tenham, com as partes ou com o litígio que lhes for submetido, algumas das
relações que caracterizam os casos de impedimento ou suspeição de juízes, aplicando-se-lhes,
no que couberem, os mesmos deveres e responsabilidades, conforme previsto no Código de
Processo Civil. § 1º As pessoas indicadas para funcionar como árbitro tem o dever de revelar,
antes da aceitação da função, qualquer fato que denote dúvida justificada quanto à sua
imparcialidade e independência. § 2º O árbitro somente poderá ser recusado por motivo
ocorrido após sua nomeação. Poderá, entretanto, ser recusado por motivo anterior à sua
nomeação, quando: a) não for nomeado, diretamente, pela parte; ou b) o motivo para a recusa
do árbitro for conhecido posteriormente à sua nomeação. Art. 15. A parte interessada em
argüir a recusa do árbitro apresentará, nos termos do art. 20, a respectiva exceção,
diretamente ao árbitro ou ao presidente do tribunal arbitral, deduzindo suas razões e
apresentando as provas pertinentes. Parágrafo único. Acolhida a exceção, será afastado o
árbitro suspeito ou impedido, que será substituído, na forma do art. 16 desta Lei. Art. 16. Se o
árbitro escusar-se antes da aceitação da nomeação, ou, após a aceitação, vier a falecer, tornar-
se impossibilitado para o exercício da função, ou for recusado, assumirá seu lugar o substituto
indicado no compromisso, se houver. § 1º Não havendo substituto indicado para o árbitro,
aplicar-se-ão as regras do órgão arbitral institucional ou entidade especializada, se as partes as
tiverem invocado na convenção de arbitragem. § 2º Nada dispondo a convenção de
arbitragem e não chegando as partes a um acordo sobre a nomeação do árbitro a ser
substituído, procederá à parte interessada da forma prevista no art. 7º desta Lei, a menos que
as partes tenham declarado, expressamente, na convenção de arbitragem, não aceitar
substituto. Art. 17. Os árbitros, quando no exercício de suas funções ou em razão delas, ficam
equiparados aos funcionários públicos, para os efeitos da legislação penal. Art. 18. O árbitro é

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
28

juiz de fato e de direito, e a sentença que proferir não fica sujeita a recurso ou a
homologação pelo Poder Judiciário;

CONSIDERANDO que o (...) “(Art. 17) Os árbitros, quando no exercício de suas


funções ou em razão delas, ficam equiparados aos funcionários públicos, para os efeitos da
legislação penal. LEI FEDERAL Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996”;

CONSIDERANDO que o (...) “(Art. 18) O árbitro é juiz de fato e de direito, e a


sentença que proferir não fica sujeita a recurso ou a homologação pelo Poder Judiciário. LEI
FEDERAL Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996”;

CONSIDERANDO que a LEI FEDERAL Nº 13.129, DE 26 DE MAIO DE 2015, que


dispõe sobre “a alteração da Lei Federal no 9.307, de 23 de setembro de 1996, e a Lei no
6.404, de 15 de dezembro de 1976, para ampliar o âmbito de aplicação da arbitragem e dispor
sobre a escolha dos árbitros quando as partes recorrem a órgão arbitral, a interrupção da
prescrição pela instituição da arbitragem, a concessão de tutelas cautelares e de urgência nos
casos de arbitragem, a carta arbitral e a sentença arbitral, e revoga dispositivos da Lei no
9.307, de 23 de setembro de 1996”... (...) Ampliou os poderes do árbitro implementando:
“CAPÍTULO IV-A - DAS TUTELAS CAUTELARES E DE URGÊNCIA - Art. 22-A. Antes de instituída a
arbitragem, as partes poderão recorrer ao Poder Judiciário para a concessão de medida
cautelar ou de urgência. Parágrafo único. Cessa a eficácia da medida cautelar ou de urgência
se a parte interessada não requerer a instituição da arbitragem no prazo de 30 (trinta) dias,
contado da data de efetivação da respectiva decisão. Art. 22-B. Instituída a arbitragem,
caberá aos árbitros manter, modificar ou revogar a medida cautelar ou de urgência
concedida pelo Poder Judiciário. Parágrafo único. Estando já instituída a arbitragem, a
medida cautelar ou de urgência será requerida diretamente aos árbitros.... CAPÍTULO IV-B
DA CARTA ARBITRAL - Art. 22-C. O árbitro ou o tribunal arbitral poderá expedir carta arbitral
para que o órgão jurisdicional nacional pratique ou determine o cumprimento, na área de
sua competência territorial, de ato solicitado pelo árbitro. Parágrafo único. No cumprimento
da carta arbitral será observado o segredo de justiça, desde que comprovada a
confidencialidade estipulada na arbitragem... Art. 3o A Lei no 6.404, de 15 de dezembro de
1976, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 136-A na Subseção “Direito de Retirada” da
Seção III do Capítulo XI: Art. 136-A. A aprovação da inserção de convenção de arbitragem no
estatuto social, observado o quorum do art. 136, obriga a todos os acionistas, assegurado ao
acionista dissidente o direito de retirar-se da companhia mediante o reembolso do valor de
suas ações, nos termos do art. 45. § 1o A convenção somente terá eficácia após o decurso do
prazo de 30 (trinta) dias, contado da publicação da ata da assembleia geral que a aprovou. §
2o O direito de retirada previsto no caput não será aplicável: I - caso a inclusão da convenção
de arbitragem no estatuto social represente condição para que os valores mobiliários de
emissão da companhia sejam admitidos à negociação em segmento de listagem de bolsa de
valores ou de mercado de balcão organizado que exija dispersão acionária mínima de 25%
(vinte e cinco por cento) das ações de cada espécie ou classe; II - caso a inclusão da
convenção de arbitragem seja efetuada no estatuto social de companhia aberta cujas ações
sejam dotadas de liquidez e dispersão no mercado, nos termos das alíneas “a” e “b” do inciso
II do art. 137 desta Lei. Art. 4o Revogam-se o § 4o do art. 22, o art. 25 e o inciso V do art. 32
da Lei nº 9.307, de 23 de setembro de 1996. Art. 5o Esta Lei entra em vigor após decorridos

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
29

60 (sessenta) dias de sua publicação oficial. Brasília, 26 de maio de 2015; 194o da


Independência e 127o da República. LEI FEDERAL Nº 13.129, DE 26 DE MAIO DE 2015”;

CONSIDERANDO a efetividade da conciliação e da mediação como instrumentos


de pacificação social, solução e prevenção de litígios;

CONSIDERANDO que desde 2015 o CNJ tem buscado fixar diretrizes para a nova
era da arbitragem enquanto Câmara de conciliação privada;

CONSIDERANDO que A arbitragem está disciplinada pela Lei Federal número


9.307/1996 que faculta às pessoas capazes de se valerem dela para solucionar litígios relativos
a direitos patrimoniais disponíveis;

CONSIDERANDO que a lei instituiu meio alternativo de solução de conflitos e


atribui eficácia à sentença arbitral, garantindo-lhe os mesmos efeitos da sentença judicial e
força de título executivo;

CONSIDERANDO que o CNJ deu novas diretrizes à conciliação e a mediação no


Brasil, quando se deu entrada no Senado, o Projeto de Lei nº 166/2010 tratando do Novo
Código de Processo Civil, que mais tarde foi transformado no Projeto Substitutivo nº
8.046/2010, na Câmara dos Deputados, e que em 17 de dezembro de 2014, após retornar ao
Senado, foi finalmente aprovado pelo Poder Legislativo;

CONSIDERANDO que há tempos, nos grandes centros urbanos e metrópoles já


existem as Câmaras de Arbitragem como apoio àqueles que necessitam de celeridade
procedimental para resolução de conflitos, porém nos interior onde foram instituídas
pequeninas cidades o feito é praticamente desconhecido e as maiorias dos litígios batem à
porta do Poder Judiciário causando morosidade no sistema;

CONSIDERANDO que o Direito Arbitral, ou a arbitragem, é hoje consagrada, como


um instituto explícito no NCPC, trazendo à tona aos olhos de todo o mundo jurídico, e por
consequência estamos prestes a sofrer uma metamorfose cultural em nosso meio em vias de
fato;

CONSIDERANDO que o chamado “Novo Código de Processo Civil” sancionado


entrou em vigência em março/2016 e tendo recepcionado os anseios do CNJ de modo a
estimular o que este chamou de "Cultura da Paz", trazendo o texto aprovado grande destaque
para a Mediação e Conciliação;

CONSIDERANDO que a lei processual vem em seu texto afirmando que “Os
conciliadores, os mediadores e as câmaras privadas de conciliação e mediação serão inscritos
em cadastro nacional e em cadastro de tribunal de justiça ou de tribunal regional federal, que
manterá registro de profissionais habilitados, com indicação de sua área profissional (Artigo
168 - Seção VI - NCPC);

CONSIDERANDO que o respeito à arbitragem deve partir de seus interlocutores e


necessário se faz regra condutas mínimas;

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
30

CONSIDERANDO que neste desiderato a firmação de instrumentos de solução de


conflitos de forma rápida e eficiente, por certo, exigirá mudança cultural de postura e ações
efetivas para dar o mínimo de suporte material, estímulo, treinamento, inclusive com a
previsão de remuneração dos mediadores e conciliadores, sob pena de perecer todo o esforço
legislativo até então empreendido;

CONSIDERANDO que o Novo Código de Processo Civil, positiva de forma muito


objetiva onde e quando será aplicada, cabendo aos operadores do direito, se adaptarem aos
novos tempos, e participarem de forma efetiva na busca da pacificação social, única forma de
obtermos a melhor atuação do Poder Judiciário, e a prestação jurisdicional mais efetiva;

CONSIDERANDO que a Comissão de Justiça e Cidadania – CJC-INESPEC decidiu


apoiar integralmente as providenciam adotadas no Processo: 0006866-39.2009.2.00.0000 -
Requerente: Ordem dos Advogados do Brasil – Conselho Federal, Requerido: Conselho
Nacional de Justiça, no que concerne em âmbito, CJC-INESPEC, fortalecimento das instituições
que atuam de forma séria e ética no campo da arbitragem;

CONSIDERANDO que a Comissão de Justiça e Cidadania – CJC-INESPEC deve


adotar um REGIMENTO GERAL para que na prática de suas ações institucionais adote medidas
que evitem induzir cidadãos interessados na arbitragem, a erro, e assegure uma boa aplicação
do instituto da arbitragem, da mediação e da conciliação...

CONSIDERANDO os termos da(...)

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERNA – CJC INESPEC


INI-CJC 1/2018-PRT No. 1.715.669 de, 25 de outubro
de 2018.
EMENTA: Disciplina as regras pro temporal dos
Procedimentos de MEDIAÇÃO em face das disposições
da Lei Federal Nº 13.140, DE 26 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre
a mediação entre particulares como meio de solução de
controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da
administração pública; altera a Lei no 9.469, de 10 de julho de 1997,
e o Decreto no 70.235, de 6 de março de 1972; e revoga o § 2o do
art. 6o da Lei no 9.469, de 10 de julho de 1997 e dá outras
providencias.

O Sr César Augusto Venâncio da Silva, no exercício das funções de


Coordenador da Comissão de Justiça e Cidadania, com base na
legislação federal vigente que dispõe sobre a instauração e
convocação de atos para mediação, em particular a lei federal – LEI
FEDERAL Nº 13.140, DE 26 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
31

mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias


e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração
pública; altera a Lei no 9.469, de 10 de julho de 1997, e o Decreto no
70.235, de 6 de março de 1972; e revoga o § 2o do art. 6o da Lei no
9.469, de 10 de julho de 1997.

CONSIDERANDO que na data de 24 dias do mês de outubro do ano


de 2018, na sede da Comissão de Justiça e Cidadania,
compareceram os RECLAMANTES: Sra. RENATA CÉLIA SAMPAIO
OLIVEIRA VALENTE e Sr. ROGÉRIO RIBEIRO NASCIMENTO,
comunicando que se estabeleceu um conflito entre os reclamantes
e as RECLAMADAS: Sra. MARIA JANE SOARES TARGINO CAVALCANTE
– ESTADO DA PARAÍBA – CIDADE CONDADO – PB. ASSOCIAÇÃO
COMUNITÁRIA DOS CIGANOS DE CONDADO – PB. PESSOA JURÍDICA
DE DIREITO PRIVADO. ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DA CULTURA
CIGANA DE CAUCAIA – ESTADO DO CEARÁ. CIDADE CAUCAIA – CE –
PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO, e que tal conflito levou os
reclamantes a se determinar a promover um pedido de abertura de
Inquérito Policial junto a SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA –
POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO CEARÁ, para apurar suposto crime
contra a honra dos reclamados, e posteriormente interpor AÇÃO
PENAL contra a pessoa física da primeira reclamada. Considerando
que com a Nova Legislação PROCESSUAL vigente, a Justiça busca uma
previa audiência de mediação com as partes, e que em tese o que os
reclamados buscam é a paz social.

CONSIDERANDO que empós ouvir os reclamantes e orientados sobre


os atuais procedimentos judiciais vigentes, em que qualquer ação
processual na Justiça requer para o bem social, uma prévia
conciliação e que poderá dependendo da natureza da ação ser
homologada pelo Ministério Público ou Poder Judiciário.

CONSIDERANDO que os reclamantes decidem junto a UNIDADE


CONDUTORA DA MEDIAÇÃO COMISSÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA
instaurar um “PROCEDIMENTO INTERINSTITUCIONAL – OS
RECLAMANTES DESEJAM NOTIFICAÇÃO EXTRAJUDICIAL COM
INTERPELAÇÃO EXTRAJUDICIAL VIA MEDIAÇÃO COM PREPARATÓRIA
PARA REPRESENTAÇÃO CRIMINAL (FUTURA EM CASO DE

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
32

OCORRÊNCIA DE FATO ONDE EM TESE JÁ SE ESTABELECEU) POR


CRIME CONTRA A HONRA DOS RECLAMADOS.

CONSIDERANDO que a legislação permite que a Comissão de Justiça e


Cidadania possa proceder da forma como está procedendo,
observando os princípios da legalidade.

CONSIDERANDO o que dispõe a LEI FEDERAL Nº 13.140, DE 26 DE


JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a mediação no seu CAPÍTULO I - DA
MEDIAÇÃO - Seção I - Disposições Gerais - Art. 2o A mediação será
orientada pelos seguintes princípios: I - imparcialidade do mediador;
II - isonomia entre as partes; III - oralidade; IV - informalidade; V -
autonomia da vontade das partes; VI - busca do consenso; VII -
confidencialidade; VIII - boa-fé. § 1o Na hipótese de existir previsão
contratual de cláusula de mediação, as partes deverão comparecer à
primeira reunião de mediação. § 2o Ninguém será obrigado a
permanecer em procedimento de mediação. Art. 3o Pode ser objeto
de mediação o conflito que verse sobre direitos disponíveis ou sobre
direitos indisponíveis que admitam transação. § 1o A mediação pode
versar sobre todo o conflito ou parte dele. § 2o O consenso das
partes envolvendo direitos indisponíveis, mas transigíveis, deve ser
homologado em juízo, exigida a oitiva do Ministério Público.

CONSIDERANDO o que dispõe a LEI FEDERAL Nº 13.140, DE 26 DE


JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a mediação no seu CAPÍTULO I -
Subseção II - Dos Mediadores Extrajudiciais - Art. 9o Poderá
funcionar como mediador extrajudicial qualquer pessoa capaz que
tenha a confiança das partes e seja capacitada para fazer mediação,
independentemente de integrar qualquer tipo de conselho,
entidade de classe ou associação, ou nele inscrever-se. Art. 10. As
partes poderão ser assistidas por advogados ou defensores públicos.
Parágrafo único. Comparecendo uma das partes acompanhada de
advogado ou defensor público, o mediador suspenderá o
procedimento, até que todas estejam devidamente assistidas.

CONSIDERANDO o que dispõe a LEI FEDERAL Nº 13.140, DE 26 DE


JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a mediação no seu CAPÍTULO I -
Subseção II - Da Mediação Extrajudicial. Art. 21. O convite para
iniciar o procedimento de mediação extrajudicial poderá ser feito por
qualquer meio de comunicação e deverá estipular o escopo proposto

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
33

para a negociação, a data e o local da primeira reunião. Parágrafo


único. O convite formulado por uma parte à outra considerar-se-á
rejeitado se não for respondido em até trinta dias da data de seu
recebimento. Art. 22. A previsão contratual de mediação deverá
conter, no mínimo: I - prazo mínimo e máximo para a realização da
primeira reunião de mediação, contado a partir da data de
recebimento do convite; II - local da primeira reunião de mediação; III
- critérios de escolha do mediador ou equipe de mediação; IV -
penalidade em caso de não comparecimento da parte convidada à
primeira reunião de mediação. § 1o A previsão contratual pode
substituir a especificação dos itens acima enumerados pela indicação
de regulamento, publicado por instituição idônea prestadora de
serviços de mediação, no qual constem critérios claros para a escolha
do mediador e realização da primeira reunião de mediação. § 2o Não
havendo previsão contratual completa, deverão ser observados os
seguintes critérios para a realização da primeira reunião de
mediação: I - prazo mínimo de dez dias úteis e prazo máximo de três
meses, contados a partir do recebimento do convite; II - local
adequado a uma reunião que possa envolver informações
confidenciais; III - lista de cinco nomes, informações de contato e
referências profissionais de mediadores capacitados; a parte
convidada poderá escolher, expressamente, qualquer um dos cinco
mediadores e, caso a parte convidada não se manifeste, considerar-
se-á aceito o primeiro nome da lista; IV - o não comparecimento da
parte convidada à primeira reunião de mediação acarretará a
assunção por parte desta de cinquenta por cento das custas e
honorários sucumbenciais caso venha a ser vencedora em
procedimento arbitral ou judicial posterior, que envolva o escopo da
mediação para a qual foi convidada. § 3o Nos litígios decorrentes de
contratos comerciais ou societários que não contenham cláusula de
mediação, o mediador extrajudicial somente cobrará por seus
serviços caso as partes decidam assinar o termo inicial de mediação e
permanecer, voluntariamente, no procedimento de mediação. Art.
23. Se, em previsão contratual de cláusula de mediação, as partes se
comprometerem a não iniciar procedimento arbitral ou processo
judicial durante certo prazo ou até o implemento de determinada
condição, o árbitro ou o juiz suspenderá o curso da arbitragem ou da
ação pelo prazo previamente acordado ou até o implemento dessa

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
34

condição. Parágrafo único. O disposto no caput não se aplica às


medidas de urgência em que o acesso ao Poder Judiciário seja
necessário para evitar o perecimento de direito. Diante da faculdade
permitida em lei, visando uma paz social, autua-se o presente
expediente nesta data, e para tanto autuamos as peças que adiante
seguem., na Cidade de Fortaleza...

CONSIDERANDO o que dispõe a LEI FEDERAL Nº 13.140, DE 26 DE


JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a mediação no que se refere à
CONFIDENCIALIDADE - Seção IV - Da Confidencialidade e suas
Exceções. Art. 30. Toda e qualquer informação relativa ao
procedimento de mediação será confidencial em relação a terceiros,
não podendo ser revelada sequer em processo arbitral ou judicial
salvo se as partes expressamente decidirem de forma diversa ou
quando sua divulgação for exigida por lei ou necessária para
cumprimento de acordo obtido pela mediação. § 1o O dever de
confidencialidade aplica-se ao mediador, às partes, a seus prepostos,
advogados, assessores técnicos e a outras pessoas de sua confiança
que tenham, direta ou indiretamente, participados do procedimento
de mediação, alcançando: I - declaração, opinião, sugestão, promessa
ou proposta formulada por uma parte à outra na busca de
entendimento para o conflito; II - reconhecimento de fato por
qualquer das partes no curso do procedimento de mediação; III -
manifestação de aceitação de proposta de acordo apresentada pelo
mediador; IV - documento preparado unicamente para os fins do
procedimento de mediação. § 2o A prova apresentada em desacordo
com o disposto neste artigo não será admitida em processo arbitral
ou judicial. § 3o Não está abrigada pela regra de confidencialidade a
informação relativa à ocorrência de crime de ação pública. § 4o A
regra da confidencialidade não afasta o dever de as pessoas
discriminadas no caput prestarem informações à administração
tributária após o termo final da mediação, aplicando-se aos seus
servidores a obrigação de manterem sigilo das informações
compartilhadas nos termos do art. 198 da Lei no 5.172, de 25 de
outubro de 1966 - Código Tributário Nacional.

CONSIDERANDO o que dispõe a LEI FEDERAL Nº 13.140, DE 26 DE


JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a mediação no que se referem à
CONFIDENCIALIDADE AS PARTES RECLAMANTES DECIDEM QUE ESTE

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
35

PROCESSO NÃO DEVE CORRER EM SEGREDO DE JUSTIÇA, porém após


a manifestação das partes reclamadas o mediador ouvindo as
reclamantes poderá decidir pela CONFIDENCIALIDADE – OU SEGREDO
DE JUSTIÇA.

CONSIDERANDO o que dispõe a LEI FEDERAL Nº 13.140, DE 26 DE


JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a mediação no que se referem à
CONFIDENCIALIDADE as partes reclamantes nos termos do Art. 31(
Será confidencial a informação prestada por uma parte em sessão
privada, não podendo o mediador revelá-la às demais, exceto se
expressamente autorizado)autoriza o mediador a publicar no sitio
oficial da entidade e do processo.

CONSIDERANDO que o Regimento Geral da Comissão de Justiça e


Cidadania encontra-se em discussão para aprovação, prazo este que
termina em 1 de janeiro de 2019, podendo ser visto no endereço:
http://wwwregimentocjc.blogspot.com/

Faz saber que nesta data fica instituído o REGIMENTO TEMPORÁRIO


PARA REGULAMENTAR A MEDIAÇÃO NO ÂMBITO DA COMISSÃO DE
JUSTIÇA E CIDADANIA, que deve vigir até a data de aprovação do
REGIMENTO GERAL DA COMISSÃO.

O Regulamento fica aprovado nos termos que segue.

Instrução Normativa Interna CJC-INESPEC 1/2018

Anexo I

EDITAL 1/2018

USO ESPECÍFICO NESTE EXPEDIENTE

Regulamento pro-tempore

Mediação Pós Conflito visando evitar a propositura de Ação Penal

Reclamantes: Sra. RENATA CÉLIA SAMPAIO OLIVEIRA VALENTE e Sr.


ROGÉRIO RIBEIRO NASCIMENTO.

Reclamado(s): Sra. MARIA JANE SOARES TARGINO CAVALCANTE –


ESTADO DA PARAÍBA – CIDADE CONDADO – PB. ASSOCIAÇÃO
COMUNITÁRIA DOS CIGANOS DE CONDADO – PB. PESSOA JURÍDICA
DE DIREITO PRIVADO. ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DA CULTURA
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
36

CIGANA DE CAUCAIA – ESTADO DO CEARÁ. CIDADE CAUCAIA – CE –


PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO

PAUTA: PROCEDIMENTO INTERINSTITUCIONAL – OS RECLAMANTES


DESEJAM NOTIFICAÇÃO EXTRAJUDICIAL COM INTERPELAÇÃO
EXTRAJUDICIAL VIA MEDIAÇÃO COM PREPARATÓRIA PARA
REPRESENTAÇÃO CRIMINAL (FUTURA EM CASO DE OCORRÊNCIA DE
FATO ONDE EM TESE JÁ SE ESTABELECEU)POR CRIME CONTRA A
HONRA DOS RECLAMADOS.

Capítulo I

Procedimentos da Mediação

Início do Processo

Art. 1°. Qualquer pessoa jurídica ou física, que possa representar


seus interesses disponíveis poderá solicitar a Comissão de Justiça e
Cidadania a mediação para solução de controvérsias oriundas de
interesses, posições ou direitos entre terceiros que também possa
representar seus direitos em observância a lei civil.

Art. 2°. A solicitação da Mediação, bem como o convite à outra


parte para dela participar, deverão, preferencialmente, ser
formulados por escrito.

Art. 3°. Quando devidamente convidada para a mediação a parte


reclamada não concordar em participar da Mediação, a parte
reclamante será imediatamente de ofício cientificada.

Parágrafo único. O período compreendido entre a apresentação da


petição inicial e a entrevista de pré-mediação não pode ultrapassar
30 (trinta) dias, salvo se previamente justificada pelo Mediador, com
ato publicado no sitio da Comissão de Justiça e Cidadania, e neste
caso o prazo máximo é de 90(noventa) dias.

Capítulo II

Representação e Assessoramento

Art. 4°. A mediação poderá ser feita pela internet ou por outro meio
de comunicação que permita a transação à distância, desde que as
partes estejam de acordo.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
37

§ 1o É facultado à parte domiciliada no exterior submeter-se à


mediação segundo as regras estabelecidas nesta Lei.

§ 2o As partes deverão participar do processo pessoalmente em


caso que não se aplique as disposições do parágrafo anterior,
admitindo-se que na impossibilidade comprovada de fazê-lo, podem
se fazer representar por uma outra pessoa, com procuração que
outorgue poderes necessários.

§ 3o As partes podem se fazer acompanhar por advogados e outros


assessores técnicos, e pessoas de sua confiança ou escolha, desde
que estas presenças sejam convencionadas entre as partes e
consideradas pelo mediador úteis e pertinentes ao necessário
equilíbrio do processo.

Capítulo III

Pré-Mediação

Art. 5°. O processo iniciará com uma entrevista que cumprirá os


seguintes procedimentos:

I. As partes deverão descrever a controvérsia e expor as suas


expectativas.

II. As partes serão esclarecidas sobre o processo da mediação,


seus procedimentos e suas técnicas.

III. Se durante a entrevista houver condições jurídicas


debatidas entre as partes ou ambas deliberarem por não adotar a
mediação será adotada a arbitragem devendo se observar
integralmente as Leis Federais:

a) LEI FEDERAL Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996.


Dispõe sobre a arbitragem.

a) LEI FEDERAL Nº 13.129, DE 26 DE MAIO DE 2015.


Altera a Lei no 9.307, de 23 de setembro de 1996, e a Lei no 6.404,
de 15 de dezembro de 1976, para ampliar o âmbito de aplicação da
arbitragem e dispor sobre a escolha dos árbitros quando as partes
recorrem a órgão arbitral, a interrupção da prescrição pela
instituição da arbitragem, a concessão de tutelas cautelares e de
urgência nos casos de arbitragem, a carta arbitral e a sentença
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
38

arbitral, e revoga dispositivos da Lei no 9.307, de 23 de setembro de


1996.

IV. As partes escolherão o Mediador, nos termos Deste


Regulamento Pro Tempore, que poderá a nomeação recair em que
se encontra coordenando os trabalhos da entrevista.

Parágrafo único. O período compreendido entre a entrevista de


preparação e aquela que propiciará a negociação de procedimentos
e a assinatura do Termo de Mediação, não deverá ultrapassar
60(sessenta) dias.

Art. 6°. Reunidas após a escolha do Mediador, e com a sua


orientação, as partes devem firmar o Termo de Mediação, no qual
serão estabelecidos:

I. A agenda de trabalho;

II. Os objetivos da Mediação proposta;

III. As normas e procedimentos, ainda que sujeitos à


redefinição negociada a qualquer momento durante o processo, a
saber:

a) Extensão do sigilo no que diz respeito à instituição, ao


mediador, às partes e demais pessoas que venham a participar do
processo;

b) Estimativa do seu tempo de duração, freqüência e duração


das reuniões;

c) Normas relativas às reuniões privadas e conjuntas;

d) Procedimentos relativos aos documentos aportados à


Mediação e aos apontamentos produzidos pelos mediadores;

IV. As pessoas que as representarão, mediante procuração


com poderes de decisão expressos, ou as acompanharão, se for o
caso

V. local da Mediação.

Capítulo IV

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
39

Escolha do Mediador, Procedimento Inicial

Art. 7°. Os Mediadores serão escolhidos livremente pela COMISSÃO


DE JUSTIÇA E CIDADANIA, observando as regras de seu Regimento
Geral.

§ 1º. As partes poderão em observância a legislação federal


pertinente e ao Código de Processo Civil arguir suspeição do
mediador, apresentando petição apartada que será autuada em
apenso.

§ 2º. Os Mediadores serão escolhidos livremente pela COMISSÃO


DE JUSTIÇA E CIDADANIA, e manifestarão sua aceitação e firmarão o
termo específico relativo à sua atuação nos autos do Procedimento
Administrativo de Mediação.

Art. 8°. Escolhido o mediador no início da primeira reunião de


mediação, e sempre que julgar necessário, o mediador deverá alertar
as partes acerca das regras de confidencialidade aplicáveis ao
procedimento.

Art. 9°. A requerimento das partes ou do mediador, e com anuência


daquelas, poderão ser admitidos outros mediadores para
funcionarem no mesmo procedimento, quando isso for
recomendável em razão da natureza e da complexidade do conflito.

Art. 10. Ainda que haja processo arbitral ou judicial em curso, as


partes poderão submeter-se à mediação, hipótese em que
requererão ao juiz ou árbitro a suspensão do processo por prazo
suficiente para a solução consensual do litígio.

§ 1o É irrecorrível a decisão que suspende o processo nos termos


requeridos de comum acordo pelas partes.

§ 2o A suspensão do processo não obsta a concessão de medidas de


urgência pelo juiz ou pelo árbitro.

Art. 11. Considera-se instituída a mediação na data para a qual for


marcada a primeira reunião de mediação.

Parágrafo único. Enquanto transcorrer o procedimento de mediação,


ficará suspenso o prazo prescricional.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
40

Art. 12. Iniciada a mediação, as reuniões posteriores com a presença


das partes somente poderão ser marcadas com a sua anuência.

Art. 13. No desempenho de sua função, o mediador poderá reunir-se


com as partes, em conjunto ou separadamente, bem como solicitar
das partes as informações que entender necessárias para facilitar o
entendimento entre aquelas.

Art. 14. O procedimento de mediação será encerrado com a


lavratura do seu termo final, quando for celebrado acordo ou quando
não se justificarem novos esforços para a obtenção de consenso, seja
por declaração do mediador nesse sentido ou por manifestação de
qualquer das partes.

Parágrafo único. O termo final de mediação, na hipótese de


celebração de acordo, constitui título executivo extrajudicial e,
quando homologado judicialmente, título executivo judicial.

Capítulo V

Procedimento Da Mediação Extrajudicial

Art. 15. O convite para iniciar o procedimento de mediação


extrajudicial poderá ser feito por qualquer meio de comunicação e
deverá estipular o escopo proposto para a negociação, a data e o
local da primeira reunião.

Parágrafo único. O convite formulado por uma parte à outra


considerar-se-á rejeitado se não for respondido em até trinta dias da
data de seu recebimento.

Art. 16. A previsão contratual de mediação deverá conter, no


mínimo:

I - prazo mínimo e máximo para a realização da primeira reunião de


mediação, contado a partir da data de recebimento do convite;

II - local da primeira reunião de mediação;

III - critérios de escolha do mediador ou equipe de mediação;

IV - penalidade em caso de não comparecimento da parte convidada


à primeira reunião de mediação.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
41

§ 1o A previsão contratual pode substituir a especificação dos itens


acima enumerados pela indicação de regulamento, publicado por
instituição idônea prestadora de serviços de mediação, no qual
constem critérios claros para a escolha do mediador e realização da
primeira reunião de mediação.

§ 2o Não havendo previsão contratual completa, deverão ser


observados os seguintes critérios para a realização da primeira
reunião de mediação:

I - prazo mínimo de dez dias úteis e prazo máximo de três meses,


contados a partir do recebimento do convite;

II - local adequado a uma reunião que possa envolver informações


confidenciais;

III - lista de cinco nomes, informações de contato e referências


profissionais de mediadores capacitados; a parte convidada poderá
escolher, expressamente, qualquer um dos cinco mediadores e, caso
a parte convidada não se manifeste, considerar-se-á aceito o
primeiro nome da lista;

IV - o não comparecimento da parte convidada à primeira reunião de


mediação acarretará a assunção por parte desta de cinquenta por
cento das custas e honorários sucumbenciais caso venha a ser
vencedora em procedimento arbitral ou judicial posterior, que
envolva o escopo da mediação para a qual foi convidada.

§ 3o Nos litígios decorrentes de contratos comerciais ou societários


que não contenham cláusula de mediação, o mediador extrajudicial
somente cobrará por seus serviços caso as partes decidam assinar o
termo inicial de mediação e permanecer, voluntariamente, no
procedimento de mediação.

Art. 17. Se, em previsão contratual de cláusula de mediação, as


partes se comprometerem a não iniciar procedimento arbitral ou
processo judicial durante certo prazo ou até o implemento de
determinada condição, o árbitro ou o juiz suspenderá o curso da
arbitragem ou da ação pelo prazo previamente acordado ou até o
implemento dessa condição.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
42

Parágrafo único. O disposto no caput não se aplica às medidas de


urgência em que o acesso ao Poder Judiciário seja necessário para
evitar o perecimento de direito.

Capítulo VI

Atuação do Mediador

Art. 18. As reuniões de Mediação serão realizadas preferencialmente


em conjunto com as partes, quando realizada pela via virtual Internet
pode observar as regras previstas no Regimento Geral da Comissão
de Justiça e Cidadania.

Art. 19. As reuniões de Mediação realizadas pela via virtual Internet


deve ter ampla divulgação.

Art. 20. As reuniões de Mediação realizadas pela via virtual Internet


deve manter o sigilo dos atos somente nas pautas autorizadas pelo
Mediador, a pedido das partes reclamantes e comum acordo das
partes reclamadas.

Art. 21. A imposição do sigilo será realizada através de ato


interlocutório do mediador mediante provocação das partes, e no
silencio, todos os atos terão publicidades amplas.

Art. 22. Havendo necessidade e concordância das partes, o Mediador


poderá reunir-se separadamente com cada uma delas, respeitada a
igualdade de oportunidades e o sigilo nessa circunstância.

Art. 23. Havendo necessidade e concordância das partes, o Mediador


poderá reunir-se separadamente com cada uma delas, respeitada a
igualdade de oportunidades e o sigilo nessa circunstância.

Art. 24. O Mediador ao conduzir os procedimentos e estabelecendo


contatos com as partes não estar obrigado a relatar a conversa entre
eles, porém deve ter cautela, de por a termo todos os encontros com
as partes, lavrando relatório, com fins de garantir a credibilidade de
seus atos, e garantir também a própria celeridade do processo.

Art. 25. O Mediador cuidará para que haja equilíbrio de participação,


informação e poder decisório entre as partes.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
43

Art. 26. Salvo se as partes dispuserem em contrário, o Mediador


pode:

I. Aumentar ou diminuir qualquer prazo;

II. Interrogar o que entender necessário para o bom


desenvolvimento do

Processo;

III. Solicitar às partes que deixe à sua disposição tudo o que


precisar para sua própria inspeção; bem como a apresentação de
documento ou classe de documentos que se encontrem em sua
posse, custódia ou poder de disposição, desde que entenda relevante
para sua análise, ou por qualquer das partes;

IV. Solicitar às partes que procurem toda informação técnica e


legal necessária para a tomada de decisões.

Capítulo VII

Impedimentos e Sigilo junto ao Mediador

Art. 27. O Mediador fica impedido de atuar ou estar diretamente


envolvido em procedimentos subseqüentes à Mediação, tais como na
Arbitragem ou no Processo Judicial quando a Mediação obtiver êxito
ou não, a menos que as partes disponham diferentemente.

Art. 28. As informações da Mediação são públicas, porém as partes


podem requerer ao Mediador que por despacho nos autos sejam
declaradas confidenciais e privilegiadas e o Mediador, qualquer das
partes, ou outra pessoa que atue na Mediação, não poderá revelar a
terceiros ou serem chamados ou compelidos, inclusive em posterior
Arbitragem ou Processo Judicial, a revelar fatos, propostas e
quaisquer outras informações obtidas durante a Mediação.

Art. 29. Os documentos originais apresentados durante a Mediação


deverão ser devolvidos às partes, após análise; ou destruídos, e em
cópias os documentos serão arquivados, o que desde o nascedouro
do processo já fica convencionado.

Art. 30. As informações da Mediação são públicas, as partes podem


requerer ao Mediador que por despacho nos autos sejam declaradas

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
44

confidenciais e privilegiadas as informações argüindo a


fundamentação dos parágrafos deste artigo.

§ 1o Toda e qualquer informação relativa ao procedimento de


mediação será confidencial em relação a terceiros, não podendo ser
revelada sequer em processo arbitral ou judicial salvo se as partes
expressamente decidirem de forma diversa ou quando sua
divulgação for exigida por lei ou necessária para cumprimento de
acordo obtido pela mediação.

§ 2o O dever de confidencialidade aplica-se ao mediador, às partes, a


seus prepostos, advogados, assessores técnicos e a outras pessoas de
sua confiança que tenham, direta ou indiretamente, participados do
procedimento de mediação, alcançando:

I - declaração, opinião, sugestão, promessa ou proposta formulada


por uma parte à outra na busca de entendimento para o conflito;

II - reconhecimento de fato por qualquer das partes no curso do


procedimento de mediação;

III - manifestação de aceitação de proposta de acordo apresentada


pelo mediador;

IV - documento preparado unicamente para os fins do procedimento


de mediação.

§ 3o A prova apresentada em desacordo com o disposto neste artigo


não será admitida em processo arbitral ou judicial.

§ 4o Não está abrigada pela regra de confidencialidade a informação


relativa à ocorrência de crime de ação pública.

§ 5o A regra da confidencialidade não afasta o dever de as pessoas


discriminadas no caput prestarem informações à administração
tributária após o termo final da mediação, aplicando-se aos seus
servidores a obrigação de manterem sigilo das informações
compartilhadas nos termos do art. 198 da Lei no 5.172, de 25 de
outubro de 1966 - Código Tributário Nacional.

§ 6o Será confidencial a informação prestada por uma parte em


sessão privada, não podendo o mediador revelá-la às demais, exceto
se expressamente autorizado.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
45

Capítulo VII

Impedimentos e Sigilo junto ao Mediador

Art. 27. O Mediador fica impedido de atuar ou estar diretamente


envolvido em procedimentos subseqüentes à Mediação, tais como na
Arbitragem ou no Processo Judicial quando a Mediação obtiver êxito
ou não, a menos que as partes disponham diferentemente.

Art. 28. As informações da Mediação são públicas, porém as partes


podem requerer ao Mediador que por despacho nos autos sejam
declaradas confidenciais e privilegiadas e o Mediador, qualquer das
partes, ou outra pessoa que atue na Mediação, não poderá revelar a
terceiros ou serem chamados ou compelidos, inclusive em posterior
Arbitragem ou Processo Judicial, a revelar fatos, propostas e
quaisquer outras informações obtidas durante a Mediação.

Art. 29. Os documentos originais apresentados durante a Mediação


deverão ser devolvidos às partes, após análise; ou destruídos, e em
cópias os documentos serão arquivados, o que desde o nascedouro
do processo já fica convencionado.

Art. 30. As informações da Mediação são públicas, as partes podem


requerer ao Mediador que por despacho nos autos sejam declaradas
confidenciais e privilegiadas as informações argüindo a
fundamentação dos parágrafos deste artigo.

§ 1o Toda e qualquer informação relativa ao procedimento de


mediação será confidencial em relação a terceiros, não podendo ser
revelada sequer em processo arbitral ou judicial salvo se as partes
expressamente decidirem de forma diversa ou quando sua
divulgação for exigida por lei ou necessária para cumprimento de
acordo obtido pela mediação.

§ 2o O dever de confidencialidade aplica-se ao mediador, às partes, a


seus prepostos, advogados, assessores técnicos e a outras pessoas de
sua confiança que tenham, direta ou indiretamente, participados do
procedimento de mediação, alcançando:

I - declaração, opinião, sugestão, promessa ou proposta formulada


por uma parte à outra na busca de entendimento para o conflito;

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
46

II - reconhecimento de fato por qualquer das partes no curso do


procedimento de mediação;

III - manifestação de aceitação de proposta de acordo apresentada


pelo mediador;

IV - documento preparado unicamente para os fins do procedimento


de mediação.

§ 3o A prova apresentada em desacordo com o disposto neste artigo


não será admitida em processo arbitral ou judicial.

§ 4o Não está abrigada pela regra de confidencialidade a informação


relativa à ocorrência de crime de ação pública.

§ 5o A regra da confidencialidade não afasta o dever de as pessoas


discriminadas no caput prestarem informações à administração
tributária após o termo final da mediação, aplicando-se aos seus
servidores a obrigação de manterem sigilo das informações
compartilhadas nos termos do art. 198 da Lei no 5.172, de 25 de
outubro de 1966 - Código Tributário Nacional.

§ 6o Será confidencial a informação prestada por uma parte em


sessão privada, não podendo o mediador revelá-la às demais, exceto
se expressamente autorizado.

Capítulo VIII

Das Custas Processuais

Art. 31. Os custos, assim consideradas as despesas administrativas e


demais relativas ao Mediador e ao Processo de Mediação serão
suportadas pelos reclamantes deste Processo: MEDIAÇÃO –
NOTIFICAÇÃO E INTERPELAÇÃO EXTRAJUDICIAL

No. 2018.1.715.661.

Capítulo IX

Do Acordo

Art. 31. Os acordos constituídos na mediação podem ser totais ou


parciais.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
47

Parágrafo único. Caso alguns itens da pauta de mediação não


tenham logrado acordo, o mediador poderá atuar na negociação
destinada a auxiliar as partes a elegerem outros meios extrajudiciais
ou judiciais para a sua resolução.

Art. 32. Em consonância com o desejo das partes, os acordos obtidos


na mediação podem ser informais ou constituírem-se instrumentos
executivos extrajudiciais incorporando a assinatura de duas
testemunhas, preferencialmente os advogados das partes ou outra(s)
por elas indicadas.

Capítulo X

Encerramento

Art. 33. O Processo de Mediação encerra-se:

I. Com a assinatura do termo de acordo pelas partes;

II. Por uma declaração escrita do Mediador, no sentido de que


não se justifica aplicar mais esforços para buscar a composição;

III. Por uma declaração conjunta das partes, dirigida ao


Mediador com o efeito de encerrar a Mediação;

IV. Por uma declaração escrita de uma parte para a outra, e


para o Mediador, com o efeito de encerrar a Mediação.

Capítulo XI

Disposições Finais

Art. 34. É recomendável que as partes passem a inserir Cláusula de


Mediação ou Arbitragem nos contratos em geral que venham a
firmar.

Art. 35. Se uma controvérsia surgir em razão deste contrato ou


posteriores adendos, incluindo, sem limitação, o seu
descumprimento, término, validade ou invalidade, ou qualquer
questão relacionada com o mesmo, às partes convencionam desde já
que primeiramente irão buscar uma solução por meio da Mediação,
fundadas no princípio da boa fé, antes de recorrer a outros meios
judiciais ou extrajudiciais para resolução de controvérsias.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
48

Art. 36. Caberá ao mediador mediante despacho deliberar sobre


lacunas do presente regulamento, podendo delegar essa tarefa aos
membros da Comissão de Justiça e Cidadania, se assim o desejarem.

Art. 37. Havendo omissão no corpo textual deste regulamento deve


ser aplicada subsidiariamente a Lei Federal que regula mediação na
República Federativa

Art. 38. Esta Instrução Normativa Interna entra em vigor depois de


decorridos vinte e quatro horas de sua publicação oficial no sitio da
Comissão de Justiça e Cidadania.

Art. 39. Esta Instrução Normativa Interna revoga-se as disposições


em contrário. Fortaleza, 25 de outubro de 2018. As 20:01:40. César

Augusto Venâncio da Silva - Árbitro em Direito/Mediador - CPF


1655412449.

Faz saber que a(...):

I. Comissão de Justiça e Cidadania tornar-se-á uma Câmara de Direito


Arbitral Civil, Comercial e Trabalhista, que atuará em Arbitragem,
Mediação e Conciliação.

II. Por este edital apresenta a PROPOSTA DE REGIMENTO GERAL que está
aberta a recepção de emenda e texto redacional.

III. Podem enviar EMENDA/REDAÇÃO/SUBSTITUIÇÃO E EMENDAS


MODIFICATIVAS todos os árbitros cadastrados na entidade e que já
julgaram processos na Comissão DE Justiça e Cidadania na qualidade de
árbitro, nos termos do artigo 18 da lei da arbitragem.

IV. Podem enviar EMENDA/REDAÇÃO/SUBSTITUIÇÃO E EMENDAS


MODIFICATIVAS todos os mediadores e conciliadores cadastrados na
entidade mesmo não tendo atuado em processos na Comissão de Justiça
e Cidadania.

V. As EMENDA/REDAÇÃO/SUBSTITUIÇÃO E EMENDAS MODIFICATIVAS


deverão ser protocoladas até o dia 31 de dezembro de 2018, prazo final
para a publicação do relatório final de conclusão do ANTEPROJETO DE
REGIMENTO GERAL.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
49

VI. A proposta inicial apresentada nesta data é a que segue no ANEXO I

Fortaleza, 15 de novembro de 2018. As 20:01:40.

César Augusto Venâncio da Silva - Árbitro em Direito/Mediador

CPF 1655412449

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
50

ANEXO A RESOLUÇÃO

REGIMENTO GERAL

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT

1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018.

EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA DE

ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no

âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania,

órgão da estrutura administrativa do Instituto de

Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui

seu Regimento Geral e da outras providencias.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
51

Título I
Da Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa,
Extensão e Cultura.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
52

Art. 1º – Fica instituída a Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação no


âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa,
Extensão e Cultura.

Art. 2º – São princípios da Comissão de Justiça e Cidadania a defesa e o


respeito transnacional dos Direitos humanos, na visão de são os todos direitos
relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas.

Parágrafo Único. Na defesa dos direitos civis, os direitos humanos são direitos
que são garantidos à pessoa pelo simples fato de ser humana. Assim, os
direitos humanos são todos direitos e liberdades básicas, considerados
fundamentais para dignidade.

Art. 3º – A Comissão de Justiça e Cidadania deve manter parcerias e


protocolos de intenções com organizações e movimentos que têm como
objetivo defender os direitos humanos, entre elas:

I. Anistia Internacional,

II. Serviço Paz e Justiça na América Latina;

III. Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos;

IV. Human Rights Watch;

V. Gabinete de Instituições Democráticas e Direitos Humanos da


Organização para a Segurança e Cooperação na Europa;

VI. Associações de APAES no Brasil e no Exterior.

Art. 4º – A Comissão de Justiça e Cidadania deve manter parcerias e


protocolos de intenções com fins de propalar os direitos humanos, visando
fortalecer as principais características dos direitos humanos, nos termos:

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
53

I - Principal função - garantir a dignidade de todas as pessoas;

II – Universais: são válidos para todas as pessoas, sem qualquer tipo de


discriminação ou diferenciação;
III – São relacionados entre si: todos os direitos humanos devem ser aplicados
igualmente, a falta de um direito pode afetar os outros;

IV - São indisponíveis: significa que uma pessoa não pode abrir mão dos seus
direitos;

V – São imprescritíveis: significa que os direitos humanos não têm prazo e não
perdem a validade.

Art. 5º – A Comissão de Justiça e Cidadania na defesa dos direitos humanos


deve se assegurar dos cumprimentos das Leis nacional e Tratados
Internacional de Direito Público, com fins de propalar os direitos e fortalecer a
dignidade das pessoas.

Parágrafo Único. Na defesa dos direitos civis, deve a Comissão propalar e


denunciar as violações nos termos:

I - Leis sobre os direitos humanos - Os direitos humanos são tratados em


várias leis, convenções, acordos e tratados internacionais.

II Além da existência de leis sobre o assunto, é dever de cada Estado ter as


suas próprias leis que garantam que os direitos humanos serão respeitados e
colocados em prática.

III – Das Leis que tratam dos direitos humanos:

a. Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948);

b. Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos (1966);

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
54

c. Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais


(1966).

III – Da Constituição Federal de 1988, no artigo 5º, os direitos e garantias


fundamentais dos cidadãos:

a. Proibição de tortura e tratamento desumano;

b. Igualdade de direitos e deveres entre mulheres e homens;

c. Liberdade de pensamento, de crença e de religião;

d. Proibição de censura;

e. Proteção da intimidade, vida privada, honra e imagem;

f. Sigilo telefônico e de correspondências;

g. Liberdade de escolha de profissão;

h. Liberdade de locomoção dentro do país;

i. Direito de propriedade e de herança;

j. Acesso garantido à justiça;

k. Racismo, tortura e tráfico de drogas são crimes inafiançáveis;

l. Proibição de pena de morte;

m. Nenhum brasileiro pode ser extraditado.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
55

Art. 6º – A Comissão de Justiça e Cidadania deve desenvolver, desde sempre,


a defesa da Cidadania.

§ 1. Entendem-se como direitos humanos, cidadania e democracia: O


exercício dos direitos e deveres civis, políticos e sociais que estão previstos na
Constituição.

§ 2. Constitui-se em direitos civis fundamentais para fins de ativismo no âmbito


da Comissão de Justiça e Cidadania:

a. Exercer a cidadania é ter consciência de seus direitos e de suas


obrigações para poder lutar e cobrar para que eles sejam colocados em
prática e garantidos pelo Estado.

b. Para exercer a cidadania plenamente os membros de uma sociedade


devem usufruir dos direitos humanos e dos direitos fundamentais, tanto
no âmbito individual quanto no coletivo.

c. Ter plena cidadania e igualdade entre os cidadãos faz parte do conceito


de democracia, que prevê a participação de todos na sociedade em
condições de igualdade.

d. Assim, a igualdade, a preservação dos direitos humanos, a dignidade e


a cidadania são fundamentais para garantir a democracia em qualquer
nação.

Art. 7º – A Comissão de Justiça e Cidadania deve desenvolver, desde sempre,


a defesa da Dignidade da pessoa humana:

a. Dignidade da pessoa humana é um conjunto de princípios e valores que


tem a função de garantir que cada cidadão tenha seus direitos
respeitados pelo Estado. O principal objetivo é garantir o bem estar de
todos os cidadãos.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
56

b. A dignidade da pessoa humana é um princípio fundamental do Brasil.


Significa que é um objetivo que o Estado deve cumprir, através da ação
dos seus governos.

c. A dignidade da pessoa humana é ligada aos direitos e deveres do


cidadão. Envolve as condições que são necessárias para que uma
pessoa tenha uma vida digna, com respeito aos seus direitos e deveres.

d. Também se relaciona com os valores morais, porque é a união de


direitos e deveres para garantir que o cidadão seja respeitado em suas
questões e valores pessoais.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
57

Capítulo I
Instituição, Sede, Objetivos da CJC-INESPEC

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
58

Art. 8º – A institucionalização da Câmara de Arbitragem, Mediação e


Conciliação e Comissão de Justiça e Cidadania, estão dentro dos objetivos
específicos do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, que no seu
estatuto prevê que o objetivo específico do INESPEC é ser mantenedor de
unidades e projetos sociais difusos nos seguimentos:

I – Assistência Social;

II - Saúde;

III – Trabalho;

IV - Educação;

V - Cultura;

VI - Direitos da Cidadania;

VII – Gestão Ambiental;

VIII – Comunicações;

IX - Desporto e Lazer.

§ 1. Os eixos dos projetos no âmbito do INESPEC


seguem às seguintes diretrizes:

I – Assistência Social.

1 – Assistência ao Idoso.

2 – Assistência aos Portadores de deficiência:

a) Mental;
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
59

b) Física;

c) Intelectual.

3 – Assistência a Criança e ao Adolescente.

II - Saúde.

1 – Atenção Médica Social primária.

2 – Assistência Médica Ambulatorial não


emergencial nem de caráter de urgência
complexa.

3 – Educação em medicina social preventiva.

4 – Educação fitoterápica não invasiva.

5 – Prevenção e atenção a saúde primária


preventiva.

6 – Projeto de Clínica de Psicopedagogia voltada


para a cooperação de recuperação de
dependentes químicos.

7 – Projeto de Clínica de Psicopedagogia voltada


para a cooperação de intervenção em distúrbios
e transtornos educacionais com
comprometimento neuropediátrico.

III – Trabalho.

1 – Formação profissional para o trabalho.


Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
60

2 – Formação profissional especializada


continuada.

3 – Qualificação para o trabalho.

IV - Educação.

1 – Ensino:

a) Fundamental;

b) Médio;

c) Profissional;
d) Superior;

e) Infantil;

f) Educação Especial voltada para o atendimento


educacional especializado via CAEE INESPEC;

g) Educação Básica para contribuição da


erradicação do analfabetismo na sua área
territorial de atuação, enquanto projeto.

V - Cultura.

1 – Difusão da Cultura Musical diversificada.

2 – Difusão da Cultura Artística Popular.

3 – Difusão da Cultura Musical, Artística em


áudio visual.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
61

VI - Direitos da Cidadania.

1 – Justiça Arbitral(Art 18 da Lei Federal Nº


9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996. Dispõe
sobre a arbitragem).

2 – Educação e civismo para o exercício da


cidadania plena.

3 – Cultura de Paz.
VII – Gestão Ambiental.

1 – Educação ambiental em formação


continuada.
2 – Práticas para o exercício da conscientização
da preservação global do ecossistema.

VIII – Comunicações.

1 – Rádio Comunitária Internacional via WEB.

2 – Rádio Comunitária FM.

3 – Televisão Virtual via WEB.

4 – Televisão Educativa Aberta – VHS/UHF.

IX - Desporto e Lazer.

1 – Grupo de apoio a educação esportiva com


envolvimento de crianças e adolescente em
risco de segurança social.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
62

2 – Formação de movimentos de escoteiros


com visão de integração social de crianças e
adolescentes em risco de segurança social.

§ 1. Os projetos previstos nos eixos podem ser desenvolvidos unitariamente


pelo INESPEC, ou em consórcio, dependendo de prévia autorização da
Presidência do INESPEC em processo específico para estes fins.

§ 2. Os projetos previstos nos eixos não são auto executáveis estando sujeitos
a liberação de dotação orçamentária especifica, e existindo deve-se ter a
autorização da Presidência do INESPEC em processo específico para estes
fins.

§ 3. Comissão de Justiça e Cidadania enquanto Câmara de Arbitragem,


Mediação e Conciliação desenvolverá os objetivos específicos do Instituto de
Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, no eixo: VI - Direitos da Cidadania - 1 –

§ 4. A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação desenvolverá ações


dentro do “PROJETO NACIONAL EM TORNO DA IMPLEMENTAÇÃO DA
JUSTIÇA ARBITRAL”, com base na legislação, Lei Federal Nº 9.307, DE 23 DE
SETEMBRO DE 1996. Dispõe sobre a arbitragem.

§ 5. A administração e as decisões da Comissão de Justiça e Cidadania,


através de seu coordenador geral serão tomadas de forma monocrática, salvo
delegação de competência exclusiva a membros da Coordenação.

§ 6. Nos casos de dissolução da unidade CJC-INESPEC, ela subsistirá para os


fins de liquidação, até que esta se conclua.

§ 7. Aplica-se à CJC-INESPEC, no que couber, a proteção dos direitos da


personalidade.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
63

§ 8. A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação desenvolverá ações


dentro do “PROJETO NACIONAL EM TORNO DA IMPLEMENTAÇÃO DA
MEDIAÇÃO EXTRAJUDICIAL” com base na legislação, LEI FEDERAL Nº
13.140, DE 26 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a mediação entre
particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição
de conflitos no âmbito da administração pública; altera a Lei no 9.469, de 10 de
julho de 1997, e o Decreto no 70.235, de 6 de março de 1972; e revoga o § 2o
do art. 6o da Lei no 9.469, de 10 de julho de 1997, em particular nos artigos:
CAPÍTULO I - DA MEDIAÇÃO - Seção I - Disposições Gerais - Art. 2º, I -, II -, III
-, IV -, V -, VI -, VII -, VIII -. § 1º, § 2º, Art. 3º, § 1º, § 2º. Subseção II -, Dos
Mediadores Extrajudiciais - Art. 9º, Art. 10. Subseção II - Da Mediação
Extrajudicial. Art. 21, Parágrafo único. Art. 22, I -, II -, III -, IV -. § 1º, § 2º, I -, II -,
III -, IV -, § 3º, Art. 23, Parágrafo único.

Art. 9º – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura a entidade


juridicamente constituída, que mantém em sua estrutura uma unidade
denominada Comissão de Justiça e Cidadania com a sigla CJC-INESPEC.

Art.10. – Comissão de Justiça e Cidadania com a sigla CJC-INESPEC não é


dotada de personalidade jurídica dependendo da personalidade jurídica do
INESPEC para implementar suas ações no mundo jurídico.

Art.11 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura através da


unidade denominada Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-INESPEC, será a
mantenedora da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação.

Art.12. – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura é uma entidade


de direito privado, de caráter cultura, social, recreativo e associativo, sem fins
lucrativos, considerado uma organização social, cujas atividades são dirigidas
ao ensino, à extensão da propagação prática das ações de conhecimento
técnico cientifico e social, pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico,
educação, saúde, cultura, trabalho, lazer, desportos, proteção e preservação
do meio ambiente, atendendo a sociedade civil através de ações de prestação
de serviço público delegado, nos termos da legislação vigente.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
64

§ 1. A unidade Comissão de Justiça e Cidadania adota em seus atos a sigla


CJC-INESPEC podendo fazer referência ao CNPJ da entidade Instituto de
Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura.

§ 2. A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação no âmbito da Comissão


de Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura
terá duração de existência jurídica e de fato por tempo indeterminado.

§ 3. A sede principal da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação


INESPEC é na cidade de Fortaleza, Estado do Ceará, podendo ter unidades
representativas em todo território nacional.

§ 4. A nomeação de representantes para a Câmara de Arbitragem, Mediação e


Conciliação em qualquer instância da administração, no país Brasil, ou no
exterior, depende de prévia autorização de competência originária da
Presidência do INESPEC, após processo administrativo interno de nomeação.

§ 5. O presente Regimento Geral da Comissão de Justiça e Cidadania


disciplina os procedimentos administrativos e funcionais da unidade bem como
da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação.

§ 6. O nome da pessoa jurídica INESPEC - Instituto de Ensino, Pesquisa,


Extensão e Cultura pode ser empregado e utilizado pela unidade denominada
Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-INESPEC, bem como pela Câmara de
Arbitragem, Mediação e Conciliação.

§ 7. O nome da pessoa jurídica INESPEC - Instituto de Ensino, Pesquisa,


Extensão e Cultura incluindo Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-INESPEC,
e Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação não serão expostas (a) ou
divulgadas em propaganda comercial, por outrem, incluindo em publicações ou
representações que a exponham ao desprezo público, ainda quando não haja
intenção difamatória, e para quaisquer fins deve ter autorização por escrita da
Presidência do instituto (Lei Federal No 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002,
artigos 17 e 18).
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
65

§ 8. O INESPEC - Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura(e a


unidade denominada Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-INESPEC, bem
como a Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação)é uma pessoa jurídica
de direito privado, nos termos da (Lei Federal No 10.406, DE 10 DE JANEIRO
DE 2002, artigo Art. 44, I).

§ 9. Aplicam-se ao INESPEC e a unidade denominada Comissão de Justiça e


Cidadania, CJC-INESPEC, bem como a Câmara de Arbitragem, Mediação e
Conciliação as disposições do Livro II da Parte Especial da Lei Federal No
10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002, c/c Lei Federal nº 10.825, de
22.12.2003.

Art. 13. O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura através da unidade


denominada Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-INESPEC, será a
mantenedora da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação, poderão, a
fim de fazer cumprir seus objetivos organizar-se em quantas Sub-Câmaras se
façam necessários para sua institucionalização, os quais se regerão pelo seu
REGIMENTO GERAL.

Art. 14. O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura através da unidade


denominada Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-INESPEC, é a
mantenedora da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação, gozarão de
autonomia didático-científica, disciplinar, administrativa e financeira, que será
exercida na forma da legislação em vigor, do estatuto, do Regimento Geral do
INESPEC e do seu Regimento geral.

Art. 15. Nomeação de Diretores, Vice-Diretores e Secretários das unidades,


Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-INESPEC, e a Câmara de Arbitragem,
Mediação e Conciliação será feitas pela Presidente do INESPEC, dentro dos
autos de procedimento administrativo interno, a nomeação não será válida sem
o prévio processo legal.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
66

Art. 16. A nomeação de membros da Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-


INESPEC, e a Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação, poderá ser
acumulada com outras atividades, e as atividades serão exercidas em carga
mínima de 100 horas mês, e no máximo de 300 horas mês, desde que não seja
incompatível com outras atividades internas da organização, e que conste no
orçamento o pagamento de vantagens pecuniárias.

Art. 17. A presidência do INESPEC pode delegar competência para a


nomeação de que trata o artigo anterior, dentro dos autos de procedimento
administrativo interno, a nomeação não será válida sem o prévio processo
legal.

Parágrafo Único. A destituição ou exoneração de membros em diversos níveis


de gestão de unidades, Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-INESPEC, e a
Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação, serão feitas pela Presidente
do INESPEC, dentro dos autos de procedimento administrativo interno, a
destituição ou exoneração não será válida sem o prévio processo legal com a
ampla defesa se for o caso.

Art. 18 – A Comissão de Justiça e Cidadania é uma unidade orgânica do


Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC,entidade de
direito privado, de caráter cultura, social, recreativo e associativo, sem fins
lucrativos, considerado uma organização social, cujas atividades são dirigidas
ao ensino, à extensão da propagação prática das ações de conhecimento
técnico cientifico e social, pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico,
educação, saúde, cultura, trabalho, lazer, desportos, proteção e preservação
do meio ambiente, atendendo a sociedade civil através de ações de prestação
de serviço público delegado, nos termos da legislação vigente.

§ 1. – A Comissão de Justiça e Cidadania como unidade orgânica do Instituto


de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC, será também designada
pela sigla CJC-INESPEC, CJC-ARBITRAGEM-INESPEC, CJC-MEDIAÇÃO-
INESPEC ou e CJC-CONCILIAÇÃO-INESPEC que representa integralmente a
denominação: COMISSÃO DE JUSTIÇA E CIDADANIA.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
67

§ 2. A Comissão de Justiça e Cidadania como unidade orgânica do Instituto de


Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC, terá duração de existência
de fato por tempo indeterminado.

§ 3. A Comissão de Justiça e Cidadania como unidade orgânica do Instituto de


Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC, não detém personalidade
jurídica própria, sendo esta, do INESPEC enquanto: do Instituto de Ensino,
Pesquisa, Extensão e Cultura.

§ 4. A sede principal da Comissão de Justiça e Cidadania, CJC-INESPEC, é na


cidade de Fortaleza, Estado do Ceará, podendo ter unidades representativas
em todo território nacional.

§ 5. É competência da Presidência do INESPEC nomear o Coordenador Geral


da Comissão de Justiça e Cidadania.

§ 6. A Comissão de Justiça e Cidadania como unidade orgânica do Instituto de


Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC, deve observar às regras da
Agência Brasileira de Cooperação para a formulação internacional de Projetos
de Cooperação Técnica entre a CJC-INESPEC.

§ 7. A Comissão de Justiça e Cidadania, INESPEC, deve observar o Projeto de


Cooperação Técnica (PCT), como instrumento básico para formulação de um
pedido de cooperação técnica entre o CJC-ARBITRAGEM-INESPEC, e
Camarás Internacionais de Arbitragem.

§ 8. O instrumento básico para formulação de cooperação técnica entre o CJC-


ARBITRAGEM-INESPEC e as Camarás Internacionais de Arbitragem, DEVEM
se apresentar a AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA para o
seu enquadramento inicial enquanto projeto, bem como para o seu posterior
monitoramento e avaliação.

§ 9. O PCT deverá conter todas as informações necessárias sobre o escopo do


trabalho que se pretende desenvolver, iniciando-se pela correta identificação
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
68

do problema que motivou sua concepção, além das estratégias, objetivos e


resultados que delimitarão sua futura execução.

§ 10. Não havendo impedimento legal o INESPEC deve prioritariamente


cadastra-se na AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO – ABC.

§ 11. Não havendo impedimento legal o INESPEC desenvolverá diretamente


as parcerias internacionais, com ou sem anuência da AGÊNCIA BRASILEIRA
DE COOPERAÇÃO – ABC.

Art.19 – A Comissão de Justiça e Cidadania como unidade orgânica do


Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC, terá sede
institucional, oficial para fins de gestão e comando central, na cidade Fortaleza,
Estado do Ceará, no seguinte endereço:

I – Administração, Coordenação e realização de audiências de mediação,


conciliação e arbitragem, na Rua Doutor Fernando Augusto, 119 - Alto, Bairro
Santo Amaro, cidade Fortaleza, Estado Ceará. CEP 60543.375.

Parágrafo Único. A Comissão de Justiça e Cidadania como unidade orgânica


do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC, tem
autonomia administrativa, de gestão e financeira para a realização de seus fins
institucionais.

Art.20 – A Comissão de Justiça e Cidadania como unidade orgânica do


Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC, terá um
Regimento Geral, aprovado por Resolução da PRESIDÊNCIA do INESPEC,
que disciplinará a estrutura e o funcionamento da organização.

Parágrafo Único. O Regimento Geral será designado pela expressão “Lei


orgânica da Comissão de Justiça e Cidadania”.

Art.21 – A fim de fazer cumprir seus objetivos a Comissão de Justiça e


Cidadania como unidade orgânica do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
69

e Cultura, o INESPEC, poderá se organizar em quantas subunidades se façam


necessários para sua institucionalização, os quais se regerão pelo seu
REGIMENTO GERAL e pelo ESTATUTO E REGIMENTO GERAL DO
INESPEC.

Art. 22 - A Comissão de Justiça e Cidadania como unidade orgânica do


Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC, goza de
autonomia didático-científica, disciplinar, administrativa e financeira, que será
exercida na forma da legislação em vigor, do presente Regimento Geral CJC-
INESPEC e dos seus Regimentos Setoriais.

Art. 23 - A Nomeação para exercer cargos e funções no âmbito da Comissão


de Justiça e Cidadania como unidade orgânica do Instituto de Ensino,
Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC, serão feitas pela Presidência do
INESPEC, dentro dos autos de procedimento administrativo interno, a
nomeação não será válida sem o prévio processo legal.

Art. 24 - Pode haver acumulações de cargos e funções no âmbito da Comissão


de Justiça e Cidadania, desde que não seja incompatível com outras atividades
internas da organização, e que conste no orçamento o pagamento de
vantagens pecuniárias.

Art. 25 - Os membros da Comissão de Justiça e Cidadania deve ser portador


de conduta ilibada, não podendo está respondendo a procedimentos que os
desrecomendem para a representatividade jurídica, política e social da
instituição.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
70

Seção I
Dos Objetivos

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
71

Art. 26 - O objetivo específico da Comissão de Justiça e Cidadania como


unidade orgânica do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o
INESPEC, é ser mantenedor de projetos sociais difusos nos seguimentos:

I – Direitos da Cidadania.

§ 1º - Os eixos dos projetos no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania


seguem às seguintes diretrizes:

I - Direitos da Cidadania.

1 – Justiça Arbitral(Art. 18 da Lei Federal Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE


1996. Dispõe sobre a arbitragem).

2 – Educação e civismo para o exercício da cidadania plena.

3 – Cultura de Paz.

§ 2º - Os projetos previstos no eixo podem ser desenvolvidos unitariamente


pelo CJC-INESPEC, ou em consórcio, dependendo de prévia autorização da
Presidência do INESPEC em processo específico para estes fins.

§ 3º - Os projetos previstos no eixo não são auto-executáreis, estando sujeitos


à liberação de dotação orçamentária especifica, e existindo deve-se ter a
autorização da Presidência do INESPEC em processo específico para estes
fins.

Art. 27 – É objetivo da Comissão de Justiça, unidade orgânica do Instituto de


Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, o INESPEC:

I - Instituir uma Câmara de Direito Processual Arbitral nos formatos e objetivos


instituídos pelas leis federais:

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
72

a) Lei Federal nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996, que “Dispõe


sobre a arbitragem”;

b) Lei Federal Nº 13.129, DE 26 DE MAIO DE 2015, que “Altera a Lei no


9.307, de 23 de setembro de 1996, e a Lei no 6.404, de 15 de dezembro de
1976, para ampliar o âmbito de aplicação da arbitragem e dispor sobre a
escolha dos árbitros quando as partes recorrem a órgão arbitral, a interrupção
da prescrição pela instituição da arbitragem, a concessão de tutelas cautelares
e de urgência nos casos de arbitragem, a carta arbitral e a sentença arbitral, e
revoga dispositivos da Lei no 9.307, de 23 de setembro de 1996.

II – Instituir, autuar, administrar procedimentos de arbitragem, enquanto


colegiado ou monocraticamente, nos termos das leis federais referenciadas no
item I.

III – Instituir, autuar, administrar procedimentos de conciliação quando for


solicitado por uma parte e convidando a outra, esta venha a aceitar de “livre e
espontânea vontade”, ou venha aquiescer sem manifestação de
inaceitabilidade, gerando um “direito consuetudinário”, nos termos das leis, dos
bons costumes e em nome da paz social.

IV – Instituir, autuar, administrar procedimentos de mediação quando for


solicitado por uma parte e convidando a outra, esta venha a aceitar de “livre e
espontânea vontade”, ou venha aquiescer sem manifestação de
inaceitabilidade, gerando um “direito consuetudinário”, nos termos das leis, dos
bons costumes e em nome da paz social.

V – Instituir, autuar, administrar procedimentos de mediação quando for


solicitado por uma parte e convidando a outra, esta venha a aceitar de “livre e
espontânea vontade”, ou venha aquiescer sem manifestação de
inaceitabilidade, gerando um “direito consuetudinário”, nos termos das leis, dos
bons costumes e em nome da paz social.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
73

Art. 28 – A Comissão de Justiça e Cidadania do INESPEC manterá uma Sub


Comissão de Defesa das Pessoas Portadoras de Deficiência que tem por fim
desenvolver esforços para assegurar aos deficientes, crianças, jovens e
adultos, desenvolvimento de sua formação cidadã, assegurando-lhe a
formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecendo-lhe
meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores, tendo por
princípios:

I - Igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

II - Liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o


pensamento, a arte e o saber;

III - Pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas;

IV - Respeito à liberdade e apreço à tolerância;

V - Coexistência de instituições públicas e privadas de ensino;

VI - Garantia de padrão de qualidade;

VII - Valorização da experiência extraescolar;

VIII - Vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais;

IX - Elaborar e executar sua proposta pedagógica;

X - Administrar seu pessoal e seus recursos materiais e financeiros;

XI - Assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aulas estabelecidas;

XII - Velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada docente;

XIII - Prover meios para a recuperação dos alunos de menor rendimento;


Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
74

XIV - Articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de


integração da sociedade com a escola;

XV- Informar os pais e responsáveis sobre a frequência e o rendimento dos


alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica.

Art. 29 – A Comissão de Justiça e Cidadania do INESPEC através da Sub


Comissão de Defesa das Pessoas Portadoras de Deficiência deve se articular
com a Procuradoria Geral de Justiça, Ministério Público Estadual no Estado
onde estiver atuando, bem como Procuradoria Geral da República, Ministério
Público Federal, no Estado onde estiver atuando, para assegurar a
aplicabilidade dos direitos dos deficientes, crianças, jovens e adultos, fulcrado
principalmente na legislação federal, Lei Federal nº 13.146, de 6 de julho de
2015(Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto
da Pessoa com Deficiência).

Art. 30 – A Lei que trata “de Inclusão da Pessoa com Deficiência” (Estatuto da
Pessoa com Deficiência), é destinada a assegurar e a promover, em condições
de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por
pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania.

Art. 31 – A Comissão de Justiça e Cidadania através da através da Sub


Comissão de Defesa das Pessoas Portadoras de Deficiência deve com apoio
técnico e ideológico através da Rede de Rádio e Televisão Virtual INESPEC
difundir, defender e conscientizar o cidadão em geral, da existência da
Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo
Facultativo, ratificados pelo Congresso Nacional por meio do Decreto
Legislativo Federal no 186, de 9 de julho de 2008, em conformidade com o
procedimento previsto no § 3o do art. 5o da Constituição da República
Federativa do Brasil, em vigor para o Brasil, no plano jurídico externo, desde 31
de agosto de 2008, e promulgados pelo Decreto Federal no 6.949, de 25 de
agosto de 2009, data de início de sua vigência no plano interno.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
75

Art. 32 – A Comissão de Justiça e Cidadania - INESPEC se fundamenta nas


normas vigentes na República Federativa do Brasil, e segue como princípios:

a) O Brasil é um Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I - A soberania;

II - A cidadania;

III - A dignidade da pessoa humana;

IV - Os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

V - O pluralismo político, educacional, cultural e de diversidade


socioeconômico.

b) Constituem objetivos fundamentais:

I - Construir uma sociedade livre, justa e solidária;

II - Garantir o desenvolvimento nacional;

III – Contribuir com ações visando erradicar a pobreza e a marginalização e


reduzir as desigualdades sociais e regionais;

IV - Promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor,


idade e quaisquer outras formas de discriminação.

c) Nas suas relações a entidade escolar deve rege-se nas suas relações pelos
seguintes princípios:

I - Independência nacional;

II - Prevalência dos direitos humanos;


Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
76

III - autodeterminação dos povos;

IV – não intervenção nas autonomias de seu corpo institucional, salvo para a


manutenção da legalidade;

V - defesa da paz;

VI - solução pacífica dos conflitos;

VII - repúdio ao terrorismo e ao racismo;

IX - cooperação entre os povos para o progresso da humanidade;

d) Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,


garantindo-se aos membros da entidade o direito à liberdade, à igualdade e à
segurança jurídica dos atos promovidos pela entidade escolar.

Art. 33 – A Comissão de Justiça e Cidadania através da através da Sub


Comissão de Defesa das Pessoas Portadoras de Deficiência deve articular-se
com as entidades denominadas Associação de Pais e Amigos dos
Excepcionais (APAE) e os respectivos sistemas de ensino e constituir uma
interface junto ao responsável pela educação especial, ou educação para
deficientes, para se articular na busca de recursos humanos, materiais e
financeiros que viabilizem e deem sustentação ao processo de construção da
educação inclusiva dentro e fora do Sistema Regular de Ensino.

§ 1º - Entende-se como Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais


(APAE) associação em que, além de pais e amigos dos excepcionais, toda a
comunidade se une para prevenir e tratar a deficiência e promover o bem estar
e desenvolvimento da pessoa com deficiência.

§ 2º - Entende-se como Sistema de Educação a que se refere o presente


REGIMENTO GERAL, o da “Educação Especial” que objetiva o atendimento
para educação de pessoas com deficiência, preferencialmente em escolas
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
77

regulares, ou em ambientes especializados, tendo como exemplos, escolas


para surdos, escolas para cegos ou escolas para atender pessoas com
deficiência intelectual.

Art. 34 – A Comissão de Justiça e Cidadania através da através da Sub


Comissão de Defesa das Pessoas Portadoras de Deficiência defende a
educação para deficientes dentro e fora do sistema regular de ensino.

Art. 35 – A Comissão de Justiça e Cidadania através da através da Sub


Comissão de Defesa das Pessoas Portadoras de Deficiência defende a
expansão e melhoria de qualidade da Política Nacional de Educação Especial
na Perspectiva da Educação Inclusiva (2008) que deve incluir outros tipos de
discentes, além dos que apresentam deficiências.

Art. 36 – A Comissão de Justiça e Cidadania através da através da Sub


Comissão de Defesa das Pessoas Portadoras de Deficiência defende
educação especial que deve ser organizada para atender especifica e
exclusivamente alunos com determinadas necessidades especiais.

Art. 37 – A Comissão de Justiça e Cidadania através da através da Sub


Comissão de Defesa das Pessoas Portadoras de Deficiência defende ensino
especial, para deficientes deve promover o convívio entre as crianças
deficientes e, não portadoras de deficiências.

Art. 38 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, enquanto


associação pode, concomitantemente na qualidade de mantenedor da
Comissão de Justiça e Cidadania, nos termos do art. 5o da Lei Federal 7.347,
DE 24 DE JULHO DE 1985, combinado com .a Lei Federal nº 11.448, de 2007,
propor a Ação Civil Pública principal e a ação cautelar em Ação Civil Pública.

Art. 39 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, com orientação


administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, empós levantamento de
dados e segurança jurídica, e nos termos do art. 5o da Lei Federal 7.347, DE
24 DE JULHO DE 1985, combinado com a Lei Federal nº 11.448, de 2007, Lei
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
78

Federal nº 8.078 de 1990, Lei Federal nº 13.004, de 2014, Lei Federal nº


12.966, de 2014 e Lei Federal nº 12.529, de 2011, propor Ação Civil Pública
principal e a ação cautelar em Ação Civil Pública, nos seguintes setores da vida
social:

a) Ao meio-ambiente;

b) Ao consumidor;

c) A bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico;

d) A qualquer outro interesse difuso ou coletivo;

e) À honra e à dignidade de grupos raciais, étnicos ou religiosos;

f) A patrimônio público e social.

Art. 40 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, é uma entidade


de direito privado, de caráter cultura, social, recreativo e associativo, sem fins
lucrativos, considerado uma organização social, cujas atividades são dirigidas
ao ensino, à extensão da propagação prática das ações de conhecimento
técnico cientifico e social, pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico,
educação, saúde, cultura, trabalho, lazer, desportos, proteção e preservação
do meio ambiente, atendendo a sociedade civil através de ações de prestação
de serviço público delegado, nos termos da legislação vigente.

§ 1. A instituição será também designada pela sigla INESPEC que representa


integralmente a denominação: Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e
Cultura.

§ 2. O INESPEC terá duração de existência jurídica e de fato por tempo


indeterminado.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
79

§ 3. A sede principal do INESPEC é na cidade de Fortaleza, Estado do Ceará,


podendo ter unidades representativas em todo território nacional.

Art. 41 – O objetivo específico do INESPEC é ser mantenedor de unidades e


projetos sociais difusos nos seguimentos:

I – Assistência Social;

II - Saúde;

III – Trabalho;

IV - Educação;

V - Cultura;

VI - Direitos da Cidadania;

VII – Gestão Ambiental;

VIII – Comunicações;

IX - Desporto e Lazer.

§ 1. Os eixos dos projetos no âmbito do INESPEC seguem às seguintes


diretrizes:

I – Assistência Social.

1 – Assistência ao Idoso.

2 – Assistência ao Portadores de deficiência:

a) Mental;
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
80

b) Física;

c) Intelectual.

3 – Assistência a Criança e ao Adolescente.


II - Saúde.

1 – Atenção Médica Social primária.

2 – Assistência Médica Ambulatorial não emergencial nem de caráter de


urgência complexa.

3 – Educação em medicina social preventiva.

4 – Educação fitoterápica não invasiva.

5 – Prevenção e atenção a saúde primária preventiva.

III – Trabalho.

1 – Formação profissional para o trabalho.

2 – Formação profissional especializada continuada.

3 – Qualificação para o trabalho.

IV - Educação.

1 – Ensino:

a) Fundamental;

b) Médio;

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
81

c) Profissional;

d) Superior;

e) Infantil;

f) Educação Especial;

g) Educação Básica para contribuição da erradicação do analfabetismo na sua


área territorial de atuação, enquanto projeto.

V - Cultura.

1 – Difusão da Cultura Musical diversificada.

2 – Difusão da Cultura Artística Popular.

3 – Difusão da Cultura Musical, Artística em áudio visual.

VI - Direitos da Cidadania.

1 – Justiça Arbitral(Art. 18 da Lei Federal Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO


DE 1996. Dispõe sobre a arbitragem).

2 – Educação e civismo para o exercício da cidadania plena.

3 – Cultura de Paz.

VII – Gestão Ambiental.

1 – Educação ambiental em formação continuada.

2 – Práticas para o exercício da conscientização da preservação global do


ecossistema.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
82

VIII – Comunicações.

1 – Rádio Comunitária Internacional via WEB.

2 – Rádio Comunitária FM.

3 – Televisão Virtual via WEB.

4 – Televisão Educativa Aberta – VHS/UHF.

IX - Desporto e Lazer.

1 – Grupo de apoio a educação esportiva com envolvimento de crianças e


adolescente em risco de segurança social.

2 – Formação de movimentos de escoteiros com visão de integração social de


crianças e adolescentes em risco de segurança social.

Art. 42 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, com orientação


administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, enquanto associação está
constituída desde o dia primeiro de maio de 2007, e entre seus objetivos
institucionais, defende e busca proteger através dos mecanismos de
organização sócios jurídico, a proteção ao patrimônio público e social, ao meio
ambiente, ao consumidor, à ordem econômica, à livre concorrência, aos
direitos de grupos raciais, étnicos ou religiosos ou ao patrimônio artístico,
estético, histórico, turístico e paisagístico.

Art. 43 – No âmbito do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, para


fins de orientação administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, entende-
se como ação civil pública o instrumento processual, previsto na Constituição
Federal brasileira e em normas infraconstitucionais, de que pode se valer o
INESPEC como entidade legitimada para a defesa de interesses difusos,
coletivos e individuais homogêneos.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
83

Art. 44 – No âmbito do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, para


fins de orientação administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, a ação
civil pública não pode ser utilizada para a defesa de direitos e interesses
disponíveis nem para interesses privados, salvo se, pela sua abrangência e
dispersão, puderem interessar a grupos, classes ou categorias de pessoas que
se encontrem na mesma situação de fato e de direito, neste caso os interesses
individuais homogêneos.

Art. 45 – No âmbito do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, para


fins de orientação administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, a ação
civil pública tem por objetivo reprimir ou mesmo prevenir danos ao meio
ambiente, ao consumidor, ao patrimônio público, aos bens e direitos de valor
artístico, estético, histórico e turístico, por infração da ordem econômica e da
economia popular, à ordem urbanística, ao patrimônio público e social, à honra
e à dignidade de grupos raciais, étnicos e religiosos, podendo ter por objeto a
condenação em dinheiro ou o cumprimento de obrigação de fazer ou não fazer.

Art. 46 – No âmbito do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, para


fins de orientação administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, a ação
civil pública será encaminhada como último recurso na busca da solução dos
problemas apresentados.

Art. 47 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, com orientação


administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, quando da analise de suas
demandas que possam resultar em ações judiciais em favor de seus
associados ou agregados, observará as circunstancias temerárias e não
ingressará no risco de litigância de má-fé, quando da propositura da ação.

Art. 48 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, com orientação


administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, quando da analise de suas
demandas que possam resultar em ações judiciais em favor de seus
associados ou agregados, observará integralmente na defesa dos direitos e
interesses difusos, coletivos e individuais, no que for cabível, os dispositivos do

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
84

Título III da lei que instituiu o Código de Defesa do Consumidor, Lei Federal nº
8.078, de 1990)

Art. 49 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, com orientação


administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, poderá provocar a
iniciativa do Ministério Público, ministrando-lhe informações sobre fatos que
constituam objeto da ação civil e indicando-lhe os elementos de convicção.

Art. 50 – Os membros da Comissão de Justiça e Cidadania, no exercício de


suas funções, tiverem conhecimento de fatos que possam ensejar a
propositura da ação civil, remeterão peças ao Ministério Público para as
providências cabíveis.

Art. 51 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, com orientação


administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, poderá, visando instruir a
petição inicial, requerer às autoridades competentes as certidões e informações
que julgar necessárias, a serem fornecidas no prazo de 15 (quinze) dias para a
demanda judicial.

Art. 52 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, com orientação


administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, quando da analise de suas
demandas que possam resultar em ações judiciais em favor de seus
associados ou agregados, observará as circunstancias em que a ação civil
poderá ter por objeto a condenação em dinheiro ou o cumprimento de
obrigação de fazer ou não fazer.

Art. 53 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, com orientação


administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, quando tiver ciência de
fato irregular, que em tese viole os direitos e interesses difusos, coletivos e ou
individuais, levará através de relatório circunstanciado ao conhecimento do
Ministério Público com a solicitação de que seja instaurado, sob sua
presidência, inquérito civil, ou procedimento que o órgão entenda oportuno nos
termos da Lei Federal no 7.347, de 24 de julho de 1985.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
85

Art. 54 – O Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, com orientação


administrativa da Comissão de Justiça e Cidadania, quando da analise de suas
demandas que possam resultar em ações judiciais em favor de seus
associados ou agregados, observará que as ações previstas na Lei Federal No
7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985, serão propostas no foro do local onde
ocorrer o dano, cujo juízo terá competência funcional para processar e julgar a
causa.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
86

TÍTULO II
Dos Procedimentos Administrativos para garantia de Direitos

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
87

Art. 55. – O presente título se destina a estabelece normas básicas sobre o


processo administrativo no âmbito da Administração direta e indireta, do
INESPEC e suas coligadas, incluindo a Comissão de Justiça e Cidadania
visando, em especial, à proteção dos direitos dos administrados, dos deveres
dos gestores e ao melhor cumprimento dos fins da Administração funcional do
Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura.

Art. 56. – O presente título estabelece normas básicas sobre o processo


administrativo visando, à proteção dos direitos dos membros da entidade
INESPEC e aplica-se a todas as unidades do instituto, inclusive a Câmara de
Arbitragem, Mediação e Conciliação, Comissão de Justiça e Cidadania e ao
Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura no que couber.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
88

Capítulo I
Das Normas Básicas sobre o Processo Administrativo no INESPEC

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
89

Art. 57 – Este capítulo estabelece normas básicas sobre o processo


administrativo no âmbito da Administração Institucional direta e indireta, do
INESPEC visando, em especial, à proteção dos direitos dos administrados,
sócios, e ao melhor cumprimento dos fins da Administração da entidade em
face do serviço público indireto que desenvolve.

§ 1o. Os preceitos estabelecidos nesta norma administrativa, também se


aplicam aos órgãos e entidades alienígenas que mantenham relações
institucionais com o INESPEC, quando no desempenho de função
administrativa.

§ 2o. Para os fins e preceitos estabelecidos nesta norma administrativa,


consideram-se:

I - órgão - a unidade de atuação integrante da estrutura da Administração direta


e da estrutura da Administração indireta;
II - entidade - a unidade de atuação dotada de personalidade jurídica;

III - autoridade - o servidor ou agente do INESPEC, quando no desempenho de


função administrativa, e dotado de poder de decisão.

Art. 58. – A Administração do INESPEC, quando no desempenho de função


administrativa obedecerá, dentre outros, aos princípios da legalidade,
finalidade, motivação, razoabilidade, proporcionalidade, moralidade, ampla
defesa, contraditório, segurança jurídica, interesse público e eficiência.

Parágrafo Único. Nos processos administrativos serão observados, entre


outros, os critérios de:

I - atuação conforme a lei e o Direito;

II - atendimento a fins de interesse gerais vedados a renúncia total ou parcial


de poderes ou competências, salvo autorização em lei;

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
90

III - objetividade no atendimento do interesse público, vedada a promoção


pessoal de agentes ou autoridades privadas utilizando o nome do INESPEC;

IV – atuação, segundo padrões éticos, de probidade decora e boa-fé;

V - divulgação oficial dos atos administrativos, ressalvadas as hipóteses de


sigilo previstas nas leis ordinárias e na Constituição e na solicitação da parte
independe de previsão legal, salvo se o caso envolver delitos de ordem e
interesse público;

VI - adequação entre meios e fins, vedada a imposição de obrigações,


restrições e sanções em medida superior àquelas estritamente necessárias ao
atendimento do interesse público;

VII - indicação dos pressupostos de fato e de direito que determinarem a


decisão;
VIII – observância das formalidades essenciais à garantia dos direitos dos
administrados;

IX - adoção de formas simples, suficientes para propiciar adequado grau de


certeza, segurança e respeito aos direitos dos administrados;

X - garantia dos direitos à comunicação, à apresentação de alegações finais, à


produção de provas e à interposição de recursos, nos processos de que
possam resultar sanções e nas situações de litígio;

XI - proibição de cobrança de despesas processuais, ressalvadas as previstas


em lei ou autorizadas pela parte envolvida como beneficiário;

XII - impulsão, de ofício, do processo administrativo, sem prejuízo da atuação


dos interessados;

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
91

XIII - interpretação da norma administrativa da forma que melhor garanta o


atendimento do fim público a que se dirige, vedada aplicação retroativa de nova
interpretação.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
92

Capítulo II
Dos Direitos dos Administrados

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
93

Art. 59. – O administrado tem os seguintes direitos perante a Administração,


sem prejuízo de outros que lhe sejam assegurados:

I - ser tratado com respeito pelas autoridades e servidores do INESPEC, que


deverão facilitar o exercício de seus direitos e o cumprimento de suas
obrigações;

II - ter ciência da tramitação dos processos administrativos em que tenha a


condição de interessado, ter vista dos autos, obterem cópias de documentos
neles contidos e conhecer as decisões proferidas;

III - formular alegações e apresentar documentos antes da decisão, os quais


serão objeto de consideração pelo órgão competente;

IV - fazer-se assistir, facultativamente, por advogado, salvo quando obrigatória


a representação, por força de lei.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
94

Seção I
Dos Deveres do Administrado

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
95

Art. 60. – São deveres do administrado perante a Administração, sem prejuízo


de outros previstos em ato normativo:

I - expor os fatos conforme a verdade;

II - proceder com lealdade, urbanidade e boa-fé;

III - não agir de modo temerário;

IV - prestar as informações que lhe forem solicitadas e colaborar para o


esclarecimento dos fatos.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
96

Seção II
Do Início do Processo

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
97

Art. 61. – O processo administrativo pode iniciar-se de ofício ou a pedido de


interessado.

Art. 62. – O requerimento inicial do interessado, salvo casos em que for


admitida solicitação oral, deve ser formulado por escrito e conter os seguintes
dados:

I - órgão ou autoridade administrativa a que se dirige;

II - identificação do interessado ou de quem o represente;

III - domicílio do requerente ou local para recebimento de comunicações;

IV - formulação do pedido, com exposição dos fatos e de seus fundamentos;

V - data e assinatura do requerente ou de seu representante.


Parágrafo Único. É vedada à Administração a recusa imotivada de recebimento
de documentos, devendo o servidor de o INESPEC orientar o interessado
quanto ao suprimento de eventuais falhas.

Art. 63. – Os órgãos e entidades administrativas deverão elaborar modelos ou


formulários padronizados para assuntos que importem pretensões
equivalentes.

Parágrafo Único. A CÂMARA DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E


CONCILIAÇÃO, deve elaborar modelos e formulários padronizados para
instrução de seus procedimentos.

Art. 64. – Quando os pedidos de uma pluralidade de interessados tiverem


conteúdo e fundamentos idênticos, poderão ser formulados em um único
requerimento, salvo preceito legal em contrário.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
98

Seção III
Dos Interessados

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
99

Art. 65. – São legitimados como interessados no processo administrativo:

I - pessoas físicas ou jurídicas que o iniciem como titulares de direitos ou


interesses individuais ou no exercício do direito de representação;

II - aqueles que, sem terem iniciado o processo, têm direitos ou interesses que
possam ser afetados pela decisão a ser adotada;

III - as organizações e associações representativas no tocante a direitos e


interesses coletivos;

IV - as pessoas ou as associações legalmente constituídas quanto a direitos ou


interesses difusos.

Art. 66. – São capazes, para fins de processo administrativo, os maiores de


dezoito anos, ressalvada previsão especial em ato normativo próprio.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
100

Seção IV
Da Competência

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
101

Art. 67 – A competência é irrenunciável e se exerce pelos órgãos


administrativos a que foi atribuída como própria, salvo os casos de delegação e
avocação legalmente admitidos.

Art. 68 – Um órgão administrativo da estrutura do INESPEC e seu titular


poderão se não houver impedimento legal, delegar parte da sua competência a
outros órgãos ou titulares, ainda que estes não lhe sejam hierarquicamente
subordinados, quando for conveniente, em razão de circunstâncias de índole
técnica, social, econômica, jurídica ou territorial.

Parágrafo Único. O disposto no caput deste artigo aplica-se à delegação de


competência dos órgãos colegiados aos respectivos presidentes.

Art. 69 – Não podem ser objeto de delegação:

I - a edição de atos de caráter normativo;

II - a decisão de recursos administrativos;

III - as matérias de competência exclusiva do órgão ou autoridade


administrativa na estrutura do INESPEC.

Art. 70 – O ato de delegação e sua revogação deverão ser publicados no meio


oficial disponível quando houver imposição legal, e obrigatoriamente nos sítios
da entidade INESPEC disponíveis nas redes sociais e rede mundial de
computadores v- Internet.

§ 1. O ato de delegação especificará as matérias e poderes transferidos, os


limites da atuação do delegado, a duração e os objetivos da delegação e o
recurso cabível, podendo conter ressalva de exercício da atribuição delegada.

§ 2. O ato de delegação é revogável a qualquer tempo pela autoridade


delegante.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
102

§ 3. As decisões adotadas por delegação devem mencionar explicitamente esta


qualidade e considerar-se-ão editadas pelo delegado.

Art. 71. – Será permitida, em caráter excepcional e por motivos relevantes


devidamente justificados, a avocação temporária de competência atribuída a
órgão hierarquicamente inferior.

Art. 72. – Os órgãos e entidades administrativas divulgarão publicamente os


locais das respectivas sedes e, quando conveniente, a unidade fundacional
competente em matéria de interesse especial.

Art. 73. – Inexistindo competência legal específica, o processo administrativo


deverá ser iniciado perante a autoridade de menor grau hierárquico para
decidir.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
103

Seção V
Dos Impedimentos e da Suspeição

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
104

Art. 74 – É impedido de atuar em processo administrativo o servidor ou


autoridade que:

I - tenha interesse direto ou indireto na matéria;

II - tenha participado ou venha a participar como perito, testemunha ou


representante, ou se tais situações ocorrem quanto ao cônjuge, companheiro
ou parente e afins até o terceiro grau;

III - esteja litigando judicial ou administrativamente com o interessado ou


respectivo cônjuge ou companheiro.

Art. 75 – A autoridade ou servidor que incorrer em impedimento deve


comunicar o fato à autoridade competente, abstendo-se de atuar.

Art. 76 – A omissão do dever de comunicar o impedimento constitui falta grave,


para efeitos disciplinares.

Art. 77 – Pode ser argüida a suspeição de autoridade ou servidor que tenha


amizade íntima ou inimizade notória com algum dos interessados ou com os
respectivos cônjuges, companheiros, parentes e afins até o terceiro grau.

Art. 78 – O indeferimento de alegação de suspeição poderá ser objeto de


recurso, sem efeito suspensivo.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
105

Seção VI
Da Forma, Tempo e Lugar dos Atos do Processo

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
106

Art. 79 – Os atos do processo administrativo não dependem de forma


determinada senão quando a lei expressamente a exigir.

§ 1o Os atos do processo devem ser produzidos por escrito, em vernáculo,


com a data e o local de sua realização e a assinatura da autoridade
responsável.

§ 2o Salvo imposição legal, o reconhecimento de firma somente será exigido


quando houver dúvida de autenticidade.

§ 3o A autenticação de documentos exigidos em cópia poderá ser feita pelo


órgão administrativo.

§ 4o O processo deverá ter suas páginas numeradas seqüencialmente e


rubricadas.

Art. 80 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação pode promover a


autenticação de documentos exigidos em cópia para inclusão em seus
,expedientes, ressalvando que tais autenticações são para fins de
PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO INTERNO DE:

a) Arbitragem;

b) Mediação;

c) Conciliação.

Art. 81 – No âmbito da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da


Comissão de Justiça e Cidadania e com base legal no o artigo 8º da Lei
Federal nº 13.140/15 - Lei da Mediação, o mediador e todos aqueles que
assessoram no procedimento de mediação, quando no exercício de suas
funções ou em razão delas, são equiparados a servidor público, para os efeitos
da legislação penal.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
107

Art. 82 – Os atos do processo físico ou e virtual devem realizar-se em qualquer


dos dias úteis, inclusive domingos, sábados e feriados, podem ocorrer no
horário normal de funcionamento da entidade INESPEC na qual tramitar o
processo, em qualquer horário.

Art. 83 – Os atos no processo físico realizar-se em horário normal de


funcionamento da entidade INESPEC na qual tramitar o processo, das
08h00min às 11h30min e das 14h00min às 17h30min horas.

Art. 84 – Os atos do processo virtual devem realizar-se em qualquer horário a


critério do relator do processo na entidade INESPEC na qual tramitar o
expediente.

Art. 85 – Os atos no processo físico serão concluídos depois do horário normal


se os atos já tiverem sido iniciados, cujo adiamento prejudique o curso regular
do procedimento ou cause dano ao interessado ou à Administração.

Art. 86 – Inexistindo disposição específica, os atos do órgão ou autoridade


administrativa responsável pelo processo e dos administrados que dele
participem devem ser praticados no prazo de cinco dias, salvo motivo de força
maior.

Parágrafo Único. O prazo previsto neste artigo pode ser dilatado até o dobro,
mediante comprovada justificação.

Art. 87 – Os atos do processo devem realizar-se preferencialmente na sede do


órgão, cientificando-se o interessado se outro for o local de realização.

Art. 88 – Os atos do processo virtual, pela internet serão realizados da mesma


forma que o processo de mediação presencial.

Art. 89 – Os atos do processo virtual pela internet devem respeitar todas as


etapas e procedimentos, porém viabilizar-se-á por meio da plataforma digital da
Mediação Online CJC-INESPEC, através das ferramentas de vídeo
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
108

conferência, envio certificado de documentos, assinatura eletrônica e


pagamento online.

Art. 90 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação deve diligenciar e


implantar todos os dispositivos de assinaturas digitais seguros e certificados
por autoridades credenciadas no Brasil.

Art. 91 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação deve diligenciar e


implantar “Termo Negativo de Mediação”.

§ 1º - Ocorre “Termo Negativo de Mediação” quando a parte não é encontrada


ou é encontrada, mas não responde ou não aceita a proposta de mediação.

§ 2º - Ocorre “Termo Negativo de Mediação” quando sem justificar a ausência,


não comparece à mediação.

Art. 92 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação deve de imediato


indeferir solicitações de mediação em matéria processuais:

a. Filiação;

b. Adoção;

c. Pátrio poder;

d. Nulidade de patrimônio;

e. Interdição de pessoas;

f. Recuperação judicial;

g. Falência e medidas cautelares:

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
109

I – Arresto;

II – Sequestro;

III - Penhora e bloqueio de bens.

Art. 93 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação deve de imediato


quando da abertura de processos em mediação alertarem as partes que a “A
mediação online é legal”.

§ 1º - Os processos de mediação online produzem os mesmos efeitos jurídicos


da mediação presencial, a única diferença é que o procedimento é realizado de
forma digitalizada.

§ 2º - Nos termos da Lei Federal No 13.140, em seu artigo 46 estabelece “A


mediação poderá ser feita pela internet ou por outro meio de comunicação que
permita a transação à distância, desde que as partes estejam de acordo”.

Art. 94 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação deve de imediato


quando da abertura de processos em mediação alertarem as partes sobre os
benefícios da Mediação.

Art. 95 - No despacho de admissibilidade o mediador deve deixar claro que as


partes foram informadas sobre os benefícios da mediação, e a parte
reclamante e posteriormente a parte reclamada deve assinar termo de
CIÊNCIA E ORIENTAÇÃO SOBRE O PROCESSO DE ARBITRAGEM COM
SUA VANTAGENS DE DESVANTAGENS.

Art. 96 - Este regimento apresenta os aspectos relevantes a serem


apresentadas as partes que livremente devem optar sobre a adesão ao
processo de mediação.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
110

§ 1º - Celeridade - Em virtude do caráter informal a mediação é extremamente


rápida em relação ao Judiciário, pois as condições e o prazo para o término do
procedimento é estipulado pelas próprias partes.

§ 2º - Informalidade - A Mediação emprega técnicas ágeis e dinâmicas, mais


adequadas a uma sociedade moderna, onde a busca de soluções amigáveis é
o mais importante.

§ 3º - Sigilo - A Mediação, ao contrário da ação judicial, prima pelo sigilo. Assim


é possível evitar a publicidade das informações e dos envolvidos no conflito.

§ 4º - Exequibilidade - Por ser considerado título executivo, o acordo derivado


da Mediação pode ser imediatamente executado, não se sujeitando à
discussão ou recurso, ressalvando se os embargos previstos no NCPC, 2015.

§ 5º - Vontade das Partes - Na justiça estatal o poder de decisão cabe sempre


ao Estado-Juíz. Na Mediação as partes detêm a autonomia da vontade, pois
são elas que elegem o(s) Mediador (es) e a entidade que ficará responsável
pela administração e regras do procedimento.

§ 6º - Cumprimento do Acordo - Existe maior adesão das partes ao


cumprimento do acordo voluntário decorrente da mediação, uma vez que ele é
feito pelas próprias partes, de acordo com sua realidade e necessidade.

§ 7º - Custo/Benefício - A duração do procedimento, os custos e a insegurança


do processo judicial são minimizados na Mediação, onde não existe a
multiplicidade de recursos admitidos na via judicial.

§ 8º - Vantagens para a sociedade - Empoderamento das partes,


harmonização dos relacionamentos interpessoais e pacificação dos conflitos
sociais, e uma significativa redução do volume de processos no Judiciário.

Art. 97 - Este regimento no capítulo apropriado estará regulando o processo de


mediação.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
111

Seção VII
Da Comunicação dos Atos

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
112

Art. 98 - O órgão competente perante o qual tramita o processo administrativo


determinará a intimação, convite, citação ou notificação, dependendo do
expediente do interessado para ciência de decisão ou a efetivação de
diligências.

§ 1o - A intimação deverá conter:

I - identificação do intimado e nome do órgão ou entidade administrativa;

II - finalidade da intimação;

III - data, hora e local em que deve comparecer;

IV - se o intimado deve comparecer pessoalmente, ou fazer-se representar;

V - informação da continuidade do processo independentemente do seu


comparecimento;

VI - indicação dos fatos e fundamentos legais pertinentes.

§ 2o - A intimação observará a antecedência mínima de três dias úteis quanto à


data de comparecimento.

§ 3o - A intimação pode ser efetuada por ciência no processo, por via postal
com aviso de recebimento, por telegrama ou outro meio que assegure a
certeza da ciência do interessado.

§ 4o - No caso de interessados indeterminados, desconhecidos ou com


domicílio indefinido, a intimação deve ser efetuada por meio de publicação
oficial.

§ 5o - As intimações serão nulas quando feitas sem observância das


prescrições legais, mas o comparecimento do administrado supre sua falta ou
irregularidade.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
113

Art. 99 - O desatendimento da intimação não importa o reconhecimento da


verdade dos fatos, nem a renúncia a direito pelo administrado.
Parágrafo Único. No prosseguimento do processo, será garantido direito de
ampla defesa ao interessado.

Art. 100 - Devem ser objeto de intimação os atos do processo que resultem
para o interessado em imposição de deveres, ônus, sanções ou restrição ao
exercício de direitos e atividades e os atos de outra natureza, de seu interesse.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
114

Seção VIII
Da Instrução

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
115

Art. 101 - Os procedimentos de Arbitragem, Mediação, Conciliação, e


Acompanhamento são denominados no âmbito do INESPEC e de sua Rede
CECU INESPEC, como expedientes administrativos de formação de evidência
e provas para assegurarem direitos ou questioná-los.

Art. 102 - As atividades de instrução destinadas a averiguar e comprovar os


dados necessários à tomada de decisão realiza-se de ofício ou mediante
impulsão do órgão responsável pelo processo, sem prejuízo do direito dos
interessados de propor atuações probatórias.

§ 1o - O órgão competente para a instrução fará constar dos autos os dados


necessários à decisão do processo.

§ 2o - Os atos de instrução que exijam a atuação dos interessados devem


realizar-se do modo menos oneroso para estes.

Art. 103 - São inadmissíveis no processo administrativo as provas obtidas por


meios ilícitos.

Art. 104 - Quando a matéria do processo envolver assunto de interesse geral, o


órgão competente poderá, mediante despacho motivado, abrir período de
consulta pública para manifestação de terceiros, antes da decisão do pedido,
se não houver prejuízo para a parte interessada.

§ 1o - A abertura da consulta pública será objeto de divulgação pelos meios


oficiais, a fim de que pessoas físicas ou jurídicas possam examinar os autos,
fixando-se prazo para oferecimento de alegações escritas.

§ 2o - O comparecimento à consulta pública não confere, por si, a condição de


interessado do processo, mas confere o direito de obter da Administração do
INESPEC resposta fundamentada, que poderá ser comum a todas as
alegações substancialmente iguais.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
116

Antes da tomada de decisão, a juízo da autoridade, diante da relevância da


questão, poderá ser realizada audiência pública para debates sobre a matéria
do processo.

Art. 105 - Os órgãos e entidades administrativas, em matéria relevante,


poderão estabelecer outros meios de participação de administrados,
diretamente ou por meio de organizações e associações legalmente
reconhecidas.

Art. 106 - Os resultados da consulta e audiência pública e de outros meios de


participação de administrados deverão ser apresentados com a indicação do
procedimento adotado.

Art. 107 - Quando necessária à instrução do processo, a audiência de outros


órgãos ou entidades administrativas poderá ser realizada em reunião conjunta,
com a participação de titulares ou representantes dos órgãos competentes,
lavrando-se a respectiva ata, a ser juntada aos autos.

Art. 108 - Cabe ao interessado a prova dos fatos que tenha alegado sem
prejuízo do dever atribuído ao órgão competente para a instrução DO
PROCEDIMENTO.

Art. 109 – Quando o interessado declarar que fatos e dados estão registrados
em documentos existentes na própria Administração responsável pelo
processo ou em outro órgão administrativo, o órgão competente para a
instrução proverá, de ofício, à obtenção dos documentos ou das respectivas
cópias, salvo se estes expedientes estiverem em outra organização pública ou
privada. .

Art. 110 – O interessado poderá na fase instrutora e antes da tomada da


decisão, juntar documentos e pareceres, requerer diligências e perícias, bem
como aduzir alegações referentes à matéria objeto do processo.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
117

§ 1o - Os elementos probatórios deverão ser considerados na motivação do


relatório e da decisão.

§ 2o - Somente poderão ser recusadas, mediante decisão fundamentada, as


provas propostas pelos interessados quando sejam ilícitas, impertinentes,
desnecessárias ou protelatórias.

Art.111 – Quando for necessária a prestação de informações ou a


apresentação de provas pelos interessados ou terceiros, serão expedidas
intimações para esse fim, mencionando-se data, prazo, forma e condições de
atendimento.

Parágrafo Único. Não sendo atendida a intimação, poderá o órgão competente,


se entender relevante a matéria, suprir de ofício a omissão, não se eximindo de
proferir a decisão.

Art. 112 – Quando dados, atuações ou documentos solicitados ao interessados


forem necessários à apreciação de pedido formulado, o não atendimento no
prazo fixado pela Administração para a respectiva apresentação implicará
arquivamento do processo.

Art. 113 – Os interessados serão intimados de prova ou diligência ordenada,


com antecedência mínima de três dias úteis, mencionando-se data, hora e local
de realização.

Art. 114 – Quando deva ser obrigatoriamente ouvido um órgão consultivo, o


parecer deverá ser emitido no prazo máximo de quinze dias, salvo norma
especial ou comprovada necessidade de maior prazo.

§ 1o - Se um parecer obrigatório e vinculante deixar de ser emitido no prazo


fixado, o processo não terá seguimento até a respectiva apresentação,
responsabilizando-se quem der causa ao atraso.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
118

§ 2o - Se um parecer obrigatório e não vinculante deixar de ser emitido no


prazo fixado, o processo poderá ter prosseguimento e ser decidido com sua
dispensa, sem prejuízo da responsabilidade de quem se omitiu no atendimento.

Art. 115 – Quando por disposição de ato normativo devam ser previamente
obtidos laudos técnicos de órgãos administrativos e estes não cumprirem o
encargo no prazo assinalado, o órgão responsável pela instrução deverá
solicitar laudo técnico de outro órgão dotado de qualificação e capacidade
técnica equivalentes.

Parágrafo Único - Encerrada a instrução, o interessado terá o direito de


manifestar-se no prazo máximo de dez dias, salvo se outro prazo for
legalmente fixado.

Art. 116 – Em caso de risco iminente, a Administração superior do INESPEC,


na pessoa do gestor Presidente poderá motivadamente adotar providências
acauteladoras sem a prévia manifestação do interessado ou do relator do
expediente junto ao INESPEC REDE.

Art. 117 – Os interessados têm direito à vista do processo e a obter certidões


ou cópias reprográficas dos dados e documentos que o integram, ressalvados
os dados e documentos de terceiros protegidos por sigilo ou pelo direito à
privacidade, à honra e à imagem.

Art. 118 – O órgão de instrução que não for competente para emitir a decisão
final elaborará relatório indicando o pedido inicial, o conteúdo das fases do
procedimento e formulará proposta de decisão, objetivamente justificada,
encaminhando o processo à autoridade competente.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
119

Seção IX
Do Dever de Decidir

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
120

Art. 119 – A Administração tem o dever de explicitamente emitir decisão nos


processos administrativos e sobre solicitações ou reclamações, em matéria de
sua competência.

Art. 120 – Concluída a instrução de processo administrativo, a Administração


tem o prazo de até trinta dias para decidir, salvo prorrogação por igual período
expressamente motivada.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
121

Seção X
Da Motivação

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
122

Art. 121 – Os atos administrativos deverão ser motivados, com indicação dos
fatos e dos fundamentos jurídicos, quando:

I - neguem, limitem ou afetem direitos ou interesses;

II - imponham ou agravem deveres, encargos ou sanções;

III - decidam processos administrativos de concurso ou seleção pública;

IV - dispensem ou declarem a inexigibilidade de processo licitatório;

V - decidam recursos administrativos;

VI - decorram de reexame de ofício;

VII - deixem de aplicar jurisprudência firmada sobre a questão ou discrepem de


pareceres, laudos, propostas e relatórios oficiais;

VIII - importem anulação, revogação, suspensão ou convalidação de ato


administrativo.

§ 1o - A motivação deve ser explícita, clara e congruente, podendo consistir em


declaração de concordância com fundamentos de anteriores pareceres,
informações, decisões ou propostas, que, neste caso, serão parte integrante do
ato.

§ 2o - Na solução de vários assuntos da mesma natureza, pode ser utilizado


meio mecânico que reproduza os fundamentos das decisões, desde que não
prejudique direito ou garantia dos interessados.

§ 3o - A motivação das decisões de órgãos colegiados e comissões ou de


decisões orais constará da respectiva ata ou de termo escrito.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
123

Seção XI
Da desistência e outros casos de extinção do processo

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
124

Art. 122 – O interessado poderá, mediante manifestação escrita, desistir total


ou parcialmente do pedido formulado ou, ainda, renunciar a direitos
disponíveis.

§ 1o Havendo vários interessados, a desistência ou renúncia atinge somente


quem a tenha formulado.

§ 2o A desistência ou renúncia do interessado, conforme o caso, não prejudica


o prosseguimento do processo, se a Administração considerar que o interesse
público assim o exige.

Art. 123 – O órgão competente poderá declarar extinto o processo quando


exaurida sua finalidade ou o objeto da decisão se tornar impossível, inútil ou
prejudicado por fato superveniente.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
125

Seção XII
Da anulação, revogação e convalidação.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
126

Art. 124 – A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de
vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou
oportunidade, respeitados os direitos adquiridos.

Art. 125 – O direito da Administração de anular os atos administrativos de que


decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos,
contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé.

§ 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-


se-á da percepção do primeiro pagamento.

§ 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade


administrativa que importe impugnação à validade do ato.

Art. 126 – Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse


público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis
poderão ser convalidados pela própria Administração.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
127

Seção XIII
Do recurso administrativo e da revisão

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
128

Art. 127 – Das decisões administrativas cabe recurso, em face de razões de


legalidade e de mérito.

§ 1o O recurso será dirigido à autoridade que proferiu a decisão, a qual, se não


a reconsiderar no prazo de cinco dias, o encaminhará à autoridade superior.

§ 2o Salvo exigência legal, a interposição de recurso administrativo independe


de caução.

Art. 128 – O recurso administrativo tramitará no máximo por três instâncias


administrativas, salvo disposição legal diversa.

Art. 129 – Têm legitimidade para interpor recurso administrativo:

I - os titulares de direitos e interesses que forem parte no processo;

II - aqueles cujos direitos ou interesses forem indiretamente afetados pela


decisão recorrida;

III - as organizações e associações representativas, no tocante a direitos, e


interesses coletivos;

IV - os cidadãos ou associações, quanto a direitos ou interesses difusos.

Art. 130 – Salvo disposição legal específica, é de dez dias o prazo para
interposição de recurso administrativo, contado a partir da ciência ou
divulgação oficial da decisão recorrida.

§ 1o Quando a lei não fixar prazo diferente, o recurso administrativo deverá ser
decidido no prazo máximo de trinta dias, a partir do recebimento dos autos pelo
órgão competente.

§ 2o O prazo mencionado no parágrafo anterior poderá ser prorrogado por


igual período quando devidamente justificado.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
129

Art. 131 – O recurso interpõe-se por meio de requerimento no qual o recorrente


deverá expor os fundamentos do pedido de reexame, podendo juntar os
documentos que julgar convenientes.

Art. 132 – Salvo disposição legal em contrário, o recurso não tem efeito
suspensivo.

Parágrafo único. Havendo justo receio de prejuízo de difícil ou incerta


reparação decorrente da execução, a autoridade recorrida ou a imediatamente
superior poderá, de ofício ou a pedido, dar efeito suspensivo ao recurso.

Art. 133 – Interposto o recurso, o órgão competente para de ele conhecer


deverá intimar os demais interessados para que, no prazo de cinco dias úteis,
apresentem alegações.

Art. 134 – O recurso não será conhecido quando interposto:

I - fora do prazo;

II - perante órgão incompetente;

III - por quem não seja legitimado;

IV - depois de exaurida a esfera administrativa.

§ 1o Na hipótese do inciso II, será indicada ao recorrente a autoridade


competente, sendo-lhe devolvido o prazo para recurso.

§ 2o O não conhecimento do recurso não impede a Administração de rever de


ofício o ato ilegal, desde que não ocorrida preclusão administrativa.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
130

Art. 135 – O órgão competente para decidir o recurso poderá confirmar,


modificar, anular ou revogar, total ou parcialmente, a decisão recorrida, se a
matéria for de sua competência.

Parágrafo Único. Se da aplicação do disposto neste artigo puder decorrer


gravame à situação do recorrente, este deverá ser cientificado para que
formule suas alegações antes da decisão.

Art. 136 – Os processos administrativos de que resultem sanções poderão ser


revistos, a qualquer tempo, a pedido ou de ofício, quando surgirem fatos novos
ou circunstâncias relevantes suscetíveis de justificar a inadequação da sanção
aplicada.

Parágrafo Único. Da revisão do processo não poderá resultar agravamento da


sanção.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
131

Seção XIV
Dos Prazos

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
132

Art. 137 – Os prazos começam a correr a partir da data da cientificação oficial,


excluindo-se da contagem o dia do começo e incluindo-se o do vencimento.

§ 1o Considera-se prorrogado o prazo até o primeiro dia útil seguinte se o


vencimento cair em dia em que não houver expediente ou este for encerrado
antes da hora normal.

§ 2o Os prazos expressos em dias contam-se de modo contínuo.

§ 3o Os prazos fixados em meses ou anos contam-se de data a data. Se no


mês do vencimento não houver o dia equivalente àquele do início do prazo,
tem-se como termo o último dia do mês.

Art. 138 – Salvo motivo de força maior devidamente comprovado, os prazos


processuais não se suspendem.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
133

Seção XV
Das sanções

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
134

Art. 139 – As sanções a serem aplicadas por autoridade administrativas do


INESPEC, competente, terão natureza pecuniária ou consistirão em obrigação
de fazer ou de não fazer, assegurado sempre o direito de defesa e o que foi
previamente combinado e aceito pelas partes, ou em caso de Processos de
Arbitragem, Mediação ou Conciliação, o que tenham sido previamente
acordados.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
135

Seção XVI
Das disposições finais

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
136

Art. 140 – Os processos administrativos específicos continuarão a regerem-se


por norma extra do INESPEC quando existirem e não conflitar com esse
estatuto, e pelas leis próprias, aplicando sê-lhes apenas subsidiariamente os
preceitos desta norma. •.

Art. 141 – Nos processos de Arbitragem, Mediação ou Conciliação, será


conduzido de acordo com as normas previstas nas leis especificas, extra
INESPEC, devendo quando não conflitar, ser aplicado as regras do presente
Regimento Geral, aplicando ainda as regras do Código Civil Brasileiro, Código
de Processo Civil apenas subsidiariamente quando lhe for aplicável.

Art. 142 – Os processos de Arbitragem, Mediação ou Conciliação, será


conduzido de acordo com as normas previstas nas leis especificas extra
INESPEC, devendo quando não conflitar ser aplicada as regras da
INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERNA – CJC INESPEC - INI-CJC 1/2018-PRT
No. 1.715.669 de, 25 de outubro de 2018. EMENTA: Disciplina as regras pro
temporal dos Procedimentos de MEDIAÇÃO em face das disposições da Lei
Federal Nº 13.140, DE 26 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a mediação
entre particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a
autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública; altera a Lei
no 9.469, de 10 de julho de 1997, e o Decreto no 70.235, de 6 de março de
1972; e revoga o § 2o do art. 6o da Lei no 9.469, de 10 de julho de 1997 e dá
outras providencias.

Art. 143. O Processo em geral no âmbito do INESPEC encerra-se:

I. Com a assinatura do termo de acordo pelas partes;

II. Por uma declaração escrita do Relator, no sentido de que não se justifica
aplicar esforços para buscar composição ou objetivo junto aos autos, com
fundamentação plausível;

III. Por uma declaração conjunta das partes, dirigida ao Relator com o efeito
de encerrar o Processo;
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
137

IV. Por uma declaração escrita de uma parte para a outra, e para o Relator,
com o efeito de encerrar o Processo.

Art. 144 – Os processos no âmbito do INESPEC poderão ser conduzidos pela


internet ou por outro meio de comunicação que permita a transação à distância,
desde que as partes estejam de acordo.

§ 1o É facultado à parte domiciliada no exterior submeter-se aos


procedimentos conduzidos no INESPEC segundo a regra estabelecida na Lei e
no presente Regimento Geral.

§ 2o As partes deverão participar do processo pessoalmente em caso que


não se aplique as disposições do parágrafo anterior, admitindo-se que na
impossibilidade comprovada de fazê-lo, podem se fazer representar por uma
outra pessoa, com procuração que outorgue poderes necessários.

§ 3o As partes podem se fazer acompanhar por advogados e outros


assessores técnicos, e pessoas de sua confiança ou escolha, desde que estas
presenças sejam convencionadas entre as partes e consideradas pelo
mediador úteis e pertinentes ao necessário equilíbrio do processo.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
138

TÍTULO III
Dos Procedimentos Extrajudiciais de Solução de Conflitos de Interesses
no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
139

Art. 145 – O presente título trata dos procedimentos extrajudiciais na mediação,


na conciliação e na arbitragem como formas alternativas de resolução de
conflitos a serem conduzidas pela Câmara de Arbitragem, Mediação e
Conciliação no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de
Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura.

Parágrafo Único. O acesso à justiça alternativa deixa de ser restrito ao direito


de petição, feito até então exclusivamente através do Poder Judiciário, e
doravante passa a abranger várias formas de resolução de controvérsias,
dentre as quais se incluem mediação, conciliação e arbitragem, que são
métodos alternativos e práticos para solução de conflitos, permitindo o alcance
da pacificação social com a interferência limitada do Estado.

Art. 146 – Os processos extrajudiciais na mediação, na conciliação e na


arbitragem no âmbito do INESPEC poderão ser conduzidos pela internet ou por
outro meio de comunicação que permita a transação à distância, desde que as
partes estejam de acordo.

Art. 147 – Para os processos extrajudiciais, mediação, conciliação e arbitragem


no âmbito do INESPEC aplicar-se no que couber a Lei Federal nº 11.419, de
19 de Dezembro de 2006, que dispõe sobre a informatização do processo
judicial.

Art. 148 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação no âmbito da


Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e
Cultura vai progressivamente implantando a informatização do Processo
Arbitral.

Art. 149 – O uso de meio eletrônico na tramitação de processos extrajudiciais,


mediação, conciliação e arbitragem, bem como comunicação de atos e
transmissão de peças processuais será admitido nos termos do presente
Regimento Geral e da Legislação específica.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
140

§ 1o - Aplica-se o disposto deste Regimento, indistintamente, a todos os


processos em tramitação ou que venha tramitar na Câmara.

§ 2o - Para entendimento e interpretação do presente Regimento Geral,


considera-se:

I - meio eletrônico qualquer forma de armazenamento ou tráfego de


documentos e arquivos digitais;

II - transmissão eletrônica toda forma de comunicação à distância com a


utilização de redes de comunicação, preferencialmente a rede mundial de
computadores;

III - assinatura eletrônica as seguintes formas de identificação inequívoca do


signatário:

a) assinatura digital baseada em certificado digital emitido por Autoridade


Certificadora credenciada, na forma de lei específica;

b) mediante cadastro de usuário na Câmara, conforme venha a ser disciplinado


pelo instituto INESPEC.

§ 3o - A Comissão de Justiça e Cidadania e a Câmara poderão criar um


cadastro único para o credenciamento previsto neste Regimento Geral.

Art. 150 – Permite-se no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania do


Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura o uso de Chancelas nos
processos em tramitação na entidade.

Art. 151 – Permite-se o uso de Chancelas nos processos em tramitação na


entidade mediante cadastro de usuário, conforme venha a ser disciplinado pelo
instituto INESPEC.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
141

Art. 152 – No texto deste Regimento Geral as expressões Câmara de Direito


Arbitral e ou Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação se equivalem
entre si.

Art. 153 – Para fins de conceituação a arbitragem é um método de resolução


de conflitos dentre as chamadas ADR – Alternative Dispute Resolution – em
que o litígio é decidido por um árbitro privado escolhido pelas partes por uma
convenção também privada.

Art. 154 – No instituto da arbitragem junto a Câmara de Arbitragem, Mediação


e Conciliação no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de
Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura se permite às partes escolher o árbitro, a
sede e as leis aplicáveis à arbitragem.

Art. 155 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação no âmbito da


Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e
Cultura vai progressivamente implantar no contexto do comércio internacional,
a Arbitragem Comercial Internacional.

Art. 156 – Para fins de uniformização e doutrinação de entendimentos no


âmbito da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de
Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura,
entende-se:

I - Diferenças de métodos de ADR.

a. A arbitragem, na mesma linha de entendimento do processo judicial, é


um meio de solução de conflitos por heterocomposição.

b. A mediação, a negociação e a conciliação são caminhos para alcançar


soluções de conflitos por autocomposição.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
142

II - No processo arbitral, a decisão será imposta pelo árbitro, nos mecanismos


por autocomposição a solução para o conflito será construída pelas próprias
partes.

III - No processo de mediação e conciliação por, autocomposição, poderá


existir além das partes a presença de terceiros.

IV - No processo de negociação devem participar preferencialmente somente


as partes.

Art. 157 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação no âmbito da


Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e
Cultura pode a critério e autorização das partes instituírem, instaurar processos
onde pode haver métodos híbridos, que combinam mediação, arbitragem,
conciliação e outros.

Art. 158 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de


Justiça e Cidadania, para fins da previsão do Art. 155 deste Regimento Geral,
implanta na sua estrutura DIVISÃO INTERNACIONAL DE ARBITRAGEM, para
acompanhar os processos afetos ao contexto de interesses do comércio
internacional.

Art. 159 – Para fins de entendimento, conceito e limitações no âmbito da


Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de Justiça e
Cidadania os processos de arbitragem nacional, doméstica, interna, brasileira,
se diferencia da arbitragem internacional de forma e em face dos contratos
nacionais e internacionais.

I – Na arbitragem interna as partes se encontram presentes, em elementos


conectados a um mesmo sistema legal, os interessados têm domicilio
residencial e contratual no mesmo Estado.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
143

II – Na arbitragem internacional encontra-se presente o envolvimento de mais


de um sistema legal e a possibilidade de um laudo arbitral estrangeiro, que
deverá ser reconhecido em outros países por meio de homologação das
autoridades locais.

III – Para fins de conceituação junto a Câmara de Arbitragem, Mediação e


Conciliação da Comissão de Justiça e Cidadania os processos de arbitragem
internacional acontecem quando envolve partes de duas nacionalidades
diferentes, quando o procedimento ocorre em território distinto do país de
origem das partes, ou quando se aplica as normas de outro sistema legal.

IV – Para fins de entendimento consideram-se no âmbito da Câmara de


Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de Justiça e Cidadania como
uma das principais vantagens da arbitragem internacional a de garantir a
neutralidade da decisão, assim como de evitar a lentidão dos procedimentos
judiciais internos dos Estados.

V - No âmbito da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão


de Justiça e Cidadania as partes têm a oportunidade de escolher os métodos
de decisão a serem utilizados e garantir a confidencialidade desta.

VI – No âmbito da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de


Justiça e Cidadania as partes têm a oportunidade de resguardar os segredos
comerciais e industriais do negócio.

VII - No âmbito da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da


Comissão de Justiça e Cidadania as partes têm a oportunidade de escolher e
preservar a neutralidade dos negócios jurídicos, uma vez que o processo de
arbitragem pode se dá em um terceiro país, livre de qualquer parcialidade ou
preconceito.

VIII - No âmbito da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da


Comissão de Justiça e Cidadania as partes no Processo de Arbitragem
Internacional têm a oportunidade de optar pelo processo virtual.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
144

Art. 160 – No âmbito da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da


Comissão de Justiça e Cidadania as partes somente podem requisitar a
abertura de processos de Arbitragem observando as seguintes diretrizes, sob
pena, de se instaurado, torna-se nulo:

I – Existência de Cláusula Arbitral.

a. Entende-se como a cláusula arbitral (ou cláusula compromissória)


um acordo entre as partes anterior ao conflito.

b. A cláusula arbitral tem a função de definir a arbitragem como


forma de solução de conflito e dispensa o acesso ao Poder
Judiciário.

c. A cláusula arbitral consta como manifestação de vontade entre as


partes e tende a ter a característica de severabilidade do contrato
principal.

Parágrafo Único. A cláusula arbitral implica em acordo referente ao uso da


arbitragem sendo estabelecido como cláusula em um contrato, mas não deixa
de ser autônomo e pode continuar a ser válido mesmo quando o próprio
contrato for considerado nulo.

Art. 161 – No âmbito da Arbitragem Internacional ao árbitro lhe compete


garantir a credibilidade do Processo Arbitral sob sua responsabilidade, e devido
ao grande uso desta forma de solução de controvérsias nos países
convencionados e a ratificação de tratados internacionais referentes à
arbitragem, o tratado de Genebra, a decisão do árbitro tem eficácia judicial,
cabendo a homologação de sentença estrangeira apenas para exame de
eficácia da decisão, e não para a análise do mérito.

Art. 162 – No âmbito da Arbitragem Internacional e Nacional ao árbitro lhe


competem garantir a credibilidade do Processo Arbitral sob sua
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
145

responsabilidade, devendo para esta finalidade ter formação de princípios e


cultura jurídica, independente de ser bacharel em Direito, devendo ainda,
observar:

I – Decisões Arbitrais:

a. Uma das finalidades da arbitragem é a possibilidade das partes


escolherem os mecanismos de solução de controvérsia e os
pontos a serem tratados, sendo essencial que o procedimento de
arbitragem se atenha aos requisitos apresentados.

b. No âmbito da Comissão é aceitável que as partes resolvam


adotar o método de limitar o procedimento a certas
especificidades do caso – sendo somente estas as questões que
devem ser julgadas pela arbitragem.

c. A sentença proferida pelo árbitro, que é juiz de fato e de direito,


na arbitragem tem valor judicial e poderá ser executada.

d. Ao árbitro deve por principio de competência desenvolver


esforços para que sua decisão em si não venha a ser contestada
por meio judicial pela parte insatisfeita para alegar a nulidade da
sentença por vícios de forma e de aplicabilidade de direito
material.

e. O mérito da sentença de decisão do árbitro não cabe recurso,


porem poderá ser judicialmente anulada se atuar em questões
que não estavam em seu poder de jurisdição.
f. O árbitro PODERÁ SER PROVOCADO EMPÓS
ENCERRAMENTO DO Processo Arbitral caso existam dúvidas
quanto à sentença proferida, ou se houver necessidade de exigir
a execução forçado por uma das partes, ressalvada as restrições
legais impostas.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
146

II – Homologação de sentença arbitral:

Art. 163 – No âmbito da Arbitragem Internacional e Nacional ao árbitro lhe


competem garantir a credibilidade do Processo Arbitral sob sua
responsabilidade, ao conduzir o processo deve resguardar todos os aspectos
contratuais e legais por conta da observância:

a. A garantia da homologação de sentença arbitral no país destino


estar vinculada somente para averiguar a validade do
procedimento adotado pela arbitragem, e não a legitimidade do
laudo arbitral ou sentença arbitral, a qual uma vez publicada já
tem efeitos de sentença judicial.

b. No Tribunal Judicial do país destino é possível que um tribunal


local julgue a decisão arbitral como sendo nula por não cumprir
com o que foi pedido pela partes, ou com o que constava na
cláusula arbitral (qualquer fator referente ao valor extrínseco da
decisão), mas a decisão em si (em seu valor intrínseco) não
poderá ser contestada.

c. Nos termos dos acordos internacionais o tribunal local não tem


competência para fazer qualquer análise referente à questão de
mérito, sendo que a limitação do Poder Judiciário estatal na
analise da Sentença Arbitral é relevante para preserva as
principais vantagens legais de um processo arbitral.

d. Sentença arbitral que for proferida dentro do próprio país, Brasil,


sede da Comissão de Justiça e Cidadania não necessita de
homologação para ser validada, mesmo tendo como base para
decisão a legislação de outro país.

e. Sentença arbitral proferida no Brasil tem reconhecimento no país


e poderá ser executada.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
147

Art. 164 – A sentença arbitral proferida no exterior pela Câmara de Arbitragem,


Mediação e Conciliação da Comissão de Justiça e, mesmo aquelas baseadas
em contratos firmados no Brasil e leis nacionais, deverá ser homologada para
ter validade e ser executada em território nacional brasileiro.

III – Parceria Nacional e Internacional visando à harmonização e


regulamentação da arbitragem.

Art. 165 – Por conta da importância e maior utilização do instituto da


arbitragem, a Comissão de Justiça e Cidadania deve buscar apoio em várias
instituições ligadas à arbitragem privada internacional visando elaborar regras
procedimentais específicas, com o objetivo de estruturar melhor os
procedimentos dessa prática no âmbito das Comunidades Privadas
Internacional.

Art. 166 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de


Justiça e Cidadania estar autorizando a viabilizar acordos com as entidades:
American Arbitration Association (AAA) e UNCITRAL (e: United Nations
Comission on International Trade Law).

Art. 167 – A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de


Justiça e Cidadania estar autorizada para atuar em uma situação de conflito no
âmbito comercial internacional, estando nesta hipótese em condições se tornar
parte na formação de um tribunal arbitral “ad hoc”.

Art. 168 – No caso da hipótese do artigo anterior as próprias partes determinam


as regras processuais a serem seguidas pelo tribunal durante o procedimento
arbitral ou de um tribunal arbitral institucional.

Art. 169 – Nas hipóteses dos artigos anteriores a Câmara de Arbitragem,


Mediação e Conciliação da Comissão de Justiça e Cidadania estar autorizada a
optar caso as partes autorizem a aplicar o Regulamento de Arbitragem da
UNCITRAL ou as regras procedimentais de um tribunal arbitral institucional.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
148

Art. 170 – Para fins de conhecimento por parte dos árbitros da Câmara de
Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de Justiça e Cidadania, o
presente Regimento Geral deve anexar os termos do Regulamento de
Arbitragem da UNCITRAL, que será conceituada na Câmara como a Lei
Modelo da UNCITRAL.

Art. 171 – Compete a Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da


Comissão de Justiça e Cidadania inexistindo norma em vigor sobre arbitragem,
implementar as regras procedimentais, mais adaptadas ao caso em questão,
tratado no processo arbitral em curso e mais adequadas às necessidades do
comércio internacional.

Artigo 172 - A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de


Justiça e Cidadania deve regulamentar em seu âmbito a diferencia entre
arbitragem interna e internacional, embora observando na Lei de Arbitragem os
dispositivos específicos relacionados à homologação e à execução de laudos
arbitrais estrangeiros no país.

Artigo 173 – O presente Regimento Geral deve anexar ao seu corpo legal às
seguintes regras, normas e leis, nacionais e alienígenas:

I - Tratados e Convenções internacionais.

a. Convenção Interamericana sobre Arbitragem Comercial


Internacional (de 1975).

b. Convenção de Nova Iorque sobre o Reconhecimento e a


Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras.

c. As regras de mediação e de arbitragem da convenção referente à


constituição da MIGA - Multilateral Investment Guarantee Agency.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
149

II - Tratados multilaterais:

a. Protocolo de Genebra sobre cláusulas arbitrais de 1923.

b. Convenção de Genebra concernente à Execução de Laudos Arbitrais


Estrangeiros de 1927.

c. Convenção Européia sobre Arbitragem Comercial Internacional de 1961.

d. Convenção de Washington de 1965 para a Solução de controvérsias


sobre Investimentos entre Estados e Nacionais de outros Estados.

III – Leis Federais:

a) Lei Federal nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996. Dispõe


sobre a arbitragem.

b) Lei Federal nº 13.129, DE 26 DE MAIO DE 2015. Altera a Lei


no 9.307, de 23 de setembro de 1996, e a Lei no 6.404, de 15
de dezembro de 1976, para ampliar o âmbito de aplicação da
arbitragem e dispor sobre a escolha dos árbitros quando as
partes recorrem a órgão arbitral, a interrupção da prescrição
pela instituição da arbitragem, a concessão de tutelas
cautelares e de urgência nos casos de arbitragem, a carta
arbitral e a sentença arbitral, e revoga dispositivos da Lei no
9.307, de 23 de setembro de 1996.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
150

IV – Da Lei Federal nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996. Dispõe sobre a


arbitragem.

Artigo 174 - A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de


Justiça e Cidadania em seu âmbito deve aplicar todos os termos da lei da
arbitragem em seus processos.

Artigo 175 - Da lei da arbitragem:

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI Nº 9.307, DE 23 DE SETEMBRO DE 1996.

Dispõe sobre a arbitragem.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta


e eu sanciono a seguinte Lei:

Capítulo I

Disposições Gerais

Art. 1º As pessoas capazes de contratar poderão valer-se da arbitragem para


dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis.

§ 1o A administração pública direta e indireta poderá utilizar-se da arbitragem para


dirimir conflitos relativos a direitos patrimoniais disponíveis.
(Incluído pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

§ 2o A autoridade ou o órgão competente da administração pública direta para a


celebração de convenção de arbitragem é a mesma para a realização de acordos
ou transações. (Incluído pela Lei nº 13.129, de
2015) (Vigência)

Art. 2º A arbitragem poderá ser de direito ou de eqüidade, a critério das partes.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
151

§ 1º Poderão as partes escolher, livremente, as regras de direito que serão


aplicadas na arbitragem, desde que não haja violação aos bons costumes e à
ordem pública.

§ 2º Poderão, também, as partes convencionar que a arbitragem se realize com


base nos princípios gerais de direito, nos usos e costumes e nas regras
internacionais de comércio.

§ 3o A arbitragem que envolva a administração pública será sempre de direito e


respeitará o princípio da publicidade. (Incluído pela Lei nº 13.129,
de 2015) (Vigência)

Capítulo II

Da Convenção de Arbitragem e seus Efeitos

Art. 3º As partes interessadas podem submeter a solução de seus litígios ao juízo


arbitral mediante convenção de arbitragem, assim entendida a cláusula
compromissória e o compromisso arbitral.

Art. 4º A cláusula compromissória é a convenção através da qual as partes em um


contrato comprometem-se a submeter à arbitragem os litígios que possam vir a
surgir, relativamente a tal contrato.

§ 1º A cláusula compromissória deve ser estipulada por escrito, podendo estar


inserta no próprio contrato ou em documento apartado que a ele se refira.

§ 2º Nos contratos de adesão, a cláusula compromissória só terá eficácia se o


aderente tomar a iniciativa de instituir a arbitragem ou concordar, expressamente,
com a sua instituição, desde que por escrito em documento anexo ou em negrito,
com a assinatura ou visto especialmente para essa cláusula.

§ 3o (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.129, de


2015) (Vigência)

§ 4o (VETADO). (Incluído pela Lei nº 13.129, de


2015) (Vigência)

Art. 5º Reportando-se as partes, na cláusula compromissória, às regras de algum


órgão arbitral institucional ou entidade especializada, a arbitragem será instituída e
processada de acordo com tais regras, podendo, igualmente, as partes
estabelecer na própria cláusula, ou em outro documento, a forma convencionada
para a instituição da arbitragem.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
152

Art. 6º Não havendo acordo prévio sobre a forma de instituir a arbitragem, a parte
interessada manifestará à outra parte sua intenção de dar início à arbitragem, por
via postal ou por outro meio qualquer de comunicação, mediante comprovação de
recebimento, convocando-a para, em dia, hora e local certos, firmar o
compromisso arbitral.

Parágrafo único. Não comparecendo a parte convocada ou, comparecendo,


recusar-se a firmar o compromisso arbitral, poderá a outra parte propor a
demanda de que trata o art. 7º desta Lei, perante o órgão do Poder Judiciário a
que, originariamente, tocaria o julgamento da causa.

Art. 7º Existindo cláusula compromissória e havendo resistência quanto à


instituição da arbitragem, poderá a parte interessada requerer a citação da outra
parte para comparecer em juízo a fim de lavrar-se o compromisso, designando o
juiz audiência especial para tal fim.

§ 1º O autor indicará, com precisão, o objeto da arbitragem, instruindo o pedido


com o documento que contiver a cláusula compromissória.

§ 2º Comparecendo as partes à audiência, o juiz tentará, previamente, a


conciliação acerca do litígio. Não obtendo sucesso, tentará o juiz conduzir as
partes à celebração, de comum acordo, do compromisso arbitral.

§ 3º Não concordando as partes sobre os termos do compromisso, decidirá o juiz,


após ouvir o réu, sobre seu conteúdo, na própria audiência ou no prazo de dez
dias, respeitadas as disposições da cláusula compromissória e atendendo ao
disposto nos arts. 10 e 21, § 2º, desta Lei.

§ 4º Se a cláusula compromissória nada dispuser sobre a nomeação de árbitros,


caberá ao juiz, ouvidas as partes, estatuir a respeito, podendo nomear árbitro
único para a solução do litígio.

§ 5º A ausência do autor, sem justo motivo, à audiência designada para a lavratura


do compromisso arbitral, importará a extinção do processo sem julgamento de
mérito.

§ 6º Não comparecendo o réu à audiência, caberá ao juiz, ouvido o autor, estatuir


a respeito do conteúdo do compromisso, nomeando árbitro único.

§ 7º A sentença que julgar procedente o pedido valerá como compromisso arbitral.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
153

Art. 8º A cláusula compromissória é autônoma em relação ao contrato em que


estiver inserta, de tal sorte que a nulidade deste não implica, necessariamente, a
nulidade da cláusula compromissória.

Parágrafo único. Caberá ao árbitro decidir de ofício, ou por provocação das partes,
as questões acerca da existência, validade e eficácia da convenção de arbitragem
e do contrato que contenha a cláusula compromissória.

Art. 9º O compromisso arbitral é a convenção através da qual as partes submetem


um litígio à arbitragem de uma ou mais pessoas, podendo ser judicial ou
extrajudicial.

§ 1º O compromisso arbitral judicial celebrar-se-á por termo nos autos, perante o


juízo ou tribunal, onde tem curso a demanda.

§ 2º O compromisso arbitral extrajudicial será celebrado por escrito particular,


assinado por duas testemunhas, ou por instrumento público.

Art. 10. Constará, obrigatoriamente, do compromisso arbitral:

I - o nome, profissão, estado civil e domicílio das partes;

II - o nome, profissão e domicílio do árbitro, ou dos árbitros, ou, se for o caso, a


identificação da entidade à qual as partes delegaram a indicação de árbitros;

III - a matéria que será objeto da arbitragem; e

IV - o lugar em que será proferida a sentença arbitral.

Art. 11. Poderá, ainda, o compromisso arbitral conter:

I - local, ou locais, onde se desenvolverá a arbitragem;

II - a autorização para que o árbitro ou os árbitros julguem por eqüidade, se assim


for convencionado pelas partes;

III - o prazo para apresentação da sentença arbitral;

IV - a indicação da lei nacional ou das regras corporativas aplicáveis à arbitragem,


quando assim convencionarem as partes;

V - a declaração da responsabilidade pelo pagamento dos honorários e das


despesas com a arbitragem; e

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
154

VI - a fixação dos honorários do árbitro, ou dos árbitros.

Parágrafo único. Fixando as partes os honorários do árbitro, ou dos árbitros, no


compromisso arbitral, este constituirá título executivo extrajudicial; não havendo tal
estipulação, o árbitro requererá ao órgão do Poder Judiciário que seria
competente para julgar, originariamente, a causa que os fixe por sentença.

Art. 12. Extingue-se o compromisso arbitral:

I - escusando-se qualquer dos árbitros, antes de aceitar a nomeação, desde que


as partes tenham declarado, expressamente, não aceitar substituto;

II - falecendo ou ficando impossibilitado de dar seu voto algum dos árbitros, desde
que as partes declarem, expressamente, não aceitar substituto; e

III - tendo expirado o prazo a que se refere o art. 11, inciso III, desde que a parte
interessada tenha notificado o árbitro, ou o presidente do tribunal arbitral,
concedendo-lhe o prazo de dez dias para a prolação e apresentação da sentença
arbitral.

Capítulo III

Dos Árbitros

Art. 13. Pode ser árbitro qualquer pessoa capaz e que tenha a confiança das
partes.

§ 1º As partes nomearão um ou mais árbitros, sempre em número ímpar, podendo


nomear, também, os respectivos suplentes.

§ 2º Quando as partes nomearem árbitros em número par, estes estão


autorizados, desde logo, a nomear mais um árbitro. Não havendo acordo,
requererão as partes ao órgão do Poder Judiciário a que tocaria, originariamente,
o julgamento da causa a nomeação do árbitro, aplicável, no que couber, o
procedimento previsto no art. 7º desta Lei.

§ 3º As partes poderão, de comum acordo, estabelecer o processo de escolha dos


árbitros, ou adotar as regras de um órgão arbitral institucional ou entidade
especializada.

§ 4º Sendo nomeados vários árbitros, estes, por maioria, elegerão o presidente do


tribunal arbitral. Não havendo consenso, será designado presidente o mais idoso.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
155

§ 4o As partes, de comum acordo, poderão afastar a aplicação de dispositivo do


regulamento do órgão arbitral institucional ou entidade especializada que limite a
escolha do árbitro único, coárbitro ou presidente do tribunal à respectiva lista de
árbitros, autorizado o controle da escolha pelos órgãos competentes da instituição,
sendo que, nos casos de impasse e arbitragem multiparte, deverá ser observado o
que dispuser o regulamento aplicável. (Redação dada pela Lei nº
13.129, de 2015) (Vigência)

§ 5º O árbitro ou o presidente do tribunal designará, se julgar conveniente, um


secretário, que poderá ser um dos árbitros.

§ 6º No desempenho de sua função, o árbitro deverá proceder com


imparcialidade, independência, competência, diligência e discrição.

§ 7º Poderá o árbitro ou o tribunal arbitral determinar às partes o adiantamento de


verbas para despesas e diligências que julgar necessárias.

Art. 14. Estão impedidos de funcionar como árbitros as pessoas que tenham, com
as partes ou com o litígio que lhes for submetido, algumas das relações que
caracterizam os casos de impedimento ou suspeição de juízes, aplicando-se-lhes,
no que couber, os mesmos deveres e responsabilidades, conforme previsto no
Código de Processo Civil.

§ 1º As pessoas indicadas para funcionar como árbitro têm o dever de revelar,


antes da aceitação da função, qualquer fato que denote dúvida justificada quanto
à sua imparcialidade e independência.

§ 2º O árbitro somente poderá ser recusado por motivo ocorrido após sua
nomeação. Poderá, entretanto, ser recusado por motivo anterior à sua nomeação,
quando:

a) não for nomeado, diretamente, pela parte; ou

b) o motivo para a recusa do árbitro for conhecido posteriormente à sua


nomeação.

Art. 15. A parte interessada em argüir a recusa do árbitro apresentará, nos termos
do art. 20, a respectiva exceção, diretamente ao árbitro ou ao presidente do
tribunal arbitral, deduzindo suas razões e apresentando as provas pertinentes.

Parágrafo único. Acolhida a exceção, será afastado o árbitro suspeito ou


impedido, que será substituído, na forma do art. 16 desta Lei.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
156

Art. 16. Se o árbitro escusar-se antes da aceitação da nomeação, ou, após a


aceitação, vier a falecer, tornar-se impossibilitado para o exercício da função, ou
for recusado, assumirá seu lugar o substituto indicado no compromisso, se houver.

§ 1º Não havendo substituto indicado para o árbitro, aplicar-se-ão as regras do


órgão arbitral institucional ou entidade especializada, se as partes as tiverem
invocado na convenção de arbitragem.

§ 2º Nada dispondo a convenção de arbitragem e não chegando as partes a um


acordo sobre a nomeação do árbitro a ser substituído, procederá a parte
interessada da forma prevista no art. 7º desta Lei, a menos que as partes tenham
declarado, expressamente, na convenção de arbitragem, não aceitar substituto.

Art. 17. Os árbitros, quando no exercício de suas funções ou em razão delas,


ficam equiparados aos funcionários públicos, para os efeitos da legislação penal.

Art. 18. O árbitro é juiz de fato e de direito, e a sentença que proferir não fica
sujeita a recurso ou a homologação pelo Poder Judiciário.

Capítulo IV

Do Procedimento Arbitral

Art. 19. Considera-se instituída a arbitragem quando aceita a nomeação pelo


árbitro, se for único, ou por todos, se forem vários.

Parágrafo único. Instituída a arbitragem e entendendo o árbitro ou o tribunal


arbitral que há necessidade de explicitar alguma questão disposta na convenção
de arbitragem, será elaborado, juntamente com as partes, um adendo, firmado por
todos, que passará a fazer parte integrante da convenção de arbitragem

§ 1o Instituída a arbitragem e entendendo o árbitro ou o tribunal arbitral que há


necessidade de explicitar questão disposta na convenção de arbitragem, será
elaborado, juntamente com as partes, adendo firmado por todos, que passará a
fazer parte integrante da convenção de arbitragem. (Incluído pela Lei
nº 13.129, de 2015) (Vigência)

§ 2o A instituição da arbitragem interrompe a prescrição, retroagindo à data do


requerimento de sua instauração, ainda que extinta a arbitragem por ausência de
jurisdição. (Incluído pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

Art. 20. A parte que pretender argüir questões relativas à competência, suspeição
ou impedimento do árbitro ou dos árbitros, bem como nulidade, invalidade ou
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
157

ineficácia da convenção de arbitragem, deverá fazê-lo na primeira oportunidade


que tiver de se manifestar, após a instituição da arbitragem.

§ 1º Acolhida a argüição de suspeição ou impedimento, será o árbitro substituído


nos termos do art. 16 desta Lei, reconhecida a incompetência do árbitro ou do
tribunal arbitral, bem como a nulidade, invalidade ou ineficácia da convenção de
arbitragem, serão as partes remetidas ao órgão do Poder Judiciário competente
para julgar a causa.

§ 2º Não sendo acolhida a argüição, terá normal prosseguimento a arbitragem,


sem prejuízo de vir a ser examinada a decisão pelo órgão do Poder Judiciário
competente, quando da eventual propositura da demanda de que trata o art. 33
desta Lei.

Art. 21. A arbitragem obedecerá ao procedimento estabelecido pelas partes na


convenção de arbitragem, que poderá reportar-se às regras de um órgão arbitral
institucional ou entidade especializada, facultando-se, ainda, às partes delegar ao
próprio árbitro, ou ao tribunal arbitral, regular o procedimento.

§ 1º Não havendo estipulação acerca do procedimento, caberá ao árbitro ou ao


tribunal arbitral discipliná-lo.

§ 2º Serão, sempre, respeitados no procedimento arbitral os princípios do


contraditório, da igualdade das partes, da imparcialidade do árbitro e de seu livre
convencimento.

§ 3º As partes poderão postular por intermédio de advogado, respeitada, sempre,


a faculdade de designar quem as represente ou assista no procedimento arbitral.

§ 4º Competirá ao árbitro ou ao tribunal arbitral, no início do procedimento, tentar a


conciliação das partes, aplicando-se, no que couber, o art. 28 desta Lei.

Art. 22. Poderá o árbitro ou o tribunal arbitral tomar o depoimento das partes, ouvir
testemunhas e determinar a realização de perícias ou outras provas que julgar
necessárias, mediante requerimento das partes ou de ofício.

§ 1º O depoimento das partes e das testemunhas será tomado em local, dia e hora
previamente comunicados, por escrito, e reduzido a termo, assinado pelo
depoente, ou a seu rogo, e pelos árbitros.

§ 2º Em caso de desatendimento, sem justa causa, da convocação para prestar


depoimento pessoal, o árbitro ou o tribunal arbitral levará em consideração o

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
158

comportamento da parte faltosa, ao proferir sua sentença; se a ausência for de


testemunha, nas mesmas circunstâncias, poderá o árbitro ou o presidente do
tribunal arbitral requerer à autoridade judiciária que conduza a testemunha
renitente, comprovando a existência da convenção de arbitragem.

§ 3º A revelia da parte não impedirá que seja proferida a sentença arbitral.

§ 4º Ressalvado o disposto no § 2º, havendo necessidade de medidas coercitivas


ou cautelares, os árbitros poderão solicitá-las ao órgão do Poder Judiciário que
seria, originariamente, competente para julgar a causa. (Revogado
pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

§ 5º Se, durante o procedimento arbitral, um árbitro vier a ser substituído fica a


critério do substituto repetir as provas já produzidas.

CAPÍTULO IV-A
(Incluído pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

DAS TUTELAS CAUTELARES E DE URGÊNCIA

Art. 22-A. Antes de instituída a arbitragem, as partes poderão recorrer ao Poder


Judiciário para a concessão de medida cautelar ou de urgência. (Incluído
pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

Parágrafo único. Cessa a eficácia da medida cautelar ou de urgência se a parte


interessada não requerer a instituição da arbitragem no prazo de 30 (trinta) dias,
contado da data de efetivação da respectiva decisão. (Incluído pela Lei nº
13.129, de 2015) (Vigência)

Art. 22-B. Instituída a arbitragem, caberá aos árbitros manter, modificar ou


revogar a medida cautelar ou de urgência concedida pelo Poder
Judiciário. (Incluído pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

Parágrafo único. Estando já instituída a arbitragem, a medida cautelar ou de


urgência será requerida diretamente aos árbitros. (Incluído pela Lei
nº 13.129, de 2015) (Vigência)

CAPÍTULO IV-B
(Incluído pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

DA CARTA ARBITRAL

Art. 22-C. O árbitro ou o tribunal arbitral poderá expedir carta arbitral para que o
órgão jurisdicional nacional pratique ou determine o cumprimento, na área de sua
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
159

competência territorial, de ato solicitado pelo árbitro. (Incluído pela


Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

Parágrafo único. No cumprimento da carta arbitral será observado o segredo de


justiça, desde que comprovada a confidencialidade estipulada na
arbitragem. (Incluído pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

Capítulo V

Da Sentença Arbitral

Art. 23. A sentença arbitral será proferida no prazo estipulado pelas partes. Nada
tendo sido convencionado, o prazo para a apresentação da sentença é de seis
meses, contado da instituição da arbitragem ou da substituição do árbitro.

Parágrafo único. As partes e os árbitros, de comum acordo, poderão prorrogar o


prazo estipulado.

§ 1o Os árbitros poderão proferir sentenças parciais. (Incluído


pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

§ 2o As partes e os árbitros, de comum acordo, poderão prorrogar o prazo para


proferir a sentença final. (Incluído pela Lei nº 13.129, de
2015) (Vigência)

Art. 24. A decisão do árbitro ou dos árbitros será expressa em documento escrito.

§ 1º Quando forem vários os árbitros, a decisão será tomada por maioria. Se não
houver acordo majoritário, prevalecerá o voto do presidente do tribunal arbitral.

§ 2º O árbitro que divergir da maioria poderá, querendo, declarar seu voto em


separado.

Art. 25. Sobrevindo no curso da arbitragem controvérsia acerca de direitos


indisponíveis e verificando-se que de sua existência, ou não, dependerá o
julgamento, o árbitro ou o tribunal arbitral remeterá as partes à autoridade
competente do Poder Judiciário, suspendendo o procedimento arbitral.
(Revogado pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)
Parágrafo único. Resolvida a questão prejudicial e juntada aos autos a sentença
ou acórdão transitados em julgado, terá normal seguimento a
arbitragem. (Revogado pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

Art. 26. São requisitos obrigatórios da sentença arbitral:

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
160

I - o relatório, que conterá os nomes das partes e um resumo do litígio;

II - os fundamentos da decisão, onde serão analisadas as questões de fato e de


direito, mencionando-se, expressamente, se os árbitros julgaram por eqüidade;

III - o dispositivo, em que os árbitros resolverão as questões que lhes forem


submetidas e estabelecerão o prazo para o cumprimento da decisão, se for o
caso; e

IV - a data e o lugar em que foi proferida.

Parágrafo único. A sentença arbitral será assinada pelo árbitro ou por todos os
árbitros. Caberá ao presidente do tribunal arbitral, na hipótese de um ou alguns
dos árbitros não poder ou não querer assinar a sentença, certificar tal fato.

Art. 27. A sentença arbitral decidirá sobre a responsabilidade das partes acerca
das custas e despesas com a arbitragem, bem como sobre verba decorrente de
litigância de má-fé, se for o caso, respeitadas as disposições da convenção de
arbitragem, se houver.

Art. 28. Se, no decurso da arbitragem, as partes chegarem a acordo quanto ao


litígio, o árbitro ou o tribunal arbitral poderá, a pedido das partes, declarar tal fato
mediante sentença arbitral, que conterá os requisitos do art. 26 desta Lei.

Art. 29. Proferida a sentença arbitral, dá-se por finda a arbitragem, devendo o
árbitro, ou o presidente do tribunal arbitral, enviar cópia da decisão às partes, por
via postal ou por outro meio qualquer de comunicação, mediante comprovação de
recebimento, ou, ainda, entregando-a diretamente às partes, mediante recibo.

Art. 30. No prazo de cinco dias, a contar do recebimento da notificação ou da


ciência pessoal da sentença arbitral, a parte interessada, mediante comunicação à
outra parte, poderá solicitar ao árbitro ou ao tribunal arbitral que:

Art. 30. No prazo de 5 (cinco) dias, a contar do recebimento da notificação ou da


ciência pessoal da sentença arbitral, salvo se outro prazo for acordado entre as
partes, a parte interessada, mediante comunicação à outra parte, poderá solicitar
ao árbitro ou ao tribunal arbitral que: (Redação dada pela Lei nº
13.129, de 2015) (Vigência)

I - corrija qualquer erro material da sentença arbitral;

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
161

II - esclareça alguma obscuridade, dúvida ou contradição da sentença arbitral, ou


se pronuncie sobre ponto omitido a respeito do qual devia manifestar-se a
decisão.

Parágrafo único. O árbitro ou o tribunal arbitral decidirá, no prazo de dez dias,


aditando a sentença arbitral e notificando as partes na forma do art. 29.

Parágrafo único. O árbitro ou o tribunal arbitral decidirá no prazo de 10 (dez) dias


ou em prazo acordado com as partes, aditará a sentença arbitral e notificará as
partes na forma do art. 29. (Redação dada pela Lei nº 13.129, de
2015) (Vigência)

Art. 31. A sentença arbitral produz, entre as partes e seus sucessores, os mesmos
efeitos da sentença proferida pelos órgãos do Poder Judiciário e, sendo
condenatória, constitui título executivo.

Art. 32. É nula a sentença arbitral se:

I - for nulo o compromisso;

I - for nula a convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº


13.129, de 2015) (Vigência)

II - emanou de quem não podia ser árbitro;

III - não contiver os requisitos do art. 26 desta Lei;

IV - for proferida fora dos limites da convenção de arbitragem;

V - não decidir todo o litígio submetido à arbitragem; (Revogado pela


Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

VI - comprovado que foi proferida por prevaricação, concussão ou corrupção


passiva;

VII - proferida fora do prazo, respeitado o disposto no art. 12, inciso III, desta Lei; e

VIII - forem desrespeitados os princípios de que trata o art. 21, § 2º, desta Lei.

Art. 33. A parte interessada poderá pleitear ao órgão do Poder Judiciário


competente a decretação da nulidade da sentença arbitral, nos casos previstos
nesta Lei.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
162

Art. 33. A parte interessada poderá pleitear ao órgão do Poder Judiciário


competente a declaração de nulidade da sentença arbitral, nos casos previstos
nesta Lei. (Redação dada pela Lei nº 13.129, de
2015) (Vigência)

§ 1º A demanda para a decretação de nulidade da sentença arbitral seguirá o


procedimento comum, previsto no Código de Processo Civil, e deverá ser proposta
no prazo de até noventa dias após o recebimento da notificação da sentença
arbitral ou de seu aditamento.

§ 1o A demanda para a declaração de nulidade da sentença arbitral, parcial ou


final, seguirá as regras do procedimento comum, previstas na Lei no 5.869, de 11
de janeiro de 1973 (Código de Processo Civil), e deverá ser proposta no prazo de
até 90 (noventa) dias após o recebimento da notificação da respectiva sentença,
parcial ou final, ou da decisão do pedido de esclarecimentos.
(Redação dada pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

§ 2º A sentença que julgar procedente o pedido:


I - decretará a nulidade da sentença arbitral, nos casos do art. 32, incisos I, II, VI,
VII e VIII;
II - determinará que o árbitro ou o tribunal arbitral profira novo laudo, nas demais
hipóteses.

§ 2o A sentença que julgar procedente o pedido declarará a nulidade da sentença


arbitral, nos casos do art. 32, e determinará, se for o caso, que o árbitro ou o
tribunal profira nova sentença arbitral. (Redação dada pela Lei nº
13.129, de 2015) (Vigência)

§ 3º A decretação da nulidade da sentença arbitral também poderá ser argüida


mediante ação de embargos do devedor, conforme o art. 741 e seguintes do
Código de Processo Civil, se houver execução judicial. (Vide Lei nº
13.105, de 2015) (Vigência)

§ 3o A declaração de nulidade da sentença arbitral também poderá ser arguida


mediante impugnação, conforme o art. 475-L e seguintes da Lei no 5.869, de 11 de
janeiro de 1973 (Código de Processo Civil), se houver execução
judicial. (Redação dada pela Lei nº 13.129, de
2015) (Vigência)

§ 3o A decretação da nulidade da sentença arbitral também poderá ser requerida


na impugnação ao cumprimento da sentença, nos termos dos arts. 525 e

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
163

seguintes do Código de Processo Civil, se houver execução judicial.


(Redação dada pela Lei nº 13.105, de 2015) (Vigência)

§ 4o A parte interessada poderá ingressar em juízo para requerer a prolação de


sentença arbitral complementar, se o árbitro não decidir todos os pedidos
submetidos à arbitragem. (Incluído pela Lei nº 13.129, de
2015) (Vigência)

Capítulo VI

Do Reconhecimento e Execução de Sentenças

Arbitrais Estrangeiras

Art. 34. A sentença arbitral estrangeira será reconhecida ou executada no Brasil


de conformidade com os tratados internacionais com eficácia no ordenamento
interno e, na sua ausência, estritamente de acordo com os termos desta Lei.

Parágrafo único. Considera-se sentença arbitral estrangeira a que tenha sido


proferida fora do território nacional.

Art. 35. Para ser reconhecida ou executada no Brasil, a sentença arbitral


estrangeira está sujeita, unicamente, à homologação do Supremo Tribunal
Federal.

Art. 35. Para ser reconhecida ou executada no Brasil, a sentença arbitral


estrangeira está sujeita, unicamente, à homologação do Superior Tribunal de
Justiça. (Redação dada pela Lei nº 13.129, de 2015) (Vigência)

Art. 36. Aplica-se à homologação para reconhecimento ou execução de sentença


arbitral estrangeira, no que couber, o disposto nos arts. 483 e 484 do Código de
Processo Civil.

Art. 37. A homologação de sentença arbitral estrangeira será requerida pela parte
interessada, devendo a petição inicial conter as indicações da lei processual,
conforme o art. 282 do Código de Processo Civil, e ser instruída,
necessariamente, com:

I - o original da sentença arbitral ou uma cópia devidamente certificada,


autenticada pelo consulado brasileiro e acompanhada de tradução oficial;

II - o original da convenção de arbitragem ou cópia devidamente certificada,


acompanhada de tradução oficial.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
164

Art. 38. Somente poderá ser negada a homologação para o reconhecimento ou


execução de sentença arbitral estrangeira, quando o réu demonstrar que:

I - as partes na convenção de arbitragem eram incapazes;

II - a convenção de arbitragem não era válida segundo a lei à qual as partes a


submeteram, ou, na falta de indicação, em virtude da lei do país onde a sentença
arbitral foi proferida;

III - não foi notificado da designação do árbitro ou do procedimento de arbitragem,


ou tenha sido violado o princípio do contraditório, impossibilitando a ampla defesa;

IV - a sentença arbitral foi proferida fora dos limites da convenção de arbitragem, e


não foi possível separar a parte excedente daquela submetida à arbitragem;

V - a instituição da arbitragem não está de acordo com o compromisso arbitral ou


cláusula compromissória;

VI - a sentença arbitral não se tenha, ainda, tornado obrigatória para as partes,


tenha sido anulada, ou, ainda, tenha sido suspensa por órgão judicial do país onde
a sentença arbitral for prolatada.

Art. 39. Também será denegada a homologação para o reconhecimento ou


execução da sentença arbitral estrangeira, se o Supremo Tribunal Federal
constatar que:

Art. 39. A homologação para o reconhecimento ou a execução da sentença


arbitral estrangeira também será denegada se o Superior Tribunal de Justiça
constatar que: (Redação dada pela Lei nº 13.129, de
2015) (Vigência)

I - segundo a lei brasileira, o objeto do litígio não é suscetível de ser resolvido por
arbitragem;

II - a decisão ofende a ordem pública nacional.

Parágrafo único. Não será considerada ofensa à ordem pública nacional a


efetivação da citação da parte residente ou domiciliada no Brasil, nos moldes da
convenção de arbitragem ou da lei processual do país onde se realizou a
arbitragem, admitindo-se, inclusive, a citação postal com prova inequívoca de
recebimento, desde que assegure à parte brasileira tempo hábil para o exercício
do direito de defesa.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
165

Art. 40. A denegação da homologação para reconhecimento ou execução de


sentença arbitral estrangeira por vícios formais, não obsta que a parte interessada
renove o pedido, uma vez sanados os vícios apresentados.

Capítulo VII

Disposições Finais

Art. 41. Os arts. 267, inciso VII; 301, inciso IX; e 584, inciso III, do Código de
Processo Civil passam a ter a seguinte redação:

"Art. 267.........................................................................

VII - pela convenção de arbitragem;"

"Art. 301.........................................................................

IX - convenção de arbitragem;"

"Art. 584...........................................................................

III - a sentença arbitral e a sentença homologatória de transação ou de


conciliação;"

Art. 42. O art. 520 do Código de Processo Civil passa a ter mais um inciso, com a
seguinte redação:

"Art. 520...........................................................................

VI - julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem."

Art. 43. Esta Lei entrará em vigor sessenta dias após a data de sua publicação.

Art. 44. Ficam revogados os arts. 1.037 a 1.048 da Lei nº 3.071, de 1º de janeiro
de 1916, Código Civil Brasileiro; os arts. 101 e 1.072 a 1.102 da Lei nº 5.869, de
11 de janeiro de 1973, Código de Processo Civil; e demais disposições em
contrário.

Brasília, 23 de setembro de 1996; 175º da Independência e 108º da


República. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Nelson A. Jobim Este texto não
substitui o publicado no DOU de 24.9.1996

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
166

V – Da Lei Federal nº 13.129, DE 26 DE MAIO DE 2015. Altera a Lei no 9.307,


de 23 de setembro de 1996, e a Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976,
para ampliar o âmbito de aplicação da arbitragem e dispor sobre a escolha dos
árbitros quando as partes recorrem a órgão arbitral, a interrupção da prescrição
pela instituição da arbitragem, a concessão de tutelas cautelares e de urgência
nos casos de arbitragem, a carta arbitral e a sentença arbitral, e revoga
dispositivos da Lei no 9.307, de 23 de setembro de 1996.

Artigo 176 - A Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de


Justiça e Cidadania em seu âmbito em relação ÀS TUTELAS CAUTELARES E
DE URGÊNCIA deve aplicar todos os termos da lei da arbitragem em seus
processos.

Artigo 177 - Da lei da arbitragem:

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI Nº 13.129, DE 26 DE MAIO DE 2015.

Altera a Lei no 9.307, de 23 de


setembro de 1996, e a Lei no 6.404, de
15 de dezembro de 1976, para ampliar
o âmbito de aplicação da arbitragem e
dispor sobre a escolha dos árbitros
quando as partes recorrem a órgão
arbitral, a interrupção da prescrição
pela instituição da arbitragem, a
concessão de tutelas cautelares e de
urgência nos casos de arbitragem, a
carta arbitral e a sentença arbitral, e
revoga dispositivos da Lei no 9.307, de
23 de setembro de 1996.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
167

O VICE–PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE


DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a
seguinte Lei:

Art. 1o Os arts. 1o, 2o, 4o, 13, 19, 23, 30, 32, 33, 35 e 39 da Lei no 9.307, de 23 de
setembro de 1996, passam a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 1o ...................................................................

§ 1o A administração pública direta e indireta poderá utilizar-se da arbitragem para


dirimir conflitos relativos a direitos patrimoniais disponíveis.

§ 2o A autoridade ou o órgão competente da administração pública direta para a


celebração de convenção de arbitragem é a mesma para a realização de acordos
ou transações.” (NR)

“Art. 2o ...........................................................................

..............................................................................................

§ 3o A arbitragem que envolva a administração pública será sempre de direito e


respeitará o princípio da publicidade.” (NR)

“Art. 4o ...........................................................................

..............................................................................................

§ 2o (VETADO).

§ 3o (VETADO).

§ 4o (VETADO).” (NR)

“Art. 13..........................................................................

.............................................................................................

§ 4o As partes, de comum acordo, poderão afastar a aplicação de dispositivo do


regulamento do órgão arbitral institucional ou entidade especializada que limite a
escolha do árbitro único, coárbitro ou presidente do tribunal à respectiva lista de
árbitros, autorizado o controle da escolha pelos órgãos competentes da instituição,
sendo que, nos casos de impasse e arbitragem multiparte, deverá ser observado o
que dispuser o regulamento aplicável.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
168

....................................................................................” (NR)

“Art. 19...........................................................................

§ 1o Instituída a arbitragem e entendendo o árbitro ou o tribunal arbitral que há


necessidade de explicitar questão disposta na convenção de arbitragem, será
elaborado, juntamente com as partes, adendo firmado por todos, que passará a
fazer parte integrante da convenção de arbitragem.

§ 2o A instituição da arbitragem interrompe a prescrição, retroagindo à data do


requerimento de sua instauração, ainda que extinta a arbitragem por ausência de
jurisdição.” (NR)

“Art. 23..........................................................................

§ 1o Os árbitros poderão proferir sentenças parciais.

§ 2o As partes e os árbitros, de comum acordo, poderão prorrogar o prazo para


proferir a sentença final.” (NR)

“Art. 30. No prazo de 5 (cinco) dias, a contar do recebimento da notificação ou da


ciência pessoal da sentença arbitral, salvo se outro prazo for acordado entre as
partes, a parte interessada, mediante comunicação à outra parte, poderá solicitar
ao árbitro ou ao tribunal arbitral que:

..............................................................................................

Parágrafo único. O árbitro ou o tribunal arbitral decidirá no prazo de 10 (dez) dias


ou em prazo acordado com as partes, aditará a sentença arbitral e notificará as
partes na forma do art. 29.” (NR)

“Art. 32..........................................................................

I - for nula a convenção de arbitragem;

...................................................................................” (NR)

“Art. 33. A parte interessada poderá pleitear ao órgão do Poder Judiciário


competente a declaração de nulidade da sentença arbitral, nos casos previstos
nesta Lei.

§ 1o A demanda para a declaração de nulidade da sentença arbitral, parcial ou


final, seguirá as regras do procedimento comum, previstas na Lei no 5.869, de 11

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
169

de janeiro de 1973 (Código de Processo Civil), e deverá ser proposta no prazo de


até 90 (noventa) dias após o recebimento da notificação da respectiva sentença,
parcial ou final, ou da decisão do pedido de esclarecimentos.

§ 2o A sentença que julgar procedente o pedido declarará a nulidade da sentença


arbitral, nos casos do art. 32, e determinará, se for o caso, que o árbitro ou o
tribunal profira nova sentença arbitral.

§ 3o A declaração de nulidade da sentença arbitral também poderá ser arguida


mediante impugnação, conforme o art. 475-L e seguintes da Lei no 5.869, de 11 de
janeiro de 1973 (Código de Processo Civil), se houver execução judicial.

§ 4o A parte interessada poderá ingressar em juízo para requerer a prolação de


sentença arbitral complementar, se o árbitro não decidir todos os pedidos
submetidos à arbitragem.” (NR)

“Art. 35. Para ser reconhecida ou executada no Brasil, a sentença arbitral


estrangeira está sujeita, unicamente, à homologação do Superior Tribunal de
Justiça.” (NR)

“Art. 39. A homologação para o reconhecimento ou a execução da sentença


arbitral estrangeira também será denegada se o Superior Tribunal de Justiça
constatar que:

...................................................................................” (NR)

Art. 2o A Lei nº 9.307, de 23 de setembro de 1996, passa a vigorar acrescida dos


seguintes arts. 22-A e 22-B, compondo o Capítulo IV-A, e do seguinte art. 22-C,
compondo o Capítulo IV-B:

“CAPÍTULO IV-A

DAS TUTELAS CAUTELARES E DE URGÊNCIA

Art. 22-A. Antes de instituída a arbitragem, as partes poderão recorrer ao Poder


Judiciário para a concessão de medida cautelar ou de urgência.

Parágrafo único. Cessa a eficácia da medida cautelar ou de urgência se a parte


interessada não requerer a instituição da arbitragem no prazo de 30 (trinta) dias,
contado da data de efetivação da respectiva decisão.

Art. 22-B. Instituída a arbitragem, caberá aos árbitros manter, modificar ou


revogar a medida cautelar ou de urgência concedida pelo Poder Judiciário.
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
170

Parágrafo único. Estando já instituída a arbitragem, a medida cautelar ou de


urgência será requerida diretamente aos árbitros.”

“CAPÍTULO IV-B

DA CARTA ARBITRAL

Art. 22-C. O árbitro ou o tribunal arbitral poderá expedir carta arbitral para que o
órgão jurisdicional nacional pratique ou determine o cumprimento, na área de sua
competência territorial, de ato solicitado pelo árbitro.

Parágrafo único. No cumprimento da carta arbitral será observado o segredo de


justiça, desde que comprovada a confidencialidade estipulada na arbitragem.”

Art. 3o A Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, passa a vigorar acrescida do


seguinte art. 136-A na Subseção “Direito de Retirada” da Seção III do Capítulo XI:

“Art. 136-A. A aprovação da inserção de convenção de arbitragem no estatuto


social, observado o quorum do art. 136, obriga a todos os acionistas, assegurado
ao acionista dissidente o direito de retirar-se da companhia mediante o reembolso
do valor de suas ações, nos termos do art. 45.

§ 1o A convenção somente terá eficácia após o decurso do prazo de 30 (trinta)


dias, contado da publicação da ata da assembleia geral que a aprovou.

§ 2o O direito de retirada previsto no caput não será aplicável:

I - caso a inclusão da convenção de arbitragem no estatuto social represente


condição para que os valores mobiliários de emissão da companhia sejam
admitidos à negociação em segmento de listagem de bolsa de valores ou de
mercado de balcão organizado que exija dispersão acionária mínima de 25%
(vinte e cinco por cento) das ações de cada espécie ou classe;

II - caso a inclusão da convenção de arbitragem seja efetuada no estatuto social


de companhia aberta cujas ações sejam dotadas de liquidez e dispersão no
mercado, nos termos das alíneas “a” e “b” do inciso II do art. 137 desta Lei.”

Art. 4o Revogam-se o § 4o do art. 22, o art. 25 e o inciso V do art. 32 da Lei nº


9.307, de 23 de setembro de 1996.

Art. 5o Esta Lei entra em vigor após decorridos 60 (sessenta) dias de sua
publicação oficial.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
171

Brasília, 26 de maio de 2015; 194o da Independência e 127o da República.

MICHEL TEMER
José Eduardo Cardozo
Manoel Dias
Luís Inácio Lucena Adams

Este texto não substitui o publicado no DOU de 27.5.2015

Artigo 178 - Antes de instituída a arbitragem na Câmara de Arbitragem,


Mediação e Conciliação da Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de
Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, as partes poderão recorrer ao Poder
Judiciário para a concessão de medida cautelar ou de urgência.

Parágrafo único. Cessa a eficácia da medida cautelar ou de urgência se a


parte interessada não requerer a instituição da arbitragem na Câmara de
Arbitragem, Mediação e Conciliação no prazo de 30 (trinta) dias, contado da
data de efetivação da respectiva decisão.

Artigo 179 - Instituída a arbitragem, caberá aos árbitros da Câmara de


Arbitragem, Mediação e Conciliação manter, modificar ou revogar a medida
cautelar ou de urgência concedida pelo Poder Judiciário.

Parágrafo único. Estando já instituída a arbitragem, a medida cautelar ou de


urgência será requerida diretamente aos árbitros da Câmara de Arbitragem,
Mediação e Conciliação.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
172

Capítulo I
Da capacidade postulatória no âmbito da Câmara de Arbitragem,
Mediação e Conciliação da Comissão de Justiça e Cidadania

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
173

Artigo 180 - O presente Capítulo regula no âmbito da Câmara de Arbitragem,


Mediação e Conciliação da Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de
Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura o conceito de capacidade postulatória no
Processo Arbitral e de Mediação.

Artigo 181 - Para fins de interpretação no presente Regimento Geral, define-se


como capacidade postulatória a capacidade técnica-formal conferida pela
legislação do exercício da advocacia aos advogados legalmente inscritos na
Ordem dos Advogados do Brasil inscrição na OAB para praticar atos
processuais em juízo forense ou arbitral e mediação, de acordo e nos termos
dos artigos 1º e 3º da Lei Federal 8.906/1994.

Artigo 182 - O requerente ou requerido em Processo Arbitral, não sendo


advogado, não precisa constituir profissional inscrito na OAB, para integrar a
sua incapacidade postulatória, independendo de nomeação de representante
judicial.

Artigo 183 - A Arbitragem, sendo esta reconhecida e regulada por lei, no âmbito
da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da Comissão de Justiça e
Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura, e nos termos
do art. 133 da Constituição da República, o advogado será indispensável à
administração do Processo em Juízo Arbitral.

Artigo 184 - Para postular em Juízo Arbitral não é obrigatória que a parte tenha
a habilitação de advogado, ou que ostente o título de bacharel em Direito e
encontre-se inscrito na OAB.

Artigo 185 - no âmbito da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da


Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e
Cultura, é oportuno, que a capacidade postulatória ou postulacional (ius
postulandi) seja um pressuposto processual de validade subjetivo das partes.

Artigo 186 - Terceiros não legitimados nos autos do Processo de Arbitragem


não poderão no âmbito da Câmara de Arbitragem, Mediação e Conciliação da
Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
174

Comissão de Justiça e Cidadania do Instituto de Ensino, Pesquisa, Extensão e


Cultura, praticar ato privativo de advogado, tornando-se ineficaz, passível de
ratificação o ato praticado por quem não tem habilitação de advogado.

Parágrafo Único. As partes estando na hipótese do artigo devem no prazo de


30(trinta) dias regularizar a irregularidade sob penas dos atos serem
considerados e reputando-se como INEXISTENTE.

Artigo 187 - O requerente ou requerido em Processo Arbitral, não sendo


advogado, poderá solicitar ao árbitro do processo que ha defira a renuncia a
indicação de advogado inscrito na OAB, para integrar a sua incapacidade
postulatória, avocando para si esta capacidade, a postulatória, independendo
de nomeação de representante judicial.

Parágrafo Único. Deferida a capacidade postulatória, esta passa a abranger a


capacidade de pedir e responder, assumindo todas as responsabilidades
inerentes a esta capacidade, inclusive civil e criminal, além de punições
administrativas

Artigo 188 - O requerente ou requerido em Processo Arbitral, indicando


advogado inscrito na OAB, para integrar a sua incapacidade postulatória, deve
conferir mandato, que é o contrato pelo qual o mandante, confere a mandatária
poderes para representá-la em juízo arbitral.

Artigo 189 - O advogado comparecendo ao juízo arbitral em nome de seu


cliente sem instrumento de mandato, ou sem instruir a peça referente ao ato
processual que se pretende praticar, petição inicial, contestação, razões de
recurso, não será admitido a atuar em juízo arbitral.

Artigo 190 - O advogado comparecendo ao juízo arbitral em nome de seu


cliente sem instrumento de mandato poderá solicitar ao árbitro um prazo não
superior a 30(trinta) dias para juntar o instrumento.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.
175

Parágrafo Único. Na hipótese do artigo o advogado pode no prazo referenciado


apresentar peças referente aos atos processuais que desejar, bem como
praticar qualquer ato licito nos autos, petição inicial, contestação, razões de
recurso.

Resolução de Instrução Normativa 1/PRT 1.519.667-2018, de 14 de outubro de 2018. EMENTA: Dispõe sobre a criação da CÂMARA
DE ARBITRAGEM, MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO no âmbito da Comissão de Justiça e Cidadania, órgão da estrutura administrativa do
Instituto de Ensino Pesquisa, Extensão e Cultura e institui seu Regimento Geral e da outras providencias.