Você está na página 1de 4

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL II

ATIVIDADE PARA AVALIAÇÃO


Consulte os gabaritos dessa disciplina no menu lateral.

Olá, alunos e alunas!

Esta atividade deve ser preparada em seu computador, em programa apropriado.


Salve-o como um arquivo PDF. Para enviá-la para correção, siga os seguintes
passos:

1. Clique no botão "Enviar atividade" e, depois, em “Escolher um arquivo”;


2. Na janela que se abrirá, selecione o arquivo em seu dispositivo;
3. Ainda nesta janela, clique em “Abrir”;
4. Ao fim da página, clique em “Enviar atividade”.

Pronto! Sua atividade está postada no AVA.

Atenção: A produção da atividade deverá seguir as normas ABNT.

Leia o relato das experiências de duas professoras que trabalham na mesma


instituição.

Cena 1

Bruna é professora de um grupo de 25 crianças de 4 anos. Quando chegam à


escola, as crianças sentam na quadra e ficam esperando todos os outros amigos
chegarem para que possam entrar na sala juntos, de forma organizada. Na sala,
ao iniciar a rotina, fazem uma roda, em que cada criança fala por sua vez, uma
após a outra. Em seguida, a professora faz a chamada, pedindo que cada criança
coloque o seu nome no quadro de feltro. Depois, convida uma criança para
preencher a “janelinha do tempo”, perguntando se chove ou faz sol lá fora,
completando o dia da semana e o dia do mês. Como é semana da páscoa, em
seguida a professora entrega um desenho mimeografado com coelhos e ovos.
Enquanto as crianças pintam, a professora está à sua mesa, preenchendo a
caderneta de frequência.

Saem da sala, fazem a higiene das mãos e vão para o lanche. As crianças fazem
uma fila e vão para o refeitório. Ao chegar, cantam a música “meu lanchinho vou
comer...”. O cardápio é pão com salsicha e banana. A professora serve um lanche
e uma banana para cada criança. Depois do lanche, as crianças vão escovar os
dentes, e depois vão ao parque.

Enquanto brincam, a professora fica cuidando para que não se machuquem.


Depois, voltam para a sala e Bruna conta uma história e pede para que façam um
desenho da história. Após o término, entrega massinha e depois de trinta minutos
cada um pega a sua mochila e vai embora. Fim do dia!

Cena 2

Juliana trabalha na mesma escola de Bruna e também com um grupo de 25


crianças de 4 anos. Quando chegam, as crianças penduram a mochila nos
ganchos do corredor e podem entrar na sala. Juliana organiza a cada semana
diferentes materiais em cantinhos da sala para que as crianças possam explorar
nesse momento. Os cantinhos são organizados, por exemplo, com livros; outro
com maquiagem, espelho, escovas, secador (salão de cabeleireiro); outro com
diferentes papéis, pincéis, canetinhas, tintas; outro com muita sucata, tesouras,
colas; outro com baralho, papéis e lápis; e um último com muitos brinquedos para
construção.

Também no corredor (para aproveitar o espaço que é pequeno na sala), ela


colocou uma prateleira com alguns jogos de percursos e de regras que podem ser
usados nesses momentos. As crianças se distribuem livremente nessas atividades
até que todas cheguem. Então, ela faz uma roda, em que cada uma conta sobre o
que fez em casa. Juliana incentiva para que todos participem, mas não é
obrigatório falar todos os dias. Em seguida, ainda na roda, ela lembra às crianças
o que tinham combinado para terminar naquele dia: a confecção de brinquedos
com sucata, fruto de uma pesquisa que fizeram juntos sobre construção de
brinquedos. Assim estão há vários dias pesquisando, separando materiais,
construindo e brincando com os brinquedos construídos.

Saem da sala, fazem a higiene das mãos e vão para o lanche. Na hora do lanche,
foram juntas para o refeitório (a regra é ninguém se separar, mas não precisa fazer
fila). Juliana diz o que tem de lanche e serve uma bandeja, para que cada criança
se sirva, se assim o desejar.

Depois do lanche, as crianças vão escovar os dentes e depois vão ao parque.


Juliana leva giz de lousa para fazer amarelinha no chão, além de papéis e
canetinhas. As crianças podem escolher onde e com o que desejam brincar.
Juliana brinca junto.

Depois, voltam para a sala. Uma história é contada por uma das crianças; eles
fazem combinações para o dia seguinte, cada um pega a sua mochila e vai
embora. Fim do dia!

Como você provavelmente constatou, há distinções nos trabalhos das duas


professoras. Valendo-se do que estudamos neste módulo, responda:
1. Quais as concepções de criança presentes nas cenas 1 e 2?
Resposta:
Na cena 1 a concepção de criança presente é o da criança passiva, sem
particularidades ou necessidades específicas, em que a criança segue o
que o adulto determina toda a rotina que deverá ser executada por ela.
Nesse caso a criança não tem opinião ativa e não participa das decisões e
das escolhas que são feitas no cotidiano escolar em que está inserida.
Ainda que apresentando um trabalho parcial com datas comemorativas, o
conhecimento transmitido às crianças é fragmentado e pobre pois não
demonstra despertar, mesmo que minimamente, o papel de questionador
da criança para a sua evolução intelectual.
Desta forma a escola faz o papel de um espaço de cuidados, voltado para
uma assistencialista onde a educação oferecida à criança é mais moral do
que intelectual e, portanto, de qualidade questionável ou baixa.

Na cena 2 a concepção de criança presente é o da criança participativa e


autônoma, que produz e reproduz cultura ainda que de modo inicial e não
muito amplo devido à faixa etária na qual estão incluídas as crianças da
situação disponibilizada para análise e resposta desta questão. Nesta
situação descrita na cena 2 a criança deixa de apenas seguir aquilo que o
adulto propõe como atividade e tem a possibilidade de realizar as suas
próprias escolhas quanto ao que vai escolher para brincar, se divertir e
aprender. Elas são solicitadas a tomarem parte das decisões e a
participarem de forma ativa das atividades desenvolvidas pela turma.
Assim a criança deixa de ser encarada como alguém que deve apenas ser
preparada para algo porvir, o pensamento comum da visão adultocêntrica,
e passa a ser parte de um trabalho pedagógico desenvolvido com o objetivo
de atender às necessidades determinadas pelas especificidades da faixa
etária a qual ela pertence.

2. Qual tipo de planejamento parece prevalecer na cena 1?


Resposta:
O tipo planejamento que parece prevalecer na cena 1 é aquele baseado em
datas comemorativas porque a professora Bruna utiliza o fato de estarem
na semana da páscoa para promover uma atividade na qual as crianças
recebem, individualmente, um desenho mimeografado com coelhos e ovos
e são solicitadas a pintarem esse desenho em uma referência direta ao
coelho da páscoa.
3. O planejamento da professora Juliana busca garantir qualidade para as
práticas cotidianas. Por quê? Explique.
Resposta:
Porque no tipo de prática pedagógica desenvolvida pela professora Juliana
a partir do seu planejamento, fica bem definida e aplicada a ideia de que a
escola deve ser um espaço de socialização e aprendizagem das crianças e
não apenas um local para atender às suas necessidades básicas que são,
claramente, atendidas também. Com um cotidiano que busca ser renovado
com as atividades propostas e postas em prática, através da participação
direta das crianças nas decisões do que será feito bem como no
desenvolvimento das atividades (como o exemplo da pesquisa que todos
fizeram juntos para a construção dos brinquedos com material de sucata),
fica evidenciado que a uma diversificação de desenvolvimento daquilo que
é realizado pelas crianças além do fato de que quando estão no parque
brincando, elas também podem escolher onde e com o que desejam
brincar.
Esse tipo de autonomia de escolha dado às crianças torna o brincar e o
aprender muito mais prazeroso e dinâmico, fazendo com que a participação
e colaboração delas seja sempre maior e melhor.
Em suma, se a criança se sente mais livre e autônoma ela se sente mais
feliz e assim a sua qualidade de aprendizado também aumenta a partir da
qualidade e da diversificação dos conteúdos propostos pela professora.