Você está na página 1de 30

15/04/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO


CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
INSTITUTO DE BIOFÍSICA CARLOS CHAGAS FILHO

Disciplina: FISIOLOGIA PII – CFF 217

Bases Neurais dos


Distúrbios Mentais

Ana Claudia Nunciato

Por que estudar o


Sistema Nervoso
Central no curso de
Psicologia?

1
15/04/2014

O encéfalo é a essência daquilo


que nos define seres humanos.

Compreender sua estrutura e


seu funcionamento é
compreender a nós mesmo.

Andreasen NC, Admirável Cérebro Novo, 2005

Distúrbios Mentais
Psicopatologias – DSM-V

2
15/04/2014

PSICOPATOLOGIAS

?
PSICOPATOLOGIAS
Transtornos Ansiosos
 Transtorno Ansiedade Generalizada

Transtornos do Humor (Afetivos)


 Depressão

Transtornos de Personalidade
 Transtorno de Personalidade Borderline

Esquizofrenia

3
15/04/2014

Transtornos
de
Ansiedade

Os transtornos de ansiedade são os mais prevalentes na classe


descritiva nosológica dos transtornos psiquiátricos

Segundo o DSM-IV-TR, distúrbios de ansiedade incluem o seguinte:

- Transtorno de ansiedade generalizada (TAG): padrão crônico de


excesso de tensão incontrolável preocupação, músculo e recursos
relacionados à física

- Ansiedade Social: evita-se as situações sociais devido ao medo de


avaliação negativa

- Transtorno obsessivo-compulsivo: obsessões intrusivas e


comportamentos compulsivos

4
15/04/2014

Sinais e Sintomas:

• Estrangulamento ou constrição
• Pensamentos que algo ruim vai acontecer-preocupação
• Interferência na capacidade de concentração e no desempenho de
tarefas intelectuais
• Vigilância aumentada
• Insônia

Mudanças fisiológicas:
• Ativação simpática:
 aumento da FC, PA, tremores, sudorese, sensação de falta de ar,
sufocamento, hiperventilação ou parada respiratória

•Ativação parassimpática:
 hipersecreção gástrica, aumento da motilidade intestinal e
urgência de micção e defecação

RELAÇÃO ENTRE ANSIEDADE E DESEMPENHO


Curva de Yerkes-Dodson
Eficiência no Desempenho

2: Patamar

3: Ansiedade
1: Ansiedade Patológica Primária
Normal (manifestação única do
quadro clínico) ou
Secundária (resulta em
outras doenças
psiquiátricas ou não)

Grau de Ansiedade
Graeff e Guimarães, 2000

5
15/04/2014

(4) A imagem clara da cobra é enviada


ao encéfalo para considerar a resposta

(1) Tálamo recebe estímulo


e o desvia para a amígdala
e córtex visual

(2) A amígdala
registra o
perigo
(3) Amígdala dispara
reação física rápida

Joseph LeDoux e sua associação tem


demonstrado que o encéfalo está ligado
para aprender à associar o medo com a
imagem, som, cheiro, sensação tátil sem
mediação do córtex encefálico (com ou sem
pensamento). Uma pessoa pode ter a
experiência da reação ao medo antes que
elas estejam conscientemente consciente
do estímulo

TRANSTORNOS DE ANSIEDADE
Ansiedade e medo são respostas emocionais de sobrevivência

PERIGO

“Fluxo de
movimento”

Tálamo Corpo estriado Córtex Motor

Córtex Hipotálamo
Lateral
Fórnice

Tálamo Anterior

Córtex Medial
Hipocampo
(Giro Cingulado)

Andreasen NC, Admirável Cérebro Novo, 2005

6
15/04/2014

REAÇÕES DE DEFESA

Distância Defensiva

Perigo
Aproximar ou Esquivar
Potencial ou Distal

Ansiedade ou Medo

McNaughton & Corr, 2004

REAÇÕES DE DEFESA

MEDO ANSIEDADE

Move PARA Move PARA


LONGE do PERTO do
perigo perigo
Fuga, luta e Avaliação de Risco
imobilidade

Aproximação Esquiva

McNaughton & Corr, 2004

7
15/04/2014

MEDO
Resposta a situações claras e evidentes de
perigo previsível e externo.
Não é sensível à drogas ansiolíticas.

ANSIEDADE
Resposta a um perigo potencial, vago, obscuro e
não previsível.
Está envolvida na produção respostas de defesa.

Blanchard et al, 1990; Blanchard et al, 2003

PRINCIPAIS ESTRUTURAS CEREBRAIS QUE REGULAM O


COMPORTAMENTO DE DEFESA E EMOÇÕES ASSOCIADAS

Tipo de Estratégia Estruturas Neurais Emoção


Ameaça Comportamental Críticas

Potencial Avaliação de Risco Amgídala/sistema Ansiedade


septo-hipocampal

Distante Congelamento Amígdala/substância Medo


cinzenta periaquedutal
ventral

Vizinha Ameaça/luta/fuga Amígdala/hipotálamo Raiva/


substância cinzenta Pânico
periaquedutal dorsal

Modificado de Graeff e Guimarães, 1999

8
15/04/2014

Amígdala ou Complexo Amigdalóide

AMÍDALA

LeDoux, 2003, 2007; Sah et al, 2003

Amígdala ou Complexo Amigdalóide

AMÍDALA

Exerce papel central na coordenação da


resposta à ameaça automática e pela
integração das emoções sensoriais,
contextuais e de aprendizado via imputs
corticais e subcorticais

LeDoux, 2003, 2007; Sah et al, 2003

9
15/04/2014

SISTEMA CEREBRAL AVERSIVO

Estímulos Matéria
nociceptivos Cinzenta
Periaquedutal

Amígdala
Estímulos
ameaçadores
inatos Luta ou fuga
Imobilidade
Hipotálamo
Analgesia
Estímulos
Hipertensão
aversivos
condicionados Hipófise Taquicardia
Hiperventilação

Alterações Hormonais

Modificado de Graeff e Hetem, 2004

SISTEMA LÍMBICO

Lent, 2010, Cem bilhões de neurônios

10
15/04/2014

Como ocorre essa


comunicação entre as
estruturas?

Noradrenalina Dopamina
Alerta Atenção
Energia Motivação
Recompensa

Obssessões
Complusões

Serotonina

11
15/04/2014

Química da Mente
Esquizofrenia Ansiedade Felicidade

Depressão Amor Luta e Fuga

Dopamina

Elas Serotonina
governam Ocitocina
nossas vidas Noradrenalina
Adrenalina

Questionário

12
15/04/2014

Transtornos
de
Humor

13
15/04/2014

Depressão é um transtorno mental comum, caracterizado por tristeza, perda


de interesse ou prazer, sentimentos de culpa ou baixa-estima, distúrbios do
sono ou apetite, sensação de cansaço e falta de concentração.

A depressão pode ter longa duração ou ser recorrente, prejudicar a


capacidade do indivíduo na vida diária.

Na sua forma mais grave a depressão, pode levar ao suicídio (15-20%).

Quando leve, as pessoas podem ser tratadas sem medicamentos, mas


quando a depressão é moderada ou grave pode precisar de medicação e
tratamentos profissionais.

DEPRESSÃO
Doença neurológica que afeta quase
17% da população mundial
Banasr and Duman, 2007
2020: 2ª causa de incapacitação (OMS)

Desordens bipolares
Desordens depressivas DEPRESSÃO MAIOR
DSM-IVR, 2000

14
15/04/2014

FIGURA 1. Superfície tridemensional mostrando a


parede medial do hemisfério cerebral esquerdo

DEPRESSÃO
Humor deprimido
Incapacidade de experimentar prazer
Perda de interesse
Negativismo e pessimismo
Ruminação Coryell W et al Am J Psychiatry 2005

Auto-estima e confiança diminuídas


Idéias de culpa e inutilidade
Deficiências cognitivas (atenção/memória/ demência)

BIPOLAR
Alterações súbitas/ cíclicas do humor (Mania/hipomania X Depressão)
Perturbações do nível de atividade
Fator “estresse” não é necessário, embora comum

DEPRESSÃO
Doença neurológica que afeta quase
17% da população mundial
Banasr and Duman, 2007
2020: 2ª causa de incapacitação (OMS)

Desordens bipolares
Desordens unipolares DEPRESSÃO MAIOR
DSM-IVR, 2000

HIPÓTESES:
Social, Genética, Psicológica e Bioquímica
Palazidou, 2012

15
15/04/2014

DEPRESSÃO

Abordagem bio-psico-social

Biológico Social Psicológico

Genética: Fatores de risco: Traços de Personalidade:


Gêmeos idênticos: 50% a
80% de probabilidade de Estresse Insegurança
compartilhar transtorno Desemprego Negatividade
depressivo. Gêmeos Doenças Baixa auto-estima
fraternos: 15% a 25 %. Problemas Relacionamento Expectativa elevada

Tratamento: Terapia farmacológica + PSICOTERAPIA +


Mudanças no estilo de vida do paciente

NEUROBIOLOGIA
DA DEPRESSÃO

Palazidou, 2012

16
15/04/2014

HIPÓTESE:
SISTEMA
MONOAMINÉRGICO
Menor disponibilidade de aminas
biogênicas cerebrais (serotonina,
noradrenalina e/ou dopamina
V i s m a r i e t a l , 2 0 0 8

H
I
P Eixo
Ó hipotálamo-
T hipófise-
E
adrenal
S
Herman and Cullinan 1997;
E Snyder, Soumier et al. 2011

POR QUAIS MECANISMOS O


ESTRESSE PODERIA
PRECIPITAR O INÍCIO DE
SINTOMAS DEPRESSIVOS?

17
15/04/2014

Córtex Transicional
(córtex peririnal,
córtex parahipocampal,
Córtex Sensorial córtex entorrinal)

Tálamo Amígdala Hipocampo


Sensorial
PVN
hipotálamo

CORT CORT
Estímulo Pituitária
Emocional
(ESTRESSE)

Córtex Adrenal
Adapted from LeDoux, 1998

Onde está a depressão no cérebro?

SISTEMA LÍMBICO

Lent, 2010, Cem bilhões de neurônios.

18
15/04/2014

HIPOCAMPO

NEUROGÊNESE

Nunciato et al, Journal of Behavioral and Brain Science, 2013

NEUROGÊNESE
Progenitor Neural

Aumenta:
Exercício
Progenitor Neural
Aprendizagem
Antidepressivos
Progenitor Glial

Diminui:
Estresse
Neurônio
Glia Glicocorticóides
Idade
Álcool
Ming and Song, Ann. Ver. Neurosci., 2005

19
15/04/2014

Sumário dos achados de estudos com neuroimagem,


histopatológicos, neuroquímicos e farmacológicos

Palazidou, 2012

Palazidou, 2012

20
15/04/2014

Regiões e projeções anatômicas que


formam a rede visceromotora

Drevets WC et al, 2008

Áreas com anormalidades na atividade


fisiológica em depressivos

Drevets WC et al, 2008

21
15/04/2014

Áreas com anormalidades na atividade


fisiológica em depressivos

Drevets WC et al, 2008

EVIDÊNCIA DO COMPROMETIMENTO
DOS OLIGODENDRÓCITOS NO
TRANSTORNO DE DEPRESSÃO

Vários transtornos psiquiátricos estão associados


com alterações na substância branca, sugerindo
assim, que os oligodendrócitos consistem a base de
alguns aspectos desses transtornos (Roy et al, 2007)

Evidências da redução da proteína básica de mielina,


um marcador oligodendrócito maduro, do córtex
frontal anterior em pacientes depressivos
(Rajkowska and Miguel-Hidalgo, 2007)

22
15/04/2014

HIPÓTESE:
NEUROTRANSMISSORES
E OLIGODENDRÓCITO

Káradóttir and Attwell, 2007

Figura 1. Resultados trajetos das fibras: vermelho = trato ACC


subgenual direito – amígdala (N=27). ACC = Anterior Cingulate
Cortex;

23
15/04/2014

A descoberta das novas funções gliais coincidem


com crescimento da evidência do envolvimento da
glia em neuropatologias e recentemente,
desordens psiquiátricas (depressão maior)

Densidade reduzida de células gliais na amígdala


da Desordem Depressiva Maior (Bowley et al, 2002)

Química da Mente
Esquizofrenia Ansiedade Felicidade

Depressão Amor Luta e Fuga

Dopamina

Elas Serotonina
governam Ocitocina
nossas vidas Noradrenalina
Adrenalina

24
15/04/2014

Transtornos
de
Personalidade

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE
BORDERLINE
Impulsividade
Explosões comportamentais
Despersonalização e sentimento de vazio
Instabilidade
Automutilações e suicídio
Padrão de relacionamento intenso e instáveis
Crenças de insegurança e abandono
Comportamento sedutor e manipulativo

Disfunção em regiões límbicas e pré-frontais

Maior ativação da amígdala em resposta a estímulos de faces com


emoções negativas

Diante de relatos de abandono, maior ativação do CPF dorsolateral

GARY R. BRENDEL, EMILY STERN, and DAVID A. SILBERSWEIG. Defining the neurocircuitry of borderline personality disorder:
Functional neuroimaging approaches. Development and Psychopathology 17 (2005), 1197–1206

25
15/04/2014

Fig. 1. Hipocampo de um sujeito de


controle e de um paciente com DBP (lh
= hipocampo esquerdo, hipocampo
direita = rh): (a) sujeito controle, e (b)
paciente com DBP

Volumes menores

Hipocampo esquerdo: 11%


Hipcampo direito: 16%

Fig. 2. Amígdala de um sujeito e controle


de um paciente com DBP (la = amígdala
esquerda, ra = amígdala direita): (a)
sujeito controle e (b) paciente com DBP.

Volumes menores

Amígdala esquerda: 23%


Amígdala direita: 21%

26
15/04/2014

Esquizofrenia

Esquizofrenia e Inteligência
DTNBP1 e NRG1

DISC-1 e DISC-2

“efeito secundário” de
ter uma inteligência
acima da média e que
resulta de uma
dificuldade do cérebro
em lidar com as
capacidades “extras”

Miyamoto, 2003

27
15/04/2014

Lionel Aldridge

John Forbes Nash Syd Barrett

Jack Kerouac Van Gogh Antonin Artaud

ESQUIZOFRENIA
“Esquizo” = fragmentado dividido
“Fren” = mente

“Incapacidade de pensar de forma clara e de unir ‘linhas


associativas’ durante o processo do pensamento e da fala”. (Bleuler)

Tipos diferentes de sintomas:


Transtornos da percepção (alucinações)
Pensamento inferencial (delírios)
Comportamento orientado para os objetivos (avolição)
Expressão emocional (embotamento afetivo)

Positivos: alucinações, delírios, emoções inapropriadas, discurso e


comportamento desorganizado

Negativos: alogia, embotamento afetivo, anedonia, avolição e


limitação da atenção
Andreasen NC, Admirável Cérebro Novo, 2005

28
15/04/2014

Síndrome da desconexão funcional difusa

"Blind men and an elephant”

29
15/04/2014

Obrigada
pela
atenção!!
ananunciato@gmail.com

30

Você também pode gostar