Você está na página 1de 98

--------

--------
Série Cultura

Série Cultura
A persistência dos deuses
O dito popular de que “religião, política
e futebol não se discutem” é posto em Apoio
xeque de maneira vigorosa, neste livro, Projeto
por Eduardo Rodrigues da Cruz. Seu texto Pedagogia
empolgante apresenta as “regras do Cidadã
jogo” que se fazem presentes no universo
das religiões estabelecidas.
O autor aborda a fascinante variedade
religiosa do Brasil e trata do modo muito
particular que o “jeitinho brasileiro”

Eduardo Rodrigues da Cruz


achou para lidar com a questão religiosa.
Ao longo dessa avaliação, problematiza
a identidade nacional e toca em assuntos
relevantes, como a pluralidade e a
tolerância religiosas, a separação
Igreja-Estado e a controvérsia em
torno da obrigatoriedade do ensino
religioso no país.
Num âmbito mais geral, discute-se o
entendimento moderno da religião
como forma de cultura, com ênfase

A persistência dos deuses


nos contextos de que ela surge, e
propõe-se uma reflexão sobre as
características universais da religião,
debatendo a forma como esta religião, cultura e natureza
produz deuses e seus mundos
sobrenaturais.

Eduardo Rodrigues da Cruz


Eduardo Rodrigues da Cruz é professor
na PUC-SP e coordenador do Programa de
Estudos e Pós-Graduação em Ciências
da Religião nessa mesma Universidade.
É doutor em Systematic Theology pela
University of Chicago (EUA), onde também
realizou pós-doutorado.

Coleção
paradidáticos
--------
--------

A persistência dos deuses _CAPA.indd 1 22/12/2011 23:36:58


A persistência dos deuses

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 1 22/12/2011 23:38:54


FUNDAÇÃO EDITORA DA UNESP

Presidente do Conselho Curador


Herman Jacobus Cornelis Voorwald

Diretor-Presidente
José Castilho Marques Neto

Editor-Executivo
Jézio Hernani Bomfim Gutierre

Conselho Editorial Acadêmico


Alberto Tsuyoshi Ikeda
Áureo Busetto
Célia Aparecida Ferreira Tolentino
Eda Maria Góes
Elisabete Maniglia
Elisabeth Criscuolo Urbinati
Ildeberto Muniz de Almeida
Maria de Lourdes Ortiz Gandini Baldan
Nilson Ghirardello
Vicente Pleitez

Editores-Assistentes
Anderson Nobara
Henrique Zanardi
Jorge Pereira Filho

COORDENAÇÃO DA COLEÇÃO PARADIDÁTICOS

Ernesta Zamboni
João Luís C. T. Ceccantini
Raquel Lazzari Leite Barbosa
Raul Borges Guimarães

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 2 22/12/2011 23:38:54


eduardo Rodrigues da cruz

A persistência
dos deuses
religião, cultura e natureza

Co leç ão Par ad i dáti co s


s é r i e c u lt u r a

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 3 22/12/2011 23:38:55


© 2004 Editora UNESP

Direitos de publicação reservados à:


Fundação Editora da UNESP (FEU)
Praça da Sé, 108
01001-900 – São Paulo – SP
Tel.: (0xx11) 3242-7171
Fax: (0xx11) 3242-7172
www.editoraunesp.com.br
www.livrariaunesp.com.br
feu@editora.unesp.br

Capa: Isabel Carballo

CIP – Brasil. Catalogação na fonte


Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ

C961p

Cruz, Eduardo Rodrigues da


A persistência dos deuses : religião, cultura e natureza / Eduardo
Rodrigues da Cruz. - São Paulo : UNESP, 2004
96 p. : il. -(Coleção Paradidáticos ; Série Cultura)

Inclui bibliografia
ISBN 85-7139-557-8

1. Brasil - Religião. 2. Pluralismo religioso - Brasil.


3. Tolerância religiosa - Brasil. 4. Religião e sociologia - Brasil.
I. Título. II. Série.

04-2370. CDD 200.981


CDU 2(81)

Editora afiliada:

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 4 22/12/2011 23:38:55


A C o l e ç ã o P a r a d i d á t i c o s U N ES P

A Coleção Paradidáticos foi delineada pela Editora


UNESP com o objetivo de tornar acessível a um amplo
público obras sobre ciência e cultura, produzidas por des-
tacados pesquisadores do meio acadêmico brasileiro.
Os autores da Coleção aceitaram o desafio de tratar
de conceitos e questões de grande complexidade presen-
tes no debate científico e cultural de nosso tempo, va-
lendo-se de abordagens rigorosas dos temas focalizados
e, ao mesmo tempo, sempre buscando uma linguagem
objetiva e despretensiosa.
Na parte final de cada volume, o leitor tem à sua dis-
posição um Glossário, um conjunto de Sugestões de leitu-
ra e algumas Questões para reflexão e debate.
O Glossário não ambiciona a exaustividade e nem
pretende substituir o caminho pessoal que todo leitor
arguto e criativo percorre, ao dirigir-se a dicionários, en-
ciclopédias, sites da Internet e tantas outras fontes, no
intuito de expandir os sentidos da leitura que se propõe.
O tópico, na realidade, procura explicitar com maior de-

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 5 22/12/2011 23:38:55


talhe aqueles conceitos, acepções e dados contextuais
valorizados pelos próprios autores de cada obra.
As Sugestões de leitura apresentam-se como um com-
plemento das notas bibliográficas disseminadas ao longo
do texto, correspondendo a um convite, por parte dos
autores, para que o leitor aprofunde cada vez mais seus
conhecimentos sobre os temas tratados, segundo uma
perspectiva seletiva do que há de mais relevante sobre
um dado assunto.
As Questões para reflexão e debate pretendem provo-
car intelectualmente o leitor e auxiliá-lo no processo de
avaliação da leitura realizada, na sistematização das in-
formações absorvidas e na ampliação de seus horizontes.
Isso, tanto para o contexto de leitura individual quanto
para as situações de socialização da leitura, como aque-
las realizadas no ambiente escolar.
A Coleção pretende, assim, criar condições propícias
para a iniciação dos leitores em temas científicos e cul-
turais significativos e para que tenham acesso irrestrito a
conhecimentos socialmente relevantes e pertinentes, ca­
pa­zes de motivar as novas gerações para a pesquisa.

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 6 22/12/2011 23:38:55


Su m á r i o

Introdução 9

Capítulo 1
Brasil, país de muitas religiões:
desafios e dúvidas 15

Capítulo 2
O homem projeta-se para o mundo:
deuses, rituais e religiões 24

Capítulo 3
Fantasias evolucionistas: o homem ocidental e seu Deus 38

Capítulo 4
O ser alienado: os “mestres da suspeita” e a possibilidade de
um homem irreligioso 46

Capítulo 5
O homem e seu contexto cultural: a pluralidade
religiosa destacada pelo espírito do século XX 54

Capítulo 6
Promessas darwinianas: por que os deuses persistem? 61

Conclusão 74

Glossário 79
Sugestões de leitura 85
questões para reflexão e debate 91

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 7 22/12/2011 23:38:55


A persistência dos deuses _MIOLO.indd 8 22/12/2011 23:38:55
In t r o d u ç ã o

Ao se estudar os traços culturais brasileiros, um dos que


mais se destaca é o da pluralidade e vitalidade religiosas.
Muitos pesquisadores estrangeiros, fascinados, vêm in-
vestigá-lo aqui. Nós próprios nos orgulhamos dele, mes-
mo quando não pertencemos a nenhuma religião. Até o
catolicismo, ainda predominante no país, apresenta o “jei­
tinho” brasileiro. Um exemplo concreto: nunca os dados
sobre religião do censo do Ibge atraíram tanto a atenção
de todos quanto agora. O presente volume parte desta
constatação, ainda que seu objetivo não seja descrever a
marca religiosa brasileira. O que se procura é investigar,
em termos mais gerais, a dinâmica do religioso que torna
possível a persistência das manifestações religiosas.
A preocupação principal, em um primeiro momento,
é dar conta de como a Idade Moderna recebeu a herança
religiosa do Ocidente, comparando-a com as novas des-
cobertas proporcionadas pela expansão colonial e tratan-
do-a com seu espírito cético e a visão do religioso en-
quanto forma de moral. Essas transformações ajudam a

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 9 22/12/2011 23:38:55


eduardo rodrigues da cruz

explicar traços que também são típicos da nossa cultura,


como a pluralidade e a tolerância religiosas, a separação
entre a Igreja e o Estado e as controvérsias sobre o ensino
religioso, e nossa atitude diante de manifestações religio-
sas muito dinâmicas – ora tolerante, ora de rejeição.
Após analisar a moderna percepção da religião como
forma de cultura, e a ênfase nos contextos em que ela
surge, o texto destaca alguns estudos novos associados à
teoria da evolução de Darwin. Tais estudos salientam as
características universais da religião e sua forma de pro-
duzir deuses e mundos sobrenaturais. A religião surge
então ainda mais fascinante e merecedora de atenção,
ajudando-nos a configurar a identidade nacional brasilei-
ra, tanto presente quanto futura.
Religião, política e futebol não se discute. Este im-
portante ditado popular frequentemente é invocado,
principalmente quando o assunto é religião. É um as-
sunto geralmente embaraçoso, pois lida com questões
íntimas e privadas que preferimos não compartilhar com
os outros. Se outrora não se discutia o tema porque logo
se caía em um bate-boca sem fim, hoje parece que ele
deixou de ter importância pública, e todos concordam
que “religião, cada um tem a sua”. Você já se imaginou
falando de suas experiências religiosas na classe ou com
a galera em um programa de fim de semana? Nem pen-
sar, não é mesmo?
Mas será que essa atitude, tão corriqueira em nossos
ambientes, resolve a questão? Procurarei demonstrar,
nas páginas seguintes, que não: conhecer a religião e fa-
lar sobre ela é tão importante hoje como no passado,
mesmo que os termos da discussão tenham mudado.
Comecemos por um argumento puramente lógico.
Deixando a política de lado (todos pensam, acertada-

10

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 10 22/12/2011 23:38:55


a persistência dos deuses

mente ou não, que os políticos são aproveitadores), pres-


temos atenção ao futebol. Este sim provoca paixões e
debates acalorados. O objetivo, é claro, não é chegar a
um consenso, mas prolongar o prazer de se torcer por
um time. Mesmo que ninguém consiga convencer o ou-
tro de que o juiz é ou não ladrão, todos concordam que
ele deve seguir regras comuns que sejam consideradas
razoáveis e justas pelas partes em disputa. É aí que está
o ponto importante: há, ao redor da ilha de discussões, o
oceano das regras do jogo que envolve todos. Sem esse
vasto conjunto de crenças e ações compartilhadas, ne-
nhuma discussão valeria a pena.
Guardadas as devidas proporções, o mesmo vale para
a política e para a religião. No caso desta última, as “re-
gras do jogo” são também mais importantes e comuns do
que podemos imaginar. A diferença, talvez, é que, se no
caso do futebol há comentaristas bem preparados que
informam o ouvinte, evitando tomar partido deste ou da-
quele time e fazendo que aos poucos todos conheçam as
regras de cor, isso não acontece com a religião. Quanto a
esta, não há quem nos instrua para valer. Os especialis-
tas religiosos (professores de escola dominical e cate-
quistas, pastores e padres etc.) informam-nos apenas
sobre nossa tradição religiosa, e, geralmente, não des-
pertam em nós nenhuma paixão. O fato é o seguinte:
conhecemos pouco as regras do jogo da religião.
Mas também é fato que as religiões tornaram-se mui-
to interessantes ultimamente – e aqui deixamos o plano
da lógica. Os temas religiosos nunca receberam tanto
destaque nos meios de comunicação, tanto em termos
positivos como negativos. O número de emissoras reli-
giosas de rádio e televisão nunca foi também tão eleva-
do, algumas com enorme audiência. Não faz muito tem-

11

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 11 22/12/2011 23:38:55


eduardo rodrigues da cruz

po que começou a ser vendida nas bancas uma atraente


e informativa “revista das religiões”, algo impensável há
apenas duas décadas.
A religião tem ganho uma enorme publicidade, parti-
cularmente no Brasil. Parece haver um movimento exa-
tamente contrário àquele indicado no primeiro parágra-
fo: ao invés de fato privado, a religião mostra sua face
pública. Ao invés de demonstrar acanhamento, as pes­
soas usam os meios de comunicação para falar de suas
experiências religiosas com enorme desembaraço. Pare-
ce que falar de religião e de Deus tornou-se algo muito
popular por aqui.
Como entender dois movimentos tão contraditórios?
A única maneira é procurar vislumbrar, por trás da selva
de informações, quais são as regras do jogo comuns a
esses movimentos. Apresentaremos, portanto, algumas
dessas regras nos próximos capítulos, para que possamos
conhecer melhor um pouco do fascinante mundo das
religiões. Dada a amplitude do assunto, foi preciso fazer
algumas escolhas. Em primeiro lugar, o que não preten-
demos fazer.
Não pretendemos, por exemplo, traçar um panorama
das principais religiões do Brasil e do mundo. Nos últi-
mos anos, o mercado editorial brasileiro viu surgir uma
grande quantidade de livros excelentes que dão conta
disso. Alguns deles estão indicados na seção Sugestões
de Leitura, e não queremos repetir o que já foi bem rea-

lizado. Tampouco se pretende apresentar estudos sobre


as religiões no Brasil, por mais interessantes que sejam;
também neste caso, remetemos o leitor às Sugestões de
Leitura. Portanto, interessam-nos as regras do jogo reli-

gioso, onde o que é próprio do contexto brasileiro remete


a formas mais universais, e vice-versa.

12

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 12 22/12/2011 23:38:55


a persistência dos deuses

Operaremos em dois registros: um que enfatiza a reli-


gião como fato cultural, e outro que a enfatiza como fato
natural. Para entendê-los, começaremos cada capítulo
apre­sentando dados históricos significativos, e depois dis-
cutiremos alguns aspectos relevantes das maneiras pelas
quais a religião tem sido descrita nos últimos séculos.
Religião e cultura, religiões e culturas. Para muitos
pesquisadores, parecem dois termos indissociáveis. Pri-
meiramente, é preciso fugir do conceito de cultura pre-
sente nos “cadernos culturais” dos jornais e revistas. Mes-
mo que haja inúmeras razões para associar cultura com
atividades intelectuais como arte, literatura e filosofia,
essa abordagem não é a mais apropriada para se entender
a religião. Como veremos a seguir, cultura tem muito mais
a ver com o modo com que o homem cultiva os elementos
de que dispõe (sejam eles materiais ou “espirituais”, natu-
rais ou artificiais) para construir um mundo onde possa
habitar. É um entendimento contextual, ou seja, a cultura
de um grupo está ligada a circunstâncias mutáveis no
tempo e no espaço. Aqui não há “incultos” no sentido de
“pouco instruídos”. Todos somos produtos de um cultivo,
e também cultivamos o que está ao nosso redor. Tal cul­
tivo dá lugar a línguas, costumes e, principalmente, re­li­
giões, pois o homem é uma espécie simbólica por excelên­
cia. Isto significa que, de maneira muito mais acentuada
do que em outras espécies, nós mediamos nossas ações
conosco mesmos, com os outros e com o mundo por meio
da linguagem e de outros símbolos, conforme descrevere-
mos no Capítulo 2. A maioria das ciências humanas tra-
balha hoje com este registro.
Outro registro importante, mas menos conhecido, é o
da religião como complexo de atividades que resultam
de nosso passado evolutivo como espécie. Aqui o cultivo

13

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 13 22/12/2011 23:38:55


eduardo rodrigues da cruz

intencional e consciente, ou não, ocupa um lugar subor-


dinado. Seguindo estudos recentes sobre o comporta-
mento humano baseados na teoria da evolução de Char-
les Darwin, entende-se a religião como um componente
humano universal, pronto no entanto a adaptar-se a vá-
rios contextos, que auxilia na formação das culturas.
Como veremos mais adiante, essas novas ciências apre-
sentam o ser humano como universalmente propenso a
deuses, sacrifícios, rituais e experiências místicas. A re-
ligião, como diremos, está aí para persistir.
Esta não é uma apresentação neutra dos dois registros.
Sem negar a importância da religião nas estruturas e mo-
vimentos culturais, sugiro no entanto que, se entender-
mos melhor a religião como associada intrinsecamente à
natureza humana, poderemos entender melhor as regras
do jogo como indicado acima. Precisamos lembrar que
tais regras, ao contrário do que acontece no futebol, não
são fruto de convenções, mas precisam ser continuamen-
te descobertas e avaliadas na história e no inconsciente do
homem. O leitor é convidado, portanto, a acom­panhar
essa maneira de apresentar as regras. Se entendê-las me-
lhor, e percebê-las em sua própria experiên­cia, então o
objetivo deste pequeno volume estará cumprido.

14

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 14 22/12/2011 23:38:55


1 Brasil, país de muitas religiões:
desafios e dúvidas

O censo de 2000, promovido pelo Ibge, trouxe entre


seus resultados mais interessantes a mudança do perfil
das opções religiosas brasileiras. De um país essencial-
mente católico, como ainda registrado em censos anterio-
res, o espectro de alternativas religiosas aumentou, o mes-
mo acontecendo com o número de seus adeptos. Cresceu
também o número dos que se declararam sem religião,
tópico que será objeto de atenção mais à frente.
Os dados desse órgão de pesquisas foram amplamente
divulgados e analisados nos meios de comunicação brasilei-
ros. É o caso do caderno Mais! da Folha de S. Paulo de 19
de maio de 2002, um bom ponto de partida para o leitor
interessado no assunto. Os parâmetros usuais de interpreta-
ção apontam para uma valorização do religioso e um maior
número de opções entre os brasileiros. Uma recente edição
especial da revista Veja sobre os jovens revela também o in-
teresse crescente que eles têm demonstrado pela religião.1

1 Veja. Edição especial n.º 32. Abril, jun. 2004, p. 65.

15

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 15 22/12/2011 23:38:55


eduardo rodrigues da cruz

Entretanto, não nos podemos deixar levar pelas estatísticas.


O sociólogo brasileiro Flávio Pierucci, por exemplo, costu-
ma enfatizar dois aspectos dessas mudanças: por um lado,
a quebra de monopólios religiosos e a proliferação de alter-
nativas é algo a ser ce­lebrado; por outro, a diversidade de
opções religiosas ainda é, na verdade, muito pequena: o
Brasil ainda se constitui como um país essencialmente cris-
tão, e novos experimentos não costumam se afastar muito
dessa herança.2 De certa forma, a popularidade que o filme
A paixão de Cristo conquistou em nosso país indica isso. A
herança cristã manifesta-se mais claramente de duas for-
mas: movimentos simultâneos de afastamento e aproxima-
ção com relação à Igreja enquanto instituição, e a persistên-
cia de símbolos, valores e rituais cristãos na esfera pública.
Este é um primeiro traço cultural da religião nos paí-
ses do Ocidente: a permanência de um arcabouço cívi-
co, social e psicológico resultante do passado dos países
que estiveram em regime de cristandade. Associados a
isto, dois aspectos se sobressaem: a secularização e o
que chamamos de “religião civil”.
O termo “secularização” indica, primeiramente, o es-
vaziamento do regime de cristandade, a aceleração desse
esvaziamento nos dois últimos séculos no Ocidente le-
vou a religião cristã e sua representante oficial, a Igreja,
a deixar gradualmente a esfera pública e a ingressar no
domínio privado. Isto não significa que não haja expres-
sões religiosas públicas, mas, de modo mais importante,
significa que: 1 – As religiões deixam de importar para a
economia, a política, a ética, as artes e as ciências; 2 –
Mais do que isso, as religiões são censuradas quando

2 PIERUCCI, A. F. Secularização e declínio do catolicismo, em SOUZA, B. M. e


MARTINO, L. M. S., (orgs.) Sociologia da religião e mudança social: católicos, pro-
testantes e novos movimentos religiosos no Brasil. São Paulo: Paulus, 2004. p. 13-21.

16

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 16 22/12/2011 23:38:55


a persistência dos deuses

tentam interferir na esfera pública. Secularização tam-


bém subentende “desencantamento do mundo” (Max
Weber), visão muito comum nos círculos intelectuais
nos anos 50 e 60 do séc. XX, mas que hoje é contestada:
diversos pensadores apontam para um “reencantamento
do mundo” ou “revanche do sagrado”, o que se compro-
varia pela explosão de novos movimentos religiosos nas
últimas décadas. Mesmo assim, não é possível voltar ao
passado, e não se pode contar com algo como o retorno
a um regime de cristandade e sua forma de administra-
ção do sagrado. Pode-se dizer, pois, que o interesse con-
temporâneo pela religião no Brasil ocorre em um contex-
to já secularizado, tanto no que se refere à visão de
mundo como às formas de estruturar o cotidiano privado
e público. O mesmo vale para os movimentos de afasta-
mento e aproximação (Padre Marcelo, por exemplo) da
Igreja Católica.
Já a “religião civil” é entendida como o conjunto de
rituais, narrativas, símbolos, códigos morais e celebra-
ções de uma nação que tiveram no passado uma inspira-
ção claramente religiosa, mas que hoje não assumem
essa denominação. Esse termo surgiu especificamente
no contexto norte-americano (basta ver as manifestações
patrióticas de lá, incentivadas tanto pela população como
pela mídia e pelo governo), e há dúvidas sobre sua apli-
cabilidade em outras situações. Em todo caso, como foi
dito acima, percebe-se nos países ocidentais comporta-
mentos na esfera pública que traem o passado religioso.
Basta lembrar, no caso do Brasil, a importância que con-
tinuam tendo as missas de sétimo dia, mesmo para os
que não creem na ressurreição dos mortos; o casamento
religioso, mesmo para os que não o consideram um sa-
cramento; os feriados religiosos, que todos “emendam”;

17

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 17 22/12/2011 23:38:55


eduardo rodrigues da cruz

ou a referência a Deus na Constituição, embora conste


nela a separação Igreja-Estado. Sim, os padrões culturais
falam mais alto que a letra da lei.
São movimentos de certa forma contrastantes que só
podem ser mais bem compreendidos se nos perguntar-
mos, ainda que preliminarmente, sobre o estado das re-
ligiões no Brasil. É a isto que vamos sucintamente nos
dedicar. O censo de 2000 oferece-nos um panorama das
mudanças religiosas, algumas esperadas, outras que nos
pegam um pouco de surpresa. O mapa da Figura 1 (p.19)
resume os principais números do censo, e o da Figura 2
(p. 20) mostra a distribuição do catolicismo no país e a
evolução da porcentagem deste em relação ao total, de
1991 a 2000.
Como era de se esperar, a influência da Igreja Católi-
ca continua a diminuir. Não contando mais com o apoio
da esfera pública, esvaindo-se a sacralidade das institui-
ções e das hierarquias, e com o desgaste de ritos e cren-
ças e o descomprometimento dos agentes religiosos, o
catolicismo tende a voltar a ser um grupo religioso entre
os demais: a porcentagem de católicos no perfil religioso
brasileiro passou de 83,3% em 1991 para 73,9% em 2000.
Como a diversificação religiosa é maior nas regiões com
maior mobilidade populacional (Região Norte e megaló-
poles, por exemplo), é de se esperar que essa tendência
continue, ainda que não se possa afirmar se vai ocorrer
ou não uma estabilização no futuro. De fato, como os
fatores étnicos e tradicionais já não contam mais na afi-
liação religiosa, a fluidez das conversões e a dupla perten-
ça tendem a aumentar, sem uma direção pré-definida.
Fenômenos como o terço bizantino do já mencionado pa-
dre Marcelo (podem-se acrescentar eventuais aparições
de Maria) também incentivam essa fluidez.

18

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 18 22/12/2011 23:38:55


a persistência dos deuses

figura 1
Distribuição de fiéis das religiões no Brasil,
de acordo com o Censo 2000

Fonte: Atlas da Filiação Religiosa e Indicadores Sociais no Brasil - 2003


© Cesar Romero Jacob, Dora Hees, Philippe Waniez e Violette Brustlein

19

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 19 22/12/2011 23:38:56


eduardo rodrigues da cruz

Figura 2
O catolicismo no Brasil, segundo o Ibge
mapa preparado por César R. Jacob e Dora Hees, PUC/RJ. Extraído de IstoÉ, 23/04/2003.

Fonte: Atlas da Filiação Religiosa e Indicadores Sociais no Brasil - 2003


© Cesar Romero Jacob, Dora Hees, Philippe Waniez e Violette Brustlein

20

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 20 22/12/2011 23:38:57


a persistência dos deuses

O aumento mais significativo, tanto em termos per-


centuais como em termos do número de aderentes, é
certamente dos evangélicos, em particular dos pentecos-
tais. Uma das razões disso é que, em tempos de crise, as
religiões de entusiasmo tornam-se mais atraentes. Mas
há outros motivos igualmente fortes. Seja pelo fato de a
tradição contar menos, seja pela diminuição do ritmo de
crescimento populacional do Brasil, esse aumento se
deve principalmente às conversões. Daí também o cres-
cimento das Igrejas Batistas, que têm um forte ímpeto
missionário, o mesmo valendo para as religiões de entu-
siasmo como as pentecostais. As igrejas protestantes li-
gadas a grupos que no passado emigraram para o Brasil,
denominadas “históricas”, não têm crescido com intensi-
dade, ou até têm visto seus números caírem.
Registra-se também um aumento significativo das re-
ligiões denominadas neocristãs (Testemunhas de Jeová,
Adventistas do Sétimo Dia etc.), novamente devido ao
forte espírito missionário que as caracteriza. Também
por conta do crescimento das igrejas pentecostais (parti-
cularmente a Universal do Reino de Deus), o número de
pessoas aderentes aos cultos afro-brasileiros, em espe-
cial a umbanda, tem diminuído. Perdem-se com isso tra-
ços de nossa herança indígena e afro-americana, em de-
trimento de manifestações religiosas importadas dos
Estados Unidos. Sem querer dizer qual religião seria me-
lhor, o fato é que isso indica uma diminuição da diversi-
dade religiosa e uma desvinculação da religião das raízes
culturais brasileiras. Por outro lado, mantém-se e acen-
tua-se uma característica já presente na umbanda, a ên-
fase no enfrentamento do mal e a consequente resolu-
ção de problemas imediatos dos aderentes. Dadas as
dificuldades econômicas e sociais por que passa a maio-

21

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 21 22/12/2011 23:38:57


eduardo rodrigues da cruz

ria da população brasileira, não é de admirar que tal ên-


fase tenha êxito.
Outro movimento religioso que lida com a interven-
ção dos espíritos em nosso favor, de caráter mediúnico
como a umbanda e o candomblé, é o espiritismo (ainda
que muitos espíritas não o vejam como uma religião),
que continua tendo uma participação expressiva no pa-
norama religioso brasileiro, em particular no estado de
São Paulo. Ao se falar das religiões orientais, por outro
lado, destaca-se a visibilidade que têm recebido nos últi-
mos trinta anos e a receptividade alcançada perante a
população, seja ela crente ou não. Isso tem resultado em
um aumento significativo no número de adeptos, apesar
do caráter não missionário dessas religiões. Em geral de
origem étnica, e tendo vindo com os imigrantes de países
do Extremo Oriente, essas religiões (em especial o bu-
dismo) também se adaptam às características e aos ade-
rentes locais, como destaca Frank Usarski (ver Suges-
tões de leitura).

É preciso ressaltar, por fim, o impacto dos Novos Mo-


vimentos Religiosos, principalmente na classe média.
Essa difusa constelação de crenças, ritos e associações
sugere um estado de espírito característico dos “errantes
do novo milênio”, como seus seguidores são por vezes ca­
racterizados. São pessoas que sentem que as religiões tra-
dicionais não lhes proporcionam mais uma alternativa
de inserção social e conforto espiritual. Individualistas e
ao mesmo tempo tribais, sequiosos de gratificação ime-
diata, sem outros pontos de referência a não ser o merca-
do e o trabalho, sem história, tradição ou autoridade,
valorizam uma religiosidade difusa e algo elitista. Os no-
mes e tendências se multiplicam: Nova Era, esoterismo,
misticismo, autoajuda. Elas sequer aparecem claramente

22

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 22 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

no censo; revelam, no entanto, muito daquilo que por


vezes se chama de “pós-modernidade” no âmbito religio-
so. Paulo Coelho não seria um fenômeno brasileiro e
mundial se não ecoasse o espírito da época.
Pode-se inferir destes dados que o perfil religioso bra-
sileiro reflete o caleidoscópio cultural de nossa terra,
com sua herança diversificada e a abertura para o novo e
para o plural. Uma conclusão tentadora é que, então, a
religião nada mais seria que o reflexo dos padrões cultu-
rais em que se insere, uma forma cultural entre outras.
Além do perfil religioso, tanto a secularização de nossa
sociedade quanto nossa forma de religião civil reafirmam
o nexo íntimo entre religião e cultura. Mas tais caracte-
rísticas, mesmo que acompanhem a diversidade religio-
sa, possuem um caráter mais universal e duradouro, não
podem ser reduzidas a meros reflexos de uma cultura.
São, de certa forma, movimentos necessários na dinâmi-
ca de uma religião que se torna “civilizada”. É necessá-
rio, portanto, procurar compreender mais profundamen-
te essa questão. Nos capítulos que se seguem, vamos
retraçar um pouco da história do entendimento moderno
da religião, que levou não só ao atual perfil religioso bra-
sileiro como também marcou fortemente a maneira
como os dados do Ibge foram analisados. Veremos que
a religião, sem deixar de refletir a cultura na qual está
mergulhada, tem que ser pensada em outros termos que
não o cultural.

23

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 23 22/12/2011 23:38:58


2 O homem projeta-se para o mundo:
deuses, rituais e religiões

Um panorama histórico da atitude


moderna e da ideia de projeção

O termo “religião” possui uma longa história, cheia de


percalços, quanto à etimologia e ao emprego (por exem-
plo, o que constituiria uma verdadeira religião), da qual
vamos registrar apenas alguns aspectos.
Com o advento da cristandade, somente o cristianis-
mo – e, em escala menor, o judaísmo e o islamismo –
passou a ser considerado “religião”, constituído a partir
de uma revelação fidedigna. As outras eram considera-
das falsas religiões, superstições ou aproximações imper-
feitas da verdadeira. Durante toda a Idade Média, parce-
la significativa da formação e da afirmação da Europa
constituiu-se sob a égide dessa noção. Com o advento da
Reforma e, mais tarde, da modernidade, o termo sofreu
uma leve inflexão de significado, passando a dar ênfase
ao lado individual e moral da religião, subentendendo-se
esta, ainda, como o cristianismo.

24

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 24 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

Uma modificação importante ocorreu por volta de


século XVIII. Em razão do contato com diferentes reli-
giões por conta da expansão colonial, e do aumento do
ceticismo em relação à tradição, dois movimentos com-
plementares se acentuaram: em primeiro lugar, o ques-
tionamento do uso do termo no singular; em segundo, a
negação de que a religião fosse produto da revelação de
um Deus ou que fosse algo natural e benéfico ao ser
humano.
O primeiro movimento diz respeito à pluralidade das
religiões, relativizando, consequentemente, o poder nor-
mativo do cristianismo. A expansão colonial trouxe evi-
dências concretas de que todas as religiões estrangeiras,
fossem elas “primitivas” ou ligadas a civilizações milena-
res, possuíam o mesmo grau de verdade e positividade
(ou até mais) que o cristianismo. Respeitando-se as dife-
renças culturais, todas podiam reivindicar igualmente
sua validade; assim, a questão da religião passa a ser uma
questão de opção e de inserção social. Estavam lançadas
as sementes do relativismo cultural.
Em segundo lugar, passou-se a questionar o próprio
fato de haver uma revelação divina. David Hume (1711-
1776), o grande cético escocês, escreve uma pequena
mas notável obra chamada História natural da religião.
Hume faz uma seleção de textos de autores greco-roma-
nos e de contemporâneos seus para atribuir à religião (e,
consequentemente, às religiões) uma origem inteiramen-
te humana. Retoma também o tema das divindades como
projeção da inquietação humana, em termos de medo e
desejo (exploraremos este ponto mais adiante). Em suma,
a religião era algo perfeitamente superável por um espíri-
to humano ilustrado e objetivo. A ideia de um mundo
sem religião começava a ser justificada racionalmente.

25

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 25 22/12/2011 23:38:58


eduardo rodrigues da cruz

Sem dúvida, várias outras histórias da religião pode-


riam ser contadas, mesmo no seio da Europa. As reli­giões
populares, por exemplo, seguem sua própria dinâmica,
não se importando com as discussões dos eruditos. Mas
esses dois movimentos tiveram um impacto profundo e
duradouro, tanto na vivência religiosa como em seu estu-
do. Um exemplo dessa tendência está na proposta de
Feuerbach.
Ludwig Feuerbach (1804-1872) foi discípulo de He-
gel. Após a morte deste em 1831, criticou o mestre em
razão do excessivo racionalismo em detrimento da expe-
riência. Propôs, então, em sua mais famosa obra, A es-
sência do cristianismo, que não cabe aos teólogos cuidar
da religião, simplesmente porque o objeto de seus estu-
dos não está onde eles supõem que esteja: o próprio
Deus. A religião, para Feuerbach, não é uma janela pela
qual observamos as entidades que nos configuram e nos
sustêm, mas um espelho no qual vislumbramos o que
há de melhor em nós.
A primeira parte da obra, portanto, é dedicada tanto a
questionar as interpretações tradicionais quanto a apre-
sentar o lado positivo do processo de projeção. Esse pro-
cesso significa que tendemos a projetar em entidades
que estariam fora de nós aquilo que nos é mais íntimo e
precioso. Uma vez feita essa projeção, as tais supostas
entidades adquirem um peso de realidade maior que
tudo o que experimentamos, passando a guiar nossa exis-
tência. Trata-se de uma alienação (termo que logo em
seguida seria apropriado por Marx, no plano econômi­-
co) da consciência que mantém o indivíduo em estado
de constante subordinação. O outro lado da moeda é
mais positivo: uma vez que o ser humano tome consciên-
cia de sua alienação, descarte as explicações teológicas e

26

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 26 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

passe a ver na religião um reflexo do que há de melhor em


si, então a própria religião poderá ser salvaguardada como
um instrumento ótimo de promoção humana.
A segunda parte da obra de Feuerbach é uma apli-
cação desse método a aspectos tradicionais do cristia-
nismo, elementos da fé cristã e dimensões da existên-
cia religiosa como a vivência dos sacramentos. Todos
esses elementos são novamente explicados por ele, en-
tão, em termos de nossa constituição humana, nossos
desejos e nossa percepção da vitalidade e da bondade
da natureza.
O desenvolvimento dessa ideia de projeção teve um
grande impacto nas décadas posteriores sobre as noções
religiosas. Dois dos principais pensadores que adotaram
perspectivas semelhantes à de Feuerbach, só que com
uma atitude radical de suspeita em relação ao objeto de
estudo, foram Karl Marx (1818-1883) e Sigmund Freud
(1856-1939). Ambos se distanciaram de Feuerbach ao
discordarem de que a religião fosse conatural ao homem,
vendo-a mais em termos de projeção e alienação. Marx
entendeu-a como reflexo invertido e justificativa de um
sistema de produção que expropria dos trabalhadores o
produto de seu trabalho, enquanto Freud viu-a como
manifestação neurótica de práticas universais. Voltare-
mos a eles no Capítulo 4.
Nenhum dos dois, entretanto, pesquisou sistemati-
camente o modo como as religiões se entrelaçavam com
as culturas que as abrigavam, talvez porque tivessem
uma atitude normativa demais em relação à religião.
Essa tarefa foi assumida pelas então nascentes Antropo-
logia e Ciência da Religião. Trataremos um pouco mais
dessas ciências no Capítulo 3; examinemos agora suas
bases.

27

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 27 22/12/2011 23:38:58


eduardo rodrigues da cruz

Perguntas básicas para se entender a religião

Podemos inferir das páginas precedentes que o avanço


do conhecimento sobre as religiões pode ser traduzido
em perguntas sobre a origem da religião, sua função,
sentido e verdade. Vamos explicar rapidamente o signifi-
cado delas.
Quanto à origem da religião – uma vez que a hipótese
de uma revelação divina foi gradualmente sendo excluí­-
da –, coloca-se a questão do que a causaria. Essa preocu-
pação está na base da maioria das teorias sobre a religião,
que buscam para ela causas naturais – seja no âmbito da
natureza animal do homem, seja em virtude de interesses
e ações, conscientes ou inconscientes, dos seres huma-
nos enquanto agentes dotados de vontade. Para Hume,
como vimos, a origem da religião está no medo e na espe-
rança (desejo) do homem enquanto espécie. De acordo
com essa concepção, quanto mais primitivo, mais o ho-
mem expressará tais emoções, projetando-as em entida-
des e forças imaginárias que ao mesmo tempo o apavo-
ram e o reconfortam. A visão dos povos primitivos como
brutos supersticiosos, medrosos e violentos, enquanto o
homem ocidental seria equilibrado, sereno e cético, de
há muito desapareceu dos círculos acadêmicos, mas ain-
da persiste no imaginário popular – basta ver muitos fil-
mes de Hollywood sobre a África ou a América Latina.
Hoje sabemos que, do ponto de vista antropológico,
todos nós, “primitivos” ou herdeiros da civilização euro-
peia, estamos igualmente distantes de algo abstrato que
seria “o ser humano”. Sem descartar o medo e o desejo,
os pesquisadores procuram atribuir causas mais sutis
para a origem da religião. Acrescente-se, por exemplo, o
ritual – a necessidade inconsciente, enraizada em nosso

28

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 28 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

passado animal, de movimentos repetitivos, danças, can-


tos e súplica, que têm seu significado amplificado quan-
do se conectam a um mundo invisível, e, no entanto,
fundamental para o nosso destino.
Também se desenvolveram teorias sobre a função da
religião para os seres humanos, ou seja, para que serve
ela. Tais teorias, muito comuns desde o século XIX, são
denominadas “funcionalistas”. A resposta tradicional,
“para a salvação dos homens”, já havia sido gradualmente
desqualificada. Desenvolveram-se novas respostas por in-
termédio de estudos de campo e considerações compara-
tivas. Para os indivíduos, equilíbrio psicológico para além
das possibilidades cotidianas. Para os grupos, coesão e
fonte de coerção moral. Para as culturas, ligação entre
seus elementos materiais e espirituais, fornecendo-lhes
uma justificativa para suas origens e um sentido.
Com respeito ao sentido (ou seja, por que se vive a re-
ligião), a resposta tradicional, dentro de um esquema mi-
cromacrocosmo, também já foi superada. Há duas aproxi-
mações comuns hoje: a primeira, adotada pelos aderentes
das religiões ocidentais, procura explorar o “sentido da
vida” e associá-lo à intenção básica das religiões. Como se
assume que Deus já não se revela aos homens, inverte-se a
iniciativa do diálogo, colocando-a no homem: traçam-se
paralelos entre a busca do sentido da vida e a busca de
Deus. Com a disseminação do existencialismo ao longo do
século XX, essa associação ganhou maior destaque ainda.
A segunda aproximação é mais própria à objetividade aca-
dêmica. Pergunta-se, por exemplo, aos fiéis como eles per-
cebem o significado daquilo que diz respeito às suas práti-
cas religiosas: crenças, rituais, símbolos. Ou, do ponto de
vista do pesquisador, como entender tais práticas dentro
de um contexto psicossociocultural mais amplo.

29

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 29 22/12/2011 23:38:58


eduardo rodrigues da cruz

Supondo que a religião de fato tenha (e forneça) sen-


tido para os grupos culturais e para a humanidade em
geral, a pergunta seguinte diz respeito à verdade da(s)
religião(ões). Outrora, a verdade das crenças, dos precei-
tos e das escrituras era dada pela forma da revelação, pelo
cumprimento de profecias, pela realização de milagres
etc. Hoje, essas evidências não são mais consen­suais.
Além disso, muitas pessoas sustentam que todas as reli-
giões são igualmente verdadeiras (na medida em que se-
jam “boas” religiões), ou, ainda, que a questão da verdade
é completamente irrelevante para se entender o fenôme-
no religioso. Entenda-se por “verdade” três coisas: pri-
meiro, a mais óbvia, se as entidades a que as religiões se
referem realmente existem. A maioria dos cientistas pre-
fere não discutir esta questão. Em seguida, caso se admi-
ta que existem agentes extranaturais que interagem com
a natureza e o homem, qual seria a religião que melhor os
expressam. Esta é uma questão de interesse prático, im-
portante para o diálogo inter-religioso. Finalmente, volta-
mos a Feuerbach: estudar a religião sugere alguma verda-
de sobre o homem e a natureza? Em geral, esta é a
questão que ocupa a mente de muitos pesquisadores,
que a dissociam da primeira concepção de verdade.

Elementos fundamentais de uma religião

Após esta breve visão das principais questões acerca da


religião que são levantadas pelo homem moderno, pode-
mos retornar à pergunta: mas, afinal de contas, o que é
religião? Como identificá-la em meio às outras expres-
sões do humano que também possuem uma função, dão
sentido às nossas atividades e falam da verdade do ho-

30

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 30 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

mem? Estas questões são objeto de intensos debates en-


tre os pesquisadores, na esteira do espírito crítico que
tirou as certezas sobre a religião (ainda que não sobre
qual seria a verdadeira) que a consciência ocidental pos-
suía. Partindo do sentido comum que se atribui ao termo
(se este não existisse, seria impossível fazer uma pesqui-
sa como a do Ibge), podemos começar por uma tarefa
mais simples: descrever alguns dos traços que ajudam a
constituir uma religião.
O primeiro elemento que certamente nos vem à men-
te é “deus” (vamos usar a palavra com d minúsculo para
ampliar seu significado, apesar de ela ser usada pela
maioria dos brasileiros na forma tradicional), que parece
ser o elemento central de toda religião. Na maioria delas,
incluindo as não letradas, admite-se a existência de uma
ou mais entidades que estão na origem e na base de tudo
o que se vê. Mesmo que essa crença seja objeto de con-
trovérsia para algumas religiões (como é o caso do budis-
mo), não nega o fato de que o ser humano se interroga
sempre sobre a origem de tudo, inclusive do mal, sobre
o fundamento e o sentido de suas ações, e sobre se o
pós-morte apresenta ou não algo além daquilo que se vê.
É o que um estudioso anglo-alemão, Paul Tillich (1886-
1965), chamou de ultimate concern (algo como “dedica-
ção última”) – uma busca e uma adesão àquilo que está
além de todas as barreiras do tempo e do espaço, dos
nossos condicionamentos e contingências.
Há que se perguntar qual seria a distinção entre reli-
gião e magia, na medida em que esta última também lida
com entidades e forças ocultas e poderosas. No passado
faziam-se distinções rígidas, atribuindo à religião um pa-
pel benigno e reverente, e à magia um aspecto perverso,
manipulador, supersticioso. Hoje essas fronteiras já estão

31

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 31 22/12/2011 23:38:58


eduardo rodrigues da cruz

mais diluídas na mente daqueles que discutem o assun-


to. Partindo da premissa de que a maioria das religiões
supõe algum elemento de contato com as realidades últi-
mas por meio de símbolos, encantações e gestos, o fato é
que toda religião contém elementos mágicos: a oração e
a súplica não deixam de ser pequenas formas de intervir
no curso dos acontecimentos, além dos rituais indivi­duais
e coletivos que associamos às religiões. Mesmo as práti-
cas meditativas, os mantras e o esvaziamento das pertur-
bações da consciência não deixam de possuir resíduos
mágicos: a administração, a nosso favor, de uma força ex­
trassensorial e determinante no fluir da existência.
O termo misticismo é sempre associado às religiões,
ainda que seja objeto de muita confusão. Significa, por
exemplo, tudo que está envolvido nas práticas meditati-
vas que procuram a paz da consciência e a integração dos
indivíduos com a divindade ou a totalidade. Também
pode significar o entendimento de experiências místicas,
de integração coma divindade e sua recepção, em geral
restritas somente a alguns seres humanos. Aí também po-
dem ser incluídas as experiências xamânicas dos povos
indígenas ou originários da Sibéria, da Austrália e de ou-
tras culturas. Baseiam-se também no fato de que, como o
mundo das divindades não é o mesmo das experiências
cotidianas, nossos sentidos não bastam, e a comunicação
com esse mundo requer estados alterados de consciência
(nesse sentido, chamar de “místicos” as pessoas que pra-
ticam artes divinatórias como búzios, tarô etc., não é
muito apropriado). Outra via de apropriação desse mun-
do é a dos símbolos, que comentaremos a seguir.
Falamos também de rituais: a observância escrupulo-
sa de certos gestos e palavras, individuais e coletivos, cujo
sentido imediato não captamos, mas que são necessários

32

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 32 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

para que estabeleça uma conexão entre o nosso mundo


(por vezes chamado de profano) e um outro (no caso,
chamado de sagrado) que guia nossos destinos. Entre os
diversos rituais existentes, a liturgia católica é o exemplo
mais conhecido, embora muita gente conteste hoje sua
validade. Compensação psicológica? Resíduo substituí-
vel de práticas ancestrais? Manifestações culturais, váli-
das por seu aspecto estético e prazeroso? Ainda que estes
fatores estejam presentes, não parecem apontar para o
essencial. Sugerimos no Capítulo 1 que no âmbito do pro­
fano, fora dos templos e dos dias santos, também há ri­
tuais com características semelhantes, configurando por
vezes o que chamamos de religião civil.
Que função tem o ritual? Esta questão é bem estuda-
da pelos pesquisadores. Ao serem realizados, os rituais
remetem-nos à origem das coisas, para além de qualquer
passado, para aquilo que auxilia a constituir a identidade
de um grupo e que não pode ser esquecido. Assim, de
certa forma a religião é conservadora, pois se encarrega
de manter sempre presente a lembrança dos aconteci-
mentos cruciais (míticos ou históricos), auxiliando o gru-
po a estabelecer suas instituições e ações. Isto não exclui
que os revolucionários de todos os matizes também te-
nham seus rituais, mas estes não deixam de servir para
manter o grupo unido. Os rituais são também formas de
súplica, expiação da culpa e agradecimento em face do
que é mais poderoso que nós. Por fim, os rituais sugerem
a possibilidade de um repouso seguro e definitivo, diante
das incertezas e agruras da existência.
Há uma característica do ritual que merece desta-
que: muitos deles envolvem sacrifícios. “Sacrifício” é
uma palavra vinda do latim que significa “fazer (tornar)
sagrado”. O sujeito a ser sacrificado (tanto faz se anima-

33

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 33 22/12/2011 23:38:58


eduardo rodrigues da cruz

do ou inanimado – mesmo os objetos só são dignos de


sacrifício enquanto símbolos da relação subjetiva ho-
mem-divindade) é separado do cotidiano e, dentro do
ritual, é oferecido (muitas vezes imolado) aos deuses
como a parte nobre do ritual. Esse elemento sacrificial é
um dos mais importantes da religião, mas também o
mais difícil de ser aceito pela mentalidade moderna:
René Girard (1923- ), um acadêmico contemporâneo,
desenvolveu toda uma teoria que mostra o lado inumano
do sacrifício e como sua superação é desejável. Veremos
mais a respeito disso quando falarmos de Freud e da re-
ligião no Capítulo 4.
Outro aspecto importante da religião de que falamos
é o mito. Ele é geralmente o elemento narrativo dentro
do ritual. Sua lógica é diferente da lógica dos relatos
existentes dentro das limitações do nosso mundo. Dife-
rentemente destes, eles falam da origem do cosmos, dos
deuses e da humanidade, dos valores fundamentais, das
hierarquias e dos destinos. Os psicólogos (principalmen-
te os seguidores de Carl Jung [1875-1961] e do mitólogo
Joseph Campbell [1904-1987]) relacionam esses mitos
com nosso inconsciente pessoal e coletivo, nossos so-
nhos e símbolos fundamentais.
Os mitos também contém símbolos, sinais visíveis de
um mundo invisível. Trata-se de objetos, obras artísticas,
livros e palavras que são retirados do cotidiano para nos
conduzir ao mundo dos deuses e permitir que o culto
que lhes prestamos seja mais concreto e eficaz. Ligados
à linguagem e às representações, os símbolos são o que
há de mais primitivo e duradouro no humano. Daí por-
que a destruição de símbolos ser considerada uma ofen-
sa grave, um sacrilégio, algo que certamente é uma
afronta às forças celestes. Mas não há como evitar esse

34

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 34 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

Arquivo FEU

Sacrifício na cultura asteca

35

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 35 22/12/2011 23:38:58


eduardo rodrigues da cruz

elemento prometeico nos homens – se os símbolos são


reflexo do divino, nós também somos... e desejamos rei-
vindicar nossa parte.
Por fim, podemos citar aquilo que primeiro nos vem
à mente quando falamos de religião, seus valores e nor-
mas: sua ética. Ao contrário do que muitas vezes parece,
as normas derivam-se dos outros elementos da religião,
mesmo quando, como no caso do budismo, o ritual te-
nha uma importância menor. Nos últimos séculos, den-
tro de um espírito de tolerância, a essência da religião
foi definida em termos éticos como a “regra de ouro”:
“Amarás teu próximo como a ti mesmo” (Levítico 19:18,
e Mateus 19: 19). Não há dúvida de que preferimos fi-
car com esta regra do que com os sacrifícios menciona-
dos acima, mas, para os estudiosos da religião, estes
vêm antes que aquela. Mesmo assim, não queremos
desmerecer a contribuição das religiões, ao longo da
história, para a formação de valores que auxiliam a cons-
truir o humano.
Portanto, qualquer que seja nossa compreensão final
da religião, ela reflete algo de básico e de íntimo no ho-
mem: seus desejos, angústias, criatividade, inteligência
e propósito. Os deuses, de certa forma, são um projeto
do homem. O quadro a seguir, de um renomado pesqui-
sador, procura indicar quais são as principais formas de
entendimento (tanto por parte dos fiéis como dos inves-
tigadores) da religião.

36

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 36 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

CENÁRIOS DE ORIGEM DA RELIGIÃO

A maioria dos relatos das origens da religião enfatizam uma das


seguintes sugestões: a mente humana necessita de explicações, o
coração humano busca conforto, a sociedade humana requer
ordem e o intelecto humano é inclinado a ilusões. Para expressar
isto de modo mais detalhado, aqui vão alguns cenários:

A religião fornece explicações:

 As pessoas criaram a religião para explicar fenômenos natu-


rais intrigantes.
 A religião também explica experiências intrigantes: sonhos,
presciência etc.
 A religião explica a origem das coisas.
 A religião explica por que o mal e o sofrimento existem.

A religião provê conforto:

 As explicações religiosas tornam a morte mais suportável.


 A religião alivia a ansiedade e provê um mundo mais con-
fortável.

A religião assegura a ordem social:

 A religião mantém a sociedade unida.


 A religião perpetua uma determinada ordem social.
 A religião dá suporte à moralidade.

A religião é uma ilusão cognitiva:

 As pessoas são supersticiosas e acreditarão em qualquer


coisa.
 Os conceitos religiosos são irrefutáveis.
 Refutar é mais difícil do que crer.

BOYER, Pascal. Religion Explained. New York: Basic Books, 2001. p. 5.


37

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 37 22/12/2011 23:38:58


3 Fantasias evolucionistas:
o homem ocidental e seu Deus

O Deus judaico-cristão reflete-se no projeto do homem


ocidental, tendo sido concebido na Europa e proposto
(muitas vezes à força) a outros povos, expandindo-se ao
que se convencionou chamar de “novo mundo”. Sua re-
velação, ligada à Bíblia e comentada ao longo dos sécu-
los, fez triunfar uma concepção linear do tempo e da
história (muitas religiões adotam uma concepção cíclica
do tempo) na qual as ações humanas auxiliam a cons-
truir um mundo futuro livre das limitações e males que
nos perturbam.
Entre as doutrinas desenvolvidas com base nessa reve-
lação, salientamos aqui a da providência: a percepção de
que Deus fornece aos seres humanos aquilo de que neces-
sitam para que o bem, a verdade e a justiça triunfem no
final.3 Ela expressa que o mundo criado não foi abandona-
do à própria sorte; há um envolvimento contínuo de Deus

3 Isso está expresso por vários provérbios da sabedoria popular: “Há males que vêm para
o bem”, “Deus escreve certo por linhas tortas”, “Deus ajuda a quem cedo madruga”.

38

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 38 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

com sua criação, ainda que de maneira invisível e por vezes


contraditória, transformando as ações humanas em instru-
mentos de sua vontade. A sequência dos livros bíblicos, do
Gênesis ao Apocalipse, reflete, no nosso imaginário, tanto
a ação dessa providência quanto seu progresso: a história
da salvação é uma história cheia de percalços, mas com
um começo, um meio e um fim bem determinados.
Essa doutrina conheceu uma progressiva secularização
com a chamada revolução científica do século XVII: asso-
ciou-se à providência divina tanto o fazer científico como o
funcionamento da natureza por ele revelado (e a conse-
quente aplicação tecnológica), que estariam voltados para
uma contínua expansão do conhecimento e da realização
do Reino de Deus na Terra. A partir do século XVIII come-
çou a surgir gradualmente outra derivação da mesma dou-
trina: a percepção de que todo conhecimento e todo enge-
nho conduziam a um inevitável progresso da humanidade.
De maneira um pouco independente, surgiu também,
a partir do final do século XVIII, uma nova concepção no
panorama das ideias: a da evolução. Ela foi fruto de um
intenso estudo das formações geológicas, dos fósseis e
das espécies vegetais e animais que fez recuar o tempo
geológico para um passado muito distante e que sugeriu
que as espécies haviam evoluído a partir de ancestrais co-
muns e mais simples. Hoje se sabe que, mais que uma
“evolução”, temos na verdade “mutações ao acaso”, ou
seja, não necessariamente vai-se do mais simples ao mais
complexo em termos de organismos, e nem sempre o mais
simples é também o “pior”. Mas, naquela época, as evi-
dências eram claramente evolucionistas. Associe-se a isso
a ideia de progresso e ver-se-á que durante todo o século
seguinte esta última ganhou uma base natural: a ideia de
que o progresso inevitável da humanidade nada mais seria

39

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 39 22/12/2011 23:38:58


eduardo rodrigues da cruz

do que uma extensão do progresso da natureza, e, de certa


forma, retomaria este último a partir do presente.
Tais ideias evolutivas foram objeto de muitas disputas,
tanto em termos científicos quanto religiosos, por falta de
uma boa teoria que as justificasse. Foi só a partir de 1859
que Charles Darwin (1809-1882) descreveu a evolução
das espécies pelo mecanismo de seleção natural, que sig-
nificou o surgimento gradual de uma teoria segura que
permitia resolver de modo satisfatório as principais dis-
putas, em especial se os processos naturais teriam ou não
uma finalidade. Na Inglaterra dos séculos anteriores,
uma disciplina chamada “teologia natural” foi muito po-
pular nos círculos científicos. Seu objetivo era descrever
como os intricados mecanismos da natureza refletiriam
um plano ou desígnio divinos. Assim, o pensamento da
época era eminentemente teleológico (do grego telos,
“fim”, “propósito”), indicando que a evolução possuía
uma finalidade intrínseca. O próprio Darwin começou
como um progressivista, mas foi aos poucos adotando
uma posição mais cautelosa sobre a vinculação entre sua
teoria e as ideologias de afirmação do homem ocidental
(para conhecer um pouco mais desta história, ver nas Su-
gestões Bibliográficas o livro de Michael Rose).

Entretanto, Darwin estava um pouco isolado no am-


biente da época: a maioria de seus contemporâneos as-
sumiu uma interpretação progressivista da evolução das
espécies. Ela foi usada como uma metáfora “desenvolvi-
mentista” da leitura e da condução das coisas humanas
(política, economia e cultura). Podemos citar o darwinis-
mo social de Herbert Spencer (1820-1903), a eugenia
de Galton (1822-1911), e o romantismo de Ernst Hae-
ckel (1834-1919). Este último desenvolveu o lado mais
especulativo do darwinismo, unindo ciência e religião

40

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 40 22/12/2011 23:38:58


a persistência dos deuses

em um monismo panteísta, fazendo da evolução uma


teoria de suporte para uma religião autêntica em que
questões como imortalidade da alma, liberdade humana
e Deus finalmente encontrariam uma resposta segura.
Assim como Feuerbach, ele entendeu estas três ques-
tões como advindas do humano, não do divino.
Foi sobre esse pano de fundo que os estudos mais
sistemáticos da religião surgiram na segunda metade do
século XIX. Eles vieram basicamente em duas vertentes:
a Ciência da Religião alemã (Religionswissenschaft), à
qual Max Muller (1823-1900) está associado como fun-
dador; e a mais conhecida, a Antropologia, com ilustres
representantes como Lewis H. Morgan (1818-1881),
Edward B. Tylor (1832-1917) e James G. Frazer (1854-
1941). Retomaremos estes desdobramentos no Capítu­-
lo 5. Cabe destacar, por ora, o viés evolucionista de mui-
tos desses novos estudos, antecipando um pouco da
discussão que virá em seguida.
Antes de prosseguir, mencionemos ainda uma outra
fonte da ideia de progresso, também trabalhada ao longo
do século XVIII: a “lei dos três estados”. Ela está associa-
da à ideia de que a humanidade teria passado, e deveria
necessariamente passar, por três estágios da consciên-
cia: o mítico-teológico, dos povos primitivos que criam
histórias para explicar o mundo; o metafísico, em que a
realidade da natureza seria explicada por dedução a par-
tir de primeiros princípios; e, por fim, o positivo, tornado
possível pelas ciências empíricas, que estabeleceriam
em definitivo o domínio do homem sobre sua consciên-
cia e sobre a natureza. Na verdade, o termo “positivo”
(de posto, dado) aparece já no século XIX, sob a inspira-
ção de Augusto Comte (1798-1857). Ele foi o fundador
do “positivismo”, movimento de múltiplas facetas, inclu-

41

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 41 22/12/2011 23:38:58


eduardo rodrigues da cruz

Arquivo FEU

Ludwig Feuerbach
Arquivo FEU

Spencer

42

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 42 22/12/2011 23:38:59


a persistência dos deuses

sive a religiosa, que foi muito influente no Brasil na pas-


sagem do século XIX ao XX. Foi Comte quem deu uma
forma final a esta “lei”, incentivando assim a gestação de
uma cultura científica.
Esse esquema estava presente na pesquisa e na obra
de muitos dos primeiros estudiosos da religião. É o caso,
por exemplo, de James Frazer, que redigiu ao longo dos
anos uma extensa coleção extremamente influente inti-
tulada O ramo de ouro. Esta obra é resultado de uma
vasta investigação comparativa da história do mito, da
religião e de outras “crenças exóticas”, com exemplos ti-
rados de todas as partes do mundo. Ele elaborou essa
história como uma variante da lei dos três estados: um
estágio “mágico” na evolução cultural é substituído por
um estágio religioso, que por fim dá lugar ao estágio
científico. Embora preocupado em fazer um levanta-
mento exaustivo dos mitos, ele considerava que a mágica
(ver o Capítulo 2) repousava sobre um entendimento
completamente errôneo da natureza – ao contrário da
ciência moderna. O que Frazer mais destacou na religião
foi que esta, ao contrário da mágica, não visa a manipu-
lar a natureza, mas sim suplicar os favores dos deuses.
O resultado prático de muitas dessas pesquisas foi
atribuir uma base empírica e racional à antiga ideia de
que as religiões monoteístas do livro – judaísmo, isla-
mismo e cristianismo, de maneira especial este último
– situavam-se no final de uma longa linhagem progres-
sivista de religiões, como a maneira civilizada de se vi-
ver religiosamente. Assim sendo, a verdade do cristia-
nismo passou a ser justificada não mais com base em
uma revelação e em milagres, mas pela base racional (o
“terceiro estágio”) do comportamento ético e civilizado
que é permitido por ela.

43

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 43 22/12/2011 23:38:59


eduardo rodrigues da cruz

Arquivo FEU

Galton Arquivo FEU

Haeckel

44

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 44 22/12/2011 23:38:59


a persistência dos deuses

É um entendimento basicamente normativo. Em pri-


meiro lugar, o cristianismo (ou algo associado a ele) é
visto como consequência inevitável do desenvolvimento
das religiões; assim, se estas quisessem ser aceitas pelo
Ocidente, deveriam se conformar ao primeiro. Em se-
gundo lugar, o próprio cristianismo deveria respeitar a lei
da evolução, livrando-se assim de sua carga primitiva de
rituais, crenças, superstições, imagens e, principalmen-
te, instituições de autoridade supostamente divina (o
clero e as igrejas).
Esse entendimento também era adequado ao pro-
cesso de expansão colonial que se acelerava na África e
no Oriente. Por suas associações intelectuais e históri-
cas, portanto, o evolucionismo marcou de maneira mui-
to forte a maneira como o Ocidente via a religião, sendo
questionado fortemente só a partir da Primeira Guerra
Mundial. Uma nova postura, então, ganha força, o con-
textualismo, que veremos no Capítulo 5. Primeiramen-
te, contudo, vamos retomar uma forma de explicar a re-
ligião que, na prática, a dissolve em elementos que
teriam uma importância maior.

45

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 45 22/12/2011 23:38:59


4 O ser alienado: os “mestres da suspeita” e a
possibilidade de um homem irreligioso

O mesmo movimento que deu impulso ao conceito de


evolução, associado também à expansão do cristianismo,
ironicamente suscitou, nos círculos ilustrados europeus,
a possibilidade da irreligiosidade (ausência de religião e
de sentimento religioso) em larga escala, e, como vimos
no capítulo anterior, uma justificativa teórica e empirica-
mente plausível para tal. Dentre os que deram tais justi-
ficativas, em termos originais e duradouros, estavam os
“mestres da suspeita” do fim do século XIX e início do
século XX: Marx, Nietzsche (1844-1900) e Freud.
Tal denominação ganhou popularidade com o filósofo
francês Paul Ricoeur (1913- ), e sua reflexão sobre o pro-
cesso contemporâneo de interpretação de textos e even-
tos. Trata-se de pensadores que não apenas estabelece-
ram uma crítica à religião, como também a viram como
uma doença, tanto do indivíduo como da humanidade.
Mais que supérflua, a religiosidade seria, assim, alta-
mente deletéria à autenticidade do humano. Retomemos
o pensamento de dois deles: Marx e Freud.

46

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 46 22/12/2011 23:38:59


a persistência dos deuses

Marx, como já vimos, retomou a ideia de projeção de


Feuerbach, só que invertendo-a: os referentes da reli-
gião ainda seriam apenas o espelho da interioridade hu-
mana, mas agora revelavam sua miséria econômico-so-
cial. Tendo lido os mestres ingleses da economia política,
e constatado de perto os subprodutos da ainda então
nascente Revolução Industrial, ele percebeu que a alie-
nação do homem não se dava principalmente em relação
aos produtos de sua consciência, mas mais propriamen-
te no nível da estrutura econômica da sociedade. A alie-
nação reflete a apropriação do produto dos esforços dos
trabalhadores (que Marx chamava de “proletariado”) pe-
los grupos que detêm os meios econômicos de produ-
ção: industriais, banqueiros e comerciantes. A alienação
da consciência seria decorrente dessa alienação estrutu-
ral e objetiva.
A religião entraria como consolo e bálsamo de uma si­
tua­ção da qual o proletariado não poderia sair. Essa supos­
ta impossibilidade é também reforçada pela ideologia:
má­ximas e argumentos da classe dominante que inver-
tem a realidade e apresentam a alienação econômica co­
mo algo natural e desejado por Deus. Como se tratava da
von­tade de Deus, nada mais restaria senão se conformar.
A imensa produção de Marx e sua postura de revolu-
cionário deixaram uma impressão duradoura em todos
que mostram indignação ética com o destino das classes
subalternas, principalmente nos países capitalistas emer-
gentes. Movimentos sociais como o MST brasileiro as-
sumem essas ideias como norteadoras de suas ativida-
des, e, curiosamente, alguns setores de igrejas cristãs são
os que mais os incentivam. Esta é uma prova da ambiva-
lência de todo processo religioso: ao mesmo tempo que
expressa a alienação humana – e é justamente denuncia-

47

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 47 22/12/2011 23:38:59


eduardo rodrigues da cruz

do por isso – também apresenta motivos de fundo e


energia para sua superação.
Se acompanharmos a lei dos três estados, tal supera-
ção é inconcebível, e, se ocorresse, seria só aparência.
Em termos de um pensamento “de esquerda”, a volta ao
religioso ou seria ingênua ou mascararia interesses do
sistema capitalista. Lembrando, entretanto, que a ciên-
cia marxista estava também calcada na dialética hegelia-
na, pode-se supor que a religião acompanhe a superação
do estado de coisas que primeiramente a causou. Basta
não interromper a dialética em algum momento ou situa­
ção historicamente determinados – mas aí entramos no
terreno das hipóteses.
O segundo personagem que merece destaque em
nossa história é Sigmund Freud. Dispensa apresenta-
ções, dada a disseminação da psicanálise (por ele funda-
da) pelo mundo afora. Menos conhecida é sua postura
em relação à religião. À semelhança de Marx, ele perce-
be que ela “esconde” alguma coisa da psique humana.
Ocorre também aí uma alienação da consciência, subor-
dinada a algo mais profundo. À semelhança de Marx e
de Feuerbach, a religião apresenta-se como um espelho
no qual se reflete algo do homem, reinterpretado como
algo relacionado aos deuses. Para Freud, o que é refleti-
do é o inconsciente humano, ainda alienado e depen-
dente de figuras paternas.
Não se trataria apenas de uma patologia individual
(ainda que ele tivesse partido delas), mas de algo que
afetava a humanidade como um todo. De fato, a religião
é uma constante ao longo da história, uma marca das
culturas – inclusive a ocidental – que merece uma expli-
cação mais global. Freud debruçou-se sobre dois compo-
nentes da religião: as crenças e os cultos (rituais).

48

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 48 22/12/2011 23:38:59


a persistência dos deuses

Marx

Arquivo FEU

Arquivo FEU

Freud

49

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 49 22/12/2011 23:38:59


eduardo rodrigues da cruz

No primeiro caso, Freud produziu uma extensa obra


que aborda sobretudo o judaísmo e o cristianismo. No-
tando o aspecto sacrificial dessas religiões, ligado a refei-
ções (com os deuses como alimento principal) que auxi-
liariam a manter o grupo unido, Freud adotou a hipótese
da horda primitiva. Influenciado por antropólogos seus
contemporâneos (inclusive Frazer, já mencionado), ele
levantou a hipótese de que em tempos imemoriais, em
uma horda primitiva de humanos, os filhos de um pai
poderoso desejaram seu poder e sua posição de destaque,
vindo por fim a assassiná-lo e a se alimentar dele, buscan-
do com isso adquirir sua força. Paradoxalmente, os filhos
expiaram a culpa cultuando o pai, atribuindo-lhe um sta-
tus divino, e rememorando o assassinato por meio de re-
feições cerimoniais nas quais o alimento seria o próprio
Deus. Tendo consciência do processo, o homem poderia
livrar-se da culpa e dispensar esse aspecto da religião.
Sobre o segundo caso, ele teve intuições geniais. Re-
portando-se às suas experiências clínicas (corroboradas,
aliás, pela etimologia da religião enquanto observação
escrupulosa de gestos em rituais), Freud concluiu que a
religião apresenta-se como uma forma de neurose obses-
siva universal: uma re-construção (alienada) da realida-
de, expressa também em gestos repetitivos, que pode ser
encontrada em todas as épocas e culturas. Em uma obra
influente, O futuro de uma ilusão, ele argumenta que a
religião não é propriamente um erro, passível de corre-
ção dentro da mesma forma de raciocínio, e sim uma
ilusão: é fruto de um delírio da psique, que projeta na
realidade fantasmas de seus próprios recalques. Para
que esse tipo de delírio se tornasse aceitável no nível da
consciência, portanto, seria preciso executar gestos re-
petitivos (rituais obsessivos). Uma educação científica

50

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 50 22/12/2011 23:38:59


a persistência dos deuses

permitiria desmascarar a ilusão e aceitar a realidade,


possibilitando a superação da neurose.
A explicação freudiana, evidentemente, é muito mais
sutil, erudita e detalhada do que esta apresentação pode
sugerir, mas sua contribuição original já pode ser vislum-
brada: seja por meio de crenças ou de rituais, a religião
expressa o recalque de elementos da consciência que
são empurrados para o nosso inconsciente. O processo
nunca é unilateral, manifestando-se por meio de sinto-
mas que assumem formas religiosas, indicações de um
desejo que não pode ser saciado. Como curar tais sinto-
mas? Revelando (pela expansão do conhecimento cientí-
fico, por exemplo) o conteúdo do inconsciente ao ho-
mem, permitindo que ele viva assumindo sua realidade e
seu destino na primeira pessoa.
Ao fornecer uma explicação plausível e natural para a
origem da religião, Freud deu uma grande contribuição à
maneira como as pessoas a encaravam. Quem quer que
tivesse alguma suspeita dela, poderia adotar agora uma
justificativa racional para sua recusa. Mas, ao falar dos
elementos primitivos da religião e de sua superação, não
seria esta uma forma de evolucionismo? Nem tanto:
Freud não entendia o cristianismo como o ápice de uma
longa trajetória em direção ao mundo civilizado, e via
este último com grande suspeita. Dando eco a um tema
muito difundido em meados do século XX, Freud tam-
bém apontava para o “mal-estar da civilização” (título de
um de seus livros). Como veremos no capítulo seguinte,
ao longo do século XX esse viés pessimista conviveu com
uma apreciação positiva de outra culturas, permitindo a
ascensão do relativismo como visão de mundo.
A visão de Freud também teve um impacto profundo
na maneira como os grupos mais intelectualizados inter-

51

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 51 22/12/2011 23:38:59


eduardo rodrigues da cruz

pretavam a religião. Viu-se, no interior da psicanálise,


tanto uma radicalização da crítica freudiana – como em
Wilhelm Reich (1897-1957) – como uma visão mais fa-
vorável do religioso – por exemplo, em Erich Fromm
(1900-1980) –, ou mesmo uma forma de sublimação dele
(ver René Girard, citado no Capítulo 2). Associações com
o marxismo (como por exemplo em Herbert Marcuse
[1898-1979]) possibilitaram, por sua vez, uma dupla crí-
tica de aspectos da alienação humana como a religião.
Como uma reação à psicanálise, mas ainda dentro de
uma análise sistemática do inconsciente, temos que
destacar a figura de Carl G. Jung, já mencionada ante-
riormente. Ele abordou o religioso de uma forma comple-
tamente diferente, destacando seu papel no desenvolvi-
mento dos símbolos nas culturas e na formação do
inconsciente coletivo dos grupos humanos. Tradições re-
ligiosas, e mesmo os dogmas e símbolos do catolicismo,
revelam, segundo o autor, profundas verdades do psiquis-
mo humano. Seja por interiorizar a divindade, seja pelo
viés algo esotérico de suas obras da maturidade, a figura
de Jung recebe hoje grande atenção, principalmente no
seio dos Novos Movimentos Religiosos (Capítulo 1).
Em suma, nos últimos 150 anos foi-se muito além da
crítica das superstições e dos estabelecimentos eclesiais.
O que esteve em jogo, em parte com a contribuição dos
“mestres da suspeita”, foi a própria validade da religião
como elemento formador do humano. Explicada sua ori-
gem e posta sob suspeita sua função, sua verdade e seu
sentido ficam mais ligados à ilusão, às fantasias e aos
falsos confortos, a serem substituídos pela verdade e
pelo sentido de outras atividades humanas como a arte,
a ética autônoma e a ciência. Mesmo que, como vere-
mos no Capítulo 6, a religião tenha seu papel na cultura,

52

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 52 22/12/2011 23:38:59


a persistência dos deuses

não faltam hoje intelectuais que a rejeitam como respos-


ta aos males contemporâneos, enfatizando, pelo contrá-
rio, os caminhos éticos ou estéticos.
Como vimos no final, nem tudo foi suspeita. Além das
menções a alguns pós-marxistas e pós-freudianos, des­-
ta­quemos um outro movimento. Paralelamente (e, de mo­
do paradoxal, às vezes simultaneamente) ao evolu­ cio­
-
­nis­mo e às teorias de suspeita, outras interpretações da
re­­li­gião enfatizaram sua função, sobretudo em termos
psi­­­­cos­sociais. Dando continuidade ao que já indica­mos
no Capítulo 2, exporemos no próximo capítulo algumas
das outras interpretações que evitam um julgamento de
va­lor e que veem a religião como forma de explicação do
mundo e como mantenedora da ordem social.

53

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 53 22/12/2011 23:38:59


5 O homem e seu contexto cultural:
a pluralidade religiosa destacada pelo
espírito do século XX

Com o colapso da cristandade enquanto sustentáculo da


sociedade e portadora da verdade religiosa, o caminho
estava aberto para outros tipos de atitude e pensamento:
o que chamamos de “contextualismo”, e, de modo mais
negativo, de “relativismo”. Procuramos fornecer a seguir
alguns dados históricos e algumas ideias básicas sobre
essa corrente.
Afinal de contas, mesmo admitindo-se que a religião
possa servir de consolo para os indivíduos e justificar as
estruturas, é possível ver o outro lado da moeda. Fugin-
do de situações ideais futuras e de visões utópicas do
humano, pode-se entender a função da religião como
basicamente positiva: os grupos sociais precisam da re-
ligião como esteio do equilíbrio psíquico, como justi­
ficativa e força aglutinadora para uma unidade constan­
temente ameaçada por conflitos de interesse, tanto
internos quanto externos. As disciplinas da Ciência da
Re­ligião e da Antropologia foram grandemente auxilia-
das por esses pressupostos.

54

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 54 22/12/2011 23:39:00


a persistência dos deuses

Estas duas ciências, conforme vimos no Capítulo 2,


beneficiaram-se das navegações e da expansão colonial
europeia. Todo o esforço medieval de fortalecer e ex-
pandir a cristandade, visto no capítulo anterior, possibi-
litou, ironicamente, o conhecimento de novas religiões
ou um outro olhar sobre religiões já conhecidas. O ter-
mo “cultura” também passou mais e mais a ser entendi-
do no plural: “culturas”. O questionamento da religião
cristã, por outro lado, foi pouco a pouco dando margem
à percepção da cultura ocidental como relativa, etno-
cêntrica, circunscrita no tempo e no espaço, cada vez
mais difícil de ser considerada superior às outras. Na
esteira da expansão colonial, o próprio contato que os
exploradores e cientistas europeus tiveram com diferen-
tes povos e culturas contribuiu para desenvolver essa
perspectiva relativista.
Foi a Ciência da Religião (também chamada de Histó-
ria das Religiões) que, a partir da segunda metade do sé-
culo XIX, desenvolveu um esforço comparativo e a busca
de mecanismos comuns entre as religiões. Uma ciência
mais descritiva e classificatória, elaborada nos gabinetes
das universidades europeias e debruçada sobre os textos
das grandes religiões, passou gradualmente a depender de
trabalhos de campo mais sistemáticos. É aí que entra a
Antropologia. Ainda que não se preocupasse prima­
riamente com a religião, ela percebeu – por meio de um
minucioso trabalho entre os membros de tribos exóticas
– que a religião era um elemento essencial para a com­
preensão das culturas. Foi o esforço do antropólogo Franz
Boas (1858-1942), de origem alemã e posteriormente ra-
dicado nos Estados Unidos, que mais contribuiu para o
estudo das culturas em sua pluralidade. Ele foi influencia-
do tanto por um respeitoso contato com diferentes grupos

55

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 55 22/12/2011 23:39:00


eduardo rodrigues da cruz

(evitando dar a eles o rótulo de “primitivos”) como por um


senso de igualdade entre indivíduos e povos, questionan-
do o conceito de raça, que daria tanta dor de cabeça na
primeira metade do século XX. Pelo estudo das culturas,
ele pôde contestar a noção de que alguns grupos étnicos
fossem, por natureza, inferiores a outros, ou seja, qual-
quer cultura que sobrevivesse ao teste do tempo poderia
proporcionar iguais chances de realização humana.
Portanto, no contexto da disciplina chamada de An-
tropologia Cultural, as religiões estão indissociavelmen-
te ligadas a seus respectivos contextos. Nasce daí uma
definição que se tornou clássica, expressa nos anos 60
do século XX por um antropólogo da linha de Boas, Clif­
ford Geertz (1926-): “Uma religião é (1) um sistema de
símbolos que atua para (2) estabelecer poderosas, pene-
trantes e duradouras disposições e motivações nos ho-
mens por meio da (3) formulação de conceitos de uma
ordem de existência geral e (4) vestindo essas concep-
ções com tal aura de factualidade que (5) as disposições
parecem singularmente realistas”.4
Muitos assumem-na hoje como sendo a definição de
religião (mesmo que outros a critiquem), sendo que ain-
da facilitaria os ideais modernos de tolerância e diálogo
entre as religiões hoje existentes. Nela estão contempla-
das algumas características básicas das religiões, confor-
me mencionamos no Capítulo 2: símbolos, valores e nor-
mas, crenças e divindades, subentendendo-se aí mitos e
rituais. Acaba sendo uma perspectiva sobre o tema “reli-
gião” que fornece elementos à visão dominante no Oci-
dente – nos meios de comunicação, na escola, e mesmo
na educação familiar.

4 GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989. p. 104-5.

56

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 56 22/12/2011 23:39:00


a persistência dos deuses

Com menos impacto no público em geral, mas igual-


mente importantes em termos acadêmicos, os desenvol-
vimentos da Ciência da Religião no século XX também
merecem ser mencionados. Influenciados pelos esforços
de delimitar a esfera das ciências humanas diante das
ciências naturais no mundo germânico, figuras como
Rudolph Otto (1869-1937) e Mircea Eliade (1907-1986)
procuraram encontrar uma essência da religião por meio
de temas básicos que podem ser encontrados por seu
estudo comparado. Ela é entendida pelo indivíduo e por
grupos situados no tempo e no espaço como experiência
do sagrado. Vinculada a um esforço de promover um
novo humanismo em um mundo pós-cristão, essa abor-
dagem, que se diferenciou bastante daquela da Antropo-
logia, celebra à sua maneira a diversidade religiosa no
mundo contemporâneo. Seu grande problema, denun-
ciado no final do século XX, é tornar a Ciência da Reli-
gião algo imune às ciências empíricas, que abordam a
temática de maneira mais objetiva.
Em suma, entender as religiões como sistemas cultu-
rais permite relacioná-las com o contexto na qual são
Arquivo FEU

O Parlamento Mundial das Religiões (Chicago, 1893) marca


simbolicamente o diálogo inter-religioso, para o qual tanto
a ciência da religião quanto a antropologia muito
contribuíram.

57

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 57 22/12/2011 23:39:00


eduardo rodrigues da cruz

formuladas, e compará-las umas às outras sem que se


estabeleçam julgamentos. As questões da função, do
sentido e da verdade da religião são contempladas. Indo
além das religiões ditas primitivas, pode-se entender me-
lhor, por exemplo, o universo religioso brasileiro em sua
pluralidade e funcionalidade. Também podem ser esta-
belecidos paralelos com abordagens sociológicas aplica-
das à religião, como as de Émile Durkheim (1858-1917)
e Max Weber (1864-1920), o primeiro estando também
vinculado à história da Antropologia. Em todos esses ca-
sos, as estruturas sociais são explicadas em seus próprios
termos, sem referência a entidades ou princípios trans-
cendentes (com exceção, talvez, do Sagrado, na medida
em que este possa ser tomado como um substituto gené-
rico de Deus), e sem necessariamente reduzi-las a pa-
drões psicobiológicos universais.
Contudo, três questões continuam em aberto. Primei-
ra: uma mesma religião, mantendo-se inalterado seu con-
texto cultural, apresenta sempre e simultaneamente seu
valor e contravalor. Por exemplo, uma determinada reli-
gião opera pouco no nível da ética, enfatizando mais a
solução mágica das aflições dos fiéis; por outro lado, estes
se nutrem das crenças e prédicas dessa religião para me-
lhor enfrentar suas adversidades. Como explicar essa am-
bivalência em um ambiente funcionalista? Segunda: não
se pode admitir um relativismo completo em termos de
religião, como se todas estivessem fadadas a subsistir in-
definidamente (ou, no caso do Ocidente, a ser continua-
mente substituídas) ou tivessem igual validade em ter-
mos de função, sentido e verdade. Seria ainda possível
falar-se de verdade em termos de religião (em termos, por
exemplo, de deuses verdadeiros ou falsos)? Em caso po-
sitivo, com quais critérios? Terceira: a religião torna-se

58

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 58 22/12/2011 23:39:00


a persistência dos deuses

uma questão de escolha e de preferência, havendo a pos-


sibilidade de não se ter religião? Ou ela se encontra de tal
forma ligada à natureza humana que estaria mais “nos
genes” do que na vontade e na deliberação conscientes?
Estas perguntas são de fundamental interesse. O
possível relativismo associa-se a outro traço da moderni-
dade, a separação entre o público e o privado – a religião
é reduzida à fé, algo intrinsecamente ligado à consciên-
cia do indivíduo. Os poderes constituídos não podem
interferir nas escolhas que as pessoas fazem quanto a
suas crenças, mas, em compensação, as pessoas (mesmo
quando constituídas em grupos organizados como as
igrejas) não podem impor suas crenças à Nação, legiti-
mamente representada pelo Estado. Este apresenta-se
como mantenedor da ordem pública, como uma entida-
de que funciona de acordo com regras próprias, sem
nenhuma sanção (ou falta de) sacra. Sendo a única ins-
tância de poder comum a todos, suas leis são universal-
mente obedecidas. Quanto à religião, de foro íntimo,
qualquer um pode crer o que quiser. Mesmo com os be-
nefícios trazidos por esta separação, surgem novas per-
guntas: vale a pena educar as crianças e os jovens em
termos religiosos? E o que solicitar da escola? Assumin-
do-se que a separação Igreja-Estado seja legítima, assim
como também a liberdade de consciência, pode-se ad-
mitir o ensino religioso na escola pública? E como fica a
religião na política?
Nos Estados Unidos, como podemos ver pelos jornais,
televisão e internet, tais questões são motivo de muitas
disputas e divisões, de paixões e ausência de racionalida-
de. Mas também no caso brasileiro, com toda a tradição
de tolerância e de “jeitinho”, essas questões também são
espinhosas. Por trás dos números do censo, há muitas

59

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 59 22/12/2011 23:39:00


eduardo rodrigues da cruz

paixões e lealdades como, por exemplo, na cruzada de


algumas igrejas contra a umbanda e o consequente esva-
ziamento dos centros dessa religião. Veja-se também o
caso do estado do Rio de Janeiro, envolvido recentemen-
te em controvérsias relacionadas com o favorecimento de
algumas igrejas na máquina estatal, e a imposição de pro-
fissões de fé aos professores da rede pública.
Talvez uma abordagem culturalista (privilegiada, por
exemplo, na análise científico-social dos dados do censo)
seja insuficiente para dar conta destas questões. Talvez
ela apenas estimule em nós uma atitude de distancia-
mento (por exemplo, com a substituição da religião por
uma ética secular), como se fôssemos um grupo de adul-
tos que observa um grande número de crianças brincan-
do muito a sério com suas religiões, e que intervém aqui
e ali para evitar excessos. E o que fazer diante da consta-
tação de que a esmagadora maioria dos brasileiros invoca
Deus em momentos de angústia ou gratidão? Estarão
eles recorrendo apenas ao vazio, evocando suas forças do
inconsciente ou ainda respondendo às forças do acaso?
Curiosamente, progressos recentes ocorridos nas
ciên­cias biológicas e cognitivas parecem sugerir respos-
tas complementares e básicas para algumas dessas ques-
tões que tanto nos mobilizam. Sem nem de longe ter a
pretensão de esgotar o assunto, vamos dar conta, no ca-
pítulo seguinte, de alguns desses progressos. Procurare-
mos mostrar como a história comparada das religiões e
sua análise antropossociológica podem ser ampliadas
por tais progressos, dando margem a uma Ciência da Re-
ligião mais bem estabelecida.

60

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 60 22/12/2011 23:39:00


6 Promessas darwinianas:
por que os deuses persistem?

Desencontros da biologia

A pergunta “Por que os deuses persistem?” vem do títu-


lo de um livro recente (ver a referência a Robert Hinde
nas Sugestões de Leitura) que representa uma vigorosa
tendência na fronteira entre as ciências sociais e bioló-
gicas. Essa tendência privilegia a abordagem darwinia-
na das ciências humanas, entre elas a Psicologia e as
ciências sociais.
Precisamos voltar um pouco no tempo. Como vimos
no Capítulo 3, o século XIX foi marcado por uma men-
talidade evolucionista e progressivista entre os grupos
ilustrados europeus, com claros reflexos em grupos cor-
respondentes aqui no Brasil. Como vimos também, essa
mentalidade ganhou um novo impulso e uma nova dire-
ção depois que Darwin publicou, em 1859, A origem das
espécies, onde propunha mecanismos cientificamente
tratáveis do processo de evolução (esta história é conta-
da com mais detalhes no livro de Michael Rose indica-

61

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 61 22/12/2011 23:39:00


eduardo rodrigues da cruz

do nas Sugestões de leitura). Ainda que o próprio Dar­


win não insistisse em um progresso inexorável na
evolução, o mesmo não se pode dizer de muitos de seus
contemporâneos. Herbert Spencer, por exemplo, em-
prestou da obra de Darwin a expressão “sobrevivência
dos mais aptos”, aplicando-a à leitura dos processos so-
ciais, os quais passavam a ser vistos como uma batalha
sem fim entre indivíduos e grupos que levava a um con-
tínuo aperfeiçoamento destes. Os paralelos com os
princípios do capitalismo não são casuais: de fato, a se-
leção natural de Darwin parece operar da mesma ma-
neira que a competição entre os agentes econômicos
nas sociedades capitalistas. Mas o “darwinismo social”
de Spencer foi além da esfera econômica, pois lidou
também com a cultura, a ética e os traços de liderança
dos homens. Apesar de extremamente influente desde
então, seus críticos não só apontaram o caráter antiético
e determinista de suas concepções como também sua
leitura incorreta de Darwin.
Outra leitura incorreta foi inaugurada com Francis
Galton (já mencionado no Capítulo 3) – ironicamente,
primo de Darwin –, que procurava aplicar princípios
darwinistas ao aperfeiçoamento de nossa espécie. Do
mesmo modo que Darwin, ele teve como referência os
processos de seleção artificial há muito desenvolvidos por
criadores de animais. Distanciou-se deste último, toda-
via, na medida que se propôs desenvolver uma ciên­cia da
seleção artificial do humano, com o tempo denominada
“eugenia” (1883). Esses desenvolvimentos foram acom-
panhados com muito interesse por pesquisadores de todo
o mundo, especialmente dos Estados Unidos. Como se
pode imaginar, tal ciência foi rapidamente aplicada nas
políticas públicas, com resultados duvidosos. Uma parte

62

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 62 22/12/2011 23:39:00


a persistência dos deuses

dessa história foi narrada, de maneira pungente, pelo fa-


moso biólogo norte-americano Stephen Jay Gould (1941-
2002) em A falsa medida do homem. Mas uma das conse-
quências mais graves e distorcidas do movimento eu­gênico
foi, como se sabe, o significado atribuído a ele pelo nazis-
mo de que certas raças seriam “superiores” a outras, com
a consequente política de “limpeza étnica”.
Por causa destes e de outros acontecimentos, a euge-
nia caiu em desuso, causando repulsa à mentalidade
contemporânea. Não é de surpreender que se tenha evi-
tado aplicar a biologia às ciências humanas, e que estas
tenham se desenvolvido separadamente na maior parte
do século XX. Um exemplo clássico é o do behaviorismo,
dominante na Psicologia em meados do século XX, para
o qual o que acontece nos genes ou na mente do indiví-
duo não é importante. Como consequência, o estudo da
religião também escapou ao âmbito das ciências natu-
rais, tendo a Antropologia e a Sociologia estabelecido for­
tes paradigmas independentes de interpretação. Mas a
história das ciências biológicas é mais rica do que isso.
De fato, ainda na infância da teoria da seleção natu-
ral, a genética começava a se desenvolver baseada tam-
bém em processos de seleção artificial. O monge húnga-
ro Gyorg Mendel (1822-1884) apresentou seus primeiros
resultados em 1865, embora essa ciência só viesse a ga-
nhar impulso no início do século XX. Foi a partir dos
anos 30 desse século, entretanto, que se conseguiu inte-
grar teoricamente a genética no processo de seleção na-
tural como sugerido por Darwin.5 Essa integração deu

5 Cientistas brasileiros, diga-se de passagem, contribuíram muito com esse esforço


experimental e teórico. A partir dos anos 40, pesquisadores como Maurício Rocha e
Silva, Newton Freire-Maia, Crodowaldo Pavan, e tantos outros, ganharam reconhe-
cimento internacional por seus trabalhos.

63

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 63 22/12/2011 23:39:00


eduardo rodrigues da cruz

um grande impulso tanto para o estudo da evolução das


espécies como para o próprio estudo dos genes. Mas as
ciências humanas ainda permaneciam alheias a esses
acontecimentos.
A partir da década de 1960, trabalhos teóricos mais
consistentes abriram a possibilidade de uma análise
darwiniana do comportamento dos animais e do ho-
mem. Essas aplicações ganharam as páginas dos jornais
com a publicação, em 1975, do livro Sociobiology [So-
ciobiologia] de Edward O. Wilson (1929- ). Ainda que
trabalhasse nesse texto sobretudo com insetos, no últi-
mo capítulo ele já apontava para a possibilidade de es-
tudar da mesma maneira o comportamento social do
homem. De fato, em 1978 ele publicou o livro Da na-
tureza humana, que aumentou ainda mais a controvér-
sia sobre a possibilidade de reduzir as ciências do ho-
mem às ciências naturais.6
Podem-se destacar dois pontos controvertidos: o
caráter cego, determinista e não progressivo da evolu-
ção – como compatibilizar isto com a liberdade huma-
na? Segundo, quais são as possíveis (más) aplicações
deste conhecimento no que diz respeito às políticas
públicas? Era a discussão em torno da eugenia que
surgia novamente. Não é o caso de resumir aqui essa
discussão, que continua até hoje (o debate sobre a clo-
nagem é talvez sua expressão mais visível), mas uma
coisa deve ser ressaltada: as bases científicas desta
nova ciência são muito mais seguras que no começo do
século XX.

6 Para um resumo das principais discussões desse período, ver o livro de Michael
Ruse, O mistério de todos os mistérios (Vila Nova de Famalicão, PT: Quasi Edições,
2002), que traz detalhes ricos sobre cada um dos grandes cientistas envolvidos.

64

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 64 22/12/2011 23:39:00


a persistência dos deuses

Mendel

Arquivo FEU

Arquivo FEU

darwin

65

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 65 22/12/2011 23:39:00


eduardo rodrigues da cruz

Da abordagem darwiniana da religião

Esta ciência tem vários ramos, uns mais tradicionais,como


a Paleontologia, a Genética e a Neurologia, outros no-
vos, como a Psicologia Evolutiva. Em comum, trabalham
com o mesmo paradigma, o darwiniano. Já faz algumas
décadas, portanto, que se escrevem várias histórias natu-
rais de comportamentos humanos (inclusive do estu-
pro!), retomando-se uma tradição em voga no século
XVIII. Se atualmente se está ressuscitando a eugenia ou
o spencerianismo, não sabemos. Mais importante é en-
tender como essas novas ciências influenciam a com­
preensão contemporânea da religião.
Como nada do que é humano ficou imune ao enfoque
darwiniano (ver o livro de Rose nas Sugestões de Leitura),
mais cedo ou mais tarde o estudo da religião seria influen-
ciado por essa abordagem evolutiva. Todos os dados levan-
tados pelos antropólogos e por outros -ólogos (incluindo os
teó-!) permanecem, assim como sua principais intuições,
mas uma nova história natural da religião (no singular,
como veremos adiante) está surgindo e permitindo, ape-
sar das críticas, uma compreensão que se aproxima mais
da experiência vivida pelo comum dos fiéis.
O estudo da religião em um estrato mais profundo
que sua visibilidade social permite uma melhor compreen­
são não só de sua origem e função como também de seu
sentido e verdade. São três as principais veredas que têm
sido trilhadas: os estudos arqueológicos, que buscam en-
tender como o homo sapiens surgiu e se distanciou dos
outros hominídeos, desenvolvendo o cérebro até ser ca-
paz de um pensamento linguístico e simbólico, o que
permitiu o surgimento de aspectos religiosos no compor-
tamento humano; no âmbito da Psicologia Cognitiva, a

66

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 66 22/12/2011 23:39:00


a persistência dos deuses

Arquivo FEU

Esqueleto de homem sepultado em Sungir, Rússia, com


aproximadamente 28.000 anos, portando um elaborado
colar de contas que pode indicar um cerimonial de fundo
religioso.

67

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 67 22/12/2011 23:39:00


eduardo rodrigues da cruz

pesquisa ao longo de uma linha temporal é complemen-


tada por estudos do desenvolvimento humano e das neu-
rociências, e pela investigação de diferentes grupos hu-
manos contemporâneos e seus comportamentos; e, na
esfera da Sociobiologia, pelo estudo da relação entre al-
truísmo recíproco e atitudes religiosas, selecionadas em
nível genético. Registram-se, em todos os casos, as cren-
ças e comportamentos que sobreviveram ao processo de
seleção natural, e que, portanto, possuem algum valor
evolutivo de manutenção da espécie humana (para a re-
lação entre essas ciências, ver o livro de Robert Wright
nas Sugestões de Leitura).
Ironicamente, parece pouco provável que as aborda-
gens darwinianas sejam capazes de dar uma explicação
(que deixe alguma coisa de pé!) sobre deuses e crenças.
Entre os “mestres da suspeita” contemporâneos, pode-
mos citar dois famosos pesquisadores e divulgadores da
ciência, Richard Dawkins (1941- ) e Daniel Dennett
(1942- ). Este último apresenta, em A perigosa ideia de
Darwin (ver Sugestões de Leitura), de maneira detalhada
e persuasiva, como uma abordagem darwiniana pode
destruir a ideia de um Deus criador e providente ou ou-
tras crenças religiosas, substituindo-as por mecanismos
naturais que usam simples algoritmos como causa de
toda a complexidade que nos cerca, incluindo os mais
elevados valores que defendemos.
Mas isso não esgota o que esse paradigma tem para
nos oferecer. O recurso aos mesmos mecanismos – afas-
tando-se de pré-julgamentos que levam a tais suspeitas
(as crenças como registros falsos e ilusórios da alienação
humana) – pode levar a um melhor entendimento das
ideias e atitudes religiosas, sem que estas sejam necessa-
riamente substituídas pela explicação científica. Como

68

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 68 22/12/2011 23:39:00


a persistência dos deuses

pergunta um cientista contemporâneo que trabalha na


linha da psicologia cognitiva: “Por que as pessoas mantêm
tais pensamentos? O que as leva a fazer – e permite que
façam – tais coisas? Por que suas crenças são tão diversi-
ficadas? Por que elas se agarram tão firmemente a tais
crenças? Como poderíamos explicar um fenômeno (reli-
gião) que é tão variável em termos de algo (o cérebro) que
é o mesmo em todo lugar?” (ver Sugestões de Leitura: Pas-
cal Boyer, p. 3-4). A resposta está em que o cérebro não é
uma tabula rasa, uma página em branco, mas um aparato
pré-disposto pelo nosso processo evolutivo que absorve
certos traços culturais e não outros. Nesse sentido, as
crenças mais sérias das pessoas não são arbitrárias, por
mais diversas que sejam. Elas são verdadeiras, não no
sentido de que “verdade cada um tem a sua”, como se
fosse o caso da escolha de um item em um supermerca-
do, mas porque elas seguem padrões mentais há muito
selecionados pelas necessidades e contingências de nosso
processo evolutivo enquanto espécie – tais crenças são,
de algum modo, compatíveis com a realidade.
Essas mesmas perguntas indicam também que, ape-
sar de essas diversas abordagens adotarem o mesmo pa-
radigma (darwiniano), elas podem defender pontos de
vista conflitantes com base nos dados obtidos. É o caso
da Sociobiologia e da Psicologia Cognitiva. Enquanto
para a primeira a preocupação central é descobrir que
comportamentos básicos têm valor adaptativo, para a
segunda a religião claramente não tem tal valor (no sen-
tido de adaptação genética), ainda que em última ins-
tância possibilite a sobrevivência do homem, associada
que está a sua mente. O que se enfatiza é que a religião
não é um único traço cuja história evolutiva pode ser
identificada, mas é mais bem descrita como uma asso-

69

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 69 22/12/2011 23:39:00


eduardo rodrigues da cruz

ciação de diferentes sistemas cognitivos, adaptativos ou


exaptativos que podem passar a ter funções diferentes
das originais em razão da fluidez cognitiva humana e de
sua flexibilidade cultural. O fato de haver conflitos en-
tre diferentes disciplinas não é em si um obstáculo; ao
contrário, é sinal de uma boa ciência, que reconhece
seus limites e possibilidades. Examinamos mais deta-
lhadamente, a seguir, a segunda abordagem.
Quatro aspectos importantes da religião podem ser
associados a esses desenvolvimentos. Primeiro, que a
ênfase de nosso entendimento passa de “religiões” e
“culturas” para “religião” e “natureza”.7 Como diz Robert
Hinde: “A observância religiosa resulta de características
psicológicas panculturais, características que, no con-
texto das sociedades humanas, têm moldado os mais di-
versos sistemas religiosos”. (Ver Hinde, p. 1, Sugestões
de Leitura). Assim sendo, para melhor compreender as

religiões que nos cercam, é instrutivo que comecemos


de algo ainda meio indefinido (na medida em que defini-
ções anteriores, inclusive a de Geertz, apresentavam fal-
sas certezas) chamado “religião”, que precede a consciên­
cia que possamos ter dela. A partir desse entendimento,
enriquecido pelos estudos de campo dos antropólogos,
pode-se então estudar um conjunto de comportamentos
que de alguma forma está intrinsecamente ligado à men-
te/cérebro que herdamos. Uma definição mais provável
que resulta daí seria a seguinte:

Em termos gerais, a religião é (1) um compromisso comunitário


custoso e difícil de disfarçar (2) com um mundo contrafactual e

7 Isto não quer dizer que a religião “está nos genes”. Conforme indicado no parágrafo
anterior, o que isto significa é que a religião passa a ser estudada a partir do passado
evolutivo de nossa espécie e da mente plástica que daí resultou.

70

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 70 22/12/2011 23:39:00


a persistência dos deuses

contraintuitivo de agentes (3) que lidam com as angústias existen-


ciais das pessoas, como a morte e a dissimulação”. (ver Scott Atran,
p. 4, Sugestões de Leitura.).

Deste entendimento decorre um problema, até aqui


não tratado na moderna compreensão das religiões: o
que significa dizer que “entidades religiosas (como Deus)
existem?” Este tipo de pergunta começa a ser respondi-
do agora. Simplificando um pouco, é comum na Antro-
pologia Cultural uma postura local, antiessencialista:
“Os deuses existem para o grupo que os sustém”. Com
esta afirmação, não se vai muito além da subjetividade
desses grupos, existindo um abismo entre as afirmações
tradicionais sobre Deus e o que as ciências empíricas
podem aferir delas. Esses novos estudos apontam para a
estranha e universal característica da mente humana de
pensar em termos de divindades sobrenaturais que fe-
rem o senso comum, tão cheias de atributos que estabe-
lecem pontos de semelhança e de diferença com o
“mundo dos homens”. Com isso, ainda que não se che-
gue ao Deus dos teólogos, a existência deles torna-se um
aspecto, por assim dizer, necessário da mente humana.
As ideias de projeção, como Feuerbach as indicou, res-
surgem aqui de forma inusitada.
Terceiro, a verdade da religião não tem a ver com sua
“bondade” (ou “perversidade”) de fundo. Por mais que o
senso comum das pessoas religiosas indique que a reli-
gião está ligada ao amor ao próximo e a outras atitudes
adequadas, para que a compreendamos de modo mais
profundo é necessário não ter uma abordagem moral. O
propósito (na medida em que se possa falar disso no
paradigma darwiniano) da religião não é tornar as pes­
soas boas (ainda que isso não esteja excluído), e sim

71

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 71 22/12/2011 23:39:01


eduardo rodrigues da cruz

reforçar mecanismos de defesa associados ao processo


evolutivo que nos conduziu até aqui. A consecução des-
se objetivo passa pelo demônio e conduz a sacrifícios,
violências e guerras contra os seguidores da outra fé. É
claro que isso fere nossa sensibilidade, nestes dias em
que a afirmação de uma religião parece se dar às expen-
sas da sobrevivência de outra. Costumamos dizer que os
fanáticos não representam suas religiões, que estas são
essencialmente promotoras da paz. Do ponto de vista de
uma Ciência das Religiões informada pelo paradigma
agora discutido, nada mais falso. Talvez tais indivíduos
as representem melhor do que nós, pessoas de boa-von-
tade – psicologicamente falando, é difícil distinguir o
fanático do santo. O que doma a força vital da religião e
a torna construtiva não é sua natureza, mas a interpreta-
ção altruísta da vontade divina e a atuação moral (ligada
à liberdade) humana.
Quarto: mesmo que haja pessoas mais crédulas e ou-
tras mais céticas, a religião não é algo que uns têm e
outros não. Pela própria natureza universal dos proces-
sos evolutivos e mentais que estão em jogo, todos nós
temos o equipamento que, inevitavelmente, produz as
religiões, ainda que alguns se distanciem propositalmen-
te de qualquer igreja ou credo presente em nossas socie-
dades. Toda a comoção que aconteceu em torno das
mortes de Ayrton Senna e da princesa Diana, por exem-
plo, sugere que esse equipamento está sempre disponí-
vel para entrar novamente em funcionamento.
Este é o quadro que, resumidamente, temos diante
de nós, se levarmos a sério a abordagem darwiniana das
religiões. Sem negar as intuições e desenvolvimentos
vistos em capítulos anteriores, que tanto enriqueceram
nossa compreensão e vivência das religiões, esta abor-

72

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 72 22/12/2011 23:39:01


a persistência dos deuses

dagem possibilita uma explicação adequada dos aspec-


tos mais sensíveis da experiência religiosa, as questões
de sentido e de verdade. De certa forma, esta explica-
ção aproxima a ciência da experiência cotidiana dos
fiéis, e também das reflexões dos sábios religiosos de
todos os tempos.

73

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 73 22/12/2011 23:39:01


C o nc l u s ã o

Procuramos descrever, ao longo destes capítulos, como


a fascinante variedade religiosa existente no Brasil re-
quer e suscita vários níveis de interpretação. Partimos
da constatação de que o perfil de nossas religiões, mos-
trado no censo do Ibge de 2000, recebeu uma atenção
sem precedentes dos analistas e dos meios de comuni-
cação. Quer sejamos observadores distanciados das ma-
nifestações mais recentes da força religiosa de nosso
povo, quer sintamos esta última como fiéis de uma reli-
gião específica, não podemos deixar de ignorar que as
religiões estarão presentes no século XXI influenciando
e se deixando influenciar pelas mudanças culturais que
experimentarmos.
Em um primeiro momento descrevemos um pouco
do perfil religioso brasileiro, para logo em seguida per-
guntarmo-nos se é possível ir além dessa primeira cons-
tatação: assim como falamos com orgulho de nossa di-
versidade étnica e da crescente miscigenação de nossa
gente, vemos com satisfação crescer o número e a vitali-

74

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 74 22/12/2011 23:39:01


a persistência dos deuses

dade das religiões em nosso país. Destacamos, logo no


início, o crescimento de duas tendências nas religiões do
Ocidente: a secularização e a “religião civil”. Movimen-
tos de certo modo contrastantes, elas indicam, porém,
uma outra maneira, moderna, de vivenciar antigas tradi-
ções religiosas, e levantam questões sobre a persistência
destas últimas. Os capítulos restantes dedicaram-se,
portanto, a entender melhor a natureza e o direciona-
mento dessas questões.
No Capítulo 2, começamos vendo um pouco das
ideias sobre religião presentes na Idade Moderna, desta-
cando a ideia de Feuerbach de que a religião não é uma
janela para um mundo exterior e sobrenatural, mas um
espelho em que enxergamos nossa natureza mais autên-
tica. Depois de nos determos um pouco nas perguntas
que nos últimos dois séculos foram feitas a propósito da
religião – em termos de origem, função, sentido e verda-
de –, passamos a descrever algumas das principais carac-
terísticas do que hoje se chama “religião”. Em seguida,
no Capítulo 3, falamos do surgimento dos estudos cien-
tíficos da religião no século XIX. Em seus primórdios,
eles ainda entendiam a história da religião como algo
normativo levando o homem de um modo primitivo e
rude de ser religioso para, evolutiva e progressivamente,
um estado mais refinado e próximo à religião moral do
Ocidente. Associado à lei dos três estados (Augusto
Comte), esse entendimento produziu obras influentes
como O ramo de ouro, de Frazer.
Já no Capítulo 4, apresentamos uma outra forma de
entender a religião, ainda do século XIX, que lança uma
suspeita sobre seu caráter dissimulador da realidade.
Dentre os que mais avançaram nessa direção destaca-
mos as figuras de Marx e Freud, pela forma convincente

75

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 75 22/12/2011 23:39:01


eduardo rodrigues da cruz

de suas análises e pela influência deixada para o século


XX. Eles contribuíram de modo significativo para uma
percepção muito comum hoje em dia, de que é possível
se pensar em um homem irreligioso, despido de crenças
a respeito do sobrenatural e construtor de uma ética au-
tônoma e secular. No capítulo seguinte retomamos a
Ciência da Religião como a havíamos deixado no Capí-
tulo 3, e mostramos como ela se desenvolveu ao longo
do século XX. Falamos do paradigma hoje dominante
que entende o estudo da religião como parte das ciên-
cias humanas, que dirige sua atenção para a diversidade
e a pluralidade das religiões. Abandona-se, portanto, a
visão normativa e progressivista a respeito delas, para se
destacar a profunda inserção da religião nas respectivas
culturas, mesmo no caso de uma mesma tradição que
surja em contextos diferentes.
Esse paradigma viu-se associado a um espírito de to-
lerância entre as religiões, mas ao mesmo tempo levanta
questões importantes em torno da distância que os estu-
diosos estabelecem ao falarem delas e aquilo que os res-
pectivos fiéis sentem a respeito. Questões relacionadas
ao sentido e à verdade, por exemplo, são muitas vezes
relegadas à subjetividade do indivíduo.
Estas questões levaram-nos, por fim, a um novo para-
digma que pode coexistir com o anterior – o darwiniano,
aplicado há poucas décadas ao comportamento humano.
Esta abordagem do religioso, que une disciplinas tão di-
versas quanto Arqueologia, Genética, Psicologias Evolu-
tiva e Cognitiva, Antropologia Física e Social, não desta-
ca só os traços culturais, mas sobretudo a origem de
crenças que a princípio nos parecem tão bizarras. O que
fica evidente aqui é a unidade das características da
mente humana, que leva à diversidade das religiões que

76

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 76 22/12/2011 23:39:01


a persistência dos deuses

conhecemos hoje. Dito de maneira um pouco simplista,


a abordagem valoriza o conhecimento da natureza para
que o entendimento das culturas passe a ter uma base
mais sólida. Dessa perspectiva, as perguntas sobre o sen-
tido e a verdade das religiões voltam a adquirir importân-
cia – a explicação das crenças dos indivíduos e dos gru-
pos aponta para o mesmo grau de realidade pensado por
estes quando falam de seus deuses e demônios. Reto-
mando a descrição de Feuerbach, a metáfora da janela
volta à cena no estudo científico da religião.
Mas estas novas disciplinas, por tratarem (como toda
ciência) apenas do mundo natural, acessível aos nossos
sentidos, não nos permitem distinguir deuses de ídolos,
crenças vazias ou alucinações. Ensinam-nos as regras
do jogo, mas não ensinam a jogar nem dão o resultado
da partida. Tampouco permitem aferir se uma dada re-
velação (manifestação do ser e da vontade divinas usan-
do instrumentos humanos) é verdadeira ou não, ou seja,
um outro ser a fonte da revelação, não nosso próprio
imaginário. Com isso a noção de fé (termo válido mais
para as religiões monoteístas ocidentais) e sua respecti-
va veracidade também não são resolvidas pela ciência.
Por fim, as explicações científicas, por diferirem das ex-
pectativas e desejos nossos, pouco têm a dizer da finali-
dade de nossas atitudes e se um dia, em uma esfera so-
brenatural, seremos ou não recompensados por nossas
crenças e lealdades.
Percebo que isto deve incomodar a esmagadora maio-
ria dos brasileiros que expressam sua crença em Deus.
Em outras palavras, o que entender por realidade última
(um nome mais genérico para aquilo além do qual nada
mais podemos pensar), que justificasse e garantisse nos-
sas ações? Em última instância, o que guia o ser humano

77

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 77 22/12/2011 23:39:01


eduardo rodrigues da cruz

não são os fatos da natureza e da cultura ou um acordo


entre os homens sobre o bem comum. São os testemu-
nhos de profetas, santos, sábios, bodhisattvas ou de sim-
ples pessoas que nos cercam e que são importantes para
nós, que no final das contas guiam nossas convicções e
concedem a realidade de nossos deuses. As ciências, com
todos os seus dados, abordagens, paradigmas e teorias,
apenas colabora para que nossas convicções sejam verda-
deiras, resistindo aos testes que a realidade, seja ela da
natureza ou da história, continuamente nos impõe.

78

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 78 22/12/2011 23:39:01


GLOSSÁRIO

Adaptação biológica – Adaptações evolucionárias são planos biológi-


cos funcionais selecionados naturalmente para dar conta de proble-
mas importantes e recorrentes em ambientes ancestrais. Alternativa-
mente, refere-se a qualquer traço hereditário do fenótipo de um
indivíduo que melhore suas chances de sobrevivência e reprodução
em um certo ambiente (ver também Exaptação).

Alienação – Termo que foi introduzido na filosofia por Hegel, o qual,


inspirado por um tema que remonta aos gregos, fala do exílio do Es-
pírito na história. Feuerbach e Marx dão-lhe uma forma mais concre-
ta, ao falar da apropriação por um outro (Deus, o capitalista) daquilo
que é próprio do homem – a consciência, no caso do primeiro, e o
trabalho, no caso do segundo.

Behaviorismo – Ramo da psicologia com forte ênfase experimental,


iniciado no século XX por figuras como Pavlov (1849-1936), Watson
(1878-1958) e Skinner (1904-1990). Dispensando categorias como
mente e consciência, o behaviorismo interessou-se pelo tipo de com-
portamento (behavior – termo em inglês para “comportamento”) re-
sultante de um estímulo ao indivíduo. Interessado inicialmente nos
comportamentos mais instintivos, mais tarde o movimento desenvol-
veu propostas educacionais e políticas.

Cristandade – Fala-se da associação do cristianismo com a esfera


pública desde quando o imperador Constantino declarou-o religião
oficial do Estado romano, em 313 d.C. Nesse regime, os governantes
assumem funções religiosas, e os clérigos, funções civis. Floresceu
na Europa latina medieval, e marcou o catolicismo na Península Ibé-
rica (estendo-se, desse modo, para a América Latina) a partir do final
do século XV.

Cultura – Apesar de não haver uma definição única, em termos das


ciências sociais contemporâneas ela se refere ao conjunto de conhe-
cimentos, crenças, valores e processos materiais compartilhados por
uma sociedade. Ela é transmitida de geração a geração por processos
explícitos (ensino escolar) ou implícitos (imitação).

79

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 79 22/12/2011 23:39:01


eduardo rodrigues da cruz

Darwiniano, paradigma ou abordagem – Segundo a terminologia de


Thomas Kuhn (paradigma como uma visão de mundo e modo de
pesquisa da comunidade científica associado a alguma teoria cientí-
fica importante), denomina-se paradigma darwiniano aquele que en-
globa abordagens científicas derivadas da teoria da evolução por sele-
ção natural de Charles Darwin.

Darwinismo social – Interpretação da teoria de Darwin feita por Her-


bert Spencer, popular no final do século XIX. Ao enfatizar, no campo
social humano, termos como “sobrevivência do mais apto” e “extinção
dos mais fracos”, sugere que dar suporte àqueles que ficam à margem
(como, por exemplo, nas políticas públicas) interferiria com os prin-
cípios da evolução, obstruindo assim o progresso social.

Dialética hegeliana – Da mesma forma que alienação, é um termo que


foi apropriado por Hegel para caracterizar uma suposta lei histórica
que diz que todo movimento tem um contramovimento, uma dinâmi-
ca que por fim permite um retorno ao primeiro em um patamar mais
elevado. Hegel, entretanto, julgava que o processo havia chegado ao
fim no caso da religião, ao se transformar em filosofia.

Dupla pertença – Atitude comum no Brasil em que os fiéis de uma


religião (geralmente o catolicismo) também se vinculam a uma outra,
cristã ou não, frequentando simultaneamente os cultos e as práticas
das duas. Foi reconhecida mais explicitamente no último censo do
Ibge.

Entusiasmo, religiões de – Em geral são os grupos evangélicos que co-


locam em destaque a ação do Espírito Santo nos momentos de culto,
entendida como provocadora de emoções, entusiasmo e manifesta-
ções extraordinárias (como falar línguas incompreensíveis) de um
poder superior, sinais e veículos da salvação dos fiéis. Costuma-se
incluir a Renovação Carismática Católica do padre Marcelo nesta
categoria.

Etnocentrismo – “Etno” está relacionado a “nação”, ”povo”. No lingua-


jar dos cientistas da religião, significa estudar uma religião projetando
nela as ideias e costumes da religião de origem do pesquisador, nota-
damente o cristianismo. É um termo de conotação negativa, uma

80

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 80 22/12/2011 23:39:01


a persistência dos deuses

atitude a ser evitada se se deseja uma compreensão adequada de uma


religião não ocidental.

Eugenia – De uma ciência que procurava entender os mecanismos de


transmissão de caracteres hereditários, tornou-se, no final do século
XIX e começo do século XX, uma ideologia que justificava os grupos
dominantes em nome do aperfeiçoamento da espécie humana. Só
caiu gradualmente em desuso com as consequências nefastas de sua
aplicação radical pelos nazistas.

Exaptação – Traço de um organismo que surgiu para cumprir uma


função, mas que hoje cumpre um outro propósito adaptativo (ver
Adaptação). Em alguns casos, sequer existe uma função inicial, sen-
do o traço em questão apenas um subproduto evolutivo. A religião
parece resultar de um conjunto de traços inicialmente desconecta-
dos, alguns adaptativos, outros exaptativos.

Existencialismo – Estado de espírito comum em meados do século XX


que se traduziu em movimentos filosóficos e literários que analisam
a condição humana do indivíduo diante da falta de sentido da exis-
tência, exigindo dele a construção de sua própria liberdade. Seus re-
presentantes mais conhecidos são Martin Heidegger e J. P. Sartre.

Funcionalismo – Tendência do pensamento social do século XX que


atravessa vários períodos e escolas. O funcionalismo analisa a manei-
ra como os processos sociais e os arranjos institucionais contribuem
para a efetiva manutenção e estabilidade da sociedade, ou seja, que
função cumprem em sua formação.

Mediunidade – Fenômeno de alteração da consciência que surge em


determinados indivíduos, e é desenvolvido e ritualizado em algumas
religiões como o espiritismo e as religiões afro-brasileiras. O médium
é a pessoa que incorpora um espírito ou entidade – interpretados de
modo variado durante o ritual –, servindo de veículo para algum tipo
de serviço ao público e/ou habilidade (como a psicografia).

Micromacrocosmo – Forma de pensar o mundo que está presente


especialmente na mentalidade mítica, em que o real é divido em
duas esferas: a sobrenatural, onde o drama da história efetivamen­-

81

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 81 22/12/2011 23:39:01


eduardo rodrigues da cruz

te ocorre; a natural, lugar de nossa vida cotidiana que reflete, em


seu caráter dramático, o que ocorre de modo oculto no macrocosmo.
As narrativas da religiosidade popular seguem geralmente esse for-
mato.

Mito, mítico – O termo refere-se a narrativas que auxiliam a manter a


identidade subjacente a um grupo, que remetem a um tempo e a um
espaço indefiníveis que geralmente explicam a origem do cosmo, dos
deuses e dos homens. Antes do século XX, os filósofos ligavam mito a
fábula, lenda ou conhecimento primitivo. Hoje se reconhece o mito
como uma fala do inconsciente coletivo do grupo que não desaparece
com o avanço do conhecimento. Geralmente é tornado presente por
meio de um ritual.

Modernidade – Designa o período histórico e a forma de representar


e construir o mundo que surgiu na Europa a partir do século XVI.
Seus marcos, em ordem cronológica, são: a Reforma, a filosofia car-
tesiana, a revolução científica, o Iluminismo e a Revolução Francesa.
Destacam-se na modernidade a racionalidade científica e a consciên-
cia individual nas decisões cotidianas, e o afastamento do religioso da
esfera pública.

Monismo panteísta – “Monismo” é uma interpretação das teorias da


natureza que propõe uma única ordem do real, em geral a que é co-
nhecida pelas ciências empíricas. Contrapõe-se ao “dualismo”, co-
mum na época de Haeckel (principalmente na forma de dualismo
corpo-alma), mas visto com suspeita nos dias de hoje. O “panteísmo”
considera que a divindade se identifica com a ordem e o progresso da
natureza. Spinoza e Einstein foram panteístas famosos.

Neocristãs, religiões – O termo refere-se às seitas que surgiram ao lon-


go da modernidade como ramos radicais da Reforma protestante.
Não são propriamente cristãs, pois refutam partes do credo dos após-
tolos. Seguem ou uma interpretação literal de trechos da Bíblia, como
os adventistas do sétimo dia, os mórmons e os testemunhas de Jeová,
ou interpretam-na muito livremente, como os quacres e os unitaris-
tas. O primeiro grupo, proselitista (ver proselitismo), é de longe o
mais importante no Brasil.

82

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 82 22/12/2011 23:39:01


a persistência dos deuses

Novos Movimentos Religiosos – Denominação dada aos grupos que


manifestam uma religiosidade difusa que incorpora muitos elemen-
tos da modernidade a antigas tradições, uma característica da Nova
Era e do esoterismo. No Brasil, costuma-se chamá-los de “místicos”.
Enfatizam o eu interior, a autoajuda e a adivinhação do futuro.

Pós-modernidade – Segundo alguns autores, trata-se do modo de ser


do período em que vivemos: pós-anos 60, contestador da modernida-
de e de seu ideal de racionalidade e dos grandes projetos para a hu-
manidade. Sua característica seria a fluidez das crenças e valores, a
valorização do indivíduo e do corpo, a valorização de pequenos proje-
tos para a sociedade. Mas nem todos concordam que a modernidade
esteja de fato superada.

Prometeico – Diz respeito a uma atitude arrogante, autossuficiente e


de conquista do mundo. O termo vem de Prometeu, herói mítico
grego que, em uma atitude desafiadora, roubou o fogo dos deuses,
sendo punido por eles.

Proselitismo – Atitude comum a vários grupos religiosos que consiste


em atrair adeptos para os seus credos e práticas. Ligado ao espírito
missionário, caracterizou, por exemplo, o cristianismo primitivo.

Religião, etimologia – Costuma-se atribuir três raízes para a palavra


“religião”, todas presentes em autores latinos antigos: a observância
escrupulosa de rituais públicos; uma releitura das experiências vivi-
das; e o religar, re-estabelecer uma conexão que existia com os deu-
ses em um passado mítico.

Reforma – Movimento de protesto contra a desmoralização do cristia-


nismo que teve lugar no início do século XVI. Envolveu reformas na
interpretação do credo e dos sacramentos, assim como a valorização
da Bíblia e da consciência individual. Os principais reformadores da
época foram Lutero, Calvino e Zwinglio, que deram origem a diferen-
tes denominações chamadas de protestantes.

Revelação – Termo que se aplica mais propriamente aos chamados


“três monoteísmos” (cristianismo, judaísmo e islamismo), indica a
manifestação do Deus dessas religiões na história (que se torna his-

83

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 83 22/12/2011 23:39:01


eduardo rodrigues da cruz

tória de salvação), principalmente por meio de profetas como Moi-


sés, Jesus Cristo e Maomé.

Sagrado – O que é segregado do rotineiro e usual, passando a mani-


festar de maneira forte aspectos do macrocosmo. Opõe-se a profano,
literalmente “o que está diante do templo” (sendo o templo o lugar
próprio do sagrado), que manifesta apenas a opacidade de nossa exis-
tência. Essa dupla indica com frequência a divisão entre as atividades
dos clérigos e as dos leigos. Fala-se de sagrado também com referên-
cia ao mistério que guia nossa existência, e do respeito devido a ele.

Seleção natural – A força condutora da evolução darwiniana. Opera


quando um conjunto de condições ambientais diferencia entre duas
variantes de uma população, tendo por base sua habilidade de se re-
produzir com sucesso. Disso resulta que uma variante que pode se
reproduzir com mais sucesso (ou seja, é a mais apta) tende a ser mais
bem representada nas gerações subsequentes.

Superstição – O termo já possui um caráter negativo desde o tempo


dos romanos. Indica superficialidade e ignorância em matérias que
mereceriam seriedade, como as associadas à religião. As elites religio-
sas normalmente costumam identificar superstição na religiosidade
popular, atitude negada pelos estudiosos do assunto.

Tábula rasa – Termo de origem latina que designa um quadro em


branco; começou a ser empregado na investigação sobre o conheci-
mento humano a partir do século XVII. Dá a entender que todo indi-
víduo nasce sem ter nenhuma tendência em sua mente, a qual pas-
saria a ser moldada pelos costumes e pela educação. Ao longo dos
séculos, o termo tem sido utilizado por aqueles que enfatizam o papel
do ambiente na formação da mente, minimizando a contribuição de
nosso passado animal.

84

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 84 22/12/2011 23:39:01


S U GEST Õ ES DE LEIT U RA

ALVES, Rubem. O suspiro dos oprimidos. São Paulo: Paulinas, 1984.


Ainda que o ideal seja ler as obras do próprio Marx sobre religião,
este interessante livro do renomado escritor Rubem Alves apre-
senta de forma bem didática as ideias de Marx sobre o tema, e
suas possíveis limitações.

AMARAL, Leila. Carnaval da alma: comunidade, essência e sincre-


tismo na Nova Era. Petrópolis: Vozes, 2000.
Excelente análise de alguns dos novos movimentos religiosos, em
particular no contexto urbano brasileiro, que avalia de maneira
ponderada o significado deles para o mundo de hoje.

ATRAN, Scott. In Gods we Trust: The Evolutionary Landscape of Re-


ligion. Oxford: Oxford University Press, 2002.
Um dos principais autores na linha das ciências cognitivas, trata
da religião de forma inovadora. Dada a falta de textos em língua
portuguesa nesta linha, o leitor é encorajado a enfrentar o inglês
para conhecer melhor o assunto. Este texto é um pouco mais
avançado que o de Boyer, citado adiante.

BIRMAN, Patrícia. (Org.) Religião e espaço público. São Paulo: Attar


Editorial, 2003.
Os diversos autores brasileiros que contribuem para esta coletâ-
nea apresentam um bom panorama das principais preocupações
das ciências sociais sobre a religião hoje. Entre os temas discuti-
dos está a separação Igreja-Estado e o ensino religioso na escola
pública. Sua leitura exige um certo conhecimento prévio dos as-
suntos analisados.

BOYER, Pascal. Religion Explained: The Evolutionary Origins of Re-


ligious Thought. New York: Basic Books, 2001.
Uma apresentação mais didática e acessível que a de Atran sobre
a contribuição das ciências cognitivas para a religião, feita por um
outro líder da área. Mesma observação sobre a quase inexistência
de textos que não sejam em língua inglesa.

85

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 85 22/12/2011 23:39:01


eduardo rodrigues da cruz

BOWKER, John (Org.). O livro de ouro das religiões. Rio de Janeiro:


Ediouro, 2004.
Organizado por um grande especialista inglês em ciências da re-
ligião, este livro, fartamente ilustrado, descreve de forma sucinta
o surgimento das grandes movimentos religiosos da humanidade,
do início da história até nossos dias. Talvez a melhor introdução
publicada no Brasil. As única ausências sentidas são as das reli­
giões ameríndias e do xamanismo.

DENNETT, Daniel. A perigosa ideiade Darwin: a evolução e os signi-


ficados da vida. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
Apesar de extensa, esta obra do filósofo Dennett é de leitura
atraen­te, e, dentro de uma leitura materialista, uma excelente
introdução ao darwinismo. Quero dizer com isto que o autor se
preocupa em mostrar que os grandes projetos no plano da biosfe-
ra podem ser construídos com base em pequenos mecanismos
inteligentes, mas sem propósito ou significado

EVANS-PRITCHARD, E. E. História do pensamento antropológico.


Lisboa: Edições 70, 1989.
Escrita por um dos grandes nomes da Antropologia do século XX,
esta obra se preocupa também em discutir e avaliar as principais
contribuições de seus predecessores e colegas. Para ser adequa-
damente compreendida, exige um aprofundamento posterior.

FILORAMO, Giovani e PRANDI, Carlo. As ciências das religiões.


São Paulo: Paulus, 1999.
Uma introdução consagrada e de alto nível ao campo que no Bra-
sil se denomina “ciências da religião”, permite que o leitor tenha
uma visão histórica e sistemática do assunto. Os autores defen-
dem que só se pode estudar o religioso em sua pluralidade, daí o
“religiões” do título.

GUERReiRO, Silas. (Org.) O estudo das religiões: desafios contem-


porâneos. São Paulo: Paulinas/ABHR, 2003.
Coletânea recente de estudos sobre a religião no Brasil e no mun-
do, destacando os problemas teóricos e metodológicos desse
campo. A particularidade deste volume é ser o resultado de um
congresso da Associação Brasileira de História das Religiões

86

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 86 22/12/2011 23:39:01


a persistência dos deuses

(ABHR – http://www.franca.unesp.br/abhr), sociedade que me-


lhor representa as ciências da religião em nosso país.

HINDE, Robert A. Why Gods Persist: A Scientific Approach to


Religion. London: Routledge, 1999.
Biólogo e psicólogo de Cambridge, Inglaterra, Hinde apresenta
um bom panorama dos estudos recentes sobre a religião, utilizan-
do o paradigma darwiniano. Ao contrário da geração precedente
de estudiosos, Hinde dirige sua atenção à persistência de deuses
e de outros aspectos religiosos do comportamento humano em
todo tipo de sociedade.

MITHEN, Steven. A pré-história da mente: uma busca das origens da


arte, da religião e da ciência. São Paulo: UNESP, 2002.
Apesar de não se dedicar especificamente à religião, este é um
dos poucos livros em português que dá respaldo à nossa argu-
mentação do Capítulo 6. Mithen é arqueólogo, mas, dentro do
espírito interdisciplinar que caracteriza a ciência hoje, utiliza
também (à semelhança de Atran e Boyer, citados anteriormente)
dados e métodos das ciências cognitivas para apresentar um ce-
nário possível para a evolução da mente humana.

PADEN, William E. Interpretando o sagrado: modos de conceber a


religião. São Paulo, Paulinas, 2001.
Consagrado texto introdutório, coloca em realce a religião como
um fenômeno de muitas facetas, que são estudadas por diferen-
tes ciências psicológicas e sociais. Mais acessível que outras in-
troduções aqui mencionadas.

PALMER, Michael. Freud e Jung sobre a religião. São Paulo: Loyola, 2001.
Introdução didática e detalhada sobre a maneira pela qual dois
dos maiores analistas do inconsciente, Freud e Jung, abordam a
religião. Contém extensa bibliografia.

PETERS, Ted; BENNETT, Gaymon. (Orgs.) Construindo pontes en-


tre a ciência e a religião. São Paulo: UNESP/ Loyola, 2003.
Esta coletânea, de renomados autores de diferentes disciplinas
científicas e de diferentes religiões, apresenta os frutos do diálogo
entre ciência e religião que tem ocorrido nos países de língua in-

87

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 87 22/12/2011 23:39:01


eduardo rodrigues da cruz

glesa nas últimas décadas. Excelente antídoto para quem se sen­-


te desconfortável com o criacionismo.

PINKER, Steven. A tábula rasa. São Paulo: Companhia das Letras,


2004.
Introdução escrita em linguagem acessível por um renomado
cientista, ainda que seja bastante extensa, apresenta bem os
principais problemas das ciências cognitivas representadas por
Atran e Boyer. Procura mostrar, em especial, como pode ser su-
perada a divisão entre natureza e cultura em relação ao compor-
tamento humano dentro do paradigma darwiniano, analisando-
-se a natureza humana sem cair em um determinismo biológico
ou na eugenia.

Questões fundamentais. São Paulo: Paulus, 2003.


Dentre as várias coleções de paradidáticos e assemelhados publi-
cados no Brasil, esta é a que mais contém temas ligados à reli-
gião, muitos do quais vistos neste livro. Escritos todos por espe-
cialistas brasileiros, estes volumes são uma boa porta de entrada
para o leitor jovem interessado em percorrer as demais obras in-
dicadas nestas sugestões.

RIVIÈRE, Claude. Os ritos profanos. Petrópolis: Vozes, 1997.


Este antropólogo francês tem se dedicado ao estudo de caracte-
rísticas religiosas em atividades que, no entendimento usual,
nada teriam a ver com religião. Dentre os vários exemplos anali-
sados pelo autor, destacamos o estudo sobre o ritual de trote dos
calouros.

ROSE, Michael. O espectro de Darwin: A teoria da evolução e suas


implicações no mundo moderno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,
2000.
Outra boa introdução ao paradigma darwiniano, mais curta e ao
mesmo tempo mais abrangente que a de Dennett. Como o título
indica, o livro trata da expansão gradual para outras esferas da
vida da explicação proposta por Darwin, para além da evolução
das espécies ao longo da história do planeta. Ajuda a entender
muitas das polêmicas em torno dos usos e abusos da biologia.

88

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 88 22/12/2011 23:39:01


a persistência dos deuses

TEIXEIRA, Faustino. (Org.) A(s) ciência(s) da religião no Brasil: afir-


mação de uma área acadêmica. São Paulo: Paulinas, 2001.
Contribuição brasileira para a discussão em torno de como expli-
car e entender melhor a religião. O título sugere que no Brasil
também existe o dilema entre a ênfase na singularidade ou na
pluralidade do religioso. Importante para se conhecer os centros
de estudo da religião no Brasil, assim como a relação destes com
os centros de saber teológico aqui existentes.

TEIXEIRA, Faustino. (Org.) Sociologia da religião: enfoques teóricos.


Petrópolis: Vozes, 2003.
Grupo semelhante de pesquisadores reflete sobre as maneiras
como se tem estudado a religião no Brasil, de uma perspectiva
exclusivamente sociológica e antropológica.

USARSKI, Frank. (Org.) O budismo no Brasil. São Paulo: Lorosae,


2002.
Apesar de existirem muitos relatos da assimilação do budismo em
nosso país, este é o primeiro que reúne estudos mais aprofunda-
dos sobre o tema, permitindo-nos uma visão mais realista da pre-
sença dessa importante religião entre nós.

WRIGHT, Robert. O animal moral: Por que somos como somos: a


nova ciência da Psicologia Evolucionista. Rio de Janeiro: Cam-
pus, 1996.
Escrito por um especialista em divulgação científica, o livro faz
uma apresentação didática e entusiasta da então nascente Psico-
logia Evolutiva, sua relação com abordagens darwinianas anterio-
res, e suas interpretações da natureza humana. Deixando-se de
lado o estilo militante, que afasta muitos estudiosos da cultura, o
livro é bastante informativo.

ComCiência, no. 56, julho de 2004 — www.comciencia.br.


Esta revista on line de divulgação científica da Unicamp traz em
seu número de julho diversos artigos sobre a separação Igreja-
-Estado e sobre o criacionismo. Este movimento, que defende
uma interpretação literal dos primeiros capítulos do livro do Gê-
nesis, que tem ganho mais espaço no Brasil.

89

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 89 22/12/2011 23:39:01


eduardo rodrigues da cruz

Rever – Revista Eletrônica de Ciências da Religião (www.pucsp.


br.rever). Apesar do cunho mais acadêmico, traz um bom número
de artigos, escritos por renomados especialistas, sobre diversos
temas ligados às religiões no Brasil. Também está ligado a inúme-
ros sites voltados para o estudo das religiões.

Revista das Religiões. Revista mensal do grupo Abril disponí-


vel nas bancas de jornais, surgiu recentemente, o que indica o
interesse crescente do público pelo assunto. As mais diversas ma-
térias, apresentadas de forma didática e atraente, convidam o
leitor a um aprofundamento.

90

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 90 22/12/2011 23:39:01


questões
par a R ef le x ão e d ebate

1 Como a religião se manifesta nos ambientes em que você vive: na


família, na escola, nos meios de comunicação aos quais você tem
acesso, nos shoppings e clubes? Compare sua visão com a que o cen-
so de 2000 mostrou do perfil religioso brasileiro. Reflita sobre as se-
melhanças e diferenças.

2 Considerando-se a frequência com que as instituições religiosas e


suas contradições são julgadas nos meios de comunicação, o que sig-
nifica dizer que é importante distinguir entre religião e religiões, e, ao
mesmo tempo, destacar a importância das duas? Desse modo, como
relacionar a experiência religiosa com igrejas, padres, rabinos e pas-
tores? Por que as instituições e seus dirigentes seriam necessários à
vida em sociedade?

3 Passando das instituições para a religiosidade (experiência religiosa


de pessoas e grupos), como entender a cultura em que você próprio
está imerso e a forma pela qual a religião se manifesta nela? (Antes
mesmo de você atribuir o termo “religião” a estas manifestações.)

4 O que você sabe a respeito da teoria da evolução? Já ouviu falar da


controvérsia sobre a origem do homem – veio do macaco ou não? – e
da Terra – foi ou não foi criada em seis dias? Do que foi apresentado
neste livro, o que pode influenciar sua opinião sobre o assunto? Qual
a diferença entre dizer que a “religião foi inventada” ou pensar nela
como algo natural do homem? Se você e seus amigos têm muito mais
em comum do que imaginavam antes, já é possível, então, pensar a
religião como algo que se discuta em público, algo mais tolerante?

91

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 91 22/12/2011 23:39:01


A persistência dos deuses _MIOLO.indd 92 22/12/2011 23:39:01
CONHEÇA OUTROS LANÇAMENTOS
DA COLEÇÃO PARADIDÁTICOS UNESP

Série Novas Tecnologias


Da Internet ao Grid: a globalização do processamento
Sérgio F. Novaes e Eduardo de M. Gregores
Energia nuclear: com fissões e com fusões
Diógenes Galetti e Celso L. Lima
O laser e suas aplicações em ciência e tecnologia
Vanderlei Salvador Bagnato
Descobrindo o universo ou a física do espaço
Maria Cristina Batoni Abdalla e Thyrso Villela Neto

Série Poder
O poder das nações no tempo da globalização
Demétrio Magnoli
A nova des-ordem mundial
Rogério Haesbaert e Carlos Walter Porto-Gonçalves
Diversidade étnica, conflitos regionais e direitos humanos
Tullo Vigevani e Marcelo Fernandes de Oliveira
Movimentos sociais urbanos
Regina Bega dos Santos
A luta pela terra: experiência e memória
Maria Aparecida de Moraes Silva

Série Cultura
Cultura letrada: literatura e leitura
Márcia Abreu
A persistência dos deuses: religião, cultura e natureza
Eduardo Rodrigues da Cruz
Indústria cultural
Marco Antônio Guerra e Paula de Vicenzo Fidelis Belfort Mattos
Culturas juvenis: múltiplos olhares
Afrânio Mendes Catani e Renato de Sousa Porto Gilioli

Série Linguagens e Representações


O verbal e o não verbal
Vera Teixeira de Aguiar
Imprensa escrita e telejornal
Juvenal Zanchetta Júnior

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 93 22/12/2011 23:39:01


Série Educação
Políticas públicas em Educação
João Cardoso Palma Filho, Maria Leila Alves e Marília Claret
Geraes Duran
Educação e tecnologias
Vani Moreira Kenski
Educação e letramento
Maria do Rosário Longo Mortatti
Educação ambiental
João Luiz Pegoraro e Marcos Sorrentino
Avaliação
Denice Barbara Catani e Rita de Cassia Gallego

Série Evolução
Evolução: o sentido da biologia
Diogo Meyer e Charbel Niño El-Hani
Sementes: da seleção natural às modificações genéticas
por intervenção humana
Denise Maria Trombert de Oliveira
O relacionamento entre as espécies e a evolução orgânica
Walter A. Boeger
Bioquímica do corpo humano: para compreender a linguagem
molecular da saúde e da doença
Fernando Fortes de Valencia
Biodiversidade tropical
Márcio R. C. Martins e Paulo Takeo Sano
Avanços da biologia celular e molecular
André Luís Laforga Vanzela

Série Sociedade, Espaço e Tempo


Os trabalhadores na História do Brasil
Ida Lewkowicz, Horacio Gutiérrez e Manolo Florentino
Imprensa e cidade
Ana Luiza Martins e Tania Regina de Luca
Redes e cidades
Eliseu Savério Sposito
Planejamento urbano e ativismos sociais
Marcelo Lopes de Souza e Glauco Bruce Rodrigues

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 94 22/12/2011 23:39:01


SOBRE O LIVRO

Formato: 12 x 21 cm
Mancha: 20,5 x 38,5 paicas
Tipologia: Fairfield LH 11/14
Papel: Offset 75 g/m2 (miolo)
Cartão Supremo 250 g/m2 (capa)
1a edição: 2004

EQUIPE DE REALIZAÇÃO

Coordenação de Produção
Fernando Santos e Sidnei Simonelli

Produção Gráfica
Anderson Nobara

Preparação de Original
Fernando Santos

Revisão de Texto
Fernando Santos
Oitava Rima Prod. Editorial (Atualização Ortográfica)

Projeto Gráfico
Crayon P&PG

Editoração Eletrônica
Oitava Rima Prod. Editorial

A persistência dos deuses _MIOLO.indd 95 22/12/2011 23:39:01


A persistência dos deuses _MIOLO.indd 96 22/12/2011 23:39:01
--------
--------
Série Cultura

Série Cultura
A persistência dos deuses
O dito popular de que “religião, política
e futebol não se discutem” é posto em Apoio
xeque de maneira vigorosa, neste livro, Projeto
por Eduardo Rodrigues da Cruz. Seu texto Pedagogia
empolgante apresenta as “regras do Cidadã
jogo” que se fazem presentes no universo
das religiões estabelecidas.
O autor aborda a fascinante variedade
religiosa do Brasil e trata do modo muito
particular que o “jeitinho brasileiro”

Eduardo Rodrigues da Cruz


achou para lidar com a questão religiosa.
Ao longo dessa avaliação, problematiza
a identidade nacional e toca em assuntos
relevantes, como a pluralidade e a
tolerância religiosas, a separação
Igreja-Estado e a controvérsia em
torno da obrigatoriedade do ensino
religioso no país.
Num âmbito mais geral, discute-se o
entendimento moderno da religião
como forma de cultura, com ênfase

A persistência dos deuses


nos contextos de que ela surge, e
propõe-se uma reflexão sobre as
características universais da religião,
debatendo a forma como esta religião, cultura e natureza
produz deuses e seus mundos
sobrenaturais.

Eduardo Rodrigues da Cruz


Eduardo Rodrigues da Cruz é professor
na PUC-SP e coordenador do Programa de
Estudos e Pós-Graduação em Ciências
da Religião nessa mesma Universidade.
É doutor em Systematic Theology pela
University of Chicago (EUA), onde também
realizou pós-doutorado.

Coleção
paradidáticos
--------
--------

A persistência dos deuses _CAPA.indd 1 22/12/2011 23:36:58