Você está na página 1de 5

LEI MUNICIPAL Nº 443/1967 - REC. PORTARIA MEC Nº 028/1989 - RECREDENC.

PORTARIA MEC
Nº 197/2018.
AV. JOSÉ ACÁCIO MOREIRA 787 - DEHON - TUBARÃO/SC - CEP 88704-900.

PLANO DE ENSINO

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Nome da Unidade de Aprendizagem: Introdução ao Direito Penal


Código da Unidade de Aprendizagem: 013747
Carga Horária: 4
Nome do Professor: CAMILA DAMASCENO DE ANDRADE

Ciclo Letivo: 2018 - 2º Semestre


Campus: Campus de Tubarão
Unidade Universitária: Unidade Universitária Tubarão
Turno: NO
Turma: 3269
Cursos:
Direito

2 EMENTA

Noções introdutórias sobre o direito penal. Noções gerais sobre criminologia. Teoria da norma penal. Teoria do crime.
Concurso de agentes.
3 OBJETIVOS

Proporcionar aos alunos os instrumentos teóricos necessários para a compreensão da teoria geral do Direito Penal a
partir de um olhar crítico e interdisciplinar.

4 HABILIDADES
1. Aprender os conceitos essenciais à compreensão crítica da teoria geral do direito penal partir de um diálogo
interdisciplinar entre Dogmática Penal, Política Criminal e Criminologia.
2. Estudar aspectos do processo de construção histórica do sistema prisional no Brasil e no mundo.
3. Conhecer os conceitos e categorias necessários à compreensão da teoria da norma penal, discutindo as
características específicas da norma penal, suas possíveis formas de classificação e interpretação, suas antinomias e
lacunas, sua aplicação no tempo, no espaço e em relação às pessoas.
4. Analisar criticamente a teoria do fato punível, apontando conceitos e modelos de fato punível e estudando as teorias
acerca da tipicidade, da antijuridicidade e da culpabilidade, a tentativa e o concurso de agentes.

5 METODOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

Tópico CH Descrição
1 10 UNIDADE I - INTRODUÇÃO AO ESTUDO CRÍTICO DO DIREITO PENAL
1. Interdisciplinariedade entre as Ciências Criminais
1.1 Criminologia
1.2 Política Criminal
1.3 Dogmática Penal
2. Sistema penal e poder punitivo

Página 1 de 5
2.1 Crime como um conceito político
2.2 Processos de criminalização
2.3 Seletividade penal
3. O debate atual sobre pena cruéis
2 10 UNIDADE II - ASPECTOS HISTÓRICOS DO DIREITO PENAL
1. Aspectos históricos do Direito Penal no mundo
1.1 Direito penal como vingança
1.2 Direito Penal da Antiguidade
1.3 Direito Penal da Idade Média
1.4 Direito Penal da Modernidade
1.5 Direito Penal contemporâneo
2. Aspectos históricos do Direito Penal brasileiro
2.1 Direito Penal colonial
2.2 Direito Penal imperial
2.3 Direito Penal republicano
2.4 Legislação atual
3. As escolas penais e a história do pensamento jurídico-penal
3 15 UNIDADE III - TEORIA DA NORMA PENAL
1. Norma penal
1.1 Conceitos
1.2 Características
1.3 Classificações
1.4 Antinomias e lacunas
2. Direito Penal
2.1 Conceitos
2.2 Objeto
2.3 Funções
2.4 Fontes
2.5 Princípios
3. A interpretação da norma penal
4. Validade da norma penal
4.1 Validade da norma penal no tempo
4.2 Validade da norma penal no espaço
4 25 UNIDADE IV - TEORIA DO FATO PUNÍVEL
1. Fato punível
1.1 Conceito
1.2 Crime e contravenção
1.3 Modelo bipartido de crime
1.4 Modelo tripartido de crime
2. Teoria da ação
2.1 Modelo causal
2.2 Modelo final
2.3 Modelo social
2.4 Funções do conceito de ação
3. Teoria do tipo
3.1 Conceito e funções do tipo
3.2 Adequação social e exclusão de tipicidade
3.3 Elementos constitutivos do tipo legal
3.4 Modalidades de tipos
4. Tipo de injusto doloso de ação
4.1 Tipo objetivo
4.2 Tipo subjetivo
5. Tipo de injusto imprudente
5.1 Tipo objetivo
5.2 Tipo subjetivo
5.3 Crimes qualificados pelo resultado
6. Tipo de injusto de omissão de ação
6.1 Omissão de ação própria e imprópria
6.2 Estrutura dos tipos de omissão de ação
7. Antijuridicidade e justificação
7.1 Teoria da antijuridicidade
7.2 Justificações

Página 2 de 5
8. Culpabilidade e exculpação
8.1 Conceitos de culpabilidade
8.2 Estrutura do conceito de culpabilidade
9. Outras condições de punibilidade
9.1 Condições objetivas de punibilidade
9.2 Fundamentos excludentes de pena
10. Autoria e participação
10.1 Teorias acerca da autoria
10.2 Formas de autoria
10.3 Participação
10.4 Comunicabilidade das circunstâncias ou condições pessoais
11. Tentativa e consumação
11.1 Teorias da tentativa
11.2 Desistência
12. Unidade e pluralidade de fatos puníveis
12.1 Unidade e pluralidade de ações típicas
12.2 Pluralidade material
12.3 Pluralidade formal
12.4 Unidade continuada

6 AVALIAÇÃO

De acordo com o Regimento Geral da UNISUL, Art. 89, o processo de avaliação do estudante será realizado por
disciplina ou unidade de aprendizagem, com base nas competências por ele desenvolvidas e na frequência.
§ 1º O aproveitamento será verificado através do desempenho progressivo do estudante, frente aos objetivos
propostos no Plano de Ensino.
§ 2º Será considerado aprovado o estudante que obtiver frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento)
e aproveitamento igual ou superior a:
a) sete (7,0) numa escala de zero a dez (0 a 10), resultante do processo avaliativo, desenvolvido durante o ciclo letivo;
b) seis (6,0) numa escala de zero a dez (0 a 10), quando submetido a uma avaliação final por não ter alcançado o
previsto na alínea "a" deste parágrafo.
§ 3º O professor registrará no Diário de Classe:
I - a frequência do estudante;
II - as notas atribuídas ao estudante, em cada disciplina ou unidade de aprendizagem, resultantes do processo de
avaliação, conforme se expressa a seguir:

a) AD/UA = (SA/NA) >= 7

AD/UA = Aproveitamento Disciplina ou Unidade de Aprendizagem


SA = Somatório de Avaliações
NA = Número de Avaliações

b) RF = (AD/UA + PF)/2 >= 6

PF = Prova Final
RF = Resultado Final

§ 4º O número de notas registradas no diário de classe não poderá ser inferior a 2 (duas), independente do peso
atribuído a elas e exceto o previsto no § 5º.
§ 5º O aproveitamento do estudante nas disciplinas ou unidades de aprendizagem de tratamento diferenciado ou
certificações específicas deverá ser igual ou superior a 7,0 (sete), condição mínima para a aprovação, não cabendo a
estas a realização de prova ou avaliação final, sendo admissível o registro de nota única.
§ 6º Na modalidade de educação a distância, o controle da frequência far-se-á conforme previsto na legislação.
7 INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

A avaliação será feita em caráter continuado e permanente, considerando a frequência, a participação dos alunos nos
debates realizados em sala de aula e o comprometimento com as leituras indicadas.

Além disso, os alunos serão avaliados com provas e trabalhos individuais e coletivos:

a) Prova individual, discursiva e com consulta à legislação não comentada, a ser aplicada na metade do semestre,
que versará sobre o conteúdo das Unidades I, II e III (valor: 10).

Página 3 de 5
b) Dois trabalhos extra-classe (valor: 10, sendo 5 cada):
b.1) Trabalho extra-classe, individual ou em grupo com até três pessoas, consistente na escrita de um fichamento em
formato de resumo da obra "Introdução crítica ao direito penal brasileiro" de Nilo Batista (o fichamento deve ter, no
mínimo, duas páginas, devendo ser redigido em fonte Times New Roman, tamanho 12, espaçamento
entre linhas de 1,5 cm, recuo de primeira linha de 1,5 cm, espaçamento entre parágrafos de 0 pt antes e 0 pt depois,
com exceção das citações superiores a três linhas, que devem ser redigidas em tamanho 10, espaçamento entre
linhas simples, com recuo de 4 cm);
b.2) Trabalho extra-classe, individual ou em grupo com até três pessoas, no qual os alunos deverão responder a
perguntas em forma de problemas práticos a respeito do conteúdo estudado em sala.
c) Prova individual, discursiva e com consulta à legislação não comentada, a ser aplicada ao final do semestre, que
versará sobre o conteúdo da Unidade IV (valor: 10).

A nota final do aluno será obtida a partir da média aritmética das notas atribuídas aos pontos a), b) e c). A avaliação
continuada poderá modificar a nota final da disciplina.
8 BIBLIOGRAFIA

8.1 BÁSICA

CAPEZ, Fernando. Curso de direito penal. 16. ed. São Paulo: Saraiva, 2012. 4 v. ISBN 9788502030268 (obra
compl.)

DELMANTO, Celso. Código penal comentado. 8. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2010. 1195 p. + 1
CD-ROM ISBN 9788502095069.

GRECO, Rogério. Curso de direito penal. 14 . ed. rev, ampl. e atual. Niterói: Impetus, 2012. 4 v. ISBN
9788576265603 (v. 1).

8.2 COMPLEMENTAR

BASTOS JÚNIOR, Edmundo José de. Código penal em exemplos práticos. Rio de Janeiro: Terceiro Milênio, 2010.

BATISTA, Nilo. Introdução crítica ao direito penal brasileiro. Rio de janeiro: Revan, 2011.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. São Paulo: Edipro, 2010.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de direito penal. 18. ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: Saraiva, 2012. 5 v.
ISBN 9788502041943 (Obra compl.)

ZAFFARONI, Eugenio Raúl; PIERANGELI, José Henrique. Manual de direito penal brasileiro. São Paulo: Revista
dos tribunais, 2011.

9 OUTRAS REFERENCIAS

Página 4 de 5
BASTOS JÚNIOR, Edmundo José de. Código penal em exemplos práticos. Rio de Janeiro: Terceiro Milênio,
2010.

BATISTA, Nilo. Introdução crítica ao direito penal brasileiro. 12. ed. Rio de janeiro: Revan, 2011.

BATISTA, Nilo; ZAFFARONI, Eugenio Raul; SLOKAR, Alejandro; ALAGIA, Alejandro. Direito penal brasileiro. 4.
ed. Rio de Janeiro: Revan, 2011, v. 1.

BATISTA, Nilo; ZAFFARONI, Eugenio Raul; SLOKAR, Alejandro; ALAGIA, Alejandro. Direito penal brasileiro. 2.
ed. Rio de Janeiro: Revan, 2010, v. 2.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de direito penal: parte geral. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2013, v. 1.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de direito penal. 13. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2017.

SANTOS, Juarez Cirino dos. Direito penal: parte geral. 4. ed. Florianópolis: Conceito Editorial, 2010.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl; PIERANGELI, José Henrique. Manual de direito penal brasileiro: parte geral. 9. ed.
São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, v. 1.

10 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
As atividades serão desenvolvidas através de aulas expositivas pela professora e de discussão com a turma dos
pontos que formam o programa da disciplina.

A professora indicará, ao final das aulas, as leituras recomendadas para o encontro seguinte, no qual os textos serão
debatidos pela turma.

Após a apresentação do presente plano de ensino, ele poderá ser modificado com o consenso da turma, a fim de
adequar a sua metodologia e forma de avaliação aos interesses dos alunos e às especificidades da turma. Qualquer
modificação será comunicada com antecedência.

E-mail: camila_damasceno17@hotmail.com; camila.andrade2@unisul.br

Página 5 de 5