Você está na página 1de 4

1.

Empreendedorismo é a capacidade que uma pessoa tem de identificar


problemas e oportunidades, desenvolver soluções e investir recursos na criação
de algo positivo para a sociedade. Pode ser um negócio, um projeto ou mesmo
um movimento que gere mudanças reais e impacto no cotidiano das pessoas.

2. A criatividade é a capacidade de criar, produzir ou inventar novas coisas. Já a


inovação é a implementação bem sucedida dessas ideias. Ou seja, uma ideia
inovadora é aquela que apresenta benefícios na prática.

3. O empreendedorismo "é um fenômeno cultural, expressão de hábitos, práticas


e valores das pessoas". Neste sentido, o seu objeto de estudo não é a empresa,
mas o indivíduo empreendedor, responsável pela criação do negócio, gestão e
posicionamento de mercado.

4. Empreendedorismo Informal
O empreendedorismo informal é praticado sem um CNPJ ou uma nota fiscal. É
aquele desenvolvido pela maioria dos brasileiros que têm o sonho de abrir seu
próprio negócio. Barracas de rua ou lojinhas de garagem são exemplos clássicos
de empreendimentos que atuam na informalidade com frequência.

Empreendedorismo Cooperativo
Esse formato de empreendedorismo surge a partir da união de vários
empreendedores individuais. Eles se apoiam mutuamente e, assim, ganham
força e recursos — sem perder suas características próprias.

Empreendedorismo Individual Formalizado


Existem duas alternativas de formalização para o empreendedorismo
individual: Microempreendedor Individual (MEI) ou Empresa Individual de
Responsabilidade Limitada (EIRELI). Nos dois casos, a iniciativa empreendedora
continua sendo “solitária”. O empreendedorismo individual tem menor escala,
mas, sendo formalizado, está submetido aos mesmos direitos e obrigações de
uma grande corporação.
Empreendedorismo por meio de Franquias
As franquias são um formato de empreendedorismo que facilita muito a
iniciativa de abrir um negócio, já que o franqueado recebe um modelo pronto
de empresa e precisa apenas implementá-lo. Alguns exemplos típicos de
franquias são as escolas de idiomas e os restaurantes de fast food.

Empreendedorismo Digital
Esse é um formato de empreendedorismo que tem tudo a ver com a dinâmica
de consumo atual. Afinal de contas, hoje, existe um volume gigantesco de
relações de compra que são efetuadas no meio digital. Estamos falando de e-
commerces, infoprodutos (como e-books e cursos virtuais), serviços prestados
à distância.

Podemos citar casos mundialmente conhecidos, como o do brasileiro Érico


Rocha, que desenvolveu um negócio on-line oferecendo livros, cursos,
treinamentos e organizando eventos sobre marketing digital.

A grande vantagem do empreendedorismo digital é a acessibilidade. Qualquer


pessoa com um computador e acesso à internet pode embarcar nessa
tendência.

Empreendedorismo Social

O empreendedorismo social não tem como principal objetivo o lucro; em vez


disso, atua com um propósito que beneficie uma comunidade, como promover
a educação, preservar o meio ambiente ou defender os animais.

Mesmo com seu foco sem fins lucrativos, esse tipo de empreendedorismo tem
grande potencial de crescimento e sucesso. Ele está alinhado com os desejos,
medos e anseios da nossa época, pois as pessoas estão mais preocupadas do
que nunca com o bem-estar social. Portanto, recebe uma grande adesão.

Empreendedorismo Corporativo

Esse é o intraempreendedorismo, isto é, o empreendedorismo desenvolvido


dentro de uma empresa, olhando para dentro da própria organização.
Ao contrário do empreendedorismo social, ele tem o foco de obter lucro.
Resumindo, o intraempreendedorismo é focado em encontrar formas de
melhorar o desempenho da empresa: reduzir custos, vender mais, posicionar a
marca no mercado, ganhar vantagem competitiva, montar uma equipe de
sucesso.

O intraempreendedorismo é essencial para quem busca uma carreira de


sucesso, já que é um traço valorizado pelos empregadores. Por isso, fique
atento: mesmo que você não tenha a intenção de começar um negócio próprio,
o empreendedorismo ainda deve fazer parte da sua vida!

Empreendedorismo Inovador
O empreendedorismo inovador é desenvolvido por pessoas que apresentam
novos produtos ou serviços, elaboram novos métodos de produção, abrem
novos mercados. Ele é baseado em mudanças e melhorias.
Um exemplo interessante do empreendedorismo inovador foi o lançamento do
iPad, pela Apple. Até esse momento, o tablet não existia; colocar esse produto
no mercado foi uma jogada arriscada, cheia de ousadia. Além de criar o tablet,
a Apple de fato criou esse segmento de mercado e desenvolveu uma demanda
que não existia.

Empreendedorismo Imitador
Não há nenhuma conotação negativa em chamar esse tipo de
empreendedorismo de “imitador”. Pelo contrário; ele é desenvolvido por
pessoas atentas e ágeis, capazes de rapidamente adotar novas ideias. Então, é
marcado pela percepção e pela visão.
Usando o mesmo exemplo do item anterior, podemos falar de todas as outras
empresas — como a Samsung — que rapidamente seguiram a Apple e
colocaram seus próprios tablets no mercado.

Empreendedorismo Prudente

Esse tipo de empreendedorismo é desenvolvido por pessoas mais cautelosas.


Ele também é um empreendedorismo de imitação, no sentido de que não
desenvolve coisas novas; porém, ao contrário do tipo anterior, não é tão rápido
para adotar novas ideias. Em vez disso, é marcado pela análise cuidadosa e pelo
baixo risco.
Em geral, instituições bancárias são um bom exemplo do empreendedorismo
prudente em ação. Isso faz sentido para o tipo de produto e serviço que elas
oferecem, já que o maior problema para essas empresas é o risco. É por isso
que elas demoram mais para implementar novidades.

Empreendedorismo Conservador
Esse tipo de empreendedorismo é tradicional. Existe um nível mais alto de
resistência a adotar qualquer proposta de mudança. Ele se apoia em métodos e
processos comprovados pelo tempo (embora possa perder oportunidades de
crescimento e retorno).
É difícil encontrar um exemplo de empresa que seja 100% conservadora e,
mesmo assim, alcance o sucesso.
O melhor caso são os pequenos negócios — pense, por exemplo, em
lanchonetes ou papelarias — sem foco em escalabilidade. Como eles não têm a
pretensão de expandir os negócios e competir com grandes players, a
necessidade de inovar não é tão crucial.

5. Aceitação do risco - O empreendedor aceita riscos, ainda que muitas vezes seja
cauteloso e precavido contra o risco. A verdade é que o empreendedor sabe
que não existe sucesso sem alguma dose de risco, por esse motivo ele o aceita
em alguma medida.