Você está na página 1de 9

Ministério da Educação

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ


Campus Londrina

ENGENHARIA QUÍMICA

DISCIPLINA: FÍSICA II – FI62A – TURMA- EQ31

EXPERIMENTO:

Ondas Sonoras – Velocidade do Som

DISCENTES
ARÃO DA SILVA
BRUNO ARTONI GODOY
IGOR JUNJI NOHARA PEREIRA
LEONARDO VICTOR SPIN
HUGO ALVES

DOCENTE
Prof. Dr. Fernando da Silva Alves

Londrina, 19 de Novembro de 2018.


E3.1
1 – Introdução

Ondas sonoras são ondas mecânicas que possuem frequência de vibração entre 20 e
20000 Hertz. A diferença principal entre ondas mecânicas e eletromagnéticas é que ondas
mecânicas precisam de um meio para se propagar, ou seja, não se propagam no vácuo. Outro
fator é que essas ondas variam sua velocidade conforme o meio em que estão inseridas, tendo
isso em mente, realizamos as etapas do processo para encontrar a velocidade do som no ar
teórica e comparar com a velocidade experimental.

E3.2
2 – Materiais

Os materiais utilizados no experimento foram:


- Diapasão 440 Hz
- Proveta
- Becker
- Régua

3 – Procedimento experimental

Primeiramente, medimos a temperatura ambiente e com isso, encontramos a


velocidade do som experimentalmente. Então, adicionamos água à proveta (tubo aberto) e
medimos a altura do nível da água até a boca do recipiente. Feito isso, produziu-se som no
diapasão e o mesmo foi posicionado acima da proveta e, atentando-se para encontrar através
da audição a frequência dos harmônicos da onda. Com os dados necessários, realizaram-se
os cálculos e as velocidades de propagação obtidas foram comparadas.

E3.3
4 – Dados Experimentais

Mais sei lá gatinha


Queria fazer um role contigo antes de entrar de férias kkk, tentar concertar as coisas,
Pode ser sincera comigo, se realmente quiser dar uma oportunidadeMais sei lá
gatinha
Queria fazer um role contigo antes de entrar de férias kkk, tentar concertar as coisas,
Pode ser sincera comigo, se realmente quiser dar uma oportunidadeMais sei lá
gatinha
Queria fazer um role contigo antes de entrar de férias kkk, tentar concertar as coisas,
Pode ser sincera comigo, se realmente quiser dar uma oportunidade
Ocorrência de (Proveta 100 mL) (Proveta 250 mL )
Ressoância h (cm) h (cm)
pouco aparente 19,50 19,20
muito aparente 19,20 18,40
muito aparente 19,00 18,20
aparente 18,70 18,00
Média 19,1 18,45

E3.4
5 – Cálculos e Análise

 2n − 1 
Velocidade do som utilizando f =    vS
 4.L 

Para o tubo maior:

327,34 m/s

Sendo que
n =1
L = 0,184 m
f = 440 Hz

Para o tubo menor:

336,16 m/s

Sendo que
n =1
L = 0,191 m
F = 440 Hz

 2n − 1
Velocidade do som utilizando f =   vS
 4 L' 

Para o tubo maior:

349,16 m/s

E3.5
Sendo que

n =1
L’ = 0,184 m + 0,31.D
D = 0,04 m
f = 440 Hz

Para o tubo menor:

352,53 m/s

Sendo que
n =1
L’ = 0,191 m + 0,31.D
D = 0,03 m
f = 440 Hz

Para determinarmos a velocidade do som em função das condições de temperatura e pressão no


momento do experimento, utilizamos a seguinte expressão matemática:
B
v=

Onde:

B = 1,42.106 Pa (Condicionado a pressão atmosférica)


 =  kg.m -3 (calculada através da razão entre pressão atmosférica por temperatura e
constante dos gases, já que o meio de propagação foi o ar).

Portanto, vteórica = 348,8 m.s-1.

E3.6
Considerando que na proveta de 100 mL observou-se á média dos valores registrados
de 19,1 cm, pode-se calcular a incerteza da velocidade em relação a esse valor de H(L). Para
isso, se faz necessário usar o fator de correção para tubos fechados:

𝐿′ = 𝐿 + 𝐷(0,31)

onde D é o diâmetro da proveta:

𝐿′ = 19,1 + 3(0,31) = 19,92 𝑐𝑚

𝑑𝑣 2 2 𝑑𝑣2 2
𝜎2 𝑣 = 2 . (𝜎𝜆) + 2 . (𝜎𝑓)
𝑑𝜆 𝑑𝑓

𝜎2 𝑣 = (𝑓)2 . (𝜎𝜆)2 + (𝜆)2 . (𝜎𝑓)2

considerando que f é 440 Hz e que o erro associado é 0,5 Hz e que 𝜆 é 0,7984 m (4*L’) e que
o erro é 0,8 cm:

𝜎2 𝑣 = (440)2 . (0,008)2 + (0,7984)2 . (0,5)2 = 12,55

𝜎𝑣 = 3,54

Considerando que na proveta de 250m observou-se á média dos valores registrados


de 18,45 cm, pode-se calcular a incerteza da velocidade em relação a esse valor de H(L).
Para isso, novamente, se faz necessário usar o fator de correção de L para tubos fechados:

𝐿′ = 𝐿 + 𝐷(0,31)

𝐿′ = 18,45 + 4(0,31) = 19,65 𝑐𝑚

E3.7
𝜎2 𝑣 = (𝑓)2 . (𝜎𝜆)2 + (𝜆)2 . (𝜎𝑓)2

considerando que f é 440 Hz e que o erro associado é 0,5 Hz e que 𝜆é 78,56 cm (4*L’) e que
o erro é 1,2 cm:

𝜎2 𝑣 = (440)2 . (0,0012)2 + (0,7856)2. (0,5)2 = 0,43


𝜎𝑣 = 0,66

Por fim, a velocidade determinada do som foi de 350,85 ± 0,66 m.s -1.

E3.8
6 – Conclusões

O experimento consiste basicamente em encontrar o comprimento de tubo em que a


onda possui intensidade sonora máxima dentro da frequência determinada, o que nos daria o
comprimento de onda em que essa onda possui intensidade sonora máxima por meio da
ressonância de um diapasão. O valor que foi obtido experimentalmente (350,85 ± 0,66 m.s -
1
.) foi extremamente próximo do valor teórico (348,82 m.s-1) de tal modo que o valor
experimental com seu devido erro propagado por derivada parcial tem desvio padrão igual a
0,68 em relação ao teórico.

7 – Referências
[1] Handbook of Chemistry and Physics, W.M. Haynes (editor in chief), 94 edition, 2013-
2014.

[2] Tipler, Paul A. (2008). Physics, 6th edition. [S.l.]: W. H. Freeman. ISBN 1-4292-0132-
0.

E3.9

Você também pode gostar