Você está na página 1de 5

Planejamento e Otimização de Expansão de

Redes Elétricas
CASTRO, J. L. S.; FISCHER, D.R.; OLIVEIRA, C.A.S.
Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica
Universidade Federal de Santa Maria
Santa Maria – RS, Brasil.
jorgeluis_jlsc@hotmail.com; darlan_f@hotmail.com; ceausio@bol.com.br

Resumo – Para garantir a disponibilidade de energia elétrica, devem  Critérios básicos para troca de informações entre os
serem consideradas as análises das cargas conectadas ao sistema da agentes envolvidos na gestão do sistema.
rede básica, bem como a estimativa de crescimento e redução da
demanda, pois as mesmas influenciam no planejamento no sistema A análise técnica do sistema, assim como as simulações do
de energia elétrica. mesmo após a realização das obras de expansão, são feitas no
É fundamental que os orgãos responsáveis, pelo sistema elétrico software Anarede.
fiquem acompanhando de perto as variações de demanda de energia e Através do Anarede, é possivel obter várias possibilidades de
a necessidade de investimentos, pois caso contrário podem gerar soluções individuais em relação aos problemas apresentados.
problemas, podendo gerar altos custos de reparos e até mesmo
Desta forma, cada resultado representa um determinado custo
pagamento de multa.
Desta forma, foi utilizado o Software Anarede realizar simulações e e também resulta em um determinado benefício. Assim sendo,
encontrar soluções do planejamento e otimização de redes de sistema o problema de otimização deve indicar aquelas obras que
elétrico. propiciam o menor investimento, através da função objetivo.
O conjunto de restrições, são as funções das variáveis de
Palavras-chave - Planejamento, Otimização de Redes, ANAREDE. tomada de decição do problema, as mesmas devem conter
variáveis inteiras e reais contínuas na capacidade máxima de
I – INTRODUÇÃO carregamento das linhas de transmissão, tranformadores e
níveis de tensão, desta forma forma é fundamental que durante
No cenário atual em que vivemos, a energia elétrica deixou a otimização do fluxo de potência, sejam considerados os
de apenas proporcionar conforto e passou a ser um produto aspectos como perdas, custo de geração e limites de tensão [3].
essencial para o funcionamento e desenvolvimento de todos os
setores.
Os investimentos no sistema elétrico de potência SEP, é II – ASPECTOS GERAIS DO ANAREDE
definido apartir de análises criticas e metodologias que ajudam O Software de análise de redes ou ANAREDE é um
a definir as prioridades e demandas de consumo de energia. programa computacional desenvolvido pelo CEPEL (Centro
Estas ferramantas são necessárias, pois atualmente os de Pesquisas de Energia Elétrica) o qual possibilita a realização
investimentos dependem não somente da necessidade atual, de estudos em operação e planejamento de sistemas elétricos
mas das cargas futuras que poderão serem incrementos no de potência. O CEPEL disponibiliza junto com o ANAREDE
sistema elétrico. um manual do usuário onde podem ser encontradas
Este crescimento constitui problemas relcionados ao informações como as dispostas entre outras em Programa de
suprimento da demanda futura, tais como o sobrecarregamento Análise de Redes V10.02.03 [4].
de linhas de transmissão, transformadores e mudanças nos A versão utilizada ANAREDE, nesse estudo é composta
níveis de tensão que ultrapassam os limites normais de dos seguintes programas:
operação.  Programa de Fluxo de Potência;
Sendo assim, o planejamento de operação e expansão do  Programa de Equivalente de Redes;
SEP, devem ter várias simulaçoes em diferentes cenários, pois
 Programa de Análise de Contingências;
desta forma fica mais fácil na tomada de decisão e investimento
 Programa de Análise de Sensibilidade de Tensão;
de forma correta em aplianções, em subestações e gerações
 Programa de Análise de Sensibilidade de Fluxo;
distribuidas próximas as cargas para a elaboração de obras de
expansão.  Programa de Fluxo de Potência Continuado;
A ANELL (Agência Nacional de Energia Elétrica), é  Programa de Definição das Redes Complementares e
resposável por definir a regulamentação do Módulo 2 do Simulação;
PRODIST (Procedimentos de Distribuição), como [2]:  Programa de Análise de Corredores de
 Planejamento de expansão; Recomposição.
 Estudos e análies do SEP;
III – FLUXO DE POTÊNCIA OTIMIZADO projeção de crescimento da carga para os próximos dez anos,
conforme mostra a Tabela 1.
O principal objetivo do problema de Fluxo de Potência
Ótimo (FPO) é permitir que a operação ótima de um sistema
de energia elétrica, em regime permanente em operação. Esta
metodologia, dentre uma diversidade de programas
computacionais, que permite avaliar segurança e
confiabilidade do sistema, sob o ponto de vista de
planejamento e operação [1].
O problema do fluxo de potência ótimo (FPO), foi sugerido
por Carpentier no início do ano 1960, a partir do problema de
despacho econômico (DE). Na sequência, em 1968, o
problema de DE foi assumido como um caso particular do
problema de fluxo de potência ótimo, por Dommel e Tinney.
A estrutura básica do fluxo de potência ótimo, podem
possuir uma ou duas funções objetias que tem como objetivo
de determinar a analise desejada para otimizar pelo FPO, sendo Tabela 1: Projeção de aumento de carga em barras do sistema
demilitado pelas restrições fisicas e operações do sistema.
A aplicação do Fluxo de Potência Ótimo abrange uma Os dados referentes ao crescimento de carga no horizonte
diversidade de objetivos. Entre eles, pode-se destacar os decenal foram aplicados no software Anarede, ocasionando o
seguintes [5]: surgimento de problemas, tais como os listados a seguir:
 Minimização de perdas;  Problema 1: A linha de transmissão entre as barras 1
 Despacho econômico; e 4 está sobrecarregada, uma vez que sua capacidade nominal
 Despacho preventivo e corretivo; é de 55 MVA e, após o aumento de carga, ela opera com 67,2
MVA;
 valiação da confiabilidade na geração e transmissão.
Alocação de fontes de potência reativa;  Problema 2: O transformador entre as barras 7 e 8
também está sobrecarregado, pois sua potência nominal é de
 Nivelamento do perfil de tensão das barras de carga;
25 MVA, e agora, ele opera com 32,16 MVA;
Esses problemas são mostrados na Figura 2, que representa
IV – ANÁLISE DO SISTEMA E PLANEJAMENTO DA
a simulação do segmento de rede de transmissão após a entrada
EXPANSÃO
dos novos dados de demanda energética.
Este estudo abrange parte de um sistema de transmissão de
energia elétrica, que está operando perfeitamente no ano de
referência (ano 0), conforme mostra a Figura 1. A partir desse
estado inicial, por um período de dez anos, o sistema passa por
aumentos gradativos de carga ao longo de cada ano.

Ba rra 1
1 Ba rra 2 Ba rra 3
2 7. 0 -7 .0 3

1. 0j -0 .7j
14 .1 -1 4.0 1. 000
14 .0
2. 1j -2 .1j

7. 0 -7 .0
0. 995 0. 990
1. 0j -0 .7j
1. 000

Ba rra 4 Ba rra 5
4 20 .0 -2 0.0 5

3. 7j -2 .0j
45 .5 -4 3.5 23 .5 0. 921

14 .5j -9 .7j 6. 0j 20 .0
70 .0
G
20 .1
0. 932 1. 000

Ba rra 7 Ba rra 8
7 8
Figura 2: Simulação do sistema de transmissão no ano 10
-2 2.9 23 .0 -2 3.0

-4 .9j 5. 0j -2 .8j 23 .0
0. 887

0. 901 1. 000 Através das linhas hachuradas na cor vermelha mostrados


Ba rra 6

10 .5 -1 0.5
6
na Figura 2, são perceptíveis problemas de sobrecarregamentos
3. 5j
0. 988
-3 .0j 10 .5
e sobtensões. Para que o sistema volte a operar normalmente
1. 000
0. 999
após o crescimento de demanda, é necessário que algumas
Figura 1: Sistema de transmissão no ano de referência soluções sejam apresentadas. Estas soluções se caracterizam
por obras com o objetivo de eliminar os problemas surgidos.
No ano base, o sistema encontra-se em pleno Sendo assim, um conjunto de obras de expansão do sistema
funcionamento, as barras não apresentam sobretensões ou foi simulado no Anarede e os resultados encontrados são
subtensões, os transformadores e as linhas não apresentam mostrados na Tabela 2.
sobrecarregamentos. Ou seja, não existe nenhum problema de
operação do segmento de rede estudado. No entanto, há uma
Obras Solução dos Problemas
Trafo entre barra 7 e 8 35 MVA 2
Instalar trafo em Paralelo de 25
2
MVA
Instalar uma GD 30 MVA na
1,2
Barra 8
Construir uma Linha entre barra
1
1e4
Tabela 2: Obras realizadas vs. problemas solucionados

A Tabela 2 apresenta as respectivas soluções para cada


problema ocasionado, caracterizando obras de reforços no
Figura 5: Simulação com a construção de uma nova linha
segmento de rede simulado. Cada solução representa um custo
de uma obra, que por sua vez, resulta também em um Na Figura 6 é indicado uma das possíveis soluções para o
determinado benefício. O problema de otimização tem o papel Problema 1 e 2, com a instalação de gerador (GD) na barra 8.
de selecionar aquelas obras que propiciam o maior benefício,
sendo atendidas restrições relativas ao menor custo de
implementação. Ou seja, deste ponto em diante, o objetivo do
trabalho é encontrar qual é a combinação de obras que impacta
no menor custo de implementação.
Na Figura 3 é apresentado uma das possíveis soluções para
o Problema 2, com o aumento da capacidade de transformação
para 35 MVA.

Figura 6: Simulação com a instalação da GD barra 8

V – OTIMIZAÇÃO ATRAVÉS DA MINIMIZAÇÃO DOS


INVESTIMENTOS
Figura 3: Simulação com a troca do TR por um de 35 MVA
Assim como no mercado financeiro, no sistema elétrico
Na Figura 4 é exibido uma outra solução para o Problema também são planejados investimentos com a finalidade de
2, com a instalação de mais um transformador em paralelo. eliminar os problemas existentes, sem abrir mão de garantir o
melhor aproveitamento do dinheiro aplicado.
As análises técnicas do sistema, assim como as simulações
das obras de expansão, geraram diversas possibilidades de
soluções individuais em relação aos problemas apresentados.
A partir disto, o problema de otimização deve selecionar
aquelas obras que propiciam o menor investimento, através da
função objetivo. Ainda, um conjunto de restrições, que são
funções das variáveis de decisão do problema, devem abranger
variáveis inteiras e reais contínuas relativas aos limites de
carregamento das linhas de transmissão, transformadores e
níveis de tensão, que dependem do inter-relacionamento entre
as demais soluções [2]. Dessa forma, existe uma relação de
dependência entre as soluções, de modo que existe a
Figura 4: Simulação com a instalação do TR em paralelo de 25 MVA possibilidade de uma obra só ser viável se outra também for
selecionada. Isto é feito com apoio do software Otimiza,
Na Figura 5 é exposto uma das possíveis soluções para o através da PLIM.
Problema 1, com a construção da nova linha de transmissão (L. Este método utiliza algumas variáveis inteiras e as demais
T.). são variáveis contínuas reais. Sendo assim, a PLIM acrescenta
restrições para as variáveis inteiras que não assumiram valores
inteiros, a partir do problema de programação linear relaxado
[2]. Respeitando sempre o balanço de demanda, limites de considerando o maior fluxo admissível. De modo que, o custo
carregamento de transformadores e limites de operação das das perdas pelo fluxo para as LTs ficou em R$ 8,00/MWh.
linhas de transmissão. Com isto, a função objetivo e o conjunto Ainda, considerou-se como premissa, que o valor máximo
de restrições caracterizam a escolha do agrupamento de disponível para ser investido é R$ 38.000.000,00.
soluções que são necessárias para o bom funcionamento do Partindo dessas premissas, considerações e restrições, foi
sistema, ao menor custo de investimento. O problema de desenvolvido o algoritmo para serem minimizados os custos
PLIM, matematicamente, tal como o problema de programação através do software Otimiza, apresentado no Apêndice 1.
linear, é formado por uma função objetivo e um conjunto de
restrições que são funções das variáveis de decisão do
VI – RESULTADOS
problema. No caso genérico, o conjunto de variáveis pode ser
dividido em dois subconjuntos: Como resultado, se obteve uma solução ótima envolvendo
 de variáveis reais contínuas: x = [x1, x2, ...., xn]; xi ϵ R a construção de uma linha com capacidade de 70 MVA entre a
 e de variáveis inteiras: y = [y1, y2, ...., yn]; yi ϵ N Barra 1 e 4, juntamente com a adição de um transformador em
paralelo e idêntico ao transformador de 25 MVA entre as
E a formulação do problema é dada por: Barras 7 e 8, como mostra a Figura 7.
Max/ min cx + dy
s.a.
Ax + Dy ≤ b
x≥0
y≥0
y inteiro
Para aplicação da PLIM, primeiramente é necessário um
levantamento de custos de cada obra. Para o levantamento da
estimação dos preços de cada obra, foi utilizado como base o
banco de preços da ANEEL referente ao ano de 2015,
considerando alguns critérios adotados pelos autores. Tais
critérios serão discorridos a seguir:
 Entre as barras 1 e 4, foi adotada uma distância de 100
km;
 No banco de dados da ANEEL, com relação aos Figura 8: Simulação do sistema de transmissão após otimização
transformadores de força, só eram dispostos preços de trafos
de 100 MVA. Porém, para a solução do problema, eram Ainda, através do Apêndice 2 é mostrado o resultado da
necessários trafos de menor potência. Dessa forma, foi otimização, com a função objetivo apresentando um
considerado que o preço do trafo varia proporcionalmente com investimento de R$ 29.034.986,00. Dessa forma, o resultado
a potência; da otimização foi bem-sucedido, respeitando o limite da
 Quanto à inserção de GD, foi adotado o tipo de restrição de investimento desejada. Ainda, ao fim do horizonte
geração a gás natural. O custo médio da implantação da GD decenal foi possível resolver os problemas provenientes do
ficou em R$ 1200,00/kW. [4] acréscimo de carga na rede através dos reforços necessários no
sistema, aliado ao menor custo de investimento.
Na Tabela 3 são apresentados os custos atribuídos a cada
Se adotar que as obras necessárias para ano 10, serão feitas
obra.
no ano 1, os custos das obras devem ser trazidos para este ano.
Para isso, pode-se usar algumas técnicas de engenharia
Obras Custos econômica, dentre elas destaca-se o Valor Presente Líquido
1 Construir uma Linha entre (VPL). Aplicando-se o VPL e supondo que a taxa anual de
R$ 27.712.245,00
barra 1 e 4 juros será de 9% a.a, pode-se presumir o valor do investimento
2 Instalar uma GD na Barra 8 R$ 35.000.000,00 na data atual. Na Tabela 4 é mostrado o resultado da regressão
3 Instalar trafo em Paralelo de por VPL.
R$ 1.322.741,00
25 MVA
4 Trafo entre barra 7 e 8 35
R$ 1.851.838,00
MVA
Tabela 3: Obras a serem realizadas com seus respectivos custos

Em relação às novas LTs, adotou-se que a possível LT entre


as barras 1 e 4 deverá ser de 70 MVA.
Os custos referentes às perdas de energia são adotados de
acordo com o preço médio pago por MWh no mês de agosto
de 2017 [3]. Assim, adotou-se que o preço do MWh é de R$
160,12 e que as novas linhas terão no máximo 5% de perdas Tabela 4: Obras a serem realizadas com seus respectivos custos
Pela análise de custos através do VPL, pode-se afirmar que !SÃO NECESSÁRIAS NO MÍNIMO 2 OBRAS PARA
realizar as obras antes dos 10 anos é bastante vantajoso. Uma SOLUCIONAR TUDO
vez que se pode sanar os problemas futuros do sistema o1+o2+o3+o4 >=2
investindo menos que a metade do que seria investido no !OBRAS EXCLUDENTES
último ano. !LT 1 ou GD 8
o1+o2<=1
!trocar trafo 1 ou por em //
VII - CONCLUSÃO
o3+o4<=1
Com o crescimento do país nos últimos anos, está !GD na 8 ou trafo em //
diretamente relacionado com a necessidade de análises críticas o2+o3<=1
e investimentos no sistema elétrico de forma geral. Com esta
necessidade, os profissionais da área de planejamento e !OBRAS INTERDEPENDENTES
engenharia cada vez mais são exigidos conhecimento em !Só adianta construir a LT se por um trafio em // ou a troca do
sistemas elétricos. mesmo
Uma das principais atividades que são desempenhadas por o1-o3 <=1
estes profissionais é acompanhar quais são as cargas que estão o1-o4 <=1
conectadas ao sistema elétrico, onde deve estimar as variações !Condição de que só haverá fluxo se existirem as LTs
e demanda de energia que ocorrem ao longo do tempo. Dentro f1-70o1<=0
de suas atividades tem como tarefa um serviço de qualidade e
sejam capazes de reforçar a rede sempre que necessário. end
Neste trabalho em questão foi identificado, que o
crescimento de demanda de energia ocasionou-se problemas INT o1
relacionado ao fornecimento de energia nas linhas de INT o2
transmissão, como: sobrecarga nas linhas, transformadores, e INT o3
níveis de tensão. Desta forma, foi realizado uma análise, para INT o4
expansão do sistema com capacidade de fornecimento de
acordo com o planejamento. ! DESCRIÇÃO DAS OBRAS
! o1: LT de 70 MVA entre barras 1 e 4
! o2: GD 30 MVA diesel na barra 8
REFERÊNCIAS
! o3: Por trafo de 25 MVA em paralelo com trafo1
[1] M. G. Echeverri. Planejamento e Despacho Ótimo de ! o4: Trocar trafo 2 p 35MVA
Reativos em Sistemas de Energia Elétrica Multi-Áreas. ! cf1: custo das perdas por fluxo na LT 1-4
Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista. Ilha
Solteira – SP, 2011.
[2] ANEEL. Procedimentos de Distribuição de Energia APÊNDICE 2
Elétrica no Sistema Elétrico Nacional – PRODIST Módulo
II – Planejamento da Expansão do Sistema de Distribuição.
Brasil, 2013. Solução ótima encontrada:
[3] N. Kagan; H. P. Schmidt; C. C. B. Oliveira e H. Kagan. Z = 29034986,0000
Métodos de Otimização Aplicados a Sistemas Elétricos de o1 = 1,0000
Potência, São Paulo: Editora Blucher, 2009. ISBN 978-85- f1 = 0,0000
212-0472-5. o2 = 0,0000
[4] Eletrobras CEPEL, “Manual do Usuário Programa de o3 = 1,0000
Análise de Redes V10.02.03”, Departamento de Redes o4 = 0,0000
Elétricas, Setembro 2017.
[5] E. A. Amorim. Fluxo de Potência Ótimo em Sistemas
Multimercados Através de um Algoritmo Evolutivo
Multiobjetivo. Tese de Doutorado. Universidade Estadual
Paulista. Ilha Solteira – SP, 2006.

APÊNDICE 1
! ESCOLHA DA OBRA MINIMIZANDO O
INVESTIMENTO
min 27712245o1 + 8f1 + 35000000o2 + 1322741o3 +
1851838o4
st
! RESTRIÇÃO DE ORÇAMENTO
27712245o1 + 8f1 + 35000000o2 + 1322741o3 +
1851838o4<= 38000000