Você está na página 1de 32

CESSET – Centro Superior SENAC de Educação Tecnológica

CURSO: Curso Superior de Tecnólogo em Gerenciamento das Tecnologias da


Informação (TGTI)
Centro de Educação Profissional de Florianópolis

“Educação Ambiental para Crianças em idade Escolar”


(NAS TRILHAS DA ILHA)

Acadêmicos: Neri Ferreira Filho


Ordilene Gomes da Paixão
Fabio Vazquez Guimarães
Erick Specialski Menor

Junho/2005
SUMÁRIO

1 - INTRODUÇÃO.......................................................................................................3
1 . 2 – Educação Ambiental para Crianças em idade Escolar...............................3
1 . 3 – Alguns conceitos............................................................................................4
2 – OBJETIVOS..........................................................................................................5......
3 – JUSTIFICATIVA....................................................................................................6
4 – O CAMPO DE ATUAÇÃO DA EMPRESA NO MERCADO DE
TRBALHO...................................................................................................................9
4 . 1 – O Projeto Empresa.........................................................................................9
4 . 2 – Os Empreendedores.....................................................................................10
4 . 3 – O Plano de Marketing...................................................................................10
4 . 4 – O Plano de Vendas.......................................................................................10
4 . 5 – OS Aspectos Legais.....................................................................................11
4 . 6 – O Plano de Desenvolvimento......................................................................11
4 . 7 – O Plano Financeiro.......................................................................................11
4 . 8 – Os nossos Produtos/Prestações de serviços............................................12
4 . 9 – A Importância...............................................................................................12.
5 – PESQUISA DE CAMPO......................................................................................12
6 – Divisão das trilhas por faixa etária e escolaridade.........................................13
7 – MODELAGEM DE DADOS..................................................................................25
8 – CONCLUSÃO......................................................................................................26
9 – REFERENCIAS CONSULTADAS.......................................................................27
10 – ANEXOS............................................................................................................28
11 – CRONOGRAMA................................................................................................29
12 – QUESTIONÁRIO................................................................................................30
13 - ARTICULAÇÃO COM AS DISCIPLINAS...........................................................31

2
1 – INTRODUÇÃO

1 . 2 – Educação Ambiental para Crianças em Idade Escolar

A tecnologia trouxe avanços para a humanidade num mundo de chips e


estímulos eletrônicos, mas o olho consciente não deixa de banhar-se na beleza da
natureza. E cada vez mais as atenções se voltam para a preservação. Cuidar da
natureza passou a significar, também, preservar o futuro. O nosso Projeto/Empresa visa
conciliar a tecnologia e o meio ambiente, fruto de conhecimentos adquiridos em sala de
aula usando a tecnologia como ferramenta, com um site na internet para divulgação do
nosso Projeto, para informar e tirar dúvidas.
A Educação Ambiental mais do que nunca é de vital importância na sociedade,
haja vista a degradação existente causada pela ação do homem, e para tanto é a
missão do nosso Projeto/Empresa, realizar inicialmente um Programa de Educação
Ambiental junto às instituições de ensino fundamental, realizando caminhadas
ecológicas, a fim de integrar o aluno ao meio ambiente, transmitindo e difundindo
princípios básicos e essenciais à formação de cidadãos conscientes e sensibilizados de
seus deveres para com o ambiente e a sociedade.
A Educação Ambiental em trilhas ecológicas são interpretativas. Podem
apresentar percursos nos quais existem pontos determinados para interpretação com
auxílio de placas, setas e outros indicadores (braile por exemplo), ou então pode-se
utilizar a interpretação espontânea, na qual monitores estimulam as crianças à
curiosidade a medida que eventos, locais e fatos se sucedem. Feitos através da
observação direta em relação ao ambiente, os desenhos tornam-se instrumentos
eficazes para indicar os temas que mais estimulam a percepção ambiental do
observador desta idade.
Nosso principal foco é de subsidiar e orientar a comunidade em geral
especialmente crianças e adolescentes, alunos em idade escolar fundamental, em
assuntos relacionados à natureza e ao homem, através de caminhadas ecológicas na
Ilha de Florianópolis-SC, visando mostrar que é possível, o desenvolvimento sem
agressão ao meio ambiente. Mostrar que certos procedimentos melhoram a qualidade

3
de vida e protegem a saúde a curto médio e longo prazo. Conscientizar o aluno e aos
pais/responsáveis, da importância de prorrogar o tempo de utilização dos recursos
naturais para que os que virão, também poderem se valer deles para as suas
necessidades.

Alguns conceitos

A Educação Ambiental é definida a partir de sua finalidade essencial. Segundo


UNESCO-PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), "é necessário
visar o desenvolvimento de uma tomada de consciência voltada para o meio ambiente",
e "a Educação Ambiental deve facilitar uma tomada de consciência da
interdependência econômica, política e ecológica do mundo moderno, de modo a
estimular o senso de responsabilidade e de solidariedade entre as nações. Isto constitui
um pré-requisito para que os problemas ambientais graves que se localizam no plano
mundial possam ser resolvidos" (Relatório Final da Conferência de Tbilisi, 1977 in
PEAM, 2000).

"A Educação Ambiental é a ação educativa permanente pela qual a comunidade


educativa têm a tomada de consciência de sua realidade global, do tipo de relações que
os homens estabelecem entre si e com a natureza, dos problemas derivados de ditas
relações e suas causas profundas. Ela desenvolve, mediante uma prática que vincula o
educando com a comunidade, valores e atitudes que promovem um comportamento
dirigido a transformação superadora dessa realidade, tanto em seus aspectos naturais
como sociais, desenvolvendo no educando as habilidades e atitudes necessárias para
dita transformação."

Conferência Sub-regional de Educação Ambiental para a Educação Secundária


Chosica/Peru (1976)

"A Educação Ambiental é um processo de reconhecimento de valores e


clarificações de conceitos, objetivando o desenvolvimento das habilidades e
modificando as atitudes em relação ao meio, para entender e apreciar as inter-relações
entre os seres humanos, suas culturas e seus meios biofísicos. A educação ambiental

4
também está relacionada com a prática das tomadas de decisões e a ética que
conduzem para a melhora da qualidade de vida"

Conferência Intergovernamental de Tbilisi (1977)

"Entendem-se por Educação Ambiental os processos por meio dos quais o


indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades,
atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso
comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade."

Art. 1o da Lei no 9.795 de abril de 1999

2 – OBJETIVOS

Levar Educação Ambiental para crianças em idade escolar por faixa etária
(séries do ensino básico e fundamental) de segunda a terceira série, de quarta a quinta,
de sexta a sétima e oitava, explorando uma fatia do mercado bem pouco explorada aqui
em Florianópolis.
O Projeto Integrador do curso de TGTI (1°semestre de 2005) do SENAC-SC tem
como objetivos principais os tópicos relacionados abaixo:

 Utilizar inicialmente a Educação Ambiental x Tecnologia em trilhas ecológicas para


crianças em fase escolar na Ilha de Florianópolis.
 Criar um site para divulgação dos serviços de acompanhamento de crianças nas
trilhas ecológicas de Ilha de Santa Catarina.
 Determinar quais as trilhas serão utilizadas por crianças de idade entre 7 e 17 anos
inicialmente (poderá ser expandido futuramente conforme a necessidade da Empresa).
 Determinar o número ideal de acompanhantes (monitores) para cada grupo de x
crianças.
 Determinar os profissionais qualificados para a realização do projeto
 Conscientizar as gerações futuras da necessidade da preservação do nosso
ecossistema como um todo.
 Esclarecer que fazemos parte do todo e estamos intimamente ligados a ele.

5
 Informar sobre a necessidade de preservar o meio que vivemos, e ensinar que
degradando o meio estamos nos degradando.
 Aplicar as experiências bem sucedidas.

Temos como principal objetivo, a tarefa de levar Educação Ambiental, de forma


prazerosa e responsável, e conscientizar nossas crianças do valor das nossas riquezas
naturais, esclarecendo dúvidas sobre o meio ambiente e ecossistema da Ilha de
Florianópolis, pois as crianças nessa fase são muito curiosas, e levar informação de
uma forma correta e abrangente, aplicando-se na prática, o bem estar das trilhas
ecológicas.
Usando a tecnologia como ferramenta. Nosso site tem como objetivo divulgar
nossos serviços, tirando qualquer dúvida de pais/responsáveis e/ou professores, de
como está sendo realizado nossos serviços, e sempre atualizando com fotos e
informações das últimas trilhas feitas, e como solicitar nossos serviços.
Inicialmente começaremos com grupos de crianças de 7 a 17 anos, devidamente
monitorados por pessoas especializadas.
Nossa intenção, além de ser um projeto educativo, conforme a nossa pesquisa
de mercado, sentimos a necessidade de um serviço voltado para o público infantil, que
visa juntamente com pais/responsáveis e/ou professores a complementação da
educação de seus filhos, de estar ensinando na prática como preservar a natureza e o
respeito ao ecossistema.

3 – JUSTIFICATIVA

A Ilha de Santa Catarina tem uma grande diversidade de caminhos e trilhas,


apresentando as mais diversas características: de curto a longo percurso: de
caminhada simples em terrenos planos, à caminhada radical com exposição que
exigem experiência e conhecimento prévio da área; alguns requerem um preparo físico
normal, já outros exigem um preparo físico apurado (especialmente para adultos). Isto
se deve ao fato de existirem caminhos e trilhas que reúnem, ao longo de seus
percursos, ecossistemas e paisagens diversificadas, como morros, costões, planícies
costeiras arenosas, dunas com restingas, manguezais, baías, enseadas, lagoas,

6
córregos e mata típica da Floresta Atlântica, às vezes compondo áreas de preservação
que abrigam inúmeras espécies vegetais e animais.
Muitos percursos cruzam ou estão localizados em diferentes áreas de
preservação, como parques e reservas ecológicas; todos os caminhos e trilhas do sul
da Ilha tem essa característica.
Aproximadamente dois terços dos caminhos e trilhas envolvem trechos de
caminhadas semi-pesadas, pesada, difícil e radical (especialmente para adultos),
geralmente em aclives acentuados que exigem esforço. O tipo de terreno mais
característico é o de terra batida, inclusive argilosa, em que afloram seixos da base
granítica que formam morros.
Alguns caminhos e trilhas têm uso regular, servindo de acesso a praias, mantidas
para passeios em áreas de preservação e como acesso a algumas comunidades
isoladas.
Parte dos caminhos e trilhas sofrem um processo de desaparecimento e
esquecimento. Naqueles em que o uso se tornou pouco freqüente, mesmo que tenha
sido importante na história do passado da Ilha, é comuns a construção de cercas,
muros e construções em propriedades que impedem a passagem camuflam os pontos
de acesso, aos poucos tomados pela regeneração da vegetação ou perdidos pelo
desmatamento.
Nem todos os caminhos e trilhas são acessíveis para a maioria das pessoas
muitos oferecem dificuldades físicas e alguns encontram-se interrompidos por cercas,
podendo ocorrer o impedimento da passagem por parte dos “proprietários”. Em alguns
percursos podem aparecer cães ameaçadores.
Com a o turismo ecológico, os caminhos se mantém, porém passam a ser objeto
de um outro espaço, com outras funções, que os organiza e que os inclui,
principalmente dentro da produção da industria Ambiental.
A busca de uma proximidade maior com a natureza não transformada pelo
homem para alívio das conseqüências negativas do modus vivendi hoje, principalmente
nas grandes cidades, tem promovido um interesse crescente pelas caminhadas
ecológicas.
A impossibilidade de relações completas e não estressantes nas cidades, onde o
meio é percebido e vivido apenas em parte, onde o que é concreto torna-se também

7
impossível e invisível frente às diferentes e seletivas possibilidades de uso de
relacionamento, fato hoje acentuado pelos níveis de globalização a que os lugares
estão expostos, promove, em alguns, a busca de um contato maior, mais significativo e
mais totalizante com o meio.
A indústria do turismo descobriu a intermediação entre as pessoas e a busca da
natureza, através de passeios por caminhos e trilhas em locais preservados, uma forma
de aumentar seu espaço de atuação. Assim, através da organização e infra-estrutura
que dispõe, acaba fomentando o aumento dos chamados passeios ecológicos, em que
os caminhos e trilhas entram como um dos vários produtos dessa indústria. Existe,
porém, no caso da Ilha, um significativo número de pessoas que percorrem os
caminhos e as trilhas como forma de lazer por conta própria.
Caminhar sobre caminhos e trilhas sejam eles novos ou velhos traçados, requer
mais do que equipamentos e informações! Acima de tudo isto está relacionado ao
preparo físico e ao estado de espírito do caminhante – leve e decidido, pioneiro e
aventureiro, intimamente ligado à natureza e ao belo, pois as manifestações estéticas,
de som, de relacionamento e de cheiro, por exemplo, conduzem o caminhante a viver o
paraíso!
O compromisso deve ser total, pois “não temos duas terras, uma para explorar
experimentalmente e outra para viver”!
O respeito à natureza e ao futuro (a gente que ainda vem) é um ato de respeito
que leva o desfrute do caminhante rumo à sua realização como ser humano, onde o
farfalhar das folhas secas se transforma em sinfonia e o orvalho traz o brilho das
estrelas ao alcance do caminhante – o universo está em suas mãos, não como
domínio, mas como poesia que penetra na alma e deixa o corpo feliz.
Dos recursos mais importantes para sobrevivência humana está na guarda e
perpetuação dos atributos físico-naturais e culturais de seu habitat.
A conjugação dos dois componentes acima citados potencializa ainda mais a sua
importância para a qualidade de vida de uma população em um determinado espaço.
Neste particular, a Ilha de Santa Catarina tem sido, sobremaneira, aquinhoada
com ambos-composição e recortes físico-naturais invejáveis, e uma profusa rede de
caminhos e trilhas historicamente construída desde os tempos dos homens primitivos,
resultando num cenário dos mais dinâmicos e de rara beleza.

8
A gente de hoje busca novos caminhos e trilhas, diferentemente da gente de
então, mas não necessariamente novas marcas físicas na paisagem, e sim um novo
uso em função de outros agentes e outros objetivos – o caminhante de então, como
pioneiro, buscava construir o futuro, já o caminhante de hoje procura encher a vida com
o resgate do passado e com o experimentar da alma-natureza, adentrando o século da
espiritualidade!
Resta, portanto, o trato de tais atributos para que a natureza física e as marcas
deixadas na terra, na forma de caminhos e trilhas, não se percam da vida!

4 – O CAMPO DE ATUAÇÃO DA EMPRESA NO MERCADO DE TRBALHO

4 . 1 – O Projeto/Empresa

Nossa empresa é “virtual”, com o nome fantasia: Nas Trilha da Ilha, e se situa no
ramo de prestação de serviços, tendo como missão, levar conhecimentos teóricos e
práticos por meio de visitação a lugares de natureza ainda preservada, definindo os
lugares de visitação por faixa etária de crianças.
Nosso objetivo é conciliar meio ambiente e tecnologia, por meio de divulgação
em nosso site, www.nastrilhasdailha.com.br; e-mail: nastrilhasdailha10@tutopia.com.br
manuais explicativos e visitas a instituições de ensino particular.

4 . 2 – Os Empreendedores

Somos estudantes do primeiro semestre do curso de TGTI (matutino) grupo


composto por quatro integrantes.
Temos o objetivo em comum de estruturar um(a) Projeto/Empresa que concilie
meio ambiente e tecnologia, por meio de divulgação e nosso site, levando grupos de
crianças para visitação de trilhas e lugares onde a natureza ainda é intocada.
Nossa estrutura esta direcionada para a divulgação de nossa empresa virtual via
site, visitação e exposição de nossos serviços em escolas particulares, captação de
cadastro via banco de dados, com visitação de nossa página. Cadastro de serviços

9
terceirizados: transporte, Biólogos, Geógrafos, guias que estarão inseridos nas
caminhadas.

4 . 3 – O Plano de Marketing

 Nosso ambiente de captação de clientes é preferencialmente virtual.


 Nosso produto é a prestação de serviços educacionais de qualidade.
 Através de pesquisas de mercado em conjunto com o Sebrae/SC, chegamos a
conclusão que a empresa é viável.
 Estamos sempre avaliando nossos serviços por meio de questionários enviados via
mala direta para nossos clientes, avaliação pré e pós prestação de serviços.
 Aqui na Ilha de Santa Catarina/Florianópolis, não conhecemos empresas nesse
ramo, o nosso serviço se diferencia pela qualidade de atendimento aos clientes.

4 . 4 – O Plano de vendas

 Estimular via palestras a Educação Ambiental nas escolas.


 Em principio; concentrar nossos serviços na Ilha de Santa Catarina/Florianópolis,
com possibilidades de futuras ramificações em outros seguimentos.
 Nossa propaganda será preferencialmente via internet, mala direta, prospectos e
divulgação em escolas particulares, divulgação da nossa logo marca, além dos meios
de comunicações tradicionais.
 Nossos preços são compatíveis com o serviços de boa qualidade que oferecemos.
 Temos um serviço de pré e pós-avaliação, após o serviço prestado, remetemos para
o cliente um formulário de pesquisa de satisfação para preenchimento e posterior
devolução.

10
4 . 5 – Os Aspectos Legais:

Torna-se necessário tomar algumas providencias para abertura do


empreendimento, tais como:

 Registro na Junta Comercial;


 Registro na Secretaria da Receita Federal;
 Registro na Secretaria da Fazenda;
 Registro na Prefeitura do município;
 Registro no INSS (Somente quando não tem o CNPJ – Pessoa autônoma – Receita
Federal);
 Registro no Sindicato Patronal;
 Registro do domínio: www.nastrilhasdailha.com.br

4 . 6 – O Plano de Desenvolvimento

 Nosso(a) Projeto/Empresa já esta totalmente desenvolvido(a) e com alguns ajustes


estará pronto(a) para funcionar.
 Nosso risco; podemos definir como baixo, pois a empresa se restringe a virtualidade,
captando clientes via site (banco de dados), contratação de serviços terceirizados,
recebemos uma parte do pagamento no ato da assinatura do contrato de prestação de
serviços (50%) e 50% após a prestação do mesmo..

4 . 7 – O Plano Financeiro

 Investimento Inicial R$ 100,00 (Montagem da página/site);


 Despesas fixas com manutenção do site R$ 80,00;
 Pagamento de terceirizados:
1 - Veículo para transporte do grupo R$ 150,00;

11
2 - Custo com impressão/divulgação de material impresso (Cartilha, inicialmente 100
exemplares) R$120,00;
3 - Pagamento de Biólogos e Geógrafos R$ 40,00 (por seguimento, um Bio, um Geog);
4 - Pagamento de Guias R$ 30,00 (um guia);
5 - Valor do pacote da prestação de serviços, grupo 40 crianças R$1.000,00.

4 . 8 – Os nossos Produtos/Prestações de Serviços

 Levar conhecimento/consciência sobre a preservação ambiental para crianças em


idade escolar, promovendo caminhadas em lugares de natureza preservada, com o
auxilio e orientação de guias, Geógrafos: Orientando sobre a preservação do relevo,
clima, vegetação, impactos ambientais; Biólogos: Orientando sobre a preservação da
fauna, flora, ecossistema.

4 . 9 – A Importância

Educar/orientar as futuras gerações que é preciso preservar o nosso ambiente


com um todo, o ecossistema não se renova com facilidade, nossos recursos naturais
são finitos, para que no futuro tenhamos uma melhor qualidade de vida.

5 – PESQUISA DE CAMPO

Todos os caminhos e trilhas mapeados têm duração de caminhada inferior a um


dia.
A maioria pode ser percorrida em uma manhã ou tarde, incluindo o tempo
necessário de deslocamento a partir do centro da cidade de Florianópolis, fazendo com
que sejam dispensados indumentárias e equipamentos pessoais mais pesados.
Quem caminhar com crianças deve tomar cuidados especiais, observando o grau
de dificuldade da caminhada e tomando conhecimento do percurso para evitar expô-las
aos possíveis riscos ao longo da caminhada.

12
Levando agasalho, e caso seja necessário a criança carregar uma mochila, deve
ser observado o peso (que não deve ficar acima de 5% do seu peso corporal).A posição
mais segura para uma criança caminhar é entre dois adultos.
Crianças devem utilizar roupas coloridas para que sejam facilmente avistadas em
caso de se perderem. Crianças, mesmo em grupo, não devem se aventurar sem o
acompanhamento guias especiais.
A responsabilidade do caminhante inclui a conservação dos caminhos e trilhas,
levando consigo o lixo produzido, não fazendo o uso de fogo em locais de risco
(apagando qualquer vestígio na saída, evitando risco de incêndio, mesmo em locais
abertos).
Cuidados especiais devem ser tomados quanto ao risco imposto por animais
peçonhentos.
É aconselhável levar estojo de primeiros socorros.

6 – Divisão das trilhas por faixa etária e escolaridade

Trilha do Churrão de 3 a 4a. séries

A trilha liga a Praia Brava à estrada Jornalista Jaime de Arruda Ramos, próximo à
Praia da Lagoinha, onde atravessa o quintal da casa n° 718. Percorre áreas de
capoeirinha, plantações e algumas casas. O percurso permite o desfrute da paisagem
do norte da ilha.

13
FIGURA 01 – Vista do mar aberto

FIGURA 02 – Vegetação de capoeira e visão da baia norte

14
Trilha da Feiticeira de 4 a 5a séries

A trilha, utilizada por pescadores, liga a Praia dos Ingleses à Praia Brava. Em
alguns pontos desaparece, alcançando as rochas do Costão; deve-se manter a atenção
para reencontrar os pontos de retorno. É recomendado o uso de calçado com sola de
borracha aderente para diminuir os riscos de acidentes na caminhada sobre as rochas.

Para chegar à Praia dos Ingleses pode-se pegar as linhas de ônibus de Ingleses,
Rio Vermelho ou Capivari, saltando no asfalto e caminhando em direção ao canto oeste
da praia ou, se motorizado, acessando via Rua das Gaivotas até o seu final.

Na Praia Brava não há linhas de ônibus regular, tendo-se que caminhar pela
rodovia de acesso à praia até a estrada que leva a Ponta das Canas ou caminhar pela
Trilha do Churrão, que liga a Brava até a estrada Jornalista Jaime de Arruda Ramos, na
Praia da Lagoinha, e pegar o ônibus de Ponta das Canas para retornar ao centro de
Florianópolis.

FIGRA 03 – Visão mística da natureza

15
Trilha do Jacatirão de 5 a 6a. séries

Trilha que inicia próximo à sede do Parque


Desterro (UFSC), contornando um mirante
instalado na linha de cumeeira ao sudoeste do
Morro Ribeirão das Pedras. A trilha contém
sinalização e é adaptada com degraus de
madeira, pedra e alguns trechos sobre elevados
de madeira. A trilha percorre diferentes estratos
de sucessão da vegetação da Floresta Atlântica
(Ambrófila Densa) em regeneração, percorrendo
capoeirinha nas áreas de menor altitude,
capoeira e capoeirão ao atingir as cotas
próximas a 100 metros em áreas acidentadas e
de alta declividade.

FIGURA 04 - Trilha do Jacatirão

Trilha da Lagoa do Peri ao Alto Ribeirão 7 a 8a. séries

A trilha liga a Lagoa do Peri ao Alto Ribeirão, atravessando a linha de cumeeira


entre o Morro das Pedras e o Morro da Cachoeira Grande. No alto da vertente da lagoa,
a trilha transforma-se em uma picada pouco marcada e com bifurcações que levam a
pequenos córregos e bananais. Na cumeeira há um rancho, bananais e clareiras. No Alto
Ribeirão, próximo a uma servidão sem denominação, a trilha é interrompida por cercas
de uma propriedade particular.

16
FIGURA 05 - Trilha da Lagoa do Peri e Alto Ribeirão da Ilha

FIGURA 06 - Trilha da Lagoinha do Leste

17
Trilha da Lagoinha do Leste 7 a 8a. séries

A trilha inicia na Servidão Manoel Pedro Oliveira (nome não oficial, indicado
pelos moradores), no Pântano do Sul, no final da SC-406, e atravessa áreas de Mata
Atlântica no Parque Municipal da Lagoinha do Leste. Na cumeeira há um pastagem, e
na vertente da Lagoinha há ocorrência de capoeirinha e vegetação rasteira. A trilha é
utilizada por pescadores, surfistas e freqüentadores da praia que costumam acampar
na restinga no final da trilha e nas margens da laguna próxima ao costão norte.

Trilha do Matadeiro à Lagoinha do Leste 7 a 8a. serie

A trilha percorre pastos entre a Ponta da


Lagoinha e a Ponta do Facão, no costão norte
da Praia da Lagoinha do Leste, áreas de
capoeirinha e capoeira nos vales dos córregos
que nascem no Morro do Matadeiro, nos
trechos próximos à Ponta do Quebra Remo. À
partir do trecho inicial, na Praia do Matadeiro,
junto à Ponta do Quebra Remo, a trilha
percorre áreas de preservação permanente do
Parque Municipal da Lagoinha do Leste.

Os caminhantes devem utilizar calçados com


sola de borracha aderente para diminuir o risco
de queda nos trechos sobre as rochas nas
pontas de costões e no trecho coberto por
seixos próximo ao Matadeiro.

FIGURA 07 – Trilha do Matadeiro até a

Lagoinha do Leste

18
Trilha do Mel 3 a 4a. séries

A trilha inicia na Cidade das Abelhas


(EPAGRI), no bairro Saco Grande, e
acompanha o curso do Rio do Mel em direção
à linha de cumeeira entre o Morro Ribeirão das
Pedras e o Morro da Virgínia no Parque
Desterro (UFSC). Na cumeeira, a picada
termina em uma clareira coberta por
gramíneas próximo à nascente do Rio do Mel.

FIGURA 08 - Trilha do Mel

Trilha do Morro das Aranhas 6 a 7a. séries

O Caminho que liga a Praia de Moçambique à Praia do Santinho atravessa os


costões da Ponta das Aranhas, Ponta do Lageado e Ponta do Calhau Miúdo no Morro
das Aranhas, percorrendo áreas de pastos e capoeirinha. No trecho próximo à Praia do
Santinho há um sítio arqueológico com pinturas rupestres nas rochas do costão; uma

19
oficina lítica se localiza no início do costão, na praia de Moçambique, onde está o
extremo sul da trilha.

Os caminhantes devem utilizar calças de tecido resistente para evitar cortes


pelos gravatás, abundantes nas áreas de pasto ao longo da trilha, e calçados com sola
de borracha aderente para evitar quedas nos trechos sobre as rochas nas pontas de
costão.

FIGURA 09 - Trilha da Ilha do Morro das Aranhas

Trilha dos Naufragados 5 a 6a. serie

A trilha, que parte da Caieira da Barra do Sul, entra na área do Parque Estadual
da Serra do Tabuleiro que abrange o extremo sul da Ilha de Santa Catarina,
percorrendo áreas de Floresta Atlântica original e em estágio de regeneração. A trilha é
utilizada por moradores da Praia dos Naufragados e é uma das mais visitadas por
adeptos de caminhadas. No trecho central encontram-se ruínas de antigos casarões e
engenho. No passado, a trilha percorria áreas de plantações de mandioca, feijão e
milho.

20
FIGURA 10 - Trilha dos Naufragados

21
FIGURA 11 Trilha dos Naufragados

Trilha do Poção 3 a 4a.. séries

Esta trilha inicia no final da rua Sebastião


Laurentino da Silva, ao lado da propriedade n°
1.330 no bairro do Córrego Grande, e acompanha
o curso do Córrego Grande no Parque Municipal
Maciço da Costeira. A trilha cruza áreas de
Floresta Atlântica em regeneração (capoeirão e
mata secundária) até uma cachoeira no limite da
área de captação de água da Companhia
Catarinense de Água e Saneamento (CASAN), em
área de preservação do Parque Municipal Maciço
da Costeira. O poção - uma piscina natural
formada pelas águas do Córrego Grande
após uma queda acentuada - é utilizado
como área de lazer pela comunidade, FIGURA 12 – Trilha do Poção
principalmente para banhos e piqueniques.

22
Cuidados necessários para uma caminha

 Calçados:

Podem ser usados desde botas de couro simples ou de hiking, encontradas nas
lojas de artigos para camping, até um bom tênis velho, e quem tenha solados de
borracha para aderir melhor as rochas e seixos que estão presentes em quase todos os
caminhos e trilhas.
Deve ser evitado caminhar com calçados muito apertados ou com sola de
plástico ou de madeira (Tamancos).Nos caminhos e trilhas menos marcados devem ser
utilizadas botas de cano alto, com preferência pelas de borracha dura, a fim de evitar
acidentes com animais peçonhentos.Não aconselhável o uso de sandálias.
É importante observar que alguns caminhos e trilhas apresentam superfície de
solo arenoso, outros de solo argiloso, outros ainda uma composição de ambos; muitos
caminhos apresentam uma composição de solo argiloso com seixos expostos, e há
aqueles que adentram áreas de rochas expostas, às vezes de difícil transposição.

 Roupas:

A roupa apropriada varia de acordo com o trajeto do caminho ou trilha, suas


características e as condições atmosféricas.Calças de tecido resistente e confortável e
camisetas são suficientes.
Camisas ou coletes com bolsos fechados são uma boa opção para quem prefere
caminhar sem mochila.Durante o inverno e em dias frios, quando for necessário o uso
de agasalhos, deve ser dada preferência aos de algodão ou lã, que permitem uma
melhor transpiração; deve-se evitar agasalhos sintético ou muito pesado.Uma capa de
plástico de pouco volume pode ser uma boa opção para levar na mochila,
principalmente para quem caminhar durante as tardes de verão, quando ocorrem
aguaceiros fortes.

 Mochila:

23
Há uma tendência de se utilizar mochilas em caminhadas, porem muitas vezes
podem ser dispensadas, dependendo do percurso, do local, do tempo que se vai
caminhar e da preferência do caminhante.Caso seja necessário carregar algum
apetrecho, é aconselhável o uso de mochilas pequenas com bolsos externos que
possam acondicionar objetos que devem estar a mão, como câmaras e filmes, por
exemplo.Para quem caminha é importante estar com as mãos livres, principalmente
para apoio em árvores e rochas e em caso de escorregões e quedas, por isso deve ser
evitado utilizar sacolas ou sacos que ocupem as mãos.

 Alimentos:

Dê preferência aos alimentos energéticos e de pouco peso e volume, como


chocolates, compostos de grãos secos (granolas, barras de cereais, amendoim, nozes),
frutas secas ou frescas que ajudam a hidratar, queijos secos, biscoitos etc. Carnes
devem ser secas ou defumadas; salames são boas opções. Evite levar alimentos que
necessitem de preparo ou estar resfriados, pois envolvem o carregamento de fogareiros
ou acondicionamento térmico.

 Objetos:

 Dispense o uso de facões (não permitidos em parques).


 Lembre-se que você vai caminhar e não abrir uma picada!
 Leve um saco plástico na mochila para acondicionar o lixo.
 Leve também papel higiênico e canivete; um guia e um pequeno estojo de primeiros
socorros são aconselháveis.Para passar a noite em um caminho ou trilha, ou para
quem for surpreendido pela escuridão ao caminhar no final de tarde, principalmente nas
tardes curtas de inverno, é aconselhável levar uma lanterna de cabeça, o que permite

24
deixar as mãos livres.As melhores lanternas são as de borracha vedada, que permitem
o uso em caso de chuva.
Embora alguns caminhos e trilhas cruzem vários córregos, um cantil cheio pode
ser uma boa opção para os trechos mais longos.
Uma bússola pode ser utilidade, porem não se esqueça de marcar a direção a
partir de um ponto de referencia.

7 – MODELAGEM DE BANCO DE DADOS

25
8 – CONCLUSÃO

A Educação Ambiental, utiliza-se da proposta de elementos pedagógicos e


criativos que refletem uma visão da realidade sócio – ambiental.

26
As crianças não só desejam como estão ansiosas para fazer a sua parte na
preservação do meio, mais também, precisam de informação, acompanhamento e, o
mais importante da consciência de que tem um poder de interferir nas coisas.
As crianças não só podem como devem fazer algo pela natureza. Podem e
necessitam experimentar um sentimento de satisfação que acompanhem a
realização de algo bom e certo.
Esta é a nossa meta e responsabilidade de levar Educação Ambiental a crianças
em fase escolar, a maravilhosa realidade das trilhas ecológicas.
Devemos nos conscientizar da importância de contribuir com a natureza, para que a
vida na terra seja saudável, em harmonia com o meio. Afinal só temos esse planeta pra
morar.
Nossa principal desafio foi conciliar/fundir tecnologia e meio ambiente, nosso
projeto/empresa é virtual, por meio de utilização de recursos da área tecnológica. As
novas tecnologias nos auxiliaram, via mídia eletrônica na divulgação de nossa proposta,
montamos um site para capitação de clientes via reservas on-line (contato) e
divulgação da idéia central do projeto, nosso público alvo são crianças em fase escolar
das escolas particulares da grande Florianópolis, com futuras ramificações em outros
seguimentos. Por meio de visitas aos caminhos e trilhas , fizemos um mapeamento via
sistema GPS catalogando e fazendo a mapeamento por faixa etária.

9 - REFERENCIAS CONSULTADAS

Art. 1o da Lei no 9.795 de abril de 1999 - Conferência Intergovernamental de Tbilisi,


(1977)

27
Conferência Sub-regional de Educação Ambiental para a Educação Secundária
Chosica/Peru, (1976)

Relatório Final da Conferência de Tbilisi, 1977 in PEAM, 2000).

10– ANEXOS

Programas foram utilizados para montagem da página.

28
Fireworks - DreamWeaver - Flash

Como a página foi montada?


A estrutura do layout principal foi montada no Fireworks.
A etapa seguinte foi fatiar o layout e exportar em partes para o
Dreamweaver, onde foi montado toda a estrutura html.
Os retoques finais, animações e banners foram utilizados com a tecnologia Flash.

Onde a página pode ser hospedada?


A página pode ser hospedada em servidores com capacidade para
armazenamento maior que 20 MB, podendo utilizar servidores gratuitos
ou pagos.

11 – CRONOGRAMA

Mês Pesquisa de campo Reuniões para a avaliação Realização Site no ar

29
de trilha finais
do projeto
de semana
Jan 10/01/05(Conhecimentos
X
Gerais sobre o assunto)
Fev 01/02/05(Captação de
X material e exposição de
idéias sobre o assunto)
Mar 05/03/05(Análise de
X X
material pesquisado)
Abr 04/04/05(Realização 20/05/05 (Estruturação do
de trilhas e definição principais tópicos do X
de faixas etárias) projeto)
Mai 26/05/05 (Estruturação da
apresentação em X
multimídia)
Jun 01/06/05 (Divisão das
apresentações) X
11/06/05 (projeto finalizado)
Jul X X
Ago X X
Set X X

12 - QUESTIONÁRIO

Contato: nastrilhasdailha10@tutopia.com.br

Questionário

Esse questionário foi elaborado pelos alunos do curso de TGTI./Primeiro


Semestre/05 (matutino), para avaliação de desempenho na apresentação do
Projeto(Empresa)Integrador e pesquisa de viabilidade.

30
Após o término da apresentação, solicitamos que esse formulário seja
preenchido e devolvido para equipe.

1- Você achou a proposta viável?


( )Sim ( ) Não
Porque?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

2- Você entendeu a proposta do grupo?


( ) Sim ( ) Não

Observações:__________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
3-Você achou a apresentação suficiente para esclarecer suas dúvidas sobre o
assunto?
( ) Sim ( )Não

4-Quais suas dúvidas sobre o tema?


___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

5-Você gostaria de receber via E-mail, maiores informações sobre a


apresentação?
( ) Sim E-Mail________________________________ ( )Não

5- Você acha que o projeto/empresa contemplou (Articulou) todas as disciplinas?

31
( ) Sim_______ ( ) Não _______
Porquê?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
_______________________________________________________________

13 – ARTICULAÇÃO COM AS DISCIPLINAS


PTI – Construção da Página (Programas utilizados, Hospedagem da Página)
FSDB – Modelagem de Banco de Dados, Armazenamento de Dados de
Clientes(Página: Reservas On –Line)
CED – Logo Marca, Página na Internet, E-mail, Contatos, Cronograma.
GI – Contatos: Trocas de Conhecimentos/Informações, via E-mail, Fone
,Reuniões(Conforme Cronograma ).
FGE – Informações sobre o mercado (Demanda) Informações sobre aspectos
legais (Registros), Plano de negócios.
ETMA – Escolha do Tema, Divulgação de idéias, Conceitos de preservação do
meio ambiente.

Nosso Contato Via E-mail:nastrilhasdailha10@tutopia.com.br

32

Você também pode gostar