Você está na página 1de 3

Motor sincrono

PRÍNCIPIOS DE FUNCIONAMENTO
Primeiramente, temos que If produz um Br em regime permanente.

Tem-se que um conjunto trifásico de tensões é aplicado no estator da máquina produzindo um


fluxo trifásico de corrente, fluxo este que produz um Bs girante no estator. Então, agora tem-se
dois campos mágneticos que irão tentar continuamente se alinhar. Tem-se que quanto maior o
ângulo(até 90°) entre o Bs e o Br maior será o conjugado gerado no rotor da máquina. Então, o
príncipio básico de funcionamento é que o campo magnético do rotor irá tentar alinhar-se com
o campo magnético do estator, sendo que estes nunca alcançaram tal alinhamento.

Vale ressaltar que quando estes estão alinhados, tem-se que o conjugado gerado no rotor é
zero, pois o ângulo entre os campos será zero!!!!

Circuito equivalente
Tem-se que o circuito equivalente para um motor sincrono é o mesmo que o de um
gerador sincrono, mudando-se apenas o sentido do fluxo de potência, devido a isto o
fluxo de corrente no estator será invertido.

Motor sincrono visto da perspectiva do campo magnético


Tem-se que para um motor síncrono o conjugado induzido no rotor é no sentido do
movimento, rotação causada pelo conjugado aplicado externo τap.
Temos que a ÊA está atrasada em relação a Vφ e que o Br está atrasado em relação ao Blíq

Operação do motor síncrono em regime permanente

A curva característica de um conjugado versus velocidade do motor síncrono


A regulação de velocidade de um motor síncrono é de 0%!!!!!
Tem-se que a velocidade de rotação do rotor está sincronizada com a taxa de rotação
dos campos magnéticos, por sua vez, a taxa de rotação dos campos magnéticos está
sincronizada com a frequência elétrica aplicada, frequência do sistema, de modo que a
velocidade do motor síncrono sempre será constante independentemente da carga!!!
Logo, a velocidade de regime permanente do motor é constante desde a vazio até o
conjugado máximo que o motor pode fornecer, conjugado máximo.
O conjugado máximo ocorre quando o δ = 90° !!
O que ocorre quando o torque no eixo de um motor síncrono excede o torque máximo??
Se isto ocorrer o rotor poderá perder o sicronismo com o estator, resultando também
na perda de sicronismo do Br em relação ao Bs .O rotor começará a ‘deslizar’, ficando
para trás. Tem-se que quando o rotor perde velocidade, o campo magnético do estator
continua girando, ultrapassando o Br diversas vezes. Sendo que o sentido do conjugado
inverte a cada ultrapassagem. Os surtos resultantes são muitos intensos, primeiro em
um sentido e depois em outro, fazendo com o motor vibre violentamente. Essa perda
de sicronismo depois que o conjugado máximo é excedido é conhecida como POLOS
DESLIZANTES.
Pode-se concluir do equacionamento do torque induzido que quanto maior a corrente
de campo (e consequentemente EA ) maior será o conjugado máximo induzido no rotor.
Então, existe uma vantagem de estabilidade quando o motor funciona com corrente de
campo e EA elevadas.
Os efeitos das mudaças de carga sobre um motor síncrono
Iremos analisar um motor operando inicialmente com um fator de potência adiantado.
Se a carga no eixo do motor for incrementada, o rotor irá inicialmente reduzir sua
velocidade. Ao fazer isso, o ângulo de conjugado torna-se maior, consequentimente o
conjugado induzido aumentará fazendo com que haja uma aceleração no motor, devido
a esta aceleração o motor voltará a operar em velocidade síncrona, porém com um
ângulo de conjugado maior.
O modulo de EA irá se manter constante, pois EA = kφw, já que não altera-se a corrente
de campo e a velocidade é definida pela fonte de potência de entrada.
A IA irá aumentar, consequentemente a Eest = jXsIA também aumentará.

Os efeitos das mudanças de corrente de campo sobre um motor síncrono


Tem-se que ÊA é diretamente proporcional à corrente de campo IF.
Para valores baixos de IF um motor operando inicialmente com FP atrasado, a corrente
I A está atrasada e o motor é uma carga indutiva. Ele está funcionando como uma
combinação de indutor e resistor, consumindo potência reativa Q.
Aumentando suficientemente a IF , IA tende a ficar adiantado, e o motor torna-se uma
carga capacitiva, funcionando como uma combinação de capacitor e resistor,
consumindo potência reativa negativa, fornencendo potência reativa Q.
Pode-se concluir que a partir do controle do valor da corrente de campo IF de um motor
síncrono, pode-se faze-lô consumir ou gerar potência reativa do/ao sistema.
O motor síncrono e a correção do fator de potência
Capacitor síncrono ou condensador síncrono

Partida de motores síncronos


Tipos de partidas de motores síncronos
Partida de motor pela redução de frequência elétrica
Partida de motor com uma máquina motriz externa
Partida de motor usando enrolamentos amortecedores
Geradores síncronos e motores síncronos

Você também pode gostar