Você está na página 1de 10

ENADE – RÁDIO E TV

QUESTÕES DE ANOS ANTERIORES

QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

ENADE 2006

QUESTÃO 11 [RÁDIO]
Há correntes do pensamento comunicacional que discorrem sobre a falta de
imagem no rádio. Alguns teóricos consideram que essa falta de imagem seria
compensada pela imaginação visual do ouvinte. Já para outros, a falta de
imagem no rádio não é uma deficiência e, sim, uma vantagem em relação
a outros meios, pois a “cegueira” transforma-o em um meio poderoso de
expressão intelectual.

Com relação a esse assunto, julgue os itens a seguir.

I O recurso de adjetivação é imprescindível para a compreensão da mensagem


no texto radiofônico.
II A linguagem radiofônica é constituída de quatro elementos: a palavra, a
música, os efeitos sonoros e o silêncio.
III A “cegueira”, a qual o texto acima se refere, é própria do rádio e constitui a
chave da estética de uma narrativa sonora invisível.
IV A ausência de imagens no rádio é a chave de acesso ao mundo interior do
ouvinte, que faz conexão dos sons com sua experiência, podendo colocar em
movimento seus devaneios.
V A falta da imagem e da escrita, que compromete o entendimento da
mensagem no texto radiofônico, deve ser compensada por elementos sonoros
para a compreensão da referida mensagem.

Estão certos apenas os itens:

A) I, II e IV.
B) I, II e V.
C) I, III e V.
D) II, III e IV.
E) III, IV e V.

QUESTÃO 12
Segundo pesquisa realizada, 60% do conteúdo de uma mensagem sonora são
retidos por até três horas depois da sua emissão. Após três dias, restam, na
memória, apenas 10% desse conteúdo. A pesquisa aponta, também, que, quando
a mensagem é apenas visual, esses índices sobem para 72% e 20%,
respectivamente. Mas, se a mensagem for audiovisual, retêm-se 85% do seu
ENADE RÁDIO E
TV
conteúdo até três horas após a sua recepção e, ao final de três dias, 65% ainda
são lembrados. A tabela a seguir resume essas informações.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens seguintes, acerca da
mensagem radiofônica.

I. Se não atendidos os requisitos de clareza e precisão na mensagem


radiofônica, os respectivos percentuais de retenção acima referidos
provavelmente seriam menores que os apresentados.
II. A retenção de conteúdos otimiza-se à medida que sentidos e códigos
contribuem com níveis de redundância.
III. A mensagem audiovisual tem mais chance de fixar conteúdos por mais
tempo na memória do destinatário do que a mensagem estruturada
apenas no código sonoro.

Assinale a opção correta:


A) Apenas um item está certo
B) Apenas os itens I e II estão certos
C) Apenas os itens I e III estão certos
D) Apenas os itens II e III estão certos.
E) Todos os itens estão certos.

QUESTÃO 21
ENADE RÁDIO E
TV
Há cerca de 10 anos, Jo Groebel (Universidade de Utrecht, Holanda) não deixou
dúvidas sobre a existência de uma relação entre a predominância da violência
na programação de TV e a tendência para a agressividade de jovens e adultos.
Ele afirmava, baseado em mais de 20 anos de pesquisa, que a TV “faz com que
as pessoas pensem que a violência é normal” e que, “quanto mais desigual a
estrutura da sociedade, maior o impacto da violência mostrada na TV”.
(Observatório da Imprensa, 22/8/2006, com adaptações.)

Tendo esse texto como referência inicial, julgue os itens que se seguem.

I. O produto dos meios de comunicação é determinante do comportamento


humano.
II. Se a TV faz que as pessoas pensem que a violência é normal, elas torna-
se-ão violentas.
III. Uma sociedade estruturada em desigualdades é mais vulnerável aos
conteúdos de violência na TV.
IV. A violência mostrada na mídia reflete simetricamente a violência das
ruas.
V. A violência normalmente mobiliza a atenção das pessoas, e isso
influencia o espaço por ela ocupado nos meios de comunicação.

Estão certos apenas os itens


A) I e II.
B) I e IV.
C) II e III
D) III e V.
E) IV e V.

ENADE 2009

QUESTÃO 15
O rádio utiliza imagem. Uma fotografia pode ser lida como um texto. A
linguagem e expressão em som e imagem têm paralelos com outras formas de
comunicação.

PORQUE

O rádio obriga o ouvinte do noticiário a imaginar cenas e situações que passam


pela nossa cabeça como um filme ou uma cena de televisão. A fotografia, em
jornal ou revista, é lida de diversas formas, dependendo da profissão, do nível
de cultura e do próprio tempo e ambiente em que vive o leitor daquelas
publicações.

Considerando-se essas assertivas, é CORRETO afirmar que

A) a primeira é falsa, e a segunda é verdadeira.


B) a primeira é verdadeira, e a segunda justifica a falsa.
C) as duas são falsas
ENADE RÁDIO E
TV
D) as duas são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira.
E) as duas são verdadeiras, e a segunda não justifica a primeira.

QUESTÃO 34

Leia a figura:

Essa entrevista para TV é realizada em um dos planos mais utilizados pelo


telejornalismo, denominado close médio, que significa:

A) o enquadramento total do rosto do entrevistado sem espaço para a


paisagem de fundo
B) B o enquadramento do entrevistado da cintura para cima com visão
significativa do ambiente
C) o enquandramento do entrevistado no lado direito da tela, deixando o
esquerdo para o cenário
D) o enquadramento do entrevistado no lado esquerdo da tela com alguma
imagem significativa no outro lado
E) o enquadramento da cabeça e do ombro do entrevistado no vídeo.

ENEM 2012

QUESTÃO 22
Fizemos o que deveria ser feito. Aniquilamos o mundo diante dos seus ouvidos e
destruímos a CBS. Mas vocês ficarão aliviados em saber que tudo não passou de
um entretenimento de fim de semana. Tanto o mundo como a CBS continuam
funcionando bem. Adeus e lembrem-se, pelo menos até amanhã, da terrível
lição que aprenderam hoje à noite: aquele ser inquieto, sorridente e luminoso
que invadiu sua sala de estar é um representante do mundo das abóboras e, se a
campainha de sua porta tocar e ninguém estiver lá, não era um marciano... é
Halloween!
ORTRIWANO, G. S. Ok, marcianos: vocês venceram! In: MEDITSCH, E. (org.). Rádio e pânico: a
guerra dos mundos 60 anos depois. Florianópolis: Insular, 1998 (adaptado).
ENADE RÁDIO E
TV
O trecho acima é a reprodução de um comentário feito por Orson Welles no Dia
das Bruxas de 1938, após espantar a todos com a leitura do livro de H. G. Wells:
A guerra dos mundos. Muitos espectadores entraram em pânico, achando que
marcianos realmente tinham invadido os Estados Unidos.

Considerando essas informações, avalie as afirmações a seguir


.
I. O conceito de rotatividade da audiência já era cogitado na época da
transmissão radiofônica de Welles, em que a recepção era intimista e
individualizada.
II. Além da informação, a ambientação sonora é essencial para criar o efeito
de dramatização no rádio.
III. Ao utilizar o formato jornalístico como padrão, Orson Welles explorou a
credibilidade que tal formato possuía.
IV. Na peça radiofônica, Welles misturou elementos presentes no noticiário
(o verossímil, a realidade convertida em fatos) com elementos específicos
da estética radioteatral (a ficção e a dramatização).

É correto apenas o que se afirma em


A) I e II.
B) I e III.
C) III e IV.
D) I, II e IV.
E) II, III e IV.

QUESTÃO 34
Aproveitando esse momento de abertura política ao final do governo do general
Ernesto Geisel até a passagem do poder para o general Figueiredo, Barbosa
Lima criou o que poderíamos chamar de metalinguagem televisual da abertura
democrática. Pela primeira vez, depois do longo período de censura, um
programa abordava aspectos políticos da realidade brasileira e encorajava
outras emissoras a pautar o assunto.

O programa era produzido com verba pequena, mas com enorme capital
intelectual. Segundo Barbosa Lima, a censura já vinha sendo substituída pela
autocensura, e cada um era responsável pelo que dizia. Um dos homens mais
entrevistados foi o temido Dr. Ulisses Guimarães. Um outro exemplo foi a
entrevista que Roberto D´Ávila fez em Paris com os filhos dos exilados que não
conheciam o Brasil. A repercussão foi grande, porque eram crianças imaginando
como era o país.

“Alô, alô, povo do sertão, carne, arroz e feijão!” — esse era um dos brados de
Glauber Rocha ao entrar no programa, como descreve a jornalista Isa Cambará.
Ela o compara a Chacrinha, elegendo-o o novo mito de comunicação da TV
brasileira. A jornalista acompanhou uma de suas gravações para o programa,
que se tornou uma verdadeira aventura, sem roteiros. Para Glauber, quem
precisava de roteiro eram os mestres-de-cerimônia. Na rua, sob a luz natural,
onde qualquer um podia virar personagem, ele fazia o seu pequeno show épico.
ENADE RÁDIO E
TV

“Será isso jornalismo?” — pergunta a repórter — e Glauber responde: “Não é


jornalismo nem cinema. É a vida.”
MOTA, R. A épica eletrônica de Glauber. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001
(adaptado).

Considerando o contexto acima, avalie as seguintes asserções e a relação


proposta entre elas.

I. A pergunta feita pela repórter comprova a ineficiência jornalística do


sensacionalismo característico do programa, apesar desse
sensacionalismo ainda estar presente na televisão até os dias de hoje.

PORQUE

II. A abertura política no Brasil possibilitou ao telejornalismo a investigação


e veiculação de temas até então proibidos e também um grau inédito de
experimentação formal, por meio do qual se tentava ampliar os próprios
procedimentos das técnicas de reportagem, entrevista e apuração,
conservando-se certo grau de objetividade, sem abrir mão de um tom
vanguardista.

A respeito dessas asserções, assinale a opção correta.

A) As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa


da I.
B) As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma
justificativa da I.
C) A asserção I é uma proposição verdadeira, e a II é uma proposição falsa.
D) A asserção I é uma proposição falsa, e a II é uma proposição verdadeira.
E) E As asserções I e II são proposições falsas.

ENADE 2015

Suponha que você seja um repórter de TV e que acabe de chegar à redação com
uma reportagem sobre um assunto relacionado ao governo de seu estado.
Entretanto, faltam apenas 30 minutos para o telejornal entrar no ar e você
precisa editar a matéria.

Naturalmente, sua edição dará prioridade à entrevista com o governador do


estado. Mas isso não quer dizer que você esteja manipulando a reportagem a
favor do governo. Apenas seguiu uma das lógicas internas da rotina produtiva,
como a hora do fechamento e a escolha da figura mais representativa (o
governador), que é um critério de noticiabilidade.

PENA, F. Teorias do Jornalismo. São Paulo: Contexto, 2005


ENADE RÁDIO E
TV
O segmento de texto apresentado exemplifica a dinâmica das redações dos
meios de comunicação a partir do Newsmaking. Essa matriz teórica caracteriza-
se pelo jornalismo, compreendido

A) como espelho do real, tendo-se em vista a neutralidade de sua linguagem,


o que permite a relação direta entre fato, reportagem e entrevistados
B) como conjunto de rotinas produtivas com procedimentos e limites
próprios, que interfere na dinâmica e na natureza da notícia.
C) como processo produtivo cuja figura central é o gatekeeper, que atua
como filtro ideológico na edição e na escolha dos entrevistados.
D) como conjunto de procedimentos derivados dos valores de tradição e
identidade, que orienta a escolha de seus entrevistados e a edição
E) como atividade empresarial e de captação de recursos por meio da
escolha de entrevistados.

QUESTÃO 29
Boas entrevistas são as que revelam novos conhecimentos, esclarecem fatos e
marcam opiniões. Há uma arte de perguntar e de se conseguir tirar do
entrevistado mais do que ele gostaria de dizer sobre determinado assunto, que
vai se aprimorando com o tempo. Quando isso acontece, a notícia avança e abre
espaços para novas entrevistas e reportagens.
BARBEIRO, H.; LIMA, P. R. Manual de Radiojornalismo. Rio de Janeiro: Campus, 2003 (adaptado)

Considerando que esse texto faz referência à entrevista em radiojornalismo,


avalie as afirmações a seguir.

I. O jornalista no rádio deve estar preparado para mudanças no rumo da


entrevista, pois as respostas podem levar o assunto para temas mais
importantes do que o previsto na pauta.
II. O entrevistado tem o direito legal e ético de não responder a determinado
questionamento e até mesmo de não conceder entrevista.
III. Nas situações em que o entrevistado esquiva-se da pergunta, o repórter
deve gerar o debate e encaminhar a entrevista para um confronto de
opiniões.

É correto o que se afirma em


A) I, apenas.
B) III, apenas
C) I e II, apenas
D) II e III, apenas
E) I, II, e III.

QUESTÃO 32
No Telejornalismo, o produtor é responsável por parte significativa das
condições materiais e do conteúdo do telejornal. Esse profissional atua como elo
entre repórteres, apresentadores, técnicos, entrevistados e fontes,
acompanhando a atividade telejornalística desde o início.
ENADE RÁDIO E
TV
Além das funções expressas no texto, o produtor também é responsável por

A) cuidar para que o contato com pessoas, empresas ou entidades


mencionadas numa entrevista ao vivo seja imediato.
B) editar reportagens vindas de outras praças para enviá-las aos editores,
que fazem a finalização do material que vai ao ar.
C) revisar cabeças e pés de matérias e notas que compõem o script do
telejornal para serem lidas pelos apresentadores.
D) fazer a leitura do script antes do telejornal ir ao ar para verificar a
presença de erros de informações.
E) fazer a montagem da reportagem que vai ao ar no telejornal e
acompanhar sua execução a partir do switcher.

QUESTÃO 33
Texto 1
Se empreendermos uma grande viagem pelo Brasil, de Norte a Sul e de Leste a
Oeste, recolhendo os modos de falar das pessoas de todas as regiões, de todos os
estados, das principais cidades, da zona rural etc, vamos perceber que existem
diferenças nesses modos de falar, diferenças que podem ser fonéticas, sintáticas,
morfológicas, lexicais, semânticas, pragmáticas. Há muita semelhança, também,
mas são as diferenças que chamam mais a atenção e que permitem classificar
esses variados modos de falar a língua. Quando você consegue identificar os
traços característicos de determinado modo de falar uma língua, você pode
chamá-lo de variedade. A Sociolinguística veio mostrar que toda língua muda e
varia, isto é, muda com o tempo e varia no espaço, além de variar também de
acordo com a situação social do falante.
BAGNO, M. Português ou Brasileiro? Um convite à pesquisa. São Paulo: Parábola Editorial, 2004

Texto 2
"Olha; essa é pra quem tá arretado para conhecer um pouco mais sobre
Pernambuco - Cabeça do VT chamada por apresentadora.
"Então se aprochegue. A repórter Mônica Silveira mostra essa maneira
encantadora de falar". - Cabeça do VT chamada por apresentador.
"É o mesmo Brasil, mas no meio de um bate-papo descontraído, esse parece um
país à parte". - Texto do off que abre o VT.
Na companhia da citada repórter, o poeta Jessier Quirino percorre um mercado
popular perguntando às pessoas o significado de determinadas palavras e
expressões, em ritmo de poesia falada. Dessa conversa, surgem os sentidos
atribuídos por nordestinos "Pedir pinico" (solicitar ajuda), "Assustado" (festa
surpresa), "Com a gota" (com raiva), "cocorote" (cascudo) e "pirangueiro"
(avarento).
VT produzido pela TV Globo Nordeste/Recife, veiculado no Bom Dia Brasil em outubro de 2013.
Tempo: 3'20''

Considerando os excertos acima, avalie as afirmações a seguir.

I. Ao veicular uma reportagem destacando algumas formas variantes do


"nordestinês", telejornais de abrangência nacional, notadamente em TV
ENADE RÁDIO E
TV
aberta, contribuem para a divulgação das heterogeneidades da Língua
Portuguesa.
II. Em telejornais de veiculação nacional, o texto jornalístico deveria
recorrer apenas à norma cultura da Língua Portuguesa para possibilitar o
entendimento da reportagem pelo conjunto dos telespectadores,
independentemente do seu lugar de origem.
III. A abordagem de traços de variedades ou variantes sociolinguísticas de
determinadas regiões em uma edição de telejornal de âmbito nacional
possibilita aos telespectadores das demais regiões o conhecimento e a
valorização de identidades linguísticas diferentes da sua.

É correto o que se afirma em


A) I, apenas.
B) II, apenas.
C) I e III, apenas
D) II e III, apenas
E) I, II e III

QUESTÕES DISCURSSIVAS

ENADE 2006

QUESTÃO 35 – DISCURSIVA [TV]


Um provérbio muito antigo diz que “uma imagem vale mais que mil palavras”.
Vale? A escritora, jornalista e artista plástica Marina Colasanti responde sem
titubear: “não vale”. Afinal, diz, “até para louvar a imagem foi preciso fazer uma
frase”. Paternostro afirma que “é preciso respeitar a força da informação visual e
descobrir como uni-la à palavra, porque a TV funciona a partir da relação
texto/imagem”.

Considerando os argumentos contidos no texto acima, redija um texto acerca


das relações adequadas entre texto e imagem na elaboração de produtos
midiáticos. Apresente um exemplo dessa relação aplicada ao seu curso.

QUESTÃO 37 – DISCURSIVA
Em meados do século passado, a invenção do microchip deu início à revolução
tecnológica e à da informação. Grandes transformações estão presentes na
sociedade, na economia, na automação industrial e no campo das ciências
(nanotecnologia, engenharia genética e robótica) e, principalmente, nas
telecomunicações. A era digital trouxe autonomia, domínio e velocidade nessas
áreas.
ENADE RÁDIO E
TV
Considerando o texto acima, redija um texto argumentativo que aborde as
necessidades de adaptação dos profissionais de mídia em face de cenários e
produtos surpreendentes e até mutantes.

QUESTÃO 38 – DISCURSIVA
A ficção e o documentário, como gêneros discursivos, estão presentes em
diferentes meios e suportes de comunicação. Escolha um dos meios/suportes a
seguir: jornal, revista, televisão, rádio, sítio na Web e cd-room, e redija um texto
dissertativo sobre a presença desses gêneros no meio escolhido. Em seu texto,
aborde, necessariamente, os seguintes aspectos: conceitos, exemplos e
possibilidades de hibridismo desses gêneros.

QUESTÃO 40 – DISCURSIVA
Como todos sabem, não existe este tipo de coisa chamada net.radio, mas uma
variedade de idéias e experiências em torno do som na Internet.
(1.º Encontro Internacional de Projetos Experimentais. Berlim, 1998.)

Considerando a afirmação acima e as características intrínsecas ao veículo


rádio, tais como instantaneidade, mobilidade, baixo custo de produção e dos
equipamentos e de recepção, e a não-exigência de alfabetização digital para
compreensão de suas mensagens, redija um texto argumentativo respondendo,
de forma justificada, à seguinte questão.

Existe rádio na Internet?

ENADE 2012

QUESTÃO DISCURSIVA 3

QUINO. Toda Mafalda. 7 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Considerando a tirinha da Mafalda reproduzida acima, elabore um texto


dissertativo analisando cada quadro da tirinha, desde a afirmação de que a TV é
um veículo de cultura até a conclusão a que chega a personagem. No seu texto,
cite autores e (ou) teorias e conclua explicando porque concorda ou discorda da
personagem.