Você está na página 1de 2

QUATRO PILARES DO CONHECIMENTO

O ensinamento Gnóstico é tão antigo quanto as fundações da Criação. Remonta


tempos imemoriais. Embora nem sempre possuiu este nome.

Enoch, o grande Patriarca Bíblico, deixou seu ensinamento para a sua posteridade
e ela foi transmitida através dos séculos e anos de acordo com sua época e a
aceitação no coração dos homens.

O ensinamento é vivo, por isso temos resultados palpáveis. O ensinamento é


IMUTÁVEL, apesar de se adequar com a época que é transmitido e a quem é
passado.

Os pilares do conhecimento é o que torna o ensinamento vivo e verdadeiro. São


quatro os pilares a conhecer.

•Religião;
•Ciência;
•Arte;
•Filosofia.

Cada um tem sua importância dentro do trabalho, cada um é uma base de


sustentação do templo da sabedoria e sem um deles, o templo ficará estável e
cairá em ruinas, sem mais transmitir a verdade.

Os pilares da ciência e da religião devem sempre estar uma ao lado do outro, são
fundamentais e sem um deles a obra fracassa inevitavelmente.

Somente a ciência como fonte de conhecimento, faz com que o indivíduo se torne
cético, a ponto de não ver a verdade a sua frente e somente a verdade que a
ciência pode explicar. Somente um lado da história e, todavia, a verdade some e
se limita. A Obra cessa.

A religião, que pode ser também chamado de Pilar esotérico, sem a ciência para
contrabalancear, faz com que uma pessoa se torne tão fanática que fica
impossível ver a verdade. Não distingue um caminho reto de um tortuoso.

Sem ciência não se tem o conhecimento alquímico do mundo tridimensional, sem


religião não se chega aos caminhos iniciáticos.

A ciência explica as coisas naturais de forma precisa, os movimentos das


estrelas, as leis físicas da dimensão de Euclides. A Religião liga o ser
tridimensional ao seu Real Ser.

Conhecer e Ser.

A Arte e a Filosofia também se sustentam lado a lado. Estes são os pilares que
mostram o ensinamento imortal e a forma com eles são transmitidos de tempo
sem tempos, de acordo com sua época e lugares.
Na arte temos os grandes Mestres escultores e pintores, que transmitiam em
suas obras a filosofia do ensinamento. Em cada quadro ou escultura, todo o
dogma do ensinamento estampado.

Nos séculos passados, o ensinamento era reservado a poucos e não podia ser
transmitido abertamente. Os que assim faziam eram logo condenados. Mas isso
acontecia porque a mente das pessoas ainda não estavam maduras para aceitar
o ensinamento.

Porém o ensinamento sempre foi algo que deveria ser transmitido e por esta
razão os Grandes Mestres os faziam de forma artística, para que aqueles que
estivessem aptos a recebe-lo o reconhecesse nas obras deixadas.

Desde as pirâmides e a esfinge até as pinturas de Leonardo da Vince o


ensinamento foi transmitido.
Eliphas Levi, já corajosamente, entregou o ensinamento oculto em seus dogmas,
mesmo ocultando o que não poderia ser entregue ao neófito. Mas aqueles que
compreenderam e buscaram, estes receberam direto dos mestres.

A Filosofia é a forma como é entregue o ensinamento de acordo com sua época.


Desde os grandes templos egípcios até a Maçonaria Sagrada de outrora, como na
Rosae Crucis antiga o ensinamento belo foi entregue.

Quando este não pode mais ser entregue de forma verdadeira, este se recolhe aos
mundo internos, onde ainda hoje se pode observar e contemplar os Grandes
templos Sagrados que foram recolhidos e neles aprender aos pés dos mestres.

O Mestre Jesus entregou o ensinamento de forma vivida, em carne e osso. Esta


foi sua filosofia. “Carreguem vossa cruz e me siga”.

Não se referia a Cruz de madeira, nem que deveriam morrer na cruz como ele, mas
que todo o Drama vivido pelo Mestre deveríamos aplicar internamento. Na morte
da Cruz, no Nascimento da ressureição e no Sacrifício que foi sua própria entrega.

A Filosofia que empregou o VM Samael Aun Weor, nas décadas de 1950 em


diante, entregando de forma aberta e a todos os ensinamento da Grande Obra.

Na forma de entrega do VM Rabolú, mais prático que didático. Até o recolhimento


da Gnose para os mundos internos. Porém a filosofia ainda existe, porque
enquanto houver vida na Terra, o ensinamento existirá. Quando ele deixar de
existir, nada mais existirá.

Os três fatores da revolução da consciência estão sustentados pelos quatro


pilares. O conjunto destes todos fazem a Grande Obra, o Templo Divino que em
nós deve existir. A verdadeira Igreja, aquele que escrito em letras de fogo não foi
construída por mãos humanas e sim por Deus em Nós

Você também pode gostar