Você está na página 1de 1

A morte de Sócrates é o primeiro exemplo de que a exposição direta de

ideias pode vir a ser perigoso. A única culpa que Sócrates teve durante esse
período em que viveu nas ruas entrevistando os jovens de Atenas foi ter dado a
possibilidade dessas pessoas refletirem o seu próprio “não saber”. A cidade,
desconcertada com a ideia de não saber sobre aquilo que era, condenou
Sócrates ao envenenamento do qual ele não se opôs.
Pagar com a vida é um dos vários caminhos que proferir palavras e ideias
indigestas pode causar, um outro meio em que a sociedade encontrou para calar
as ideias libertaria foi-se aliando a elas. Quem detém o poder sobre a palavra, o
intelecto, detém também o poder sobre as pessoas, isso lhe dar uma certa
vantagem também na arte de argumentar, o que era também observado entre
os sofistas. Mas no que diz respeito a sociedade atual é necessário algo a mais
para ter o poder sobre as ideias, o capital financeiro.
Em seu trabalho A Introdução a Sociedade de Controle, José A. Alcantara
cita que, “No entanto, aqueles que agora têm uma posição dominante, velhos
monopolistas da informação e membros do poder econômico, tentam de todo
modo fortalecer sua influência neste novo entorno e já começaram a pressionar
os governos para que legislem em seu favor, de modo que nos levam certa
vantagem”.
Esse fato também foi observado entre os sofistas na Grécia Antiga,
quando criticado por Sócrates, por não estarem preocupados com a verdade e
sim a serviço do poder dominante, que na época era a política ateniense, usaram
suas cartas na mão, ou seja, a arte do convencimento e levaram vantagem. Hoje,
no entanto a informação, o discurso intelectual é caro, mas faz uma grande
diferença quando o objetivo é penetrar nos anseios da sociedade com discurso
e contra discurso.
Nesse sentido as ideias não apenas perigosas para quem profere, as
ideias são perigosas para quem as ouve, não se sabe se o que está sendo dito
está relacionado a um pensamento é puto ou se durante o seu percurso recebeu
todo hibridismo de quem detém do poder em mãos.