Você está na página 1de 31

NAFs

Sejam bem vindos as aventuras musicais com a flauta nativa! Com minha experiência,
aprendi a ver nesta flauta, um instrumento muito mágico que aparece em nossas
vidas no momento certo. Espero que ela traga para você o máximo prazer em sua vida,
assim como trouxe para a minha. Todos nós precisamos de criatividade em nossas
vidas - uma forma de nos conectarmos com as pessoas, a natureza e o mundo
espiritual. A música preenche estes requisitos. Uma maneira maravilhosa de
comunicar sentimentos, muitas vezes impossível de se fazer com outros recursos.

Os instrumentos ocidentais tradicionais (Guitarra, piano, etc) exigem o conhecimento


de um conjunto grande de técnicas para se produzir música. A Flauta nativa é
diferente. É fácil e simples de aprender. Isso que a torna um instrumento interessante.
Sem uma experiência musical, qualquer um pode criar melodias de improviso que
brotam direto da alma.

Quando tocar a sua flauta, tenha em mente que a respiração é a sua força vital, ela é a
expressão física de suas experiências e sentimentos. Quando você toca, você se
projeta diretamente através deste maravilhoso pedaço de madeira, trazendo-o para a
vida e leva através dele a sua própria vida para o mundo. Isso é o que os antigos povos
nativos americanos tinham em mente, quando criaram este maravilhoso instrumento.

Fique bem a vontade com sua flauta, deixa-se levar pela intuição, dê asas a sua
criatividade e o mais importante, divirta-se.

O totem

Uma importante peça da Flauta Nativa Americana (NAF) é o totem que serve para
direcionar o vento para o furo do sopro. Devemos posiciona-lo corretamente para tirar
um som limpo da flauta quando sopramos. O totem não é fixo. Ele deve ser
posicionado corretamente e ser amarrado de forma a ficar bem firme. As figuras
abaixo mostram as posições do totem.

Posição ideal para o furo sem chanfro


Posição ideal para o furo com chanfro (45º)

Algumas flautas apresentam o chanfro no furo, outras não. O segredo principal da


sonoridade da NAF são os furos por onde é canalizado o vento, igualmente importante
são as posições dos furos por onde tiramos as notas (afinação).

Breve Histórico

As Flautas são um dos instrumentos mais antigos e são encontrados por todo o
mundo. Por gerações e gerações elas foram intimamente ligadas às nossas tradições,
rituais e celebrações. É por isso que nós somos hipnoticamente atraídos pelas
melodias maravilhosas que elas produzem - a sua essência ficou marcada
profundamente em nossas vidas.

As flautas Nativas Americanas – NAFs estão ligadas as culturas das tribos e nações dos
povos indígenas da América do Norte. Nasceram há muito tempo entre esses povos e
existem até hoje entre eles. Seu legado produziu uma variedade de flautas, cada uma
delas associada a diferentes nações e tribos. Acreditamos que a sua flauta é um desses
maravilhosos instrumentos que faz parte desta história. Seu engenhoso design produz
um som que ultrapassa de longe a sua simplicidade.

Alem da beleza sonora, as NAFs são também lindas peças de decoração. O trabalho
artesanal dos luthiers que fabricam as flautas prima pela beleza e qualidade. Abaixo
ilustramos duas peças. Uma de madeira e outra de bambu, do Tatanka Ishca e do
Faisca Dourada, respectivamente. As informações sobre estas, estão na tabela de links
no final deste trabalho.
A musica e a flauta NAF

Os nativos americanos, como a maioria das culturas tribais, não tinham linguagem
musical escrita, eles não acham isso necessário. Suas canções e técnicas instrumentais
foram passadas de geração em geração em rituais e práticas como parte de sua
cultura. Estilos individuais foram desenvolvidos pela experimentação e imitação de
sons ouvidos na natureza. Como eles não registravam suas músicas de forma escrita
como as partituras, a música que criaram foi feita de improviso, vinda
espontaneamente "do coração". A improvisação é ideal para expressarmos
musicalmente utilizando as NAFs no entanto, ela se adapta facilmente à estrutura da
música moderna escrita.

Cada um de nós está ligado a nossos antepassados onde a natureza era a força
dominante da vida. A música sempre expressou e ainda hoje expressa as nossas
experiências individuais e coletivas. A criação de música aprofundou a nossa ligação
com a comunidade e com o mundo natural que nos rodeia. Na sociedade moderna
essa conexão se enfraqueceu e em algum nível todos nós sentimos a sua perda. Hoje,
poucas coisas inspiram aqueles sentimentos de conexão como a música o faz tão
fortemente. Muito do que aprendemos sobre este instrumento vem de dentro da
alma. A música flui naturalmente através de todos nós. Antes de criar música, temos
de ser um bom ouvinte. Ouça cuidadosamente, seja paciente consigo mesmo e, o mais
importante, divirta-se!

Kokopelli

Kokopelli, o andarilho flautista, era um deus menor e dócil adorado pelos índios pré-
colombianos do oeste dos Estados Unidos. A figura de Kokopelli foi encontrada nas
ruínas da “Pit House People “ estas pinturas remontam a 200 DC e aparecem tambem
mais tarde no século 16 em associação com os desenhos de homens a cavalo, homens
blindados, e homens com capuzes. Kokopelli é visto de várias formas: ele é uma
personalidade, um individuo, a personificação de uma lenda, um deus benevolente
para alguns e uma praga para outros. Kokopelli foi o deus responsável por satisfazer
muitas necessidades de seu povo, incluindo chuva, comida abundante, música, alegria
e dança. As crenças sobre Kokopelli variam tanto quanto as lendas sobre ele, mas
sobre um aspecto ele é inconfundível – aparece dançando e tocando sempre algum
tipo de flauta – o deus flautista.
O som da flauta

O som na NAF é obtido através de dois furos separados por um fechamento do tubo
entre eles. O de cima é coberto por um totem (fetish) amarrado sobre o furo, com um
canal que conduz o ar até o furo inferior (sound hole), produzindo o som.

Como Tocar

O aspecto mais importante a ser observado por quem toca a flauta é fechar todos os
furos completamente. Se podemos fazer isso, então poderemos aprender a tocar este
instrumento. Usaremos os dedos mínimo e polegar para estabilizar a flauta e as
“almofadas” dos outros dedos (não as pontas) para cobrir completamente os buracos
(a maior área das almofadas dos dedos faz isso mais fácil). Com todos os buracos
fechados, sopramos de leve na flauta. Se o som sair fraco sopramos um pouco mais
forte. A embocadura da NAF é muito tranquila, semelhante a flauta doce.

O som produzido deve sair bem nítido, profundo, de tom agradável para o ouvido. Se
ouvirmos qualquer outra coisa (chiados), é porque um ou mais buracos está ainda
ligeiramente aberto ou estamos soprando muito forte ou, possivelmente, muito
suavemente. a menor abertura deixada por um dos dedos irá resultar em um chiado
acompanhando a nota mais grave da flauta. Se a nota mais grave soa mais alta
(aguda) do que o esperado ou acompanhada de um chiado é bem provável que um ou
os dois orifícios superiores estão ligeiramente abertos. A solução está em ajustar os
dedos, certificando-se de que as almofadas dos dedos estão sendo usadas para fechar
bem os furos e tentar novamente até obter uma nota mais grave, profunda, com todos
os buracos tampados. Uma dica útil aqui é para ajustar os dedos em vez de aperta-los
com força - muita pressão só vai dar cãibras nos dedos. Não devemos continuar com
os dedilhados até obter essa nota inferior, porque uma vez conseguido, as outras
serão mais fáceis.

Uma vez que estejamos confortáveis tocando a nota mais baixa (grave) a próxima
habilidade a desenvolver é tocar as outras notas da escala. Para aqueles que são
iniciantes e nunca tocaram um instrumento de sopro, uma dica é tocar na frente de
um espelho. Para tocar, devemos levantar um dedo de cada vez de baixo para cima até
que todos os furos estejam abertos e em seguida, feche um dedo de cada vez, de cima
para baixo.

As figuras mostram uma NAF de 6 furos. Neste caso o dedo anelar da mão superior
permanece tapando o furo e não se levanta (normalmente) na escala pentatônica. No
caso da NAF de 5 furos este furo não existe e o dedo anelar fica apoiado na flauta.

Faça os movimentos devagar! Faça pausa em cada nota para ouvir seu som. Se a nota
soar nítida, passe para a próxima. Se não estiver, levante o dedo e posicione-o
corretamente (almofada do dedo cobrindo o buraco completamente). Isso vai criar
uma boa memória muscular para os dedos. Depois de tocar com sucesso a escala
algumas vezes, tente fazê-lo com os olhos fechados. Isso força o desenvolvimento das
habilidades táteis. Outra vantagem de tocar com os olhos fechados é que as notas vão
nos envolvendo, criando uma compreensão mais profunda e auditiva sobre elas.

Dicas importantes

1.Feche os furos Completamente

Qualquer vazamento em um furo provocará som estridente ou chiados. Nós o


reconhecemos facilmente quando ouvimos.

2.Toque bem devagar

Gaste um tempo com cada nota. Isto irá ajudá-lo a desenvolver bons hábitos. A
velocidade de digitação virá por si.

3.Feche os olhos
Isto irá desenvolver suas habilidades táteis e sua memória muscular, ajudando a
desenvolver a coordenação mais rapidamente.

4.Controle a respiração

Respire em intervalos normais; não espere até ficar sem ar. Sua capacidade de
respiração irá desenvolver-se naturalmente.

5.Experimentar

Procure saber a faixa tonal de cada nota, em função do sopro; em primeiro lugar,
sopre suavemente e, em seguida, aumente o sopro até quebrar o tom das notas.

6.Tom

Cada nota tem um ponto ótimo com uma tonalidade nítida e suave (não estridente) Se
uma nota é estridente ou entrecortada, diminua o fluxo de ar. Se for tênue ou fraco
aumente o fluxo de ar para conseguir mais brilho. Encontrar o ponto ótimo da nota
mais grave (Tonica - todos os furos cobertos) pode ser desafiador. O tom mais baixo
(grave) é mais delicado de obter do que as outras notas e se soprarmos forte ele vai
para a oitava seguinte, produzindo um som agudo (normalmente soprar com o
diafragma ajuda).

7.Toque a escala

Tocar a escala de baixo para cima e depois voltar para baixo várias vezes. Ir aumentando
levemente o fluxo de ar quando subir na escala e diminuí-lo em seu caminho de volta para
baixo.

Criando suas músicas

Os nativos americanos, como muitas culturas tribais, nunca tiveram uma linguagem musical
escrita; eles nunca sentiram essa necessidade. Por sua vez, eles desenvolveram instrumentos
que eram naturalmente expressivos e fáceis de tocar. A flauta foi um dos instrumentos mais
complexos que eles desenvolveram. A configuração do instrumento é feita de tal maneira que
as notas estão em harmonia umas com as outras. Na musica ocidental é chamada de escala
pentatônica. Penta, ou seja, cinco, representa as cinco notas na flauta. Se a sua flauta tiver 6
furos (alguns luthiers fazem ela assim), certifique-se de ler a próxima seção sobre "flautas de
5 e 6 furos". Como todas as notas na escala pentatônica complementam-se em harmonia essa
flauta é muito fácil de tocar e não cometemos erros improvisando nesta escala, não correndo
o risco de tocar algo dissonante e desagradável. Até agora, o exercício proposto foi tocar a
escala para cima e para baixo e estes devem ser exercitados até sentir-se confortável com o
resultado. Este sentimento é ótimo! Significa que conseguimos a memória técnica dos dedos e
dos músculos corretamente. Agora é hora de adicionar um pouco de variação. Continue a
dedilhar a escala para cima e para baixo, mas desta vez segure algumas notas em tempos mais
longos e algumas em tempos mais curtos. tente repetir algumas notas, indo e voltando entre
dois ou três furos, criando alguma melodia de forma aleatória (improviso). Faça uma pausa,
descanse um pouco, altere o seu dedilhado, reinicie e termine em notas diferentes. Preste
atenção na forma como as notas se interagem com os ritmos que você cria; quando ouvir uma
combinação que você gosta procure repeti-la algumas vezes.

Estas técnicas de improvisação irão desenvolver a compreensão de como notas diferentes se


interagem para criar melodias e quanto mais colocamos nossa sensibilidade nelas, mais ricas
as melodias serão. Lembre-se, a coisa mais importante é que a música soe bem para gente; o
que nós criamos é para nosso próprio prazer e entretenimento. Sem pressão - apenas
diversão!

Quando começar a criar música na sua flauta tente deixar de lado qualquer idéia sobre
música ocidental estruturada que possa ter. Não é necessário saber nada de teoria musical ou
ler partitura para criar músicas na flauta. Se sentir que precisa de mais estrutura tente usar a
forma de verso-refrão. Nesta forma, tocamos um trecho da música, voltamos a repeti-lo uma
ou duas vezes, tocamos algo diferente, e então voltamos a tocar a primeira parte novamente.
Não importa o método que usamos, é importante procurar manter a simplicidade. Belas
canções não precisam ser complexas e, antes que você perceba, o seu estilo vai se desenvolver
e diversas melodias vão fluir naturalmente.

Lembre-se, não há nenhuma maneira certa ou errada para criar música, utilizando a NAF. Se é
agradável para nós, isto é tudo que importa. Seja criativo, divirta-se, toque e pratique até
sentir-se bem e seguro. Seja feliz com suas criações. Tocar a flauta não é uma tarefa que deve
ser cumprida; é antes, uma alegria a ser comemorada!

Flautas de 5 e 6 furos

É importante notar que nenhuma das informações nesta seção serão necessárias para tocar a
flauta. Contudo, poderão ser úteis caso queiramos tocar em outras escalas diferentes da
pentatônica ou para a música escrita. Todas as flautas nativas americanas são baseadas na
escala pentatônica de cinco notas ("Penta", que significa cinco). Estas cinco notas são
harmônicas uma com as outras. É por isso que as flautas com 5 furos, nesta escala, são tão
fáceis de tocar e não necessitam de conhecimento musical antecedente. Isto porque, dentro
de um campo harmônico, qualquer nota tocada na escala pentatônica correspondente, são
consonantes. Qualquer nota tocada não soa dissonante. Essa escala é muito utilizada pelos
guitarristas para improvisar. No entanto, fazendo a digitação correta, outras escalas como a
diatônica e a cromática, também podem ser tocadas nas NAFs. Mencionamos anteriormente
que a flauta nativa tem cinco notas básicas afinadas na escala pentatônica. Quando o sexto
furo é introduzido facilita a execução de outras escalas, tornando o dedilhado menos
complexo. No entanto, o sexto furo pode criar um som dissonante se não for usado
corretamente. Recomendamos que os iniciantes comecem com o básico, mantendo o furo
extra sempre tampado com o dedo anelar da mão de cima na flauta, executando apenas as
músicas na escala pentatônica. Com o tempo, o ouvido vai se tornar mais desenvolvido
através da experimentação e esta nota extra pode ser incluída mais facilmente.

Técnicas
Para iniciar as técnicas na flauta, procure usar as notas mais altas (dois furos superiores)
praticando bastante esta digitação da mão que fica acima na flauta (se a flauta tiver 6 furos,
mantenha o dedo anelar sempre fechado – eu costumava cobrir com um durex se não for usá-
lo). Passe em seguida a usar as três notas mais altas, utilizando também o dedo indicador da
mão inferior (Eu uso a mão esquerda acima e a direita abaixo – mais usual, mas algumas
pessoas fazem o contrário). Produzir um som limpo com as duas notas mais abaixo tende a ser
mais delicado, soprar empurrando o ar com o diafragma ajuda. Sinta-se bem confortável,
praticando com as três notas superiores, para depois tocar as demais.

Embocadura

A posição da boca usada para tocar um instrumento de sopro é chamada de embocadura.


Quando alguém toca a flauta pela primeira vez, a tendência natural é colocar toda a
extremidade da flauta na boca para soprá-la. Esta prática errada tem algumas desvantagens:
ela cria excesso de umidade na flauta, reduz a capacidade de controlar o fluxo de ar
dificultando o toque e as técnicas da respiração.

Não enfie a flauta na boca. Em vez disso, feche os lábios, em seguida coloque a flauta entre
eles, como se tivesse beijando de leve o rosto de alguém. Outra técnica é colocar o lábio
superior para fechar cerca de metade do furo de ar e colocar o lábio inferior apenas
ligeiramente debaixo do orifício e impulsionar o ar subindo o diafragma.

Veja as figuras
Desta forma, a passagem do ar pela boca é reduzida e uma pressão de retorno é criada. Esta
técnica fornece um som melhor, diminui o acúmulo de umidade, permitindo melhor controle
da flauta. Dos instrumentos de sopro a embocadura das NAFs é uma das mais fáceis de
conseguir. Até mesmo mais simples do que a flauta doce.

Respiração

Para começar a tocar a flauta concentre-se inicialmente no dedilhado. Essas técnicas

vão ser adquiridas rapidamente. Quando se sentir confortável com o seu


dedilhado, está na hora de pensar na respiração, visando melhor controle da mesma. Pense
no controle da respiração como se tivesse cantando. Quando cantamos, tentamos ser
melódicos usando inflexões em nossa voz, caso contrário, o som sairia sem brilho e
monótono. O mesmo é válido quando tocar a flauta. Se o fluxo de ar for contínuo o som sai
um tanto monótono, mas se variarmos a pressão da respiração para criar inflexões essa
técnica traz cor e sentimento às notas.

Sem a flauta na boca, tente criar uma pequena melodia, variando a pressão da respiração
(como se tivesse assobiando sem som). Depois disso, pratique usando apenas um par de notas
na flauta, procure variar o tempo e a pressão do sopro dando brilho a melodia. Aplicando esta
técnica ao tocar a escala ou qualquer melodia trará vida e brilho a execução.

Qualquer maneira que utilizamos para alterar o fluxo de ar vai mudar o som da flauta. Tente
mover sua língua rapidamente para frente e para trás do bocal, enquanto sopra ou tente
tremer ou estalar a língua. Cada alteração do fluxo de ar irá produzir efeitos diferentes. Todos
nós temos diferentes habilidades e estilos, portanto, seja criativo. Encontre o seu estilo, que
pode ser único, a sua marca registrada.

Melodia

Para criar a melodia temos que criar um ritmo, parando e iniciando o fluxo de ar, criando uma
cadência no som emitido na flauta. Para realizar esta técnica, a língua toca rapidamente o céu
da boca logo atrás dos dentes da frente, como fazer o som de "ta", enquanto sopra. Sem a
flauta na boca diga “ta”. Observe onde a língua toca o céu da boca. Agora diga, "ta, ta, ta, ta",
agora "ta, _, ta, _, ta, _, ta, ta, ta, ta, _, ta, _, ta". Faça pensando em vários ritmos de melodias
conhecidas, repetindo essa técnica várias vezes. Agora pegue a flauta, tente isso com uma
única nota em primeiro lugar e, em seguida, tente alterar as notas nos pontos em que a
respiração é interrompida (em cada "ta"). O toque pode ser muito rápido ou lento e sutil, bem
como todos os intervalos entre eles, isto irá determinar o ritmo da melodia e a prática do
controle da respiração. Pratique diferentes estilos procurando trazer sentimento e vida a suas
melodias.

Dedilhado

A maneira de executar o dedilhado, também afeta o som da flauta. Deslizando o dedo


lentamente fora de um furo vai alterar a nota com um efeito de passagem lenta de um tom
para o outro. Rolando um dedo parcialmente fora de um furo e, em seguida, recobrindo-o irá
produzir um som de blues. Cobrindo um furo apenas pelo meio produz uma nota diferente.
Experimente desenvolver o seu próprio estilo e técnicas.

Pular Notas

Inicialmente, praticamos melodias movendo-se de uma nota para a nota um pouco acima ou
abaixo. A seguir é hora de praticar notas diferentes da sequencia da escala. Pratique tocar
notas, saltando para qualquer nota dentro da escala.

Para tocar qualquer nota na escala pentatônica precisamos seguir uma regra simples: quando
abrir ou fechar qualquer furo da flauta, todos os furos abaixo desse tem que estar abertos e
todos os furos acima precisam estar fechados. A única exceção a essa regra é no caso da
flauta de 6 furos em que o terceiro dedo para baixo a partir do bocal (anelar) deve ficar
fechado em todos os tempos (eu costumo fechar o 6º furo com durex quando vou tocar só na
escala pentatônica). Se seguirmos esta regra, qualquer nota que tocamos será harmoniosa
com a próxima. Uma ilustração para esta regra é a tabela de digitação seguinte.

O Gráfico a seguir mostra o padrão de digitação de cada nota em uma escala pentatônica
básica. Observe que cada nota segue esta regra: tudo acima é fechado, tudo abaixo é aberto (o
terceiro furo de cima para baixo na flauta de 6 furos deve ficar sempre fechado).

Sinalização

Experimentar diferentes técnicas de dedilhado e respiração é divertido e gratificante. Se


começar a sentir que está ficando entediado com as suas práticas ou sentir como se tivesse
atingido um patamar, tenha isto como um sinal positivo, significando que domina as técnicas
atuais. Neste ponto está na hora de ampliar as técnicas usando a criatividade. Partindo do que
já sabe, procure outros sons, movendo o dedo lentamente, bastante rápido, imitação de
pássaros, de vento nas árvores... Dê asas a imaginação... Está na hora de criar o seu estilo...
Dois músicos que tocam a NAF não tocam da mesma forma, cada um desenvolve um estilo
próprio, após dominar as técnicas básicas crie a sua própria performance. Acima de tudo
tenha prazer em tocar a NAF. Ela não deve lhe causar incômodo e sim prazer e diversão. As
NAFs foram utilizadas pelos xamãs em rituais de cura e hoje é utilizada em musicoterapia.
Tocá-la deve proporcionar prazer, saúde e alegria.

O acúmulo de umidade na Flauta

Quando soprar a flauta, a condensação da respiração vai acumular-se na câmara de ar e, ao


longo do tempo, irá obstruir a passagem de ar de modo que este não será mais capaz de fluir
livremente. Até à língua e a boca se acostumar com o bocal o acumulo de umidade pode ser
frequente. O acúmulo normalmente ocorre depois de tocar por um tempo. Uma solução
consiste em afastar o totem que cobre o furo superior do sopro e soprar neste furo com o
bocal da flauta virado para baixo, utilizar um secador de cabelo com ar morno também
funciona. Guarde a flauta com o furo do sopro para baixo para secar. Melhorar a embocadura
evita acumular umidade.

Tamanho das flautas

O iniciante deve começar com uma flauta menor, porque é mais fácil de tocar, faz um
investimento menor e experimenta o instrumento. Mas todo mundo adora o som dos tons
mais baixos (graves) suaves e profundos. Se decidir comprar uma flauta com um tom mais
profundo, então terá de optar por um instrumento maior. Em flautas maiores o controle da
respiração, o dedilhado e o estilo são mais sutis e sensíveis. Por isso, indo de uma flauta
menor para uma maior permite fazer os ajustes necessários.

Flautas duplas e triplas

Existem dois tipos de flautas duplas feitas pelos luthiers. A de dois tubos paralelos e a de dois
tubos em “V”. Um tubo contem os furos onde tocamos a melodia e outro sem furos (drone),
afinado no som mais baixo (grave) que se iguala quando todos os furos estão fechados. Temos
também dois furos de sopro permitindo que a flauta possa instantaneamente ser tocada como
simples ou dupla, adicionando versatilidade e riqueza às melodias. As flautas duplas
permitem a execução em um estilo diferente. Se possuir uma dessas flautas, sugerimos que
experimente criar o seu próprio som. Aqui estão algumas dicas:

Dependendo da parte da flauta que você deseja enfatizar (lado melodia ou lado drone), mova
a flauta ligeiramente na direção do lado que deseje que receba mais ar;

Ao reproduzir ambos os lados, nas notas mais altas (ver seção sobre Técnicas), adicione um
pouco mais de pressão no sopro. Isto irá conduzir o drone para uma oitava acima.

Normalmente é necessário um pouco mais de ar para tocar estas flautas. O uso de uma
embocadura correta vai ajudar na regulagem do fluxo de ar.

Flauta Tripla

A flauta tripla possui dois drones e uma flauta com os furos para tocar a melodia. Um tubo
lateral é afinado na tônica, enquanto o outro tem três furos que podem ser abertos ou
fechados para se criar diferentes notas de drones. O tubo do centro tem seis buracos em que a
melodia é tocada. Flautas triplas é um maravilhoso instrumento, mas só recomendado para os
experientes.

Cuidados com a Flauta

Normalmente os luthiers que fazem as flautas tomam o cuidado de tratá-las com várias
camadas de óleo não tóxico que endurecem a madeira ou bambu. Isso não tem que ser feito
novamente a menos que o instrumento seja muito utilizado. Se a flauta começa a perder seu
brilho, recomendamos que um óleo não tóxico (óleo de peroba) seja usado para trazer de
volta o acabamento e para conservar melhor a flauta. Óleo de coco também pode ser usado.
Aplique também com cuidado, o óleo dentro da flauta, utilizando uma haste e uma flanela
enrolada na mesma. Depois de deixar o óleo por dez minutos ou mais, limpe a flauta por
dentro e por fora, enxugue-a, não deixe excesso de óleo.

Para obter o melhor som possível a partir da flauta, é importante que o totem (pedaço
amarrado em cima da flauta) esteja bem amarrado e apertado. As tiras de couro tem uma
tendência a esticar e o totem tem de voltar a ser amarrado periodicamente. Uma boa prática
é prender o totem com uma liga de borracha (elástico de amarrar dinheiro) e em seguida,
enrole o couro em torno dele. depois amarre-o para baixo bem apertado, depois de amarrado
ainda é possível ajustá-lo.

A posição ideal para o totem é ficar aparelhado com o furo do som. As vezes, movendo o
totem para cima e para baixo, fazendo um ajuste fino, melhora o som produzido.

Removendo e recolocando o Totem

Problemas e soluções

-Não consigo obter nenhum som

a) Certifique-se o totem está na posição adequada e amarrado firmemente;

b) Verifique se o totem não está cobrindo qualquer parte do furo do som e que esteja
centrado atrás do furo de som;

c) verifique se o totem está bem posicionado e amarrado.

-O som é fraco ou desagradável

a) Se tiver sido tocado muito, verificar se há acúmulo de umidade;


b) Verifique se o totem está no lugar apropriado e se está amarrado firmemente.

-A nota mais baixa (grave) não sai ou sai alta (aguda) ou estridente:

a) Certifique-se de que todos os furos do dedilhado estão completamente fechados. Não feche
os furos com a ponta dos dedos use as almofadas carnudas dos dedos;

b) Use menos pressão do ar quando tocar a nota. Se você sopra muito forte para tocar a nota
mais grave, note que ela vai soar na próxima oitava acima;

c) Algumas flautas exigem um sopro mais suave e com diafragma para soar bem a nota mais
grave.

-A flauta soa desafinado ou faz sons desagradáveis

a) Certifique-se de que todos os furos de dedilhado estão completamente fechados.

Não tocar com a ponta dos dedos, usando mais a parte carnuda de seus dedos.

b) Aumentar ou diminuir o sopro para tornar a nota mais nítida ou mais plana
respectivamente.

Música

Já vimos que as culturas tribais que criaram estes tipos de instrumentos não têm música
escrita. Os princípios são observados e o resto deve vir do coração. Não desprezamos a
cultura dos povos que criaram as NAFs, mas honramos isso. Este maravilhoso instrumento é
apropriado para a improvisação. Todos possuímos este dom: a capacidade de expressar o
sentimento que se traduz em música que sai do nosso coração. Encorajo-vos a experimentar
com a criação de suas próprias músicas e expressões. Nós encontramos nesta prática um
processo muito libertador, fácil e gratificante. Uma maneira de aprender a tocar é ouvir, ouvir
bastante. Na internet há disponível muito áudio e vídeo de flautistas tocando as NAFs, bem
como vídeo aulas ensinando a tocá-las. Neste trabalho iremos relacionar vários links com este
material que certamente reforçará o aprendizado. Se puder contar com um professor ou
alguém mais experiente, presencialmente, tanto melhor.

Carta de Digitação das NAFs

A seguir mostraremos tabelas de dedilhado para flautas 5 e 6 furos afinadas nas escalas
menores: "A", "Bb", "B", "C", "D", "E", "F #" e "G". Nas tabelas, os pontos pretos indicam
buracos fechados e a extremidade cônica do desenho indica o bocal da flauta. Cada diagrama
do dedilhado mostra a nota correspondente escrita abaixo nas afinações de cada flauta.

É bom lembrar que com todos os instrumentos de sopro a quantidade de pressão de ar


exercida irá determinar a exatidão da nota. Mais pressão irá aguçar a nota, enquanto menos
pressão vai torná-la mais grave.

Os gráficos do dedilhado são úteis para muitas pessoas que estão interessadas nas
informações que eles fornecem, mas não precisamos deles para desfrutar da reprodução de
música na flauta nativa. Em muitas culturas, as pessoas nunca aprendem teoria musical, mas
criam belas melodias simplesmente "tocando de ouvido".

Tabela de digitação para as NAFs de 5 furos

Os intervalos musicais variam em TOM (T) e semitons (ST) um semiton é a metade da altura de
um tom. Assim temos Do ( C ) + 1 ST = Do# (C#). A escala pentatônica menor é composta
assim: Tônica + 3ST + 2ST + 2ST +3ST + 2ST. Assim temos para a escala de “C”

“C “ +3ST “ D#” + 2ST “ F +2ST “G” + 3ST “A#” + 2ST “C” = C;D#;F;G;A#;C - confira acima na
tabela. Já vimos que na flauta de 6 furos devemos manter o 3o furo de cima para baixo
fechado sempre, utilizando o dedo anelar da mão que fica acima na flauta.
Vejamos como digitar uma escala cromática completa, mesmo não sendo usual, este
procedimento é possivel. NAF afinanada em Am
Escala cromática para NAF afinada em Bbm
Escala cromática para a NAF afinada em Bm
Escala cromática para NAF afinada em Cm
Escala cromática para a NAF afinada em Dm
Escala Cromatica para a NAF afinada em Em
Escala cromática para NAF afinada em F#m
Escala cromática para NAF afinada em Gm

Escalas para oitavas diferentes podem variar e podem ser encontradas online em

http://highspirits.com/pages/fingering-charts

Abaixo a escala de “C” encontrada neste site:


Tocando as escalas

O termo "Escalas" descreve uma sequência de notas musicais que se relacionam umas com as
outras. Existem milhares de diferentes escalas encontradas em todo o mundo e cada uma tem
sua própria personalidade e sensação.

Você já experimentou tocar uma escala. Simplesmente dedilhando para cima e para baixo da
flauta com o terceiro furo do topo fechado (quando se usa uma flauta de 6 buracos) você
tocou uma escala pentatônica menor em que sua flauta está afinada. Normalmente as NAFs
são afinadas nas escalas pentatônicas menores, mas alguns luthiers fabricam-nas na
pentatônica maior, não sendo muito usual. Muitas outras escalas podem ser reproduzidas na
flauta nativa e são bem fáceis de aprender. Por exemplo, tocando para cima e para baixo na
flauta de 6 furos, com o quarto furo de cima para baixo fechado, em vez do terceiro, temos
outro tipo de escala pentatônica. Esta escala acrescenta uma qualidade de blues única para a
flauta.

Quando tocamos uma canção em uma escala diferente, isto muda o caráter e a sensação da
melodia. As escalas menores passam uma sensação de nostalgia assim como o blues,
enquanto as escalas maiores são mais quentes e alegres. Conhecer diferentes escalas traz uma
nova percepção sobre as maneiras de tocar e irá expandir nossas composições de estilo e
música, para que possamos nos expressar de forma mais completa.

Os gráficos de digitação para as seguintes escalas são simples de aprender e necessitam de


pouco ou nenhum conhecimento musical para usá-los. Pratique a escala; depois, para tocar
uma melodia, siga a digitação seguindo a escala descrita pelos pontos pretos, e os resultados
farão sentido. Não há notas atribuídas a estas cartas de digitação, porque elas podem ser
reproduzidas em qualquer das nossas flautas não importa qual a sua afinação.

Tabelas de digitação – NAFs afinadas em uma escala pentatônica menor

Escala pentatônica menor (supomos que as NAFs estejam afinadas em uma das escalas
pentatônica menor) - 3º furo sempre fechado.

Escala pentatônica menor (Blues)– 4º furo sempre fechado


Escala pentatônica maior – OBS. Se a flauta tivesse afinada na pentatônica maior (não é usual)
bastava seguir a digitação sequencialmente.

Escala diatônica maior

Escala de Blues – Variação


Para escrever a sua própria música pode fazer uma “carta” e pintar os furos a ser tocado na
sequência. Pode também fazer um código para os tempos, o trinado ou qualquer movimento
desejado.

A carta com as flautas ficaria assim:


Imprima as folhas com as cartas e codifique as suas músicas.

Sites interessantes com muita informação sobre as Flautas Nativas Americanas (NAFs)

Informações sobre o site Link para a página


Texto desse artigo – traduzido e adaptado http://highspirits.com/
por Lobo do Cerrado em fevereiro de 2016
Página no Face Book do Highspirits https://www.facebook.com/HighSpiritsFlutes/
Canal Youtube do Highspirits https://www.youtube.com/user/OdellBorg/playli
sts
Vídeo aulas Youtube - Highspirits https://www.youtube.com/watch?v=382ecj3epo
Y&list=PLh7L956bTX7azi0zvr7Ui9KhKvwwJmTBZ
Luthier Tatanka Ishca – O Búfalo Branco http://www.tatankaishca.com.br/index.html
Página com informações e vendas de NAFs
de madeira
Youtube com vídeos do Luthier Tatanka https://www.youtube.com/user/Anderson0035/
Ishca videos

Face Book do Tatanka Ishca https://www.facebook.com/FlautasNativasAmeri


canas/?fref=ts
Face Book do luthier Juliano Sopro Nativo https://www.facebook.com/sopro.nativo
Youtube com vídeos do Sopro Nativo https://www.youtube.com/channel/UCxXAFg8a
OaJtR7QLHUJfXyA
Face Book do luthier Faisca Dourada https://www.facebook.com/profile.php?id=1000
08641277030&fref=ts

Youtube do luthier Faisca Dourada https://www.youtube.com/user/jonicesar/video


s

Página - soundcloud do flautista Wanbli https://soundcloud.com/wanbligleshka


Gleshka – ouvir e aprender
Página - soundcloud do flautista Indra https://soundcloud.com/indra-lopez-ortega
Lopez Ortega – ouvir e aprender
Página - soundcloud do flautista João https://soundcloud.com/jo-o-paulo-lobo
Paulo Lobo – Lobo Cinzento - ouvir e
aprender
Canal youtube com aulas sobre a NAF em https://www.youtube.com/user/SkyRedhawk/vi
ingles deos
Canal youtube com aulas sobre a NAF em https://www.youtube.com/watch?v=bWQntEE2
ingles whc&list=PLB9FF571DE9DC7826
Vídeos mostrando a digitação de algumas https://www.youtube.com/user/vgersb/videos
musicas
Relação de vídeos do Youtube do flautista https://www.youtube.com/results?search_query
Carlos Nakay =carlos+nakai
Musicas de Carlos Nakay no Youtube https://www.youtube.com/watch?v=BrluNutLNp
c
Exemplo de improviso – flauta e violão https://www.youtube.com/watch?v=U6GdrOPpP
1w
Canal do Youtube sobre a NAF –em inglês https://www.youtube.com/user/BlueBearArts/pl
aylists
Canal Youtube muito grande e bem https://www.youtube.com/user/piriajeoshi/playl
organizado em playlist com muita ists?view=1&sort=dd
informação sobre as NAFs – em inglês
Uma das playlist do canal anterior com os https://www.youtube.com/watch?v=plJOkmRSyS
tutoriais – em inglês – vale a pena conferir 4&list=PL735221986920F4E3
Página Face book – Aprenda música grátis https://www.facebook.com/Age-
– Lobo do Cerrado Aprenda_M%C3%BAsica_Gr%C3%A1tis-
1582260302028786/
Grupo Age_Music – Lobo do Cerrado https://www.facebook.com/groups/2202513813
40636/

Creio que com este trabalho dou minha contribuição para aqueles que, como eu, amam a
flauta nativa americana - Native American Flute (NAF).

Brasilia – fevereiro de 2016

Lobo do Cerrado