Você está na página 1de 8

ANEXO 6

DIMENSIONAMENTO DE APARELHOS DE APOIO


DE NEOPRENE

SUMÁRIO

A6.1 INTRODUÇÃO ............................................................................................................... 1

A6.2 PRÉ-DIMENSIONAMENTO ..........................................................................................


A6.2.1 Dimensões em planta ............................................................................................
A6.2.2 Altura do neoprene ..............................................................................................
A6.3 MÓDULO DE DEFORMAÇÃO TRANSVERSAL DO NEOPRENE .............................
A6.4 VERIFICAÇÕES .............................................................................................................
A6.4.1 Limite da deformação por compressão (afundamento) ..........................................
A6.4.2 Limite da deformação por cisalhamento ................................................................
A6.4.3 Limitação da tensão de cisalhamento ....................................................................
A6.4.4 Segurança contra o deslizamento ..........................................................................
A6.4.5 Condição de não levantamento da borda menos carregada ....................................
A6.4.6 Verificação da estabilidade ...................................................................................
A6.4.7 Verificação das chapas de aço ..............................................................................
REFERÊNCIAS E BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA .........................................................
Anexo 6 Dimensionamento de aparelhos de apoio de neoprene 1

A6.1 INTRODUÇÃO

O dimensionamento de aparelhos de apoio de neoprene consiste em:


- fixar as dimensões em planta (a e b)
- estabelecer a espessura da placa ou das placas
- determinar o número de placas de neoprene (para neoprene cintado)
- verificar as diversas condições de segurança.

As verificações as serem feitas são:


- pressão de contato
- deformação de compressão (afundamento do apoio)
- deformação de cisalhamento (limite de distorção)
- limitação da tensão de cisalhamento
- segurança ao deslizamento
- condição de não levantamento da borda menos carregada
- condição de estabilidade
- resistência das chapas de aço

Nos casos usuais, faz-se inicialmente o pré-dimensionamento, e em seguida são feitas as


verificações.

A6.2 PRÉ-DIMENSIONAMENTO

A6.2.1 Dimensões em planta

Conforme mostrado na Fig. A6.1, as dimensões em planta do aparelho de apoio são: a (na direção do
eixo da viga) e b. A área do aparelho de apoio seve atender a seguinte condição:

N max
a b  (1)
 adm

Os valores recomendados para a tensão admissível sâo:  adm  7 MPa para neoprene simples
e  adm  11MPa para neoprene cintado.
2 Anexo 6 Dimensionamento de aparelhos de apoio de neoprene

Fig. A6.1 Aparelho de apoio de neoprene: dimensões em planta.

A6.2.2 Altura do neoprene

A altura (espessura) pode ser estimada em:

h  2  aH 1 (2)
Onde: a H 1  deslocamento horizontal provocado pelas ações de aplicação lenta (retração, fluência,
temperatura).

A6.3 MÓDULO DE DEFORMAÇÃO TRANSVERSAL DO NEOPRENE

Não sendo conhecido o valor do módulo de deformação transversal do neoprene G, obtido


através de ensaio experimental, podem ser adotados os valores da tabela a seguir, em função da
dureza Shore A.

Tabela A6.1 Módulo de deformação transversal do neoprene em função da dureza Shore A, à temperatura de 20 oC.

Dureza Shore A 50 60 70
Módulo G (MPa) 0,8 1 1,2
Anexo 6 Dimensionamento de aparelhos de apoio de neoprene 3

A6.4 VERIFICAÇÕES

A6.4.1 Limite da deformação por compressão (afundamento)

A variação da altura da almofada pode ser determinada por:

 m'  h1
h  n  (3)
4  G  B  3   m'
Onde:
n  número de placas
 m'  N / A' com N  N max (  N g  q ) e A'  ( a  a H )  b
h1  espessura de cada camada de neoprene
G  módulo de deformação transversal do neoprene
a b
B (fator de forma)
2  h1  ( a  b)
A deformação por compressão deve ser limitada a 15%, ou seja:

h
 0,15 logo: h  0,15  h (4)
h

A6.4.2 Limite da deformação por cisalhamento

O limite da deformação por cisalhamento, conforme mostra a Fig. A6.2, é fornecido por:

aH
tg ( )   0,7 ou a H  a H 1  a H 2  0,7  h (5)
h
Onde: a H 2  deslocamento horizontal provocado pelas ações acidentais de curta duração (ações
“instantâneas”): frenagem, aceleração, vento, etc.
Com:

H
aH 2  .h (6)
( 2.G ). A
Cabe salientar que o limite indicado no Anexo A da norma NBR 9062 é 0,5 em vez de 0,7
aqui utilizado.
4 Anexo 6 Dimensionamento de aparelhos de apoio de neoprene

Fig. A6.2 Aparelho de apoio de neoprene: limite da deformação por cisalhamento.

A6.4.3 Limitação da tensão de cisalhamento

Deve ser satisfeita a seguinte condição:

 N   H    5 G (7)

Onde:

1,5  ( N g  1,5  N q )
N  (8)
Bi  a  b

G  a H H 1  0,5  H 2
H   (9)
h a b

G  a2
   (tg ( g )  1,5  tg ( q )) (10)
2  hi  h
Observações:
- estas expressões devem ser aplicadas para cada camada de neoprene e também são válidas
para almofada simples.
- deve ser verificada também a atuação de carga permanente isoladamente.
- no caso de elementos pré-moldados é recomendada a adoção de uma rotação inicial devida à
imprecisão de montagem  0  0,01rad que deverá ser somada às parcelas para o cálculo
de   .

A6.4.4 Segurança contra o deslizamento

Devem ser satisfeitas as seguintes condições a e b, conforme segue:


Anexo 6 Dimensionamento de aparelhos de apoio de neoprene 5

a) H    N (11)
0,6
onde:   0,1  com  m' em MPa. (12)
 '
m

Com:

Ng
 m'  H  H1 e N  Ng (13)
A'
Ou

Ng  Nq
 m'  H  H1  H 2 e N  Ng  Nq (14)
A'
Sendo:

G A
H1  aH 1  (15)
h
H 2  força horizontal devida às cargas instantâneas.

N min  a 
b)  1   em MPa (16)
A'  b
N min
Para almofadas cintadas deve-se ter:  2 MPa .
A'
Se os limites a) e b) não forem obedecidos, deve-se empregar dispositivos que impeçam o
deslocamento da almofada.

A6.4.5 Condição de não levantamento da borda menos carregada

a) Almofada simples

2  h1 h  g
a) tg ( g )  com h1  (17)
a 10  G  B  2   g
Onde:

Ng a b
g  e B (18)
(a  aH )  b 2  h  ( a  b)

2  h2 h   g q
b) tg ( g )  1,5  tg ( q )  com h2  (19)
a 10  G  B  2   g q
Onde:
6 Anexo 6 Dimensionamento de aparelhos de apoio de neoprene

Ng  Nq a b
 g q  e B (20)
(a  a H )  b 2  h  ( a  b)

b) Almofada cintadas

6   h1i hi   g
a) tg ( g )  com h1i  (21)
a 4  G  Bi2  3   g
Onde:

a b
B e  g : tem o mesmo significado do caso anterior (22)
2  hi  ( a  b)

6   h2i hi   g  q
b) tg ( g )  1,5  tg ( q )  com h2i  (23)
a 4  G  Bi2  3   g  q

A6.4.6 Verificação da estabilidade

Dispensa-se a verificação da estabilidade da almofada se h  a / 5 . Se esta condição não for


satisfeita, a verificação pode ser feita com:
2a
 m'  G  B (24)
3 h

A6.4.7 Verificação das chapas de aço

No caso de aparelho de neoprene cintado, a espessura das chapas deve atender a seguinte
condição:

a   m'
hs  (25)
B  s
Onde:  s  150 MPa (tensão admissível do aço)
As chapas externas podem ficar com metade da espessura calculada, geralmente elas têm a
espessura mínima de 2mm.

REFERÊNCIAS E BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA


Anexo 6 Dimensionamento de aparelhos de apoio de neoprene 7

ABNT. NBR 9062 – Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado. Rio de Janeiro,
2005. (anexo 1)
ABNT. NBR 9783. Aparelhos de apoio de elastômero fretado. Rio de Janeiro, 1987.
BRAGA, W. A. Aparelhos de apoio das estruturas. São Paulo, Editora Edgard Blucher, 1986.
NEOPREX Manual Técnico (site: http://www.neoprex.com.br/)