Você está na página 1de 12

A GEOGRAFIA HUMANISTA: uma revisão


„WERTHER HOLZER

RESUMO
HÁ VINTE ANOS, EM JULHO DE 1976, O “ANNAS OF THE ASSOCIATION OF AMERICAN GEOGRAPHERS” PUBLICAVA O
ARTIGO “HUMANISTIC GEOGRAPHY” DE YI-FU TUAN. ESTE TRABALHO É COMO QUE UMA DECLARAÇÃO DE INDEPENDÊNCIA
DE UM MOVIMENTO QUE VINHA SENDO GESTADO HÁ MAIS DE DEZ ANOS E QUE, NAQUELE MOMENTO, ASSUMIA A FEIÇÃO
DE UM CAMPO DISCIPLINAR DISTINTO DENTRO DA GEOGRAFIA NORTE-AMERICANA. É A ESTE MARCO QUE SE REFERE O
TÍTULO DESTE TRABALHO, MAS SEU PLANO É UM POUCO MAIS AMBICIOSO. O QUE PRETENDO AO LONGO DAS PÁGINAS
SEGUINTES É ME REPORTAR AO SURGIMENTO DA IDÉIA DE UMA GEORAFIA HUMANISTA, SUA CONSOLIDAÇÃO COMO
CAMPO DISCIPLINAR DISTINTO NAS DÉCADAS DE 70 E 80 E, FINALMENTE, SUAS RELAÇÕES SEMPRE PRESENTES, ENOS
ÚLTIMOS ANOS MAIS ESTREITAS, COM A GEOGRAFIA CULTURAL E A GEOGRAFIA HISTÓRICA.

ANTECEDENTES À GEOGRAFIA HUMANISTA __________ Sauer, em 1925, sugeria que o estudo das paisa-
“Humanismo”, conforme Tuan preconizava em gens — conceito síntese da geografia — deveria
1976, refere-se a uma tentativa de análise das ações iniciar-se com o estabelecimento de um sistema crí-
e produtos da espécie humana a partir de uma vi- tico delimitado pela fenomenologia da paisagem
são que amplia a perspectiva científica cartesiana, como método de estudo da relação entre o homem
incorporando os estudos das humanidades na lei- e o ambiente por ele formatado e transformado em
tura abrangente de temas geográficos (Tuan, 1976). habitat, em paisagem cultural (Sauer, 1983). Estas
Estes temas, alguns eleitos por Tuan como prefe- idéias desenvolvidas pelo autor durante a sua longa
renciais para uma abordagem humanista, serão ana- docência se difundiram por todos os Estados Uni-
lisados mais adiante neste artigo, mas a idéia de dos e para o exterior, propiciando a criação de mui-
uma disciplina centrada no estudo da ação e da tos cursos de “geografia cultural”, que através do tra-
imaginação humanas e na análise objetiva e sub- balho de campo e de relatos de não-geógrafos pro-
jetiva de seus produtos, que pretendiam consti- curavam fazer uma geografia que captasse “os significa-
tuir uma ciência de síntese que estivesse além dos dos e cores do variado cenário terrestre” (Sauer, 1983, 320).
parâmetros cartesianos e positivistas, nos remete Outro geógrafo norte-americano, este de ou-
aos anos 20. tra tradição — a da geografia histórica —, se vol-

ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008 137


taria para temas semelhantes. John Kirtland Wri- denominado por ele de topofilia. A geografia se
ght, então presidente da Association of American dedicaria ao estudo das vivências, que se expan-
Geographers (AAG), em 1947, faria um discurso dem do lar para paisagens mais amplas, da paisa-
exortando os geógrafos a explorar as “terras in- gem humanizada para os cenários mais selvagens.
cógnitas pessoais” ao estudo da imaginação que Os primeiros passos para uma renovação radi-
povoa a mente de todos nós, e que levasse a geo- cal da geografia cultural estavam dados, o encon-
grafia para além do plano acadêmico que a sujeita tro de Tuan e Lowenthal, anos mais tarde, daria
aos métodos de análise objetivos. Sua idéia era de uma nova direção para este processo.
incorporar a subjetividade, pela utilização de tra-
balhos leigos com cunho geográfico, produzindo A PERCEPÇÃO AMBIENTAL E AS APROXIMAÇÕES
uma disciplina que estivesse além as análise siste- HUMANÍSTICAS _____________________________
mática; uma “geosofia histórica”, definida como o Como já disse anteriormente, o início dos anos
estudo do conhecimento geográfico produzido sessenta foi marcado pelo domínio da geografia
por geógrafos e por não geógrafos (Wright, 1947). analítica nos Estados Unidos. Este domínio possi-
No início da década de 60, com o crescente bilitou a convergência de pesquisas geográficas
domínio da geografia quantitativa e o surgimento com linhas bastante díspares tendo como tema
da geografia comportamental, um ex-aluno de Sau- comum a percepção ambiental.
er, David Lowenthal, revisita a obra de Wright com Aos poucos os geógrafos analíticos, preocupa-
o intuito de renovar a geografia cultural, que cada dos em incorporar os avanços da psicologia com-
vez mais perdia espaço nos meios acadêmicos nor- portamental, bem como os geógrafos cultu-
te-americanos. Sua proposta, uma noa epistemolo- rais e da geografia histórica, interessados em re-
gia para a geografia (Lowenthal, 1961). A discus- novar o seu campo com contribuições da antro-
são por ele proposta desviava-se do eixo então do- pologia, psicologia e sociologia, aproximaram-se.
minante, o da procura de metodologias que se ade- A oportunidade para um encontro efetivo se deu
quassem aos modelos matemáticos, remetendo-se no Encontro Anual da AAG, em 1965, quando
para a fundamentação de uma teoria do conheci- Robert Kates e Gilbert White, dedicados ao estu-
mento geográfico. Seu ponto de partida era a “ge- do das catástrofes ambientais, uniram-se a Lowen-
osofia”, vista à base de um projeto de ciência que thal na promoção de um simpósio sobre percep-
abarcasse os vários modos de observação, o consci- ção ambiental e comportamento. Dos trabalhos
ente e o inconsciente, o objetivo e o subjetivo, o apresentados alguns foram publicados na íntegra
fortuito e o deliberado, o literal e o esquemático. dois anos depois (Lowenthal, 1967 a), sendo que
Neste mesmo ano, Tuan (1961), baseando-se deles nos interessam diretamente os textos de in-
na obra poética de Bachelard (“La Terre et les Rê- trodução, escritos pelo próprio Lowenthal (1967
veries de la Volonté”, “La Poétique de L’Espace” b), e um artigo de Tuan (1967).
e “L’Eau et lês Rêves”), propõe uma geografia dedi- Para Lowenthal os estudos geográficos divi-
cada ao estudo do amor do homem pela natureza, dem-se em três temas: 1) a natureza do ambien-

138 ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008


te; 2) o que pensamos e sentimos sobre o ambi- A CONTRACULTURA E AS APROXIMAÇÕES
ente; 3) como nos comportamos e alteramos o HUMANÍSTICAS _____________________________
ambiente. O principal problema da geografia, Até agora me referi apenas ao contexto inter-
dizia ele, é que só se preocupa com o primeiro no, ao mundo acadêmico da geografia. Mas para
tema, considerado como o “mundo real”. O compreendermos as forças que levaram a um cam-
“meio pessoalmente apreendido”, ligado ao po disciplinar autônomo, denominado “geografia
comportamento humano e ao modo como a pai- humanista”, torna-se necessária a referência ao
sagem é modelada e construída, vinha sendo ne- ambiente intelectual do final dos anos sessenta: o
gligenciado. Por sua vez, Tuan também falava do movimento hippie, da revolta estudantil e do
em dois modos de se ler os conceitos geográfi- questionamento feroz dos padrões culturais e po-
cos: 1) a partir dos processos físicos que afetam líticos instituídos.
as formas da Terra; 2) nas marcas que o homem Um pequeno artigo de um geógrafo econômi-
imprime na natureza como agente. Sendo que co (Parsons, 1969), é revelador deste clima geral
este segundo modo se relacionaria com as hu- de mudança, e permite uma ligação com o mundo
manidades. O referido autor levantava e enu- acadêmico da geografia. Para o autor em questão,
merada diversas “aproximações humanistas”, tais os jovens, naquele momento, não estavam inte-
como: as atitudes do indivíduo em relação a um ressados em uma geografia operacional e não acre-
aspecto do ambiente; atitudes do indivíduo com ditavam em leis mecanicistas ou em modelos de
relação às regiões; a concepção individual da mundo. Seu interesse era pelos valores humanos,
sinergia homem-natureza; a atitude dos povos a estética e um novo estilo de vida. No caso da
acerca do ambiente; e as cosmografias nativas. geografia, dizia Parsons, o cientificismo e o eco-
Outra destas aproximações ele considerava nomicismo que a dominavam eliminaram os valo-
como que totalmente negligenciada: a das ati- res morais e a subjetividade humana. Uma geogra-
tudes em relação à natureza focalizando a aten- fia que fosse ao encontro desses novo valores de-
ção nas paisagens que adquirem um significado veria basear-se em uma “aproximação humanísti-
simbólico especial. ca”, tendo como objeto a apreciação da paisagem
Com este simpósio foram traçados uma li- enquanto ambiente natural e humanizado, o que
nha de ação e um roteiro básico de temas para contribuiria para a preservação e valorização do
uma geografia cultural e histórica renovada. ambiente terrestre.
Seus pontos de partida seriam o “meio pesso- Buttimer, por sua vez, faria críticas veementes
almente apreendido” e as “aproximações hu- à geografia. Segundo ela:
manísticas”. Faltava-lhe agora um suporte teó-
rico-conceitual que permitisse uma distinção dramáticos e excitantes desafios confrontam os
cara entre ela e a geografia comportamental, geógrafos hoje em dia. Mudanças revolucioná-
realizando o sonho de se fazer uma nova epis- rias nos padrões sociais empíricos significa-
temologia para a geografia. ram obsolescências para muitos procedimentos

ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008 139


analíticos tradicionais: transformações radi- No entanto, Relph (1970) foi o primeiro a
cais no mundo acadêmico fizeram nascer ques- colocar em um artigo as possibilidades da feno-
tões relativas à base filosófica dos procedimen- menologia ser o suporte filosófico capaz de unir
tos da ciência social. Comportamentalistas e todos os geógrafos ocupados com aspectos subje-
existencialistas colocam a questão fundamen- tivos da espacialidade, mas que não desejavam ser
tal: pode a ciência continuar a servir uma função identificados como comportamentalistas. Sua pro-
útil medindo e explicando a face objetiva e esbo- posta era, explicitamente, de “desenvolver uma baga-
çando mecanismos da realidade social, ou deve ela gem filosófica para as aproximações humanistas na geografia”
também penetrar e incorporar suas dimensões sub- (Relph, 1970, 195). O método fenomenológico
jetivas” (Buttimer, 1969, 417. Grifo meu). seria utilizado para se fazer uma descrição rigoro-
sa do mundo vivido da experiência humana e, com
Também nomes já consagrados, como Meinig, isso, através da intencionalidade, reconhecer as
ligado à geografia cultural, reconheceram a im- “essências” da estrutura perceptiva.
portância da “descoberta” do ambiente. O au- Relph previa pelo menos duas conseqüência
tor recomendava um programa de pesquisas sério, imediatas do uso da fenomenologia na geografia:
que poderia ser agrupado sob o nome de “apreci- uma visão holística e unificadora da relação ho-
ação ambiental”. A escolha deste termo não foi mem-natureza e uma crítica ao cientificismo e ao
gratuita. Meinig pretendia remeter o estudo do positivismo. Tuan, que nesta época lecionava na
ambiente para as humanidades, tirando-o do âm- Universidade de Toronto, a mesma de Relph, tam-
bito das ciências físicas. Ele alegava que os estu- bém publicou um artigo explorando as relações
dos ambientais vinham sendo feitos por ecólogos, da geografia com a fenomenologia. Logo depois,
ou seja, por cientistas naturais especializados em Mercer e Powell (1972) sistematizaram os méto-
“natureza”, mas não em cultura humana. Para Mei- dos não convencionais para as aproximações sub-
nig a apreciação ambiental “é uma arte, é holísti- jetivas na geografia, entre eles a fenomenologia.
ca, particularista, peripatética, qualitativa, sensual A idéia amadureceu e Buttimer (1974), em ane-
w finalmente idiossincrática e profundamente xo ao seu “Values in Geography”, publicou um
emocional” (Meinig, 1971, 11). estudo sobre a utilização da fenomenologia e do
existencialismo pela geografia. Para a autora o
FENOMENOLOGIA E HUMANISMO ________________ mérito destas filosofias é abranger a totalidade do
Como já disse anteriormente, o contexto pro- ser — percepção, pensamento, símbolos e ação
piciava a procura de novos aportes por parte da — o que se constata na prática, onde se torna im-
geografia, e no caso específico das “aproximações possível delimitar claramente o que é sujeito e o
humanísticas” algo que a diferenciasse da geogra- que é objeto.
fia comportamental que já vinha se consolidando O último passo para personalizar a geografia
como sub-campo disciplinar. Buttimer, como já cultural que pretendia dedicar-se à percepção am-
vimos, delineara a alternativa do existencialismo. biental e se renovar epistemologicamente estava

140 ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008


dado. Daí para a individualização das “aproxima- importante para este texto, definia o espaço, fe-
ções humanísticas” na geografia, calcadas na fe- nomenologicamente, como a conjunção de dis-
nomenologia existencialista, era uma questão de tâncias e de direções que, tendo como referência
assimilação do novo campo pela mídia especializa- o corpo e o suporte onde ele se instala, constitui-
da. Seu manifesto seria publicado dois anos mais ria um espaço primitivo. A partir deste se consti-
tarde, seu nome “geografia humanista”. tuiriam categorias espaciais como a de lugar e a de
paisagem, por exemplo.
A GEOGRAFIA HUMANISTA E O Este livro, comprovadamente, influenciou Rel-
CONCEITO DE LUGAR ________________________ ph em suas pesquisas sobre o conceito de lugar.
A fenomenologia existencialista não foi, po- Se fizermos uma leitura atenta dos artigos de Tuan
rém, o traço de identificação mais forte da geo- que versam sobre o tema veremos onde ele foi
grafia humanista. Na verdade o aporte filosófico buscar inspiração.
foi, na palavra dos próprios humanistas, tomado O fato é que a partir de 1973, quando Relph
de maneira “implícita”, como Pickles (1985) apresentou sua dissertação intitulada “The Pheno-
apontaria mais tarde. Deste modo, do método fe- menon of Place”, mais tarde publicada (Relph,
nomenológico foram apropriados, principalmen- 1976), o lugar tornou-se um pólo de atenção da
te, os conceitos de “mundo vivido” (Lebenswelt) geografia humanista.
e de “ser-no-mundo”, que na geografia seria iden- Tuan, por sua vez, atuava em dois campos de
tificado com o conceito de “lugar”. Não houve, pesquisa distintos: um dedicado à pesquisa das ati-
no entanto, uma preocupação de aplicação rigo- tudes do homem em relação ao ambiente, que cul-
rosa do método proposto por Husserl, considera- minou com a publicação de “Topofilia” em 1974
do de difícil compreensão pelos próprios mem- (Tuan, 1980); outro dedicado à busca de um con-
bros do coletivo. ceito espacial adequado às propostas humanistas,
Torna-se necessária agora uma breve interrup- que culminou com a publicação de “Espaço e Lu-
ção na narrativa cronológica que vinha sendo er- gar” em 1977 (Tuan, 1983). Esta segunda alterna-
guida, para que eu fale da influência decisiva que tiva é a que mais interessa neste artigo.
o geógrafo Eric Dardel teve nas pesquisas sobre o Em artigo de 1974, Tuan afirmava que o espa-
“lugar”. Dardel era um professor de liceu que em ço e o lugar definem a natureza da geografia. Sob
1952 publicou um pequeno livro intitulado a perspectiva humanista eles deviam ser estudados
“L’Homme et la Terre — Nature de la Realité a partir dos sentimentos e das idéias de um povo
Géographique”(Dardel, 1990), que talvez seja o na corrente da experiência. Para o autor:
único exemplar de uma autêntica geografia exis-
tencialista até hoje escrito. a importância do “lugar” para a geografia
Ele opunha ao espaço geométrico, abstrato, o cultural e humanista é, ou deveria ser, ób-
espaço geográfico, com todas as suas implicações via.... Como em um único e complexo con-
sobre a nossa existência e o nosso destino. E, mais junto — enraizado no passado e incremen-

ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008 141


tando-se para o futuro — e como símbolo, o suporte teórico-conceitual, ainda que não de
o lugar clama pelo entendimento humanista modo ortodoxo, e um conceito espacial, que via-
(Tuan, 1974). bilizasse a análise geográfica, a empresa de uma
geografia cultural humanística estava prestes a ser
Tuan ia mais longe ligando o tempo e o espaço consolidada. Estavam criadas as condições para que
a partir da noção de distância, afirmando que am- em 1976 fosse publicado um “manifesto” expondo
bos os conceitos são orientados e estruturados pela suas propostas de pesquisa.
intencionalidade do ser. O autor faria outra incur-
são na caracterização do lugar (Tuan, 1975), pre- “HUMANISTIC GEOGRAPHY” A RENOVAÇÃO DA
ocupando-se com a perspectiva da experiên- GEOGRAFIA CULTURAL _______________________
cia e com as várias escalas que o lugar pode ter: o Com “Humanistic Geography” (Tuan, 1976),
lar, a vizinhança, a cidade, a região e o estado- definia-se uma orientação humanista para a geo-
nação. Suas pesquisas seriam condensadas, mais grafia. Para Tuan o objetivo do novo campo disci-
tarde, no livro “Espaço e Lugar” (Tuan, 1983), onde plinar não era se deter na exploração de um tema
foi apresentada a seguinte questão básica: o que único, mas de fazer uma nova leitura de todos os
são o espaço e o lugar em termos da experiência temas geográficos, de construir o conhecimento
humana? Os temas abordados eram do corpo e dos científico, de modo crítico, procurando na filoso-
valores espaciais, do espaço mítico, da relação fia um ponto de vista para a avaliação dos fenôme-
entre tempo e lugar, do espaço humanizado, da nos humanos. No referido artigo foram indicados
importância da experiência e das relações inter- cinco temas de interesse da geografia humanista
subjetivas na constituição dos lugares. que, para o autor, estavam alam da metodologia
O livro de Relph “Place and Placeness” (1976), científica. Eram eles: o conhecimento geográfi-
por sua vez, seguia linha semelhante. O autor ex- co, território e lugar, aglomeração e privacidade,
plicava seu objetivo: “... examinar um fenômeno do mun- modo de vida e economia e, finalmente, religião.
do vivido — o lugar, e tentar elucidar a diversidade e intensidade O manifesto de Tuan foi reforçado pelo artigo
de nossas experiências do lugar” (Relph, 1976, n.p.). Rel- de Buttimer (1976), publicado no mesmo número
ph identificava seis tipos de espaço: o pragmático dos Annals of the AAG, intitulado “Grasping the
ou primitivo, o perceptivo, o existencial ou vivi- Dynamism of Lifeworld”. Ela sugeria as noções de
do, o arquitetônico ou do planejamento, o cogni- fenomenologia existencialista a serem utilizadas
tivo e o abstrato. Para ele o lugar é um modo par- pela geografia: a intencionalidade e o mundo vi-
ticular de relacionar essas diversas experiências de vido. Com isso procurava colocar a disciplina ge-
espaço, podendo ser identificado a partir de três ográfica além do empirismo e do idealismo, par-
componentes que se interrelacionam: traços físi- tindo do princípio de que:
cos, atividades e funções observáveis e, finalmen-
te, significados ou símbolos. Componentes estes ao clamar que a consciência constitui o signi-
que lhe dão autenticidade. Desse modo, definido ficado do mundo, temos que assumir, entre ou-

142 ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008


tras coisas, que a percepção coincide com a fia e a dos que procuravam a interface do aporte
compreensão, o que nem sempre acontece com a teórico humanista com outras bases filosóficas. No
experiência (Buttimer, 1976, 282). primeiro caso, situa-se Entrikin (1976) que criti-
cava na geografia humanista sua reinterpretação
Para a autora, a partir daí, existem três campos existencialista da doutrina de Husserl, consideran-
para a pesquisa na geografia: construir o espaço do que o único papel relevante que ela poderia
como um mosaico de lugares que refletem a von- assumir era o de crítica ao positivismo. Postura que
tade, valores e memória humanas, estudar o espa- propiciou muitas referências ao humanismo como
ço social que filtra os sistemas sociais e as redes de um mero criticismo, subestimando o potencial dos
interação e por fim estudar o espaço em termos temas por ele colocados. No segundo está Johns-
dos processos ecológicos e de sua organização ton (1986, 1980), que faria um esforço para deli-
funcional. Os humanistas escolheram para si a pri- mitar o que considerava serem os três novos “pa-
meira alternativa. radigmas” da geografia: o positivismo, o marxis-
Na prática, ao longo da década de 70, além do mo/estruturalismo e o humanismo. E no último
pequeno grupo coeso voltado para os temas e para estão autores que procuravam aproximar a geografia
o aporte filosófico segundo os parâmetros que ci- humanista de outros aportes filosóficos, como o
tei acima — grupo que pode ser chamado núcleo idealismo (Guelke, 1974; 1979), a dialética mar-
ou coletivo humanista —, havia outros com linhas xista (Cosgrove, 1978), ou o materialismo histó-
de pesquisa semelhantes e que trocavam entre si rico (Sayer, 1979).
críticas e sugestões para o desenvolvimento das Com o passar dos anos, o próprio coletivo hu-
aproximações humanísticas. Os mais próximos eram manista passou a refletir esta abertura para o ecle-
o de geógrafos culturais que trabalhavam com as tismo, como podemos constatar na coletânea pu-
interfaces entre a geografia e as humanidades, sem blicada por Ley e Samuels (1978), onde havia
se preocupar com as questões teórico-conceituais textos voltados para orientações epistemológicas
levantadas pelo coletivo humanista. Entre seus re- diversas (La Blache, Marx, Wittgenstein) e outros
presentantes podemos citar Lowenthal (1977, dedicados à procura de contribuições efetivas a
1978) que continuava com sua investigação sobre o partir da aplicação de métodos humanistas em es-
papel das paisagens na reconstituição da memória e tudos de caso. Abrira-se bastante o leque de te-
do passado; Rees (1978, 1980), preocupado com as mas proposto por Tuan em 1976.
interfaces entre a geografia e as artes plásticas; e Po-
cock (1981) que analisou textos que exploravam as A GEOGRAFIA HUMANISTA NA DÉCADA DE 80 ______
interfaces da geografia com a literatura. A geografia humanista continuou a se expandir
Outras três abordagens foram importantes para na década de 80, gerando um ecletismo de pro-
a geografia humanista na década de 70: a da críti- postas e extrapolando o público inicial de geó-
ca aos geógrafos humanistas, a dos que procura- grafos culturais e históricos norte-americanos.
vam estabelecer novos paradigmas para a geogra- Houve a adesão de geógrafos sociais norte-ameri-

ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008 143


canos e de geógrafos históricos e urbanos ingle- Estas discussões acerca da validade dos para-
ses, além de sua difusão por países de línguas di- digmas levou a uma evasão de membros do núcleo
versas ao inglês. humanista, como Relph, por exemplo, e a uma cres-
O debate filosófico, que antes estava voltado cente fragmentação das aproximações adotadas por
para um debate filosófico genérico, agora se dava seus seguidores. Cresceu a controvérsia sobre quais
no terreno específico da geografia. Este processo seriam os temas e os objetivos da geografia huma-
gerou a procura de antecessores e de interfaces nista. Assim, no periódico “Progress in Human
com outros campos da geografia. Uma maca bem Geography”, em seus artigos que resumem o “es-
sutil desta mudança é o livro “The Human Experi- tado da arte”, encontram-se bons exemplos acer-
ence of Space and Place” (Buttimer e Seamon, ca dessas discussões, como os comentários de Levy
1980), no qual Buttimer e seus ex-alunos da Uni- (1981 e 1983) e de Rowntree (1986, 1987, e
versidade Clark teorizavam sobre as experi- 1988) sob o título de “Cultural/ humanistic geo-
ências vividas filtradas pela conceituação huma- graphy”, e os de Claval (1981 e1982) sob o título
nista de espaço e lugar. Outra questão emergen- de “Methodology and geography”.
te seria da discussão da validade de paradigmas Outro fato marcante foi o da tentativa de apro-
para a geografia, bem como da recusa da existên- ximação dos conceitos humanistas e marxistas.
cia de um “paradigma humanista”. Um bom Gregory (1981) procurava associar a geografia
exemplo é o livro editado por Sttordart (1981), humanista com “la géographie humaine” de La
que questionava a visão da geografia como uma Blache, comparando o conceito de “estrutura” vi-
séria de eventos cronológicos organizados em dalino, considerado semelhante ao dos humanis-
escolas nacionais. Neste volume, Buttimer (1981) tas, com a concepção de “estrutura” nos trabalhos
colocava em dúvida a própria validade do con- de Willians, Bourdieu, Touraine, Habbermas e
ceito de paradigma, conforme enunciado por Giddens. Cosgrove (1983) oferecia a alternativa
Kuhn vinte anos antes. de uma “geografia cultural radical”. Se “uma geogra-
Relph (1981) iria mais longe, demolindo os fia humanista toma a cultura como centro de seus objetivos, isto
argumentos dos que procuravam criar um paradig- é, compreender o mundo vivido dos grupos humanos, uma geo-
ma humanista. Para o autor o termo “humanista”, grafia marxista precisa reconhecer que o mundo vivido, ainda
com sua gama de significados distintos, era anti- que simbolicamente constituído, é material, e não deve negar sua
paradigmático. Ele selecionou quatro concepções objetividade” (Cosgrove, 1983, 1). Thrift (1983),
distintas para a geografia humanista: uma crítica baseando-se em Thompson e Williams, fazia uma
dos significados e dos valores a partir da fenome- análise materialista do lugar, procurando a “estru-
nologia, uma busca dos laços entre a geografia e tura dos sentimentos” (structure of feeling) em
seus métodos a partir das humanidades, uma apro- trabalhos literários. Jackson (1983), finalmente,
ximação construtiva que reconciliaria a geografia ressaltava a contribuição dos humanistas na funda-
humanista com a ciência social e uma derivação mentação teórica das relações entre a ação huma-
das tradições da geografia histórica e cultural. na e a estrutura social no desenvolvimento da ge-

144 ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008


ografia social, tendo Habbermas e Giddens como te da geografia cultural e histórica. As relações e
referências. as questões envolvidas são bem mais complexas,
Finalmente, temos críticas à geografia huma- como pude colocar em outro trabalho bem mais
nista por não adotar rigorosamente a fenomeno- extenso (Holzer, 1992).
logia. Seu melhor representante foi Pickles (1985), Hoje posso afirmar que a movimentação pro-
que investigou a natureza da ciência e da pesquisa vocada pela geografia humanista nas décadas de
geográfica para demonstrar a importância da utili- 70 e 80, com seu ataque ao idealismo e ao empi-
zação da fenomenologia pela geografia. O autor rismo, sua procura de métodos alternativos, sua
fazia uma distinção importante entre “fenomeno- valorização do indivíduo e da espacialidade hu-
logia geográfica”, na qual o método fenomenoló- mana e sua aversão pelos paradigmas, apontam para
gico era adotado como um todo, e a “geografia um contexto mais amplo, extra-geografia: o do
fenomenológica”, praticada pelos humanistas, na surgimento do pós-modernismo. Sob este aspec-
qual a adaptação de vários conceitos tradicionais to, a geografia cultural norte-americana, renovada
da geografia levaram a um resultado diverso do como geografia humanista, sempre esteve na van-
projeto original da fenomenologia. Pickles queria guarda e possivelmente tem muitas das respostas
a construção de uma geografia fenomenológica para as questões que o pós-modernismo coloca
fundamentada na fenomenologia transcendental para os estudiosos da espacialidade humana.
de Husserl, que possibilitaria uma ontologia da Cabe ressaltar que ela sempre esteve sintoniza-
ciência viabilizadora da análise do mundo vivido da com a “questão ambiental”, e que foi dentro do
e da espacialidade humana. coletivo humanista que os problemas ambientais,
Não posso deixar de citar os trabalhos de Tuan, como vemos hoje, tomaram visibilidade e avança-
que prosseguia em sua construção da geografia ram conceitualmente na disciplina geográfica.
humanista. Em “Dominance and Afection” (1984), Buttimer (1990) nos mostra o humanismo como
discutia o processo de dominação que o homem um grito de emancipação da humanidade a partir
excerce sobre a natureza e seus semelhantes. Em “The da visão global dos problemas ambientais, da Ter-
Good Life” (1986) dedicava-se ao conceito de qua- ra como Gaia. Como ela mesmo observa:
lidade de vida em diversos meios culturais. E agora,
na década de 90, continua sua pesquisa sobre a cul- e a geografia humanista? Talvez ela anuncie
tura, como em “Passing Strange and Wonderful: uma fênix potencial, emergindo das cinzas de
Aesthetics, Nature and Culture” (Tuan, 1993). tiranias passadas—metodológicas, epistemo-
lógicas, ou ideológicas—em algumas ou to-
CONCLUSÃO ______________________________ das as facetas da pesquisa geográfica. Como
O que foi colocado aqui é, por uma questão do perspectiva de vida, o humanismo valoriza o
próprio formato do artigo, uma simplificação dos desafio de discernir o potencial criativo dos
contextos e dos processos que levaram à criação indivíduos e grupos, em lidar com a superfí-
da geografia humanista como campo independen- cie da Terra de maneiras responsáveis e co-

ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008 145


responsáveis. A criatividade humana tam- BIBLIOGRAFIA ______________________________
BUTTIMER, Anne. Social space in interdisciplinary perspecti-
bém não é confinada pela esfera intelectual: ve. Geographical Review. 59 (4) : 417-426,1969.
ela envolve emoção, estética, memória, fé e ________________. Values in Geography. Washington,
AAG, 1974, 28 p.
determinação. Como a fênix, então, a pers- ________________. Grasping the dynamism of lifeworld.
Annals of the Association of American Geographers. 66 (2) :
pectiva humanista na geografia deveria re- 266-276, 1976.
cusar-se a ser delimitada, nomeada ou apro- ________________. On people, paradigms and “progress” in
geography. In: Sttodart, D. R. (ed.). Geography, Ideology
priada por estruturas faustianas. Ela pode and Social Concern. Totowa, Barne & Noble Books, 1981, p.
81-98
inspirar os praticantes da geografia física, --_________________. Geography, humanism and global
econômica, cultural ou social, e deveria, concern. Annals of the Association of American Geogra-
phers. 80 (1) : 1-33, 1990.
talvez, deixar de investir muita energia na BUTTIMER, Anne; SEAMON, David (eds.). The Human
Experience of Space and Place. New York, St. Martin’s Press.
afirmação de seu direito de ser um ramo espe- 1980. 1999 p.

cial do campo de conhecimento (Buttimer, CLAVAL, Paul. Methodology and geography. Progress in
Human Geography. 5 (1) : 97-103, 1981.
1990, 28). _____________. Methodology and geography. Progress in
Human Geography. 6 (3) : 449-454, 1982.
COSGROVE, Denis E. Place, landscape, and the dialectics of
Outro aspecto que deve ser apontado é que cultural geography. Canadian Geographer. 22 (1) : 66-72,
1978.
nunca houve um afastamento efetivo da geogra- __________________. Towards a critical cultural geography:
problems of theory. Antipode. 15 910 : 1-11, 1983.
fia cultural, mas uma procura em se distinguir
DARDEL, Eric. L’Homme et la Terre – Nature de la Réalité
dos que se utolizavam do positivismo como Géographique. Paris, Ed. CTHS, 1990. 199 p.
ENTRIKIN, J. Nicholas. Contemporany humanism in
método. Assim, no final dos anos 80, como nos geography. Annals of the Association of American Geogra-
mostra Tuan (1989), o contexto da geografia já phers. 66 (4) : 615-632, 1976.
GREGORY, Derek. Human agency and human geography.
havia sido tomado por muitos dos temas do hu- Transactions of the Institute of British Geographers n. s. . 6
(1) : 1-18, 1981.
manismo, que agora podia ser identificado como
GUELKE, Leonard. An idealist alternative in human geogra-
uma “cultural-humanist geography” (geografia phy. Annals of the Association of American Geographers. 64
(2) : 193-202, 1974.
cultural humanista), que se interroga como é ________________. The philosophy of idealism. Annals of
the Association of American Geographers. 66 (1) : 168-169,
este mundo e como pode ser descrito e que, 1979.
mais uma vez, aponta um elenco de temas que HOLZER, Werther. A Geografia Humanista – sua Trajetória
de 1950 a 1990. Rio de Janeiro, UFRJ/PPGG, 1992.
podem ser seguidos. (dissertação mestrado). 550 p. 2 v.
JACKSON, Peter. Social geography: convergence and
Acredito que dentro desta empreitada, em um compromisse. Progress in Human Geography. 7 (11) : 116-
121, 1983.
momento em que as questões da geografia estão
JOHNSTON, R. J. Geografia e Geógrafos: a Geografia
no plano da ontologia, todos os temas levantados Humana Anglo-americana desde 1945. São Paulo, DIFEL,
1986. 360p.
pela geografia estão em aberto para a pesquisa, mas LEY, David. Cultural/ Humanistic geography. Progress in
Human Geography. 5 (2) : 249-257, 1981.
dentro deles o que mais desafia a renovação do
___________. Cultural/ Humanistic geography. Progress in
campo da geografia cultural, e de toda a ciência Human Geography. 7 (2) : 267-275, 1983.

geografia, é o da aplicação rigorosa, consciente e LEY, David; SAMUELS, Marwyn S. Humanistic Geography:
Prospects and Problems. Chicago, Maaroufa Press, 1978.
corajosa do método fenomenológico. LOWENTHAL, David. Geography, experience and imaginati-
on: towards a geographical epistemology. Annals of the
Association of American Geographers. 51 (3) : 241-260, 1961.

146 ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008


___________________. (ed.). Environmental Perception Dimensions of Human Geography: Essays on Some Familiar
and Behavior. Chicago, The University of Chicago Press, and Neglected Themes. Chicago, Univ. of Chicago Press,
1967 a. 88p. 1978, p. 69-83.
___________________. Introduction: environmental SAUER, Carl. The Morphology of landscape. In: Leighly, J.
perception and behavior. In: Lowenthal, D. (ed.). Environ- (ed.). Land and Life – a Selection from the Writtings of Carl
mental Perception and Behavior. Chicago, Univ. of Chicago Ortwin Sauer. Berkeley, Univ. of California Press, 1983, p.
Press, 1967 b, p. 1-3. 315-350.
___________________. The bicentennial landscape: a mirror SAYER, Andrew. Epistemology and conceptions of people and
held up the past. Geographical Review. 67 (3) : 253-267, nature in geography. Geoforum. 10 (1) : 19-43, 1979.
1977.
STTODART, David R. (ed.). Geography, Ideology and Social
___________________. Finding valued landscapes. Progress Concern. Totowa, Barne and Noble Books, 1981. 250 p.
in Human Geography. 2 (3) : 373-418, 1978.
THRIFT, Nigel. Literature, the production of culture and
MEINIG, Donald W. Environmental appreciation: localities as politics of place. Antipode. 15 (1) : 12-24, 1983.
a humane art. Western Humanities Review. 25 (1) : 1-11,
1971. TUAN, Yi-Fu. Thopophilia or, sudden encounter with
landscape. Landscape. 11 (1) : 29-32, 1961.
MERCER, D. C.; POWELL, J. M. Phenomenology and
Related Nonpositivistic View Points in the Social Sciences. ____________. Attitudes toward envorinment: themes and
Claiton, Monash Publications in Geography, 1972, 62 p. approaches. In: Lowenthal, D. (ed.). Environmental Percepti-
on and Behavior. Chicago, Univ. of Chicago Press, 1967, p.
PARSONS, James J. Toward a more humane geography. 4-17.
Economic Geography. 45 (3) : guest editorial, 1969.
____________. Geography, phenomenology and the study of
PICKLES, John. Phenomenology, Science and Geography: human nature. Canadian Geographer. 15 (2) : 181-192,
Spatiality and the Human Sciences. Cambridge, Cambridge 1971.
Univ. Press, 1985. 202 p.
____________. Place an experimential perspective. Geogra-
POCOCK, D.C.D. Humanistic Geography and Literature: phical Review. 65 (2) : 151-165, 1975.
Essays on the Experience of Place. London, Croom Helm,
1981. _____________. Humanistic geography. Annals of the
Association of American Geographers. 66 (2) : 266-276,
REES, Ronald. Landscape in art. In: Butzer, K. W. (ed.). 1976
Dimensions of Human Geography: Essays on Some Familiar
and Neglected Themes. Chicago, Univ. of Chicago Press, _____________. Space and place: humanistic perspective.
1978, p. 48-68. Progress in Geography. (6) : 211-252, 1974.

____________. Historical links between cartography and art. _____________. Topofilia: um Estudo da Percepção,
Geographical Review. 70 (1) : 61-78, 1980. Atitudes e Valores do Meio Ambiente. São Paulo, DIFEL,
1980. 288 p.
RELPH, Edward. An inquiry into the relations between
phenomenology and geography. Canadian Geographer. 14 _____________. Espaço e Lugar: a Perspectiva da Experiên-
(3) : 193-201., 1970. cia. São Paulo, DIFEL, 1983. 250 p.

______________. Place and Placeness. London, Pion, 1976. 156 p. _____________. Dominance and Affection: the Making of
Pets. New Haven, Yale University Press, 1984. 193 p.
______________. Rational Landscapes and Humanistic
Geography. London, Croom Helm, 1981. 231 p. _____________. The city as moral universe. Geographical
Review. 78 (3) : 316-324, 1988.
ROWNTREE, Lester. Cultural/Humanistic geography.
Progress in Human Geography. 10 (4) : 580-586, 1986. _____________. Surface phenomena and aesthetic experien-
ce. Annals of the Association of American Geographers. 79
_________________. Cultural/Humanistic geography. (2) : 233-241, 1989.
Progress in Human Geography. 11 (4) : 558-564, 1987.
_____________. Passing Strange and Wonderful: Aesthetics,
_________________. Ortodoxy and new directions. Nature and Culture. Washington, Island Press, 1993.
Progress in Human Geography. 12 (4) : 575-586, 1988.
WRIGHT, John K. Terrae incognitae: the place of the
SALTER, Christopher L. Signatures and settings: one imagination in geography. Annals of the Association of
approach to landscape literature. In: Butzer, K. W. (ed.). American Geographers. 37 (1) : 1-15, 1947.

ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, EDIÇÃO COMEMORATIVA, P. 137-147, 1993-2008 147