Você está na página 1de 22

ISSN: 2316-3933

Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

http://dx.doi.org/10.30681/23163933v24i014162

MÃOS AVENTUREIRAS: LITERATURA EM LÍNGUA DE SINAIS


***
MÃOS AVENTUREIRAS: LITERATURE IN SIGN LANGUAGE

Carolina Hessel Silveira1


Luciane Bresciani Lopes2

Recebimento do texto: 07/04/2018


Data de aceite: 18/05/2018

RESUMO: O presente artigo tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas


na ação de extensão Mãos Aventureiras, cadastrada na Pró-Reitoria de Extensão da
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mãos Aventureiras é um projeto criado para
a produção de traduções de obras literárias na língua de sinais que são disponibilizados no
canal Mãos Aventureiras no YouTube. O objetivo geral deste trabalho é ampliar o
conhecimento sobre a Literatura por meio da língua de sinais. A metodologia de trabalho
é de tradução cultural de obras da literatura infantil. As políticas de inclusão escolar criam
a necessidade de ampliação de materiais visuais e bilíngues para alunos surdos e as mídias
auxiliam para o conhecimento da Literatura. Como resultados parciais, destaca-se o amplo
acesso à literatura, ampliação de vocabulário em língua de sinais e aproximação da cultura
da comunidade surda.
PALAVRAS-CHAVE: Libras; Literatura em Língua de Sinais Surda; Literatura Infantil.

ABSTRACT: This article's objective is to present the activities developed in the Mãos
Aventureiras extension action, registered in the Pro-Rectory of Extension of the Federal
University of Rio Grande do Sul. Mãos Aventureiras is a project created for the production
of translations of literary works in sign language that are made available on the Mãos
Aventureiras YouTube Channel. The general objective of this work is to increase
knowledge about Literature through sign language. The methodology used is based on the
cultural translation of works of children's literature. The policies of school inclusion create
the need for the amplification of visual and bilingual materials for deaf students and the
media help in the knowledge of Literature. Partial results include the broad access to
literature, the expansion of vocabulary in sign language and the approximation of the
culture of the deaf community.
KEYWORDS: Libras; Sign Language Deaf Literature; Children's Literature.

1
Docente de Língua Brasileira de Sinais (Libras) da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio
Grande do Sul. Doutora em Educação (UFRGS) e Mestre em Educação (UFSC).
2 Docente de Língua Brasileira de Sinais (Libras) da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio

Grande do Sul. Mestre em Educação (UFRGS).

41

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

1 introdução

Contar histórias é uma tradição em muitas culturas. Segundo Ramos


(2011, p. 32) a “[...] arte de narrar histórias encontra suas raízes nos povos
ancestrais que contavam e encenavam histórias para difundirem seus rituais,
os mitos, os conhecimentos acerca do mundo sobrenatural ou não, e sobre
as experiências adquiridas pelo grupo ao longo do tempo.”. Em períodos
em que a língua escrita não estava ao alcance de todos, contar histórias era
uma forma de manter viva a cultura dos povos. O mesmo ocorre na
comunidade surda, na qual as histórias do povo surdos passa de mão em
mão através dos tempos.
Com o advento das novas tecnologias os contadores não estão somente
em suas comunidades, circulam em meios virtuais e não somente contam
sobre suas culturas, mas acessam diferentes obras literárias para levar ao
encontro dos diferentes grupos. Ramos (2011), em sua dissertação
“Contação de histórias: um caminho para a formação de leitores?”, afirma
que:
Em meados do séc. XX, os contadores de histórias, após
terem quase submergido em consequência do
surgimento das novas mídias, ressurgem, como
fenômeno urbano, dando origem, ao que hoje se conhece
como novos contadores, ou contadores urbanos. Com o
surgimento dos contadores urbanos, a arte de contar
histórias passou a ser reconhecida também no campo
pedagógico. Esses novos contadores já não realizam
apenas a transmissão oral do que vivenciaram, mas, isso
sim, a transmissão oral de histórias de outros autores e
impressas. Suas performances, hoje, deixam de ser
narrativas de experiências por eles vivenciadas; e dos
contadores de histórias hoje é exigido o domínio de

42

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

outras técnicas para que possam (re)contar as histórias


narradas por outros, algumas impressas, outras
disponíveis em espaços da Web. (RAMOS, 2011, p. 34)

Neste sentido, ao observar a atuação de diferentes contadores


ouvintes atuando em canais de redes sociais como YouTube, bem como em
feiras de livros e espaços culturais, surge o projeto Mãos Aventureiras, com
o objetivo de contar histórias em língua de sinais, proporcionando o
encontro de leitores com obras literárias em Libras. Neste processo de
produção de materiais literários em língua de sinais, leva-se em conta o fato
de que parte das crianças surdas nascem em lares de pais ouvintes, o projeto
objetiva colaborar na produção e expressão da língua de sinais por esses
sujeitos. Sobre esse dado, a autor Kyle (1999, p. 59),

[...] a língua de sinais é natural para o surdo, pois é


adquirida de forma rápida e espontânea, por isso a
criança surda precisa ter acesso à língua de sinais o mais
cedo possível, antes mesmo do seu ingresso na escola.
Daí a necessidade de a criança surda, filha de pais
ouvintes, bem como de sua família ter contato com
adultos surdos, usuários de língua de sinais.

O projeto literário é uma possibilidade de acesso dos sujeitos surdos


à produção infantil assim como as crianças ouvintes da mesma idade.
Acreditamos que possa servir como recurso de acessibilidade na
constituição dos alunos surdos, pois os professores poderão utilizar as
mesmas obras traduzidas em suas aulas com todos os alunos. O espaço ideal
para aquisição da língua de sinais e alfabetização dos surdos é dentro das
escolas bilíngues para surdos, mas não podemos negar os efeitos das

43

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

políticas de inclusão, então temos como objetivo que esse material possa
colaborar com a constituição das crianças surdas.
Nossa concepção de educação de surdos está inscrita na perspectiva
da educação bilíngue para surdos. Assim como outros grupos culturais, os
surdos, para obterem o direito de ser escolarizados em sua língua, passaram
por processos de lutas políticas e diversos movimentos sociais. Desde de
movimentos surdos organizados pela oficialização da Libras até os mais
recentes que trataram de defender a educação bilíngue para os alunos
surdos, a língua de sinais tem sido pauta nas discussões da comunidade
surda.
A compreensão conceitual da educação bilíngue para os surdos está
estabelecida nas políticas educacionais brasileiras, tal como a Política
Nacional de Educação 2014-2024, onde afirma textualmente, na Meta 4.7,
a garantia e “oferta de educação bilíngue, em Língua Brasileira de Sinais
(Libras) como primeira língua e na modalidade escrita da língua portuguesa
como segunda língua, aos(às) alunos(as) surdos e com deficiência auditiva”
(BRASIL, 2014). Contudo,

Apesar dessas conquistas, a Educação de Surdos no


Brasil corre o risco de manter as práticas excludentes do
passado. Embora ela não seja mais orientada pelas
práticas de oralização, continuamos presenciando a
imposição da língua e da cultura ouvinte através da
Política de Inclusão, que, em seus textos, contempla a
garantia de acesso à língua de sinais pelas crianças
surdas, a presença dos professores surdos na educação
de alunos surdos, a presença de tradutores-intérpretes em
turmas de inclusão ou a fluência na língua de sinais dos

44

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

professores ouvintes que trabalham com alunos surdos.


(THOMA; KLEIN, 2010, p. 120)

Neste sentido, a literatura surda e a literatura em língua de sinais


para os alunos surdos também corre o risco de ser deixada em segundo
plano. Possivelmente a mesma complexidade que envolve a pergunta “o que
é literatura” está também na pergunta “o que é literatura surda”. Inspiradas
em Lajolo (2001) apresentaremos algumas “respostas provisórias”. Para
isso, destacamos duas autoras, Karnopp (2010) e Strobel (2009), que vêm
desenvolvendo estudos e pesquisas relacionadas a essa temática. Karnopp
afirma que:
A expressão “Literatura Surda” é utilizada no presente
texto para histórias que têm a língua de sinais, a
identidade e a cultura surda presentes na narrativa.
Literatura Surda é a produção de textos literários em
sinais, que traduz a experiência visual, que entende a
surdez como presença de algo e não como falta, que
possibilita outras representações de surdos e que
considera as pessoas surdas como um grupo linguístico
e cultural diferente (KARNOPP, 2010, p. 161).

O destaque dessa autora está na centralidade da cultura surda e da


língua de sinais em textos literários, que traduzem a experiência visual e
que trazem representações de surdos vinculadas a um grupo linguístico e
cultural diferente. Para Strobel, a Literatura Surda traduz as lembranças das
experiências do povo surdo, conforme lemos a seguir:

Ela traduz a memória das vivências surdas através das


várias gerações dos povos surdos. A literatura se
multiplica em diferentes gêneros: poesia, história de
surdos, piadas, literatura infantil, clássicos, fábulas,
45

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

contos, romances, lendas e outras manifestações


culturais (STROBEL, 2009, p. 61).

Considerando tais conceitos utilizados, com ênfase nos materiais em


línguas de sinais, propomos algumas aproximações entre a Literatura Surda
e um autor muito conhecido no campo do folclore brasileiro, Câmara
Cascudo, que escreveu vários livros sobre histórias e tradições populares. O
livro “Literatura Oral no Brasil” (CASCUDO [1952], 2006) mostra vários
dados da literatura que circula oralmente no Brasil, de histórias recolhidas
que eram contadas de boca a boca. Ele compara diferentes versões de uma
mesma história. Neste sentido, percebemos aproximações entre a literatura
popular oral e a Literatura Surda.
Podemos perceber semelhanças entre a Literatura Surda e a
literatura oral, popular, estudada por Câmara Cascudo, com uma diferença:
a primeira é apresentada principalmente em língua de sinais, mas também
pode se manifestar na escrita, envolvendo processos de tradução e/ou a
preferência pelo uso do português no processo de registro literário, no caso
do Brasil. O registro da literatura surda produzida em língua de sinais tem
sido feito através de filmagens.
Para entender melhor a proximidade entre a literatura popular e a
literatura surda, destacamos uma diferença entre Literatura Surda SEM
autoria definida, que podemos chamar de popular, como piadas que eram
transmitidas em grupos e associações (algumas, mas não todas, foram
filmadas mais recentemente) e a Literatura Surda COM autoria registrada,
como são os livros impressos, vídeos com interpretação de surdos. Cascudo
(2006) fala de Literatura Oral e diz que esse conceito tem origem francesa,

46

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

do final do século XIX, e conforme Sébillot, autor em quem se inspirou, a


literatura oral compreende aquilo que, para o povo que não lê, toma o lugar
das produções literárias. Assim, para esse autor, a literatura oral tem como
característica a “persistência pela oralidade” e os elementos característicos
do Folclore, em que se encaixa a Literatura Oral, são: a) antiguidade; b)
persistência; c) anonimato; d) oralidade (p.22).
Adaptando essas características da literatura sem autoria definida
para a Literatura Surda, encontramos as três primeiras características e a 4ª
característica - “oralidade” - propomos a substituição por “sinalidade3”.
Rutherford (1983, p. 310), pesquisadora na área de literatura surda
americana, se propõe a analisar uma piada surda e entende as piadas também
dentro do folclore: “Meu estudo desse texto foi baseado na crença de que,
por meio de análise do folclore de uma comunidade, é possível encontrar
um reflexo de sua cultura [...].”.
Por outro lado, existe Literatura Surda COM autoria registrada,
como são os livros impressos, vídeos com interpretação de surdos. Por
exemplo, “TIBI E JOCA – uma história de dois mundos”, de Tibiriçá
Maineri e Claudia Bisol (2001) é um livro de literatura infantil surda que
tematiza experiências surdas, com muitas imagens, alguma escrita e alguns
desenhos apresentando sinais. Outro exemplo que devemos analisar
encontramos no DVD “Fábulas em Esopo”, do ator Nelson Pimenta (LSB

3
Mourão (2011, p. 19) propõe o uso do neologismo Sinalidade para a “produção linguística
em sinais de surdos, assim como o termo oralidade é tradicionalmente utilizado para o
ouvinte”.

47

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

VÍDEO, 2004), que pode ser considerado como uma tradução cultural de
fábulas clássicas para a LIBRAS.
Na seção seguinte, apresentamos uma breve discussão sobre a
diferença entre a Literatura Surda e a Literatura em língua de sinais, a partir
dos estudos de Mourão (2016), no sentido de situar as produções do projeto
Mãos Aventureiras.

1.1 Diferença entre Literatura Surda e Literatura em Língua de Sinais

A Literatura Surda, conforme já discutido, se ocupa da produção de


materiais que apresentam a Cultura Surda. Histórias como a Cinderela
Surda (HESSEL; ROSA; KARNOPP, 2003), Rapunzel Surda (SILVEIRA;
ROSA; KARNOPP, 2003) e Patinho Surdo (ROSA; KARNOPP, 2005),
entre outras, contam sobre a vida de personagens surdos e a comunicação
da em lìngua de sinais. São produções sobre surdos, como nos exemplos
citados, que podem se tratar de uma adaptação de clássicos infantis, tais
como: Cinderela, Rapunzel e Patinho Feio. Na obra Cinderela Surda a
personagem principal é surda, utiliza a língua de sinais para se comunicar e
encontra um príncipe surdos por quem se apaixona.
Diferente desta forma de produção literária, o projeto Mãos
Aventureiras se inscreve como literatura em língua de sinais produzida a
partir da tradução cultural de livros infantis impressos – sobre os aspectos
da tradução cultural retomaremos mais adiante. Segundo Mourão (2016, p.
134), a literatura em língua de sinais “[...] está vinculada à Literatura Surda
e tem foco nessa língua e nas formas de tradução, adaptação ou criação.”.

48

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

A produção deste tipo de literatura pode ser realizada “[...]por sujeitos


surdos ou ouvintes que fazem parte da comunidade surda, como
profissionais na área, que também podem ter mãos literárias.”
Ainda, segundo Mourão (2016), o foco da literatura em língua de
sinais é a língua e a forma como o sujeito surdo se relaciona com as
produções, conforme esquema organizado pelo autor:
Imagem 1 - Sujeitos surdos, Literatura Surda e Literatura em Língua
de Sinais

Fonte: MOURÃO, 2016, p. 193.

A literatura em língua de sinais é parte da Literatura Surda,


conforme sugere o autor, existe um vínculo entre as produções em razão da
língua de sinais e dos sujeitos que produzem. Mourão (2016, p. 227) afirma
que a literatura em língua de sinais é um “artefato cultural linguístico”. Na
próxima seção, apresentamos a organização do projeto e as produções
literárias disponibilizadas nas redes sociais para consumo da Comunidade
Surda.

49

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

2 DESENVOLVIMENTO DO PROJETO: MÃOS AVENTUREIRAS


NO AR

Afinal, o que é Mãos Aventureiras? É um projeto de extensão


vinculado a Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, criado com o objetivo de contar histórias em língua de
sinais, colaborando na produção e expressão da língua de sinais.
Segundo Xavier Neta (2016, p. 58) a “literatura é fundamental, pois,
através do contato com contadores de histórias surdos e fluentes em
língua de sinais, a criança desenvolve não apenas suas competências
linguísticas, mas têm acesso à cultura e à comunidade surda.”.
As produções são disponibilizadas no Canal Mãos Aventureiras
no YouTube e as informações sobre o projeto, bem como o contato com
usuários e interessados, é feito através do site Mãos Aventureiras
vinculado à Universidade Federal do Rio Grande do Sul, conforme as
imagens:

Imagem 2 – Canal Mãos Aventureiras

Fonte: https://www.youtube.com/channel/UCkmrx_wNCYEGpWnV54LMSlA

50

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

Imagem 3 – Site Mãos Aventureiras

Fonte: https://www.ufrgs.br/maosaventureiras/

Os vídeos podem colaborar para o desenvolvimento das crianças e


jovens surdos. Proporcionando o desenvolvimento do domínio de Libras e
de seu uso em contextos artísticos. Podem motivar as crianças para
quererem conhecer mais livros sobre a mesma temática, dos mesmos
autores ou mesmo filmes, peças de teatro, contribuindo, ainda, no
envolvimento dos pais e familiares na importante função de aproximar
crianças e jovens do mundo literário.
Sobre as escolhas das obras contadas, citamos Xavier Neta (2016 p.
59), quando afirma que,

As escolhas das obras revelam a forma de o contador


olhar o mundo. A escolha de um título não é uma tarefa
fácil e requer o estabelecimento de critérios,
metodologias e objetivos. É, portanto, um trabalho de
pesquisa de leitura e de busca pela história que melhor
se comunique com o contador. Portanto, a escolha das
51

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

obras utilizadas na contação de histórias pode revelar os


conhecimentos que são considerados válidos, as
perspectivas de mundo que são valorizadas e o tipo de
comportamento valorizado.

Na escolha das obras que serão traduzidas, são estabelecidos


critérios, quanto a variedade de temas, autores, histórias, e qualidade
dos livros escolhidos. É necessário apresentar os clássicos, entretanto,
também é importante estar sempre atenta aos lançamentos. A partir
destes critérios, foram traduzidas, até o presente momento, as seguintes
obras:

Quadro 1 - Produções do projeto Mãos Aventureiras

Data da
No. Nome do livro Autores Editora/Ano
postagem
1 O Lobinho Bom 23 out. 2017 Nadia Shireen Brinque-Book (2013)
2 Gildo 25 out. 2017 Silvana Rando Brinque-Book (2010)
Carona na
3 29 out. 2017 Julia Donaldson Brinque-Book (2013)
vassoura
Jean-Claude
4 Adélia 06 nov. 2017 Pulo do Gato (2016)
Alphen
O presente do Lalau & Editora Globinho
5 13 nov. 2017
Saci Laurabeatriz (2013)

O sanduíche da Avelino Guedes Editora Moderna


6 20 nov. .2017
Maricota (2017)

52

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

7 Clara 27 nov. 2017 Ilan Brenman Brinque-Book (2007)


Bruxa, bruxa,
8 venha à minha 04 dez. 2017 Arden Druce Brinque-Book (1995)
festa
O natal da
9 11 dez. 2017 Lieve Baeten Brinque-Book (2010)
bruxinha
Ernest e Celestine
10 18 dez. 2017 Gabrielle Vincent Moderna (2009)
perderam Simão
As centopeias e
11 05 jan. 2018 Milton Camargo Ática (S/A)
seus sapatinhos
Luciana em casa Fernanda Lopes
12 23 jan. 2018 Editora Ática (1985)
da vovó de Almeida
A casa
13 03 fev. 2018 Kazuno Kohara Cosac Naify (2010)
assombrada
14 Selvagem 20 fev. 2018 Emily Hughes Pequena Zahar (2015)
Olivia não Quer
15 07 mar. 2018 Ian Falconer Editora Globo (2014)
ser Princesa
O coelhinho que
16 21 mar. 2018 Ruth Rocha Salamandra (2009)
não era de Páscoa
Sete
Editora WMF Martins
17 camundongos 28 mar. 2018 Ed Young
Fontes (2011)
cegos
18 O urso rabugento 04 abr. 2018 Nick Bland Brinque-Book (2014)

O menino e o
19 18 abr. 2018 Maté Brinque-Book (2003)
jacaré

53

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

Essas Histórias Editora


20 Não Deveriam 25 abr. 2018 Gang Gyeongsu Melhoramentos

Ser Verdadeiras (2011)

O Guarda-chuva Editora Edições SM


21 02 mai. 2018 Yun Dong-jae
Verde (2011)

Editorial Caminho
22 A minha mãe 10 mai. 2018 Anthony Browne
(2008)

Fonte: As autoras.

O processo de edição dos vídeos é realizado a partir do programa de


edição de vídeos, utilizando imagens dos livros escolhidos. Ao contar as
histórias em língua de sinais a questão central é o uso da língua em um
contexto de dramatização e de apropriação de elementos culturais. Não se
trata simplesmente do uso dos sinais, mas das expressões faciais e corporais
que aproximam os leitores surdos da obra. Conforme seguem as imagens a
seguir:
Imagem 4 – Aproximação dos personagens

Fonte: Lobinho Bom (2013) e Canal Mãos Aventureiras

54

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

Imagem 5 – Lobo Mau segura e observa o Lobinho Bom

Fonte: Lobinho Bom (2013) e Canal Mãos Aventureiras

Trata-se, neste sentido, de uma tradução cultural da língua


portuguesa para língua de sinais, na qual a expressividade assume o
primeiro plano, ou seja, as traduções não são literais. Segundo Masutti e
Paterno (2011), afirmam que no processo de tradução cultural objetiva-se a
construção de referências e não apenas a língua, visto a necessidade
produção de conhecimentos de comunidades que sofreram processos
discriminatórios. Segundo Ramos (2004),

A questão da tradução (ou da interpretação, quando em


situação de fala) para os surdos não tem apenas a
particularidade que destacamos em sua denominação -
cultural, mas é, em sua fundamentação, também
filosófica, até mesmo existencial. A tradução de textos
literários para a LIBRAS pode ajudar a satisfazer a
necessidade de sua própria compreensão enquanto
sujeito bicultural. Por serem minoria lingüística e
bicultural, os surdos trazem em sua constituição como
seres humanos a possibilidade da compreensão de dois
mundos diversos. Compreender filosoficamente e poder
comunicar-se com estes dois mundos faz parte de sua
constituição como pessoa e como cidadão.

55

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

Abaixo as imagens da tradução realizada para o livro As centopéias


e os seus sapatinhos, onde inicialmente é apresentado o sinal de sapato
(Imagem 6), utilizado na língua brasileira de sinais e, na sequência a
sinalização dos muitos sapatos sendo colocados nos pés da centopéia
(Imagem 7):

Imagem 6 – Sinal de Sapato Imagem 7 – Colocar os sapatos na centopéia

Fonte: Canal Mãos Aventureiras

Ao sinalizar os sapatos da centopeia é utilizado a descrição


imagética, que permite o “surgimento de signos mais elaborados, a partir
das representações das informações registradas e visuais e da construção
mental da imagem.” (CAMPELLO, 2008, p. 21). Outros elementos
importantes nas sinalizações são as expressões faciais e corporais que
modificam o sentido das sentenças sinalizadas. As imagens a seguir
apresentam dois personagens das histórias olhando para algo, mas
expressões faciais diferentes que alteram o sentido do “olhar”.

56

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

Imagem 8 – Olhar “contemplar” Imagem 9 – Olhar “reprovação”


Livro: As centopéias e os seus sapatinhos Livro: Selvagem

Fonte: Canal Mãos Aventureiras

Na Imagem 8, as centopéias estão olhando a vitrine de sapatos. As


personagens demonstram encantamento pelos sapatos. Enquanto que na
Imagem 9, a sinalização representa os humanos olhando para a menina
estranha no meio da floresta. O olhar em destaque na Imagem 8 se refere a
“reprovação” dos humanos frente a menina selvagem. Conforme Mourão
(2016, p. 202), a literatura em língua de sinais compreende as questões
linguísticas da língua, neste sentido o autor destaca a importância da
“[...]incorporação da forma dos animais, humanos e objetos. Esses, entre
outros aspectos, são característicos da modalidade de língua visuo-
gestual.”.
O uso dos descritores imagéticos, também identificados como
classificadores, estão presentes em grande parte das produções do projeto
Mãos Aventureiras. E a utilização deste elemento linguístico é apresentado

57

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

na utilização de um sinal semelhante, mas com significado diferentes,


conforme apresentamos nas imagens a seguir:

Imagem 10 – “Selvagem” Imagem 11 – “Assombrada”


Livro: Selvagem Livro: A casa Assombrada

Fonte: Canal Mãos Aventureiras

Conforme dito anteriormente, os sinais são semelhantes, mas a


expressão facial modifica o significado dentro de um contexto e com relação
ao tema específico. Na Imagem 10, apresentamos a noção de selvagem
como fosse bicho na floresta, enquanto que na Imagem 11 trata-se da ideia
de assombrada. Elementos da visualidade da língua de sinais que jovens e
crianças necessitam do contato com essa expressividade para a constituição
da mesma. Lacerda (2012) chama atenção para a necessidade de
compreender as ideias para além das palavras, ou seja, no processo
tradutório é fundamental que se mantenha o “[...] foco na manutenção dos
sentidos originais [...] buscando correlação de sentidos entre as línguas.”.
(LACERDA, 2012, p. 260). Neste sentido, busca-se as referências na

58

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

cultura surda a partir da língua de sinais, mas se mantém o sentido dos textos
da língua fonte.

Considerações Finais

Como resultados parciais destacamos a produção das traduções


culturais de obras literárias que se configuram como uma produção de
literatura em língua de sinais. A produção foi organizada para o público
infantil surdo, mas a partir das postagens nas redes sociais começaram a
surgir inúmeros feedbacks de pessoas ouvintes que estão aprendendo a
língua de sinais. Tem sido um trabalho de grande alcance e para o futuro a
ideia é continuar alimentando o canal com as produções para o público
infantil no sentido de valorização da língua de sinais.
Destacamos que os livros infantis publicados pelas editoras
brasileiras e estrangeiras, atualmente, contam com poucos livros acessíveis
em língua de sinais. Este projeto, objetiva a aproximação das crianças
surdas com a literatura, estimando a imaginação literária, moral,
compreensão, entre outros aspectos relacionados a produção e consumo da
literatura.
Existem materiais de tradução de clássicos da literatura mundial, a
exemplo dos livros Chapeuzinho Vermelho e Três Porquinhos, realizados
por instituições com o Instituto Nacional de Educação de Surdos.
Entretanto, esse trabalho procura traduzir obras que ainda não estão
disponíveis em língua de sinais em nosso país, ampliando o acesso dos

59

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

surdos e usuários da língua de sinais às obras literárias e a visibilidade da


língua e cultura das comunidades surdas.

Referências

CAMARGO, Milton. As centopeias e seus sapatinhos. Porto Alegre: Ática,


s/a.
CAMPELLO, Ana Regina de Souza. Aspectos da visualidade na educação
de surdos. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina.
Florianópolis: 2008.
CASCUDO, Luís da Câmara. Literatura Oral no Brasil. São Paulo: Global,
2006.
HESSEL, Carolina; ROSA, Fabiano; KARNOPP, Lodenir Becker.
Cinderela Surda. Canoas: ULBRA, 2003.
HUGHES, Emily. Selvagem. Rio de Janeiro: Pequena Zahar, 2005.
KARNOPP, Lodenir Becker. Produções culturais de surdos: análise da
Literatura Surda. Cadernos de Educação (UFPel), v. Ano 19, p. 155-174,
2010.
KOHARA, Kazuno. A casa assombrada. São Paulo: Cosac Naify, 2010.
KYLE, J. O ambiente bilíngüe: alguns comentários sobre o
desenvolvimento do bilingüismo para surdos. In: SKLIAR, C. (Org.).
Atualidades da educação bilíngüe para surdos. Porto Alegre: Mediação,
1999.
LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. O Intérprete de Lìngua Brasileira
de Sinais (ILS). In: LODI, Ana Claudia Balieiro; MÉLO, Ana Dorziat

60

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

Barbosa de; FERNANDES, Eulalia. Letramento, bilinguismo e educação


de Surdos. Porto Alegre: Mediação, 2012.
LAJOLO, Marisa. Literatura: leitores e leitura. São Paulo: Moderna, 2001.
MASUTTI, Mara Lúcia; PATERNO, Uéslei. Tradução e Interpretação de
Libras. Universidade Federal de Santa Catarina Licenciatura e Bacharelado
em Letras--Libras EaD. Florianópolis, 2011.
MOURÃO, Cláudio Henrique Nunes. Literatura surda: produções culturais
de surdos em língua de sinais. Dissertação (Mestrado). Universidade
Federal de Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011.
MOURÃO, Cláudio Henrique Nunes. Literatura surda: experiência das
mãos literárias Tese (Doutorado). Universidade Federal de Rio Grande do
Sul. Porto Alegre, 2016.
RAMOS, Ana Claudia. Contação de histórias: um caminho para a
formação de leitores? Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de
Londrina. 2011.
RAMOS, Célia Regina. Tradução Cultural: Uma Proposta de Trabalho para
Surdos e Ouvintes. E-BOOKS, 2004.
ROSA, Fabiano; KARNOPP, Lodenir Becker. Patinho Surdo. Ilustrações
de Maristela Alano. Canoas: ULBRA, 2005.
RUTHERFORD, Susan D. The Journal of American Folklore, vol. 96, nº
381. Jul/set, 1983, pp. 310 – 322.
SHIREEN, Nadia. O Lobinho Bom. São Paulo: Brinque-Book, 2013.
SILVEIRA, Carolina Hessel; ROSA, Fabiano; KARNOPP, Lodenir
Becker. Rapunzel Surda. Canoas: ULBRA, 2003.

61

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)


ISSN: 2316-3933
Online
REVISTA ECOS
Programa de Pós-graduação em Estudos Literários/ UNEMAT
Programa de Pós-graduação em Linguística/ UNEMAT
Centro de Estudos e Pesquisas em Literatura
Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem

STROBEL, Karin Lílian. As imagens do Outro sobre a cultura surda - 2ª


edição revisada. 2. ed. Florianópolis: Editora UFSC, 2009.
THOMA, Adriana da Silva; KLEIN, Madalena. Experiências educacionais,
movimentos e lutas surdas como condições de possibilidade para uma
educação de surdos no Brasil. Cadernos de Educação | FaE/PPGE/UFPel |
Pelotas [36]: 107 - 131, maio/agosto 2010.
XAVIER NETA, Celina Nair. “Senta, que lá vem história!”
Representações de docentes sobre a Hora do Conto em Língua Brasileira de
Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2016.

Este texto é de total responsabilidade de seus autores.

62

Revista Ecos vol.24, Ano 15, n° 01 (2018)