Você está na página 1de 36

LUMINOTÉCNICA

Conceitos Básicos
Introdução:
 Comparando a época que a luz artificial começou a ser utilizada com os
dias atuais, constata-se que foi grande o passo dado pela indústria da
iluminação no século;

 Desde a lâmpada criada por Thomas Edison até os produtos


disponíveis hoje, houve um avanço espantoso;

 A luz é uma modalidade da energia radiante verificada pela sensação


visual de claridade.
Conceitos Básicos
Luz:
 Radiação eletromagnética capaz de produzir uma sensação visual;

 É a parte visível do espectro eletromagnético:


• Corresponde a uma pequena parte do espectro em que o
comprimento de onda varia entre 380 e 780 nm.
• Cada cor corresponde a uma frequência específica e por tanto
tem um comprimento de onda específico.
Conceitos Básicos
Radiações Infravermelhas:

 São radiações invisíveis ao olho humano;


 Seu comprimento de onda se situa entre 760 nm a 10.000 nm;
 Caracterizam-se por seu forte efeito calorífico;
 São radiações produzidas normalmente através de resistores aquecidos
ou por lâmpadas incandescentes especiais cujo filamento trabalha em
temperatura mais reduzida (lâmpadas infravermelhas);
Conceitos Básicos
Radiações Ultravioletas:

 Caracterizam-se por sua elevada ação química e pela excitação da


fluorescência de diversas substâncias;
 UV-A: Ultravioleta próximo ou luz negra (315 a 400nm);
 UV-B: Ultravioleta intermediário ( 280 a 315nm);
 UV-C: Ultravioleta remoto ou germicida (100 a 280nm).
Conceitos Básicos
As Cores:

 A cor é uma percepção visual provocada pela ação de um feixe de fótons


sobre células especializadas da retina, que transmitem através de
informação pré-processada no nervo óptico, impressões para o sistema
nervoso;

 A cor de um material é determinada pelas médias de frequência dos


pacotes de onda que as suas moléculas constituintes refletem;

 Um objeto terá determinada cor se não absorver justamente os raios


correspondentes à frequência daquela cor.

 Assim, um objeto é vermelho se absorve preferencialmente as frequências


fora do vermelho.
Conceitos Básicos
Cores do espectro visível:
 A cor é relacionada com os diferentes comprimentos de onda do espectro
eletromagnético;

 São percebidas pelas pessoas, em faixa específica (380nm e 780nm).


Conceitos Básicos
Cores do espectro visível:

• AS CORES
Conceitos Básicos
Sensibilidade Visual:
 Varia também de acordo com a luminosidade;

 Curva de sensibilidade do olho humano:

 radiações de menor comprimento de onda (violeta e azul) geram maior


intensidade de sensação luminosa quando ha pouca luz (crepúsculo,
noite, etc.);
 radiações de maior comprimento de onda (laranja e vermelho) se
comportam ao contrário.
Grandezas e Definições
Intensidade Luminosa (I):
 É a potência da radiação luminosa em uma dada direção.
 é a grandeza de base do sistema internacional para iluminação
 Símbolo: I
 Unidade: candela (cd)
 Como a maioria das lâmpadas não apresenta uma distribuição uniforme
em todas as direções, é comum o uso das curvas de distribuição luminosa
(CDL).

representação da intensidade luminosa em


todos os ângulos em que ela é direcionada
num plano
Grandezas e Definições
Curvas de Distribuição Luminosa:
 É o diagrama polar no qual se considera a lâmpada ou luminária reduzida
a um ponto no centro do diagrama e se representa a intensidade luminosa
nas várias direções.
 Símbolo: CDL
 Unidade: candela (cd)
 Para a uniformização dos valores das curvas, geralmente são referidas a
1000lm. Nesse caso, é necessário multiplicar o valor encontrado na CDL
pelo fluxo luminoso da lâmpada e dividir o resultado por 1000.

 A CDL geralmente e encontrada nos catálogos dos fabricantes de


lâmpadas e luminárias.
Grandezas e Definições
Fluxo Luminoso:
 É a potência de radiação total emitida por uma fonte de luz, ou é a
potência de energia luminosa de uma fonte percebida pelo olho humano.

 Símbolo: 
 Unidade: lumen (lm)

 As lâmpadas, conforme seu tipo e potência, apresentam fluxos luminosos


diversos :
 lâmpada incandescente de 100 W: 1000lm;
 lâmpada fluorescente de 40 W: 1700 a 3250lm;
 lâmpada vapor de mercúrio 250W: 12.700lm;
 lâmpada multi-vapor metálico de 250W: 17.000lm.
Grandezas e Definições
Iluminância ou Iluminamento:
 É a relação entre o fluxo luminoso incidente numa superfície e a superfície
sobre a qual este incide; ou seja é a densidade de fluxo luminoso na
superfície sobre a qual este incide.

 Símbolo: E
 Unidade: lux

 O lux é definido como o iluminamento de uma superfície de 1m2


recebendo de uma fonte puntiforme a 1m de distância, na direção normal,
um fluxo luminoso de 1lm, uniformemente distribuído :
Grandezas e Definições
Iluminância ou Iluminamento:
Grandezas e Definições
Luminância:
 É através da luminância que o homem enxerga!
 é um dos conceitos mais abstratos que a luminotécnica apresenta;

 É a diferença entre zonas claras e escuras que permite que se aprecie


uma escultura ou um dia de sol.
 as partes sombreadas são aquelas que apresentam a menor
luminância em oposição às outras mais iluminadas;

 Símbolo: L
 Unidade: cd/m2
Grandezas e Definições
Luminância:
Como é difícil medir-se a Intensidade Luminosa que provém de
um corpo não radiante pode-se recorrer a fórmula, onde:

ρ: Refletância ou Coeficiente de Reflexão


E: Iluminância sobre essa superfície
Grandezas e Definições
Luminância:

Luminância contrastes
a leitura de uma página escrita em letras pretas (refletância 10%)
sobre um fundo branco (papel, refletância 85%) revela que a
luminância das letras é menor do que a luminância do fundo e,
assim, a leitura “cansa menos os olhos”.
Grandezas e Definições
Eficiência Luminosa ou Energética:
 É a relação entre o fluxo luminoso emitido por uma lâmpada e a potência
elétrica desta lâmpada.

 Símbolo: ηw (ou K, conforme IES)


 Unidade: lm/W

 Eficiência Luminosa:
 lâmpada incandescente de 100W: 10lm/W;
 lâmpada fluorescente de 40W: 42,5 lm/W a 81,5lm/W;
 lâmpada vapor de mercúrio de 250W: 50lm/W;
 lâmpada multi-vapor metálico de 250W: 68lm/W.
Grandezas e Definições
Eficiência Luminosa ou Energética:
Grandezas e Definições
Temperatura de Cor:
 No instante que um ferreiro coloca uma peça de ferro no fogo, esta peça
passa a se comportar segundo a lei de Planck e vai adquirindo diferentes
colorações na medida que sua temperatura aumenta:
 na temperatura ambiente sua cor é escura, tal qual o ferro;
 a 800K sua cor será vermelha;
 a 3000K sua cor será amarelada;
 a 5000K sua cor será branca azulada.

 Símbolo: T
 Unidade: K (Kelvin)

 Definição:
 cores quentes vão até 3.000K;
 cores neutras situam-se entre 3.000 e 4.000K;
 e as cores frias acima 4.000K.
Grandezas e Definições
Temperatura de Cor:

Vestido: branco ou azul?


Grandezas e Definições
Temperatura de Cor:
Grandezas e Definições
Temperatura de Cor (Tonalidade):
 As cores quentes são empregadas quando se deseja uma atmosfera
íntima, sociável, pessoal e exclusiva:
 residências;
 bares;
 restaurantes;
 mostruários de mercadorias.

 As cores frias são usadas quando a atmosfera deva ser formal, precisa,
limpa:
 escritórios;
 recintos de fábricas.

 As cores neutras ficam entre as duas: empregadas em ambientes


comerciais.

Conclusão: uma iluminação usando cores quentes realça os vermelhos e


seus derivados; ao passo que as cores frias, os azuis e seus derivados
próximos.
Grandezas e Definições
Conforto Ambiente:
Grandezas e Definições
Índice de Reprodução de Cor:
 Símbolo: IRC ou Ra
 Unidade: R
 É o valor percentual médio relativo à sensação de reprodução de cor,
baseado em uma série de cores padrões.

 IRC encontrados nas lâmpadas comerciais:


Grandezas e Definições
Vida Média (vida útil)
 A vida média de um lote de lâmpadas,funcionando em períodos contínuos
de 3h, é o tempo medido até quando 50% do lote está “morto”:
 considera-se “morta” a lâmpada que não mais se acende
 fluxo luminoso nominal é o fluxo produzido pela lâmpada depois de ter
sido “sazonada”, isto é, tenha funcionado aproximadamente 10% de
sua vida provável;
 o conceito de “vida” é bastante variável conforme os fabricantes e
usuários.
Grandezas e Definições
Vida Média (vida útil)
 A vida média de um lote de lâmpadas,funcionando em períodos contínuos
de 3h, é o tempo medido até quando 50% do lote está “morto” (não mais
se acende)!
 comparadas com as lâmpadas incandescentes, as lâmpadas de
descarga têm vida média muito mais longa.
Grandezas e Definições
Vida útil de lâmpadas – Comparativo
Grandezas e Definições
Vida útil de lâmpadas – Comparativo
Fatores de Desempenho
 Geralmente a lâmpada e instalada dentro de luminárias:
 Fluxo Luminoso Final menor do que o irradiado pela lâmpada:
absorção, reflexão e transmissão da luz pelos materiais utilizados

Eficiência da Luminária:
 É a razão do Fluxo Luminoso emitido por uma luminária, medido sob
condições praticas especificadas, pela a soma dos fluxos individuais das
lâmpadas funcionando fora da luminária em condições especificas!
 valor normalmente indicado pelos fabricantes de luminárias

 O fluxo luminoso emitido pela luminária depende das qualidades físicas do


ambiente: propagação mais fácil, dependendo da absorção e reflexão dos
materiais e da trajetória que percorrera ate alcançar o plano de trabalho.
 eficiência do recinto

 Símbolo: ηL
Fatores de Desempenho
Eficiência do Recinto:
 Símbolo: ηR

 Dado por tabelas no catálogo do fabricante


 relacionam os Coeficiente de Reflexão do teto, paredes e piso, com a
Curva de Distribuição Luminosa da luminária utilizada e o Índice do
Recinto
Fatores de Desempenho
Índice do Recinto:
 Símbolo: K
Fatores de Desempenho
Fator de Utilização:
 É a eficiência luminosa do conjunto lâmpada, luminária e recinto
 Símbolo: Fu

Fator de Depreciação:
 Símbolo: d
 O acúmulo de poeira faz com que menos quantidade de luz seja fornecida
pelos equipamentos de iluminação
Fatores de Desempenho
Fator de Utilização e Fator de Depreciação:
Fatores de Desempenho
Fator ou Índice de Reflexão:
 É a relação entre o fluxo luminoso refletido e o incidente
 devem ser considerados os índices de reflexão do teto, paredes e chão
Fatores de Desempenho
Bibliografia:
 CREDER, Hélio. Instalações Elétricas , 15ª Edição, Editora LTC, Rio de
Janeiro, 2007.

 COTRIM, Ademaro. Instalações Elétricas, 5ª Edição. Editora Pearson


Prentice-Hall, São Paulo, 2009.

 Norma Técnica ABNT NBR ISO 5413.

 Catálogos e sites das empresas: SYLVANIA, PHILIPS, PRYSMIAN.