Você está na página 1de 5

O que é um Polímero?

A palavra polímero vem do grego e significa muitas (polu) partes (meres). Esses
compostos são grandes moléculas formadas pela repetição de pequenas unidades, os
monômeros, que se ligam por covalência após uma reação de polimerização.
Polímeros estão por toda parte e podem ser orgânicos ou inorgânicos, naturais ou
sintéticos. A borracha da seringueira, polissacarídeos como o amido da batata e a
celulose das plantas verdes, proteínas como a queratina das unhas e o colágeno da
pele, e os ácidos nucleicos são exemplos de polímeros naturais orgânicos.
Mas quando o assunto é lixo e reciclagem, os vilões são os polímeros sintéticos. Eles
são formados basicamente por hidrocarbonetos derivados do petróleo. Essas
macromoléculas formam plásticos, borrachas e fibras sintéticas que, além de não serem
biodegradáveis, nem sempre são recicláveis e, em geral, sua incineração causa danos ao
meio ambiente.
Separação de polímeros
Para serem reciclados, então, os polímeros precisam ser separados. A primeira
separação se dá entre os termoplásticos e os termorrígidos (ou termofixos). Os
termoplásticos são aqueles que, quando aquecidos, ficam moldáveis e fluidos, podendo
ser reciclados. Já os termofixos não podem ser reciclados, pois não é possível amolecê-
los e remodelá-los pelo calor.
Para complicar um pouco mais, existem vários tipos de polímeros termoplásticos.
Então, para facilitar na identificação para a reciclagem, no Brasil e em vários países do
mundo utiiza-se uma simbologia que identifica cada tipo de polímero. Veja as figuras:

Tipos de polímeros

Ao passarem pelo processo de polimerização, as moléculas reagem e mudam suas


formas graças a uma reação em cadeia do calor espontâneo ou provocado. Os polímeros
podem ser divididos em polímeros termoplásticos; termorrígidos, termofixos ou
termoendurecíveis; elastômeros ou borrachas.

Os polímeros termoplásticos são altamente resistentes e moldáveis no calor, e formam


os seguintes materiais e suas aplicações práticas:

Separação de polímeros
Para serem reciclados, então, os polímeros precisam ser separados. A primeira separação se dá
entre os termoplásticos e os termorrígidos (ou termofixos). Os termoplásticos são aqueles que,
quando aquecidos, ficam moldáveis e fluidos, podendo ser reciclados. Já os termofixos não podem
ser reciclados, pois não é possível amolecê-los e remodelá-los pelo calor.
Para complicar um pouco mais, existem vários tipos de polímeros termoplásticos. Então, para
facilitar na identificação para a reciclagem, no Brasil e em vários países do mundo utiiza-se uma
simbologia que identifica cada tipo de polímero. Veja as figuras:
Tereftalato de Polietileno (PET): garrafas de refrigerantes, água, vinagre, detergentes
e sucos.
Polietileno de alta densidade (PEAD): baldes, recipientes de condicionadores, xampus,
tanques de combustível, tampas de garrafa e engradados de bebidas.

Policarbonato (PC): mamadeiras, lentes de óculos, escudo antibalas. Poliuretano (PU): solados,
rodas, para-choques. Acrilonitrilabutadieno-estireno (ABS): maçanetas, carcaças de aparelhos,
tubulações de produtos químicos corrosivos, brinquedos, teclados e monitores de
computador.
Policloreto de Vinilo ou Cloreto de Polivinila (PVC): cria portas sanfonadas, divisórias,
tubos e conexões altamente resistentes, telhas translúcidas, molduras para teto e parede,
cortinas de banheiros, bandejas de refeições, capas, canos, assoalhos, forros, tubos de
conexão, sandália Melissa.

Poliestireno (PS): usado para a fabricação de peças de máquina e automóveis, grades de


ar condicionado, gavetas de geladeira, brinquedos e matéria prima do isopor, copos
descartáveis, isopor, chapas coloridas, protetor de cartuchos de impressora, circuladores
de ar, gavetas de geladeira, grades de ar condicionado.

 PP (polipropileno): faz brinquedos, recipientes para remédios, alimentos, produtos


químicos e eletrodomésticos, canetas esferográficas, seringas de injeção, autopeças e
pedais; recipientes para guardar alimentos (tupperware), carpetes, embalagens de
biscoitos, de iogurtes e de água mineral, seringas, cadeiras.
 Polietileno de Baixa Densidade (PEBD): usado em embalagens de bebidas em geral,
material de limpeza, condimentos, além de tecidos, fios, vassouras, filmes, sacolas de
supermercado, embalagens flexíveis e sacos de lixo.

 Plexiglas: é o vidro plástico.


Os polímeros termorrígidos, por sua vez, se dividem em três:

 Baquelite: usada na fabricação de tomadas e telefones;


 Epóxis: usada em tintas e colas;
 Poliéster: usada em caixas d´água, piscinas, plástico reforçado e até em tecidos.
Os elastômeros são as conhecidas borrachas, e são aplicadas em pneus, câmaras de ar e
mangueiras de borracha.

Processos de reciclagem (Primário, Secundário, Terciário e Quaternário)

O restante do processo de reciclagem e seu resultado final depende do tipo do material.


A reciclagem primária, por exemplo, não muda a forma do material por meio do calor, e
consiste na utilização do item para outros fins.

Reciclagem secundária ou mecânica: Por sua vez, desmembra o material em pequenos


pedaços que podem ser unificados para criação de materiais de menor qualidade, como
sacos de lixo e solas. Essa reciclagem possibilita a obtenção de produtos compostos por
um único tipo de plástico ou a partir de misturas de diferentes plásticos em
determinadas proporções. No Brasil, cerca de 15% dos resíduos plásticos são reciclados
mecanicamente.

A reciclagem terciária ou química: é mais complexa e reprocessa o material, levando-o


à sua antiga forma de monômero. Ele pode criar o mesmo tipo de produto ou se misturar
a outros tipos de plástico e formar algo ainda mais resistente. Essa reciclagem permite
tratar mistura de plásticos, reduzindo custos de pré-tratamento, custos de coleta e
seleção.

A reciclagem quaternária ou energética: é mais sofisticada e transforma o plástico em


combustível para a criação de energia elétrica e outros fins. Em geral, os polímeros
sintéticos não podem ser reciclados, já que não são biodegradáveis.

Reciclagem de polímeros

A origem do nome plástico diz muito sobre sua estrutura e capacidade de ser reciclado,
já que vem do grego plastikus, que significa “adequado à moldagem”. A primeira etapa
da reciclagem do plástico consiste na separação dos termoplásticos e os termorrígidos.
Os termoplásticos se moldam a qualquer forma quando aquecidos, enquanto os
termorrígidos não amolecem com o calor e não podem ser reciclados.