Você está na página 1de 102

EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL

ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO


CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

ANEXO 6AB
LOTE AB

SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE


CONTÍNUA DE ±800 kV PARA REFORÇO À
INTERLIGAÇÃO NORTE – SUDESTE ASSOCIADO
AO ESCOAMENTO DA UHE BELO MONTE

CONVERSORAS 500 kVCA/±800 kVCC NAS


SUBESTAÇÕES XINGU e ESTREITO E
LINHA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE
CONTÍNUA DE ±800 kV

CARACTERÍSTICAS
E
REQUISITOS TÉCNICOS BÁSICOS
DAS
INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

ÍNDICE
1 DESCRIÇÃO .....................................................................................................................6
1.1 DESCRIÇÃO GERAL ....................................................................................................................... 6
1.2 GLOSSÁRIO .................................................................................................................................... 6
1.3 CONFIGURAÇÃO BÁSICA ............................................................................................................. 8
1.4 REQUISITOS GERAIS ....................................................................................................................10
2 DADOS DE SISTEMA ..................................................................................................... 11
2.1 REPRESENTAÇÃO DA REDE .......................................................................................................11
2.2 NÍVEIS DE CURTO-CIRCUITO .......................................................................................................14
3 SUBESTAÇÕES – PÁTIOS EM CA ................................................................................ 15
3.1 INFORMAÇÕES BÁSICAS .............................................................................................................15
3.2 ARRANJO DE BARRAMENTOS ....................................................................................................16
3.3 CAPACIDADE DE CORRENTE ......................................................................................................16
3.4 SUPORTABILIDADE ......................................................................................................................17
3.5 EFEITOS DE CAMPOS ...................................................................................................................17
3.6 INSTALAÇÕES ABRIGADAS ........................................................................................................18
4 EQUIPAMENTOS EM CA ............................................................................................... 19
4.1 DISJUNTORES ...............................................................................................................................19
4.2 SECCIONADORAS, LÂMINAS DE TERRA E CHAVES DE ATERRAMENTO..............................19
4.3 PARA-RAIOS ..................................................................................................................................20
4.4 TRANSFORMADORES DE CORRENTE E POTENCIAL ...............................................................20
4.5 EQUIPAMENTOS DE SERVIÇOS AUXILIARES ............................................................................21
5 CASA DE VÁLVULAS E EQUIPAMENTOS DO ELO CC ............................................... 22
5.1 DEFINIÇÕES BÁSICAS ..................................................................................................................22
5.2 TEMPERATURAS DE PROJETO DAS CONVERSORAS .............................................................22
5.3 DADOS DE FREQUÊNCIA E TENSÃO CA PARA PROJETO .......................................................22
5.4 VALORES NOMINAIS.....................................................................................................................23
5.5 REQUISITOS MÍNIMOS ..................................................................................................................24
5.6 ASPECTOS DE DIMENSIONAMENTO ..........................................................................................32
5.7 OPERAÇÃO DO ELO CC – INTERAÇÃO CA-CC-CA ...................................................................33

ii
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

6 FILTROS DE HARMÔNICAS .......................................................................................... 36


6.1 FILTROS DO LADO CA ..................................................................................................................36
6.2 FILTROS DO LADO CC ..................................................................................................................41
7 ELETRODOS DE ATERRAMENTO ................................................................................ 43
7.1 REQUISITOS GERAIS ....................................................................................................................43
7.2 INTERFERÊNCIAS .........................................................................................................................43
7.3 CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS ..........................................................................................44
7.4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS .................................................................................................44
7.5 LINHA DO ELETRODO...................................................................................................................44
8 CONTROLES DO ELO CC .............................................................................................. 46
8.1 DESEMPENHO DO SISTEMA DE CONTROLE DO ELO CC ........................................................47
9 LINHA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA .............................................. 51
9.1 CARACTERÍSTICAS OPERATIVAS BÁSICAS .............................................................................51
9.2 REQUISITOS ELÉTRICOS .............................................................................................................51
9.3 COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO .............................................................................................52
9.4 REQUISITOS MECÂNICOS ............................................................................................................54
9.5 REQUISITOS ELETROMECÂNICOS .............................................................................................56
10 SISTEMAS DE PROTEÇÃO............................................................................................ 57
10.1 DEFINIÇÕES BÁSICAS ..................................................................................................................57
10.2 REQUISITOS GERAIS PARA PROTEÇÃO, REGISTRADORES DE PERTURBAÇÕES E
TELECOMUNICAÇÕES ...............................................................................................................................58
10.3 REQUISITOS GERAIS DE PROTEÇÃO .........................................................................................58
10.4 REQUISITOS PARA VERIFICAÇÃO DE SINCRONISMO MANUAL. ............................................58
10.5 TRANSFORMADORES OU AUTOTRANSFORMADORES ...........................................................58
10.6 TRANSFORMADORES CUJO MAIS ALTO NÍVEL DE TENSÃO NOMINAL É IGUAL OU
SUPERIOR A 345 KV...................................................................................................................................58
10.7 BANCOS DE FILTROS ...................................................................................................................58
10.8 SISTEMAS DE PROTEÇÃO DE ELOS DE CORRENTE CONTÍNUA ............................................59
10.9 BARRAMENTOS COM TENSÃO NOMINAL IGUAL OU SUPERIOR A 138 KV ...........................59
10.10 FALHA DE DISJUNTOR COM TENSÃO NOMINAL IGUAL OU SUPERIOR A 138 KV ................59
10.11 SISTEMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO .......................................................................................59
11 SISTEMAS DE SUPERVISÃO E CONTROLE ................................................................ 61

iii
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

11.1 INTRODUÇÃO ................................................................................................................................61


11.2 REQUISITOS DOS SISTEMAS DE SUPERVISÃO E CONTROLE DOS AGENTES .....................61
11.3 REQUISITOS PARA A SUPERVISÃO E CONTROLE DE EQUIPAMENTOS PERTENCENTES À
REDE DE OPERAÇÃO ................................................................................................................................61
11.4 REQUISITOS PARA O SEQUENCIAMENTO DE EVENTOS .........................................................62
11.5 ARQUITETURA DE INTERCONEXÃO COM O ONS .....................................................................62
11.6 REQUISITOS DE SUPERVISÃO PELO AGENTE PROPRIETÁRIO DAS INSTALAÇÕES
(SUBESTAÇÕES) COMPARTILHADAS DA REDE DE OPERAÇÃO. ........................................................65
11.7 REQUISITOS DE SUPERVISÃO ENTRE OS AGENTES CONCESSIONÁRIO DAS ESTAÇÕES
CONVERSORAS E OS AGENTES CONCESSIONÁRIOS DAS LINHAS CC .............................................65
11.8 AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE E DA QUALIDADE DOS RECURSOS DE SUPERVISÃO E
CONTROLE ..................................................................................................................................................65
11.9 REQUISITOS PARA A ATUALIZAÇÃO DE BASES DE DADOS DOS SISTEMAS DE
SUPERVISÃO E CONTROLE ......................................................................................................................65
11.10 AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE E DA QUALIDADE DOS RECURSOS DE
TELECOMUNICAÇÕES ...............................................................................................................................65
12 SISTEMAS DE REGISTRO DE PERTURBAÇÕES......................................................... 66
12.1 GRANDEZAS ANALÓGICAS E DIGITAIS A SEREM MONITORADAS PELO REGISTROS DE
PERTURBAÇÕES ........................................................................................................................................66
13 SISTEMA DE TELECOMUNICAÇÕES ........................................................................... 67
13.1 REQUISITOS GERAIS ....................................................................................................................67
13.2 REQUISITOS TÉCNICOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA A TELEPROTEÇÃO ....................68
13.3 REQUISITOS PARA SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE VOZ ...................................................70
13.4 REQUISITOS PARA SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS ..............................................72
14 DEMONSTRAÇÃO DA CONFORMIDADE DO EMPREENDIMENTO ............................ 74
14.1 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO E TREINAMENTOS ...........................................................77
14.2 MODELOS COMPUTACIONAIS E FERRAMENTA DE SIMULAÇÃO ...........................................78
14.3 ETAPA DE CONCEPÇÃO ..............................................................................................................80
14.4 ETAPA DE DETALHAMENTO ........................................................................................................82
14.5 ESTUDOS PARA DEMONSTRAÇÃO DA CONFORMIDADE NA ETAPA DE CONCEPÇÃO ......83
14.6 ESTUDOS DE DEMONSTRAÇÃO DE CONFORMIDADE NA ETAPA DE DETALHAMENTO .....95
15 DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA RELATIVA AO EMPREENDIMENTO ............................. 98
15.1 ESTUDOS DE ENGENHARIA E PLANEJAMENTO.......................................................................98

iv
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

15.2 RELATÓRIOS DAS CARACTERÍSTICAS E REQUISITOS BÁSICOS DAS INSTALAÇÕES


EXISTENTES................................................................................................................................................98
15.3 MEIO AMBIENTE E LICENCIAMENTO ..........................................................................................99
16 CRONOGRAMA ............................................................................................................ 100
16.1 CRONOGRAMA FÍSICO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO (TABELA A) ....................................101
16.2 CRONOGRAMA FÍSICO DE SUBESTAÇÕES (TABELA B)........................................................102

v
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

1 DESCRIÇÃO
1.1 DESCRIÇÃO GERAL
Este anexo apresenta as características e os requisitos técnicos básicos das instalações de transmissão
integrantes do Bipolo Xingu - Estreito compostas por:

 Estação Conversora CA/CC, ±800 kV, 4.000 MW, junto à SE 500 kV Xingu;
 Estação Conversora CA/CC, ±800 kV, 3.850 MW, junto à SE 500 kV Estreito e
 Linha de Transmissão em Corrente Contínua de ±800 kV Xingu - Estreito.

De acordo com os estudos de planejamento, convencionou-se chamar de Bipolo 1 o bipolo Xingu – Estreito,
objeto deste Edital, e de Bipolo 2 o bipolo Xingu – Terminal Rio (Nova Iguaçu), planejado para entrar em
operação em 2020.
Para o dimensionamento dessas instalações deverá ser considerado o Bipolo 2, que deverá entrar em
operação após a entrada deste empreendimento, além da rede existente que já terá em operação os bipolos
de corrente contínua Foz do Iguaçu – Ibiúna (B1 e B2) e Porto Velho – Araraquara 2 (B1 e B2). O Bipolo 1
deverá permitir a operação integrada e coordenada com o Bipolo 2, sem nenhum empecilho de ordem
técnica.

1.2 GLOSSÁRIO
Alternative Transients Program, programa de computador utilizado para estudos
ATP
de transitórios eletromagnéticos em sistemas elétricos de potência
CA Corrente Alternada
CC Corrente Contínua
CCC Capacitor Commutated Converter, tecnologia de conversoras CA/CC
Conseil International des Grands Reseaux Electriques, Conselho Internacional de
CIGRE Grandes Redes Elétricas, responsável pela publicação de materiais técnicos de
engenharia.
DTHT Distortion Harmonics Total, Valor Global de Distorção Harmônica
FAT Factory Acceptance Test, Teste de Aceitação de Fábrica
FST Factory System Test, Teste de Sistema.
High Voltage Direct Current, mesmo que CCAT - Corrente Contínua em Alta
HVDC
Tensão.
International Electrotechnical Commission, Comissão Internacional de
IEC
Eletrotécnica
LCC Line Commutated Converter, tecnologia de conversoras CA/CC
LT (LT-CC) Linha de Transmissão (Linha de Transmissão em Corrente Contínua)
Programa de finalidade genérica para simulação no domínio do tempo de sistemas
PSCAD
de potência multifásicos e de sistemas de controle

6
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Temporary Overvoltage Capability, onde mencionado no texto diz respeito à


suportabilidade de para-raios (Metal Oxide Arresters) a solicitações advindas de
TOV Capability
sobretensões temporárias, que aumentam a corrente e a dissipação de energia
nestes elementos, aumentando a sua temperatura
SE Subestação de energia elétrica
TIF Telephone Interference Factor, Fator de Interferência Telefônica
TC Transformador de Corrente
VSC Voltage Source Converter, tecnologia de conversoras CA/CC
Zmax, Zmin,
Angmax e Módulos e Ângulos das Impedâncias Harmônicas – valores máximos e mínimos
Angmin
CEPEL Centro de Pesquisas de Energia Elétrica
DENTEL Departamento Nacional de Telecomunicações

7
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

1.3 CONFIGURAÇÃO BÁSICA


A Configuração Básica é caracterizada pelas instalações listadas nas Tabelas 1.1 a 1.4 a seguir.

TABELA 1.1 – OBRAS DE SUBESTAÇÕES


SUBESTAÇÃO kV EQUIPAMENTO
1 Ponte conversora de 12 pulsos por polo, potência nominal de
± 800 CC 4.000 MW (bipolar), reatores de alisamento e filtros CC a serem
definidos pela TRANSMISSORA
Módulo de infraestrutura geral – MIG
4 Bancos de transformadores conversores monofásicos com
tensão primária de 500/√3 e com tensão secundária, número de
enrolamentos e potência a ser definida pela TRANSMISSORA
SE Xingu 2 unidades de reserva, sendo uma Y/Δ e outra Y/Y.
Módulos de conexão de transformador conversor – DJM
500 CA Módulos interligadores de barra em arranjo DJM, de acordo com
o projeto dos filtros para atender as especificações desses
equipamentos
Compensação reativa e filtros dimensionados conforme itens
5.5.13, 5.5.14 e 6.1 incluindo os seus disjuntores, chaves, TCs e
demais equipamentos necessários ao correto funcionamento
dessas instalações, conectados em arranjo DJM
1 Ponte conversora de 12 pulsos por polo, potência nominal de
± 800 CC 3.850 MW (bipolar), reatores de alisamento e filtros CC a serem
definidos pela TRANSMISSORA
Módulo de Infraestrutura Geral – MIG
4 Bancos de transformadores conversores monofásicos com
tensão primária de 500/√3 e com tensão secundária, número de
enrolamentos e potência a ser definida pela TRANSMISSORA
2 unidades de reserva, sendo uma Y/Δ e outra Y/Y.
SE Estreito Módulos de conexão de transformador conversor – DJM
500 CA 2 Módulos de conexão de barramentos com disjuntor
Módulos interligadores de barra em arranjo DJM, de acordo com
o projeto dos filtros para atender as especificações desses
equipamentos
Compensação reativa e filtros dimensionados conforme itens,
5.5.13, 5.5.14 e 6.1 incluindo os seus disjuntores, chaves, TCs e
demais equipamentos necessários ao correto funcionamento
dessas instalações, conectados em arranjo DJM

TABELA 1.2 – OBRAS DE LINHAS DE ELETRODO


Distância mínima da
ORIGEM DESTINO CIRCUITO
SE em km
SE Xingu Praça de Eletrodo da SE Xingu CS 15
SE Estreito Praça de Eletrodo da SE Estreito CS 15

8
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

TABELA 1.3 – OBRAS DE ELETRODO


ELETRODO LOCAL
Eletrodo da SE Xingu A 15 km ou mais da SE Xingu
Eletrodo da SE Estreito A 15 km ou mais da SE Estreito

TABELA 1.4 – OBRAS DA LINHA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA


ORIGEM DESTINO CIRCUITO Distância em km
SE Xingu SE Estreito Bipolo simples 2092

A configuração básica adotada nos estudos de planejamento (R1, R2, R3 e R4, integrantes deste Edital)
prevê a instalação de uma ponte conversora – tecnologia LCC, sem CCC, de 12 pulsos de 800 kV por polo,
bem como bancos de transformadores conversores monofásicos de 2 enrolamentos. Fazem parte desta
configuração duas unidades reservas por subestação conversora, sendo uma Y/Δ e outra Y/Y.
É facultado a TRANSMISSORA a instalação de duas pontes conversoras de 400 kV de 12 pulsos por polo e a
modificação do arranjo, do tipo e quantidade dos bancos de transformadores conversores, que poderão ser
de dois ou três enrolamentos, sem prejuízo das unidades reservas.No caso de solução com transformadores
de três enrolamentos e um conversor por polo deverá ser prevista uma unidade monofásica reserva de três
enrolamentos por subestação.
Em qualquer solução proposta para os transformadores conversores, caso haja mais de um conversor de 12
pulsos por polo, o número de unidades reservas deverá ser duplicada em relação às consideradas nos
parágrafos anteriores.
A configuração básica supracitada constitui-se na Alternativa de Referência. Os requisitos técnicos deste
ANEXO 6AB caracterizam o padrão de desempenho mínimo a ser atingido por qualquer solução proposta.
Este desempenho deverá ser demonstrado mediante justificativa técnica comprobatória, ainda que seja
utilizada pela TRANSMISSORA a Alternativa de Referência.
A utilização pelo empreendedor de outras soluções, que não a de Referência, fica condicionada à
demonstração de que a mesma apresente desempenho elétrico equivalente ou superior àquele
proporcionado pela Alternativa de Referência.
No entanto, nesta proposta de configuração alternativa, a TRANSMISSORA NÃO tem liberdade para
modificar:
 A tecnologia LCC;
 Níveis de tensão CC e CA;
 Potência nominal das conversoras;
 Distribuição de fluxo de potência em regime permanente;
 A localização das SEs Xingu e Estreito.

O empreendimento objeto do Leilão compreende a implementação das instalações detalhadas nas Tabelas
1.1 a 1.4. Estão ainda incluídos no empreendimento os equipamentos terminais de manobra, proteção,
supervisão e controle, telecomunicações e todos os demais equipamentos, serviços e facilidades necessários
à prestação do SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSMISSÃO, ainda que não expressamente indicados neste
ANEXO 6AB.

9
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

1.4 REQUISITOS GERAIS


O projeto e a construção das estações conversoras, da linha do eletrodo e do eletrodo, devem estar, no que
for aplicável, em conformidade com as últimas revisões das normas da Associação Brasileira de Normas
Técnicas – ABNT. Na falta destas, com as últimas revisões das normas da International Electrotechnical
Commission - IEC, American National Standards Institute - ANSI ou National Electrical Safety Code - NESC,
nesta ordem de preferência, salvo onde expressamente indicado o contrário.
Os requisitos aqui estabelecidos aplicam-se ao pré-projeto, aos projetos básico e executivo bem como às
fases de construção, montagem, comissionamento, manutenção e operação do empreendimento durante
todo o período de concessão. Aplicam-se ainda ao projeto, fabricação, inspeção, ensaios e montagem de
materiais, componentes e equipamentos utilizados no empreendimento.
É responsabilidade da TRANSMISSORA obter todos os dados inclusive os descritivos das condições
ambientais e geomorfológicas da região de implantação, a serem adotados na elaboração do projeto básico,
bem como nas fases de construção, manutenção e operação das instalações.
As características técnicas e requisitos estabelecidos neste ANEXO 6AB definem o padrão de desempenho
mínimo da Alternativa de Referência, o que não exime a TRANSMISSORA de preparar, de acordo com a
necessidade para atender à esse desempenho mínimo, as especificações técnicas para a aquisição de
equipamentos, sistemas, componentes e serviços suficientemente detalhada para o correto desempenho do
empreendimento. Esta especificação será parte integrante da documentação do projeto básico a ser entregue
para análise.
As informações, requisitos, premissas e diretrizes contidas neste ANEXO 6AB tem precedência sobre aquelas
contidas na documentação do planejamento, R1, R2, R3 e R4, integrantes do Edital.
Devem ser respeitados os Procedimentos de Rede, em sua versão vigente na data de publicação do Edital.
Em caso de conflito, os requisitos estabelecidos neste ANEXO 6AB, terão precedência.
A demonstração da conformidade deste empreendimento com os requisitos deste ANEXO 6AB e com os
Procedimentos de Rede, mediante a apresentação do Projeto Básico, se dará em duas etapas. Projeto
Básico Etapa de Concepção e Projeto Básico Etapa de Detalhamento, as quais estarão definidas no item 14
deste Anexo.

10
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

2 DADOS DE SISTEMA
Os dados de sistema utilizados nos estudos em regime permanente, transitório eletromecânico e
desempenho dinâmico, efetuados para a definição da configuração básica estão disponibilizados nos
formatos dos programas do CEPEL de simulação de rede, ANAREDE, ANATEM/ANAT0 e no formato do
programa PSCAD, para os horizontes inicial (Bipolo 1) e final (Bipolo 2) do planejamento, no site da Empresa
de Pesquisa Energética – EPE (www.epe.gov.br).
No âmbito da operação, os dados estão disponibilizados no site do Operador Nacional do Sistema Elétrico –
ONS (www.ons.org.br). Para os estudos operativos e para eventuais estudos que se refiram a topologias
contidas dentro do horizonte de operação deve ser utilizada a base de dados disponibilizada pelo ONS, no
formato dos programas ANAFAS, ANAREDE e ANATEM
lantas, relatórios e dados da UHE Belo Monte, que poderão ser necessários para o dimensionamento dos
equipamentos integrantes do objeto deste Edital, estão disponíveis no site da ANEEL(www.aneel.gov.br) junto
com a documentação listada no Capítulo 15.

2.1 REPRESENTAÇÃO DA REDE


Para efeito de demonstração da conformidade do empreendimento aos requisitos deste ANEXO 6AB, estão
disponíveis os seguintes dados referentes à rede elétrica, além daqueles citados acima:
 Os lugares geométricos das impedâncias harmônicas da rede, a serem considerados no projeto dos
filtros de harmônicas, nas Tabelas 2.1 e 2.2 a seguir.
 Os dados da topologia da rede retida1 (sequencia positiva e zero) e dos equivalentes a serem
considerados nos estudos de desempenho dinâmico e de transitórios eletromagnéticos, para os
horizontes inicial e final de planejamento e operação, estão detalhados e disponíveis no site da EPE,
no formato PSCAD.Os resultados e diagramas orientativos constam no Relatório R2, integrante deste
Edital.

1Quando um sistema é reduzido, para efeito de simulação, parte da rede é equivalentada e o restante da topologia, não reduzida, é
mantida. Esta parte da rede, que é mantida, é denominada rede retida.

11
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

TABELA 2.1 - PARÂMETROS DOS LUGARES GEOMÉTRICOS DAS IMPEDÂNCIAS HARMÔNICAS – SE XINGU
SE Xingu (500 kV)
Intervalos de frequência
Zmax Zmin Angmax Angmin
Ordem Freqência
(ohm) (ohm) (graus) (graus)
harmônica (Hz)
2 120 112 8 78 -63
3 180 112 8 78 -63
4 240 140 6 78 -66
5 300 140 6 76 -66
6 360 140 6 70 -68
7 420 126 10 68 -74
8 480 126 3 68 -74
9 540 95 3 67 -74
10 600 77 3 67 -76
11 660 164 3 68 -81
12 720 275 7 68 -85
13 780 275 5 68 -85
14 840 275 5 68 -85
15 900 275 5 68 -85
16 960 275 5 51 -85
17 1020 106 5 62 -84
18 1080 106 6 65 -84
19 1140 106 5 65 -84
20 1200 184 5 65 -82
21 1260 184 5 65 -85
22 1320 184 5 65 -85
23 1380 184 5 61 -85
24 1440 184 7 61 -85
25 1500 113 4 47 -85
26 1560 101 4 63 -84
27 1620 101 4 63 -84
28 1680 101 4 63 -84
29 1740 117 4 63 -84
30 1800 117 7 63 -86
31 1860 117 4 48 -86
32 1920 117 4 48 -86
33 1980 117 4 48 -86
34 2040 106 4 45 -86
35 2100 97 4 65 -86
36 2160 97 4 65 -85
37 2220 97 4 65 -85
38 2280 157 4 65 -88
39 2340 157 4 65 -88
40 2400 157 4 60 -88
41 2460 157 4 60 -88
42 2520 157 4 60 -88
43 2580 103 3 53 -88
44 2640 103 3 53 -88
45 2700 103 3 53 -88
46 2760 58 3 45 -88
47 2820 79 3 45 -87
48 2880 79 3 45 -87
49 2940 79 3 45 -87
50 3000 79 3 45 -87

12
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

TABELA 2.2 - PARÂMETROS DOS LUGARES GEOMÉTRICOS DAS IMPEDÂNCIAS HARMÔNICAS – SE ESTREITO
SE Estreito (500 kV)
Intervalos de frequência
Zmax Zmin Angmax Angmin
Ordem Freqência
(ohm) (ohm) (graus) (graus)
harmônica (Hz)
2 120 65 17 80 20
3 180 215 17 80 -26
4 240 215 12 73 -62
5 300 215 9 73 -62
6 360 134 6 71 -62
7 420 94 5 71 -53
8 480 94 5 71 -53
9 540 155 5 80 -49
10 600 339 6 80 -55
11 660 339 6 80 -72
12 720 339 8 80 -72
13 780 339 3 71 -72
14 840 168 3 76 -72
15 900 99 3 76 -72
16 960 128 3 76 -70
17 1020 128 3 76 -70
18 1080 203 7 76 -64
19 1140 203 6 74 -68
20 1200 203 5 75 -68
21 1260 203 5 75 -68
22 1320 203 5 75 -68
23 1380 184 5 75 -68
24 1440 184 5 75 -62
25 1500 184 8 74 -65
26 1560 258 9 72 -68
27 1620 258 8 72 -68
28 1680 258 8 72 -68
29 1740 258 8 72 -68
30 1800 258 7 63 -68
31 1860 161 7 71 -63
32 1920 248 7 71 -63
33 1980 248 7 71 -63
34 2040 248 7 71 -63
35 2100 248 7 71 -63
36 2160 248 11 66 -63
37 2220 209 7 62 -63
38 2280 153 7 72 -58
39 2340 202 7 72 -58
40 2400 225 7 72 -67
41 2460 225 7 72 -68
42 2520 225 6 72 -68
43 2580 225 6 74 -68
44 2640 225 6 74 -68
45 2700 202 6 74 -68
46 2760 202 6 74 -62
47 2820 202 7 74 -62
48 2880 323 7 74 -62
49 2940 323 7 74 -62
50 3000 323 7 74 -60

13
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

2.2 NÍVEIS DE CURTO-CIRCUITO


A Tabela 2.3, a seguir, resume os valores de potência de curto-circuito a serem considerados no
desenvolvimento do projeto. Estes valores são compatíveis com os equivalentes fornecidos no item anterior
considerando a retirada de elementos citadas nas notas da Tabela 2.3 e devem ser considerados nos estudos
de dimensionamento e de sistema definidos nos itens 14.5 e 14.6.
Caso seja identificado algum valor de potência de curto-circuito fora da faixa indicada na Tabela 2.3, tal fato
deverá ser informado, imediatamente, a ANEEL para as devidas providências.
TABELA 2.3 – NÍVEIS DE CURTO-CIRCUITO A SEREM ADOTADOS NO PROJETO
Objetivo SE Xingu (pátio CA) SE Estreito (pátio CA)
Dimensionamento de capacidade de corrente
de curto-circuito simétrica dos equipamentos 63 kA 50 kA
dos pátios CA e CC.
Demais aplicações (MVA)
Faixa de Potência de Curto-Circuito Trifásica. 15282(1) a 19752 17907 a 21426
Fluxo sentido Estreito – Xingu.
Demais aplicações (MVA)
Faixa de Potência de Curto-Circuito Trifásica. 18381(3) a 42181 17042(2) a 19566
Fluxo sentido Xingu – Estreito
Notas: 1 – Valor mínimo considerando 2 máquinas da UHE Belo Monte operando como compensadores síncronos, 1 circuito
da LT 500 kV Xingu – Tucuruí II fora de operação e 5 máquinas em operação na UHE Tucuruí, sem a presença dos
compensadores síncronos em Tucuruí.
2 – Valor mínimo considerando 1 circuito da LT 500 kV Estreito – Jaguara fora de operação.
3 – Valor mínimo para um cenário intermediário, considerando as UHEs Belo Monte e Tucuruí com 10 máquinas cada,
sem circuitos Tucuruí – Xingu C1 e C2.

14
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

3 SUBESTAÇÕES – PÁTIOS EM CA
3.1 INFORMAÇÕES BÁSICAS
A TRANSMISSORA deve desenvolver e apresentar os estudos necessários à definição das características e
dos níveis de desempenho de todos os equipamentos, considerando que os mesmos serão conectados ao
sistema existente.
Todos os equipamentos devem ser especificados de forma a não comprometer ou limitar a operação das
subestações, nem impor restrições operativas às demais instalações do sistema interligado.
Na expansão de subestações existentes, as características elétricas dos novos equipamentos e instalações
devem ser compatíveis ou superiores às dos existentes. O dimensionamento dos novos equipamentos deve
considerar as atuais e futuras condições a serem impostas pela configuração prevista pelo planejamento da
expansão do Sistema Interligado Nacional - SIN.
Deverão ser realizadas, dentre outras, as obras necessárias de infra-estrutura, descritas no módulo geral –
Resolução ANEEL nº. 191, de 12 de dezembro de 2005, necessárias para a implantação, manutenção e
operação do empreendimento caracterizado pelas instalações listadas no item 1.3.
A TRANSMISSORA será acessante à SE 500 kV Xingu (concessão da Linhas de Xingu Transmissora de
Energia S.A., no terreno de concessão da ATE XXI Transmissora de Energia S.A.) e à SE 500 kV Estreito
(concessão da Linhas de Transmissão Triangulo S.A.) e deverá observar os critérios e requisitos básicos
dessas subestações, bem como providenciar as obras de infraestrutura incluídas no Módulo Geral –
Resolução ANEEL nº 191, de 12 de dezembro de 2005, necessárias para a instalação, manutenção e
operação dos equipamentos deste Edital. Entre as possíveis obras necessárias encontram-se, dentre outros:
a compra de terreno, extensão de barramentos, serviços auxiliares, cabos, tubos, estruturas, suportes,
pórticos, cercas divisórias de seus ativos, conexões de terra entre seus equipamentos e a malha de terra da
subestação, canaletas secundárias e recomposição da infra-estrutura construída como, por exemplo,
reposição de britas.
Na SE Estreito será necessária a aquisição de terreno adjacente com área mínima de 50 ha (cinquenta
hectares), sendo no mínimo 500 m (quinhentos metros) de largura no sentido de ampliação dos barramentos
de 500 kV, de modo a comportar todos os equipamentos objeto deste Edital e as expansões futuras
apontadas nos estudos de planejamento.
O Módulo Geral é composto pelos custos diretos de: terreno, cercas, terraplenagem, drenagem, grama,
embritamento, arruamento, iluminação do pátio, proteção incêndio, sistema abastecimento de água, sistema
de esgoto, malha de terra, canaletas principais, acessos, edificações, serviço auxiliar, área industrial, sistema
de ventilação e ar condicionado, sistema de comunicação, sistema de ar comprimido e canteiro de obras.
Os serviços auxiliares, sistemas de água e incêndio, edificações da subestação (casa de comando, casa de
relés, guaritas), acesso, área industrial, sistema de ventilação e ar condicionado, sistema de comunicação, e
canteiro de obras podem ser compartilhados com outra(s) transmissora(s). Não há impedimento, nestes
casos, a que a transmissora atenda as suas necessidades de forma autônoma, observando sempre a
adequada prestação do serviço público de transmissão de energia elétrica, Cláusula Terceira do Contrato de
Concessão.

15
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

3.2 ARRANJO DE BARRAMENTOS


O arranjo de barramentos nas subestações Xingu e Estreito é do tipo disjuntor e meio (DJM).
Na SE Xingu as instalações do Bipolo 1, objeto desta licitação, deverão ser implementadas a partir da
extremidade do barramento, no sentido oposto a localização das linhas Tucurui – Xingu, deixando um vão
livre após o vão da LT 500 kV para SE Parauapebas C2, de acordo com o diagrama unifilar orientativo, Figura
nº 73 do Relatório R1. O número de vãos necessários às conexões dos equipamentos objeto deste Edital não
está limitado àqueles representados na citada figura. A TRANSMISSORA deverá acrescentar tantos vãos
quantos forem necessários, de acordo com o seu projeto, para atendimento aos requisitos deste ANEXO
6AB, inclusive com a aquisição de área de terreno adicional, se necessária.
Na SE Estreito a TRANSMISSORA tem liberdade para aquisição da área necessária a implantação deste
empreendimento, de um lado ou do outro da SE existente, respeitado os limites mínimos estabelecidos no
item 3.1. A Figura nº 77 do Relatório R1 ilustra uma das alternativas para expansão da SE Estreito. Qualquer
que seja a alternativa adotada pela TRANSMISSORA, o barramento deverá ser seccionado por um módulo
de manobra completo, incluindo disjuntores.

3.3 CAPACIDADE DE CORRENTE


3.3.1 CORRENTE EM REGIME PERMANENTE
Os barramentos das subestações devem ser dimensionados considerando a situação mais severa de
circulação de corrente, levando em conta a possibilidade de indisponibilidade de elementos da subestação e
ocorrência de emergência no Sistema Interligado Nacional – SIN, no horizonte de planejamento.
No caso da subestação existente, se a máxima corrente verificada for inferior à capacidade do barramento, o
trecho de barramento associado a este empreendimento deverá ser compatível com o existente.
Caso a TRANSMISSORA verifique a superação da capacidade de equipamentos das subestações existentes,
deverá informar a ANEEL imediatamente, para providências.
A TRANSMISSORA deve informar a capacidade de corrente dos barramentos, para todos os níveis, rígidos
ou flexíveis, para a temperatura de projeto.
Cabe a TRANSMISSORA estabelecer a corrente nominal para os seus disjuntores, chaves seccionadoras e
transformadores de corrente, com base em resultados de estudos de Fluxo de Potência de Barramentos (vide
item 14.5.21). Entretanto não será aceito valor de corrente nominal inferior a 4 kA nas subestações de Xingu
e Estreito.

3.3.2 CAPACIDADE DE CURTO-CIRCUITO


Os equipamentos, barramentos e demais instalações, localizados nos pátios CA das subestações na Xingu
500 kV e Estreito 500 kV devem suportar, no mínimo, as correntes de curto-circuito simétrica e assimétrica
relacionadas a seguir:
 Corrente de curto-circuito nominal: 63 kA na SE Xingu e 50 kA na SE Estreito;
 Valor de crista da corrente suportável nominal: 164 kA na SE Xingu e 130 kA na SE Estreito, com
fator de assimetria de 2,6.

16
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Poderá ser necessário o atendimento a fatores de assimetria superiores àqueles acima definidos em função
dos resultados dos estudos, considerando inclusive o ano horizonte de planejamento, a serem realizados pela
TRANSMISSORA, conforme descrito no item 14.5.17 deste ANEXO 6AB.

3.3.3 SISTEMA DE ATERRAMENTO


O projeto das subestações deve atender ao critério de um sistema efetivamente aterrado, ou seja, uma
relação X0/X1 de no máximo 3 (três).

3.4 SUPORTABILIDADE
3.4.1 TENSÃO EM REGIME PERMANENTE
O dimensionamento dos barramentos e dos equipamentos para a condição de operação em regime
permanente deve considerar o valor máximo de tensão de 550 kV para a tensão nominal de 500 kV.

3.4.2 ISOLAMENTO SOB POLUIÇÃO


As instalações CA devem ser isoladas de forma a atender às características de poluição da região na
sobretensão operativa máxima, conforme classificação contida na Publicação IEC 815 – Guide for the
Selection of Insulators in Respect of Polluted Conditions. Não será aceito valor inferior a 14 mm/kV de
distância mínima de escoamento.

3.4.3 PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS


O sistema de proteção contra descargas atmosféricas das subestações deve ser dimensionado de forma a
assegurar um risco de falha menor ou igual a uma falha por descarga por 50 (cinquenta) anos.
Além disso, deve-se assegurar que não haja falha de blindagem nas instalações para correntes superiores a
2 kA.
A proteção das edificações deve atender às prescrições da Norma Técnica NBR 5419.

3.5 EFEITOS DE CAMPOS


3.5.1 EFEITO CORONA
Os componentes das subestações, especialmente condutores e ferragens, não devem apresentar efeito
corona visual em 90% do tempo. Devem ser consideradas as condições atmosféricas predominantes na
região da subestação. A tensão mínima fase-terra eficaz para início e extinção de corona visual a ser
considerada no projeto para os pátios de 500 kV é de 350 kV.

3.5.2 RÁDIO INTERFERÊNCIA


O valor da tensão de rádio interferência, gerado pelos equipamentos, não deve exceder 2.500 V/m a 1 MHz,
para 110% da tensão nominal do sistema.
A relação sinal/ruído no limite da área da subestação deve ser de, no mínimo, 24 dB para 50% do período de
um ano. O sinal adotado para o cálculo deve ser o nível mínimo de sinal na região de implantação da

17
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

subestação, conforme resolução DENTEL ou sua sucessora, desde que não superior a 66 dB acima de 1
µV/metro a 1 MHz.

3.5.3 RUÍDO AUDÍVEL


O nível de ruído audível não deve exceder 56 DBA em qualquer ponto a partir do limite do terreno da
subestação.
Este valor não deverá ser ultrapassado sob tensão fase-fase de 550 kV e condição de chuva fina (0,00148
mm/min), considerando a operação do Bipolo 1 com potência nominal e a contribuição das instalações
incluídas na topologia existente quando de sua entrada em operação.

3.5.4 CAMPOS ELÉTRICO E MAGNÉTICO


Devem ser atendidas as exigências da Resolução Normativa ANEEL nº398, de 23 de março de 2010.

3.6 INSTALAÇÕES ABRIGADAS


Todos os instrumentos, painéis e demais equipamentos dos sistemas de proteção, comando, supervisão e
telecomunicação devem ser abrigados e projetados segundo as normas aplicáveis, de forma a garantir o
perfeito desempenho destes sistemas e sua proteção contra desgastes prematuros.
Em caso de edificações, é de responsabilidade da TRANSMISSORA seguir as posturas municipais aplicáveis
e as normas de segurança do trabalho.

18
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

4 EQUIPAMENTOS EM CA
4.1 DISJUNTORES
(a) Os disjuntores do pátio de 500 kV deverão ser especificados com um fator de primeiro polo de 1,50.
(b) Disjuntores localizados no mesmo vão dos disjuntores dos bancos de filtros do elo CC, deverão ter as
mesmas características dos disjuntores responsáveis pela manobra dos filtros.
(c) O ciclo de operação dos disjuntores deve atender aos requisitos das normas aplicáveis.
(d) O tempo máximo de interrupção para disjuntores classe de tensão de 500 kV deve ser de 2 ciclos e
para as classes de tensão de 230 kV e 138 kV deve ser de 3 ciclos.
(e) Os disjuntores devem ter dois circuitos de disparo independentes, lógicas de detecção de
discrepância de polos e acionamento monopolar. O ciclo de operação nominal deve ser compatível
com a utilização de esquemas de religamento automático tripolar e monopolar.
(f) Caberá à TRANSMISSORA fornecer disjuntores com resistores de pré-inserção ou com mecanismos
de fechamento ou abertura controlados, adequadamente dimensionados em função de seus estudos
de sobretensões. Os dados relativos aos dispositivos de manobra controlada efetivamente utilizados,
incluindo a sua modelagem, devem ser disponibilizados ao ONS na fase de estudos operacionais.
(g) Os disjuntores devem ser especificados para operar quando submetidos às solicitações de manobra
determinadas nos estudos previstos nos itens 14.5.20 e 14.6.3. O disjuntor deve manobrar linhas em
vazio sem reacendimento do arco.
(h) Os disjuntores que manobrem banco de capacitores em derivação e filtros devem ser do tipo de
“baixíssima probabilidade de reacendimento de arco”, classe C2 conforme norma IEC 62271-100.
(i) Os disjuntores devem ser especificados para abertura de corrente de curto-circuito nas condições
mais severas de X/R no ponto de conexão do disjuntor, condições estas que deverão ser identificadas
pelo Agente. Em caso de disjuntores localizados nas proximidades de usinas geradoras, especial
atenção deve ser dada à determinação da constante de tempo a ser especificada para o disjuntor;
(j) Os disjuntores devem ter capacidade de manobrar outros equipamentos ou linhas de transmissão
existentes na subestação onde estão instalados, em caso de faltas nesses equipamentos seguidas de
falha do disjuntor próprio do equipamento, considerando inclusive disjuntores em manutenção;
(k) Caso sejam utilizados disjuntores para a manobra de reatores em derivação, os mesmos devem ser
capazes de abrir pequenas correntes indutivas e ser especificados com dispositivos de manobra
controlada.
(l) Nos casos em que forem utilizados mecanismos de fechamento ou abertura controlados devem ser
especificadas a dispersão máxima dos tempos médios de fechamento ou de abertura, compatíveis
com as necessidades de precisão da manobra controlada.

4.2 SECCIONADORAS, LÂMINAS DE TERRA E CHAVES DE ATERRAMENTO


Estes equipamentos devem atender aos requisitos das normas IEC aplicáveis. Devem também ser capazes
de efetuar as manobras listadas nos itens 14.5.20 e 14.6.3, quando aplicável.

19
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

As seccionadoras devem ser especificadas com, pelo menos, a mesma corrente nominal utilizada pelos
disjuntores aos quais estejam associadas.
A TRANSMISSORA deve especificar o valor de crista da corrente suportável nominal (corrente de curto-
circuito assimétrica) e a corrente suportável nominal de curta duração (corrente de curto simétrica)
respeitando os valores mínimos dispostos no item 3.3.2.
Fatores de assimetria superiores ao indicado em 3.3.2 poderão ser necessários, em função dos resultados
dos estudos a serem realizados pela TRANSMISSORA, descritos nos itens 14.5.20 e 14.6.3 deste ANEXO
6AB.
As lâminas de terra e chaves de aterramento das linhas de transmissão devem ser dotadas de capacidade de
interrupção de correntes induzidas de acordo com a norma IEC 62271-102.
Esses equipamentos devem ser dimensionados considerando a relação X/R do ponto do sistema onde serão
instalados.

4.3 PARA-RAIOS
Deverão ser instalados para-raios nas entradas de linhas de transmissão, nas conexões de unidades
transformadoras de potência, de reatores em derivação, bancos de filtros e de bancos de capacitores não
autoprotegidos. Os para-raios devem ser do tipo estação, de óxido de zinco (ZnO), adequados para
instalação externa.
Os para-raios devem ser especificados com uma capacidade de dissipação de energia suficiente para fazer
frente a todas as solicitações identificadas nos estudos descritos nos itens 14.5.20 e 14.6.3 deste ANEXO
6AB.
A TRANSMISSORA deverá informar, no Projeto Básico Etapa de Concepção, os valores de catálogo da
família dos para-raios escolhidos para posterior utilização no empreendimento, em caso de indisponibilidade
dos dados finais do fornecimento.
As seguintes características devem ser explicitadas: tensão nominal, rating, capacidade de absorção em
kJ/kV, curva de descarga VxI (manobra, surto atmosférico e frente íngreme), bem como as características de
TOV. A curva VxI deve ser informada também em forma de pares de pontos.

4.4 TRANSFORMADORES DE CORRENTE E POTENCIAL


As características dos transformadores de corrente e potencial, como: número de secundários, relações de
transformação, carga, exatidão, etc., devem satisfazer as necessidades dos sistemas de proteção e de
medição das grandezas elétricas e medição de faturamento, quando aplicável.
Os transformadores de corrente devem ter enrolamentos secundários em núcleos individuais e os de
potencial devem ter enrolamentos secundários individuais e serem próprios para instalação externa.
Os núcleos de proteção dos transformadores de corrente devem possuir classe de desempenho TPY ou TPZ,
conforme estabelecido na Norma IEC 60.044-6 1992 (Instrument transformers - part 6: Requirements for
protective current transformers for transient performance), considerando a constante de tempo primária
(relação X/R) do ponto de instalação e o ciclo de religamento previsto, para que esses núcleos não saturem
durante curto-circuitos e religamentos rápidos.

20
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

A TRANSMISSORA deve especificar transformadores de corrente com o valor de crista da corrente


suportável nominal (corrente de curto-circuito assimétrica) e a corrente suportável nominal de curta duração
(corrente de curto simétrica) que respeitem o disposto no item 3.3.2.
Fatores de assimetria superiores ao indicado em 3.3.2 poderão ser necessários, em função dos resultados
dos estudos a serem realizados pela TRANSMISSORA, descritos nos itens 14.5.20 e 14.6.3 deste ANEXO
6AB.

4.5 EQUIPAMENTOS DE SERVIÇOS AUXILIARES


Os serviços auxiliares compreendendo entre outros, os sistemas de água e incêndio, sistema de ventilação e
ar condicionado devem ser projetados para não causar interrupção ou limitação na capacidade de
transmissão do elo CC, no caso de indisponibilidade de uma das fontes de alimentação.
Os serviços auxiliares CA devem ter duas fontes de alimentação, sendo uma fonte local externa à subestação
e outra do terciário da transformação da subestação. Caso a subestação não tenha transformação, as duas
fontes de alimentação devem ser externas de subestações distintas.
Em caso de falta de tensão na fonte de alimentação em operação, deve ser previsto um sistema para realizar
a transferência automática das cargas para a outra fonte, que deve estar operando normalmente.
Os serviços auxiliares CA devem ter – para casos de falta de tensão nas duas fontes de alimentação CA
preferenciais – grupo motor-gerador com partida automática e capacidade para alimentação das cargas
essenciais da SE. Cargas essenciais são aquelas necessárias para iniciar o processo de recomposição da SE
em caso de desligamento total ou parcial. Estes grupos motor-gerador devem estar sempre disponíveis e
prontos para operar imediatamente por tempo indeterminado.

4.5.1 UNIDADES TRANSFORMADORAS DE POTÊNCIA


Caso a TRANSMISSORA opte por instalar unidades transformadoras de potência dedicadas para
atendimento dos serviços auxiliares, deverá apresentar a sua especificação no Projeto Básico Etapa de
Concepção.
Devem ser informados os níveis de tensão dos diversos enrolamentos, as reatâncias, os níveis de curto-
circuito para os quais a transformação for dimensionada, as perdas previstas no ferro e no cobre (em vazio e
sob carga) e a curva de saturação prevista (joelho e reatância de núcleo de ar - Xac). As perdas elétricas
desta transformação devem ser consideradas no cálculo das perdas totais do Elo CC, definidas no item
5.5.15.

21
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

5 CASA DE VÁLVULAS E EQUIPAMENTOS DO ELO CC


5.1 DEFINIÇÕES BÁSICAS
5.1.1 FILTROS E COMPENSAÇÃO REATIVA
(a) A compensação reativa poderá ser composta por capacitores, reatores e filtros.
(b) A maior unidade de agrupamento de compensação reativa e/ou filtros é o banco. Um banco pode ser
composto de um ou mais sub-bancos. O sub-banco pode ser composto por um ou mais ramos.
(c) Tanto o banco quanto os sub-bancos devem ser manobráveis por disjuntor e possuir seus próprios
TCs. Caso o sub-banco seja composto por apenas um ramo, este ramo será manobrável pelo
disjuntor do próprio sub-banco.
(d) O ramo pode ser constituído por filtro (sintonia simples ou múltipla) ou por compensação reativa
(capacitiva ou indutiva).

5.1.2 VÁLVULAS DE CONVERSÃO CA/CC/CA


Válvula é o conjunto de tiristores e componentes associados que formam 1/12 de uma ponte conversora de
12 pulsos.

5.2 TEMPERATURAS DE PROJETO DAS CONVERSORAS


Deve ser possível transmitir a potência nominal, de forma permanente, ao longo do ano, considerando todos
os conversores em funcionamento, para as condições de temperaturas ambientais abaixo indicadas, sem uso
da redundância de refrigeração, a saber:
 SE Xingu: 40º C
 SE Estreito: 40º C

Os valores de temperaturas foram baseados em medições obtidas em estações meteorológicas do Instituto


Nacional de Meteorologia (INMET) próximas aos locais de implantação das subestações conversoras deste
empreendimento. As temperaturas dadas são valores mínimos a serem utilizados pela Transmissora, o que
não a exime do atendimento aos demais requisitos deste Edital, especialmente os requisitos de confiabilidade
e disponibilidade.

5.3 DADOS DE FREQUÊNCIA E TENSÃO CA PARA PROJETO


Para dimensionamento e desempenho dos equipamentos do Elo CC a TRANSMISSORA deverá considerar
os seguintes dados da rede CA:

5.3.1 FREQUÊNCIA
A frequência nominal no lado CA do SIN é de 60 Hz, podendo excursionar transitoriamente de 56 Hz até
66 Hz e o elo CC deverá ser dimensionado para operar, sem bloqueios, nesta faixa de frequência.
(a) Faixa de frequência de regime permanente: 59,8 a 60,2 Hz;
(b) Faixas de variação transitória de frequência:

22
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 56,0 Hz até 59,8 Hz por até 20 (vinte) segundos;


 60,2 Hz até 66,0 Hz por até 20 (vinte) segundos.
A primeira faixa deverá ser utilizada para os cálculos de desempenho dos equipamentos e ambas as faixas
deverão ser utilizadas para o cálculo do dimensionamento de seus componentes (ratings).

5.3.2 TENSÃO CA
A tensão nominal do lado CA nas subestações Xingu e Estreito é de 500 kV.
O dimensionamento do elo e de sua compensação reativa, em ambas as estações conversoras, deverá ser
feito de modo a que seja possível operá-lo continuamente, sem restrições, atendendo ao valor máximo de
550 kV e ao valor mínimo de 475 kV.

5.4 VALORES NOMINAIS


5.4.1 TENSÃO CC
As conversoras, nos terminais Xingu e Estreito, devem ser especificadas com uma tensão CC nominal de 800
kV.
A tensão nominal CC deve corresponder ao valor médio da tensão no terminal retificador, medida no ponto de
conexão entre o reator de alisamento e a linha CC, necessária para transmitir continuamente a potência
nominal com corrente nominal, conforme definidos a seguir.
Admite-se a operação com valores de tensão CC superiores ao valor nominal, desde que respeitada à
máxima suportabilidade de projeto da linha CC. Este valor deve ser informado pela Transmissora, no Projeto
Básico Etapa de Concepção.

5.4.2 POTÊNCIA DO ELO CC


A potência nominal do elo CC é a potencia em regime contínuo no terminal CC em operação bipolar, medida
entre o reator de alisamento e a linha CC, no lado de maior capacidade operando como retificador.
Para a transmissão no sentido da SE Xingu para a SE Estreito, a potencia nominal do retificador deverá ser
de 4.000 MW, considerando a tensão de 800 kV CC no retificador. Nesta condição de operação, a potência
nominal do terminal inversor, na SE Estreito, deverá ser de, no mínimo, 3.850 MW.
Para a transmissão no sentido da SE Estreito para a SE Xingu, a potencia nominal do retificador deverá ser
de 3.270 MW, considerando tensão de 800 kV no retificador.
A resistência total máxima estimada da linha CC, considerando 50º C de temperatura no condutor e
frequência de 0 Hz, é de 14,06 Ohms (vide item 9.2.4), considerando-se o comprimento de 2092 km. O valor
de resistência deverá ser calculado, pela Transmissora, para a temperatura de operação à potência nominal
do elo CC.
O elo CC deve ser dimensionado de forma que seja possível operá-lo, na faixa de tensão CA definida no item
5.3.2 com um nível mínimo de potência a ser transmitida, em operação bipolar, no sentido da SE Xingu para a
SE Estreito de 400 MW e de 327 MW no sentido da SE Estreito para a SE Xingu.

23
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

5.4.3 CORRENTE
São os seguintes os valores de corrente nominal do elo CC:
 2.500 A no sentido de transmissão da SE Xingu para a SE Estreito;
 2.044 A no sentido de transmissão da SE Estreito para a SE Xingu.

5.5 REQUISITOS MÍNIMOS


5.5.1 INTERCÂMBIO DE POTENCIA REATIVA ENTRE OS SISTEMAS CA E CC
As estações conversoras, das SEs Xingu e Estreito, devem ser equipadas com os equipamentos de
compensação reativa necessários à sua operação, desde a condição de bloqueio até a de plena carga, para
os modos de operação definidos no item 5.5.3, em qualquer situação operativa (com a rede CA adjacente em
condição íntegra ou degradada dentro das faixas de potência de curto-circuito definidas no item 2.2, com fluxo
transmitido em ambos os sentidos considerando os níveis de frequência e tensão das barras CA nas faixas
descritas nos itens 5.3.1 e 5.3.2).
Para a operação com a tensão CA de 475 kV, o atendimento aos requisitos de intercâmbio de potência
reativa deve ser garantido com a presença de todos os sub-bancos. Para tensões no restante da faixa de
tensão CA de operação, o atendimento aos requisitos deve ocorrer mesmo na ausência do maior sub-banco.
O limite de fornecimento de potência reativa do sistema CA para o elo CC, na SE Estreito é de no máximo 30
MVAr, nas condições supramencionadas.
O limite de fornecimento de potência reativa do sistema CA para o elo CC na SE Xingu, quando transmitindo
no sentido da SE Xingu para a SE Estreito, é de 740 MVAr, independentemente da tensão de operação. Para
transmissão em sentido contrário, este valor fica limitado em 395 MVAr.
O atendimento a estes requisitos deve ser garantido considerando-se todas as tolerâncias de fabricação e de
medição que impactem no consumo de potência reativa.
O limite de injeção de potência reativa do sistema CC para o sistema CA é de 390 MVAr, medido na SE
Xingu, e de 350 MVAr, medido na SE Estreito, para qualquer valor de potência transmitida, independente da
tensão de operação.
Caso seja utilizado o controle da conversora, como recurso quanto à absorção de reativos, para limitar o
intercâmbio de potência reativa entre as redes CA e CC, este procedimento não deverá ocasionar interações
indesejáveis para a coordenação do controle de ambos os lados (retificador e inversor) do elo CC.

5.5.2 CAPACIDADE DE SOBRECARGA DAS CONVERSORAS


Os conversores devem ser capazes de suportar, a qualquer momento, respeitando a periodicidade
estabelecida no parágrafo a seguir, nos modos de operação descritos no item 5.5.3, os seguintes tipos de
sobrecarga, sem perda de vida útil, nas condições de temperatura ambiente para as quais é possível a
transmissão da potência nominal do bipolo:
(a) Sobrecarga de longa duração de 33% da potência nominal em cada polo por 30 minutos;
(b) Sobrecarga de longa duração de 33% da potência nominal no Bipolo 1 por 30 minutos sem
sobredimensionamento da compensação reativa em função desta sobrecarga;

24
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

(c) Sobrecarga de curta duração de 50% da potência nominal de cada polo e do bipolo por 5 segundos.
Após estes 5 segundos este valor de sobrecarga deve ser reduzido para 33% da potência nominal
em rampa suave até o valor de sobrecarga de longa duração. Rampa suave significa uma taxa
decaimento da potência que não implique em perturbação ao SIN. Esta taxa deve ser determinada
em estudos realizados pela TRANSMISSORA e apresentados no Projeto Básico Etapa de
Concepção;
(d) Sobrecarga de longa duração por 4 horas de 10% da potência nominal do bipolo, referida à potência
de 3.270 MW, na operação de transmissão da SE Estreito para a SE Xingu, sem
sobredimensionamento da compensação reativa em função desta sobrecarga.
Os equipamentos deverão ser concebidos de forma a permitir uma periodicidade, entre a aplicação de dois
ciclos de sobrecarga de longa duração, de 24 (vinte e quatro) horas, limitado a 20 eventos por ano, com no
máximo 10 eventos por ano em operação monopolar com retorno pela terra.
A TRANSMISSORA deve informar à ANEEL, no Projeto Básico Etapa de Detalhamento, a capacidade de
sobrecarga em baixa temperatura ambiente, também de caráter contínuo, do elo CC, para temperaturas
ambientes inferiores àquela considerada no dimensionamento para a operação com tensão e potencia
nominal, sem perda de vida útil desse elo, com e sem redundância de refrigeração das válvulas.
Os filtros devem ser dimensionados (ratings) para suportar o aumento da geração de harmônicas para a
operação nas condições de sobrecarga mencionadas acima.
O nível das distorções harmônicas geradas pela conversora nas condições operativas definidas acima, assim
como o reativo adicional a ser absorvido pela conversora nestas condições de operação, deve ser informado
pela TRANSMISSORA.

5.5.3 MODOS DE OPERAÇÃO


Resume-se a seguir os principais modos de operação a serem implementados no Bipolo 1, Xingu - Estreito:
TABELA 5.1 – MODOS DE OPERAÇÃO
Modos de Operação Requisitos para
Fluxo em qualquer sentido: Xingu – Estreito ou Estreito - Xingu o Retificador e
para o Inversor
Bipolar com Tensão Nominal A
Bipolar com Tensão Reduzida (de 70% a 95%) B
Monopolar com Tensão Nominal (retorno metálico) A
Monopolar com Tensão Nominal (retorno pelo solo) A
Monopolar com Tensão Reduzida (retorno metálico) B
Monopolar com Tensão Reduzida (retorno pelo solo) B
Sobrecarga “Contínua” Low Ambient (operação bipolar ou monopolar) B
Sobrecarga de Longa Duração (operação bipolar ou monopolar) B
Sobrecarga de Curta Duração (operação bipolar ou monopolar) B

Definições:
(a) A – Devem atender aos requisitos de intercâmbio de potência reativa descritos em 5.5.1 e ao
dimensionamento previsto em 5.5.13.

25
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

(b) B – Deve atender os mesmos requisitos do item A, porém sem a necessidade de atender aos
requisitos de intercâmbio de potência reativa entre os sistemas CC e CA definidos em 5.5.1.
A Transmissora deve informar, no Projeto Básico Etapa de Concepção, o balanço de potência reativa na
barra terminal CA, quando da operação com tensão CC reduzida (de 70% a 95%) e potência CC transmitida
inferior a nominal.

5.5.4 CHAVEAMENTOS NO PÁTIO CC:


A TRANSMISSORA deve fornecer as seguintes chaves no pátio CC, ilustradas na Figura 5.1:
(a) Dispositivos MRTB (Metallic Return Transfer Breaker) e GRTS (Ground Return Transfer Switch). Estes
dispositivos deverão ser instalados de maneira a permitir a continuidade da transmissão durante a
transferência programada entre os modos de operação monopolar com retorno pela terra para a
operação monopolar com retorno metálico e vice-versa;
(b) Dispositivos NBGS (Neutral Bus Grounding Switch), em ambas as subestações, Xingu e Estreito, com a
finalidade de permitir, sem restrição de tempo, a continuidade da transmissão bipolar no caso da perda
e/ou indisponibilidade do eletrodo ou da linha do eletrodo. Esta chave deverá ser equipada com
dispositivo que permita a comutação da corrente para a linha do eletrodo após o retorno em operação
deste elemento ou do próprio eletrodo;
(c) Uma conexão na SE Xingu, para possibilitar a interligação entre a sua linha do eletrodo e a linha do
eletrodo do futuro bipolo Xingu – Terminal Rio, incluindo as chaves e todos os demais equipamentos
necessários ao seu bom funcionamento. Estas ligações têm por finalidade permitir a utilização cruzada
de eletrodos em caso de manutenção ou perda de um deles ou de sua respectiva linha de eletrodo;
(d) Chaves NBS (Neutral Bus Switch), isoladoras nas entradas da linha CC e outras chaves, incluindo as de
aterramento, de maneira a permitir a segurança necessária aos trabalhos de campo nas estações
conversoras.

FIGURA 5.1 – ESQUEMA DE CHAVES CC

26
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

5.5.5 OPERAÇÃO COM RETORNO PELA TERRA


A TRANSMISSORA deve viabilizar a operação do elo CC com retorno pela terra, demonstrando que serão
evitados, por medidas a serem implementadas pela própria TRANSMISSORA, consequências danosas às
conversoras, oleodutos, gasodutos, ferrovias, transformadores ou estruturas metálicas na área de influência
do empreendimento;
O projeto deve minimizar os efeitos ambientais, relativos à interferência telefônica, associados à operação
monopolar.
A TRANSMISSORA será responsável perante os proprietários das instalações afetadas, pela implementação
das medidas corretivas eventualmente necessárias, devendo manter a ANEEL informada do andamento
destas medidas.
Deve ser avaliada e explicitada, no projeto do eletrodo, a interferência advinda da operação monopolar com
retorno pela terra do Bipolo 1 na operação do Bipolo 2, bem como previstos eventuais efeitos advindos da
entrada do segundo bipolo na operação do primeiro, com foco especial na saturação dos transformadores
conversores.

5.5.6 VÁLVULAS CONVERSORAS CA/CC/CA


A Transmissora deve estabelecer as solicitações de correntes máximas de curto-circuito (em kA pico) sobre
as válvulas, durante curto-circuito na ponte, com bloqueio das mesmas (um ciclo de sobrecorrente) e sem
bloqueio (3 ciclos de sobrecorrente). Estes valores devem ser documentados e fundamentados. Esta
fundamentação pode ser feita por meio analítico ou por simulação. Cabe a TRANSMISSORA, demonstrar no
Projeto Básico Etapa de Concepção a obtenção dos valores calculados.
O dimensionamento para curto-circuito máximo das válvulas CA/CC, tiristores e demais equipamentos do
pátio CC deve partir da premissa que será aplicado, no pátio CA, a mesma solicitação de curto utilizada para
o dimensionamento dos disjuntores do pátio CA, conforme definido na Tabela 2.3.
Deverá ser definido, pela TRANSMISSORA, um nível mínimo de redundância de tiristores, por válvula, que
não deverá ser inferior a 3,0%.
Será admitida, no projeto de dimensionamento das válvulas, a utilização de disparo protetivo apenas como
proteção secundária da válvula, cabendo aos para-raios das mesmas, a função de proteção principal contra
sobretensões, independentemente se a válvula pertence à estação retificadora ou inversora, conforme
definido no item 5.5.10 - Coordenação de Isolamento.

5.5.7 INTERFERÊNCIA EM RÁDIO E EM ONDA PORTADORA


As conversoras devem ser projetadas de maneira que os níveis de interferência em rádio (Radio Interference
– RI) das radiações eletrostática e eletromagnética geradas, para qualquer condição operativa, pelos
conversores, pelos seus periféricos e pelas linhas de transmissão CC e CA delas derivadas não afetem
equipamentos de telecomunicações da rede básica e não excedam os limites da norma NBR 5356 da ABNT,
sem a necessidade de qualquer blindagem na área externa da conversora.
As conversoras devem ser projetadas para limitar as interferências na faixa de 30 kHz a 500 kHz, provocadas
pela estação conversora no sistema de onda portadora das linhas de transmissão da rede básica, a 20 dB
abaixo do nível de sinal.

27
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

5.5.8 TRANSFORMADORES CONVERSORES


A TRANSMISSORA deverá informar, no Projeto Básico Etapa de Concepção, os dados referentes às tensões
e número de enrolamentos, à potência do transformador, tipos de refrigeração e estágios, dados de
coordenação de isolamento, curva de saturação com indicação clara do joelho e da reatância de núcleo de ar,
impedância de todos os enrolamentos, perdas totais, tapes variáveis em vazio e a faixa de tapes comutáveis
sob carga. A curva de saturação deve ser disponibilizada em escala legível e também por pares de pontos.
Deve ser minimizada a circulação de corrente contínua nos enrolamentos dos transformadores conversores,
de forma a evitar interferências indesejáveis no controle das conversoras e na vida útil dos transformadores. A
Transmissora deve quantificar e informar o valor máximo tolerável de corrente contínua circulando nos
transformadores conversores, injetada no neutro e/ou proveniente da circulação nos enrolamentos
secundários devido a desequilíbrios no sistema de disparo dos tiristores ou, ainda, corrente de 60 Hz induzida
circulando na linha CC.
No caso da SE Xingu, onde a alternativa de referência prevê dois elos CC, o projeto deverá prever a
possibilidade de operação do elo adjacente durante operação monopolar com retorno pelo solo e os possíveis
efeitos da saturação do núcleo por excesso de circulação de corrente contínua de seus transformadores
conversores advinda de tal fato. Desta forma, o projeto do Bipolo 1 deverá prover uma margem de segurança
para acomodar a operação conjunta com o Bipolo 2.

5.5.9 REATOR DE ALISAMENTO


Os reatores de alisamento devem ser projetados para desempenhar as seguintes funções:
 Reduzir o valor do ripple da tensão CC;
 Limitar o crescimento da corrente CC devido a variações bruscas nas tensões CA ou CC;
 Eliminar a ocorrência de corrente descontínua nas válvulas;
 Compor adequadamente com os filtros CC e impedânica da linha CC um circuito imune a
ressonâncias de baixa ordem (fundamental, segunda e terceira ordem) no circuito CC;
 Limitar adequadamente o valor da corrente de pico entrante nas válvulas devido a descargas
atmosféricas ocorridas na linha CC.
Cabe ainda à Transmissora, prever em seu escopo de fornecimento, pelo menos uma unidade reserva de
reator de alisamento por tipo utilizado, em cada estação conversora. Caso o projeto preveja a utilização de
dois reatores de alisamento, isolados para tensões diferentes ou de indutâncias diferentes, por estação,
deverão ser providas unidades reserva de cada um deles.
Estes requisitos devem ser demonstrados pelos estudos da Transmissora, no Projeto Básico Etapa de
Concepção, e incluídos no relatório específico sobre estudos de dimensionamento dos reatores de
alisamento, conforme indicado no item 14.5.11.

5.5.10 COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO


Para a coordenação de isolamento e proteção de equipamentos situados nos pátios CC e CA das estações
conversoras, devem ser utilizados pára-raios de ZnO.
O esquema de proteção contra sobretensões, os requisitos dos pára-raios, a metodologia de estudos e as
sobretensões a serem consideradas devem se basear na última versão das normas IEC-60071-1, 60071-2,
60071-4 e 60071-5.

28
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Os para-raios que tem por finalidade a proteção das válvulas de conversão CA/CC e CC/CA são responsáveis
pela proteção primária destes equipamentos. As válvulas devem contar, adicionalmente, com sistemas de
disparo protetivo que deverão ser ajustados, já considerando os tiristores redundantes by-passados e as
tolerâncias de fabricação e medição, em no mínimo, 5% acima do nível de proteção dos para-raios,
considerando-se surtos de manobra.
O dimensionamento do projeto de coordenação de isolamento do elo CC Xingu – Estreito deve levar em
conta, na sua concepção, a existência do elo CC Xingu – Terminal Rio, bem como as solicitações CA/CC
advindas da sua existência.
A TRANSMISSORA deverá fornecer, no Projeto Básico Etapa de Concepção, uma planilha que relacione toda
a cadeia de dimensionamento da coordenação de isolamento das válvulas, desde os níveis de tensão
operativa, sobretensões temporárias, overshoot de comutação, desequilíbrios de divisão de tensão entre
tiristores com a redundância “by-passada” até chegar nos níveis de proteção dos para-raios e do disparo
protetivo.
Para o dimensionamento dos para-raios e disjuntores do pátio CA e filtros a Transmissora deverá considerar
a aplicação e eliminação de faltas seguida de bloqueio do bipolo com a permanência dos filtros CA e
transformadores conversores em operação, de acordo com o procedimento indicado na referência
“Application guide for metal oxide arresters without gaps for HVDC converter stations. CIGRE Working Group
33/14-05, June 1988, EKSTROM, A”. Esta investigação deverá ser realizada para patamares de potencia
nominal CC transmitida pré-falta de 25%, 50%, 75% e 100% da potência nominal CC. Cabe a Transmissora
indicar, caso julgue necessário, outras situações críticas, específicas da aplicação, que terão de ser
avaliadas.
A Transmissora deve utilizar como margens de proteção/isolamento, no mínimo, os seguintes percentuais:
(a) Válvulas
 20 % para surtos de frente íngreme.
 15 % para surtos de manobra e surtos atmosféricos.
(b) Outros equipamentos da casa de válvulas CC
 25 % para surtos de frente íngreme.
 15 % para surtos de manobra e surtos atmosféricos.
(c) Equipamentos pátio CC, incluindo filtros CC e reator de alisamento
 25 % para surtos de frente íngreme.
 20 % para surtos atmosféricos.
 15 % para surtos de manobra.
(d) Transformadores Conversores (lado CC)
 25 % para surtos de frente íngreme.
 20 % para surtos atmosféricos.
 15 % para surtos de manobra.
(e) Transformadores Conversores (lado CA)
 Considerar a IEC 60071, última revisão.
(f) Equipamentos do Pátio CA (exceto filtros)

29
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 Considerar a IEC 60071, última revisão.


(g) Filtros CA
 20 % para surtos atmosféricos.
 15 % para surtos de manobra.
Para o dimensionamento da coordenação de isolamento do pátio CA devem ser considerados os seguintes
níveis de isolamento dos equipamentos nas subestações existentes, Xingu e Estreito, nos respectivos pátios
de 500 kV:
(a) SE Xingu:
 Surtos de Manobra – 1300 kV
 Surtos Atmosféricos – 1550 kV
(b) SE Estreito:
 Surtos de Manobra – 1300 kV
 Surtos Atmosféricos – 1550 kV

5.5.11 DISTANCIAS DE ESCOAMENTO


No cálculo da distância de escoamento a ser considerada para a definição dos isoladores de CA externos,
para a tensão máxima operativa, deve-se levar em conta as características de contaminação da região
conforme classificação contida na Publicação IEC/TR 608152.
Na definição das distâncias de escoamento específicas para o isolamento dos equipamentos para instalação
abrigada e sujeitos a tensão CC, deve ser seguida a norma IEC 60071-5. No entanto, devem ser respeitados
os seguintes valores mínimos para as distâncias de escoamento:
 Buchas CC: 50 mm/kV
 Instalação CC externa: 50 mm/kV
 Instalação CC abrigada: 20 mm/kV
Na definição das distâncias de escoamento específicas para o isolamento externo de equipamentos
desabrigados sujeitos à tensão CC+CA e CC, deve ser seguida a norma IEC 60071-5.

5.5.12 DESCARGAS ATMOSFÉRICAS


Atender ao disposto no item 3.4.3.

5.5.13 COMPENSAÇÃO REATIVA MANOBRÁVEL


A estação conversora deve ser equipada com os equipamentos de compensação reativa necessários à sua
operação, desde a condição de bloqueio até a de plena carga, em qualquer modo de operação previsto no
item 5.5.3, considerando os níveis de tensão e de frequência das barras CA nas faixas descritas nos itens
5.3.1 e 5.3.2, de modo a atender o disposto no item 5.5.1 deste documento. Esta compensação poderá ser
subdividida em bancos, sub-bancos e ramos de capacitores, reatores e filtros e deverá ser dimensionada
considerando a ausência de qualquer elemento manobrável, sub-bancos e ramos de capacitores, reatores e
filtros, desta compensação que produza a maior redução de reativos capacitivos. Devem ser considerados no

2 Guide for the Selection of Insulators in Respect of Polluted Conditions

30
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

cálculo do montante de potência reativa consumida todos os efeitos das tolerâncias existentes na fabricação
dos equipamentos e também nos equipamentos de medição e de controle, que levem a valores mais
conservativos.
O dimensionamento da compensação reativa, seu tipo e montante, deve respeitar os limites de autoexcitação
das máquinas síncronas, especialmente para as condições de rejeição de carga, para todas as condições de
operação do elo CC, com a SE Xingu operando como retificador. Adicionalmente, deve considerar de 1 até 18
máquinas operando em Belo Monte e as LTs 500 kV Xingu – Parauapebas, Xingu – Tucuruí e Xingu –
Jurupari desconectadas da SE Xingu.
A manobra de bancos, sub-bancos, capacitores, reatores e filtros na barra de CA da conversora não deve
provocar variação na tensão superior a 3,0% em relação à tensão pré-manobra mantendo-se a tensão final
dentro da faixa de tensão CA definida em 5.3.2, mesmo considerando o menor nível de curto-circuito
fornecido na Tabela 2.3. As manobras simultâneas desses equipamentos para atender a variação de tensão
não podem provocar perturbações operativas no elo CC nem na rede CA.
A abertura intempestiva do maior banco, mesmo para as condições mais degradadas da rede CA, não deve
causar falhas de comutação no Bipolo 1. Tal requisito deverá ser demonstrado, no Projeto Básico Etapa de
Concepção, por meio de avaliações em programas de transitórios eletromagnéticos.
Caso a TRANSMISSORA opte pela variação do ângulo de disparo das válvulas, para limitar a variação de
tensão com a manobra de capacitores e/ou reatores, deverá demonstrar que esta manobra não prejudicará o
desempenho adequado do elo CC e do sistema CA adjacente às estações conversoras.
O atendimento aos requisitos de reativos e de regulação de tensão nas instalações do elo CC deve ser
demonstrado por meio de estudos de fluxo de potência/estabilidade, no Projeto Básico Etapa de Concepção,
para todas as condições possíveis de carga da conversora e para a condição de menor nível de curto-circuito
fornecido na Tabela 2.3. Esses estudos devem utilizar informações de carga ativa e reativa nas barras, de
limites de tensão e de potência reativa dos geradores próximos e de disponibilidade de reatores chaveáveis,
para viabilizar a integração da conversora à rede básica.
Não será necessário dimensionar compensação reativa adicional para as condições de operação definidas
como tipo “B” no item 5.5.3, sobrecargas e tensão reduzida, para efeito de controle de tensão. No entanto, a
potência reativa adicional a ser absorvida pela conversora, nestes modos de operação, deve ser informada
pela TRANSMISSORA.
Na SE Xingu, não será necessário dimensionar a compensação reativa para a operação com tensões
inferiores a 500 kV simultaneamente a ausência do maior sub-banco. Neste caso deve ser considerada a
presença de todos os bancos.

5.5.14 COMPENSAÇÃO REATIVA CONTROLÁVEL


Deve-se avaliar e dimensionar compensação controlável, caso necessário, por meio de utilização de
compensadores estáticos, síncronos ou statcoms, de forma a atender aos requisitos de desempenho e de
recuperação do Elo CC, conforme o item 8.1.2. Devem ser também atendidos os critérios estabelecidos no
item 5.7.2.
Neste caso as perdas elétricas associadas a estes equipamentos deverão ser consideradas para a
quantificação das perdas da instalação como um todo, que deverão respeitar os limites máximos definidos
para a estação conversora.

31
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

5.5.15 PERDAS NAS ESTAÇÕES CONVERSORAS


Em operação bipolar normal, com potência nominal, com qualquer sentido de fluxo, as perdas máximas
admissíveis em cada estação conversora (retificador ou inversor) não deverão ser superiores a 0,75% da
potência nominal da conversora, incluindo todos os equipamentos, sistemas e serviços auxiliares necessários
à operação da conversora que façam parte deste Edital. Estas perdas devem ser avaliadas considerando a
temperatura dada no item 5.2, que define a potência nominal do elo CC.
A TRANSMISSORA deverá apresentar, no Projeto Básico Etapa de Concepção, a memória de cálculo do
projeto demonstrando que o mesmo está compatível com os níveis de perdas definido neste ANEXO 6AB.
A TRANSMISSORA deverá, posteriormente, comprovar e garantir o atendimento a este requisito por meio de
ensaios executados pelo fornecedor, dos diversos componentes do elo CC. Os resultados destes testes
devem ser utilizados nos cálculos a serem apresentados como demonstração do atendimento ao nível
máximo de perdas estabelecido neste ANEXO 6AB, no Projeto Básico Etapa de Detalhamento.
A avaliação das perdas em operação deverá seguir a IEC 61803 (Determination of Power Losses in HVDC
Converter Stations).

5.5.16 DISPONIBILIDADE E CONFIABILIDADE DAS ESTAÇÕES CONVERSORAS


A disponibilidade média anual de transmissão de potência do elo CC deve ser no mínimo de 99%, incluindo
as saídas programadas e forçadas. A disponibilidade deve ser calculada em conformidade com a versão mais
recente da publicação IEC 60919-1.
Para cálculo da disponibilidade garantida considera-se o conjunto dos conversores localizados em ambos os
terminais da linha CC, bem como os respectivos transformadores conversores e demais equipamentos
necessários para a operação desses terminais, como disjuntores, filtros, equipamentos de medição,
síncronos.
A confiabilidade das conversoras inclui o número de saídas forçadas de pólo e bipolo. O número de saídas
forçadas de cada pólo deverá ser de, no máximo, 2,5 saídas por ano. O número de saídas forçadas de cada
bipolo não deverá ultrapassar 1 saída a cada 5 anos.

5.5.17 LOCALIZADOR DE FALTAS NA LINHA DO ELETRODO E NA LINHA DO BIPOLO 1


Devem ser instalados nas estações conversoras, das subestações Xingu e Estreito, equipamentos para
monitoração de faltas e de continuidade, em tempo real, nas linhas do eletrodo e na linha CC originárias
destas subestações.
Estes equipamentos devem possibilitar a imediata localização do ponto de defeito, com a máxima precisão
permitida pela tecnologia mais recente.

5.6 ASPECTOS DE DIMENSIONAMENTO


O elo CC deve ser dimensionado de forma a:
 Não permitir que sobretensões nele originadas ou por ele influenciadas, de caráter transitório ou
temporário, para qualquer condição operativa, exijam de equipamentos ou instalações do sistema CA
adjacente às estações conversoras desempenho acima da sua suportabilidade.

32
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 Limitar a máxima sobretensão temporária a 1,40 pu (fase-fase-eficaz), nas barras das subestações
Estreito e Xingu em 500 kV, considerando a situação de bloqueio total das conversoras, devendo ser
avaliado por meio de simulação no programa Anatem.
 Limitar o valor instantâneo máximo de sobretensões a 1,54 pu (pico fase-terra, 628,7 kVPICO) em até 3
ciclos de 60 Hz após o evento gerador da sobretensão, no momento da abertura dos filtros,
considerando a situação de bloqueio total das conversoras. Tal comportamento deve ser comprovado
por meio de simulação trifásica (ATP/PSCAD)..
A TRANSMISSORA deve:
(a) Considerar no cálculo das sobretensões instantâneas, o efeito das saturações dos transformadores
eletricamente próximos.
(b) Considerar que, para a abertura de correntes capacitivas pelos disjuntores do pátio CA das
subestações onde estão localizadas as conversoras, é necessário limitar o valor instantâneo máximo,
fase-terra, das sobretensões temporárias, no momento da abertura desses disjuntores a 628,7
kVPICO, para a operação com frequência nominal. Na frequência máxima, de 66 Hz, esse valor se
reduz para 571,5 kVPICO.(vide Submódulo 23.3, Tabela 5 e norma ABNT-IEC62271-100)
(c) Considerar que componente na frequência fundamental de sobretensões temporárias não deve
exceder a 1,25 pu (fase-fase), durante 1 (um) segundo.
(d) Sob o aspecto de sobretensões de manobra, considerar as situações que envolvam:
 Rejeições de carga nas LTs de CA derivadas da conversora, especialmente após curto-circuito;
 Aplicação e eliminação de faltas na rede CA;
 Injeção forçada de corrente no lado inversor sobre rede sem fontes e
 Bloqueio das conversoras e, consequente, retirada dos filtros.

5.7 OPERAÇÃO DO ELO CC – INTERAÇÃO CA-CC-CA


Devem ser atendidos os requisitos para elos CC constantes das últimas revisões das normas técnicas
nacionais e internacionais, especialmente das recomendações das normas IEC 60919-1, 60919-2 e 60919-3.
A operação do elo CC não deve causar perturbação na rede básica que se traduza em degradação da
qualidade da energia fornecida, em dificuldades no controle de oscilações de tensão e frequência ou em
riscos de danificação de equipamentos e instalações dessa rede, assim como em perturbações em seus
sistemas de telecomunicações.
Adicionalmente:
 A operação das conversoras não deve restringir a utilização de religamento monopolar ou tripolar
rápido nas linhas de CA da rede básica, exceto se existir apenas uma linha de corrente alternada
conectada a subestação inversora.
 A operação das conversoras, durante os processos de partida ou de recuperação após faltas, não
deve produzir oscilações perturbadoras na potência transmitida, na tensão ou na frequência.
Para possibilitar a operação adequada da rede básica, o elo CC deve atender às seguintes condições e
requisitos:

33
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

(a) Operar sem restrições, dentro da faixa operativa de potência especificada para as configurações
definidas pelos níveis de curto-circuito definidos no item 2.2, durante todas as etapas de implantação do
empreendimento, sem provocar oscilações perturbadoras de potência, tensão ou frequência.
(b) Permitir, em caso de indisponibilidade prolongada de qualquer um dos polos, a utilização das linhas CC
como retorno metálico, conforme definido no item 5.5.3.
(c) Auxiliar a rede básica no controle de oscilações eletromecânicas, por meio da modulação da potência
ativa e/ou potência reativa.
(d) Não submeter o sistema CA adjacente a instabilidades eletromecânica e de tensão, em qualquer
condição operativa do elo CC, seja em condição normal, seja em critério (n-1) da rede CA, inclusive
durante afundamento de tensão provocado por faltas.
(e) Ser projetado para possibilitar a manobra automática de elementos da compensação reativa
pertencentes ao elo CC para atingir os objetivos de controle de tensão e níveis de harmônicos no ciclo
de carga diário da conversora. Deve ser evitado hunting entre controles internos e/ou externos ao elo
que venha a produzir manobras intermitentes dos elementos de compensação reativa.
(f) Não causar perturbações de origem harmônica nas barras de CA das conversoras acima dos limites
individuais especificados no Submódulo 2.8 dos Procedimentos de Rede, para qualquer configuração
normal ou critério (n-1) da rede CA e/ou falha de componentes individuais do elo CC, com o elo
operando até a potência nominal.
(g) Manter, ao longo do contrato de concessão, o desempenho harmônico requerido para as condições de
máxima dessintonia dos filtros passivos associadas às condições mais severas de geração de correntes
harmônicas pelos conversores. Deve ser considerada a possibilidade de operação da rede CA com um
desbalanço máximo de sequência negativa de 2,0% (cf. Submódulo 2.8 dos Procedimentos de Rede).
Nos casos de filtros ativos ou passivos de sintonia automática, devem ser considerados os erros de
controle. O desempenho harmônico deve ser mantido para qualquer configuração normal ou em
contingência (fato já considerado no lugar geométrico da rede CA definido no item 2.1) e/ou falha
individual de componentes individuais do elo CC, com o elo operando até a potência nominal.
(h) O elo CC não deve permitir que operações do sistema de controle, manual ou automático, de elementos
manobráveis e/ou de comutadores automáticos de transformadores deem origem a manobras
intermitentes ou a oscilações anômalas na potência, na tensão ou na frequência, em qualquer condição
de configuração ou de operação da rede CA.
(i) O elo CC deve manter a transferência de potência, bem como a operação dos conversores, estáveis
para variações de frequência na faixa de 56 a 66 Hz e para qualquer distorção da forma de onda da
tensão de CA causada pela dessintonia dos filtros de CA ou pela perda de um banco de filtros.
(j) Não devem ocorrer interações perturbadoras na coordenação do controle de ambos os lados do elo CC,
advindas da utilização dos recursos de alteração de ângulo para efeito de controle de tensão/fluxo.

5.7.1 INTERAÇÃO CC – CC (MULTI-INFEED)


As conversoras das subestações Xingu e Estreito não devem prejudicar o desempenho normal e transitório
de outras conversoras eletricamente próximas já existentes (sistemas Madeira e Itaipu) ou projetada (Bipolo
2, Xingu – Terminal Rio), o que deverá ser demonstrado por meio de estudos específicos que incluam a
operação conjunta das conversoras afetadas (multi-infeed) e que considerem:

34
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 A possibilidade de defeitos nas proximidades, levando a instabilidade ou colapso de tensão.


 A recuperação simultânea de potência nos elos CC envolvidos, após a eliminação de faltas na rede
CA e
 A recuperação simultânea após faltas internas ao Bipolo 1 – neste caso falhas no controle CC e/ou
faltas na linha CC.

5.7.2 OPERAÇÃO DOS CONVERSORES DURANTE DEFEITOS NO SISTEMA


A tensão decorrente de aplicação de falta no sistema CA, na primeira oscilação após a sua eliminação, deve
ser de, no mínimo, 0,80 pu. Caso isto ocorra a TRANSMISSORA deverá implantar equipamento de
compensação reativa controlável, conforme item 5.5.14.
O elo CC deve ser capaz de se manter em operação com potência reduzida nas seguintes condições de
tensão no lado de CA da conversora:
 Tensão zero na fase sob defeito, para defeitos monofásicos, com duração máxima de 0,5 segundos;
 Tensão maior que 30% da nominal, para defeitos trifásicos, com uma duração máxima de 0,25
segundos.
Durante defeitos monofásicos na rede CA do retificador, o elo CC deve transmitir pelo menos 30% da
potência que estava sendo transmitida antes do distúrbio.

5.7.3 FALHAS DE COMUTAÇÃO


Devem ser implementadas no controle do elo CC estratégias para minimizar o risco de ocorrência de falhas
de comutação:
 A abertura intempestiva do maior banco, mesmo para as condições mais degradadas da rede CA,
não deve causar falhas de comutação no Bipolo1.
 Não deve haver falha de comutação para variações instantâneas de tensão CA do terminal inversor
inferiores a 7% da tensão pré-distúrbio, considerando que a tensão pré-distúrbio se encontra dentro
da faixa de tensão operativa;
 As manobras de energização e abertura de equipamentos no pátio CA e de linhas CA conectadas às
subestações Xingu e Estreito não devem provocar falhas de comutação;
 Não poderão ocorrer falhas de comutação durante o restabelecimento da tensão CA, após a
eliminação de falta ocorrida nesse sistema, devendo a recuperação da potência CC se dar conforme
o item 8.1.2
 O elo CC não deve apresentar, sob nenhuma hipótese de tensão CA dentro da faixa operativa
definida no item 5.3.2, falhas de comutação repetidas, em um mesmo evento.

35
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

6 FILTROS DE HARMÔNICAS
A Tabela 6.1 abaixo resume os modos de operação que deverão ser considerados para a avaliação e
dimensionamento dos filtros do lado CA e do lado CC.
TABELA 6.1 – MODOS DE OPERAÇÃO
Modos de Operação Requisitos para
Fluxo em qualquer sentido: Xingu – Estreito ou Estreito – Xingu o Retificador e
para o Inversor
Bipolar com Tensão Nominal A
Bipolar com Tensão Reduzida (de 70% até 95%) B
Monopolar com Tensão Nominal (retorno metálico) A
Monopolar com Tensão Nominal (retorno pelo solo) A
Monopolar com Tensão Reduzida (retorno metálico) B
Monopolar com Tensão Reduzida (retorno pelo solo) B
Sobrecarga “Contínua” Low Ambient (operação bipolar ou monopolar) C
Sobrecarga de Longa Duração (operação bipolar ou monopolar) C
Sobrecarga de Curta Duração (operação bipolar ou monopolar) C

As definições dos requisitos, nomeados através das letras A, B e C, conforme indicado na Tabela 6.1,
encontram-se descritas nos itens 6.1 (Filtros do Lado CA) e 6.2 (Filtros do Lado CC).

6.1 FILTROS DO LADO CA


O desempenho harmônico dos filtros deverá ser mantido para todas as etapas de implementação, bem como
ao longo do contrato de concessão referente às conversoras, conforme estabelecido no item do Submódulo
2.8 que trata dos limites individuais das distorções harmônicas de tensão, no ponto de acoplamento comum
(PAC), considerando as condições de máxima dessintonia dos filtros e às condições mais severas de geração
de correntes harmônicas pelos conversores.
O desempenho quanto à distorção harmônica, no ponto de acoplamento comum com a rede básica, deve ser
demonstrado por meio de estudos, ainda na Etapa de Concepção.
Nos casos de filtros ativos ou passivos de sintonia automática devem ser considerados os erros de controle.
No que diz respeito à medição e ao monitoramento, se aplicam os seguintes requisitos:
 Deverá ser realizada, pela TRANSMISSORA, nos barramentos CA da rede básica conectados à
subestação conversora, campanha de medição, conforme estabelecido no Submódulo 2.8, quando do
comissionamento, ou seja, antes da entrada em operação do sistema CCAT. Os resultados da
campanha de medição deverão ser encaminhados ao ONS.
 A TRANSMISSORA deve instalar um sistema de medição contínua, para monitoração das tensões
harmônicas no ponto de acoplamento comum e das correntes harmônicas injetadas na rede básica
por cada ponte conversora. Os instrumentos de medição deverão atender aos requisitos
estabelecidos na IEC 61000-4-30 para a categoria classe A. Os resultados destas medições deverão,
caso solicitados, ser disponibilizados ao ONS.
 Cada filtro deverá contar com sistemas de monitoração de corrente por meio direto e de
determinação da temperatura de seus componentes, por meio direto ou indireto, bem como com

36
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

sistemas de alerta e proteção adequados, de maneira a permitir que ações operativas possam ser
tomadas com a antecedência necessária.

6.1.1 REQUISITOS PARA O CÁLCULO DE DESEMPENHO


(a) Quanto aos modos de operação
Deverão ser considerados, para a avaliação do desempenho harmônico, os modos de operação das
conversoras relacionados na Tabela 6.1, com as seguintes definições dos requisitos:
A – Deve atender ao desempenho harmônico, conforme estabelecido no item do Submódulo 2.8 que trata
dos limites individuais das distorções harmônicas de tensão, no ponto de acoplamento comum, de acordo
com o lugar geométrico fornecido no item 2.1, e respeitar os limites de intercâmbio de potência reativa
definidos no item 5.5.1, considerando a indisponibilidade de qualquer sub-banco em toda a faixa de
potência do elo CC, até a potência nominal.
B – Deve atender ao desempenho harmônico, conforme estabelecido no item do Submódulo 2.8 que trata
dos limites individuais das distorções harmônicas de tensão, no ponto de acoplamento comum, de acordo
com o lugar geométrico fornecido no item 2.1, e respeitar os limites de intercâmbio de potência reativa
definidos no item 5.5.1, com todos os sub-bancos disponíveis.
C – O nível das distorções harmônicas geradas pela conversora nas condições de operação em
sobrecarga deve ser informado pela TRANSMISSORA, em qualquer modo ou combinação de modos
operativos disponíveis.
(b) Quanto à metodologia de cálculo
 A metodologia a ser adotada para o calculo da distorção harmônica no PAC deve representar a
instalação conversora através do seu equivalente Norton e a rede externa, vide Figura 6.1, através de
envelopes de impedância, na forma de setor circular. Outras metodologias poderão ser propostas
pela Transmissora, desde que apresentem comprovadamente resultados mais conservadores,.

ZREDE
FIGURA 6.1 – METODOLOGIA PROPOSTA

 As Tabelas do item 2.1 estabelecem os parâmetros ZMAX, ZMIN, AngMAX e AngMIN que definem os
envelopes representativos da rede CA externa a conversora, vistos dos terminais da SE Estreito e da
SE Xingu, para cada ordem harmônica a ser considerada no estudo de desempenho.
(c) Quanto às condições de dessintonia
Devem ser consideradas, na avaliação do desempenho dos filtros, as máximas condições de dissintonia,
incluindo: faixa de frequência estabelecida no item 5.3.1 (a), variações nos valores dos componentes dos
filtros com a temperatura e tolerâncias de fabricação, tapes para ajuste de sintonia e erros de medição. Com
exceção da variação de frequência, as demais variações deverão ser representadas através de alterações
nos valores nominais dos componentes dos filtros.

37
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

(d) Quanto ao cálculo das correntes harmônicas


 Para o cálculo do desempenho de filtros CA devem ser utilizadas as máximas correntes harmônicas
individuais injetadas pelos conversores para cada condição operativa do lado CC, conforme definido
na Tabela 6.1.
 Para o cálculo do desempenho de filtros CA, do ponto de vista da distorção total de tensão, poderão
ser utilizados conjuntos consistentes de correntes harmônicas injetadas pelos conversores para
qualquer condição operativa do lado CC, conforme definido na Tabela 6.1.
 Para o cálculo dos harmônicos característicos de 12 pulsos (12 h ± 1) deverá ser utilizado o método
determinístico, no qual as correntes dos terminais retificador e inversor serão obtidas de forma
independente, e os barramentos de conexão das estações conversoras com a rede básica são
considerados como barras infinitas (tensão puramente senoidal na frequência fundamental no lado de
alta do transformador conversor), buscando-se maximizar os resultados, considerando-se
combinações dos seguintes parâmetros:
i. Modos de operação, conforme indicado na Tabela 6.1;
ii. Toda a faixa de tensão CA definida no item 5.3.2;
iii. Valores extremos das reatâncias dos transformadores conversores na faixa estabelecida na
especificação dos transformadores conversores;
iv. Valores extremos dos ângulos de disparo (lado retificador) e extinção (lado inversor) na faixa
compatível com a operação do sistema CCAT.
 Para o cálculo dos harmônicos característicos não cancelados (6h ± 1, h ímpar) deverá ser utilizado o
método determinístico de cálculo, no qual as correntes dos terminais retificador e inversor serão
obtidas de forma independente, buscando-se maximizar os resultados, considerando combinações
dos seguintes parâmetros:
i. Considerar as combinações mais desfavoráveis dos parâmetros listados nos itens ii e iii
anteriores;
ii. Considerar as máximas diferenças nas reatâncias entre transformadores conversores, por
ponte de 12 pulsos, conforme estabelecido na especificação dos transformadores
conversores.
 Para o cálculo de harmônicos não característicos admite-se tratamento estatístico das seguintes
tolerâncias:
i. Distribuição estatística das diferenças entre os valores das reatâncias das fases dos
transformadores da ponte de 12 pulsos;
ii. Distribuição estatística das diferenças entre os valores dos instantes de disparo das válvulas;
iii. Diferenças nos valores das relações de transformação (tapes) entre fases dos
transformadores conversores;
iv. Desbalanço de tensão do sistema CA considerando a componente de sequencia negativa –
magnitude fixa (2,0%) e ângulo de fase variando de forma uniforme e randomicamente
distribuído entre 0 e 360 graus;

38
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

v. Para este tratamento, deverá ser observado um número mínimo de 500 combinações e o
valor extraído deve corresponder à probabilidade de 1,0% de ser excedido.
(e) Quanto ao cálculo dos indicadores TIF e IT
A TRANSMISSORA deverá informar o valor máximo dos indicadores TIF e produto IT resultantes do projeto
de filtros, considerando os modos de operação das conversoras relacionados na Tabela 6.1.

6.1.2 REQUISITOS PARA O CÁLCULO DO DIMENSIONAMENTO (RATING) DOS COMPONENTES DOS FILTROS
(a) Requisitos Gerais
 Os filtros deverão ser dimensionados para que não haja necessidade de desligamento por
sobrecarga mesmo em caso de operação com indisponibilidade de um sub-banco, nas condições
operativas definidas na Tabela 6.1.
 As capacidades nominais (ratings) dos componentes dos filtros devem ser dimensionadas para
suportar o aumento da geração de harmônicas para a operação nas condições não nominais
mencionadas no item 5.5.2.
 Os filtros em derivação utilizados devem ser capazes de operar sem qualquer dano durante:
i. Operação com a frequência nominal e para variações de frequência na faixa definida no item
5.3.1 (a);
ii. Operação com qualquer sub-banco pertencente ao Bipolo 1 fora de operação;
iii. Ressonância de filtros de mesma sintonia;
iv. Máxima tensão de emergência em regime permanente na rede CA (550 kV);
v. Condições de sobretensões dinâmicas incluindo ferrorressonâncias, rejeição de carga e
recuperação de faltas; e
vi. Todos os modos de operação descritos no item 5.5.3;
(b) Quanto ao dimensionamento dos componentes dos filtros em regime permanente
Para o cálculo do dimensionamento dos componentes dos filtros em regime permanente, deverão ser
considerados os seguintes requisitos:
 Utilizar as máximas correntes harmônicas individuais injetadas pelos conversores considerando, para
o seu cálculo, as mesmas condições estabelecidas no item 6.1.2 (d) iii, iv e v. Adicionalmente deverá
considerar:
i. Todos os modos de operação estabelecidos na Tabela 6.1;
ii. Desbalanço máximo de sequência negativa igual a 2,0%.
iii. A componente fundamental da tensão dos pátios 500 kV das SEs Estreito e Xingu igual a
550 kV.;
 Superpor às contribuições, provenientes dos conversores (In-interno) e provenientes da rede externa
(In-externo), de acordo com a expressão abaixo:

Int =

39
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

i. As contribuições das correntes harmônicas geradas pelos conversores serão determinadas


por meio da metodologia definida no item 6.1.2 (b), considerando os envelopes
estabelecidos nas Tabelas 2.1 e 2.2, do item 2.1, por meio dos parâmetros Zmax, Zmin,
Angmax e Angmin. A Transmissora deverá, adicionalmente, aplicar margens de projeto com
base na sua experiência.
ii. Para cálculo da contribuição das harmônicas (“background harmonic voltages”) provenientes
da rede externa, deverá ser utilizada a seguinte metodologia:
Aplicação direta, para cada uma das frequências consideradas (n=2 até n=50), de fontes
ideais de tensão harmônica nos terminais dos filtros. Os valores das fontes de tensão
deverão ser, necessariamente, iguais aos valores dos limites globais inferiores, conforme
estabelecido no item do Submódulo 2.8 que trata dos limites globais das distorções
harmônicas de tensão. Neste caso, deverão ser definidos conjuntos de valores individuais de
fontes de tensão harmônica que, para cada ramo de filtro ou filtro, resulte nos maiores
valores de dimensionamento de seus componentes, incluindo, necessariamente, em primeiro
lugar, a contribuição das fontes correspondentes à(s) sua(s) frequência(s) de sintonia e,
posteriormente, as frequências anterior e posterior àquela(s) frequência(s). A soma
quadrática (root sum square) das fontes de tensão a serem aplicadas a cada filtro não
deverá ser inferior ao valor de DTHT (distorção harmônica total) global inferior, conforme
estabelecido no item do Submódulo 2.8 que trata dos limites globais das distorções
harmônicas de tensão.
(c) Quanto ao cálculo do “rating” transitório
Na determinação do “rating” transitório e dos equipamentos para controle das sobretensões impostas aos
componentes dos filtros, deverão ser considerados, dentre outras condições, as sobretensões produzidas
durante energização de transformadores, a aplicação e a eliminação de faltas próximas, inclusive com
bloqueio dos conversores.
Devem também ser considerados os efeitos dos curto-circuitos aplicados nos terminais dos filtros.

6.1.3 DESLIGAMENTO DE FILTROS CA


Devem ser disponibilizados os sinais de controle necessários à supervisão dos elementos dos filtros/
compensação reativa e a tomada de ações de controle, por meio do controle de estação e/ou por meio de um
controle mestre.
Devem ser concebidas e implementadas todas as sequencias de desligamento de filtros identificadas como
necessárias pelos estudos do planejamento da expansão (EPE) ou ainda recomendadas pelos estudos
operativos realizados pelo ONS.
A TRANSMISSORA deverá identificar a necessidade de desligamentos dos filtros e/ou capacitores e/ou
reatores em situações específicas e implementar tais desligamentos, mesmo que seja necessária a aquisição
de equipamentos especiais.

40
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

6.2 FILTROS DO LADO CC


6.2.1 REQUISITOS GERAIS
 A TRANSMISSORA deverá manter, para todas as etapas de implementação do empreendimento, um
desempenho harmônico adequado, considerando as condições de máxima dessintonia dos filtros e
as condições mais severas de geração de tensões harmônicas pelos conversores.
 O desempenho harmônico deve ser demonstrado por meio de estudos e medições. Deve(m) ser
atendido(s) o(s) critério(s) estabelecido(s) neste item.
 Deve ser considerado um desbalanço máximo de sequência negativa de 2%. Nos casos de filtros
ativos ou passivos de sintonia automática devem ser considerados os erros de controle.
 A TRANSMISSORA deverá, no Projeto Básico Fase de Detalhamento, realizar estudo de
coordenação indutiva de maneira a verificar os circuitos telefônicos que apresentam interferência
superior à permitida. Para tais circuitos, a TRANSMISSORA será responsável, junto às
concessionárias que operem tais linhas de comunicação, por implantar os meios necessários para
mitigar os efeitos da interferência.
 As capacidades nominais (ratings) dos componentes dos filtros devem ser dimensionadas para
suportar o aumento da geração de harmônicas para a operação nas condições não nominais
mencionadas no item 5.5.2.

6.2.2 REQUISITOS PARA O CÁLCULO DE DESEMPENHO


(a) Quanto aos modos de operação
Deverão ser considerados, para a avaliação do desempenho harmônico, os modos de operação das
conversoras relacionados na Tabela 6.1, com a seguinte definição dos requisitos:
A – Deve atender ao desempenho harmônico para contingência (n-1) de cada tipo de filtro CC.
B – Deve atender ao desempenho harmônico com todos os filtros CC presentes.
C – O nível de interferência gerada pelas conversoras nas condições de operação em sobrecarga
deve ser informado pela TRANSMISSORA, em qualquer modo ou combinação de modos operativos
disponíveis. Para o cálculo de capacidade (rating) ver item 6.2.3.
(b) Quanto aos critérios de desempenho
 As correntes harmônicas nas linhas CC e linhas de eletrodo não devem produzir interferências, em
linhas de telecomunicação em operação na data de comissionamento do elo CC, acima dos limites
estabelecidos nas normas correspondentes. Para tanto, na avaliação do desempenho do elo CC o
valor de corrente equivalente de distúrbio em operação bipolar não poderá exceder 500 mA,
enquanto que em operação monopolar (retorno pelo solo ou metálico) tal valor não poderá exceder
1000 mA. É de responsabilidade da TRANSMISSORA mitigar os efeitos de interferências que
venham a ser indicadas pelas concessionárias que operem as linhas de comunicação na região sob
influência das linhas CC e linhas de eletrodo.
 Os filtros CC devem minimizar os efeitos da corrente induzida, em 60 Hz, por linhas CA na linha CC,
evitando potenciais distúrbios nos sistemas de controle do elo CC, bem como a saturação indesejável
dos transformadores conversores, o que poderia eventualmente causar desligamento bipolar.

41
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

6.2.3 REQUISITOS PARA O CÁLCULO DO DIMENSIONAMENTO (RATING) DOS COMPONENTES DOS FILTROS
Para o cálculo do dimensionamento dos componentes dos filtros a TRANSMISSORA deverá considerar que
esses equipamentos devem operar sem qualquer restrição e/ou ocorrência de danos durante:

(a) Operação com a frequência nominal e para variações de frequência na faixa definida no item 5.3.1 (a);
(b) Ressonância de filtros de mesma sintonia;
(c) Máxima tensão de emergência em regime permanente na rede CA;
(d) Condições de sobretensões, incluindo ferrorressonâncias, rejeição de carga e recuperação de faltas,
dentre outras;
(e) Nos modos de operação definidos na Tabela 6.1.
(f) Operação com qualquer dos filtros CC pertencentes a qualquer das estações conversoras fora de
operação;
(g) Pior ressonância entre filtros CC, reator de alisamento e linha de transmissão CC;
(h) Quanto ao cálculo do “rating” transitório devem ser considerados os efeitos dos curto-circuitos aplicados
nos terminais e nas proximidades dos filtros

42
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

7 ELETRODOS DE ATERRAMENTO
7.1 REQUISITOS GERAIS
O Bipolo 1 deve ser provido de eletrodos de terra para escoamento das correntes de retorno em operação
monopolar e das correntes resultantes de condições operativas desbalanceadas. O projeto do eletrodo deve
considerar todos os modos de operação previstos para o bipolo e a possibilidade de operação em
sobrecarga, nestes modos, conforme definidos no item 5.5.3.
É prerrogativa da Transmissora a escolha do local de implantação do eletrodo de terra, cuja distância mínima
à subestação onde estiver conectado deverá ser igual ou superior a 15 km.
Não poderá haver circulação de corrente contínua pelo neutro dos transformadores conversores, ou em
transformadores de subestações vizinhas, capaz de provocar a sua saturação, conforme descrito no item
5.5.8.
O projeto deverá prever o compartilhamento do uso do eletrodo, na SE Xingu, pelo Bipolo 2. O eletrodo de
terra do Bipolo 1 deve ser dimensionado para que possa escoar tanto as correntes próprias quanto as do
Bipolo 2, que compartilhará a mesma subestação, de acordo com os seguintes valores limite:
(a) Operação Bipolar do Bipolo 1: 40 A contínuo por todo o ano;
(b) Operação Bipolar compartilhada pelos bipolos 1 e 2: 80 A por 2 meses ao longo de 1 ano;
(c) Operação Monopolar com retorno pela terra do Bipolo 1: 2540 A por 250 horas por ano, sendo:
 220 horas para uso próprio, consideradas cumulativamente para todo o período de concessão e
devidamente garantidas no dimensionamento;
 30 horas anuais a serem cedidas para compartilhamento, caso necessário, com o Bipolo 2.
(d) Operação Monopolar com retorno pela terra com sobrecarga de um dos bipolos com o outro Bipolo em
operação bipolar: 3365 A por 300 minutos por ano.

7.2 INTERFERÊNCIAS
A transmissora deverá determinar, através de estudos, os efeitos que as correntes CC injetadas no solo pelos
eletrodos poderão provocar ao circular pelos neutros dos transformadores da rede elétrica, nas torres das
linhas de transmissão, na proteção catódica de dutos e demais estruturas metálicas, localizadas em sua área
de influência.
O eletrodo de terra deve ser dimensionado de forma a garantir a segurança de seres vivos quanto a
potenciais de passo e toque e a potenciais transferidos, considerando a circulação da corrente de sobrecarga
e um subeletrodo fora de serviço.
A transmissora deve tomar as providencias para mitigar todos os efeitos de interferência (corrosão de dutos e
estruturas metálicas de linhas de transmissão e seus aterramentos, saturação de transformadores CA, entre
outros) que o retorno da corrente CC no solo poderá provocar, de acordo com os requisitos das empresas
proprietárias dos ativos sujeitos a interferência.

43
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

7.3 CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS


O dimensionamento dos eletrodos de terra do Bipolo 1 deve considerar as seguintes situações:
(a) Operação bipolar com um valor máximo de desbalanço de 40 A, em regime contínuo.
(b) Capacidade para operar 10 vezes por ano (intervalo mínimo de 24 horas entre operações subsequentes)
em operação monopolar com a máxima corrente de sobrecarga de longa duração e com duração total de
5 horas por ano. Tais condições devem ser atendidas com um dos subeletrodos fora de serviço.
A máxima densidade de corrente superficial deve ser menor que aquela que provoque migração de água por
eletro-osmose. Em caso de utilização de eletrodo em anel a máxima densidade para efeito de
dimensionamento deve ser inferior a 0,5 A/m².
Nas condições ambientais e do solo mais desfavoráveis e na circulação de corrente máxima pela linha do
eletrodo (no modo de operação monopolar), a elevação de temperatura dos eletrodos em relação ao
ambiente não pode exceder a 60°C, desde que a temperatura final não seja superior a 100ºC.
Além da conexão das linhas do eletrodo aos eletrodos, devem ser especificados os equipamentos
necessários para a equalização da distribuição de corrente nas várias secções do eletrodo, bem como os
dispositivos para monitoramento adequado da temperatura na superfície do eletrodo e da umidade do solo.

7.4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS


Para efeito da escolha do local dos eletrodos, a modelagem adotada para a resistividade do solo e sua
estratificação deve ser devidamente justificada e comprovada a partir de medição. Para pequenas
profundidades, pode ser utilizado o método Wenner ou similar e, para camadas mais profundas, devem ser
utilizados métodos geológicos, como o método de medição magneto-telúrica ou similar.
A resistência de aterramento do eletrodo de terra deve ser igual ou inferior a 0,35 , com um subeletrodo fora
de serviço.
O eletrodo de terra deve ser dimensionado de forma a possibilitar sua operação em regime anódico ou
catódico.

7.5 LINHA DO ELETRODO


7.5.1 CAPACIDADE DE CORRENTE
A linha do eletrodo deve ser projetada com dois conjuntos de condutores ou feixes de subcondutores
independentes na mesma estrutura, conectados por meio de chaves seccionadoras em ambas as
extremidades, de modo a permitir operar com um conjunto ou feixe em manutenção (linha-viva), com corrente
reduzida.
A linha do eletrodo deverá ser dimensionada de forma a permitir a operação do bipolo ao qual pertence, sem
qualquer tipo de restrição, para todos os modos operativos definidos no item 5.5.3. Em caso de
compartilhamento da linha do eletrodo com outro bipolo na mesma estação conversora, a linha do eletrodo
deverá ser dimensionada para permitir, no mínimo, operação do primeiro bipolo em operação bipolar e do
segundo bipolo com operação monopolar, acrescida da sobrecarga disponível para este tipo de operação.

44
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

7.5.2 DEFINIÇÃO DA FLECHA MÁXIMA DOS CONDUTORES


As distâncias de segurança da linha do eletrodo devem ser calculadas considerando a máxima corrente
prevista para a operação do bipolo e levando em conta a ocorrência simultânea das seguintes condições
climáticas:
(a) Temperaturas conforme item 5.2;
(b) Radiação solar máxima da região;
(c) Brisa mínima prevista para a região, desde que não superior a um metro por segundo.

7.5.3 PERDA JOULE NOS CABOS CONDUTORES


A resistência equivalente por unidade de comprimento do feixe de subcondutores que compõe a linha de
eletrodo deve ser igual ou inferior a 0,01250 Ohms/km a corrente contínua a 20º C.

7.5.4 COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO


As cadeias de isoladores deverão contemplar, para uma classe de tensão de isolamento não inferior 34,5 kV,
um isolador adicional além de centelhadores, para facilitar a extinção do arco no caso de falta.
O aterramento das torres que suportam estas linhas, dentro e fora da subestação, deve apresentar
resistência compatível com a necessidade de extinção do arco.

45
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

8 CONTROLES DO ELO CC
O sistema de controle do elo CC deverá ser implementado com os seguintes níveis hierárquicos:
 Controle de nível hierárquico superior: Controle Mestre ou Controle de Estação
 Controle do Bipolo
 Controle de Pólos
 Controle de Conversores
O Controle de Estação, no Bipolo 1, na SE Xingu, deve ser projetado de forma a ser capaz de executar todas
as funções sistêmicas de nível hierárquico superior, como um Controle Mestre, mesmo sem a entrada em
operação do Bipolo 2. Deve considerar todos os sinais necessários a sua correta operação, incluindo os
sinais topológicos referentes ao estado dos equipamentos das subestações conversoras, bem como aqueles
provenientes de usinas e demais subestações e/ou linhas de transmissão que possam afetar o seu
desempenho.
Deverá ainda ser projetado de forma a permitir a plena integração, no futuro, de todos estes sinais com o
controle do Bipolo 2, o qual os aquisitará e integrará em um Controle Mestre único. Este Controle Mestre que
passará a existir a partir da entrada em operação do Bipolo 2, compreenderá todas as funções definidas para
o Bipolo 1, bem como a coordenação e repartição de despachos de potência entre os dois bipolos e seus
respectivos polos.
Quando da entrada do Bipolo 2, na SE Xingu, a troca de sinais, a coordenação dos tempos de atuação e a
compatibilidade do hardware entre os controles deve ser assegurada pelo Bipolo 1. A Transmissora
responsável pelo Bipolo 1 deve, portanto, prover todos as informações, documentação e disponibilização de
interfaces, tanto do ponto de vista lógico quanto físico, de forma a viabilizar o funcionamento adequado dos
controles dos Bipolos 1 e 2 em seus diversos níveis hierárquicos de atuação.
Os controles devem ter redundância mínima de 100%. Esta redundância se aplica também aos serviços
auxiliares de alimentação CC e CA. Tanto os painéis alimentados pelos serviços auxiliares CC quanto
àqueles alimentados pelos serviços auxiliares CA devem ser completamente independentes.
O Controle de Estação do Bipolo 1 deverá ser dimensionado para desempenhar as seguintes funções
principais sem, no entanto, limitar-se a elas:
(a) Avaliar e implementar, com base nas topologias do SIN, da Subestação Xingu, da UHE Belo Monte e na
potência transmitida no Bipolo 1, a colocação ou retirada de filtros e compensação reativa;
(b) Avaliar e implementar ações de controle visando a correta operação do sistema, com base em sinais
provenientes de outras usinas e do estado de linhas CA adjacentes, que possam influenciar na potência
transmitida pelo Bipolo 1. A Transmissora será responsável pela aquisição remota destes sinais quando
necessário;
(c) Comandar as ações de controle do bipolo para a modulação da potencia CC para a estabilização de
frequência dos sistemas CA;
(d) Comandar as ações para amortecimento de oscilações dos sistemas CA;
(e) Em caso de perda de conversores deverá supervisionar a retirada automática de filtros CA e/ou
capacitores para reduzir as sobretensões nos sistemas CA para os níveis estipulados pelos
Procedimentos de Rede.

46
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

A TRANSMISSORA deverá especificar, adquirir e instalar um esquema de telecomunicação entre o Controle


do elo CC e o Controle da UHE Belo Monte. Também deverá incluir em seu escopo de fornecimento, uma
unidade remota do controle CC, a ser instalado nesta usina para a troca de sinais necessária ao correto
funcionamento do Controle de Estação;
O Controle de Estação do Bipolo 1 deverá estar equipado para comandar automaticamente a abertura de
equipamentos pertencentes ao seu empreendimento, como por exemplo filtros, e para comandar a abertura
de equipamentos de terceiros, tais como linhas de transmissão e/ou geradores, seja por ação direta ou por
meio de centros de controle de terceiros, inclusive do ONS, em caso de perda de polo ou do Bipolo 1. Em
caso de equipamentos de terceiros, caberá ao Sistema de Controle e Proteção do agente proprietário
processar a ação solicitada e executar o comando nos seus equipamentos, conforme os requisitos de tempo
de resposta necessários.
Os tempos de latência, necessários a correta operação do Bipolo 1, deverão ser adequados ao sistema de
controle da UHE Belo Monte e, se verificada a necessidade de instalação de equipamentos adicionais, tais
como um novo Generator Station Control (GSC), os custos de aquisição e instalação desses equipamentos
serão de responsabilidade da TRANSMISSORA.
Da mesma forma, o Controle de Estação do Bipolo 1 deverá estar equipado para efetuar ações de run back
(redução de potência automática) ou run forward (aumento de potência automática) para evitar variações de
tensão e/ou frequência no sistema coletor (associado ao retificador), ou para fazer frente a perda de linhas
nos sistemas CA adjacentes às estações conversoras, retificadora ou inversora, ou perda de elementos que
compõem o sistema de geração, que impossibilite a manutenção do nível de potência transmitido pelo elo
CC.

8.1 DESEMPENHO DO SISTEMA DE CONTROLE DO ELO CC


8.1.1 REQUISITOS GERAIS
Os modos de controle de corrente e de potência devem estar disponíveis para toda a faixa operativa.
Os controles dos conversores devem ser projetados para assegurar que não ocorram mudanças de modo de
controle devidas a variações de até 3% da tensão nominal CA do sistema.
O controle deve ser capaz de alterar, automaticamente, o modo de controle de potência para controle de
corrente após perda da telecomunicação, problemas no suporte de reativos, proximidade de condições de
instabilidade de tensão ou falha de comutação, retornando ao modo de controle de potência imediatamente
após a estabilização do sistema.
Deve ser possível ao operador exercer as seguintes funções:
 Selecionar o modo de operação, entre os definidos no item 5.5.3;
 Selecionar o local de controle do despacho, seja no retificador, seja no inversor;
 Selecionar potência total, taxa de variação e sentido do fluxo;
 Ligar ou desligar filtros e capacitores em derivação e posicionar comutadores de derivação em carga;
 Comandar partida e parada do elo CC, parada do sistema em emergência e alteração de tomada de
carga.

47
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

O sistema deve ter um controle que use os comutadores de derivação em carga dos transformadores
conversores para auxiliar no controle das válvulas, otimizando o uso de potência reativa, bem como a
margem do ângulo alfa e o nominal de gama.
Além dos controles convencionais, o sistema de controle deve possibilitar, no mínimo:
 A minimização do consumo de potência reativa das conversoras;
 O controle da frequência por meio da variação da corrente ou da potência ativa, no lado retificador,
para fazer frente a perdas de geração ou a rejeição de carga no elo CC;
 A modulação da potência ativa ou reativa, para estabilização do sistema CA, para reduzir
instabilidades angulares;
 O amortecimento de ressonâncias subsíncronas, devendo dispor de uma função SSDC
(Subsynchronous Damping Controller);
 A redução temporária da potência ou da corrente para controlar contingências no sistema CA, a fim
de evitar instabilidade de tensão e falhas de comutação no inversor, incluindo ações de runback a
partir de eventos na rede de geração no lado da SE Xingu. A informação de abertura das linhas de
transmissão em CA que partem das subestações conversoras deve ser processada pelo controle do
bipolo, que definirá o limite máximo de injeção de potência suportável pela rede CA, de forma que a
redução da potência ou da corrente usada para controlar contingências no sistema CA (run back
limiter) seja efetiva;
 A eliminação do fenômeno de autoexcitação em geradores próximos as conversoras, por meio de
ações de controle do montante de potência reativa advinda de seus filtros e da potência reativa
injetada sobre as unidades geradoras em caso de reduções drásticas da potência transmitida pela
linha CC.
A Transmissora, durante a realização dos estudos previstos para a Etapa de Concepção, deve avaliar a
conveniência de implementar um controle suplementar, denominado RPC (Reactive Power Controller), com a
finalidade de manter a tensão CA dentro da faixa estabelecida em 5.3.2.

8.1.2 TEMPOS DE RESPOSTA


Os tempos de resposta devem ser atendidos considerando as configurações de rede previstas no item 2.1,
considerando a possibilidade de operação do elo CC com fluxo de potência nos dois sentidos.
 O erro do controle de potência não deve ser superior a 1,5%.
 O erro do controle de corrente não deve ser superior a 0,7%.
Em caso de recuperação após qualquer falta transitória, no lado CA, o elo CC deve recuperar a potência
transmitida para o valor de 90% daquela transmitida antes da falta em, no máximo, 220 ms, sem posterior
redução da potência. Durante o período de recuperação não deve ocorrer nenhuma falha de comutação.
Estão incluídos nesse caso os religamentos com ou sem sucesso.
Em caso de faltas na linha CC, o sistema de controle deve restabelecer 90% da potência que era transmitida
antes do defeito, em 150 ms , sem incluir o tempo de arco e de deionização.
Em caso de aplicação de degrau na corrente ou na potência, deve-se atender aos requisitos abaixo:
(a) Resposta da corrente CC ao degrau

48
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Para operação em qualquer nível de potência, a corrente CC deve responder a um degrau de aumento ou de
diminuição na ordem, atingindo 90% do valor final, sem redução posterior, da seguinte forma:
 Para um degrau aplicado à ordem de corrente inferior à margem de corrente do projeto, já
considerando as tolerâncias e erros de medição da corrente, em até 30 ms ;
 Para um degrau de 30% na ordem de corrente, em até 70 ms.
(b) Resposta da potência CC ao degrau
O controlador de potência CC deve ser ajustado de tal maneira que o sistema CC tenha as características de
um sistema de corrente constante para defeitos nos sistemas CA, seguidos de oscilações amortecidas de
tensão e de potência de baixa frequência na faixa de 0,2 a 2 Hz.
A resposta do controlador de potência para um degrau de aumento ou diminuição na ordem de potência de
50%, deve ser tal que, em até 150 ms ,90% do valor na nova ordem, sem redução posterior, seja atingida.
(c) Resposta da tensão CC
A resposta da tensão CC deve ser tal que para qualquer degrau de corrente, potência ou tensão CA, a tensão
CC não seja superior a 830 kV.

8.1.3 INVERSÃO DO FLUXO DE POTÊNCIA NA LINHA CC


Os controles devem ser capazes de reverter o fluxo de potência do elo CC, que deve operar com qualquer
potência entre a potência mínima e a capacidade de transmissão do elo CC estabelecida no item 5.4.2, assim
como nas condições de sobrecarga estabelecidas no item 5.5.2.

8.1.4 LIMITADOR DE CORRENTE


O sistema de controle do elo CC deve ser provido de um limitador da ordem de corrente, dependente da
tensão CC, para limitar transitoriamente a ordem de corrente no retificador durante abaixamento da tensão
CC. Esse limitador deve ser dimensionado com base nos estudos de sistema.

8.1.5 CONTROLE DE DESBALANÇO DOS POLOS


O controle de desbalanceamento dos polos pertencentes ao controle da estação conversora deve ser
projetado para minimizar a corrente na linha do eletrodo.
A corrente de desbalanço entre polos da transmissão bipolar deve ser inferior a 1,5% da corrente nominal.

8.1.6 TELECOMUNICAÇÃO
Falhas do sistema de comunicações não devem causar operação incorreta do sistema de controle do elo CC.
Caso ocorra falha da comunicação entre as estações, a transmissão de potência deve ser mantida no mesmo
nível existente antes da falha.
Durante falha de telecomunicação entre as estações, deve ser possível partir, operar e parar manualmente o
elo da sala de controle local de uma das estações. Nesse caso, a comunicação entre os operadores das
estações conversoras é mantida por telefone ou por outro meio de comunicação.

49
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

8.1.7 CONFIABILIDADE DO SISTEMA DE CONTROLE.


O sistema de controle deve ser duplicado e projetado para que um dos sistemas possa ser mantido, testado
ou reparado durante operação do elo CC, sem afetar esse sistema. A perda de um dos dois sistemas de
controle não deve causar distúrbio na potência transmitida nem perda de um polo.

50
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

9 LINHA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA


A LT-CC em ±800 kV tem origem no pórtico da Subestação Xingu e término no pórtico da Subestação
Estreito. Foi estudado, de acordo com o Relatório R3, um corredor com 20 km de largura.

9.1 CARACTERÍSTICAS OPERATIVAS BÁSICAS


9.1.1 CAPACIDADE DE CORRENTE
A capacidade operativa de longa duração da LT-CC ±800 kV Xingú – Estreito deve ser de pelo menos 2625 A
por polo. A capacidade operativa de curta duração dessa LT-CC deve ser de pelo menos 3500 A por polo.
A capacidade de corrente de longa duração corresponde ao valor de corrente da linha de transmissão em
condição normal de operação e deve atender às diretrizes fixadas pela norma técnica NBR 5422 da ABNT.

9.1.2 TENSÃO MÁXIMA OPERATIVA


A tensão máxima operativa da linha de transmissão, para a classe de tensão correspondente está indicada na
Tabela 9.1.

TABELA 9.1 – CLASSE DE TENSÃO E TENSÃO MÁXIMA OPERATIVA DA LT-CC

Classe de Tensão máxima


tensão [kV CC] operativa [kV CC]
800 830

9.2 REQUISITOS ELÉTRICOS


9.2.1 FLECHA MÁXIMA DOS CONDUTORES
A linha de transmissão deve ser projetada de acordo com as prescrições da Norma Técnica NBR 5422, da
ABNT, de forma a preservar, em sua operação, as distâncias de segurança nela estabelecidas.
A distância do condutor ao solo para uma corrente no pólo de 3500 A deve ser igual ou superior a 15,8 m,
considerando a ocorrência simultânea das seguintes condições climáticas:
 Temperatura máxima média da região;
 Radiação solar máxima da região; e
 Brisa mínima prevista para a região, desde que não superior a um metro por segundo.
A linha de transmissão deve ser projetada de sorte a não apresentar óbices técnicos à instalação de
monitoramento de distâncias de segurança, cuja implantação pode, a qualquer tempo, vir a ser solicitada pela
ANEEL.

9.2.2 CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE DOS ACESSÓRIOS, CONEXÕES E DEMAIS COMPONENTES


Os acessórios, conexões e demais componentes que conduzem corrente devem ser dimensionados de forma
a não criar restrição à operação da linha. Deverão ser atendidas, também, as prescrições das normas de

51
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

dimensionamento e ensaios de ferragens eletrotécnicas de linhas de transmissão, em especial à norma NBR


7095 da ABNT, ou sua sucessora.

9.2.3 CABOS PARA-RAIOS


A LT deve dispor de pelo menos dois cabos para-raios. Pelo menos um dos cabos pára-raios deve ser do tipo
OPGW com características mecânicas e capacidade de corrente similares às de um cabo de aço 3/8” EAR e
com quantidade mínima de 6 (seis) pares de fibras ópticas dedicadas exclusivamente à transmissão de sinais
necessários à operação do bipolo. O outro cabo deve ter características mecânicas e capacidade de corrente
iguais ou superiores ao do cabo tipo aço galvanizado EAR e bitola 3/8”.

9.2.4 PERDA JOULE NOS CABOS CONDUTORES


A resistência equivalente por unidade de comprimento do feixe de sub-condutores que compõe um pólo da LT
deve ser igual ou inferior a 0,00672 /km, em corrente contínua, a 50ºC.

9.3 COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO


A TRANSMISSORA deverá comprovar por cálculo ou simulação que o dimensionamento dos espaçamentos
elétricos das estruturas da família de estruturas da LT foi feito de forma a assegurar o atendimento dos
requisitos abaixo.

9.3.1 ISOLAMENTO À TENSÃO MÁXIMA OPERATIVA


Para dimensionar o isolamento da linha de transmissão para tensão máxima operativa, deve ser considerado
o balanço da cadeia de isoladores sob ação de vento com período de retorno de, no mínimo, 50 (cinquenta)
anos.
A distância de escoamento mínima da cadeia de isoladores deve ser determinada conforme norma IEC em
vigor, considerando o nível de poluição da região de implantação da LT. A distância específica de
escoamento deverá ser igual ou superior a 30 mm/kV CC.
Deve ser garantida a distância de segurança entre qualquer condutor da linha e objetos situados na faixa de
segurança, tanto para a condição sem vento quanto para a condição de balanço dos cabos e cadeias de
isoladores devido à ação de vento com período de retorno de, no mínimo, 50 (cinquenta) anos. Na condição
de balanço dos cabos e cadeias de isoladores devido à ação de vento, essa distância de segurança deve ser
também garantida:
 Ao longo de toda a LT, independentemente do comprimento do vão, mesmo que para tanto a largura
da faixa de segurança seja variável ao longo da LT, em função do comprimento do vão; e
 Para qualquer topologia de terreno na faixa de segurança, especificamente quando há perfil lateral
inclinado (em aclive).

9.3.2 ISOLAMENTO NA OCORRÊNCIA DE CURTO-CIRCUITO AO LONGO DA LT


Nas ocorrências de curto-circuito polo para a terra, ao longo da LT, o risco de falha de isolamento no outro
polo para a terra (polo são-terra), devido a sobretensão, deve ser igual ou inferior a 10-3.

52
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

9.3.3 DESEMPENHO A DESCARGAS ATMOSFÉRICAS


O número total de falhas de isolamento de um polo por descargas atmosféricas deve ser igual ou inferior a
uma falha por 100 km por ano.
As estruturas deverão ser dimensionadas com pelo menos dois cabos para-raios, dispostos sobre os cabos
condutores de forma que, para o terreno predominante da região, a probabilidade de falha de isolamento
causado por descargas diretas nos cabos condutores seja igual ou inferior a 10–2 falhas por 100 km por ano.

9.3.4 EMISSÃO ELETROMAGNÉTICA


Os efeitos tratados nas alíneas (a) a (d) devem ser verificados à tensão máxima operativa da linha indicada
na Tabela 9.1.
(a) Corona visual
A linha de transmissão, com seus cabos e acessórios, bem como as ferragens das cadeias de
isoladores, não deve apresentar corona visual em 90% do tempo para as condições atmosféricas
predominantes na região atravessada pela LT.
(b) Rádio-interferência
A mediana da distribuição da relação sinal/ruído no limite da faixa de segurança deve ser igual ou
superior a 24 dB, para o período de um ano. O sinal adotado para o cálculo deve ser o nível mínimo de
sinal na região atravessada pela LT, conforme resolução DENTEL ou sua sucessora, desde que não
superior a 66 dB acima de 1 µV/metro a 1 MHz.
(c) Ruído audível
A mediana da distribuição do valor do ruído audível no limite da faixa de segurança deve ser igual ou
inferior a 42 dBA, para tempo bom.
(d) Campo elétrico e corrente iônica
No limite da faixa de segurança, o campo elétrico no solo e a corrente iônica devem ser iguais ou
inferiores a 10 kV/m e 5 nA/m2, respectivamente. Considerar no cálculo a modelagem por cargas
espaciais na condição atmosférica mais desfavorável (verão úmido) com 95% de probabilidade de não
ser excedida.
(e) Campo magnético
A TRANSMISSORA deverá cuidar para mitigar efeitos de interferência magnética sobre bússolas.

9.3.5 TRAVESSIA DE LINHAS DE TRANSMISSÃO EXISTENTES


A TRANSMISORA deve evitar ao máximo o cruzamento sobre linhas de transmissão existentes. Caso o
cruzamento seja inevitável, a TRANSMISSORA deve identificar esses casos, tanto nas entradas/saídas das
subestações quanto ao longo do traçado das linhas de transmissão, e informar no Projeto Básico Etapa de
Concepção as providências que serão tomadas no sentido de minimizar os riscos inerentes a esses
cruzamentos, ficando a critério da ANEEL a aprovação dessas providências. Todos os cruzamentos desta LT-
CC deverão ser realizados sobre as linhas existentes.
A TRANSMISSORA deverá relacionar no Projeto Básico Etapa de Concepção os cruzamentos da LT-CC em
projeto com outra(s) LT(s) existente(s) da Rede Básica. Seguem, abaixo, as informações mínimas da(s) LT(s)
em cruzamento a serem prestadas pelo agente:

53
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 Identificação com as SEs terminais do trecho em questão;


 Tensão nominal;
 Número de circuitos;e
 Disposição das fases (horizontal, vertical, triangular etc)

9.4 REQUISITOS MECÂNICOS


9.4.1 CONFIABILIDADE
O projeto mecânico da linha de transmissão deve ser desenvolvido segundo a IEC 60.826 – International
Electrotechnical Commission: Loading and Strength of Overhead Transmission Lines.
O nível de confiabilidade do projeto eletromecânico, expresso pelo período de retorno do vento extremo, deve
ser compatível com um nível intermediário entre os níveis 2 e 3 preconizados na IEC 60826. Deve ser
adotado período de retorno do vento igual ou superior a 250 anos.

9.4.2 PARÂMETROS DE VENTO


Para o projeto mecânico da linha de transmissão, os carregamentos oriundos da ação do vento em seus
componentes físicos devem ser estabelecidos a partir da caracterização probabilística das velocidades de
vento da região, com tratamento para fenômenos meteorológicos severos, tais como, sistemas frontais,
tempestades, tornados, furacões etc.
Os parâmetros explicitados a seguir devem ser obtidos a partir de dados fornecidos por estações
anemométricas selecionadas adequadamente para caracterizar a região atravessada pela linha de
transmissão:
(a) Média e coeficiente de variação (em porcentagem) das séries de velocidades máximas anuais de vento a
10 m de altura, com tempos de integração da média de 3 (três) segundos (rajada) 10 (dez) minutos
(vento médio).
(b) Velocidade máxima anual de vento a 10 m de altura, com período de retorno correspondente ao vento
extremo, como definido no item 9.4.1, e tempos de integração para o cálculo da média de 3 (três)
segundos e 10 (dez) minutos. Se o número de anos da série de dados de velocidade for pequeno, na
estimativa da velocidade máxima anual deve ser adotado, no mínimo, um coeficiente de variação
compatível com as séries mais longas de dados de velocidades de ventos medidas na região.
(c) Coeficiente de rajada para a velocidade do vento a 10 m de altura, referenciado ao tempo de integração
da média de 10 (dez) minutos.
(d) Categoria do terreno adotada para o local das medições.
No tratamento das velocidades de vento, para fins de dimensionamento, deve ser considerada a categoria de
terreno definida na IEC 60826 que melhor se ajuste à topologia do corredor da LT.

9.4.3 CARGAS MECÂNICAS SOBRE OS CABOS.


O cabo deve ser dimensionado para suportar três estados de tracionamento – básico, de tração normal e de
referência – definidos a partir da combinação de condições climáticas e de envelhecimento do cabo como se
segue.

54
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

(a) Estado básico


 Para condições de temperatura mínima, a tração axial máxima deve ser limitada a 33% da tração de
ruptura do cabo.
 Para condições de vento com período de retorno de 50 anos, a tração axial máxima deve ser limitada
a 50% da tração de ruptura do cabo.
 Para condições de vento extremo, como definido no item 9.4.1, a tração axial máxima deve ser
limitada a 70% da tração de ruptura do cabo.
(b) Estado de tração normal (EDS everyday stress)
 O tracionamento médio dos cabos deve ser compatível com o desempenho mecânico no que diz
respeito à fadiga ao longo da vida útil da linha de transmissão conforme abordado no item 9.4.4.
(c) Estado de referência
 A distância mínima ao solo do condutor (clearance) deve ser verificada sem considerar a pressão de
vento atuante.

9.4.4 FADIGA MECÂNICA DOS CABOS


Os dispositivos propostos para amortecer as vibrações eólicas devem ter sua eficiência e durabilidade
avaliadas por ensaios que demonstrem sua capacidade de amortecer os diferentes tipos de vibrações eólicas
e sua resistência à fadiga, sem perda de suas características de amortecimento e sem causar danos aos
cabos.
É de inteira responsabilidade da TRANSMISSORA a elaboração de estudos, o desenvolvimento e a aplicação
de sistema de amortecimento para prevenção de vibrações eólicas e efeitos relacionados com a fadiga dos
cabos, de forma a garantir que estes não estejam sujeitos a danos ao longo da vida útil da linha de
transmissão.
A solicitação aos cabos deve ser dimensionada de forma compatível com seu tipo e sua formação.

9.4.5 CARGAS MECÂNICAS SOBRE AS ESTRUTURAS


O projeto mecânico da linha de transmissão deve ser desenvolvido segundo a IEC 60826. Além das
hipóteses previstas na IEC, é obrigatória a introdução de hipóteses de carregamento que reflitam tormentas
elétricas. Devem ser previstas necessariamente as cargas a que as estruturas estarão submetidas nas
condições mais desfavoráveis de montagem e manutenção, inclusive em linha viva.
Para o caso de uma linha de transmissão construída com estruturas metálicas em treliça, as cantoneiras de
aço-carbono ou microligas laminadas a quente devem obedecer aos requisitos de segurança estabelecidos
na Portaria nº 243 do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – INMETRO,
publicada no Diário Oficial da União, de 17 de dezembro de 2002.

9.4.6 FUNDAÇÕES
No projeto das fundações, para atender o critério de coordenação de falha, as solicitações transmitidas pela
estrutura às fundações devem ser majoradas pelo fator mínimo 1,10. Essas solicitações, calculadas a partir
das cargas de projeto da estrutura, considerando suas condições particulares de aplicação – vão gravante,
vão de vento, ângulo de deflexão, fim de linha e altura da estrutura – passam a ser consideradas cargas de
projeto das fundações.

55
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

As fundações de cada estrutura devem ser projetadas estrutural e geotecnicamente de forma a adequar todos
os esforços resultantes de cada estrutura às condições específicas do solo.
As propriedades físicas e mecânicas do solo devem ser determinadas de forma científica, de modo a retratar,
com precisão, os parâmetros geomecânicos do solo. Tal determinação deve ser realizada a partir das
seguintes etapas:
 Estudo e análise fisiográfica preliminar do traçado da linha com a consequente elaboração do plano
de investigação geotécnica.
 Estabelecimento dos parâmetros geomecânicos a partir do reconhecimento do subsolo com a
caracterização geológica e geotécnica do terreno, qualitativa e quantitativamente
 Parecer geotécnico com a elaboração de diretrizes técnicas e recomendações para o projeto.
No cálculo das fundações, devem ser considerados os aspectos regionais geomorfológicos que influenciem o
estado do solo quanto aos aspectos de sensibilidade, expansibilidade e colapsividade, levando-se em conta a
sazonalidade.
A definição do tipo de fundação, bem como o seu dimensionamento estrutural e geotécnico, deve considerar
os limites de ruptura e deformabilidade para a capacidade de suporte do solo à compressão, ao arrancamento
e aos esforços horizontais, valendo-se de métodos racionais de cálculo, incontestáveis e consagrados na
engenharia geotécnica.

9.5 REQUISITOS ELETROMECÂNICOS


9.5.1 DESCARGAS ATMOSFÉRICAS
Os cabos pára-raios de qualquer tipo e formação devem ter desempenho mecânico frente a descargas
atmosféricas igual ou superior ao do cabo de aço galvanizado EAR de diâmetro 3/8″.
Todos os elementos sujeitos a descargas atmosféricas diretas da superestrutura de suporte dos cabos
condutores e cabos pára-raios, incluindo as armações flexíveis de estruturas tipo “Cross-Rope”, Trapézio ou
Chainette, não devem sofrer redução da suportabilidade mecânica original após a ocorrência de descarga
atmosférica. As cordoalhas de estruturas estaiadas mono-mastro ou V protegidas por cabos pára-raios estão
isentas deste requisito.

9.5.2 CORROSÃO ELETROLÍTICA


É de inteira responsabilidade da TRANSMISSORA a elaboração de estudos para prevenção dos efeitos
relacionados à corrosão em elementos da linha de transmissão em contato com o solo, de forma a garantir a
estabilidade estrutural dos suportes da linha e o bom funcionamento do sistema de aterramento ao longo da
vida útil da mesma.

9.5.3 CORROSÃO AMBIENTAL


Todos os componentes da linha de transmissão devem ter sua classe de galvanização compatível com a
agressividade do meio ambiente, particularmente em zonas litorâneas e industriais.

56
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

10 SISTEMAS DE PROTEÇÃO
10.1 DEFINIÇÕES BÁSICAS
Componente do sistema de potência ou componente: é todo equipamento ou instalação delimitado por um
ou mais disjuntores.
Sistema: quando aplicado à proteção, à supervisão e controle ou a telecomunicações, significa o conjunto de
equipamentos e funções requeridas e necessárias para seu desempenho adequado na operação da
instalação e da rede básica.
Sistema de proteção: conjunto de equipamentos e acessórios destinados a realizar a proteção em caso de
falhas elétricas, tais como curtos-circuitos, e de outras condições anormais de operação dos componentes de
um sistema elétrico.
Proteção unitária ou restrita: destina-se a detectar e eliminar, seletivamente e sem retardo de tempo
intencional, falhas que ocorram apenas no componente protegido. São exemplos os esquemas com
comunicação direta relé a relé, os esquemas de teleproteção, as proteções diferenciais, os esquemas de
comparação de fase etc.
Proteção gradativa ou irrestrita: destina-se a detectar e eliminar falhas que ocorram no componente
protegido e a fornecer proteção adicional para os componentes adjacentes. Em sua aplicação como proteção
de retaguarda, sua atuação é coordenada com a atuação das proteções dos equipamentos adjacentes por
meio de retardo de tempo intencional. São exemplos as proteções de sobrecorrente e as proteções de
distância.
Proteção de retaguarda: destina-se a atuar quando da eventual falha de outro sistema de proteção. Quando
esse sistema está instalado no mesmo local do sistema de proteção a ser coberto, trata-se de retaguarda
local; quando está instalado em local diferente daquele onde está o sistema de proteção a ser coberto, trata-
se de retaguarda remota.
Proteção principal: esquema de proteção composto por um sistema de proteção unitária ou restrita e um
sistema de proteção gradativa ou irrestrita.
Proteção alternada: esquema composto por um sistema de proteção unitária ou restrita e por um sistema de
proteção gradativa ou irrestrita, funcionalmente idêntico à proteção principal e completamente independente
desta.
Proteção intrínseca: conjunto de dispositivos de proteção normalmente integrados aos equipamentos, tais
como relés de gás, válvulas de alívio de pressão, sensores de temperatura, sensores de nível etc.
SIR: relação entre a impedância de fonte e a impedância da linha de transmissão (SIR), é definida por meio
da divisão da impedância da fonte atrás do ponto de aplicação de um relé pela impedância total da linha de
transmissão protegida:
SIR = ZS / ZL
Onde, ZS = Impedância da Fonte e ZL = Impedância da linha de transmissão
Comprimento relativo de linha de transmissão: determinado em função do SIR e utilizado para a seleção
do tipo de proteção mais indicado. No âmbito do presente ANEXO 6AB, as linhas de transmissão classificam-
se como:
Linhas de transmissão curtas, as que apresentam SIR > 4;

57
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Linhas de transmissão longas, as que apresentam SIR ≤ 0,5.

10.2 REQUISITOS GERAIS PARA PROTEÇÃO, REGISTRADORES DE PERTURBAÇÕES E


TELECOMUNICAÇÕES
Atender ao Procedimento de Rede, Submódulo 2.6, Revisão 2.0, item 5.1.

10.3 REQUISITOS GERAIS DE PROTEÇÃO


Atender ao Procedimento de Rede, Submódulo 2.6, Revisão 2.0, item 6.1.

10.4 REQUISITOS PARA VERIFICAÇÃO DE SINCRONISMO MANUAL.


Atender ao Procedimento de Rede, Submódulo 2.6, Revisão 2.0, item 6.2.6.

10.5 TRANSFORMADORES OU AUTOTRANSFORMADORES


Atender ao Procedimento de Rede, Submódulo 2.6, Revisão 2.0, item 6.3.

10.6 TRANSFORMADORES CUJO MAIS ALTO NÍVEL DE TENSÃO NOMINAL É IGUAL OU SUPERIOR A
345 KV
Atender ao Procedimento de Rede, Submódulo 2.6, Revisão 2.0, item 6.3.1.

10.7 BANCOS DE FILTROS


O trecho entre o barramento principal e o barramento do banco de filtros deve ser protegido por proteção
instantânea pela atuação do disjuntor do banco.
A proteção de cada sub-banco deve ser capaz de eliminar qualquer defeito a jusante do disjuntor do
respectivo sub-banco mediante a abertura deste disjuntor.
O sistema de proteção de filtros deverá operar para qualquer tipo de faltas no interior do mesmo, inclusive
para queima de unidades capacitivas.
O tempo total de eliminação de faltas no trecho entre o barramento e o filtro, – incluindo o tempo de operação
dos relés de proteção, dos relés auxiliares e o tempo de abertura do disjuntor –, não deve exceder a 150 ms.
A unidade de filtro capacitivo deve ter as seguintes funções:
 Supervisão por dessintonia;
 Proteção contra desbalanço;
 Proteção de sobrecarga da unidade;
 Proteção de sobrecorrente de sequência zero; e
 Sobrecorrente dos para-raios.
A unidade de reator em derivação dos filtros deve ter as seguintes funções:

 Proteção unitária ou restrita;

58
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 Proteção gradativa ou irrestrita; e


 Proteção intrínseca (de acordo com a recomendação de seu fabricante).

10.8 SISTEMAS DE PROTEÇÃO DE ELOS DE CORRENTE CONTÍNUA


Faltas elétricas, falhas ou operações anormais que possam submeter os equipamentos a danos devem ser
detectadas, e os equipamentos com defeito, falha, ou sobrecarregados devem ser retirados de operação ou
ter suas sobrecargas controladas.
Se ocorrerem faltas elétricas, falhas ou operações anormais, pelo menos duas proteções devem operar.
Cada proteção deve ter seu caminho de atuação duplicado.
As proteções devem ter zonas de superposição. Para cada caso de falha, deve haver atuação de uma
proteção unitária ou restrita, de alcance limitado, e de uma proteção de retaguarda lenta ou menos sensível.
Para os casos em que a filosofia de proteção unitária e retaguarda não puder ser aplicada, a proteção deve
ser duplicada.
A proteção do lado CC deve ser coordenada com as proteções do lado CA.
Deve ser possível testar as proteções, durante a operação normal, sem afetar a transmissão do elo CC.
Para os casos de polo formado por dois ou mais conversores em série, as proteções de conversor devem
desligar apenas o conversor defeituoso e manter os demais em operação normal.
Em caso de falha total de telecomunicação entre estações conversoras, as proteções devem garantir que o
conversor ou polo continue protegido contra falhas.
As proteções da estação conversora e as proteções entre estações conversoras devem ser coordenadas para
eliminação de possível defeito com o mínimo de desligamento.
A proteção de linha CC deve ser ativa apenas no terminal retificador e permitir de 1 até 4 religamentos, sendo
3 com tensão plena e o último com tensão reduzida (70% da tensão nominal). Deve permitir qualquer
combinação do número de religamentos com tensão plena, isto é 1 plena com 1 reduzida, 2 plenas com 1
reduzida ou 3 plenas com 1 reduzida. O último religamento deve ser efetivado sempre com tensão reduzida.
Essa proteção não deve operar para falha de comutação na inversora.

10.9 BARRAMENTOS COM TENSÃO NOMINAL IGUAL OU SUPERIOR A 138 KV


Atender ao Procedimento de Rede, Submódulo 2.6, Revisão 2.0, item 6.5.

10.10 FALHA DE DISJUNTOR COM TENSÃO NOMINAL IGUAL OU SUPERIOR A 138 KV


Atender ao Procedimento de Rede, Submódulo 2.6, Revisão 2.0, item 6.6.

10.11 SISTEMAS ESPECIAIS DE PROTEÇÃO


O Sistema Especial de Proteção - SEP, a ser definido nos estudos pré-operacionais do ONS, deve ser
implementado por Relés IED (Intelligent Eletronic Device), Controladores Lógicos Programáveis (CLP), ou
dispositivos específico para processar emergências envolvendo o Sistema Interligado Nacional.

59
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Deve ser previsto um SEP para cada subestação.

Os Relés IED, os CLPs e os dispositivos específicos devem ser funcionalmente independentes dos demais
equipamentos do sistema de Proteção, Controle e Supervisão (SPCS) no que diz respeito ao desempenho
das suas funções. Estas unidades devem estar conectadas ao sistema supervisório das subestações e dos
Centros de Operação, somente para enviar informações pertinentes à atuação do SEP.

As especificações descritas a seguir deverão ser previstas para a implantação do SEP e devem ser
rigidamente observadas pela TRANSMISSORA.

(a) Os Relés IEDs devem:


 Possuir porta de comunicação com protocolos compatíveis com o sistema supervisório da subestação
onde será implantado o SEP;
 Possuir portas de comunicação com protocolos compatíveis para conexão com outros Relés IEDs
(locais e/ou remotos) inerentes ao SEP, e dedicadas à função;
 Possuir no mínimo 16 saídas digitais (desligamentos e alarmes) e 32 entradas digitais;
 Possuir 4 entradas analógicas para corrente e 4 entradas analógicas de tensão;
 Possuir as funções Direcional de Potência (F.32), Subtenção (F.27), Sobretensão (F.59), Frequência
(F.81), Sobrecorrente (F.50/51) e Subcorrente (F.37). Todas estas funções devem possuir
parâmetros para atuações temporizadas e instantâneas;
 Apresentar tempo total de atuação menor ou igual a 200 ms, compreendidos entre a identificação da
contigência e a tomada de ação, incluindo o tempo de abertura dos disjuntores.
(b) Os CLPs devem:
 Possuir porta de comunicação com protocolos compatíveis com o sistema supervisório da subestação
onde será implantado o SEP;
 Possuir portas de comunicação com protocolos compatíveis para conexão com outros CLPs (locais
e/ou remotos) inerentes ao SEP, e dedicadas à função;
 Possuir portas de comunicação para conexão com Multimedidores inerentes ao SEP;
 Possuir no mínimo 16 saídas digitais (desligamentos e alarmes) e 32 entradas digitais;
 Possuir no mínimo 4 entradas analógicas para corrente e 4 entradas analógicas de tensão;
 Apresentar tempo total de atuação menor ou igual a 200 ms, compreendidos entre a identificação da
contigência e a tomada de ação, incluindo o tempo de abertura dos disjuntores.
(c) Os dispositivos específicos devem:
 Ser capazes de atender as necessidades definidas nos estudos pré-operacionais com os requisitos
mencionados para os IEDs e CLPs relatados anteriormente.
A TRANSMISSORA deverá incluir no escopo do seu fornecimento os equipamentos do SEP, cuja instalação
será determinada pelo ONS, quando necessária, ao longo do período de concessão. Se o empreendimento
em questão estiver em área com SEP em operação, a TRANSMISSORA deverá comprovar a
compatibilização do SEP a ser implantado com o existente.

60
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

11 SISTEMAS DE SUPERVISÃO E CONTROLE


11.1 INTRODUÇÃO
Este item descreve os requisitos de supervisão e controle que devem ser implantados para que seja
assegurada a plena integração da supervisão e controle dos novos equipamentos à supervisão dos
equipamentos existentes, garantindo-se, com isto, uma operação segura e com qualidade do sistema elétrico
interligado. Assim, são de responsabilidade do agente a aquisição e instalação de todos os equipamentos,
softwares e serviços necessários para a implementação dos requisitos especificados neste item e para a
implementação dos recursos de telecomunicações, cujos requisitos são descritos em item à parte.

Os requisitos de supervisão e controle são divididos em:

 Requisitos gerais de supervisão e controle dos agentes, detalhados em requisitos gerais, interligação
de dados e, recursos de supervisão e controle dos agentes.
 Requisitos para a supervisão e controle de equipamentos pertencentes à rede de operação, divididos
em interligação de dados, informações requeridas para a supervisão do sistema elétrico, informações
e telecomandos requeridos para o Controle Automático de Geração (CAG), requisitos de qualidade
de informação e, parametrizações.
 Requisitos para o sequenciamento de eventos (SOE), divididos em informações requeridas para o
sequenciamento de eventos e, requisitos de qualidade dos eventos.
 Requisitos de supervisão do agente proprietário de instalações (subestações) compartilhadas da rede
de operação.
 Avaliação da disponibilidade e da qualidade dos recursos de supervisão e controle.
 Requisitos de atualização das bases de dados dos SISTEMAS de supervisão e controle do ONS.

11.2 REQUISITOS DOS SISTEMAS DE SUPERVISÃO E CONTROLE DOS AGENTES


11.2.1 REQUISITOS GERAIS
Atender item 6.1 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.2.2 INTERLIGAÇÃO DE DADOS


Atender item 6.2 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.2.3 RECURSOS DE SUPERVISÃO E CONTROLE DOS AGENTES


Atender item 6.3 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.3 REQUISITOS PARA A SUPERVISÃO E CONTROLE DE EQUIPAMENTOS PERTENCENTES À REDE


DE OPERAÇÃO

Este item define os requisitos de supervisão e controle necessários às funções de supervisão e controle do
ONS, aplicáveis aos equipamentos pertencentes à rede de operação.

61
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Os requisitos necessários à função de seqüenciamento de eventos são objetos de um item à parte.

11.3.1 INTERLIGAÇÃO DE DADOS


Atender item 7.2 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.3.2 INFORMAÇÕES REQUERIDAS PARA A SUPERVISÃO DO SISTEMA ELÉTRICO


Atender item 7.3 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.3.3 INFORMAÇÕES E TELECOMANDOS REQUERIDOS PARA O CONTROLE AUTOMÁTICO DE GERAÇÃO (CAG)


Atender item 7.4 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.3.4 REQUISITOS DE QUALIDADE DA INFORMAÇÃO


Atender item 7.7 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.3.5 PARAMETRIZAÇÕES
Atender item 7.8 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.4 REQUISITOS PARA O SEQUENCIAMENTO DE EVENTOS


11.4.1 INFORMAÇÕES REQUERIDAS PARA O SEQUENCIAMENTO DE EVENTOS
Atender item 8.2 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.4.2 REQUISITOS DE QUALIDADE DOS EVENTOS


Atender item 8.3 do submódulo 2.7 Revisão 2.0

11.5 ARQUITETURA DE INTERCONEXÃO COM O ONS


A supervisão e controle é um dos pilares da operação em tempo real do sistema elétrico, estando hoje na
região de Xingu e Estreito, estruturada em um sistema hierárquico com SISTEMAS de supervisão e controle
instalados em três Centros de Operação do ONS, quais sejam:

 Centro Regional de Operação Norte/Centro-Oeste – COSR-NCO;


 Centro Regional de Operação Sudeste – COSR-SE
 Centro Nacional de Operação do Sistema Elétrico - CNOS.
Esta estrutura é apresentada de forma simplificada, para fins meramente ilustrativos, na figura a seguir. A
TRANSMISSORA deverá prover dois canais independentes para as interconexões de dados entre cada
Centro de Operação do ONS (exceto o CNOS) e cada um dos SISTEMAS de supervisão das subestações
envolvidas, devidamente integrados aos existentes.

62
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

A TRANSMISSORA deverá prover dois canais de voz independentes entre cada uma das subestações
envolvidas e os Centros Regionais de Operação do ONS (COSR-NCO e COSR-SE).

Recursos do CNOS (1)


ONS
COSR-NCO (1) COSR-SE (1)

Barramento Lógico de
SSC-NCO (2) SSC-SE (2) suporte dos SSCs aos COSs

Rede de Comunicação Operativa do ONS

SA do SSC-NCO (3) SA do SSC-SE (3)


SAL SAR SAL SAR

Recursos providos
pelos Agentes CAG
CAG

XING (4) ESTR(4)

Legenda:
(1) Centros de Operação utilizados pelo ONS:
CNOS – Centro Nacional de Operação do Sistema
COSR-SE- Centro Regional de Operação Sudeste
COSR-NCO- Centro Regional de Operação Norte/Centro-Oeste
(2) Sistema de Supervisão e Controle do COSR-SE e do COSR-NCO
(3) Sistema de Aquisição de Dados (SA) compreendido por um SA local (SAL) e um SA remoto (SAR)
(4) Recursos de supervisão e controle nas subestações:
XING - Subestação Xingu
ESTR - Subestação Estreito (Terminal Minas)

FIGURA 11.1 – ARQUITETURA DE INTERCONEXÃO COM O ONS.

Observa-se na figura acima que a interconexão com o Centro do ONS se dá através das seguintes
interligações de dados.

(a) Os dados referentes à telessupervisão e SOE devem ser enviados conforme indicado a seguir:
 SE Xingu 500 kV e ±800 kV CC e filtros CA: ao COSR-NCO
 SE Estreito ±800 kV CC e filtros CA: ao COSR-NCO
 SE Estreito, 500 kV (menos filtros CA, incluindo os bays de conexão dos filtros CA): ao COSR-
NCO e COSR-SE

63
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

(b) Os dados de telemedição de potência ativa para o Controle Automático de Geração – CAG devem ser
disponibilizados da seguinte forma:
 Terminal de 500 kV dos transformadores dos conversores da SE Estreito: dois canais de
comunicação independentes até o COSR-NCO e dois canais de comunicação independentes até o
COSR-SE.
Alternativamente, a critério da TRANSMISSORA, a interconexão com os Centros do ONS poderá se dar por
meio de um centro de operação próprio da TRANSMISSORA ou contratado de terceiros, desde que sejam
atendidos os requisitos descritos para supervisão e controle e telecomunicações. Neste edital, este centro é
genericamente chamado de “Concentrador de Dados”. Neste caso, a estrutura dos centros apresentada na
figura anterior seria alterada com a inserção do concentrador de dados num nível hierárquico situado entre as
instalações e os COSR-NCO e COSR-SE do ONS e, portanto, incluído no objeto desta licitação. A figura a
seguir ilustra uma possível configuração. Destaca-se que apesar do uso de um centro local, requer-se o canal
dedicado para a transferência dos dados de CAG.

Neste caso, a TRANSMISSORA deverá prover dois canais de voz independentes entre o centro de operação
próprio da TRANSMISSORA ou contratado de terceiros e os Centros Regionais de Operação do ONS
(COSR-NCO e COSR-SE).

Recursos do CNOS (1)


ONS
COSR-NCO (1) COSR-SE (1)

Barramento Lógico de
SSC-NCO (2) SSC-SE (2) suporte dos SSCs aos COSs

Rede de Comunicação Operativa do ONS

SA do SSC-NCO (3) SA do SSC-SE (3)


SAL SAR SAL SAR

Recursos providos
pelos Agentes CAG
CAG
CD(5)

XING (4) ESTR(4)

Legenda:
Em adição às siglas da figura anterior, utilizou-se:
(5) CD – Concentrador de dados, nome genérico dado para um sistema de supervisão e controle que se interponha entre as
instalações e os centros do ONS.

FIGURA 11.2 – ARQUITETURA ALTERNATIVA DE INTERCONEXÃO COM O ONS.

64
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

11.6 REQUISITOS DE SUPERVISÃO PELO AGENTE PROPRIETÁRIO DAS INSTALAÇÕES


(SUBESTAÇÕES) COMPARTILHADAS DA REDE DE OPERAÇÃO.
Atender item 11 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.7 REQUISITOS DE SUPERVISÃO ENTRE OS AGENTES CONCESSIONÁRIO DAS ESTAÇÕES


CONVERSORAS E OS AGENTES CONCESSIONÁRIOS DAS LINHAS CC
O agente de transmissão concessionário das estações conversoras de Xingu e Estreito deve disponibilizar ao
agente de transmissão concessionário das linhas CC, todas as informações de telessupervisão e SOE
necessárias à operação das linhas CC em tempo real, conforme requisitos apresentados no subitem
“Requisitos para a Supervisão e Controle de Equipamentos Pertencentes à Rede de Operação”.

O agente de transmissão concessionário das linhas CC deve prover os canais de dados para obtenção de
todas as informações disponibilizadas pelo agente de transmissão concessionário das estações conversoras.
O protocolo adotado para comunicação deve ser configurado conforme determinado pelo agente
concessionário das estações conversoras.

11.8 AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE E DA QUALIDADE DOS RECURSOS DE SUPERVISÃO E


CONTROLE
Atender item 12 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.9 REQUISITOS PARA A ATUALIZAÇÃO DE BASES DE DADOS DOS SISTEMAS DE SUPERVISÃO E


CONTROLE
Atender item 13 do submódulo 2.7 Revisão 2.0.

11.10 AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE E DA QUALIDADE DOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES


Atender o submódulo 13.5.

65
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

12 SISTEMAS DE REGISTRO DE PERTURBAÇÕES


Os sistemas de registro de perturbações devem atender ao disposto nos Procedimentos de Rede, submódulo
2.6, Revisão 2.0, item 7.

Lista-se abaixo os registros mínimos necessários ao sistema de corrente contínua, que não estão descritos
nesta versão do submódulo 2.6.

12.1 GRANDEZAS ANALÓGICAS E DIGITAIS A SEREM MONITORADAS PELO REGISTROS DE


PERTURBAÇÕES
12.1.1 GRANDEZAS ANALÓGICAS
As seguintes grandezas analógicas devem ser registradas:

 Corrente CC do polo medida entre a linha e o reator de alisamento


 Tensão CC do polo medida entre a linha e o reator de alisamento
 Ângulo de disparo α (alfa)
 Ângulo de extinção gama
 Ia, Ib e Ic nos lados Y e delta do transformador conversor
 Va, Vb e Vc nos lados Y e delta do transformador conversor
 Vneutro (tensão na linha do eletrodo apenas para o Elo CC) em todos os pontos necessários
 Ineutro (corrente no eletrodo apenas para o Elo CC) em todos os pontos necessários
 Id_order
 Vd_order
A TRANSMISSORA deverá prever a necessidade de medição de correntes adicionais quando da operação
conjugada com o Bipolo 2.

12.1.2 GRANDEZAS DIGITAIS


As seguintes grandezas digitais devem ser registradas:

 Falha de comutação;
 Falta na linha CC;
 Proteção do polo;
 Bloqueio do polo;
 Partida do polo;
 di/dt
 Disparo do RDP do terminal remoto;
 Disparo do RDP da própria SE;

66
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

13 SISTEMA DE TELECOMUNICAÇÕES
13.1 REQUISITOS GERAIS
Os sistemas de telecomunicações das subestações, integrantes deste lote, devem atender aos sistemas de
comunicação de voz operativa e administrativa, teleproteção, supervisão e controle elétrico, supervisão de
telecomunicações, controle de emergência, medição e faturamento, entre as subestações de energia elétrica
envolvidas e destas aos centros de operação do sistema elétrico envolvidos.

O sistema de telecomunicações para a comunicação de voz deve ser implantado para atender a troca de
informações em tempo real entre o interlocutor designado pela Transmissora e os Centros do ONS indicados,
COSR-NCO e COSR-SE, conforme estabelecido nos Submódulos 10.2 e 10.3 do Módulo 10 dos
Procedimentos de Rede. O interlocutor do Agente poderá ser uma de suas instalações ou um Centro de
operação designado para tal.
Adicionalmente à comunicação de voz entre a Transmissora e o ONS, haverão canais de voz dedicados para
a troca de informações operacionais em tempo real entre as Transmissoras das estações conversoras e as
Transmissoras responsáveis pelas linhas CC. Estes canais serão serem implantados pelas
TRANSMISSORAS das linhas CC

13.1.1 DISPONIBILIDADE
Atender item 4.1 do SM 13.2 Revisão 2.0.

13.1.2 QUALIDADE
Atender item 4.2 do SM 13.2 Revisão 2.0.

Adicionalmente, para que o ONS possa supervisionar o atendimento dos requisitos do item 4.2 do SM 13.2
Revisão 2.0, os equipamentos de telecomunicações do agente de operação, utilizados para comunicação de
dados e voz, devem suportar o monitoramento via protocolos ICMP (Internet Control Message Protocol) e
SNMPv3 (Simple Network Management Protocol version 3).

13.1.3 SISTEMA DE TELEPROTEÇÃO


Para o SISTEMA de teleproteção também devem ser seguidos os requisitos das normas IEC 834-1, IEC 870-
5 e IEC 870-6 onde aplicável.

13.1.4 REQUISITOS DE CONFIGURAÇÃO DE VOZ E DE DADOS


Atender item 4.3 do SM 13.2 Revisão 2.0

13.1.5 SISTEMA DE ENERGIA


O Sistema de energia para todos os equipamentos de telecomunicações fornecidos deverá ter as seguintes
características:

 Unidade de supervisão e, no mínimo, duas unidades de retificação;


 Dois bancos de baterias com autonomia total de no mínimo 12 horas, dimensionados para a carga
total de todos os equipamentos de telecomunicações instalados;

67
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 No caso de utilização de baterias do tipo chumbo-ácido, os bancos de baterias deverão estar


acondicionados em ambiente especial, isolado das demais instalações e com sistema de exaustão
de gases;
 As unidades de retificação deverão ter a capacidade de alimentar, simultaneamente, o banco de
baterias em carga e todos os equipamentos de telecomunicações;
 O Sistema de energia deverá estar dimensionado para uma carga adicional de pelo menos 30%.

13.1.6 SUPERVISÃO
Os equipamentos de telecomunicações devem ser supervisionados local e remotamente. Os alarmes e
eventuais medidas analógicas deverão ser apresentados nas instalações onde se encontram os
equipamentos e também permitir a transmissão para um Centro de Supervisão remoto.

Os equipamentos digitais devem permitir remotamente o gerenciamento, diagnóstico e parametrização.

13.1.7 INFRA-ESTRUTURA
A TRANSMISSORA será responsável pela total operacionalização dos SISTEMAS de comunicações devendo
ser prevista toda a infra-estrutura necessária para implantação do SISTEMA de telecomunicações, tais como:
edificações, alimentação de corrente contínua, aterramento, bem como qualquer outra infra-estrutura que se
identificar necessária para o pleno funcionamento do SISTEMA de telecomunicações.

13.1.8 ÍNDICES DE QUALIDADE


A TRANSMISSORA será responsável pela manutenção dos índices de qualidade e de disponibilidade dos
serviços de comunicação de dados e voz que se interligam com o ONS e as demais TRANSMISSORAS
envolvidas, tais como, àquela(s) proprietária(s) de ativos de função transmissão localizados na(s)
subestação(ões) deste lote e as demais que se interliguem, por meio de linha(s) de transmissão ou outro
equipamento de função transmissão, com a(s) subestação(ões) deste lote.

Em caso de indisponibilidade programada de quaisquer serviços de comunicação de dados ou de voz de


interesse do ONS e/ou dos demais agentes interligados, a TRANSMISSORA deve manter entendimentos com
o ONS e/ou os Centros de Operação das demais TRANSMISSORAS envolvidas.

13.1.9 CONTATO TÉCNICO


A TRANSMISSORA deverá indicar um contato técnico para tratar dos assuntos relacionados a
telecomunicações com o ONS e os demais agentes interligados.

13.2 REQUISITOS TÉCNICOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA A TELEPROTEÇÃO


A função teleproteção, que converte os sinais e mensagens das proteções em sinais e mensagens
compatíveis com os canais dos sistemas de telecomunicações e vice versa, pode ser executada pelos
próprios relés de proteção, pelos equipamentos dos sistemas de telecomunicações ou, ainda, por
equipamentos dedicados, denominados equipamentos de teleproteção.
Os equipamentos de teleproteção devem atender às normas de compatibilidade eletromagnética aplicáveis,
nos graus de severidade adequados para utilização em instalações de transmissão de sistemas elétricos de
potência.

68
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Funções de teleproteção integradas em equipamentos de telecomunicação devem ter interfaces dedicadas e


independentes, e os equipamentos que têm tais funções integradas devem ser adequados para uso em
instalações de transmissão de sistemas elétricos de potência, conforme o parágrafo anterior.
Os canais para teleproteção devem:
(a) Ser adequados ao esquema de teleproteção selecionado ou à quantidade de grandezas ou informações
a serem transferidas, no que concerne a número de comandos, largura de banda, taxa de transmissão,
tempo de propagação, simetria e variação de tempo de propagação e integridade das informações.
(b) Manter a confiabilidade e segurança de operação em situações de baixa relação sinal/ruído (canal
analógico) ou erro na taxa de transmissão (BER) acima do especificado.
(c) Os equipamentos de teleproteção devem:
(d) Ter facilidades para a simulação do funcionamento dos esquemas de teleproteção, ponta a ponta, com o
bloqueio simultâneo da saída de comando para a proteção, independente do meio de comunicação
utilizado, para que seja possível realizar verificações dos enlaces sem ser necessário desligar a LT.
(e) Ter chaves de testes para permitir realizar intervenção nos equipamentos de proteção e de
telecomunicações sem ser necessário desligar a LT.
Se o equipamento de teleproteção for instalado em edificação distinta dos equipamentos de
telecomunicações, independente da distância envolvida, a interligação entre ambos deve ser efetuada de
forma a não comprometer a confiabilidade e segurança da teleproteção.
Os canais de telecomunicações providos por sistema de onda portadora sobre linha de transmissão (OPLAT)
devem manter a confiabilidade e a segurança de operação em condições adversas de relação sinal/ruído,
sobretudo na ruptura ou curto-circuito para terra de uma das fases da LT utilizadas pelo sistema OPLAT.
Esquemas de transferência de disparo devem utilizar dois canais de telecomunicações, de equipamentos de
telecomunicação independentes. Sempre que possível, os equipamentos de telecomunicação devem utilizar
meios físicos de comunicação independentes. Os equipamentos de teleproteção, caso utilizados, também
deverão ser independentes.
Em condições normais, o disparo nos esquemas de transferência de disparo se dará pelo recebimento dos
comandos de disparo em ambos os canais. No caso de falha de um dos canais de telecomunicação, o
esquema deve permitir o disparo apenas com o recebimento do comando no canal íntegro (lógica
monocanal).

13.2.1 TELEPROTEÇÃO PARA LINHAS DE TRANSMISSÃO COM TENSÃO NOMINAL IGUAL OU SUPERIOR A 345 KV
Os canais para teleproteção devem ser dedicados, específicos para proteção e não compartilhados com
outras aplicações.
Os esquemas de teleproteção devem ser independentes e redundantes para a proteção principal e alternada,
sempre que possível utilizando meios físicos de transmissão independentes, de tal forma que a
indisponibilidade de uma via de telecomunicação não comprometa a disponibilidade da outra via.
Os esquemas de transferência de disparo devem ser independentes e redundantes para a proteção principal
e alternada.

69
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

13.2.2 TELEPROTEÇÃO PARA LINHAS DE TRANSMISSÃO COM TENSÃO NOMINAL DE 230 KV OU 138 KV
Os canais para teleproteção devem ser, preferencialmente, dedicados, específicos para proteção e não
compartilhados com outras aplicações. Quando for justificável a utilização de compartilhamento, o
atendimento à aplicação de proteção deve ser prioritário.
Os esquemas de teleproteção e de transferência de disparo são obrigatórios apenas para a proteção
principal.

13.3 REQUISITOS PARA SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE VOZ


A TRANSMISSORA deve prover serviços de telefonia para comunicação de voz, full duplex, com sinalização
sonora e visual para comunicação operativa do sistema elétrico em tempo real.

13.3.1 ENTRE SUBESTAÇÕES ADJACENTES


(a) Serviço de telefonia para comunicação de voz ponto a ponto (tipo direto, sem comutação telefônica) e
apresentando, no mínimo, classe B.
(b) Serviço de telefonia para comunicação de voz, podendo ser discado via SISTEMA de telefonia comutada
e apresentando, no mínimo, classe C.

13.3.2 COM CENTRO DE OPERAÇÃO LOCAL


Se a TRANSMISSORA optar pelo uso de um Centro de Operação Local próprio ou contratado para
atendimento às subestações envolvidas, deverão ser previstos:
(a) Entre o Centro de Operação Local e as subestações envolvidas
 Serviço de telefonia para comunicação de voz ponto a ponto (tipo direto, sem comutação
telefônica) e apresentando, no mínimo, classe B.
 Serviço de telefonia para comunicação de voz, podendo ser discado via SISTEMA de telefonia
comutada e apresentando, no mínimo, classe C.
(b) Entre o Centro de Operação Local e os Centros de Operação concessionárias que detenham concessão
de equipamentos/instalações de fronteira com o empreendimento deste lote.
 Serviço de telefonia para comunicação de voz ponto a ponto (tipo direto, sem comutação
telefônica) e apresentando, no mínimo, classe A. Em decorrência da alta disponibilidade exigida, o
serviço Classe A, normalmente, é um serviço prestado com recursos de telecomunicações
disponibilizados através de duas rotas distintas e independentes.
(c) Entre o Centro de Operação Local e o o(s) Centro(s) Regional(is) de Operação do ONS, responsável(is)
pela operação da região de instalação do empreendimento:
 Serviço de telefonia para comunicação de voz ponto a ponto (tipo direto, sem comutação
telefônica) e apresentando, no mínimo, classe A. O serviço Classe A, com o(s) Centro(s)
Regional(is) de Operação do ONS, deve ser prestado com recursos de telecomunicações
disponibilizados através de, pelo menos, duas rotas distintas e independentes, sendo uma
direcionada para a localidade onde se encontra o Sistema Local de Aquisição de Dados (SAL) e
outra direcionada para a localidade onde se encontra o Sistema Remoto de Aquisição de Dados

70
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

(SAR), ambos situados em uma mesma região metropolitana.A Figura 13.1 abaixo, apresenta a
hierarquia operacional do SIN e as possíveis configurações dos serviços de comunicação de voz e
de dados para suporte às atividades da operação, considerando os centros de operação do ONS e
os centros de operação dos agentes de operação.

FIGURA 13.1 - CONFIGURAÇÕES POSSÍVEIS PARA OS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES DE VOZ E DE DADOS

13.3.3 SEM CENTRO DE OPERAÇÃO LOCAL


Se a TRANSMISSORA não optar pelo uso de um Centro de Operação Local próprio ou contratado para
atendimento às subestações envolvidas, deverão ser previstos:
 Entre cada uma das subestações e os respectivos Centros de Operação das demais
concessionárias que detenham concessão de equipamentos/instalações de fronteira com o
empreendimento deste lote:
- Serviço de telefonia para comunicação de voz ponto a ponto (tipo direto, sem comutação
telefônica) e apresentando, no mínimo, classe A. Em decorrência da alta disponibilidade
exigida, o serviço Classe A, normalmente, é um serviço prestado com recursos de
telecomunicações disponibilizados através de duas rotas distintas e independentes.
 Entre cada uma das subestações envolvidas e o(s) Centro(s) Regional(is) de Operação do ONS,
responsável(is) pela operação da região de instalação do empreendimento:
- Serviço de telefonia para comunicação de voz ponto a ponto (tipo direto, sem comutação
telefônica) e apresentando, no mínimo, classe A. O serviço Classe A, com o(s) Centro(s)
Regional(is) de Operação do ONS, deve ser prestado com recursos de telecomunicações
disponibilizados através de, pelo menos, duas rotas distintas e independentes, sendo uma

71
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

direcionada para a localidade onde se encontra o Sistema Local de Aquisição de Dados


(SAL) e outra direcionada para a localidade onde se encontra o Sistema Remoto de
Aquisição de Dados (SAR), ambos situados em uma mesma região metropolitana. A Figura
13.1 apresenta a hierarquia operacional do SIN e as possíveis configurações dos serviços de
comunicação de voz e de dados para suporte às atividades da operação, considerando os
centros de operação do ONS e os centros de operação dos agentes de operação.

13.3.4 OUTROS
Adicionalmente, deverá ser fornecido um SISTEMA de comunicação móvel (comunicação de voz) que possa
cobrir toda a extensão das LINHAS DE TRANSMISSÃO e as subestações envolvidas, para apoio às equipes
de manutenção em campo.
Para comunicação com o(s) centro(s) de operação do ONS, responsável(is) pela operação da região de
instalação do empreendimento, e Centros de Operação das demais concessionárias que detenham
concessão de equipamentos/instalações de fronteira com o empreendimento deste lote, a TRANSMISSORA
deve dispor de serviço de telefonia comutada Classe C, no mínimo, em seu centro de operação local próprio
ou contratado para suporte às atividades das áreas de normatização, pré-operação, pós-operação e apoio e
coordenação dos serviços de telecomunicações.
Para comunicação com o escritório central do ONS, a TRANSMISSORA deve dispor de serviço de telefonia
comutada classe C, no mínimo, em seu centro de operação local próprio ou contratado para suporte às
atividades das áreas de planejamento e programação da operação.

13.4 REQUISITOS PARA SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS


Os serviços de comunicação de dados abaixo especificados devem ser dimensionados (quantidade de
canais, velocidade, uso de rotas alternativas, etc.) de forma a suportar o carregamento imposto pela
transferência das informações especificadas e apresentar a disponibilidade e qualidade conforme descrito
neste edital. Cada circuito de comunicação de dados é formado pelo respectivo canal de dados e associado
às interfaces necessárias para permitir a comunicação de dados entre dois pontos.
Serviços de comunicação de dados para supervisão e controle
Para a supervisão e controle pelo ONS e agentes interligados, deverão ser fornecidos os seguintes serviços
de comunicação de dados e atendendo a classe A. Em decorrência da alta disponibilidade exigida, o serviço
Classe A, normalmente, é um serviço prestado com recursos de telecomunicações disponibilizados através
de, pelo menos.duas rotas distintas e independentes, sendo uma direcionada para a localidade onde se
encontra o Sistema Local de Aquisição de Dados (SAL) e outra direcionada para a localidade onde se
encontra o Sistema Remoto de Aquisição de Dados (SAR), ambos situados em uma mesma região
metropolitana. A Figura 13.1, apresenta a hierarquia operacional do SIN e as possíveis configurações dos
serviços de comunicação de voz e de dados para suporte às atividades da operação, considerando os
centros de operação do ONS e os centros de operação dos agentes de operação.

13.4.1 COM CENTRO DE OPERAÇÃO LOCAL


Se a TRANSMISSORA optar pelo uso de um Centro de Operação Local próprio ou contratado, devem ser
previstos os seguintes serviços de comunicação de dados:
 Entre o computador de comunicação do Centro de Operação Local e as subestações envolvidas;

72
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 Entre o computador de comunicação do Centro de Operação Local e os computadores de


comunicação dos Centros de Operação dos agentes Interligados;
 Entre o computador de comunicação do Centro de Operação Local e o computador de
comunicação do(s) Centro(s) Regional(is) de Operação do ONS responsável(is) pela operação da
região de instalação do empreendimento. O serviço Classe A com o(s) Centro(s) Regional(is) de
Operação do ONS deve ser prestado com recursos de telecomunicações disponibilizados através
de, pelo menos, duas rotas distintas e independentes, sendo uma direcionada para a localidade
onde se encontra o Sistema Local de Aquisição de Dados (SAL) e outra direcionada para a
localidade onde se encontra o Sistema Remoto de Aquisição de Dados (SAR), ambos situados em
uma mesma região metropolitana. A Figura 13.1, apresenta a hierarquia operacional do SIN e as
possíveis configurações dos serviços de comunicação de voz e de dados para suporte às
atividades da operação, considerando os centros de operação do ONS e os centros de operação
dos agentes de operação.

13.4.2 SEM CENTRO DE OPERAÇÃO LOCAL


Se a TRANSMISSORA não optar pelo uso de um Centro de Operação Local, devem ser previstos os
seguintes serviços de comunicação de dados:
 Entre cada subestação envolvida e o computador de comunicação do Centro de Operação do
agente Interligado correspondente;
 Entre cada subestação envolvida e o computador de comunicação do Centro Regional de
Operação do ONS. O serviço Classe A com o Centro Regional de Operação do ONS deve ser
prestado com recursos de telecomunicações disponibilizados através de duas rotas distintas e
independentes.
Os serviços acima deverão ser independentes de qualquer outro serviço de comunicação de dados.

13.4.3 RECURSOS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PARA A REDE DE REGISTRO DE PERTURBAÇÕES


Para a aquisição de dados de registro de perturbação devem ser previstos dois ramais telefônicos DDR
(discagem direta ao ramal) e ligados a modem para conexão ao Concentrador Central de Dados de Registro
de Perturbações da TRANSMISSORA ou diretamente aos RDP localizados nas subestações envolvidas, para
acesso pelo ONS ou outros Agentes autorizados.
Soluções alternativas que permitam o acesso via rede de dados poderão ser admitidas, uma vez assegurado,
no mínimo, os mesmos índices de desempenho atribuídos aos circuitos acima especificados.

13.4.4 OUTROS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS


Para suporte às atividades de normatização, pré-operação, pós-operação, planejamento da operação,
programação da operação, administração de serviços e encargos da transmissão e demais sistemas de apoio
disponibilizados pelo ONS para os agentes, a TRANSMISSORA deve dispor de meio de acesso à Internet,
dimensionado de forma a suportar o carregamento imposto pelo conjunto dessas atividades, através de
serviço de comunicação de dados classe B.
Soluções alternativas que permitam a comunicação via outros tipos de redes de dados poderão ser admitidas,
uma vez assegurado, no mínimo, os mesmos índices de desempenho atribuídos aos serviços acima
especificados.

73
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

14 DEMONSTRAÇÃO DA CONFORMIDADE DO EMPREENDIMENTO


Cabe a Transmissora demonstrar a conformidade técnica de seu empreendimento aos requisitos
estabelecidos no ANEXO 6AB e nos Procedimentos de Rede, para os horizontes de planejamento e de
operação. Esta demonstração deve considerar também as configurações de rede mais críticas no escopo da
operação, dentro da abrangência do Plano de Ampliações e Reforços na Rede Básica – PAR, bem como as
etapas de implantação do projeto, incluindo as condições extremas de potência de curto-circuito, número
mínimo de máquinas e de inércia mínima no sistema CA associado a qualquer terminal do elo CC.
A demonstração da conformidade deste empreendimento se dará em duas etapas: Projeto Básico Etapa de
Concepção e Projeto Básico Etapa de Detalhamento. Este procedimento envolve necessariamente as
atividades de treinamento e de acompanhamento do projeto descritas no item 14.1.
A TRANSMISSORA deverá apresentar à ANEEL o Projeto Básico Etapa de Concepção, doravante
denominada apenas Etapa de Concepção, completo, em até 180 dias após a assinatura do Contrato de
Concessão.
Destacadamente, os seguintes diagramas e especificações deverão ser apresentados à ANEEL em até 120
dias:

Diagramas:
 D1 - Diagrama unifilar geral (pátios CA e CC)
 D2 - Diagramas de proteção, controle e medição (pátios CA e CC)
 D3 - Planta e Corte das subestações
Especificações:
 E1: Transformadores Conversores;
 E3: Válvulas;
As demais especificações, a serem entregues ao final da Etapa de Concepção (180 dias) estão listadas no
item 14.3.
Deverão ser entregues para análise, nos prazos abaixo definidos, os relatórios abaixo relacionados e
agrupados por assunto:
Relatórios de Estudos de Dimensionamento do Elo CC
 R1 - Definição dos parâmetros do circuito principal (120 dias);
 R2 - Estudo de compensação reativa - balanço de potência reativa (120 dias);
 R3 - Estudo de sobrecorrentes transitórias em válvulas e outros equipamentos (120 dias)
 R4 – Estudos de desempenho dos filtros CA (180 dias)
 R5 – Estudos de definição do rating dos filtros CA e da Compensação Reativa (180 dias)
 R6 - Estudos de desempenho dos filtros CC (180 dias)
 R7 - Estudos de definição de rating dos filtros CC (180 dias)

74
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 R8 - Estudo de coordenação de isolamento - pátios CA e CC, devendo ser finalizado a partir dos
resultados de R9 e R13 (versão preliminar em 120 dias e final em 180 dias)
 R9 – Sobretensões Transitórias no lado CC, incluindo Descargas Atmosféricas e Estudos
conjuntos Conversoras-Linhas CC, de curto-circuito na linha CC para determinação da máxima
sobretensão no polo são (180 dias).
 R10 – Estudos de ressonâncias CA-CC em baixas harmônicas (180 dias)
 R11 – Dimensionamento dos reatores de alisamento (180 dias)
 R12 - Dimensionamento das chaves CC: MRTB, GRTS, NGBS e NBS (180 dias)
 R13 – Sobretensões Transitórias no lado CA (180 dias)
 R14 - Estudos de TRT - abertura de bancos e filtros no lado CA (180 dias)
 R15 – Dimensionamento Teórico das Perdas – Preliminar (120 dias)
 R16 - Ruído audível e interferência em telecomunicação – PLC (120 dias)
Relatórios de Estudos de Sistema
 R17 - Fluxo de potência e curto-circuito na rede CA (120 dias)
 R18 - Estudos a frequência fundamental - sobretensões e estabilidade (180 dias)
 R19 - Estudos de desempenho dinâmico-DPS considerando interações multi-infeed (180 dias)
Relatório de Controle de Conversores, Polo e Bipolo
 R20 – Relatório de Concepção – Filosofia, atributos, sequenciamentos (com os respectivos tempos
envolvidos em cada operação) e linhas gerais de atuação (120 dias)
Relatório de Eletrodo e Linha do Eletrodo
 R21 – Relatório de Concepção – Filosofia e linhas gerais (120 dias)
Relatórios de Estudos de Manobra do Pátio CA
 R22 - Energização de Transformadores Conversores (180 dias)
 R23 - TRT de disjuntores (120 dias)
Relatórios de Outros Estudos (em até 120 dias):
 R25 - Supervisão e Interfaces (Filosofia)
 R26 – Controle e Proteção (Filosofia e Diagramas Unifilares)
 R27 - Serviços Auxiliares (Filosofia)
 R28 – Fluxo de Potência de Barramento
Relatórios de Linhas de Transmissão em Corrente Contínua ±800 kV (em até 120 dias):
 R29 – Normas Técnicas Utilizadas
 R30 – Dados Climatológicos
 R31 – Velocidade do Vento e Carregamentos Devidos ao Vento

75
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 R32 – Condutor e Cabos Para-raios


 R33 – Estudos Mecânicos do Condutor e dos Cabos Para-raios
 R34 – Distâncias de Segurança
 R35 – Largura da Faixa de Servidão
 R36 – Coordenação do Isolamento
 R37 – Cadeias de Isoladores e Conjuntos de Fixação dos Cabos Para-raios
 R38 – Definição da Série de Estruturas, Silhuetas e Hipóteses de Carregamento
 R39 – Memórias de Cálculo das Estruturas
 R40 – Programa dos Ensaios de Carregamento
 R41 – Fundações Típicas
 R42 – Sistema de Aterramento
 R43 – Sistema de Proteção contra Vibrações Eólicas
 R44 – Planta do Traçado

As especificações, diagramas e relatórios de estudos apresentados para análise devem manter a coerência
de premissas, dados e informações entre eles.
A definição e o escopo dos relatórios supra mencionados é discriminada no item 14.5.
Para os relatórios que implicam apenas na apresentação das premissas e filosofia de implementação não
foram detalhados os seus respectivos escopos. Se enquadram nesta categoria os relatórios R20, R21, R25 a
R27.
As pendências apontadas pela ANEEL e/ou ONS, na Etapa de Concepção, deverão ser solucionadas no
prazo de 6 meses, após o recebimento do primeiro relatório de pendências enviado pelo ONS. A partir deste
prazo, caso permaneçam pendências na Etapa de Concepção, o Projeto Básico será considerado não
conforme com os requisitos do Edital e estará sujeito às penalidades previstas no Contrato de Concessão.
Os requisitos associados às características definidas na Etapa de Concepção devem ser demonstrados antes
que se passe para a Etapa de Detalhamento, uma vez que as ordens de produção dos equipamentos devem
ser baseadas nas definições da Etapa de Concepção. Os requisitos técnicos sujeitos a demonstração, ainda
na Etapa de Concepção, estão detalhados ao longo deste ANEXO 6AB.
A Etapa de Detalhamento do Projeto Básico, doravante denominada apenas por Etapa de Detalhamento,
deverá ser apresentada no prazo de 30 meses, a partir da assinatura do Contrato de Concessão. Os estudos
e relatórios que compõem esta fase estão descritos no item 14.6.
As pendências apontadas pela ANEEL e/ou ONS, na Etapa de Detalhamento, deverão ser solucionadas no
prazo de 6 meses, após o recebimento do primeiro relatório de pendências enviado pelo ONS. A partir deste
prazo, caso permaneçam pendências na Etapa de Detalhamento, o Projeto Básico será considerado não
conforme com os requisitos do Edital e estará sujeito às penalidades previstas no Contrato de Concessão.

76
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

O ONS emitirá um Parecer de Conformidade sobre cada um dos relatórios solicitados neste Capítulo. É
facultada a Transmissora a interação com o ONS, durante o desenvolvimento dos trabalhos referentes a esta
etapa, com o intuito de dirimir dúvidas e obter esclarecimentos. A Transmissora deverá revisar a
documentação naquilo que lhe for solicitado diretamente pelo ONS, enquanto perdurarem pendências em
cada relatório.
Somente serão considerados para efeito de aprovação de conformidade dos documentos analisados pela
ANEEL/ONS, àqueles revisados pela Transmissora, que contemplem todas as solicitações efetuadas nos
Pareceres de Conformidade encaminhados pelo ONS à TRANSMISSORA.
Ao final da Etapa de Concepção, com base no Parecer de Conformidade sem pendências, emitido pelo ONS,
a ANEEL emitirá o Despacho de Aprovação.
O Termo de Liberação, em qualquer de suas modalidades, será emitido após a emissão pelo ONS do Parecer
de Conformidade, sem pendências, da Etapa de Detalhamento.

14.1 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO E TREINAMENTOS


Na Etapa de Concepção do projeto, a TRANSMISSORA deverá permitir, junto ao seu fornecedor de
equipamentos HVDC, a participação de Especialistas da ANEEL e do ONS em reuniões técnicas e gerenciais,
com duração de até uma semana por evento, para o acompanhamento in loco do desenvolvimento do projeto
(10 pessoas por evento).
A TRANSMISSORA deverá permitir a integração de 1 (um) colaborador do ONS, no desenvolvimento do
Projeto Básico Etapa de Concepção e Etapa de Detalhamento.
Deverá ser permitido, aos Técnicos do ONS, o acompanhamento do comissionamento dos sistemas de
supervisão e controle, conforme definidos no Capítulo 11 (5 pessoas).
O ONS acompanhará a rotina dos testes de aceitação e de sistema (FAT e FST), associados às réplicas dos
controles que integrarem o simulador de CC a ser fornecido.

14.1.1 TREINAMENTOS
A TRANSMISSORA deverá prover treinamento do pessoal indicado pelo ONS, composto de, no mínimo:
(a) Tutorial em sala de aula sobre o sistema HVDC proposto pela TRANSMISSORA, nos escritórios do ONS
no Rio de Janeiro, com duração mínima de 40 horas, para 50 pessoas;
(b) Treinamento de pessoal de operação do ONS, no Rio de Janeiro e em Brasília, num total de 5 turmas,
com 10 pessoas cada, incluindo utilização da interface homem máquina responsável pela operação e
controle dos conversores CC;
(c) Treinamento específico do pessoal de estudos elétricos e simulador, no Rio de Janeiro, num total de
duas turmas com 10 pessoas cada, com duração de 15 dias cada curso, abrangendo pelo menos:
descrição funcional, filosofia do controle e proteção, hierarquia de funções, configuração/programação e
utilização de modelos computacionais (PSCAD/ATP) bem como do software/hardware empregado nos
cubículos de controle e proteção.
A TRANSMISSORA deverá detalhar, em até um ano após a assinatura do contrato de concessão, a
programação dos treinamentos a serem ministrados.

77
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

14.2 MODELOS COMPUTACIONAIS E FERRAMENTA DE SIMULAÇÃO


Deverão ser encaminhados à ANEEL os modelos computacionais do elo CC, em arquivos digitais, no formato
dos programas mencionados na Tabela 14.1, com a respectiva documentação, incluindo a representação por
meio de diagramas de blocos, funções de transferência, lista de parâmetros e respectivas faixas de ajuste,
quando for o caso, a serem utilizados em estudos de sistemas, conforme tabela abaixo:
TABELA 14.1 – PROGRAMAS COMPUTACIONAIS PARA OS MODELOS DO ELO
Aplicação Programa computacional
Estudo de fluxo de carga Anarede – desenvolvido pelo Cepel
Estudos de transitórios eletromecânicos Anatem – desenvolvido pelo Cepel
Manobra de equipamentos da Rede CA e
Estudos de ATP - Alternative Transients Program
interação Rede CA – Elo CC
transitórios
Manobra de equipamentos da Rede CC e
eletromagnéticos PSCAD
desempenho dinâmico de controladores
Deverá ser encaminhada documentação relativa à configuração e utilização dos modelos de simulação do
item anterior contemplando a identificação das funções existentes no equipamento real ou réplica que não
foram incorporadas aos modelos computacionais por razões de ordem prática. Simplificações de tal natureza
deverão ser justificadas através de estudos comparativos de resultados entre as ferramentas computacionais
e no simulador em escala real de tempo. Também deverão ser encaminhados os casos de estudo, nos
formatos dos programas mencionados na Tabela 14.1, utilizados nos estudos de sistema R17, R18 e R19.
O prazo para encaminhamento dos modelos computacionais preliminares, provenientes da Etapa de
Concepção, e respectiva documentação será de 180 dias contados a partir da assinatura do Contrato de
Concessão, permitindo a crítica dos resultados apresentados nos estudos de projeto básico do
empreendimento.
O prazo para encaminhamento dos modelos computacionais e respectiva documentação, à época de
conclusão da Etapa de Detalhamento, será de 30 meses contados a partir da assinatura do Contrato de
Concessão, possibilitando a realização posterior dos estudos pré-operacionais e preparação das Instruções
de Operação correspondentes.
A Transmissora permanece responsável pela atualização deste modelo, devendo realizá-la toda vez que for
necessária alguma modificação de hardware ou software, de forma que o modelo espelhe sempre o
equipamento real.
Os modelos computacionais finais em Anatem, PSCAD e ATP deverão ter sido validados inicialmente em
estudos no simulador digital em escala real de tempo para sistemas de corrente contínua e posteriormente,
quando da data de entrada em operação, por testes de campo, utilizando o sistema de registro de eventos a
ser fornecido pela TRANSMISSORA. Alternativamente, o modelo computacional para uma das ferramentas
(Anatem, PSCAD ou ATP) poderá ser validado contra os resultados obtidos com a outra ferramenta desde
que na última tenha-se atendido ao requisito de validação do modelo contra o equipamento real ou réplica.
Qualquer que seja a alternativa adotada, a responsabilidade pela validação dos modelos Anatem, PSCAD e
ATP é da TRANSMISSORA.
Deverá ser facultado ao ONS o pleno acesso ao detalhamento dos modelos de representação dos
equipamentos de CC, na(s) ferramenta(s) computacionais para simulação de transitórios eletromagnéticos e
no simulador digital em escala real de tempo. Também, os modelos de simulação dos controladores CC em
Anatem, PSCAD, ATP e simulador em escala real de tempo, encaminhados ao ONS, deverão incluir o

78
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

suporte a modificações, dentre as quais: monitoramento de sinais e variáveis internas da lógica, alteração de
parâmetros de controle (ganhos e constantes de tempo), inclusão e inibição de lógica/função de controle ou
proteção específica, que permitam a investigação de possíveis aprimoramentos. Essa caracterização decorre
da repercussão sistêmica das funções de controle e proteção envolvidas nos elos de CC.
Adicionalmente, os modelos acima referidos deverão ser fornecidos, também, em modo que permita sua
incorporação à base de dados do SIN, a qual todos os agentes setoriais terão acesso. Os modelos que forem
fornecidos para esta finalidade, caso sejam protegidos com relação ao acesso às suas características,
deverão ter o mesmo nível de detalhamento funcional dos modelos fornecidos de acordo com os requisitos
acima descritos.
Todos os modelos computacionais em Anatem, PSCAD e ATP utilizados na representação dos vários
equipamentos deverão ser compatíveis com as versões correntes dessas ferramentas à respectiva época do
seu encaminhamento. Do mesmo modo, as ferramentas computacionais empregadas na configuração e
utilização dos modelos (compiladores e suítes de desenvolvimento/programação dos controladores CC)
deverão ser fornecidas em suas versões atualizadas.
Os modelos computacionais deverão ser codificados atendendo a padrão de portabilidade de modo a que sua
migração possa ser realizada, sem necessidade de recodificação, na medida da evolução das versões das
ferramentas de simulação e acessórias (compiladores e suítes de desenvolvimento/programação dos
controladores CC).

14.2.1 SIMULADOR DE SISTEMAS DE CORRENTE CONTÍNUA


A TRANSMISSORA deverá fornecer ao ONS uma ferramenta digital para a simulação de sistemas de
corrente contínua em escala real de tempo com capacidade suficiente para representação de todos os
equipamentos que fazem parte da alternativa CC de transmissão, e também dos equipamentos da rede CA
conectados às SEs conversoras.
A ferramenta digital para a simulação do sistema de corrente contínua em escala real de tempo é constituída
de três elementos:
(a) Simulador RTDS, constituído por módulos de processamento, comunicação e interfaces de
entrada/saída digitais e/ou analógicas;
(b) Uma réplica correspondente aos cubículos de controle e proteção da instalação do campo;
(c) Consoles de comando e PCs utilizados para monitoramento, controle e programação dos dispositivos
dos itens a) e b).
A cessão da ferramenta digital para a simulação de sistemas de corrente contínua em escala real de tempo
será formalizada por contrato de comodato entre a TRANSMISSORA e o ONS com vigência indeterminada
associada ao suporte à operação do sistema de CC objeto desse edital.
O simulador a ser fornecido deverá ser capaz de representar, com suficiente detalhe, os sistemas CA
conectados aos terminais inversor e retificador do(s) elo(s) de CC. Para tal, deverão ser fornecidos os
módulos necessários à representação de linhas de transmissão, transformadores, capacitores, reatores e
equivalentes contidos na rede CA retida, no mínimo, iguais as representações utilizadas no Relatório R2 e
conforme rede CA mínima dimensionada com base nos seguintes casos PSCAD, disponíveis no site da EPE:
(a) HVDCV2g2_7P_EQV.psc (cenário de fluxo Estreito – Xingu)
(b) HVDCV2g2_2L_EQV.psc e MULTI-INFEED4.psc (cenário de fluxo Xingu - Estreito)

79
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

A rede a ser representada no simulador deve contemplar, simultaneamente, os sistemas Norte-Nordeste de


(a) e o sistema Sul-Sudeste-Centro Oeste de (b).
O simulador deverá atender aos seguintes requisitos técnicos:
(a) Plena Integração ao simulador de sistemas de CC, de fabricação RTDS Tech Inc., atualmente em uso
pelo ONS (plena integração significa utilização cooperativa e simultânea em mesma referência ou base
de tempo de relógio);
(b) Capacidade de processamento adequada à solução da rede simulada em escala real de tempo com
passo de integração igual ou inferior a 50µs (cinquenta microssegundos);
(c) Capacidade para incorporação de modelos de equipamentos e/ou dispositivos complementares à
biblioteca padrão, elaborados em linguagem de programação de alto nível.
(d) Interface de suporte à programação de modelos de equivalentes elétricos e eletromecânicos do tipo
multiporta e equipamentos/dispositivos com eletrônica de potência em hardware comercial com
arquitetura do tipo FPGA.
(e) Interface programável para conexão a padrão comercial de simulação em escala real de tempo de
outro(s) fabricante(s);
(f) Referência de tempo de relógio controlada por equipamento do tipo GPS.
(g) As réplicas de controladores dos conversores poderão incorporar as interfaces analógicas e digitais de
entrada/saída do simulador aos seus respectivos cubículos, a fim de minimizar a quantidade de cabos de
conexão. Entretanto, essa configuração não poderá restringir a separação dos terminais retificador e
inversor em subsistemas elétricos de solução independente.
As ferramentas computacionais empregadas na configuração e utilização das réplicas (compiladores e suítes
de desenvolvimento/programação dos controladores CC) deverão ser fornecidas em suas versões
atualizadas, com previsão de suporte e atualização por um período de 10 anos.
Caberá a TRANSMISSORA o ônus da instalação da ferramenta de simulação digital para a simulação do elo
CC em escala real de tempo nos escritórios do ONS, realizando todos os testes necessários ao seu
funcionamento.
A TRANSMISSORA deverá efetuar todas as simulações necessárias para demonstrar, a satisfação do ONS,
o desempenho adequado da ferramenta digital para a simulação do elo CC em escala real de tempo, em
conjunto com a(s) rede(s) CA correspondente.
Por ocasião do comissionamento, em períodos de ensaios realizados em campo ou outra atividade que
demande alteração de parâmetros ou de estrutura nos sistemas de corrente contínua, a TRANSMISSORA
deverá providenciar a correspondente atualização nas réplicas dos controles que integrarem o simulador de
CC a ser fornecido ao ONS.

14.3 ETAPA DE CONCEPÇÃO


Na Etapa de Concepção devem ser definidos os componentes do circuito principal, tais como: válvulas,
transformadores conversores e sua faixa de tapes, reatores de alisamento, compensação reativa, filtros CA e
filtros CC, para-raios, filtros PLC, linha CC e linha do eletrodo, sistemas de aterramento (critérios), além dos
diagramas unifilares, pátios CA e CC e da filosofia dos sistemas de proteção, supervisão e controle. Devem
também ser estimadas as perdas máximas por meio de cálculo.

80
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Nesta etapa devem ainda ser definidos todos os níveis de controle CC necessários (conversor, polo, bipolo,
estação e mestre) prevendo a operação isolada do Bipolo 1 e a sua futura integração com os controles do
Bipolo 2. Deve ser previsto, também, o intercâmbio de sinais com a UHE Belo Monte.
Para a demonstração da conformidade aos requisitos, devem ser apresentados a ANEEL, estudos a
frequência fundamental tais como: fluxo de potência, curto-circuito e estabilidade eletromecânica. Também
são necessários estudos de sobretensões incluindo energização de transformadores conversores e filtros CA,
performance harmônica e de ressonância CA/CC de baixa frequência.
Serão necessárias avaliações de desempenho dinâmico, por meio de um programa computacional do tipo
PSCAD, considerando os dados do equivalente de rede citado no item 2.1 e o sistema de controle do
fornecedor com ajustes preliminares, com a finalidade de verificar a adequação da compensação reativa
(controlável ou não), da necessidade de alteração de modularização de bancos e/ou sub-bancos de filtros
e/ou de compensação reativa com relação à ocorrência de falhas de comutação, bem como de outros
requisitos de projeto que possam impactar o desempenho dinâmico do sistema. Os dados e modelagens
oriundas desta etapa deverão ser disponibilizados ao ONS. Estes estudos e o grau de detalhamento
necessário estão descritos neste capítulo.
A TRANSMISSORA poderá propor a adição de outros estudos e documentos que julgar necessários, de
forma a obter sua devida avaliação de conformidade, com a finalidade de agilizar as etapas subsequentes de
fabricação de equipamentos e de componentes.
Ainda nesta etapa, há necessidade de estudos de coordenação de isolamento dos pátios CA e CC. A
TRANSMISSORA deverá demonstrar a adequação das correntes de coordenação assumidas nas estimativas
iniciais, com base em sua experiência, por estudos de transitórios eletromagnéticos. Deverá ainda apresentar
estudos de TRT para dimensionamento dos disjuntores dos filtros e estudos específicos para o
dimensionamento das chaves de abertura em carga no lado CC (MRTB, GRTS e NBGS).
Também é necessária a apresentação dos estudos de dimensionamento da linha de transmissão em corrente
contínua, dos eletrodos e das linhas dos eletrodos.
Ao final dos estudos da Etapa de Concepção, em 180 dias, a TRANSMISSORA deverá apresentar as
especificações dos equipamentos, nomeados conforme a seguir. As especificações devem conter, além dos
dados básicos (coordenação de isolamento, tensões e correntes nominais, capacidade de curto-circuito),
todas as demais necessárias e/ou específicas para o tipo de equipamento, que possibilitem a sua aquisição e
fabricação, respeitadas as características identificadas como necessárias pelos estudos desta etapa.
 E1: Transformadores Conversores;
 E2: Reatores de Alisamento;
 E3: Válvulas;
 E4: Para-Raios;
 E5: Buchas;
 E6: Isoladores;
 E7: Filtros CA e CC;
 E8: Capacitores;
 E9: Reatores;

81
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 E10: Disjuntores e chaves do pátio CA;


 E11: Chaves CC;
 E12: TCs e TPs (CA e CC) e
 E13 – Outros equipamentos não incluídos nessa lista, que possam impactar no cronograma de
aquisição.
Adicionalmente, deverão ser apresentados os diagramas (plantas) descritos a seguir:
 Diagrama 1 - Diagrama unifilar geral dos pátios CA e CC;
 Diagrama 2 - Diagramas de proteção, controle e medição dos pátios CA e CC e
 Diagrama 3 - Planta e Cortes das subestações.
As especificações E1 e E3 e os diagramas D1 a D3, deverão ser entregues em até 120 dias.

14.3.1 PLANILHAS DE DADOS DO PROJETO:


A TRANSMISSORA deverá encaminhar, no Projeto Básico Etapa de Concepção, as planilhas disponíveis no
site da ANEEL nos Adendos da documentação do Leilão, sob o título “Planilha de Dados do Projeto”,
preenchidas com dados requeridos, no que couber, do empreendimento em licitação.
Cabe a Transmissora se certificar de que as informações constantes nestas planilhas correspondam àquelas
informadas nas especificações E1 a E13, devidamente complementadas naquilo que adicionalmente for
solicitado pela planilha.

14.4 ETAPA DE DETALHAMENTO


A Etapa de Detalhamento se inicia ao final da Etapa de Concepção. Esta fase tem como foco, além da
produção dos equipamentos e início de obras civis e eletromecânicas, a otimização dos controles, da
proteção, dos esquemas de emergência e dos procedimentos operativos de forma geral, que envolvem em
detalhe as interações CA/CC. Envolve também os estudos definitivos de coordenação indutiva e de
ressonância CA/CC de baixa frequência, o detalhamento dos eletrodos de terra e a definição da sobrecarga
low ambient. A comprovação da conformidade aos requisitos desta etapa depende da representação
detalhada em programas digitais e/ou simuladores do elo CC. Os dados e modelagens oriundas desta etapa
deverão ser disponibilizados ao ONS para a execução dos estudos pré-operacionais.
Após a Etapa de Detalhamento e antes da entrada em operação é necessária a comprovação, por meio de
testes, ensaios e/ou medições, do atendimento aos requisitos de perdas estabelecidos neste ANEXO 6A, que
foram estimadas na Etapa de Concepção. Há necessidade também da comprovação que as premissas e
tolerâncias assumidas na concepção do projeto para a fabricação dos equipamentos foram atendidas.
O Elo CC deve operar satisfatoriamente na rede real onde ele será inserido. A TRANSMISSORA deverá
investigar eventuais restrições operativas, provenientes de configurações de redes não previstas na Etapa de
Concepção, devendo mitigá-las, valendo-se para isto das informações topológicas da rede existente para os
estudos pré-operacionais. A situação específica de recomposição do sistema por meio da UHE Belo Monte
deverá ser investigada. Este caso deverá ser realizado com a UHE Belo Monte operando isolada do sistema
CA adjacente com o escoamento através do Bipolo 1. Neste caso, a TRANSMISSORA deverá analisar e

82
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

informar quais as condições necessárias para a operação segura, admitindo-se a possibilidade de


relaxamento de requisitos, se necessário.
A TRANSMISSORA deverá informar a lista de recursos necessários a serem disponibilizados pela rede do
SIN, para possibilitar a sua entrada em operação.

14.5 ESTUDOS PARA DEMONSTRAÇÃO DA CONFORMIDADE NA ETAPA DE CONCEPÇÃO


A TRANSMISSORA deverá realizar os estudos definidos nos itens a seguir e apresentar os relatórios
correspondentes a cada estudo, nomeados conforme estabelecido no respectivo item.

14.5.1 ESTUDOS DE DEFINIÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO PRINCIPAL – RELATÓRIO R1


Tem por finalidade demonstrar que é possível, em regime permanente, transmitir os valores de potência
definidos neste Anexo Técnico, desde a potência mínima até a potência máxima, incluindo as sobrecargas de
curta e longa duração, para as condições de frequência e de tensão CA nas extremidades retificadora e
inversora, dentro das faixas operativas da rede básica, com a potência de curto circuito nas estações
terminais dentro da faixa especificada, mantendo a tensão nominal CC dentro da tolerância prevista. Esta
demonstração compreende a operação em todos os modos operativos previstos descritos neste ANEXO 6AB
(item 5.5.3).
Este estudo, ao utilizar no cálculo as variações possíveis de seus parâmetros e dados de entrada,
determinará a faixa de tapes necessária aos transformadores conversores, bem como definirá as tensões e
correntes máximas as quais ficarão submetidos às válvulas e demais equipamentos.
Considera-se como dado de entrada a resistência total da LT-CC especificada (vide item 5.2), corrigida pela
TRANSMISSORA para a temperatura de operação do elo CC (nominal, mínima e máxima). do elo CC, além
das resistências da linha do eletrodo e do eletrodo propriamente dito, em cada uma das estações terminais,
retificadora ou inversora.
Os seguintes parâmetros de controle, entre outros, são considerados: os valores de ângulo de disparo
(nominal, máximo e mínimo), o valor do ângulo de extinção nominal e o valor percentual que se permitirá
variar a tensão DC polo-terra, no inversor, para a variação de cada tape do transformador conversor.
Devem ser consideradas, entre outras, as tolerâncias de projeto/fabricação dos transformadores conversores
e seus respectivos – OLTCs – On Load Tap Changers, que se refletem no valor da reatância de comutação
(∆dx em %), a tolerância de medição de tensão (∆Ud em % de Ud medido), o erro de medição do ângulo de
disparo (graus elétricos), o erro de medição do ângulo de extinção (graus elétricos) e o erro de medição no
transformador de potencial na barra CA (% de UdioN). Deve ser levada em conta também a eventual
necessidade de utilização de filtros Power Line Carrier – PLC, que pode afetar o valor a ser especificado para
a reatância de comutação (dxn).
Devem ser apresentadas tabelas, que deverão conter as seguintes informações, para variações de potência,
no retificador (Pd), em degraus de 10%: Corrente CC(Id -A), tensão CC no retificador (UdR-kV), tensão CC no
inversor (UdI-kV), tensão em vazio ideal no retificador por ponte de seis pulsos (Udi0R-kV), tensão em vazio
ideal no inversor por ponte de seis pulsos (Udi0I-kV), potência CC no retificador (PdR-MW), ângulo de disparo
(α-grau), ângulo de extinção(ɣ-grau), ângulo de comutação no retificador(µR-grau), ângulo de comutação no
inversor(µI-grau), potência CC no inversor (PdI-MW), consumo de reativos no retificador (QR-Mvar) e o
consumo de reativos no inversor (QI-Mvar), além dos tapes dos transformadores conversores no retificador e
inversor.

83
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

14.5.2 ESTUDO DE COMPENSAÇÃO REATIVA - BALANÇO DE POTÊNCIA REATIVA – RELATÓRIO R2


Têm por finalidade demonstrar o atendimento aos requisitos, estabelecidos nos itens 5.5.1 e 5.5.13.
Os resultados devem indicar a estratégia, a quantidade instalada e a modularização de bancos/sub-bancos
de filtros, capacitores e reatores, a ser usada para controlar o intercâmbio de reativos com o sistema CA,
considerando o consumo de reativos da estação conversora, bem como a sequência de chaveamento destes
equipamentos de compensação reativa, considerando toda a faixa de potência operativa (incluindo
sobrecarga de qualquer natureza, se houver) e todos os modos de operação estabelecidos no 5.5.3 deste
ANEXO 6AB.
Deve ser demonstrado que, dentro da faixa de níveis de curto-circuito descritas no item 2.2, atuais ou futuras,
para todos os níveis de carga, para todos os cenários de fluxo, não ocorrerão, como consequências destes
chaveamentos de sub-bancos, variações de tensão no sistema CA acima de 3,0% e que a perda intempestiva
do maior sub-banco de capacitores ou filtros não causará falha de comutação.
Deverão ser respeitados os critérios de intercâmbio de potência reativa e as envoltórias de sobretensões
temporárias máximas definidas respectivamente nos itens 5.5.1 e 5.6 deste ANEXO 6AB.
O relatório deve apresentar os resultados sob a forma de curvas e tabelas P (potência transmitida) e Q
(consumo da conversora, potência reativa fornecida pelos filtros e intercâmbio com o sistema CA), em função
das tensões CA máxima, mínima e nominal, consumo de reativos máximo, mínimo e nominal pela conversora
(função de alfa, dx, etc.), de modo a permitir a análise da conformidade dos resultados em relação aos
requisitos deste Anexo. Deverá ser fornecida uma tabela contendo a sequência de chaveamento dos
elementos de compensação reativa em função da potência transmitida e também da necessidade de
chaveamento em função do desempenho harmônico.

14.5.3 ESTUDOS DE SOBRECORRENTES TRANSITÓRIAS EM VÁLVULAS E OUTROS EQUIPAMENTOS – RELATÓRIO R3


Tem por finalidade demonstrar que os componentes do elo CC, estão adequadamente dimensionadas para
suportar as solicitações transitórias advindas de curtos-circuitos, aplicados em qualquer localização, pelo
tempo máximo necessário a eliminação do mesmo, como por exemplo, pela abertura do disjuntor dos
transformadores conversores. Neste caso, deve ainda ser avaliado o impacto da falha da abertura do
disjuntor pela proteção principal, considerando a abertura pela proteção de retaguarda.
Este relatório deve abranger as solicitações impostas aos equipamentos da barra CA, solicitações impostas
aos transformadores conversores, solicitações impostas às válvulas de tiristores, aos equipamentos da barra
CC e equipamentos da barra de neutro e demais equipamentos, com exceção dos filtros CA e CC que são
avaliados em outros itens..
Devem ser avaliadas também as solicitações aos conversores propriamente ditos, advindas de faltas
aplicadas a equipamentos situados fisicamente dentro da casa de válvulas, incluindo as buchas de parede.
Devem ser considerados como insumo: o valor da potência de curto-circuito definida para a aquisição dos
disjuntores do pátio CA das subestações terminais e os parâmetros definidos pelo cálculo do Main Circuit,
com particular atenção para a reatância dos transformadores conversores.
Devem ser apresentadas a avaliação dos seguintes tipos de falta:
 Curto-circuito na válvula propriamente dita;
 Curto-circuito através da ponte de 6 pulsos;

84
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 Curto-circuito através da ponte de 12 pulsos;


 Curto-circuito polo neutro após reator de alisamento;
 Curto-circuito polo terra antes do reator de alisamento;
 Curto-circuito bifásico, entre o transformador conversor e a válvula;
 Curto-circuito trifásico, entre o transformador conversor e a válvula;
 Curto-circuito para a terra:
i. No lado CA da válvula na ponte ∆;
ii. No lado CA da válvula na ponte Y;
iii. Na barra entre as pontes de 6 pulsos;
iv. No ponto de neutro do transformador Y;
v. Na conexão ao polo.

14.5.4 ESTUDOS DE DESEMPENHO DOS FILTROS CA – RELATÓRIO R4


O estudo deve seguir a metodologia apresentada no item 6.1 deste ANEXO 6AB e tem por objetivo garantir o
desempenho harmônico adequado do projeto de filtros, respeitando os limites de distorção harmônica
individual e total, estabelecidos no Submódulo 2.8.
São consideradas como dados de entrada a modularização de filtros e bancos de capacitores definidos pelo
estudo de balanço de reativos, bem como os resultados dos estudos de dimensionamento do circuito
principal.
O relatório deverá apresentar os valores máximos das correntes harmônicas geradas pelos conversores, para
toda a faixa possível de sua operação, bem como as respectivas distorções harmônicas correspondentes.
Todas as premissas utilizadas para o cálculo, tais como envelopes de impedância, ângulos de disparo das
válvulas, faixa operativa de tensões CA, níveis de corrente CC, tolerâncias de fabricação de transformadores
conversores, tensão de sequência negativa, faixa de tapes dos transformadores conversores, tolerâncias de
qualquer tipo, erros de medição etc., forma de tratamento (determinístico ou estatístico) destas informações
deverão estar claramente apresentadas.

14.5.5 ESTUDOS DE DEFINIÇÃO DE RATING DOS FILTROS CA E DA COMPENSAÇÃO REATIVA – RELATÓRIO R5


Tem por finalidade demonstrar que o dimensionamento do rating dos filtros CA e demais equipamentos de
compensação reativa, tanto em regime permanente quanto em regime transitório é adequado. No que diz
respeito ao rating de regime permanente deve ser atendido o disposto no item 6.1.2 deste ANEXO 6AB.
Nestes estudos devem ser atendidos todos os requisitos, condições operativas e configurações de rede
externa relacionados neste Anexo.
O relatório deve apresentar, tanto para o rating de regime permanente quanto para o rating de regime
transitório, as margens adotadas e os valores nominais do projeto para cada elemento que compõe o
equipamento (ratings de corrente e tensão).
(a) Regime permanente

85
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

O estudo deve demonstrar que os elementos dos filtros (reatores, resistores e capacitores) e da
compensação reativa manobrável, foram dimensionados para suportar as máximas correntes e tensões
harmônicas possíveis.
Também deve ser demonstrado que os filtros não serão desligados pelas proteções de overrating
(sobrecarga) durante condições operativas normais e de contingências simples (N-1) da rede externa, por
meio da representação da rede externa pelos lugares geométricos indicados no item 2.1, com um sub-banco
fora de operação.
Na representação dos filtros devem ser considerados todos os fatores de dessintonías possíveis, incluindo
tolerâncias de fabricação, variação de capacitância por temperatura, variações de frequência da rede, erros
de ajuste de sintonia por discretização de elementos de ajuste e tolerâncias dos instrumentos de medição,
etc.
Para avaliar ressonâncias entre filtros devem ser consideradas dessintonias opostas entre eles, quando
fisicamente possível.
(b) Regime transitório
O estudo deve demonstrar que os filtros e a compensação reativa devem suportar as sobretensões e
sobrecorrentes advindas de condições transitórias, incluindo entre outras: 1) início e eliminação de curtos-
circuitos na conversora, com bloqueio das válvulas durante o curto-circuito; 2) energização dos
transformadores conversores com fluxo residual, e de outros próximos; 3) curtos-circuitos aplicados.

14.5.6 ESTUDOS DE DESEMPENHO DOS FILTROS CC – RELATÓRIO R6


Tem por finalidade demonstrar que o desempenho dos filtros CC atende ao disposto no item 6.2.2 deste
ANEXO 6AB.
O estudo de desempenho dos filtros CC deve ser compatível com as definições oriundas do estudo de
ressonâncias CA-CC em baixas harmônicas (Relatório R10).

14.5.7 ESTUDOS DE DEFINIÇÃO DE RATING DOS FILTROS CC – RELATÓRIO R7


Tem por finalidade demonstrar que o dimensionamento do rating dos filtros CC atende ao disposto no item
6.2.3 deste ANEXO 6AB.
Deve ser apresentado o estudo de dimensionamento dos componentes dos filtros CC, para regime
permanente e transitório, as margens adotadas e os valores nominais do projeto (ratings de corrente e
tensão), para cada um de seus elementos (reatores, resistores e capacitores).
O relatório deve também demonstrar que os filtros CC estão dimensionados para suportar as piores
sobretensões e sobrecorrentes transitórias as quais possam vir a ser submetidos.

14.5.8 ESTUDO DE COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO – RELATÓRIO R8


Tem por finalidade mostrar as bases para definição dos níveis de isolamento das conversoras e
equipamentos exteriores e a aplicação de pára-raios, para os pátios CA e CC. Devem ser atendidos os
requisitos estabelecidos no item 5.5.10 deste ANEXO 6AB.
Sobretensões nas estações conversoras são causadas por fontes externas e internas. Fontes externas são
operações de manobra, faltas a terra, eliminação de defeitos, descargas atmosféricas, oscilações dinâmicas

86
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

da rede CA e rejeição de carga. Fontes internas são faltas a terra, curto-circuitos e falhas de controle dentro
do escopo de suprimento próprio Elo CC.
Este estudo de coordenação de isolamento deve considerar as máximas sobretensões de manobra, bem
como as máximas sobretensões produzidas por descargas atmosféricas que possam se propagar até os
equipamentos.
Deve também levar em conta as configurações/topologias advindas de todos os modos de operação definidos
no item 5.5.3 deste ANEXO 6AB, bem como definir os níveis de isolamento para os pátios CA e CC, a
localização de todos os pára-raios, seu número, suas correntes de coordenação, sua capacidade de
dissipação de energia.
Devem ser considerados como dados de entrada os valores de tensão máxima de operação CC e CA, tensão
ideal CC em vazio por conversor de 6 pulsos (Udio nominal e Udio máxima possível considerando os
limitadores e os erros de medida), relação de transformação dos transformadores conversores, faixa de tapes
dos transformadores conversores, step de cada tape, reatância de comutação (dx), correntes CC (nominal e
máxima incluindo sobrecarga se houver) definidos no cálculo do circuito principal.
O relatório deve apresentar a localização, a quantidade e os dados de todos os pára-raios dentro do escopo
de suprimento, incluindo as curvas de descarga máxima e mínima (8x20 µs, 30x60 µs, frente íngreme, etc...),
número de colunas e capacidade de dissipação de energia. Deve apresentar também os níveis de proteção e
respectiva corrente para frente íngreme (STIPL-kV, ISTIPL-kA), impulso de manobra (SIPL-kV, ISIPL-kA) e
impulso atmosférico (LIPL-kV, ILIPL-kA), bem como o nível adotado para o disparo protetivo (PF). O relatório
deve ainda explicitar, em uma tabela, a margem de proteção utilizada, para cada um dos pára-raios,
apresentando além dos valores de SIPL e LIPL os valores de suportabilidade a impulso atmosférico (LIWL) e
suportabilidade a impulso de manobra (SIWL).
Os para-raios de filtros CA e CC também deverão ser objeto de dimensionamento, conforme relatórios R5 e
R7 respectivamente.
Deve-se apresentar o cálculo (estimativa) inicial da coordenação de isolamento, tanto do pátio CA, quanto do
pátio CC, considerando as premissas iniciais de correntes de coordenação, assumidas com base na
experiência. Entretanto, estas premissas de coordenação deverão ser comprovadas, ainda na Etapa de
Concepção, por meio de simulação em ferramentas digitais, considerando os casos mais críticos para o
dimensionamento de equipamentos.

14.5.9 ESTUDOS DE SOBRETENSÕES TRANSITÓRIAS NO LADO CC – RELATÓRIO R9


O objetivo deste estudo é identificar as máximas solicitações, advindas de surtos de manobra e atmosféricos,
impostas aos para-raios localizados na casa de válvulas e no pátio CC, servindo de subsídio para o relatório
de coordenação de isolamento (R8).
Deve também incluir estudos conjuntos Conversoras-Linhas CC, de curto-circuito na linha CC para
determinação da máxima sobretensão no polo são.
As simulações devem ser realizadas por meio de programas digitais de transitórios eletromagnéticos.

14.5.10 ESTUDOS DE RESSONÂNCIAS CA/CC EM BAIXAS HARMÔNICAS – RELATÓRIO R10


Estudo preliminar que tem por finalidade demonstrar que o dimensionamento dos filtros CC e reatores de
alisamento não causam nenhum problema relacionado à resposta do circuito CC à excitação de ressonâncias
harmônicas, na faixa compreendida entre a frequência fundamental e a segunda harmônica – 60 Hz a 120

87
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Hz. Para este estudo os parâmetros da linha CC deverão ser estimados com base no ANEXO 6AB
correspondente e nos dados do Relatório R2 ou do projeto da LT CC, caso disponíveis.
O dimensionamento preliminar dos valores de reatâncias dos reatores de alisamento e seus arranjos na
conversora devem ser detalhados pela TRANSMISSORA e submetidos para análise de conformidade e
aprovação de conformidade, mesmo sem ter sido, nesta etapa, desenvolvido o estudo de surtos rápidos
incidentes nas conversoras, os quais poderão impactar no dimensionamento.
Devem ser investigados neste estudo os aspectos relacionados á possíveis necessidades de instalação de
filtros CC de segunda harmônica, de filtros CC bloqueadores de frequência fundamental a serem instalados
nas conexões de neutro das conversoras, em função da presença de linhas CA em paralelo à linha CC em
alguns trechos da rota sugerida no Relatório R3, com o intuito de evitar a indução de correntes CC nos
enrolamentos dos transformadores conversores.

14.5.11 DIMENSIONAMENTO DOS REATORES DE ALISAMENTO – RELATÓRIO R11


Tem por objetivo comprovar a adequação do dimensionamento dos reatores de alisamento com relação a não
provocar ressonâncias de baixas harmônicas, limitar adequadamente a taxa de variação da corrente CC,
limitar os surtos de corrente originários de descargas na linha CC, limitar o ripple de tensão CC bem como
contribuir para a redução da ocorrência de falhas de comutação no inversor.
Devem ser analisados os impactos da localização e tamanho definido para os reatores de alisamento no que
concerne a coordenação/níveis de isolamento dos pátios CC e CA.
Deve ser utilizada modelagem de alta frequência, ainda que típica, dos transformadores conversores e
equipamentos do pátio CC que incluam a representação adequada das capacitâncias parasitas.
Deve ser mantida a compatibilização com as determinações advindas dos estudos de Sobretensões
Transitórias no Lado CC (Relatório R9) e Ressonâncias CA-CC de baixas harmônicas (Relatório R10).

14.5.12 DIMENSIONAMENTO DAS CHAVES CC (MRTB, GRTS, NGBS E NBS) – RELATÓRIO R12
Deve-se demonstrar que o conjunto das chaves especificadas para o pátio CC é capaz de permitir a operação
do Elo CC, em todas as suas modalidades operativas, sem restrições de quaisquer espécies.
Devem ser caracterizados todos os sequenciamentos de eventos de transferências entre modos operativos,
incluindo os tempos associados.
Devem ser indicadas, neste relatório, as características técnicas e tecnologia adotadas para cada uma das
chaves CC.

14.5.13 SOBRETENSÕES TRANSITÓRIAS NO LADO CA – RELATÓRIO R13


Este relatório é considerado como insumo para a elaboração do estudo de Coordenação de Isolamento
(Relatório R8). Tem por objetivo identificar as máximas solicitações advindas de surtos de manobra aos para-
raios do pátio CA e nos para-raios das válvulas.
Devem ser considerados, na elaboração deste estudo os dados dos equipamentos principais considerados
pelo relatório Main Circuit (R1), configuração de filtros compatível com aquela considerada no relatório de
desempenho de filtros CA (Relatório R4), bem como os dados da rede CA adjacente descritos no Capítulo 2
deste Anexo.

88
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Os transformadores conversores devem ser modelados considerando-se a curva de saturação mínima


especificada/prevista pela Transmissora, bem como ter uma reatância compatível com a definida no circuito
principal.
Devem ser fornecidas as características de descarga (kVPICO) e dissipação de energia em kJoule/kV, dos
para-raios CA e dos para-raios de válvula estudados.
As simulações devem ser realizadas por meio de programas digitais de transitórios eletromagnéticos.

14.5.14 ESTUDOS DE TRT E MANOBRA DE BANCOS E SUB-BANCOS/COMPENSAÇÃO REATIVA NO LADO CA -


RELATÓRIO R14
O objetivo deste estudo é quantificar as solicitações impostas aos disjuntores dos bancos e sub-bancos de
filtros/compensação reativa.
Além da abertura de curto-circuito, energização, estes disjuntores também deverão ser avaliados de acordo
com os requisitos do item 5.5.10.
As simulações devem ser realizadas por meio de programas digitais de transitórios eletromagnéticos.
Esses estudos, também, compreendem avaliações de energização e de aplicação e eliminação de defeito,
com a finalidade de minimizar os efeitos dos transitórios de tensão e de corrente aos níveis de suportabilidade
da instalação, evitar atuações indevidas da proteção e evitar possíveis ressonâncias com a rede para
harmônicas produzidas por elementos saturáveis.
Os estudos devem verificar as sobretensões e as consequentes solicitações de energia sobre os para-raios
próximos, e a necessidade de utilização de disjuntores com dispositivos de manobra controlada.

14.5.15 DIMENSIONAMENTO TEÓRICO DAS PERDAS (PRELIMINAR) – RELATÓRIO R15


O estudo de dimensionamento de perdas do Elo CC, a ser entregue na Etapa de Concepção, deverá
comprovar o atendimento aos requisitos descritos no item 5.5.15.
Nesta fase, poderão ser estabelecidas estimativas calculadas com base na metodologia descrita na norma
IEC 61803.
O relatório deve incluir a planilha de cálculo com o detalhamento das perdas estimadas para cada
componente incluído na avaliação.

14.5.16 RUÍDO AUDÍVEL E INTERFERÊNCIA EM TELECOMUNICAÇÃO – PLC - RELATÓRIO R16


A rápida interrupção de tensão através das válvulas, durante o disparo, produz interferência. Esta
interferência, irradiada pelas válvulas pode ser reduzida pela blindagem da casa de válvulas. Entretanto as
correntes resultantes podem ser transmitidas pelos transformadores conversores e através dos reatores de
alisamento, por acoplamento capacitivo atingem os pátios e as linhas próximas. Essas correntes, também,
podem interferir com a operação do Power Line Carrier (PLC) nas linhas conectadas às estações CC.
Como a utilização de filtros Power Line Carrier – PLC pode afetar o valor a ser especificado para a reatância
de comutação do transformador conversor (dxn), o seu dimensionamento afeta a definição do Main Circuit do
Elo CC.
Adicionalmente, estas correntes, por meio de indução eletrostática e eletromagnética, podem interferir em
instrumentos de telecomunicação próximos.

89
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

O estudo deve apresentar as premissas, a metodologia de cálculo, os resultados obtidos bem como definir
claramente as medidas necessárias no sentido de mitigar os efeitos dessas interferências. Quanto à
interferência em rádio frequência (RF), incluindo as faixas de: PLC, RI, TVI e navegação aérea o estudo deve:
 Identificar e descrever as fontes de ruído: válvulas, efeito corona nos condutores CA e CC das
LTs e dos condutores e ferragens de alta tensão, etc...
 Descrever os modelos da rede adotados para propagação seja, conduzida pelos condutores das
redes CA e CC, ou irradiada pelos mesmos, considerando o efeito das capacitâncias dos
equipamentos.
 Descrever os programas de cálculo utilizados, inclusive a sua metodologia.
 Apresentar os resultados para os níveis de ruído de RF conduzidos e irradiados, incluindo os
níveis de ruído nas proximidades dos sistemas de aproximação de aeronaves aos aeroportos
próximos, que devem atender a regulamentação brasileira (ANATEL, Aeronáutica etc...).
 Sugerir as medidas corretivas para reduzir o ruído calculado (line traps, blindagens etc.) e
manter os valores dentro dos limites.
 Descrever as medidas que a Transmissora aplicaria se alguns valores limites de interferência
forem excedidos.
 Estimar o aumento dos níveis de interferência de RF se houver outra conversora igual do lado da
Bipolo 1 na SE Xingu.

14.5.17 FLUXO DE POTÊNCIA E CURTO-CIRCUITO NA REDE CA – RELATÓRIO R17


Os estudos de fluxo de potência, a serem realizados na ferramenta ANAREDE, devem avaliar os níveis de
tensão nos barramentos e os carregamentos nas linhas, transformadores e demais componentes da rede de
transmissão, para múltiplas condições de carga (mínima, leve, média e máxima), de topologia e de despacho
de geração.
Além da condição operativa normal, inclui a análise de contingências de linhas, transformadores e outros
equipamentos do sistema elétrico, como também contingências nos equipamentos que compõe o Elo CC,
com o objetivo de se definirem ações para que o SIN opere sem violações dos limites de tensão e de
carregamento.
Estes estudos de fluxo de potência devem ser efetuados com a principal finalidade de comprovar que a
entrada em operação das novas instalações de transmissão, na configuração efetivamente disponível em sua
entrada em operação e durante o horizonte operativo (até o último ano do Plano de Ampliação e Reforços
vigente), não importará em restrições a operação da rede. Os estudos de curto-circuito, a serem realizados na
ferramenta ANAFAS, visam identificar os níveis de curto-circuito monofásico e trifásico nas barras CA das
estações conversoras, considerando-se rede completa e contingências na rede do SIN.

14.5.18 ESTUDO A FREQUÊNCIA FUNDAMENTAL – SOBRETENSÕES E ESTABILIDADE – RELATÓRIO 18


Tem por finalidade identificar as sobretensões de manobra de bancos de capacitores e filtros, rejeição de
carga, bloqueio dos conversores, oscilações dinâmicas da rede CA etc, e os meios para limitar estas
sobretensões aos valores requeridos.

90
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

Estes estudos a serem executados no programa ANATEM, também devem demonstrar que o desligamento
dos filtros e capacitores, após bloqueio da conversora, será possível e suficiente para a redução das
sobretensões no sistema CA para níveis aceitáveis.
Devem ser avaliadas configurações do sistema CA, com diferentes níveis de curto-circuito, diferentes níveis
de carga, nos horizontes da operação e do planejamento. Deve ser levada em conta variação do número de
máquinas na área do sistema coletor (se houver), bem como diferentes situações de staging do
empreendimento como um todo.
Aspectos relativos à possível auto-excitação de unidades geradoras também deverão ser investigados.
Desta forma, estes estudos também contribuirão para demonstrar que a modularização adotada para os filtros
e outros blocos de reativos, atende aos requisitos estabelecidos neste ANEXO 6A, no que diz respeito ao
impacto no sistema CA (variação de tensão, intercâmbio de reativo, entre outros).
Este estudo deverá também apresentar as simulações que permitam identificar o tempo de resposta e o
comportamento dinâmico do elo CC frente a faltas na rede CA ou na linha CC.
Como o SIN estará completamente representado nestas simulações, os outros elos CC próximos estarão, por
conseguinte, incluídos. A Transmissora deverá fazer uso desta representação global para já nesta etapa
identificar preliminarmente possíveis interações multi-infeed.

14.5.19 ESTUDO DESEMPENHO DINÂMICO CA/CC (DYNAMIC PERFORMANCE) – RELATÓRIO 19


Deverá considerar como dados de entrada, a representação da rede fornecida neste ANEXO 6A (rede
equivalente), bem como uma representação preliminar do Elo CC e seus controles, incluindo uma
representação do disparo e uma versão inicial dos filtros CA e CC.
Tem por finalidade principal demonstrar que o controle projetado, mesmo com ajustes preliminares, é estável
para as condições operativas previstas, incluindo as mudanças entre os modos de operação disponíveis.
Deve também demonstrar que os requisitos relacionados ao tempo de recuperação do elo CC após aplicação
de defeito e aqueles relacionados à minimização da ocorrência de falhas de comutação foram atendidos.
Tem por finalidade secundária identificar ressonâncias em frequências de baixa ordem, que possam
demandar a utilização de filtragens adicionais àquelas oriundas das necessidades de manutenção dos
padrões de desempenho harmônico, definidos neste ANEXO 6AB. O tema específico que trata deste tipo de
fenômeno é abordado pelo relatório definido no item 14.5.10.
As avaliações compreenderão bloqueios de bipolo, perdas de geração, faltas na linha CC e início/eliminação
de faltas em linhas CA além de falhas de disparo no controle CC (misfiring). Os resultados permitirão também
avaliar a envoltória de sobretensão temporária ao qual ficarão sujeitas as estações conversoras.
Este estudo deverá também, mesmo que de forma ainda preliminar, abordar as interações multi-infeed,
adotando para estas avaliações os equivalentes que representam a resposta dinâmica das unidades
geradoras, conforme referenciado no item 2.1. A representação dos demais elos CC deverá ser feita com
base na experiência da TRANSMISSORA em estudos similares.
São considerados como dados de entrada, os resultados do estudo que definiu o Circuito Principal, a
modularização de filtros e compensação reativa definida nos estudos de balanço de potência reativa, os
equivalentes fornecidos neste ANEXO 6AB (item 2.1) e o nível de curto-circuito mínimo operativo (item 2.2).
compatível com a faixa de potência transmitida.

91
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

As simulações devem ser realizadas por uma ferramenta digital, do tipo PSCAD ou similar, considerando um
sistema de controle com ajustes preliminares, baseados na experiência dos provedores de equipamentos
selecionados pela Transmissora, bem como apoiados por simulações que presumivelmente foram
desenvolvidas na fase de propostas.
Este estudo deve demonstrar que abertura intempestiva do maior banco (vide item 5.7.3) não deve causar
falhas de comutação no elo CC.
Posteriormente, na Etapa de Detalhamento, deverá ser realizado o aprofundamento deste estudo de
Desempenho Dinâmico, que terá então por finalidade identificar os parâmetros necessários a otimização de
todo o sistema de controle, de forma a atender os requisitos estabelecidos tanto para desempenho em regime
permanente quanto para desempenho após aplicação e eliminação de defeitos, CA e CC, minimizando
possíveis instabilidades, falhas de comutação e interações indesejáveis com o sistema CA.

14.5.20 ESTUDOS DE MANOBRA DE EQUIPAMENTOS NO PÁTIO CA


Estes estudos de transitórios eletromagnéticos deverão ser desenvolvidos na ferramenta ATP (Alternative
Transients Program). A TRANSMISSORA deverá disponibilizar à ANEEL os casos base de cada um desses
estudos, no formato do programa ATP, em meio digital, para fins de registro na base de dados de estudos.
a) Energização de Transformadores Conversores – Relatório R22
Esses estudos têm por objetivo identificar as solicitações de corrente e tensão impostas à rede e aos
equipamentos próximos pela manobra de energização dos transformadores. Devem ainda demonstrar que os
transformadores podem ser energizados em situações de rede completa e degradada, para toda a faixa de
tensão operativa. Estão incluídas neste escopo as situações de recomposição de rede.
Os estudos compreendem avaliações de energização do primeiro transformador em vazio ou do segundo
transformador com o primeiro previamente energizado, levando em conta os recursos de controle de
sobretensões disponíveis, tais como, disjuntores com resistores de pré-inserção e/ou dispositivos de manobra
controlada. Deve ser levado em conta o fluxo residual do transformador, com polaridade tal que maximize as
solicitações advindas desta manobra.
Devem ser avaliados também o montante de energia a ser absorvido pelos para-raios do transformador e a
necessidade de utilização dos mecanismos de controle de sobretensões supramencionados, bem como as
correntes inrush.
Para a realização desses estudos, os transformadores devem ser modelados considerando a sua curva de
saturação e a impedância especificada no documento da TRANSMISSORA que define as características
elétricas básicas dos equipamentos principais do empreendimento. No caso de indisponibilidade da curva de
saturação real do equipamento, poderá ser utilizada curva típica, desde que sejam feitas parametrizações
quanto ao joelho e à reatância de núcleo de ar, alterando-se esses valores no sentido de verificar os seus
efeitos sobre os resultados dos estudos.
b) Tensão de Restabelecimento Transitória (TRT) de disjuntores – Relatório R23
Esses estudos transitórios têm por objetivo quantificar as solicitações as quais estarão sujeitos os diversos
disjuntores integrantes deste empreendimento. Compreendem as avaliações de TRT as seguintes condições
de manobra:
 Abertura de defeito terminal trifásico à terra e trifásico não aterrado, sendo o ponto de
aplicação da falta no barramento ou saída de linha.

92
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

 Abertura de defeito terminal monofásico sendo o ponto de aplicação da falta no barramento


ou saída de linha.
 Abertura de defeito quilométrico.

14.5.21 FLUXO DE POTÊNCIA DE BARRAMENTO – RELATÓRIO R28


Esses estudos têm por objetivo identificar as correntes máximas em regime permanente as quais estão
sujeitos os barramentos (incluindo os vãos interligadores de barras) e os equipamentos das subestações, de
forma a prover os subsídios necessários à determinação da corrente nominal dos equipamentos e
barramentos das subestações.
Os seguintes aspectos devem ser levados em conta nas avaliações:
 Condições normal e emergência (n-1) de operação do sistema, com os valores máximos dos
fluxos em linhas que se conectam às subestações em análise, tanto para o ano de entrada
em operação como para o ano horizonte de planejamento.
 Condição degradada das subestações em análise, com indisponibilidade de um equipamento
ou mesmo de um trecho do barramento, para as condições de operação normal e emergência
(n-1) do sistema.
 Evolução prevista da topologia da subestação.

14.5.22 NORMAS TÉCNICAS UTILIZADAS – RELATÓRIO R29


Esse relatório tem por objetivo apresentar a relação das normas técnicas a serem adotadas nos projetos
básico e executivo da LT-CC e, também, durante o projeto, detalhamento, fabricação, ensaios, inspeção,
embalagem e embarque das estruturas, cabos condutor e para-raios, isoladores, ferragens e cabo contrapeso
e demais materiais componentes da linha.

14.5.23 DADOS CLIMATOLÓGICOS – RELATÓRIO R30


Esse relatório tem por objetivo apresentar a relação de todas as variáveis climatológicas de interesse para os
projetos básico e executivo da linha, a identificação das fontes e históricos de dados, das estações
meteorológicas de referência, a descrição dos métodos de tratamento e de parametrização das variáveis
climatológicas, a análise da variabilidade dos dados climatológicos ao longo do traçado e a definição dos
trechos da linha com as mesmas condições climáticas (zonas climáticas) e dos valores dos dados
climatológicos válidos em cada zona climática.

14.5.24 VELOCIDADES DE VENTO E CARREGAMENTOS DEVIDOS AO VENTO – RELATÓRIO R31


Esse relatório tem por objetivo definir as velocidades de vento e respectivas pressões que atuam nos cabos,
isoladores e estruturas, para cada zona climática adotada, e que serão utilizados nos projetos básico e
executivo da linha.

14.5.25 CONDUTOR E CABOS PARA-RAIOS – RELATÓRIO R32


Esse relatório tem por objetivo definir o condutor e os cabos para-raios da linha e relacionar os seus principais
dados construtivos e características. Na definição do condutor é necessário verificar o atendimento às
capacidades operativas de longa e curta duração da linha, quantificar as perdas e determinar as temperaturas
máximas do condutor para fins de locação das estruturas no perfil. Na definição dos cabos para-raios é

93
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

necessário verificar a suportabilidade térmica dos mesmos às correntes transitórias circulantes e indicar o tipo
de conexão dos cabos para-raios à estrutura. Para o OPGW é necessário informar, além das suas
características dimensionais, as características mínimas relativas à transmissão de dados.

14.5.26 ESTUDOS MECÂNICOS DO CONDUTOR E DOS CABOS PARA-RAIOS – RELATÓRIO R33


Esse relatório tem por objetivo definir as condições de governo e efetuar o cálculo das trações e flechas dos
cabos condutores e para-raios para, no mínimo, os estados de tracionamento indicados neste Anexo Técnico
e para os vãos típicos da linha.

14.5.27 DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA – RELATÓRIO R34


Esse relatório tem por objetivo definir as distâncias mínimas a serem mantidas pelos cabos em relação ao
solo e aos obstáculos sobre os quais a linha cruza ou dos quais se aproxima. Estas distâncias são referidas
às capacidades operativas de longa duração e de curta duração da linha. Deve-se preservar a distância
mínima informada no item 9.2.1 deste Anexo Técnico.

14.5.28 LARGURA DA FAIXA DE SERVIDÃO – RELATÓRIO R35


Esse relatório tem por objetivo definir a largura da faixa de servidão da LT-CC com base nas avaliações
mecânicas (balanço do condutor e da cadeia de isoladores) e elétricas (RI e RA no limite da faixa e de campo
elétrico, corrente iônica e campo magnético ao longo da faixa e sobre o solo).

14.5.29 COORDENAÇÃO DO ISOLAMENTO – RELATÓRIO R36


Esse relatório tem por objetivo definir o tipo e o número de isoladores de cada tipo de cadeia de isoladores
em função do nível de poluição da região de implantação da linha, os espaçamentos elétricos polo-terra a
serem mantidos em função dos ângulos de balanço da cadeia de isoladores. Deve ser avaliado o
desempenho esperado da LT-CC às descargas atmosféricas. Nas ocorrências de curto-circuito polo para a
terra, ao longo da LT, deve ser avaliado o risco de falha de isolamento no outro polo para a terra (polo são-
terra) para a condição mais desfavorável de sobretensão sobre as cadeias de isoladores.

14.5.30 CADEIAS DE ISOLADORES E CONJUNTOS DE FIXAÇÃO DOS CABOS PARA-RAIOS – RELATÓRIO R37
Esse relatório tem por objetivo apresentar as principais características das cadeias de isoladores e dos
conjuntos de fixação dos cabos para-raios, os arranjos de cada tipo de cadeia de isoladores e conjunto de
fixação e os requisitos mínimos a serem incluídos nas especificações técnicas para compra dos materiais
componentes.

14.5.31 DEFINIÇÃO DA SÉRIE DE ESTRUTURAS, SILHUETAS E HIPÓTESES DE CARREGAMENTO – RELATÓRIO R38


Esse relatório tem por objetivo definir a série de estrutura a ser utilizada na LT-CC, as hipóteses de
carregamento de cada suporte da série e os fatores de segurança a serem aplicados às cargas. Apresentar
as silhuetas das estruturas da série adotada.

14.5.32 MEMÓRIAS DE CÁLCULO DAS ESTRUTURAS – RELATÓRIO R39


Esse relatório tem por objetivo apresentar o cálculo estrutural de todas as estruturas que compõe a série
adotada para a LT-CC.

94
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

14.5.33 PROGRAMA DOS ENSAIOS DE CARREGAMENTO – RELATÓRIO R40


Esse relatório tem por objetivo apresentar os critérios e procedimentos a serem seguidos nos ensaios de
carregamento de todas as estruturas que compõe a série adotada para a LT-CC.

14.5.34 FUNDAÇÕES TÍPICAS – RELATÓRIO R41


Esse relatório tem por objetivo apresentar os procedimentos para coleta de informações de solos, definir os
tipos de fundações a serem utilizados em cada solo e as metodologias de cálculo a serem empregadas.
Incluir os desenhos das fundações com as dimensões típicas aproximadas para fundações em solos normais.

14.5.35 SISTEMA DE ATERRAMENTO – RELATÓRIO R42


Esse relatório tem por objetivo apresentar os procedimentos para coleta de informações de solos, definir os
tipos de fundações a serem utilizados em cada solo e as metodologias de cálculo a serem empregadas.
Incluir os desenhos das fundações com as dimensões típicas aproximadas para fundações em solos normais.

14.5.36 SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA VIBRAÇÕES EÓLICAS – RELATÓRIO R43


Esse relatório tem por objetivo apresentar as principais características dos fenômenos vibratórios induzidos
por ventos de baixa intensidade e definir a proteção a ser utilizada em função das características dos cabos e
do relevo da região atravessada pela LT-CC.

14.5.37 PLANTA DO TRAÇADO – RELATÓRIO R44


Esse relatório tem por objetivo apresentar a diretriz selecionada para a LT-CC e relacionar e identificar os
cruzamentos com linhas de transmissão da Rede Básica existentes ao longo do traçado.

14.6 ESTUDOS DE DEMONSTRAÇÃO DE CONFORMIDADE NA ETAPA DE DETALHAMENTO


14.6.1 ESTUDOS DE DESEMPENHO EM REGIME PERMANENTE, TRANSITÓRIO E DINÂMICO DO ELO CC
São considerados como dados de entrada, aqueles resultantes do dimensionamento de todos os
equipamentos do circuito principal do elo CC, definidos durante a etapa de concepção.
Trata-se do detalhamento do estudo de Desempenho Dinâmico executado durante a Etapa de Concepção,
tendo por finalidade identificar todos os parâmetros necessários a otimização de todo o sistema de controle,
de forma a atender os requisitos estabelecidos tanto para desempenho em regime permanente quanto para
desempenho após aplicação e eliminação de defeitos, CA e CC, minimizando possíveis instabilidades, falhas
de comutação e interações indesejáveis com o sistema CA.
Estes estudos devem:
(a) Demonstrar que o controle projetado é adequado para todas as condições operativas previstas no
item 5.5.3 para o elo CC, incluindo as mudanças entre os modos de operação disponíveis. Deve
também demonstrar que os requisitos estabelecidos nos capítulos 4 e 5 deste Anexo 6AB foram
atendidos, em especial aqueles relacionados ao tempo de recuperação do elo CC e os relacionados
à minimização da ocorrência de falhas de comutação.
(b) Demonstrar que, em regime permanente, não ocorre redução da potência transmitida, quando da
troca de modo de operação de potência constante para corrente constante, desde que o sistema CA
esteja operando acima do limite, de potência de curto circuito mínima, previamente estabelecido.

95
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

(c) Contemplar as diversas situações que poderão ocorrer no sistema real, incluindo instabilidade
transitória, instabilidade dinâmica, instabilidade de tensão e instabilidade harmônica.
(d) Avaliar a modulação de potência ativa e reativa do elo para estabilizar os sistemas CA, controle de
frequência, variações rápidas de potência etc.
(e) Identificar as medidas necessárias a evitar interações indevidas entre os controles do elo CC em
estudo e o controle de equipamentos eletricamente próximos, tais como: outros elos CC (multi-
infeed), back-to-back(s) convencional(is) ou CCC, CER ou Statcom e entre elos e conversoras VSC.
(f) Devem ser utilizados os programas ANAREDE (fluxo de potência), ANATEM (estabilidade
eletromecânica), PSCAD e/ou ATP (transitórios eletromagnéticos).
(g) Mesmo que tenham sido realizados por meio do PSCAD, a transmissora deverá entregar ao ONS,
até o final da etapa de detalhamento, 30 meses após a assinatura do contrato de concessão, um
modelo detalhado do elo CC incluindo todos os controles, também para o programa ATP. Este
modelo deverá ser acompanhado pelo manual correspondente e pelos os testes de validação
executados contra resultados obtidos pelo Simulador CC.

14.6.2 ESTUDO DE OSCILAÇÕES SUB-SÍNCRONAS


Tem por finalidade determinar eventuais requisitos de controle, que devam ser incorporados ao controle dos
sistemas HVDC, para evitar que a interação entre as conversoras e os equipamentos dos sistemas CA,
sujeitem unidades geradoras ligadas às barras CA próximas a esforços torcionais elevados.
Esses fenômenos devem ser investigados por meio de ferramentas de simulação de transitórios
eletromagnéticos (PSCAD e/ou ATP), considerando a representação completa da máquina, com o eixo do
conjunto turbina-gerador representado por um sistema multi-massa-mola. Deve também ser considerada,
quando necessária, a análise no domínio da frequência (modelo linearizado do eixo turbina gerador).
Os modelos utilizados, devidamente aferidos e documentados, devem ser disponibilizados ao ONS.

14.6.3 ESTUDOS DE MANOBRA DE EQUIPAMENTOS DO PÁTIO CA


Os seguintes estudos devem ser realizados, quando aplicáveis:
(a) Estudos de manobra de equipamentos do pátio CA, incluindo energização de transformadores
conversores e TRT de disjuntores de linhas e de equipamentos do pátio CA.
(b) Envolvem estudos de religamento monopolar de linhas de transmissão, em caso de disjuntores que
possam ser chamados a atuar com esta finalidade, em função do arranjo da subestação.
O item (a) trata de um refinamento, com dados mais precisos, dos estudos mencionados no item 14.5.20.
Os estudos descritos no item (b) se destinam a avaliar os ajustes de religamento monopolar, incluindo o seu
tempo morto, verificando a eventual influência do Elo CC na sua definição.
Caso algum disjuntor pertencente ao empreendimento, no pátio de 500 kV, possa eventualmente vir a religar
tripolarmente linhas de 500 kV de comprimento superior a 200 km será, também, necessário avaliar esta
manobra para determinar uma eventual necessidade de utilização de dispositivos de mitigação de
sobretensão (RPIs ou sincronizadores).
As simulações devem ser realizadas na ferramenta ATP.

96
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

14.6.4 ESTUDOS DAS PROTEÇÕES DAS CONVERSORAS E DA LT CC


Tem por finalidade definir a coordenação das proteções CC e CA, bem como identificar as interações com os
controles das conversoras.

14.6.5 ESTUDOS DE DEFINIÇÃO DAS MALHAS DE TERRA DAS SUBESTAÇÕES CONVERSORAS E ELETRODOS DE TERRA
Estes estudos devem considerar, como dados de entrada, os resultados das medições efetuadas e tem por
finalidade demonstrar que não existirão problemas de gradientes de potencial, de tensões de passo e de
toque, corrosão de estruturas metálicas, oleodutos ferrovias, etc.
Deverão também identificar a possibilidade de existência de corrente contínua circulando pelo neutro dos
transformadores conversores ou transformadores de concessionárias. O estudo deverá indicar, se for o caso,
as soluções necessárias para mitigar este problema, tais como por exemplo, a necessidade de utilização de
isolamento galvânico no neutro do transformador ou a alteração da execução do eletrodo.
Estes estudos deverão levar em consideração a injeção, também para a malha de terra existente nas
subestações (SE Xingu e SE Estreito), da corrente de desbalanço entre os polos para a condição de
operação bipolar, no caso da perda da linha do eletrodo ou do eletrodo, já que nesta situação haverá a
atuação dos dispositivos NBGS e MRTB.
Adicionalmente, a Transmissora deverá avaliar e modificar, se necessário, as malhas de terra das
subestações existentes, Xingu e Estreito, sob o ponto de vista de injeção para a terra de correntes de curto-
circuito CA, em função dos níveis de curto-circuito definidos no item 2.2, levando em conta o atendimento dos
requisitos previstos nas normas aplicáveis definidas no item 1.4.

14.6.6 OUTROS ESTUDOS


Deverão ser também realizados pela TRANSMISSORA os seguintes estudos adicionais:
(a) Estudos de interferência em sistemas de comunicação por onda portadora (PLC);
(b) Estudo de rádio-interferência (RI) e de ruído audível;
(c) Estudos de interferências TVI, microondas, VHF e UHF, incluindo sistemas de navegação aérea na
proximidade de aeroportos;
(d) Estudos de confiabilidade e disponibilidade;
(e) Estudos de perdas e eficiência;
(f) Estudos de coordenação das proteções.

97
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

15 DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA RELATIVA AO EMPREENDIMENTO


Os relatórios e documentos, elaborados pelo Planejamento Setorial e listados a seguir, são partes integrantes
do Edital devendo suas recomendações ser consideradas pela TRANSMISSORA no desenvolvimento dos
seus projetos para implantação das instalações, exceto quando disposto de forma diferente no Edital,
incluindo este Anexo Técnico.

15.1 ESTUDOS DE ENGENHARIA E PLANEJAMENTO


15.1.1 ESTUDOS (RELATÓRIOS R1 E R2)
Nº EMPRESA DOCUMENTO
ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO
ANÁLISE TÉCNICO-ECONÔMICA DAS ALTERNATIVAS:
EPE-DEE-RE-040/2011-r0
RELATÓRIO R1 – Parte I - Expansão das interligações Norte-Sudeste
e Norte-Nordeste, 30 de agosto de 2013.
ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO
DETALHAMENTO DA ALTERNATIVA RECOMENDADA RELATÓRIO
EPE-DEE-RE-063/2012-rev1
R1 - Expansão das Interligações Norte-Sudeste e Norte- Nordeste
Parte II, 15 de julho de 2013.
ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO
DETALHAMENTO DA ALTERNATIVA DE REFERÊNCIA:
EPE-DEE-RE-062/2013-rev1 RELATÓRIO R2 - Expansão das Interligações Norte/Nordeste E
Sudeste/Centro-Oeste – Elo de corrente contínua ±800 kV Xingu –
T.Minas, 25 de agosto de 2013.

15.2 RELATÓRIOS DAS CARACTERÍSTICAS E REQUISITOS BÁSICOS DAS INSTALAÇÕES EXISTENTES


Nº EMPRESA DOCUMENTO

SUBESTAÇÃO ESTREITO 500kV – AMPLIAÇÃO -


Relatório R4 S/Nº CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DAS INSTALAÇÕES, 30 de
maio de 2013.
SE XINGU 500-230 kVca - ± 800 kVcc RELATÓRIO DE
CARACTERIZAÇÃO DA REDE EXISTENTE E
LXTE-XIN-R4-201 DESCRITIVO DO EMPREENDIMENTO, 30 de julho de
2012.

98
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

15.3 MEIO AMBIENTE E LICENCIAMENTO


15.3.1 GERAL
A TRANSMISSORA deve implantar as INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO deste LOTE, observando a
legislação e os requisitos ambientais aplicáveis.

15.3.2 DOCUMENTAÇÃO DISPONÍVEL

Nº EMPRESA DOCUMENTO
LT CC 800 kV Xingu / Estreito e Instalações Associadas - Trecho 1,
Relatório R3 – Volume 1 S/Nº
agosto de 2013.
LT CC 800 kV Xingu – Estreito e Instalações Associadas - Trecho 2,
Relatório R3 – Volume 2 S/Nº
agosto de 2013.
LT CC 800 kV Xingu–Estreito e Instalações Associadas - Trecho 3,
Relatório R3 – Volume 1 S/Nº
agosto de 2013.

99
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6AB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

16 CRONOGRAMA
A TRANSMISSORA deve apresentar cronograma de implantação das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO
pertencentes a sua concessão, conforme modelos apresentados nas tabelas A e B deste ANEXO 6AB, com a
indicação de marcos intermediários para as seguintes atividades, não se restringindo a essas: licenciamento
ambiental, projeto básico, topografia, instalações de canteiro, fundações, montagem de torres, lançamento
dos cabos condutores e instalações de equipamentos, obras civis e montagens das instalações de
transmissão e das subestações, e comissionamento, que permitam aferir, mensalmente, o progresso das
obras e assegurar a entrada em OPERAÇÃO COMERCIAL no prazo máximo de 46 (quarenta e seis) meses.
A ANEEL poderá solicitar a qualquer tempo a inclusão de outras atividades no cronograma.
A TRANSMISSORA deve apresentar mensalmente, à fiscalização da ANEEL, Relatório do andamento da
implantação das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO, em meio ótico e papel.

100
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6ABB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

16.1 CRONOGRAMA FÍSICO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO (TABELA A)


NOME DA EMPRESA:
LINHA DE TRANSMISSÃO:
DATA: MESES
No DESCRIÇÃO DAS ETAPAS DA IMPLANTAÇÃO 1 2 3 42 43 443
1 PROJETO BÁSICO
2 ASSINATURA DE CONTRATOS
2.1 EPC – Estudos, projetos e construção
2.2 CCT – Acordo Operativo
2.3 CCI – Acordo Operativo
2.4 CPST
3 IMPLANTAÇÃO DO TRAÇADO
4 LOCAÇÃO DE TORRES
5 DECLARAÇÂO DE UTILIDADE PUBLICA
6 LICENCIAMENTO AMBIENTAL
6.1 Termo de Referência
6.2 Estudo de Impacto Ambiental
6.3 Licença Prévia
6.4 Licença de Instalação
6.5 Autorização de Supressão de Vegetação
6.6 Licença de Operação
7 PROJETO EXCUTIVO
8 AQUISIÇÕES
8.1 Pedido de Compra
8.2 Estruturas
8.3 Cabos e Condutores
9 OBRAS CIVIS
9.1 Canteiro de Obras
9.2 Fundações
10 MONTAGEM
10.1 Montagem de Torres
10.2 Lançamento de Cabos
11 ENSAIOS DE COMISSIONAMENTO
12 OPERAÇÃO COMERCIAL 46
(Na mesma data das Conversoras) meses
OBSERVAÇÕES: DATA DE INÍCIO DURAÇÃO
DATA DE CONCLUSÃO
ASSINATURA CREA No
ENGENHEIRO REGIÃO

3 A critério da TRANSMISSORA, o tempo para comissionamento das conversoras poderá ser reduzido.

101
EDITAL DE LEILÃO NO 011/2013-ANEEL
ANEXO 6ABB – LOTE AB- BIPOLO HVDC XINGU - ESTREITO
CONVERSORAS E LT-CC XINGU - ESTREITO

16.2 CRONOGRAMA FÍSICO DE SUBESTAÇÕES (TABELA B)


NOME DA EMPRESA SUBESTAÇÂO

DATA

Meses
No DESCRIÇÃO DAS ETAPAS DA OBRA 1 2 3 4 44 45 46
1 PROJETO BÁSICO
2 ASSINATURA DE CONTRATOS
2.1 EPC – Estudos, projetos e construção
2.2 CCT – Acordo Operativo
2.3 CCI – Acordo Operativo
2.4 CPST
3 DECLARAÇÂO DE UTILIDADE PUBLICA
4 LICENCIAMENTO AMBIENTAL
4.1 Termo de Referência
4.2 Estudo de Impacto Ambiental
4.3 Licença Prévia
4.4 Licença de Instalação
4.5 Autorização de Supressão de Vegetação
4.6 Licença de Operação
5 PROJETO EXCUTIVO
6 AQUISIÇÔES
6.1 Pedido de Compra
6.2 Estruturas
6.3 Equipamentos Principais (Transformadores e
Compensadores de Reativos)
6.4 Demais Equipamentos (Disj., Secc., TP, TC, PR e
etc)
6.5 Painéis de Proteção, Controle e Automação
7 OBRAS CIVIS
7.1 Canteiro de Obras
7.2 Fundações
8 Montagem
8.1 Pedido de Compra
8.2 Estruturas
8.3 Equipamentos Principais (Transformadores e
Compensadores de Reativos)
8.4 Demais Equipamentos (Disj., Secc., TP, TC, PR e
etc)
8.5 Painéis de Proteção, Controle e Automação
9 ENSAIOS DE COMISSIONAMENTO
10 OPERAÇÃO COMERCIAL
DATA DE INÍCIO OBSERVAÇÕES:

DATA DE CONCLUSÃO DURAÇÃO DA OBRA


ENGENHEIRO CREA No
ASSINATURA REGIÃO

102

Você também pode gostar