Você está na página 1de 8

10/30/2018 EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS | Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Cadastro Acesso

Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Atual Arquivos Notícias Sobre

Buscar

Início / Arquivos / v. 3 n. 6 (2016): Abril / Ensaios

EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS

Sergio Luis Boeira


Universidade Federal de Santa Catarina

Alessandra Knoll
Universidade Federal de Santa Catarina

Ivan Luis Tonon


Universidade Federal de Santa Catarina

DOI: https://doi.org/10.25113/farol.v3i6.2885

Palavras-chave: Estudos organizacionais. Complexidade. Teoria institucional. Ambiente

Resumo

O presente ensaio teórico busca contribuir com os estudos organizacionais no sentido de esclarecer as
relações entre a obra de Edgar Morin e algumas das perspectivas teóricas já reconhecidas e legitimadas
nesse campo de estudos. Algumas obras e conceitos que se destacam por sua relevância. Parte-se do
pressuposto de que a perspectiva de Morin pode ser melhor compreendida à medida que se
estabelecer um paralelo comparativo da mesma com outras perspectivas, como a de Jean-François
Chanlat e a perspectiva institucional. As noções de ambiente são destacadas na comparação entre as
perspectivas. As conclusões indicam complementaridade entre as abordagens de Chanlat e Morin, além
de uma relação crítica e antagônica entre tais abordagens e perspectivas de institucionalistas, ainda que
também haja alguns aspectos de complementaridade.

https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/2885 1/8
10/30/2018 EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS | Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Biogra a do Autor

Sergio Luis Boeira, Universidade Federal de Santa Catarina


Universidade Federal de Santa Catarina

Prog. de Pós-graduação em Administração


Prog. de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas

Alessandra Knoll, Universidade Federal de Santa Catarina


Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Administração

Ivan Luis Tonon, Universidade Federal de Santa Catarina


Mestre em administração pela Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

Referências
ALBERONI, F. Gênese. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

ASSIS, A. N. Institutionalizing the concept of sustainability from a tetralogical perspective: the case of
Pro-Gauíba. Revista Organizações & Sociedade (O&S), Salvador, v. 18, n. 57, p. 335-353, abril/junho,
2011.

BARBIER, R. Pesquisa-ação na instituição educativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1985.

BARBIERI, J. C.; VASCONCELOS, I. F.; ANDREASSI, T.; VASCONCELOS, F. C. Inovação e sustentabilidade:


novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 50, n. 2, abr/jun, p.
146-154. 2010.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 23ª
ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

BERTERO, C. O. O que é um ensaio teórico? Réplica a Francis Kanashiro Meneghetti. Revista de


Administração Contemporânea (RAC), Curitiba, v. 15, n. 2, p. 338-344, Mar./Abr, 2011.

CALDAS, M. P.; FACHIN, R. Paradigma funcionalista: desenvolvimento de teorias e institucionalismo nos


anos 1980 e 1990. In: CALDAS, M. P.; BERTERO, C. O. (Coords.) Teoria das organizações. São Paulo: Atlas,
2007.

CASTORIADIS, C. L´Institution imaginaire de la societé. Paris: Seuil, 1975.

_______. A instituição imaginária da sociedade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/2885 2/8
10/30/2018 EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS | Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

CHANLAT, J.F. Por uma antropologia da condição humana nas organizações. In: _______. (Org.) O
indivíduo na organização: dimensões esquecidas. 3ª Ed. São Paulo: Atlas, 1996.
_______. Ciências sociais e management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas, 2000.
_______. Análise das organizações: panorama da produção em língua francesa contemporânea (1950-
2000). In: CHANLAT, J-F; FACHIN, R.; FISCHER, T. (Orgs.) Análise das organizações: perspectivas latinas.
Vol. 1. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.
_______. Gestão empresarial: uma perspectiva antropológica. Tradução de Laura Gillon. São Paulo:
Cengage Learning, 2010.

DIMAGGIO, P. J. Constructing an organizational eld as a profesional Project: U.S. Arte Museums, 1920-
1949. In: POWEL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Orgs.). The new institutionalism in organizational analysis.
London: Sage, 1991, p. 267-92.

_______. Interest and agency in institucional theory. In: ZUCKER, L. (Org.) Institucional patters and
organizations. Cambridge: Ballinger, 1998, p. 3-22.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective
rationality in organizational elds. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Orgs.) The new institutionalism in
organizational analysis. London: Sage, 1991b, p. 63-82 (1ª ed. artigo 1983).

DOMINGUES, I. Epistemologia das ciências humanas. Tomo I : Positivismo e hermenêutica. Durkheim e


Weber. São Paulo : Edições Loyola, 2004.

FONSECA, V. S. A abordagem institucional nos estudos organizacionais: bases conceituais e


desenvolvimentos contemporâneos. In: VIEIRA, M. M.; CARVALHO, C. A. (Orgs.) Organizações, instituições
e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003, p. 47-66.

FORTIN, R. Compreender a complexidade. Introdução a O Método de Edgar Morin. Lisboa: Instituto


Piaget, 2005.

GIDDENS, A. The constitution of society. Berkeley, CA: University of California Press, 1985.

_______. A política da mudança climática. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

HALL, P.; TAYLOR, R. Três versões do neoinstitucionalismo. Lua Nova, São Paulo, n. 58, 2003, p. 193-223.

KOFMAN, M. Edgar Morin : from Big Brother to fraternity. London : Pluto Press Limited, 1996.

LAPASSADE, G. Grupos, organizações, instituições. Rio de Janeiro : Ed. Francisco Alves, 1997.

LEIS, H. R. A modernidade insustentável : as críticas do ambientalismo à sociedade contemporânea.


Petrópolis : Vozes : Florianópolis : Ed. UFSC, 1999.

LOURAU, R. L´Analyse institutionnelle. Paris, Ed. De Minuit, Col. Arguments, 1970.

MACHADO-DA-SILVA, C. ; FONSECA, V. ; CRUBELLATE, J. Estrutura, agência e interpretação: elementos


para uma abordagem recursiva do processo de institucionalização. RAC, Curitiba, Edição Especial 2010,
art. 4, pp. 77-107.

https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/2885 3/8
10/30/2018 EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS | Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

MACHADO-DA-SILVA, C.GUARIDO FILHO, E. R. ; ROSSONI, L. Campos organizacionais : seis diferentes


leituras e a perspectiva da estruturação. Revista de Administração Contemporânea (RAC), Curitiba,
Edição Especial), pp. 159-196, 2006.

MANGI, L. C. Neoinstitucionalism and appropriation of Bourdieu`s work: a critical assessment. Revista


de Administração de Empresas, São Paulo, n. 3, v. 49, jul/set, p. 323-336. 2009.

MENEGHETTI, F. K. O que é um ensaio teórico? Revista de Administração Contemporânea (RAC), Curitiba,


v. 15, n. 2, pp. 320-332, Mar./Abr., 2011.

MISOCKY, M. C. Poder e institucionalismo: uma re exão crítica sobre as possibilidades de interação


paradigmática. In: VIEIRA, M. M.; CARVALHO, C. A. (Orgs.) Organizações, instituições e poder no Brasil.
Rio de Janeiro: FGV, 2003, pp. 141-176.

MORIN, E. O paradigma perdido: a natureza humana. 3ª ed. Lisboa: Publicações Europa-América, 1973.

MORIN, E.; KERN, A. B. Terra-pátria. Porto Alegre: Sulina, 1995.

MORIN, E. Sociologia. Edição revista e aumentada pelo autor. Lisboa: Publicações Europa-América, 1998.

_______. O método 5: a humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2002.

_______. O método 6: ética. Porto Alegre: Sulina, 2005.

_______. Restricted complexity, general complexity. Presented at the Colloquium Intelligence de la


complexity: epistemologie et pragmatique, Cerisy-La-Salle, France, June 26th, 2005. Translated from
French by Carlos Gershenson.

_______. Introdução ao pensamento complexo. 3ª edição. Porto Alegre: Sulina, 2007.

_______. A via para o futuro da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

NORD, W. R.; FOX, S. O indivíduo nos estudos organizacionais: o grande ato de desaparecimento? In:
CLEGG, S. R., HARDY, C., NORD,W. R. (Orgs. edição original); CALDAS, M., FACHIN, R., FISCHER, T. (Orgs.
edição brasileira). Handbook de estudos organizacionais. Vol. 3. Ação e análise organizacionais. São
Paulo: Atlas, 2004.

PARSONS, T. Sociological theory and modern society. New York: Free Press, 1967.

_______. Conceito de sistema social. In: CARDOSO, F. H.; IANNI, O. (Orgs.) Homem e sociedade: leituras
básicas de sociología geral. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1973a, p. 47-55.

_______. Os componentes do sistema social. In: CARDOSO, F. H.; IANNI, O. (Orgs.) Homem e sociedade:
leituras básicas de sociología geral. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1973b, p. 56-9.

PERROW, C. Complex organizations: a critical essay. 2 ed. Illinois: Scott, Foresman and Company
Glenview, 1973.

REED, M. Teoria organizacional: um campo historicamente contestado. In: CALDAS, M.; FACHIN, R.;
https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/2885 4/8
10/30/2018 EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS | Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

FISCHER, T. (Orgs.) Handbook de estudos organizacionais: modelos de análises e novas questões em


estudos organizacionais. Vol. 1. São Paulo: Atlas, 1999, p. 61-98.

RUIZ, J. L. S. (Coord.) Con Edgar Morin, por un pensamiento complejo. Impliclaciones interdisciplinares.
Madrid. Universidad Internacional de Andalucía; Ediciones Akal, S. A, 2005.

SCOTT, W. R. Organization: rational, natural, and open systems. Englewood Cli s, NJ: Prentice-Hall, 1981.

_______. Institutions and organizations: ideas and interests. Estados Unidos: Sage Publications, 2008.

SÉGUIN, F.; CHANLAT, J-F. L´analyse des organisations. Tome 1, Les théories de l´organisation. Paris:
Editeur Gaëtan Morin, 1992.

SELZNICK, P. Institutionalism “old” and “new”. Administrative Science Quaterly, 41 (2): 270-7, 1996.

SOARES, L. C. (Org.) Da revolução cientí ca à big (business) science: ensaios de história da ciência e da
tecnologia. São Paulo: Hucitec; Niterói: EdUFF, 2001.

SZTOMPKA, P. A sociologia da mudança social. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

THÉRET, B. As instituições entre as estruturas e as ações. Lua Nova, São Paulo, n. 58, 2003, p. 225-254.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. A institucionalização da teoria institucional. In: CALDAS, M.; FACHIN, R.;
FISCHER. (Orgs.) Handbook de estudos organizacionais: modelos de análises e novas questões em
estudos organizacionais. Vol. 1. São Paulo: Atlas, 1998, p. 196-219.

WESTRUM, R.; SAMAHA, K. Complex organizations: growth, struggle, and change. New Jersey: Prentice-
Hall, 1984.

https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/2885 5/8
10/30/2018 EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS | Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

 PDF

https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/2885 6/8
10/30/2018 EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS | Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Publicado
2016-03-30

Edição
v. 3 n. 6 (2016): Abril

Seção
Ensaios

Copyright (c) 2016 Sergio Luis Boeira, Alessandra Knoll, Ivan Luis Tonon

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.
Assume-se que em qualquer das modalidades de contribuições aceitas pela Farol – Revista de Estudos
Organizacionais e Sociedade, ao submeter um trabalho, o(s) autor(es) se reconhece(m) como detentor(es) do
direito autoral sobre ele e autoriza(m) seu livre uso pelos leitores, podendo ser, além de lido, baixado, copiado,
distribuído, adaptado e impresso, desde que seja atribuído o devido crédito pela criação original. Em caso de
aprovação do trabalho para publicação, os direitos  autorais (inclusive os direitos de tradução) são exclusivamente
do(s) autor(es).

Os autores devem concordar com os seguintes termos relativos aos Direitos Autorais:

a. Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho
simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do
trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.

b. Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da
versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com
reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.

c. Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios
institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode
gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do
Acesso Livre).

Open Journal Systems

https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/2885 7/8
10/30/2018 EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS | Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Enviar Submissão

Idioma

English

Español (España)

Português (Brasil)

Edição Atual

Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade


ISSN: 2358-6311

Indexadores, Listas e Diretórios

 AcademicKeys | Academic Resource Index | Diadorim | DOAJ - Directory of Open Journal Access |
DRJI – Directory of Research Journals Indexing | EBZ - Electronic Journal Library | Google Scholar
| Index Copernicus International | LivRe | Oasis.br | PKP – Public Knowledge Project | Portal de
Periódicos da UFMG | REDIB | SEER/IBICT | SPELL | Sumários.org

https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/2885 8/8