Você está na página 1de 40

Fluxo Transmembrana

Professor Rafael Freitas


Morfofuncional II / Medicina
Objetivos

 Princípios do transporte na membrana


 Moléculas transportadoras
 Transporte ativo
 Canais iônicos e propriedas elétricas das
membranas
 Importância médica do fluxo
transmembrana
Membranas das células eucarióticas
Estrutura: bicamada lipídica
Estrutura: bicamada lipídica
Composição das membranas
Concentração de íons dentro e
fora da célula

Table 11-1 Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Fluxo em membrana sintética

Figure 11-1 Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Coeficiente de permeabilidade

Figure 11-2 Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Gradiente de concentração
Difusão simples

 Água e moléculas apolares!

 A favor do gradiente de concentração

 Não há gasto energético


E como a célula
transporta moléculas
polares como íons,
açúcares, aminoácidos,
nucleotídeos e outros
metabólitos???
Proteínas transportadoras e
canais
 Transportadores – carreadores ou
permeases

 Canais – interagem fracamente com a


molécula a ser transportada
Figure 11-3a Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)
Figure 11-3b Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)
Transportes sem gasto de
energia

Figure 11-4a Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Gradiente eletroquímico
Figure 11-4b Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)
Transporte ativo

Figure 11-4a Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Transporte ativo

 Ação de proteínas transportadoras


(bombas) que utilizam energia

 Energia
 ATP ou outra molécula energética
 Gradiente iônico formado
Transporte ativo acontece...

Figure 11-7 Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Recapitulando...

 Tipos de transporte:
 Difusão simples (não gasta energia) – através
da MP

 Difusão facilitada (não gasta energia) – auxílio


de moléculas transportadoras ou canais

 Transporte ativo (gasta energia) – bombas


Bomba de Na+/K+
(transporte ativo primário)

Figure 11-14 Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Funcionamento da bomba de Na+/K+

Figure 11-15 Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Figure 11-15 Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)
Importância da bomba de Na+/K+

 Controle do volume celular


 Atração de cátions
 Osmose

 Eletrogênese
 Déficit de íons positivos dentro da célula
 Negatividade intracelular
Transporte ativo primário

 O movimento cinético de uma molécula


ou íon acontece contra seu gradiente de
concentração fazendo uso de ATP

 Ação de ATPases - enzimas que catalisam


a decomposição do ATP em ADP + Pi ao
desfosforilar a adenosina trifosfato
Transporte ativo secundário –
movido pelo gradiente de Na+

Exemplo: esse tipo de transporte está muito presente nas células


epiteliais dos rins e do intestino

Figure 11-9 Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Transporte ativo secundário

 Glicose – Na+

 Aminoácidos – Na+

 Contra transporte de Ca++ e íons H+


Transporte ativo secundário

 A energia é derivada da energia estocada


na forma de diferença de concentração
iônica entre os dois lados da membrana
celular, criada originalmente pelo
transporte ativo primário.
Transporte transcelular

Figure 11-11 Molecular Biology of the Cell (© Garland Science 2008)


Outras moléculas co-transportadas
Importância médica
Fibrose cística

 Doença genética autosômica recessiva

 Alteração canal de cloreto – Cystic fibrosis


transmembrane conductance regulator
(CFTR)

 Afeta pulmões, pâncreas, fígado e intestino

 Secreção viscosa
Localização do gene da fibrose
cística no cromossomo 7
Canal iônico mutado na fibrose
cística
Defeitos no transporte de glicose e
água em duas formas de diabetes

 Diabetes mellitus – defeito no transporte de


glicose, expressão deficiente de GLUT4

 Diabetes insipidus – defeito na reabsorção


de água nos rins, defeito genético na AQP-2

Você também pode gostar