Você está na página 1de 106

Um Guia Prático para o

Entendimento do Livro de Deus


Copyright © 2015, Os Cristãos,
Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.
Este é um eBook disponibilizado gratuitamente. Sinta-se à vontade para
citar trechos dele em qualquer veículo, apenas dê os devidos créditos.

Como Entender a Bíblia: Um guia prático para o verdadeiro entendimento do Livro de Deus
Autoria: Gabriel Monegatto & Marcos Ré
Site: www.oscristaos.net
e-mail: contato@oscristaos.net
Arte e Diagramação: Marcos Ré & Gabriel Monegatto

Este eBook é fruto de muito empenho e dedicação, além de horas de pesquisa,


escrita, revisão, arte e diagramação. Apesar do esmero, pode haver erros de
digitação ou problemas de compreensão de certos trechos.
Notificamos portanto que, nestes casos, sinta-se à vontade para entrar
em contato conosco através de nosso email.

Que o Senhor Jesus seja com o teu espírito!


Nota dos Autores (LEIA COM ATENÇÃO)
O livro "Como Entender a Bíblia" é um material disponibilizado gratuitamente pela
equipe Os Cristãos. Entretanto, você perceberá o nível de qualidade do material, tanto
em sua estética, quanto em seu conteúdo. A atitude mais natural que poderíamos
tomar, frente as longas horas dispendidas para concluir este material, seria vendê-lo
por um preço justo. Porém, não é esta a intenção.
Acreditamos que as informações aqui contidas são de suprema importância na
vida de qualquer cristão interessado, genuinamente, em Deus; também acreditamos
que esta é uma mensagem fundamental nesses terríveis dias, onde a Palavra de Deus
tem sido cada vez mais desprezada pela cristandade.
Assim como este material, nosso objetivo é disponibilizar uma série de ebooks
gratuitos sobre os fundamentos da fé cristã, segundo a sã doutrina. Além disso,
também queremos disponibilizar diversos artigos, vídeos e áudios totalmente gratuitos
para edificação sólida do povo de Deus.
Para cumprir com este objetivo, precisaremos de fundos e condições para manter-
mos não apenas a nós mesmos, mas também toda a estrutura que este tipo de projeto
demanda. Se você deseja contribuir para este projeto, e também crescer muito no co-
nhecimento das coisas espirituais, recomendamos que conheça e seja assinante do
Depósito Os Cristãos.
O Depósito Os Cristãos é uma área exclusiva para assinantes, onde disponibiliza-
mos nossas maiores riquezas espirituais, em diversos formatos!
Acesse o site e conheça: www.oscristaos.net/deposito
Que o Senhor seja contigo e tenha uma ótima leitura!
Dedicatória ........................................................................................................................................6
Introdução .........................................................................................................................................7
Capítulo 1 - Uma Visão Panorâmica da Bíblia ..................................................................................12
O Caráter Celestial das Escrituras .............................................................................................14
O Livro de Deus ..................................................................................................................14
Como a Bíblia foi Formada .................................................................................................17
As Divisões das Escrituras .........................................................................................................20
Antigo Testamento .............................................................................................................21
Novo Testamento ...............................................................................................................26
Capítulo 2 - Iluminação Espiritual: A Chave Para o Verdadeiro Entendimento ................................30
Introdução ao Conceito .............................................................................................................32
Os Requisitos Para Iluminação Espiritual ...................................................................................37
Conversão Genuína ............................................................................................................37
Atitude Certa Com Relação as Escrituras ...........................................................................39
A Bíblia é a única fonte de conhecimento sobre Deus ...............................................40
A Bíblia foi plenamente inspirada por Deus ...............................................................42
A Bíblia foi plenamente preservada por Deus ............................................................44
A mensagem Bíblica tem caráter universal e atemporal ............................................46
A Bíblia não abre margem para múltiplas interpretações que conflitem entre si ......48
Conclusão - A Bíblia tem autoridade para nos julgar .................................................50
Disposição de Obediência .................................................................................................51
Capítulo 3 - Princípios Interpretativos Fundamentais da Palavra de Deus ......................................58
Jesus Cristo: o Tema Central de Toda a Bíblia ...........................................................................62
Regras Básicas de Interpretação .............................................................................................65
Princípio da unidade Escriturística ..................................................................................65
A Bíblia explica a própria Bíblia (Scriptura Interpres Scripturae) .....................................68
Nunca retire o texto fora de seu contexto .......................................................................70
Analise os tempos verbais ...............................................................................................72
A interpretação sempre é feita do contexto doutrinário geral para o específico ............73
Limite-se ao texto em questão, nada acrescente ou retire dele ......................................74
Procure conhecer os textos em sua língua original .........................................................76
Os Quatro Principais Tipos de Interpretações Bíblicas ...........................................................78
Interpretação Literal ........................................................................................................79
Interpretação Histórica ....................................................................................................79
Interpretação Gramatical .................................................................................................80
Interpretação Espiritual ...................................................................................................81
Capítulo 4 - Começando a Ler a Bíblia ............................................................................................89
Porque Estudar a Palavra de Deus? .........................................................................................91
Como Estudar a Palavra de Deus? ...........................................................................................94
Escolha uma boa tradução ...............................................................................................94
Comece a leitura Bíblica pelo Novo Testamento no Evangelho de João ..........................95
Desenvolva o hábito da leitura Bíblica ............................................................................97
Tenha um plano de leitura Bíblico ....................................................................................98
Tenha comentários e Bíblias de estudo ............................................................................99
Rumine e Rebusque .........................................................................................................100
Epílogo ...........................................................................................................................................102
Dedicatória
A todos quantos buscam
a Deus de coração sincero.

Segue a justiça, a fé, o amor e a


paz com os que, de coração puro,
invocam o Senhor.
1Tm 2.22
Introdução
Introdução

Louvarei o Teu nome por causa da


Tua misericórdia e da Tua verdade,
pois magnificaste acima de tudo o
Teu nome e a TUA PALAVRA
Sl 138.2
Aos olhos do mundo a Bíblia é apenas mais um livro produzi-
do por homens. Todavia, se qualquer pessoa analisar sincera-
mente este livro, concluirá que a Bíblia é um fenômeno que pode
ser explicado apenas de um modo:

É A VERDADEIRA E ÚNICA PALAVRA DE DEUS.

Suas ousadas reivindicações chamam a atenção dos mora-


dores da Terra a voltarem seus olhos, seus corações e suas
vidas a este livro:

(...Toda a escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a


repreensão, para a correção, para a educação na justiça.) – 2Tm 3.16

(...Nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque


nunca, jamais, qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto
homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo)
– 2 Pe 1.20-21

8
(...Porque a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer
espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito,
juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do
coração.) – Hb 4:12;

(...santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade) – Jo 17.17

(...Toda a carne é como a erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; se-
ca-se a erva, e cai a sua flor; a Palavra do Senhor, porém, permanece eterna-
mente.) – 1Pe 1:24-25;

Se admitirmos que as afirmações acima estejam realmente


corretas (como admitem todos aqueles que a conhecem e tem
com ela, de fato, relação), então é de importância e urgência ex-
trema que toda criatura inteligente conheça a mensagem que
Deus nos transmite por meio de Sua Palavra. De igual importân-
cia é basear-nos única e exclusivamente nessas mesmas pala-
vras para formarmos todas as nossas linhas de pensamento,
nossos traços de caráter e noções da realidade.
Entretanto, interpretar e compreender acertadamente a Pala-
vra de Deus só é possível quando conhecemos as bases de in-
terpretação corretas, além de manter uma relação estreita e

9
ajustada com o Autor dEla: Deus. Qualquer homem ou mulher
que não possua as bases corretas para compreender as Escritu-
ras e não estiver em íntima relação com Seu Autor, incorre em
grandes perigos e erros espirituais.
Considere o estado atual da igreja: Quantas denominações
desviadas da Verdade existem? Quantas falsas linhas de inter-
pretação surgem dia após dia? Quantos debates inúteis sobre a
fé cristã já presenciamos mundo a fora? O que causa esta
tragédia é a falta de compreensão com respeito às Escrituras e
seu desinteresse, desprezo, indiferença, desdém que, aliás, é
uma característica peculiar de nossa época no mundo cristia
nizado. Não é conveniente que estas coisas sejam assim.
Desde o início da humanidade, Deus utiliza determinados
homens como Seus instrumentos com a finalidade de proclamar
e ensinar a Palavra de Deus. De fato, nós da equipe Os Cristãos,
não somos nada em nós mesmos, nem temos o que temos por
nós mesmos, nem ainda nos consideramos melhores do que as
outras pessoas. Não queremos nos colocar aqui como grandes
mestres ou detentores da verdade, absolutamente! Por outro
lado, reconhecemos que fomos, entre tantos outros, abençoados
com a graça e misericórdia da parte de Deus e que temos sido
iluminados por Ele para compreender as realidades espirituais

10
contidas na Bíblia. Com isso, nos sentimos no dever de anunciar
a todos as verdades com as quais temos sido contemplados e
por elas grandemente por Deus abençoados. Ademais, é com
grande humildade, tremor e temor diante de Deus, que estamos
aqui com essa finalidade: informar, introduzir, educar e edificar
você nas Sagradas Escrituras.
Não é nosso objetivo com este material provar a legitimidade
da Bíblia. Partiremos do princípio de que a Bíblia é a Palavra de
Deus, e analisaremos panoramicamente os pontos fundamen-
tais para o correto entendimento das Escrituras. Procuramos re-
finar ao máximo o conteúdo deste material para incluir apenas
os pontos fundamentais para o real entendimento da Bíblia
como Ela É.
Esperamos no Senhor que você termine esta leitura, mais es-
clarecido, iluminado e edificado e que Deus possa usar este sin-
gelo escrito, que está em suas mãos agora, para elevar o seu en-
tendimento não apenas de quem Ele é, do que fez e tem feito por
nós, mas, também, de tudo o que Ele intentou dizer-nos por in-
termédio de Sua Palavra.

Com amor e temor,


Gabriel Monegatto & Marcos Ré – Julho de 2015.

11
Uma Visão
Panorâmica
da Bíblia
O Caráter Celestial das Escrituras

Como Foi Formada a Bíblia

As Principais Divisões Bíblicas


(...Puríssima é a Tua Palavra; por isso, o Teu servo a estima.) – Sl 119:140;

O Caráter Celestial das Escrituras


O Livro de Deus
A Bíblia é um livro fantástico, qualquer pessoa que analise seu conteú-
do com sinceridade certamente ficará fascinada. Sua supremacia com
respeito a qualquer outra obra literária já produzida está no fato de revelar
tudo que diz respeito ao único Deus e Criador do Universo. Ela é o tipo de
livro que o homem não teria capacidade nenhuma de conceber, produzir
ou escrever.
A Bíblia não procura, em momento algum, provar-nos a existência de
Deus. Pelo contrário, do início ao fim ela simplesmente afirma que há um
Ser Supremo, Criador de tudo e de todos. Ao mesmo tempo, a própria
Bíblia reivindica ser a Palavra deste mesmo único Deus. É especial notar-
mos como se inicia o texto bíblico, em Gênesis:
(...No princípio, criou DEUS os céus e a terra.) – Gn 1:1;
Imediatamente, ao abrirmos a Bíblia, somos apresentados a Deus.
Não existem introduções ou explicações. Logo na primeira frase inspirada,
somos colocados na presença d´Aquele que, a partir do nada, trouxe vida

14
à tudo. Se existe um tema em que a Bíblia não se ocupa, certamente é
com a elaboração de argumentos sobre a existência de Deus. No entanto,
Deus revela-se a Si mesmo, e às Suas obras, através deste Bendito Livro
.
(...Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras
de suas mãos.) – Sl 19:1;

(...Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o Seu eterno poder,


como também a Sua própria divindade, claramente se reconhecem,
desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que
foram criadas.) – Rm 1:20;

(...Grandes e admiráveis são as tuas obras, Senhor Deus, Todo-Podero-


so!) – Ap 15:3;

Eis onde reside a sublime mensagem deste livro: ele é, nada menos, que a
própria Palavra de Deus aos homens; não se trata da mensagem de
homens à outros homens; antes, da mensagem direta de Deus aos
homens.
O caráter celestial das Escrituras é evidenciado sempre que um
homem analisa o conteúdo bíblico com honestidade. A manifestação da
infinita sabedoria de Deus transborda a cada página. Contrariando ao ex-

15
tremo a natureza humana, a Bíblia exalta exclusivamente a glória e ex- A crença de que a
celência de Deus, enquanto coloca o homem na posição de pecador perdi- Bíblia é a Palavra de
do e sem direitos diante de Deus. Como expôs magnificamente, Lewis Deus de Gênesis a
Sperry Chafer: Apocalipse é a base
“Quem, entre a humanidade cega, seria o escritor de ficção capaz de criar para a entendermos
os conceitos de um Deus triuno de toda a eternidade que se encontra nas e, consequente-
páginas das Escrituras? Quem, entre os homens, planejou o peculiar e per-
mente, termos um
feito equilíbrio das partes de cada Pessoa da Divindade na redenção, ou o
correto relaciona-
caráter divino na sua consistente e inalterável exibição de santidade infini-
mento com Deus.
ta e amor infinito: os juízos divinos, a avaliação divina de todas as coisas,
inclusive das hostes angélicas e dos espíritos do mal? Quem, entre os
homens, já foi capaz de conceber a criação de tais noções independentes,
além de expressá-las perfeitamente numa história em andamento, a qual,
sendo acidental, afinal não passa de imitação: uma imitação hipócrita e
dissimulada da verdade? Que absurda é a presunção de que o homem
sozinho poderia escrever a Bíblia, se assim o quisesse! Mas se o homem
não deu origem à Bíblia, Deus o fez, e por causa disso, Sua autoridade tem
de ser reconhecida.”
Como esclarecemos na introdução, não é nosso intuito com este ma-
terial provar a legitimidade da Bíblia, portanto não iremos nos aprofundar
nesta matéria. O essencial aqui é que precisamos compreender que a
Bíblia, por suas próprias reivindicações e inúmeras evidências, é a Palavra

16
É engano pretender de Deus, e deve ser recebida e encarada como tal. Sem esta consciência, é
ter relação com o impossível compreender as Escrituras. A crença de que a Bíblia é a Pala-
Deus Único e Verda- vra de Deus de Gênesis a Apocalipse é a base para a entendermos e, con-
deiro senão por in- sequentemente, termos um correto relacionamento com Deus. É engano
termédio da Bíblia. pretender ter relação com o Deus Único e Verdadeiro senão por intermédio
Se alguém tem da Bíblia. Se alguém tem relação com Deus a tem na mesma medida em
relação com Deus, que se está em relação com a Bíblia. É pura ilusão enganosa, admitir que
tem na mesma seja possível ter ligação com Deus sem que essa mesma ligação, não
medida em que tem esteja fundamentada especificamente na Bíblia, os que assim o fazem,
relação com a Bíblia. encontram-se completamente confusos e perdidos em um caminho ob-
scuro, mistificador e repleto de superstições corrosivas.

Como a Bíblia Foi Formada


Considerando a Bíblia como a Palavra de Deus, é justo questionarmos:
de onde ela surgiu?
Deus, em sua sabedoria, não escolheu meios “sobrenaturais” para
deixar a Sua mensagem para a humanidade: A Bíblia poderia ter caído di-
retamente dos céus, por exemplo. Mas Deus não fez assim, e por razões
sábias. Ele escolheu usar meios naturais para transmitir Sua Palavra às
Suas criaturas.

17
Embora a Bíblia seja um livro completo e homogênio é surpreendente A formação das Es-
o fato de que seu conteúdo é composto por diversos livros avulsos, escri- crituras é, por si só,
tos por diferentes autores, em diferentes épocas e em diferentes lugares uma irrefutável evi-
do mundo. O cânon bíblico é composto por nada menos que 66 livros, que dência da existência
foram escritos por aproximadamente 40 a 45 autores humanos, das mais de Deus e da veraci-
diferentes estirpes; como pescadores, lavradores, camponeses, sábios, dade bíblica.
profetas, sacerdotes, pensadores, poetas, médico, políticos e até mesmo
reis. Embora seus escritores em sua grande maioria fossem israelitas,
alguns entre eles viveram em países e épocas diferentes. Além disso, a
conclusão dos 66 livros que compõe a Bíblia levou aproximadamente de
1500 a 1600 anos.
Assim sendo, se a Bíblia sofresse qualquer interferência humana em
sua realização, ela, por certo seria o livro mais heterogêneo, confuso, ab-
strato e paradoxal já escrito; mas, pelo contrário, ela é o que pretende ser:
uma narrativa única, homogênea, clara, ininterrupta e harmoniosa de toda
a história do relacionamento de Deus com os homens, e toda sua men-
sagem tem como eixo central uma Única Pessoa, o Senhor Jesus Cristo.
Na verdade, a formação das Escrituras é, por si só, uma irrefutável evidên-
cia da existência de Deus e da veracidade bíblica.

18
Antigo Testamento Novo Testamento
Livro Data (Aproximada) Autor 1 Livro Data (Aproximada) Autor
1 Jó Desconhecida Anônimo 1 T ia g o 44-49 d.C Tiago
2 Gênesis 1445-1405 a.C Moisés 2 G á la ta s 49-50 d.C Paulo
3 Êxodo 1445-1405 a.C Moisés 3 M ate u s 50-60 d.C Mateus
4 Levítico 1445-1405 a.C Moisés 4 M a rco s 50-60 d.C Marcos
5 N úm eros 1445-1405 a.C Moisés 5 ITessalonicenses 51 d.C Paulo
6 D euteronôm io 1445-1405 a.C Moisés 6 2Tessalonicenses 51-52 d.C Paulo
7 S a lm o s 1410-1405 a.C Vários autores 7 ICoríntios 55 d.C Paulo
8 Jo su é 1405-1385 a.C Josué 8 2Coríntios 55-56 d.C Paulo
9 Ju ize s ca. 1043 a.C Samuel 9 R om anos 56 d.C Paulo
10 Rute ca. 1030-1010 a.C Samuel (?) 10 Lucas 60-61 d.C Lucas
11 Cântico dos Cânticos 971-965 a.C Salomão 11 E fé s io s 60-62 d.C Paulo
12 P ro vérb io s 971-686 a.C A maioria Salomão 12 Filipenses 60-62 d.C Paulo
13 Eclesiaste s 940-931 a.C Salomão 13 Colossenses 60-62 d.C Paulo
14 IS a m u e l 931-722 a.C Anônimo 14 F ile m o m 60-62 d.C Paulo
15 2Samue l 931-722 a.C Anônimo 15 Atos 62 d.C Lucas
16 Obadias 850-840 a.C Obadias 16 1Tim ó te o 62-64 d.C Paulo
17 Jo e l 835-796 a.C Joel 17 T ito 62-64 d.C Paulo
18 Jo n a s ca. 760 a.C Jonas 18 1 P e d ro 64-65 d.C Pedro
19 Amós ca. 755 a.C Amós 19 2Tim óteo 66-67 d.C Paulo
20 Oseias 755-710 a.C Oseias 20 2 P e d ro 67-68 d.C Pedro
21 M iq ueias 735-710 a.C Miqueias 21 Hebreus 67-69 d.C Desconhecido
22 Isa ía s 700-681 a.C Isaías 22 Ju d a s 68-70 d.C Judas
23 N aum ca. 650 a.C Naum 23 João 80-90 d.C João
24 S o fo n ia s 635-625 a.C Sofonias 24 1Jo áo 90-95 d.C João
25 Habacuque 615-605 a.C Habacuque 25 2Jo ã o 90-95 d.C João
26 Ezequiel 590-570 a.C Ezequiel 26 3Jo ã o 90-95 d.C João
27 Lam entações 586 a.C Jeremias 27 A p o calip se 94-96 d.C João
28 Je re m ia s 586-570 a.C Jeremias
29 1 R e is 561-538 a.C Anônimo
30 2 R e is 561-538 a.C Anônimo
31 Daniel 536-530 a.C Daniel
32 Ageu ca. 520 a.C Ageu
33 Zacarias 480-470 a.C Zacarias
34 Esdras 457-444 a.C Esdras
35 IC rô nicas 450-430 a.C Esdras (?)
36 2Crônicas 450-430 a.C Esdras (?)
37 Este r 450-331 a.C Anônimo
38 Malaquias 433-424 a.C Malaquias
39 N e e m ia s 424-400 a.C Esdras
As Divisões das Escrituras A Bíblia tem certas di-
visões que precisam
ser identificadas e
(...Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de
compreendidas por
que se envergonhar, que maneja bem a Palavra da Verdade.) – 2Tm 2.15
aqueles que a es-
tudam.
O texto de 2 Timóteo 2:15, onde lemos “maneja bem a Palavra da Ver-
dade” pode ser melhor traduzido como “que divide bem a Palavra da Ver-
dade”. Isto porque o texto bíblico tem certas divisões que precisam ser
identificados e compreendidos por aqueles que estudam as Escrituras.
Como vimos anteriormente, a Bíblia é a compilação de 66 livros; basi-
camente, estes livros estão divididos em dois testamentos, fundamenta-
dos em dois pactos que Deus estabelece em suas relações com os
homens: O Antigo e o Novo Testamento.
A palavra “testamento” significa “aliança”. Isso significa que Deus, de
modo geral, fez duas grandes alianças com os homens durante a história,
além de três principais dispensações inseridas nessas alianças (detalhes
sobre isso serão esclarecidos em outros materiais de nossa autoria).
Analisaremos, em maiores detalhes, os dois Testamentos que compõe a
Bíblia Sagrada:

20
O Antigo Testamento
(...Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos
pais, pelos profetas...) – Hb 1.1

(...Porque a Lei foi dada por intermédio de Moisés...) – Jo 1.17

O Antigo testamento é composto por 39 livros e corresponde à porção


das Escrituras que vai de Gênesis a Malaquias. Foi escrito entre 1445 -
400 a.C aproximadamente, na língua hebraica principalmente e algumas
poucas porções em aramaico
Seu conteúdo corresponde à maior porção do texto bíblico, e fornece
uma riqueza impressionante de lições espirituais. Em síntese, no Antigo
testamento Deus nos revela o início de todas as coisas; a história da hu-
manidade primitiva; a formação de Israel (que é o povo terreno de Deus),
a história de Israel e as profecias com respeito ao Messias: Jesus Cristo,
que quanto a Sua humanidade seria descendente da tribo de Judá.

21
Sua narrativa histórica está disposta da seguinte maneira:

• A criação do universo (Gênesis)


• A queda do homem (Gênesis)
• O castigo do dilúvio na terra (Gênesis)
• Abraão, Isaque, Jacó (Israel) — pais da nação escolhida (Gênesis)
• A história de Israel (Gênesis – Malaquias)
* O exílio no Egito — 430 anos (Êxodo)
* O êxodo e a peregrinação pelo deserto — 40 anos (Êxodo – Deu-
teronômio)
* A conquista de Canaã — 7 anos (Josué)
* A era dos juízes — 350 anos (Juízes)
* O Reino Unido — Saul, Davi, Salomão — 110 anos (1Samuel -
* O exílio na Babilônia — 70 anos (Jeremias; Daniel)
* O retorno e reconstrução da Terra Prometida — 140 anos (Esdras,
Neemias)

22
Divisão Geral do Antigo Testamento

Gênesis
Êxodo
Levítico

Lei
Números
Deuteronômio
Josué
Juízes e Rute

Livros Históricos
1 e 2 Samuel
1 e 2 Reis
1 e 2 Crônicas
Esdras
Neemias
Ester

Livros Poéticos

Salmos
Provérbios
Eclesiastes
Cantares
Isaías
Maiores
Profetas

Jeremias
Lamentações de Jeremias
Ezequiel
Daniel
Profetas Menores

Oséias
Joel
Amós
Obadias
Jonas
Sem dúvida nenhuma, há grande confusão com respeito à correta visão O Novo Testamento é
dos lugares ocupados por cada Testamento nas Escrituras. Esta confusão a chave que abre os
é fatal e leva ao alienamento espiritual. Por isso, é imprescindível esclare- ricos mistérios espiri-
cermos este ponto. tuais contidos no
Antigo Testamento.
Grande parte das pessoas que começam a ler a Bíblia iniciam a partir
do Antigo Testamento, e isto geralmente causa dificuldades. Confesso
que, eu mesmo, na primeira vez que tentei ler as Escrituras, desisti. Isto
não acontece por acaso. O Antigo Testamento é mais enigmático e rec-
heado de figuras, e sombras espirituais. Em outras palavras, o Antigo Tes-
tamento fala sobre Jesus Cristo em mistérios. É necessário ter percepção
espiritual e
treinamento nas Escrituras para perceber as diversas figuras representati-
vas de Cristo no Antigo Testamento.
O Próprio Senhor, após ressuscitar, protagoniza uma cena singular
narrada no Evangelho de Lucas, Capítulo 24. No versículo 27, vemos
Jesus “começando por Moisés, discorrendo por todos os profetas”, expo-
ndo aos seus discípulos o que a Seu respeito constava em todas as Es-
crituras”, e ainda: “A seguir, Jesus lhes disse: São estas as palavras que eu
vos falei, estando ainda convosco: importava se cumprisse tudo o que de
mim está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.
Esta percepção e desenvolvimento de visão espiritual começa com a
leitura e entendimento correto do Novo Testamento. O Novo Testamento

24
ilumina o entendimento do Velho. O Novo Testamento é a chave que abre
os ricos mistérios espirituais contidos no Antigo Testamento.
Nos nossos tempos, é muito triste a falta de compreensão destas ver-
dades no meio dos cristãos. Infelizmente, muitos falsos mestres procla-
mam heresias destruidoras ao rebaixar o Antigo Testamento, afirmando
ser uma porção das Escrituras a ser ignorada ou negligenciada para os
dias de hoje.
“O Antigo Testamento Caducou”, e “O Antigo Testamento é apenas um
registro de narrativas históricas” são as duas maiores heresias que são
ditas contra o Velho Testamento atualmente.
Contra este tipo de afirmação mentirosa, rogamos a você, querido leitor,
que guarde os seguintes textos em seu coração:

(...Toda a escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a


repreensão, para a correção, para a educação na justiça.) 2Tm 3:16

(...Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a
fim de que pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos es-
perança.) 2Tm 3:16

(...Porque, se, de fato, crêsseis em Moisés, também creríeis em mim;

25
porquanto ele escreveu a meu respeito. Se, porém, não credes nos seus
escritos, como crereis nas minhas palavras?) Jo 5.46-47

O Novo Testamento
(...Nesses últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro
de todas as coisas, pelo qual também fez o universo...) – Hb 1:2;

(...a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo...) – Jo 1:17;

O Novo Testamento é o conjunto dos 27 livros restantes inspirados


por Deus e corresponde à porção das Escrituras que vai desde Mateus á
Apocalipse. Foi escrito entre 44 - 96 d.C aproximadamente, em língua
grega, originalmente.
O Contraste com o Velho Testamento é notável e a beleza de sua
mensagem encanta aos homens. Enquanto o Antigo Testamento anuncia
a vinda do Messias, o Novo Testamento narra Sua história, manifesta e
proclama Sua majestade e glória. Jesus, o Deus encarnado, habitou entre
nós e provou ser realmente o Messias prometido por Deus pelos profetas
do Antigo Testamento.
Também no Novo Testamento, Deus nos apresenta seu povo celestial:

26
A Igreja, a noiva e o corpo de Cristo. Depois, temos as epístolas escritas
pelos apóstolos, que são a espinha dorsal do ensino Neo-Testamentário e,
por fim, o livro de Apocalipse, que se ocupam em nos revelar em linhas
gerais a sucessão de acontecimentos que ocorrerão nos finais dos
tempos.

27
Divisão Geral do Antigo Testamento

Mateus

Evangelhos e
Marcos

Atos
Lucas
João
Atos
Romanos
1 Corintios
2 Corintios
Gálatas
Epístolas Paulinas

Efésios
Filipenses
Colosenses
1 Tessalonicensses
2 Tessalonicenses
1 Timóteo
2 Timóteo
Tito
Filemon
Hebreus
Tiago
Demais Epístolas &

1 Pedro
Apocalipse

2 Pedro
1 João
2 João
3 João
Judas
Apocalipse
A análise completa de cada um dos Testamentos e seus respectivos
papéis foge da intenção deste material. Procuramos manter as infor-
mações essenciais para que você possa penetrar nas riquezas espirituais
contidas na Bíblia e começar a exercitar-se na busca da correta interpre-
tação das Escrituras.

29
Iluminação
Espiritual:
A Chave Para
O Verdadeiro
Entendimento
O Que é Iluminação Espiritual

A Suprema Importância da Iluminação

Os Requisitos Para Ser Iluminado

Características de um Coração Iluminado


(...O ouvido que ouve e (...Disse Deus: Haja luz; e houve luz.) – Gn 1.3
o olho que vê, o
SENHOR os fez, tanto
um como o outro) (...Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo re-
Pv 20.12 splandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da
glória de Deus, na face de Cristo.) – 2Co 4:6

O que é iluminação espiritual? Este é um assunto que se desdobra em


algumas direções, e certamente poderíamos escrever um livro tratando
apenas deste assunto. Portanto, vamos nos ater a definição de iluminação
espiritual em relação especificamente com as Escrituras. Nesse contexto,
podemos definir iluminação espiritual como o correto entendimento e in-
terpretação do texto bíblico em suas partes e em sua totalidade. Ilumi-
nação é o ministério exercido pelo Espírito Santo que capacita todo aquele
que está num relacionamento correto com Deus para entender as Escritu-
ras. Não há outra alternativa: Deus precisa iluminar a mente do homem
para que ele possa entender as verdades do reino espiritual.
Após a queda de seu estado original, a mente do homem foi infectada
e corrompida e seu relacionamento original com Deus foi perdido. Em
consequência disso, a inteligência espiritual do homem para tingir e as-
similar a Verdade torna-se inteiramente nula e sua visão espiritual é ob-
scurecida ao ponto da cegueira. Observem o testemunho do próprio Deus
acerca deste assunto:

32
(...Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos in- podemos definir ilu-
struídos. Onde está o sábio? ... Onde, o inquiridor deste século? Porventu- minação espiritual
ra, não tornou Deus louca a sabedoria do mundo? Visto como, na sabe- como o correto en-
doria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, tendimento e inter-
aprouve a Deus salvar os que crêem pela loucura da pregação.) 1Co pretação do texto
1.18-21 bíblico em suas
partes e em sua to-
De resto, àquilo que a razão humana pode alcançar em sua busca pela talidade.
Verdade é matéria extremamente restrita. Nenhum homem é auto-sufici-
ente para compreender plenamente as Verdades Divinas. O apóstolo
Paulo afirma que as coisas que foram criadas revelam a existência de
Deus, e estas mesmas testemunham sobre Sua Majestade Divina, Sua
Sabedoria, Suas Perfeições, Seu Eterno Poder:

(...Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como


também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o
princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram
criadas.) – Rm 1:20;

Grandes pensadores do passado, como Platão e Aristóteles, e outros


tantos, concluíram, a partir de observação das obras criadas, principal-
mente, de astros e constelações, que Deus existe. Estas conclusões,

33
¹Note que esta é uma apesar de serem verdadeiras, são limitadas e superficiais.
antiga heresia perni- Ainda que seja possível para o homem saber que Deus existe apenas
ciosa herdada pelos
atuais Testemunhas observando a magnífica ordem e beleza da criação Divina, Deus, neces-
de Jeová, uma seita sariamente, precisa iluminar a razão humana para que ela possa enxergar
pseudo-cristã que a Verdade. Isto é iluminação.
nega a divindade de
Cristo e que, portanto, Há alguns anos, pouco tempo depois da minha conversão, comecei a
torna o real efeito do notar um fato que eu achava curioso, porém não compreendia. Muitas
sacrifício sobre eles pessoas liam a Bíblia (algumas delas liam bem mais do que eu inclusive),
mesmos, nada menos
que, ineficaz. e nitidamente não entendiam absolutamente nada de seu conteúdo! Pior
que isso, faziam uma confusão tremenda, deturpando o sentido original
da Palavra.
Quando estava no último semestre de um curso técnico, conheci um
homem que já tinha lido a Bíblia inteira. Ele conhecia, de um modo geral,
as histórias, os conceitos e alguns textos clássicos das Escrituras. Para
minha surpresa, ele revelou ser ateu! E argumentou comigo que a prova de
que Deus não existe era o próprio livro de Eclesiastes! (um dos maiores
absurdos que já ouvi). Anos mais tarde, descobri que ele não era o único;
existem milhares e milhares de pessoas que conhecem a Bíblia e são
ateus.
Certo dia, estava conversando sobre Cristo com uma amiga de sala na
faculdade, quando outro amigo se juntou a nós na conversa. “Conheço
tudo isso que você está dizendo!” ele me disse. Então, começou a nos

34
contar que, desde sua adolescência, estudava as Escrituras e já havia lido A iluminação espiritu-
bastante a Bíblia. Fiquei extremamente feliz nesse momento, afinal é al está diretamente
muito difícil encontrar pessoas que cultivam um depósito espiritual em relacionada com a
seus corações atualmente. Continuamos conversando e, minutos depois, atitude de nossos
afirmei para nossa amiga: “Apenas Jesus pode salvar a nossa alma da da- corações para com a
nação eterna, pois Ele é o próprio Deus que encarnou e morreu por nós.” Palavra de Deus.
Qual não foi a minha surpresa ao ver esse mesmo rapaz rebater prontam-
ente: “Jesus não é Deus! Mas, ele é filho de Deus!”¹
A lista de exemplos, na verdade, é longa. A verdade essencial que deve
ser compreendida é a seguinte: se Deus não atuar iluminando a razão
humana, o homem, ainda que leia e releia a Bíblia mil vezes, nada en-
tenderá de seu conteúdo Divino. Na época, eu me perguntava “Senhor,
como é possível que seja assim!?”. Eu ficava realmente perplexo ao ver
muitos exemplos de pessoas que liam e reliam a Bíblia e prosseguiam em
seu ateísmo conceitual ou prático, ou criam em absurdos doutrinários ab-
solutamente desviados da Verdade revelada, ou reputavam a Bíblia como
apenas um livro de filosofias positivas, e outras tantas espécies de deva-
neios semelhantes!!!
Graças a Deus, com o passar do tempo, pude compreender porque as
coisas acontecem dessa maneira. Vamos examinar o que o Senhor falou a
este respeito:

35
(...Então, se aproximaram os discípulos e lhe pergutaram: Por que lhes fala por
parábolas? Ao que [Jesus] respondeu: Porque a vós outros é dado conhecer os
mistérios do reino dos céus, mas àqueles não lhes é isso concedido. Pois ao que
tem se lhe dará, e terá em abundância; mas, ao que não tem, até o que tem lhe
será tirado. Por isso, lhes falo por parábolas; porque, vendo, não veem; e, ouvindo,
não ouvem, nem entendem. De sorte que neles se cumpre a profecia de Isaías:
Ouvireis com os ouvidos e de nenhum modo percebereis. Porque o coração deste
povo está endurecido, de mau grado ouviram com os ouvidos e fecharam os
olhos; para não suceder que vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, enten-
dam com o coração, se convertam e sejam por mim curados. Bem-aventurados,
porém, os vossos olhos, porque veem; e os vossos ouvidos, porque ouvem.Pois
em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes e
não viram; e ouvir o que ouvis e não ouviram.) Mt 13.10-17

A iluminação espiritual está diretamente relacionada com a atitude de


nossos corações para com a Palavra de Deus. Jesus instruiu seus dis-
cípulos a que não jogassem pérolas aos porcos (Mt 7.6); quanto menos
Deus jogará suas preciosidades à pessoas de coração rebelde e contradi-
zente!
E o que é um coração reto diante de Deus? Consideremos, pois, esta
questão vital para a iluminação espiritual de qualquer um que a deseja:

36
Conversão Genuína O primeiro passo para
a iluminação espiritual
(...Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, é a real conversão do
não pode ver o Reino de Deus.) Jo 3.3 pecador ao Senhor por
meio de arrependi-
(...Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espíri- mento genuíno.
to não pode entrar no Reino de Deus.) Jo 3.5

A afirmação feita por Jesus para Nicodemos, no capítulo 3 do Evange-


lho de João, deixa clara a condição dos homens. Se o homem não nascer
de novo, não pode nem ver, nem entrar no Reino de Deus. O que Jesus
está ensinando aqui? Em outras palavras, Jesus disse que se o homem
não se converter genuinamente a Ele (e essa conversão sempre é fruto da
regeneração operada pela Divina Pessoa do Espírito Santo no interior do
homem), não poderá ver nada do mundo espiritual, nem ter parte nele,
visto que não possui a vida eterna, fonte vital e fundamental para possibili-
tar percepção espiritual de Deus e das coisas referentes a Deus e asso-
ciá-lo a essas mesmas coisas. Antes, desligado de Deus, permanece
morto, cego para todas estas coisas do mundo espiritual, e seu destino
quanto à eternidade será a mais horrenda tragédia. Quando o homem
ouve o Verdadeiro Evangelho e recebe Jesus em seu coração como
Senhor e Salvador, ocorre o milagre do Novo Nascimento, que Jesus, ali,

37
se refere.
Se alguém não é Nova Criatura, se não nasceu do céu por excepcional
operação do Espírito Santo, definitivamente, não pode entender a Bíblia de
modo nenhum. Muitos de nós, cristãos, esquecemos desse fato, ao dis-
cutir com incrédulos quando estes distorcem o sentido original das Escrit-
uras. Como poderão eles entender o sentido da Bíblia, se não nasceram de
novo? A única mensagem que há para os incrédulos na Bíblia é “arrepen-
dam-se e convertam-se ao Senhor”. A única mensagem que todo homem
pode entender ao ler a Bíblia é que Jesus Cristo se entregou por causa de
seus pecados, pois ouça:

(...Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu Seu Filho Unigêni-
to, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida
eterna.) Jo 3.16

Portanto, todas as vastas riquezas espirituais contidas na Palavra de


Deus são exclusivamente para o Seu povo. O privilégio de conhecer pro-
fundamente a Deus é dado somente aos cristãos genuínos. O apóstolo
Paulo deixa claro:

(...Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque


lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem

38
espiritualmente. Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas
ele mesmo não é julgado por ninguém.) 1Co 2.14

Logo, o primeiro passo para a iluminação espiritual é a real conversão


do pecador ao Senhor por meio de arrependimento genuíno.

Atitude Certa Com Relação às Escrituras


(...Outra razão ainda temos nós para, incessantemente, dar graças a Deus:
é que, tendo vós recebido a Palavra que de nós ouvistes, que é de Deus,
acolhestes não como palavra de homens, e sim como, em verdade é, a
Palavra de Deus...) 1Ts 2.13

É incrível, como os cristãos atualmente menosprezam e subestimam


a Bíblia. Realmente, vivemos em tempos de densas trevas, e Satanás fi-
nalmente conseguiu, de um modo geral, acabar com a autoridade e su-
premacia da Bíblia na mente não somente dos incrédulos, mas também
de crentes professos. Veja, por exemplo, a “igreja” de Roma (a que eles
dizem ser católica). Com ousadia e arrogância, ela se coloca acima da
Bíblia como autoridade suprema, criando um sistema de doutrina próprio
e contrário à linha da revelação. Isso é fatal!

39
Apesar da “igreja” de Roma ser um dos exemplos mais graves e ex-
tremos, e já bem conhecido, existem muitas atitudes tomadas frente à
Bíblia que são altamente contaminadoras por parte da maioria dos protes-
tantes de hoje em dia. Crer corretamente nas Escrituras é de extrema im-
portância. Por isso, elencamos os pontos fundamentais desta questão
para você ter a correta visão da Bíblia e não mais ser enganado por
nenhum sistema religioso desviado da Verdade, seitas contaminadas e
contaminadoras ou líderes religiosos corrompidos e corruptores:

#1: A Bíblia é a única fonte de conhecimento sobre


Deus
Como meu irmão e pai na fé Marcos Ré (Totó) costuma dizer: “Nossa
fé está baseada em declarações, e estas declarações estão contidas so-
mente na Bíblia”. Não existe outra base de fé, senão as Sagradas Escritu-
ras. Todo ensinamento espiritual que é transmitido para nós deve passar
pelo crivo das Escrituras. Se não estiver de acordo com o ensinamento bí-
blico, deve ser imediatamente repudiado e descartado. Devemos ser, em
nossos corações, como os cristãos de Beréia, e conferir biblicamente tudo
o que nos é comunicado por obra, palavra ou idealismos.
Se nossa fé estiver fundamentada única e exclusivamente na Palavra

40
de Deus escrita, então estamos em terreno fiel e seguro. Estamos dentro Nossa fé está basea-
do campo de nosso Boáz Celestial (Cristo Jesus, nosso Senhor). Assim, da em declarações, e
temos uma base sólida e segura da Fé Genuína, Absoluta e Verdadeira; estas declarações
também, estamos guardados e livres de sistemas de crendices supersti- estão contidas so-
ciosos infectados pelo veneno da serpente. mente na Bíblia. Não
Com nossa mente forjada nas Escrituras, desenvolveremos a capaci- existe outra base de
dade de entendermos a Verdade a respeito Deus e das coisas de Deus, do fé, senão as Sagradas
mundo visível e invisível, de nós mesmos, do significado da existência, dos Escrituras.
múltiplos relacionamentos, do como avançar por nossa história com in-
teligência, iluminação e sabedoria, do futuro que nos aguarda, do sentido
da vida, e, possuiremos as respostas adequadas e necessárias para tudo
e para todos; julgaremos acertadamente o mundo ao nosso redor com as
lentes da Verdade e sob a perspectiva de Deus.
Uma mente cujos depósitos estão constituídos das Verdades Bíblicas
pode experimentar e desfrutar de um relacionamento com Deus, ilumina-
do, sadio, sólido, inteligente, profundo e sábio; pois é somente pelos en-
sinamentos derivados da Palavra de Deus que podemos conhecer Sua
Vontade e Seus Caminhos.
Todos sabemos que, para mantermos comunhão íntima e profunda
com Deus, precisaremos seguir por Seus Caminhos e nunca jamais pelos
nossos próprios; buscando de todo o coração, compreender Sua soberana
Vontade e a Ela voluntária e com ânimo dócil nos submetermos incondi-

41
Assim como há um só cionalmente.
Deus e Criador de tudo, Mas, se, pelo contrário, nossa fé estiver baseada em qualquer outra
também há apenas coisa que não somente a Palavra de Deus, não estaremos no terreno de
uma fonte de conheci- Deus (nas regiões celestiais, do ponto de vista espiritual), e sim no terreno
mento sobre Deus: A das crendices de vãs religiões de origens sobrenaturais, perniciosas e ma-
Bíblia Sagrada. (Crês, lignas (em regiões infernais, do ponto de vista espiritual). Isto não é fé, não
tu, que Deus é um só? a fé genuína, e não poderá salvar, livrar ou proteger quem quer que seja.
Fazes bem. Até os
demônios creem e
tremem.) - Tg 2.19 #2: A Bíblia foi plenamente inspirada por Deus
Muitos acreditam que a Bíblia não foi inspirada por Deus. Esta crença
é perigosa e leva ao liberalismo religioso. Diversos falsos mestres intro-
duzem este conceito sutilmente, para devastação do rebanho de Deus.
Um grande exemplo disto vem de um herege da atualidade, Caio Fábio, e
uma súcia de ímpios e malfeitores do mesmo naipe, que afirmam que o
Antigo Testamento “caducou”, e descartam textos das Escrituras ao seu
Bel Prazer. Será que podemos descartar livremente porções das Escrituras
que não entendemos, ou contra elas nos rebelamos, ou dos quais não nos
agradamos, sem graves conseqüências?
Certamente esta postura é a própria loucura herética e apóstata. Este
tipo de mentalidade doentia provém de uma crença particular, a saber: que

42
a Bíblia não É plenariamente a Palavra de Deus. Muitos hereges da mod- Se acreditarmos que
ernidade afirmam que a Bíblia contém porções, de fato, escritas por Deus; a Bíblia meramente
porém, outras porções seriam escritas por homens. Na verdade, isto re- contém a Palavra de
flete uma crença nada diferente do ateísmo na esfera do secularismo. A Deus, as Escrituras
filosofia relativista, característica do pós-modernismo, tem afirmado perdem toda a sua
coisas seme- autoridade e nossa
lhantes. Uma das máximas do relativismo da cristandade professante de base de fé é destruí-
hoje está justamente focada neste ponto, onde afirma-se que a Bíblia da.
contém a palavra de Deus, e não que a Bíblia é absolutamente a própria
Palavra que Deus tem falado. Manifestamos nossa indignação contra tais
declarações e queremos fixar indelevelmente aqui nosso protesto vee-
mente e público contra tais perversões! Pois, se eu posso escolher livre-
mente os textos que eu acredito serem escritos humanos, rasgar e lançar
fora de minha Bíblia, qual seria, então o critério para decidir quanto ao
texto inspirado ou não?
Se as coisas fossem assim mesmo, sugerimos então que confronte
esta crença com o seguinte texto, meu amigo Bereano:

(...Toda a escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a


repreensão, para a correção, para a educação na justiça.) – 2Tm 3.16

Se acreditarmos que a Bíblia meramente contém a Palavra de Deus e

43
que, em verdade, ela, em sua totalidade, não é a própria Palavra de Deus,
estamos em rota de colisão com este texto e com os demais textos de
toda a Inspiração Plenária das Escrituras. Logo, para sustentar nossa
crença, devemos descartar esse texto. Se pudermos descartar esse texto,
poderemos de igual modo descartar outros e, se podemos descartar
outros, podemos descartar a Bíblia toda e ficar somente com nossos
próprios pensamentos, conceitos e princípios particulares! Isto é, nada
menos, que o infeccioso e corrosivo ideal relativista que rege a mentali-
dade de nossa época!
A Bíblia é por suas próprias reivindicações e por qualquer teste que lhe
possamos aplicar, a infalível Palavra de Deus. Se acreditarmos que a Bíblia
meramente contém a Palavra de Deus, as Escrituras perdem toda a sua
autoridade e nossa base de fé é destruída.

#3: A Bíblia foi plenamente preservada por Deus


Quando dizemos que a Bíblia foi preservada por Deus, queremos dizer
que Ele providenciou não apenas a plena inspiração do texto Bíblico, como
também foi responsável por preservá-lo fiel e inerrante até o dia de hoje,
milhares de anos depois.
Muitas pessoas têm problemas em admitir a realidade de que este

44
livro, embora escrito há milhares de anos, permaneça inalterado por inter- Foi Ele quem fez
ferências humanas. Esse problema, a nosso ver, é causado pela falta de todas as coisas
visão de tais pessoas no que se refere à própria Pessoa e Poder de Deus, existirem a partir do
como também a falta de conhecimento mais especializado no que toca à nada. O que seria
preservação de textos antigos, principalmente quanto a preservação do mais difícil: criar o
Antigo e Novo Testamento, que contam cada qual com mais de 5 mil papi- universo, com todas
ros e pergaminhos de antiguidade reconhecida e consagrada pela er- as suas perfeições,
udição histórica, tanto judaica quanto cristã. Deus é mui grande e podero- ou preservar um livro,
so, muito além de nossa compreensão. Foi Ele quem fez todas as coisas elaborado por Ele
existirem a partir do nada. O que seria mais difícil: criar o universo, com mesmo?
todas as suas perfeições, ou preservar um livro, elaborado por Ele
mesmo?
Para quem estiver interessado em aprofundar-se no assunto, quanto a
legitimidade dos manuscritos bíblicos antigos, sugerimos o estudo do
campo de conhecimento chamado crítica textual, que versam e confir-
mam com erudição toda a matéria. No mais, não há com que nos preocu-
parmos, e sim estarmos plenamente seguros de que Deus leva a cabo as
obras que Ele faz e preserva-as como bem deseja segundo Sua Vonta-
de.Basta-nos crer nas Palavras de Cristo:

(...Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão)


Mt 24:35

45
#4: A mensagem bíblica é de caráter universal e
atemporal
Atualmente, é comparativamente muito pequeno o número daqueles
que acreditam e aceitam a perenidade da mensagem bíblica em relação
aos que afirmam temerariamente que grande parte dos ensinamentos, in-
cluindo os neo-testamentários, foram escritos restritamente para o povo
daquela época, e que, portanto, não tem aplicação prática para os dias
atuais. É claro que esse tipo de interpretação, além de revelar a enfermi-
dade espiritual daquele que assim pensa e professa, também abre larga-
mente a porta que leva ao relativismo filosófico e teológico.
Com certas exceções, que são bem claras, a Bíblia não é apenas um
livro atemporal em sua mensagem, mas também universal. É evidente que
o Espírito Santo de Deus, em sua infinita sabedoria, não faria de Seu Livro
uma compilação de mensagens avulsas e restritas a determinadas
épocas, culturas e costumes. Deus nos Livre da tendência maligna de car-
nalizar a Sua Palavra!
É evidente que a mensagem das Escrituras, levando em conta seus
aspectos dispensacionais, possui aplicação prática para todo o povo de
Deus, em todas as épocas e em todos os lugares do mundo. A Bíblia tem o
poder único de atravessar gerações com o conteúdo de sua mensagem
que, apesar de escrita há milhares de anos, sempre será atual e seus

46
princípios permanecem e permanecerão absolutos perpetuamente. (Guarda-me, ó Deus,
Assim como existem leis da natureza que governam o mundo, sendo porque em ti me refu-
imutáveis em qualquer lugar desde a sua fundação, é igualmente verda- gio. Digo ao Senhor:
deiro o fato de que existem leis morais objetivas e absolutas, que natural- Tu és o meu Senhor;
mente foram estabelecidas por Deus e transmitidas às suas criaturas at- outro bem não
ravés de Sua Palavra. Sendo assim, todo aquele que aprende e vive segun- possuo, senão a ti
do os princípios ensinados por Deus possuí fundamento inabalável para somente.) - Sl 16.1-2
viver, independentemente da época ou cultura. Isto é grande fonte de se-
gurança para os filhos de Deus que, em verdade, se refugiam no Senhor,
como diz o salmista no salmo 16.
Por outro lado, o infortúnio de todo aquele que rejeita Cristo é não ter
uma base sólida de princípios. Qual é a base na qual se apoiam aqueles
que não têm Deus? Como determinar o que é o bem e o que é mal, certo e
errado, quando não há nada nem ninguém superior estabelecendo esta
distinção? O homem não regenerado forma suas noções de valores e reali-
dade a partir da cultura ao seu redor. Seus conceitos sobre certo e errado
não são absolutos, e sua mente permanece aberta para inúmeras influên-
cias, das mais diversas ordens. Ele continuará perdido, abraçando dia após
dia, as idéias que lhe parecem mais certas subjetivamente, imerso num
oceano sem fim de ideais, conceitos e filosofias humanas. Na verdade,
todo aquele que, mesmo professando a fé cristã, se mantém rebelde
quanto ao fato da atemporalidade Bíblica, incorre neste mesmo infortúnio

47
dos descrentes.

(...O caminho dos perversos é como a escuridão; nem sabem eles em que
tropeçam...) – Pv 4.19

(...Mas o justo é intrépido como o leão...) – Pv 28.1

#5: A Bíblia não abre margem para múltiplas interpre-


tações que conflitem entre si:
O texto de 2 Pedro é conclusivo quanto ao assunto:

(...Sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura


provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia
foi dada por votade humana; entretanto, homens [santos] falaram da
parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo...) – 2Pe 1.20-21

Buscando estabelecer uma interpretação dinâmica do texto original


formal acima citado, com objetivos de adaptar-se ao pensamento e en-
tendimento do homem de hoje, temos então o seguinte conceito: “Saben-
do, porém, antes de tudo, que cada parte contida na Escritura não está su-

48
jeita a interpretação particularizada, porque tudo o que nela está contido
não provém de homem algum”.
Embora grande parte do texto Bíblico possua mais de um desdobra-
mento (analisaremos esta questão no capítulo 3), isto não significa que os
textos possam ser interpretados de acordo com o entendimento de cada
um. Pelo contrário, devemos obedecer ao princípio básico de interpretação
das Escrituras: a Bíblia explica a própria Bíblia.
Ao depararmos com textos difíceis, devemos orar ao Senhor pedindo
iluminação para compreendê-los, bem como procurar a orientação de um
irmão mais velho que seja treinado nas Sagradas Escrituras. Não devemos
ter um espírito temerário, supondo estarmos certos em nossos julgamen-
tos e interpretações sem antes dedicar o tempo necessário para reflexão.
Este princípio é verdadeiro especialmente para com as coisas do Senhor.

(...Tens visto um homem precipitado nas suas palavras? Maior esperança


há para o insensato do que para ele...) – Pv 29:20

Jesus intitula-se “O Pastor”, e nos chama de Suas ovelhas. Se fomos


feitos ovelhas do Único Pastor e Bispo de nossas almas, tenhamos
também naturezas espirituais semelhantes à de ovelhas. Quando uma
ovelha se alimenta de pasto, ela rumina o que acabou de comer. Isto sig-
nifica que o alimento vai para o estômago da ovelha, é processado o

49
máximo possível, depois regurgitado, para novamente ser mastigado e
processado. Este processo não termina enquanto o alimento não estiver
perfeitamente digerido e ter se tornado parte constituinte de seu organis-
mo.Tal deve ser nossa atitude ao nos alimentarmos das Escrituras: Deve-
mos ler, refletir, reler e refletir novamente, quantas vezes forem
necessárias, para o nosso perfeito entendimento e iluminação e com firme
propósito de empatizar e nos submeter à sua mensagem comunicada
pelo ministério do Espírito Santo, que é sempre dinâmica e atual, vindo
sempre ao encontro de nossas necessidades mais imediatas.

6# Conclusão - A Bíblia tem autoridade para nos julgar


Tendo em conta todos os pontos citados acima, um coração correto
frente a Bíblia sempre é caracterizado pela total submissão e reverência as
Escrituras. Quando um homem entende que não tem a menor capacidade
de arbitrar contra a Bíblia, pela própria natureza da mesma, mas, antes,
deixa-se julgar pela Palavra e procura andar de acordo com suas diretri-
zes, é que o terreno do coração está adubado e fertilizado, pronto para re-
ceber a Boa Semente da parte de Deus e frutificar segundo os Seus
propósitos para com os que Lhe pertencem.
Rogamos ao leitor que leve em alta conta as considerações aqui feitas

50
com respeito à atitude correta frente à Palavra de Deus. Elas são vitais e Aceite ser julgado,
transformadoras. Deus está à procura de corações dóceis e mansos, que confrontado e corrigi-
se submetam totalmente, antes de tudo, a Sua Palavra. Aceite ser julgado, do pela Palavra, para
confrontado e corrigido pela Palavra, para então poder ser orientado e então poder ser orien-
consolado por Ela. Aceite a Palavra como Ela É, e então Deus poderá agir tado e consolado por
em graça iluminando cada vez mais o seu entendimento através Dela. Ela.

Disposição de Obediência (Santidade)


(...Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me
ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o
amarei e me manifestarei a ele.) Jo 14:21

(...Quem não me ama não guarda as minhas Palavras...) Jo 14:24

Quando ajustamos nossa mentalidade com respeito à Palavra de


Deus, considerando-a como a única e verdadeira fonte de revelação direta
de Deus a humanidade e recebendo todo o seu conteúdo como a verdade
sobre tudo, o Senhor ganhou a nossa mente. Quando decidimos obedecer
a Sua Palavra, alinhando cada traço de nosso viver de acordo com esta
mesma Palavra, custe o que custar, o Senhor ganhou nosso coração.

51
A disposição para a A disposição de andar em obediência nos caminhos do Senhor é
obediência não é muito valioso aos olhos d’Ele. Na verdade, não há alegria maior para Deus
apenas o modo corre- do que “ouvir que Seus filhos andam na verdade” (3Jo 1:4); e, é claro,
to de se achegar às quando andamos nos caminhos do Senhor, Ele se agrada em iluminar
Escrituras, como nosso entendimento à respeito de todas as coisas. A disposição para a
também o fundamen- obediência não é apenas o modo correto de se achegar às Escrituras,
to imutável para a ilu- como também o fundamento imutável para a iluminação espiritual. Por
minação espiritual. isso, é importante esclarecer como a obediência se revela na vida prática
dos cristãos.

(...Jesus, tomando o cego pela mão, levou-o para fora da aldeia e, aplican-
do-lhe saliva aos olhos e impondo-lhe as mãos, perguntou-lhe: Vês
alguma coisa? Este, recobrando a vista, respondeu: Vejo os homens,
porque como árvores os vejo, andando. Então, novamente lhe pôs as
mãos nos olhos, e ele, passando a ver claramente, ficou restabelecido; e
tudo distinguia de modo perfeito.) Mc 8:22-25

O texto acima, extraído do evangelho de Marcos, é uma figura repre-


sentativa de todos aqueles que são tocados por Jesus para crerem n’Ele.
Quando Jesus vem ao encontro de todo homem, Ele sempre encon-
tra-o cego espiritualmente. Tal fomos todos nós anteriormente. Entretan-
to, Jesus cura a cegueira de todo homem que o recebe, fazendo-o enxer-

52
gar e distinguir tudo de modo perfeito. Porém, o que chama a atenção é Em nossa jornada
que o homem não recuperou imediatamente a visão perfeita: Ele a recu- cristã, nosso entendi-
perou progressivamente. mento e iluminação
Este princípio ensinado pela Palavra de Deus deve ser compreendido espiritual sempre
espiritualmente por cada um de nós. Em nossa jornada cristã, nosso en- crescem gradual-
tendimento e iluminação espiritual sempre crescem gradualmente, em mente, em proporção
proporção direta à nossa obediência e dedicação. Isto é importante porque direta à nossa obe-
cada cristão está em um nível diferente de visão espiritual. É justamente diência e dedicação.
neste ponto que outro princípio fundamental se aplica: todos nós devemos
andar segundo a luz que já alcançamos.

(...Todavia, andemos de acordo com o que já alcançamos...) Fp 3:16

Conforme nossa caminhada progride, vamos conhecendo cada vez


mais o que agrada e o que desagrada o coração do Senhor. Devemos nos
ajustar constantemente, de acordo com o conhecimento que temos, e
sempre buscar conhecer qual é a vontade de nosso Senhor. É assim que a
obediência se dá na vida cristã prática.
Sabemos que para sermos mais e mais iluminados por Deus, precisa-
mos estar em constante obediência à Sua Palavra. Mas, e quando levamos
vidas levianas, qual é a atitude do Senhor ao nosso respeito?

53
(...Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem
semear, isso também ceifará....) Fp 3:16

(...Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e


os vossos pecados encobrem o Seu rosto de vós, para que vos não
ouça....) Is 59:2

(...Porquanto aborreceram o conhecimento e não preferiram o temor do


SENHOR; não quiseram o meu conselho e desprezaram toda a minha
repreensão. Portanto, comerão do fruto do seu procedimento e dos seus
próprios conselhos se fartarão...) Pv 1:23-31

Atualmente, é tema muito popular nas “igrejas” cristianizadas falar


sobre o amor de Deus. No entanto, conta-se nos dedos de uma única mão
quantos são os que falam sobre a justiça de Deus. Irmãos, Deus não é, de-
finitivamente, um gênio da lâmpada, cujo único objetivo é satisfazer-nos
os desejos. Antes, Deus é Soberano e faz as coisas como lhe apraz. Da
mesma forma como Ele é a personificação do Amor, também personifica
tanto a Justiça, como a Verdade, assim como a Pureza, de forma que
retribuí às suas criaturas conforme suas obras.
Assim, todos quantos decidem deliberadamente andar em rebelião,
desobediência e insubordinação, preferindo satisfazer às paixões da carne,

54
Deus não se deixa zombar: essas pessoas não serão iluminadas ou sequer Todos quantos de-
ouvidas, antes, serão entregues aos calabouços de seus próprios prazeres, cidem deliberada-
para desonrarem seus corpos entre si; tornar-se-ão nulos em seus própri- mente andar em rebe-
os raciocínios, obscurecendo-lhes ainda mais o entendimento, e certa- lião, desobediência e
mente trarão juízo sobre si mesmas, conforme nos esclarece o apóstolo insubordinação,
inspirado em Romanos. Note que não estamos falando de incrédulos, e preferindo satisfazer
sim, daqueles que professam crer! às paixões da carne,
Antes de passarmos para o próximo tópico, é preciso dizer que há uma Deus não se deixa
diferença colossal entre aqueles que escolhem viver deliberadamente zombar: essas pes-
longe dos caminhos do Senhor, e aqueles que escolhem andar em Seus soas não serão ilumi-
caminhos e mandamentos, porém incorrem em diversas dificuldades e nadas ou sequer ouvi-
pecados. Enquanto um escolhe se afastar de Deus e vive inconseqüente- das.
mente, como se não houvesse graves conseqüências em seus atos, o
outro escolhe viver na presença de Deus, porém cai em transgressões das
quais não se orgulha e nem vive em paz com elas, e buscam, com todo o
seu coração, se ver livres dessas misérias da natureza caída.
A verdade é que todos os cristãos que decidem viver piedosamente na
presença do Senhor se deparam com diversas dificuldades de nível interior
e exterior. Isto é comum entre muitos de nossos irmãos. Deus, porém, nos
conhece perfeitamente e tem se compadecido de nossas fraquezas e deb-
ilidades em Sua graça, por causa daquilo que Cristo, na cruz, realizou por
nós.

55
Se estamos em pleno combate contra o pecado e nessa luta encar-
niçada sofremos algumas derrotas, não significa, de modo nenhum, que
fomos vencidos em batalha, pois essa história ainda não acabou. Sabe-
mos que o Senhor Jesus venceu tudo por nós e que Ele é o nosso Supre-
mo Sumo Sacerdote, que nos céus tem intercedido incessantemente
pelos Seus, com o fim de purificá-los e aperfeiçoá-los para Ele mesmo.
Cultivemos sempre uma consciência limpa diante do Senhor, isso nos
fará avançar e progredir no Caminho da Verdade!
Se temos a consciência que, somos pecadores, tenhamos também
em mente que a forma como o Senhor chamou a Abraão é a mesma
forma como chama a todos nós. “Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda na
minha presença e sê perfeito”. Deus não disse: Sê perfeito e anda na
minha presença; pelo contrário. Primeiro, devemos desejar obedecer,
andar nos caminhos do Senhor. A perfeição é decorrente, desse tipo de
disposição, sem seguida, de caminhar, de seguir sua história, em comun-
hão com Deus.

56
Conclusão
O real entendimento das Escrituras e de Deus vem apenas com a ilu-
minação espiritual. O homem pode compreender todas as disciplinas do
conhecimento humano apenas aplicando-se ao estudo profundo, mas as
realidades espirituais são conhecidas através da iluminação espiritual, e
isto vem das mãos de Deus. O caminho para a iluminação espiritual está,
como discorremos em detalhes neste capítulo, intimamente ligado ao
coração correto diante de Deus, e unido à Ele.

(...Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele pro-
cedem as fontes da vida...) Pv 4:23

Nesta questão, sempre seremos aprendizes e sempre haverá pontos


em que devemos melhorar, mas o Senhor, mais do que qualquer um, sabe
disso. Aproxime-se dele com coração sincero e verdadeiro, e Ele se che-
gará a ti.
Agora que já sabemos a importância da iluminação espiritual, precisa-
mos voltar nossos olhos novamente para a Bíblia e introduzir um assunto
fascinante: Quais são, de fato, os princípios interpretativos da Palavra de
Deus?

57
Capítulo 3

Princípios
Interpretativos
Fundamentais da
Palavra de Deus
Quem é o Tema Centra da Bíblia

As 7 Regras Básicas de Interpretação

Os Quatro Tipos de Interpretação das Escrituras


(...Correndo Filipe, ouviu-o ler o profeta Isaías e perguntou: Compreendes
o que vens lendo? Ele respondeu: Como poderei entender, se alguém não
me explicar?) – At 8.30-31

A passagem que abre este capítulo nos remete à cena onde Filipe, um
dos sete diáconos escolhidos pela Igreja de Jerusalém, é impelido pelo
Espírito no deserto com o fim de se encontrar com o eunuco etíope, um
alto oficial do reino de Candace, para anunciar e explicar o Evangelho. No
episódio, vemos o coração sincero e a simplicidade do eunuco ao afirmar:
“Como poderei entender as Escrituras, se alguém não me explicar?”. De
certo, esta passagem é reveladora.
Neste evento, torna-se evidente que a Bíblia é diferenciada e se trata
de um livro complexo. Isso é óbvio, pois Ela revela os fatos referentes ao
Deus Criador e Suas Obras. O próprio apóstolo Pedro tescreve acerca de
sua complexidade:

(...Tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igual-


mente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria
que lhe foi dada, ao falar acerca destes assuntos, como, de fato, costuma
fazer em todas as suas epístolas, nas quais há certas coisas difíceis de
entender, que os ignorantes e instáveis deturpam, como também detur-
pam as demais Escrituras, para a própria destruição deles.) – 2Pe 3:15-16

60
Certamente existem assuntos nas escrituras que são difíceis de com- Os assuntos que são
preender, como por exemplo, o trecho que o eunuco lia antes da chegada os mais fundamentais
de Filipe. Porém, precisamos notar que estes assuntos sempre estão rela- e vitais para a sal-
cionados com as coisas mais profundas do conhecimento de Deus. Os vação podem ser
assuntos que são os mais fundamentais e vitais para a salvação podem compreendidos até
ser compreendidos até mesmo por uma criança, e precisamente por isso, mesmo por uma cri-
todo homem é indesculpável quando afirma que a bíblia é um livro total- ança, e precisamente
mente incompreensível. por isso, todo homem
Portanto, tendo em vista a natureza da mensagem Bíblica, claramente é indesculpável
se faz necessária uma introdução para todo aquele que deseja sincera- quando afirma que a
mente compreender plenamente as escrituras. Isto significa que é bíblia é um livro total-
responsabilidade de homens mais exercitados na Palavra da Verdade ilu- mente incom-
minar o entendimento dos mais novos no que se refere às Escrituras. preensível.
Com poucas exceções, o caminho que Deus utiliza para ensinar e edificar
os novos convertidos na fé é através de irmãos mais velhos. Desta forma,
além de evitarmos cair em erros doutrinários graves, somos edificados e
podemos crescer na graça e no conhecimento de nosso Senhor Jesus
Cristo.
Assim como foi dito na introdução deste material, é imprescindível
conhecermos as bases interpretativas corretas para que possamos en-
tender a Bíblia. Fazendo um paralelo com o capítulo anterior, o conheci-
mento dos princípios corretos de interpretação das Escrituras é talvez o

61
¹Hermenêutica é uma mais forte efeito causado pela iluminação espiritual.
das matérias que Nossa intenção neste material é introduzi-lo nas principais bases in-
compõe a Teologia; é terpretativas. Não intentamos neste capítulo escrever um tratado exausti-
o campo teológico vo sobre hermenêutica¹, mas sim apresentar os mais importantes e práti-
que estuda a correta cos aspectos interpretativos da Palavra de Deus. Acredite: ao tomar posse
interpretação dos deste conteúdo, seu entendimento Bíblico será outro, todas as vezes que
textos Bíblicos, no ler as Escrituras.
mínimos detalhes.

Jesus Cristo: O Tema Central de Toda a Bíblia


(...A seguir, Jesus lhes disse: São estas as palavras que eu vos falei,
estando ainda convosco: importava se cumprisse tudo o que de mim
está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos. Então, lhes
abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras;) Lc 24:44-45

O primeiro passo para a real compreensão da Bíblia é entendermos


qual é o centro de sua mensagem, ou melhor, quem é o centro de sua
mensagem. A Bíblia inteira está centralizada na Pessoa e Obra de Nosso
Senhor Jesus Cristo. A proclamação da Pessoa de Cristo e de Suas rea-
lizações é a mensagem que Deus tem para toda a humanidade. Entretan-
to, Cristo mesmo precisa abrir nosso entendimento por intermédio da

62
Pessoa do Espírito Santo, para que possamos ter essa percepção. Aquele que é a própria
centralidade e univer-
(Porque fazes resplandecer a minha lâmpada; o SENHOR, meu Deus, der- salidade de Deus é
rama luz nas minhas trevas) Sl 18:28. também o eixo central
de toda a mensagem
É o próprio Cristo que é contemplado através de toda a mensagem das Escrituras.É preci-
bíblica. De Gênesis a Apocalipse temos Cristo como o cerne da toda men- so aprender a vê-Lo
sagem, Aquele que é a própria centralidade e universalidade de Deus é por toda a Bíblia.
também o eixo central de toda a mensagem das Escrituras. É preciso
aprender a vê-Lo por toda parte em toda ela, em cada narrativa, em cada
profecia, em cada poesia, em cada símbolo, em cada tipo, em cada trecho
e etc...
Sabendo que Cristo é a centralidade da mensagem Bíblica, a partir daí,
passamos a enxergar a Bíblia com outros olhos e contemplar Cristo até
mesmo nos mínimos detalhes. Quando nossos olhos espirituais são ilu-
minados pela luz que vem do alto, a Bíblia se torna um livro indescritivel-
mente fantástico. É impressionante a riqueza de detalhes e conexões que
a Bíblia faz para nos falar sobre Jesus, e nos fala dEle o tempo todo. O
fato do próprio Livro de Deus ser centralizado em Cristo nos leva a uma
conclusão magnífica: Cristo é o centro do universo de Deus. Tudo omeça,
se desenvolve e termina em Cristo. Sempre que lemos a Bíblia de forma
correta, ela torna-se útil e necessária para de alguma forma aprender

63
mais de Cristo e apreendê-Lo em nossos corações. Quando nos reuni-
mos, é no Nome, ao Nome, e para o Nome de Cristo. Nossa vida também
deve ser vivida para Cristo. Isto é um conceito necessário e grandioso.

(...Porque dEle (Cristo), e por meio dEle, e para Ele são todas as coisas...)
Rm 11.36

(...Este (Cristo) é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a


criação; pois, nEle, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a
terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer prin-
cipados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dEle e para Ele. Ele é
antes de todas as coisas. NEle, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da
igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas
as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, nEle, residisse toda
a plenitude...) Cl 1.15-19

64
Regras Básicas de Interpretação
Existem algumas regras que regem a fiel interpretação das Escrituras.
Estas regras são fundamentais e altamente úteis para se obter um boa,
correta e fidedigna interpretação de qualquer texto, conceito ou doutrina
revelada nas Sagradas Letras. Por outro lado, são eficazes para eliminar
interpretações livre de erros e distorções. Considere-as como verdadeiras
“regras de ouro”:

1# Princípio da unidade Escriturística


Devemos ter em mente que a Bíblia é um livro homogêneo e harmo-
nioso. Logo, sua mensagem não contém divergências de nenhuma
ordem. De fato, existem o que chamamos de “aparentes paradoxos, que
são porções das Escrituras que, aparentemente, se chocam umas com as
outras, causando dúvidas na mente de muitos com respeito à veracidade
do texto Bíblico. Para um cristão maduro e exercitado na Palavra de Deus,
no entanto, esses aparentes paradoxos são fáceis de resolver. Escrever-
emos sobre este assunto mais profundamente em outro material, mas
queremos deixar um exemplo ilustrativo. Compare estes dois conjuntos
de versículos:

65
(...Não julgueis, para que não sejais julgados.Pois, com o critério com que
julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos
medirão também.) Mt 7:1-2

(...Portanto, és indesculpável, ó homem, quando julgas, quem quer que


sejas; porque, no que julgas a outro, a ti mesmo te condenas; pois praticas
as próprias coisas que condenas.) Rm 2:1

(...Ou não sabeis que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo
deverá ser julgado por vós, sois, acaso, indignos de julgar as coisas míni-
mas? ) 1Co 6:2

(...julgai todas as coisas, retende o que é bom;) 1Ts 5:21

Aparentemente, estes versículos são conflitantes. Nos dois primeiros,


o julgamento é condenável; nos dois seguintes, nos é recomendado exer-
cer julgamentos, alias é-nos revelado que cristãos maduros, aqueles que
forem designados por Deus para tal tarefa, hão de julgar o mundo inteiro,
tanto o visível, quanto o invisível! Paradoxo?!
Na verdade, não há contradição nenhuma. Trata-se de dois ensinos
bem distintos e sólidos. Basicamente, existem dois tipos de juízo, sendo
um deles condenável e o outro, não só recomendado, como também, lou-

66
vado. Não devemos julgar segundo a carne, isto é, conforme as perspecti-
vas humanas, e sim segundo o Espírito, isto é, segundo a mentalidade de
Deus. Não devemos julgar segundo as aparências, e sim pela reta justiça.
O homem não pode ir além de aparências; Deus, porém, conhece o essen-
cial, o profundo de todas as coisas; o homem jamais poderia penetrar
esses territórios por causa de sua própria finitude, característica de sua
própria natureza. Por isso mesmo, para que possa julgar além de suas
próprias limitações, é preciso ser munido da visão celestial, ser possuidor
do ponto de vista de Deus, para que através desse extraordinário expedi-
ente gracioso, possa então, com precisão e consistência espiritual genuí-
na, exercitar reto e perfeito juízo em todas, sobre todas e de todas as
coisas.
Quando nos deparamos com trechos nas Escrituras que parecem
conflitantes, devemos entender que os paradoxos são apenas aparentes,
e devemos procurar o verdadeiro sentido dos ensinamentos propostos
por cada um deles. Sendo a Bíblia uma única mensagem, não pode haver
diferença, nem tão pouco, conflitos doutrinários entre um livro e outro.

67
2# A Bíblia explica a própria Bíblia (Scriptura Interpres
Scripturae)
A não utilização desta regra chave tem sido uma das principais cau-
sadoras de criação e introdução das mais variadas heresias destruidoras
em todos os séculos. Entenda que não existe nada fora da revelação que
possa elucidar a própria revelação. Se quisermos compreender perfeita-
mente o sentido dos diversos textos Bíblicos, é preciso fazer uma com-
paração de porções diferentes das Escrituras. Este é mais um motivo para
conhecer muito bem a Bíblia.
Por exemplo, em provérbios capítulo 31, temos a descrição da mulher
virtuosa, isto é, a mulher que é cheia de virtudes, e que é louvada pelo
Senhor na Bíblia; Entre suas características, encontramos:

(Faz para si cobertas, veste-se de linho fino e de púrpura.) Pv 31.22

Num primeiro momento, podemos imaginar que o tipo de mulher que


é louvada pela Bíblia é aquela que se veste como uma verdadeira prince-
sa. Mas isso não teria coerência nenhuma! Qual seria o real sentido desse
versículo, então? Se usarmos a Bíblia para interpretar a própria Bíblia, cer-
tamente descobriremos. Vejamos o que nos diz o livro de Apocalipse:

68
(Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos.) Ap 19:8

Achamos nossa resposta! A mulher que é louvada pela Bíblia, portanto,


é aquela que transborda na prática de atos de justiça. Isto sim, faz comple-
to sentido, até porque temos a confirmação desta mesma idéia em 1
Timóteo e em 1 Pedro:

(Da mesma sorte, que as mulheres, em traje decente, se ataviem com


modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas,
ou vestuário dispendioso, porém com boas obras...) 1Tm 2.9-10

(Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vosso próprio marido, para


que, se ele ainda não obedece à palavra, seja ganho, sem palavra alguma,
por meio do procedimento de sua esposa, ao observar o vosso honesto
comportamento cheio de temor. Não seja o adorno da esposa o que é ex-
terior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário;
seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de
um espírito manso e tranqüilo, que é de grande valor diante de Deus...)
1Pe 3.1-6

69
Quando retiramos um Que harmonia espetacular ao estabelecermos um paralelo na análise
texto fora de seu con- entre os textos! Pondo lado a lado estes quatro trechos bíblicos, podemos
texto, arrumamos um encontrar o real sentido da mensagem Bíblica com respeito à mulher vir-
pretexto para errar. tuosa. Na verdade, é assim que devemos proceder para com todos os
textos das Escrituras e, com isso, deixar que a Bíblia se auto-interprete.

3# Nunca retirem o texto fora de seu contexto


Quando retiramos um texto fora de seu contexto, arrumamos um pre-
texto para errar.
Há contextos imediatos, e esses devem ser o material prioritário a ser
considerado em uma análise interpretativa. Da mesma forma, podem ex-
istir também contextos distantes, que são relacionados direta ou indireta-
mente com o objeto de análise em questão. Ressaltamos que tudo isso
deve sempre ser buscado dentro da própria Bíblia e nunca em fontes ex-
ternas, e muito menos, em fontes estranhas à própria Bíblia.
Para exemplificar este ponto, examinemos novamente o próprio texto
de Mateus capítulo 7, que utilizamos para exemplificar o princípio da Uni-
dade Escriturística. No versículo 1, está escrito:

(Não julgueis, para que não sejais julgados.) Mt 7.1

70
Se apenas lermos este versículo isoladamente, sem levar em conta o
contexto em que ele está inserido, concluímos que não devemos julgar se
não quisermos ser julgados. Julgamento, então, é algo indesejável! Mas,
como já demonstramos, não é isso que a Bíblia ensina. O erro, neste caso,
é que não estamos levando em conta o contexto imediato para entender o
versículo. Vejamos o que nos diz os próximos versos:

(Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida
com que tiverdes medido, vos medirão também. Por que vês tu o argueiro
no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio?
Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando
tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então,
verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.) Mt 7:2-5

Ao analisar o conjunto de versículos que formam o contexto imediato,


entendemos que Jesus condena o julgamento temerário e hipócrita.
Jesus condena, principalmente, o comportamento dos fariseus, que
agiam de acordo com o famoso dito popular “faça o que eu digo, não faça
o que eu faço.”
Tenhamos o cuidado de sempre analisar qualquer versículo dentro de
seu contexto imediato, para não incorrermos em erros.

71
4# Analise os tempos verbais
Devemos sempre estar atentos ao tempo do verbo que rege qualquer
declaração na Bíblia. Isto nos esclarecerá se o fato em questão foi con-
sumado (passado), é escatológico (futuro), algo que está acontecendo no
momento presente, algo que está em andamento ou em processo de con-
tinuidade, etc.
Entender o tempo verbal é indispensável para a compreensão correta
das doutrinas Bíblicas. O seguinte versículo é um ótimo exemplo:

(...Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se
mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece
a ira de Deus.) Jo 3:36

Analisaremos o três verbos em destaque:

“Quem crê no Filho tem a vida eterna” – Neste caso, o verbo está no pre-
sente. Isto significa que aquele que crê em Jesus, tem a vida eterna desde
já. Não iremos receber a vida eterna, mas já temos a vida eterna. Diversos
outros textos confirmam esta doutrina, como Jo 5:24, Jo 6:47, 1Jo 5:12.

72
“o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida” - O
verbo “verá” está no futuro, logo, este é um fato que ainda será consuma-
do, caso o pecador se mantiver rebelde contra o Filho de Deus até a sua
morte.

“mas sobre ele permanece a ira de Deus.” – Aqui o verbo está no pre-
sente continuo; na verdade, esta forma verbal é uma característica do
gerúndio em português. Isto significa que, todos aqueles que não têm o
Filho de Deus permanecem continuamente sob a ira de Deus. Esses
prosseguirão nesta terrível condição até o momento em que decidirem
mudar a própria sorte, passando a crer, e assim recebendo o Filho de
Deus em seus corações, de todo o coração.

Esperamos que este exemplo ilustre muito bem a importância da


atenção aos tempos verbais das declarações Bíblicas. Com isto em
mente, evitaremos erros e nossa interpretação será muito mais exata.

5# A interpretação sempre é feita do contexto


doutrinário geral para o contexto doutrinário específico
Saiba que qualquer aspecto mais específico da Bíblia está relacionado
com seu aspecto mais amplo doutrinariamente expresso. Este é um as-

73
pecto mais amplo e profundo do conhecimento das Escrituras; este nível
de percepção interpretativa permite a interpretação de certos trechos que
são naturalmente, mais complexos e avançados em sentido doutrinário.
Assim, será necessário mais esforço de nossa parte, visto que um conhe-
cimento correto e prévio das doutrinas contidas na Bíblia se faz absoluta-
mente necessário.
Nos próximos materiais está proposto maiores explicações e desen-
volvimentos acerca desse assunto específico!

6# Limite-se ao texto em questão, nada acrescente ou


retire dele
Concentre-se no que o texto te informa, do modo como te informa,
sem nunca nada dele alterar torcendo seu sentido original, nem tão pouco
acrescentar ou subtrair dele qualquer porção, nem ordem, nem ainda uma
vírgula ou til sequer. Seja sempre criteriosamente exigente, preciso e per-
feito para aquilo que é absoluto. Fazendo assim, dificilmente se enganará
no exercício de interpretações biblicas.
Ainda no jardim do Éden, podemos observar como as conseqüências
de acrescentar palavras ao que Deus disse foram trágicas. Depois de
formar Adão, Deus ordenou:

74
(De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conheci-
mento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela
comeres, certamente morrerás.) Gn 2.16-17

Esta foi a ordem dada por Deus, nem mais, nem menos. Pouco depois,
a serpente que na ocasião estava sendo utilizada como instrumento das
atividades tentadoras de Satanás, teve um encontro com a mulher próxi-
ma das árvores centrais do Paraíso, tanto a da Vida, quanto a do conheci-
mento do bem e do mal. Observe atentamente o desenrolar da narrativa e
o diálogo desenvolvido na ocasião:

(...A serpente disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de
toda árvore do jardim? Respondeu-lhe a mulher: Do fruto das árvores do
jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do
jardim, disse Deus: Dele não comereis, nem tocareis nele, para que não
morrais...) – Gn 3.1-3

Note que Deus nada falou sobre tocar no fruto, e sim sobre comê-lo.
Eva deliberadamente acrescentou palavras ao que Deus havia dito! As
graves conseqüências que decorreram deste episódio, todos nós já con-
hecemos bem e experimentamos diariamente.
Irmãos, tenhamos o cuidado de nos limitar apenas ao que está escri-

75
to, sem fazer nenhum acréscimo ou decréscimo.

(...Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico:
Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os fla-
gelos descritos neste livro e, se alguém tirar qualquer coisa das palavras
do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da
cidade santa e das coisas que se acham escritas nesse livro.)
Ap 22:18-19

(...Toda a palavra de Deus é pura; Ele é escudo para os que Nele confiam.
Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas
achado mentiroso.) Pv 30: 5-6

7# Procure conhecer os textos em sua língua original


Por último, o quanto possível, devemos conhecer os textos em suas
línguas originais, isto fará com que nosso exercício interpretativo seja
muito mais rico, abrangente, e ainda, nos dará maior precisão na com-
preensão dos próprios textos em questão. Hoje em dia, devido ao desen-
volvimento das tecnologias de comunicação, diversos excelentes
acessórios estão disponibilizados na rede, que facilitam em muito, nosso

76
acesso aos escritos originais em suas respectivas línguas.Tais acessórios Se quisermos verda-
nos ajudam a penetrar o significado do texto bíblico em todas as suas nu- deiramente nos apro-
ances. Por exemplo, existem pelo menos três vocábulos gregos diferentes fundar nas Escrituras e
para designar a palavra, que traduzimos por amor; três vocábulos gregos tornar-nos excelentes
diferentes para designar a palavra, que traduzimos por vida e assim por interpretes, é, indiscu-
diante. No devido momento, quando estivermos desenvolvendo estes tivelmente, necessário
temas específicos e disponibilizando-os a você, entraremos em análises o conhecimento dos
mais aprofundadas e mais amplas dos mesmos, bem como de outros textos originais.
tantos que pretendemos abordar posteriormente. Conhecer os textos em
sua língua original é como beber águas cristalinas das corredeiras de suas
nascestes originais.
Existe uma enorme quantidade de tradução dos textos originais da
Bíblia, quer seja para o português, quer para a maioria das línguas e diale-
tos, falados atualmente ou não. Algumas traduções são excelentes por
sua aproximação formal aos mais antigos manuscritos, como por exem-
plo a tradução em português Almeida Revista e Atualizada. Há, porém,
muitas outras traduções da Bíblia deficientes, precárias e muito fracas, no
que se referem aos mais antigos pergaminhos e manuscritos. Caro leitor,
recomendamos a você que evite basear suas analises interpretativas dos
textos bíblicos em traduções que não possuam erudição e tradição recon-
hecidas e consagradas universalmente.
Ainda assim, mesmo nas melhores traduções, a profundidade dos

77
textos em sua língua original é maior. Muitas nuances são percebidas
apenas quando temos contato com os textos originais. Logo, se quiser-
mos verdadeiramente nos aprofundar nas Escrituras e tornar-nos ex-
celentes interpretes, é, indiscutivelmente, necessário o conhecimento dos
textos originais.

___________________________________________________________________________

Para encerrar esta seção sobre as regras básicas de interpretação,


gostaríamos de deixar claro que há, sem dúvida, outras regras impor-
tantes. Estas, porém, servem como uma base segura e confiável para
uma boa, correta, fiel interpretação de qualquer trecho das Sagradas Es-
crituras.

Os Quatro Principais Tipos de Interpretações


Bíblicas
Abordaremos nas próximas linhas os quatro tipos principais de inter-
pretações Bíblicas. Para uma interpretação mais precisa e especializadas,
elas tornam-se indispensáveis e fundamentais, além de complementares
e graduais. São elas:

78
1# Interpretação Literal
Este modo de se abordar as Escrituras poderia ser considerado o pri-
meiro degrau na escada da interpretação Bíblica. A Escritura deve ser en-
tendida no seu sentido literal, normal e naturalmente. Somente após en-
tendermos literalmente o que nos diz o texto, podemos avançar para a
compreensão mais profunda e espiritual. Por exemplo, Jesus diz:

(...Ninguém põe vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho


romperá os odres; e tanto se perde o vinho como os odres. Mas põe-se
vinho novo em odres novos.) Mc 2:22

Se não soubermos o que é um odre, é impossível chegar a uma con-


clusão literal desta passagem, sendo impossível, posteriormente, uma
conclusão mais profunda e espiritual.

2# Interpretação Histórica
Este modo de abordar as Escrituras poderia ser considerado o segun-
do degrau na escada da interpretação Bíblica. Seguindo o princípio históri-

79
co de interpretação procuraremos compreender o texto bíblico dentro do
ponto de vista de seu contexto histórico. O que o texto diz a respeito das
pessoas que formam a narrativas inseridas em seu ambiente histórico, a
própria geografia histórica que compõe o cenário, dentro do qual se
desenvolvem os eventos em questão. O quê o texto fala primária e direta-
mente às pessoas envolvidas na narrativa, e assim por diante.
Quando se leva em conta o contexto histórico de um texto bíblico es-
pecifico, alcançamos um entendimento mais apropriado da intenção orig-
inal das Escrituras.

3# Interpretação Gramatical
Este modo de abordar as Escrituras poderia ser considerado o ter-
ceiro degrau na escada da interpretação Bíblica. Isso exigirá de todo
aquele que se propõe a interpretar o texto bíblico a este grau, possua
noções bem sólidas de hermenêutica.Hermenêutica é a ciência que
busca entender a estrutura gramatical fundamental dos textos originais:
análise do tempo verbal, o significado etimológico, semântico, denotativo
e etc, dos termos que formam as frases; o emprego dos pronomes e
assim por diante. Com o auxílio de tal expediente interpretativo se poderá
alcançar facilmente uma perspectiva mais pura, clara e brilhante do texto

80
bíblico.

Estes três princípios, na verdade, apenas pavimentam o caminho para o


mais alto e excelente tipo de interpretação Bíblica:

4# Interpretação Espiritual:
Este modo de abordar as Escrituras poderia ser considerado o quarto
e mais importante degrau na escada da interpretação Bíblica. Ao avançar-
mos para uma interpretação espiritual do texto bíblico, e não uma espiri-
tualização do texto bíblico (longe de nós tal coisa), atingiremos o ponto
interpretativo mais significativo e crucial, que obviamente cremos ser o
mais elevado, mais dinâmico, mais instrutivo, mais prático, mais útil e que
está em estrita sintonia com propósito e intenção originais de Deus ao
nos entregar Sua mensagem por intermédio de Sua Escritura. Observe o
testemunho que o próprio texto Inspirado dá a este respeito:

(...mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem
jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para
aqueles que o amam. Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Es-
pírito a todas as coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus.

81
O ponto de interpre- Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio
tação das Escrituras espírito, que nele está? Assim, também as coisas de Deus, ninguém as
que devemos atingir é conhece, senão o Espírito de Deus. Ora, nós não temos recebido o espírito
este: comparar coisas do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que
espirituais com outras por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em pa-
coisas espirituais, lavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito,
todas elas derivadas conferindo coisas espirituais com espirituais. Ora, o homem natural não
das Escrituras, que, aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode
por sua vez, é a fonte entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Porém o homem
de todo pensamento, espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por nin-
conceito e ideal espiri- guém. Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós,
tual genuínos. porém, temos a mente de Cristo). 1Co 2. 9-16

O ponto de interpretação das Escrituras que devemos atingir, utilizan-


do-nos de todos os modos e abordagens interpretativas que anterior-
mente citamos, deve, sem sombra de dúvidas, ser exatamente este que
está descrito indelevelmente na Palavra da Verdade, ou seja: comparar
coisas espirituais com outras coisas espirituais, todas elas derivadas das
Escrituras, que, por sua vez, é a fonte de todo pensamento, conceito e
ideal espiritual genuínos.
Procure perceber o que o texto diz aqui: Ele afirma que o homem es-
piritual é o único em condição de se chegar a interpretações do Texto

82
Inspirado com clareza e precisão genuína. E como ele consegue isso?
Comparando coisas espirituais com espirituais! Nada menos!
(...as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida.) Jo 6.63

O texto jamais teve a intenção de afirmar que deveríamos comparar


coisas literais com literais, ou, coisas históricas com coisas históricas, ou
ainda, coisas gramaticais com outras coisas gramáticas; antes, porém,
deve-se comparar coisas espirituais com coisas espirituais! Nada menos!
Se nos detivermos a uma interpretação literal do texto bíblico, teremos
apenas uma perspectiva parcial, uma visão superficial e incorreremos em
erros de toda sorte. Isso se aplica também a todos os demais métodos de
interpretação. Note o exemplo abaixo:

(...E Jesus lhes disse: Vede e acautelai-vos do fermento dos fariseus e


dos saduceus. Eles, porém, discorriam entre si, dizendo: É porque não
trouxemos pão. Percebendo-o Jesus, disse: Por que discorreis entre vós,
homens de pequena fé, sobre o não terdes pão? Não compreendeis ainda,
nem vos lembrais dos cinco pães para cinco mil homens e de quantos
cestos tomastes? Nem dos sete pães para os quatro mil e de quantos
cestos tomastes? Como não compreendeis que não vos falei (literal-
mente) a respeito de pães? E sim: acautelai-vos do fermento dos fari-
seus e dos saduceus. Então, entenderam que não lhes dissera que se

83
acautelassem do fermento de pães, mas da doutrina dos fariseus e dos
saduceus...) Mt 16.6-12
Tente interpretar esta declaração de Jesus em sentido literal, e não
em seu sentido próprio, isto é, o espiritual. Como é evidente, você incor-
rerá no mesmo erro que os discípulos caíram, e como eles, seria repreen-
dido e tido como alguém que não compreende devidamente as coisas es-
pirituais, e ainda, alguém cuja fé é ainda pequena.
Outro exemplo estaria mais dentro da linha interpretativa histórica, um
pouco antes, no mesmo texto de Mateus, o Senhor Jesus se expressa da
seguinte forma:

(...Ele, porém, lhes respondeu: Chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo,
porque o céu está avermelhado; e, pela manhã: Hoje, haverá tempestade,
porque o céu está de um vermelho sombrio. Sabeis, na verdade, discernir
o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos? Uma ger-
ação má e adúltera pede um sinal; e nenhum sinal lhe será dado, senão o
de Jonas...) Mt 16.2-4

Se balizarmos nossa interpretação bíblica na abordagem história tão


somente, então, teríamos um evento semelhante àquele encontrado no
livro de Jonas. Sabemos que Jonas, ao tentar fugir do compromisso de
pregar a mensagem de arrependimento aos Ninivitas, (tarefa essa ordena-

84
da por Deus e que Jonas deveria cumprir na íntegra) é repreendido com A Bíblia é um livro es-
dura lição por parte do Senhor, devido a sua rebeldia ao desobedecer uma piritual e, portanto, é
ordem direta da parte do Senhor e desempenhar prontamente a tarefa que apreendida somente
o Senhor lhe havia designado.Também sabemos como tudo acabou: um por um entendimento
grande peixe vindo da parte do Senhor acabou por tragar o profeta vivo. espiritual da mesma.
Esta narrativa histórica era fundada sobre eventos históricos reais, com
finalidades de nos transmitir mensagens espirituais especificas. Os even-
tos históricos encontrados no livro de Jonas tinham intima ligação, como
um sinal, dos momentos em que o Senhor Jesus depois de morto, pas-
saria no coração da terra, três dias e três noites, como Ele mesmo havia
dito:

(...Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do
grande peixe, assim o Filho do Homem estará três dias e três noites no
coração da terra...) Mt 12.40

Compare: O grande peixe tem aqui, nesta passagem específica, o


mesmo sentido que a morte; e, Jonas no ventre do grande peixe, tem o
mesmo significado de Cristo ter entrado na morte, e passado três dias e
três noites nela, antes de Sua ressurreição. Veja um outro exemplo:

(...Pois está escrito que Abraão teve dois filhos, um da mulher escrava e

85
outro da livre. Mas o da escrava nasceu segundo a carne; o da livre, medi-
ante a promessa. Estas coisas são alegóricas; porque estas mulheres são
duas alianças; uma, na verdade, se refere ao monte Sinai, que gera para
escravidão; esta é Agar. Ora, Agar é o monte Sinai, na Arábia, e correspon-
de à Jerusalém atual, que está em escravidão com seus filhos. Mas a Je-
rusalém lá de cima é livre, a qual é nossa mãe; porque está escrito: Aleg-
ra-te, ó estéril, que não dás à luz, exulta e clama, tu que não estás de
parto; porque são mais numerosos os filhos da abandonada que os da
que tem marido. Vós, porém, irmãos, sois filhos da promessa, como
Isaque. Como, porém, outrora, o que nascera segundo a carne perseguia
ao que nasceu segundo o Espírito, assim também agora. Contudo, que diz
a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o
filho da escrava será herdeiro com o filho da livre. E, assim, irmãos, somos
filhos não da escrava, e sim da livre...) Gl 4.22-31

Ora, afinal, estas duas mulheres que geraram filhos a Abraão, eram
mulheres reais e históricas, ou eram elas apenas figuras alegóricas? Natu-
ralmente eram elas mulheres literais, históricas e bem reais, mas no senti-
do espiritual, elas representavam as duas alianças que Deus havia estabe-
lecido com os homens. Perceba como a interpretação espiritual atinge, de
fato, o alvo.
Portanto é preciso “conferir coisas espirituais com espirituais”, pois

86
“as palavras que eu (Jesus) vos tenho dito são espírito e são vida”

As três formas de interpretação recomendadas acima são, indiscu-


tivelmente, de grande auxílio, elas possibilitam e oferecem maior clareza e
enriquecimento aos textos bíblicos, mas nunca devemos parar por ai;
antes, precisamos avançar e avançar muito, muito além desses modos de
abordagens interpretativas, para que sejamos capazes de compreender
plenamente aquilo que “...Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem
jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para
aqueles que o amam...” e, “...para que conheçamos o que por Deus nos
foi dado gratuitamente...” no Amado.
Somente conseguiremos alcançar a interpretação espiritual através
de um mergulho profundo na Palavra de Deus e por decorrência de um
relacionamento vivido com o Senhor. Jamais se esqueça, precisamos de
Sua iluminação para termos compreensão. A Bíblia é um livro espiritual e,
portanto, é apreendida somente por um entendimento espiritual da
mesma. É por isso que muitas passagens nos parecem incompreensíveis.
Quando conseguimos alcançar a interpretação espiritual dos assuntos
contidos na Bíblia, então, estamos começando a nos tornar homens espi-
rituais, aptos para conferir coisas espirituais com espirituais e a ter poder
de discernimento muito além do comum.

87
As informações que inserimos neste capítulo são produto de uma
análise criteriosa dos fatores mais cruciais para o entendimento Bíblico de
uma forma geral. Não foi possível aprofundar tanto quanto necessário em
muitos dos tópicos abordados. Ainda assim, procuramos passar aquilo de
mais essencial e prático para que você, querido leitor, possa iniciar sua
jornada nas Escrituras e, de fato, entender aquilo que está lendo.
Por fim, gostaríamos de abordar o aspecto prático do estudo das Es-
crituras, a fim de guiá-lo de modo mais suave possível para os vastos
pastos vivificantes e cheios de refrigério da Palavra de Deus.

88
Capítulo 4

Começando
a Ler a Bíblia
A Importância do Estudo das Escrituras

Como Estudar a Bíblia

A Ordem de Leitura Recomendada

A Melhor Tradução em Português das Escrituras


É possível conhecer o
estado espiritual de
Porque Estudar a Palavra de Deus?
uma pessoa apenas
conhecendo o relacio- (...Jesus, porém, respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem,
namento desta pessoa mas de toda palavra que procede da boca de Deus.) Mt 4:4
com a Bíblia.
Em sua opinião: qual o grau de importância do estudo da Palavra de
Deus na vida de um cristão? Vamos avaliar esta questão.
Quando recebemos Jesus como nosso Senhor e Salvador, Deus opera
em nós o novo nascimento. A partir de então, além de sua vida natural, o
cristão passa a ter uma nova natureza. Essa nova natureza precisa ser
cultivada e alimentada com nossa cooperação, para que possa ser forte e
saudável. Assim como nosso corpo físico necessita de alimento para se
desenvolver e manter-se vivo, nossa nova natureza também precisa ser
alimentada para os mesmos fins. Ao declarar que “não só de pão viverá o
homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus”, Jesus esta-
belece a ligação direta entre a Palavra de Deus com a necessária alimen-
tação espiritual. Assim como nosso corpo físico se alimenta de comida,
nossa natureza espiritual se alimenta da Palavra de Deus.
A importância do estudo constante das Escrituras ultrapassa os lim-
ites meramente intelectuais e se torna uma questão de vida ou morte es-
piritual. É possível conhecer o estado espiritual de uma pessoa apenas
conhecendo o relacionamento desta pessoa com a Bíblia. Quando vemos

91
alguém muito magro ou subnutrido, sabemos que por algum motivo esta Assim como nosso
pessoa não está se alimentando. Semelhantemente, quando uma pessoa corpo físico se ali-
deixa de ter relação constante com as Sagradas Escrituras, seu estado de menta de comida,
nossa natureza espiri-
enfermidade espiritual fica evidente de diversas formas aos olhos atentos.
tual se alimenta da
Por outro lado, ao vermos alguém forte e robusto, sabemos que, além Palavra de Deus.
desta pessoa estar se alimentando adequadamente, esta pessoa também
está se exercitando. Espiritualmente, a alimentação correta está baseada,
principalmente na leitura da Bíblia, como também na leitura de bons livros
cristãos, no diálogo com irmãos mais velhos e constituídos e também no
reunir de uma saudável igreja local. O exercício espiritual se dá, principal-
mente, na meditação e vivência prática das verdades contidas na Bíblia.
Quando estas coisas existem na vida de um cristão, fica evidente a enver-
gadura e amadurecimento espiritual em sua vida. É incrível como a figura
da alimentação natural é perfeita para representar o desenvolvimento da
nova natureza!
O crescimento espiritual depende da leitura da palavra de Deus, como
vimos. Mas, qual o objetivo de crescermos espiritualmente? Entender esta
questão é vislumbrar o que Deus tem preparado para cada um de nós.
Quando Deus nos chama e nós nos convertemos, Deus tem um supremo
propósito para cada um de nós: Conformar-nos e moldar-nos à imagem
de Cristo. O desenvolvimento de nossa nova natureza significa nada
menos que o desenvolvimento de Cristo em nós.

92
O desenvolvimento de (...o mistério que estivera oculto dos séculos e das gerações; agora, toda-
nossa nova natureza via, se manifestou aos seus santos; aos quais Deus quis dar a conhecer
significa, nada menos, qual seja a riqueza da glória deste mistério entre os gentios, isto é, Cristo
que o desenvolvimento em vós, a esperança da glória;) Cl 1:26-27
de Cristo em nós.

Perceba a profundidade da importância do estudo da Palavra de Deus!


É por meio Dela que o Espírito Santo trabalha, transformando-nos de
glória em glória, à imagem de Cristo. Queira o Senhor nos conceder mi-
sericórdia e graça para compreendermos esta verdade magnífica, e viver-
mos vidas ajustadas a ela!

(...E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espel-
ho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua
própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.) 2Co 3:18

Perceber a importância da Palavra de Deus é compreender o “Porque”


devemos levar a sério seu estudo. Finalmente, vamos analisar o “Como”
devemos estudar as Sagradas Escrituras, de forma a tirar o melhor
proveito possível.

93
Como Estudar a Palavra de Deus?
(...Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não
se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escar-
necedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei
medita de dia e de noite.) Sl 1.1-2

Finalmente, depois de cobrir os pontos mais importantes para a com-


preensão das Escrituras, chegou o momento de abordarmos os aspectos
práticos da leitura Bíblica. Selecionamos alguns pontos importantes sobre
estes aspectos:

1# Escolha uma boa tradução


A Bíblia foi escrita originalmente em hebraico, aramaico e grego.
Atualmente, temos traduções da Bíblia para centenas de idiomas; embora
creiamos que Deus providenciou ótimas traduções de Sua Palavra para os
homens, Ele permitiu também versões que não refletem bem o sentido
dos Escritos originais.
É muito importante termos uma boa tradução das Escrituras em
mãos. O papel de uma boa tradução é refletir ao máximo o sentido dos
textos originais. Afirmamos categoricamente: a melhor tradução para o

94
português das Escrituras é a Bíblia traduzida por João Ferreira de Almeida
Revista e Atualizada. (Conhecida como ARA)
Cuidado com certas traduções. É bom salientar que a Bíblia Almeida
Revista e Corrigida tem problemas. Algumas das traduções da Bíblia da
“igreja” de Roma, não são boas, alem de fazerem acréscimos de texto não
inspirados (sete apócrifos, para ser mais específico). A seita pseudo-cris-
tã, Testemunhas de Jeová adultera audaciosamente longos trechos das
Escrituras, torcendo porções do texto a seu bel prazer. Fuja de tais ver-
sões. Comece com uma Bíblia Revista e Atualizada, e após se familiarizar,
compre outras versões e familiarize-se com outras traduções.

2# Comece a leitura Bíblica pelo Novo Testamento, es-


pecificamente pelo Evangelho de João
O velho ditado “a ordem dos tratores não altera o viaduto” inegavel-
mente tem suas aplicações. Porém, quando falamos em ordem de leitura
das Escrituras, a verdade é que a ordem em que lemos faz toda a dif-
erença.
Nossa recomendação é que todo aquele que deseja iniciar uma leitura
da Bíblia deve começar pelo Evangelho de João. É nesse Evangelho que
Cristo, o Eterno Verbo de Deus, é apresentado como o Deus Verdadeiro
que assume forma humana em Sua encarnação para cumprir uma

95
missão bem definida, da parte de Deus. O impacto que causa esta visão
de Cristo como o Deus-Homem, a todo espírito anelante, sequioso e rev-
erente impressiona qualquer um. Observe como começa este Evangelho.
De Cristo, assim ele fala:

“No princípio era o Verbo (Trata-se de Cristo sendo descrito como Aquele
que expressa, absolutamente, Deus), e o Verbo (Cristo) estava com (a
preposição no original reflete a realidade de que Ele encontra-se diante
de Deus como que estando face a face) Deus, e o Verbo (Cristo) era (era
não no sentido que um dia foi e deixou de ser; mas, no sentido de que
era antes de todas as coisas e prossegue imutavelmente sendo o que
sempre foi, isto é, Deus com Deus) Deus. Ele estava (no sentido de que
eternamente esteve; para todo o sempre esteve) no princípio com Deus.
Todas as coisas foram feitas por intermédio dEle (Esse trecho expressa a
idéia de que Deus criou todas as coisas através de Cristo), e, sem Ele
(Cristo), nada do que foi feito se fez (O trecho expressa a idéia de que
tudo o que existe só pôde vir a existência com Ele, e nada do que existe,
existiria sem Ele). A vida (O trecho refere-se a Vida Eterna, isto é, aquela
espécie de vida que só Deus possui), estava nEle e a vida era a luz dos
homens (a vida eterna que estava com o Pai e nos foi manifestada e tra-
zida pelo Filho, quando por Ele comunicada a alguém, torna-se a causa
do despertamento e iluminação espiritual desse alguém). A luz respland-

96
ece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela (o trecho alude,
principalmente, ao conflito que passa existir desde o momento que o
Senhor, como Luz, entra em um coração. Aqui, Cristo pode ser contemp-
lado como que avançando tal qual um conquistador valente e poderoso
irresistivelmente tomando posse pouco a pouco de cada “setor” dele,
expulsando conseqüentemente as trevas que antes o envolvia e gover-
nava)”.

Após o Evangelho de João, prossiga pela seguinte ordem:


Romanos; Efésios; Colossenses; Gálatas; Filipenses; Coríntios 1 e 2; Tes-
salonicensses 1 e 2; Timóteo 1 e 2; Tito; Filemon; Hebreus, Cartas de João
1,2 e 3; Pedro 1 e 2; Judas; Tiago; Atos; Mateus; Marcos; Lucas;
Apocalipse.

3# Desenvolva o hábito da leitura Bíblica


Quando nos convertemos a Cristo como nosso Senhor e Salvador,
existe uma responsabilidade à qual nós não podemos escapar: o hábito de
ler as Escrituras. A maioria dos cristãos atualmente negligencia a leitura
Bíblica. Isto é um reflexo da situação contemporânea da igreja. Muitos
dizem que estão interessados no amor, no louvor, em sinais e testemu
nhos, e essa é a grande desculpa dada para não estudar as Escrituras. Sa-

97
tanás se regozija com este cenário, para nossa vergonha e falência da Precisamos retornar
igreja visível. as Escrituras! Precisa-
Precisamos retornar as Escrituras! Precisamos nos conscientizar da mos nos conscientizar
suprema importância que a Bíblia tem na vida de um cristão e passar a da suprema importân-
cia que a Bíblia tem na
priorizar seu estudo! Na realidade, se de tudo o que escrevemos até aqui,
vida de um cristão e
você reter apenas este tópico, nós já cumprimos nossa missão com esse passar a priorizar seu
material.Os grandes irmãos do passado jamais se calariam frente a uma estudo! Na realidade,
geração como a nossa. Somos uma das gerações mais ignorantes com se de tudo o que es-
respeito às Escrituras que a história já presenciou! John Bunyan, puritano crevemos até aqui,
e autor de um dos livros mais famosos do cristianismo, “O Peregrino”, você reter apenas este
tinha fama tão grande de conhecedor da Bíblia, que seus contemporâneos tópico, nós já cumpri-
mos nossa missão
costumavam brincar, dizendo que se John Bunyan se cortasse não sairia
com esse material.
sangue, mas sim versículos.
A maioria dos irmãos hoje sabe citar as últimas 10 novelas da rede
globo com a maior facilidade; também sabem a escalação completa de
seu time de futebol, mas não sabem o nome dos 12 apóstolos. Possamos
usar nosso tempo de forma sábia, e atender a recomendação do Senhor:
“Habite ricamente em vós a Palavra de Cristo; ” Cl 3.16

4# Tenha um plano de leitura Bíblico


Após ser introduzido ao novo testamento, segundo a ordem que re-

98
comendamos acima, é interessante ter uma idéia geral do conteúdo das
Escrituras. Chegou a hora de ler o Antigo Testamento.
A tarefa de ler o Antigo Testamento pode intimidar aqueles que não
têm o hábito de ler as Escrituras. No entanto, se elaborarmos um plano de
leitura e dedicarmos alguns minutos todos os dias, é possível terminar a
leitura do Antigo Testamento em alguns meses. Por exemplo, de Gênesis
a Malaquias, são 929 capítulos ao todo. Ao dividirmos este número por
365, chegamos ao número 2,5, ou seja, seriam necessários ler 3 capítulos
todos os dias para terminar de ler o Antigo Testamento em um ano. É per-
feitamente possível!
Faça seu próprio plano de leitura Bíblica da forma que satisfaça
melhor seus horários. Coloque como prioridade conhecer a Palavra de
Deus por completo.

5# Tenha comentários e Bíblias de estudo


Boas Bíblias de estudo e bons comentários Bíblicos são excelentes
ferramentas no arsenal de qualquer cristão. Eles servem como referência
sempre que precisarmos de ajuda para entendermos porções específicas
das Escrituras.
Existem inúmeras Bíblias de Estudo disponíveis para venda. Inicial-
mente, nós recomendamos duas, que trazem os mais sóbrios e ricos co-

99
mentários: Bíblia de Estudos de John MacArthur e Bíblia de Estudos de
Scofield.
Quanto aos comentários bíblicos, existem os comentários exaustivos,
que são aqueles que se propõem a interpretar versículo por versículo, e
existem comentários mais abrangentes. Ambos são ótimas fontes de
conhecimento. Podemos citar como bons comentários abrangentes a
série “Pentateuco”, de Macintosh, e os comentários do irmão John N.
Darby, que são altamente enriquecedores.
Apenas como uma nota adicional, salientamos que, apesar das indi-
cações acima serem muito boas, não concordamos com tudo o que estes
comentaristas afirmam, mas o conteúdo destes comentários são real-
mente edificantes, apesar de conter certos erros pontuais (Assim como
todos nós, sem dúvida, cometemos erros).

6# Rumine e Rebusque
Por fim, seja incansável em sua busca pelo conhecimento de Deus.
Rumine as Escrituras. Transforme sua vida interior em uma vida de refle-
xão baseada na Palavra de Deus. Medite na Palavra de Deus. Pesquise,
debata, procure pela verdade. Rebusque a Palavra de Deus, assim como
os trabalhadores do campo de Boaz. Leia, releia, estude a Palavra. A Bíblia
é uma fonte de vida inesgotável! Esteja sempre em relação com as Escri-

100
turas, e seu progresso espiritual será cada vez mais evidente.

___________________________________________________________________________

Essas dicas lhe serão muito úteis no estudo das Escrituras, se coloca-
das em prática, mesmo sendo simples, são poderosas e ajudarão a ala-
vancar o início de uma caminhada cristã iluminada. Depois de muitas
considerações, princípios, elucidações e ensinamentos, chegamos ao fim
deste último capítulo de nossas considerações desse empolgante tema!

101
Introdução
Epílogo

Lâmpada para os meus pés é


a Tua palavra e, luz para os meus
caminhos
Sl 119.105
Enfim, chegamos ao final desta mensagem! Esperamos que você
tenha sido edificado pela leitura deste humilde material. Procuramos
cobrir os pontos principais para que você veja a Bíblia com novos olhos:
os olhos celestiais.
O ponto central que tratamos aqui desde o princípio foi procurar
mostrar a grandiosidade das Sagradas Escrituras, bem como entregar a
você diretrizes práticas de como entender sua mensagem. Claramente,
como ficou nítido através de todo nosso texto, a Bíblia não é um livro
comum, e nem deve ser tratada como tal. Ame-a! Estime-a! Exalte-a! Fale
Dela com todos! Tenha várias Bíblias em casa e nunca se canse de ler e
reler seu conteúdo. Acima de tudo, porém, viva sua vida de acordo com
Suas Palavras, e certamente haverá bom futuro para você, e não será frus-
trada a tua esperança.

(...Até à minha chegada, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino.) 1Tm


4:13

(...Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo;) Cl 3:16

(...Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de


que se envergonhar, que maneja bem a Palavra da Verdade.) 2 Tm 2:15

103
Estes são os conselho que a Palavra tem para todos nós, e não Utilize a Bíblia como
poderíamos deixar de citá-los. Não negligencie o estudo constante das seu verdadeiro manu-
Escrituras. Reserve um período de seu dia e cultive o hábito da leitura da al de vida. Ajuste sua
Palavra de Deus. Encha sua mente e coração com a Palavra, enriqueça vida à Palavra de
Deus, e deixe que a
seus depósitos espirituais com as preciosidades de Deus! Utilize a Bíblia
Bíblia seja a lente pela
como seu verdadeiro manual de vida. Ajuste sua vida à Palavra de Deus, e qual você enxerga o
deixe que a Bíblia seja a lente pela qual você enxerga o mundo. Ao mesmo mundo.
tempo, tenha paciência. O conhecimento de Deus leva tempo, dedicação e
perseverança, e é obtido gradativamente. Ore, peça a Deus por sabedoria,
entendimento, iluminação e revelação, e busque sinceramente diante de
Deus todas essas coisas. Com o tempo, você se tornará espiritual, cada
vez mais capaz de explorar os ricos tesouros contidos na Palavra de Deus.

(...Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo,


bem como os livros, especialmente os pergaminhos.) 2Tm 4:13

Sigamos, também, o exemplo de Paulo. Mesmo no fim de sua vida, no


auge de seu conhecimento celestial, ainda assim desejava livros (cujo
conteúdo acreditamos constituir-se de escritos espirituais, talvez suas
próprias cartas ou livros de outros irmãos que davam testemunho do
Senhor e de Suas Obras. Quem sabe não estivesse incluso os escritos de
Lucas, Mateus e Marcos; quanto aos pergaminhos muitos acreditam que

104
tratava-se de trechos do Velho Testamento. Na verdade, ninguém ao certo
sabe o conteúdo desses livros. Mas, podemos deduzir que Paulo anelava,
nesses momentos finais de sua vida sobre a terra, estar ocupado e en-
volvido com as coisas referentes a Deus e delas receber alguma alegria,
consolação e conforto, nesses momentos críticos da vida do apóstolo já
com avançada idade). Mesmo sendo apóstolo do Senhor e com uma
relação íntima com Cristo, ainda assim desejava esses livros e ocupar-se
com a leitura deles. Mesmo sendo inspirado por Deus e tendo escrito a
maior parte do Novo Testamento, ainda assim desejava esses livros e
ocupar-se com a leitura deles. Mesmo tendo sido arrebatado para o ter-
ceiro céu, e tendo visto e ouvido palavras que ele sequer poderia pronun-
ciar, ainda assim desejava esses livros e ocupar-se com a leitura deles!
Que o Senhor nos ajude a seguir o exemplo deste grande homem de Deus,
e que busquemos diligentemente o conhecimento e a sabedoria celestiais!
Finalmente irmãos, tragamos sempre em mente que somos peregri-
nos neste mundo, e que chegará, mais cedo ou mais tarde, o dia de nossa
partida definitiva para nossa pátria celestial. Quando este dia chegar, esta-
remos todos diante de Cristo, para sermos por Ele, ali, avaliados nos míni-
mos detalhes. O principal critério de Seu julgamento não será o quão bri
lhante nós fomos em nossa carreira profissional, quantos prêmios ganha-
mos em nossas atividades, o valor de nosso patrimônio ou qualquer outra
coisa que nós temos a tendência de supervalorizar e priorizar acima de

105
tudo. Antes, Cristo julgará o quanto Dele mesmo está em nós, e o quanto Nosso propósito cen-
de Sua Palavra habita em nossos corações. É claro que o sucesso e as tral ao escrever este
realizações pessoais têm sua importância, mas devemos nos lembrar do livro foi conscientizar
você da majestade das
princípio ensinado pelo Senhor: “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu
Escrituras e de sua
reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” e, sublime importância
“Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a em nossas vidas espi-
vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará; porque Deus, o Pai, o tuais!
confirmou com o seu selo.” Novamente, que o Senhor possa nos auxiliar
a usar nosso tempo da melhor forma possível, e que passemos à partir de
agora, priorizar acima de todas as coisas, o avanço espiritual e a constan-
te comunhão com Deus!

(...Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração


sábio.) Sl 90:12

Esperamos que esses escritos sejam uma ferramenta nas mãos do


Senhor para despertar um profundo desejo em você, tanto para conhecer
a Palavra de Deus, quanto para compreendê-la. Nossos sinceros votos
são que esta mensagem auxilie neste objetivo. Amém!

106