Você está na página 1de 57

Chagas - DEE / UFCG

Universidade Federal de Campina Grande


Centro de Engenharia Elétrica e Informática
Departamento de Engenharia Elétrica

Relés de Proteção
Notas de Aula

Francisco das Chagas Fernandes Guerra

Campina Grande - PB

1
Chagas - DEE / UFCG

Capítulo I

Relés Eletromecânicos

É apresentada uma descrição sucinta dos principais tipos de relés eletromecânicos utilizados
na proteção de sistemas elétricos. Em face da diversidade dos tipos existentes, os princípios de
funcionamento são explicados a partir de estruturas elementares. Apesar da gradativa
substituição pelos relés digitais, o estudo dos relés eletromecânicos é indispensável em um
primeiro curso de Proteção de Sistemas Elétricos, face do considerável número de unidades
ainda em operação. Além disso, a compreensão do princípio básico de funcionamento dos
demais tipos de relés é facilitada.

1. Relés de Sobrecorrente

Os relés de sobrecorrente são os mais utilizados em sistemas subtransmissão e distribuição


de concessionárias e de indústrias. Apresentam simplicidade de construção e baixo custo.
Quanto ao tempo de operação, são classificados como instantâneos e temporizados.

1.1. Relés de Sobrecorrente Instantâneos

É mostrado na Fig. 1.1 um tipo de relé que funciona mediante atração de uma armadura
basculante, denominada armadura em charneira. Funciona tanto em corrente alternada como
em corrente contínua. Acima de certo valor de corrente, Ia, é desenvolvida uma força de
atração no entreferro, Fe, que supera a ação da gravidade sobre a armadura móvel. Isto
ocasiona fechamento dos contatos de um circuito que causa disparo imediato de disjuntor,
acionamento de alarme ou outra ação de controle.

Fig. 1.1. (a) Relé de sobrecorrente instantâneo; (b) característica ideal.


2
Chagas - DEE / UFCG

Este tipo de relé possui número de função 50, o qual é estipulado pela ANSI (American
National Standards Institute).

1.2. Relés de Sobrecorrente Temporizados

De acordo com a característica tempo versus corrente, esses relés são classificados como
relés de tempo definido e relés de tempo inverso. As características tempo-corrente dos
mesmos são mostradas na Fig. 1.2.

Fig. 1.2. Características de relés de sobrecorrente temporizados; (a) tempo definido; (b) tempo inverso.

Na característica de tempo definido, o relé não atua para correntes inferiores a Ia. Acima
deste valor, o relé atua em um tempo ajustável ta, o qual é independente do valor de corrente.
Na característica de tempo inverso, o tempo de atuação diminui à medida que a corrente
aumenta. São mostradas na Fig. 1.3 as diversas formas dessas características, com as seguintes
denominações: a - tempo normalmente inverso; b - tempo muito inverso; c - Tempo
extremamente inverso.

Fig. 1.3. Tipos de características de relés de sobrecorrente de tempo inverso.

Essas características podem ser obtidas utilizando-se uma estrutura com funcionamento
baseado na indução de correntes parasitas em um disco metálico, como a mostrada na Fig. 1.4.
3
Chagas - DEE / UFCG

A interação entre essas correntes e componentes de fluxo que incidem no disco resulta na
criação de um conjugado motor, no sentido de fechar os contatos. A função da mola é produzir
um conjugado antagonista, mantendo os contatos abertos ao máximo em condições normais. O
ímã permanente produz um conjugado de amortecimento, impedindo movimentos bruscos e
oscilações do disco em torno da posição de equilíbrio.

Fig. 1.4. Relé de sobrecorrente eletromecânico tipo indução.

Na Fig. 1.5 é mostrado um detalhe do disco metálico e do pólo superior do núcleo


magnético, com uma das bobinas de defasagem com os terminais em curto-circuito. Quando a
bobina principal é percorrida por uma corrente alternada, é criado um fluxo magnético no
entreferro. Como esse fluxo varia com o tempo, surgem correntes parasitas induzidas no disco
(correntes de Foucault). A função da bobina de defasagem é defasar os fluxos que incidem no
disco, como é mostrado no diagrama fasorial da Fig. 1.6.

Fig. 1.5. Distribuição de fluxos e de correntes no entreferro e disco.


4
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 1.6. Diagrama fasorial da distribuição de fluxos no entreferro.

Considera-se inicialmente a bobina de defasagem em aberto, enlaçando uma porção  do

fluxo total Τ . Quando esses fluxos variam, é induzida uma força eletromotriz E nos terminais,

atrasado de 90° de  . Com os terminais em curto-circuito, há a circulação de uma corrente I,

atrasada em relação a E. Esta corrente produz um fluxo  B que, somado à componente 

enlaçada pela bobina, resulta em um fluxo  . A componente de Τ não enlaçada pela bobina

é 2 = Τ - 1 , defasada de  de um ângulo β.
Agora, o problema é demonstrar que o somente haverá conjugado motor no disco se os
fluxos 1 e 2 estiverem defasados; assim, considera-se que:

1  1 sen t (1.1)
2   2 sen t   (1.2)

É mostrado na Fig. 1.5 que a corrente i1 induzida no disco pelo fluxo  interage com o fluxo

2 , do mesmo modo que i2, produzida por  2 , interage com  . Isto resulta em forças que
atuam sobre o disco, fazendo-o girar. As correntes induzidas no disco, i1 e i2, são proporcionais
às derivadas dos fluxos que as produzem, ou seja:
d
i1  K a (1.3)
dt
d
i2  K a (1.4)
dt

A constante Ka depende das características elétricas do disco. As forças F1 e F2 são


proporcionais aos produtos  i2 e i2  , respectivamente. A força resultante sobre o disco é:

F  F1  F2  Kb  i1   i2  (1.5)

F  K b 1  2 sen t  .cos t - sen t.cos t    (1.6)

5
Chagas - DEE / UFCG

F  Kb 1 2 sen (1.7)

Só haverá força resultante se os fluxos estiverem defasados. Se β = 0, então F = 0. O mesmo


pode ser dito para o torque eletromagnético, cujo valor é:
Te  Kc 1 2 sen (1.8)

O ângulo β depende apenas das características elétricas da bobina de defasagem


(indutância, resistência). Os valores de Φ1 e Φ2 são proporcionais aos ampéres-espiras da
bobina, N I; assim:
2
Te  K1  N I  (1.9)

A bobina do relé Fig. 1.4 é provida de derivações (tapes). Se for escolhido um tape
correspondente a um grande número de espiras, a corrente mínima de atuação é menor que a
necessária para acionar o relé quando se escolhe um tape com poucas espiras.
Para contrabalançar o conjugado motor, existem os conjugados antagonistas exercidos pela
mola em espiral e pelo ímã permanente, representados pela constante K1. Assim, o conjugado
líquido sobre o disco é:

T  K1 N I   K 2
2
(1.10)

Na iminência de operação, tem-se T = 0 e I = Ia, de modo que:

K2
Ia  (1.11)
N 2 K1

A corrente Ia é a corrente mínima de atuação ou corrente de pickup do relé. Ela depende dos
seguintes fatores:

▪ Número de espiras da bobina principal, N.


▪ Tamanho do entreferro, permeabilidade e dimensões geométricas do núcleo
ferromagnético, bem como características da bobina de defasagem, relacionados à
constante K1.
▪ Características da mola e ímã permanente, relacionadas à constante K2.

O valor de corrente para o qual o relé abre seus contatos após ter atuado é chamado
corrente de drop-out.
Na prática, são feitos dois ajustes nesse relé, descritos a seguir:

▪ Ajuste de corrente, feito por escolha do tape com o número de espiras adequado (ajuste
grosso) e da regulagem da ação da mola (ajuste fino).
6
Chagas - DEE / UFCG

▪ Ajuste de tempo, feito através da regulagem da distância inicial entre o contato fixo e o
contato móvel. Para um mesmo valor de corrente de defeito, quanto maior for essa
distância, maior será o tempo que o contato móvel leva para tocar o contato fixo. Esses relés
apresentam um pequeno disco acima do disco de indução, geralmente com as graduações 0,
1, 2,..., 11. O ajuste 0 corresponde à situação de fechamento dos contatos e o ajuste 11
corresponde à situação de abertura total dos mesmos.
São mostradas na Fig. 1.7 as curvas características deste relé. Cada curva corresponde a um
ajuste de tempo diferente.

Fig. 1.7. Curvas características de um relé de sobrecorrente tipo indução.

O relé de sobrecorrente temporizado possui número de função 51, estabelecido pela ANSI.
O circuito de disparo do disjuntor aos quais os contatos principais desses relés acham-se
ligados contém indutâncias de valores elevados. Porém, esses contatos são relativamente
frágeis, não sendo adequados à interrupção de correntes contínuas em circuitos fortemente
indutivos. Caso haja atuação do relé e posterior abertura acidental dos contatos (trepidações,
etc), os mesmos certamente serão danificados por ação de arcos voltaicos intensos. A fim de
evitar que isso ocorra, é efetuado o processo de selagem, descrito na Fig. 1.8.
7
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 1.8. Diagrama funcional ou esquemático em corrente contínua.

A unidade de selagem é constituída por um relé auxiliar do tipo armadura em charneira,


mostrado na Fig. 1.1(a), que é parte integrante do relé de sobrecorrente. Este relé auxiliar
também exerce função de sinalização, acionando uma bandeirola que indica ao operador o
estado de atuação.
Em regime normal, o disjuntor e o contato 52A acham-se fechados. Quando o relé atua
(contato 51 fechado), há energização da bobina do relé auxiliar (51 SB). Isto faz o contato de
selo fechar em paralelo ao contato 51. Mesmo que haja abertura indevida deste último, a
continuidade do circuito é garantida. Quando o disjuntor opera, o contato 52A abre. Assim, não
há problemas, pois 52A possui capacidade de interrupção adequada.
São mostradas na Fig. 1.9 as ligações usuais dos relés de sobrecorrente.

Fig. 1.9. Diagramas funcionais em corrente alternada.

Os relés 51 são denominados relés de fase e o relé 51N é denominado relé de terra. Por motivo

8
Chagas - DEE / UFCG

de economia, é omitido um relé na forma de ligação indicada em (b). Porém, pode-se verificar
que, neste caso, para qualquer tipo de curto-circuito no primário, haverá atuação de pelo
menos um relé.
Os relés de fase devem ser ajustados para não operar para a máxima corrente de sobrecarga
admissível no sistema. Isso pode trazer alguns problemas, pois, em alguns sistemas, as
correntes de curto-circuito podem apresentar valores baixos, até inferiores à corrente de carga.
Neste caso, a proteção de sobrecorrente não é indicada.
O relé de terra é sensibilizado por:

In  Ia  Ib  Ic 3 I0 (1.12)

Assim, ele só atua em caso de defeito que envolva a terra. A vantagem dos relés de terra é
que seus ajustes são independentes da corrente de carga do sistema, sendo menos afetados
pelas modificações da rede. Em condições normais, a corrente 3I0 não ultrapassa 10% da
corrente de carga. Conclui-se que esses relés são mais sensíveis que os relés de fase.

2. Relés Direcionais de Sobrecorrente

2.1. Fundamentos

Um relé direcional é um dispositivo que atua quando a defasagem angular da corrente, em


relação a uma determinada grandeza de referência, acha-se dentro de uma faixa de valores
predeterminada. Assim, este relé possui duas grandezas de entrada:

▪ Grandeza de operação (corrente de uma fase do sistema).


▪ Grandeza de polarização ou de referência (corrente ou tensão).

O relé de sobrecorrente direcional possui número de função 67, estabelecido pela ANSI.
Uma unidade direcional eletromecânica é mostrada na Fig. 1.10, bem como o diagrama
fasorial correspondente. O princípio de funcionamento desta estrutura é o mesmo do relé de
indução descrito no item 1.2. A diferença é que o torque eletromagnético age sobre um cilindro
metálico, ao invés de um disco. Além disso, a bobina de defasagem não é necessária, pois já há
uma defasagem entre os fluxos produzidos por I e IU. A função do resistor R é variar o ângulo α
entre a tensão U e a corrente IU no circuito de potencial.
A ação dos fluxos magnéticos defasados que incidem sobre o cilindro consiste na produção
de um conjugado motor, o qual é dado por:

9
Chagas - DEE / UFCG

T  K1 U  I sen(    ) (1.13)

As grandezas ΦU e ΦI são, respectivamente, os fluxos nas bobinas de tensão (polarização) e


de corrente (operação).

Fig. 1.10. Relé direcional eletromecânico e diagrama fasorial correspondente.

O conjugado será máximo para θ = τ. Pelo diagrama, τ – α = 90°. Assim, tem-se a seguinte
expressão modificada:
T  K UI sen (   90  )  K UI cos (   ) (1.14)

O relé opera se T > 0, ou se cos (θ - τ) > 0, ou ainda se - 90°+τ < θ < 90°+τ. No diagrama da
Fig. 1.11 são indicadas as regiões de operação e não operação.

Fig. 1.11. Diagrama fasorial e regiões de operação e não operação do relé.

A grandeza de polarização (tensão ou corrente) constitui uma referência para a medição do


ângulo de fase da corrente de operação. Assim, é conveniente que ela apresente as menores
variações possíveis.
10
Chagas - DEE / UFCG

2.2. Controle Direcional

A estrutura da Fig. 1.10 só desempenha a função de comparador de fase, não desempenhan-


do as funções de detector de nível e temporizador. Assim, ela deve ser usada para controlar a
atuação de uma unidade de sobrecorrente do tipo indução, estabelecendo senso de direciona-
lidade. Como é indicado na Fig. 1.12, as bobinas de corrente da unidade de sobrecorrente e da
unidade direcional são ligadas em série ao enrolamento secundário de um TC.

Fig. 1.12. Controle direcional exercido sobre um relé de sobrecorrente.

As bobinas de defasagem da unidade de sobrecorrente são ligadas em série entre si e com


os contatos da unidade direcional. Se ocorrer um defeito na rede e esta última não opera, seus
contatos não estabelecem um curto-circuito nas bobinas de defasagem, o qual é necessário
para haver torque de operação no disco. Assim, os contatos da unidade de sobrecorrente
permanecem abertos, não havendo sinal de disparo para o disjuntor.

3. Relés Direcionais de Potência

Os relés direcionais de sobrecorrente atuam em caso de curtos-circuitos na rede, devendo


desenvolver torque máximo quando sensibilizados por corrente e tensão correspondentes a um
valor de potência complexa de caráter predominantemente reativo. Já os relés direcionais de
potência se destinam a operar com torque máximo quando o fluxo de potência ativa sofre
inversão de sentido. Esse é o caso do fenômeno de motorização em geradores síncronos, que
ocorre quando o sentido da potência ativa se inverte, passando gerador a atuar como um
motor. Tal forma de operação pode causar problemas, conforme será visto mais adiante. A
forma construtiva básica de um relé direcional de potência (32) é indicada na Fig. 1.13.

11
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 1.13. Forma construtiva básica de um relé direcional de potência.

O princípio de operação deste relé é o mesmo do relé de sobrecorrente tipo indução,


estudado no item 1.2. Duas bobinas alimentadas por um TC e um TP produzem fluxos
magnéticos defasados que incidem no disco, onde há produção de um conjugado motor. Neste
caso, não é necessário usar a bobina de defasagem, pois os fluxos já se acham naturalmente
defasados.
Na Fig. 1.14 é mostrada uma unidade direcional ligada de modo que, em condição de fator
de potência unitário, a corrente de operação acha-se adiantada de 30° em relação à tensão de
polarização.

Fig. 1.14. Ligação de um relé direcional de potência.

Quando ocorre a motorização, a unidade direcional (32) fecha um contato, permitindo que a
tensão do sistema opere o relé de tempo (2), o qual comanda a abertura do disjuntor. De
acordo com os desenvolvimentos do item 1.2, o torque produzido sobre o disco é dado por:

T  K U ac I a cos (   ) (1.15)

Para que o relé opere, deve-se ter T > 0, o que implica em -60o <  < 120o e Para  =  = 30o,
o relé desenvolve torque máximo.

12
Chagas - DEE / UFCG

4. Relés de Sobretensão

Esses relés têm forma construtiva idêntica à do relé de sobrecorrente descrito no item 1.2.
A principal diferença é que são alimentados por um transformador de potencial.
Uma das aplicações desses relés é a proteção contra defeitos fase-terra em sistemas com
neutro isolado ou aterrado através de impedância elevada, com o relé de sobretensão (59)
utilizado em conjunto com três TPs ligados em delta aberto, como é mostrado na Fig. 1.15.
Neste caso, as correntes são insuficientes para sensibilizar os relés de sobrecorrente. Sabe-se
que defeitos fase-terra ocasionam sobretensões sustentadas nas fases sãs, como indica o
diagrama fasorial da Fig. 1.15. Observando que Ua = 0, a tensão no relé é dada por:

U R  U a  Ub  Uc  3U0  Uba  Uca (1.16)

Fig. 1.15. Proteção contra defeito fase-terra por relé de sobretensão.

Em condições normais de funcionamento, UFN é a tensão fase-neutro do sistema; assim:

U R  2 3 U FN cos 30o  3U FN (1.17)

5. Relés Diferenciais

5.1. Considerações Gerais

O princípio de funcionamento de um relé diferencial (87) consiste na comparação das


correntes que entram e saem do equipamento protegido, o que proporciona excelentes graus
de sensibilidade e seletividade. Esses relés são classificados em amperimétricos, de alta
impedância e percentuais.

13
Chagas - DEE / UFCG

5.2. Relé Diferencial Amperimétrico

O funcionamento desse relé pode ser entendido mediante análise da Fig. 1.16, Fig. 1.17 e
Fig. 1.18. O equipamento indicado pode ser um gerador, motor, transformador ou linha de
transmissão.
Na Fig. 1.16, há duas possibilidades: o sistema opera normalmente ou o defeito ocorre no
ponto F, fora da zona entre os TCs. As correntes I1 e I2 são iguais em módulo e em fase, de
modo que IO = 0; assim, o relé não opera.
Na Fig. 1.17, o defeito ocorre na zona interposta aos TCs, sendo o defeito alimentado apenas
por um lado, o que faz o relé atuar. Na Fig. 1.18, o relé também atua, havendo contribuição de
corrente por ambos os lados.

Fig. 1.16. Condição de carga ou de defeito externo.

Fig. 1.17. Condição de defeito interno – Caso 1.

Fig. 1.18. Condição de defeito interno – Caso 2.

14
Chagas - DEE / UFCG

Vê-se que o relé é sensível à diferença fasorial entre as correntes. No caso da Fig. 1.16, os
módulos de I1 e I2 são iguais e a defasagem entre elas é de 0°. Na Fig. 18, mesmo considerando
os módulos de I1 e I2 iguais, a defasagem é de 180°, ocorrendo atuação do relé, ao contrário do
primeiro caso. Assim, a proteção será tanto mais seletiva quanto maior for a probabilidade de
ocorrer atuação do relé em caso de defeito na zona compreendida entre os dois TCs, e nunca
ocorrer atuação em caso de defeito externo. Entretanto, a suposição de que IO = 0 na Fig. 1.16
constitui uma idealização. Mesmo em condições normais de operação, pode haver uma
corrente residual circulando no relé, a qual se torna ainda maior em caso de defeito externo.
Isto é causado principalmente pelos seguintes fatores:

▪ Diferenças de características de núcleos, enrolamentos e fiações de TCs.


▪ Saturação de núcleos de TCs.
▪ Correntes em derivação, características do elemento protegido (em linhas de transmissão:
correntes associadas a capacitâncias fase-terra e fase-fase; em transformadores, motores e
geradores: correntes que circulam em indutâncias de magnetização do ferro).
▪ Mudança de derivação (tape) em carga, no caso de transformadores.

Para ser seletivo, o relé deve ser ajustado de modo a tolerar essas discrepâncias, o que
implica em perda de sensibilidade.

5.2 Relé Diferencial de Alta Impedância

Neste caso, é usado um resistor em série com o relé (resistor de estabilização). O valor da
resistência R deve ser calculado de modo que o relé não atue para as condições mais adversas.
Isto ocorre quando o defeito externo produz corrente máxima, com um TC saturado e o outro
não saturado. No circuito da Fig. 1.19 é mostrado um circuito equivalente em que são
consideradas as condições descritas. Os valores de reatância de magnetização indicados
correspondem a uma situação de plena saturação em um dos TCs (Xm1 ≈ 0) e de não saturação
no outro (Xm2 elevada). Os parâmetros R1 e R2 são as resistências totais dos secundários dos
TCs, incluindo enrolamentos e fiação. Assim, pode-se escrever:
R1
R I o  R 1 I1  Io  I1 (1.18)
R
I1  I S  I m1 (1.19)

I 2  I S  I m2 (1.20)

I o  I 2  I1  I m1  I m 2 (1.21)
15
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 1.19. Condição para não atuação em caso de defeito externo.

Da equação (1.18), se R assume um valor suficientemente elevado, Io diminui. De (1.21),


observa-se que as correntes de magnetização dos TCs tendem a se igualar, ou seja, os dois TCs
tendem a assumir graus de saturação idênticos.
Se IFmax é a corrente máxima de defeito externo à zona protegida e KN é a relação de
transformação do TC, tem-se:

R1 R I
Io  I 2  1 F ,max (1.22)
R1  R R1  R K N
Se Io,min é a corrente mínima de atuação do relé, então, para que não haja atuação indevida:

R1 I F , max
I o , min  (1.23)
R1  R K N

I F , max
R  R1  R1 (1.24)
K N I o , min

Como R1 é pequena, a resistência R é determinada pela seguinte expressão:


I F , max
R  R1 (1.25)
K N I o, min

Por outro lado, o alto valor de R não impede que o relé opere para defeitos internos, pois as
correntes no secundário dos TCs se somam, forçando a passagem de uma corrente suficiente
para sensibilizar o relé.

5.3. Relé Diferencial Percentual

A estrutura mais elementar desse relé é mostrada na Fig. 1.20. O mesmo apresenta uma
armadura em balanço que gira em torno de um pivô. Sobre a armadura atuam três forças
exercidas pelos seguintes elementos:

▪ Bobina de operação, de NO espiras (ação de operação, FO).

16
Chagas - DEE / UFCG

▪ Bobina de restrição, com tape central, formando duas meias bobinas de NR / 2 espiras, (ação
contrária à operação, FR).
▪ Mola (ação contrária à operação, FM).

Fig. 1.20. Relé diferencial percentual eletromecânico.

Se I1 = I2, então IO = I1 – I2 = 0 e o relé não atua. Desprezando a ação da mola, ocorre


operação se:

2 N N 
N O
IO    R I1  R I 2  2 (1.26)
 2 2 

Se NR = k NO , 0 < k < 1, há duas possibilidades:

k
IO  I1  I 2  (1.27)
2
k
IO   I1  I 2  (1.28)
2
Uma vez que IO = Ia - Ib, resulta:

2 k
I1  I2 (1.29)
2 k

2 k
I1  I2 (1.30)
2 k

Estas inequações descrevem a característica da Fig. 1.21.


Observa-se que o relé apresenta menor sensibilidade à medida que as correntes I1 e I2
aumentam. Isto confere maior estabilidade ao relé em caso de ocorrência de defeitos fora da
zona limitada pelos TCs.

17
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 1.21. Característica Ia versus Ib do relé diferencial percentual.

Um esquema simplificado da proteção diferencial percentual é mostrado na Fig. 1.22, onde é


omitido o núcleo magnético da Fig. 1.21. Considerando os ampéres-espiras totais na bobina de
restrição, tem-se:

NR N I I 
I1  R I 2  N R  1 2  (1.31)
2 2  2 

Fig. 1.22. Condição de carga ou de defeito externo.

A conclusão a que se chega é a seguinte: as correntes I1 e I2 percorrendo as duas metades


da bobina produzem o mesmo efeito que uma corrente fictícia (I1 + I2)/2 percorrendo a bobina
inteira. Assim, chama-se a corrente IO = I1 – I2 de corrente de operação e IR = (I1 + I2)/2 de
corrente de restrição.
Como o entreferro do núcleo da Fig. 1.26 é pequeno, o torque exercido na armadura móvel
é suposto constante, K3. Assim, o torque líquido no relé é dado por:
2
2 I I 
T  K1 I1  I 2   K2  1 2   K3 (1.32)
 2 
18
Chagas - DEE / UFCG

Desprezando a ação da mola (K3 ≈ 0) e considerando o relé no limiar de operação, tem se T


= 0. Nesta condição, é obtida a equação a seguir, que descreve a característica da Fig. 1.23.

K 2  I1  I 2 
I1  I 2    (1.33)
K1  2 

Fig. 1.23. Característica I1–I2 versus (I1 + I2)/2 do relé diferencial percentual.

A curva característica sofre uma distorção na região próxima à origem em face da ação da
mola. Mesmo com IR = 0, é necessário que Io ≠ 0 para que o relé atue.
A inclinação da curva característica, em termos de percentagem, define a sensibilidade do
relé, pois determina os tamanhos das áreas de atuação e de não atuação (quanto menos
inclinada for a curva, mais sensível é o relé).

5.4. Comparação de Desempenho

A Fig. 1.24 ilustra a comparação entre o relé amperimétrico (curva A) e o percentual (curva
B).

Fig. 1.24. Relé amperimétrico (A) versus relé percentual (B).


19
Chagas - DEE / UFCG

Considera-se a mesma corrente de operação mínima para ambos, IO,MIN. A curva C


corresponde à corrente residual causada pelo desequilíbrio dos TCs. Observa-se que, mesmo
que esta inclua a saturação no núcleo magnético, não há atuação indevida do relé percentual,
pois há um ajuste adequado da inclinação da porção reta da curva B.

6. Relés de Distância

6.1. Considerações Gerais

Os relés de distância (21) são largamente usados na proteção de linhas de transmissão. Eles
têm como princípio a medição da impedância de sequência positiva compreendida entre o
ponto de localização do relé e o ponto de ocorrência do defeito. Seu nome deve-se ao fato de
que a grandeza medida é proporcional à distância entre os citados pontos.

6.2. Relé de Distância Elementar

É mostrado na Fig. 1.25 um relé de distância eletromecânico, denominado relé de


impedância. Sobre a armadura móvel são produzidos três torques: um exercido pela corrente I,
no sentido de fazer o relé atuar, e dois contrários à atuação, exercidos pela tensão U e pela
mola. Como o entreferro é pequeno, supõe-se o torque da mola constante (K3); logo, o torque
líquido é:

T  K1 I 2  K 2 U 2  K3 (1.34)

Fig. 1.25. Relé de distância elementar.


O relé irá operar se:

K1 I 2  K2 U 2  K3 (1.35)
20
Chagas - DEE / UFCG

Fazendo Z=U/I (impedância “vista” pelo relé) e desprezando a ação da mola:

Z  K1 / K 2  Z O (1.36)

A constante ZO é o valor mínimo de impedância secundária para o qual o relé atua (alcance
do relé). Sendo as constantes KC e KP as relações de transformação nominais do TC e do TP,
pode-se escrever para Z, termos de grandezas primárias:

U L / KP K
Z  ZL C (1.37)
I L / KC KP

6.2. Diagramas R-X

Considerando o sistema da Fig. 1.26, a impedância vista pelo relé é Z = R + jX. No plano R-X,
a equação (36) corresponde a um círculo de raio ZO centrado na origem. Tal figura representa a
característica do relé, para a qual:

▪ se Z < ZO, o relé atua (o defeito acha-se dentro da zona de proteção);


▪ se Z > ZO, o relé não atua.

Fig. 1.26. Característica do relé de distância elementar.

A impedância vista pelo relé pode ser expressa como:

U2 U 2 P  jQ
Z R j X   (1.38)
P  jQ* P2  Q2

P e Q são as potências ativa e reativa por fase; U é o módulo da tensão fase-neutro.


Separando as partes real e imaginária, resulta:

U 2P
R (1.39)
P2  Q2

21
Chagas - DEE / UFCG

U 2Q
X  (1.40)
P2  Q2

Admitindo P e Q positivas quando estão orientadas para a direita, tem-se R e X também


positivas. Isto quer dizer que a impedância vista pelo relé localiza-se no 1º quadrante do
diagrama R-X. Se Q assume o sentido contrário, tem-se P > 0, Q < 0, R > 0 e X < 0.
Na Fig. 1.27 estão indicados todos os casos possíveis.

Fig. 1.27. Relação entre os sinais de R e X e os de P e Q.

6.3. Tipos de Relés de Distância

Relé de Distância Generalizado

Na estrutura da Fig. 1.28 o torque desenvolvido no rotor cilíndrico é dado por:

T  K1 I 2  K2 U 2  K3 U I cos     K4 (1.41)

Fig. 1.28. Estrutura de um relé de distância eletromecânico.

22
Chagas - DEE / UFCG

As constantes K1, K2, K3 e  são determinadas no projeto do relé. A constante K4 representa


o conjugado exercido por uma mola espiral. O ângulo  representa a defasagem entre tensão e
corrente.

Relé de Impedância

Fazendo K3 = 0 na equação (1.41), obtém-se uma equação semelhante a (1.34), que


corresponde à característica do relé de impedância da Fig. 1.27.

Relé Ohm

Em (1.41), fazendo K2 = 0 e considerando o sinal negativo em K3, tem-se:

T  K1 I 2  K3 U I cos     K 4 (1.42)

Desprezando a ação da mola (K4 = 0), tem-se no limiar de operação (T = 0):

K1 I 2  K3 U I cos     U / I cos    K1 / K3  (1.43)

Z cos    K (1.44)

A equação (1.44) representa uma reta no plano R–X, como indica a Fig. 1.29.

Fig. 1.29. Característica do relé ohm.

Vê-se que esta característica é aberta e ocupa uma área ilimitada no plano R-X. Isto constitui
um problema a ser solucionado, conforme será explicado mais adiante.

Relé de Reatância

Fazendo  = 90o em (1.44), tem-se:

 
Z cos   ο  Z sen   K  X K (1.45)

Assim, o relé de reatância apresenta a característica mostrada na Fig. 1.30.

23
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 1.30. Característica do relé de reatância.

Relé de Mho

Fazendo K1 = 0 e considerando o sinal positivo em K3, tem-se:

T  K3 U I cos     K 2 U 2  K 4 (1.46)

Desprezando a ação da mola (K4 = 0), tem-se no limiar de operação (T = 0):

K3 U I cos     K1 I 2  K3 / K1 cos    U / I (1.47)

K cos    Z (1.48)

Esta equação representa no plano R–X uma circunferência de diâmetro K, passando pela
origem dos eixos, como é mostrado na Fig. 1.31.

Fig. 1.31. Característica do relé mho.

7. Considerações Adicionais

Apesar de apresentarem uma tecnologia engenhosa, elegante e confiável, os relés


eletromecânicos apresentam diversos problemas e limitações. Como exemplo, pode-se citar o
elevado consumo de energia, grande peso e volume, bem como dificuldade de mão obra
especializada para aferição e manutenção. Além disso, quando são requeridas elevadas

24
Chagas - DEE / UFCG

velocidades de operação, o atrito e inércia das partes móveis podem afetar o desempenho da
proteção. Isso também ocorre quando há operações repetidas, como no caso de sistemas com
religamento automático. No instante do religamento, não há tempo suficiente para as partes
móveis se recomporem no sentido de assumir a mesma posição que ocupavam antes da
ocorrência falta.
Um efeito que merece atenção especial é denominado sobrepercurso (overtravel, em inglês).
Mesmo que o torque de operação cesse de atuar antes do fechamento dos contatos do relé, o
movimento de rotação pode continuar por certo tempo, em face da inércia do rotor (cilindro ou
disco). Este efeito deve ser levado em conta na coordenação dos relés de sobrecorrente tipo
indução.

Bibliografia

ANDERSON, P. M. (1999). Power System Protection; McGraw-Hill, New York – NY - USA.


CAMINHA, A. C. (1977). Introdução à Proteção dos Sistemas Elétricos; Edgard Blücher, São
Paulo - SP - Brasil.
CHRISTOPOULOS, C., WRIGHT, A. (1999). Electrical power System Protection, 2nd ed.; Kluwer
Academic Publishers, Dordrecht – The Netherlands.
KINDERMANN, G. (1999). Proteção de Sistemas Elétricos de Potência – Vol. 1;
UFSC/LabPlan/EEL, Florianópolis - SC - Brasil.
MASON, C. R. (1956). The Art and Science of Protective Relaying; Wiley, New York.
THE ELECTRICITY COUNCIL (1981). Power System Protection - Vol. 1, 2nd ed.; Peter Peregrinus,
Stevenage - UK.
WARRINGTON, A. R. VAN C. (1969). Protective Relays – Their Theory and Practice – Vol. 2;
Chapman and Hall, London - UK.
WESTINGHOUSE (1979). Applied Protective Relaying; A Silent Sentinels Publication, Coral
Springs - FL - USA.

25
Chagas - DEE / UFCG

Capítulo II

Relés Estáticos

Os relés eletromecânicos foram os primeiros relés utilizados na proteção dos sistemas


elétricos. Tais dispositivos operam mediante a ação de torques eletromagnéticos que atuam
em armaduras basculantes e rotores (discos e cilindros metálicos), sendo constituídos por
várias bobinas, núcleos magnéticos, molas, alavancas e engrenagens. Problemas apresentados,
como atrito e inércia das partes móveis, bem como elevado consumo, foram superados quando
os componentes mecânicos passaram a ser substituídos por componentes eletrônicos.
Entre 1930 e 1940 surgiram os primeiros relés estáticos, nos quais eram utilizadas válvulas.
O termo estático advém da ausência de partes móveis, como as encontradas nos relés
eletromecânicos. Os relés estáticos tiveram vida curta, pois persistia o problema do consumo
de energia. Ademais, as válvulas apresentavam índice de falha elevado, reduzindo a
confiabilidade dos sistemas de proteção.
Por volta de 1950, os transistores passaram a ser fabricados em escala industrial,
substituindo as válvulas. Os primeiros relés a estado sólido possuíam suas principais partes
(detectores de nível, temporizadores comparadores de amplitude e fase) constituídas por
componentes discretos como diodos comuns, diodos zener, além dos transistores. Um
problema apresentado por esses relés era a sua complexidade, pois requeriam elevado número
de componentes, os quais provinham de diferentes fabricantes. Isto ainda conferia um índice
de confiabilidade aquém do desejado.
Esse problema foi contornado com o desenvolvimento da tecnologia dos circuitos
integrados. Os relés estáticos com CIs apresentam maior confiabilidade, menor consumo,
tamanho e peso reduzido. Também são modulares, o que permite manutenção mais fácil
(identificação de componentes defeituosos e troca de placas de circuito impresso).
As principais desvantagens dos relés estáticos são as seguintes: possibilidade de danos
causados por surtos atmosféricos e de manobra; envelhecimento de componentes, como
capacitores eletrolíticos; ação deletéria exercida por condições ambientais, como umidade e
temperatura. Esses relés foram introduzidos no Brasil na primeira metade dos anos 70, tendo
sido largamente empregados por cerca de uma década.

26
Chagas - DEE / UFCG

1. Relés de Sobrecorrente

1.1 Relés Instantâneos

Um relé de sobrecorrente instantâneo é mostrado na Fig. 2.1. O sinal de corrente fornecido


pelo TC principal é aplicado no primário de um TC auxiliar, TCA, no qual se pode ajustar a
corrente de saída por meio de tapes no secundário. O capacitor C1 proporciona proteção
contra surtos de tensão. O capacitor C2 reduz a ondulação da tensão na saída do retificador. O
diodo zener Z1 é um limitador de tensão, protegendo os transistores T1 e T2 contra surtos. O
potenciômetro P faz com que uma fração variável da tensão retificada seja comparada com a
tensão de avalanche do diodo zener Z2. Caso Z2 entre em avalanche, T1 e T2 também
conduzem, o sinal é amplificado e o relé de disparo TR é energizado. D1 é um diodo de
circulação ou roda livre (flywheel, em inglês), o qual protege T2 contra sobretensões
ocasionadas por quedas bruscas de corrente contínua na bobina do relé.

Fig. 2.1. Relé de sobrecorrente instantâneo estático.

1.2. Relés Temporizados

O esquema de um relé de sobrecorrente temporizado é mostrado na Fig. 2.2. Em regime


normal de funcionamento, o valor de corrente no primário de TCA é baixo, o que permite T1
conduzir, curto-circuitando C.

Fig. 2.2. Relé de sobrecorrente temporizado estático.


27
Chagas - DEE / UFCG

Quando a corrente primária se eleva além de certo valor, a tensão em R4 excede o nível
necessário para o corte de T1, o qual depende do ajuste do potenciômetro P2 e do ajuste de
tape de TCA. O transistor T1 corta, provocando o carregamento de C através de R2 e P1.
Quando a tensão em C excede certo valor (determinado pelo ajuste do potenciômetro P3), T2
conduz, o mesmo ocorrendo com T3. Assim, o relé auxiliar TR é energizado, ocasionando
disparo do disjuntor.

1.3. Relés Direcionais

Foi anteriormente afirmado que o princípio de operação dos relés direcionais consiste na
comparação do ângulo de fase da corrente (grandeza de operação) em relação a uma tensão ou
corrente (grandeza de polarização). É mostrada na Fig. 2.3 uma unidade direcional baseada na
comparação de amplitudes, onde a condição de operação é:
U / ZI  U / ZI  UZI  UZI (2.1)

Fig. 2.3. Unidade direcional do tipo estático – Modelo 1.

O funcionamento deste circuito pode ser entendido mediante análise do diagrama fasorial
da Fig. 2.4.

Fig. 2.4. Diagrama fasorial relativo ao circuito da Fig. 2.3.


28
Chagas - DEE / UFCG

A reta pontilhada vertical corresponde ao lugar geométrico descrito pelas extremidades dos
fasores U  Z I quando o relé se acha na iminência de operação. O relé atuará se -90o <  -  <
90o, ou se -90o +  <  < 90o + . As regiões de operação e de não operação acham-se indicadas
no diagrama da Fig. 2.5.

Fig. 2.5. Diagrama fasorial simplificado relativo ao circuito da Fig. 2.3.

O diagrama de blocos de outro modelo de unidade direcional é mostrado na Fig. 2.6, bem
como os sinais de saída dos diferentes módulos. O nível de atuação corresponde a um ângulo
de coincidência  = 90o entre os dois sinais. É fácil ver que haverá sinal não nulo na saída do relé
se o ângulo de defasagem estiver compreendido na faixa - 90o <  < 90o.

Fig. 2.6. Unidade direcional do tipo estático – Modelo 2.


29
Chagas - DEE / UFCG

2. Relés de Distância

2.1. Constituição Básica

Os relés de distância estáticos são basicamente constituídos pelos circuitos misturadores e


comparadores, como é mostrado no diagrama da Fig. 2.7.

Fig. 2.7. Diagrama de blocos simplificado de um relé de distância estático.

Neste diagrama são mostrados os sinais de tensão e de corrente originários do sistema,


fornecidos mediante um TP e um TC. Esses sinais são postos na entrada de dois circuitos
misturadores, cuja função consiste em produzir os sinais de tensão S1 e S2, da seguinte forma:
S1  K1 U  Z1 I (2.2)
S2  K 2 U  Z 2 I (2.3)
S1 e S2 são os sinais de entrada do circuito comparador; K1 e K2 são constantes reais; Z1 e Z2
são constantes complexas. O comparador é a parte mais importante do relé, desempenhando
as seguintes funções:
▪ Medição da impedância compreendida entre o relé e o defeito.
▪ Emissão de um sinal de comando de desligamento, caso a impedância medida esteja
localizada no interior da característica do relé.

2.2. Circuitos Misturadores

Os sinais de entrada S1 e S2 das equações (2.2) e (2.3) são obtidos através de combinações
lineares de diferentes sinais, como é indicado na Fig. 2.8.
Além dos TPs e TCs convencionais, são utilizados transformadores de características
específicas, denominados transactores. Um transactor consiste em um transformador de
núcleo magnético com entreferro, com o primário ligado diretamente ao secundário do TC. No
secundário se acha ligado um resistor que é submetido a uma tensão dada por:

U T  ZT I (2.4)
30
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 2.8. Combinação dos sinais de tensão e de corrente.

ZT é a impedância de transferência do transactor (incluindo R). O circuito elétrico


equivalente do transactor é mostrado na Fig. 2.9.

Fig. 2.9. Circuito equivalente de um transactor.

As resistências dos enrolamentos primário e secundário são R1 e R2, respectivamente. As


reatâncias de dispersão dos enrolamentos podem ser desprezadas, pois os o acoplamento
magnético é intenso. A inserção do entreferro (representado pela indutância LG) confere
linearidade ao núcleo magnético dentro de larga faixa de corrente, de modo que também se
pode desprezar a resistência de perdas e as características de histerese e de saturação do
núcleo. Outra característica importante do transactor é que a indutância LG faz com que o
mesmo atenue as componentes contínuas do sinal de saída, comportando-se como um filtro.
Da Fig. 2.8, o sinal de saída, S, é dado por:
S  K U  ZT I (2.5)

2.3. Circuitos Comparadores Elementares

Do diagrama da Fig. 2.7, pode-se escrever:


S1  K1 U  ZT 1 I (2.6)

S2  K 2 U  ZT 2 I (2.7)
Considera-se que:

U Ue j  (2.8)

31
Chagas - DEE / UFCG

I  Ie j (2.9)
Assim, a impedância Z vista pelo comparador é dada por:
Z  U / I  U / I  e j  Z e j (2.10)
As impedâncias ZT1 e ZT2 são dadas por:
j 1
ZT 1  ZT 1 e (2.11)
j 2
ZT 2  ZT 2 e (2.12)

Os sinais S1 e S2 são expressos por:


j   
S1  I [ K1 Z  ZT 1 e 1 ] (2.13)

j  2  
S 2  I [ K 2 Z  ZT 2 e ] (2.14)

A condição para que haja sinal de disparo na saída de um comparador é que S2 ≥ S1, ou seja:

j  2   
j  1  
K 2 Z  ZT 2 e  K1 Z  ZT 1 e (2.15)

Elevando ambos os membros ao quadrado:



j  2   2 
j  1   2
K 2 Z  ZT 2 e  K1 Z  ZT 1 e (2.16)

Cada membro pode ser desenvolvido do seguinte modo:


2 2
A  B e j 2  A  B cos   j sen  2   A  B cos    B sen  
(2.17)
 A2  2 A B cos   B 2
Logo, haverá operação quando
K 22 Z 2  2 K 2 Z Z T 2 cos2     Z T22  K12 Z 2  2 K1 Z Z T 1 cos1     Z T21 (2.18)

K 1
2

 K 22 Z 2  2Z K1 Z T 1 cos1     K 2 Z T 2 cos2     Z T21  Z T22  0 (2.19)
Esta inequação estabelece a condição de operação de um comparador de amplitude. A partir
da escolha apropriada de diferentes valores de K1, K2, ZT1 e ZT2, podem-se obter diversas
características do relé no plano R-X.

2.4. Relé de Impedância Generalizado

Este relé é obtido fazendo-se K1 = -K, K2 = 0, ZT1  ZT2 e 1 = 2 = . Assim:

K 2 Z 2  2 K Z Z T 1 cos     Z T21  Z T22  0 (2.20)


Como Z = R + j X, faz-se:
R  Z cos (2.21)

X  Z sen  (2.22)

32
Chagas - DEE / UFCG

Z 2  R2  X 2 (2.23)
Assim, de (2.20):
K 2 R 2  K 2 X 2  2 K Z Z T 1 cos cos  2 K Z Z T 1 sen sen  Z T21  Z T22  0 (2.24)

K 2 R 2  K 2 X 2  2 K R Z T 1 cos  2 K X Z T 1 sen  Z T21  Z T22 (2.25)

Z T 1 cos Z sen Z T21 Z2


R2  2 R
K
 X 2  2 X T1
K K

 2 sen 2  cos 2  T22
K
 (2.26)

2 2 2
 Z cos   Z sen  Z 
 R  T1    X  T1    T2  (2.27)
 K   K   K 
Esta inequação descreve um círculo no plano complexo R-X, como é mostrado na Fig. 2.10.

Fig. 2.10. Característica do relé de impedância generalizado.

2.5. Relé de Impedância

Fazendo K1 = K, K2 = 0, ZT1 = 0 e ZT2 = ZT, tem-se de (2.19):


2
K Z 2  ZT22  0  R 2  X 2  Z T / K  (2.28)
A característica descrita no plano R–X é mostrada na Fig. 2.11. Ela poderia ser obtida a partir
da Fig. 2.10, fazendo-se ZT1 = 0 e ZT2 = ZT.

Fig. 2.11. Característica do relé de impedância.

33
Chagas - DEE / UFCG

2.6. Relé Mho

Fazendo K1 = - K, K2 = 0, ZT1 = ZT2 = ZT e 1 = 2 =  na equação (2.19), tem-se:

K 2 Z 2  2 K Z ZT cos     0 (2.29)
Desenvolvendo o termo em cosseno e usando as expressões (2.21), (2.22) e (2.23):
2 ZT
R2  X 2  R cos  X sen   0 (2.30)
K
2 2 2
 Z cos   Z sen   Z T 
R T  X  T    (2.31)
 K   K  K 
Esta equação descreve a característica mostrada na Fig. 2.12.

Fig. 2.12. Característica do relé mho.

2.7. Relé Ohm

Neste relé, K1 = K, K2 = - K, ZT1 = 0, ZT2 = ZT e 2 =  em (2.19). A partir daí, pode-se chegar a:


ZT
R cos  X sen  (2.32)
2K
Assim, obtém-se a característica da Fig. 2.13.

Fig. 2.13. Característica do relé ohm.

34
Chagas - DEE / UFCG

2.8. Relé de Reatância

A característica desse relé pode ser obtida fazendo-se  = 90o na Fig. 2.13. Assim, obtém-se a
característica da Fig. 2.14.

Fig. 2.14. Característica do relé de reatância.

A característica direcional pode ser obtida a partir da característica mho da Fig. 2.12,
fazendo-se ZT / K suficientemente grande, como é indicado na Fig. 2.15.

Fig. 2.15. Característica direcional obtida a partir do relé mho.

2.9. Características Especiais de Comparadores

Os comparadores estudados podem ser combinados para obtenção de características mais


complexas que as apresentadas, como é descrito a seguir.

Característica de Impedância Direcional

A característica do relé de impedância (Fig. 2.11) apresenta a desvantagem de não ser


direcional. Para resolver o problema, pode-as combinar a mesma com uma característica
direcional, da maneira indicada na Fig. 2.16.

35
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 2.16. Característica de impedância direcional.

Característica de Reatância Direcional

A característica do relé de reatância, além de não ser direcional, apresenta a desvantagem


de constituir um semiplano infinito no diagrama R-X. Conforme será visto mais adiante, deve-
se evitar o uso de características que ocupem grande área, pois isso produz maior
susceptibilidade a atuações indevidas em caso de oscilações no sistema. Assim, usa-se
combinar uma unidade de reatância com uma unidade mho, sendo produzida uma
característica resultante fechada, como é mostrado na Fig. 2.17.

Fig. 2.17. Característica de reatância direcional.

Característica Tipo Lente

A combinação de duas características tipo mho produz o resultado mostrado na Fig. 2.18.

Fig. 2.18. Característica lenticular.


36
Chagas - DEE / UFCG

Característica Tipo Tomate

Esta característica é obtida do modo indicado na Fig. 2.19.

Fig. 19. Característica tipo tomate.

Característica Tipo Amendoim

Utiliza-se a característica mho e a característica de impedância generalizada (Fig. 2.20).

Fig. 2.20. Característica tipo amendoim.

Características Poligonais

Essa característica é obtida a partir da associação de várias características tipo ohm (Fig.
2.13), como é mostrado na Fig. 2.21.

Fig. 2.21. Característica poligonal.


37
Chagas - DEE / UFCG

Bibliografia

ANDERSON, P. M. (1999). Power System Protection; McGraw-Hill, New York – NY - USA.


EL-HAWARY, M. E. (2000). Electrical Energy Systems, CRC Press, Boca Raton, Florida – USA.
RAO, T. S. M. (1979). Power System Protection – Static Relays, Tata – McGraw-Hill, New Delhi –
India.
THE ELECTRICITY COUNCIL (1981). Power System Protection - Vol. 1, 2nd ed.; Peter Peregrinus,
Stevenage - UK.
WARRINGTON, A. R. VAN C. (1969). Protective Relays – Their Theory and Practice – Vol. 2;
Chapman and Hall, London - UK.

38
Chagas - DEE / UFCG

Capítulo III

Relés Digitais

Com o desenvolvimento dos computadores, surgiram os relés digitais, também


denominados relés numéricos ou microprocessados. No ano de 1969, ROCKEFELLER (1969)
propôs a integração de todas as funções de proteção de uma subestação em rotinas
implementadas em um minicomputador (versão de computador digital anterior ao advento dos
microcomputadores). O trabalho apresenta caráter didático e conceitos até hoje válidos. Em
relação ao hardware, o sistema proposto apresentava custo proibitivo para a época, pois o
preço dos computadores era muito elevado.
Em 1971, MANN & MORRISON [2] propuseram um método de detecção de faltas em linhas
de transmissão cujo princípio básico consiste na estimação dos fasores tensão e corrente no
local do relé, o que permite o cálculo do módulo e do ângulo de fase da impedância da linha
compreendida entre o sistema de proteção e o defeito. O hardware proposto consistiu em um
minicomputador. Apesar de simples, o algoritmo desenvolvido pressupõe que as tensões e
correntes são senóides puras, o que implica em eficiente processo de filtragem. Isto suscitou a
necessidade de desenvolvimento de algoritmos mais elaborados e eficientes.
A partir dos anos setenta, foram feitas diversas publicações de métodos que levam em conta
o caráter não senoidal dos sinais. Os principais são baseados em transformada de Fourier
(RAMMAMOORTY, 1972; MCLAREN & REDFERN, 1975; JOHNS & MARTIN, 1978), mínimos
quadrados (MUNDAY et al., 1975; SACHDEV & BARIBEAU, 1979), funções de Walsh (HORTON,
1975), filtro de Kalman (GIRGIS & BROWN, 1981). Também devem ser citados os métodos em
que linhas de transmissão acham-se representadas por circuitos RL em série ou circuitos em pi
(McINNES & MORRISON, 1970; RANJIBAR & CORY, 1975; SMOLINSKY, 1979), bem como os
métodos baseados em ondas viajantes causadas por curtos-circuitos (TAKAGI et al., 1977;
DOMMEL & MICHELS, 1978).
Adicionalmente, foram desenvolvidos métodos destinados à proteção diferencial de
geradores (SACHDEV & WIND, 1973), transformadores (THORP & PHADKE, 1982) e barras
(CORY & MOONT, 1970).

39
Chagas - DEE / UFCG

Em relação ao hardware, verificou-se a partir de 1970 um grande progresso da proteção


digital. A criação e aperfeiçoamento dos microprocessadores permitiram aplicação de sistemas
de automação digitais em larga escala, onde o termo relé passou a ser substituído pelo
acrônimo IED (Intelligent Electronic Device). Nesses dispositivos, além das funções de proteção,
várias outras funções são realizadas, como localização de defeitos, oscilografia, controle e auto-
diagnose. Além disso, há a possibilidade de integração em rede dos diferentes IEDs entre si, e
com outros equipamentos baseados em tecnologia digital, como será explicado mais adiante.

1. Características dos Relés Digitais

1.1. Considerações Gerais

Os relés analógicos (eletromecânicos e estáticos) identificam uma condição de defeito


mediante comparação de amplitude e de fase de tensões e correntes. Os relés digitais efetuam
a mesma função através de computação numérica em tempo real das citadas grandezas. Isto
pressupõe a existência de um hardware, constituído por módulos de isolação e
condicionamento de sinais, filtragem, multiplexação, conversão analógico-digital, processa-
mento e portas de entrada/saída. Basicamente, o hardware de certo tipo de relé digital não
apresenta grandes variações em relação a outro tipo. Já o software se baseia em algoritmos
fundamentados em inúmeras teorias matemáticas, podendo-se dizer que é a parte mais
importante do relé, pois apresenta possibilidades de desenvolvimento praticamente ilimitadas.

1.2. Hardware dos Relés Digitais

A Fig. 3.1 ilustra a arquitetura de um relé digital típico. As entradas analógicas compreendem
grandezas como tensões e/ou correntes, dependendo do tipo de relé. Um relé de
sobrecorrente requer três correntes de fase e a corrente residual 3I0 do circuito. Além dessas
correntes, um relé de distância requer as tensões fase-neutro de cada fase. Um relé diferencial
de barra pode requerer até 30 entradas. Os valores dessas grandezas no primário da rede são
reduzidos para 115/3 V e 5 A, mediante os TPs e TCs instalados no pátio da subestação.

Subsistema de Entradas Analógicas

O subsistema de entradas analógicas é constituído por:


▪ Módulos para isolação e condicionamento de sinais, convertendo as tensões e correntes em
valores proporcionais de tensão que sejam adequados aos microprocessadores (até  10 V).

40
Chagas - DEE / UFCG

▪ Módulos de proteção contra surtos de tensão.


▪ Filtros analógicos passa baixas com frequência de corte menor ou igual 480 Hz, para evitar o
fenômeno de aliasing, descrito mais adiante.

Fig. 3.1. Arquitetura típica de um relé digital.

Digitalização dos Sinais

Os sinais de saída do subsistema de entradas analógicas são colocados nas entradas de


circuitos de amostragem e retenção (sample and hold), cujo funcionamento é descrito na Fig.
3.2. O sinal analógico a ser convertido acha-se mostrado em (a). Em (b) é mostrado um trem de
pulsos gerado por uma chave que liga a saída do subsistema de entradas analógicas ao sistema
de aquisição de dados por um curto intervalo de tempo. O sinal modulado pela chave é
mostrado em (c). Se este sinal for aplicado a um capacitor, este manterá o último valor até o
próximo acionamento da chave. Este processo resulta na geração da forma de onda mostrada
em (d). Um circuito de amostragem e retenção básico é mostrado na Fig. 3.3.
A frequência de amostragem é uma grandeza que deve ser determinada obedecendo-se a
critérios técnico-econômicos. A velocidade do conversor A/D deve ser compatível com a
duração do degrau de cada amostra. Quanto maior for a frequência de amostragem melhor
será a reprodução do sinal. Porém, os componentes eletrônicos tornam-se mais caros. Por
outro lado, frequências de amostragem baixas implicam no surgimento do fenômeno de
aliasing.
41
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 3.2. Descrição do funcionamento do sample and hold.

Fig. 3.3. Circuito sample and hold básico.

Os sinais de saída dos circuitos sample and hold são disponibilizados na entrada de um
multiplexador, cuja função consiste em selecionar os dados analógicos de entrada de forma
sequencial para o estágio seguinte (um por vez), o que permite a utilização de apenas um
conversor A/D, ocasionando economia e simplicidade no projeto. Sendo 1 ciclo equivalente a
16,67 ms e admitindo que a duração de uma varredura completa do multiplexador seja inferior
a 10 μs, o erro máximo gerado será de, no máximo, 0,02 graus. Este erro é desprezível, para
aplicação em relés.
O princípio de funcionamento de um multiplexador analógico é ilustrado na Fig. 3.4. O
circuito mostrado permite a aplicação de quatro sinais, um a cada instante, a uma carga
comum, mediante um arranjo de chaves controladas por pulsos gerados na sequência indicada.

42
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 3.4. Princípio básico de multiplexação de sinais analógicos.

As chaves analógicas são disponíveis no mercado em forma de circuitos integrados, as quais


operam mediante aplicação de pulsos 0 ou 1.
Os sinais analógicos amostrados e multiplexados são convertidos para a forma digital
mediante o conversor A/D. Entre o multiplexador e o conversor A/D pode-se usar um
amplificador de ganho programável para ajuste de escala, que permite o casamento do valor do
sinal analógico à faixa ótima de operação do conversor.
Na Fig. 3.5 é apresentado um sinal analógico com os valores amostrados e respectivos
valores transcritos para os códigos binários.

Fig. 3.5. Sinal analógico convertido para a forma digital.

Três características importantes de um conversor A/D são a faixa dinâmica, a velocidade de


conversão ou taxa de amostragem e a resolução vertical. Em aplicações de proteção, essas
características, descritas a seguir, são estipuladas com base na experiência acumulada ao longo
do tempo, mediante o estabelecimento de conciliação dos requisitos de precisão e custo.
Faixa dinâmica é a faixa de amplitude de operação do sinal analógico dentro da região linear
do conversor. O sinal de entrada deve ser condicionado de forma a possibilitar sua máxima
utilização dentro dessa faixa. As faixas dinâmica mais comuns são de 0,1 a 10V.
43
Chagas - DEE / UFCG

Taxa de amostragem é a frequência com a qual o sinal analógico é digitalizado (expresso em


Hz ou em amostras por segundo). Ela depende do tempo de conversão do sinal (determinado
pela eletrônica) do conversor. Exemplo: um conversor de 100 kHz realiza um máximo de
100000 medidas por segundo, ou uma medida a cada 10 microsegundos (0,00001 de segundo).
A taxa de amostragem recomendada para os relés de proteção é de 960 amostras por segundo
ou 16 amostras por ciclo de 60 Hz.
A resolução de um conversor A/D é definida como relação entre a máxima faixa de variação
da grandeza analógica, V, e número de intervalos de quantização (valor máximo de
combinações de bits menos 1).
Sendo N o número de bits do conversor, tem-se:
V V V
R N
 maxN min (3.1)
2 1 2 1
A resolução é o menor valor que pode ser representado por um conversor A/D. Desta forma
qualquer valor que esteja abaixo disso não provocará nenhuma mudança na saída do mesmo.
A resolução percentual é dada por:
1
R%  N
x 100 (3.2)
2 1
O erro de quantização percentual máximo introduzido em cada valor amostrado é a metade
do erro de quantização percentual, ou seja:
1
E%  x 100 (3.3)
2 (2 N  1)

Para conversores A/D de, respectivamente, de 8 bits, 12 bits e 16 bits, com faixa dinâmica de
10 V, tem-se os valores de R, R% e E% mostrados na Tabela 3.1.

Tabela 3.1. Grandezas características de conversores A/D.


CONVERSOR R R% E%
8 bits 0,03921 0,3921 0,1961
12 bits 0,002442 0,02442 0,01221
16 bits 0,0001526 0,01526 0,00763

Os conversores com resolução vertical de 12 bits são os mais aplicados em proteção, pois
são relativamente baratos e oferecem boa precisão, com tempos médios de 25 µs. Conversores
de 8 bits, menos precisos e mais baratos, são utilizados em relés de sobrecorrente. Conversores
de 16 bits são também utilizados.

44
Chagas - DEE / UFCG

Unidade Central de Processamento

A CPU consiste em um microprocessador que desempenha as seguintes funções: filtragem


digital para extração da componente fundamental do sinal, processamento do algoritmo no
qual se baseia o funcionamento do relé, tomando decisão em termos de atuação ou de não
atuação, bem como controle do funcionamento do relé, incluindo todas as operações de
entrada/saída (emissão de sinais de trip para os disjuntores, sinais de comunicação com os
periféricos). Também realiza tarefas de autodiagnóstico ou autochecagem, as quais serão
explicadas em item posterior.

Memórias

A memória volátil RAM (Read Only Memory) funciona como buffer (rascunho) para
armazenamento temporário dos valores de entrada, para acumular resultados intermediários
dos programas de proteção e para armazenar dados a serem guardados posteriormente em
memória EEPROM.
A memória não volátil ROM (Read Only Memory) é utilizada para armazenagem permanente
de programas do relé digital, como as rotinas relacionadas ao algoritmo matemático de
detecção e classificação de defeitos. Essas rotinas também são denominadas firmware. As
memórias ROM permitem apenas a leitura, ou seja, as suas informações são gravadas pelo
fabricante uma única vez. Após isso, não podem ser alteradas ou apagadas, somente acessadas.
A memória não volátil EEPROM (Electronically-Erasable Programmable Read-Only Memory)
é utilizada para armazenagem dos parâmetros de ajustes do relé ou outros dados importantes
que não são modificados com grande frequência. Uma EEPROM pode ser programada e
apagada eletricamente várias vezes.

Subsistema de Entradas Digitais

A função dessa unidade é informar ao processador sobre o estado lógico de chaves


seccionadoras e disjuntores (se abertos ou fechados) e outros relés (se atuados ou não).

Subsistema de Saídas Digitais

A função do subsistema de saídas digitais é enviar sinais de desligamento e religamento para


os disjuntores, bem como enviar sinais para acionamento de alarmes ótico e acústico em caso
de anormalidades na operação. Os subsistemas de saída e de entrada digitais normalmente
apresentam isolação ótica em relação ao sistema de potência, o que torna o relé imune à ação
45
Chagas - DEE / UFCG

de surtos de tensão. O número de entradas e saídas depende do tipo de relé e deve ser
especificado pelo comprador.

Portas de Entrada/Saída

As portas seriais permitem a introdução de dados para ajustes dos valores dos parâmetros
de atuação do relé, bem como o fornecimento de dados relacionados a registros oscilográficos,
e outras tarefas. Na interface serial, os bits são transferidos em fila (um bit de cada vez).
As portas paralelas proporcionam permitem o intercâmbio de informações em tempo real.
Na comunicação em paralelo, grupos de bits são transferidos simultaneamente a cada ciclo
através de diversas linhas condutoras dos sinais. Com essa forma de transmissão, a taxa de
transferência de dados é bastante alta.
Os relés modernos normalmente possuem teclado e display de cristal líquido frontal, de
forma a permitir que os ajustes possam ser implantados diretamente, sem necessidade de
utilização de microcomputadores externos (laptops, PCs, etc.). Também são equipados com
LEDs para a sinalização local de atuação das funções principais.
A fonte de tensão contínua destinada à alimentação dos circuitos do relé, normalmente do
tipo chaveado, possui valores típicos de + 5V e + 15 V.

2. Teorema da Amostragem

O teorema da amostragem estabelece que, para preservar a informação contida em um sinal


de frequência f, o mesmo deve ser amostrado em uma frequência fa maior ou igual ao dobro da
frequência do sinal, ou seja:
fa  f (3.4)

O limite inferior da frequência de amostragem, 2f, é denominado frequência de Nyquist. Se o


sinal for amostrado com frequência abaixo deste limite, ocorre o fenômeno de aliasing, o qual
poderá indicar a existência de um sinal que na verdade não está contido no sinal original. Na
Fig. 6 é mostrado um caso de ocorrência deste fenômeno. Observa-se que o sinal inferior indica
uma frequência que não existe no sinal amostrado superior.
Esse exemplo se refere a uma senóide pura, a qual contém apenas uma frequência, f. No
caso de um sinal não senoidal que contém várias harmônicas, a frequência de Nyquist
corresponde à frequência da harmônica de maior ordem, de frequência fmax. Assim, tem-se:
f a  2 f max (3.5)

46
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 3.6. Ocorrência do fenômeno de aliasing.

Assim, para que não ocorra o aliasing, devem ser empregados filtros passa-baixas com
frequência de corte igual à metade da taxa amostral dos conver-sores A/D. Em relés de
proteção, para a taxa de amostragem de 960 amostras por segundo, a frequência de corte deve
ser igual ou inferior a 480 Hz.

3. Algoritmos Básicos de Proteção Digital

3.1. Proteção de Distância

Os primeiros desenvolvimentos efetuados no campo da proteção digital de linhas de


transmissão. MANN & MORRISON (1970) desenvolveram um algoritmo destinado à estimação
de fasores de tensão e de corrente, bem como a impedância compreendida entre o relé e o
ponto de ocorrência do defeito, a partir de formas de onda senoidais da corrente de falta,
dadas por:
u U m sent  u  (3.6)

i  I m sent  i  (3.7)

Derivando ambas as expressões, obtém-se:

u'
U m cost  u  (3.8)

i'
 I m cost  i  (3.9)

Combinando (3.6) e (3.8) bem como (3.7) e (3.9), obtém-se:

47
Chagas - DEE / UFCG

2
 u' 
Um  u2    (3.10)
 
2
 i' 
2
Im  i    (3.11)
 
Assim, o módulo da impedância vista pelo relé é dado por:
Um
Z (3.12)
Im

Dividindo membro a membro (3.6) e (3.8) bem como (3.7) e (3.9):


 u sen  t  u 
  tg  t   u  (3.13)
u ' cos  t  u 

 i sen  t   i 
  tg  t  i  (3.14)
i ' cos  t   i 

O ângulo  entre a tensão e a corrente (ângulo da impedância) é dado por:

 u  1   i 
  u   i  tg 1    tg   (3.15)
 u'   i' 
Essas expressões precisam ser discretizadas para que sejam aplicáveis aos algoritmos
processados pelo relé digital.
Considerando um processo de aquisição de sinais com intervalo de amostragem h e três
amostras consecutivas de tensão e três de corrente, tem-se:
uk 1  uk 1
uk,  (3.16)
2h

ik 1  ik 1
ik,  (3.17)
2h

Assim, pelos desenvolvimentos anteriores, resulta:

(uk 1  uk 1 ) 2
U m  uk2  (3.18)
(2 h) 2

(ik 1  ik 1 ) 2
2
Im  i  k (3.19)
(2 h) 2

  u k h    ik h 
  tg 1    tg 1   (3.20)
 uk 1  uk 1   ik 1  ik 1 
O processamento desse algoritmo requer o uso de uma janela de dados, como é mostrado
na Fig. 3.7. No instante de ocorrência da falta verifica-se o afundamento de tensão indicado. A

48
Chagas - DEE / UFCG

forma de onda é amostrada a uma taxa de 12 amostras por ciclo e a janela contém 3 amostras.
A janela é móvel ou deslizante, pois quando uma nova amostra é lida, a mais antiga é
descartada.

Fig. 3.7. Janela de dados móvel.

Em relação a este algoritmo, são feitas as seguintes observações:


▪ Os cálculos realizados pelo processador devem ser efetuados antes que uma nova amostra
seja coletada. Logo, taxas amostrais altas requerem processadores velozes e algoritmos com
pequeno tempo de execução.
▪ A janela D ainda contém três amostras do estado pré-falta e G já contém três amostras do
estado pós-falta. Entretanto, as janelas E e F contêm amostras dos dois estados. Assim, uma
senóide não pode ser ajustada aos pontos contidos em E e F, pois o resultado da aplicação
do algoritmo reproduz um resultado sem nenhum significado. O problema pode ser
contornado incluindo-se no algoritmo um método de detecção do ponto de
descontinuidade, de modo a evitar qualquer tomada de decisão do relé nesta situação.
▪ Janelas largas levam mais tempo para passar pela região de descontinuidade. Assim, janelas
estreitas implicam em relés rápidos. Porém, algoritmos com alta capacidade de rejeição de
componentes contínuas e harmônicas requerem janelas largas. Assim, a redução da largura
da janela aumenta a velocidade do relé, mas reduz a sua precisão.
▪ O algoritmo parte da premissa de que a tensão e a corrente são senóides puras. Porém, isto
só pode ser obtido mediante complexo processo de filtragem para remoção de
componentes contínuas, harmônicas e ruídos. Assim, a simplicidade do método contrasta de
modo significativo com a complexidade do processo de filtragem dos sinais.
49
Chagas - DEE / UFCG

Uma forma de eliminar a componente contínua da corrente de defeito é baseada na


utilização do transactor ou impedância mímica, que consiste em um reator com entreferro não
magnético em torno do qual se acham dois enrolamentos, um primário e outro secundário. A
corrente proveniente do TC circula no enrolamento primário. No enrolamento secundário é
ligado um resistor que é submetido a uma tensão proporcional à corrente. Assim, o transactor
pode ser visto como uma impedância de parâmetros equivalentes RT e LT, o qual fornece uma
tensão de saída dada por:

 di(t ) 
u (t )  K  RT i (t )  LT (3.21)
 dt 
A corrente de defeito apresenta uma forma de onda do seguinte tipo:
 
i(t )  I P e t / T  sen  t  iCC (t )  iCA (t ) (3.22)

A constante IP é o valor de pico da componente alternada e T = L / R é a constante de


tempo do circuito primário. Substituindo (3.22) em (3.21), tem-se:

 1 
u (t )  K  RT I P e t / T  LT   I P e t / T   uCA (t ) (3.23)
 T  
 RL 
u (t )  K I P e t / T  RT  T   uCA (t ) (3.24)
 L 
Fazendo RT = R e LT = L, tem-se u(t) = uCA(t). Assim, a tensão fornecida pela a impedância
mímica não contém a componente contínua relacionada à corrente de curto-circuito. Na
prática, o casamento de impedâncias não é perfeito, pois a resistência do defeito, incluindo o
arco, pode alterar de modo significativo o valor de R, principalmente para faltas muito
próximas do relé. Além disso, a impedância mímica pode amplificar ruídos de altas frequências,
problema que é contornado pelos filtros anti-aliasing.
Atualmente, existem inúmeras técnicas mais eficientes que a descrita. Os algoritmos mais
utilizados têm como base a transformada discreta de Fourier e a técnica de mínimos
quadrados.

3.2. Proteção Diferencial

Há várias técnicas de proteção digital aplicadas a geradores, transformadores e reatores. A


estimação de fasores de correntes constitui um dos modos de realizar um relé do tipo
diferencial percentual, como o mostrado na Fig. 3.8 (PAITHANKAR & BHIDE, 2007) A
característica, semelhante à dos relés analógicos, é descrita na Fig. 3.9.

50
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 3.8. Relé numérico de característica diferencial percentual.

Fig. 3.9. Característica do relé diferencial percentual.

A seguir, é descrito o algoritmo do relé.

▪ Ler a inclinação percentual, S%, e a corrente de acionamento (pick-up) mínima, IO,MIN.


▪ Ler as amostras de i1 e i2.
▪ Estimar os fasores I1 e I2.
▪ Calcular a corrente de operação IO = I1 - I2.
▪ Calcular a corrente de restrição IR = (I1 + I2)/2.
▪ Se IO > (S% /100) . IR + IO,MIN, o relé emite sinal de trip para o disjuntor.

Os recursos de programação do relé digital podem ser utilizados no sentido de gerar


características que proporcionem mais estabilidade em caso de defeito externo à zona
delimitada pelos TCs. Esses defeitos fazem com que os TCs operem próximo ou acima do ponto
de joelho da curva de saturação. Isto produz uma corrente IO (corrente residual) que pode
causar atuação indevida do relé. Assim, a característica segmentada da Fig. 3.10 pode ser
gerada sem dificuldade, por software. Observa-se que a curva relacionada ao de erro dos TCs
não penetra na zona de atuação do relé. Tal característica é obtida com mais dificuldade no
caso dos relés estáticos e com muito mais dificuldade ainda nos relés eletro-mecânicos, uma
vez que somente são disponíveis recursos de hardware.
51
Chagas - DEE / UFCG

Fig. 3.10. Característica segmentada do relé diferencial percentual.

3.3 Proteção de Sobrecorrente

Os relés de sobrecorrente digitais são unidades trifásicas, geralmente com características


instantâneas e temporizadas de fase e de terra. A temporização é determinada pela seguinte
equação:
a Tm
t (3.25)
I / I T  b  1
t - Tempo de operação do relé (s).
Tm - Ajuste multiplicador de tempo (dial).
I - Corrente de defeito (A).
IT - Corrente de tape ou de pickup selecionada (A).
a, b - Constantes que determinam a inclinação da curva do relé.

A Tabela 3.2 fornece as constantes a e b da equação (3.25).

Tabela 3.2. Constantes da expressão (3.25)


TIPO DE CURVA a b
Inversa 0,14 0,02
Muito inversa 13,5 1
Extremamente inversa 80 2
Inversa de tempo longo 120 1
Inversa de tempo curto 0,05 0,04

As curvas tempo versus corrente do tipo inverso são mostradas na Fig. 3.11, para ajustes
multiplicadores de tempo Tm variando de 0,05 a 1.
52
Chagas - DEE / UFCG

100.00

10.00

Tempo, t ( s )
1
1.00
0.4
0.3
0.2

0.1
0.10
0.05

0.01

1.00 10.00 100.00


Múltiplo da Corrente de Tape, I / I T

Fig. 3.11. Curvas inversas para multiplicadores de tempo usuais, Tm.

Considerando o mesmo ajuste multiplicador de tempo, Tm = 1, os diversos tipos de curva


são comparados na Fig. 3.12.

1000.00

100.00
(d)

10.00
(a)
Tempo, t ( s )

1.00 (b)
(e)

0.10
(c)

0.01

0.00

1.00 10.00 100.00


Múltiplo da Corrente de Tape, I / I T

Fig. 3.12. Tipos de curva - (a) Inversa; (b) muito inversa; (c) extremamente
inversa; (d) tempo longo; (e) tempo curto.

53
Chagas - DEE / UFCG

As características mais inversas são adequadas nos seguintes casos:


▪ Em redes de distribuição aéreas primárias, onde são usados religadores e fusíveis. Como as
características desses dispositivos também possuem caráter bastante inverso, é obtida
melhor coordenação da proteção.
▪ Em sistemas que apresentam elevados surtos de carga fria. Os mesmos ocorrem durante a
reenergização de um alimentador, após desligamento prolongado, havendo energização
simultânea de todas as cargas, sem que haja diversidade.
▪ Em alimentadores curtos, onde as correntes de curtos-circuitos próximos ao relé
apresentam valores não muito diferentes das correntes de defeito em pontos no terminal
remoto. Neste caso, a impedância da linha não é muito diferente que a impedância da fonte.
As características menos inversas devem ser aplicadas em sistemas onde a corrente de
curto-circuito em um mesmo ponto varia de modo acentuado.
A característica inversa longa é aplicada na proteção de motores, onde as correntes de
partida apresentam altos valores de pico e longa duração.
A característica inversa curta apresenta baixo tempo de operação, evitando possíveis danos
a equipamentos e circuitos.
As unidades instantâneas e temporizadas de fase e de terra podem apresentar característica
direcional, proporcionada pela utilização de rotinas que efetuam a medição da defasagem da
corrente de operação em relação a uma grandeza de referência ou de polarização (tensão ou
corrente). O ângulo para o qual é obtida maior sensibilidade do relé pode ser ajustado em
ampla faixa de valores (exemplo: de 15o a 85o, em passos de 1o).

5. Considerações Adicionais

As principais vantagens dos relés digitais são citadas a seguir.

▪ Os recursos de programação conferem ao relé maior facilidade de ajustes de características


de operação mais elaboradas, como as curvas segmentadas dos relés diferencias, curvas de
relés de sobrecorrente definidas por equações de parâmetros estabelecidos por normas,
bem como características complexas no plano R-X dos relés de distância.
▪ Maior possibilidade de incremento do estado da arte. Ao contrário dos relés
eletromecânicos e estáticos, que realizavam basicamente funções de comparação de
amplitude, de fase e temporização, os relés digitais são programáveis. Seus algoritmos se
baseiam em inúmeras teorias matemáticas, o que proporciona possibilidades de inovações

54
Chagas - DEE / UFCG

praticamente ilimitadas. Além de ferramentas tradicionais como análise de Fourier, mínimos


quadrados e outras, têm-se aplicado, em larga escala, técnicas mais recentes, como redes
neurais artificiais, algoritmos genéticos, lógica fuzzy, transformada de wavelet, etc.
▪ Possibilidade de implementação de rotinas de automonitoramento, que permitem o próprio
relé averiguar constantemente a integridade de seus componentes (hardware e software).
▪ Integração digital, que permite a comunicação entre relés e outros dispositivos da mesma
subestação e de subestações remotas. Isto também permite o emprego de esquemas de
proteção mais elaborados e eficientes. O crescente emprego de redes de fibras óticas e de
cabos OPGW tem facilitado esse processo. A busca no sentido de obter um padrão único de
comunicação entre os equipamentos (IEDs) de diferentes fabricantes instalados em usinas e
subestações de energia elétrica vem sendo levada a efeito com a adoção da norma IEC-
61850 (GURJÃO et al., 2006).
▪ Flexibilidade funcional, por meio da qual o relé pode desempenhar múltiplas funções
(sobrecorrente, sobretensão, diferencial, distância). Também é possível o desempenho de
outras funções, podendo-se citar: medição de grandezas elétricas (corrente, tensão,
frequência, potências, energia), oscilografia, controle, localização de defeitos, etc.
▪ Possibilidade de exploração dos recursos de interface homem-máquina. As operações de
ajuste dos relés não requerem mão de obra tão especializada, como no caso dos relés
eletromecânicos, pois são feitas por painéis frontais ou telas de computador. Isto permite
que o operador tenha à sua disposição diagnósticos mais completos, precisos e rápidos das
condições de operação do sistema, mediante exibição de telas e relatórios impressos.
▪ Possibilidade de execução de ações adaptativas (proteção adaptativa). Isto consiste em
mudanças automáticas nas características operacionais dos relés em função das mudanças
que possam ocorrer no sistema de potência, de modo conferir melhor desempenho à
proteção. Por exemplo, caso haja mudança na configuração do sistema que implique em
alteração significativa nas correntes de defeito, uma informação pode ser emitida para os
relés através do subsistema de entradas digitais. Assim, os ajustes poderão ser
automaticamente modificados.
▪ Possibilidade de estimação mais precisa de fasores de corrente e de tensão mediante PMUs
(Phase Measurements Units), que utiliza o GPS (Global Position System). Os diversos fasores
correspondentes às grandezas provenientes de pontos remotos do sistema podem
apresentar erros de fase consideráveis caso sejam usados métodos convencionais. O

55
Chagas - DEE / UFCG

receptor do GPS proporciona pulsos de tempo padrão que permitem sincronização de


eventos de forma mais precisa que os sinais de clock gerados internamente. Isto é
importante não apenas em aplicações de proteção, mas também em estimação de estado,
medição de frequência, aplicações de controle e localização de defeitos.

Bibliografia

Artigos

CORY, B. J.; MOONT, J. F. (1970). Application of digital computers to busbar protection. IEE
Conference on the Application of Computers to Power System Protection and Metering, pp.
201-209, May 1970, Bournemouth, England, Paper A778 214-9.
DOMMEL, H. W.; MICHELS, J. M. (1978). High speed relaying using travelling wave transient
analysis. IEEE PES Winter Power Meeting, January 1978, New York, Paper A78 214-9.
GIRGIS, A. A.; BROWN, R. G. (1981). Application of Kalman filtering in computer relaying. IEEE
Transactions on Power Apparatus and Systems, PAS 100(7):3387-3395.
GURJÃO, E. C.; CARMO, U. A.; SOUZA, B. A. (2006). Aspectos de comunicação da norma IEC
61850. Simpósio Brasileiro de Sistemas Elétricos - SBSE 2006, Campina Grande. Anais do
Simpósio Brasileiro de Sistemas Elétricos - SBSE 2006, v. 1. pp. 1-5.
HORTON, J. W. (1975). The use of Walsh functions for high-speed digital relaying. IEEE PES
Summer Meeting, San Francisco, July 20-25 1975, Paper A 75 582 7.
JOHNS, A. T.; MARTIN, M. A. (1978). Fundamental digital approach to the distance protection of
EHV. IEE Proceedings, 125:377-384.
MANN, B. J., MORRISON, I. F. (1970). Digital calculation of impedance for transmission line
protection. IEEE Transactions on Power Apparatus and Systems, PAS-90(1):270-279.
MCINNES, A. D.; MORRISON, I. F. (1970). Real Time calculation of resistance and reactance for
transmission line protection by digital computer. Elec. Eng. Trans. Inst. Australia, (EE7):16-23.
MCLAREN, P. G.; REDFERN, M. A. (1975). Fourier series techniques applied to distance
protection. IEE Proceedings, (122):1295-1300.
MUNDAY, P. J..; LUCKETT, R. G.; MURRAY, B. E. (1975). A substation based computer for control
and protection. IEE Conference Publication, Vol. 1, pp. 291-299.
RAMAMOORTY, M. (1972). Application of digital computers to power system protection. J. Inst.
Eng. (India), (52):235-238.

56
Chagas - DEE / UFCG

RANJIBAR, A. M.; CORY, B. J. (1975). An improved method for the digital protection of high
voltage transmission lines. IEEE Transactions on Power Apparatus and Systems, PAS-94:544-
550.
ROCKEFELLER, G. D. (1969). Fault protection with a digital computer. IEEE Transactions on
Power Apparatus, 88(4):438-461.
SACHDEV, M. S.; WIND, D. W. (1973). Generator differential protection using hybrid computer.
IEEE Transactions on Power Apparatus and Systems, PAS-92(6):2063-2072.
SACHDEV, M. S.; BARIBEAU (1979). A new algorithm for digital impedance relays . IEEE
Transactions on Power Apparatus and Systems, PAS 90:2232-2240.
SMOLINSKY, W. J. (1979). An algorithm for digital impedance calculation using a single pi
section transmission line model. IEEE Transactions on Power Apparatus and Systems, PAS-
98:1546-1551.
TAKAGI, T.; BABA, J.; UEMURA, K.; SAKAGUCHI, T. (1977). Fault protection based on travelling
wave theory – Part I: Theory. IEEE Summer Power Meeting, Mexico City, Paper A77 750-3.
THORP, J. S.; PHADKE, A. (1982). A microprocessor based three-phase transformer differential
relay. IEEE Transactions on Power Apparatus and Systems, PAS-94:426-432.

Livros

COURY, D. V.; OLESKOVICZ, M., GIOVANINI, R. (2007). Proteção Digital de Sistemas Elétricos de
Potência: dos Relés Eletromecânicos aos Microprocessados Inteligentes; EESC-USP, São
Carlos – SP, Brasil.
PAITHANKAR, Y. G.; BHIDE, S. R. (2007). Fundamentals of Power System Protection, Prentice-
Hall of India, New Delhi.
PHADKE, A. G.; THORP, J. S. (2009). Computer Relaying for Power Systems, 2nd ed., Wiley, West
Sussex, England.
SINGH, L. P. (1994). Digital Protection - Protective Relaying from Electromechanical to
Microprocessor, Wiley Eastern Limited, New Delhi.

Normas

IEC Std 60255-3 (1989). Electrical Relays - Part 3: Single Input Energizing Quantity Measuring
Relays with Dependent or Independent Time.
IEEE Std C37.90 (1989). IEEE Standard for Relays and Relay Systems Associated with Electric
Power Apparatus. IEEE Standard Board – Power System Relaying Committee.
57

Você também pode gostar