Você está na página 1de 113

@budinovich

1. Seja o retificador mostrado abaixo, onde V1(ωt)=220sen(wt); R= 20Ω e L=100mH; f=50Hz.


Calcular VLmed, ILmed.e o FP da estrutura.
D1

V1(ωt)

Solução:
Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
(1.1)

α=0

a 0
√2  
(1.2)

 314,16  0,1



 cos      cos      0,537
 20
(1.3)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=0 a= 0 cosΦ=0,4 β=254°
cosΦ=0,6 β=236°
(1.4)
Fazendo uma média obtêm-se
α=0 a= 0 cosΦ=0,55 β=240,5°

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!" 
% '
$
(1.5)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução do diodo.


Para este circuito tem-se α=0 e m=1.
Βc=360° (1.6)
Como β< βc , é condução descontínua.

Cálculo da tensão média na carga VLmed:


3
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(1.7)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução e β é o ângulo de fim de


condução do diodo.
678,9°
1
()*+  - 220 
/,012  52,52
2#
(1.8)
8

()*+ ;  52,52
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    2,63<
 20
(1.9)

Cálculo do fator de potência:


Para o cálculo do fator de potência é necessário o valor da corrente eficaz na carga e na fonte de tensão,
que neste caso é o mesmo para os dois.

1
 314,16  0,1
Sendo

           57,52°
 20
(1.10)

Utilizando o ábaco da Fig.2.8 do livro de Eletrônica de Potência 6ª edição de Ivo Barbi para correntes
normalizadas obtêm-se:
Ief=0,63A (1.11)
Portanto:
>  ?6 % 0  16  37,23@ (1.12)

√2  8  :*A 220  0,63


:(*A    3,72<
> 37,23
(1.13)

Potência dissipada na carga:


P=R·ILef2 (1.14)
P=20·3,72²=276,77 W (1.15)

Potência aparente na fonte:


S=Vef·Ief (1.16)

C 276,77
S=155,56·3,72=578,68 VA (1.17)

BC    0,478
D 578,68
(1.18)

2. Considere o conversor abaixo onde V(ωt)=220sen(ωt)


E=120V; L=100mH; R=8Ω; f= 50Hz
D
1

V(ωt) L

a) Calcule o ângulo de extinção da corrente e defina o modo de condução.


b) Apresente as formas de onda e calcule VLmed e ILmed..
c) Sendo E=0V e R= 20Ω, adicione em anti-paralelo com a carga um diodo e calcule o valor da
indutância para se obter condução crítica.

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
Devido a presença de fonte E na carga o ângulo de início de condução do diodo deixa de ser α=0° e
passa a ser o ângulo θ1 em que a fonte de entrada tem seu valor igual ao da fonte E, onde a partir desse
momento polarizando positivamente o diodo dando início a condução.
Para determinar o ângulo θ1 deve se igualar a tensão E com a tensão de entrada e isolar ωt, pois neste
instante ωt= θ1.
220·sen(ωt)=120
(2.1)
α= Θ1 = ωt = 33,05°=0,576 rad

2
 120
a   0,55
√ 2   220
(2.2)

 314,16  0,1



 cos      cos      0,247
 8
(2.3)

Através do ábaco de Puschlowski e fazendo médias sucessivas obtêm-se:


cos ϕ = 0, 2 β = 221°
cos ϕ = 0, 4 β = 210°
α=33,05° a= 0,4
cos ϕ = 0,3 β = 215, 5°
cos ϕ = 0, 25 β = 218, 25°
cos ϕ = 0, 2 β = 194°
cos ϕ = 0, 4 β = 187° (2.4)
α=33,05° a= 0,6
cos ϕ = 0,3 β = 190, 5°
cos ϕ = 0, 25 β = 192, 25°
Fazendo uma média obtêm-se
a= 0,5 cos ϕ = 0, 25 β = 205, 25°
a= 0,55 cos ϕ = 0, 25 β = 198, 75° = 3, 47rad

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!" 
% '
$
(2.5)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução do diodo.


Para este circuito monofásico de meia onda tem-se m=1 e α= 33,05° logo,
βc=360+33,05=393,05° (2.6)
Como β< βc tem-se condução descontínua.

b) Formas de onda
400V
V(ωt)
200V

0
V
-200V

-400V

400V
VL
200V

0
V
-200V

-400V

400V
VD1
200V

0
V
-200V

-400V

4.0A
IL

2.0A

0A
0 π 2π 3π 4π

3
Cálculo da tensão média na carga VLmed:
46 4H
,
()*+  G - √2  . 
/,012 % - 2 I
2#
(2.7)
45 46

Onde n é o número de pulsos do conversor,θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo


de fim de condução do diodo (extinção da corrente β) e θ3 é o ângulo de reinício de condução do diodo.
5NO,L9° 6JK8,9LM
1
()*+  G - 220 
/,012 % - 1202 I  127,25
2#
(2.8)
HH° H,7L

()*+ ;  127,25 ; 120


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    0,906<
 8
(2.9)

c) Indutância necessária para condução critica Lc:


Colocando um diodo em anti-paralelo, torna-se o circuito em um circuito monofásico de meia onda com

#
roda livre, onde para que haja condução critica é necessário que

5Q 

(2.10)

Onde π é o ângulo em que se tem roda livre, ou seja, é o tempo em que o indutor se descarregará
através do resistor até a fonte de entrada voltar a carregar o indutor. ω é a freqüência angular e τ é a constante
de tempo do circuito dada por L/R.
Portanto para que haja condução contínua é necessário que o tempo de 5τ seja maior que o tempo em
que a fonte fica sem fornecer energia à carga. Logo.

#.  #. 20
   40$S
5 5.314,16
(2.11)

3. Para o retificador monofásico de onda completa com ponto médio abaixo.


R=2Ω; L=3mH; E=36V; V(ωt)=180sen(ωt); f=50Hz; rt=10mΩ; Vto=1V; Ta= 50°C; N1/N2=3
D
1
R

N
2
L
V(ωt) N
1
N
2 E

D
2

a) Calcular o ângulo de extinção da corrente, βc e definir o modo de condução.


b) Traçar as formas de onda.
c) Calcular VLmed, ILmed.e, se possível ILef.

Solução:

Sendo N1/N2=3 a tensão nas bobinas do transformador no secundário é V2(ωt)=60sen(ωt).


a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
Devido a presença de fonte E na carga o ângulo de início de condução do diodo deixa de ser α=0° e
passa a ser o ângulo θ1 em que a fonte de entrada tem seu valor igual ao da fonte E, onde a partir desse
momento polarizando positivamente o diodo dando início a condução.
4
Para determinar o ângulo θ1 deve se igualar a tensão E com a tensão de entrada e isolar ωt, pois neste
instante ωt= θ1.
60·sen(ωt)=36
(3.1)

 36
α =Θ1 = ωt = 36,87°=0,644 rad

a   0,6
√ 2   60
(3.2)

 314,16  3$

 cos      cos      0,9
 2
(3.3)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se:


a=0,6 cosΦ=0,9 β=164° ou 2,862 rad (3.4)

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!" 
% '
$
(3.5)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução do diodo.


Para circuito monofásico de ponto médio, m=2 e α=36,87°.
Logo,
βc=180+36,87°=216,87° (3.6)
Como β< βc tem-se condução descontínua.

b) Formas de onda
100V
V(ωt)

0V

-100V

100V
VL

50V

0V

0V
VD1

-100V

-200V

10.0A
IL

5.0A

0A
0 π 2π 3π 4π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46 4H
,
()*+  G - √2  . 
/,012 % - 2 I
2#
(3.7)
45 46

5
Onde n é o número de pulsos do conversor,θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo
de fim de condução do diodo (extinção da corrente β) e θ3 o ângulo de reinício de condução do diodo.
5M7,88° JK8,M77
2
()*+  G - 60 
/,012 % - 362 I  44,22
2#
(3.8)
HM,OL° 6,OM6

()*+ ;  44,22 ; 36
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    4,11<
 2
(3.9)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é descontínua, as harmônicas de ordem superior não podem ser desprezadas e o
cálculo se torna muito complexo.

4. Considere o circuito abaixo.


V(ωt)=√2 220sen(ωt); f= 60Hz; R=20Ω; E=60V.

D1 D2
R

V(ωt)
D5

D3 E
D4

a) Traçar as formas de onda V(ωt), VL(ωt), IL(ωt) e VD1.


b) Calcule o valor da tensão média, corrente média e da corrente eficaz na carga.
c) Calcular o valor da resistência térmica entre junção e o ambiente para que o diodo D5 se
mantenha com uma temperatura de junção de 150°C

Solução:

Analisando o circuito, vê-se que o diodo D5 nunca entrará em condução, pois como não se tem
indutância no circuito, a menor tensão que aparecerá na carga será a da própria fonte E, polarizando
negativamente o diodo D5.

a) Formas de onda:
Ângulo de inicio de condução θ1
Para determinar o ângulo θ1 deve se igualar a tensão E com a tensão de entrada e isolar ωt, pois neste
instante ωt= θ1.
311·sen(ωt)=60
(4.1)
Θ1 = ωt = 11,12°=0,194 rad

6
400V
V(ωt)

0V

-400V

400V
VL

200V

0V

0V
VD1

-200V

-400V

20A
IL

10A

0A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46 4H
,
()*+  G - √2  . 
/,012 % - 2 I
2#
(4.2)
45 46

Onde n é o número de pulsos do conversor,θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo


de fim de condução do diodo (extinção da corrente β) e θ3 o ângulo de reinício de condução do diodo.
311·sen(ωt)=60
(4.3)
Θ1 = ωt = 11,12°=0,194 rad
Θ2=ωt=180-11,12=168,88°=2,948 rad (4.4)
Θ3=π + 0,194 rad (4.5)
5MO,OO° JK8,5N7
2
()*+  G - 311 
/,012 % - 602 I  201,68
2#
(4.6)
55,56° 6,N7O

()*+ ;  201,68 ; 60
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    7,084<
 20
(4.7)

7
Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:
46
, √2  . 
/,01 ; 
6

:(*A T -U V 2 
2# 
45

5MO,OO°
(4.8)
2 311 
/,01 ; 60 6
T - 0 1 2  8,37<
2# 20
55,56°

c) Como o diodo não entra em condução, a temperatura do diodo se mantém em temperatura


ambiente.

5. Considere o conversor abaixo com:


V(ωt)=√2 220sen(ωt); f= 60Hz; R=1Ω; L=1000mH; E=60V.

D1 D2
R

V(ωt)
L

D3 E
D4

a) Calcular o ângulo de extinção da corrente, βc e definir o modo de condução.


b) Traçar as formas de onda V(ωt), VL(ωt), IL(ωt) e VD1.
c) Calcule o valor da tensão média, corrente média e da corrente eficaz na carga.

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
Devido a presença de fonte E na carga o ângulo de início de condução do diodo deixa de ser α=0° e
passa a ser o ângulo θ1 em que a fonte de entrada tem seu valor igual ao da fonte E, onde a partir desse
momento polarizando positivamente o diodo dando início a condução.
Para determinar o ângulo θ1 deve se igualar a tensão E com a tensão de entrada e isolar ωt, pois neste
instante ωt= θ1.
311·sen(ωt)=60 (5.1)

 60
α =Θ1 = ωt = 11,12°=0,194 rad (5.2)

a   0,193 W 0,2
√ 2   √2. 220
(5.3)

 377  1

 cos      cos      2,65$ W 0
 1
(5.4)

Através do ábaco de Puschlowski se obtêm:


α=11,12° a=0,2 cosΦ=0 β=274° ou 2,862 rad (5.5)

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

% '!" 
$
(5.6)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução do diodo.

8
Para este circuito monofásico de onda completa tem-se m=2 e α=11,12°.
βc=180+11,12°=191,12° (5.7)
Como β> βc tem-se condução contínua.

b) Formas de onda

400V
V(ωt)

0V

-400V

400V
VL

0V

-400V

400V
VD1

0V

-400V

150A
IL

100A

50A

0A
0 π 2π 3π 4π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(5.8)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo e θ2 é o ângulo


de fim de condução do diodo.
5O8,88°
2
()*+  - 311 
/,012  198,0
2#
(5.9)

Cálculo da corrente média na carga ILmed:

()*+ ;  198,0 ; 60
:()*+    138,0<
 1
(5.10)

9
Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:
Como a condução é contínua, e β é maior que βc o suficiente para considerar a corrente na carga uma

:(*A  :()*+  138,0<


constante. Então:
(5.11)

6. Considere o retificador trifásico com ponto médio da figura abaixo.


V1(ωt)=√2 220sen(ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt+120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); f= 60Hz; R=5Ω;
L=3000mH; rt=11mΩ; Vto=1V; Ta=40°C.
V1(ωt) D1

V2(ωt) D2

R
V3(ωt) D3

a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL e VD2.


b) Calcular VLmed, ILmed, ILef, VD1, IDmed, IDef.
c) Calcular o valor da resistência térmica entre junção e o ambiente para que o diodo D2 se
mantenha com uma temperatura de junção inferior à 150°C.
d) Calcular o FP da fonte 2.

Solução:

a) Formas de onda:
Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:


α=30°. (6.1)

a 0
√ 2  
(6.2)

 377  3

 cos      cos      0
 5
(6.3)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se:


α=30° a= 0 cosΦ=0 β= 330° (6.4)

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!"  % '
$
(6.5)

Para este circuito trifásico de ponto médio tem-se m=3 e α= 30° logo,
βc=120+30=150° (6.6)
Como β> βc tem-se condução contínua.

10
400V
V1(ωt)

V2(ωt) 200V
V3(ωt)
0V

-200V

-400V

400V
VL

200V

0V

0V
VD2

-250V

-500V

100A
IL

50A

0A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(6.7)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo


de fim de condução do diodo.
598°
3
()*+  - 311 
/,012  257,19
2#
(6.8)
H8°

()*+ ;  257,19
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    51,44<
 5
(6.9)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é contínua, e β é maior que βc o suficiente para considerar a corrente na carga uma

:(*A  :()*+  51,44<


constante. Então:

(6.10)

11
Cálculo da tensão de pico de D1 VD1:
XY  √2  √3  8  √2  √3  220  538,88
(6.11)

Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 51,44
No circuito trifásico o diodo conduz em 1/3 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    17,15<
3 3
(6.12)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


6J
H
T 1 :(*A 51,44
:X*A  - 0:(*A 16 2    29,70<
2# √3 √3
(6.13)
8

c) Resistência junção-ambiente:
Cálculo da potência dissipada em um diodo:

C  Z  :X*A 6 % [.  :X)*+  11$  29,706 % 1  17,15  26,85\ (6.14)

]^ ; ]_  ^_  C
Cálculo da resistência junção-ambiente.
(6.15)

]^ ; ]_ 150 ; 40
^_    4,10°`/\
C 26,85
(6.16)

C
d) Fator de potência:

BC 
D
(6.17)

C(    :(*A 6  5  51,446  13230,37\


Cálculo da potência ativa na carga:
(6.18)
A potência ativa na fonte pode ser dada pela potência ativa na carga pela quantidade de fontes

C( 13230,37
presentes no circuito.

Cb    4410,12\
3 3
(6.19)

Cálculo da potência aparente da fonte:


A potência aparente na fonte é dada pela tensão eficaz da fonte e pela corrente eficaz na fonte, que

D  *A . :*A  220  29,70  7407,40<


neste caso é dado pela corrente eficaz no diodo.
(6.20)

4410,12
Cálculo do fator de potência:

BC   0,595
7407,40
(6.21)

12
7. Para o retificador trifásico com ponto médio da figura abaixo.
V1(ωt)=√2 220sen(ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt+120°); f= 60Hz; R=2Ω;
L=26mH; E=124V.
V1(ωt) D1

V2(ωt) D2

R
V3(ωt) D3

a) Obtenha o ângulo de extinção da corrente, o ângulo crítico e determine o modo de condução.


b) Traçar as formas de onda VL(ωt), IL(ωt) e VD1.
c) Calcular VLmed, ILmed, ILef, VDp, IDmed, IDef.

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
Devido a presença da fonte é necessário verificar se o ângulo em que a fonte de entrada torna-se maior
do que o do valor da fonte E é maior ou menor do que 30° a fim de verificar a influência da fonte E no início de
condução do diodo.
311·sen(ωt)=124
(7.1)
Θ1 = ωt = 23,50°
Como o ângulo em que a fonte de entrada ultrapassa o valor da fonte E é menor do que 30°(ângulo em
que uma fonte de entrada se torna a fonte com o maior valor de tensão do circuito forçando a condução do
diodo) se tem
α=30°. (7.2)

 124
a   0,40
√ 2   √2  220
(7.3)

 377  26$



 cos      cos      0,2
 5
(7.4)

Através do ábaco de Puschlowski e fazendo médias sucessivas obtêm-se:


α=30° a= 0,4 cosΦ=0,2 β= 221° (7.5)

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!"  % '
$
(7.6)

Para este circuito trifásico de ponto médio, m=3 e α= 30° logo,


βc=120+30=150°
(7.7)

13
Como β>βc tem-se condução contínua.
b) Formas de onda

400V
V1(ωt)

V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V

400V
VL

200V

0V

0V
VD1

-250V

-500V

100A
IL
75A

50A

25A

0A
0 π 2π 3π 4π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(7.8)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo


de fim de condução do diodo.
598°
3
()*+  - 311 
/,012  257,19
2#
(7.9)
H8°

()*+ ;  257,19 ; 124


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    66,6<
 2
(7.10)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é contínua, e β é maior que βc o suficiente para considerar a corrente na carga uma

:(*A  :()*+  66,6<


constante. Então :
(7.11)

Cálculo da tensão de pico de D1 VD1:

14
XY  √2  √3  8  √2  √3  220  538,88 (7.12)

Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 66,6
No circuito trifásico o diodo conduz em 1/3 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    22,2<
3 3
(7.13)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


6J
H
T1 :(*A 66,66
:X*A  - 0:(*A 16 2    38,45<
2# √3 √3
(7.14)
8

8. Considere o conversor abaixo com tensão eficaz de linha de 440V, f=60Hz, Vto=0,5V e rt=8mΩ.
R=2Ω; L=100mH; E=350V;

D D D
V1(ωt
1 2 3
) R

V2(ωt
)
L

V3(ωt
)
E

D D D
4 5 6

a) Calcular o ângulo de extinção da corrente, o ângulo crítico e determinar o modo de condução.


b) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL, ID1, VD1 e calcular VLmed, ILmed, IDmed, IDef
c) Calcular a potência dissipada e a tensão máxima em cada diodo.
d) Calcular o rendimento da estrutura e o FP.

Solução:

a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:


É necessário verificar se o ângulo em que a fonte de entrada torna-se maior do que o do valor da fonte E
é maior ou menor do que 60° a fim de verificar a influência da fonte E no início de condução do diodo.
622,25·sen(ωt)=350
(8.1)
Θ1 = ωt = 34,23°
Como o ângulo em que a fonte de entrada ultrapassa o valor da fonte E é menor do que 60°(ângulo em
que uma tensão de linha se torna a maior no circuito forçando a condução dos diodos) se tem:

 350
α=60°. (8.2)

a   0,57 W 0,6
√ 2  √ 3   √2  440
(8.3)

 377  100$



 cos      cos     W 0
 2 (8.4)

Através do ábaco de Puschlowski e fazendo médias sucessivas obtêm-se:


15
α=60° a= 0,6 cosΦ=0 β= 199° (8.5)

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!" 
% '
$
(8.6)

Para este circuito em ponte de Graetz, m=6 e α= 60° logo,


βc=60+60=120° (8.7)
Como β>βc tem-se condução contínua.

b) Formas de onda

400V
V1(ωt)

V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V

VL
500V

250V

0V

0V
VD1

-250V

-500V

200A
IL
ID1
100A

-10A
0 π 2π 3π 4π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  √3 .
/,012
2#
(8.8)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução de um par de diodos, θ2


é o ângulo de fim de condução do par de diodos.
568°
6
()*+  - 622,25 
/,012  594,2
2#
(8.9)
M8°

Cálculo da corrente média na carga ILmed:

16
()*+ ;  594,2 ; 350
:()*+    122,1<
 2
(8.10)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é contínua, e β é maior que βc o suficiente para considerar a corrente na carga uma

:(*A  :()*+  122,1<


constante. Então:
(8.11)

Cálculo da tensão de pico de D1 VD1:


XY  √2  √3  8  √2  440  622,25 (8.12)

Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 122,1
No circuito em ponte de Graetz cada diodo conduz em 1/3 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    40,7<
3 3
(8.13)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


6J
H
T 1 :(*A 122,1
:X*A  - 0:(*A 16 2    70,49<
2# √3 √3
(8.14)
8

d) Cálculo do rendimento:
Para o cálculo do rendimento verifica-se potência entregue na carga pela potência entregue pelas

  :()*+ %   :(*A 6
fontes(potência dissipada nos diodos e potência dissipada na carga)

c 
  :()*+ %   :(*A 6 % 60Z  :X*A 6 % [.  :X)*+ 1

350  122,1 % 2  122,1


(8.15)
6
c  0,995
350  122,1 % 2  122,16 % 608$  70,496 % 5  40,71

C
Cálculo do fator de potência:

BC 
D
(8.16)

C    :()*+ %   :(*A 6  350  122,1 % 2  122,16  72551,82\


Cálculo da potência dissipada na carga:
(8.17)

D  3  d  :*Ae 3  254,03  99,69  75972,75<


Cálculo da potência aparente entregue pelas fontes
(8.18)

C 72551,82
BC    0,955
D 75972,75
(8.19)

17
9. Deseja-se utilizar o retificador com filtro capacitivo para alimentar um circuito CMOS,
sabendo que a variação de tensão admitida no circuito é de 14,6V à 15,4V e que a potência consumida é de
pelo menos 5W calcule:
V1(ωt)=311sen(ωt); f=50Hz.

a) Calcule C, R e Icef.
b) Calcule e especifique o transformador.

Solução:

a) Considerando os valores de tensão admitidos no circuito tem-se a tensão de pico com 15,4V e

 $f, 14,6
a tensão mínima de 14,6V. Assim

  0,948
gh 15,4
(9.1)

Pelo ábaco da figura 10.9 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi obtêm-se ωRC=48
Considerando que a tensão média no circuito seja de 15V e a potência de 5W, obtêm-se o valor da

6  6 156
resistência:

C i   75@
 C 5
(9.2)

48
Assim

`  20,5$B
75.314,16
(9.3)

:j*A   3,1  15,4


Pelo ábaco da figura 10.10 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi se obtêm

 3,1 i :j*A   0,64<


gh 75
(9.4)

E a tensão máxima no capacitor é a tensão máxima de ondulação permitida no circuito:


Vpk=15,4V (9.5)

b) À partir do ábaco da figura 10.29 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi

C C 5
obtêm-se FP=0,42. Logo

BC  iD   11,9 <


D BC 0,42
(9.6)

Tensão de saída do transformador:

15,4
A tensão de saída do transformador é obtida através do valor de pico necessário no circuito:


  10,9
√2
(9.7)

Tensão de entrada do transformador

311
A tensão de entrada do transformador é obtida através do valor da fonte de entrada do circuito.

f,   220
√2
(9.8)

18
V1(ωt)= √2 127sen(ωt); f=60Hz; R=10Ω.
10. Para o retificador com filtro capacitivo da figura abaixo, onde:

D1 D2

V1(ωt)
C R

D3
D4

a) Calcular e especificar o capacitor (C) para que a máxima ondulação de tensão na carga seja de
10% da tensão de pico de entrada.
b) Calcular a corrente eficaz neste capacitor.
c) Qual o fator de potência da estrutura?

Solução:

a) Cálculo do capacitor:
Para que a máxima tensão de ondulação seja de 10%, sendo o pico de 179,61V diminui-se 10% do valor
de pico da tensão de entrada da fonte para obter a mínima tensão no capacitor que é de 161,64V. Assim

 $f, 161,64
  0,90
gh 179,61
(10.1)

Pelo ábaco da figura 10.9 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi obtêm-se ωRC=30.

30
Logo

`  7,96$B
10  377
(10.2)

b) Corrente eficaz no capacitor:

:j*A   2,7  179,61


Pelo ábaco da figura 10.10 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi obtêm-se

 2,7 i :j*A   48,5<


gh 10
(10.3)

c) pelo ábaco da figura 10.29 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi obtêm-se
FP=0,46

19
11. Deseja-se usar o circuito como fonte de tensão média de 600V, dados
V1(ωt)=√2 220sen(ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt+120°); f= 60Hz; ∆Vo=2%;
Pout=600W. Considere transformador Y-Y

a) Calcular e especificar o capacitor (capacitância, corrente eficaz e máxima tensão).


b) Calcular e especificar o transformador (tensão eficaz de entrada e saída e potência(VA))

Solução:

a) Como se deseja uma tensão média de 600V e uma ondulação máxima de 2%, considera-se

 $f, 594
que seja 1% acima e 1% abaixo. Logo

  0,98
gh 606
(11.1)

Cálculo da capacitância:
Pelo ábaco da figura 10.22 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi obtêm-se ωRC=35

6  6 6006
A resistência da carga se obtêm através da seguinte expressão:

C i   600@
 C 600
(11.2)

35
Logo

`  154,73kB
600  377
(11.3)

Cálculo da corrente no capacitor:

:j*A   2,14  606


Pelo ábaco da figura 10.24 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi se obtêm

 2,14 i :j*A   2,16<


gh 600
(11.4)

A tensão de pico do capacitor será tensão de pico estabelecida para a carga


Vpk=606V (11.5)

b) Cálculo do transformador
Através do ábaco da figura 10.34 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi se obtêm
FP=0,42

C C 600
Assim a potência do transformador é obtida conforme a seguir

BC  iD   1428,57<
D BC 0,42
(11.6)

20
606
Cálculo da tensão de saída:


  247,4
√2√3
(11.7)

√2. 220
Cálculo da tensão de entrada

f,   220
√2
(11.8)

12. Considere o retificador trifásico com ponto médio da figura abaixo. Sabe-se que o diodo D1
está queimado (aberto) e que:
V1(ωt)=√2 220sen(ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt+120°); f= 60Hz; R=5Ω; L=3H;
D1=D2=D3=SKN 20/04, rt= 11mΩ, Vto=1V; Ta=40°C.
V1(ωt) D1

V2(ωt) D2

R
V3(ωt) D3

a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL e VD2.


b) Calcular VLmed, ILmed, ILef, VD2, IDmed, IDef.
c) Calcular o valor da resistência térmica entre junção e o ambiente para que o diodo D2 se
mantenha com uma temperatura de junção inferior à 150°C.

Solução:

a) Formas de onda
Verificação condução contínua
Devido a presença do diodo queimado, é necessário que a constante de tempo seja suficientemente
grande para que a corrente na carga não se anule durante um período 60° , que é o período em que se aplica

"
tensão negativa na carga, sendo assim ωc=π/3rad

5Q l

#
5Q l
3
 #
5 l
 3
3 #
(12.1)

5 l
5 3  377
3 l 2,78$

É condução contínua

21
400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V

400V
VL

0V

-400V

0V
VD2

-250V

-500V

40A
IL
30A

20A

10A

0A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(12.2)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo


de fim de condução do diodo.
598°
2
()*+  - 311 
/,012  171,53
2#
(12.3)
mH8°

()*+ ;  171,53
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    34,30<
 5
(12.4)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é contínua, com 5τ maior que o tempo em que a carga é submetida a tensão negativa

:(*A  :()*+  34,30<


o suficiente para considerar a corrente na carga uma constante. Então:
(12.5)

Cálculo da tensão de pico de D2 VD2:


XY  √2  √3  8  √2  √3  220  538,88 (12.6)

Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 34,30
Neste circuito cada diodo conduz em 1/2 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    17,15<
2 2
(12.7)

22
Cálculo da corrente eficaz no diodo:
J
1 :(*A 34,30
:X*A T -0:(*A 16 2    24,26<
2. # √2 √2
(12.8)
8

c) Resistência junção ambiente


Cálculo da potência dissipada no diodo:

C  Z  :X*A 6 % [.  :X)*+  11$  24,266 % 1  17,15  23,62\ (12.9)

]^ ; ]_ 150 ; 40
Cálculo da resistência junção-ambiente:

^_    4,66°`/\
C 23,62
(12.10)

C
d) Cálculo do fator de potência:

BC 
D
(12.11)

Cálculo da potência ativa fornecida por cada fonte:


A potência que cada fonte fornece ao circuito é a potência total dissipada no resistor de carga dividida
pelo número de fontes que fornecem energia ao circuito, que neste circuito devido a queima de um diodo,

  :(*A 6 5  34,306
apenas duas fontes fornecem energia ao circuito.

C   2941,23\
2 2
(12.12)

D  d  :*A  220  24,26  5337,2<


Cálculo da potência aparente
(12.13)

C 2941,23
BC    0,55
D 5337,2
(12.14)

13. Considere o circuito abaixo, que se encontra com o diodo D1 queimado, com tensão eficaz de
linha de 380V.
R=2Ω; L=100mH; E=350V; f=60Hz;

D1 D2 D3
V1(ωt
) R

V2(ωt
)
L

V3(ωt
)
E

D4 D5 D6

a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL, ID2 e VD2.
b) Calcular VLmed, ILmed, ILef, ID2med, ID2ef.

23
Solução:
a) Formas de onda
Devido a presença do diodo queimado, é necessário que a constante de tempo seja suficientemente
grande para que a corrente na carga não se anule durante o período em que se aplica tensão com menor valor
do que a fonte E na carga.
537,4·sen(ωt)=350
(13.1)
Θ1 = ωt = 40,64°
Sendo θ1 o ângulo em que a fonte de entrada torna-se maior do que a fonte E, e através das formas de
onda base para tensões de linha verifica-se que a falta de um diodo em ponte de Graetz implica num período
de 2.θ1 em que se tem a tensão da fonte de alimentação menor do que o da fonte E. Portanto

"
ωc=2.40,64°=81,28°=1,419 rad

5Q l

 "
5 l
 
0,1 1,419
(13.2)
5 l
2 377
0,25 l 3,76$
Condução contínua

400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V

500V
VL

250V

0V

0V
VD2

-250V

-500V

100A
IL
ID2
50A

-10A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(13.3)
45

24
Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o
ângulo de fim de condução do diodo.
Pode-se
568° 568°
2
()*+  G - 538,89 
/,012 % - 538,89 
/,012 I  428,84
2#
(13.4)
8° M8°

()*+ ;  428,84 ; 350


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    39,42<
 2
(13.5)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é contínua, e o tempo de 5τ é maior o suficiente que o tempo em que as fontes de

:(*A  :()*+  39,42<


entrada ficam com tensão menor que o da fonte E para considerar a corrente na carga uma constante. Então :
(13.6)

Cálculo da corrente de pico de D1 VD1:


XY  √2  √3  8  √2  380  537,4 (13.7)

Cálculo da corrente média no diodo:


Devido ao diodo queimado os diodos da parte superior conduzem em metade do período cada
enquanto os diodos da parte inferior conduzem um terço do periodo. Então:

:()*+ 39,42
Diodos superiores:

:X)*+    19,71<
2 2
(13.8)

:()*+ 39,42
Diodos inferiores:

:X)*+    13,14<
3 3
(13.9)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


Diodos superiores:
J
1 :(*A 39,42
:X*A T -0:(*A 16 2    27,87<
2# √2 √2
(13.10)
8

Diodos inferiores:
6J
H
T 1 :(*A 39,42
:X*A  - 0:(*A 16 2    22,76<
2# √3 √3
(13.11)
8

25
14. Considere o conversor abaixo com:
V(ωt)=225sen(ωt); f=50Hz;R=2Ω; L=9mH; E=10V;N1/N2=9.
D1

N2
L
V(ωt)
N1

N2
E

D2

a) Calcular o ângulo de extinção da corrente, βc e definir o modo de condução.


b) Traçar as formas de onda V(ωt), I(ωt), VL(ωt), IL(ωt) e ID1.
c) Calcule o valor da tensão média, corrente média e da corrente eficaz na carga.
d) A potência pode ser calculada por VLmed.ILmed? Justifique.

Solução:

a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:


Devido a presença de fonte E na carga o ângulo de início de condução do diodo deixa de ser α=0° e
passa a ser o ângulo em que a fonte de entrada tem seu valor maior que o da fonte E, polarizando
positivamente o diodo dando início a condução.
25·sen(ωt)=10
(14.1)

 10
α = Θ1 = ωt = 23,58°

a   0,40
√ 2   25
(14.2)

 314,16  9$

 cos      cos      0,577 W 0,6
 2
(14.3)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se:


α=23,58° a= 0,4 cosΦ=0,6 β= 200° (14.4)

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!"  % '
$
(14.5)

Para este circuito monofásico ponto médio tem-se m=2 e α= 23,58° logo,
βc=180+23,58=203,58° (14.6)
Neste circuito acontece um fato que deve ser levado em consideração, na obtenção do valor de β, existe
uma variação no valor de β que não pode ser calculada matematicamente. Esta variação decorre do fato de
que o ábaco de Puschlowski foi criado considerando que a tensão na carga se torna negativa, porém no circuito
de ponto médio no momento em que a tensão na carga ficaria negativa, o outro diodo entra em condução
forçando o bloqueio do diodo que estava em condução e coloca uma tensão positiva na carga porém ainda
menor que a fonte E. Esta mudança no valor de tensão causa uma variação na energia acumulada no indutor, o
que ocasiona uma variação no valor do ângulo de extinção de corrente, esta mudança pode fazer com que um
circuito onde se obtêm um valor de β pelo ábaco próximo ao de βc, mas menor, o que resultaria em condução
descontínua, na realidade possua uma condução contínua muito próxima a critica, que é o caso que será
considerado neste circuito.

26
b) Formas de onda:
400V
V(ωt)

0V

-400V

40V
VL

0V

-40V

50V
VD1

0V

-50V

5.0A
IL

0A

-5.0A

0.5A
I(wt)

0A

-0.5A
0 π 2π 3π 4π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(14.7)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o


ângulo de fim de condução do diodo.
5O8°
2
()*+  - 25 
/,012  15,91
2#
(14.8)

()*+ ;  15,91 ; 10
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    2,96<
 2
(14.9)

d) A potência não pode ser calculada por VLmed·ILmed devido a forma de onda de corrente ser
ondulada, o que significa que há a presença de harmônicas que não podem ser desconsideradas nos

C    :(*A 6 %   :()*+
cálculos.Assim a potencia na carga deveria ser calculada através de
(14.10)

27
15. Considere o conversor abaixo com o diodo D1 queimado e também não queimado:
R=5Ω; L=3H; E=62V; Vo=220; f=60Hz; rt=10mΩ, Vto=0,6V; Ta=30°C; Rca=46°C/W.
V1(ωt) D1

V2(ωt) D2

R
V3(ωt) D3

L D4

a) Calcule o ângulo de extinção da corrente, modo de condução e βc.


b) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL , VD2 e I2.
c) A tensão e corrente média na carga.
d) Calcule a temperatura na cápsula do diodo D2.

Para circuito sem diodo queimado:


Neste caso o diodo D4 nunca entrará em condução, pois nunca terá tensão negativa na carga.

Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:


Devido a presença da fonte é necessário verificar se o ângulo em que a fonte de entrada torna-se maior
do que o do valor da fonte E é maior ou menor do que 30° a fim de verificar a influência da fonte E no início de
condução do diodo.
311·sen(ωt)=62
Θ1 = ωt = 11,50° (15.1)

Como o ângulo em que a fonte de entrada ultrapassa o valor da fonte E é menor do que 30°(ângulo em
que uma fonte de entrada se torna a fonte com o maior valor de tensão do circuito forçando a condução do
diodo) se tem

 62
α=30°. (15.2)

a   0,2
√ 2   √2  220
(15.3)

 377  3

 cos      cos      0
 5
(15.4)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se:


α=30° a= 0,2 cosΦ=0 β= 271° (15.5)

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!"  % '
$
(15.6)

Para este circuito tem-se m=3 e α= 30° logo,


βc=120+30=150° (15.7)
Como β>βc é condução contínua.

28
b) Formas de onda

400V
V1(ωt)

V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V

400V
VL

200V

0V

VD2
0V

-250V

-500V

40A
IL
ID2

20A

0A
0 π 2π 4π3π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(15.8)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o


ângulo de fim de condução do diodo.
598°
3
()*+  - 311 
/,012  257,19
2#
(15.9)
H8°

()*+ ;  257,19 ; 62
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    39,03<
 5
(15.10)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é contínua, e β é maior que βc o suficiente para considerarmos a corrente na carga

:(*A  :()*+  39,03<


uma constante. Então :
(15.11)
Cálculo da corrente de pico no diodo VD:
XY  √2  √3  8  √2  √3  220  538,88 (15.12)
29
Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 39,3
No circuito trifásico o diodo conduz em 1/3 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    13,01<
3 3
(15.13)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


6J
H
T 1 :(*A 39,03
:X*A  - 0:(*A 16 2    22,53<
2# √3 √3
(15.14)
8

d) Resistência junção ambiente

C  Z  :X*A 6 % [.  :X)*+  10$  22,536 % 0,6  13,01  12,88\


Cálculo da potência dissipada no diodo:
(15.15)

]" ; ]_  "_  C i ]"  "_  C % ]_  46  12,88 % 30  622,48°`


Cálculo da temperatura de cápsula:
(15.16)

Com diodo queimado


a) Devido a presença do diodo queimado não é possível obter β através do ábaco de
Puschlowski, então a verificação de condução contínua é obtida através da constante de tempo. Onde o ângulo
ωc será igual ao intervalo em que o valor das duas fontes de entrada que entregam energia ao circuito
encontram-se com tensão abaixo do valor da fonte E.
311·sen(θ1)=62
(15.17)
Θ1 = 11,50°
Com um diodo queimado a carga teria tensão negativa em um período de 60°. Assim para que a carga tenha
tensão menor que da fonte E:

"
ωc = 60°+2.11,50° = 83° = 1,45rad

5Q l

 "
5 l
 
3 1,45
5 l
5 377
(15.18)

3 l 3,85$

É condução contínua

30
b) Formas de onda
Deve ser lembrado que no momento em que a tensão na carga se torna negativa o diodo D4 entra em
condução criando roda-livre na carga
400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V

400V
VL

200V

0V

0V
VD2

-250V

-600V

40A
IL
ID2

20A

0A
0 π 2π 3π 4π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(15.19)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo


de fim de condução do diodo.
598°
2
()*+  - 311 
/,012  184,73
2#
(15.20)

()*+ ;  184,73 ; 62
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    24,55<
 5
(15.21)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Sendo condução contínua, considera-se constante pois a constante de tempo é suficientemente maior

:(*A  :()*+  24,55


que o tempo em que as fontes de entrada estão com tensão menor que a fonte E na carga. Então:
(15.22)

Cálculo da corrente de pico dos diodos VDP:


XY  √2  √3  8  √2  √3  220  538,88 (15.23)

31
Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 24,55
Neste circuito cada diodo conduz em 1/2 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    12,28<
2 2
(15.24)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


J
1 :(*A 24,55
:X*A T -0:(*A 16 2    17,36<
2# √2 √2
(15.25)
8

d) Resistência junção ambiente

C  Z  :X*A 6 % [.  :X)*+  10$  17,366 % 0,6  12,28  10,38\


Cálculo da potência dissipada nos diodos:
(15.26)

]" ; ]_  "_  C i ]"  "_  C % ]_  46  10,38 % 30  507,48°`


Cálculo da temperatura na cápsula:
(15.27)

16. Considere o conversor abaixo onde V(ωt)=220sen(ωt)


E=60V; L=100mH; R=5Ω; f= 50Hz
D
1

L
V(ωt)

a) Calcule o ângulo de extinção da corrente e defina o modo de condução.


b) Apresente as formas de onda e calcule VLmed e ILmed..
c) Sendo E=0V e R= 20Ω, adicione em anti-paralelo com a carga um diodo e calcule o valor da
indutância para se obter condução crítica.
Solução:

a) Cálculo do ângulo de extinção da corrente β:


Com a presença de fonte E na carga, o ângulo de início de condução do diodo deixa de ser α=0° e passa
a ser o ângulo em que a fonte de entrada tem seu valor maior que o da fonte E, polarizando positivamente o
diodo, dando início a condução.
220·sen(ωt)=60
(16.1)

 60
α= Θ1 = ωt = 15,83°=0,276 rad

a   0,273 W 0,3
√ 2   220
(16.2)

 314,16  0,1



 cos      cos      0,157
 5
(16.3)

32
Utilizando-se do ábaco de Puschlowski e aplicando médias sucessivas se obtêm os seguintes valores:
Para a=0,2 cosΦ=0 β=274°
cosΦ=0,2 β=249°
cosΦ=0,1 β=261,5°
cosΦ=0,15 β=255,25°
Para a=0,4 cosΦ=0 β=236° (16.4)
cosΦ=0,2 β=221°
cosΦ=0,1 β=228,5°
cosΦ=0,15 β=224,75°
Para a=0,3 cosΦ=0,15 β=240°=4,19 rad

2. #
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente:

!" 
% '
$
(16.5)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução do diodo.


Para este circuito tem-se m=1 e α= 15,83°.
βc=360+15,83=375,83° (16.6)
Como βc>β tem-se condução descontínua.

b) Formas de onda:
400V
V(ωt)

0V

-400V

400V
VL

0V

-400V

0V
VD1

-200V

-400V

8.0A
IL

4.0A

0A
0 π 2π 3π 4π

Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46 4H
,
()*+  G - √2  . 
/,012 % - 2 I
2#
(16.7)
45 46

33
Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo
de fim de condução do diodo (extinção da corrente β) e θ3 o ângulo de reinício de condução do diodo.
678° 6JK8,6LM
1
()*+  G - 220 
/,012 % - 602 I  73,83
2·#
(16.8)
59,OH° 7,5N

()*+ ;  73,83 ; 60
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    2,77<
 5
(16.9)

c) Indutância necessária para condução critica Lc:


Colocando um diodo em anti-paralelo, torna-se o circuito em um circuito monofásico de meia onda com

#
roda livre, onde para que haja condução critica é necessário que

5Q 

(16.10)

Onde π é o ângulo em que se tem roda livre, ou seja, é o tempo em que o indutor se descarregará
através do resistor até a fonte de entrada voltar a carregar o indutor. ω é a freqüência angular e τ é a constante
de tempo do circuito dada por L/R.
Portanto para que haja condução contínua é necessário que o tempo de 5τ seja maior que o tempo em

#.  #. 20
que a fonte fica sem fornecer energia à carga. Logo.

   40$S
5 5.314,16
(16.11)

17. Para o retificador monofásico de onda completa com ponto médio abaixo.
R=2Ω; L=100mH; E=10V; V(ωt)=180sen(ωt); f=50Hz; rt=10mΩ; Vto=1V; Ta= 50°C; N1/N2=5
D
1
R

N
2
L
V(ωt) N
1
N
2 E

D
2

a) Calcular o ângulo de extinção da corrente, βc e definir o modo de condução.


b) Traçar as formas de onda VL, IL, v(ωt), i(ωt) e VD1.
c) Calcular VLmed e ILmed.
d) Calcule a temperatura na cápsula do componente sendo que Rthjc=1°C/W, Rthca=45°C/W.

Solução:

a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:


Para circuitos monofásicos tem-se:
Devido a presença de fonte E na carga o ângulo de início de condução do diodo deixa de ser α=0° e
passa a ser o ângulo em que a fonte de entrada tem seu valor maior que o da fonte E, polarizando
positivamente o diodo dando início a condução.
36sen(ωt)=10
(17.1)


α =Θ1 = ωt = 16,13°=0,281 rad

   0,278 W 3
√2  .
10
(17.2)
36

34
 314,16  100$


 cos      cos      0,05 W 0
 2
(17.3)

Através do ábaco de Puschlowski e fazendo médias sucessivas obtêm-se:


α=16,13° a=0,2 cosΦ=0 β=274°
a=0,4 cosΦ=0 β=236° (17.4)
a=0,3 cosΦ=0 β=255°

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!"  % '
$
(17.5)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução do diodo.


Para este circuito m=2 e α=16,13°.

logo,
βc=180+16,13°=196,13° (17.6)
Como βc<β tem-se condução contínua.

b) Formas de onda

200V
V(ωt)

0V

-200V
40V
VL

20V

0V

0V
VD1

-50V

-100V
10A
IL

0A

-10A
2A
I(wt)

0A

-2A
0 π 2π 3π 4π

35
c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:
46
,
()*+  G - √2  . 
/,012
2#
(17.7)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o


ângulo de fim de condução do diodo.
5O8°
2
()*+  G - 36 
/,012  22,87
2#
(17.8)

Cálculo da corrente média na carga ILmed:

()*+ ;  22,87 ; 10
:()*+    6,435<
 2
(17.9)

Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 6,435
Cada diodo conduz ½ do período total do ciclo:

:X)*+    3,22<
2 2
(17.10)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


J
1 :(*A 6,435
:X*A T -0:(*A 16 2    4,55<
2# √2 √2
(17.11)
8

d) Resistência junção ambiente

C  Z  :X*A 6 % [.  :X)*+  10$  4,556 % 1  3,22  3,4245\


Cálculo da potência dissipada no diodo:
(17.12)

]" ; ]_  "_  C i ]"  "_  C % ]_  45  3,4245 % 50  204,1°`


Cálculo da temperatura na cápsula do diodo:
(17.13)

18. Para o retificador trifásico com ponto médio da figura abaixo.


V1(ωt)=√2 220sen(ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt+120°); f= 60Hz; R=2Ω;
L=3000mH; E=100V; rt=10mΩ; Vto=1V; Ta=50°C.
V1(ωt) D1

V2(ωt) D2

R
V3(ωt) D3

a) Traçar as formas de onda VL(ωt), IL(ωt), ID2 e VD2.


b) Calcular VLmed, ILmed, ILef, IDmed, IDef. e VDP.
c) Calcular o fator de potência da fonte
d) Calcular o valor da resistência térmica entre junção e o ambiente para que o diodo D1 se
mantenha com uma temperatura inferior a 150°C.
36
Solução:
a) Formas de onda:
Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:

Devido a presença da fonte é necessário verificar se o ângulo em que a fonte de entrada torna-se maior
do que o do valor da fonte E é maior ou menor do que 30° a fim de verificar a influência da fonte E no início de
condução do diodo.

311·sen(ωt)=100
(18.1)
Θ1 = ωt = 18,76°
Como o ângulo em que a fonte de entrada ultrapassa o valor da fonte E é menor do que 30°(ângulo em
que uma tensão de linha se torna a maior no circuito forçando a condução dos diodos) se tem

 100
α=30°. (18.2)

a   0,321 W 0,3
√ 2   311
(18.3)

 377  3

 cos      cos      0
 2
(18.4)

Através do ábaco de Puschlowski e fazendo médias sucessivas obtêm-se:


α=30° a= 0,2 cosΦ=0 β= 274°
a= 0,4 cosΦ=0 β= 236° (18.5)
a= 0,3 cosΦ=0 β= 255°

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!" 
% '
$
(18.6)

Para este circuito monofásico de meia onda tem-se m=1 e α= 30° logo,
βc=120+30=150° (18.7)
Como β >βc tem-se condução contínua.
400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V

400V
VL

200V

0V

0V
VD2

-250V

-500V

80A
IL
ID2

40A

0A
0 π 2π 3π 4π

37
b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:
46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(18.8)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o


ângulo de fim de condução do diodo.
598°
3
()*+  - 311 
/,012  257,19
2#
(18.9)
H8°

()*+ ;  257,19 ; 100


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    78,65<
 2
(18.10)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é contínua, e β é maior que βc o suficiente para considerarmos a corrente na carga

:(*A  :()*+  78,65<


uma constante. Então:
(18.11)
Cálculo da corrente de pico de D1 VD1:
XY  √2  √3  8  √2  √3  220  538,88 (18.12)
Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 78,65
No circuito trifásico, cada diodo conduz em 1/3 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    26,22<
3 3
(18.13)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


6J
H
T 1 :(*A 78,65
:X*A  - 0:(*A 16 2    45,41<
2# √3 √3
(18.14)
8

C
c) Fator de potência:

BC 
D
(18.15)

C(    :(*A 6 %   :()*+  2  78,656 % 100  78,65  20236\


Cálculo da potência ativa na carga:
(18.16)

C( 20236
Mas como cada fonte contribui com 1/3 da potência total se tem:

Cb 
  6745,3\
3 3
(18.17)

D  *A  :*A  220  45,41  9990,2<


Cálculo da potência aparente da fonte de tensão:
(18.18)

6745,3
Cálculo do fator de potência:

BC   0,676
9990
(18.18)

d) Resistência junção ambiente:

C  Z  :X*A 6 % [.  :X)*+  10$  45,416 % 1  26,22  46,84\


Cálculo da potência dissipada por diodo:
(18.19)

]^ ; ]_  ^_  C
Cálculo da resistência junção-ambiente

]^ ; ]_ 150 ; 50
(18.20)

^_    2,135°`/\
C 46,84
(18.21)

38
19. Considere o conversor abaixo com:
R=10Ω; E=180V; Vo=220.
V1(ωt) D1

V2(ωt) D2

R
V3(ωt) D3

a) Traçar as formas de onda VL(ωt), IL(ωt), ID1 e VD1.


b) Calcular VLmed, ILmed, ILef, IDmed, IDef.
c) Calcular o fator de potência da fonte

Solução:
a) Formas de ondas

V1(ωt)
400V

V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V

400V
VL

200V

0V

0V
VD1

-250V

-500V

20A
IL

10A

0A
0 π 2π 3π 4π

b) Calculo da tensão média na carga VLmed:


46 4H
,
()*+  G - √2  . 
/,012 % - 2 I
2#
(19.1)

45 46

Onde n é o número de pulsos do conversor,θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo


de fim de condução do diodo (extinção da corrente β) e θ3 o ângulo de reinício de condução do diodo.

39
311·sen(ωt)=180
(19.2)
Θ1 = ωt = 35,36°=0,617 rad

Θ2=ωt=180-35,36=144,64°=2,524 rad (19.3)

Θ3=150+5,36=155,36°=2,712 rad (19.4)

577,M7° 6,L56
3
()*+  G - 311 
/,012 % - 1802I  258,27
2#
(19.5)
H9,HM° 6,967

()*+ ;  258,27 ; 180


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    7,83<
 10
(19.6)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


46 577,M7°
, √2  . 
/,01 ;  6 3 311 
/,01 ; 180 6
:(*A T -0 1 2  T - 0 1 2  9,03<
2#  2# 10
(19.7)
45 H9,HM°

Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 7,83
No circuito trifásico o diodo conduz em 1/3 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    2,61<
3 3
(19.8)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


6J
H
T 1 :(*A 9,03
:X*A  - 0:(*A 16 2    5,21<
2# √3 √3
(19.9)
8

C
c) Fator de potência:

BC 
D
(19.10)

C(    :(*A 6 %   :()*+  10  9,036 % 180  7,83  2224,81\


Cálculo da potência na carga:
(19.11)

C( 2224,81
Como cada fonte entrega 1/3 da potência total para a carga

Cb    741,6\
3 3
(19.12)

D  *A  :*A  220  5,21  1146,2<


Cálculo da potência aparente da fonte:

741,6
(19.13)

BC   0,647
1146,2
(19.14)

40
20. Sabendo que a variação da tensão admitida no circuito é de 24V à 26V e que a potência
consumida pelo mesmo é 5W.
Vo= 220 V; f=60Hz

a) Calcular e especificar o capacitor (C, Icef e Vmax)


b) Calcular e especificar o transformador (tensão eficaz entrada, tensão eficaz de saída e
potência aparente).

Solução:
a) Cálculo do capacitor

 $f, 24
Como deseja-se uma tensão de pico de 26V e uma tensão mínima no capacitor de 24V tem-se:

  0,923
gh 26
(20.1)

Pelo ábaco da figura 10.9 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi se obtêm ωRC=32

6  6 256
A resistência pode ser obtida através da potência que é desejada pelo microprocessador. Assim

C i   125@
 C 5
(20.2)

32
Portanto,

`  679,05kB
125.377
(20.3)

Calculo da corrente eficaz no capacitor:

:j*A .  2,8.26
Pelo ábaco da figura 10.10 do livro de Eletrônica de Potência 6 Edição de Ivo Barbi obtêm-se

 2,8 i :j*A   0,58<


gh 125
(20.4)

A tensão máxima do capacitor deve ser a tensão máxima desejada no circuito, ou seja
Vpk=26 (20.5)
b) Cálculo do transformador
Cálculo da potência aparente do transformador:
Através do ábaco figura 10.29 do livro de Eletrônica de Potência 6ª edição de Ivo Barbi se obtêm

C C 5
FP=0,45, portanto

BC  iD   11,11 <


D BC 0,45
(20.6)

26
Cálculo da tensão de saída do transformador:


  18,38
√2
(20.7)

f,  220
Cálculo da tensão de entrada do transformador
(20.8)
41
21. Considere a estrutura abaixo onde f=60Hz, rt=11mΩ, Vto=0,85V, Rthjc=2°C/W e Rthcd = 1°C/W,
Ta= 50°C. V1(ωt)=√2 110sen(ωt); V2(ωt)=√2 110sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 110sen(ωt+120°); L=130mH e R=10Ω.

D D D
V1(ωt
1 2 3
) R

V2(ωt
)
L

V3(ωt
)

D D D
4 5 6

a) Calcule o valor da tensão média na carga e da corrente média na carga.


b) Determine o valor da resistência térmica do dissipador para um dos diodos para que a
temperatura de junção se mantenha em 140°.
c) Caso o diodo D6 esteja com problemas (circuito aberto), esboce a forma de onda de tensão
na carga e calcule o valor médio da tensão na carga.

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
Para circuitos em ponte de Graetz tem-se:


α=60°. (21.1)

a 0
?2√3
(21.2)

 377  130$



 cos      cos      0,2
 10
(21.3)

Através do ábaco de Puschlowski e fazendo médias sucessivas obtêm-se:


α=60° a= 0 cosΦ=0,2 β= 300° (21.4)

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!"  % '
$
(21.5)

Para este circuito tem-se m=6 e α= 60° logo,


βc=60+60=120° (21.6)
Como βc<β tem-se condução contínua.

42
Formas de onda
200V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-200V

300V
VL

200V

100V

0V

0V
VD1

-200V

-400V

30A
IL

20A

10A

0A
0 π 2π 3π 4π

Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(21.7)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução de um par de diodos, θ2


é o ângulo de fim de condução do par de diodos.
568°
6
()*+  - √3  √2  110 
/,012  257,24
2#
(21.8)
M8°

()*+ ;  257,24
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    25,73<
 10
(21.9)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é contínua, e β é maior que βc o suficiente para considerarmos a corrente na carga

:(*A  :()*+  25,73<


uma constante. Então :
(21.10)
Cálculo da tensão de pico de D1 VD1:
XY  √2  √3  8  √2  √3  110  269,44 (21.11)
Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 25,73
No circuito trifásico o diodo conduz em 1/3 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    8,58<
3 3
(21.12)

43
Cálculo da corrente eficaz no diodo:
6J
H
T 1 :(*A 25,73
:X*A  - 0:(*A 16 2    14,86<
2# √3 √3
(21.13)
8

C  Z  :X*A 6 % [.  :X)*+  11$  14,866 % 0,85  8,58  9,71\


b) Cálculo da potência dissipada em um diodo
(21.14)

]^ ; ]_  ^_ . C
Cálculo da resistência junção ambiente:
(21.15)

]^ ; ]_ ]^ ; ]_ 140 ; 50
^_  ^" % "+ % +_e i +_e ; ^" ; "+e ; 2 ; 1  6,27°`/\
C C 9,71
(21.16)

c) Verificação da condução
Verificando as formas de onda base, verifica-se que na falta de um diodo a tensão na carga não ficará
negativa, o que resultará no mínimo em condução critica, mas devido a presença do indutor pode se dizer que
terá condução contínua.
200V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-200V

400V
VL

200V

0V

0V
VD1

-200V

-400V

40A
IL

20A

0A
0 π 2π 3π 4π

Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(21.17)
45
568° 568°
2
()*+  G - 269,44 
/,012 % - 269,44 
/,012I  214,41
2#
(21.18)
8° M8°

44
()*+ ;  214,41
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    21,44<
 10
(21.19)

22. Seja o circuito :


D1

V1(ωt)

R= 100Ω; L=500mH; Vo=220V; f=60Hz.


Calcular
a) Tensão média na carga
b) Corrente média na carga
c) O valor da corrente instantânea de carga quando ωt=π, no 1° semi-periodo.
d) Verificar se a condução é contínua ou descontínua.

Solução:

a) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(22.1)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do diodo D1, θ2 é o


ângulo de fim de condução do diodo D1 e entrada em condução do diodo de roda livre.
5O8°
1
()*+  - 311 
/,012  99,0
2#
(22.2)
8

()*+ ;  99
b) Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    0,99<
 100
(22.3)

c) Valor da corrente instantânea de carga quando ωt=π no primeiro semi-periodo:

√2  .
sabe-se que a formula da corrente no tempo para circuitos rl é dada por
mZ
f( 0#1  G
/,0# ; o1 ;
/,0;o1/ p I
>
(22.4)

Onde,
>  ?6 % 0  16  213,38@
 377.0,5
(22.5)

           62°
 100
(22.6)
mZ 4 Jr J588
/ p  / qp  / q(  / HLL8,9  / m5,MM  0,189 (22.7)

√2  220
Assim

f( 0#1  G
/,0# ; 62°1 ;
/,0;62°1  0,189I  1,53<
213,38
(22.8)

45
d) Verificação condução contínua

"
Como o circuito permanece em roda livre por π rad, tem-se ωc=π. Logo,

5Q l

#
5Q l

 #
5 l
 
0,5 #
(22.9)

5 l
100 377
25$ l 8,33$

Assim verifica-se que é condução contínua e pelos valores obtidos pode-se dizer que é contínua
ondulada.
400V
V (ωt)

0V

-400V

400V
VL

200V

-10V

0V
VD1

-200V

-400V

2.0A
IL

1.0A

0A
0 π 2π 3π 4π

23. Seja o retificador mostrado abaixo, onde V1=100V (pico); R= 10Ω e L=0,01H; f=60Hz. Calcular
VLmed, ILmed., potência absorvida pela carga e o FP da estrutura.
D1

V1(ωt)

46
Solução:

Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:


Para circuitos monofásicos tem-se:


Ângulo de início de condução α= 0

a 0
√2  
(23.1)

 377  0,01



 cos G   I  cos      0,94
 10
(23.2)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=0 a= 0 cosΦ=0,9 β=206°
cosΦ=1,0 β=180°
(23.3)
Fazendo uma média obtêm-se
α=0 a= 0 cosΦ=0,95 β=193°

2#
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

!" 
% '
$
(23.4)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução do diodo.


Para circuito monofásico de meia onda tem-se α=0 e m=1.
Βc=360° (23.5)
Como βc>β tem-se condução descontínua.

Formas de onda:

100V
V(ωt)

0V

-100V

100V
VL

0V

-100V

0V
VD1

-50V

-100V

10.0A
IL

5.0A

0A
0 π 2π 3π 4π

47
Cálculo da tensão média na carga VLmed:
46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(23.6)
45

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução e θ2 é o ângulo de fim


de condução do diodo.
5NH°
1
()*+  - 100 
/,012  31,42
2#
(23.7)
8

()*+ ;  31,42
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    3,14<
 10
(23.8)

Cálculo do fator de potência:


Para o cálculo do fator de potência é necessário o valor da corrente eficaz na carga é na fonte de tensão,
que neste caso é o mesmo para os dois.

 314,16  0,1


Sendo

           57,52°
 20
(23.9)

Utilizando o ábaco da Fig.2.8 do livro de Eletrônica de Potência 6ª edição de Ivo Barbi para correntes
normalizadas obtêm-se:
Ief=0,5A (23.10)
Portanto:
>  ?6 % 0  16  10,69@ (23.11)

√2  8  :*A 100  0,5


:(*A    4,68<
> 10,69
(23.12)

Potência dissipada na carga:


P=R·ILef2
(23.13)
P=10·4,68²=218,9 W
Potência dissipada na fonte:
S=Vef·Ief
(23.14)

C 218,9
S=70,71·4,68=330,93 VA

BC    0,66
D 330,93
(23.15)

24. Considere o retificador trifásico com ponto médio da figura abaixo. Sabe-se que o diodo D1
está queimado (aberto) e que:
V1(ωt)=√2 220sen(ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt+120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); f= 60Hz; R=10Ω;
L=800mH; D1=D2=D3=SKN 20/04, rt= 11mΩ, Vto=1V; Ta=30°C.
V1(ωt) D1

V2(ωt) D2

R
V3(ωt) D3

48
a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL e VD2.
b) Calcular VLmed, ILmed, ILef, VD1, IDmed, IDef.
c) Calcular o valor da resistência térmica entre junção e o ambiente para que o diodo D2 se
mantenha com uma temperatura de junção inferior à 150°C.

Solução:

a) Formas de onda
Verificação condução contínua
Devido a queima de um diodo a carga fica exposta a uma tensão negativa durante um tempo de 60°,

"
portanto ωc=60°=π/3 rad

5Q l

 #
5 l
 3. 
0,8 #
5 l
10 3  377
(24.1)

0,4 l 2,78$

É condução contínua
400V
V1(ωt)

V2(ωt)
V3(ωt)
0V

VL

400V
VL

0V

-400V

0V
VD2

-250V

-500V

20A
IL

10A

0A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


46
,
()*+  - √2  . 
/,012
2#
(24.2)
45

49
Onde n é o número de pulsos do conversor,θ1 é o ângulo de início de condução do diodo, θ2 é o ângulo
de fim de condução do diodo.
598°
2
()*+  - 311 
/,012  171,53
2#
(24.3)
mH8°

()*+ ;  171,53
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

:()*+    17,15<
 10
(24.4)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:


Como a condução é contínua, e a constante de tempo é grande o suficiente para considerarmos a

:(*A  :()*+  17,15<


corrente na carga uma constante. Então :
(24.5)
Cálculo da tensão de pico de D2 VD2:
XY  √2  √3  8  √2  √3  220  538,88 (24.6)
Cálculo da corrente média no diodo:

:()*+ 17,15
Neste circuito o diodo conduz em 1/2 do tempo total do ciclo. Então:

:X)*+    8,575<
2 2
(24.7)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


J
1 :(*A 17,15
:X*A T -0:(*A 16 2    12,13<
2# √2 √2
(24.8)
8

C  Z  :X*A 6 % [.  :X)*+  11$  12,136 % 1  8,575  10,19\


c) Cálculo da potência dissipada no diodo:
(24.9)

]^ ; ]_ 150 ; 30
Cálculo da resistência junção-ambiente

^_    11,78°`/\
C 10,19
(24.10)

50
@budinovich

1) Considere o circuito da figura abaixo onde


V1(ωt)=√2 220sen(ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt+120°);
f=60Hz R=50Ω E=325V α=60° L=304mH.

T1 T2 T3

L
V1

V2

E
V3
T4 T5 T6

a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL e I1.


b) Calcule o valor da tensão média e da corrente média na carga.

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
É necessário verificar se a tensão em 60°+α é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para
se verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
538,88·sen(120)=466,68 (1.1)
Como a tensão em α+60° é maior que a fonte E tem-se:

1 =60+60=120° (1.2)
 325
a   0,6
√3  √2   √3  √2  220
(1.3)

 377  0,304


  cos     cos     0,4
 50
(1.4)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=120° a= 0,6 cosΦ=0,4 β=161° (1.5)

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(1.6)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=120° e m=6.
Βc=180° (1.7)
Como β< βc , é condução descontínua.

1
400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt) 0V

-400V
600V
VL

300V

0V

800mA
IL

400mA

0A
400mA
I1
0A

-400mA
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35 34
,
()*+  - . √2  √3   /,012 & . 26
2$
(1.8)
37 35

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de


condução do tiristor e θ3 é o ângulo de reinicio de condução do tiristor.
7:7° 4,78
6
()*+  - . √2  √3  220  /,012 & . 3252 6  331,68
2$
(1.9)
75;° 5,97

()*+ ?  331,68 ? 325


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    133,6%@
 50
(1.10)

2) O retificador da figura abaixo é um carregador de baterias que será utilizado para carregar um
conjunto conectado em série de seis (06) baterias de 12V. com resistência série de 0,333Ω cada onde:

V1(ωt)=127. 2 .sen(ωt); f=50Hz; α=15°; rT=rD=11mΩ,VTo=1V, Ta=40°C

T1 T2
R

V1

D3 D4 E

a) Traçar as formas de onda V1, I1, VL, IL, IT1 e ID3.

2
b) Calcular a tensão média e a corrente média na carga.
c) Qual o fator de potência da estrutura?
d) Calcular a resistência térmica junção ambiente para que a temperatura de junção do tiristor T1 seja
menor que 160°C.

Solução:
a) Formas de ondas
200V
V1
0V

-200V
200V
VL
100V

0V
100A
IL
0A

-100A
100A
I1
0A

-100A
100A
IT1
1 0A
ID3
-100A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35 34
,
()*+  - . √2    /,012 & . 2 6
2$
(2.1)
37 35

Onde n é o número de pulsos do conversor,θ1 é o ângulo de início de condução do tiristor, θ2 é


o ângulo de fim de condução do tiristor (extinção da corrente β) e θ3 o ângulo de reinício de condução
do tiristor.
Se o valor do ângulo em que a tensão de entrada torna-se igual ao da fonte E for maior que o valor de
α1, o circuito se comporta como um circuito a diodos.
180·sen(ωt)=72
(2.2)
Θ1 = ωt = 23,57°=0,411 rad
Assim o circuito funcionará como um circuito a diodos.
Θ2=ωt=180-23,57=156,43°=2,730 rad (2.3)

Θ3=180+23,57=203,57°=3,553 rad (2.4)

3
7A:,84° 4,AA4
2
()*+  - . 180  /,012 & . 722 6  123,89
2$
(2.5)
54,AB° 5,B4;

()*+ ?  123,89 ? 72
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    25,95@
 2
(2.6)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:

35 7A:,84°
, √2    /,01 ?  5 2 180  /,01 ? 72 5
>(*D E .0 1 2  E . 0 1 2  33,31@
2$  2$ 2
(2.7)
37 54,AB°

G
c) Fator de potência:

FG 
H
(2.8)

Cálculo da potência na carga:


G(    >(*D 5 &   >()*+  2  33,315 & 72  25,95  4089I (2.9)

Cálculo da potência aparente da fonte:

H  *D  >*D  127,27  33,31  4239,36@


A corrente eficaz na fonte é a mesma da carga.

4089
(2.10)

FG   0,966
4230,37
(2.11)

>()*+ 25,95
d) Resistência junção ambiente:

>J)*+    12,98@
2 2
(2.12)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


5L
5
1 >(*D 33,31
>K*D  E . 0>(*D 15 2    23,55@
2$ √2 √2
(2.13)
;

Cálculo da potência dissipada por tiristor:


G  M  >J*D 5 & J  >J)*+  11%  23,555 & 1  12,98  19,08I (2.14)

NO ? NP  OP  G
Cálculo da resistência junção-ambiente

NO ? NP 160 ? 40
(2.15)

OP    6,29°Q/I
G 19,08
(2.16)

4
3) Considere o circuito da figura abaixo onde:

V1(ωt)=110sen(ωt); V2(ωt)=110sen(ωt-120°); V3(ωt)=110sen(ωt+120°);


f=60Hz R=5Ω E=76V α=45° L=80mH.

T1 T2 T3

L
V1

V2

E
V3
D4 D5 D6

a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL, VT1, IT1.e I1.
b) Calcule o valor da tensão média e da corrente média na carga.
c) Calcule a temperatura na cápsula de um dos diodos sabendo que:
Rthjc=1°C/W, Rthcd=2°C/W, Rthda=3,5°C/W,rT=10mΩ,VTo=1V, Ta=50°C

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
É necessário verificar se a tensão em 60°+α é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para
se verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
190,52·sen(105)=184,03 (3.1)
Como a tensão em α+60° é maior que a fonte E tem-se:

1 =60+45=105° (3.2)
 76
a   0,4
√3  √2   √3  110
(3.3)

 377  80%


  cos     cos     0,16 S 0,2
 5
(3.4)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=105° a= 0,4 cosΦ=0,2 β=196° (3.5)

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(3.6)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=105° e m=6.
Βc=165° (3.7)

5
Como β> βc , é condução contínua.

200V
V1(ωt)
V2(ωt) 0V
V3(ωt)

-200V

200V
VL
100V

0V

200V
VT1
0V

-200V

20A
IL
10A

0A

20A
I1
0A

-20A
I1
20A
IT1
0A

-20A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35 38
,
()*+  - . √2  √3   /,012 & . √2  √3   /,012 6
2$
(3.8)
37 34

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução (α1), θ2 é o ângulo de


fim de condução dos diodos, θ3 é o ângulo de inicio de condução dos diodos e θ4 é o ângulo de fim de
condução do tiristor.
75;° 7:A°
3
()*+  - . √3  110  /,012 & . √3  110  /,012 6  155,43
2$
(3.9)
7;A° :;°

()*+ ?  155,43 ? 76
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    15,86@
 5
(3.10)

>()*+ 15,86
c) Resistência junção ambiente:

>K)*+    5,29@
3 3
(3.11)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


Considerando ILmed=ILef
5L
4
E 1 >(*D 15,86
>K*D  . 0>(*D 15 2    9,16@
2$ √3 √3
(3.12)
;

6
Cálculo da potência dissipada por tiristor:
G  M  >J*D 5 & J  >J)*+  10%  9,165 & 1  5,29  6,126I (3.13)
Cálculo da resistência junção-ambiente
N# ? NP  #P  G U N#  6,126  5,5 & 50  83,693°Q (3.14)

4) Considere o circuito da figura abaixo onde o tiristor 1 não recebe pulso de comando:

V1(ωt)=√2 220sen(ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt+120°);


f=60Hz R=5Ω E=60V α=45° L=500mH.

T1 T2 T3

L
V1

V2

E
V3
T4 T5 T6

a) Determine qual o modo de operação deste conversor. Justifique sua resposta(explique)


b) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL, VT2, IT2 e I2.
c) Calcule o valor da tensão média e da corrente média na carga.
d) Calcule a resistência térmica cápsula ambiente do Tiristor T2, sabendo que:
Rthjc=1°C/W, rT=10mΩ,VTo=1V, Ta=50°C, Tc=150°C

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
Considerando todos os tiristores em condução
É necessário verificar se a tensão em 60°+α é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para
se verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
538,88·sen(105)=520,52 (4.1)
Como a tensão em α+60° é maior que a fonte E tem-se:

1 =60+45=105° (4.2)
 60
a   0,11
√3  √2   √3  311
(4.3)

 377  0,5


  cos     cos     0,02 S 0
 5
(4.4)

7
Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:
α=105° a= 0,0 cosΦ=0 β=255°
α=105° a= 0,2 cosΦ=0 β=226°
(4.5)
α=105° a= 0,1 cosΦ=0 β=240,5°

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(4.6)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=105° e m=6.
Βc=165° (4.7)
Como β> βc, seria condução contínua, mas é necessário verificar a influencia do tiristor que não recebe
comando.
Devido à falta de um tiristor é necessário que haja condução até 285°. Com β=240 poderia se dizer que
há condução descontínua, porém quando chega-se a 225° o circuito entra em roda livre o que faz com
que a energia armazenada no indutor faça com que o circuito permaneça em condução por um tempo
maior, que neste caso pode se dizer que há condução contínua.
b) Formas de onda
400V
V1(ωt)
V2(ωt) 0V
V3(ωt)
-400V

600V
VL
0V

-600V

600V
VT2
0V

-600V

40A
IL
20A

0A

40A
IT2
0A

-40A

40A
I2
0A
-40A
0 π 2π 3π 4π

8
c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:
35 38
1
()*+  -3 . √2  √3   /,012 & . √2  √3   /,012 6
2$
(4.8)
37 34

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução (α1), θ2 é o ângulo de


fim do pulso, θ3 é o ângulo de inicio de condução e θ4 é o ângulo em que há o inicio de roda livre
7:A° 55A°
1
()*+  -3  . √3  311  /,012 & . √3  311  /,0126  220,5
2$
(4.9)
7;A° 7;A°

()*+ ?  220,5 ? 60
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    32,09@
 5
(4.10) )

d) Resistência junção ambiente de T2:

>()*+ 32,09
O tiristor T2 conduz 1/3 do período e o tiristor T3 conduz 2/3 do periodo

>J5)*+    10,7@
3 3
(4.11)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


Considerando ILmed=ILef
5L
4
E 1 >(*D 32,09
>J*D  . 0>(*D 15 2    18,53@
2$ √3 √3
(4.12)
;

Cálculo da potência dissipada por tiristor:


G  M  >J*D 5 & J  >J)*+  10%  18,535 & 1  10,7  14,13I (4.13)
Cálculo da resistência junção-ambiente
N# ? NP  #P  G
N# ? NP 150 ? 50
(4.14)

#P    7,08°Q/I
G 14,13
(4.15)

5) O retificador da figura abaixo é um carregador de baterias onde:

V1(ωt)=180.sen(ωt); f=60Hz; α=45°; rT=rD=11mΩ,VTo=1V, Ta=40°C


R=2Ω; E=36V; L=1000mH

R
T1 T2

V1

D3 D4 E

9
a) Traçar as formas de onda V1, I1, VL, IL, VT2 e ID3.
b) Calcular a tensão média e a corrente média na carga.
c) Qual o fator de potência da estrutura?
d) Calcular a resistência térmica junção ambiente para que a temperatura de junção do diodo D3 seja
menor que 160°C.

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:

É necessário verificar se a tensão em α é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para se
verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
180·sen(45)=127,28 (5.1)
Como a tensão em α é maior que a fonte E tem-se:

1 =45° (5.2)
 36
a   0,2
√2   180
(5.3)

 377  1
  cos     cos     0
 2
(5.4)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=45° a= 0,2 cosΦ=0 β=266° (5.5)

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(5.6)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=45° e m=2.
Βc=225° (5.7)
Como β> βc , é condução contínua.
Lembrando-se que este circuito entra em roda livre no momento em que apareceria tensão negativa na
carga.

10
200V
V1
0V

-200V

200V
VL
0V

-200V

200V
VT2
0V

-200V

40A
IL
20A

0A

40A
ID3
20A

0A

40A
I1
0A

-
40A 0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35
,
()*+  - . √2   /,0126
2$
(5.8)
37

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução (α1), θ2 é o ângulo em


que se inicia a condução por roda livre.
79;°
2
()*+  - . 180  /,0126  97,81
2$
(5.9)
8A°

()*+ ?  97,81 ? 36
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    30,905@
 2
(5.10)

G
c) Fator de potência:

FG 
H
(5.11)

Cálculo da potência na carga:


Considerando ILef=ILmed.
G(    >(*D 5 &   >()*+  2  30,9055 & 36  30,905  3022,8I (5.12)
A corrente eficaz na fonte não é a mesma da carga devido a condução de roda livre que acontece no
circuito. Assim calcula-se

11
35
,
>*D E . 0>(*D 15 2
2$
(5.15)
37

Onde n é o número de pulsos do circuito,θ1 é o ângulo de inicio de condução dos tiristores (α1) e θ2 é o
ângulo em que há inicio de condução em roda livre.
L
2
>*D E . 030,90515 2  26,76@
2$
(5.15)
;,5AL

H  *D  >*D  127,27  26,76  3405,74@


Cálculo da potência aparente da fonte:

3022,8
(5.15)

FG   0,887
3405,74
(5.16)

>()*+ 30,905
d) Resistência junção ambiente:

>K)*+    15,45@
2 2
(5.17)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


5L
5
1 >(*D 30,905
>K*D  E . 0>(*D 15 2    21,85@
2$ √2 √2
(5.18)
;

Cálculo da potência dissipada por diodo:


G  M  >K*D 5 & J  >K)*+  11%  21,855 & 1  15,45  20,70I (5.19)

NO ? NP  OP  G
Cálculo da resistência junção-ambiente

NO ? NP 160 ? 40
(5.20)

OP    5,796°Q/I
G 20,70
(5.21)

6) Considere o circuito da figura abaixo:

V1(ωt)= √2 220sen (ωt); α=15°;


R=5Ω E=240V

T1

V1

a) Traçar as formas de onda V1, VL, IL, VT1.


b) Calcule o ângulo de extinção de corrente , o modo de condução, a máxima tensão positiva e a
máxima tensão negativa no tiristor.
c) Calcular a tensão média e a corrente média na carga.

12
Solução:
a) Formas de ondas
400V
V1
0V

-400V

400V
VL
200V

0V

0V
VT1

-300V

-600V

IL
10A

0A
0 π 2π 3π 4π

311·sen(ωt)=240
(6.1)
Θ1 = ωt = 50,50°=0,882 rad

Assim o circuito se comportará como um circuito a diodos.


240 β=Θ2=ωt=180-50,50°=129,5°=2,26 rad (6.2)

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(6.3)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=15° e m=1.
Βc=375° (6.4)
b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:
35 34
,
()*+  - . √2    /,012 & . 2 6
2$
(6.5)

37 35

Onde n é o número de pulsos do conversor,θ1 é o ângulo de início de condução do tiristor, θ2 é


o ângulo de fim de condução do tiristor (extinção da corrente β) e θ3 o ângulo de reinício de condução
do tiristor.
Se o valor do ângulo em que a tensão de entrada torna-se igual ao da fonte E for maior que o valor de
α1, o circuito se comporta como um circuito a diodos.
Θ1 = 50,5°=0,882 rad (6.6)

13
Θ2=129,5°=2,260 rad (6.7)
Θ3=360+50,50=410,5°=7,16 rad (6.8)
75V,A° B,7:
1
()*+  - . 311  /,012 & . 2402 6  250,3
2$
(6.9)
A;,A° 5,5:

()*+ ?  250,3 ? 240


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    2,06@
 5
(6.10)

7) Considere o retificador:

V1 T1

V2 T2
R

V3 T3

V1(ωt)= √2 220sen (ωt); α=15°;


R=1Ω E=250V
a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL e VT2.
b) Calcular a tensão média e a corrente média na carga.
c) Qual o fator de potência da estrutura?
Solução:
a) Formas de ondas
400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V

400V
VL

200V

0V

0V
VT2

-300V

-600V

100A
IL

0A
0 π 2π 3π 4π

14
b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:
35 34
,
()*+  - . √2    /,012 & . 2 6
2$
(7.1)

37 35

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do tiristor, θ2 é


o ângulo de fim de condução do tiristor (extinção da corrente β) e θ3 o ângulo de reinício de condução
do tiristor.
Se o valor do ângulo em que a tensão de entrada torna-se igual ao da fonte E for maior que o valor de
α1, o circuito se comporta como um circuito a diodos.
311·sen(ωt)=250
(7.2)
Θ1 = ωt = 53,5°=0,934 rad
Assim o circuito funcionará como um ciruito a diodos.
Θ2=ωt=180-53,5=126,5°=2,208 rad (7.3)

Θ3=120+53,5=173,5°=3,028 rad (7.4)


75:,A° 4,;59
3
()*+  - . 311  /,012 & . 25026  274,53
2$
(7.5)
A4,A° 5,5;9

()*+ ?  274,53 ? 250


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    24,53@
 1
(7.6)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:

35 75:,A°
, √2    /,01 ?  5 3 311  /,01 ? 250 5
>(*D E .0 1 2  E . 0 1 2  34,57@
2$  2$ 1
(7.7)
37 A4,A°

G
c) Fator de potência:

FG 
H
(7.8)

Cálculo da potência na carga:


G(    >(*D 5 &   >()*+  1  34,575 & 250  24,53  7327,6I (7.9)
Cálculo da potência aparente da fonte:
5L
4
E 1
>*D  . 034,5715 2  19,96@
2$
(7.10)
;

H  3  *D  >*D  3  220  19,96  13173,6@


7327,6
(7.11)

FG   0,556
13173,6
(7.12)

15
8) O retificador da figura abaixo é um carregador de baterias onde:

V1(ωt)=311sen(ωt); f=50Hz; α=60°; rT=rD=11mΩ,VTo=1V, Ta=40°C


R=1Ω; E=124V; L=76,5mH

T1 T2 R

V1

E
T3 T4

a) Traçar as formas de onda V1, I1, VL, IL.


b) Calcular o ângulo de extinção da corrente, a tensão média e a corrente média na carga.
c) Coloque um diodo em antiparalelo com a carga e calcule o ângulo de disparo para que a bateria seja
carregada com 50ª de ILmed:
d) Considere a condição obtida no item C e calcule o FP
e) Calcular a resistência térmica junção ambiente para que a temperatura de junção do diodo em anti-
paralelo seja menor que 160°C.

Solução
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
É necessário verificar se a tensão em α é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para se
verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
311·sen(60°)=269,33 (8.1)
Como a tensão em α é maior que a fonte E tem-se:

1 =60° (8.2)
 124
a   0,4
√2   311
(8.3)

 314,16  76,5%


  cos     cos     0,04 S 0
 1
(8.4)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=60° a= 0,4 cosΦ=0 β=228° (8.5)

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(8.6)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=60° e m=2.
Βc=240° (8.7)
Como β< βc , é condução descontínua.

16
400V

V1

0V

-400V

500V
VL

0V

-500V

1.00A
IL

0.50
A

0A
1.0A
I1

0A

-1.0A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35 34
,
()*+  - . √2   /,012 & . 2 6
2$
(8.8)
37 35

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de


condução do tiristor e θ3 é o ângulo de reinicio de condução do tiristor.
559° 8,7V
2
()*+  - . 311  /,012 & . 124  2 6  124,03
2$
(8.9)
:;° 4,V9

()*+ ?  124,03 ? 124


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    30%@
 1
(8.10)

()*+ ? 
c) Para que ILmed=50A tem –se

>()*+  U %/2  >%/2   &   50  1 & 124  174



(8.11)

Considerando condução contínua e utilizando a seguinte expressão para tensão média se


obtêm o ângulo α.
Devido ao diodo colocado em anti-paralelo com a carga a tensão permanecerá em zero de π até π+α.

L
2
()*+  -. 311  /,0126
2$
W
311
174  -cos01 ? cos0 π16
(8.12)
$
  40,74°=0,711 rad

17
G
d) Fator de potência:

FG 
H
(8.13)

Cálculo da potência na carga:


Considerando condução contínua e constante devido à presença do diodo de roda livre.
G(    >(*D 5 &   >()*+  1  505 & 124  50  8700I (8.14)
A corrente eficaz na fonte não é a mesma da carga devido à condução de roda livre que acontece no
circuito. Assim calcula-se

35
,
>*D E . 0>(*D 15 2
2$
(8.15)
37

Onde n é o número de pulsos do circuito,θ1 é o ângulo de inicio de condução dos tiristores (α1) e θ2 é o
ângulo em que há inicio de condução em roda livre.

L
2
>*D E . 05015 2  43,98@
2$
(8.16)
;,B77

H  *D  >*D  220  43,98  9675,6@


Cálculo da potência aparente da fonte:

8700
(8.17)

FG   0,899
9675,6
(8.18)

e) Resistência junção ambiente:


Cálculo da corrente eficaz no diodo:
;,B77
2
>K)*+  . 05012  11,32@
2$
(8.19)
;

Cálculo da corrente eficaz no diodo:

;,B77
2
>K*D E . 05015 2  23,79@
2$
(8.20)
;

Cálculo da potência dissipada diodo:


G  M  >K*D 5 & J  >K)*+  11%  23,795 & 1  11,32  17,55I (8.21)

NO ? NP  OP  G
Cálculo da resistência junção-ambiente

NO ? NP 160 ? 40
(8.22)

OP    6,84°Q/I
G 17,55
(8.23)

18
9) Considere o circuito da figura abaixo onde:

V1(ωt)= 220sen(ωt); V2(ωt)= 220sen(ωt-120°); V3(ωt)= 220sen(ωt+120°);


f=60Hz R=5Ω E=60V α=30° L=500mH.

T1 T2 T3

L
V1

V2

E
V3
T4 T5 T6

a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL, VT1.


b) Calcule o valor do ângulo de disparo dos tiristores para que a corrente média na carga seja 30A
c) Considere a situação do item “b” e calcule a Tc de um dos diodos sabendo que:
Rthjc=1°C/W, Rthcd=2°C/W, Rthda=2,5°C/W, rT=10mΩ,VTo=1V, Ta=40°C.

Solução
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
É necessário verificar se a tensão em α+ 60° é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para
se verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
381·sen(90°)=381 (9.1)
Como a tensão em α é maior que a fonte E tem-se:

1 =30+60=90° (9.2)
 60
a   0,157
√3  √2   381
(9.3)

 377  0,5


  cos     cos     0,03 S 0
 5
(9.4)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=90° a= 0,2 cosΦ=0 β=239° (9.5)

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(9.6)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=90° e m=6.
Βc=150° (9.7)

19
Como β> βc , é condução contínua.

400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V
400V
VL

0V

-400V
400V
VT1

0V

-400V
30A
IL
20A

10A

0A
0 π 2π 3π 4π

()*+ ? 
b) Para que ILmed=30A tem –se

>()*+  U %/2  >%/2   &   30  5 & 60  210



(9.8)

Considerando condução contínua e utilizando a seguinte expressão para tensão média se


obtêm o ângulo α.

()*+  2,34    cos 01


210  2,34  155,56  cos 016
  54,77°=0,956 rad
(9.9)

c) Temperatura de cápsula:

>()*+ 30
Cálculo da corrente eficaz no tiristor:

>J)*+    10@
3 3
(9.10)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


5L
4
E 1 >(*D 30
>J*D  . 0>(*D 15 2    17,32@
2$ √3 √3
(9.11)
;

Cálculo da potência dissipada no tiristor:


G  M  >J*D 5 & J  >J)*+  10%  17,325 & 1  10  13,0I (9.12)

20
Cálculo da temperatura de cápsula:
N# ? NP  #P  G U N#  4,5  13,0 & 40  98,5 (9.13)

10) Considere o conversor da figura abaixo onde:

N1/N2=1 R=10Ω; L=50mH; f=60Hz; α=45° V1=√2 220sen (ωt)

a) Calcule o ângulo de extinção da corrente e determine o modo de condução.


b) Traçar as formas de onda de V1, VL, IL, VT2.
c) Calcular a tensão média e a corrente média na carga.

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:

1 =45° (10.1)

a 0
√2  
(10.2)

 377  50%


  cos     cos     0,47
 10
(10.3)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=45° a= 0 cosΦ=0,4 β=251°
α=45° a= 0 cosΦ=0,6 β=233°
(10.4)
α=45° a= 0 cosΦ=0,5 β=242°
α=45° a= 0 cosΦ=0,45 β=246,5°

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(10.5)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=45° e m=2.
Βc=225° (10.6)
Como β> βc , é condução contínua.

21
400V

V1

0V

-400V
400V

VL

0V

-400V

800V
VT2
400V

0V

-400V

-800V
20A
IL

10A

0A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35
,
()*+  - . √2   /,0126
2$
(10.7)
37

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de


condução do tiristor.
55A°
2
()*+  - . 311  /,0126  140,0
2$
(10.8)
8A°

()*+ ?  140
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    14@
 10
(10.9)

11) Considere o retificador:

V1 T1

V2 T2
R

V3 T3 L

22
V1(ωt)= √2 220sen (ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt+120°);
α=45°; f=60Hz
R=5Ω; L=80mH; E=120V
a) Determinar o modo de condução.
b) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL, VT1 e IT1.
c) Calcular a tensão média e a corrente média na carga.
d) Calcular a corrente média e eficaz no tiristor 1.
Solução:

a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:


É necessário verificar se a tensão em α+ 30° é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para
se verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
311·sen(75°)=300,4 (11.1)
Como a tensão em α é maior que a fonte E tem-se:

1 =30+45=75° (11.2)
 120
a   0,386 S 0,4
√2   311
(11.3)

 377  80%


  cos     cos     0,16
 5
(11.4)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=75° a= 0,4 cosΦ=0,0 β=220°
α=75° a= 0,4 cosΦ=0,2 β=212°
α=75° a= 0,4 cosΦ=0,1 β=216° (11.5)
α=75° a= 0,4 cosΦ=0,15 β=214°

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(11.6)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=75° e m=3.
Βc=195° (11.7)
Como β> βc , é condução contínua.

23
b) Formas de onda.
400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt) 0V

-400V
400V
VL

0V

-400V
600V
VT1
300V
0V
-300V
-600V
20A
IL
10A

0A
20A
IT1
0A

-20A
0 π 2π 3π 4π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35
,
()*+  - . √2   /,0126
2$
(11.8)
37

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução (α1), θ2 é o ângulo de


fim de condução do tiristor.
7VA°
3
()*+  - . 311  /,0126  181,86
2$
(11.9)
BA°

()*+ ?  181,86 ? 120


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    12,37@
 5
(11.10)

>()*+ 12,37
d) Cálculo da corrente média no tiristor:

>J)*+    4,12@
3 3
(11.11)

Cálculo da corrente eficaz no tiristor:


Considerando ILmed=ILef
5L
4
E 1 >(*D 12,37
>J*D  . 0>(*D 15 2    7,14@
2$ √3 √3
(11.12)
;

24
12) Para o circuito abaixo determine:

V1 T1

D2

V2

V3 T3 R

V1(ωt)= √2 220sen (ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt+120°);


α=45°; f=60Hz
R=20Ω;
a) Traçar as formas de onda VL, VD2, IL, ID2 e IT1.
b) Calcular VLmed, ILmed e VDmed.
c) Calcular o FP da fonte1.

Solução:
Como α1 >30° com carga apenas resistiva tem-se condução descontinua.

400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt) 0V

-400V
400V
VL
200V

0V
0V
VD2
-300V

-600V
20A
IL
10A

0A

20A
IT1
10A

0A

20A
ID2

0A
0 π 2π 3π 4π

25
b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:
Neste circuito a integral de cálculo da tensão média na carga é dividido em 3 partes:
35 38 3:
,
()*+  - . √2   /,012 & . √2   /,012 & . √2   /,0126
2$
(12.1)
37 34 3A

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do tiristor T1, θ2 é o


ângulo de fim de condução do tiristor T1, θ3 é o ângulo de início de condução do diodo D2, θ4 é o ângulo
de fim de condução do diodo D2, θ5 é o ângulo de início de condução do tiristor T3, θ6 é o ângulo de fim
de condução do tiristor T3,.
7A;° 79;° 79;°
1
()*+  - . 311  /,012 & . 311  /,012 & . 311  /,0126
2$
BA° 4;° BA°
(12.2)

()*+ 210,35V

()*+ ?  210,35
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    10,52@
 20
(12.3)

Neste circuito a integral de cálculo da tensão média na carga é dividido em 4 partes:

7VA° 44;°
1
)*+  - . 311  /,012 & . √3  311  /,012
2$
79;° 55A°
47A° 4:;°
(12.4)

& . 311  /,012 & . √3  311  /,0126  ?183,6


4;;° 59A°

Onde os ângulos são obtidos analisando o gráfico da tensão no diodo, considerando sempre os
limitantes referentes ao seno que a tensão no diodo representa, lembrando-se que nos momentos onde
há condução nas outras fases existe tensão de linha aplicada sobre o diodo e quando não há condução é
aplicado tensão de fase sobre os diodos.

G
d) Fator de potência:

FG 
H
(12.4)

Cálculo da potência na carga:


Para o cálculo do fator de potência da fonte 1 é necessário verificar a corrente eficaz que a fonte 1
entrega a carga. Assim calcula-se

35
1 √2 · 
>*D E .0 · /,0115 2
2$ 
(12.5)
37

Onde θ1 é o ângulo de inicio de condução do tiristor (α1) e θ2 é o ângulo em que há o fim de condução
do tiristor T1.

26
7A;°
1 311
>7*D E . - · /,0165 2  6,2@
2$ 20
(12.6)
BA°

Assim a potência na carga suprida pela fonte 1 será


G(7    >7*D 5  20  6,25  768,8I (12.7)

H  *D  >7*D  220  6,2  1364@


Cálculo da potência aparente da fonte:

768,8
(12.8)

FG   0,564
1364
(12.9)

13) Uma máquina de corrente contínua com excitação independente de 100Hp, 600V e1800 rpm é
alimentada pelo retificador da figura abaixo com uma tensão de linha com valor eficaz de 480V
e freqüência 60Hz. Os parâmetros da máquina são: ra=0,1Ω, La=5mH, rΦ=0,3V/rpm e Ea= rΦ.n.
Sendo que a corrente nominal de armadura é 130ª

T1 T2 T3

L
V1

V2

E
V3
T4 T5 T6

Considerando a máquina funcionando como motor a 1500rpm e que a ondulação de corrente na


máquina é desprezível.
a) Calcule o valor do ângulo de disparo dos tiristores .
b) Calcule o valor do fator de potência da fonte de alimentação.

Solução:
a) Cálculo do ângulo de disparo (α):
Verificando a tensão de armadura da máquina
Ea= rΦ.n=0,3·1500=450V (13.1)
Como a ondulação de corrente é desprezível, considera-se condução continua.
Considerando a corrente de armadura como 130A.

27
()*+ ? 
>()*+  U ()*+  >()*+ ·  &   130 · 0,1 & 450  463

(13.2)

()*+ 463
E como

()*+  2,34 ·  · Q01 U   arccos    arccos    44,4°


2,34 ·  2,34 · 277
(13.3)

b) Cálculo do fator de potência:


Como a corrente na carga é continua e constante. A potência na carga pode ser considerado como
G(  ()*+  >()*+  463  130  60190I
G( 60190
(13.4)

G7    20063,33I
3 3
Cálculo da potência aparente da fonte:
8L
4
1 √2 · >(*D √2 · 130
>7*D  E
(13.5)

. 0>(*D 15 2    106,15@


2$ √3 √3
;

H  *D  >*D  277 · 106,15  29403@


20063,33
(13.6)

FG   0,682
29403
(13.7)

14) Considere o circuito da figura abaixo onde:

V1(ωt)= 2 220sen(ωt); V2(ωt)= 2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)= 2 220sen(ωt+120°);


f=60Hz R=5Ω E=320V α=60° L=30mH.

T1 T2 T3

L
V1

V2

E
V3
T4 T5 T6

a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL, IT1.


b) Calcule o valor da tensão média e da corrente média de carga.
c) Calcule a tensão máxima sobre cada tiristor e o intervalo de condução dos mesmos.

28
Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
É necessário verificar se a tensão em 60°+α é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para
se verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
538,88·sen(120)=466,68 (14.1)
Como a tensão em α+60° é maior que a fonte E tem-se:

1 =60+60=120° (14.2)
 320
a   0,6
√3  √2   √3  √2  220
(14.3)

 377  0,03


  cos     cos     0,4
 5
(14.4)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=120° a= 0,6 cosΦ=0,4 β=161° (14.5)

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(14.6)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=120° e m=6.
Βc=180° (14.7)
Como β< βc , é condução descontínua.

400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt)
0V

-400V
600V
VL

300V

0V
4.0A
IL

2.0A

-0.1A
4.0A
IT1

2.0A

0A
0 π 2π 3π 4π

29
b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:
35 34
,
()*+  - . √2  √3   /,012 & . 26
2$
(14.8)
37 35

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de


condução do tiristor e θ3 é o ângulo de reinicio de condução do tiristor.
7:7° 4,78
6
()*+  - . √2  √3  220  /,012 & . 3202 6  331,68
2$
(14.9)
75;° 5,97

()*+ ?  331,68 ? 320


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    2,336@
 5
(14.10)

c) A máxima tensão que cada tiristor terá que suportar será o valor da tensão de linha que é de
538,88V

41°
Cada pulso de condução dura 41°, convertendo para tempo se obtém:

\]^_  · 16.66%  1,898%


360°
(14.11)

Cada tiristor conduz dois pulsos. Assim

\]^_  2 · 1,898%  3,796% (14.12)

15) Considere o circuito da figura abaixo onde:

V1(ωt)= 2 220sen(ωt); V2(ωt)= 2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)= 2 220sen(ωt+120°);


R=10Ω E=220V α=120°

T1 T2 T3

V1

V2

E
V3
D4 D5 D6

a) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL e I2.


b) Calcule a potência entregue a carga.

30
Solução:
a) Formas de onda:
É necessário verificar se a tensão em 60°+α é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para
se verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
538,88·sen(180)=0 (15.1)
Devido ao a tensão em α1 ser menor do que o valor da fonte E, neste circuito a ponte de graetz ao invés
de ter 6 pulsos terá apenas 3 pulsos que correspondem ao segundo pulso referente a cada tiristor.
400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt) 0V

-400V
500V
VL
250V

0V
40A
IL

20A

0A
40A
I2
0A

-40A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da potência entregue a carga:


Cálculo da tensão média na carga VLmed:
35 34
,
()*+  - . √2  √3   /,012 & . 26
2$
(15.2)
37 35

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de

538,88 · sen01  220 U   155,9°  2,72 2


condução do tiristor e θ3 é o ângulo de reinicio de condução do tiristor.
(15.3)
7AA,V° 8,7V
3
()*+  - . √2  √3  220  /,012 & . 2202 6  260,63
2$
(15.4)
75;° 5,B5

()*+ ?  260,63 ? 220


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    4,063@
 10
(15.5)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:

35
, √2    /,01 ? 
5

>(*D E .c d 2 
2$ 
(15.6)
37

31
7AA,V°
3 538,88  /,01 ? 220 5
E . 0 1 2  8,34@
2$ 10
75;°

G(    >(*D 5 &   >()*+  10  8,345 & 220  4,063  1589,42I (15.8)

16) Considere o circuito da figura abaixo:

V1(ωt)= √2 220sen (ωt); α=90°;


R=20Ω E=100V

T1

V1

a) Traçar as formas de onda V1, VL, IL, VT1.


b) Calcular a tensão média e a corrente média e eficaz na carga.

Solução:
a) Cálculo do ângulo de extinção de corrente β:
É necessário verificar se a tensão em α é maior ou menor do que o valor da tensão da fonte E, para se
verificar a influência da fonte E no início de condução do tiristor.
311·sen(90)=311 (16.1)
Como a tensão em α é maior que a fonte E tem-se:

1 =90° (16.2)

E o fim de condução é dado por


311·sen(ωt)=100
(16.3)
Θ1 = ωt = 161,24°=2,814 rad

32
400V
V1

0V

-400V
V1
400V
VL

200V

0V
VL
500V

VT1
0V

-500V
VT1
20A
IL

10A

0A
0 π 2π 3π 4π
IL

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35 34
,
()*+  - . √2   /,012 & . 2 6
2$
(16.4)
37 35

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de


condução do tiristor e θ3 é o ângulo de reinicio de condução do tiristor.
7:7,58° B,9A8
1
()*+  - . √2  220  /,012 & . 1002 6  127,08
2$
(16.5)
V;° 5,978

()*+ ?  127,08 ? 100


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    1,354@
 20
(16.6)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:

35 7:7,58°
, √2    /,01 ?  5 1 311  /,01 ? 100 5
>(*D E .0 1 2  E . 0 1 2  3,36@
2$  2$ 20
(16.7)
37 V;°

33
17) Considere o circuito da figura abaixo:

V1(ωt)= √2 220sen (ωt); α=15°;


R=10Ω L=25mH f=60Hz

T1

V1

a) Traçar as formas de onda V1, VL, IL, VT1.


b) Calcule o ângulo de extinção de corrente, o modo de condução, a máxima tensão positiva e a máxima
tensão negativa no tiristor.
c) Calcular a tensão média e a corrente média e eficaz na carga.

Solução:
a) Formas de onda

1 =15° (17.1)

a 0
√2  
(17.2)

 377  25%


  cos     cos     0,73
 10
(17.3)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=15° a= 0 cosΦ=0,6 β=235°
α=15° a= 0 cosΦ=0,8 β=218° (17.4)
α=15° a= 0 cosΦ=0,7 β=226,5°

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(17.5)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=15° e m=1.
Βc=375° (17.6)
Como β< βc , é condução descontínua.

34
400V
V1

0V

-400V
400V
VL

0V

-400V
400V
VT1

0V

-400V
40A
IL

20A

0A
0 π 2π 3π 4π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35
,
()*+  - . √2   /,0126
2$
(17.7)
37

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de


condução do tiristor.
55:,A°
1
()*+  - . √2  220  /,0126  81,88
2$
(17.8)
7A°

()*+ ?  81,88
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    8,188@
 10
(17.9)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:

35 55:,A°
, √2    /,01 5 1 311  /,01 5
>(*D E .0 1 2  E . 0 1 2  16,27@
2$  2$ 10
(17.10)
37 7A°

35
18) Considere o conversor da figura abaixo onde:

N1/N2=5 R=2Ω; L=1000mH; E=10V; f=60Hz; α=30°; V1=√2 127sen (ωt)

a) Calcule o ângulo de extinção da corrente e determine o modo de condução.


b) Traçar as formas de onda de V1, VL, IL, VT2.
c) Calcular a tensão média e a corrente média na carga.
d) Determine o fator de potência da estrutura.

Solução:
a) Calculo do ângulo de extinção de corrente.

1 =30° (18.1)
 10
a   0,277
√2   36
(18.2)

 377  1
  cos     cos     0
 2
(18.3)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=30° a= 0,2 cosΦ=0 β=272°
α=30° a= 0,4 cosΦ=0 β=236° (18.4)
α=30° a= 0,3 cosΦ=0 β=254°

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(18.5)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=30° e m=2.
Βc=210° (18.6)
Como β> βc , é condução contínua.

36
b) Formas de onda
200V
V1

0V

-200V
40V
VL

0V

-40V
100V
VT2

0V

-100V
8.0A
IL

4.0A

0A
0 π 2π 3π 4π

c) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35
, e2
()*+  - . √2    /,0126
2$ e1
(18.7)
37

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de


condução do tiristor.
57;°
2
()*+  - . 36  /,0126  19,85
2$
(18.8)
4;°

()*+ ?  19,85 ? 10
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    4,925@
 2
(18.9)

>(*D  >()*+  4,925@


Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:
(18.10)

G
d) Fator de potência:

FG 
H
(18.11)

Cálculo da potência na carga:


G(    >(*D 5 &   >()*+  2  4,9255 & 10  4,925  97,76I (18.12)
Cálculo da potência aparente da fonte:
(18.13)

37
H  *D  >*D  127,28  0,985  125,37@
97,76
(18.14)

FG   0,78
125,37
(18.15)

19) Considere o retificador da figura abaixo onde:

V1(ωt)= √2 127sen (ωt); f=50Hz; α=75°; R=2Ω; E=72V;

T1 T2
R

V1

D3 D4 E

a) Traçar as formas de onda V1, I1, VL, IL.


b) Calcule a tensão média, a corrente média e a corrente eficaz na carga.
c) Calcule a corrente média e a corrente eficaz nos diodos:

Solução:
a) Formas de onda:
200V
V1

0V

-200V
200V
VL

100V

0V
80A
IL

40A

0A
80A
IT1

40A

0A
0 π 2π 3π 4π

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


O fim de condução é dado por
180·sen(ωt)=72
(19.1)
Θ1 = ωt = 156,42°=2,73 rad

38
35 34
,
()*+  - . √2   /,012 & . 2 6
2$
(19.2)
37 35

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de


condução do tiristor e θ3 é o ângulo de reinicio de condução do tiristor.
7A:,85° 8,8A
2
()*+  - . 180  /,012 & . 722 6  106,76
2$
(19.3)
BA° 5,B4

()*+ ?  106,76 ? 72
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    17,38@
 2
(19.4)

Cálculo da corrente eficaz na carga ILef:

35 7A:,85°
, √2    /,01 ?  5 2 180  /,01 ? 72 5
>(*D E .0 1 2  E . 0 1 2  28,07@
2$  2$ 2
(19.5)
37 BA°

>()*+ 17,38
Cálculo da corrente média no diodo:

>K)*+    8,69@
2 2
(19.6)

Cálculo da corrente eficaz no diodo:


5L
5
1 >(*D 28,07
>K*D  E . 0>(*D 15 2    19,85@
2$ √2 √2
(19.7)
;

20) Considere o retificador:

D1

V1

D2

V2

V3 T3 R

V1(ωt)= √2 220sen (ωt); V2(ωt)=√2 220sen(ωt-120°); V3(ωt)=√2 220sen(ωt+120°);


α=30°; f=60Hz
R=2Ω; L=240mH; E=250V
a) Determinar o modo de condução, justifique sua resposta.
b) Traçar as formas de onda V1, V2, V3, VL, IL, VT3 e IT3.

39
c) Calcular a tensão média e a corrente média na carga.
d) Calcular a tensão de pico de D1.

Solução:
a) Considerando como se fossem apenas tiristores

1 =30&3060° (20.1)
 250
a   0803
√2   311
(20.2)

 377  0,24


  cos     cos     0,02 S 0
 2
(20.3)

Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:


α=60° a= 0,8 cosΦ=0 β=167° (20.4)

2$
Cálculo do ângulo crítico de extinção de corrente βc:

"#  & 1
%
(20.5)

Onde m é o número de pulsos do conversor e α é o ângulo de início de condução dos tiristores.


Para este circuito tem-se α1=60° e m=3.
Βc=180° (20.6)
Como β< βc ,é condução descontínua.

400V
V1(ωt)
V2(ωt)
V3(ωt) 0V

-400V
400V
VL
200V

0V
300V
VT3
0V

-300V
-600V
1.0A
IL
0A

-1.0A
1.0A
IT3
0A

-1.0A
0 π 2π 3π 4π

40
b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:
Neste circuito a integral de cálculo da tensão média na carga é dividido em 4 partes:
35 38 3:
,
()*+  - . √2   /,012 & . √2   /,012 & . √2   /,012
2$
37 34 3A
39
(20.7)

& . 26
3B

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução do tiristor T1, θ2 é o


ângulo de fim de condução do tiristor T1, θ3 é o ângulo de início de condução do diodo D2, θ4 é o ângulo
de fim de condução do diodo D2, θ5 é o ângulo de início de condução do diodo d3, θ6 é o ângulo de fim
de condução do diodo D3, θ7 é o ângulo de fim de condução do diodo d3, θ8 é o ângulo de reinicio de
condução do tiristor T1.
7A;° 7A;°
1
()*+  - . 311  /,012 & . 311  /,012
2$
:;° 4;°
7:B° 4,78

& . 311  /,012 & . 250266


(10.7)

4;° 5,V7A

()*+ 253,4V

()*+ ?  253,4 ? 250


Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    1,696@
 2
(10.9)

21) Considere o seguinte retificador

T1 T2
R

V1 L

T3 T4

R=20Ω; α=60°; f=60Hz; V1=311sen(ωt)


a) Calcule a indutância necessária para haver condução critica.
b) Com o valor obtido acima calcule a tensão e corrente média na carga.
c) Calcule a componente harmônica fundamental da corrente.

Solução:
a) Calculo da indutância critica:
Para que haja condução continua é necessário que β=βc assim:

41
"  180 & 60  240° (21.1)
Através do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:

 
α=60° a= 0 β=240° cosΦ=0,3 (21.2)

  cos    U    0arccos0Φ11  0,17g


 
(21.3)

b) Cálculo da tensão média na carga VLmed:


35
,
()*+  - . √2   /,0126
2$
(21.4)
37

Onde n é o número de pulsos do conversor, θ1 é o ângulo de início de condução, θ2 é o ângulo de fim de


condução do tiristor.
58;°
2
()*+  - . 311  /,0126  98,99
2$
(21.5)
:;°

()*+ ?  98,99
Cálculo da corrente média na carga ILmed:

>()*+    4,95@
 20
(21.6)

c) Cálculo da componente fundamental:

5  0,9    h1,11 ? 0,67  cos 02  1  293,84


5
(21.7)

>5   2,26@
√5 & 4   5  5
(21.8)

42
@budinovich

1) Considere o conversor dual apresentado na figura abaixo, onde:


V1(ωt)=220·sen(ωt), V2(ωt)=220·sen(ωt-120°), V3(ωt)=220·sen(ωt+120°), f=60Hz, αp=135° e Z
(L=100mH; Ra=2Ω)

V1 + VL - V1
L/2 L/2

V2 V2
2 2

V3 V3
Z

a) Desenhe as formas de onda das tensões VP, VN e VL.


b) Desenhe as formas de onda da tensão sobre a carga Z, a corrente nos indutores de circulação e
a corrente na carga Z.
c) Calcule o valor do indutor L para que a máxima corrente média de circulação seja 20% da
máxima corrente de carga.

Solução
a) αp+αn=180°  αn=45°
150
Vp
0

-150V

-300V
150
Vn
0

-150V

-300V
400
VL
0V

-400V 0 π 2π 3π 4π

b)
400V
Vz

0V

-400V

80A
ILp
60A

40A
20A

0A

80A
IL
n 60A
40A

20A

0A

Iz 0A
-20A
-40A
-60A
-80A
0 π 2π 3π 4π

  1.17

 
c) Para um conversor dual em condução contínua a tensão média na carga é dada por

  1.17
155,56
cos0  182
Para a maior tensão média na carga e conseqüentemente a maior corrente média na carga α=0.

   182
Assim

    91!
 2
A máxima corrente de circulação acontece para os ângulos de αp=60° e αp=120°.

" · $ · %
Utilizando αp=60° na fig 5.12 da pag. 151 do livro Eletrônica de potência de Ivo Barbi se obtêm

 0,567
√2 · '

%  0,2 ·   0,2 · 91  18,2!


Sendo que se deseja 20% de ondulação na corrente

0,567 · √2 · ' 0,567 · 220


Assim

$   18,2)*
" · % 377 · 18,2
2) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=20Ω, cuja alimentação é senoidal, com um valor
eficaz de 127V e com freqüência de 50Hz.
T1

V(ωt) Carga
T2

a) Calcule a temperatura na cápsula de um tiristor considerando que este está acoplado a um


dissipador com resistência térmica de 5°C/W, que os tiristores permanecem conduzindo em intervalos
de 0,2 segundos, com α=0°, intercalados com intervalos de 0,3 segundos com α=180°. (Vto=1,0V;
rT=0,02Ω; Rthjc=0,9°C/W; Rthcd=0,5°C/W; Ta=50°).

Solução

1
a) Utilizando controle por ciclos inteiros se tem

+   20)
,
(2.1)

0,2
-. /  1) 2/32   10 . / 
0,02
(2.2)

0,3
-. /  1) 42.52   15 . / 
0,02
(2.3)

67 ·  0,5 · √2 · 127


Pelo ábaco da fig. 7.6 da página 174 se obtem para α=0°

 0,5 8 67   4,49!


√2 ·  20
(2.4)

6 ·  0,32 · √2 · 127


 0,32 8 6   2,87!
√2 ·  20
(2.5)

:  ;<
67 = > 6
6  20)
4,49= > 1
2,87  3,27?
Assim a potência dissipada por um tiristor conduzindo o tempo todo seria
(2.6)

: )
Mas como o tiristor não conduz durante todo o período se tem


:@ A
(2.7)

Onde m é o numero de ciclos onde há condução, M é o numero de ciclos total do período e Po é a


potência total dissipada se conduzisse por todo o período.

) 10
:  :@ ·  3.27 ·  1,3?
A 25
(2.8)

Cálculo da resistência junção-ambiente


+%  +B  %B
: 8 +%  1,3
5,5 > 50  57,15°- (2.9)
3) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=20Ω e L=100mH, cuja alimentação é senoidal , com
um valor eficaz de 110V e com freqüência de 60Hz.
D1

V(ωt) Carga
T2

Considerando α=120°, determinar:


a) O ângulo de extinção da corrente e o modo de condução da estrutura;
b) A variação de potência admitida na carga.

Solução

"
$ 377
0,1
a) Calculo do ângulo de extinção de corrente

D  cos E2; 3F G HI  cos E2; 3F G HI  0,47


 20
(3.1)

No semiciclo positivo o circuito funcionará como um meia onda monofásico a diodos e no semiciclo
negativo se comportara como um circuito de meia onda monofásico a tiristor.
Para o diodo, do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:
α=0° a= 0 cosΦ=0,4 β=254°
α=0° a= 0 cosΦ=0,6 β=236° (3.2)
α=0° a= 0 cosΦ=0,5 β=245°
Para o tiristor, do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:
α=120° a= 0 cosΦ=0,4 β=226°
α=120° a= 0 cosΦ=0,6 β=219° (3.3)
α=120° a= 0 cosΦ=0,5 β=222,5°
Como para haver condução contínua é necessário que o diodo permaneça em condução durante
βc=180+120=300° logo este circuito operará em condução descontínua.

b) Para verificar a máxima variação admitida na carga é necessário verificar a potência máxima e a
potência mínima entregue a carga
A potência máxima acontece quando α=0° assim toda a tensão de entrada é transferida a carga,
VLef=Vo.

 = 110=
J   283,64!
K L20= > 377 · .1=
(3.4)

:  J · M  283,64 · 0,47  133,33? (3.5)

A potência mínima acontecerá quando α=180° assim o circuito funcionará como um circuito

Utilizando o ábaco da fig. 2.8 d pag 30 do livro com ϕ=62,09°, Ief=0,65 e como
retificador de meia onda a diodo.

7 · √2 ·  0,65 · √2 · 110


7    2,37!
|K| |42,66|
(3.6)
:   · 7 =  20 · 2,37=  112,33? (3.7)

Assim se obtêm um ΔP=21W.

4) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=2Ω, cuja alimentação é 220·sen(ωt) e com
freqüência de 50Hz.
T1

V(ωt) Carga
T2

Considerando uma potência na carga de 1500W.


a) Utilizando-se um controle por ciclos inteiros, com um período de 1,5 segundo, calcule o
número de ciclos que deve ser entregue a carga.
b) Responda sobre o item a: é possível obter os 1500W? Qual a solução? Justifique claramente.

Solução

 = 155,56=
a) A potência máxima entregue a carga é de

:   12100?
 2
(4.1)

Com a freqüência de 50Hz cada período possui T=20ms assim o período total do controle por ciclos

1,5
inteiros terá

A  75 -. / 
0,02
(4.2)

Seguindo a relação entre numero de ciclos e potências abaixo pode se obter o numero de ciclos

: ) : 1500
necessários para que se consigam os 1500W necessários.

 8) ·A  · 75  9,3 -. / 
:@ A :@ 12100
(4.3)

b) Para se obter P=1500W exatos não é possível se obter , pois são necessários 9,3 ciclos, portanto
não é possível utilizar o controle por método de ciclos inteiros.

5) Dada a estrutura do gradador abaixo, cuja alimentação é senoidal, com um valor eficaz de 20A
e com freqüência de 60Hz.

Triac
I(ωt) Carga

Considerando uma carga R=10Ω, calcule:


a) O dissipador necessário para acomodar o Triac.(VTO=1V;rT=10mΩ).
b) Calcule o rendimento do conversor para α=35°.

Solução
a) Para calcular o dissipador se considera o pior caso possível, ou seja quando o TRIAC conduzir
pelo tempo todo, ou seja, neste circuito com α=0°.
A corrente eficaz que passa pelo TRIAC é a mesma da fonte, ou seja, 20A. Porém a corrente média
não se pode utilizar a mesma da fonte, pois a corrente média de uma fonte de corrente AC é 0. Para
calcular a corrente média que passa pelo Triac considera-se que meio período passa corrente pelo ramo
positivo e meio período passa corrente pelo ramo negativo assim calcula-se a corrente média para um
ramo e multiplica-se por 2.
T= UV'°
2 2
6  E Q √2
 · 1R"3S"3  E Q √2 · 20 · 1R"3S"3  18!
2P 2P
(5.1)
TU '°

:  ;<
67 = > 6
6  10)
20= > 1
18  22?
Assim a potência dissipada no TRIAC será de
(5.2)

+W  +B 150  40
Portanto a resistência de junção ambiente será

WB    5°-/?
: 22
(5.3)

b) Ao se colocar um TRIAC em paralelo com uma carga resistiva e uma fonte de corrente, as
tensões e correntes na carga operam como se o circuito fosse um gradador alimentado com uma fonte

'  180°    180  35  145°


de tensão em série com a carga porém o ângulo de disparo seria dado por
(5.3)
Com o valor do novo α pode se calcular a corrente eficaz na carga através dos ábacos. Portanto

Y7 · 
através do ábaco da fig. 7.5 da pagina 173 do livro se obtêm a corrente eficaz no resistor de carga.

 0,15 8 Y7  0,15 · √2 · 20  4,24!


√2 · 
(5.4)

:$  
Y7 =  10
4,24=  179,8?
Portanto a potência entregue a carga é de
(5.5)
Agora a corrente média e a corrente eficaz no TRIAC pode ser calculado utilizando o ábaco da fig. 7.6

corrente eficaz é multiplicada por √2 devido ao TRIAC ser responsável pela condução do ciclo positivo e
lembrando que no TRIAC a corrente média para calculo da potência dissipada é multiplicada por 2 e na

do negativo ao contrário do tiristor que conduza apenas pelo ciclo positivo ou negativo, lembrando-se
que o ábaco foi feito utilizando tiristores.

67 · 
Pelo ábaco da fig. 7.6 da página 174 se obtem para α=35°

 0,49 8 67  √2 · 0,5 · √2 · 20  19,6!


√2 · 
(5.6)

6 · 
 0,29 8 6  2 · 0,29 · √2 · 20  16,4!
√2 · 
(5.7)

:+  ;<
Z7 = > 6
Z  10)
19,6= > 1
16,4  20,2?
Assim a potência dissipada no TRIAC será de
(5.8)

:$ 179,8
Portanto o rendimento será

[   0,899
:$ > :+ 179,8 > 20,2
(5.9)

6) Considere o conversor dual apresentado na figura abaixo, onde:


V1(ωt)=180·sen(ωt), V2(ωt)=180·sen(ωt-120°), V3(ωt)=180·sen(ωt+120°), f=60Hz, αp=105° e L=100mH
V1 + VL - V1
L/2 L/2

V2 V2
2 2

V3 V3
Z

a) Desenhe as formas de onda das tensões VP, VN.


b) Desenhe as formas de onda da tensão sobre a carga Z e sobre a carga VL.
c) Calcule o valor dos harmônicos de tensão de ordem 3 e de ordem 6 na carga.

Solução
a) αp+αn=180°  αn=75°

200V
VP
100V

0V

-100V

-200V
200V
VN
100V

0V

-100V

-200V
0 π 2π 3π 4π

b)
100V
VZ
50V

0V

-50V

-100V
300V
VL
150V

0V

-150V

-300V
0 π 2π 3π 4π

\ cosR  1   cosR > 1  


c) O valor de pico da harmônica de ordem n é dado por

^  ^
ZB] n  1 n > 1
(6.1)

√2
m
Vb P
Onde

ZB] 
1R d e
π )
(6.2)

√2
m
Vb P √2
3
127 P
Onde m é o numero de pulsos de um dos grupos, portanto

ZB] 
1R d e 
1R d e  148,53
π ) π 3
(6.3)

cos3  1
105 cos3 > 1
105
Assim para a terceira harmônica se tem

f  ^  ^
148,53  82,9
3  1 3 > 1
(6.4)

cos6  1
105 cos6 > 1
105
E para a sexta harmônica

g  ^  ^
148,53  49,2
6  1 6 > 1
(6.5)

7) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=50Ω, cuja alimentação é senoidal, com um valor
eficaz de 110V e com freqüência de 60Hz.
T1

V(ωt) Carga
T2

a) Calcule a temperatura na cápsula de um tiristor SKT16/04 com dissipador com resistência


térmica de 2°C/W, supondo que os tiristores permanecem conduzindo em intervalos de 0,6 segundos,
com α=0°, intercalados com intervalos de 0,4 segundos com α=180°. (Vto=1,0V; rT=0,02Ω; Rthjc=0,9°C/W;
Rthcd=0,5°C/W; Ta=30°).

Solução

1
a) Utilizando controle por ciclos inteiros se tem

+   16,66)
,
(7.1)

0,6
-. /  1) 2/32   36 . / 
0,01666
(7.2)

0,4
-. /  1) 42.52   24 . / 
0,01666
(7.3)

67 ·  0,5 · √2 · 110


Pelo ábaco da fig. 7.6 da página 174 se obtem para α=0°

 0,5 8 67   1,556!


√2 ·  50
(7.4)

6 ·  0,32 · √2 · 110


 0,32 8 6   0,996!
√2 ·  50
(7.5)

:  ;<
67 = > 6
6  20)
1,556= > 1
0,996  1,045?
Assim a potência dissipada por um tiristor conduzindo o tempo todo seria
(7.6)

: )
Mas como o tiristor não conduz durante todo o período se tem


:@ A
(7.7)

Onde m é o numero de ciclos onde há condução, M é o numero de ciclos total do período e Po é a


potência total dissipada se conduzisse por todo o período.

) 36
:  :@ ·  1,045 ·  0,627?
A 60
(7.8)

Cálculo da temperatura de capsula


+%  +B  %B
: 8 +%  0,627
2,5 > 30  31,57°- (7.9)

8) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=50Ω, cuja alimentação é senoidal, com um valor
eficaz de 110V e com freqüência de 60Hz.
T1

V(ωt) Carga
T2

Considerando que cada um dos tiristores (T1,T2) permanecem em condução durante 5,555ms e
bloqueados durante 11,111ms, ao longo de um período de rede, determinar:

a) A corrente eficaz no tiristor T1;


b) A corrente média no tiristor T2;

Solução
Sendo que cada tiristor conduz 5,55 ms e fica bloqueado durante 11.11 ms e sabendo que o período

5.55)
na freqüência de 60 Hz é de 16,66m, sabe-se que o tiristor deve conduzir durante um intervalo de

h · 360°  120°
16.66)
(8.1)

Como a carga é apenas resistiva a condução cessa quando chega a 180°, então para que haja
condução durante 120° é necessário que α=60°. Assim utilizando o ábaco da fig. 7.6 da pag. 174 se

67 ·  0,45 · √2 · 110


obtêm

 0,45 8 67   1,4!


√2 ·  50
(8.2)

6 ·  0,24 · √2 · 110


 0,24 8 6   0,75!
√2 ·  50
(8.3)

Lembrando que a corrente eficaz e média para todos os tiristores são iguais.

9) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=50Ω, cuja alimentação é senoidal, com um valor
eficaz de 110V e com freqüência de 60Hz.
T1

V(ωt) Carga
T2

Considerando uma potência na carga de 161,2W.

a) Utilizando-se um controle por ciclos inteiros, com um período de 1 segundo, calcule o intervalo
de tempo em que são aplicados os ciclos à carga.

Solução

 = 110=
a) A potência máxima entregue a carga é de

:   242?
 50
(9.1)

Com a freqüência de 60Hz cada período possui T=16,66ms assim o período total do controle por

1,0
ciclos inteiros terá

A  60 -. / 
16,66)
(9.2)

Seguindo a relação entre numero de ciclos e potências abaixo pode se obter o numero de ciclos

: ) : 161,2
necessários para que se consigam os 1500W necessários.

 8) ·A  · 60  40 -. / 
:@ A :@ 242
(9.3)

10) Dada a estrutura do gradador abaixo, cuja alimentação é senoidal, com um valor eficaz de 110V
e com freqüência de 60Hz.
T1

V(ωt) Carga
T2

Considerando uma carga RL de R=50Ω e L=50mH, calcule:

a) A variação de potência possível na carga.


b) O ângulo α necessário para fornecer a carga apenas metade da potência máxima.

Solução
a) Para verificar a máxima variação admitida na carga é necessário verificar a potência máxima e a
potência mínima entregue a carga
A potência máxima acontece quando α=0° assim toda a tensão de entrada é transferida a carga,
VLef=Vo.

"
$ 377
0,05
D  cos E2; 3F G HI  cos E2; 3F G HI  0,936
 50
(10.1)

 = 110=
J   226,44!
K L50= > 377 · .05=
(10.2)

:  J · M  226,44 · 0,936  211,95? (10.3)

A potência mínima acontecerá quando α=180° assim o não haverá transferência de energia pois os
dois tiristores permaneceram bloqueados.
Assim se obtêm um ΔP=211,95W.
b) Para que seja fornecido apenas a metade da potência é necessário que haja a transferência de
aproximadamente 106W.
Para que exista esta potência na carga é necessário ter a seguinte corrente
:$ 106
7  i i  1,456!
 50
(10.4)

7 1,456
Sabendo que a corrente no tiristor é dado pela relação

67    1,029!
√2 √2
(10.5)

√2 ·  √2 · 110
Sendo Im a corrente de pico da carga para α=0°

    2,91!
|K| |53,44|
(10.6)

67 1,029
  0,353
 2,91
(10.7)

Utilizando o valor encontrado no ábaco da fig 7.13 da pag.181 se obtêm α=82°.

11) Considere a indutância controlada por gradador apresentada abaixo.


T1

L= 100mH

T2

a) Calcule o valor do indutor equivalente para α=π/3.

P·$
O cálculo da indutância equivalente é dado pele seguinte expressão

$j 
2 · P    1R · E2 · P  I
(11.1)

Porém esta expressão é valida apenas para α entre 90° e 180°, assim utiliza-se o menor ângulo
possível que é de 90°, o que resulta em Leq=L= 100mH.

12) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=20Ω, cuja alimentação é senoidal, com um valor
eficaz de 127V e com freqüência de 60Hz.
T1

V(ωt) Carga
T2

a) Calcule a temperatura no dissipador com resistência térmica de 2°C/W, supondo ambos os


tiristores no mesmo dissipador. Os tiristores permanecem conduzindo em intervalos de 0,7 segundos,
com α=0°, intercalados com intervalos de 0,3 segundos com α=180°. (Vto=1,0V; rT=0,02Ω; Rthjc=0,9°C/W;
Rthcd=0,5°C/W; Ta=50°).

1
b) Utilizando controle por ciclos inteiros se tem

+   16.66)
,
(12.1)

0,7
-. /  1) 2/32   42 . / 
16.66)
(12.2)

0,3
-. /  1) 42.52   18 . / 
16.66)
(12.3)

67 ·  0,5 · √2 · 127


Pelo ábaco da fig. 7.6 da página 174 se obtem para α=0°

 0,5 8 67   4,49!


√2 ·  20
(12.4)

6 ·  0,32 · √2 · 127


 0,32 8 6   2,87!
√2 ·  20
(12.5)

:  ;<
67 = > 6
6  20)
4,49= > 1
2,87  3,27?
Assim a potência dissipada por um tiristor conduzindo o tempo todo seria
(12.6)

: )
Mas como o tiristor não conduz durante todo o período se tem


:@ A
(12.7)
Onde m é o numero de ciclos onde há condução, M é o numero de ciclos total do período e Po é a
potência total dissipada se conduzisse por todo o período.

) 42
:  :@ ·  3.27 ·  2,289?
A 60
(12.8)

Cálculo da temperatura de dissipador


Porém como há dois tiristores no mesmo dissipador a potência dissipada sobre o dissipador é
dobrada, assim
+  +B  B
: 8 +  2 · 2,289
2,5 > 50  61,45°- (12.9)

13) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=20Ω e L=10mH, cuja alimentação é senoidal , com
um valor eficaz de 110V e com freqüência de 60Hz.
D1

V(ωt) Carga
T2

Considerando α=120°, determinar:


a) O ângulo de extinção da corrente e o modo de condução da estrutura;
b) As correntes média e eficaz no tiristor T2.

Solução

"
$ 377
0,01
a) Calculo do ângulo de extinção de corrente

D  cos E2; 3F G HI  cos E2; 3F G HI  0,98


 20
(13.1)

No semiciclo positivo o circuito funcionará como um meia onda monofásico a diodos e no semiciclo
negativo se comportara como um circuito de meia onda monofásico a tiristor.
Para o diodo, do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:
α=0° a= 0 cosΦ=1 β=180° (13.2)
Para o tiristor, do ábaco de Puschlowski obtêm-se com:
α=120° a= 0 cosΦ=1 β=180° (13.3)
Como para haver condução contínua é necessário que o diodo permaneça em condução durante
βc=180+120=300° logo este circuito operará em condução descontínua.

ϕ= 10° se obtêm
b) Calculando o valor de pico da corrente (Im) e utilizando os ábacos 7.12 e 7.13 da pag 180 para

√2 ·  √2 · 110
    7,65!
|K| |20,35|
(13.4)

67
 0,2 8 67  0,2 · 7,65  1,53!

(13.5)

6
 0,075 8 6  0,075 · 7,65  0,5737!

(13.6)
14) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=10Ω, cuja alimentação é 220·sen(ωt) e com
freqüência de 50Hz.
T1

V(ωt) Carga
T2

Considerando uma potência na carga de 1500W.

a) Utilizando-se um controle por ciclos inteiros, com um período de 0,5 segundo, calcule o
intervalo de tempo em que são aplicados os ciclos à carga.
b) Mantendo o fator de potência unitário, o que pode ser feito para tornar mais suave o controle
de potência na carga? Este controle pode ser aplicado a um motor de indução? Justifique.

Solução

 = 155,56=
a) A potência máxima entregue a carga é de

:   2420?
 10
(14.1)

Com a freqüência de 50Hz cada período possui T=20ms assim o período total do controle por ciclos

0,5
inteiros terá

A  25 -. / 
0,02
(14.2)

Seguindo a relação entre numero de ciclos e potências abaixo pode se obter o numero de ciclos

: ) : 1500
necessários para que se consigam os 1500W necessários.

 8) ·A · 25  15,5 -. / 


:@ A :@ 2420
(14.3)

b) Aumentando a relação M/m é possível melhorar o controle, tornando o suave. Este controle
por ciclos inteiros é amplamente utilizado em equipamentos que utilizam aquecimento resistivo, já que
esses possuem uma constante de tempo grandes, já os motores de indução possuem uma constante de
tempo menor, por isso não é indicada a sua utilização.

15) Dada a estrutura do gradador abaixo, cuja alimentação é senoidal com um valor eficaz de 220V
e com freqüência de 60Hz.

Triac
V(ωt) Carga

Considerando uma carga RL de R=10Ω e L=50mH, calcule:

a) O dissipador necessário para acomodar o Triac. (Vto=1V; rt=10mΩ; Ta=40°;Tj=150°)


b) O ângulo α necessário para fornecer 500W a carga.

Solução

pelo tempo todo, ou seja, neste circuito devido a presença da indutância α=60° pois ϕ=62°.
a) Para calcular o dissipador se considera o pior caso possível, ou seja quando o TRIAC conduzir

Agora a corrente média e a corrente eficaz no TRIAC pode ser calculado utilizando o ábaco da fig. 7.6

corrente eficaz é multiplicada por √2 devido ao TRIAC ser responsável pela condução do ciclo positivo e
lembrando que no TRIAC a corrente média para calculo da potência dissipada é multiplicada por 2 e na

do negativo ao contrário do tiristor que conduza apenas pelo ciclo positivo ou negativo, lembrando-se

√2 ·  √2 · 220
que o ábaco foi feito utilizando tiristores.

    14,6!
|K| |21,34|
(15.1)

67
 0,5 8 67  √2 · 0,5 · 14,6  10,32!

(15.2)

6
 0,32 8 6  2 · 0,32 · 14,6  9,344!

(15.3)

:  ;<
67 = > 6
6  10)
10,32= > 1
9,344  10,41?
Assim a potência dissipada no TRIAC será de
(15.4)

+W  +B 150  40
Portanto a resistência de junção ambiente será

WB    10,57°-/?
: 10,41
(15.5)

b) A máxima corrente eficaz que se conseguirá na carga será de 5,16A o que resultará numa
potência máxima de

: 500
:  
7 = 8 7  i  i  7,07
 10
(15.6)

dividir a corrente por √2 para que se tenha a corrente eficaz como se fosse um único tiristor para poder
Como a corrente eficaz na carga possui a corrente eficaz dos dois ramos do TRIAC é necessário

7 7,07
se utilizar do ábaco da fig 7.13 da pag 181.

67    5!
√2 √2
(15.7)

Sendo Im a corrente de pico da carga para α=0°

67 5
  0,342
 14,6
(15.8)

Com o valor obtido, através do ábaco se encontra α=88°

16) Dada a estrutura do gradador abaixo, cuja alimentação é I(ωt)=10·sen(ωt) com freqüência de
60Hz.
I(ωt) D1 T2
Carga

Considere α=120° e R=10Ω.


a) Apresente as formas de onda de tensão e corrente de carga.
b) Calcule a tensão eficaz na carga.
c) Calcule a resistência térmica junção ambiente necessária para acomodar o diodo e o tiristor em
um único dissipador. (Vto=0,85V; rT=0,02Ω; Tj=110°C; Ta=50°C).

Solução
a) No semiciclo negativo a corrente passará totalmente pelo diodo D1 e no semiciclo positivo
haverá condução pela carga enquanto o tiristor T2 estiver bloqueado como mostra as formas de onda a
seguir
100V
Tensão

0V

-100V

10A
Corrente

0A

-10A
0 π 2π 3π 4π
b) A tensão eficaz na carga será dada pela seguinte expressão onde θ1=0° e θ2=120°
T= U='°
1 1
7 k Q √2
 · 
1R"3= S"3  k Q 10 · 10
1R"3= S"3  44,8
2P 2P
(16.1)
TU '°

67 · 
c) Para o tiristor através do ábaco da fig. 7.6 pag. 174 se obtêm

 0,22 8 67  0,22 · 10  2,2!


√2 · 
(16.2)

6 · 
 0,08 8 6  0,08 · 10  0,8!
√2 · 
(16.3)

:  ;<
67 = > 6
6  20)
2,2= > 0,85
0,8  0,777? (16.4)
Para o diodo
T= l
1 1
Z7 k Q √2

1R"3= S"3  k Q10
1R"3= S"3  5!
2P 2P
(16.5)
TU '
T= l
1 1
Z  Q √2

1R"3S"3  Q 10
1R"3S"3  3,18
2P 2P
(16.6)
TU '

:  ;<
67 = > 6
6  20)
5= > 0,85
3,18  3,2? (16.7)

+W  +B 110  50
Portanto a resistência de junção ambiente será

WB    15,1°-/?
: 3,2 > 0,777
(16.8)

17) Dada a estrutura do gradador abaixo com R=10Ω, L=18,5mH, cuja alimentação é 155·sen(ωt) e
com freqüência de 50Hz.
T1

V(ωt) Carga
T2

Considere α=60°.
a) Calcule a tensão eficaz na carga.
b) Calcule as componentes harmônicas de corrente da ordem 1, 3 e 5 na carga.

"
$ 314,16
0,0185
Solução

D  2; 3F G H  2; 3F G H  30,16°
 10
a) (17.1)

Pelo ábaco da fig. 7.10 da pag. 178 se obtêm β=209, portanto o circuto funciona em condução
descontínua.
T= ='m°
1 1
7 k Q √2

1R"3= S"3  k Q 155
1R"3= S"3  91,4
2P 2P
(17.2)
TU g'°

√2 ·  155
b) Verificando o pico da corrente para α=0

    13,4!
|K| |11,56|
(17.3)

U
Através dos ábacos da 7.14 à 7.16 se obtêm

 0,85 8 67  0,85 · 13,4  11,40!



(17.4)

f
 0,125 8 67  0.125 · 13,4  1,61!

(17.5)

n
 0,066 8 67  0,066 · 13,4  0,88!

(17.6)

18) Dado o circuito abaixo, onde: Vo=127V, R= 20Ω, L=100mH e f=60Hz.


Lc R
V(ωt) C
T1 T2 L

a) Supondo α=180° para a indutância controlada determine o valor do capacitor C para corrigir o
FP do sistema pra 1,0.
b) Considerar que a carga fooi alterada para 50Ω e 100mH. Calcule o ângulo de controle para FP
igual a 1,0.

Solução

P·$
a) O cálculo da indutância equivalente é dado pele seguinte expressão

$j 
2 · P    1R · E2 · P  I
(18.1)

Para α=180°, há indutância equivalente se torna infinita tornado um circuito aberto, assim pode-se

"
$ 377
0,1
achar o valor da capacitância para corrigir o FP

D  2; 3F G H  2; 3F G H  62°
 20
(18.2)

 = 127=
J   378!
K L20= > 377 · .1=
(18.3)

:  J · M  378 · cos 62°  177,43? (18.4)

o  J · 1RM  378 · sen 62°  333,75!; (18.5)

Para que haja fator de potência unitário é necessário que Q=0, portando é necessário que a

@ = @ = 127=
capacitância introduza 333,8 VAr capacitivo no circuito

o%Bq  8 r    48,32s
r o%Bq 333,8
(18.6)

1 1 1
Portando o valor do capacitor será de

r  8 -    54,9tu
"- r · " 48,32 · 377
(18.7)

"
$ 377
0,1
b) Para a nova carga se tem

D  2; 3F G H  2; 3F G H  37°
 50
(18.8)

 = 127=
J   257,6!
K L50= > 377 · .1=
(18.9)

:  J · M  257,6 · cos 37°  205,7? (18.10)

o  J · 1RM  257,6 · sen 37°  155!; (18.11)

Assim aparece uma diferença na potência reativa


∆o  o%Bq  o  333,8  155  178,8!;  2w2 .3.x  (18.12)

Para que haja fator de potência unitário é necessário que Q=0, portando é necessário que a

@ = @ = 127=
indutância controlada introduza 178,8 VAr indutivo no circuito

oy\  8 r$    90,20s
r$ oy\ 178,8
(18.13)

r$ 90,2
Portando o valor do indutor equivalente será de

r$  "$ 8 $    239,3)*
" 377
(18.14)

P · 100)
Fazendo iterações na seguinte equação se obtem o ângulo de disparo

w2;2   110° $j   174,8)*


2 · P  110°  1R · E2 · P  110°I
P · 100)
w2;2   120° $j   255,8)*
2 · P  120°  1R · E2 · P  120°I
P · 100)
w2;2   115° $j   209)*
(18.15)

2 · P  115°  1R · E2 · P  115°I


P · 100)
w2;2   118° $j   235,3)*
2 ·  118°  1R · E2 · P  118°I
P

Logo α é próximo de 118°.


19) Dado o circuito abaixo:

R
V(ωt)
C

Onde: Vo=220V; f=60Hz; R=2Ω; C=2,2mF;


a) Calcular a indutância para corrigir o FP para 0,98.
b) Qual será o ângulo α para corrigir com a indutância equivalente sendo L=18,1mH.

1 1
Solução

D  2; 3F G H  2; 3F G H  31,08°
"··- 377 · 2,2) · 2
a) (19.1)

 = 220=
J   20725!
K 1
(19.2)

z2= >  =
377 · 2,2)
:  J · M  20725 · cos 31,08°  17750? (19.3)

o  J · 1RM  20725 · sen 31,08°  10699!;(capacitiva) (19.4)

Para FP= 0,98 se tem M  11,48°.

: 17750
Mantendo a potência ativa de 17750 se obtem
J  18112?
M 0,98
(19.5)

o  J · 1RM  18112 · sen 11,48°  3604,7!;(capacitiva) (19.6)


É necessário verificar a quantidade de potência reativa indutiva que é necessária para elevar o FP

o{\  o%Bq  o  10699  3604,7  7094,3!;  .RS|3.x 


para 0,98.
(19.7)

@ = @ = 220=
oy\  8 r$    6,822s
r$ oy\ 7094,3
(19.8)

r$ 6,822
Portando o valor do indutor equivalente será de

r$  "$ 8 $    18,1)*
" 377
(19.9)

b) Sendo L=18,1mH é necessário um ângulo α=90° para que se mantenha L=Leq.

20) Dada a estrutura do gradador abaixo, onde Io=30A, f=60Hz e R=10Ω.

I(ωt) D1 T2
Carga

Considere α=120°
a) Determine α para P=5000W

Solução
No semiciclo negativo não haverá transferência de energia para a carga pois toda a corrente passará
pelo diodo D1. Assim o comportamento da carga será como de um retificador de meia onda com ângulo
α complementar.
Para uma potência de 5000W é necessário uma corrente eficaz na carga de

:$ 5000
7  i i  22,36!
 10
(20.1)

Porém com α=180° onde toda a corrente do semiciclo positivo passará pela carga, mas a máxima

 30
corrente eficaz que se conseguirá na carga é de

7    21,21!
√2 √2
(20.2)

Ou seja não é possível obter os 5000W na carga.

21) Dado o circuito abaixo, onde: Vo=220V, R= 10Ω, C=100uF, L=500mH e f=60Hz.

Lc R
V(ωt)

T1 T2 C

a) Calcular o indutor equivalente que compense a potência reativa capacitiva.

Solução
1 1
D  2; 3F G H  2; 3F G H  69,34°
"··- 377 · 100t · 10
(21.1)

 = 220=
J   1707,4!
K 1
(21.2)

z10= >  =
377 · 100t
:  J · M  1707,4 · cos 69,34°  602,4? (21.3)

o  J · 1RM  1707,4 · sen 37°  1597,6!;(capacitiva) (21.4)

Deve se compensar esta potência reativa capacitiva com potência reativa indutiva
Para que haja fator de potência unitário é necessário que Q=0, portando é necessário que a indutância

@ = @ = 220=
controlada introduza 1597,6 VAr indutivo no circuito

oy\  8 r$    30,30s
r$ oy\ 1597,6
(21.5)

r$ 30,30
Portando o valor do indutor equivalente será de

r$  "$ 8 $    80,4)*
" 377
(21.6)

Você também pode gostar