Você está na página 1de 73

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PENEIRAMENTO INDUSTRIAL
Parte II
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneiramento industrial - operação de separação por tamanho


realizada utilizando superfícies que contém aberturas geométricas
de formas variadas.
▪ Dois produtos - o material retido “OVERSIZE” e o material
passante “UNDERSIZE”
▪ Faixa granulométrica - tamanhos centimétricos até cerca de
250 m

Exceções

•Peneiras tipo DSM corte entre 300 e 40μm


•Peneiras de alta freqüência
Derrick corte entre 1000 e 38 μm
Smart Screen novo conceito em vibração
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneiramento Industrial - Equipamentos


❖ Grelha
▪ Grelha fixa - barras fixas dispostas paralelamente inclinadas
de 35 a 45 graus sendo utilizada para separação de blocos entre
76.2mm (3”) e 203.0mm (8”)
▪ Grelha vibratória - possui mecanismo de vibração, menor
inclinação, sendo usada em separações entre 50.8mm (2”) e 152.4mm (6”)
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
Peneiramento Industrial - Equipamentos
❖ Peneira Rotativa - Trommel
▪ Caracteriza-se por apresentar superfície cilíndrica de
peneiramento (às vezes ligeiramente cônica) que gira em
torno de seu eixo longitudinal.
▪ Opera com inclinações da ordem de 4 a 10 graus.
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneira Rotativa - tamanho de corte entre 80 e 2000μm.


➢ Aplica-se na eliminação de finos ou grossos nos produtos de
ciclonagem, classificadores espirais e descarga de moinhos
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneira estacionária para finos - corte entre 300 e 40 μm


▪ DSM - barras horizontais formando superfície curva com
alimentação tangencial à superfície e perpendicular às barras
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
Peneiramento Industrial - Equipamentos
❖ Peneiras de alta freqüência para finos -
▪ Derrick - superfície plana e alta freqüência

painel
Stack sizer
metálico

Tamanho # 0,15 mm
de corte área das
entre 1000 aberturas
e 38 μm 35 a 45%
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneiras de alta freqüência para finos

▪Smart Screen
novo conceito em vibração

Ponta do vibrador
Objetivos:
➢Reduzir consumo de energia em 75%
➢Reduzir custo de peneiramento
➢Aumentar produtividade de 5 a 10%
➢Reduzir níveis de ruído e vibração
motor smart
na área de peneiramento
✓ motor smart baseado na
ressonância eletromagnética
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneiras Vibratórias - horizontal e vertical


❑ amplitude = 1,5 mm a 6 mm
❑ frequência = 400 rpm a 1000 rpm
➢ Aberturas maiores = amplitude maior e frequência menor
➢ Aberturas menores = amplitude menor e frequência maior

Tamanho da partícula X abertura da malha

d > 1,5 a = retidas facilmente


d < 0,5 a = passam facilmente
0,5 a < d < 1,5 a = tamanho crítico
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneira horizontal - velocidade de transporte = 12 a 18 m/min.

peneira vibratória horizontal

movimento da partícula
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneira inclinada - velocidade de transporte = 18 a 36 m/min.


15 a 35 graus

peneira vibratória inclinada

movimento da partícula
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneira “Banana screen” - tamanho de malha estagiado


PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneira “Banana screen”

Motores vibratórios
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneira desaguadora
Motores vibratórios
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

❖ Peneiramento móvel possui maior versatilidade logística


PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneiramento Industrial – Eficiência


Eficiência = mostra a qualidade da separação no peneiramento industrial
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneiramento Industrial – Eficiência


Eficiência = mostra a qualidade da separação no peneiramento industrial
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneiramento Industrial – Eficiência X Taxa de Alimentação


Eficiência = mostra a qualidade da separação no peneiramento industrial
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneiramento Industrial – Eficiência X Taxa de Alimentação

t/h passante t / h material retido na a lim entação


E = x 100 E= x 100
t/h que deveria passar t / h da a lim entação que é realmente retida

Considere uma peneira vibratória:


- abertura da tela: 25mm
- alimentação: 250 t/h
- Análise granulométrica da alimentação : 90% passante 25mm
- massa passante: 200t/h
Qual são as eficiências de peneiramento de material passante e de material retido?
RET ALIM REAL ALM
Considere uma peneira vibratória:
- abertura da tela: 75mm 3500 2400
- alimentação: 6000 t/h 68,57
- Análise granulométrica da alimentação : 40% retido em 75 mm
- massa retida real: 3500t/h Pass ALM

Qual é a eficiência de peneiramento de material retido? 2500 3600


69,4
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Curva de Partição
curva ideal

100
partição para oversize %

curva real

50

corte tamanho
abertura
da peneira
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneiramento Industrial - Equipamentos


Fatores que podem influenciar o peneiramento industrial:

✓ tamanho da abertura: a capacidade de peneiramento reduz com


a diminuição da abertura da superfície;
✓ forma de abertura: aberturas retangulares tem maior % de área livre,
maior probabilidade de passagem e maior capacidade por unidade de
superfície, comparativamente com aberturas quadradas equivalentes;
✓ relação partícula/abertura: quanto mais próximo for o tamanho da
partícula em relação a abertura, menor será a probabilidade de
passagem;
✓ umidade: pode ser fator extremamente importante, dependendo do seu
valor e da presença de material argiloso; Partindo do material seco a operação
vai se tornando cada vez mais difícil, tornando-se impossível de 5 a 8%.
Retornando possível somente acima de 60% de umidade.

✓ forma das partículas: partículas que tenham tendência a forma


cúbica tem maior facilidade de passagem do que as lamelar.
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneiramento a úmido
Objetivo - desagregação e remoção de argilas e partículas finas
Jatos de água - espargidores em tubos transversais ao fluxo - 1 a 3 atm

V = Kp . C

V = vazão de água para peneira Número de Bicos / tubo = W / 0,3

Kp = 1 - 1,5 material limpo, e 1,5 - 3 para W = largura da peneira

material com argila Quantidade de tubos = V / VT

C = Capacidade da peneira em m3/h VT = vazão por tubos


(combinação bico/pressão)
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneiramento Comportamento das partículas

Região da superfície da peneira, trechos:


a-b: Estratificação ainda está ocorrendo.
b-c: Saturação – o leito da peneira está totalmente
estratificado.
c-d: Baixa probabilidade de peneiramento –
partículas remanescentes têm que fazer tentativas
repetidas até conseguirem atravessá-la
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Peneiramento Industrial – Relação Abertura x Partícula


Peneira inclinada
Como especificar o tamanho
dos grãos?
A eficiência do peneiramento
ou a pureza do material?
abertura
O rendimento?
projeção da abertura
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Relação Abertura Equivalente x Tamanho da Partícula ( Produto )

100
Abertura Equivalente (mm)

A
10 B
C

1
1 10 100
Tamanho de Produto (mm)

A: para telas de borracha e plástico com abertura quadrada;


B: Telas de borracha e plástico com abertura retangular, e para telas de arame com abertura quadrada;
C: Telas de arame para abertura retangular; b: abertura da peneira e sua projeção.
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Segundo Gaudin a massa de material a ser alimentada em uma série de


peneiras deve ser tal que não proporcione ao término do peneiramento
massas retidas nas peneiras que ultrapassem o equivalente a 3 camadas de
partículas sobre a tela metálica da peneira.
Na prática, este número de camadas de partículas é relacionado à massa
através da seguinte fórmula:

Onde:
M = massa de material que poderia ficar retida em uma peneira, após cessado o
peneiramento (g);
di = abertura da peneira em análise (cm);
ds = abertura da peneira imediatamente acima (cm) = dix2½;
p = densidade do minério (g/cm3);
A = área da peneira (cm2);
N = número de camadas de partículas (1 a 3).
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Conceito Probabilístico de Peneiramento


Probabilidade de Passagem (%)
10 Tentativas 1000 Tentativas
do/DA DA=DW DA= 4 DW DA=DW DA= 4 DW
0,0 99,0 100,0 100,0 100,0
0,1 97,5 100,0 100,0 100,0
0,2 94,8 99,99 100,0 100,0
0,4 83,9 98,8 100,0 100,0
0,6 57,0 86,2 100,0 100,0
0,8 20,8 43,0 100,0 100,0
0,9 6,3 14,5 99,8 100,0
0,95 1,8 4,1 84,3 98,5
0,99 0,1 0,2 7,2 16,5
1,00 0 0 0 0

P= Probabilidade
DA = abertura da tela
DW = diâmetro do fio da tela
do = diâmetro da partícula
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Conceito Probabilístico de Peneiramento

= (1 − p )
M n
Mt
M = massa retida em n tentativas
Mt = massa da alimentação
n = número de tentativas
n
M   D A − do
2

= 1 −   
Mt   D A + D W  

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

EXERCÍCIO
Sabendo-se durante a análise em laboratório de um dado minério de ferro com
densidade 2,35t/m3 ficaram retidas 250g na peneira 1,70mm. Qual foi a área efetiva
da peneira utilizada, considerando três níveis de sobreposição de partículas.
Qual seria a área para que não houvesse uma sobreposição de partículas?
O que poderíamos dizer se ficassem retidas 150g, neste mesmo cenário acima
descrito?

Onde:
M = massa de material que poderia ficar retida em uma peneira, após cessado o
peneiramento (g);
di = abertura da peneira em análise (cm);
ds = abertura da peneira imediatamente acima (cm) = dix2½;
p = densidade do minério (g/cm3);
A = área da peneira (cm2);
N = número de camadas de partículas (1 a 3).
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
EXERCÍCIO
Conceito Probabilístico de Peneiramento - Gaudin

P= Probabilidade
2
 D A − do 
p =   DA = abertura da tela
 DA + DW  DW = diâmetro do fio da tela
do = diâmetro da partículaC
a) Qual é a probabilidade de passagem de uma partícula esférica de 10mm de
diâmetro, em uma abertura de peneira com 25,4mm e diâmetro de fio de 0,953mm

b) Qual é a probabilidade de passagem considerando-se agora uma partícula


esférica de 20,0mm
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Dimensionamento e Seleção de Peneiras


Peneiramento a úmido
Método da METSO - (antiga FAÇO)
Fatores que interferem no peneiramento
▪ Alimentação
▪ Características de material
▪ Granulometria da alimentação
▪ Densidade aparente
▪ Tamanho máximo na alimentação
▪ Umidade
▪ Forma das partículas
▪ Forma de peneiramento a seco/úmido
▪ Layout
▪ Produtos desejados
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Dimensionamento e Seleção de Peneiras


T P A = área necessária da superfície da peneira (m2)
A=
C  M  K  Qn T = alimentação (m3/h)
C = fator de capacidade (m3/h.m2) (tabela B)
M = fator de material retido (tabela C)
K = fator relacionado à quantidade < ½ da abertura da
peneira (tabela D)
Qn = Q1 x Q2 x Q3 x Q4 x Q5 x Q6 (tabela E)
P = função do conhecimento do material (1- 1,4)

100  Tf D = espessura da camada de material na extremidade


W= + 0 ,15 de descarga (mm) (tabela 5.01)
6SD Tf = quantidade de material produzida como oversize
(m3/h)
S = fator de velocidade do material (tabela F)
W = largura nominal da peneira (m)
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Dimensionamento e Seleção de Peneiras


Exemplo 1: Minério de ferro, densidade 2080 kg/m3 , 9% umidade, partículas
lamelares, 272 t/h alimentação, peneiramento a seco no primeiro deck com
malha quadrada de 12,5 mm.
malha da peneira (mm) 12,75
t/h alimentação 272 Abertura % Pass.
densidade específica (t/m3) 2,08 Acum.
Área(m2)= 7,11 38mm 100
m3/h alim 130,77
cap.u 23,50 25mm 98
Q1 1,06
19mm 92
Q2 1,3
Q3 0,85 12,5mm 65
Q4 0,9
Q5 1 6,3 33
Q6 0,75
Q7 0,9
Q8 1,1
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 1: minério de ferro, densidade 2080 kg/m3 , 9% umidade, partículas


lamelares, 272 t/h alimentação, peneiramento a seco no primeiro
deck com malha quadrada de 12,5 mm.
malha da peneira (mm) 12,75 Abertura % Pass.
t/h alimentação 272 Acum.
t/m 3
densidade específica (t/m3) 2,08 38mm 100
Área(m2)= 7,11
25mm 98
m3/h alim 130,77
Resolução

cap.u 23,50 19mm 92


Q1 1,06
Q2 1,3 12,5mm 65
Q3 0,85
Q4 0,9 6,3 33
Q5 1
Q6 0,75
Q7 0,9
Q8 1,1
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 1: minério de ferro, densidade 2080 kg/m3 , 9% umidade, partículas


lamelares, 272 t/h alimentação, peneiramento a seco no primeiro
deck com malha quadrada de 12,5 mm.
malha da peneira (mm) 12,75 Abertura % Pass.
t/h alimentação 272 Acum.
t/m 3
densidade específica (t/m3) 2,08 38mm 100
Área(m2)= 7,11
3
25mm 98
m /h alim 130,77
Resolução

cap.u 23,50 19mm 92


Q1 1,06
Q2 1,3 12,5mm 65
Q3 0,85
Q4 0,9 6,3 33
Q5 1
Q6 0,75
Q7 0,9
Q8 1,1
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 1: minério de ferro, densidade 2080 kg/m3 , 9% umidade, partículas


lamelares, 272 t/h alimentação, peneiramento a seco no primeiro
deck com malha quadrada de 12,5 mm.
malha da peneira (mm) 12,75 Abertura % Pass.
t/h alimentação 272 Acum.
t/m 3
densidade específica (t/m3) 2,08 38mm 100
Área(m2)= 7,11
25mm 98
m3/h alim 130,77
cap.u 23,50 19mm 92
Q1 1,06
Q2 1,3 12,5mm 65
Q3 0,85
Q4 0,9 6,3 33
Q5 1
Q6 0,75
Q7 0,9
Q8 1,1
TABELA B - FATOR DE CAPACIDADE “C”- para aberturas maiores que 1”
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
Dimensionamento
TABELA e Seleção
B - FATOR DE CAPACIDADE de Peneiras
“C”- para aberturas menores que 1”
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 1: Minério de ferro, densidade 2080 kg/m3 , 9% umidade, partículas


lamelares, 272 t/h alimentação, peneiramento a seco no primeiro deck com
malha quadrada de 12,5 mm.

malha da peneira (mm) 12,75 Abertura % Pass.


t/h alimentação 272 Acum.
t/m 3
densidade específica (t/m3) 2,08 38mm 100
Área(m2)= 7,11
25mm 98
m3/h alim 130,77
cap.u 23,50 19mm 92
Q1
M 1,06
Q2 1,3 12,5mm 65
Q3 0,85
Q4 0,9 6,3 33
Q5 1
Q6 0,75
Q7 0,9
Q8 1,1
TABELA C - FATOR DE
Dimensionamento e MATERIAL
Seleção RETIDO “M”
de Peneiras
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 1: minério de ferro, densidade 2080 kg/m3 , 9% umidade, partículas


lamelares, 272 t/h alimentação, peneiramento a seco no primeiro
deck com malha quadrada de 12,5 mm.
malha da peneira (mm) 12,7
12,55 Abertura % Pass.
t/h alimentação 272 Acum.
t/m 3
densidade específica (t/m3) 2,08 38mm 100
Área(m2)= 7,11
25mm 98
m3/h alim 130,77
cap.u 23,50 19mm 92
Q1
M 1,06
Q2 1,3 12,5mm 65
Q3 0,85
Q4 0,9 6,3 33
Q5 1
Q6 0,75
Q7 0,9
Q8 1,1
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 1: minério de ferro, densidade 2080 kg/m3 , 9% umidade, partículas


lamelares, 272 t/h alimentação, peneiramento a seco no primeiro
deck com malha quadrada de 12,5 mm.
malha da peneira (mm) 12,7
12,55 Abertura % Pass.
t/h alimentação 272 Acum.
t/m 3
densidade específica (t/m3) 2,08 38mm 100
Área(m2)= 7,11
25mm 98
m3/h alim 130,77
cap.u 23,50 19mm 92
Q1
M 1,06
Q2
K 1,3 12,5mm 65
Q3 0,85
Q4 0,9 6,3 33
Q5 1
Q6 0,75
Q7 0,9
Q8 1,1
TABELA D - FATOR DE CORREÇÃO “K”
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 1: minério de ferro, densidade 2080 kg/m3 , 9% umidade, partículas


lamelares, 272 t/h alimentação, peneiramento a seco no primeiro
deck com malha quadrada de 12,5 mm.
malha da peneira (mm) 12,7
12,55 Abertura % Pass.
t/h alimentação 272 Acum.
t/m 3
densidade específica (t/m3) 2,08 38mm 100
Área(m2)= 7,11
25mm 98
m3/h alim 130,77
cap.u 23,50 19mm 92
Q1
M 1,06
Q2
K 1,3
0,85 12,5mm 65
Q3 0,85
Q4 0,9 6,3 33
Q5 1
Q6 0,75
Q7 0,9
Q8 1,1
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 1: minério de ferro, densidade 2080 kg/m3 , 9% umidade, partículas


lamelares, 272 t/h alimentação, peneiramento a seco no primeiro
deck com malha quadrada de 12,5 mm.
malha da peneira (mm) 12,7
12,55 Abertura % Pass.
t/h alimentação 272 Acum.
t/m 3
densidade específica (t/m3) 2,08 38mm 100
Área(m2)= 7,11
25mm 98
m3/h alim 130,77
cap.u 23,50 19mm 92
Q1
M 1,06
Q2
K 1,3
0,85 12,5mm 65
Q3
Q1 0,85
Q4 0,9 6,3 33
Q5 1
Q6 0,75
Q7 0,9
Q8 1,1
TABELA E
TABELA
PONTIFÍCIA E - FATOR
UNIVERSIDADE DEDECORREÇÃO
CATÓLICA MINAS GERAIS “Q”

Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6

Deck superior

Segundo Deck

terceiro Deck
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

TABELA E - FATOR DE CORREÇÃO “Q 6 ”


PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Q1= Malha quadrada Q2= Partículas lamelares Q3=Peneiramento a seco


malha da peneira (mm) 12,5
12,7 malha da peneira (mm) 12,7 malha da peneira (mm)
12,5 12,5
12,7
t/h alimentação 272 t/h alimentação 272 t/h alimentação 272

t/m3
densidade específica (t/m 3) 2,08 t/m3
densidade específica (t/m 3) 2,08 t/m3
densidade específica (t/m3) 2,08
2
Área(m2)= 7,11 Área(m2)= 7,11 Área(m )= 7,11
3
m3/h alim 130,77 m3/h alim 130,77 m /h alim 130,77
cap.u 23,50 cap.u 23,50 cap.u 23,50
M
Q1 1,06 M
Q1 1,06 M
Q1 1,06
K
Q2 1,3
0,85 K
Q2 1,3
0,85 K
Q2 1,3
0,85
Q1
Q3 0,85
1,0 Q1
Q3 0,85
1,0 1
Q3 0,85
1,0
Q4 0,9 Q4
Q2 0,9 Q2
Q4 0,9
Q5 1 Q3
Q5 1
Q4=Q5 9% umidade, 1
Q6 0,75 Q6
Q5= Primeiro 0,75
deck Q6= % Q6 Área
Q7
0,75
aberta
0,9
malha daQ7 peneira (mm)0,9 12,5
12,7 malha daQ7 peneira (mm) 0,9 12,5
12,7 malha da peneira (mm) 12,5
12,7
t/h alimentação
Q8 1,1 272 Q8 1,1 Q8 1,1
t/h alimentação 272 t/h alimentação 272
t/m3
densidade específica (t/m 3) 2,08 t/m3
densidade específica (t/m 3) 2,08 t/m3
densidade específica (t/m 3) 2,08
Área(m2)= 7,11 2
Área(m )= 7,11 Área(m )= 2
9,24
7,11
3 3 3
m /h alim 130,77 m /h alim 130,77 m /h alim 130,77
cap.u 23,50 cap.u 23,50 cap.u 23,50
M
Q1 1,06 M
Q1 1,06 M
Q1 1,06
K
Q2 1,3
0,85 K
Q2 1,3
0,85 K
Q2 1,3
0,85
Q1
Q3 0,85
1,0 Q1
Q3 0,85
1,0 Q1
Q3 0,85
1,0
Q2
Q4 0,9 Q2
Q4 0,9 Q2
Q4 0,9
Q3
Q5 1 Q3
Q5 1 Q3
Q5 1
Q4
Q6 0,75 Q4
Q6 0,75 Q4
Q6 0,75
Q7 0,9 Q5
Q7 0,9 Q5
Q7 0,9
Q8 1,1 Q6
Q8 1,1
1,1
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Dimensionamento e Seleção de Peneiras

T P A = área necessária da superfície da peneira (m2)


A=
C  M  K  Qn T = alimentação (m3/h)
C = fator de capacidade (m3/h.m2) (tabela B)
M = fator de material retido (tabela C)
K = fator relacionado à quantidade < ½ da abertura da
peneira (tabela D)
Qn = Q1 x Q2 x Q3 x Q4 x Q5 x Q6 (tabela E)
P = função do conhecimento do material (1- 1,4)

100  Tf D = espessura da camada de material na extremidade


W= + 0 ,15 de descarga (mm) (tabela 5.01)
6SD Tf = quantidade de material produzida como oversize
(m3/h)
S = fator de velocidade do material (tabela F)
W = largura nominal da peneira (m)
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

100  Tf
W = largura nominal da peneira (m) W=
+ 0 ,15
6SD
Tf = quantidade de material produzida como oversize ( m 3 / h)
D = espessura máxima da camada na extremidade de descarga(mm)
DENSIDADE - t / m3 ALTURA MÁXIMA DA
CAMADA
> 1,6 4a
1,6 - 0,8 3a
< 0,8 2,5 a
a = abertura nominal da tela
S = fator de velocidade do material
TIPO DA PENEIRA INCLINADA HORIZONTAL
Modelo XH SH e MN LH e HN
Abertura da tela > 1’ > 1’ < 1’ > 1’ < 1’
Rotação motor (rpm) 750 800 800 800 800
Fator de velocidade(m/min) 38 38 30 12 12
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Dimensionamento e Seleção de Peneiras


W = largura nominal da peneira (m) malha da peneira (mm) 12,7
12,5
t/h alimentação 272
100  Tf t/m 3 (t/m 3)
W= + 0 ,15 densidade específica 2,08
6SD Área(m2)= 9,24
7,11
m3/h alim 130,77
W = (100 x 130,77 x 0,35) + 0,15 = 1,32 m cap.u 23,50
(6 x 30 x 2 x 12,5) M
Q1 1,06
Q2
K 1,3
0,85
D = considerado 2 x a ! Q3
Q1 0,85
1,0
Q4 0,9
Q5 1
Deck Área Largura Q6
Q4 0,75
Q5
Q7 0,9
1 9,24 1,32 Q6
Q8 1,10
1,1
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Especificações Técnicas

1,8m x 6,1m
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Dimensionamento e Seleção de Peneiras

T P A = área necessária da superfície da peneira (m2)


A=
C  M  K  Qn T = alimentação (m3/h)
C = fator de capacidade (m3/h.m2) (tabela B)
M = fator de material retido (tabela C)
K = fator relacionado à quantidade < ½ da abertura da
peneira (tabela D)
Qn = Q1 x Q2 x Q3 x Q4 x Q5 x Q6 (tabela E)
P = função do conhecimento do material (1- 1,4)

100  Tf D = espessura da camada de material na extremidade


W= + 0 ,15 de descarga (mm) (tabela 5.01)
6SD Tf = quantidade de material produzida como oversize
(m3/h)
S = fator de velocidade do material (tabela F)
W = largura nominal da peneira (m)
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 2:minério de cobre, densidade 1,6 t/m 3 , 3% umidade, partículas


lamelares, 380 t/h alimentação, peneiramento a seco, # quadrada
Produtos = maior que 25mm - entre 25 e 9,5 - menor que 9,5mm
malha da peneira(mm) 25,4
25
t/h alimentação 380 Abertura % Pass.
densidade t/ metro cúbico 1,6 Acum.
Área(metro quadrado) = 6,13
100mm 100
m3 /h 238
cap. U 33,5
M 1,0 25mm 75
K 1,1
Q1 1,0 12,5mm 45
Q2 0,9
Qn = 1,053 Q3 1,0 9,5mm 30
Q4 1,0
Q5 0,9 4,8 22
Q6 1,3

238 x 1,0
A1= = 6,13 m 2
33,5 x 1,0 x 1,1 x 1,0125
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Dimensionamento e Seleção de Peneiras 100  Tf


W= + 0 ,15
W = largura nominal da peneira (m) 6SD
Tf = quantidade de material produzida como oversize ( m 3 / h)
D = espessura máxima da camada na extremidade de descarga(mm)
DENSIDADE - t / m3 ALTURA MÁXIMA DA
CAMADA
> 1,6 4a
1,6 - 0,8 3a
< 0,8 2,5 a
a = abertura nominal da tela
S = fator de velocidade do material
TIPO DA PENEIRA INCLINADA HORIZONTAL
Modelo XH SH e MN LH e HN
Abertura da tela > 1’ > 1’ < 1’ > 1’ < 1’
Rotação motor (rpm) 750 800 800 800 800
Fator de velocidade(m/min) 38 38 30 12 12
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Dimensionamento e Seleção de Peneiras 100  Tf


W= + 0 ,15
6SD
W = largura nominal da peneira (m)
Tf = quantidade de material produzida como oversize ( m 3 / h)
D = espessura máxima da camada na extremidade de descarga(mm)
S = fator de velocidade do material

Tf = 60 ( m3 / h)
D = 2 x 25 = 50mm
S = 30 Deck Área Largura

100  Tf 1 6,13 0,82


W = + 0 ,15
6SD
100 x 60
W= + 0,15 = 0,82 m
6 x 30 x 50
TABELA B - FATOR DE CAPACIDADE “C”- para aberturas maiores que 1”
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
Dimensionamento
TABELA e Seleção
B - FATOR DE CAPACIDADE de Peneiras
“C”- para aberturas menores que 1”
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
TABELA C - FATOR DE
Dimensionamento e MATERIAL
Seleção RETIDO “M”
de Peneiras
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
TABELA D - FATOR DE CORREÇÃO “K”
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
TABELA E
TABELA
PONTIFÍCIA E - FATOR
UNIVERSIDADE DEDECORREÇÃO
CATÓLICA MINAS GERAIS “Q”

Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6

Deck superior

Segundo Deck

terceiro Deck
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

TABELA E - FATOR DE CORREÇÃO “Q 6 ”


PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Exemplo 2:minério de cobre, densidade 1,6 t/m3 , 3% umidade, partículas


lamelares, 380 t/h alimentação, peneiramento a seco
Produtos = maior que 25mm - entre 25 e 9,5 - menor que 9,5mm
malha da peneira(mm) 25,4
25
Abertura % Pass.
t/h alimentação 380
densidade t/ metro cúbico 1,6 Acum.
Área(metro quadrado) == 6,13 m3 100mm 100
m3 /h 238
cap. U
25mm 75
M
K
Q1 12,5mm 45
Q2
Qn = 1,053 Q3 9,5mm 30
Q4
Q5 4,8 22
Q6

238 x 1,0
A1= = 6,13 m3
33,5 x 1,0 x 1,1 x 1,0125
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

100  Tf
W= + 0 ,15
W = largura nominal da peneira (m) 6SD
Tf = quantidade de material produzida como oversize ( m 3 / h)
D = espessura máxima da camada na extremidade de descarga(mm)
DENSIDADE - t / m3 ALTURA MÁXIMA DA
CAMADA
> 1,6 4a
1,6 - 0,8 3a
< 0,8 2,5 a
a = abertura nominal da tela
S = fator de velocidade do material
TIPO DA PENEIRA INCLINADA HORIZONTAL
Modelo XH SH e MN LH e HN
Abertura da tela > 1’ > 1’ < 1’ > 1’ < 1’
Rotação motor (rpm) 750 800 800 800 800
Fator de velocidade(m/min) 38 38 30 12 12
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

100  Tf
W= + 0 ,15
6SD
W = largura nominal da peneira (m)
3
Tf = quantidade de material produzida como oversize ( m / h)
D = espessura máxima da camada na extremidade de descarga(mm)
S = fator de velocidade do material

Deck Área Largura


Tf = 107 ( m3 / h)
1 6,13 0,82
D = 3 x 9,5 = 28,5 mm
S = 30 2 12,83 2,23

Escolha = maior área e largura


100 x 107
W= + 0,15 = 2,23 m
6 x 30 x 28,5
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

8’ x 20’ 2 14,8

Você também pode gostar