Você está na página 1de 23

Espécies com ocorrência nas áreas campestres do Pampa e da Mata Atlântica

Anfíbios
anuros
dos
Campos
Sulinos

Lista elaborada com base na literatura publicada e registros da Rede Campos Sulinos
Samanta Iop
Tiago Gomes dos Santos
Sonia Zanini Cechin

Anfíbios anuros dos Campos Sulinos:


Espécies com ocorrência nas áreas campestres do Pampa e da Mata Atlântica

Porto Alegre, 2016

Rede Campos Sulinos - UFRGS


Realização Este trabalho foi desenvolvido através do
Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pesquisa em Biodiversidade MCT/CNPq
Universidade Federal do Pampa
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Rede Campos Sulinos

Autores
Samanta Iop
Tiago Gomes dos Santos
Sonia Zanini Cechin

Fotografias
Axel Kwet
Elaine Lucas Gonsales
Jeferson L. S. de Arruda
Lucas Batista Crivellari Ficha catalográfica elaborada por Rosalia Pomar Camargo CRB 856/10
Luís Felipe Toledo
Mirco Solé
Rodrigo Lingnau I64a Iop, Samanta
Samanta Iop Anfíbios anuros dos Campos Sulinos: espécies com ocorrên-
Suélen Alves da Silva Saccol cia nas áreas campestres do Pampa e da Mata Atlântica/ Saman-
Tiago Gomes dos Santos ta Iop, Tiago Gomes dos Santos, Sonia Zanini Cechin – Porto
Vinícius Matheus Caldart Alegre : Rede Campos Sulinos : UFRGS, 2016.
22 p. : il.
Planejamento e revisão
Samanta Iop
ISBN 978-85-66106-84-8
Tiago Gomes dos Santos
Eliege Fante

Diagramação
1. Anfíbios 2. Campos Sulinos 3. Biodiversidade
Eliege Fante
Débora Gallas

Ilustrações
Andressa Iop CDU 597.6(816)
Fotos: Suélen da Silva Alves Saccol

Apresentação
O guia digital “Anfíbios anuros dos Campos Sulinos” de Samanta Iop e Sonia Zanini
Cechin, da Universidade Federal de Santa Maria, e de Tiago Gomes dos Santos, da Universidade
Federal do Pampa, foi produzido a partir de pesquisas de campo realizadas no Rio Grande do Sul,
Santa Catarina e Paraná, no âmbito da Rede Campos Sulinos.

A Rede Campos Sulinos é uma coalizão de universidades e instituições de pesquisa da


região sul do Brasil, que reúne mais de 30 grupos, com o propósito de gerar, organizar e difundir
o conhecimento sobre os Campos Sulinos. Este guia é um dos produtos de divulgação científica
do projeto Rede de Pesquisa em Biodiversidade dos Campos Sulinos, aprovado na Chamada
MCTI/CNPq nº 35/2012 do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio), instituído pelo
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e operacionalizado pelo Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O objetivo deste guia é promover o conhecimento e a valorização da biodiversidade entre


produtores, técnicos, pesquisadores, administradores, gestores, estudantes e demais interessados
pela conservação e uso sustentável dos Campos Sulinos.

Prof. Valério De Patta Pillar (UFRGS)


Coordenador da Rede Campos Sulinos
Anfíbios anuros dos Campos Sulinos: espécies com ocorrência nas áreas
campestres do Pampa e da Mata Atlântica

Os campos naturais do cone sul da América do Sul, distribuídos Os anfíbios mais conhecidos são os sapos, as rãs e as pererecas,
nas regiões de entorno do rio da Prata, ocupam uma área de aproxi- que têm sua história de vida ligada aos ambientes aquáticos tais como
madamente 893 mil km2, compartilhada por Brasil, Uruguai e Argenti- banhados, poças d’água, rios e sangas, onde a maioria das espécies
na. A porção situada em território brasileiro recebe a denominação de se reproduz. O coaxar (canto) desses animais pode ser ouvido à noi-
Campos Sulinos e distribui-se em dois biomas: Pampa, na metade sul e te nesses ambientes, principalmente nos dias quentes e chuvosos de
oeste do estado do Rio Grande do Sul, e Mata Atlântica, onde ocorrem primavera e verão. Os sapos possuem quatro membros curtos, pele
de forma descontínua, associados às matas com araucária no norte do rugosa, grandes glândulas de defesa, têm hábitos terrestres e se loco-
Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná. movem através de pequenos saltos. As rãs aquáticas ou semi-aquáticas
apresentam pele lisa e quatro membros bem desenvolvidos para saltos
Os Campos Sulinos abrigam uma alta diversidade de espécies
longos. As pererecas têm a pele úmida e lisa, patas finas e longas, e
de plantas e animais e prestam serviços ambientais essenciais como o
apresentam dilatações nas pontas dos dedos, que são discos utilizados
acúmulo de carbono e a infiltração de água no solo, além da produção
para escalar plantas, rochas e paredes.
natural de forragem para a atividade pastoril. Historicamente, influen-
ciaram a cultura regional através da interação entre as peculiaridades Os anfíbios são fundamentais para a integridade dos ecossis-
paisagísticas da região e o desenvolvimento da pecuária como ativida- temas. Eles desempenham importantes funções ecológicas, como o
de econômica. controle de populações de insetos, produzem secreções químicas com
potencial para o desenvolvimento de fármacos e são bioindicadores de
Este guia apresenta 84 espécies de anfíbios anuros (83 nativas
qualidade do ambiente.
e uma exótica) que podem ser encontradas em regiões campestres ao
longo dos três estados do sul do Brasil. A palavra anfíbio, do grego, Neste guia apresentamos informações sobre o habitat, a ativida-
significa vida dupla, se referindo ao ciclo de vida da maioria destes de de vocalização, o tamanho e a abundância de cada espécie, além
animais, que tem duas fases: uma aquática na forma de larva e outra de categoria de ameaça de extinção, de acordo com os símbolos ilus-
terrestre na forma de adulto. trados a seguir:

4
Ambiente de reprodução

Água parada: Água corrente: Bromélia


poça, banhado, lagoa sanga, riacho, rio

Sítio de vocalização: ambiente onde é mais comum encontrar a espécie cantando

Terrícola: Arborícola:
vocaliza no solo, sobre vocaliza empoleirado na
gramíneas rasteiras, vegetação
solo nu ou rochas

Fossorial: vocaliza
em tocas subterrâneas Semi-aquático:
geralmente escavadas pelo vocaliza na água (flutuando
próprio animal ou parcialmente submerso)

5
Atividade de vocalização

Machos cantam durante Machos cantam durante Machos cantam geralmente


a noite o dia durante o dia e a noite

Tamanho: indica o tamanho médio dos indivíduos adultos da espécie, medido entre
a extremidade do focinho até a cloaca (CRC)

Pequeno: adultos com Médio: adultos com Grande: adultos com


tamanho menor que 3 cm tamanho entre 3 cm e 10 cm tamanho maior que 10 cm

Frequência e abundância: refere-se à facilidade de encontrar a espécie na natureza e à abundân-


cia geral de indivíduos

Muito comum (presente em muitas Pouco comum (presente em poucas locali- Raro (restrito a algumas localidades
localidades, em alta abundância) dades, com abundância média ou alta) e/ou com baixa abundância)
6
Estado de ameaça: seguindo os critérios da União Internacional para Conservação da Natureza
(IUCN)

Nacional Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul

Pouco preocupante Em perigo Extinto na natureza

Quase ameaçada Em perigo crítico Extinto

Vulnerável Não avaliado Dados deficientes

Distribuição da espécie

Foto com borda verde: espécie ocorre Foto com borda bege: espécie ocorre Foto com borda laranja: espécie ocorre
nos campos do bioma Mata Atlântica nos campos do bioma Pampa nos campos dos dois biomas
7
Alsodidae Bufonidae Bufonidae
Limnomedusa macroglossa Melanophryniscus alipioi Melanophryniscus atroluteus
Rãzinha-de-corredeira Sapinho-da-barriga-colorida Sapinho-da-barriga-colorida
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Lucas Batista Crivellari Foto: Tiago Gomes dos Santos

Bufonidae Bufonidae Bufonidae


Melanophryniscus cambaraensis Melanophryniscus devincenzii Melanophryniscus dorsalis
8 Sapinho-verde-da-barriga-colorida Sapinho-da-barriga-colorida Sapinho-da-barriga-colorida
Foto: Axel Kwet Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Axel Kwet
Bufonidae Bufonidae Bufonidae
Melanophryniscus montevidensis Melanophryniscus pachyrhynus Melanophryniscus sanmartini
Sapinho-da-barriga-colorida Sapinho-da-barriga-colorida Sapinho-da-barriga-colorida
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos

Bufonidae Bufonidae Bufonidae


Melanophryniscus simplex Melanophryniscus tumifrons Melanophryniscus vilavelhensis
9 Sapinho-da-barriga-colorida Sapinho-da-barriga-colorida Sapinho-da-barriga-colorida
Foto: Axel Kwet Foto: Axel Kwet Foto: Lucas Batista Crivellari
Bufonidae Bufonidae Bufonidae
Rhinella achavali Rhinella arenarum Rhinella dorbignyi
Sapo-cururu Sapo-cururu Sapo-granuloso
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos

Bufonidae Bufonidae Bufonidae


Rhinella fernandezae Rhinella icterica Rhinella schneideri
10 Sapo-granuloso Sapo-cururu Sapo-cururu
Foto:Tiago Gomes dos Santos Foto: Samanta Iop Foto: Tiago Gomes dos Santos
Ceratophrydae Hylidae Hylidae
Ceratophrys ornata Aplastodiscus perviridis Dendropsophus microps
Sapo-intanha Perereca-do-bambuzal Pererequinha-do-brejo
Foto: Axel Kwet Foto: Vinícius Matheus Caldart Foto: Axel Kwet

Hylidae Hylidae Hylidae


Dendropsophus minutus Dendropsophus nahdereri Dendropsophus nanus
11 Pererequinha-do-brejo Pererequinha-do-brejo Pererequinha-do-brejo
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Axel Kwet Foto: Axel Kwet
Hylidae Hylidae Hylidae
Dendropsophus sanborni Hypsiboas albopunctatus Hypsiboas bischoffi
Pererequinha-do-brejo Perereca-cabrinha Perereca
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Axel Kwet Foto: Axel Kwet

Hylidae Hylidae Hylidae


Hypsiboas caingua Hypsiboas faber Hypsiboas guentheri
12 Perereca-listrada Sapo-martelo Perereca
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Vinícius Matheus Caldart Foto: Axel Kwet
Hylidae Hylidae Hylidae
Hypsiboas joaquini Hypsiboas cf. joaquini Hypsiboas leptolineatus
Perereca Perereca Perereca
Foto: Samanta Iop Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Suélen da Silva Alves Saccol

Hylidae Hylidae Hylidae


Hypsiboas prasinus Hypsiboas pulchellus Hypsiboas stellae
13 Perereca Perereca-do-banhado Perereca
Foto: Axel Kwet Foto: Samanta Iop Foto: Tiago Gomes dos Santos
Hylidae Hylidae Hylidae
Phyllomedusa distincta Phyllomedusa iheringii Phyllomedusa rustica
Perereca-das-folhagens Perereca-das-folhagens Perereca-das-folhagens
Foto: Axel Kwet Foto: Samanta Iop Foto: Elaine Lucas Gonsales

Hylidae Hylidae Hylidae


Phyllomedusa tetraploidea Pseudis cardosoi Pseudis minuta
14 Perereca-das-folhagens Rã-boiadora Rã-boiadora
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos
Hylidae Hylidae Hylidae
Scinax aromothyella Scinax berthae Scinax catharinae
Perereca-das-tormentas Perereca-de-pintas-laranjas Perereca
Foto: Samanta Iop Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Axel Kwet

Hylidae Hylidae Hylidae


15 Scinax fuscovarius Scinax granulatus Scinax imbegue
Perereca-raspa-cuia Perereca-de-banheiro Perereca
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Axel Kwet
Hylidae Hylidae Hylidae
Scinax nasicus Scinax perereca Scinax rizibilis
Perereca-de-peito-manchado Perereca Perereca-rizadinha
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Axel Kwet

Hylidae Hylidae Hylidae


16 Scinax squalirostris Scinax tymbamirim Scinax uruguayus
Perereca-nariguda Perereca Perereca-uruguaia
Foto: Suélen da Silva Alves Saccol Foto: Samanta Iop Foto: Tiago Gomes dos Santos
Hylidae Hylidae Hylidae
Sphaenorhynchus caramaschi Sphaenorhynchus surdus Trachycephalus dibernardoi
Sapinho-limão Sapinho-limão Perereca-grudenta
Foto: Luis Felipe Toledo Foto: Suélen da Silva Alves Saccol Foto: Mirco Solé

Hylidae Hylidae Leptodactylidae


17 Trachycephalus mesophaeus Trachycephalus typhonius Leptodactylus chaquensis
Perereca-grudenta Perereca-grudenta Rã-criola
Foto: Axel Kwet Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos
Leptodactylidae Leptodactylidae Leptodactylidae
Leptodactylus furnarius Leptodactylus fuscus Leptodactylus gracilis
Rã-assoviadora Rã-assoviadora Rã-listrada
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Samanta Iop

Leptodactylidae Leptodactylidae Leptodactylidae


Leptodactylus labyrinthicus Leptodactylus latinasus Leptodactylus latrans
18 Rã-pimenta Rã-piadora Rã-manteiga
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Samanta Iop
Leptodactylidae Leptodactylidae Leptodactylidae
Leptodactylus mystacinus Leptodactylus notoaktites Leptodactylus plaumanni
Rã-de-bigode Rã-pingo-de-chuva Rã-listrada
Foto: Jeferson L. S. de Arruda Foto: Axel Kwet Foto: Samanta Iop

Leptodactylidae Leptodactylidae Leptodactylidae


Leptodactylus podicipinus Physalaemus biligonigerus Physalaemus cuvieri
19 Rã-pingo-de-chuva Rã-chorona Rã-cachorro
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos
Leptodactylidae Leptodactylidae Leptodactylidae
Physalaemus cf. gracilis Physalaemus gracilis Physalaemus henselii
Rã Rã-chorona Rã
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos

Leptodactylidae Leptodactylidae Leptodactylidae


Physalaemus lisei Physalaemus riograndensis Pleurodema bibroni
20 Rã-mosquito Rã-chorona Rã
Foto: Axel Kwet Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Rodrigo Lingnau
Leptodactylidae Microhylidae Microhylidae
Pseudopaludicola falcipes Elachistocleis bicolor Elachistocleis erythrogaster
Rãzinha Sapo-Guarda Rã-grilo-de-barriga-vermelha
Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Samanta Iop Foto: Axel Kwet

Odontophrynidae Leptodactylidae Ranidae


Odontophrynus americanus Odontophrynus maisuma Lithobates catesbeianus
21 Sapo-da-enchente Sapo-da-enchente Rã-touro
Foto: Samanta Iop Foto: Tiago Gomes dos Santos Foto: Tiago Gomes dos Santos
Foto: Tiago Gomes dos Santos

Realização Apoio

Rede Campos Sulinos (51) 3308.6776


Av. Bento Gonçalves, 9500
campossulinos@ufrgs.br
UFRGS - Campus do Vale
Setor 4, prédio 43411, sala 205
ufrgs.br/redecampossulinos
CEP 91501-970
Porto Alegre – Rio Grande do Sul facebook.com/RedeCamposSulinos