Você está na página 1de 63

Avaliação na fisioterapia desportiva

U N I N A S S A U – V I T Ó R I A D A C O N Q U I S TA
COLEGIADO DE FISIOTERAPIA
D E S P O R T I VA
P R O F. ª M A . C A R L A P E Q U E N O D A S I LVA
A prática esportiva de alto rendimento tem ganhado destaque
no cenário mundial ganhando cada vez mais investimentos e
incentivos
Em larga escala tem se observado que lesões no sistema
musculoesquelético de atletas devido às grandes
demandas físicas impostas pelos treinamentos e
competições
A atuação dos profissionais da saúde, em especial do
fisioterapeuta, tem se tornado crucial na prevenção do
aparecimento, progressão e recidivas dessas lesões
Qual o papel do fisioterapeuta no desporto???

A avaliação clínica e funcional do atleta, orientando quanto


aos possíveis desequilíbrios musculares e o desempenho
biomecânico do esporte em questão

É ele também que irá auxiliar no aquecimento e no


alongamento pré e pós exercícios, além de aplicar técnicas
para relaxamento muscular
A fisioterapia esportiva se desenvolve com programas
individuais, utilizando equipamentos específicos para a
demanda de cada atleta, levando à melhoria do
condicionamento físico, ganho de força e maior resistência
muscular
É necessário que o profissional tenha conhecimento sobre a
ocorrência de lesão no esporte e o entendimento dos
mecanismos envolvidos nesse processo
A sistematização de procedimentos de avaliação que permitam
identificar essas relações é realizada por meio de uma bateria
de testes escolhidos de acordo com as necessidades da equipe
e da modalidade esportiva para identificar e caracterizar a
condição de saúde dos atletas
AVALIAÇÃO PRÉ-PARTICIPAÇÃO

 Objetivo:

 Triar o estado de saúde

 Avaliar o nível de condicionamento

 Identificar fatores biomecânicos

 Identificar condições tratáveis que possam interferir ou


prejudicar a participação do atleta

 Planejar intervenções que levem à melhora no


desempenho do atleta antes do início dos treinamentos
Os resultados obtidos nos testes aplicados servem para um
melhor planejamento dos treinamentos visando proteger o
atleta
 A avaliação pré-participação é um campo de atuação do
fisioterapeuta porque faz parte do processo de prevenção
de lesões esportivas através da identificação de possíveis
fatores de risco
 As lesões que os atletas estão mais suscetíveis está
relacionado ao esporte que ele pratica

 Ligadas à relação entre a capacidade do atleta de gerar,


dissipar e transferir forças e demanda exigida pelo esporte e
treinamentos
 Além de somente identificar atletas em risco, é necessário
que a avaliação pré-participação inclua testes que guiem o
planejamento do programa preventivo

 O principal objetivo desses testes são prevenir futuras


lesões e não somente identificar seu potencial
aparecimento
Testes que podem ser incluídos num programa de
avaliação pré-participação:

 Avaliação do Ritmo
Escapuloumeral →
avalia a condição global
do desempenho
muscular da região
escapuloumeral. Pode
ser utilizado em
esportes como voleibol,
tênis e natação
 Análise do valgismo dinâmico do joelho à avalia as
condições do joelho do atleta
Testa da ponte com extensão unilateral do joelho →
Avalia a estabilidade pélvica
Avaliação da rotação da patela no plano frontal → avalia a
rotação da patela com referência ao fêmur e ao ligamento
patelar
Avaliação do alinhamento perna-antepé → avalia a relação
angular entre a perna e o antepé
Testes de rigidez
Testes de flexibilidade

– Avaliação das ADMs

– Testes de desempenho muscular

– Testes de desempenho funcional


- Hop test → avalia a força e a potência muscular do joelho
e a estabilidade dinâmica de joelho e tornozelo
Tuck test → avalia a capacidade funcional do membro
inferior durante o salto
Balance Error Scoring System à avalia o equilíbrio
estático e a estabilidade estática do tornozelo
Step Down e Single Leg Squat → avaliam a estabilidade
lombopélvica e o valgo dinâmico do joelho
Closed Kinetic Chain Upper Extremity Stability test →
avalia a estabilidade dinâmica dos membros superiores
em cadeira cinética fechada e a potência muscular dos
membros superiores
As características a serem avaliadas podem ser:

 Amplitude de movimento

 Assimetria anatômica
 Estabilidade do CORE
 Controle neuromuscular

 Força Muscular

 Rigidez articular e muscular

 Alinhamento biomecânico

 Flexibilidade
Amplitude de movimento
Amplitude de movimento
Amplitude de movimento
Assimetria anatômica
Estabilidade do CORE
Estabilidade do CORE
Controle neuromuscular

• A avaliação do controle neuromuscular pode ser realizada


por meio do Star Excursion Balance Test (SEBT), que é um
teste de baixo custo, que avalia o paciente de forma
dinâmica

• Tem sido utilizado para avaliar a propriocepção, equilíbrio


postural, a integridade dos sistemas de proteção corporal

• Avalia o equilíbrio dinâmico e a estabilidade dinâmica do


joelho e tornozelo
CONCEITO DE FORÇA MUSCULAR

 “Capacidade de superar a resistência externa às custas dos


esforços musculares”. (VERKHOSHANSKI, 2001).

 “Capacidade para vencer ou se opor á uma maior resistência


mediante a ação muscular”.
(PLATONOV, 1999).
 “É a máxima quantidade de força que um músculo, ou grupo
muscular, pode gerar em um padrão especifico de movimento á
uma determinada velocidade”. (FLECK & KRAEMER, 1999).

 “Capacidade de um sujeito vencer ou suportar uma resistência.


Esta capacidade do ser humano, por sua vez, é o resultado da
contração muscular”. (MANSO VALDIVIELSO & CABALLERO,
1996).
DEFINIÇÃO DE FORÇA MUSCULAR
 Força máxima: é a maior força que o sistema neuromuscular pode
mobilizar através de uma contração máxima voluntária, ocorrendo
(dinâmica) ou não (estática) movimento articular. (WEINECK, 1999;
PLATONOV & BULATOVA, 1998)

 Força máxima estática: é produzida quando o atleta realiza uma


contração voluntária máxima contra uma resistência insuperável. É o
que podemos chamar também de força isométrica máxima.
(BADILLO & AYESTÄRAN, 2001)

 Força máxima dinâmica: é alcançada quando se supera o máximo


de carga possível em uma única contração concêntrica.(BADILLO &
AYESTÄRAN, 2001)
DEFINIÇÃO DE FORÇA MUSCULAR
 Força rápida: Capacidade do sistema neuromuscular de movimentar
o corpo ou parte dele ou ainda objetos com velocidade máxima.
(WEINECK, 1999; BADILLO & AYESTÄRAN, 2001)

 Força explosiva: é definida como a força produzida na unidade de


tempo. (ZATSIORSKY, 1999; BADILLO & AYESTÄRAN, 2001)

 Força de resistência: é a capacidade do sistema neuromuscular


sustentar níveis de força moderado por intervalos de tempo
prolongado. (WEINECK, 1999; PLATONOV & BULATOVA;
GUEDES, 1997).
TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR
 Treinamento isométrico: refere-se a uma ação muscular durante a
qual não ocorre mudança no comprimento do músculo.

 Treinamento isotônico: refere-se a uma ação muscular durante a


qual ocorre alteração no comprimento do músculo. Pode ser
concêntrico ou excêntrico.

 Treinamento isocinético: Isocinético refere-se á ação muscular


realizada com velocidade angular do membro constante. Quanto maior
a ADM maiores serão as cargas impostas ao músculo.
TESTE BÁSICO PARA A IDENTIFICAÇÃO DA RM

 Resistência Muscular Máxima (RM): Quantidade de carga máxima


suportada por um músculo naquele momento ou fase (“Força
Máxima”)

 Carga leve (Solicitar 10 repetições / Mensurar tempo)


 Pausa (Mesmo tempo da execução anterior)
 Aumentar a carga (Dobro ???) – 10 repetições / Tempo

 Avaliar: Execução – Tempo de execução – Facilidade

 RMM = Qualquer padrão anormal for verificado

 Neste momento teremos a RM. A partir deste momento podemos


estipular a porcentagem de carga em que iniciaremos os trabalhos.
Força Muscular

Técnica manual

 Força da gravidade e a resistência. A classificação é


baseada na amplitude do movimento no efeito da
gravidade e na quantidade de resistência gerada pelo
atleta
Força Muscular

Técnicas mecânicas

Dinamômetro
FLEXIBILIDADE

 Dúvidas na utilização dos termos:


 USA : Stretching = estender, alongar, flexibilidade,
elasticidade (BLUM, 1998)
 FRANÇA : Elongation = alongamento, estiramento (GRAY,
1980)
 BRASIL : Estiramento é uma lesão e não o ato de alongar
(DORLAND, 1999)

Definir precisamente um termo não é tarefa


fácil. O entendimento do significado de um termo
é essencial para o desenvolvimento de uma área
de estudo.
Fonte: Bibliografia Extra Complementar
FLEXIBILIDADE

• Capacidade de realizar movimentos (BARBANTI, 2003)

• Máxima amplitude articular e maior comprimento


muscular (GAJDOSIK, 2001)

• Capacidade da articulação mover-se com facilidade


(HEYWARD, 1991)
FLEXIBILIDADE

 Alongamento:

• Quaisquer exercícios ou modalidades de atuação muscular


que mantenham ou aumentem a flexibilidade, maximizando a
capacidade de “estiramento” muscular.

• Elásticos : até 30 segundos • Plásticos :  1 minuto de


de stretching; stretching;
• Inibem OTG e Fuso muscular • Deformações nas fibras de
colágeno e elastina

• PROTOCOLO BÁSICO: 4 X CADA MÚSCULO

Fonte: Bibliografia Extra Complementar


FLEXIBILIDADE
Tipos de Alongamento:
• ATIVO: Paciente realiza na ADM máxima utilizando a
contração muscular do agonista

• PASSIVO: Fisioterapeuta realiza o movimento para o


paciente

• ISOMÉTRICO: Terapeuta realiza o movimento até a ADM


máxima, mantém e solicita isometria do músculo alongado por
alguns segundos finalizando com relaxamento

• FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA


(FNP): Terapeuta realiza o movimento até a ADM máxima,
solicita isometria do músculo alongado por alguns segundos,
relaxa e retoma o alongamento em uma nova ADM
Referência

AMARAL, G.M.; BITTENCOURT, N.F.N.; MENDONÇA, L.M.


Avaliação pré-participação: como planejar intervenções
preventivas. . In: Sociedade Nacional de Fisioterapia
esportiva; BACHUR, J.A. (org). PROFISIO Programa de
Atualização em Fisioterapia Esportiva e Traumato-Ortopédica:
Ciclo 2, 2013.

ACHOUR JÚNIOR, A. Bases para o exercícios de


alongamentos relacionados com a saúde e no desempenho
atlético. Londrina, PR: Midiograf, 1996.

BIENFAIT, M. Fáscias e Pompages: O estudo do esqueleto


fibroso.

McATEE, Robert E..Alongamento Facilitado por FNP. Manole