Você está na página 1de 68

1.

Histórico do SAP
sábado, 18 de julho de 2009
08:25

O software de ERP começou na verdade com um software de MRP (Materials Resources


Planning)
Controla apenas os materiais. Por exemplo: Fábrica de Canetas. Para construir sem canetas
são necessários 100 corpos, 100 tampas e 100 cartuchos. Levava em consideração apenas os
materiais e o que tinham em estoque.
Não levava em consideração:
- Pessoas
- Máquinas
- Dinheiros
- Outros recursos empresariais

MRP -> ERP

SAP Chegou ao Brasil no ano de 1996/1997 na versão R3


Versões:

Versão da Academia: ECC 6.0 (ERP Central Component 6.0)

Administrador de Siglas

CRM – Customer Relationship Management


SCM – Supply Chain Management
APO – Advanced Planing and Optimizer
PLM – Product Lifecycle Management
Boticário, Embraer
Gestão Colaborativa do Produto
Phase-out
SRM – Supply Relationship Management

SAP Business Suite 7.0


Qual o ERP da Suite 7.0? ECC 6.0

SME – Small and Medium Enterprises


LE -> SAP Business Suite 7.0
Personalização 65%
Standard 35%
Proporção de 1: 5 (1 dólar da licença equivale a 5 dólares dos serviços)
Metodologia ASK MODE
ME -> SAP Business ALL-IN-ONE
Best Practices and Base Line
15% Personalizado
85% Standard Pré-Configurado
Somente se tiver 85% de aderência do Software
Metodologia TELL MODE
Módulo SD -> SLE (Sales and Logistics Execution)
2. Determinação da Conta
sexta-feira, 31 de julho de 2009
10:42

 Critérios relacionados com a determinação de Conta


o Plano de Contas
o Organização de Vendas
o Grupo Contábil do Cliente (mestre de clientes)
o Grupo Contábil do Material (mestre de material)
o Chave da Conta (vêm do tipo de condição)

 Grupo contábil do cliente:


o Receitas nacionais, receitas internacionais
 Grupo contábil do material:
o Produtos acabados
o Produtos revendidos
o Serviços
 Chave de conta
o Receitas
o Provisões
o Deduções sobre Receitas (descontos)
o Impostos

 Não é possível bloquear o faturamento caso não tenha gerado o documento contábil

 Tipo de Faturamento define o esquema de contas


3. Ambientes e Metodologia
sábado, 18 de julho de 2009
08:30

Clients = Mandantes = Centros de Serviços


Os dados pertencem aos clients.

LANDSCAPE

110 – é um client de desenvolvimento com dados. Chamado de SAND BOX (caixa de areia).
Request é um conjunto de customizações feitas que podem ser transportadas entre os
ambientes.
200 – Teste de Desenvolvimento com Dados mais próximos da produção
300 – Testes dos usuários chaves
Jumbo – conjunto de requests transportadas pelo pessoal de Basis

Metodologia ASAP – Accelerate SAP

Blueprint -> As IS e To BE

Preparação de Projeto -> definição das políticas, celulares, horários, escopo, cronograma
macro. A reunião de Kick-off encerra a preparação do projeto.

Solution Manager -> Metodologia + Ferramentas. Roteiros sugeridos do projeto. Exemplos de


reuniões, perguntas de cada reuniões, prazos, etc. Também possui uma ferramenta de
abertura de chamado, distribuição de pacotes de atualização. Early Watch: validação da SAP
que indica riscos da implantação.

A SAP se responsabiliza pela versão atual e duas versões anteriores.

Industry Solutions (Oil and Gas, utilities, airspace defense) -> soluções que sobrepõe alguns
processos Standards.

Solution Manager -> Também serve para depois do projeto. Possui uma ferramenta de
abertura de chamado. Distribuição de pacotes e early watch (indicam riscos da
implementação).
4. Fluxo do Sistema de Vendas e Distribuição
quinta-feira, 16 de julho de 2009
23:50

Remessa = Fornecimento = Entrega

Durante a Remessa é que temos o processo de Picking (obrigatório) e Packing (opcional).

Na Fatura é que são contabilizadas as contas:

Karina Receitas Banco

100,00 100,00 100,00

100,00

VA – Vamos Atender
VL – Vamos Levar
VF – Vamos Faturar
VT – Vamos Transportar

Ciclo OTC – Order To Cash


Ciclo P2P – Procurement do Pay

Eventos da Saída de Mercadoria

1. Estoque Físico e Necessidades são baixados


2. Fluxo de Documentos é atualizado
3. Lista de Faturamento a fazer é atualizada
4. Documentos de Custo é atualizado (o custo do material)
5. Documento Contábil de avaliação de estoque é atualizado
Eventos do Faturamento

1. Contabiliza (cria documento contábil de débito e crédito)


2. Fluxo de Documentos é atualizado
3. Análise de Resultados é atualizada
4. Atualiza o Sistema de Informações de Vendas (SIS)
5. Atualiza a gestão de crédito
As duas etapas obrigatórias para a venda de produtos comercializáveis:
1. Picking
2. Saída de Mercadorias

Atividades de Pré-Vendas
 Entrada e Monitoração de Contatos com os Clientes
 Campanhas de Mala Direta
 Respostas a consultas telefônicas de clientes
 Solicitação de Cotação
 Cotações

Suprimento
 Verificar a disponibilidade
 Transfere as necessidades para o MRP
o Compra
o Produz

Expedição
 Criação do Documento
 Picking
 Embalagem
 Saída de Mercadorias
5. Navegação
sábado, 18 de julho de 2009
08:22

Configuração do MENU
Pode ser por usuário ou por perfil de usuário.
Quem define? Basis
Quem especifica? Funcional

IMG – Implementation Guide SPRO

Menus rápidos:
/o - abre uma nova janela com a transação
/n – encerra transação
/i – logoff

Quantas seções podem ser abertas? No máximo 2 a 6 seções. Através do parâmetro


rdisp/Max_alt_modes

SEARCH_SAP_MENU

SEARCH HELP -> Match Code -> Ajuda de Pesquisa

F1 – Ajuda dos campos

F4 – Possibilidades de Preenchimento
Informações técnicas do campo.
Botão Customizing

Botão Verde – Volta uma tela


Botão Amarelo – abandona a transação, mas pergunta se quer salver
Botão Vermelho – abandona a transação sem perguntar

Menu de Barras
- condicionado ao contexto
6. Principais Conceitos
quinta-feira, 16 de julho de 2009
23:50

1. Estruturas Organizacionais
a. Empresa
b. Organização de Vendas
c. Canal de Distribuição
d. Setor de Atividade
e. Centro
f. Depósito
g. Local de Expedição
2. Tipos de Documentos de Venda
a. Venda Normal
b. Venda à vista
c. Doação
3. Categoria do Item
a. Item normal
b. Item gratuito
c. Bonificação
d. Serviço
4. Categoria da Divisão de Remessa
5. Controle de Cópia
6. Técnica de Condições
a. Pricing
b. Bonificação em Mercadoria
c. Troca de Material
7. Estruturas Organizacionais
quinta-feira, 16 de julho de 2009
23:50

Mandante: unidade técnica Autônoma.

Empresa: é uma unidade que efetua o balanço. Várias empresas podem utilizar o mesmo
plano de contas.

Local de Expedição: Cria, processa e monitoriza as entrega e os recebimentos. Ele é


responsável pelas diferentes atividades de expedição. Cada recebimento ou entrega é
processado de um local de expedição único.

Divisão: uma unidade separada para qual é possível executar relatórios internos de várias
empresas. As divisões não são limitadas por empresas. São utilizadas para calcular
demonstrações de resultados independente das empresas. É chamada de Business Area
(unidades de negócio). Não é uma unidade fiscal.

Grupo Econômico: conjunto de empresas.

Áreas de avaliação: avaliação de estoque do MM (ligada ao Centro).

Escritório de vendas: apenas um local que pode ter realizado a venda (opcional)

Equipe de vendas: um grupo de vendedores.

Vendedor: empregado do HR.


Principais unidades organizacionais
SD: organização de vendas
MM: centro
PP: centro
FI: empresa
CO: área de controladoria

Divisão:
Regra 1. Centro e Setor de Atividade do Item
o Usada quando o material tem setores de atividades diferentes entre os
centros
Regra 2. Área de Vendas
o Quando a ordem não é cross-division
Regra3. Organização de vendas, canal de distribuição e setor de atividade do item
o Quando a ordem pode ser cross-division
8. Dados Mestres
quinta-feira, 16 de julho de 2009
23:50

1. Dados Mestres de Cliente


a. Dados Gerais
b. Área de Vendas
c. Empresa
2. Dados Mestres de Material
3. Dados Mestres de Informação Cliente-Material
4. Dados Mestres de Condições
5. Dados Mestres de Saídas (Mensagens)

Única Informação que muda na Ordem de Venda é o Endereço.


A Razão Social muda, mas isso não afeta nada no processo.

Dados Mestre de Clientes


 Dados Gerais
o Endereço
o Dados de Controle (informações fiscais)
o Transações de Pagamentos (dados bancários)
o Marketing (setor industrial, etc)
o Pontos de Descarga (Horário de entrada de mercadorias)
o Dados de Exportação
o Pessoas de Contato
 Dados da área de vendas
o Vendas: escritório de vendas, moeda, região, grupo de preços
o Expedição: condição de expedição, centro fornecedor, zona de transporte
o Doc. Faturamento: classificação IVA, condição de pagamento
o Funções de Parceiro: Recebedor da mercadoria, emissor da ordem, pagador
 Dados da Empresa
o Administração de Contas (conta de conciliação)
o Operações de Pagamento (formas de pagamento, bloqueios de pagamento)
o Correspondência (procedimento advertência, responsável)
o Seguros (montante segurado)

Dados Mestre de Cliente-Material


 Nome e código do produto para o cliente
 Pode indicar se permite entrega parcial ou somente completa
 Centro Fornecedor
 Prioridade de Remessa

Dados Mestres de Condição (preço, desconto, etc)

- o preço de uma empresa é uma equação

Convenção: todo desconto começa com K.


PR00 – Preço Base

Dados Mestres de Saída (Mensagens)


 Meios de Transmissão
o Impressoras
o Telex
o Fax
o Mail
o EDI

-Quando? Como? Pra onde? Em qual língua?


- Se não for cadastrada, não sai.
9. Documentos
terça-feira, 21 de julho de 2009
11:35
10. Fontes de Informações
quinta-feira, 16 de julho de 2009
23:50

1. Documentos
Vendas
Remessa
Faturamento
...
2. Dados Mestres
3. Customizing
4. Programa (ABAP, Hard Coded)
11. Disponibilidade
quinta-feira, 16 de julho de 2009
23:54

É possível configurar para que a Solicitação de Cotação e a cotação também verifiquem o


estoque.

ATP – Available to Promisse

Etapas
1. Data do Pedido
2. Disponibilidade do Material
3. Organização do Transporte
4. Carregamento
5. Saída de Mercadorias
6. Data de Remessa (Entrega)

 O SAP sempre executa a programação regressiva


 A programação progressiva é a única que pode ser desligada no customizing.
12. Centro, Local de Expedição e Itinerário
quinta-feira, 16 de julho de 2009
23:54

Se não encontrar em nenhum desses, FICA SEM CENTRO E DÁ ERRO DE INCOMPLETOS

Determinação do Local de Expedição

É possível definir o local de expedição proposto e os locais de expedição alternativos

SPRO > Logistics Execution > Bases > Determinação do Local de Expedição / Departamento Entrada de
Mercadorias > Atribuir Locais de Expedição

Determinação do Itinerário
Itinerário é diferente de Rota, mas para a prova é Itinerário.
Trechos (trajetos) são partes do itinerário.
Etapa são todos os pontos onde ocorrem os custos de transporte. A troca de modal de
transporte é uma etapa. Ponto de chegada ou de partida não são etapas. Etapa Preliminar,
Principal e Subseqüente.

SPRO > Logistics Execution > Expedição > Bases > Itinerário > Determinação de Itinerários > Atualizar a
determinação de itinerários.
13. Processos Coletivos
quinta-feira, 16 de julho de 2009
23:54

No controle de cópia é configurado se pode juntar ou não varias entregas em um


faturamento.

Uma fatura não pode ter duas condições de pagamentos diferentes.

Processamento Coletivo de Remessa

Processamento Coletivo de Picking

Processamento Coletivo de Saída de Mercadoria


Para fazer a saída de mercadorias a quantidade da Ordem tem que estar igual a quantidade de
Picking. Situações a Granel é diferente.

Quantidade Fornecida = Quantidade Picking


Processamento Coletivo de Documento de Faturamento

Processo Coletivo -> Listas de Trabalho

Lista de Trabalho de Expedição


Lista de Trabalho de Picking
Lista de Trabalho de Saída de Mercadoria
Lista de Trabalho de Faturamento

Listas de trabalho são listas que geram as atividades subseqüentes.


14. Sistemas de Informações
quinta-feira, 16 de julho de 2009
23:56

Finalidade:
Permite você comprimir dados efetivamente. Isto resulta em análises e relatórios
específicos para muitas tarefas dos usuários.

3 Tipos de informação englobam uma Estrutura de Informação:


 Característica
 Índices
 Período

Listas Online: visualizar documentos e processá-los ainda mais (alterações em massa).


SIS: informações mais detalhadas, comparativas, estratégicas

Filtrar, ordenar, totalizar, subtotalizar. Adicionar e eliminar os campos de uma lista.

Variante é uma variação de um relatório, layout.

Existem Análises Standards e Análises Flexíveis

SAP BW
 Ambiente Operativo e Ambiente Informativo
 Business Content
o Funções
o Pastas de Trabalho
o Queries
o InfoCubos
o Extratores e InfoSources
o InfoObjetos
15. Contratos Básicos
sexta-feira, 17 de julho de 2009
23:42

Dois tipos de Contratos Básicos


1. Programação de Remessas
2. Contratos

Programação de Remessas
 Possui quantidades e datas FIXAS (deveria ser FIXADAS)
 Contém uma quantidade prevista e as entregas planejadas
 Possui entregas periódicas (mensal, semanal, diário)
 Modelo JUST-IN-TIME (montadoras de automóveis e fornecedores)

 Se fizer uma ordem de venda com várias divisões de remessas definidas manualmente,
será a mesma coisa. A única diferença é que o programa de remessa controla a
quantidade
 EDI (troca eletrônica de documentos)

Contratos
 Existem contratos por valor e por quantidade
 No contrato é possível definir uma Hierarquia de Produtos ou um Módulo de
Sortimento
 O contrato sempre tem um período de validade
 É possível criar ordens com referência ao contrato
 Não é possível fazer remessas diretas a partir de contratos
 O sistema gera mensagens caso exista um contrato em aberto
 As ordens podem ser emitidas em moedas diferentes dos contratos, mas o valor
atualizado é referente a moeda do contrato
 As quantidades e prazos de remessa são armazenados nas divisões de remessas da
solicitação sobre o contrato
 O faturamento pode ocorrer através de um programa de faturamento ou através do
faturamento de uma ordem sobre o contrato.
 Parceiros autorizados para solicitação sobre o Contrato
o São verificados somente no cabeçalho
o Emissor alternativo e recebedor alternativo
16. Expedição
quarta-feira, 22 de julho de 2009
11:23

O depósito não é determinado na Ordem de Venda,


determinado apenas na Remessa
Categoria do item da remessa = categoria do item de venda (não é redeterminado)

Tipo de documento FANTASMA (CD)

O TIPO DE DOCUMENTO DE REMESSA é sugerido no TIPO DE DOCUMENTO DE VENDA e


deve existir no CONTROLE DE CÓPIA
A SAÍDA DE MERCADORIA fecha o processo de EXPEDIÇÃO

Determinação do Depósito
Regra MALA

Regra RETA: definida através do programa, ABAP

Regra MARE: MALA + RETA (Caso não encontre com a MALA).

WM Completo (FULL) -> Posições ALEATÓRIAS


WM Enxuto (Lean) -> Posições Fixas

Tipos de Mensagens da Remessa (expedição)


- aviso de embarque
- nota de remessa
- lista de embalagem
- etiqueta de mercadoria
- ordem de expedição
- certificado de qualidade
- etiqueta de expedição
- lista de carregamento

Lotes
 No máximo antes da saída de mercadorias
 Partições de Lotes
o Manualmente
 Na remessa
 Na tela de partição de lote
o Determinação automática de lotes
o Administração de depósitos
17. Determinação de Material (Substituição)
quarta-feira, 22 de julho de 2009
12:16

Pode definir para substituir um material que NÃO existe no mestre de materiais. (ex.
MONITOR20).

 A troca em cascata funciona. Ou seja, se A manda trocar para B e B manda trocar para
C, quando eu entrar com A vai sair C.
 Fica registrado o material entrado
 Tem período de validade
 Você pode determinar um Motivo de Substituição

Listagem e Exclusão de Material


 Define se um item pode ou não pode ser comprado para um determinado cliente.
 Lista branca e lista negra
 Deve-se sempre cadastrar o que der menos trabalho
18. Bonificação em Mercadoria
quarta-feira, 22 de julho de 2009
12:23

 Quantidade Descontada
o Compre 5 e pague 4
o O desconto pode ficar explícito ou implícito no item da ordem
o Sempre do mesmo produto
 Quantidade Extra
o Compre 5 ovos e ganhe 1 pato
o Pode ser do mesmo produto ou de outro produto

 Regra de cálculo
o Pro Rata (proporcional)
o Referência a unidades (somente a parte inteira)
o Unidades inteiras
 100 leva, 101 não
19. Parceiro de Negócios
quarta-feira, 22 de julho de 2009
12:27

Tipos de Parceiros
1. Cliente
2. Fornecedor
3. Pessoa de Contato
4. Empregado

Funções de Parceiros contém um tipo de parceiros

O esquema de Parceiro pode ser vinculado ao mestre de Clientes ou a um Tipo de


Documento de Venda.

Chaves de Determinação do Esquema de Parceiros:


Mestre de Clientes Grupo de Contas

Cabeçalho do Documento de Vendas Tipo de Documento de Vendas

Item de Documento de Vendas Categoria do Item

Remessa Gratuita Tipo de Remessa

Transporte Tipo de Transporte

Cabeçalho do documento de Faturamento Tipo de Faturamento

Item de Documento de Faturamento Tipo de Faturamento

Contatos Comerciais Tipo de Contato


20. Dados Incompletos
quarta-feira, 22 de julho de 2009
12:39

Pode configurar por tipo de documento se é possível gravar ou não se algum dado estiver
incompleto.

O Grupo de Status define o que não poderá ser feito se aquela informação não for
fornecida.

 Existe uma Lista de Ordens Incompletas


21. Técnica de Condições
sexta-feira, 17 de julho de 2009
22:53

 História do Alencar e do Almir na Oktoberfest


o Bayer comprando nitrato e sulfato
 Acessando a pasta da Bayer
 Depois pegando o preço na lista de materiais

Exemplos de Técnica de Condições:


 Precificação (pricing)
 Bonificação em Mercadoria
 Substituição de Material

Elementos
 Esquema
 Tipo de Condições
 Seqüência de Acesso
 Tabela de Condições
 Campos (chaves)
 Catálogo de Campos

Pricing (Precificação)
 Pode ser usado para calcular:
o Preço
o Desconto
o Sobretaxa ou Acréscimo
o Frete
o Impostos
 Pode ter um período (validade)
 Pode colocar escala de valores
 O sinal é definido no tipo de condição, desta forma o valor assume automaticamente o
sinal definido no tipo de condição.
 O tipo de Condição define a unidade
o Percentual
o Montante
 Caso seja referenciada a uma cotação, não irá reprecificar tudo novamente

 VK11 / VK31

 Existem duas parametrizações importantes no tipo de condição:


o Tipo de Cálculo (Regra de cálculo)
 Percentual / Montante
o Base de Cálculo
 Escala de valores / Escala de quantidade / Escala de peso

 Esquema de cálculo (folha em branco)


o Representa a Equação de cálculo
o É organizada em uma seqüência vertical
o Possui várias etapas (passos ou níveis)

 Flag Manual - define que esse tipo de condição será informado manualmente
 Flag Obrigatório - Define se esse tipo de condição deve existir para que o esquema seja
calculado

 Tipo de Condição
o Um tipo de condição só pode ser adicionado manualmente, se estiver previsto
no esquema de cálculo
o Ao adicionar manualmente, ele assume a posição definida no esquema

 Existem Vários Esquemas (Pricings)


o RVXBRA
o RVABRA

 Fórmula
o É um programa ABAP
o É usado quando se precisa fazer algo mais complexo que uma simples soma
o Transação VFON

 Sequência de Acesso
o Está associada ao tipo de condição
o Um tipo de condição pode ter 0 ou 1 sequencia de acesso
 0 quando for manual ou por fórmula
o Flag Exclusivo
 Achou -> Parou
o É comum colocar os campos de Organização de Vendas + Canal de Distribuição
por convenção

 Catálogo de Campos
o É possível adicionar novos campos através de ABAP
 Condições de Preço valem tanto para Cabeçalho quanto para Item
 Condições de Cabeçalho sempre irão refletir no item
o Precisa ser ativado
o O tipo de condição é que define se é uma condição de item ou de cabeçalho
o Sempre são manuais
o Configura o comportamento
 Rateio
 Multiplicado para cada item
 Reterminação de Preço
o Tipos de Redeterminação
 Recalcular tudo
 Manter dados manuais
22. Pricing (Determinação de Preço)
sábado, 25 de julho de 2009
08:27

Elementos da técnica de condições:


1. Esquema de determinação
2. Esquema de cálculo
3. Tipos de Condições
4. Seqüência de Acesso
5. Tabela de Condições
6. Campos
7. Catálogo de Campos

Determinação do Esquema de Cálculo

Tipo de Documento -> Esquema de Preço do Documento (EPD)


Cliente -> Esquema de Preço do Cliente (EPC)

Um documento só pode ter um esquema de cálculo

Tabela de Condições

 É possível definir se o campo chave da tabela será uma linha ou um item de cabeçalho.
 É possível definir REQUISITOS para as tabelas de condições
o Moeda Estrangeira
o Emissor / Recebedor
 É possível mapear de forma diferente as entradas das chaves na tabela de condições

 Listas de Condições (Relatório)


o Cabeçalho da Página
o Cabeçalho de Grupo (Quebras de itens)
o Itens

 Registro de Condição
o Criação com Referência
o É possível ter textos descritivos nos registros de condições, por exemplo, um
motivo explicando o desconto.
o É possível mudar o tipo de cálculo (regra) na primeira vez que cria o registro
de condição, porém isso não é uma boa prática.

 Lista de preços Líquidos


o Um relatório que simula um faturamento
o Atribui condições para calcular um valor hipotético

 Índices de Condições
o Estrutura convencional de índices
o É possível adicionar um tipo de condições ao índice

 Status de Liberação / Processamento


o É possível definir status para os tipos de condições
o Ao criar o registro de condição, é possível definir qual o status irá assumir, com
isso é possível cadastrar antecipadamente um registro de condição e liberar ele
posteriormente.

 Condições de Grupo
o É possível considerar um total do grupo de produtos para definir as escalas das
condições.
 Condições de Grupo com Chave Variadas

 Condições de Exclusão
o É possível definir condições de exclusões para tipos de condições.
o Determinação do melhor preço para o cliente, pior preço para o cliente, etc.
o Tipos de Exclusões: A, B, C, D, E, F e L
 Cria Grupos de Exclusões
 Adiciona os tipos de exclusões aos grupos
 Adiciona as comparações aos esquemas

 Atualização de condições
o Flag no tipo de condição
o Define limites:
 Valor Desconto
 Máximo de Ordens (1 ou 2 somente)
 Condição base (total de ordens)

 Condições adicionais
o Esquema de cálculo no tipo de condição
o Também chamado de condições suplementares
o O objetivo é aproveitar a busca de informações semelhantes na base de dados
o Adiciona os valores no mestre de condições

 Hierarquia de Produtos
o É possível definir tipos de condições por hierarquia de produtos
o No SAP Standard são até 3 níveis de hierarquia
o É possível criar o registro de condições com níveis hierárquicos vazios
o O tipo de condição Standard para desconto por hierarquia de produto é K148

 Livro de Preços
o É possível definir um "catálogo de preços" travados em uma campanha/ciclo
o Cria esquemas e tipos de condições sob campanhas/promoções

 Condições Especiais
o HM00 (Preço do Dono) - Preço manual da Ordem
 Desativa o PR00 e define manualmente o preço da ordem
 A desativação é feita no programa (ABAP)
 Definido no Cabeçalho
o PN00 (preço do filho do dono) - Preço líquido do Item
 Desativa o preço e o desconto do item e define o preço líquido do item
 Definido por ABAP
 Definido no item
o AMIW e AMIZ (valores mínimos da Ordem)
 Preço mínimo
 Depois de somar os totais, aplica esta condição
 AMIW é o preço mínimo
 AMIZ é o complemento pra chegar no AMIW
 Definido no cabeçalho da ordem
o PMIN (preço mínimo do item)
 Somente o valor complementar (como se fosse somente o AMIZ)
o PR02 - Preço por intervalo
 Diferente de preço por escala
 Cada intervalo recebe o seu valor
 Na ordem mostra o valor médio e a quantidade
 Usado bastante em estacionamento, energia elétrica, etc

 Hierarquia de Cliente
o Grupo Pão de Açúcar
 Qualquer nível pode definir descontos, preços
 Cada nós possui um número único no sistema
 Um cliente já existente pode ser associado a um nó

Desconto de Hierarquia HI01


o É possível tratar grupos de exclusão

Desconto de Palete (KP00)


o Desconto por múltiplos
o Desconto em Montante

Sobretaxa de Palete Incompleto (KP01)


o Se comprar fora do múltiplo cobra sobretaxa

Desconto de Palete Misto (KP02)


o Desconto no cabeçalho
o Soma dos itens

Sobretaxa para paletes mistos incompletos (KP03)


o Sobretaxa no cabeçalho

Diferença de Arredondamento (DIFF)


o Cabeçalho da Ordem
o Recebe o valor do arredondamento na demonstração

Condições Estatísticas
o VPRS (preço interno) - Custo
 Custo de compra ou produção
 Ajuda a definir a margem de lucro
o Desconto SKTO
 Desconto para pagamento na data correta
 Desconto Financeiro
o Preços previstos pelo Cliente (EDI1 e EDI2)
 EDI1 diferença em uma unidade
 EDI1 diferença no valor total
 Se houver diferença o documento é salvo e tratado como incompleto

É possível gravar subtotais em campos da tabela KOMP


o Ou em variáveis de trabalho (XWORKD)
23. Impostos
terça-feira, 28 de julho de 2009
15:28

Esquema de Impostos
 O que vai ser calculado

Esquema de Preço
 Como vai ser calculado

 Esquema de Impostos
 Só pode ter tipos de condições de impostos

 O cliente pode ser


 Tributado
 Isento
 Zona Franca de Manaus

 Código IVA = Classificação Fiscal do Cliente + Classificação Fiscal do Material

 Código IVA + Esquema de Impostos = Impostos Ativos

 Código de Imposto de SD
 Precisa fazer o COMO

 Determinação de Imposto
 País de Origem +
 País de Destino +
 Classificação Fiscal do Cliente +
 Classificação Fiscal do Material

 Cada país pode ter mais de uma TAX Procedure


 Pode ser calculado em FI
 Pode ser calculado em SD
 Pode ser calculado em um sistema de terceiro
24. Promoção de Vendas
terça-feira, 28 de julho de 2009
15:32

 É uma técnica de condições


 É subdividida em ações de promoções
 É possível amarrar os descontos com as ações de promoções
o Para fins de avaliação (análise)

 Textos podem existir em condições, ações e promoções


 Pode conter status de liberação
o Liberado
o Bloqueado
o Liberado para Simulação
o Liberado para Simulação e Planejamento
25. Solution Manager
terça-feira, 28 de julho de 2009
10:28

O SAP Solution Manager é o Aplicativo Central de Gestão da Plataforma que os clientes


podem executar nos seus cenários de solução para ajudar em uma Implementação
Eficiente, na operação, monitoração e no suporte de soluções SAP.

O Solution Manager fornece ferramentas, conteúdo e um portal para a SAP que ajuda:
 Otimizar o gerenciamento da sua solução SAP
 Garantir a confiabilidade da sua solução SAP
 Garantir operações eficientes
 Facilitar a implementação e a atualização
 Continuamente adaptar e melhorar a sua solução

Cenário do Cliente

A SAP Solution Manager é uma aplicação separada, uma Solução Web completa que está
conectada a todos os sistemas no seu cenário de solução. Estes diferentes sistemas são
chamados de Sistemas Satélites.
Desta forma, a Solution Manager age como um sistema central para o seu cenário de
solução, possibilitando que processos de negócios possam ser implementados, testados e
ainda monitorados de uma forma integrada, deste modo evitando duplicação de esforço e
informação e racionalizando suas atividades.

Sistemas cada vez mais complexos

Nos últimos anos, a área de TI dos clientes SAP tem se tornado muito mais complexa. Em
vez de um simples sistema SAP R/3, agora existem cenários extensos distribuídos por todo
o mundo envolvendo diferentes soluções. Deste modo, tem sido muito mais complicado
de gerenciar todos os componentes destas várias soluções.
O processo de gestão também se tornou mais complicado para a própria SAP. Por
exemplo, ao longo dos últimos anos, a SAP consolidou distintas fontes de informação e
serviços no portal de serviços SAP (service.sap.com). Por ter uma solução do sistema de
gestão em todos os clientes do site, SAP pode oferecer um link direto para os sistemas
clientes para o portal de serviços, ajudando a reduzir o tempo de suporte, acesso a notas,
e assim por diante.

Por que Solution Manager?

 Implementação mais rápida e operações mais eficientes na sua solução


 Todos os recursos disponíveis para a implementação e atualização estão incluídos
 Acesso otimizado para todos os serviços de suporte
 Suporte otimizado para todas as operações, manutenções e atividades de melhorias
 Rápida resolução de questões através da colaboração com o Active Global Support
Cenários de Utilização do Solution Manager

 Implementação
o Implementando soluções SAP
o Atualizando soluções SAP
 Operações
o Monitorando soluções SAP
o Gerenciando a área de suporte
 Otimização
o Conectando com os serviços SAP
o Gerenciando pedidos de mudanças

Benefícios da Solution Manager

 Soluções mais confiáveis


o Redução de riscos durante a implementação
o Evitar inconsistências
o Resolver questões rapidamente resultando na diminuição do tempo
indisponível
o Implementação mais eficiente e melhor gestão de mudanças
 Custo reduzido de implementação e melhoria contínua
o Redução do custo do processo de desenho da solução técnica, desenho dos
processos de negócios, suporte, operações, testes e transferência do conhecimento
o Projeto centralizado para manipulação da especificação, configuração e teste
o Redução de custo de atualizações e projetos contínuos de melhorias

Mais benefícios do Solution Manager

 Rápido retorno sobre o investimento (ROI)


o Aceleração na implementação e melhorias contínuas
o Disponibilidade de roteiros de implementação, documentos de melhores
práticas
o Serviços de gestão para aumentar a velocidade de aprendizagem e acelerar o
projeto
 Redução do custo de operação
o Fornece um ponto central para controle dos ambientes
o Facilidade técnica e integração da aplicação
 Alavancar investimentos de TI
o Integrado com os cenários de TI que incluem tanto aplicações SAP como não-
SAP.

Sumário

Este tópico fornece uma visão geral do SAP Solution Manager. Você reviu como usar o
Solution Manager, tais como possibilitando clientes para integrar suas soluções SAP e
gerenciar outros componentes, incluindo o SAP Service Desk. Você também aprendeu
sobre os muitos benefícios da utilização do SAP Solution Manager, tais como o rápido
retorno sobre o investimento e a redução dos custos sobre as operações.
Finalmente, você aprendeu que o Solution Manager é uma instalação Web separada que
oferece uma ferramenta completa para gerenciar o ciclo de vida das soluções dos clientes.
Definição da Metodologia ASAP

A metodologia ASAP é uma provada, repetitiva e bem sucedida forma de implementação


de soluções SAP através de vários ambientes de indústrias e clientes. Esta metodologia
evoluiu desde meados dos anos 90 quando a SAP percebeu que seus clientes precisam
melhorar a forma de implementar o SAP R/3.
ASAP foi introduzido pela primeira vez como um conjunto de ferramenta chamada
ValueSAP, o que acabou incluindo os roteiros de implementação, a Global, e Upgrade.
A metodologia ASAP é agora totalmente integrada com o SAP Solution Manager e os
roteiros AcceleratedSAP fornecem conteúdo, ferramentas e conhecimentos a partir de
milhares de implementações bem sucedidas.
SAP está melhorando continuamente estes roteiros enriquecendo com conteúdo baseado
na experiência adquirida na implementação de novas soluções.

Roteiros Padrões ASAP

O objetivo dos roteiros é delinear as atividades envolvidas na execução, atualização, ou


melhoria das soluções SAP. Esses roteiros são enriquecidos com conjunto de prestações,
aceleradores, papel descrições, e guias adicionais.

Os cinco roteiros padrão da ASAP são:

 Roteiro de Implementação
o Fornece uma plataforma de metodologia para o time de projeto alavancar a
implementação da solução SAP. Abrange, entre outras coisas, o necessário para a
gestão do projeto, coleta de requisitos, desenho, configuração dos processos de
negócio, implementação técnica, procedimentos de testes, treinamento e gestão
organizada de mudanças.
 Roteiro de Gestão da Solução
o Fornece a metodologia para implementação da infra-estrutura técnica para a
operação. Este roteiro complementa o roteiro de implementação.
 Roteiro de Modelo Global
o O Modelo Global roteiro descreve a forma de organizar e executar um projeto
no qual é desenvolvido um modelo corporativo. Ele é voltado para aplicação mais
complexa ou a harmonização dos projetos, geralmente envolvendo mais de um tipo
de solução SAP e uma variedade de sites, possivelmente em países diferentes. O
modelo empresarial é levado para outros sites em um acompanhamento projeto.
 Roteiro de Atualização
o O roteiro de atualização é projetado para ajudá-lo a realizar as atividades
necessárias para personalizar uma atualização. Estas atividades personalizadas são
essenciais se quiser continuar a usar as mesmas funções nos seus componentes de
negócio após uma atualização.
 Outros roteiros
o O Enterprise Portal e o Exchange infrastructure Roadmaps são apenas
variações do roteiro de implementação.

As cinco fases do Roteiro de Implementação

 Preparação do Projeto
o Fornece um planejamento inicial e a preparação para o projeto SAP.
 Business Blueprint
o Documenta os processos de negócios necessários para a Empresa.
 Realização
o Implementa os processos definidos no Blueprint.
o Customizing + Desenvolvimento ABAP.
 Final Preparation
o Preparação para entrar em produção
 Go Live and Suporte
o Desligar os outros sistemas e ligar o SAP na produção e suporte contínuo
Sumário

Neste tópico você reviu o básico sobre a metodologia ASAP. Você aprendeu que a ASAP é
totalmente integrada com o Solution Manager, e os roteiros ASAP fornecem conteúdos,
ferramentas e expertises (experiências) de milhares de implementações bem sucedidas.
Você também aprendeu que existem vários roteiros disponíveis para os clientes, o mais
popular deles é o roteiro de Implementação. Finalmente, aprendeu que o roteiro de
Implementação possui 5 fases: Preparação do Projeto, Business Blueprint, Realização,
Preparação Final, Go Live e Suporte.

Gestão do Projeto dentro do Solution Manager

A ASAP fornece uma WBS que pode ser usada para planejar e monitorar as atividades e
tarefas da aplicação, no entanto, não se trata de ser caracterizada como uma ferramenta
de gerenciamento de projeto. De fato, há links para o Microsoft Project a partir do roteiro,
permitindo que um gestor de projeto para descarregar toda a estrutura para um plano de
MS Project.

Cada fase do roteiro prevê uma lista geral de atividades de gestão de projetos, tais como o
status da equipe , a gestão do escopo, gestão do plano de treinamento, e assim por diante.
Elementos do Roteiro de Implementação

Os principais elementos do roteiro de implementação são:


 Estrutura do roteiro
o Fornece ao time de projeto a lista do que fazer e quando fazer. É exibida no
lado esquerdo da tela. A estrutura pode ser filtrada por perfis para que cada
membro do time possa focar apenas nos itens que requerem a sua atenção.
 Área de Visualização
o Fica localizada no topo da tela, mostra guias de procedimentos, informações
de pré-requisitos, e entregas sobre os itens selecionados na estrutura do roteiro.
 Área de Anexos
o Fica localizada no rodapé da tela e mostra vários itens, tais como aceleradores,
questões, e documentação suplementar. Nesta área você pode também realizar
várias outras tarefas, tais como atribuir membros do projeto e monitorar o status do
item selecionado na estrutura do roteiro.
Recursos do Business Blueprint

Existem várias funcionalidades do Business Blueprint. Iremos focar as seguintes


características:

 Estrutura do Blueprint
 Cenários de Negócio
 Grupos de Processos de Negócios
 Itens Associados
 Documento de Blueprint

Cada elemento tem um impacto direto sobre os outros. Vamos ter um olhar mais atento a
estas características e como eles se relacionam.

A Estrutura do Business Blueprint é exibida no lado esquerdo da tela. Este estrutura é


desenvolvida através de seminários de Processos de Negócios. Todos os requisitos
recolhidos são registrados e associados com a estrutura do item. O conteúdo usado para
estabelecer a estrutura é encontrado no Repositório de Processos de Negócios (BPR).

A estrutura de negócio mostrada na tela é baseada em um cenário de negócio. Os cenários


empresariais são inicialmente definidos e, em seguida, grupos de processos empresariais
de apoio são escolhidos a partir do BPR com base nesses cenários.

Essas decisões baseiam-se nas atividades delineadas no Business Blueprint, onde são
organizados seminários com o objetivo de definir o processo de negócio necessários para o
projeto.

No lado direito da tela, Itens Associados estão disponíveis para apoiar as seleções na
estrutura do lado esquerdo. As funcionalidades adicionais, tais como projeto de
documentação, operação atribuições, e gráfico de fluxo de processos também estão
disponíveis.

Uma vez que Estrutura de Blueprint é finalizada, o Documento de Blueprint pode ser
gerado e se torna o "plano mestre" para a fase de realização do projeto.

O repositório central pode conter:


 Elementos estruturais: organizational units, master data, processos e passos de
processos.
 Atribuições para os elementos da estrutura tais como Transações e atividades de
Customizing.

Componentes da Transação de Configuração

O propósito da transação de configuração é a utilização da Estrutura Business Blueprint


para configurar IMG objetos no seu sistema de desenvolvimento. Aqui está uma lista dos
mais comumente utilizados componentes disponíveis na transação de configuração :

 Documentação do Projeto
 Atribuições das Transações
 Configuração de Objetos IMG
 Desenvolvimento de Itens
 Casos de Testes
 Gráficos
 Materiais de Treinamento
Funções da Configuração

Utilizando o documento gerado no Business Blueprint, a equipe do projeto vai para a


operação em Configuração do SAP Solution Manager para personalizar o sistema de
desenvolvimento. Personalização é a configuração dos objetos do IMG no sistema alvo. A
estrutura de Blueprint é replicada na configuração tela. Os itens associados ao lado direito
da tela fornecem um local para a documentação, administração, monitoramento, IMG
objetos a serem configurados, casos de teste, e os membros da equipa atribuída.

Recursos da Configuração de Testes


Teste é um dos mais importantes componentes da configuração. Uma parte crucial da fase
de realização é a possibilidade de testar a funcionalidade da solução, como você
construiu.Integrado ao Solution Manager está o Test Workbench, que inclui o organizador
de teste, ferramentas automatizadas de testes, e interfaces para testar ferramentas de
terceiros.

A figura mostra a integração de ferramentas de teste fornecidos pela SAP Solution


Manager.

A figura mostra os componentes do fluxo de trabalho de testes, desde a construção do


plano de teste até a execução dos casos de testes com o plano para analisar os resultados.
Os benefícios dos recursos de testes incluem:
 Redução do tempo da preparação de teste e execução
 Único ponto para acesso ao cenário completo do sistema
 Armazenamento central dos materiais e resultados dos testes
 Reutilização do materiais existentes de testes

Sumário

Este tema centrou-se nas várias séries disponíveis na ferramenta SAP Solution Manager.
Você analisou as principais características de gestão de projetos, tais como links para o
Microsoft Project e uma WBS. Você também aprendeu sobre características do roteiro de
Implementação, tais como a estrutura do roteiro e a área de aceleradores. Finalmente,
você analisou as principais características do Blueprint e da transação de Configuração.
Monitorando a Solução

O contínuo aumento do número de componentes e soluções TI é um desafio crescente


para a equipe de administração em um computador central. O número de componentes
aumentou a partir do que foi exigido com o SAP R/3 (incluindo SAP instances, base de
dados, hardware e sistema operacional) para incluir uma gama cada vez maior de
tecnologias. Como resultado desta evolução, da procura um computador central gestores
método de acompanhamento que está centralizado (com todas as informações em uma
ferramenta), ainda pode ser estendido para abranger os novos componentes.

Em vez do clássico sistema de acompanhamento de cada um dos componentes do sistema,


nós agora vamos falar do Solution Monitoring, onde todo o processo de negócio pode ser
controlado como um todo em vários componentes. Este conceito é realizado através das
seguintes três seções do monitoramento dentro do SAP Solution Manager:

 Acompanhamento dos Processos de Negócios


o Acompanhamento em tempo real com o foco em exibição gráfica dos
processos de negócios baseados no Computing Center Management System (CCMS)
 Acompanhamento Central: Sistema Central
o Administração e acompanhamento do Sistema Central de Gerenciamento
Computacional.
 Gestão dos serviços
o Acompanhamento contínuo aos alertas do EarlyWatch da SAP.

Uso de Nível de Serviço de Gestão do SAP Solution Manager para estabelecer a base para a
criação de procedimentos para o correto acompanhamento da sua solução SAP. A técnica
é recomendada para definir um conceito explícito acompanhamento sistema central de
monitoramento utilizando a Computing Center Management System (CCMS), em
conjugação com o SAP Solution Manager. Este tipo de sistema de vigilância, que começa
com acompanhamento de todas as empresas de processamento de relevantes
componentes de sistema, é conhecida como a abordagem dentro para fora. O
complementares fora para dentro abordagem envolve o uso de ferramentas de terceiros
fabricantes. Para realizar uma vigilância global, a SAP recomenda usar ambas as
abordagens em simultâneo.
Agora que falamos sobre algumas das funcionalidades da solução de acompanhamento,
vamos olhar para um outro componente do SAP Solution Manager: Service Desk. O Service
Desk oferece uma completa infra-estrutura de organização e operação de uma solução à
escala apoio organização em seu site.

Recursos incluídos:
 Processos de Manipulação de Mensagens
o Usuários finais podem criar mensagens que serão automaticamente coletadas
com os dados de contexto. Uma interface com ferramentas de mensagens de
terceiros também está incluída.
 Base de dados de Soluções de Clientes
o Os clientes podem construir um banco de dados de histórico para uma
consulta futura.
 Gestão dos SAP Notes
o Busca integrada de notas no SAP Service MarketPlace e implementação das
notas pelo SAP Notes Assistant
 SAP Solution Manager Diagnostics
o Fornece todas as funcionalidades para uma análise centralizada e um
acompanhamento completo de toda a Solução SAP.
Gestão de Solicitações de Mudanças

Depois de analisar as características do Service Desk, vamos examinar algumas das


funcionalidades mais avançadas do SAP Solution Manager. Dois recursos avançados
comumente utilizados são Change Request Management e Solution Manager Diagnostics.

Change Request Management, como parte do SAP Solution Manager, Service Desk integra
funcionalidades de gestão de pedidos de mudança. Os processos apoiados por Change
Request Management inclui correções urgentes para a execução rápida e mudanças direta
no ambiente produtivo, manutenção ciclo atividades, tais como publicações regulares,
atualização, ou modelo de projetos.

Solution Manager Diagnostics

Um requisito essencial para um eficaz e seguro suporte de soluções TI é a capacidade de


executar análise das causas com rapidez e eficiência. Solution Manager oferece todas as
funcionalidades de diagnóstico para uma análise centralizada e acompanhamento
completo da solução SAP. Também reduz o tempo necessário para formar um apoio
consultor em análise das causas.

Sumário

Este tópico examina as funções do Solution Manager que ajudam a gerir, acompanhar e
otimizar o ambiente produtivo. As funções incluem o Solution Monitoring e o Service Desk.
Você também aprendeu sobre os recursos avançados do Solution Manager, como o
Change Request Management e o Solution Manager Diagnostics.
26. Tipo de Documento de Venda, Categoria de
Item, Categoria da Divisão de Remessa
quarta-feira, 29 de julho de 2009
11:36

Tipos de Documentos de Venda


 Ordem Standard
 Contrato
 Venda à vista
 Ordem Urgente
 Fornecimento Gratuito
 Devolução
 Pedido de Artigos em Consignação
 Solicitação de Nota de Crédito/Débito

Funções do Tipo de Documento de Venda


 Transferência de Necessidades
 Determinação do Preço
 Sistema de Informações de Vendas
 Verificação de Crédito
 Mensagens
 Textos
 Verificação de Disponibilidade
 Programação da Entrega

 É necessário associar os tipos de documentos de vendas com as Áreas de Vendas


27. Bônus
quarta-feira, 29 de julho de 2009
12:17

 O bônus é diferente de desconto porque não está incluído na própria ordem.


 No standard, não é enviado em Mercadoria, precisa fazer rotina ABAP para isso.
 Delimitação = provisão
 Estipulação de Bônus é o acordo de bonificação.
 O documento que atualiza o bônus é o faturamento.
 O bônus é pago através de uma solicitação de crédito, gerada na liquidação do bônus.
 É possível criar uma estipulação de bônus retroativa.
 A estipulação de bônus pode ser percentual ou montante fixo.
 A delimitação (provisão) é sempre igual a estipulação.
 É possível lançar provisões manuais (movimento de FI)

 Precisa estar habilitado:


o Organização de Vendas
o Pagador
o Tipo de Faturamento

 Tipos de Estipulações de Bônus


o Bônus de Material
o Bônus de Cliente
o Bônus de Hierarquia de Cliente
o Bônus de Grupo de Mercadorias
o Independente do Faturamento
28. Transações Especiais
quinta-feira, 30 de julho de 2009
10:46

Consignação
 Reposição de artigos em consignação
o Ordem
o Remessa
o Picking
o Saída de Mercadorias
 Retirada de artigos em consignação
o Ordem
o Remessa
o Saída de Mercadorias
o Documento de Faturamento
 Devolução de artigos em Consignação
o Ordem
o Remessa
o Entrada de Mercadorias
o Documento de Faturamento
 Recolha de artigos em Consignação
o Ordem
o Remessa (Recebimento)
o Entrada de Mercadorias

Ordem Urgente e Venda à Vista


 Remessa criada automaticamente
 Na Venda à vista o faturamento é baseado na ordem

Remessas Gratuitas
 Não é referenciado na Ordem
29. Ordem em Atraso
quinta-feira, 30 de julho de 2009
11:36

Um item está em atraso quando:


 A quantidade de um item não for totalmente confirmada
 Não for possível cumprir a data desejada

Processamento de Ordens em Atraso


 Manual
 Por meio de Reprogramação Automática
30. Reclamações
quinta-feira, 30 de julho de 2009
11:54

Solicitação de Nota de Crédito/Débito


 Pode ser referenciada pela Ordem ou Doc. Faturamento
 Sempre são criadas com bloqueio de faturamento (Standard)
 Pode ser colocado motivo de recusa no item e liberar a nota de crédito apenas para os
outros itens

Devoluções
 Pode ser referenciado a uma Ordem ou Doc. Faturamento
 Bloqueadas para faturamento
 O faturamento é baseado na ordem e criado através de uma Nota de Crédito
 Recebimento de Devoluções
o Recebimento das Mercadorias Envolvidas
o Armazenamento em Estoque de Devolução

Solicitação de Correção de Faturas


 Sempre baseado no documento de faturamento
 Solicitação de Correção de Fatura
o Bloqueada para Faturamento
 Gera uma nota de crédito/débito
 Pode ser entendida como uma combinação entre uma nota de crédito e uma nota de
débito.
 Sempre alteramos o item de débito. O item de crédito fica sempre igual ao da fatura
de referência.

Cancelamento de um documento de Faturamento


 Faz os lançamentos contábeis invertidos
31. Embalagem
quinta-feira, 30 de julho de 2009
13:06

 Normas de Embalagem é uma técnica de condições

 Associação entre Grupo de Materiais com Tipo de Embalagem Permitida

 A embalagem pode ser:


o Faturada
o Retornável
 Fica como estoque sobre poder de terceiro
32. Tipo de Documento de Faturamento
sexta-feira, 31 de julho de 2009
09:36

 Controles existentes:
o Bloqueio para Contabilidade
o Número de Referência e Número de Atribuição (alocação)
 Podem ser:
 Número do Pedido
 Número da Ordem
 Número da Remessa
 Número Externo da Remessa
 Número da Fatura
 Número Externo da Remessa, caso não encontre Número da
Remessa
o Tipo de Lista de Fatura Permitida
o Documento de Faturamento para Estorno
o Trocar Sede e Filiais
 Permite trocar o pagador no documento contábil
o Lançamentos Negativos
 Não é possível no Brasil
33. Textos
sexta-feira, 31 de julho de 2009
09:46

Os textos podem estar localizados:


 Cliente (dados mestres)
 Material (dados mestres)
 Cliente-Material (dados mestres)
 Documentos Precedentes
o Textos de Cabeçalho
o Textos de Item

 É possível digitar textos em vários idiomas

 A determinação de preço é baseada em Técnica de Condições


 A chave da busca pode levar em conta a chave do Idioma
 Também é possível utilizar um texto standard do sistema
o Exemplo: mensagem de natal

 Tipo de Texto -> equivalente ao tipo de condição


 Esquemas de Determinação de Textos

 Objetos de Textos -> tabelas onde ficam armazenados os tipos de textos


 Um objeto de texto contém muitos tipos de textos
 O esquema de textos contém vários tipos de textos

 Esquema de determinação de textos do cabeçalho está no tipo de documento


 Esquema de determinação de textos do item está na categoria do item
 Esquema de determinação de textos do cliente está no grupo de contas

 Rotina de Transferência de Dados de Textos


o Programa ABAP
o É possível modificar os textos a serem copiados utilizando código ABAP
34. Mensagens
sexta-feira, 31 de julho de 2009
09:58

 Também é baseada em técnica de Condições


 Meios de transmissão
o Impressora
o Telex / Fax
o Transmissão Externa (web)
o SAP Office (correio interno)
o EDI

 Estratégia de Comunicação
o Seqüência de tipos de comunicação

 Dados de Endereço das Mensagens


o Está localizado no mestre de clientes

 Momentos de Saída
o Imediatamente
o Explícito
o De 5 em 5 minutos (recorrente)
o Hora específica (agendamento)

 Existe ferramentas de análise pra saber de onde veio a mensagem

 Como extrair a mensagem


o Banco de Dados
o Estruturas de Comunicação
o Programa ABAP
o SAP Script
o Documento
35. Variante
sexta-feira, 31 de julho de 2009
10:17

Variantes de Transação

Possibilidades:
 Ocultar e modificar a disponibilidade para entrada de Campos
 Valores Propostos nos Campos
 Ocultar Telas Inteiras

Pode relacionar variantes aos Perfis de Usuários

GuiXT -> define uma máscara que é aplicada sobre a tela

É possível definir uma variante por tipo de documento